Вы находитесь на странице: 1из 166

ParaM.M.

ESPÍRITO(es.pí.ri.to):

Umserouperonalidadesobrenatural,incorpóreo

eracional,geralmenteconsideradoimperceptível

aossentidoshumanosnocotidiano,mascapazde

tornar-sevisívelaseubel-prazere,emregra,tidopor

perturbador,aterrorizanteouhostilàraçahumana.

TheOxfordEnglishDictionary

GERALDBRITTLE Introduçãodoautor Éimpossívelprepararoleitor,emunspoucosecurtosparágrafos,paraoqueoaguardanaspáginas

GERALDBRITTLE

Introduçãodoautor

Éimpossívelprepararoleitor,emunspoucosecurtosparágrafos,paraoqueoaguardanaspáginas destelivro.Afinal,oqueestáregistradoaquiématerialquevaimuitoalémdehistóriasdefantasmas, dasexcentricidadesdaassimchamadaatividadepoltergeist,eadentraemumadimensãomuitomais profunda—umadimensãodehorroreperversidadequeénãoapenasreal:suaatuaçãoestáliteralmente alémdoimaginável. Apesar disso, o que se pode dizer é que todas as informações apresentadas neste livro são verdadeiras. Estes são casos reais que acontecerama pessoas reais e, ressalvadas algumas poucas

exceções,todososincidentesocorreramduranteasegundametadedadécadade1970.Alémdisso,foi

grandeocuidadoparaquefossemincluídostãosomenteoscasosdosarquivosdosWarrenquetivessem sidotestemunhadosporclérigoseexorcistasordenados,ou,emdeterminadascircunstânciassecundárias, as ocorrências em que os principais envolvidos eram críveis e confiáveis, e cujos comentários estivessemgravadosclaramenteemfita.Deve-seenfatizaraindaquenãoháexagerosouhipérbolesna apresentação dos fenômenos descritos neste livro. De qualquer forma, o espaço simplesmente não permiteainclusãodedetalhesassombrososquesãonecessáriosparainventarqualquercasoespecífico. Noentanto,emúltimaanálise,oprincipalobjetodeinteresseaquinãosãoosestudosdecaso,os fenômenosperturbadores,nemmesmoastranscriçõesdevozesdeespíritos.Outroscasospoderiamter sidousados.Outrosfenômenos,maisaterrorizantes,poderiamtersidorevelados.Emvezdisso,oquefaz qualquerumtremeremseuíntimoéosignificadodoqueEdeLorraineWarrentêmadizer.Enãohá porta-vozesmaisdignosdeconfiançaquandootemaéespíritosefenômenossobrenaturais.OsWarren dedicaramaltruisticamentesuavidainteiraaoestudo,aoensinoeàinvestigaçãodasforçasespirituais:

suasexperiênciasforamcomprovadasedocumentadasporpadres,rabinos,médicos,médiuns,policiaise reconhecidosespecialistasempesquisasdefenômenospsíquicos. Nestelivro,EdeLorraineWarrenrevelam,deformadiretaefiança,oincrívelsegredodaquiloque destróiapazemcasasmal-assombradas.Elesidentificamacategoriadeespíritosquevitimaseres humanoscomapossessãoedenominamaatividadepoltergeistporaquiloqueelaé.Osprincípios místicos revelados pelos Warren durante suas explicações foram minuciosamente pesquisados e verificados e,deacordocomaautoridadedetextos teológicos eacadêmicos sobredemonologiae exorcismo,asdeclaraçõesdocasalestãocorretas.Quandoconsideradoemsuatotalidade,oqueos Warrendizemsimplesmentedesafiatodasasnossasnoçõesdevida,morteedolugardohomemneste planeta. Nãoobstante,oleitordevelembrarqueapenasraramenteforçasexterioresdefatointerferemde maneiradiretaouefetivanavidadaspessoas.Ohomemécapazdecriar suaspróprias vitórias e monstruosidades,demodoqueéirresponsávelculparforçassobrenaturaisquandoaverdadeiraculpa quasesempreestádentrodenósmesmos.Portanto,nãosedevesuporqueadinâmicaeasperturbações detalhadasnestaspáginasaconteçamemcadaesquina.AsexplicaçõeseanálisesdosWarrendizem respeitosomenteàquelescasosemqueofenômenodefatosemanifestaeoagenteéidentificadocomode

origemverdadeiramentepreternatural. Porcausadosriscospotenciaisdesecriarumaréplicaexatadeumcasooudeumacircunstância específica,osdiálogosemalgunscapítulossãonecessariamentereconstruçõesdeconversasemqueEde LorraineWarrenserecordamdoevento,corroboradaspelodepoimentoemprimeiramãodetestemunhas e/ouporgravaçõesqueosWarrenfizeramnolocaldosfatosenquantoosfenômenosestavamemcurso. Nomes,endereços,lugareseoutrosdetalhesidentificadoresdotipoforamalteradosquandonecessário, paraprotegeraidentidadedosindivíduosqueforamespectadoresouvítimasdosfenômenos.Atodasas pessoas e famílias cujos nomes e experiências são mencionados neste livro, estendo minha sincera gratidão,eespera-sequeseusesforçoseasprovaçõesincomunsquevivenciaramsejamaomenosum poucoremediadospelaexposiçãoquesefazaqui. Porfim,otextodestelivrofoirevisado,quantoàsuaexatidão,pordoisexorcistascatólicosromanos, a quem expresso formalmente, por escrito, neste momento, meus agradecimentos por sua versada orientação.Eàminhaesposaemeus pais,minhaimensagratidão: seuapoioinabalável feztodaa diferençadomundo.

PREFÁCIO Conhecer pessoas agradáveis emmeioaproblemas econfusãoésempreumaexperiênciaespecial.

PREFÁCIO

Conhecer pessoas agradáveis emmeioaproblemas econfusãoésempreumaexperiênciaespecial. Conhecerpessoasagradáveisprofundamentepreocupadascomasdoreseasmazelasdosoutros—sejam psíquicasouespirituais—éestaremcontatocomdonsraros. Em nossos tempos de caos, sofrimento e instabilidade, é inspirador encontrar indivíduos que transmitamumespíritodepazerespeitopelopróximo,independentementederaça,credo,linhagem étnicaouconvicçãoreligiosa.AssiméoafávelcasalEdeLorraineWarren,quenosfalaatravésdas páginasdestelivro. ConheciEdeLorrainequandovisitavasuaparóquia,emConnecticut.Àmedidaquesuahistóriade vidasedesvelava,emergiramclaramenteemmimduasimpressõesprincipais.Primeiro,aqueleeraum casalcompassivo,afetuoso,devotoerealista,comdonsespeciaisdemente,espíritoealma.Segundo, elesestavamempenhadosnalutaparaprotegere/oulibertarpessoasqueseencontravamsobodomínio deforçasmaléficasoudeinfluênciasnegativas.Seuardentedesejodelivrartaisrefénsdomaléuma

aspiraçãosantaevaliosa,eumtrabalhosérioquejácontacom35anosdeestudos,investigaçõese

registros minuciosos feitos com precisão e análise científica. Os dons pessoais de discernimento psíquicoeespiritualedeoraçãodevotadosWarrenlevaram-nosafrequentesconsultascomocleropara oministériodaIgrejaedeseupoderbenévolosobreasforçasdomal. Enquantopadrecatólico,sinto-meespecialmentetocadopelasinceridade,humildadeeprudênciaque estecasaltransmite,epeloespíritodeafabilidadequepareceacompanhá-lo. Diantedeinfluênciasrebeldesemaléficas,determinadasadestruirouobstruiroplanodivinoparao bem-estartemporaleeternodohomem,ahumildadeéachaveparaaverdadequevenceasforças enganadorasdomal.TantonoAntigoquantonoNovoTestamento,DeusfeiadosartifíciosdeSatãeseus demônios.Assim,oSenhoralertaohomemcontraasmentirasdeSatã:averdadeéocoraçãodas palavrasdeDeusaohomem. ParaapessoaqueacreditanoDeusdaBíblia,ocultodemoníacoéumapráticapagãmalignaque escolheopor-seaDeus.Àsvezes,Eleésimplesmenteignorado;muitasvezes,éimitadoempadrõesde rituaiseencantamentos;outrasvezesainda,édiretamenteblasfemado.Aspráticase“brincadeiras”que fazempartedocultodemoníacosãodefatoperigosas,comodemonstraahistóriadosWarren.Noentanto, esteéumperigoprofundoereal,nãoummeroacaso.Comomuitasvidasforamintensamenteperturbadas ealgumasceifadasmedianteassassinatose“acidentes”,constituiextremaimprudência,porpartedas pessoas,brincarcompoderesqueelasnãopodemcontrolaremenosaindacompreender. ODeusdaBíbliaéoDeusdaverdadequedescreveSatãcomooPaidaMentira.Abrirmo-nosàs verdadesdeDeuseàsSuaspromessasésermoshumildes.VivermosSuasverdadeséestarmosasalvo domalassustadorquelevaàdestruição. Pessoalmente, espero que todos aqueles que leiam estes relatos sejam tocados pela graciosa afabilidadedeEdeLorraineWarreneabramocoraçãoeavidaaosalvíficoEspíritodeNossoDeusde Amor.

ReverendoJohnC.Hughes,M.S.

ALÉMDEAMITYVILLE DoladodeforadoescritóriodeEdWarren,noCondadodeFairfield,orelógiodeumaantigacapela

ALÉMDEAMITYVILLE

DoladodeforadoescritóriodeEdWarren,noCondadodeFairfield,orelógiodeumaantigacapela marcavaopassardosminutoscomumaprecisãodiscretaemecânica.Tudoomaisestavaimóvel.Era umanoiteescuraefria,quejáiaavançada,naNovaInglaterra. Dentrodoescritório,umalumináriadelatãoiluminavaaescrivaninhaàqualEdWarren,umhomemde

50anos,grisalhoepensativo,estavasentado,trabalhando.Centenasdelivrosocercavam,amaioria

deles trazendo estranhos títulos arcanos sobre a misteriosa tradição da demonologia. Acima da escrivaninhapendiamfotografiasdemongeseexorcistasdesemblantecarrancudo,cadaqualaoladode EdWarrenemcenáriosquelembravammonastérios.ParaEd,queestavaalitrabalhandonosilêncio sepulcraldanoite,aqueleforaumdiasinistro—umdiaqueaindanãotinhaterminado. Noúltimoinstanteantesdahoracheia,omovimentodorelógioganhouvidaemumasequênciade cliqueserelés,soandoenfimtrêssonorasbadaladassombrias.Àterceira,Edergueuosolhos,ficou

atentoaossonsdaescuridãoeentãovoltouaescrever.Eram3h,averdadeirahoradasforçasdomal,a

horadoAnticristo.Eagora,semqueosoubesse,EdWarrenseriaatacadoaqualquerinstante. Apenasalgumashorasantes,EdeLorraineWarrenretomavamàsuaresidênciaemConnecticutapós teremsidochamadosparainvestigarcertasalegaçõessobreaexistênciadeuma“casamal-assombrada” nolitoralsuldeLonglsland,emumagradávelbairroresidencialdacidadedeNovaYork.Emdezembro

de1975,acasaforacompradaporGeorgeeKathleenLutz,queparalásemudaramcomostrêsfilhos

pequenosporvoltadoNataldaqueleano.UmanoantesdeosLutzcompraremacasa,ofilhomaisvelho do antigo proprietário assassinouos seis membros da família enquanto eles dormiam, às 3hl5 da

madrugadadodia13denovembrode1974,comumriflecalibre.35[1].Em14dejaneirode1976,os

Lutzfugiramdacasa,afirmandoquehaviamsidovítimasdeforçassobrenaturaismanifestas.Essecaso

veioaserconhecidomaistardecomoAmityville[2].

Aofinaldejaneirode1976,aimprensajáhaviatomadoconhecimentodasalegaçõesdafamíliaLutz

acercadesuabizarraexperiêncianacasa,econvocouprontamenteespecialistasparainvestigarocaso. OsespecialistasrequisitadosforamEdeLorraineWarren.OsWarrenforamconsultadosporque,em círculosprofissionais,sãoconsideradostalvezasmaioresautoridadesdopaísemquestõesrelativasa espíritos e fenômenos sobrenaturais. Ao longo de pelo menos três décadas, Ed e Lorraine Warren

investigarammaisde3milperturbaçõesparanormaisesobrenaturais.

Aperguntaqueosveículosjornalísticosqueriamquefosserespondidaerabasicamentesehaviaum

“fantasma”nacasaàépoca.

ArespostadadapelosWarrenaofinaldetrêsdiasdeinvestigação,porém,foialgoqueninguémpodia

esperar.Narealidade,arespostaeraliteralmentedifícildeacreditar.

“Sim”,revelarameles,“nanossaopinião,haviaumespíritoatormentandoosLutznacasa.Contudo”,

concluíram,“nenhumfantasmaestavapresente.”

Oquesignificavaessaafirmaçãoparadoxal?Implicariaaexistênciadeoutrostiposdeespíritosalém

defantasmas?

Porincrívelquepareça,arespostaqueosWarrenderamfoi:“Sim!”.

“Há dois tipos de espíritos que são encontrados em verdadeiras situações de lugares mal-

assombrados”,explicaramem6demarçode1976.“Umtipoéhumano;ooutro,noentanto,éinumano.

Umespíritoinumanoéalgoquenuncacaminhousobreaterraemformahumana.”

AgraveinformaçãodadapelosWarrennãosetratavademeraespeculaçãobem-intencionada—

porque,exatamenteduassemanasantes,EdeLorraineWarrenhaviamsedeparadocomumespírito

inumanonaprópriacasa.Edfoioprimeiroaveraaparição.OescritóriodeEdWarrensitua-seemuma

edícula,dotamanhodeumchalé,ligadaàcasaprincipalporumlongocorredordealvenaria.Edestava

sentado, trabalhando nos detalhes preliminares do caso Amityville naquela fatídica madrugada de fevereiro,quandootrincodaportaaofinaldocorredorseabriucomumestalo,quefoiacompanhado pela batida estrondosa da pesada porta de madeira. Emseguida, passos avançaramemdireção ao escritório.

Elerecostou-senacadeira,esperandoLorraineentrarcomumaxícaradecafé,queseriamuitobem-

vinda. “Aqui dentro”, chamou. No entanto, passaram-se longos instantes, e sua esposa não apareceu. “Lorraine?”,chamoueleoutravez,masnãohouveresposta. Emvezdisso,oqueeleouviu,intensificando-seaolonge,foiumuivosobrenaturaldevento.Nãoerao assobiodoarsobosbeiraisdacasa,masorugidoameaçadordeumciclonedistante.Ospelosdeseus braçosarrepiaram-se. “Lorraine?”,chamouele,comavozmaisforte.“Vocêestáaí?”Mas,novamente,nãohouveresposta. À medida que o agourento somde redemoinho aumentava empoder e intensidade, Ed repassou depressanamenteoqueaconteceranosúltimosinstantes.Ocorreu-lhe,então,quehaviaescutadoapenas trêspassosnocorredor—nãoospassoscontínuosdeumapessoaandando.Algumacoisaestavaerrada. Derepente,aluzdalumináriadaescrivaninhaenfraqueceuàintensidadedachamadeumavela.Então, abruptamente, a temperatura no escritório despencouaté alcançar a de uma câmara fria. Umodor desagradávelepungentedeenxofresefezsentirnocômodo. Desconfiadodaqueleestardalhaçoinsólito,EdWarrenabriuagavetadaescrivaninhaeretiroudalium frascodeáguabentaeumgrandecrucifixodemadeira.Emseguida,levantou-seedeualgunspassos,

saindodoescritórioe entrandonocorredor.Nisso,docorredor emergiu,rodopiando,umhorrendo torvelinhocônico. Acoisa,sendopontudanabaseelarganotopo,eramaisnegraqueonegrornaturaldanoite.Muito maiorqueumhomem,amassarodopianteentrounasalamaliluminadaedeslizoulentamentenadireção deEd,parandounstrêsmetrosàsuaesquerda.Eleobservavaenquantoacoisapareciaficaraindamais densaeescuraqueantes!Defato,eleconseguiuverque,dentrodotorvelinho,algocomeçavaatomar forma.Umaentidadecomeçavaamanifestar-seemformafísica! Comodemonologista,EdWarrensabiaqueprecisavaagirdepressatomarainiciativaantesqueaquela assustadoramassanegrasetransformasseemalgoaindamaisameaçadoreperigoso. Segurandoacruzvoltadaparaaquiloqueagoraassumiarapidamenteaformadeummacabroespectro encapuzado,EdWarrenavançou.Noinstanteemqueofez,porém,aentidadesemoveu,desafiadora,na direçãodele. Edparouepermaneceufirmeenquantoaformaavançava,deslizandodevagar.Quandoamassanegra rodopiava a apenas poucos passos, Ed, de forma metódica e determinada, emummovimento que desenhavaumacruz,aspergiuoconteúdodofrascodeáguabentanacoisa.Emseguida,elerecitouo antigocomando:“EmnomedeJesusCristo,ordenoqueváembora!”. Por segundos que pareciam eternos, a massa negra permaneceu imóvel, a não mais que trinta centímetrosdacruz.Então,aospoucos,começouarecuar—masnãosemantestransmitiraEduma visãoclaradeelemesmoeLorraineenvolvidosemumacidenteautomobilísticopotencialmentefatalem umarodovia.Comisso,aentidaderetirou-separaocorredordeondeemergira.

UmaimensasensaçãodealíviotomoucontadeEdWarren,quecontinuavadepé,suandoemprofusão, alinasalacongelante.Todavia,enquantoeletentavareorganizarospensamentos,rosnadosferozes,como osdeanimaisbrigando,desúbitoirromperamdoladodeforadacasa.Edimediatamentepercebeuque nãoeramanimaisbrigando:aapariçãoaindaestavanacasa.Elahaviasimplesmentesubidoasescadas paraatacarLorraine! Evitandoocorredor,Edabriuàspressasaportalateraldoescritórioedisparoupelosdegrausnos fundosdacasa. Elechegariatardedemais. Noandardecima,LorraineWarrenestavasentadanacama,lendoabiografiadopadrePio,umnotável mongecapuchinhoquemuitosacreditamestardestinadoàsantidade.Nãoimportaoquantosesinta cansada,LorrainenãodormequandoEdprecisatrabalharsozinho,tardedanoite,noescritório.Após umavidainteiratrabalhandocomosobrenatural,EdeLorraineWarrensabemquenuncaestãosozinhos —nunca. Enquantoelaliatranquilamente,umaatmosferadeterrorespalhou-sepeloquarto.Então,baixandoo livro,tambémpercebeuquehaviaalgumacoisaerrada.Muitoerrada! “Fiqueiaterrorizada”,lembra-seLorraine,“masnãosabiadoqueestavacommedo.Olheipeloquarto, masnãohavianadaali.Então,observeinossosdoiscachorros,quedormiamaoladodacama.Eles estavam imóveis. À exceção dos pelos de cada um deles, que estavam completamente eriçados, arrepiadosdacabeçaaorabo!Então,donada,começouumverdadeiropandemônio.” AentidadenegraemredemoinhoqueEdhaviaafugentadoapenasumminutoantespareciaterrecuado pelocorredoreentradonacasa.Ohorrendoinvasoranunciousuachegadaproduzindoumsomtrovejante depancadasque,paraLorraine,soavam“comosealguémestivessebatendocomummarteloemuma chapademetal”.Oviolentobarulhodegolpessobressaltou-a—então,emquestãodesegundos,todoo calordoquartodesapareceu,oqueadeixoutremendodefrio.Depoisdisso,oterrívelsomdemarteladas parou,etambémelaouviuosomdeumtorvelinhovindoemsuadireção.Obarulhoameaçador e pavorosovinhadasbandasdocorredor,noandardebaixo.Apavorada,elaouviuoredemoinhosubiras escadaseentrar,rodopiando,nacozinha,emseguidanasaladejantar,nasaladeestar “Oquequerqueestivesseláforapareciaestarprocurandopormim”,dizLorraine.“Oqueeraaquilo? Porqueestavaaqui?Então,derepente,umciclonenegroarremeteurodopiandoparadentrodoquartoe secolocoudiantedemim. “Eunãoconseguiríasequercomeçaradescreveroabsolutoterroredesesperoquesenticonforme aquela coisa mórbida, negra, dentro do torvelinho se aproximava cada vezmais de mim”, lembra Lorraine.“Tentei memover,mas nãoconseguia.Tentei gritar,mas as palavras nãosaíam!Naquele momento,tiveumasensaçãodemorteiminente,comonuncahaviasentidoantes.Comomédium,eusabia queaqueleeraumespíritodemorte.Maselepareciaquereraindamaisqueamorte:elequeriaamim, queriaminhaessência,meuser. “Então,acoisaficoupior”,continuaLorraine.“Sentiqueestavasendoarrastadaparadentrodaquela coisanegrafuriosa.Enãohavianadaqueeupudessefazerparaimpedirisso!Mecanicamente,fizaúnica coisa emque consegui pensar: roguei, emnome de Deus, por proteção. Daí, de algummodo, tive condiçõesdefazerumacruz—umacruzgrande,enorme—noar,entremimeacoisa.Issoafezparar. Maselanãoiaembora!Eunãosabiaoquefazeremseguida.Aessaaltura,graçasaDeus,Edentrou correndonacasa.Nisso,acoisarodopiouparaoquartoaolado,atravessouostijolosesubiupela chaminé.E,então,acabou.Nãohavianadaquebrado,nadadestruídodepoisdisso.Noentanto,essenão foionossoprimeiroencontrocomumespíritoinumano!” OqueconfrontouEdeLorraineWarrennaquelasprimeirashorasdamadrugadanãoeraumfantasma. (Tampoucofoialgovistoexclusivamenteporeles.Existemrelatosdeoutraspessoassobreamesma massanegraemredemoinho.)Antes,aquiloeraaapariçãodealgomuitomaisnefastodoquequalquer

fantasmajamaispoderiaser:amanifestaçãodeumfenômenorelativamentemaisraro,conhecidocomo espíritodemoníacoinumano.Enquantoentidadepreternatural,considera-seoespíritoinumanocomoalgo dotadodeumainteligêncianegativaediabólica,focadaemumairaperpétuacontraohomemeDeus. Estudaroqueesseespíritoé,oqueelepodefazereoquesuaexistênciapodesignificaré,emúltima análise,otrabalhoeaincumbênciadodemonologista. Atérecentemente,erampoucasaspessoas,àexceçãodeoutrosprofissionaiseclérigosexorcistas,que conheciamavidadeEdeLorraineWarren.Otrabalhodeles,pornecessidade,nãoerapúblico.Emvez disso,osWarrenmantinham-selongedosholofotes,quertrabalhandosigilosamentecomindivíduosque estivessempassandoporverdadeirosproblemasrelacionadoscomespíritos,quercomoinvestigadores, realizandopesquisasnoslocaisondefenômenosestranhosouinusitadosestavamemcurso. OsWarrencomeçaramainvestigar fenômenosespirituaisnametadedadécadade1940,masfoi

somentenadécadade1970queelesdefatosetornaramconhecidospelopúblico.Pareciaqueeles

estavamsempreondequerqueocorressequalqueratividadebizarraounefasta.Em1972,porexemplo,o

fantasmadeumservodoséculoXIXentrouematividadeemumamansãoemWestPointecomeçoua atormentarosconvidados.Maistarde,osjornaisdeNovaYorknoticiaramqueosWarrenhaviamsido chamados pelo Exército para confrontar aquele espírito zombeteiro e colocar um fim nas suas travessuras.

Noiníciode1974,osWarrenestavamdenovonamiradopúblico.Dessavez,elesforamvistos

rapidamenteporocasiãodoencerramentodeumcasoemqueumpadredaIgrejaCatólicaRomanateve querealizarumexorcismoemumacasaquevinhasendodestruídaporvândalosinvisíveisquechegavam atémesmoaatacarpessoas!Maistarde,naquelemesmoano,ocasaltornou-senotícianovamente,dessa veznarededetelevisão,porqueumacasanaregiãosuldaNovaInglaterravinhasendoabaladaporuma dasmaisinacreditáveisatividadesdotipo“poltergeist”járegistradas.“Acausadasperturbações,em ambososcasos”,dizEd,conhecedordoassunto,“foidemoníaca.” Contudo, foi apenas em1976, quando foramchamados a investigar relatos de uma irrupção de “atividadedemoníaca”emAmityville,queEdeLorraineWarren,bemcomoseuextraordináriotrabalho nocampodosfenômenossobrenaturais,passaramaserfocodeatençãonacional. Quemsãoessasduaspessoas,vistasemsegundoplanonasfotografiasdaimprensa,masraramente identificadas?Comoelassão?Eporquefazemotipodetrabalhoquefazem? Embora se possa pensar que pessoas envolvidas com demonologia devem ser necessariamente fascinadaspelomacabro,EdeLorrainenãosãoocultistasnemexcêntricos,tampoucoestãoempenhados emalgumaespéciedecruzadareligiosa.Aocontrário,avisãoqueosWarrentêmdavidaéqualquer coisa,menosnegativa.Narealidade,elessãoeficientesemseutrabalhoapenasporserempessoasmuito positivas.

EdWarrennasceuemConnecticut,emsetembrode1926.Robusto,detroncolargoearredondadoe

natureza afável, Ed parece mais o quitandeiro da esquina que um demonologista. Nitidamente despretensioso,Ednãodeixatranspareceremnadaomisteriosoconhecimento—epoder—quetraz consigo.Tranquiloedespreocupado,deleemanaaqueleardecompetênciaquesevêempessoasque aprenderamoquesabemdomodomaisdifícil.

LorraineWarren,nascidaapoucosquilômetrosdofuturomarido,emjaneirode1927,éesbeltae

atraente,semprecomumsorrisonorosto.Ajulgarporsuaaparência—adeumadonadecasaelegante daNovaInglaterra—ninguémjamaispoderiasuporqueelasejaumaclarividenteperspicazeuma médiumdetranseleve.Alémdisso,Lorrainetemodombíblicododiscernimentodosespíritos,doqual SãoPaulofalaemsuaPrimeiraEpístolaaosCoríntios.

Juntos,EdeLorraineWarren,cadaqualnacasados50anosdeidade,formamumcasalcordatoefeliz

quetemumaamizadeúnicanocasamentoeumavisãoclaramentepositivadavida.Nãoobstante,tudoo

queosWarrenjávirameaprenderamaolongodesuaextraordináriacarreiraconjuntaproporcionou-lhes

umasabedoriaquevaimuitoalémdesuaidade.

Hoje,enãoédesesurpreender,aperguntafeitacommaiorfrequênciaaEdeLorraineWarrené:“O

que de fato aconteceuno caso Amityville?”. Embora nenhuma resposta breve pudesse solucionar a questão,talvezaexplicaçãomaisabrangentequeosWarrenjáderamarespeitodocasotenhasidoem umapalestrabeneficenterealizadaemsuacidadenatal,Monroe,emConnecticut,duranteoverãode

1978.

Apalestrafoidadanoconservadoprédiodetijolosdaprefeituramunicipalemumagradáveleameno iníciodenoite,nofinaldeagosto.DezminutosantesdahoramarcadaparaaexposiçãodeEdeLorraine, aspoltronasdonovoeequipadoauditóriojáestavamtodasocupadas.Aquelesquenãoconseguiram encontrarassentosacabaramdescendopelocorredoresentando-senapartedafrente,comaspernas cruzadas.Haviamuitoalvoroçoetagareliceemmeioàmultidão.Portodoorecinto,palavrascomo fantasma,espíritoeexorcismopodiamserouvidasaquiealinasconversas.Pareciaquetodos,aomenos naquelanoite,tinhamumahistóriadefantasmasparacontaraalguém. Nopalcoestavamduastribunas,ummicrofonecromadoinstaladoemcadaumadelas.Àsoitohoras, asluzesdorecintodiminuem,osilênciotomacontadaplatéiae,noinstanteseguinte,osWarrensobem aopalco.Lorrainevestiaumalongasaiadelãxadrez,blusadebabadoseumcoletedeveludonegro;Ed, umcasacoazuleumagravatadetecidoxadrez,quecombinavacomasaiadaesposa. “Nestanoite,senhorasesenhores,Edeeugostaríamosdecompartilharcomvocêsalgumasdasnossas experiências dentro de muitas casas mal-assombradas que têmaparecido recentemente nos jornais. Gostaríamosdemostraroquedescobrimosnessascasas,bemcomodiscutiralgumasdasinformações queobtivemosnoscasosemquefoipossívelacomunicaçãocomosespíritosqueasassombravam.” Nessemomento,Eddáumacenodecabeçaparaoprojecionista,queapagaasluzesdopalco.Uma ondadevozesansiosaselevou-senasala.“Ah,não,elesvãomostrarfotos!”,exclamaumagarotinha, afundandosemdemoranapoltrona. “Aqui temos uma verdadeira casa mal-assombrada”, declarou Ed quando o primeiro slide foi projetado.“Digoqueacasaémal-assombradaporqueaquelasenhoradeaparênciabondosaquevocês podemverali,depéjuntoàjaneladoandartérreo,éumfantasma.” Eassimcomeça ÉporissoqueosWarrenfazempalestras:nãoparacontarhistóriasdefantasmas, masparaapresentarcasosverdadeirosquemostramaexistênciadosfenômenossobrenaturaiseexplicar comoeporqueelesocorrem. ComoexplicaEd:“Aexistênciadosespíritosnãoéumaquestãodefé,éumaquestãodeprovas.Na verdade,aperguntanemétantoseosfenômenosestãoali,masporqueestãoali.Eporqueinterferem tantonosassuntoshumanos?”. ArazãoporqueosWarrenfazempalestraspúblicasremontaaaproximadamenteumadécada,finaldos anos de 1960. À época, emmeio a experimentações de estilos de vida alternativos, umrenovado interessepeloocultoderepentefloresceu.Fechadahaviaquaseumséculo,aportaparao“submundo”foi escancaradadesúbito,aoqueseseguiuumdrásticoaumentononúmeroderelatosdeincidentescom fenômenosespirituaisnocivos.Quasequeimediatamente,osWarrenforamsoterradoscomoquese provaramsercasosgenuínosdeopressãoepossessãoespiritualnegativa. Amaioriadaspessoasafetadasentãoeradejovensemidadeuniversitária.Preocupadoscomesse gravedesdobramento,osWarrenderaminícioaumprogramadepalestrasemcampiuniversitários,nas quaisalertavamestudantesdetodoopaíscontraosperigosdooculto.Corroborandosuaspalavrascom provas documentais — slides, fotografias, gravações emfitas cassete e artefatos físicos —, Ed e Lorrainedeixavamumaimpressãoindelévelnaquelesaquemfalavam.Empoucotempo,opúblicoficou fascinadocomsuasexperiênciasemprimeiramãoesuaspesquisascontínuas. Embora hoje emdia eles façampalestras principalmente para plateias de estudantes, os Warren tambémfalamagruposcomunitárioseparticipamdeprogramasderádioetelevisão,quandodispõemde

tempo para tal. O que os tomou populares foram sua honestidade e sua experiência. Seu estilo descontraído, informativo e pragmático fez com que muitos céticos passassem a acreditar nesses fenômenos. Não obstante, mesmo que Ed e Lorraine apresentem uma explicação articulada dos fenômenosespirituais,elestêmconsciênciadagravidadedesuasdeclarações.Porisso,osWarrennão dizemnadaquenãopossamcomprovarcomevidênciascríveisecasosdocumentados.

Durantesuapalestracomslides,aplateiadeConnecticutpermanecesentadaemsilêncioenquantoEd eLorrainedetalhamcasoapóscasodefenômenosespirituais,ilustrandoseuscomentárioscomimagens defantasmas,luzesproduzidasporpsiquismo,levitaçõeseobjetosmaterializados.(DanGreenburgdiz, emseulivroSomething’sThere[HáAlgoAli,emtraduçãolivre],que,seosWarrendisseremqueviram umfantasma,entãoelesviramumfantasma!)Quandoasluzesdoauditóriosãoacesasnovamente,dúzias demãoserguem-sedeimediato. Umelementoobrigatórionaspalestraspúblicasdocasaléasessãodeperguntaserespostasquese segueàexposição.Nela,aspessoaspodemcompreenderporsimesmasoestranhíssimotópicodos espíritos,porqueépossívelfazerumaperguntaaosWarrenereceberumarespostadiretaeobjetiva.Para EdeLorraine,issoécomoumaconversaentrevizinhos. "Agoraquetodosvocêsestãoprontosparaentraremumacasamal--assombrada”,brincaEdcoma plateia,“vamosàprimeirapergunta!"Umsenhorjáidoso,usandoóculosdearodourado,levanta-se. "Tenhoidadesuficienteparaserseupai,EdWarren,mas,emtodaaminhavida,nuncavinenhum dessestiposdefenômenos,comovocêoschama.Vocêjáviuumfantasmapessoalmente?Jáviuesses objetoslevitando?”Evoltouasentar-se. “Naminhavida,jávimuitos,muitosfantasmasmaterializados”,respondeEd,pelomicrofone.“Os fantasmasquevocêsviramnessesslideshojeforamfotografadospormimouporfotógrafos-médiunsque estavamtrabalhandocomigonasinvestigações.Naverdade,aindaesteanoiremosparaaInglaterrapara tentarconseguirumafotografiadaDamadeCastanhodeRaynhamHall—LadyDorothyWalpole,umdos fantasmasmaisfamososqueexistem.NãomuitolongedalificaBorley,aregiãomaismal-assombradado país.LorraineeeujávimosaFreiradeBorleycaminhandopelaruae,destavez,tentaremosfotografá-la também.” Tomandoumgoledoseucopodeáguagelada,Edprossegue.“Quantoalevitações—sim,jávi levitaçõesdetodosostipos.Essecasoquelhesmostreiestanoitefoiporatividadedemoníaca,nãopor

fantasmas.Duranteoseudesenrolar,testemunheiumrefrigeradordepoucomaisde180quilosseerguer

dochão.Emoutrocaso,observeiumatelevisãodearmáriosubirlentamentenoar,eentãocaircomum

estrondoensurdecedor,comoodeumaexplosão.Noentanto,nadasequebrou!Essessãoapenasdois

exemplosquemevêmàmente,emboralevitaçõesocorramemmuitoscasosemqueespíritos—tanto

humanosquantoinumanos—estãoportrásdaperturbação.Então,respondendoàsuapergunta,senhor:

sim,jáviumfantasma;sim,jávilevitaçõesacontecerem.” Edapontaparaumalouraaltaqueselevantaparafalar. “NolivroAmityville,oautorcitaumaantigacrençadequeespíritosdomalnãopodematravessaruma extensãodeágua”,dizela.“Issoéverdade?” “Não,ésóumasuperstiçãoantiga”,respondeEd.“Espíritosnãosãoafetadosporbarreirasfísicas— nempeladistância,aliás.Osimplesatodepensaremumespíritoespecíficoésuficienteparaatraí-loaté você.” Lorrainechamaumadolescentequeestiverasentadonasprimeirasfileiras,pertodopalco.“Oque vocêsqueremdizercomsobrenatural?",eledesejasaber. “Se você procurar a palavra no dicionário, encontrará que ‘sobrenatural’ significa a atividade provocadaporDeuseSeusanjos”,respondeLorraine.“Masamaioriadaspessoasnãoentendeotermo dessamaneira.Então,emvezdisso,usamosapalavranosentidoqueémaiscomumentecompreendido,

ouseja,atividadeprovocadaporqualquerforçaouagentequenãofaçapartedonossoreinofísico, terreno.Tecnicamente,osfenômenosprovocadospor espíritosinumanossãochamadosdeatividade preternatural.Paraexplicardeoutraforma,osfenômenosprovocadosporespíritosinumanospoderiam serconsideradosmilagresnegativos.” Emseguida,Edapontaparaumamulhernomeiodopúblico.“Seeumorresseamanhã”,perguntaela, “metornariaumfantasma?” “Épossível”,respondeEd,“maspoucoprovável.Noentanto,sevocêmorressederepente,deforma inesperada—digamos,emumacidente—eserecusasseaaceitarofatodeestarmorta,entãomuito provavelmentevocêpermaneceriapresaàTerraatéperceberqueestáforadojogo,queestámorta. Nesse meio-tempo, enquanto estivesse tentando entender essa questão, já em espírito, você provavelmente permaneceria presa a lugares familiares —* como a sua casa. Nada lhe pareceria diferente:vocêseriacapazdevereouviroutrosmembrosdasuafamíliaexatamentecomoantes,mas elesnãoconseguiriamvê-lanemouvida.‘Qualéoproblema?’,vocêpoderiaseperguntar.‘Porquenão prestamatençãoemmim?’Então,frustrada,vocêencontraumamaneira—pelopoderdamentesobrea matéria—decomeçarafazerobjetossemoverem,ouabaterportas,parachamaratenção.Éclaro,a únicacoisaquevocêdefatovaiconseguirfazerédeixarsuafamíliaapavorada.Aessaaltura,seus parentestalvezentrassememcontatoconosco,eentãonósiríamosatéacasaeteríamosumaconversinha comvocê,enquantoespírito—paraquevocêconseguisseseguirparaooutroladocorretamente.” “ComovocêsdoisseenvolveramnocasoAmityville?”,perguntaaosWarrenumsenhor moreno, vestindoumacamisetaderúgbi.“Alémdisso,oquevocêsfizeramdurantesuasinvestigaçõesqueoutros nãofizeram?”Asperguntasdeixaramaplateiaanimada.Éóbvioquetodostambémqueremouvira resposta. “Sualongapergunta,senhor,pedeumarespostalonga”,alerta-oLorraine,comgraciosidade. “Nãotemproblema”,dizohomem. “Então,tudobem”,começaLorraine.“Nossoenvolvimentoteveinícionaúltimasemanadefevereiro

de1976,quandorecebemosemcasaumtelefonemadeumajovemprodutoradetelevisãodacidadede

Nova York. Ela queria saber se tínhamos disponibilidade para investigar uma suposta casa mal- assombradaemLonglsland.Eudissequetalvez,masqueprimeiroprecisariasaberdemaisdetalhes. Então, ela explicoua questão do assassinato dos DeFeo, em1974, e da experiência dos Lutzna residência. Em seguida, falou que seu canal de tv estava fazendo a cobertura do trabalho de parapsicólogosepesquisadoresdefenômenospsíquicosquehaviamentradonacasalogoapósafugada família Lutz. No entanto, após ummês, aqueles investigadores ainda não tinhamnenhuma resposta concreta.Então,elaqueriasabersepoderíamosrealizarumasessãoespíritanacasaeinformarseeram espíritosqueestavamportrásdoproblema. “Eurespondiquesim,quepoderíamosinvestigaracasa,masrealizarumasessãoespíritaseriauma questão muito diferente. Ela compreendeu. Enquanto ainda estava ao telefone, consultei Ed, que concordouquenãohaveriaproblemaemanalisarmosocaso. “QuandofomosparaLonglsland,encontramosGeorgeeKathypelaprimeiravez.OsLutzestavam morandotemporariamentenacasadamãedeKathy.Ocasaldissequenãoqueriasequerchegarpertoda casaquehaviacomprado:nóstivemosqueiratéelesparapegaraschavesdaresidência.Paranão formarmosprejulgamentoscomrelaçãoàinvestigação,nãoentrevistamosafamíliaLutzàépoca.No entanto,fizemosalgumasperguntaspontuaisaocasal,paraatestarsuasinceridade.Semdúvida,eles estavamsendosinceros:estavamcompletamenteapavorados!Desuaparte,Georgenospediuapenasuma coisa.Sefôssemosentrarnacasa,que,porfavor,pegássemosaescrituraealevássemosparaele.Nós concordamosepartimosparaolocal. “Acasaerabembonita”,continuaLorraine,ajeitandoocintodetecidoquadriculadosobreocoletede veludo.“Edestacionouocarronaentradadagaragemedemosumavoltaemredordela,paratermosuma

ideiadolugar.Emseguida,destrancamosaportadafrenteeentramos. “Umavezládentro,aprimeiracoisaqueEdeeufizemosfoiandarjuntospelacasa,umandarporvez. Oqueencontramosfoiumaresidênciaquepareciatersidoevacuadaàspressas.Sobreamesadasalade jantarhaviaumacasafeitadebiscoitosdegengibre,todadecoradaparaoNatal,jornaisdemeadosde

janeirode1976estavamespalhadospelasmesasounochão.Osarmáriosdacozinhaestavamcheiosde

comida,bemcomoorefrigerador.Noporão,umfreezerverticalestavaabarrotadocomprovisõesque valiamalgumas centenas de dólares; havia roupas dobradas sobre a secadora, prontas para serem guardadas.Obarzinhotinhaumestoquedegarrafasdebebidalacradas.Osarmáriosestavamrepletosde roupas—temos,vestidos,sapatos,tudo.HaviajoiassobreacômodadoquartodocasalLutz.Relíquias degeraçõesanteriores,atémesmoosálbunsdefotografiasdafamíliaforamdeixadosparatrás,àvista, paraseremlevados.Emresumo,acasaestavaexatamentedojeitoqueacasadevocêsprovavelmente estáhojeànoite,quandovocêsvieramatéaquiparaassistirnossapalestra.Seaquelaspessoastivessem inventadoahistória,elascomcertezanãoteriamdeixadoaescrituradacasaparatrás,juntamentecom umagrandequantidadedepertencesvaliosos. “Nossa investigação envolvia ir emfrente e realizar a sessão espírita”, dizLorraine. “Portanto, voltamosàcasadeAmityvilleemumadataposteriorpararealizarumasessãoespíritanoturnadiantede câmerasdetelevisãoeequipamentosdegravação,comohaviamsolicitadoquefizéssemos.Notodo, creioquehaviadezessetepessoaspresentes. “Trêsmédiuns,euentreelas,participaramdamesaduranteasessão”,contaLorraine.“Asoutrasduas médiunseramasra.AlbertaRileyeasra.MaryPascarella.MaryeAlbertasãoexcelentesmédiunsde transe;ambasprofissionais,éclaro,etambémgrandesamigasnossas.Antesdoiníciodasessão,Ed lançoumãodeprovocaçõesreligiosas.Sabíamosque,seumespíritoinumanoestivessepresente,ele seriaprovocadoareagirseexpostoaobjetossagrados.Entretanto,nãosabíamoscomoeleiriareagir.” “Bem, tivemos uma resposta satisfatória”, diz Ed, assentindo coma cabeça. “Ocorreramvários fenômenos—nãoemtermosdeatividadeexterioraterrorizante—,mascomoumataquefísicocontra pelomenosmetadedospresentes,emespecialaquelesquetinhamumatarefacrucialduranteasessão. Comeceiaterreaçõesfísicasinvoluntárias,taiscomoarritmiascardíacas.Sentiessas‘palpitações’, comoeuáschamo,porumastrêssemanasdepoisqueestivemosnacasa. “Pelomenosmetadedaspessoasquepresenciaramasessãoexperimentaramourelataramfenômenos naquelelugar,osquaiselasjulgavamserforadocomum.Assim,emboraasessãoespíritatenhasido basicamenteumfiasco,essefiascofoiresultadodaaçãodealgumagenteexterno.”Pertodocorredor, levantou-se uma mulher de cabelos escuros. “Certa vez, me disseramque o padre do livro sobre Amityvillenuncaexistiu.”“Senhora”,respondeLorraine,“opadrequeparticipoudocasoénossoamigo. Nósoconhecemosmuitobem.Nãosóoquefoirelatadonolivroaconteceuaelecomooutrascoisasque nuncaforamreveladastambémlheaconteceramdesdeentão.Opadrejásofreuinúmerasvezesporseu envolvimentonessecaso.” Comestaresposta,osWarrenagradecemàplateiaeencerramapalestra.Comosempre,porém,esse nãoéofimdasperguntas.Metadedaspessoasformamfilasparasair,masaoutrametadecoloca-se diantedopalcoecercaocasal. “Comovocês sabemqueesses espíritos demoníacos dequevocês falamnãosãorealmentealgo humano—apenasfantasmasperversos?”,perguntaumhomem. “Senhor”,responde-lheLorraine,“àsvezes,noiníciodeumcaso,nãosepodedistinguirentreum espíritohumanonegativoeumespíritoinumanonegativo.Ambospodemserextremamentemalvados,e às vezes atétrabalhamjuntos.Noentanto,apenas umespíritodemoníacotemopoder deprovocar fenômenos negativos extraordinários como incêndios, explosões, desmaterialização, teletransporte e levitaçãodeobjetosgrandes.Alémdisso,emcasosdepossessão,oespíritoseidentificaclaramente.Ele dizoqueé.Àsvezes,revelaopróprionome.Seosenhorouvisseumagravaçãodospossuídos,nãoteria

dificuldadeemreconheceradiferençaentreumespíritohumanoeuminumano.” “Por que vocês não as reproduzemaqui?”, interpõe uma mulher. “Nós costumávamos reproduzir gravações para nossas plateias”, responde Lorraine, “mas, emumgrupo muito grande de pessoas, existemmuitaspsicologiasreceptivas.Aexposiçãoàocorrênciarealpodeacabarproduzindoefeitos negativossobrealgumaspessoas.” E,porfim,decorremaisumahoraantesqueosWarrenconsigamdefatodeixaroprédiodaprefeitura.

Maistarde,naquelanoite,apósotérminodapalestra,EdeLorrainerelaxamemcasanacompanhiade amigos.Porqueelesrespondematantasperguntasdopúbliconaspalestras? “Asperguntasfazempartedoprograma”,explicaLorraine.“Quandoterminamosaexposição,sempre abrimosumespaçonoeventoparaperguntas.Embora,àsvezes”,brincaela,“euacordenomeiodanoite ouvindoumpedidodistantede‘Maisumapergunta,porfavor'.Quantoàsnossaspalestras,euasvejo comoumaviademãodupla.Aspessoasvêmnosouvirporqueestãointeressadasnoquetemosadizer. Emtroca,proporcionamosumbombriefing,achoquevocêpoderiausaressetermo,deduashorassobre otemadosfenômenosespirituais.Quandoterminamosanossaexposição,interagimoscomaplateiapor meiodeperguntas.Vemosnossopapelcomotendoumcarátereducacional.Éporissoquetentamos responderàsperguntasdetodos.” Porquehátantointeresseemespíritosefenômenossobrenaturaishojeemdia? “Aspessoassempreseinteressarampelooculto”,respondeLorraine.“Mas,nosúltimosdezanos,o públicotemsidoexpostoatantainformaçãosobreotemadosespíritosedosobrenaturalqueagoraestá tentandorealmentecompreendê-lo.Emtodososlugaresaquevamos,aspessoasjáleramOExorcista,já leramsobreonossoenvolvimentonocasoAmityville.Equeremsabermais.Queremdescobrircomoe por que esses fenômenos aterrorizantes ocorrem, e o que está por trás deles. Oargumento de que espíritossãoumailusãoouumaidiossincrasiapsicológicajánãosesustentamais.Aspessoasquerem saberaverdade,mesmoquearespostasejaabertamentedesagradável.” OsWarrendemonstramtranquilidadeaofalarsobreaexistênciadosespíritos.Comoelesrespondemà afirmaçãodequeelesnãoexistem? “Nunca houve uma pessoa, no passado ou no presente, que pudesse provar a inexistência do sobrenatural”,declaraEd.“Porém,dadasasmesmasconsideraçõesquequalquerpessoapoderiafazer emjuízo,eupoderia—sefosseconvocadoporummotivoadequado—provarquefantasmasexistem, queapariçõesexistem,quecasasmal-assombradasexistem,quefenômenossobrenaturaisexistem,eque espíritosdemoníacosinumanosexistem.” Edmostraumafotografia,tiradaemumacasainfestadaporespíritosdemoníacos,doqueparecesero fantasmadeumgaroto. “Istonãoeraumfantasma”,dizEd,meneandoacabeça.“Oespíritoquevinhacomandandooambiente naquelaocasiãoassumiamuitosdisfarcesdiferentes.Contudo,emúltimaanálise,todoseramomesmo:

eleseramumsó.Quantoàfotografia,ogarotonãotinhaosolhos.Issoéumamarcaregistradado demoníaco.Todavezqueelesemanifesta,háumaimperfeição—sempreexistealgumacoisaanormalna sua aparência. Às vezes, a imperfeição é tão óbvia que, a princípio, passa despercebida, mas a imperfeiçãoestápresente.” Se há uma mensagemque Ed e Lorraine Warrententamtransmitir comclareza é que o oculto é basicamenteumacidenteesperandoparaacontecer.“Naúltimadécada”,dizEd,“houveumaumentode cemvezesempráticasocultistasnegativas.Porquê?Porque,nasuamaioria,aspessoasnãosabemque existemforçasnegativasreaisnomundo.Emvezdisso,fazemcomqueoocultopareçaumjogo,uma diversão,umapanaceiaparatudoqueosafligem.Bastaveromodocomooocultoétratadonosjornaise nasrevistashojeemdia—comoumanovidadeinofensiva.Bem,elenãoéinofensivo,elepodeser perigoso!QuandoLorraineeeufazemospalestras,apresentamosoquesentimosserumcontra-argumento

necessárioatodoesseinteresseforjadopelooculto.Nósmostramosoladonegativodoocultocomoele realmenteé: umparaísoilusório.Paraaquelesqueapenasseinteressampelomaterial,quequerem aprendercomoevitarproblemascomespíritos,oconhecimentodoassuntorepresentanãosópoder,mas umaarmadeproteção.Emoutraspalavras,conhecerpreviamenteéestarpreparado.”

Após34anosnessetrabalho,elesjáviramdetudo:ochoque,oterror,osfenômenosinacreditáveis.

ParaEdeLorraine,osfenômenosfazemsentido;elessabemporqueestesacontecem.Apósumavida investigandoodesconhecido,osWarrenagoracompartilhamesseconhecimentodosobrenaturalede como ele funciona. Mas cuidado! “O demônio vem em muitas formas”, diz Ed, com entonação significativa,“algumasbempioresdoqueaquelassobreasquaisfalamosestanoite!”

[1]TheNewYorkTimes,15nov.1974.[AsnotassãodoAutor,salvoindicaçãocontrária.]

[2]Amityville(DarkSide®Books,2016),deJayAnson.Trad.EduardoAlves.[NotadoEditor.]

ARTEEAPARIÇÕES Porincrívelquepossaparecer,ademonologiaeoexorcismoaindasãopraticadosnaeramoderna.De fato, existem sete

ARTEEAPARIÇÕES

Porincrívelquepossaparecer,ademonologiaeoexorcismoaindasãopraticadosnaeramoderna.De fato, existem sete demonologistas reconhecidos apenas na América do Norte. Seis são clérigos ordenados,membrosdediversasdasprincipaisreligiões.OsétimoéEdWarren.Cadaumdeleséúnico. Todosvivenciaramhorroresparaalémdoimaginável.Ecadaumdesseshomensviveemconstanterisco devida. ComoEdWarrenseenvolveucomademonologia?“Foiumchamado?”,perguntaram-lhe. “Não.Consideroumchamadoalgoelevadoemajestoso”,admiteEd.“Masacreditofirmementequeo trabalhoquefaçohojeéalgoque,semdúvida,estavadestinadoafazer.Digoissoporqueinúmeros fatoresdecisivosmeafetaram,mesmonatenrainfância.

“Eutinha5anosdeidade”,recorda-se,“quandopercebi,pelaprimeiravez,quealgumacoisaforado

comumestava acontecendo neste mundo. Aproprietária do lugar onde morávamos era uma idosa solteironaquenãogostavadecães—oudecrianças.Elasesentavaàjanelaedefatoesperavavocê fazeralgumacoisaerrada.Equandofazia,elasaíacorrendodacasa,gritandofeitolouca. “Bem,maisoumenosumanoapóssuamorte,euestavanoandardecima,namesmacasa,tirandoos calçadosqueusavaparabrincar.Osoljáestavasepondoeoquartoiaficandoescuro.Enquantoeu

estavaali,sentadonochão,aportadoguarda-roupaseabriusozinha.Dentrodaescuridãodoguarda-

roupa,viumpontodeluz,maisoumenosdotamanhodeumvaga-lume.Empoucossegundos,aluz

cresceueficoudotamanhodeumserhumano,eentão,inacreditavelmente,aapariçãodaproprietária

estavadepédiantedosmeusolhos,semitransparente,vestindooquepareciaserumtipodemortalha.

Elafranziaorosto,comosempre,eestavacomamesmaaparênciaquetinhaemvida.Emseguida, desapareceu.

“Comoeucontavacomapenas5anos,nãosabiaseessetipodecoisaeranatural,mastiveasensação

de que não era, porque fiquei apavorado. Quando contei ao meupai, que era policial estadual de Connecticut,elemedisseparaesqueceroqueeutinhavistoenuncacontaraninguém.Bem,eunãocontei aninguémnaépoca,mastambémnuncaesquecidoquevi.”

AmedidaqueEdcrescia,abuscaporrespostasaessesacontecimentosestranhosemisteriosostornou-

seumacruzadaqueconstituiuabaseparasuafuturacarreira.Sendoumacriançaobservadora,elequeria saberporqueessascoisasestranhasestavamsempreacontecendoàsuavolta,eseoutraspessoastinham experiênciassemelhantes. “Aomesmotempoemqueminhainfânciasepassavaemumacasamal-assombrada,eufrequentava umaescolacatólica.Eucomcertezanãoeraogarotomaisreligiosodaclasse.Naverdade,nãogostava sequerdeiràigreja,porquetinhaquemearrumar”,continuaEd.“Noentanto,quandoosbonspadrese asboasfreirasdaescolafalavamsobreespíritosesobreodiabo,eu—maisdoqueosoutrosnaminha classe—tinhamotivosparaouvir.Mesmocompoucaidade,eujátentavacompreenderosincidentes bizarrosdefenômenospsíquicosqueviaacontecernaminhaprópriacasa.Minhaeducaçãodebase, portanto,medeuumavisãometafísicageral domundo.Eunãosabiaseaquelas informações eram verdadeirasoufalsas,éclaro,mas,mesmoassim,eumelembravadelas.

“Alémdisso,aconteceramoutrascoisascomigonainfância.Meupaieraumhomemmuitodevotoque nuncadeixoudeiràmissaumúnicodiadesuavida—talvezporqueelevisseoladomaisfeiodavida todososdias,comopolicial.Oquesei,porém,équemeuavôteveumaforteinfluênciasobremeupai. Meuavôfoiumhomemmuitopiedoso,muitodevoto.Quandofaleceu,deixouaseconomiasdasuavida inteiraparaaigrejaquefrequentávamos,paraquefossecompradoumvitralcomafiguradeSãoMiguel aocentro.Aindacriança,eucostumavaentrarnaigrejaeolharparaaquelevitralenormeelindo,coma luzdosolqueoatravessava,emeperguntavaquemeraSãoMiguel.Hojesei,éclaro,queSãoMiguel foioArcanjoqueexpulsouSatãdocéu,eéopatronodosexorcistas. “Umadascoisasmaisdesconcertantesquemeaconteceuquandocriança”,retomaEd,“foiqueeutinha sonhoscomumafreiraquevinhaconversarcomigo.Chegouaopontoemqueconteiaomeupaisobre essamulher,eadescreviemdetalhes.Certanoite,meupaidisse,perplexo:‘Essamulhereraasuatia’. Eununcaconheciminhatia.Elafaleceuantesdeeunascer.Fiqueisabendoqueelatinhasidofreirae haviapassadoporsofrimentosfísicosinacreditáveis.Meupaicostumavachamá-ladesanta,porfaltade umtermomelhor.Emumdosmeussonhos,elamedissealgoquecomeçouafazersentidoapenasquando metorneiadulto.‘Edward’,disseela,‘vocêapontaráamuitospadresocaminhocertoaseguir,masvocê mesmonuncaserápadre.’Bem,nãosoupadre,masdefatotrabalhoemconjuntocomeles,einstruo aquelesqueforamdesignadosparatrabalharnaáreadademonologiaedoexorcismo.Assim,comtodaa franqueza,meutrabalhonãoéumchamado.Emvezdisso,eudiriaqueestousimplesmentecumprindo meudestino.” Enquanto isso, a quase três quadras do futuro marido, crescia Lorraine Moran, a filha caçula, inteligenteeprecocedeumadignafamíliairlandesa.Alémdisso,elaeraumagarotacomumaverdadeira percepçãodoalém,poisLorrainenasceucomodomdaclarividência—acapacidadedeverparaalém dotempoedoespaçofísicos. “Eunãosabiaquetinhaodomdeumsentidoadicional”,lembraela.“Eusimplesmenteachavaque todostivessemosmesmossentidosdadosporDeus—vocêsabe”,brinca,“todososseissentidos.Bem,

descobriquenãoeraassimquandoeutinhaporvoltade12anosdeidade.Naépoca,eufrequentavauma

escolaprivadasóparameninas.EraoDiadaÁrvore,eestávamostodasnogramadodafrente,depé, formandoumcírculoaoredordeumburacoabertonosolocomumapá.Bem,assimquecolocarama muda na terra, eua vi como uma árvore totalmente crescida. Ergui os olhos para ver seus galhos robustos,repletosdefolhasfarfalhandoaovento,semsaberqueestavatendoumaexperiênciadesegunda visão.Afreiraqueestavadepéaomeuladocutucoumeubraçoeperguntou,noseuhabitualtomsevero:

‘Srta.Moran,porqueestáolhandoparaocéu?’Eudissequeestavaapenasolhandoparaaárvore ‘Vocêestávendoofuturo?’,elameperguntou,nomesmotomsevero.‘Sim’,admiti,‘achoquesim.’ “Bem,foiosuficiente—fuiimediatamentemandadaparaumacasaderetiro,ondepasseiofimde semana.Eunãopodiaconversarnembrincar,nãopodiafazernada,apenasficarsentadaalinaigrejao dia todo, rezando. Aquilo me ensinou uma lição. Depois disso, quando se tratava de coisas que envolvessemclarividência,eumantinhaminhabocacalada.” Em retrospecto, a experiência de Lorraine naquele Dia da Árvore serviu para canalizar suas habilidadesparaobem,tornando-seumaferramentaqueacabariaporauxiliarmilharesdepessoas.Ed, comoamaioriadaspessoas,nãopossuíaquaisquerdonspsíquicosapaientes.Noentanto,aexposição

contínuaadadospsíquicosduranteofinaldadécadade1940eoiníciodadécadade1950(acumulados

aolongodoperíodoemqueosWarren“caçaramfantasmas")fezcomqueaclarividênciadeLorrainese

desenvolvessesignificativamente.Maistarde,nadécadade1970,elafoisubmetidaatestesnaUCLAe

suaclarividênciafoiconsiderada“muitosuperioràmédia”. AspessoastalvezestivesseminclinadasachamardedestinoomodocomoosWarrenseuniram.A princípio, o casal não planejava fazer do sobrenatural sua vocação. Emvez disso, como explica Lorraine,elefoiumavocaçãoqueosencontrou.

“Edeeunoscasamos—osdoisaos18anos—quandoeleestavanaMarinha.Naverdade,nossa

únicafilha,Judy,játinhaseismesesquandoEdvoltoudoteatrodeoperaçõesdoPacíficoeaviupeia primeiravez.TerminadaaSegundaGuerraMundial,tivemosquearranjarummeiodeganharavida, comotodomundo.Nósdoistínhamoshabilidadesparaapinturadepaisagensenutríamosodesejode pintar.EdjáhaviafrequentadoaescoladeartesemNewHavenantesdaguerra,então,começamosnosso casamentopresumindoqueseríamospintores.” Aarte,noentanto,acabouportornar-seopontodepartidaparaapesquisapsíquica.“Veja”,continua Lorraine,“precisávamosdeumtemaparapintar—umbomtema,algocomqueaspessoaspudessem sentirumaconexão.Casasmal-assombradasrevelaramserotemaideal.Edencontravaalgumartigo sobreumacasamal-assombradanojornalouconseguiaalgumapistadeumlugarassimcomaspessoas dacidade.Então,íamosaolocalnonossoantigoChevrolet.Eddesenhavaumbeloesboçocompletoda casaedoterreno.Enquantoisso,éclaro,odonodolugarficavaespiandopelajanela,seperguntandoo que raios estava acontecendo. Éramos apenas crianças na época, então, umde nós batia na porta, mostrava aos moradores o esboço da casa e oferecia o desenho emtroca de informações sobre a assombração.Seahistóriafossebastanteenvolvente,pintávamosacasaparanossacoleçãoe,mais tarde,vendíamosoquadroemumaexposiçãodearte. “Aotodo,passamoscincoanosviajandopelopaís,pintandoeinvestigandocasasmal-assombradas— enãoexatamenteporcoincidência,possoacrescentar.Antesdenoscasarmos,Edjáhaviadevorado todososlivrosdisponíveissobreopreternatural,emboraeunãosoubessedissoàépoca.Assim,alémde pintar,eleficavatotalmenteabsortoempesquisadecampo,sempretomandonotasarespeitodaquiloem queoslivrosestavamerrados.”

De forma bastante concreta, os Warrenusaramo mundo como sua universidade, adquirindo uma miríadedeinformações nesseperíodo.Geralmente,eles eramos primeiros e,por vezes,os únicos pesquisadoresainvestigarumlocalmal-assombrado.Embora,nainfância,Edtivessevistoacontecerem àsuavoltafenômenosquefariamoscabelosdequalqueroutrapessoaficarempé,Lorrainenãotinha experiênciaalgumacomfantasmaseassombrações.Portanto,jáadulta,elapermanecianaturalmente cética. “No começo”, recorda-se ela, “eu tinha bastante cautela com relação às pessoas com quem conversávamos. Euachava que elas estavamsofrendo de algumexcesso de imaginação, ouapenas inventandoaquelascoisasparachamaratenção.Naverdade,algumasdascoisasqueaspessoasnos contavampareciamumcompletoabsurdodetãoestranhas—naquelaépoca.Comopassardotempo, porém,comeceiameconvencer.Nósíamosalugaresdiferentes,muitoafastadosunsdosoutros,uma semanaestávamosemlowa,naoutra,noTexas,masnormalmentehaviaumasemelhança,àsvezesaté mesmocertaexatidãonashistóriasqueaquelaspessoascontavam.EláestávamosEdeeu,comasmãos eosbraçoscobertosdetinta,oferecendoconsoloapessoasque,normalmente,tinhamodobrodanossa idade,edizendooquesabíamossobreadinâmicadoreinoespiritual.” OqueosWarrenaprenderamsobrefantasmasduranteaqueleperíodo?Ofenômenoéreal?E,emcaso positivo,elesforamindagados,comoosespíritossemanifestam? “Parecequeamaioriadaspessoaspensaquefantasmasandamseesgueirandonoandarsuperiorde residênciasantigasemumestadonevoento,vaporoso”,dizEdemresposta.“Masnãoéassim:paraser visto,ofantasmaouaapariçãoprecisadeenergiafísicaparasemanifestar.Descobrimosqueexistem doisprocessosbásicospelosquaisumespíritohumanopodeprovocarsuaprópriamaterialização.Um delesrequerumapresençahumana;ooutro,não. “Quandoumespíritopresoàterraprecisadeumapresençahumanaparasemanifestar,eleativaum processocomplexodetransferênciadeenergiaparaadquirirsubstância”,explicaEd.“Eacostelade Adãoparaamaioriadasmanifestaçõesfantasmagóricasénadamaisqueaaurahumana.Aoredordo

corpodetodoservivoexisteumbrilhobioluminescentequeéresultadodeumadescarganaturalde energiadocorpo. ClarividentescomoLorraineconseguemvere‘ler’aaurahumana,queserevelaemtrêscamadasque refletemoestadofísico,emocionaleespiritualdapessoa.Espíritostambémleemauras”,observaele,“e aauradeumindivíduopoderepelirouatrairapresençadeumespíritoespecífico.Dequalquerforma,o fantasmasorvepequenasporçõesdeenergiadessebrilhobioluminescente,ouaura,quesereúneme formamumglobooupequenospontinhosdeluz.Essaenergialuminosa,combinadacomocalorea energiaeletromagnéticadocômodo,éoqueoespíritohumanousaparasemanifestar.” Instadaadarumaexplicaçãomaissimples,Lorrainediz:“Imaginequevocêestápassandoanoitena casadeumamigo.Olugarétãoagradávelealegrequevocêjamaispensariaemumfantasma.Nessa noite,vocêélevadoaoquartodehóspedese,empoucotempo,estádormindoprofundamente.Emalgum momento,nomeiodanoite,vocêacorda.Talvezoespíritotenhaprojetadofisicamenteosomdevidrose quebrandooudabatidadeumaporta,parachamarsuaatenção.Sentando-senacama,vocêéinvadido porumasensaçãodemedo—vocêsabequealgumacoisaestáerrada.Olhandodepressaaoredordo quarto,vocêvêdoisglobosazuladosdeluz,maisoumenosdotamanhodebolasdegolfe,flutuando

próximosumdooutro,maisoumenos1,5metroacimadochão.Enquantoobserva,talveztambémveja

raiosdeluzcoriscandodoseucorpo—issoéaenergiaeletromagnéticaqueestásendoretiradadasua aura.Emumpiscardeolhos,aquelasduasbolasdeluzsejuntameformamumabolamaior,maisou menosdotamanhodeumatoranja.Essabolaentãosealongaráemumformatodecharutodaalturadeum serhumano. “Nolugardosglobosdeluz,outraspessoasrelatamvercentenasdeminúsculospontinhosdeluzem umanuvemque—comoosglobos—sefundememumbrilhocilíndricomaior.Emqualquerumdos casos,dentrodessebrilhobioluminescentealongadocomeçarãoasurgireasedefinirasfeiçõesdeuma pessoaatéqueoespíritoalcanceamáximamanifestaçãoquepuder.Apropósito,paraserexata,issoserá chamadodefantasmaseasfeiçõesnãoforemreconhecidasporaquelequeovê;seasfeiçõessão conhecidas,trata-sedeumaaparição.Dequalquerforma,porém,vocêtemumvisitante.” “Aoutramaneirapelaqualumfantasmapodeaparecer”,explicaEd,“ébasicamentediferente—eum poucoteatral.Emdiasmuitoúmidos,combastantechuvaounevoeiro,ouemnoitesdetempestade, quandoháeletricidadenoargraçasàsdescargasdosraioserelâmpagos,umfantasmaécapazdese materializarcomaenergiadisponívelnaatmosfera.Quandoumfantasmaouumaapariçãosemanifesta dessamaneira,costumahaverumfortecheirodeozônionocômodo,eamaterializaçãoresultanteparece terumbrilhoazulado—umespetáculoetanto,possogarantir.Dequalquerforma,porém,éprovávelque o espírito se manifeste antes que você note a presença dele ou enquanto você observa. O ponto importanteéque,emumcaso,oespíritorequerumapresençahumanaparasematerializar,aopassoque, nooutro,bastaaMãeNatureza.Noentanto,éevidentequeumespíritonãoprecisasemanifestarpara estarpresente,porqueelenãoéintrinsecamenteumaentidadematerial.Ofantasmajáestálá.Elese manifestaapenasparaatestaraprópriapresençaàquelesqueestãonoreinofísico.” Omodocomoumfantasmasemanifestaéumacoisa—masaaparênciaqueeleassumediantedeuma pessoaéoutrahistória.Porquealgunsfantasmasnãotêmcabeçaousemostramdesfigurados? “Aaparênciadeumespírito”,afirmaEd,“dependeinteiramentedomodocomoeledecideprojetarasi mesmo,oudecomovêasipróprioemsuamente.Éporissoquecontatoscomespíritospresosàterra nemsempresãoeventostranquilos,passivos.Atragédiavememmuitasformas,emgeralacompanhada deviolência,eosúltimospensamentosdeumindivíduotendemadominaramentedoseuespíritoapósa mortefísica.Assim,viaderegra,ofantasmasemanifestaráemumespetáculogrotesco,querepresentao modocomoelemorreu.Alémdisso,umapessoaqueencontraumfimtrágiconormalmentelevauma atitudenegativaparaoalém-vida,muitasvezesculpandoDeuspelassuasaflições.Emconsequência, algunsespíritossãoperversose—aocontráriodoquemuitaspessoaspodempensar—umespírito

malignoécapazdeprovocarefeitosfísicosepsicológicosquepodemlevaradoenças,ferimentoseatéa morte.Aopressãopsicológicaexercidaporespíritoshumanospoderesultaremdepressãoprofunda,em hábitosperniciososcomoembriaguezeinsôniaeatémesmoemimpulsossuicidas.Osefeitosfísicos podemvariardesdedoençasprolongadasatépontadasdedoresagudasquenãotêmorigemclínicano corpo.” PelomenosmetadedaspessoasquebuscamaajudadeEdeLorraineWarrenacadaanonuncateve nenhumenvolvimentocomespíritosoucomooculto.Emvezdisso,elascostumamserpessoascomuns, cotidianas,queinadvertidamenteseenvolveramemsituaçõesemqueespíritosjáestavamativosantesda suachegada.IssoaconteceuemAmityville,ondeafamíliaLutzperdeumuitodinheiroetambémsofreu umacatastróficaexperiênciaemocional.Algumaspessoascompramcarrosmal-assombradose,então,se veemforçadasarecriaracidentestrágicos.Outrasaindaseveemincontrolavelmentepossuídaspelo espíritodealguémoudealgumacoisaqueclaramentenãosãoelas.Eéfrequentequeaspessoasmais desprevenidasacabemsendovítimasdefenômenosespirituais.Foiexatamenteissooqueaconteceuem WestPoint.

Eraomêsdeoutubrode1972.UmoficialdaAcademiaMilitardosEstadosUnidostelefonouparaos

Warrenumdiaantesdadatamarcadaparaocasalrealizarumapalestrageralparaoscadetesdali. Emboraoscomentáriosdooficialfossemdeliberadamentevagos,ele,nãoobstante,disseaosWarrenque haviasurgidoumcuriosoproblemadesegurança,equeriasaberseelesestariamdispostosaajudarno caso—emcaráterprofissional—antesdasuapalestranodiaseguinte,emPoint.Semfazerquaisquer questionamentos,osWarrenconcordaramemprestar seuauxílio.“Ótimo”,disseooficial,aliviado.

“Mandareiumcarrobuscá-losamanhã,às15h.”

Nodiaseguinte,àtarde,umalustrosalimusinepretacomplacasgovernamentaisparoudiantedaporta dafrentedosWarren.EdeLorraine,vestidoscomtrajesformaisparaapalestra,deslizaramparadentro doveículo,noespaçosobancotraseiro.Ochofer,umsargentoadministrativo,disse-lhesqueopercurso levariacercadeumahora,masnãodeuqualqueroutrainformação. Seguindoparaonortepelarodoviaestadual TaconicParkwayeenfrentandoocasionaisnevascas

moderadas,alimusinemanteveumritmoconstantede95km/h.Outraspessoasqueviajavampelaestrada

espiavamocarroenquantoosWarrenseperguntavamquetipode“problemadesegurança”terialevado ogovernoasolicitarosseusserviços.

Umpoucodepoisdas16h,elesentrarampelosportõesdaAcademiaMilitardosEstadosUnidos.O

sargentoparouoveículojuntoàentradadosescritóriosdoquartel-general,abriuaportadetráse conduziuocasalaooficialnocomandodeWestPoint. OmajorDonaldWilson,umhomemmetódicoeamistoso,convidou--osasesentarem.Eleentãoos

informoudaprogramaçãoquejáestavapreparada:jantarcomosoficiaisdocorpodocenteàs18h,

seguidodeumapalestrageralparatodasasturmas,às20h.

“Mais uma coisa Nos minutos que se seguiram, o major Wilsonpassoua explicar uma falha

inexplicável de segurança que estava ocorrendo na residência de umdos oficiais de West Point. Naturalmente,apolíciadoExércitojáhaviainvestigadooproblema,mas emvão,admitiuele.Os problemastinhampioradoaindamais.Portanto,decidiu-sebuscarumaopiniãoexternaarespeitodeum problemaqueparecianãoterumaexplicaçãonatural.“Então,senãohouverobjeção,ooficialgostaria deconversarcomvocêsantesdojantar.” “Ficaremosfelizesemajudar”,respondeuEd.“Osenhorsabequaléanaturezadoproblema?” “Cáentrenós ”,omajorquasedeixouescaparumlargosorriso.“Háumfantasmanosaposentosem questão.”

Apagandoasluzes,ooficialpegouseuquepe,acompanhouosWarrenpelaportadasalaeapresentou-

lhesaumfotógrafodoExército,queaguardavasentadonocorredor.Estabeleceram-selimitesestritos

quantoàcoletadeinformaçõesnaqueledia—todososregistrosdocumentaisseriamdepropriedadedo

governonorte-americano. Doladodefora,vozesfortesecadenciadasquebravamosilêncioconformeoscadetesmarchavam pelaimobilidadecinzentadatarde.Ogrupocaminhoutranquilamenteatéosaposentosdogeneral,uma impressionanteestruturadetijolos. Umauxiliar-geraldopessoaladministrativoatendeuàportadafrentedamansãoeconvidouogrupoa entrar.Empoucosinstantes,ogeneralemcomandoesuaesposachegaramaohalldeentradaeooficial apresentou-os aos Warren. O general impressionou Lorraine, mostrando-se um homem gentil e

compassivo,degrandesensatezeinteligência.8Aesposadogeneralconduziutodosaumasaladeestar

graciosamentemobiliadacompeçasantigasdeváriosperíodos,herançadosgeneraisanterioresaolongo dedoisséculos. “Nada macabro aconteceu aqui”, disse o general, sentando-se no que parecia ser sua poltrona predileta. “No entanto, nesta casa ocorrerammuitos incidentes que, até agora, ninguémconseguiu explicardemodoamedeixarsatisfeito.Umhistóricodosfatos:noporão,háumestúdioprivativo.Esse cômodoémantidotrancadoeseguro.Mas,nãoimportaquantasvezesacamaqueficaalisejaarrumada, elaésempreencontradadesfeitamaistarde.Noandardecima,fantasmasforamvistossobrevoandoa casa.Esseseunãovi,masseouvemrelatossobreelesháanose,aoqueparece,elesacompanhamo quartel.Agora,eunãocontarianadadissosenãofosseporumproblemainsólitoepersistentequetemos:

percebemosquepertencespessoaiseoutrosobjetosimportantesdesaparecemcomregularidade.Eles nãosãoroubados”,enfatizou,“masficamtemporariamentedesaparecidos.” Omilitarparoudefalarporuminstanteparacolocarosóculos.“Tenhoquereconhecerquenadadisso édemasiadoimportante,amenosquecolocadoemperspectiva.Umadasresponsabilidadesdooficialem comando aqui é o protocolo social. Nesta casa, recepcionamos uma boa parcela de líderes governamentaiseoficiaisdealtapatentedoExército.Recentemente,emocasiõesespeciais,ocorreram algunseventospotencialmentesérios.Carteirasforamroubadas,bolsosforamesvaziados,dinheiroe lembrancinhaspessoaisforamfurtadosdeeminentesdignitáriosesuasesposas.Algumtempodepois, todos os objetos roubados foram encontrados lá em cima, primorosamente dispostos sobre uma penteadeirananossasuítemaster.”OsWarrenpermaneciamsentados,emsilêncio,tentandocompreender anaturezaúnicadoproblema. “Este absurdo não pode continuar”, disse o general, comveemência. “No entanto, sabemos que ninguémcometeutaisatos.Porisso,minhaperguntaavocês,sr.Warrenesra.Warren,éaseguinte:sefor umfantasma—eeuenfatizo,sefor—então,medigam:umfantasmaécapazdemanipularobjetos físicos?” “Sim”,respondeuEd,“écapaz,sim.Desdequeosobjetosnãosejammuitopesados,comoessesqueo senhordescreveu.” “Tudobem,então”,falouogeneral.“Issopareceseraobradeumfantasmaparavocês?” “Combasenoqueosenhordiz,sim”,respondeuEd.“Naverdade,ébastanteprovávelqueumespírito humanoestejaatuandoaqui,porqueosobjetosnãodesapareceramporcompleto.” Aturdidocomaresposta,ogeneralfitouEdporuminstante.“Vocêsaberiadizersenestacasaháum fantasmaqueroubacarteiras?”. Lorraineviuissocomosuaoportunidadederesponder:“Senhor,souclarividente.Omelhorafazermos seriaandarpelacasa.Issomepermitiriaafirmarsedefatoumespíritoestácausandoessasperturbações. Éomelhorteste”. Ogeneraleaesposaconcordaram,eogrupolevantou-se.EdeomajorWilsonseguiramrumoao porão,comachavedoestúdioqueficavaaliembaixo.Comosempre,acamaestavadesfeita,comose alguémtivessedormidoali.Noentanto,tudoomaisestavaemperfeitaordem.Elesfecharamoquartoe voltaramparaopisotérreo.Nacozinha,omajorWilsonmostrouaEdumatábuadecortaralimentosque ostentavaumamanchaúmida.“Elaquaseseca”,disse-lheomilitar,“mas,todatarde,ficamolhadaoutra

vez!” Emoutropontodacasa,acompanhadadogeneraledaesposa,Lorrainepassavaportodososcômodos dopisotérreodeolhosfechados,começandopelasaladeestar.Elapermaneciadepénocentrodecada umdeles,tentandoperceberqualquerpresençainvisível. Nadaserevelounotérreo,emboraLorrainetivesseficadoumtantofascinadaemumdosquartosmais afastadosdaentradadamansão.“Estequarto*,disseela,“estequartoéondeJohnKennedysehospedava semprequevisitavaoPoint.Asvibraçõesaquisãorealmentebelíssimas." Umpoucodesconcertada,aesposadogeneraldisseaLorrainequeelaestavacerta:“Esteeraoquarto dopresidente;elenãopodiasubirasescadasporcausadacoluna”. ApósdeixaremopisotérreodamansãoThayer,aesposadogeneralconduziu-osporumaescadaria balaustradaquesubiaaoprimeiroandar.Emcadacômodo,Lorrainecaptavaimpressõesdaspessoas poderosasquehaviampassadoalgumtemponacasa,masnenhumasensaçãoqueindicasseumespírito zombeteiro. Emumquartodoprimeiroandar,Lorraineparounovamenteporlongosinstantes.“Umasenhoraidosa passouumlongoperíodonestequarto”,ponderouela.“Amulhercostumavaficardepéjuntodaquela varandaabertaeolhavaparaocampo.” Lorrainecaminhouatéajanela.Àdistância,elaviuoscadetesemformaçãonaáreadedesfiles.Então, virou-seoutravezparaoquarto.“Essamulhereramuitosensataecarregavaumfardojuntocomum homem,nasuavida.Elaoaconselhava masohomemnãoeraomaridodela.”“EleégeneralDouglas MacArthur”,disseomilitar.“Asenhoraidosaéamãedele.Esteeraoquartodasra.MacArthurquando ofilhoerasuperintendenteaqui.” Ogrupoqueestavanoandardecimadesceudevoltaàsaladeestar,ondetodossereencontraram. “Apósandarpelacasainteira”,admitiuLorraine,“nãosentiapresençadeninguémquepudessesero responsávelporprovocarosfenômenosqueosenhordescreveu.Poroutrolado,épossívelqueoespírito tenhadeliberadamentenosevitado.” “Existealgummeiodedescobririsso?”,perguntouomajor. “Sim”,respondeuela,“issopodeserverificadonoestadodetranse.”Umaexpressãoapreensiva passoupelorostodomajor.“Issosignificaqueteremosquefazerumasessãoespírita?” “Não”,riuela,“apenasvouprecisarpermanecersentadaporalgumtempoaqui,estanoite,depoisque otumultoeasvibraçõesdodiatenhamseapaziguado.” ComaconcordânciadeLorraine,decidiu-serealizarumareuniãonamansãoapósapalestradanoite. Seoproblemapudesseserresolvidodeumavezportodas,aomenosvaliaapenatentar.

Emumjantaragradávelàs18hdaqueleiníciodenoite,osWarrenforamapresentadosaosoficiaisdo

corpodocentedeWestPoint,osquais,comsuasrespectivasesposas,mostraram-securiosíssimosacerca

detodososaspectosdatemáticadosobrenatural.Às20h,EdeLorrainefizeramumapalestrageralsobre

espíritosparaumaplateiamilitarespantada.OsWarrenilustraramsuapalestracomoshabituaisslides defantasmas,apariçõeseoutrosfenômenosinusitados,queprovocaramascostumeirasexclamaçõesde “Oh!”e“Nossa!”.Emboraapalestratenhasidorecebidacomentusiasmo,nenhumdoscadetesimaginou sequerporuminstantequetaiscoisaspoderiamacontecernoPoint. Durante a sessão de perguntas ao final da exposição, uma jovemna casa dos 30 anos de idade levantou-seedisseaosWarrenquesentiaser aqueleumbommomentoparacontar algoquevinha carregandoconsigoavidainteira.ElaqueriaquetodossoubessemqueaquilodequeosWarrenestavam falandoeraverdade.Essascoisasincomunsdefatoacontecem.Seupaieraolíderdevoodaquela

esquadrilhadecaçasqueseperdeusobreoTriângulodasBermudas,em1945,enuncavoltouparacasa.

Eleeosoutroshomensrealmenteseperderamnomar.Eemboraaspessoastalvezpreferissempensar

queaquiloéalgumtipodeembuste,nãoé.

Quandoelasesentou,aplateiaempesoexplodiuespontaneamenteemgritosdeaprovaçãoeaplausos.

Vendoissocomoaoportunidadeperfeitaparaencerrarapalestra,Edcumprimentouoscadetesedisse boa-noiteatodos. Cincominutosmaistarde,osWarrenjáestavamvoltandoàmansãoThayer,nacompanhiadooficiale demaisumgrupoprivativodeoficiaisesuasesposas,osquaisocasalhaviaconhecidoduranteojantar. Lorraineexplicouaomajorquetinhaaimpressãodequeoquartodasra.MacArthurseriaolugarmais favorávelparaumatentativadecomunicação. Omajor,porsuavez,disseaelaqueogeneraleaesposatinhamdepartiremumaviagemparaNova

York,dehelicóptero,às22h.Emboraestivessememoutrolocaldocampus,elesfariamumaparadana

mansãoantesdepartir. “Semproblemas”,respondeu. Apósserrecepcionadoàportadafrenteporumauxiliardopessoaladministrativo,ogruposubiuao primeiroandaredirigiu-seaoquartodasra.MacArthur,ondeosoficiaisesuasesposassesentaramno chão.Lorrainesentou-senacama.(“Umacama”,observaLorraine,“umlugaremqueaspessoaspassam umterçodavidadormindo,éumaexcelentefontedevibrações.”)Todasasluzesforamapagadas,à exceçãodeuma,eLorrainefechouosolhos. “Vejo umhomemnegro se aproximando”, logo anunciouela, falando alto, como umrepórter de noticiário.“Eleestávestindoumuniformeescuro,semgalõesnemcondecorações.Essehomemestá conoscoagora.” Olharesdispararampelasala,masnãosepodiavernenhumafiguracomaqueladescrição. “Essehomemestátomadodeumsentimentodemedo,culpaefaltadeaceitação.Eleestámuito arrependidodealgumacoisa.”Lorraineparou,ocorpotenso,osbraçostotalmenteestendidosaoladodo tórax.“Eleestáfalandocomigoagora.Estádizendoquefoiacusadodeassassinato.Suacelaficano porão.MasoExércitooabsolveudaqueleassassinato.Elesearrependemuito,muito,ejánãoconsegue conteressaangústia.Éporissoqueelevempegandocarteiras elequerqueoExércitosaibadasua angústia.” Todosnoquartopermaneciamsentados,emsilêncio,esperandoparaouvirmais. “Qualéoseunome,rapaz?”,perguntouLorraine.“Digaoseunome Eleestámedizendoqueseu nomeéGerir.Estásoletrando:g-r-e-e-r.Qualéadata? Énoiníciodemiloitocentose —não,éno

iníciode1800.Elejánãosabemaisadata.Estádizendoquequerapenasqueseuarrependimentoseja

compreendido.Elequersaberquemeusou.” Lorraine,emtranseprofundo,começouapenderparafrente.Eddisseparaelainclinar-separatrás. “Sr.Greer”,disseela,“fuienviadapeloExércitoparadescobrirqualéoseuproblema Não,sr. Greer,osenhornãoétidoemdesonra”,disseela,aparentementeemresposta.“Suaabsolviçãoteveum motivo.Estánosregistrosqueamortequeosenhorcausounãofoiumassassinato.Suaabsolvição permanece.” “Escute,sr.Greer.SeuarrependimentoécompreendidopeloExército.Masjáéhoradesuaangústia terminar.Nãohánadaquepossamosfazerpelosenhor.Osenhorestáseprendendo;osenhorprecisase

libertardaculpa.Jápassoutemposuficiente.EstamosagoranoséculoXX—nadécadade1970.O

senhornãoentendeosdiasdehoje.Todavezqueosenhortiraospertencesdeumapessoaimportante, colocaoExércitoemumaposiçãomuitoperigosa Eleestámedizendoquejánãoprecisafazerisso. ”

Estáconfuso.Quervoltaràvida

OsbraçosdeLorraineafrouxaram;emseguida,elacomeçouasairdotranse.

“Lorraine”,disseEd,enfático,“fiquecomele.Tenteenviá-loparaooutrolado.”

Lorrainecontinuousentada,emsilêncio,porlongosinstantese,então,voltouafalar.“Paraviveroutra

vez,sr.Greer,osenhorprecisairparaaluz.Jáéhoradeosenhorseentregarerecomeçar.Todos

precisamfazerisso.Concentre-senaluzeváemdireçãoaela.Váaoencontrodosseusamigosedasua

família.Váparacasa,paraaluz,sr.Greer.Concentre-senaluzedeixequeelaoleve

Lorrainedespertoudesúbito,osolhosarregalados.“Elesefoi.Perdicontatocomele”,declaroua médium. Asluzesforamacesasenquantoosoficiaisesuasesposasselevantavam,falandoemtonsansiosos, aossussurros.Lorraine,depénocentrodogrupo,fezumadescriçãocompletadohomemedisseque,por fim,Greerhaviasimplesmentedesaparecido. Poucotempodepois,acomitivadesceuaoandartérreoepartiu,masosWarreneomajoraguardaram nasaladeestar.Algunsminutosdepois,chegaramogeneralesuaesposa.Lorrainerelatousucintamentea comunicaçãoquefizera,observando,emconclusão:“NãotiveaimpressãodequeGreerquisesseestar aqui.Decertaforma,achoqueeleestavaapenasesperandoparaserdispensado.Depoisdisso,duvido muitoquequalqueroutroobjetovenhaadesaparecer.Mas,seissoaconteceroutravez,porfavor,me informe—hácoisasquepossofazeràdistância". “Émuitagentilezasua”,disseogeneral.“Contudo,háumpequenoporém.Nenhumnegrojamaisserviu noPointatéesteséculo.Noentanto,prometoqueomajorverificaráessaquestãoeencontraráuma respostanaspróximassemanas.” Enquantoconversavamnohalldeentrada,ouviu-seumhelicópteropousarláfora.Erahoradeir.Após umatrocadeagradecimentosedespedidasnosdegrausdafrente,ogeneraleaesposaatravessaramo gramadoeembarcaramemumgrandehelicópteromilitarqueseguiriaparaNovaYork.Perguntando-sese Greerteriarealmentepostoumfimnoseutormentodemaisdeumséculo,osWarrenacomodaram-seno bancotraseirodalimusinequeosaguardava. Algumassemanasmaistarde,duranteumapalestranaUniversidadedeBoston,EdeLorraine,aindano palco,foramchamadosaatenderumtelefonemadeWestPoint.OExércitoqueriaqueelessoubessemque umapesquisacompletaeminuciosadosregistrosforafeitaedescobriu-sequeumhomemnegro,um porteirodenomeGreer,haviaservidonoPoint.DesignadoparatrabalharnamansãoThayernoiníciodo séculoXIX,eleforaacusadodeumassassinato,masoExércitooabsolveu.Seusregistrosestavamem desordemeseriamagoraarquivadoscomo“Falecido”.“E,apropósito,dapróximavezquevieremdar umapalestranoPoint,poderiam,porfavor,fazeralgumacoisaarespeitodofantasmadeumsoldadode cavalariadaGuerraCivilqueserecusaadeixarumdosnossosdormitórios?Precisamosdoespaço.” OExército, é claro, não é a única grande organização que teve que lidar recentemente comum

fantasma.DepoisdaquedadeumdosseusaviõescomerciaisL-1011emEverglades,aEasternAirlines

foivítimaderecorrentesfenômenosespirituaisnosseusaviões,comofoirelatadoemTheGhostof

Flight401[OFantasmadoVoo401].Noanoqueseseguiuaodesastre,muitascentenasdepessoas

supostamentetestemunharamosespíritosdatripulaçãomortamanifestadosemformafísicaabordode outrosjatosTristar.Emdeterminadaocasião,avozdoespíritodeDonRepo,oengenheiroaéreomorto noacidente,teriasidocaptadapelogravadordovooquandoelesematerializounacabineeconversou commembrosdatripulação.Porvezes,épossívelnegarouignorarquetaiseventosinsólitosocorram. Nãoobstante,emsituaçõestaiscomoadeWestPoint,quandoosfenômenossimplesmentenãocessam,o caminhomaiscerteiroéreconhecerqueháalgoali—,nemquesejaapenasparafazerosfenômenos pararemdeacontecer. “Narealidade”,ressaltaEd,“épositivoqueoExércitotenhaconsideradoosobrenaturalcomouma hipóteseválida.Nasminhasviagens,eunormalmenteperceboqueaspessoasquenãoacreditamem fantasmasmuitasvezesnãoqueremacreditarneles.Elasveemosobrenaturalcomoalgoameaçador, então, apagamas informações. Felizmente, esses oficiais do Exército não ajustaramuma realidade desagradável de modo a adequá-la aos seus propósitos. Emvez disso, eles analisaramos dados, consideraramasevidênciasdeformalógicaechegaramaumaconclusãoracionalquelevouàsoluçãodo problema.” Quandoalguémfazmençãoàtemáticadosfantasmas,amentequasequedeformaautomáticaevoca imagensdecastelosesolaressenhoriaismal-assombradosnaInglaterra.PelaexperiênciadosWarren,

existemmaisfantasmasnaInglaterraounosEstadosUnidos?

“ABBCmefezessamesmaperguntaemLondres,nãomuitotempoatrás”,respondeEd.“Hálugares

nomundoquesãorealmentemal-assombrados,emuitosdesseslugaresficamnaInglaterra.Opresbitério

Borley,porexemplo,équasecomoqueumportalparaosobrenatural,eotemsidoporcentenasdeanos.

BastaleroslivrosrecentesdeHarryPrice,comoPoltergeistOverEngland[PoltergeistnaInglaterra],

paradescobririsso.Porém,delonge,existemmuitomaisfantasmasnosEstadosUnidosquenaInglaterra.

Omotivodissoéumaquestãonumérica.Emboraonívelcotidianodeatividadeespiritualsejaomesmo

nomundotodo,ofatoéquesimplesmenteexistemmaispessoasnosEstadosUnidos.Emoutraspalavras,

ondeháumapopulaçãomuitonumerosa,tambémexistemaiorprobabilidadedequealgumasdessas

pessoassejampegaspelasíndromedofantasmaquandomorrem.”

EmquelugaresdosEstadosUnidosumapessoaestámaispropensaaencontrarumfantasma?

“Emtermosdelugaresfísicos”,respondeEd,“descobrimosqueapossibilidadedeencontrarum

fantasmaémaioremconstruçõesantigaseisoladas.Casasdefazendasoufeitasdetijolos,maisantigas,

construídaspertodomarduranteacolonizaçãodosEstadosUnidos,têmomaiorpotencialdesermal-

assombradasporcausadasgeraçõesqueviveramemorreramali.Masfantasmasnãoaparecemapenas emcasasmal-assombradas.Porexemplo,recentemente,váriaspessoasdavizinhança,inclusiveanossa assistente,Judy,comentaramtervistoumhomem,vestindoumagabardina,andandodeláparacánarua, à noite, na frente da nossa casa — embora ele desaparecesse sempre que alguémse aproximava!

Aconteceque,diasantes,umrapazhaviatrazidoalgunsdestroçosdovoo401,aqueleaviãoajatoque

caiuemEverglades.NoexatoinstanteemqueentregouoprimeirodestroçoaLorraine,orapazque estavadepéaoladodelaviuaapariçãodeDonRepo—oengenheiroaéreoqueestavanocaça.Erao mesmohomemquehaviasidovistonaestrada.Eleestavaandandodeláparacá,esperando,porque, talvezporcoincidência,nósnosencontraríamoscompessoasdafamíliadeleaindanaquelasemana, ocasiãoemqueLorraineviuoengenheiroeoutraapariçãopresentesdurantetodootempoemque conversamos.Apropósito,devomencionartambémqueonomeStewardouStewartfoicomunicadoa

Lorrainenoinstanteemqueelacomeçouafazerapsicometriadaspartesdo401.”

Arespostaabriucaminhoparaperguntasaindamaisprofundas.Primeiro,porqueofenômenoocorre? Existealgumarazãoparaqueumapessoavenhaasetomarumfantasmaeoutranão?Esseéotipode perguntasaqueEdeLorraineconseguemresponderemdetalhescomplexos.Aindaenquantojovens artistas,elesvieramadescobrirqueespíritoshumanospresosàterranãopassamdepessoascujocorpo foisubtraídoàentidadetotal.Enredadosemumestadomentaldeconfusão,essesinfelizespossuemvida, masnãocorpo.Noentanto,comousemcorpo,elesficampresosemumlimbotemporárioentreeste reinoeoalém.Certosfatoresdealgumaformaconspiraramparaimpedirqueoespíritofizessequalquer progressoadiante. “Asíndromedofantasma”,explicaEd,“éprovocadaporumatragédianavidadeumindivíduo, ocasiãoemqueamorteocorresubitamenteouemcircunstânciasmuitotraumáticas.Menosfrequenteéa situaçãoemqueoespíritosedemoraaquiporcausadeumapegoatipicamenteforteacoisasdeste mundo.Porém,emqualquerumdoscasos,oespíritopresoàterraseidentificacomestemundo,nãocom oalém.Agora,emregra,pessoasqueconseguemcontemplarumavidaapósamortefarãoapassagem corretamente. No entanto, a mente do espírito preso à terra tende a ficar enrijecida emumestado emocionalespecífico.Nofundo,oespíritobuscaumasolução,éclaro,masestátãoenredadonopróprio traumaenasuatristezaquenadalhefazsentido,excetoacontemplaçãodoseuestadoemocional.Muitas vezes,ofantasmanãotemsequerconsciênciadequeamorteocorreu.Issoaconteceporqueapessoana condiçãodefantasmajánãotemamesmapercepçãoquetinhaenquantoserdecarneeosso.Quandose dáacomunicação,emgeralvocêprecisadizeraeles—naverdade,precisaconvencê-los—deque estãomortos,queforamdissociadosdoseucorpofísico.Amente,vejabem,nãoéafetadapeloadvento damorte.Assim,seelachegaderepenteouemmeioaumtraumaemocional,oespíritoficapresoemum

estadodeirresolução.Éporissoqueespíritospermanecemaqui,àsvezesporgerações.Otemponãoé

umfatorparaosespíritos.Elesvivememumaespéciedepresenteeterno.Éasabedoriaeapercepção

darealidadequepermitemqueoespíritohumanosigaadiante.

“Basicamente,quandoumfantasmaéresponsávelporfenômenosdeassombração”,continuaEd,“ou

ocorreunacasaalgumasituaçãoemocionalquedesencadeiaaperturbação,ouoespíritopresenteestá

tentandocomunicaroseuproblemaaoreinofísico.Tomemosprimeiroassituaçõesemocionais.As

pessoascostumamseperguntarporqueduas,três,umadúziadefamíliasmoraemumacasa,masapenas

umapessoaoufamíliavivênciafenômenosespirituais.Arespostaéquenormalmenteaconteceuuma

interligaçãoemocional.

“Porexemplo,vocêtemumacasaantigaemquealguémcometeusuicídiocemanosatrás.Nessemeio-

tempo,seisfamíliaspodemtervividoalienãoterpassadopornemumúnicoeventoestranho.Então,um dia,muda-separaláalguémquetambémtenhaumainclinaçãoparaaautodestruição.Imediatamente começa a atividade espiritual. Ocorreu uma interação emocional. É como colocar pilhas emuma lanterna:estabelece-seumaconexãoentreemoçõescompatíveis. “Vejamosoutroexemplo;Atétalvezcinquentaanosatrás,asmulheresdavamàluzemcasae,àsvezes, elasmorriamnoparto.Agora,umamulherquequeiramuitoterumfilhoeserumaboamãedificilmente desejaria morrer no momento do parto. Então, ela pode permanecer presa à terra, na casa — emocionalmenteligadaaolugar.Cemanosdepois,umafamíliacomumrecém-nascidosemudaparaessa casa.Derepente,ofantasmadeumamulherdaépocavitorianaévistonoquartodobebê.Apresençada criançadesencadeouumarespostaemocional.Essetipodefenômenoespiritualémuitocomumejáperdi acontadequantasvezesaconteceu. “Outromotivoparaqueumfantasmasemanifestetemporbaseumanecessidadedecomunicação. Nessescasos,oespíritopresoàterraestátãoenredadonaprópriatragédiaousituaçãonãoresolvidaque semanifestaráaqualquerumafimdetentarcomunicarseuinfortúnio.Éporissoqueluzesseacendeme seapagam,ouseescutambatidas,oupequenosobjetossemovemnapresençadaspessoas.Oespírito estátentandochamaratenção.IssoaconteceuemWestPoint.Devezemquando,porém,ofantasmanão sabe que está ali. Tenho uma fotografia de um caso assim. Era um monge da Inglaterra e eu

inadvertidamenteofotografeinaigrejadeBorleyenquantoelefolheavaumlivroenorme. “Umexemploaindamelhordisso”,prossegueEd,uéumcasoqueaconteceuhápoucosanos,aquinos EstadosUnidos.Umafamíliadesetefilhosjáadultoseoseupairecentementeviúvotinhaumfantasma nasuacasa.Atéaí,tudobem.Maseraumpoucomaisqueisso—oespíritoeraaapariçãodamãe. Cercadedoismesesantesdeafamílianoscontatar,essamulhervoltavadecarroparacasacoma

própriamãe,de65anos,apósteremfeitocomprasdeNatal,quandocomeçouanevarbastante.Ansiosa

parachegaràcasaantesqueatempestadepiorasse,essasenhorachegouaumtrechoruimdaestrada.O

carrobateuemumaárvore,matandoasduasnamesmahora.Emboraaavótenhafeitoapassagemde

imediato,amãenãoofez.

“Porqueelaficouparatrásnaformadeumespírito?Porqueaúltimacoisaquetinhaemmenteera

chegaremcasa:efoiparaláqueelaseguiu,mascomoumespírito.Poucotempodepoisdoacidente,

movimentaçõesincomunscomeçaramaocorrernacasa.Apósalgunsmeses,ficouclaroqueaorigemda

atividadeeraoespíritodamãe.Digoclaroporqueomaissensitivodosfilhosaviu,emumestado

semimaterializado,regandoplantas,arrumandoascamas,fechandoportasdearmários;nomeiodanoite,

quandoestavafrio,elafechavaasjanelas—coisasdessetipo.Noseunovoestadodeconsciência,essa

mulherestavatotalmenteinconscientedequeera,então,umadesencarnada.”

Comoumapessoapodenãoperceberqueéumfantasma?

“Bem,éalgoparecidocomumaamputação.Umapessoapodepensarqueasuapernaamputadaestá

ali,quandonãoestá.Paraofantasma,éamesmacoisa,sóque,nocasodoespírito,ocorpointeirofoi

amputado.

“Noentanto,naquelecaso,tivequelançarmãodeummédiumdetranseprofundoparasecomunicar comamulher”,concluiEd.“Hojeumasessãolongaecomovente.Noinício,passamospelarotinado ‘Nãoeu.Eunãosouumfantasma’,porqueelanaturalmenteserecusavaaaceitarofatodeestarmorta. Porfim,porém,naquelatarde,nósconseguimosfazercomqueamulherfizesseatransiçãocorretamente, enquantoespírito.Osfenômenosnacasapararamdeimediato,éevidente.Paraalguns,podeparecer cruelfazeressamãeseguiradiante,masoespíritohumanonãoénenhumanimalzinhodeestimação. Portanto,eraimperativoqueessamulherconhecesseasuacondição.Docontrário,nofuturo,quandoa famíliasemudassedalioumorressetambém,elaaindacontinuariapresaàterra.Repito,tragédiae irresoluçãoconstituemoslemasdasíndromedofantasma.” Acomunicaçãocomumaentidadefantasmagóricaocorre,emregra,portelepatia.Essefoioprocesso queLorraineusouemWestPoint.NãofoinecessárioqueGreersemostrasseparasecomunicar.A telepatiafoiabsolutamentesuficienteparafazerotrabalho. Atelepatia,umahabilidadelatenteemtodasaspessoas,éumaformadetransferênciadepensamento. Emvezdeumaideiasertransmitidapormeiodavoz,elaétransmitidadiretamentepelocérebro.Assim comoosolhoseosouvidos,océrebro—oórgãomaiscomplexodocorpo—tambéméumórgãode percepção.Colocadodeoutramaneira,océrebropodemanejardadossensoriaisqueosoutroscinco sentidosnãopodem.Osespíritosconsideramesse“sexto”sentidoomaisfácildeusarcomocanalde comunicação.Contudo,oquenãosesabelargamenteéqueatransferênciadepensamentoéumfenômeno físico. “Opensamentotemsubstância”,explica Ed,“e a substância dopensamentosãovibrações.Toda informaçãosensorial,qualquerquesejaseutipo,chegaanóspormeiodevibrações.Nossocorpoé comoumaimensaantenacomreceptoresespecializadosparacaptaressasvibraçõesespecíficas.Assim comoondasderádio,essasvibraçõesnãopodemservistas,emboraestejamànossavolta.Enãoapenas pensamentos:tudonomundotemumavibraçãoúnicaprópria,umafrequênciaespecial.Porseremas frequênciasdiferentesentresi,océrebroécapazdedistinguirfisicamenteumacoisadaoutra. “Oúnicoporéméque,paraocérebrohumano,éimpossíveldistinguirentreumsomreal,físico,ea impressãopsiquicamentecriadadessesom.Afrequênciadeamboséidêntica.Dessemodo,quandoum fantasmasecomunicaportelepatia,issoénadamaisnadamenosquetransferênciadevibraçõesdeuma menteparaaoutra.Oresultadoéacomunicação.Logo,éclaroquenãohaveriacomunicaçãodooutro

ladosenãoexistisseumainteligência,umamentegerandovibraçõestelepáticasdirecionadasaoreino

físico.

Comojovensartistas,EdeLorrainedescobriramquegrandepanedosfenômenosemcasasmal-

assombradaspoderiaseratribuídaaatuaçãodeespíritospresosàterra.Comotempo,elesaprenderam queessasentidadesdesencarnadas—emboraàsvezesresponsáveisporfenômenosassustadores—não existiamdefatoparaumpropostosinistro.Alémdisso,apesardaestranhaatividadequeessesespíritos presos à terra eramcapazes de desencadear, eles não eramdotados de poderes verdadeiramente misteriosos. Emalgunscasosraros,porém,ficouevidenteaosWarrenquehaviaoutracategoriacompletamente diferentedefenômenos.Asforçasativasnessascasastinhampoderesqueeramdefatomisteriosos. “Muitasvezes”,dizLorraine,“chegávamosaolocaiquandoaperturbaçãoaindaestavaemcurso.Nós víamosaatividadepornósmesmos,emprimeiramão.Porém,acimadetudo,euteriaquedizerqueo comportamentodaspessoascontavaaverdadeirahistória.Nósentravamosemumacasa,eafamília estavaabsurdamenteapavoradacomoquetinhavistoouvivenciado.Alémdisso,naqueletempo,havia pouquíssimasounenhumainstituiçãoouagênciaaqueaspessoaspudessempedirajuda,então,muitas vezes,essasfamíliastinhamqueresistirsozinhasaessesataquesinacreditáveisdeespíritosmaléficos. Quandochegávamos,elasemgeralestavamexaustas,esgotadasporcausadosfenômenosincessantesque aconteciamàsuavolta.Eemborainúmerasdessaspessoasestivessemsendoatormentadasquasequeao

ponto da loucura, muitas vezes elas não percebiam que os espíritos — para não dizer espíritos demoníacos — eramnormalmente os responsáveis. O que estava acontecendo a essas pessoas era inquestionável:elasestavamsitiadas. “Emúltimaanálise,oqueEdeeutiramosdessasprimeirasexperiênciasfoiacompreensãodeque haviaumespíritoportrásdosfenômenos,masesseespíritoeramuitopior,muitomaisameaçadorqueum simplesfantasma. “Umfantasmaébasicamenteumaentidadepassivacompoderesehabilidadeslimitados.Geralmente, elesemanifestarádemaneiraaleatória,tentarásecomunicare,então,desaparecerádevista.Tudose resumeaumciclo:manifestação,comunicação,dissipação”,declaraEd.“Eofantasmaapenasraramente fazalgumacoisaalémdesedaraconhecer.Acabamospordescobrirqueoespíritohumanocomumpreso à terra é umsolitário, acorrentado a umproblema pessoal e buscando a solução para o caráter fundamentaldesseproblema.Ofantasmasecomportadeformasprevisíveis,querdesejandocomunicar seupesarouserdeixadosozinhoparacontemplaropróprioinfortúnio.Noentanto,essesoutroscasos nãoostentavamnemumúnicopadrãosequerdoespíritopresoàterra.Oenormetumulto,osfenômenos negativos,ochoqueeoterrorindicavamquealgodiferenteestavaatuando.” Nospiorescasos,osWarrenencontravamsituaçõesemqueascoisasestavamcompletamenteforade controle.Aopassoqueumespíritohumanorelativamentedócilpudessefazerlevitarumlápisouquebrar umachaleiraestimada,nessescasos,acasainteiraeradestruídademaneiradeliberadaesistemática. Nãoraro,aspessoasdacasaeramatacadas,noâmbitomentalefísico.Deinício,osWarrenatribuíram essasperturbaçõesabandosdeespíritos,talvezsaqueandoapósamortetalcomoohaviamfeitonaterra. Noentanto,essaexplicaçãootimistanuncasesustentou,poisesseeraumfenômenocomumpropósito— algoqueeradotadodeumainteligênciamisteriosa—,algumacoisaqueindicavaumdiscernimento absolutamenteperverso. Enquanto umfantasma se manifestava a qualquer momento, do dia ouda noite, essa espécie de fenômenoocorriacommaisfrequêncianaausênciadeluznatural.Asperturbaçõestendiamacomeçar apósopôrdosoleterminarantesdoraiardodia.Eaocontráriodeumfantasma,quedemandavaenergia luminosaparasemanifestar,essacoisaeranegraquandovisívelaosolhoshumanos,eparavadeagirna presençadeluz.Elaapareciacomoumagrandemassasemforma,emregradescritapelastestemunhas como“maisnegraqueonegrornatural”. Alémdisso,tudoqueeraassociadoaoespíritoeraaterrorizanteenegativo.Diferentementedeum fantasma,quedesapareciasedespertassemedo,esseespíritoapenassefortaleciaemumaatmosfera amedrontadora.Suachegadafazia-seacompanhardeumasensaçãodecompletopavoremauagouro;uma inegávelatmosferademaldadeeanimosidadeselvagemtomavaolugar.Emgeral,umfedorrepulsivo, asqueroso—deenxofre,excrementooucarneapodrecida—enchiaolugaremqueelesematerializava; muitasvezes,deixavaparatrásalgumresíduodesangueououtrosfluidoscorporais.E,comoumfarol, eleirradiavauminveteradosensodeódioeciúmedestrutivo;suaatuaçãoeracruel,violentaeiníqua. Ademais,osWarrennotaramque,quandotaisentidadesestranhasestavampresentes,elasjogavamsujo, usavamlinguagemobscenaecausavamferimentosedanos. Casoapóscaso,osfenômenoscomqueosWarrensedefrontavamtraziamasmesmasmarcasperversas eaterradoras.Oqueeraessaforçadepravadadeódioeviolência?Porfim,noentanto,elesjánão precisavamconjecturar,pois,parafazer-seconhecer,oespíritocostumavadeixarpistasdeliberadase diretas:cruzesinvertidas,montesdeexcremento,poçasdeurina.Defato,eleemgeralescrevia,com audácia,oqueera,especialmenteemespelhos—aocontrário,dadireitaparaaesquerda:

Ou,demaneiraaindamaisclara:

OCAINOMED

MORTEADEUS

“Quando não rabiscava blasfêmias”, diz Ed, “ele escrevia obscenidades degradantes, vulgares. Quandoviessasinscriçõesnojentaspelaprimeiravez,penseiquealguémnacasativesseumamente realmentedoentia.Eu,ingênuo,tenteiapagaressesgrafitesdasparedesedosespelhosparaqueLorraine nãofosseexpostaaeles.Contudo,assimqueeuosapagava,elesapareciamoutravezdiantedosmeus olhos.Logoficouclaroparamimqueaquilonãoeraobradesereshumanos—nemdeespíritoshumanos. “Aprincípio”,admitiuele,“todaaideiadefenômenosdemoníacoseraincompreensívelparamim, como tenho certeza de que o seria para qualquer umque se visse envolvido na mesma situação. Entretanto, tambémficava cada vez mais óbvio que essas perturbações eramtotalmente diferentes daquelasprovocadasporespíritoshumanospresosàterra.Essasentidadesnãosóescreviamemparedes como,emcasosraros,chegavamafalar—comumavozfísica.Mesmoassim,nemLorraine,nemeu conseguíamosaceitarofato.Essasforçastipicamentenegativaseramtãopoderosaseameaçadorasque fazíamosdetudoparaevitá-lasnonossotrabalho.Estarapenasnasproximidadesdofenômenojáera emocionalmente pavoroso. Embora eu soubesse que estávamos fazendo um progresso efetivo na categorizaçãodocomportamentodoespíritohumanopresoàterra,aquiloeraalgoquenuncahavíamos planejado.” ParaEdWarren,adescobertadoreinodemoníaconãoeraumaespéciedepontofinalemumabusca religiosaimoderada.Elenãosaíraaomundoeencontrara“demônios”parasatisfazerosseuscaprichos. “Deparamoscomessaatividadeporacidente,nocursodasnossasinvestigações.Elajáestavaláquando aencontramos.Mas,aocontráriodoqueacontececomespíritoshumanos,essascoisasnãoeramalgo comque se deve mexer. Nós nos mantínhamos à distância e estudávamos sua atuação tanto quanto podíamos,aomesmotempoemqueajudávamosapessoaouafamíliaenvolvida.Foiapenasmaistarde quedescobrimoscomqueferocidadeessasentidadesinumanasatacavamqualqueremblemareligioso— e,consequentemente,arealgravidadedoproblemadodemoníacoparaocleropiedoso.”Seriapossível queascrençasreligiosasdosWarrenseriamcapazesdeafetaroqueviam?Pareceque,emcertamedida, umapessoaestariamaispropensaaperceberatividadessobrenaturaissejáacreditassenisso. “Fazsentido”,concordaEd,“masoquevimosnonossotrabalhonãopoderiatersidoinfluenciadopor aquilo em que acreditamos. Não temos nenhum motivo para influenciar as coisas ou agir com parcialidade.NãosomosfanáticospregadoresdaBíblia.Nãocobramospornossosserviçosesomos ambosfísicaementalmentesãos.Vocêprecisacompreenderquesomoschamadosporoutraspessoasque já estão vivenciando a atividade perturbadora. Seus filhos de repente começarama agir de forma peculiarouascoisasestãovoandopelacasa,eessaspessoasnãosabemporqueessascoisasestão acontecendooucomofazerofenômenoparar.Então,essaspessoasacabampedindonossaajuda.Quando Lorraineeeunosenvolvemos,ésempreapósaeclosãodaperturbação,nãoantes—eaífazemoso possívelparaidentificaraorigemdaperturbaçãoeagimosdeacordocomoquedescobrimosafimde fazê-laparar,ouchamamosalguémquepossafazê-lo. “Hojeemdia”,dizEd,“aspessoasquenãoestãofamiliarizadascomoproblemagostamdefilosofar acercadodemoníaco,comosefosseumaocorrênciapuramentepsicológica,oudizemqueelenemsequer existedefato.Entretanto,essaspessoasnuncatestemunharamosfenômenosporsimesmas;docontrário, nãofariamtaisafirmaçõesvazias.Aomenosumavez,elasprecisamteraexperiênciadeentraremuma casaondeessesespíritosinumanossemanifestaram. “Doladodefora,osvizinhosestarãoperambulandopelacalçada.Elesinstintivamentesabemque algumacoisaestáerrada.Quandovocêentranacasa,éprovávelqueafamíliaestejaaossoluçosou acuada,unsagarradosaosoutrosdetantopavor,totalmentepetrificadosporcausadealgumacoisa horrívelpeloqualtenhampassado.Suasroupastalvezestejammeiorasgadas.Noar,podeserquepaire

umforteodordeenxofre,ozônioouexcremento.Seháumapossessãoemcurso,esseindivíduoécapaz devirparacimadevocêcomoumtremendomonstro.Objetosestarãolevitando.Ointeriordacasatalvez estejaarruinadodevidoàaçãodeforçasinvisíveis:todososobjetos,grandesoupequenos,estarão reviradosequebrados.Émuitocomumqueseouçampancadasinacreditáveisvindasdasparedes.Enas própriasparedes,éprovávelqueafirmaçõesobscenasouantirreligiosastenhamsidoescritaspormãos invisíveisemumadúziadelínguasdiferentes.Coisasvãosematerializaredesmaterializarbemdiante dosseusolhos.Objetosreligiosossãoprofanadosoupenduradosdecabeçaparabaixo,bemàvistade todos.Pequenaslabaredaspodemestartremulandonoscantosdascadeiras,ascortinastalvezjátenham sido consumidas em chamas. Caos absoluto! E, envolvendo tudo isso, haverá uma atmosfera de perversidadetãodensaquevocêpoderiacortá-lacomumafaca.Ecoarãogritospavorosos,profundos gemidossinistrosougargalhadasmaníacas,capazesdefazeroseusanguegelarnasveias.Então,em algummomento—sevocêestiversemsorte—,opróprioespíritopodesurgirpelaporta,ousairda parede,ousemanifestaratrásdevocêe,derepente,ficamuitoclaroqueaquilonãoéumafantasia distorcidapassíveldeexplicação.Éumverdadeiroataquefísicocontraahumanidadeequeocorrede maneirapropositaledirecionada.” Curiosamente,osWarrenvieramadescobrirqueosfenômenosprovocadosporespíritosinumanos ocorriamemetapas.Noinício,enquantooespíritose estabelecia nolugar,a atividade era apenas moderada,cautelosa,paranãocausaralarme.Contudo,nemtodasaspessoasestavamsujeitasaenfrentar taisfenômenos.Emgeral,indivíduosespecíficoseramselecionadosparaaincursãoouoataque.Ehavia ummotivoparaqueelesfossemoalvo—comoduasjovensenfermeirasdescobriramrecentemente.

ANNABELLE QuandootelefonetocanacasadosWarreneumclérigocomumtomdevozsombriodooutroladoda

ANNABELLE

QuandootelefonetocanacasadosWarreneumclérigocomumtomdevozsombriodooutroladoda linhapedeparafalarcomEd,égrandeaprobabilidadedequealgosériotenhaacontecido.Foiassim com“Annabelle”. Desta vez, o encaminhamento vinha de um padre episcopal. Telefonando dos escritórios administrativosdaIgrejaemConnecticut,oclérigoestavarepassandoumamensagemquereceberadeum ministrodeoutrolocaldoestado.Emboraasinformaçõesdadaspelopadrefossemsuperficiais,eledisse aEdqueduasjovensenfermeirashaviamse“comunicado”comoquejulgavamserumespíritohumano. Porém,opadretinhadúvidasdequeessefossemesmoocaso,porqueopedidodeajudaincluíaofatode queumamigodasgarotashaviasidoatacado—fisicamente.Conquantoosferimentosnãofossemsérios, aatividadeaindaestavaemcurso,eumadasgarotaspareciaacreditarquehaviaalgoestranhodentrodo seuapartamento.“Vocêinvestigariaocasomaisafundo”,solicitouele,“e,comodemonologista,poderia recomendaralgumaaçãoformaldaIgreja,casonecessário?” Concordandocomaavaliaçãodoclérigodequealgodenaturezaespiritualnegativapudesseestar atuando,EdWarrenaceitouoencaminhamento.Comisso,opadreinformouaEdonúmerodetelefonee onomedasjovens.Apósfalarcomosacerdote,Edligouimediatamenteparaonúmeroquelheforadado. Aoconseguircontatarumadasenfermeiras,Edaveriguouaexistênciadoproblemaedisseàjovemque eleeLorraineestavamacaminho Emboraotráfegoestivessetranquilonainterestadualnaqueledia,osWarrenlevarambemmaisdeuma horaparachegaraoendereçodomodernoprédiobaixodeapartamentos.Apósestacionaremocarro,o casalfoiatéaportadafrenteeEdtocouacampainha.Elelevavaconsigoumgravadordefitacassete, umacâmeraeumamaletapreta.Osomdepassosqueseaproximavampeloladodedentrologosefez

ouvir.Ferrolhosdetrancasforamsoltos,eumajovemde25anos,atraente,aindaquederostosério,

chamadaDeirdreBernard,abriuaporta.EdeLorraineWarrenapresentaram-see,emseguida,foram

levadosaoapartamento.

AjovemenfermeiraconduziuosWarrenatéacozinha,passandoporumaamplasaladeestar.Ali,Cal

Randellesuanoiva,LaraClifton,estavamsentadosàmesatomandoumcafé.Deirdreapresentou-lhesos

Warren,masosjovensfalarammuitopouco.Aexpressãofacialsériaeesgotadadostrêsdiziatudo.Os

demonologistasentãosesentaramàmesajuntocomosjovens.Apósinserirafitacassetenogravador,Ed

ligouoaparelhoeregistrouohorário,adata,oendereçoeonomecompletodosprincipaisenvolvidos

nocaso.

“Tudobem",começouele.“Eugostariadeouvirahistóriainteira,desdeocomeço.Quemaquipode

contá-la?”

“Euposso”,respondeuDeirdre.

“Certo.Cal,Lara,porfavor,acrescentemqualquerdetalhequeeladeixardemencionar”,orientouEd.

“Sãoduashistórias,naverdade”,disseDeirdre.“Umaquecomeçounoiníciodasemana,comCal.A

outraésobreAnnabelle.MassuponhoqueambassejamsobreAnnabelle.Nãotenhocerteza.”

“QueméAnnabelle?”,perguntouEdnamesmahora. “ElapertenceaDeirdre”,tomouLara. “Pertence?”,indagouLorraine.“Annabelleéumservivo?” “Seelaéviva?”,tomouDeirdre,confusa.“Elasemexe.Agecomoseestivesseviva.Masnão,acho queelanãoéviva.” “Annabelleestánasaladeestar”,disseLara,apontandoporcimadamesa.“Estásentadanosofá.” Lorraineolhouparaaesquerda,paraasaladeestar.“Vocêestáfalandodaboneca?” “Issomesmo”,respondeuLara.“AquelabonecadepanoRaggedyAnn,grande.AquelaéAnnabelle. Elasemexe!” Edselevantouefoiatéasaladeestarparainspecionaraboneca.Elaeragrandeepesada,dotamanho deumacriançadequatroanosdeidade,eestavasentadacomaspernasestendidasnosofá.Osolhos negrossempupilaencararam-nodevolta,enquantoosorrisopintadodavaàbonecaumaexpressãode ironiasinistra.Depoisdeexaminaracoisasemtocá-la,Edvoltouàcozinha. “Deondeveioaboneca?",EdperguntouaDeirdre. “Foiumpresente”,respondeuajovem.“Minhamãemedeunomeuúltimoaniversário." “Existealgummotivoparasuamãetercompradoumabonecaparavocê?”,indagouEd. “Não.Erasóumanovidade—paradecoração”,disseaenfermeira. “Tudobem”,prosseguiuele.“Quandovocêcomeçouanotaraocorrênciadealgumaatividade?" “Hámaisoumenosumano”,disseDeirdre.“Abonecacomeçouaandarsozinhapeloapartamento. Nãoestouquerendodizerqueelaselevantoueandouporai,nemnadaassim.Querodizerque,quando chegávamosdotrabalho,elanuncaestavaexatamenteondeatínhamosdeixado.” “Expliqueessaparteumpoucomelhor”,solicitouEd. “Depoisqueganheiabonecadeaniversário”,explicouDeirdre,“euadeixavaemcimadacamatodo diademanhã,depoisqueacamaestavaarrumada.Osbraçosficavamaoladodocorpoeaspernas, estendidasparafrente—exatamentecomoelaestásentadaali,agora.Porém,quandovoltávamospara casa,ànoite,osbraçoseaspernasestavamposicionadosdeformasdiferentes.Porexemplo,aspernas estavamcruzadasnaalturadostornozelos,ouosbraçosestavamcruzadosnocolodela.Depoisdemais oumenosumasemana,issonosdeixoudesconfiados.Então,parafazerumteste,demanhãeucruzavade propósitoosbraçoseaspernasdaboneca,paraverseelarealmentesemexia.E,éclaro,todanoite, quandovoltávamosparacasa,osbraçoseaspernasestavamdescruzadoseacoisaestavasentadaaliem umadúziadeposturasdiferentes.” “É,maselafaziamaisqueisso”,interrompeuLara.“Abonecatambémmudavadecômodosozinha. VoltamosparacasaumanoiteeAnnabelleestavaemumacadeiraaoladodaportadafrente.Dejoelhos! Mas, o engraçado foi que, quando nós tentamos fazer a boneca ficar de joelhos, ela simplesmente desabou.Eraimpossívelcolocá-ladejoelhos.Outrasvezes,nósaencontrávamossentadanosofá,apesar de,aosaímosdoapartamento,demanhã,elaterficadonoquartodeDeirdre,comaportafechada!” “Maisalgumacoisa?”,perguntouLorraine. “Sim”,disseDeirdre.“Elanosdeixavabilhetinhoserecados.Acaligrafiapareciaserdeumacriança pequena.” “Oqueosbilhetesdiziam?”,indagouEd. “Diziamcoisasquenãofaziamnenhumsentidoparanós”,respondeuDeirdre.“Asmensagenseram comoajudeagenteouajudecal,masCalnãoestavacorrendonenhumtipoderisconaocasião.Equem era‘agente?Nósnãosabíamos.Alémdisso,omaisesquisitoeraqueosbilhetesestavamescritosalápis mas,quandotentávamosencontrarumlápis,nãohavianenhumnoapartamento!Eopapelemqueela escreviaerapergaminho.Revireioapartamento,procurandopapeltipopergaminho,mas,outravez, nenhumadenóstinhaessetipodecoisa.”“Parecequealguémtinhaachavedoapartamentoeestava pregandoumapeçademaugostoemvocês”,declarouEdcategoricamente.

“Foiexatamenteoquepensamos”,disseDeirdre.“Então,fizemosalgumascoisinhas,comodeixar marcasnasjanelaseportas,ouajeitarostapetesdemodoquequalquerumqueentrasseaquideixaria umapistaquepudéssemosver.Masnunca,nemumaúnicavez,apareceramsinaisdequehouvesse mesmoumintrusovindodefora.” “Enquantoabonecaficavamudandodelugarenóspassamosadesconfiardeladrões,outracoisa absurdaaconteceu”,acrescentouLara,emseguida.“AbonecaAnnabelleestavasentadanacamade Deirdre,comosempre.Quandovoltamos paracasa,umanoite,haviasanguenas costas damãoda boneca,etrêsgotasdesanguenopeitodela!”“MeuDeus,aquilorealmentenosdeixouapavoradas”, disseDeirdre,comfranqueza. “Vocêsnotaramqualqueroutrotipodefenômenoocorrendonoapartamento?”,perguntouEd. “Umavez,pertodoNatal,encontramosnoaparelhodesomumabotinhadechocolatequenenhumde nóshaviacomprado.Supostamente,elaveiodeAnnabelle”,disseLara. “Quando vocês chegaramà conclusão de que havia umespírito associado à boneca?”, indagou Lorraine. “Sabíamosquealgumacoisaesquisitaestavaacontecendo”,respondeuDeirdre.“Abonecadefato mudavasozinhadeumcômodoparaooutro.Elarealmenteficavaemposturasdiferentes,todosnós vimos.Masqueríamossaberporquê.Seráquepodiahaverumarazãoplausívelparaabonecaestarse mexendo?Então,Laraeeuentramosemcontatocomumamulherqueémédium.Issofoihámaisou menos ummês, outalvezseis semanas depois que tudo isso começoua acontecer.” “Oque vocês descobriram?”

“Descobrimosqueumagarotinhamorreunestapropriedade”,DeirdrecontouaosWarren.“Elatinha7

anoseoseunomeeraAnnabelle—AnnabelleHiggins.OespíritodeAnnabelledissequebrincavanos camposmuitotempoatrás,antesdeestesapartamentosseremconstruídos.Elanosdissequeaqueles foram‘temposfelizes’.Comotodosporaquieramadultosesósepreocupavamcomosseusempregos, nãohavianinguémcomquemelapudesseinteragir,sóagente.Annabellesentiaquenósconseguiríamos entendê-la.Foiporissoqueelacomeçouamovimentarabonecadepano.TudooqueAnnabellequeria eraseramada,entãoelapediusepoderiaficarconoscoesemudarparadentrodaboneca.Oque podíamosfazer?Então,dissemossim.” “Espereuminstante”,interrompeuEd.“Oquevocêquerdizercomelaqueriasemudarparadentroda boneca?Estádizendoqueelapropôspossuirobrinquedo?” “Correto,essefoiotrato”,tomouDeirdre.“Pareciabastanteinofensivo.Somosenfermeiras,sabe, vemossofrimentotodososdias.Tivemoscompaixão.Dequalquerforma,começamosachamaraboneca deAnnabelledaliemdiante.” “Vocês fizeram alguma coisa diferente com a boneca depois de descobrirem que ela estava supostamentepossuídapeloespíritodeumamenininhachamadaAnnabelle?”,perguntouLorraine. “Naverdade,não”,disseDeirdre.“Mas,éclaro,elajánãoerasóumaboneca.EraAnnabelle.Não podíamosignoraressefato.” “Certo,antesquevocêváemfrente,vamosvoltaruminstante”,pediuEd.“Primeiro,vocêganhoua bonecanoseuaniversário.Depoisdeumtempo,abonecacomeçouasemover—ou,pelomenos,a mudardelugarosuficienteparaquevocêsonotassem.Issoasdeixoucuriosas,entãovocêsdecidiram fazerumasessãoespírita,eumespíritosecomunicou,dizendoquesechamavaAnnabelleHiggins.Esse

supostoespíritodeumagarotinhatinha7anosepediuparavirmorarcomvocês,possuindoaboneca.

Vocêsconcordaram,porcompaixão.Então,passaramachamarabonecadeAnnabelle.Correto?”

“Correto”,disseramDeirdreeLara.

“Vocêsalgumavezviramofantasmadeumagarotinhanesteapartamento?”,perguntouEd.

“Não”,responderamambasasjovens.

“Vocêsdisseramqueumchocolateapareceuaquicertavez”,comentouEd.“Aconteceumaisalguma

coisaestranhaquevocêsnãoconseguiriamexplicar?” “Umavez,umaestatuetaseergueunoar,dooutroladodasala”,recordouDeirdre.“Então,eladeu umacambalhotanoarecaiunochão.Nenhumadenósestavapertodaestatueta—elaestavadooutro ladodasala.Esseincidentenosdeixoucompletamenteapavoradas.” “Deixem-meperguntaroutracoisa”,continuouEd.“Vocêsnãopensaramquetalveznãodevessemter dadotantaatençãoaumaboneca?” “Nãoeraumaboneca!",corrigiu-oDeirdre.“'EracomodeAnnabellequenósnosimportávamos!” “Éissomesmo!”,disseLara. “Querodizer,antesdevocêssaberemqualquercoisasobreAnnabelle-“Comopoderíamossaber algumacoisa?”,perguntouDeirdre.“Mas,pensandobem,vendoagora,talveznãodevêssemosterdado tanta credibilidade à boneca. Mas, de verdade, víamos a coisa como nada alémde uma mascote inofensiva.Elanuncafezmalaninguém pelomenosatéoutrodia.” “Vocêsaindaachamqueoqueestámovimentandoabonecasetaoespiritodeumagarotinha?”,indagou Lorraine. “Oquemaispoderiaser?”,disseLara,emresposta. “Éumamalditabonecadevodu,éissooqueelaé”,soltouCal."Fazmuitotempoquefaleiaelas ”

sobreaquelacoisa.Abonecaestavasótirandovantagemdelas

“Tudobem,Cal,achoquechegouahoradevocêcontarasuaversãodascoisas’,observouEd,

dirigindo-seaorapaz.

“Deixe-mecolocardestaforma:eunãogosteidaboneca,eabonecatambémnãogostoudemim”,

disseele.“Aquelacoisapensa,ebonecasnãopensam,certo?Então,desdeocomeço,nãoacheiqueessa

corsaandandopeloapartamentodelasfossebonitinha.”

“Alémdisso,conte-meoqueaconteceuavocê*,disseEd.

“Conteaelessobreossonhos*,persuadiu-oLara.

“Bem”,continuouCal,“acoisamefazterpesadelos.RecorrentesMas,aindaassim,oquevoucontara

vocêsnãoéumsonho,naminhaopinião,porque,dealgumaforma,viacontecercomigo.Daúltimavez

queaconteceu,caínosonoemcasa,umsonomuitopesado.Enquantoeuestavaali,deitado,mevi

acordar.Algumacoisamepareciaerrada.Euolhavaaoredordoquarto,masnãohavianadaforado

lugar.Então,quandoolheiparabaixo,paraosmeuspés,viabonecadepano,Annabelle.Elaestava

subindodevagarpelomeucorpo.Elachegouãalturadomeupeitoeparou.Então,abriuosbraços.Um

delestocouumladodomeupescoço,eooutrotocouooutrolado,comoseestivessefazendouma

conexãoelétrica.Daí,eumevisendoestrangulado.Eumecontorciaetentavaempurrarabonecapara

longedomeupeito,maseubemquepodiaestarempurrandoumaparede,porqueelamiosemovia.Eu

estavaliteralmentesendoestranguladoatéamorte,masnãoconseguiasairdaquelasituação,nãoimporta

oquantoeutentasse.”

“Sim,masopadrecomquemfaleidissequevocêtinhasidofisicamenteatacado.Éissoqueconsidera oataquefísico?”,pressionou-oEd. “Não”,declarouCal.“Issoaconteceuaqui,nesteapartamento,quandoLaraeeuestávamossozinhos.

Erammaisoumenos22hou23heestávamosestudandoalgunsmapasporqueeuiaviajarnodiaseguinte.

Tudoestavaquietonaquelahora.Derepente,nósdoisouvimosbarulhosnoquartodeDeirdre,oquenos

fezpensarquealguémhaviainvadidooapartamento.Eumelevanteiefuiemsilêncioatéaportado

quarto,queestavafechada.Espereiatéosbarulhospararem,abriaportacomcuidadoecoloqueiamão

paradentroparaacenderaluz.Ninguémestavaládentro!SóqueabonecaAnnabelleestavajogadaaum

canto,nochão.Entreisozinhoecaminheiatéacoisaparaversealgoesquisitohaviaacontecido.Porém,

quandochegueipertodela,tiveanítidaimpressãodequealguémestavaatrásdemim.Eumevireino

mesmoinstantee,bem

“Elenãovaifalarsobreessaparte”,declarouLara.“QuandoCalsevirou,nãohavianinguémali,mas, derepente,elesoltouumberroeagarrouopeito.Eleestavacomotroncoencurvado,tinhacortese estavasangrandoquandochegueiatéele.Acamisaestavaensopadadesangue.Calestavatremendo, apavorado.Voltamosparaasaladeestar.Então,abrimosacamisadelee,nopeito,haviaoquepareciam sermarcasdegarras!” “Possoveramarca?”,perguntouEd. “Jásumiuagora”,disse-lheorapaz. “Eutambémvioscortesnopeitodele”,manifestou-seDeirdre,emapoioaosamigos. “Quantashavia?”,indagouEd. “Sete”,disseLara.“Trêseramverticais,quatrohorizontais.” “Vocêtinhaalgumasensaçãonoscortes?” “Todososcorteseramquentes,comosefossemqueimaduras”,disseorapaz. “Vocêjátevecortesouferimentosnamesmaregiãodopeitoantesdeaconteceresseincidente?”, questionouEd. “Não”,tornouele. “Vocêperdeuaconsciênciaantesoudepoisdeoataqueacontecer?" “Não”,foinovamentearesposta. “Quantotempolevouparaosferimentoscicatrizarem?”,perguntouLorraineWarren. “Elascicatrizarambemdepressa”,disseCal.“Játinhamquasesumidonodiaseguinte,esumido totalmentenooutro.” “Aconteceumaisalgumacoisadesdeentão?”,perguntouEd. “Não”,foiarespostadetodos. “Quemfoiaprimeirapessoaquevocêscontataramdepoisqueocorreuoincidente?” “EntreiemcontatocomumpadreepiscopalchamadoKevins”,DeirdreinformouaEdeLorraine. “Porquevocêsdecidiramchamá-loemvezdechamarummédico?”,indagouLorraine. “Vocêachaquealguémdeforateriaacreditadodeondetinhavindoaquelamarcadegarrasnopeitode Cal?”, perguntou Deirdre, retoricamente. “Além disso, concordamos que os cortes eram menos importantesdoqueomodocomoCalfoiferido.Queríamossaberseissoaconteceriaoutravez.Nosso problemaera:aquemperguntar?” “HáalgummotivoparavocêsteremchamadoespecificamenteopadreKevins?”,questionouLorraine. “Sim.Confiamosnele”,disseDeirdre.“Eledáaulasaquiperto,emumafaculdadequeministraapenas osdoisprimeirosanosdoscursosdegraduação.Alémdisso,Laraeeuoconhecemos.” “Oquevocêscontaramaopadre?”,perguntouEd. “Ahistóriatoda—sobreAnnabelleecomoelasemoviasozinha,eprincipalmentesobreoscortesde Cal”,respondeuDeirdre.“Noinício,tivemosreceiodequeelenãoacreditasse,masnãofoiesseo problema—eleatéqueacreditou.Noentanto”,concluiuela,“opadredissequenuncatinhaouvidofalar dessetipodecoisaacontecendohojeemdia.Nósestávamosmorrendodemedonaocasião,epergunteio queeleachavaquetinhaacontecidoconosco.” “Oqueelefalou?”,indagouEd. “Eledissequenãoqueriafazerespeculações”,respondeuDeirdre.“Masopadrepareciarealmenteter aimpressãodequeeraumaquestãoespiritual,possivelmentealgoimportante,edissequeentrariaem contatocomalguémdegraumaiselevadonaIgreja—umtalpadreEverett.” “Foiissooqueelefez”,informou-lheEd. Então,preocupada,LaraperguntouaosWarren:“OquevocêsachamquefezaquilonopeitodeCal?”. “Vamosdiscutirissoemuminstante”,respondeuEd.“Primeiro,paraencerrarmos,deixem-meapenas fazeralgumasperguntas.Essetipodecoisajáaconteceuavocêsantes—aqualquerumdevocês?” “Não”,osjovensdisseramaosWarren.

“OnomeAnnabelle,ouAnnabelleHiggins,significavaalgumacoisaparavocês,navidareal,antesde

esseincidenteocorrer?”

“Não”,responderamelesmaisumavez.

“Emboravocêsnuncatenhamvistonadadenaturezaespiritualaqui,Caldissetersentidoumapresença

noquartoantesdeserferido

“Existealgumacoisaaqui”,afirmouLara,comfirmeza.“Naverdade,jánãosuportomaisficarneste lugar.Decidimosarranjarumnovoapartamento.Vamossairdaqui!” “Temoqueissonãoserádegrandeajudaparavocês”,disseEd. “Oquequerdizer?”,perguntouDeirdre,espantada. “Pararesumir,pessoal,vocêsinadvertidamentetrouxeramumespíritoparadentrodesteapartamento —eparaassuasvidas.Enãoconseguirãoselivrardelecomessafacilidade.” AafirmaçãodeEderacompreensivelmenteinquietante.Porprudência,eleeLorrainepermaneceram caladosparaqueostrêsjovenscolocassemospensamentosemordem. Passadoumlongominuto,Edtomouafalar.“Conseguiremosajudá-los,evamoscomeçarhojemesmo. Agora.AprimeiracoisaqueeugostariadefazerételefonarparapadreEverettepedirqueelevenhaaté aqui.Então,vocêsterãoquecompreenderoqueaconteceueporqueCalrecebeuaquelahorrívelmarca degarrasnopeito.Eupoderiausarotelefone?”Ednãoteveproblemasparacontataropadreepiscopal, quejáestavaàesperadoseutelefonema.Lorraine,enquantoisso,dirigiu-seàsaladeestarparadetectar apresençaespiritualqueestavanoapartamento.Depoisdotelefonema,osWarrenretomaramàcozinha juntocomosoutros. “Tudobem”,disseEd,impassível,“quandoopadreEverettchegar,elevairealizarumaespéciede bênção,um exorcismodapropriedade.”“Eusabia!”,declarouCal,enfático.“Eusabiaqueiadar nisso.” “Sim,creioquesim”,disse-lheEd.“Mas,nãoestoucertodequealgumdevocêssaibaporque motivo.Paracomeçar,nãoexistenenhumaAnnabelle!Nuncaexistiu.Vocêsforamenganados.Noentanto, estamosdefatolidandocomumespíritoaqui.Oteletransportedabonecaenquantovocêsestavamfora doapartamento,oaparecimentodebilhetesescritosempergaminho,amanifestaçãosimbólicadetrês

gotasdesangueeosgestosqueabonecafazia,tudoissoésignificativo.Essascoisasmedizemquehavia intento} oquesignificaquehaviaumainteligênciapor trásdaatividade.Noentanto,fantasmas— espíritos humanos — pura e simplesmente não conseguem provocar fenômenos dessas natureza e intensidade.Elesnãotêmessepoder.Emvezdisso,oqueseapossoudestelugaréalgoinumano.” “Inumano?”,perguntouCal,perplexo. “Demoníaco”, disse-lhe Ed de imediato. “Normalmente, as pessoas nunca são incomodadas por espíritosdemoníacosinumanos,amenosquefaçamalgumacoisaparatrazeressaforçaparaassuas vidas.E,sintodizer,garotas,masvocêsfizeramalgoparatrazerodemoníacoparaassuasvidas.” “Comooquê?”,Deirdrelogoindagou. “Bem,nasuamaioria,vocêscometeramerroshonestosmas,nestecaso,cometeramospioreserros”, respondeuEd.“Oprimeiroerrodevocêsfoiterdadotantaatençãoparaaboneca.Vejam,arazãopela qualoespíritomovimentouaboneca,noinício,erachamaratençãoparasi.Aoconseguiraatençãode vocês,elepassouaexplorá-las.Emvezderetribuirasuapreocupaçãoeoseucuidado,elesimplesmente lhescausoumedoeatémesmoferimentosfísicos.Essaéanaturezadoespíritoinumano:eleénegativo, gostadeprovocardor.Logonoiníciovocêsnãodeveriamtertoleradoaatividadeincomum.Noentanto, emvezdecortaromalpelaraiz,ofatodespertouacuriosidadedevocêseissofoinotado—emtermos sobrenaturais. “Oerroseguintefoicontatarumamédium”,prosseguiuEd.“Quemquerquetenhaatuadocomomédium foiinvoluntariamenteusadapelaentidadecomoinstrumentodecomunicação.Duranteasessão,esse espíritoinumanotransmitiuinformaçõesfalsasavocês.Oespíritodemoníacoémentiroso.Elejáfoiaté

chamadodePaidaMentira.Vocêsforamenganadas—porumespíritodamentira—e,semsuspeitarde nada,acreditaramnahistória.Opiorerro,porém,foidaraoespíritoapermissãodequeeleprecisava para‘entrarnaboneca’.Eraissooqueelequeriaetirouproveitodofatodevocêsignoraremsua existênciaparafazê-lo.” “Porquê?",indagouLara. “Porque,paradefatointerferirnavidadevocês,oespíritodemoníacoprecisaobtersuapermissão parafazê-lodealgummodo.E,infelizmente,pormeiodasualivreeespontâneavontade,vocêslhe deramessapermissão.Foiomesmoqueentregarumaarmacarregadaaummaníaco.” “Então,abonecaestápossuída?”,quissaberDeirdre. “Não,elanãoestápossuída.Espíritosnãopossuemobjetos:espíritospossuempessoas”,informouEd. “Emvezdisso,oespíritoapenasmovimentouabonecapelolugar,criandoailusãodequeelaestivesse viva.Mas,comovocês,moças,acreditavamqueeraoespíritodeumagarotinha,Annabelle,aaparência earealidadeeramamesmacoisa.Emresumo,vocêssemantiveramabertas,eumespíritonegativoe enganador tirouvantagemdisso — coma sua permissão, é claro. Foi assimque o fenômeno foi provocado.” Edfezumapausaparaversehaviamaisalgumapergunta,masnenhumafoifeita. “Agora,oqueaconteceuaCalnoiníciodestasemana*,continuouele,“acabariaacontecendomais cedooumaistarde.Narealidade,vocêstodosestavamcorrendooriscodeserpossuídosporesse espírito,eeraissooqueacoisaestavarealmentequerendo.MasCalaquinãoacreditounaencenaçãoe, portanto, era uma ameaça constante à entidade. De uma forma oude outra, acabaria havendo um confronto.Eoqueaconteceu?Paracomeçar,oespíritotentouestrangularCalatéamorte.Quandoisso nãodeucerto,eleocortoucomumamarcasimbólicadegarras,lávimosessamarcadegarrasemoutros casos:éumsinalindicativodeumapresençainumana.Vocêssesafaramdestavez.Setivessemdadoao espíritomaisumaouduassemanas,todosvocêspoderiamtersidomortos.’ “Esse esse espíritodemoníacoestánoapartamentoagora?’,perguntouLara,petrificada. “Sim, receio que sim”, respondeu Lorraine. “Há apenas uma entidade envolvida, mas seu comportamentoéabsolutamenteimprevisível.” PareciaqueaspalavrasdosWarrencomeçavamasercompreendidas.“Vocêsestãofalandosério,não é?’,disseDeirdre,incrédula. Acampainhadafrentetocou.OpadreEveretthaviachegado.Aconversanacozinhaterminouquando Deirdreselevantouparaatenderàporta.Comaproximidadedopôrdosol,queaconteceriadaliuma hora,Edestavaansiosoparaquearesidênciafosseabençoadaparaquepudesseentãoretiraraboneca dalievoltarparacasa. EnquantoosWarrenrecolhiamsuascoisas,opadreEverett—aquemEdeLorrainenuncahaviam vistopessoalmente—entrounacozinha.Opadreepiscopal,umhomemaltodemeia-idade,estava claramentedesconfortávelnoseupapeldeexorcista.Apósatrocadoscumprimentospreliminares,Ed disseaopadreque,emseujulgamento,oespíritoresponsávelpelaatividadeperniciosaerainumano, aindaestavanoapartamentoequeaúnicamaneiradefazê-losairdaliseriapelopoderdaspalavras escritasnabençãodoexorcismo. “Nãoestoudetodofamiliarizadocomademonologia”,admitiuopadre,“Comovocêsabequeesse tipodeespíritoestáportrásdaperturbação?" “Bem,neste caso, nãofoi tão difícil chegar a essa conclusão’,disse Ed,comfranqueza.“Esses espíritos agemde formas características. O que está acontecendo aqui é basicamente o estágio de infestaçãodofenômeno.Umespírito,nestecaso,umespíritodemoníacoinumano,começouamovimentar abonecapeloapartamentopormeiodeteletransporteeoutrosmecanismos.Apósdespertaracuriosidade das moças —- que era o objetivo do espírito ao movimentar a boneca —, elas cometeramo erro previsíveldetrazerparacáumamédium,quefezcomqueasituaçãoevoluísse.Amulherdisseàs

garotas,noestadodetranse,queoespiritodeumagarorinhachamadaAnnabelleestavamovendoa boneca. Comunicando-se por intermédio da médium, a entidade se aproveitou da vulnerabilidade emocionaldasmoradorasdoapartamentoeduranteasessãoconseguiuextrairdelasapermissãopara prosseguir como seuintento. Visto que o demoníaco é umespírito negativo, ele começouentão a provocar a ocorrência de fenômenos ostensivamente negativos: causou medo com os movimentos esquisitos da boneca;promoveua materialização de bilhetes perturbadores, escritos à mão;deixou resíduosdesanguenaboneca;e,porfim,chegouaferirorapaz,Cal,nopeito,abrindoumasangrenta marcadegarras. “Alémdaatividade,Lorrainetambémdetectouqueesseespíritoinumanoestáconoscoagora.Lorraine éumaexcelenteclarividenteenuncaseenganouquantoànaturezadeumespíritoqueestejapresente.No entanto, se o senhor quiser ir adiante, podemos desafiar a entidade agora mesmo comprovocação ”

religiosa.Osenhorpoderáverporsimesmo

“Não,creioquenão",tomouopadreEverett.“Porquenãofazermossimplesmenteoquetemqueser feito?” Nestecaso,opadrelevoucercadecincominutospararecitarabênçãodoexorcismoemcadacômodo doapartamento.Abênçãoepiscopaldeumlarconstadeumdocumentoprolixodesetepáginasetemum carátermarcadamentepositivo.Emvezdeespecificamenteexpulsarentidadesmalignasdaresidência,a ênfaseéencheracasacomopoderdapositividade—opoderdeDeus. Nãohouveproblemasnemacidentesduranteoprocedimento.Aoterminaroexorcismodaresidência, opadreabençoouaspessoaspresentese,emseguida,declarouqueestavatudobem.Lorrainetambém confirmouqueoapartamentoeaspessoasestavamlivresdaentidadeespiritualinfestadora. Concluídooseutrabalho,EdeLorrainedespediram-seepartiramdevoltaparacasa.Apedidode Deirdre,ecomoprecauçãoparaqueofenômenonuncatornasseaocorrernoapartamento,osWarren levaramagrandebonecadepanoconsigo.ColocandoAnnabellenobancotraseiro,Edconcluiuqueseria maisseguroevitaropercursopelainterestadual,casoaentidadenãotivessesidoseparadadabonecade pano.Seupalpiteestavacorreto. Imediatamente,EdeLorraineWarrensentiram-sealvodeumódioferoz.Então,acadacurvaperigosa daestrada,seucarro,queeranovo,começavaamorrer,fazendocomqueadireçãohidráulicaeosfreios falhassem.Repetidasvezes,oveículoesteveprestesaenvolver-seemalgumacolisão.Comcerteza,teria sido fácil parar e lançar a boneca no matagal. Contudo, se o objeto profano simplesmente não se “teletransportasse”devoltaparaoapartamentodasjovens,nomínimoelecolocariaemriscoqualquer pessoaqueoencontrasse. Naterceiravezemqueocarromorreunaestrada,Edretiroudamaletaumfrascodeáguabentae aspergiuoseuconteúdosobreabonecadepano,fazendoosinaldacruzsobreela.Aperturbaçãono carroparoudeimediato,permitindoqueosWarrenchegassememcasasãosesalvos. Aolongodosprimeirosdiasqueseseguiram,Edmanteveabonecasentadaemumacadeiraaoladoda

suaescrivaninha.Obrinquedolevitouváriasvezesnoinícioedepoispareceuficarinerte. Duranteassemanassubsequentes,porém,abonecacomeçouaapareceremdiversoscômodosdacasa. QuandoosWarrensaíameadeixavamtrancadanoescritórioanexoàcasa,emgeral,aovoltar,elesa encontravam,aoabriraportadafrente,sentadaconfortavelmentenapoltronadeEd,noandartérreo. Percebeu-seaindaqueAnnabelletrouxeraum“amigo”,uragatopretoque,porvezes,sematerializava aoladodela.Ogatorondavaocômodoumavez,prestandoatençãoespecialaoslivroseoutrosobjetos doescritóriodeEd;emseguida,voltavaparajuntodabonecaredesmaterializava-seapartirdacabeça. TambémficouevidentequeAnnabelleodiavaclérigos.Duranteoprocessodeacompanhamentoquese seguiuao caso, fez-se necessário que os Warrenconsultassemos padres episcopais associados ao incidentenoapartamentodasjovensenfermeiras.Certanoite,aovoltar paracasasozinha,Lorraine apavorou-secomrosnadosaltosefortesquereverberavampelacasainteira.Maistarde,aoouviràs

gravaçõesnasecretáriaeletrônica,haviadoistelefonemasseguidosdopadreKevins.Entreasduas ligaçõesestavamgravadososinconcebíveisrosardosqueelahaviaouvidoanteriormentenacasa. Certodia,opadreDanielMills,umexorcistacatólico,estavatrabalhandocomEdeperguntousobreo novoobjetodedecoraçãodoescritório,abonecaAnnabelle. EddetalhoocasoaopadreDanieleentregou-lheapapeladaparaqueaanalisasse.Apósouviro relato de Ed quanto ao que havia acontecido, o sacerdote pegoua boneca de pano e disse, com indiferença:“Vocêésóumabonecadepano,Annabelle.Nãopodefazermalaninguém”.Opadreentão arremessouabonecapreenchidadeespumadevoltaàcadeira. “Émelhornãofalarissooutravez”,alertou-oEd,comumagargalhada.Nãoobstante,umahoramais tarde,quandoopadreDanielparouparasedespedirdeLorraine,aopartir,elarogouqueeletomasse muitocuidadoaodirigir,einsistiuquetelefonasseassimquechegasseaopresbitério.“Vislumbreiuma tragédiacomaquelejovempadre”,dizLorraine,“maseletinhaquefazercomoquisesse.” Poucashorasdepois,otelefonetocou.“Lorraine”,disseopadreDaniel,“porquevocêmefaloupara tomarcuidadoaovolante?” “Porque”,disseela,“seucarroficariasemcontroleevocêsofreriaumacidente.” “Bem,vocêtinharazão”,declarouele,categoricamente.“Osistemadefreiosfalhou,quasemorriem umacidentedetrânsito.Meucarroestádestruído.” Maistarde,naqueleano,emumagrandereuniãosocialnacasadosWarren,LorraineeopadreDaniel retiraram-se para uma sala de leitura a fimde conversar por alguns instantes. Por uma estranha coincidência,Annabellehaviapassadoàquelecômodonodiaanterior.EnquantofalavacomLorraine,o padreviuumornamentodecorativoemumaparedefazerummovimentorápido.Derepente,ocolarde

dentesdejavalide61centímetrosqueestavaacimadelesexplodiucomumaforçaimpactante.Aoouvir

aquelebarulhoimpressionante,outrosconvidadosforamdeimediatoàsala,momentoemquealguémdo grupoteveocuidadodetirarumafotografia.Quandorevelado,oretratoestavaabsolutamentenormal— excetopordoisfachosdeluzintensaacimadaboneca,ambosapontandonadireçãodopadreDaniel Mills. “Emoutraocasião”,contaEd,“euestavanomeuescritório,trabalhandocomumdetetivepolicialem umcasoqueenvolviaumassassinatorelacionadoabruxarianaregião.Comopolicial,elejáviutodo tipodecrime;definitivamente,nãoeraotipodehomemqueficava‘apavorado’. “Enquanto conversávamos, Lorraine me chamou lá para cima para atender a um telefonema interurbano.Eudisseaodetetivequeficasseàvontadeparaolharomeuescritório,masquetomasseo cuidadodenãotocaremnenhumdosobjetos,porquevinhamdecasosemqueforçasdemoníacashaviam sidoinvocadas. “Bem,nãodeviafazermaisdecincominutosqueeuhaviasaídodoescritórioquandoessedetetive apareceuláemcima,absolutamentebranco.Quandolhepergunteioqueacontecera,eleserecusoua falar”,lembraEd,abrindoumlargosorriso.“Ohomemapenasficavamurmurando:‘Aboneca,aboneca depanoéreal !’EleestavafalandodeAnnabelle,éclaro.Aquelabonequinhafezcomqueelepassasse aacreditarnessascoisas!Naverdade,pensandobem,todasasreuniõesquetivecomodetetivedepois daquelediaaconteceramsemprenoescritóriodele” “Aindanasemanapassada,ocorreuumincidenteparecidoaqui”,acrescentaLorraine.“Contratamos umcarpinteiroparavirconstruirmaisestantesnoescritóriodeEdenquantoeleestavafora,naEscócia. Ocarpinteirosubiuasescadasepediuqueeulevasseabonecaparaoutrolugar,paraqueelepudesse continuartrabalhando.Comtodaafranqueza,abonecameassusta.MasEdnãoestavaemcasa,entãotive quetirá-ladelá. “ObjetosprofanoscomoabonecaAnnabelletêmumaauraprópria.Quandovocêostoca,suaaura humanasemisturacomadeles.Essamudançaatraiespíritosimediatamente.Équasecomodispararum alarmedeincêndio.Portanto,parameproteger,eumeaspergicomáguabentae,emseguida,‘abençoei*

abonecadepanocomáguabenta,fazendoosinaldacruzsobreela.Quandopergunteiaocarpinteirose elequeiraseaspergir também,elemelançouumaespéciedesorrisoobsequioso,dizendoquenão acreditavaemespíritosnememreligião,equedispensavaessenegóciodebênção. “Nessahora,nossagatinha,Mareie,estavadeitadanoescritóriodeEd,comosemprefaz.Assimque pegueiAnnabelleparalevá-laparaooutroladodasala,ospelosdeMareiesearrepiarameelacomeçou asoltarunsmiadosestridentes,aflitadepavor.Elaseesgueirouatéaportaquedáparaforaecomeçoua chamardeumaformaestranha,comoeununcatinhaouvidoumgatofazerantes.Mareienãoparouatéque abriaportadoescritórioedeixeiqueelasaísseparaaluzdosol.Ocarpinteiroobservoutudo,pasmo. Então,semdizerumapalavra,eleestendeuobraço,pegouofrascodeáguabentadaminhamão”,dizela, comumgrandesorriso,“eseaspergiunamesmahora.Écomodigoquandoestamosfazendotrabalhode campo—nuncaencontreiumateuemumacasamal-assombrada.” “Édifícilparaaspessoasaceitaraexistênciadealgoqueforamcondicionadasaacreditarquenão existia”,afirmaEd.“Noentanto,faltadeconhecimentopermitiuqueesseespíritonegativoconseguisse entrarnavidadetrêsjovensincautos.Seelessoubessemquetaisespíritossinistrosexistem,entãoé bastanteprovávelque,hoje,umrapaznãoteriasidofisicamenteferidocomamarcadabesta.” Nãoobstante,muitossustentamqueanoçãodeespíritoséirracional einfundada,dizendoqueo fenômenoéumailusão,umaalucinaçãoouquesimplesmentenãoexiste.Namelhordashipóteses,a atividade pode ser esclarecida pela ciência. Será mesmo? Recentemente, os Warrenabordaramtal assuntoemredenacionaldetelevisão.

FENÔMENOSSOBRENATURAIS UmahoraemeiaapósdeixaremConnecticut,EdeLorraineWarrenestãosentadosemumasalade

FENÔMENOSSOBRENATURAIS

UmahoraemeiaapósdeixaremConnecticut,EdeLorraineWarrenestãosentadosemumasalade bastidores,aguardandoparagravaroDavidSusskindShow,nacidadedeNovaYork. Otemadoprogramadaquelanoiteé“OOculto”e,duranteoprimeirobloco,trêspessoascontam comoémoraremumacasamal-assombrada.OsWarrenvãoparticipardorestantedoprograma,emuma discussãoemformatodepainelcomopadreAlphonsusTrabold,odr.AlexTanousedoispesquisadores defenômenospsíquicos,queocasalacaboudeconhecer.OpadreTrabold,umamigodelongadatade EdeLorraine,éfradefranciscanoeprofessordeteologia.Eletambéméespecialistaemdemonologiae fenômenosparanormais.Odr.TanouséumrespeitadomédiumeteólogoquedáaulasnaUniversidadede SouthernMaine.Paraessegrupo,queestáassistindoaoprogramapelomonitor,ficalogoevidentequeo seuverdadeirotemanãoétantooocultoemgeral,masosfenômenosespirituaisemparticular. Quandooprimeiroblocotermina,essesespecialistaseescritoresdeixamasalanosbastidorespara tomaremseus lugares no set de filmagem. Após o intervalo comercial, David Susskind conduz a discussão diretamente ao ponto. “Ofenômeno é real — oué apenas uma excentricidade da mente humana?” Apresentandoexplicaçõesparapsicológicas,odr.Tanouseoutrosconvidadosdefendemaopiniãode quegrandepartedosfenômenoséprovocadaporpsicocinese,outelecinese—opoderdamentesobrea matéria.OpadreTraboldeosWarrenconcordamcomasexplicações,mastambémalertamqueparteda atividadeécausadaporalgumainstrumentalidadeexterior.Elesacrescentamtambémqueéimprudente, quandonãoperigoso,subestimaracontecimentosincomunsemumaresidência,emespecialaquelesque podemdefatoserdeorigemdemoníaca.OsWarrenexplicamaindaqueocasoAmityvillenãofoiuma fraude,equeosfenômenosabsurdos,normalmentefantásticos,relatadospelosprincipaisenvolvidos eramindicativosdaestratégiadeforçasdemoníacas.“Noentanto",ressaltaopadreTrabold,“nãose deve ter pressa demais em acreditar que toda e qualquer ocorrência estranha seja de origem sobrenatural.” Oprogramacorreubem.Noentanto,elenãoexplorouasimplicaçõesmaisprofundasdosfenômenos espirituaisnemoqueestárealmenteportrásdeles.Aindaassim,quandotudoterminou,David,defala tãoamávelatrásdascâmerasquantodiantedelas,agradeceuatodosporfazeremdaquelanoitetão interessante.Todosestavamfelizesporatenderaoconvite.Paraotelespectador,porém,queagoraera agraciadocomumentretenimentoameno,aindahaviamuitasperguntasaresponder.Qualéopapelda ciêncianoestudodosobrenatural?Oqueéparapsicologia?Quaissãooslimitesdaabordagemcientífica defenômenosespirituais?Ondeaatuaçãodoparapsicólogoseseparadaatuaçãododemonologista? Porcerto,EdeLorraineWarrenserãoosprimeirosaexplicarquenemtodomovimentoouatividade estranhaéresultadodaatuaçãodeespíritos,menosaindadeforçasdemoníacas.“Emgrandepartedas vezes”,dizEd,“existeumaexplicaçãonaturalparaocorrênciasesquisitasemumacasa,comocientistas jáconseguiramprovarparaalémdequalquerdúvida.Noentanto,éerradocrerquealegitimidadedos fenômenos espirituais dependa, em última instância, do veredicto da comunidade científica. O sobrenaturalnãoéumtemacientíficoperse;suavalidadenãopodeserdeterminadaapenasporuma

análisecientífica.Éverdadequeatividadeespiritualgenuínajáfoiregistradaemfotografiasepormeio deoutrosequipamentosdegravação,masaquestãoenvolvemuitomaisdoquefenômenosobserváveis.” Alémdisso,comoobservaEd,nãofaltamevidências.“Aquelesdenósquelidamcomosobrenaturalo tempotodosabemqueosfenômenossãoreais—nãohádúvidadisso.Portanto,quandoaspessoasme dizemquenãoacreditamemfantasmaseforçasespirituais,oqueestãodefatodizendoéquenãotêm familiaridadecomosdadossobreoassunto.Aindaassim,elesexistem—casoalguémsedêaotrabalho deprocurar.Naverdade,grandepartedelesfoireunidasobcondiçõestãorigorosasquefazemcomque muitasoutraspesquisascientíficaspareçamfrágeis,emcomparação.Porexemplo,tomemosumcasoque

Lorraineeeucomeçamosainvestigarnoúltimoverão[1978],emEnfield,Inglaterra,noqualfenômenos

envolvendoespíritosinumanosestavamemcurso.Então,nãoerapossívelregistraraatmosferaperigosa eameaçadoradentrodaquelacasinha.Noentanto,erapossívelfilmaraslevitações,osteletransportese asdesmaterializaçõesdepessoaseobjetosqueestavamocorrendoali—eissoparanãomencionaras muitascentenasdehorasdegravaçõesemfitacassetedasvozesdessesespíritosfalandoaltopelos cômodos.[EmumaconexãotransatlânticacomEnfield,essasvozesforamtransmitidaspelarádioWVAM

(Pensilvânia)em16dejunhode1978.]Nãovourepetirolinguajarvulgarqueasvozesusavamquando

entreinocômodocomelas,mas,enquantoestivemoslá,aSociedadeBritânicadePesquisasPsíquicasjá

haviagravado,emvideoteipe,1.300horasdessesfenômenos,enquantoocorriam.ABBCestavaali

filmandoocasoemseparado,aparentementeparaumdocumentáriodetelevisão. “Osfenômenosestãolá,realmenteestão!Éporissoquedigoqueouvocêsabeounãosabeque fenômenosespirituaisexistem.Senãosabe,váinvestigarasdescobertasporsimesmo,masnãome venha dizer que não acredita emespíritos. Porque euvouprovar a existência deles para você: na realidade, voumostrar coisas que acontecemneste mundo que você não acreditaria que pudessem acontecer!” Apesardaenormequantidadededadosquecientistaseoutrosinvestigadoresjáconseguiramcoletar,a abordagemcientíficacontinuasendoalgocomoumaespadadedoisgumes.Emboraocientistatalvez consigaconfirmaraocorrênciadefenômenosincomuns,eledefatoínãoestáemposiçãodejulgarsetal atividadeestásendoprovocadaporiagentesespirituais.Poressarazão,opapelmaisapropriadoà ciêncianoestudodosobrenaturalémostrarondeeventosestranhosnãosãoobradeespíritos.Porque,via deregra,épossívelencontrarexplicaçõesnaturaisparaaocorrênciadeatividadesinsólitasemuma residência. “Interpretaçõesequivocadas,identificaçõesincorretas,enganosealucinaçõesexplicamumagrande parceladaatividade‘sobrenatural’queérelatada”,apontaEd.“Umencadeamentodecoincidênciaspode levarumafamíliaasuporquetemumfantasmaemcasa.Outraspessoaspodemouvir‘vozesdeespíritos’ quando,narealidade,seualto-falantedealtadefiniçãoestácaptandoondasderádioporcontaprópria. Problemasnafiaçãodeumacasapodemfazercomqueluzespisquemoueletrodomésticosnãofuncionem quandooscircuitosestãosobrecarregados.Epessoascomtendênciasparanoicasvãotirarproveitode qualqueratividadeincomumparasatisfazersuasfantasias. “Muitasvezes,aspessoasleemumahistóriadehorrorouassistemaumfilmeaterrorizanteeficam assustadas.Empoucassemanas,essaspessoascomeçamaacreditarqueháumfantasmanoporãoouum vampiro no sótão, e não é possível convencê-las do contrário. Então, elas contratam supostos especialistasparairemàsuacasaeselivraremdo‘fantasma’.Essesespecialistasvãoentrarnacasa, desfilarparaláeparacácomtúnicasdemago,acendercartuchosdefumaçacompradosemlojasde produtosparamágica,recitarummontedecoisasininteligíveise,emgeral,fazerumespetáculode fingimento!Depois,vãocobrarmilharesdedólarespelaprestaçãodeserviçosdeocultismo. Eissocontinuaráatéquetenhamarrancadoatéoúltimocentavodaquelesinfelizes.Seideumcasoem

queimpostoresdessetipoengaramduasmulheres,dando-lhesumdesfalquede50mildólares!”

Talvezaprimeiraexplicaçãolegítimaparaincidentespeculiaresemumacasasejaapsicocinese,o

poderqueamentetemdelevitarouteletransportarpequenosobjetosporumespaço.APK,comoé abreviada,éprovocadapelatransferênciadeenergiapsíquicaparaobjetos.Tipicamente,oindivíduoque emanaessaenergiaestáemummomentodeintensapressãoeestresse.Criançasfrustradasoufuriosas costumamseraorigemdeatividadePK.“Emborasejaincomum,apsicocinesepodeseassemelhara fenômenosprovocadosporespíritos”,sugereEd.“LevitaçõesPKraramenteenvolvempesosacimade meioquilo.Atéhoje,nenhumexperimentodemonstrouqueamentehumanapossamoverpesossuperiores aumquilo.Espíritosdemoníacos,aocontrário,normalmentemovimentammóveisoueletrodomésticos quedemandariamdoishomensfortesparaseremerguidos. “Àsvezes,existemrazõesfísicascomunsparamovimentosestranhos”,prossegueele,“taiscomo perturbaçõesmagnéticasougeológicasnaáreaemquesãorelatadasasmovimentações.Vezporoutra,a eletricidadecriaforçasquepromovemumasuspensãodagravidadeououtrosefeitosinusitadospertode paredes.Aquecedoreselétricosinstaladosemrodapéspodemgerareletricidadeestáticacapazdeatrair oulevitarobjetoslevesdeplásticooudepapel.Sabe-sequecanosdeaçoeoutrosobjetosmetálicos dentrodasparedespodemficarmagnetizados,oquelhesdáacapacidadedeatrairpequenospregosou clipesdepapel.Emboratalatividadepossaparecermisteriosa,oqueestárealmenteacontecendoé perfeitamente normal. Nas ocasiões em que não há uma explicação humana nem física para acontecimentosestranhos,entãoacausadaperturbaçãotendeasermesmoapresençadeespíritos.E quandoespíritossãoosresponsáveis,namaioriadasvezes,aatividadepodeseratribuídaapoderes espirituaisinumanos.”Nãoobstante,fenômenosinsólitos,emsi,nãoconstituemaprincipalpreocupação dodemonologista.Emregra,esseéotrabalhodoparapsicólogo,queestudafenômenosincomunsapartir deumpontodevistacientífico.Nopassado,aparapsicologiaeramuitomalvistaporqueaquelesquese intitulavamparapsicólogoscostumavamserpessoasqueseafirmavamespecialistaseostentavamtítulos solicitados por correio como credenciais. Hoje emdia, porém, o assunto é uma área legítima de investigação, estudada por profissionais certificados nas principais universidades e instituições de pesquisa. “Emgeral”, afirma Ed, “o parapsicólogo está embusca de uma única coisa: uma ligação entre fenômenosinsólitoseascapacidadeslatentesdamentehumana.Noentanto,quandosedeparacoma problemáticadosfenômenosespirituaisinumanos,oparapsicólogocostumasereferiraelescomouma atividade‘poltergeist’.Poltergeistéumapalavradoalemãoantigoquesignifica‘fantasmabarulhentoe travesso’.Otermo,porém,éumaformainadequadaderegistrarosfatos,porquenãoespecificanemlida comaverdadeiracausadaperturbação. “Aindaassim,aparapsicologia,porestaraliadaàciência,podeoferecerapenasexplicaçõesdentro doâmbitodeconceitoscientíficosetécnicasdetestejáaprovados.Emconsequência,oparapsicólogo normalmenteécolocadonaposiçãocontraditóriadeanalisaroreinosobrenaturalusandoprincípiosque se aplicam apenas ao reino natural. Infelizmente, dada essa limitação, na maioria das vezes, o parapsicólogoconcluiqueaquiloqueelenãopodetestarsimplesmentenãoexiste.Porisso,elelança mão de uma palavra evasiva como ‘poltergeist’ quando se faz necessária uma linguagem mais específica.” Como observa Ed: “Grande parte dos fenômenos espirituais é invisível e imensurável. As manifestaçõesexterioresrepresentamapenasumapartedeumquadromuitomaiorquenãopodeser medidocominstrumentosdeteste.Emboraaparapsicologiatenhanosfornecidomuitosdadossobre fenômenosinsólitosealigaçãodelescomohomem,elanuncasequerseaproximoudeumacompreensão dosverdadeirosprincípiosmetafísicosqueregemamaioriadosfenômenosespirituais.Narealidade, comoregra,oparapsicólogonãoacreditanaexistênciadeespíritos—àsvezes,atéopontodoridículo. Aindarecentemente,porexemplo,euestavaemumaresidênciacomproblemasqueeusabiaqueestavam sendocausadosporumespírito.Poracaso,acabeimencionandoissoaoinvestigadorchefedoprojeto. ‘Essenegóciodeespíritosnãoexiste’,elemedisse.Bem,assimqueelefalouisso,umacaixadelenços

depapelseergueunoar,atravessouasalavoandoeoacertounacabeça.‘Achoqueadmitoestarerrado destavez’,disseele,perplexo”. OsWarrennãoseconsideramparapsicólogos,vistoqueexisteumadiferençafundamentalentrea parapsicologiaeademonologia.Aparapsicologianãodácredibilidadeaosobrenatural,aopassoquea demonologiaseocupaapenasdeeventossobrenaturais.Emboraoparapsicólogoeodemonologista possaminvestigaromesmocaso,cadaumtendeaolharparaosfenômenosapartirdeperspectivas completamentediferentes. “Meutrabalho”,dizEd,“écuidarparaquepessoasnãosemachuquem—sejafísicaoumentalmente —efazercomqueosfenômenoscessemouentraremcontatocomalguémquepossafazê-lo.Quando forças demoníacas estão envolvidas, esse ‘alguém’ acaba sendo o clero. Na minha experiência, o parapsicólogopareceestarpreocupadoapenascomoseulivroderegistros.Elecostumaestaremuma investigaçãoporquefoienviadoparaláouporqueestátrabalhandocomalgumaespéciedesubvenção. Eleolhaparaaspessoascomoaorigemdoproblemaesuafunçãoélistareregistraromáximode fenômenosquepuder.Eérealmentemelhorqueelenãovolteaosseussuperiorescomaexplicaçãode queumfantasmaestavaportrásdaperturbação! “Eu não tenho esses problemas. Entro em um caso primeiro como investigador de fenômenos psíquicos”,continuaEd.“Enãoentroneleesperandoencontraratividadeespiritual.Semeconvençode que nenhumespírito está envolvido, saio do caso. Como demonologista, tenho interesse apenas em fenômenos sobrenaturais: se é natural, não é da minha alçada. Aatividade natural continuará sem propósito oudireção e acabará desaparecendo. Mas perturbações sobrenaturais acontecempor um motivo.Ocientistapodepassarmesesemumlocalmal--assombradosemqueocorranadapassívelde teste.Então,certatarde,euchegoaolugarcomobjetosreligiosos,provocooqueestáalie,derepente, diantedetestemunhas,começaopandemônio.Essessãofenômenossobrenaturais:vocêprecisairalém domanualdeciênciasparaencontrarasrespostasaqui.” “Nonossotrabalho”,Lorraineaproveitaogancho,“nãoestamosinteressadosapenasnosfenômenos, comoocientistaestritocostumaestar.Abasedasnossasfunçõesécomaspessoasporque,namaioria dasvezes,aatividadeespiritual estádirecionadaparaaspessoas.Emgeral,entramosemumcaso quandoafamíliajáestásendoassediadaháalgumtempo.Normalmente,apolícia,ospsicólogoseos parapsicólogosterãoditoaessaspessoasqueelasestãoimaginandocoisasouquenãoestãodizendoa verdade.Eelesfalamissoporquenãocompreendem—ounãoqueremcompreender—osfenômenos espirituais. “Dadaanossaexperiência,enxergamosascoisasdeformadiferente:vemospessoasnormaisnas garras de um verdadeiro horror. Nós não as desacreditamos sumariamente como se fossem desequilibradasnemlhesdizemosqueestãotendoumareaçãoexagerada.Perguntamosaelasporqueos seussentimentossãotãointensos.Sabe,àsvezes,aspessoasenvolvidasemumcasoficamforaodia

todoevoltamparacasatardedanoitesóparaevitarsuaresidência,porquesabemqueelaestámal-

assombrada.Outrasvezes,aspessoassãooprimidasaopontodesetornaremprisioneirasnaprópria casa,semnuncasairdelá.Issonãoéumcomportamentonormal.” “Paracolocardeoutramaneira”,completaEd,“quandotivequepegaraschavescomGeorgeLutz paraentrarnamansãodeAmityville,elenãoqueriaficaraumadistânciamenorquequatroquarteirões daprópriacasa!Eleéumhomemgrandeerobusto,faixavermelhaemcaratê,ex-oficialdaMarinha.Ele nãorespeitaoquenãoexiste.AntesdesemudarparaaquelelugardeAmityville,aopiniãodeGeorge eraqueosmortosestãomortosenãopodemfazermalaninguém.Nanoiteemqueelemeentregouas chaves,pergunteioqueeleviudentrodacasa.Osr.Lutzmeolhoubemnosolhosedisse:‘Sr.Warren,o senhorsabeoqueeuvi’. “Esse é o aspecto humano”, ressalta Ed. “Mas os fenômenos também; são importantes. Como demonologista, procuro determinados tipos de atividade, porque é a minha função — e do clero

especializado—determinarseexisteumagenteexterno;sedefatoháumainteligênciaportrásda

atividade—umainteligênciadeorigemsobrenatural.”

Noentanto,comoosWarrenpodemsaberseumainteligênciaestárealmenteportrásdaperturbaçãose talagenteexternoéinvisível? Lorraineexplica: “Emboraessainteligênciaemgeral escolhapermanecer invisível,nãohácomo cometerequívocosquantoaoqueestáportrásdosfenômenos,emespecialseforumespíritodemoníaco inumano.Aatividadeocorreráemcírculos,aocontrário,emsentidoanti-horário,ouemalgumaevidente violaçãoàsleisdafísica.Pedras,porexemplo,ouporcaseparafusoscairãodeumcéuabertosobreuma casaqueestásofrendoumataquedemoníaco.Essaspedrasvãocaircomtalforçaquepodemdefato penetrarotelhado.Tambémjávimosessamesmachuvaradadepedrasacontecerdentrodeumacasa.E paraquesepercebaquetaiseventosnãosãodeorigemnatural,osobjetoscairãoemzigue-zague, desafiandoaleidagravidade,demodoquenãorestedúvidasquantoaoqueestárealmenteportrás deles.Apropósito,essachuvadepedras,ouatémesmodepequenosanimaiscomorãsoupeixes,nãoé rara—elaaconteceemalgumlugardestepaísmaisoumenosumavezporsemana. “Enãoserãoapenasobjetoscaindo:umadúziadeoutrasocorrênciassobrenaturaisestaráacontecendo dentrodaresidênciaexatamenteaomesmotempo.Eenquantoesseshowdefenômenosexterioresestá acontecendo,umataquesemelhante,decarátersubjetivo,serálançadocontraasprópriaspessoas.Coisas pavorosas,comocriançasinocentessetransformandoemmonstrossórdidoscomforçasobre--humana. Ouadultosenvelhecendoderepente,danoiteparaodia,ouassumindoasfeiçõesdosmortos.E,em muitoscasos,essesefeitosnãosãototalmentereversíveis.Sim,essascoisasacontecem!Issoémuito real,algoseriíssimo.Quandoforçasdemoníacassãoasresponsáveisporumaperturbação,normalmente, vidassãoarruinadas.” QuandoosWarrensãochamadosainvestigarumapossívelpresençademoníaca,queprocedimento usamparadeterminaranaturezadoespíritopresente? “Quandonosencaminhamumcaso”,respondeEd,“emgeralépormeiodeautoridadeseclesiásticas. Depois de tomarmos conhecimento do problema, contatamos de imediato os principais envolvidos. Naturalmente, o fator tempo é essencial. Estamos lidando comalgo que é bemcapazde provocar ferimentosouatémesmoamorte. “Aochegarmosaolocaldosfatos,eumesentocomafamíliaefaçouminterrogatóriocompleto.Essas entrevistassãogravadas.Tenhomilharesdecasosgravados.Geralmente,falomuitopoucoparaqueas pessoas tenhamque me dizer o que vivenciaram. Fico atento a certas pistas e características que distinguemaatuaçãodoespíritodemoníacodeoutrostiposdefenômenos. “Vouquerersaber,porexemplo,quandoafamíliavivênciaaatividade.Amaioriadosproblemas espirituaisocorreduranteanoite,depoisqueosolsepõe.Afamílianotouodoresestranhosnacasaou rápidasvariaçõesdetemperatura?Écomumqueumespíritoprojeteodoresparasinalizarasuapresença, ouabsorvaenergiadocômodo,deixando-omuitogelado.Elesouvirambarulhosquesugeremapresença de umestranho na casa? Portas que batemsozinhas, sussurros, respirações pesadas e luzes que se acendemeapagamporsimesmassãofortesindicaçõesdeumapresençaespiritual.Afamíliaéacordada emhoráriosespecíficosdanoite?Muitasvezes,umespíritovairecriarasuaprópriatragédianomesmo horário,todososdias,normalmentenoinstanteemquesuavidafísicachegouaofim.Afamíliatemmedo deentraremalgumaáreaoucômodoespecíficodacasa?Umespíritohumanotendeapermaneceremum cômodoquelheerafamiliaremvida;umespíritoinumanohabitaráumaáreadacasaqueeleconsidere maishospitaleiraemtermospsíquicos. “Searespostaforsimaváriasdessasperguntas,vouadianteeperguntoseelesusaramumtabuleiro Ouija.Essaéaformamaiscomumpelaqualespíritosnegativossãoatraídos.Elesrealizaramumasessão espírita?Aquelesqueincentivamentidadesinvisíveisaentrarnasuacasacostumamatrairespíritosde

umaespéciequenuncaimaginaramexistir.Elesrealizaramrituaissatânicosoudemagianegra?As pessoasriemdahistóriadevenderaalmaaodiabo,masotristefatoéqueissopodeserfeito—e,aliás, com muita facilidade. Alguém da família esteve em uma casa mal-assombrada? Uma pessoa que demonstreinteressesuficienteparaentraremumacasaverdadeiramentemal-assombradaestápropensaa trazer consigo,paraaprópriaresidência,umespíritodesesperado.Elesvêmtendosonhosbastante realistasoupesadelosameaçadoresque,depois,acontecem?Muitasvezes,osúbitoconhecimentode eventosfuturosésinaldeumapresençaespiritual.Osespíritoscostumamsecomunicarcomaspessoas porsonhos,estadoemqueoinconscienteestáabertoereceptivo.Elesmataramalguém,poracidenteou deoutraforma?Otúmulonãoéofim,eumfantasmaembuscadevingançaporumamorteprematuraé,às vezes,capazdeexigirumaformaprópriadejustiça.Algummembrodafamíliaesteveemcontatocom alguémque esteja possuído ou realize rituais de ocultismo comfrequência? É muito comumque indivíduospossuídosouenvolvidoscomasartesnegrasestejamcercadosporumamultidãodeespíritos. Umapessoavulnerávelquetenhacontatocomumindivíduopossuído—ouatémesmocomumamador notratocomooculto—correoriscodesecolocarsobainfluênciadeespíritos,quertalinfluênciaseja desejadaounão.Alguémdafamíliasabesefoiamaldiçoado?Issoparecesuperstição,masjálidei pessoalmentecomdúziasdecasosemquepessoasforamamaldiçoadasouesconjuradasporoutrasde formametódica.UmdospiorescasosdepossessãojáregistradospelaIgrejaCatólicaRomananos

EstadosUnidosocorreunadécadade1920,quandoumpaiamaldiçoouaprópriafilhaparaquefosse

atormentadapelodiabo. “Depois que certas perguntas são respondidas”, continua Ed, “peço que a família explique os fenômenosqueocorreram.Elesviramobjetossemoveroulevitar?Semedizemqueumrefrigerador levitou,seiqueissoestáalémdopoderdaPKhumana.Elesviramcoisasdesaparecer?Viramobjetos atravessarparedes?Substâncias,objetosouanimaissemanifestarammisteriosamente?Depoisdeuma horafazendoessasperguntas,vousaberseaspessoasestãoounãosendohonestas;seaatividadeé aleatóriaouproposital;seháumainteligênciaportrásdosfenômenoseseessainteligênciaédeorigem humanaoudemoníaca." Quandochamadosainvestigarumcasotípicoemqueeventosestranhosestãoacontecendo,osWarren trabalhamsozinhosouháoutraspessoaspresentesparatestemunharaperturbação?

"Emprimeirolugar”,dizLorraine,“nãoexisteessacoisadeum‘casotípico’:cadacasoédiferentee temaprópriadinâmicapeculiar.Quantoatestemunhas,namaioriadasvezes,alémdeEd,eumesmaeos principaisenvolvidos,outrosindivíduosveemaatividade.Àsvezes,Edeeudefotoacabamossendoas primeiraspessoasdeforaachegaraolocaldosfenômenosmas,depoisdefeitosospreparativospara começarmosumainvestigação,trabalhamoscomdiversosassistentesmuitocapacitados.Porexemplo,o principalassistentedeEdéumrapazmuitoversadodenomePaulBartz.Elejáestáconoscohámuitos anosetemsidofrequentementeexpostoaatividadedemoníaca.Alémdisso,costumamoschegarcomum fotógrafoqueestaráaliparafotografaraatividadeàmedidaqueelaocorre,bemcomoquaisquerformas espirituaisquepossamsercapturadasemfilme.Nosraroscasosemqueénecessáriaacomunicaçãocom aentidade,ummédiumdetranseprofundotambémpodenosacompanhar.Seespíritosinumanosparecem estarportrásdaperturbação,entãoEdemgeraltrazconsigoumpadreouacólitoquequeirateruma experiênciaemprimeiramãocomfenômenosdemoníacos.Posteriormente,seaatividadeestiversendo provocadaporpoderesinumanos,umclérigolocaleumexorcistaestarãopresentescomotestemunhas. “Noentanto,tambéméprecisolembrarque,antesdechegarmos,amigos,vizinhos,parentes,policiais, parapsicólogos, psicólogos e pesquisadores de fenômenos psíquicos podemjá ter testemunhado a atividadenatentativadeajudaradeterminaroqueestáportrásdoproblema.Comoaúltimacoisaqueas pessoascostumampensaréemespíritos,Edeeusomos,portanto,osúltimosaseremchamados.” Existealgumaformaespecialpelaqualessescasoscomeçam—querodizer,ospiores?

“Essaéumaperguntamuitogenérica”,respondeLorraine,“masdeixe-merespondê-ladestamaneira. Asemoçõesemumacasatendemadesencadearosfenômenos.Dessemodo,umlarfelizéamelhor proteçãocontraintrusosinvisíveis.Comoregra,fantasmasnãotendemaserfelizes;elesnormalmente vãosemanifestarparaalguémcomquepossamseidentificaremocionalmente.Omesmoseaplicaa espíritosinumanos—comaressalvadeque,nessescasos,asemoçõesteriamquesermuitointensas paraatrairumaentidadedemoníacanegativa.Contudo,emmuitíssimosdoscasosquetemosinvestigado, osfenômenosforamconvidadosaentrar.Pessoasquepensavamqueosobrenaturalfosseinofensivoou quenãoacreditavamnasuaexistênciatrouxeramaatividadeparaassuasvidasporlivreeespontânea vontade!” Umaspectoparticularmenteimpressionantedosfenômenosdemoníacoséqueoespíritodemoníacode fato apela para a violência quando exposto a artefatos religiosos, a recitações de orações ou a referênciasaDeusouaJesusCristo.ComoexplicaEd,éporissoqueoestudodasforçasdemoníacasé umassuntoreligioso,nãocientífico. “Oassuntonãoéreligiosoporqueeudigoqueéreligiosoouporqueeuqueroacreditarqueseja verdadeiro”,declaraEd.“Digoqueofenômenoéreligiosoporqueéaessepoderqueele—oespírito demoníaco—responde.AspessoaspodemnãoacreditaremDeus,masessesespíritosacreditam.” Existeoutramaneiradecompreenderoespíritodemoníacoinumanoexcetoemumcontextoreligioso? “Emúltimaanálise,arespostaénão.Vocêachaquenãopercorriessamesmalinhaderaciocínio?”, indagaEd.“Vocêpodechamarofenômenodepoltergeist,comofazocientista,masquandooespírito começa coma sua ação profana, esse rótulo se desfaz bemdepressa. Simplesmente não há uma explicaçãosecular—ouseja,nãoreligiosa—paraaexistênciadessesespíritos.” Ed e Lorraine Warrendão palestras ao público — e a grupos profissionais que se ocupamde

fenômenosespirituais—hápoucomaisdeFumadécada.Em1968,quandoosWarrenfizeramsua

primeirapalestrapública,EdeLorrainejáhaviamdedicadomaisde22anosàpesquisaeaoestudodos

fenômenossobrenaturais.Contudo,elesnãofaziamideiadequepessoascomunstinhaminteresseem ouvirsobresuasexperiências.Paragrandesplateias,ponderavamEdeLorraine,oassuntoempautaera demasiadoassustador.Alémdisso,apenasaquelesquehaviamvivenciadoosfenômenosteriaminteresse notema.Émuitomelhordeixaressasquestõesparalá. “Nãoexatamente”,argumentouochefedeumcomitêlocaldebolsasdeestudo.“Porquenãotrazem umadúziadassuaspinturasdecasasmal-assombradasparaaprefeiturae,então,dãoumapalestranodia daExposiçãoArtísticadeJogos deChá?Odinheirodos ingressos dariaumverdadeiroimpulsoà campanhadebolsasdeestudo.” Emumgestoemproldacomunidade,osWarrenconcordaram.Nodiamarcado,suaspinturasforam expostas,umaaoladodaoutra,emcavaletesaolongodopalco.Nervoso,EdWarren,munidodeum ponteiro, esclareceu os detalhes insólitos de cada caso diante de uma plateia lotada. A palestra prosseguiuporbemmaisdeumahora. Nofinal,osWarrenconseguiramlevantardinheirosuficienteparabancarnãouma,masduasbolsasde

estudosnaqueledia7desetembrode1968—aniversáriodeEdWarren.

Emboraaspessoasestivesseminteressadasemouvirhistóriasdefantasmas,EdeLorraineWarren acabarampercebendo que não podiamtalar abertamente sobre fenômenos demoníacos. O tema era impopular:elepareciaenvolverparadoxosesuperstição—edesagradouàssensibilidadesdaépoca. NemtodosestavampreparadosparaaceitaroqueosWarrentinhamadizer.Então,poralgumaestranha razão,tudoissomudouderepente.

"Em1970",explicaEd,“quandocomeçamosapalestraremfaculdades,comeceiaficarinsatisfeito,

indignadoaté,comasapresentações.Lorraineeeupresumimossinceramentequepessoasmaisinstruídas

quisessemsabertodaahistóriasobreotemadosfenômenosespirituais.Mas,naquelaépoca,todos

estavamembuscada‘verdade’,sóquetinhaqueserumcertotipodeverdadequeestivessedeacordo

comospreconceitosemvoga. "Enquantofalávamossobrecasasmal-assombradasefantasmas,aspessoasficavamsatisfeitíssimas. Quandotínhamosquemencionarespíritosdemoníacos,demonologia,odiabo—oupior,secitávamos Cristo,padres,oureligião—,umaondadeanimosidadeemergiadaplateia,comosealguémtivesse apertadouminterruptor.Ahostilidadeàsvezeseratãointensaquenãoconseguíamossequerprosseguir. Emboramuitosestivessemacompanhandooqueestávamosdizendo,outrosselevantavameiamembora. Namesmahora,professoressetomavamespecialistasenosdesafiavamcomargumentosirrefletidos sobreainexistênciadosespíritos.Algunschegaramanosdizerquetudoquetínhamosvivenciadodesde

adécadade1940nãohaviasequeracontecido!Asituaçãochegouatalpontoquepenseiseriamenteem

voltarparaomeuestúdioelevarumavidatranquilacomopintorenquantotrabalhavacompessoasque defatoprecisassemdeajudaemquestõesespirituais. “Umdia,nocarro,eudisseaLorraine:‘Chega.Nãovounemmesmomencionaroassuntodemonologia de agora em diante. Se as pessoas querem pensar que a coisa para em fantasmas e casas mal- assombradas,poisqueseja.Nãovouexpornossotrabalhoaoridículoparaquealgumrepórterressentido consigapublicarumahistória,enãovoudeixarqueaspessoastransformememzombariaotrabalhosério queocleroespecializadofaznessaárea’.Lorraineconcordoucomigo." “Enquantoeufalavaessascoisas,passamosporacasoporumgrandeprédioabobadadodeumasede demissão,situadoàsmargensdorioHudson.Eusemprequisentrarnaquelelocal,entãodeimeia-volta comocarroeestacionei.Entramospelaportadafrenteenosvimosemumsaguãosilenciosoedemuito bomgosto.Umpadrejáidosoecurvado,comumabengala,estavaolhandovasoseoutrosobjetos ornamentaischinesesdentrodeumavitrine.Atravesseiosaguãoepareiaoladodele.‘Nossa,padre’, disseeu,‘essascoisascomcertezavieramdemuitolonge.’Eletinhaumsemblantemuitosereno,muito belo.Ohomemergueuosolhosparamimedisse:‘Passeimuitosanosdeminhavidatrabalhandona China,comomissionário’.Comisso,começamosaconversar.Faleisobreomeutrabalho,eeleficava assentindocomacabeça,comoseconhecessebemtudoaquilo. “‘Realizeimuitos,muitosexorcismosnaChina’,disseele,‘masnãocontoaalgunspadresdaquioque jáfiz.Elesnãosabem.Nãoacreditam.’Então,eleolhoubemdentrodosmeusolhosedisse:‘Gostaria quevocêfosseverafreirajaponesanabibliotecadoprimeiroandar’.“‘Porquê,padre?’,pergunteia ele. “‘Porqueelatemalgoalhedizer.Algoquevocêdeveriasaber.’“Lorraineeeusubimosasescadas,

entramosnabibliotecaeencontramosafreira.Elapareciaumamulhermuitointeligente,tinhamaisde50

anosevestiaumhábitopreto.Nósnosapresentamose,então,conteisobreaconversaquetivecomo padreidosoláembaixo.Elasorriueassentiudomesmojeitoqueeletinhafeito. “‘Vocêestámuitodesanimadocomascoisasquevêmlheacontecendoultimamente,sr.Warren’,disse ela,exatamenteassim.‘Nãosintamaisessedesânimo.Otrabalhoqueestáfazendotemumpropósito.As coisasvãomudarparavocêmuitoembreve.Antesdoqueimagina!’“Então,elacontinuouenoscontou sobre o trabalho dela como freira e suas experiências comexorcismos pelo mundo todo. Quando terminoudefalar,elamedeuumlivromuitoeruditosobredemonologiareligiosaeexorcismo.Olivro veioaserimportanteparamimposteriormente.Porém,daquelediaemdiante,quandosaíamosparadar aspalestraseacabávamosfalandoàspessoassobreaexistênciadasforçasdemoníacas,nãohouvemais ridicularização.Foicomoseumenormepesotivessesidotiradodasminhascostas.Derepente,as pessoaspassaramaterinteressenaquiloqueestávamosdizendoecomeçaramafazerperguntassérias. Foiumagrandereviravolta.Eagora,hojeemdia,oassuntodespertauminteressetremendo.”

CONJURAÇÕESNONATAL Emmeadosdemaiode1978,osnarcisosjáfloresciam,masaprimaveraaindanãohaviachegadoa

CONJURAÇÕESNONATAL

Emmeadosdemaiode1978,osnarcisosjáfloresciam,masaprimaveraaindanãohaviachegadoa

Connecticut.Lorraineplanejarapassarosábado,dia13,plantandocóleusnojardimdoseuquintal,mas

tempestadesdeventoatingiramoestado,seguidasdecincodiasdeforteschuvas.Acondiçãoclimática

foioencerramentoadequadodeumasemanaemquenadahaviadadocerto.Narealidade,tensõesvinham

seacumulandoemtornodeLorrainedesdeoiníciodomês,eelasabiaquealgologoteriaqueeclodir.

Comumachuvatorrencialqueaçoitavaacasa,osWarrenpassaramaquelatardedesábadoplanejando

oitineráriodasuaiminenteviagemparaaInglaterra.Comoseutrabalhofrequentementeoslevavaao

ReinoUnido,osWarrenacabaramadquirindoumconhecimentoespecializadotambémdoslocaismal-

assombradosbritânicose,porcausadisso,haviamsidoconvidadosaapresentarumapalestraabordodo

QueenElizabethII,emjunho.AochegaremàInglaterra,elespassariamdoisdiasemLondres,cumprindo

compromissosdeentrevistasàBBC,e,emseguida,viajariamaYorkshire,Edimburgo,àsterrasaltas

escocesaspróximasdolagoNessedoStonehengeantesderegressaraSouthampton,emjulho,paradar

umapalestranaviagemdevoltadonavio.

ApósteremfeitoalgumprogressonosseusplanossobreoReinoUnidonaquelatarde,osWarren

saíramparajantar.Retomandopoucodepoisdameia-noite,Lorraineverificouasligaçõesregistradasna

secretáriaeletrônica:haviaumamensagemdeumamigodeLosAngeles;emseguida,umtelefonemada

suafilhaJudy,queestavadefériasnaVirgínia;depois,asolicitaçãodeumrapazparamarcarumhorário

comEd;e,porfim,umaestranhasequênciadecliquesezumbidosincomuns,seguidadavozaflitadeuma

desconhecida:

“Esperoqueconsigammeouvir.MeunomeéFoster,sra.SandyFoster.Nãoseiexatamenteoque aconteceuaqui",disseela,comavozàbeiradodescontrole,“masmeusfilhosficaramassustadose e eforamperseguidosporalgumacoisa ”Hesitação.Emseguida:“Etemalguémoualgumacoisanacasa, láemcima,noquartodeumadascrianças.Porfavor,liguemdevoltaassimquepuderem”. EdeLorraineouviramemsilêncioenquantoamulherangustiadadavaseuendereçoenúmerode

telefone.Emborajáfosse0h40,Lorraineprontamentetentouretomaraligação.“Quandoumcasonosé

encaminhado”,explicaEd,“entramosimediatamenteemcontatocomapessoaouafamíliaqueestátendo problemas.Senosparecernecessárioentrarnocaso,entãoofereceremosajuda.Dizemosàfamíliaque nãocobramospelonossotempo,masqueprecisamosserreembolsadospelasdespesasbásicas[como tarifas aéreas, quartos de hotel e assimpor diante]. Esclarecido isso, agendamos uma visita para aconteceromaisdepressapossível.Emgeral,jáestamosacaminhodentrodeumaouduashoras.” Otelefonedasra.Fosterchamouinúmerasvezesmas,emseguida,aconexãocaiu.Lorrainedesligoue discoudenovo.Dessavez,pareciaquealguémhaviaatendido,masotelefonecontinuavaachamar.Na terceiratentativadecontataronúmero,Lorraineteveomesmoresultadofrustrante. Semsaberoquefazer,Lorrainediscouparaaoperadoradetelefonia,queentãodiscouonúmeroe teveexatamenteomesmoproblema.Porsuavez,aoperadorachamouasupervisoradela,queouviuà explicaçãodeLorrainedequeestavatentandoretomaraligaçãodeumapessoaaflita.Compreensivae solícita,asupervisorasubmeteualinhaadiversosprocedimentosdetesteseletrônicos,masemvão.Ela

admitiuestar intrigada: “Não há nada de errado como telefone receptor; sua ligação deveria ser completada”.Todavia,osWarrennãoconseguiramcontataramulhernaquelanoite. ComobemsabemEdeLorraine,oqueaconteceuaotelefonedosFosternãoeraincomum.Naverdade, essaespéciedeartificioeletrônicoeraclichêquandoumespíritomalignoestavaatuando.Interferências, obstruções,confusão—táticasparaganhartempo—sãorotineirasparaumespíritodeterminadoe dotadodahabilidadedemanipularvariáveisfísicasemetafísicas.

Namanhãseguinte,domingo,14demaio,osWarrenforamdecarroatéaigreja.Nocaminho,um

intensofedorrançosodeexcrementoespalhou-sepeloveículo.Então,nametadedacelebração,omesmo odorpútridopsiquicamenteprojetadoassaltouossentidosdocasal.Maisumavez,quandovoltavampara casa, no carro, ficaramnauseados devido a umfedor repugnante. Contudo, Ed e Lorraine não o associaramaocasodemoníacoqueestavamprestesainvestigarnaquelatarde. QuandoosWarrenchegaramdaigreja,LorrainetelefonoudeimediatoparaafamíliaFoster.Asra. Fosteratendeuaotelefonenosegundotoque.Lorrainecontou-lhesobreadificuldadequeteveparaentrar emcontatonanoiteanterior.“Otelefoneestavafuncionandonormalmente”,respondeuamulher,“masnão tocoudepois da meia-noite.Sei dissoporque estava esperandoa sua ligação.” Oproblema como telefoneperturbouaindamaisamulhere,porisso,Lorrainemarcouumhorárioparavisitarafamília naquelatarde.

Às14h,osWarrenjáhaviamchegadoàresidênciadosFoster.Aresidênciadafamíliaeraumatípica

casaaoestiloCapeCodemumaáreaarborizadaenaqual,EdeLorrainevieramadescobrir,afamíliajá moravahaviatrezeanos. Todososmembrosdafamíliaestavampresentesnaquelatarde.

AlFoster,guarda-fiosdeumaempresadetelefonia,eraumhomemdet35anoseaparênciajovial.Sua

esposa,comquemLorrainehaviafaladoaotelefone,tinhaamesmaidadedomarido,mas parecia exauridaeperturbada.Todavia,elesnãotinhamtestemunhadoosfenômenos.Tudoforavivenciadopelos

trêsfilhosdocasal:Meg,de15anos;Joel,de14;eErin,de11anos.

EdajeitouasuaaparelhagemdegravaçãoemumamesapróximaenquantoLorrainepediapermissão para caminhar pela casa. Quando os Warren trabalham juntos, Lorraine normalmente investiga a propriedadeusandosuaclarividênciaenquantoEdentrevistaafamília.Elacomeçapeloporãoesegue atéchegaraosandaressuperiores,parandoemcadacômododacasa.Umavezqueaclarividênciaéuma habilidadesensorial comoosoutroscincosentidos,Lorrainenãoconsegueevitar orecebimentode impressões psíquicas, assimcomo não poderia recusar-se a ver ououvir. Portanto, se existe uma

presençaespiritualem1umacasa,sãomuitograndesaschancesdequeelaaperceba.

Quandoelasaiudasala,Eddeuinícioaumaextensaentrevista. Osr.easra.Fosterdeixaramclaroquenãohaviamvivenciadonenhumdosfenômenosaqueosseus filhossereferiam.“Masimagino”,disseasra.Foster,“queissosejaprovavelmenteculpaminha,pelo menosapartirdopoucoqueseisobreoassunto.Megsempreseinteressoupelooculto—bruxaria, feitiços, esse tipo de coisa. Ela tem uma pequena biblioteca, mas nenhum dos livros era sobre conjurações.Então,noúltimoNatal,compreiumlivrodeconjuraçãodedemônioseodeidepresente paraela.Eusinceramentenãoimagineiquenadaparecidocomissofosseacontecer.” “Tudobem”,disseEd,voltando-separaMeg.“Ondeestáolivro?”“Láemcima”,respondeuagarota.

“Éumlivrodecapabrochura.Eleexplicacomoconjuraralgocomo75demôniosdiferentes.Descreveo

ritualcorretoeexplicaodébitoquevocêtemquepagarseoritualdercerto.”“Evocêrealizoualgum

dosrituais?”

“Sim.”

“Quaisdemôniosvocêtentouconjurar?”

“Quais?”,repetiuela.“Nãosei.Sófizalgunsdosrituaisfáceis,aquelesqueconseguientenderepara

osquaiseutinhaomaterialnecessário.Masquandorealizeiosrituais,nadaaconteceu.Então,parei.”

“Àsvezes,arespostavemdias,semanas,mesesouatéanosmaistarde”,informou-lheEd.“Conte-me oqueaconteceuavocêessasemana.Vocêteveproblemas,creioeu.” “Duasvezes”,disseMeg. “Quemestavaaquiquandoaconteceu?” “Joel,Erineeu”,respondeuela.“Aprimeiravezfoinaúltimaquinta-feira.Papaiemamãetinham saídoparairàcasadeumamigo.Ficarmosemcasaporquetínhamosaulanodiaseguinte.ErineJoeljá estavamnacama.Eutinhaacabadodetomarbanho.Desciparaverificarseasportasestavamtrancadas. Tambémdesligueiorádioeasluzesdaquidebaixoantesdevoltarláparacima. “Quandochegueiaomeuquarto,ouvibarulhodeáguacorrendonobanheiro.Nãodeiatençãoàquilo,a princípio,mas,algunsminutosdepois,seguipelocorredoratéobanheiroeviquetodasastorneiras estavamabertas.Euasfechei.Então,ouviorádioligadooutravezaquiembaixo.Asluzestambém estavamacesas!Eugritei:‘Quemestáaí?’,masninguémrespondeu.Antesdedescerdenovo,olhei dentrodoquartodeErin.Elaestavadormindonacama.OlheinoquartodeJoeltambém,maseleainda estavaacordado.Pergunteiseeletinhaligadoorádioaquiembaixo.Elerespondeuquenão.Então,desci, apagueiasluzesedesligueiorádiopelasegundavez. “Quandovolteiláparacima,ouviáguacorrendonobanheirodenovo!Fiqueiloucaderaiva,porque eutinhacertezadequeeraJoelqueestavafazendoaquilo.Sóque,quandosaídobanheiro,orádioestava ligadonovolumemaisaltoetodasasluzesdaquidebaixoestavamacesas!EntreinoquartodeJoele disse:Temalguémnacasa’.” “Joel,vocêouviuorádio?”,perguntouEd. “Sim,ouvi,masnãodeiimportância”,respondeuele. "Vocêabriuastorneiras?”,indagouEddepressa,naesperançadepegarogarotodesurpresa. “Éclaroquenão!”,respondeuomenino.“Eunemsequersaidacama.”“Tudobem.Meg",disseEd, “porfavor,continue.” “Deládecima,ouviqueorádioestavatrocandodeestações,entãodescidepressaoutravez,achando queosmeuspaistalvezestivessememcasa.Quandochegueiaquiembaixodessavez,obotãode sintonizaçãodorádioestavasemovendosozinhodeláparacá.Fiqueialiobservando,efoientãoque comeceiaficarapavorada.Desligueiorádioeapagueiasluzesdenovo,masquandoeuestavasubindo asescadas,nametadedocaminho,sentiumamãomuitogeladatocaromeuombro,apenasporum segundo,noescuro.Euquasegritei,masmecontive.Fuidiretoparaomeuquarto,fecheiaportae apagueialuz.Mas,antesdemedeitarnacama,ouviosomdepassos,comosealguémestivessesaindo domeuquarto,passandoparaocorredor.Acontecequeaportanãoseabriu!” "Vocênãoachouqueessascoisaseramestranhas?”,perguntouEd. “Claroqueachei”,disseMeg.“Euestavamorrendodemedo!” “Erin,vocêouviuorádio?",perguntou-lheEd. “Não,euestavadormindo”,respondeuagarotinha. “Diga,Meg,maisalgumacoisaaconteceudepoisquevocêouviuospassossaindodoseuquarto?” “Sim,muitas!Quandoalcanceiacama,eumedeiteiefecheiosolhos.Derepente,ouviumaportaaqui no térreo bater muito forte. Depois, ouvi móveis sendo empurrados de umlado para o outro e se quebrando,comoseestivessemsendoarremessadosporalguémmuitofurioso.Eurealmenteachavaque tinhaumapessoanacasa,masestavaapavoradademaisparafazeralgumacoisa,entãosófiqueiali,de olhosfechados.Mas,apesardeestarcomosolhosfechados,euconseguiaveromeuquartointeiro atravésdasminhaspálpebras!Abriosolhos,masnadaestavadiferente.Então,fecheiosolhosoutravez. Daí—atravésdasminhaspálpebras—viumaluzprateadasairdobosqueeflutuarparadentrodomeu quarto.Eelatambémestavaláquandoabriosolhos.Depoisdisso,sóseiquealgumacoisa—amãode alguém—deutrêspuxõesnomeucabelo.Cadavezelapuxavamaisforte,atéque,naterceira,meus olhosseencheramdelágrimas.Então,griteiecorriparaoquartodeJoel.”

“Joel”,indagouEd,“vocêouviutodoessebarulhoaquiembaixo?”“Ouvi”,respondeuele. “Porquenãofeznada?” “Euestavacommuitomedo”,admitiuogaroto. “Boaresposta”,disseEd.“Erin,vocêouviualgumacoisa?” “Ouviosmóveissendojogados,equandoMeggritou,eutambémfuiparaoquartodeJoel.” “Maisoumenosquehorasaconteceutudoisso?”,questionouEd.“Issoéomaisesquisito”,contou

Meg.“Erammaisoumenos22h30quandosaídochuveiro,masorelógionomeuquartoestavatrêshoras

adiantado.EquandofuiparaoquartodeJoel,orelógiodeleestavatrêshorasatrasado.” “Certo.DepoisquevocêfoiparaoquartodeJoel,osbarulhospararam?”“Tudoficouaindamais alto”,disseMeg. “Vocês ouviram qualquer outro som na casa naquele momento? Pancadas nas paredes? Vozes? Batidas?” “Não,apenasportasbatendo,passosemóveissendoarremessados”,disseJoel. “Oquevocêouviu,Erin?” “OmesmoqueJoelouviu.” “Tambémouvioque,paramim,pareciamsussurrosaltos”,declarouMeg. “Vocêconseguiudistinguiroqueelesdiziam?”,perguntou-lheEd. “Não.” “Eospassos?”,prosseguiuEd.“Elesseguiamparaalgumlugar?”“Elesandavamemcírculos”,disse Joel.Megconcordoucomumgestodecabeça. “DepoisqueforamparaoquartodeJoelecontinuaramouvindoessesbarulhosaquiembaixo”,repetiu Ed,“oquevocêsfizeram?” “Nósdiscutimos”,respondeuJoel.“Megqueriachamarapolícia,maseunãoqueriadeixar,porque sabiaquenãotinhaninguémaquiembaixo!Seapolíciaviesse,acheiqueelespoderiampensarque estávamospregandoumapeçaneles.” “Por fim, ligamos para a mãe e o pai na casa do amigo deles”, falouMeg. “Mas, quando eles chegaram,tudojátinhaparado.Tudooqueelesfizeramfoinosdizerquetínhamos‘ouvidocoisas’ porqueestávamoscansados.Elesnãoacreditaramnagente!” “Sra.Foster”,perguntouEd,“asenhorajáviuououviualgumacoisaestranhanestacasa?” “Não;comoeudisseantes,nuncavinada.Aúnicacoisaestranhaquejáouviaquiéopássarocanoro.” Elahesitou.“Poranos,tivemosumgrandepinheirodoladodeforadajaneladonossoquarto.Alguns mesesatrás,cortamosaárvore.Mas,agora,todanoite,nasúltimastrêssemanas,Aleeuouvimosum pássarocanorocantandodoladodeforadanossajanela,ondeaárvoreficava.” “Al,vocêtambémescutouopássaro?”,indagouEd. “Sim,todanoite”,respondeuele.“Nuncadeimuitaimportância,maspássarosnãocantamànoite,não é?” “Não”,disseEd.“Normalmente,não.Bem,parecequetodosvocêsjávivenciaramcoisasestranhas aqui”,resumiuEd.“Achamqueestacasaémal-assombrada?” “Euachoqueé”,disseMeg. “Eutambémacho”,tornouJoel.Erineamãetambémestavaminclinadasaconcordar. “Sr.Foster?”,perguntouEd. “Bem,eunãosei.Nuncaestivepresentequandoqualquercoisadessetipoaconteceu.” Nesse momento, Lorraine voltou ao térreo. Ela assentiu discretamente para Ed, coma cabeça, revelandoquehaviaumapresençaespiritualnacasae,emseguida,sentou-seàmesadasaladejantar. Emvezdealteraroclimadaconversa,Edresolveuesperaratéquetivessetodasasdeclaraçõesda famíliagravadasparaperguntaraLorraineasimpressõesqueelateve. “Vocêsdisseramqueessesfenômenosaconteceramavocêsduasvezes”,Edlembrouascrianças.“O

queaconteceudasegundavez?” “Asegundavezfoiontemànoite”,respondeuJoel.“ApenasMegeeuestávamosaqui.Aconteceu quasequeexatamenteamesmacoisadequinta-feira.Dessavez,Megestavanoquartodelaeeutinha tomadobanho.Quandosaídobanheiro,ouviorádioligadoaquiembaixo.Asestaçõesestavamsendo mudadasdevagar,eeugritei:‘Deixenesta’.Mas,quandodesciasescadas,nãotinhaninguémali,sóo cachorro.Eleestavarosnando,muitobravo,paraalgumacoisanasala.Aquilofoimuitoestranho,porque elenãopodiaterouvidoalgumacoisa.Nossocachorroésurdo!Então,eumelembreidaoutranoitee corridevoltaláparacimaefuiparaacama.Unscincominutosdepois,começaramospassosaqui embaixo,fazendoacasainteiratremer.Eosmóveiscomeçaramaserarremessadosoutravez.Tivemedo daprimeiravez,masontemeufiqueirealmenteapavorado.” “Vocêtambémouviuisso,Meg?”,perguntouEd. “Sim,omesmoqueeleouviu.Chegueiagritar,domeuquarto,paraJoel:‘Vocêestáouvindoisso?’ Maselegritoucomigo,reclamando:‘Caleaboca!’" “Achoqueeunãoqueriaadmitirqueaquiloestavaacontecendodenovo",reconheceuJoel. “Quandoestavanoseuquarto,vocêviuousentiualgumacoisaestranha?”,indagouEd. “Não,nada." “Evocê,Meg?" “Bem,quantomaismedoeusentia,maisaltaficavaabarulheiraaqui embaixo.Dasegundavez, tambémviumanuvemescura,arroxeada,nomeuquarto.Eunãoconseguiaolharparaeladiretamente— sópelocantodosolhos.Enquantoaquelabolaroxaestavanomeuquartofiqueicomosolhosfechados paranãopodervê-la.Pelotempoquepermaneeideitadaali,fecheibemasminhasmãos.Derepente, sentioutramãotentandoforçaraminhaaseabrir!Eraumamãobemforte,contoadeumhomemadulto. Elanãoconseguiuabriromeupunho,entãopuxouomeubraçoetentoumearrancardacama.Elapuxou quasemetadedomeucorpoparaforadacamaantesdeeugritarporsocorroDaí,elamesoltou,ecorri paraoquartodeJoel. EdolhouparaJoel.“Oqueaconteceuemseguida?" “Megeeuqueríamosligarparaapolícia,ouparaosmeuspaisoualguém”,respondeuogaroto,“mas nãoqueríamossairdoquarto.Megmecontousobreamão,enósdoissentimosquemaisalgumacoisa iriaacontecer.” “Comooquê?” “Agentenãosabia”,respondeuogaroto.“Massentimosumarmuitofortedemaldadeemvoltada gente.Nãoseicomodescrever.Dequalquerforma,queríamossairdacasa,masnãoqueríamosterque passarpeloandardebaixo.MegdissequeeramelhorpularmospelaJanela,masacheiaquiloloucura. Eudisseaelaqueiríamoscorrerparafora.Megvestiuroupasdomeuarmárioporqueelanãoqueria voltarparaoquartodela.Então,abriaportadoquarto.Davaparaverasluzesacesasaquiembaixoe ouvimos os passos pesados pela casa. Mas não demos a mínima, apenas queríamos sair: então, decidimossaircorrendoparafugirdaqui.” “Saímosparaocorredor,masnadaaconteceu”,disseMeg,“sóqueoandar inteiroestavamuito quente,defazersuar.Então,descemosasescadas,correndoomaisdepressaqueconseguimos,esaímos pelaportadafrente.” “Vocêsviramosmóveisreviradosnasalaaquiembaixo?” “Não,achoquenão.Elesestavamforadolugar,masnãolembrodetervistonenhummóvelvirado.” “Vocêviu,Meg?” “Eunemsequerolhei”,admitiuela. “Aúnicacoisadequemelembrodapartededentrodacasa”,prosseguiuJoel,“équeorádionão estavatocando—estavachiando,comoseestivessecaptandoestática.Dequalquerforma,saímosda casaedecidimoscorreratéocampusdauniversidadeparaligarparaalguém.Nuncavoumeesquecer

disso.Tinhacachorrosláforae,quandonosviramcorrendo,começaramacorrerjuntocomagente.Mas, quandochegaramperto,elescorreramparatrás!Eospássaros—enquantoestávamoscorrendo,o bosqueinteiroestavacheiodepássarospiandofeitoloucos!”“Issoaconteceuaquehorasmaisou menos?”

“Entre23he23h30,ontemànoite.”

“Alémdofatodequepássaros nãocantamànoite,houvealgumacoisaesquisitaemrelaçãoao incidente?Vocênotouseospiosvinhamapenasdeumlado,talvezdaesquerda?” “É,sódoladoesquerdo”,disseogaroto,enfático.“Comoosenhorsabe?”“Nãoimportaagora”, respondeu-lheEd.“Apenascontinuecontandooqueaconteceuláfora,narua.” “Estávamoscorrendopelarua,mastinhaalgumacoisaperseguindoagente,atrásdenós”,prosseguiuo adolescente.“Aquiloqueestavanacasa,sejaláoquefosse,tinhanosseguido.Estávamoscorrendona direçãodoposte,porquesentimosqueestaríamossegurosseconseguíssemoschegarlá.Maspareciaque nãoiríamosconseguirchegaràluz.Nãoconseguíamosavançar.Eracomocorrernomesmolugar.Tinha algumtipodecampodeforçasegurandoagente.” “Seaquelaforçativessealcançadovocês,Meg,oqueachaqueteriaacontecido?”,perguntouEd. “Elanosalcançou!”,disseagarota.“Erapesadaetentouforçaragentedevoltapelarua.Senão tivéssemosalcançadoaluz,elateriamatadoagente.” “Porquedizisso?” “Porquenãotinhaarpararespirar”,respondeuela. “Dealgumaforma",recordouJoel,“conseguimoschegaraopostedeiuz.Dali,davaparaveracasa. Nãoestávamostãolongeassim.Obarulhodospássarostinhadiminuídobastante.Debaixodaluz,nós nossentimosmaisseguros;pelomenosjánãosentíamosapressãonosempurrando.Maspareciaquea lâmpadaestavaenfraquecendo,entãodecidimoscorrersem.pararatéchegarmosaocampus.Assimque saímosdaluz,porém,osguinchosdapassarinhadaficaramaindamaisaltosqueantes.Aquilonosdeixou apavorados. Mas corremos, e continuamos correndo o máximo que podíamos até que chegamos ao cruzamentoondeestavamoscarros.Foiaprimeiravezquenossentimosasalvo.Então,caminhamos pelaestradaatéqueencontramosumalojaaindaaberta.Eutinhaumanotadeumdólareatrocamosali. Depois,fomosatéocampuseencontramosumtelefone.OspésdeMegestavamcobertosdebolhas,por estarusandomeussapatos.Elasesentounovãodeumaportaenquantoeuligavaparaosnossospais.” “Vocêstiveramalgumproblemaparafazeraligação?”,interrompeuLorraine. “Não,senhora”,respondeuJoel.“Conseguifalarcomeleseconteioquetinhaacontecido,maseles disseramqueestávamossonhandoequeeramelhorvoltarmosparaacama”,respondeuogaroto,um poucoirritado.“Eudisseaelesquenãoestávamosemcasa—queestávamosnocampusequenão voltaríamos para casa!Enquanto euestava falando, vi umpolicial do campus encostar a viatura e começaraconversarcomMeg.Mamãemedisseparapedirqueelenoslevasseparacasa,queelesnos encontrariamlá.Depoisdisso,nãoaconteceumaisnada—pelomenosnãoatéagora.” Orestantedafamíliapermaneciasentado,emsilêncio,cadaumabsorvendoaquelahistóriaestranhae inacreditávelqueascriançashaviamrelatado. Ed,então,perguntousobreasimpressõesdeLorraine.“Notérreo”,informouela,“sentiapenasuma camadadevibraçõesnegativas.Noentanto,parecerealmentehaveralgumacoisaláemcima,noquarto deumadascrianças.Nãotenhocertezadequal.QuandoestivenoquartodeJoel,sentiumaatmosferade confusãointensaseabatersobremim,comoseeuestivessebêbada.” “Sentimosissotambém!”,disseMeg,perplexa. “Essasensaçãomefezperdertodaanoçãodeondeeuestava”,continuouLorraine.“Quandoconsegui sairdaquelequarto,fuiatéaportadoquededuziseroquartodeMeg.Aomecolocarjuntodaquela porta,sentiumapressãonacabeçaenosombros,umapressãoquecomeçouameforçararecuar,a descerasescadas.Decidinãoentrarali.Eraumapresençainumanae,aoquemeconsta,acreditoestar

instaladanoquartodeMeg.Vocêporacasotemvelaspretasdeconjuraçãonoseuquarto?",perguntou Lorraine. "Sim",tomouMeg,pasmacomapergunta. Edolhouparaaquelesqueestavamsentadosàmesa.Afamíliapareciaassustadaeimpotente.Osr. Fosterprovavelmentesentia-sediminuídoaosolhosdafamíliapornãoconseguirlidarcomumproblema —aindaqueinvisível—queestavaacontecendonaprópriacasa. “Seascoisasnãotiveremidolongedemais”,disse-lhesEd,“voutentarresolveroproblema.Porque vocês não saeme fazemumpasseio de carro hoje? Fiquemfora por mais oumenos uma hora”, recomendouele.“E,enquantoestiveremfora,porfavor,nãodiscutamosacontecimentosdosúltimos dias,nemsequerpensemneles.Quandovoltarem,entãopoderemosconversar.” Elesficaramcontentesemsaberquealgopodiaserfeito.Osr.Fosterconduziudepressaafamíliapela portadafrentee,emmenosdeumminuto,todosjáestavamdentrodocarro,saindodali. EdeLorrainepermaneceramdentrodacasa.Elessabiamqueascriançasnãopoderiamterinventadoa história:elacontinhamuitosdetalhesespecíficos,maisquesuficientes,osquaisapenaspelaexperiência erapossívelconhecer.Narealidade,nadadoqueascriançasdisserameranovidadeparaEdeLorraine. Todososdetalhesqueelashaviamrelatadocorrespondiamaatividadesdemoníacascomqueocasal haviasedeparadonopassado.Noentanto,atarefadelesagoraeraidentificaraverdadeiranaturezada presençaespiritual—afimdeexpulsá-la. NãoésemprequeosWarrenconseguemdeterminaranaturezaprecisadeumespíritotãosomenteao entrevistaraspessoasenvolvidas.“Oespíritodemoníacotentapermaneceranônimo”,explicaEd,“mas, nofimdascontas,elenãoconsegue.Oespíritodeixasinaisindicativosdepoderpreternatural.Por exemplo,taisespíritoscostumamdesconsideraroambientefísico.Hápoucosanos,estivemosemuma casaondeumoperadordecâmeradetelevisãoestavasendoatingidoporbolinhasdegudequeeram jogadasnele—saídasdiretamentedeumaparede!Outrasvezes,oespíritodemoníacocriaobjetosa partirdonada.Sesólidas,taismaterializaçõessãomornasaotoque,oqueindicaalgumprocessode manipulaçãodeenergia.Àsvezes,asmaterializaçõessedesmaterializamcomamesmarapidezcomque foramcriadas;outrasvezes,elaspermanecem.Tenhoumacoleçãodessesaportes,comosãochamados.” Tais“aportes"ousubstânciasteletransportadasjáforamanalisadospelaciência? “Comcerteza”,respondeEd.“Essasprovasfísicassãonecessáriasparadocumentaranecessidadede umexorcismo.Semprequeessassubstânciassemanifestamemumcaso,recolhoumaamostraeaenvioa umlaboratórioparaaidentificaçãodosseuscomponentes.Osaportesproduzidoscommaiorfrequência sãourina,bile,vômito,sangueouexcremento.Taissubstânciasaparecemporqueforamteletransportadas paraaresidênciaouforamsinteticamentecompostaspelosespíritosnocomandodaatividade.Emgeral, essesaportescontêmtodososminerais,oligoelementoseaminoácidosencontradosnanatureza.Não costumahavernadadeespecialmentenovooumisteriosocomrelaçãoaeles,excetoomodocomo apareceramali.Espíritosdemoníacospodemsercapazesdefazercoisasestranhas,masestãolimitadosà manipulaçãodoambientefísico.Aocontráriodoquepossampensarnossosamigossatanistas,umdiabo nãoéumdeus”,dizEd,comironia.“Elenãotemverdadeirospoderesdecriação—consegueapenas rearranjaroquejáexiste.” Porqueénecessáriopedirqueafamíliasaiadacasa? “Se as informações que consigo durante a entrevista são ambíguas, como se não existe nenhum fenômenovisívelemcurso”,respondeEd,“então,paradeterminarseapresençaespiritualéhumanaou inumana, preciso recorrer à provocação religiosa: é uma tática perigosa, mas tambémreveladora. Praticamentequalquercoisapodeacontecernessetipodesituação;porisso,setenhoqueprovocaro espírito,peçoparaquetodossaiamparaalmoçareficosozinhonacasa.Emalgunscasos,Lorrainefica comigo,masopapeldelanãovaialémdodiscernimentodanaturezadoespírito.Nãohánadaqueum clarividentepossafazercontraumespíritodemoníacoperverso,emboraexistaminúmerasformaspelas

quaisumaentidadenegativapodeferirseriamenteumindivíduo‘sensível’.Quandoestousozinho,usoa provocaçãoporquenãosoumédium—precisoprovocaratividadequeeupossapercebercommeus cinco sentidos, como outra pessoa qualquer. Sempre levo comigo uma relíquia do padre Pio, para proteção:quantomaispoderreligiosoeuagrego,maioréaprobabilidadedequeelesejaprovocadoa responder. Sabendo o que serei obrigado a enfrentar, muitas vezes eume sentiria mais confortável carregandoumachavederodaeumrevólver.Porém,nãosepodematarumacoisaqueexistedesdeo iníciodostempos. “Entretanto,quandoestousozinhoali,tudonacasaficaimóvelesilencioso.Nadapareceestarerrado. Seaperturbaçãoestálocalizadaemumlocal,então,primeirovouatéessaárea.Seafamíliamedisse quenãoháumlocalespecífico,entãoapenasvoudecômodoemcômodo,atéquealgumacoisaaconteça. Casooresponsávelpeloproblemasejaumfantasma,elenormalmentesemostraráamimenquantoeu estiverpercorrendoaresidência.Elesabequeabrincadeiraacabou,eumfantasmadefinitivamentenão quersedesentendercomDeus.Mas,seforumespíritodemoníaco,quejurouodiaraDeuseérepelido pelos objetos religiosos, então, mais cedo ou mais tarde, as coisas vão começar a acontecer. A temperaturadentrodacasacairáatéqueolugarfiquegelado,ouaumentaráaníveisintoleráveisdecalor. Vaisurgirumfedordecarneapodrecidaouqualqueroutroodorrepugnante.Possoouviralgumacoisa explodir.Umavozameaçadora,diferentedequalquervozhumanaquevocêjáouviu,ordenaráqueeu saia.Podeserqueeuouçapassos—projetadostelepaticamente—correndoescadaacima.Issoéuma manobraparamefazerseguirobarulho,demodoatalvezficarencurraladoemalgumcômodo.Mãos invisíveispodemrabiscaralgumaobscenidadenasparedes,bemdiantedosmeusolhos.Outrasvezes, nadadissovaiacontecer.E,então,quandoeumenosesperar,oespíritotrairáaprópriapresençae começaráasemanifestaràsclaras.Eporqueesseprocessodeprovocaçãoreligiosafunciona?Épor minhacausa?Não.Funcionaporqueoespíritodemoníacoodeia,estoudizendo,odeiaqualquermenção aonomedeDeusouousodeobjetosreligiosos.Talentidadeestátãomergulhadaemculpa,ódioeciúme queaprovocaçãoreligiosachegaaserdefatodolorosaparaela.” Na residência dos Foster, os Warren trabalharamjuntos. Para fins de provocação, Ed usou um crucifixoeáguabenta—doisitensquesãoanátemasàentidadedemoníaca.Descendoaoporão,Ed espargiuáguabentanosquatrocantosdaquelaárea.Emseguida,eledisse,emvozalta:“Emnomede jesusCristo,ordenoquetodososespíritos—humanosoudiabólicos—saiamdestahabitaçãoenunca retornem”.OsWarrenesperaramporalgumaresposta,masnãohouvenenhuma. PorqueEdtempermissãodeusaráguabentaseelenãoéumsacerdote? “Nãoéumaquestãodeterpermissão”,dizEd.“Aspessoastêmpermissãodeusaráguabentana própria casa. Adiferença é que a água que uso no meutrabalho foi abençoada por certos padres específicos,quesãoexorcistas.EssaáguaédotadadeumpoderpositivomuitorealNãoéaáguaemsi queimporta,masapiedadequeelarepresenta.Euapenasusoaágua,nãoaabençoo.” Nopisotérreo,Edrepetiuomesmoprocedimentoemcadaumdoscômodos.Oprocesso,conhecido peloexorcistacomoesconjuro,exigequeoespíritoinfestadorsemanifeste(seestiverpresente)embora. Tendo“esconjurado”oporãoetodososcômodosdopesotérreo,semincidentes,osWarrenestavam prontosparacomeçaratrabalharnoandardecima,ondesabiamquedificuldadesestavamàespreita. Contudo,enquantosepreparavamparaagir,umterrorpavorosotomou-osdeassalto.Paraeles,essa emoçãotelepaticamenteprojetadaexperimentadadeformasimultâneaporambos,eraumaindicaçãoda claradeumapresençademoníacainumana.“Oespíritodemoníaco”dizEd,“projetaterrordomesmo modoqueumacascavelusaseuchocalho—comoumalerta.” Umcheiroúmidodemofoergueu-senasala.Derepente,elesperceberamumlampejodemovimento noaltodasescadas.Emseguidaumaportafechou-secomumabatida—osompraticamenteostiroudo chão.OsWarrenpensaramduasvezesantesdeiradiante.Elessabiamquequalquererrodeavaliaçãoda partedelespoderiaresultaremumcontragolpedeterrorquetalvezdurasseanos.

Comocostumaocorrer,porém,osWarrendecidiramcontinuar.Elescomeçaramasubirasescadas paraoprimeiroandar.Noentantonãoimportaoquantotentassem,nemEd,nemLorraineconseguiam avançarparaalémdametadedasescadas.Umaforçaimpenetrávelíeobstinadafaziapressãoparaque voltassem.SegundoLorraine,"pareciaqueestávamosandandomergulhadosatéosombrosemumriode correntezarápidaeforte”.Apesardemuitoresistirem,aforçaexercidacontraeleseraimpossívelde vencer.Devagar,osWarrenrecuaram,descendoasescadasparanãoseremderrubadosdecostas. Nopédaescada,porumbreveinstante,soouumarisadadiabólica.Irritado,Edaspergiumaiságua bentanolocal,oquefezcomqueapressãodiminuísseosuficienteparadeixá-loschegaraotopo.O primeiro andar era todo dividido em quartos. Um longo corredor estendia-se ali, no sentido do comprimentodacasa. EdaspergiuoquartodeErincomáguabentae,emseguida,recitouocomandodeexpulsão,sem incidentes.Esconjuradoaquelequarto,ocasalseguiuparaodeJoel.Aportaleve,queestiveraaberta antes,agoraestavafechada.Edgirouamaçanetaredondaeempurrouaportacomaspontasdosdedos, abrindo-a.Paraalíviodocasal,oquartoestavavazio.Maisumavez,Edrealizouoprocedimentode esconjurosemproblemas.OquartodeMegfoiaúltimaparada. Aporta do quarto da filha mais velha tambémestava fechada. Os Warrennão sabiamo que os aguardavadooutrolado.Edgirouamaçanetadaporta,entreabriu-ae,depois,escancarou-a.Osdois recuaramde forma involuntária. Havia algo no quarto. Mesmo invisível, o espírito projetava uma horrívelsensaçãodeinfelicidade;eraumaemoçãoabsolutamentecomovente,projetadaporumaentidade queestácondenadaàdanaçãoeterna.Nãoobstante,osWarreneramexperientesdemaisparareagira essamanobraemotiva.Nãopassavadeumsubterfúgio,umapeloporcomiseração.Emvezdisso,com serenidadeférrea,Edentrounoquarto,empunhandoacruz. Emboranãosepudessevernenhumapresençafísica,oquartoestavamuitogelado.Umaúltimavez,Ed aspergiuáguabentanosquatrocantosdocômodo.Então,emtomdecomando,falou:“EmnomedeDeus, mostre-seagora—ouváembora”.Fez-seumlongosilêncio.“Dê-nosalgumsinaldasuapartida”,disse ele,emvozalta,dentrodoquartovazio,“ouumexorcismoserárealizadoaquiaindahoje”Quasequeno mesmoinstante,amórbidasensaçãodeinfelicidadecomeçouaabandoná-los.Então,atemperaturado cômodovoltouaospoucosaonormal.Ofeitiçoforaquebrado. Inspecionandooquarto,osWarrenvirampor queoespíritohaviaadotadoaquelecômodocomo morada.OquartodeMegtinhavelaspretasdeconjuração,vestimentasparapráticadeocultismoelivros quecontinhamtodotipoderituaisprofanos.Edcolocouosobjetosnocestodelixodagarota,levoutudo paraocorredore,então,“selou”oquartocomaleituradeumaoraçãodesantificaçãorecomendadapara asituação. Acabadootrabalho,osWarrendesceramoutravezaopisotérreo.Paraeles,aquelalongaetensatarde dedomingonãoprecisavatersidotãodesagradável.Olhandopelajaneladasaladeestar,Lorraineviua famíliaFostersentadanocarro,naentradadagaragem.Elaabriuaportaeacenouparaqueentrassem. “Tudodependedassuasaçõesfuturas”,explicouEd,depoisqueelesentraram.“Quaisquermelhorias quevocêspossamterpensadoemfazernassuasvidasdevemserfeitasagora.Porcerto”,disseelea Meg,“nãodevehavermaisnenhumritual,dequalquertipo!Todososlivrosdeocultismoeaparafernália deconjuraçãoqueestavamláemcima,noseuquarto,vãoparaolixo. “Alémdisso,recomendoveementementequevocêspeçamaumclérigodaregiãoparaabençoara casa.Vejam,oqueaconteceuéque,quandoasuafilhasemeteucomrituaissobrenaturais,eladefato atraiuumespíritonegativoparadentrodacasa.Abênçãoprecisaserfeitacomoprecauçãocontrao retornodoespírito.Noentanto,elaseráeficazapenassevocêsmantiveremumaatmosferaemocionalque nãoatraiaessetipodeentidadeparacáoutravez.Meuconselhoéquevocêsconsigamqueessabênção sejafeitahoje,nãoamanhã. “E,acimadetudo”,enfatizouEd,“suamelhorproteçãopelaspróximassemanasepelospróximos

meses é cultivar interesses positivos como umescudo contra a negatividade. Se foremreligiosos, consideremiràigrejaemfamíliaumavezporsemana,comomostradesinceridade.Essaatitudeseriaum bomcomeçoparaneutralizaraforçaespiritualquefoiatraídaparaestelugar.Emsuma,suafilhafezalgo negativoqueagoraprecisasercontrabalançadocomalgopositivo.Consequentemente,todosvocêsestão susceptíveisaumarepetiçãodesseseventos—amenosquecultivemodesejodequeissonãoaconteça denovo.Lorraineeeufizemosoqueestavaaonossoalcance.Orestoécomvocês.” Junto à porta da frente, Ed fezumúltimo comentário: “Apropósito, o espírito nessa casa está dormente”,alertouele,“masnãofoiembora”. Nessemomento,osóculosdegraudeLorraineelevaram-sedasuamãoàvistadetodos,giraramuma veznoare,então,despencaramnochão,quebrandoalenteesquerda.OsFosterobservaramatônitos, emboramalcompreendessemoquehaviaocorridonaquelaresidência.Elesforamtãosomentevítimas quehaviamtratadoosobrenaturalcomoumbrinquedoquando,narealidade,elesquetinhamservidode brinquedoaosobrenatural.

DEORIGEMSOBRENATURAL Detodososobjetosdeconversaçãocomunsefamiliaresquesãoabordadosquandoaspessoasestão

DEORIGEMSOBRENATURAL

Detodososobjetosdeconversaçãocomunsefamiliaresquesãoabordadosquandoaspessoasestão

reunidas,detodasascoisasremotasdanaturezaeapartadasdossentidos,nãohánadatãoàmão,tão

inusitado,queotemadosespíritoseseoquedizemsobreeleséverdade.Éoassuntoqueaspessoas

discutemcommaiorfacilidadeenoqualmaissedemoramporcausadaabundânciadeexemplos,

alémdeserprazenteiroeagradável,eadiscussãoseramenostediosaquesepodeencontrar.

—PierreLeLoyer,1586

Algunsdosprimeiroslivrosjáimpressosemlínguainglesatratavamdatemáticadosespíritoseda demonologia.OsespíritosnãoeramumfatomenoscotidianonoséculoXVIdoqueosãohoje:ocorriam amesmaruínaeomesmoterror,eumcenárioigualmenteviolentorepetia-se. Nostemposbíblicos,jesusfalavasobrefantasmas,espíritos,demôniosepossessãocomconhecimento decausa.“Narealidade”,observaEd,“opróprioCristomostrou-seaomenosumadúziadevezesna formadeapariçãoaosseusseguidores,antesdaRessurreição.” Recuandoaindamaisnahistória,parecequeaquestãodosespíritostempreocupadoahumanidade desdeoiníciodacivilização.AindanostemposdaGréciaAntiga,escritoresviamtodaessaatividade malignacomoalgomaisominosoqueaocasionalmanifestaçãodeumespectronegronomeiodanoite. Mesmoàquelaépoca,osantigosconsideravam-noumespírito,umaentidadecomumpropósitonegativo, eatribuíram-lheonome“daemon”,comosignificadodeespíritoperversoouimpuro. Hoje, documentos sobre a existência de fenômenos envolvendo espíritos presos à terra estão disponíveisnamaioriadosgrandescentrosouembibliotecasuniversitárias,graçasaotrabalhorealizado porrespeitáveisorganizaçõesdepesquisapsíquicaaolongodoúltimoséculo.Contudo,informações corretassobreoespíritodemoníacoaindasãodifíceisdeencontrar—comosempreforam.Oassuntoé envoltoemsigilo.Amaioriadoslivrossobreocultismofazreferênciassuperficiaisa“demônios”,mas taisinformaçõescostumamestarentremeadascomressalvasdequeofenômenonãopassadesuperstição medieval.Cientistasdescartamcompletamenteahipótesedaexistênciade“espíritos”;aclassemédica tendeaverotemacomoilusãooupsicose;eosacadêmicosconcebemdemônioscomoumafantasia. Apenasaclassereligiosadácréditoànoçãododemoníaconaaltateologiae,então,oassuntoderepente torna-sebastantereal.Elerecebeumnome:oMysteriumIniquitatis—ouoMistériodaIniquidade.Eao diaboatribui-seumsímbolo:xpistos—oAnticristo. Amelhorformadealcançaralgumacompreensãosobreoassuntoseriaconsultarosespecialistas,mas ninguémsimplesmenteentraemumaigrejaousinagogaepedeparafalarcomumdemonologista.Nãohá tantosdelesassim,seusnomessãoconfidenciaiseelesestãoobrigadosarelatarassuasexperiênciastão somenteaosseussuperiores.NemmesmoEdWarrendirátudoarespeitodesseshorrendosespíritosdas trevasquevêmnomeiodanoitetrazendomensagenseproclamaçõesdeblasfêmia.Naverdade,quando pressionadoafalarsobreisso,arespostadeEdé:“Existemcoisasdoconhecimentodospadres,e

tambémdomeuconhecimento,queémelhornãorevelar”. Então,qualéabaseparaasopiniõesdeEdWarren?Háevidênciasreaisouconfirmaçõesqueprovam assuasafirmações? “Pessoasquenãoestãofamiliarizadascomofenômenoàsvezesperguntamsenãoestouenvolvidoem algumaespéciedealucinaçãoultrarrealista,comoDomQuixoteduelandocommoinhosdevento.Bem, alucinações são experiências visionárias. Por outro lado, este é um fenômeno que responde com retaliação.Meuconhecimentodoassuntonãodiferedaqueledeclérigosversados,eelesvãodizer,com amesmaclarezacomquedigo,quenãosetratadealgoquepossaserfacilmenteclassificadocomoum pesadelo. “Possosustentartudooquefalocomprovasautênticas”,prossegueEd,“erelatosdetestemunhas confiáveiseprofissionaisgabaritados.Nãoexistemconjecturasenvolvidasaqui.Minhasafirmações sobreanaturezadoespíritodemoníacosãobaseadasnasminhasprópriasexperiênciasemprimeiramio aolongodemaisdetrintaanosnestetrabalho,corroboradaspelasexperiênciasdeoutrosdemonologistas reconhecidos,alémdasexperiênciasdocleroexorcista,ocentenasdetestemunhasqueforamvítimasde taisespíritoseciasfísicasdepeso.Odogmareligiosoacercadoespiritodemoníacosimplesmentese mostradeacordocomasminhasprópriasdescobertassobretaisespíritosnavidareal.Masdeixe-meser maisespecífico. “Oespíritoinumanocostumaseidentificarcomoodiaboe,então—pormeiosfísicosepsicológicos —provaserexatamenteisso.Falandomaisumavezapartirdasminhasexperiênciaspessoais,jáquefui queimadoporessasforçasinvisíveis.Járecebitalhosecortes;essesespíritosentalharammarcase símbolosnomeucorpo.Fuiarremessadodeláparacápelasalacomoumbrinquedo.Meusbraçosjá foramtorcidosparatrásatéficaremdoloridosporumasemana.Padecideenfermidadessúbitaspara ficarforadeumainvestigação.Monstruosidadessemanifestaramdiantedemim,emformafísica,fazendo ameaçasdemorte,deruínaàminhafamíliaedetormentonoalém.Porém,oquequerqueeutenha testemunhado,ocleroquedevedesafiarafoiçademoníacajásofreu—emuitopior. "Estoufalandodeatividadequeestáacontecendonesteexatoinstante.Amanhã,porexemplo,vou submeter provas documentais à Igreja Católica para justificar o exorcismo de uma jovemque está possuídaagora,enquantoeufalo. “Notocanteaprovas”,continuaEd,“tenhomuitosmilharesdehorasdegravaçõesemfitacassetede entrevistascompessoasefamília*detodooterritórionorte-americanoebritânico,etaisgravações documentamplenamentearealidadedosfenômenosdemoníacos.Eupoderiaencherumauditóriodebom tamanhocomtestemunhasqueconfirmamoquedigo.Tenhoumacoleçãodeobjetosesubstâncias—os aportes de que falei — que foram criados sinteticamente por ação demoníaca. Tenho fotografias verdadeirasdefenômenosdemoníacosemcurso.Elasmostramlevitações,materializaçõeseformas espirituais.Tenhoprovas,emfitacassete,dessesespíritosfalando.Muitasvezes,eleschegamatémesmo aseidentificarpelosseusnomesdiabólicos.Alémdisso”,revelaele,“essasentidadesmeconfrontaram pessoalmente,falandoatravésdospossuídoseassumindoformasfísicasmanifestas,tãosólidasquanto vocêoueu.Eelasmedizem—comamesmaclarezacomqueestoufalandoagora—quemelassão,por queestãoaquieoquevãofazer! Diantedasolicitaçãoparaapresentarumexemplodoúltimoponto,Edvaiatéoseuescritórioeretoma

comumafitamagnéticaemrolo.“Istofoigravadoemumasessãoem1972”,dizele,passandoafitapelo

tapedeckderolo.“Naocasião,estávamostentandodeterminarquemouoquevinhaoprimindoeàs

vezespossuindoumamulherchamadaMarydesdequeelatinha8anosdeidade.Quandoagravaçãofoi

feita,Marytinhauns55anos.NaquelediatambémestavampresentesLorraine,eu,umpadrecatólicoe

umamédiumdetranseprofundo.Imediatamenteantesdestesegmento,oespíritovinhafalandoatravésda

médium—mentindo,passandoalínguasestrangeirasparanosimpedirdecompreendê-loefalandocom

umavozemfalsete,alegandoserum‘anjo’.Parachegaràverdade,colocamosumcrucifixosobreuma

mesaatrásdamédium—queestavaemtranse,comosolhosbemfechados.Emseguida,ordenamosque

oespíritofalasse,eapartirdaí,algomuitodiferentefoicomunicado.”Edligouogravador:

Voz:Eunãoescolhiestaraqui!

EdWarren:Então,porqueveio?

V.:EstousubmetidoaoPoder!

E.W.:Poderdequem?uV.:Umaluzbranca!

E.W.:Descreva-separamim.

V.:Não.[Ocrucifixo,então,écolocadodepé,aoqueseseguemgritos*agonizantesdoespírito

possessor.]

E.W.:Descreva-separamim!

V.:Emverdade,devodizerqualéaminhaaparência.Souperverso—efeiodeaparência.Sou

inumano.Souvingativo.Tenhoumrostohorrendo,tenhomuitospelosásperospelocorpo.Meusolhos

sãomuitofundos.Soutodonegro.Carbonizado.Tenhocabelos.Minhasunhassãolongas,meusdedos

dospéstêmgarras.Tenhoumacauda.Usoumalança.Oquemaisvocêquersaber?

E.W.:Comovocêchamaasimesmo?

V.:[Proclamando]EusouResisilobus!EusouResisilobus!

“Embora Ed e eu não tenhamos a pretensão de ser teólogos acadêmicos”, diz Lorraine, “não encontramosnadanonossotrabalhoqueindiquequeoespíritodemoníacosejaoutracoisaqueumanjo caído.Ocomportamentorotineirodoespírito,osseuspoderesmetafísicoseasuaviolentareaçãoa objetos sagrados certamente corrobora tal conclusão. Na verdade, eu me atreveria a dizer que transcriçõesdeexorcismosprovariamqueoespíritodemoníacoéoproverbialanjocaído.”Nãose encontra qualquer outra justificativa para a existência desse espírito alémdo que é sugerido nas

Escrituras.EmambosostestamentosdaBíblia,anjosedemôniossãomencionadoscercade3milvezes.

[1]Nãoexistenenhumoutroprecedenteconfiávelsobreoespíritodemoníaco,àexceçãodealgunstextos

religiososenigmáticosqueoferecemomesmopontodevistabásico. OmotivoexatododesentendimentoentreoespíritodemoníacoeDeusédesconhecidoaohomem.

ComodisseopapaPauloviem1972:“Sabemosmuitopoucoacercadetodoessedramainfelizanterior

aoiníciodomundo”.(Nãoobstante,omesmopronunciamentopapaltambémdeixouclaroqueoDiaboé

umaentidadereal~nãoumsímboloouumametáforapsicológica.Mesmonoseucurtopontificadodeum

mês,opapaJoãoPauloireafirmouasconvicçõesdosseuspredecessoresdequeoDiaboexistecomo

umserreal.)Algumasdasmelhoresexplicaçõessobreesseassuntoverdadeiramenteinolvidávelestão

contidasnaobradeNicolasCorte,WholstheDevil?[QueméoDiabo?],enadeBillyGraham,Angels

[Anjos],masaexplicaçãodefinitivacontinuaaserencontradanolivrodeSantoAgostinho,ACidadede

Deus.AclássicahistóriadaQuedadosAnjospodeserresumidadaseguintemaneira:

OsprimeirosseresqueDeuscrioueramanjos.Dentretodososanjoscriados,nenhumerasuperiora

Lúcifer.DeuscriouLúciferemtamanhaperfeiçãoqueeleeratudo,excetoDeus.Insatisfeitocomo

próprioser,porém,Lúcifertentoualcançar,porinveja,oquenãolhecabia.Defato,Lúcifertentouser

Deus,negaraexistênciaDeleegovernarelemesmooscéus.Dessemodo,oespíritodemoníacoprova

serumespíritonegativodepossessão.

OutrosanjosaliadosaLúcifertomarampartenomesmodesejoruinoso,a“cobiça”:ouseja,estavam

dispostosarenunciaraosdonsdasuanaturezaafimdetomaraquiloquenãolhespertencia.Asuposta

respostadeDeusdiantedessatraiçãocósmicafoibanirLúciferesualegiãodoCéu,aoqueessesanjos

caídosjuraramdesobediênciaperpétuaaoSenhor.

LúciferfoirenomeadoSatã—ocaluniador,oacusador,oPaidaMentira.Emboratenhamcaídodo

seuestadodegraça,essesanjosnãoforamdestituídosdoseupoder;aocontrário,conservaramtodosos

poderespretematurais—paraalémdaterra—quelhesforamdadosnacriação.Taispoderesconsistem basicamenteemexistênciaimortal,conhecimentomísticodouniversoeopoderdeignorarasleisfísicas danatureza,oquelhesdáacapacidadedeproduzirfenômenospsíquicosepromovercriaçõessintéticas. Nãoobstante,apesardospoderesimpressionantes,oespiritodemoníacofoi proibidodedominaro homem.Emvezdisso,aaliançafoiqueDeusprotegeriaohomemseeste,porsuavez,respeitasseos poderesdeDeus. Em última análise, é óbvio que ninguém conhece a história completa. A oposição do espírito demoníaco a Deus não representa, emsi mesma, uma prova da inferência de Deus. É apenas por inferência que consideramos que Deus existe, diante das palavras e ações de ódio desses seres sobrenaturaisblasfemadores. “No entanto”, como observa Ed. “independentemente de qualquer interpretação das Escrituras, espíritosinumanossórdidosdefatovagampelaTerranosdiasatuais.Equandoseordenaquefalem,a respostadessesespíritosémuitograve:"MeunomeéLegião—somosum’.Tambémécertoqueesses espíritossãodotadosdepoderesdevastadoreseagemcontraahumanidadecommalícia,desprezoeuma iraferoz.Curiosamente,aúnicaproteçãoqueohomempodeinvocarcontraessasforçasnegativaséa mençãodonomedeDeus—emboradeformamaisespecialodeJesus—eaapresentaçãodeobjetos abençoados.Docontrário,nadaconseguiráimpediressasentidadesespirituaisbizarras.” Ainda assim, se a atividade é tão ostensiva, por que os cientistas não chegarama conclusões semelhantescomrelaçãoaosfenômenosespirituaisinumanos? “Cientistassãopessoas”,respondeEd,“ealgunscientistaseinvestigadoresdefenômenospsíquicosjá viram o que está acontecendo e hoje o compreendem. Os céticos mais veementes, porém, nunca testemunharamosfenômenosporsimesmos.Noentanto,asmovimentaçõeseaatividadeprovocadaspor esses espíritos estão cientificamente documentadas em muitíssimos casos. Infelizmente, os parapsicólogosdesconsideraramaatividade,julgando-aPKou,nomáximo,atribuemaperturbaçãoa espíritoshumanospresosàterra.Noentanto,mesmoissoéincorreto:comoelemesmoadmite,oespírito inumanonuncafoiumescravodeDeusemformahumana.Eleseorgulhadisso.Narealidade,relatose evidênciasfornecidospelosprincipaisenvolvidoseportestemunhasconfiáveis,sessõesgravadascom

ospossuídos,transcriçõesdeexorcismos,2milanosderegistrosdaIgreja—tudoissomostraqueeles

sãonadaalémdoqueseconhecequeelessejamdesdeoinício:espíritosdiabólicosinumanos,tomados peloódioedotadosdasabedoriamaléficaparausá-lo,espíritoscujaexistênciaseestendeportodasas eras,alimentandoumódioviolentoporDeuseprometendoaruínadohomem.Noentanto,amaiorparte doódiodelesédirigidaaDeus,eapenasraramenteumhomemtestemunhatodaaintensidadedasua fúria. “Quanto ao fenômeno emsi”, prossegue ele, “uma dúzia de investigadores pode examinar uma residênciainfestadaporforçasdemoníacasenãoencontrarnada.Eissoporque,emgeral,oinvestigador científicoestápescandosemanzol.Ocientista,abordandooproblemacomoseucronômetroeoseu papeltornassol,nãorepresentanenhumaameaçaàentidadeinfestadora.Comcertezaaentidadenão revelarásuapresençadeformavoluntária.Mas,entrealicomumobjetoreligioso,eoespíritoinumano responderáaodesafio. “Devomeapressaradizer,porém,quenãorecomendo,emabsoluto,quenenhuminvestigadorou pesquisador de fenômenos psíquicos realize tal procedimento. A provocação é um procedimento distintamentereligioso,nãocientífico.Elaexigepreparaçãoespecialantesdesersequertentada,ouos resultadospodemserdesastrosos.Digoissocomoumavisoantecipadoàquelesquepossamtentar.Por maisdedicadoquesejauminvestigador,chegaumpontoemqueeledeveparar,aceitaroimpasseeir paracasa.Nãoexisteessacoisade‘vitória’nestetrabalho.Oobjetivofinaléoexorcismo,obanimento daforçanegativa.Nenhumaoutraatitudeteráêxito.Odemoníacoéumproblemamuitograve,muito sério,enemboasintençõesnem‘intolerânciavaronil’vãoexpulsá-lo.Elerecuaapenasemnomede

Deus.Esó.” Provavelmenteoaspectomaisperturbadordosfenômenosdemoníacossejaque,portrásdetodoo terrorecaos,háumainteligênciaardilosaecalculista. “Tenha emmente, ainda, que não se trata de uma coisa morta”, ressalta Ed. “Trata-se de uma inteligêncianegativaeativaqueéanterioraohomemnaevoluçãocósmica.Elatemmaisconhecimento quenósporqueémaisantigaquenós.Veja-acomoumapoderosainteligêncianegativacompletamente perdidanoseuódioporDeus.Aofazerisso,vocêcomeçaráacomporoquadrodoqueérealmenteo espíritodemoníaco.” Talveznenhumobjetoilustredemaneiramaisvividaa“sabedoriamaligna”doespíritodemoníacoque

oantiquíssimoespelhodeconjuraçãode1,5metroquependedaparedepróximaaoescritóriodeEd.

Nãosepodedeixardenotarosornamentosdasuamoldurainsculpida,maseleéqualquercoisa,menos umestimadoobjetodearte.Emvezdisso,oespelhoestásoboolharvigilantedeEdWarrenporqueéum objetoprofano. “Hojeemdia”,explicaEd,“aúnicafamiliaridaderealqueaspessoastêmcomamagiadeespelhos derivadarimadeBrancadeNeve:‘Espelho,espelhomeu,existealguémmaisbeladoqueeu?’.Mas,no passado,bruxasefeiticeirosusavamespelhosparapreveremanipulareventosfuturospormeiodemagia —nãoilusão,masmagiagenuína,averdadeiramanipulaçãodanaturezaedosacontecimentos.Aquele

espelhoornamentadoaoladodaminhaportaveiodaresidênciadeumvingativohomemde55anos,da

Pensilvânia,chamadoStevenZellner,queousavaparapraticarumritualmedievalpoucoconhecidoa quechamamosspeculum,oumagiadeespelho. “Agora,amagia,comoabruxaria,podeserusadaparaproduzirtantoefeitosbonsquantoruins.Esse homemusavaoespelhocomoinstrumentodemagianegra.Primeiro,elerealizouumlongoritualde encantamentoourecitouumalongafórmuladeconjuração,convidandoomundoespiritualparaajudá-loa manipularofuturo.Feitooencantamento,eleentãodirecionavaoolharparaoespelho,usando-oquase damesmaformaqueseusaumaboladecristal:comopontodeconcentração. “Quandoousoupelaprimeiravez,Stevenviumuitopouconoespelho,nadaalémdamovimentaçãode formasborradas,oupequenosincidentesrápidosquenãosignificavamnadaparaele.Porém,diaadia, semanaasemana,quantomaiseleconcentravasuaatençãonoespelho—ouseja,quantomaisabriasua livrevontadeàexperiência—,maiscontroleStevenganhavae,emconsequência,maiseleconseguia ver.Porfim,apósrealizaresseritualspeculumobsessivamentepormuitosmeses,osr.Zellnerchegouao pontoemquebastavadeclararoquequeriaverparaqueaimagemdesejadaaparecesse. “Finalmente,depoisdeterconcluídooritual,eleconseguiadefatosintonizarofuturosempreque quisesse.Ohomempodiaver—erealmentepredizer—eventosdoseuinteressequeocorreriamumdia, ummês,atéumanomaistarde.Mas,comoensinaoditado,‘opodernosescravizaatodos’,e,empouco tempo,eledecidiutirarproveitodessepoderoculto.Dandoumpassoadiante,elepassouaprojetar pessoas no espelho. Invariavelmente eram pessoas de que o sr. Zellner não gostava — que ele selecionavaparasevingaroupunir.QueDeusajudeoaçougueiroquetenhapassadoapernaemSteven Zellner!”,brincaEd. “Afimdeaplicaraprópriaformadejustiça,Stevenescolhiaumavítima,cujaimagemsurgiriano espelho.Oindivíduo,quenãosuspeitavadenada,eravistoemalgumasituaçãofuturareal.Então,tendo a vítima literalmente diante dos seus olhos, Stevendecretaria, pela sua vontade, que uminfortúnio recaíssesobreaquelapessoa.Porexemplo,eleviasuavítimadepé,noaltodeumlancedeescadas. Nessasituação,seelequisessefazê-lacairdasescadasequebrarumbraço,bastavaqueeledesejasse vertalacontecimento.Aoexecutaressetipodemagia,ohomemdefatoenxergavaaconcretizaçãodasua justiçarancorosanoespelho,exatamentecomoeleplanejava—algomaisoumenoscomoassistirauma repriseinstantâneaantesdeaaçãoocorrer. “Umtruqueengenhoso,nãoé?Mashaviaumporém.Essesatosmaléficosnãoaconteciampelosimples

poderdavontadedeSteven;elesseriamrealizadosporespíritosinumanosqueelecomandavacomo parte do ritual. Para fazer a vítima cair das escadas, o espírito inumano iria momentaneamente desorientarapessoa,aportarumpoucodegraxaemumdegrauouchegariamesmoadarumempurrão psicocinéticonavítima—eentão,ploft! “Noentanto,emalgummomento,Stevencometeuumerro,eamagiacomeçouadarerrado.Nãotenho dúvidasdequeelenegligenciouapartedoritualemquetinhadeprestarhonrasaSatã.Emconsequência, omalqueelepretendiainfligiraosoutroscomeçouarecairsobreele.Contudo,issofoiapenasum agravosecundário,poisosespíritosqueelehavialiberadoparaatormentarosseusinimigostinham,em vezdisso,infestadoacasadeleeseocupavamativamentedeoprimi-lo.Ouviam-sepassossemcorpoe respiraçõespesadasnacasaque,nomais,estavavazia.Portasseabriamsozinhas.Objetoslevitavamou eramarremessadospelocômodopormãosinvisíveis.Barulhossobrenaturaisoacordavamnomeioda noite.Emsuma,umapresençainvisívelperambulavapelolocal,enãohavianadaqueelepudessefazera respeito. “Depoisdemaisoumenosumasemana,essehomemestavatãoaterrorizadoquetelefonouparaum eminenteoficialcatólicoaquinolesteeimplorouqueeleenviasseumdemonologistaàcasadele.No entanto,emvezdeenviarparaláumsacerdoteocupado,aqueleoficialeclesiásticomecontatouem Connecticuteperguntouseeupoderiainvestigarocasoetentaracertarascoisas.Naquelaocasião, Lorraineeeuestávamostrabalhandocomumaagendaapertada,mas,paranós,aspessoasvêmem primeirolugar.Então,canceleiorestantedosnossoscompromissosnaqueledia,inclusiveaparticipação emumimportanteprogramadeentrevistas,eparticomaminhaesposa,decarro,paraonortedeNew Jersey. “Quandochegamosaoendereço,encontramosumhomemabsolutamenteempânico.Éclaro,eletinha todoodireitodeestar.Portasabriamefechavamsozinhas.Objetosvoavamaquieali,pelacasainteira. Acadaminuto,algumacoisacolidiaeseespatifava,ouricocheteavaemumaparede,acertavaochãoe seestraçalhava—umaverdadeirabalbúrdia!Acertaaltura,duranteatarde,atéomeucarroacabou envolvido.Maisoumenosumahoradepoisdechegarmoslá,oscarrosnaruacomeçaramabuzinar.Ao olharpelajanela,vionossocarroatravessadonomeiodavia,bloqueandoambasasfaixasdetráfego. Quandochegamos,estacioneiocarronaentradadagaragemdosr.Zellner,puxeiofreiodemãoetranque asportas.Mesmoassim,alguémnaruadissetervistoocaemdescerderé,sozinho.Quandosaípara pegá-lo,éclaro,asportasdocarroaindaestavamtrancadaseofreiodemãoestavapuxado. “Dequalquerforma”,continuaEd,“eraevidentequeeuteráquefazeralgumacoisaaindanaquela tardeparainterromperaperturbação.Emumasituaçãocomoessa,amelhorsoluçãoé‘apunhalarodiabo comaprópriaforça’,porassimdizer—portanto,oqueeuprecisavafazererareverteroritualque Stevenhaviarealizado.Euofiz,correndoconsiderávelrisco,masissocolocouumfimimediatona atividade,etambémanulouqualquermalefíciofuturoqueohomemtivesseprojetado—porqueoritual reversoobrigavaoespíritodemoníacoarealizaromalefíciopelasuaprópriacontaeresponsabilidade, ouentãofazercessartotalmenteaopressão. “Naquelatarde,aoterminarmosotrabalho,osr.Zellnerquissabersepoderíamoslevaroespelhode conjuraçãoconoscoquandofossemosembora.Eudisse:“Claro”.Assim,aomenoseusabiaquenão precisaria,voltaraomesmocasopelasegundavez.Então,coloqueioespelhonoporta-malasdocarro,e Lorraineeeupartimosdevoltaparacasa,poucoantesdeescurecer. “Quandoeuerajovemeinexperienteemrelaçãoaosperigosdestetrabalho”,dizEd,“busqueia orientaçãodepessoasbastanteversadasque,muitotempoatrás,jáhaviamaprendidoossegredosmais profundosdestemundo.Àquelaépoca,umhomemextremamentesábiomedisse:‘Ed,eujamaisentraria emcasasparaconfrontarotipodeentidadesquevocêconfronta,qualquerquefosseomotivo—eem especialquandosetratadodemoníaco.Umavezquevocêcruzaolimiareentranomundodastrevas, vocêpassaaviverparasempreemperigo,etambémaquelesaquemvocêama.Gosteounão,vocêserá

único—esolitário—entreoshomens.Nuncaseesqueça:asforçasdiabólicasquevocêdesafiasão astutas,pois,aocontráriodequalquermortal,elaspossuemasabedoriaeoconhecimentodaseras’. “Faziaumfrioterrívelnaquelanoite.Asruastinhamplacasdegelo,entãoseguimosdevagar.Eu tambémsabiaquearemoçãodoespelhohaviaenfurecidocertosespíritosperversosequeissome tornavaobjetodairadeles,então,fizquestãodeserextracautelosoaodirigir.Bemcomousemcautela, aunsoitoquilômetrosdacasadohomem,passeiporumburacopequenonaestrada.Emcircunstâncias normais,Issonãoteriatidonenhumaimportância.Porém,naquelaocasião,estourouumpneuradialnovo, decemdólares—coisaquaseimpossíveldeaconteceremumincidentedesse.Issofezocarrodaruma guinadacInvadirafaixadetráfegocontrária.Carrosfreavamedesviavam,deixandodenosacertarpor umtriz.Foiummilagrenãotermosmorridoalimesmo. “Depoisdetrocaropneu,volteiparaaestrada.Umaenormecarretaapareceuatrásdagente,saiupara aesquerdae,então,entrounafaixaemqueestávamos,bemnanossafrente.Logonoteiquehaviaalguma coisa estranha com relação àquele caminhão: ele não tinha letreiros, placas ou qualquer tipo de marcação.Derepente,apesardeestarmosemumapistaseca,ocaminhãocomeçouaespirraremnosso para-brisalitrosdeumagosmaverdeegelatinosa,tornandoimpossívelqueeuenxergasseláfora.Os limpadoresdepara-brisamalconseguiamretiraraquelacoisa.Quandoconseguienxergaroutravez,o caminhãohaviadesaparecido.Noentanto,assimqueopara-brisaficoulimpo,essemesmocaminhãonos ultrapassoupelaesquerda,entrounanossafaixa,nanossafrente,eprovocouamesmaconfusãooutravez. “Quandoissoaconteceupelaterceiravez,ficouóbvioquealgumacoisasinistraestavaacontecendo, então,pareinabeiradaestradaedeixeiotráfegoseguirenquantoeulimpavaasujeiradopara-brisa. Cincominutosmaistarde,depoisdejátermosvoltadoàestrada,exatamenteomesmocaminhãose aproximou,passoupelaesquerda,entroudeformabruscaedescuidadananossafaixa,bemnanossa frentee,nomesmoinstante,começouaespirrarlitrosdaquelagosmaverdeeespessa.Asubstância atingiu apenas o nosso carro e, quando consegui recuperar a visibilidade, o caminhão havia desaparecido,comoantes.Coisassemelhantesjáaconteceramconoscoquandoestávamosindoaoutras investigaçõesouvoltandodelas.Nuncatinhasidoaquelacoisaverdeantes,masnossocarrojáfoi inundadocomaguaceirosdeurinae—emumaocasião—cerveja.Comosempre,apenasocarroé atingido. “Dequalquerforma,essenegóciocomocaminhãoserepetiupelomenosmeiadúziadevezes,enão haviamododeeuconseguirmelivrardele—oudaquilo.Asituaçãoeratãoperigosaquetínhamos certezadequemorreríamos.Enfimconseguisairdaestradanaprimeiraoportunidade,epegueiuma rodoviasecundáriaquelevavaatéConnecticut. “Tudocorreubempormaisoumenosumahoradepoisdaquilo”,prossegueEd.“Quasenãohavia tráfegonaquelaestradasecundária,entãonossentimosbastanteseguros.Mas,derepente,nomeuespelho retrovisorinterno,noteiumcarroatrásdenósqueseaproximavaaumavelocidadetremenda.Jáestava escuroàquelaaltura,masaqueleveículonãotinhanenhumfarolaceso!Aúnicacoisaqueeuconseguia distinguireraumpardeluzesdepresençafracas.Emumafraçãodesegundo,ocarronosalcançou,jogou paraafaixadeultrapassagemeseguiuatodavelocidadepelaestrada.Eraumcarropreto-azeviche,e juroqueomotoristanãonosatingiuporumtriz.Lorraine,olhandoparaocarroquedisparavaadiante, dissequeeracomoseoprópriodiabotivesseacabadodepassar!‘Bem,podeser’,eudisseaela, 'porqueomalditoidiotaquasenosmatou.’Ocaraeramaluco,dirigindoàquelavelocidade,ànoite,em umaestradacobertadegeloenenhumfarolaceso. "Continueinomeucursoenquantoessecaraseguiarasgandopelaestradaànossafrente.Aolonge,euo vipassarsobreumapontesuspensadeumaúnicafaixa,ecomeçarasubirumacolina.Aúnicacoisaque conseguiaverdaquelecarropretoeramasluzesdepresençatraseiras,efiqueifelizpormelivrardele.

Porém,quandoelechegouaoaltodacolina,maisoumenos1,5quilômetroàfrente,euovifrear,giraro

carronadireçãocontráriaedesceracolinaemgrandevelocidade.Umasensaçãohorrorosa,denáusea,

tomoucontademim.Euconseguiapensarapenasquesofreríamosumterrívelacidente. “Agora, eu já havia entrado naquela estreita ponte suspensa. Mas, no tempo emque eu havia percorridonãomaisdeumterçodela,aquelemalucojátinhadescidoacolinaatodavelocidadeeestava entrandonaoutraextremidadedaponte!‘Oqueéisso?’,lembroquedisseamimmesmo.‘Essecaraestá emalgumtipodeviagemparaamorte?’ “Comaquelecarroavançandoemaltavelocidadenanossadireção,nãohaviapossibilidadededar marchaaréedeixá-lopassar.Aocontrário—seelenãoparasseimediatamente,nósbateríamosde frente!Maselecontinuavaavançando!Aponteformavaumarco,comoumcavalete,sobreumaravina.Se euvirasseparaaesquerdaouparaadireita,nósteríamosmergulhadonovaleemorrido,comcerteza. Quandomeusfaróisiluminaramagradedoradiadordaquelecarro,griteiparaLorraineseabaixarno assoalho.Porque,nacerta,alivinhaaquelemaníacojánomeiodaponte,correndodiretonanossa direção.

“Eleestavaa145km/h.Euestavaa65km/h.Àquelaaltura,mesmoquenósdoistentássemosparar,a

inérciaaindalevariaoscarrosaumacolisão.Eraumasituaçãosemsaída.Mesmoassim,eutinhaque fazer alguma coisa.Restandocincosegundos para batermos,minha vida sereduziua uma pergunta simples:Devodesviarouseguiremfrente?Noúltimoinstante,algomedissecontinueemfrente” “Jánãohaviatempo.MinhasúltimaspalavrasparaLorraineforam:‘InvoqueSãoMiguel!’.Faltando doissegundos—e,nessassituações,vocêpensaemtermosdetempo,nãodedistância—meusbraços estavamfirmesnovolanteeeuestavaprontoparaabatida.Umsegundoantesdacolisão,inspireiuma últimavez.Então,bemnoinstantedoimpacto SSSHHHHH!Eraumcarro-fantasma!Lorrainetinha razão." Autoresreligiosossemprechamaramoespíritodemoníacode“gêniomaléfico"—umareferência veladaàestratégiapremeditadaquepodeserdiscernidaquandooespíritodemoníacoéresponsávelpor perturbaçõesemumacasa.Portanto,emumainvestigação,éprincipalmenteessainteligência—uma forçaracionalativaportrásdosfenômenos—queodemonologistabusca. EmvirtudedanaturezaextraordináriadotrabalhodeEdeLorraineWarren,aestratégiadoespírito demoníacocostumatambémenvolveraambos.Naverdade,elachegaaterinícioantesqueocasal recebaumasolicitaçãoparaentraremumainvestigaçãoousesegueaumtelefonemacomumpedidode ajuda.Edexplicaumrecenteatodevandalismoqueocorreunoseuescritório:

“Issoaconteceumasduas vezespor ano,emgeral depois dopôr dosol.Daúltimavez,porém, aconteceuemplenaluzdodia.Lorraineeeuestávamosnacozinha,depoisdoalmoço.Primeiro,o telefonetocou.Lorraineatendeu,mas,comonãohavianinguémnalinha,eladesligou.Maisoumenosum minutodepois,otelefonetocououtravez—noentanto,emvezdostoquesintermitentesnormais,osom eracontínuo.QuandoLorraineatendeu,umrosnadoguturaleanimalescosefezouvirnalinha. “Elaficouperturbadaemepassouotelefone,etambémouviorosnado.Assimquedesligamos,nosso pastor-alemãocomeçoualatirferozmenteláfora.Nessemomento,começouoque,pelobarulho,parecia serumabrigaviolentanomeuescritório.Davaparaouvirmóveissendoarremessados,eosomde objetoscolidindoequebrandoprosseguiupelomenosporunsdezminutos.Atendênciadamaioriadas pessoasteriasidocorreratéláparadescobriroqueestavaacontecendo,éclaro,masvocênãogostaria detervistooqueestavahavendoláembaixo! “Umahoramaistarde,entramosnoescritório.Eleestavacompletamentedevastado.Quadroshaviam sidoarrancadosdasparedes,arquivosestavamreviradosevazios.Livros,papéis,cadeiras,abajures, mesas—tudohaviasidojogadoemumapilhanocentrodasala.Sabemos,porexperiência,queaquilo nãoeraobradesereshumanos.Aquiloeraobradodemônio. “Entenda,essasentidadessãodelinquentesespirituais.Elesestãosemprelá.Àsvezes,vocêosvê pelocantodosolhos,passandodepressadeláparacá.Outrasvezes,elesficamvagueandoentreoestado físicoeonãofísico:semimaterializados,semforma,comoumanuvemcinza-carvão.Temosumacordo”,

dizEdcomironia,masabsolutamentesério.“Elesnãomeincomodameeunãojogoáguabentaneles.”

Então,porqueoescritóriofoivandalizado?

“Nesteexatoinstante”,respondeEd,“nãosabemosporqueestáocorrendoessaintensificaçãode

atividade,maséprovávelqueaconteçammaiscoisasestranhas—comsorte,nadasério.Essetipode

coisacostumaocorrerumaouduassemanasantesdesermoschamadosparainvestigarumcasosérioem

queapresençademoníacaestáenvolvida.Agoramesmo,aúnicacoisaquesabemoséque,emalgum

lugar,alguémestásendooprimidooupossuídopeloespíritodemoníaco.Apessoaoufamíliaqueestá

sendoassediadaprovavelmentenãofazamenorideiadequemsejamLorraineeeu,emenosaindade

comonoscontatar.Porém,deummodooudeoutro,elesvãoligarpedindoajuda.Noentanto,osespíritos

tambémsabemdisso.Esseé,emparte,omotivoporqueoescritóriofoiarrasado:paratentarnos

intimidardesdejá.Comoeudigo,háummétodoeumaestratégiaemtodosessesfenômenos.”

Acomunidadereligiosahámuitoéalvodeataquesdemoníacos,easpessoaspiedosassãooalvo

preferido.CompareasdeclaraçõesdeEdWarrencomestetrechodabiografiadopadrePio:

Muitasvezes,aoentraremsuacelapequenaemodesta, Pioencontravatudorevirado:oleitosimples,ascobertas,oslivroseatintadotinteirorespingadanas paredes.Essesestranhosespíritosapareciam-lhesobasmaisdiversasformas,emgeralusandohábitos de monge. Certa noite, ele viuque o seuleito estava rodeado de monstros pavorosos [ eles o

agarraram,sacudiramelançaramaochãoecontraasparedes,comofaziamcomfrequênciaaCurad’Ars

[ ].Aforaoseuconfessor,elenãofalavaaninguémsobretaisvisitações. Certanoite,eleviuentrarnasuacelaummongecomasilhuetaeosemblantedopadreAgostino,seu antigoconfessor.Ofalsomongeaconselhou-oeexortou-oadesistirdavidadeascetismoeprivações, afirmandoqueDeusnãopoderiaaprovaromododevidadele.OpadrePio,estupefatocomaspalavras dopadreAgostino,ordenou-lhequeproclamassejuntocomele:“VivaGesu”[VidaLongaaJesus]. O estranho personagem desapareceu de imediato, deixando no aposento um estranho odor desagradáveldeenxofre[ ].[2] Obviamente,ademonologiasurgiunacomunidadereligiosacomoumaproteçãonecessáriacontraessa incrívelinfluênciasobrenatural.Eembora,normalmente,oassuntosejamantidoemconfidencialidade nosdiasdehoje,todasasprincipaisreligiõesdispõemdeumcleroespecializadoquesededicaà

demonologiaeaoexorcismo,nãocomoumresquíciodopassado(opadrePiofaleceuem1968),mas

comoumanecessidadecontemporâneareal.Paraoscatólicos,ademonologiaéumtemaimportanteo suficienteparaserensinadoaocleronasuniversidadespontificaisdeRoma.“Acomunidadereligiosa preferirianãoterquelidarcomoproblemadosfenômenosdemoníacos”,dizEd.“Elaapenasofaz porquetemquefazer.” Enquantodisciplina,ademonologiaabrangeoestudodefilosofia,teologia,psicologia(tantonormal quantoanormal),antropologia,química,biologia,físicaemetafísica.Umaabordagemassimtãoampla permite que o clérigo-demonologista determine, quando outros pesquisadores não o conseguem, se

fenômenosincomunssão,emúltimaanálise,deorigemsobrenatural.Taisjulgamentossãosérios:avida

depessoascostumaestaremjogo.

Alémdeconhecimento,odemonologistaouexorcistaprecisaserdotadodeforçainteriorinabalávele

estarcompletamentenocomandoemsituaçõesdepandemônioirrestritoeviolento.“Umapessoaque

entrasseemumasituaçãodeplenaatividadedemoníacasemautocontrole”,observaEd,“enlouqueceria

emcincominutos.Osfenômenosoatacamatravésdetodososseuscincosentidos;aomesmotempo,eles

seaproveitamdasuapsicologiapessoal.Sevocêapenasvacilar,vocêfraqueja,esefraqueja,cainas

garrasdeumaforçaespecializadaematormentarosinocentes,osignoranteseoscaídos.

]

“Eoqueépior",acrescentaEd,deformaespantosa,“essesespíritosconhecemasuavidainteira:

passado, presente e, emcerta medida, futuro. Na verdade, quando estoutrabalhando compessoas possuídas,aprimeiracoisaqueaentidadepossessoranormalmentemedizé:‘EdWarren,euseiquem

vocêé!’." EmboraEdnãosejaclérigo,elerealizagrandepartedotrabalhodocleronessaárea.“Viagens, investigaçõesdelongaduração,análisededados,discernimentodeforçasespirituais,aconselhamento, acompanhamentoposterior—ascoisasqueocleronãotemtempodefazer—,esseéomeutrabalho,e mais",dizEd.“Serumdemonologistaéalgoquenãosealardeia,entende,porqueaprópriapalavratende logoadeixaraspessoasparalisadas.Tambémnãohámotivoparaalarmaraspessoas,emespecialse estiveremdefatoenvolvidasemumasituaçãodeatividadedemoníacaenãosaibam." Qualquerumquejátenhatestemunhadoosfenômenosignóbeiseprofanosprovocadosporespíritos inumanos malignos sabe que umdemonologista arrisca a vida sempre que entra emuma casa para confrontarasforçasdaescuridão.Nãoobstante,essetrabalhoprecisaserfeito.Docontrário,indivíduos queinadvertidamentecaiamnaarmadilhadodemônioacabarãovendo-sevulneráveisesozinhosna presençadepoderesquesãoimpiedososcausadoresdeterroreviolência.E,comisso,aestratégiado espíritodemoníacoteráapenascomeçado. Comoosr.ZellnertãohabilmentecolocouaodescreverseuproblemaaEdWarren:“Háumser invisíveledementeperturbadanaminhacasa,causandodevastaçãoetentandomesubjugar".Emboraele nãoosoubessenaocasião,osr.Zellnernãoapenasidentificouoproblemacomodefiniuaestratégia básicadaforçademoníacaemumamesmaafirmação.

[1]PadreJohnNicola,DiabolicalPossessionandExorcism[PossessãoDiabólicaeExorcismo].

Rockford,III:TAN,1974.

[2]PadrePio:TheStigmatist[PadrePio:OEstigmatizado],pelorev.CharlesCarty:TANBooks,

1953.

INFESTAÇÃO: OINÍCIODOPROCESSO “Muitoantesdenosenvolvermosemumcaso—aliás,muitoantesdesequersabermosqueháumcaso”,

INFESTAÇÃO:

OINÍCIODOPROCESSO

“Muitoantesdenosenvolvermosemumcaso—aliás,muitoantesdesequersabermosqueháumcaso”, dizLorraine,“eventosestranhoscomeçamaacontecer.Euoschamode‘coisinhasgrandes’.Otelefone tocarádemaneiraestranhae,quandoeuoatender,ouvireivozessussurrandoaolonge,ourosnados animalescos,ouefeitos sonoros esquisitos.Mais tarde,quandoo casovemà tona, é provável que escutemososmesmossussurrosouefeitossonorosnolocalmal-assombrado. “Alémdisso,éprovávelqueoutrosincidentesperturbadoresnosaconteçamantesdoencaminhamento deumcasodeatividadedemoníaca.Porvoltademeia-noite,podemosouviralguémcaminhandoem círculosnoalpendredafrente,ouandandodeumladoparaooutronoterraçodosfundosdacasa.Então, vamosverificar,éclaro,masninguémestaráali,emboraospassoscontinuemaudíveis.Outrasvezes, ouvimospassossubindoàspressasumlancedeescadasdentrodecasa,tentandonosassustar.Podemos verfortesfaróisdecarroseaproximandopelaentradadagaragem,seguidosdosomdepassose,então, trêsbatidasnaportadafrente.Contudo,novamente,aoverificarmos,nãohaveráninguémàportae,de repente,nãohaveránenhumcarronaentradadagaragem.Emgeral,estamossujeitosaouvirumtumulto lánoescritóriodeEd,emboraaportadoescritórioestejatrancadaeosalarmessonorosnãotenham disparado.Podemosestar sentadostranquilamenteemcasaquandopassaumalufadaenregelantede vento,ououvimosofarfalharderoupas,comosealguémtivesseacabadodepassarporali.Umgato pretopodeentrarcaminhandonasaladeestar,sesentaredesaparecer—simbolizandoumenvolvimento demoníaco. “Duasnoitesatrás,Edfoichamadoparatratardeumassuntooficialforadacidade.Eletevequeviajar

paraoMeio-Oeste,efiqueiterrivelmenteapreensivaquantoàsuasegurança.Eexatamenteàs3hda

manhã, ouvi umestrondo tremendo, inacreditável, de alguma coisa arrebentando, inclusive janelas quebrandoeotinirdecacosdevidro.Obarulhoeradefatocomoseotelhadoestivessevindoabaixo! Eumelevanteiepercorriacasausandoumalanterna—porquealuzdesorientaoespíritodemoníaco—, masnãovinada.Emboranãotivesseacontecidonadafísico,aqueleestrondoaindamefaziatremerde medo.Nãodáparaseacostumarcomessetipodecoisa!Emvezdisso,Edeeuviemosacompreender que essas ‘manobras’ negativas, como as chamamos, fazem parte de uma estratégia maior, mais abrangente,daentidadedemoníaca—estratégiaquejáestáemfuncionamentoantesmesmosdesermos chamadosaintervir.Éapenasemretrospectiva,depoisdeocasotersidosolucionado,quearelaçãocom essesincidentesperturbadoresficaclara.Noentanto,oquerealmentesabemosdeantemãoéquealguma pessoaoufamíliaestásendoassediadaporumespíritoquenãoquerinterferênciasefarápraticamente qualquercoisaparanãoserdetectado.” ÀmedidaqueseaproximaomomentoemqueosWarrenseenvolverãoemumcasoespecífico,as obstruçõeseinterferênciasnasuavidatornam-secadavezmaisostensivas.Sealguémestádesesperado porajudaeenviaumacarta,épossívelqueelasejaentreguenoendereçoerrado.Sealguémtenta telefonar,oaparelhonãovaitocar,emboraEdeLorraineestejamemcasaedisponíveis.Mensagensde vozdeixadasnasecretáriaeletrônicadocasalestranhamentenãoserãogravadasouestarãodistorcidas

porintensaestática.UmavezqueamensagemconsigachegaraosWarreneelespartamparaolocal,

pode-seesperarquequalquercoisalhesaconteçanocaminho,inclusivecolisõesdefrentecomcarros-

fantasma.E,comoobservaLorraine:“Quandovistasdeformaisolada,nenhumadessasobstruçõesfaz qualquersentidonaocasião;elasparecemnãopassardecuriosascoincidências.E,repito,apenasdepois dofato,quandooquadrototaléanalisado,équeosatrasoseasobstruçõessemostrampartedeuma estratégiamaisampla”. Informa-nosodicionárioqueestratégiaéummeiodesuperaremastúcia—portruqueseartifícios— afimdeobterumavantagem.Oespíritodemoníacoprovouserclassicamenteummestreestrategista contraohomem.Fazendo-sepresentesemuminstanteedesaparecendonoseguinte,pormuitotempoas complexasmanipulaçõesdessesfamigeradosespíritospermaneceramummistério.Nopassado,fatos acercadomodusoperandidaentidadeerampoucoseseparadosporgrandesintervalos.Nãodispondode livrosneminstrumentosdedetecção,mongescclérigospodiamtãosomentemanterrelatosmanuscritos deperturbaçõesdiabólicasparaopossívelusodefuturoshistoriadores. Agora,contudo,apósséculosdepesquisaeinvestigação,enfimcomeçouatransparecerumpadrão paraocomportamentodemoníaco.Emconsequência,odemonologistadoséculoXX—comoauxíliode livros,tecnologiaecomunicaçãodemassa—temamaiscompletacompreensão,atéhoje,dasestratégias emotivosostensivosdessasentidadeselusivas. “Existem três estágios distintos da atividade demoníaca”, revela Ed, “infestação, opressão e possessão. Emalguns casos raros, a morte pode ocorrer como umquarto estágio ouno lugar da possessão.Seninguéméchamadoapôrumfimnaatividadedoespíritoeaperturbaçãoficalivrepara

seguirseucurso,entãoépossívelpreverquecadaestágioocorreránaordem1-2-3.

“Duranteoestágiodeinfestação,aestratégiaéprovocarmedo—edessemodogerarenergiapsíquica

negativa—,oquecomeçaafragilizaravontadehumana.AscriançasFostervivenciaramoprimeiro

estágiodofenômeno,ainfestação,assimcomoosr.Zellner.Ocasocomabonecadepano,Annabelle,

tambémteriaqueserclassificadocomoinfestação.Emboraessescasosnãoprecisassemteracontecido,

elesilustramqueosfenômenosdemoníacosnãotendemaocorreramenosqueumindivíduodêalguma

espéciede‘permissão’paraqueumespíritoentrenasuavida.Asportastêmqueestarabertasparaqueo

fenômenoaconteça”,afirmaEdcomveemência.

Portanto,emtermosleigos,oespíritodemoníaconãotemlivredomíniosobreohomem.Emvezdisso,

peloexercíciodoseulivre-arbítrio,homensemulheresescolhemabriraportaparaodesconhecidoe,

então,seguemocaminhosombrio.ComoexplicaEd:“Oespíritodemoníacoéumespíritoqueaspessoas

nãoprecisamconhecer.Especificamente,éumaquestãodenecessidadeversusvontade.Umfantasma

precisacomunicaroseuproblema,oufazumavisita,naformadeaparição,paradarinformaçõesque

umapessoavivatalveztivessequesaber.Oespíritodemoníacoédiferente:elesefazpresenteporqueas

pessoas,pormeiodoprópriolivre-arbítrio,queremouconvidamumcontatoespiritualquandonãohá

necessidadedisso.Comrelaçãoaisso,aplicam-seduasleis:aLeidaAtraçãoeaLeidoConvite.

“ApremissadaLeidaAtração”,explicaEd,“ésemelhanteatraisemelhante.Daratençãoaopositivo

atraiopositivo;daratençãoaonegativoatraionegativo.Portanto,pessoasquefazemcoisasnegativasou

claramentecontráriasànaturezaestãobasicamente‘fazendootrabalhodoDiaboporele’e,defato,

atraemespíritosnegativosparajuntodesi.Elesestãonamesmafrequência,porassimdizer.Ocaso

Annabelleéumbomexemplo.Aquelasgarotastinhamumvínculoinocente,masnãonatural,coma

boneca;essafaltadebomsensofoipercebidapeloespíritodemoníaco.Umavezali,elepassouaatuare

oprimiuasgarotasparaqueconsultassemumamédiumeacreditassemnamensagemfalsa.Emsuma,as

jovensderamcartabrancaparaque‘Annabelle’entrassenavidadelas.Seocasotivesseidoadiante,o

rapaz,Cal,correriaumriscorealdeseferirdeformabemséria,issosenãofossemorto;easgarotas

poderiamtersidopossuídaspelaentidade.”

“ComoextensãodaLeidaAtração”,acrescentaLorraine,“oespíritodemoníacotambémpodeser trazidocomoresultadodasaçõesdeumapessoa.Tipicamente,transgressõesnumerosasegratuitasdo bem—maldadespraticadasdemaneiravoluntáriaporumhomemcontraoutro—sãoumavitóriadomal eatuamcomoumsinalaespíritosnegativos.Quandoumindivíduosentesatisfaçãoaocometeratos cruéiseperversos,avibraçãodoseucorposealtera,oqueresultaemumaauradecormaisescuraqueo normal.Assimcomoumtubarãoseguel umrastrodesangue,amudançanaauraatrai umespírito negativoparajuntodapessoa.” Aatraçãotambémpodeocorrer quandoumindivíduodemonstraumlapsoaopermitir queoseu autocontrole vacile. Como coloca Ed: “Se você não consegue se controlar, então alguma coisa vai controlá-lo.Ódio,ira,desespero,tristezaprofunda,embriaguezeumasensaçãodeinferioridadecom tendênciassuicidasvãoatrairodemoníacoemumestalardededos.Ohomemnãorecebenenhumbuquê dodemônio: esses espíritoestá ali apenas para promover a destruiçãodele”. Emsuma,oespírito demoníacocostumaseratraídoporaçõesetendênciasdepensamentoincompatíveiscomobem-estar saudávelepositivo. “Pela Lei do Convite”, prossegue Ed, “a coisa é ‘peça e receberás’. Uma pessoa pode deliberadamenteinvocaroespíritodemoníacopormeiodeumritualouviaumcanaldecomunicação sincero.Esseéumgestoostensivoevoluntário,queenvolvemagiacerimonial,encantamentos,sessões espíritas,ousodotabuleiroOuijaourituaisprofanossecretosemqueoindivíduovoluntariamente convidaumapresençademoníacaparajuntodesi.Realizarumdosrituaiscostumaseroprimeiropasso emumcaminhosemvolta.Aconjuraçãopodeserumatoparticular,feitonaprópriacasadoconjurador, ou—comoéanovamoda—empúblico,comumdoscrescentescultosdesatanismoouconciliábulos debruxasdemagianegraquedefendemtalatividade." Qualéarelaçãoentrebruxaria,satanismoeoespíritodemoníaco?

‘Primeiro,vamosentenderoqueéabruxaria",respondeLorraine.‘Awicca—oubruxaria—tem4

mil anos e é normalmente chamada a ‘religião antiga porque antecede tanto o judaísmo quanto o cristianismo.Aspessoasquepraticamawiccasãoconhecidascomobruxasdemagiabrancaevenerama MãeTerra.Elasmanipulamforçasnaturaispararesultadospositivos—cura,boasorte,amorduradouro ecolheitasabundantes.Alémdisso,noentanto,vocêcomeçaadesviarparaamagiacinzenta,amagia negraeosatanismo.Éaíqueosproblemassurgem,porqueabruxariaéumaviademãoduplaepodeser usadaparaalcançarfinspositivosounegativos. “Amagiacinzentarecebeessenomeporcausadosseusefeitos.Abruxacinzentalançafeitiçose manipulaodestinoeasortedasoutraspessoasdeumaformaquenãoéneminteiramenteboa,nem totalmentemá.Emessência,amagiacinzentaérealizadacomointuitodeproporcionaraumapessoa umavantageminjustasobreoutra.Overdadeiroproblema,porém,estánamagianegraenosatanismo.A bruxademagianegrabuscarecompensasterrenas—dinheiro,sexo,poder,prestígio—ouaruínade adversáriospormeiodoauxílioexpressodeforçasdiabólicas.Essasbruxaspodemrecorrerademônios ediabosmenoresduranteosseusrituais.Jáossatanistasrecorremàhierarquiasatânica—Astaroth, BelzebueatéLúcifer—paraintercederemseubenefício.Paragarantirpodereefetividade,asbruxasde magianegratrabalhamassociadasaespíritosdemoníacosespecíficos,aopassoqueosatanistavaiatéo fimeveneraSatãcomoumdeus. “Nopassado,osrituaisnegativosenvolviamtudo,desdeoassassinatodebebêsatépactoscomo próprioDiabo.Nosrituaismaisextremos,oscelebrantesviravamaBíbliadecabeçaparabaixoe urinavamnela,começandoemseguidaumamarchaemsentidoanti-horário,formandoumcírculomágico enquantoentoavamblasfêmias,renúnciasaDeusesubmissãoaooutrosenhor,Satã.” “Valendo-sederituaisprofanos,ossatanistaseasbruxasdemagianegrasãocapazesdeinvocar espíritos demoníacos específicos e ordenar que cometamatos que tragambenefícios tanto pessoais quantoparaogrupo”,observaEd.“Dinheiro,prestígio,conquistassexuais,riquezasmateriais,enorme

poderpessoaleaquedadeadversáriospormeiodefeitiçosemaldiçõespodemseralcançadospela intervençãodeforçasespirituaisinumanas.Noentanto,oespíritodemoníacoéumagiota,eelenão apenascobraantesquevocêestejapreparado:elequeropagamentoemdobroporaquiloquedá.Em últimaanálise,elequerasuaalma.Éporissoquefeiticeiros,bruxasdemagianegraesatanistasacabam pagandoumaltopreço,talvezumpreçoeterno,poraquiloquefazem." Hojeemdia,indivíduossolitáriosquerealizamritosextraídosdelivretoscompradosembancasde jornalpodemnãoestarpreparadosparaarealidadeaterradoraemgeraldestinadaaencontrá-lospor meiodaquiloaqueEdchamaleicósmica.“FoiissooqueaconteceunocasoFoster”,dizEd.“O

verdadeiroiníciodocasoteriaqueseridentificadocomoodiadeNatalde1977,quandoamãecolocou

umlivrodeconjuraçõesdebaixodeumaárvoredeNatal,acreditesequiser!Háumgrandesimbolismo aí.Assim,elafezoconvitebásicoparaqueoespíritodemoníacoentrassenacasadela.Sejacomofor, foiMegquemdeuapermissão.Seelativessedevolvidoolivroouojogadofora,nenhumdosincidentes insólitosteriaacontecido.Noentanto,pelapróprialivrevontade,Megrealizouosrituaisformaisde convitequecolocaramoprocessoemmovimento.” QuandonemaLeidaAtraçãoenemaLeidoConviteatuam,entãoainfestaçãoespiritualdeumacasa jádeveterocorridoantesdeosnovosmoradoresseinstalarem.IssoaconteceunocasoAmityville,por exemplo,noqualafamíliaLutzcaiuemumaarmadilhasobrenatural.Curiosamente,osWarrenafirmam queessaéaformapelaqualamaioriadas*pessoascomunsentraemcontatocomfenômenosespirituais inumanos.Nãoobstante,mesmoemumacasainfestada,nemtodasaspessoasestarãovulneráveisà interferêncianegativa.“Umapessoafelizeequilibrada”,dizLorraine,“teoricamentebloqueiaaentrada deforçasnegativascomasuadisposiçãopositiva.Poroutrolado,assimcomoumamoscaéatraídapara opapel pega-mosca,umapessoamelancólicaedeprimidaemumacasainfestadaéquasequeuma garantiadeproblemas.Namaioriadasvezes,porém,ofenômenoéconvidadoparaavidadealguémpela permissãodadaparaqueosespíritosentrem.” Dequemaneirasessapermissãopodeserdada? “Pela abertura de canais de comunicação que deveriam permanecer fechados”, responde Ed. “TabuleirosOuija,sessõesespíritas,cerimôniasdeconjuração,rituaiscomvelas,instrumentosdeescrita automáticasãoportasqueseabremparaosobrenaturale,maiscomumentedoquesepensa,levampor umcaminhodeinfortúnio,terroreruína. “OtabuleiroOuijajáprovouserumafamigeradachavemestraparaoterror,mesmoquandoaintenção dacomunicaçãoédenaturezaabsolutamentepositiva”,ressaltaeledeformaenfática.“Detodososcasos aqueatendemos,quatroemcadadezenvolvemindivíduosquecontataramespíritosinumanospelousode umtabuleiroOuija.Fuiumadaspoucaspessoasqueexaminaramosregistrosoficiaisdocasoretratado nolivroOExorcista.Aquelecaso,que,apropósito,aconteceuaumgaroto,nãoaumagarota—ocorreu

em1949e,sabecomoelecomeçou?ComousodeumtabuleiroOuija!

“Emsimesmo,oOuijanãoénada”,acrescentaEd.“Nãopassadeumpedaçodepapelãoprensado comoalfabetoescritonele.Omesmoefeitopodeserobtidocomumataçadevinhoemborcadasobre

umamesaencerada,comosecostumavafazernadécadade1930.Porém,emqualquerumdoscasos,é

ummeiodecomunicação.Epoutraspalavras,oproblemaéparaqueseusaoobjeto.Quandovocêusao

tabuleiroOuija,dápermissãoparaquequalquerespíritodesconhecidosecomunique.Vocêabririaa

portadafrentedasuacasaedeixariaentrarqualquerumqueoquisesse?Éclaroquenão.Porém,é

exatamenteissooqueestáfazendoemnívelsobrenatural.SãoraríssimasasocasiõesemqueLorrainee

euencontramosalguémquetenhatidoumaexperiênciaverdadeiramentepositivaaousarotabuleiro

Ouija.Paraaquelesquaseviciadosnotabuleiroequepensamestaremcontatocomo‘divino’,nunca

houve,atéondesei,umaúnicasituaçãoemqueumespíritoangelicalpositivotenhavindoaumtabuleiro

Ouijacomumagenuínamensagemprecognitiva.Comojádissemosmuitasvezes,antesqueamaioria

dessasatividadesocorra,éprecisoqueseabramasportas.OtabuleiroOuijaéumamaneiradefazer

isso.”

“Omesmoproblemaacontececomsessõesespíritas”,observaLorraine.“Quandopessoascomunsse

envolvememcomunicaçõescomentidadesespirituais,simplesmentenãoháqualquergarantiaquantoa

quemouoqueestásecomunicandodooutrolado.Acomunicação‘àscegas’éaoportunidadeperfeita

paraumespíritoenganadorentrarnavidadeindivíduoscrédulos.”

Maséimpossívelfazercontatocomamigoseparentesquejáseforam?

“Sevocêtemseis,oito,dezpessoasconcentrandoamentenacomunicaçãocomosespíritos”,dizela,

“entãoháumaenormeprobabilidadedequeacomunicaçãoaconteça.Mas,aindaassim,vocênãosabe

comoqueestásecomunicando.Geralmente,asinformaçõespodemserverificadasporumaúnicapessoa

àmesa.Contudo,comosaberqueasinformaçõesnãoforamtransmitidasaoindivíduoporumespírito

negativo—atravésdatelepatia—antesdeaperguntaserfeita?

“Alémdisso,nemtodapessoaquefaleceficanecessariamentepresaàterraeàdisposiçãoparase

comunicarcomvocê.Afimdeseconduzirumasessãoespíritadeformaadequada,vocêdeveprimeiro

terumarazãomuitoboaparaisso.Deveterconsigoummédiumprofissionalexperientequevenhapor

recomendaçãodeumaorganizaçãodepesquisapsíquicadeboareputação.Umclarividentelocalbem-

intencionadomasingênuoouummédiumamadorpodemfazercontatocomespíritos,masnãoconseguirá necessariamentediscernirseoespíritoemquestãoébom,mauouindiferente.Nessecaso,tomoadizer, vocênãosabedefatocomquemestáfalando. “Outroponto:umasessãoespíritadeveserrealizadaduranteodia.Emgeral,espíritoshumanostêma mesmacapacidadedesecomunicarduranteodia”,explicaLorraine.“Sessõesespíritasrealizadasà noitemuitocomumentetrazemespíritoshumanosnegativosouespíritosdemoníacos—àsvezesporqueo indivíduoqueestárealizandoasessãojáfoioprimido,deantemão,afazê-lanashorasdeescuridão. Quantasvezesvocêjáouviufalardemesasdesessõesespíritasseerguendonoaresemovendopela sala?Fantasmasnãotêmopoderdeerguermesas,aindaqueoquisessem.Apenasduascoisaspoderiam fazerisso:umespíritoinumanoou,oqueémaisprovável,aenergiapsíquicageradapelaspessoas sentadasaoredordamesa. “Aquestãoé,sevocêtemumanecessidaderealdesecomunicarcomlpoutrolado,issodeveriaser importante o suficiente para você buscar a ajuda de umespecialista autorizado. Do contrário, terá problemassenãotomarcuidadosquedevemantecederumasessãoespírita." Umavezdadaapermissão,querpormeiodaLeidoConviteoudaLeidaAtração,restaverificarsea infestaçãodefatoocorreu.Emcasoafirmativo,osWarrendizemqueissoseránormalmentenotadocomo umaumentogradualdepequenosincidentesaolongodeumperíododesemanasouatémeses. “Duranteainfestação,aestratégiadoespíritodemoníacoécausarmedopormeiodeincidentescom fenômenos inexplicáveis", conta Ed. “Aatividade prevalecerá sobretudo durante as horas de maior

aberturapsíquicadanoite,entre21he6h,comopicoocorrendoentre1he5h.Osprimeirosincidentes

daatividadetenderãoaacontecerexatamenteàs3hdamanhã.Essehoráriosimbólico,o‘meio-dia’do

diademoníaco,éescolhidocomoumgestodezombaria,porqueestáemdiretaoposiçãoaohorário tradicional damortedeJesus.Ocorridaainfestaçãoinicial,osfenômenosvãotender airromper a qualquerhorárioapósopôrdosol.Seoespíritoinfestadorpuderabsorverenergiaduranteashoras clarasdodia,aatividadetambémpoderáocorrerduranteesseperíodo,emboraemmenorgrau. “Noentanto,aolongodosestágiosiniciaisdainfestação,oespíritoemgeralfaztremendosesforços paradisfarçarasuaatuação”,acrescentaele.“Nãoédointeressedoespíritoinfestadorserdescoberto prematuramente.Portanto,aatividadenãochamarámuitaatençãoenquantooespíritoseestabelece.Em geral, as pessoas ignoraram os fenômenos implausíveis, considerando-os acasos inesperados, coincidênciasouilusõesnaturais.Nomáximo,aatividadeinsólitaseráatribuídaàpsicocineseouà atuaçãodeespíritoshumanosatormentados.Namaioriadasvezes,essejulgamentoestácorreto.Porém, naquelasrarassituaçõesemqueháforçasinumanasnegativasportrásdaatividade,aatuaçãodeuma

inteligênciasinistraaospoucosficaráevidente.” VistoqueocasoFosterilustraoestágiodeinfestaçãonasuaformamaisfácildeserreconhecido,vale apenadedicaralgumtempoàanálisemaisdetalhadadocaso. “Paracomeçar”,dizEd,“nãohouvenenhumamaterialização,antes,duranteoudepoisdocaso,deum espíritohumanopresoàterra.Emvezdisso,osfenômenosexterioresrefletiamaintervençãodeum espíritoinumano,umavezqueumfantasmanãoteriasidocapazdeprovocaramaiorpartedasestranhas ocorrências.Alémdisso,nãohavianadadealeatóriocomrelaçãoàatividade.Narealidade,emvezde serumamanifestação-dissipaçãofortuitadeumfantasma,aquelaatividadeeradinâmicaeorientadaaum objetivo,oquesugereumaestratégianegativa. “Alémdisso,aatividadedespertoumuitomedo.Esseéumsinalclarodeumapresençademoníaca, porqueespíritosinumanosprecisamdomedoparasemanifestar,aopassoqueosfantasmasnão.Os fenômenosviolentoseperniciososnocasoFostertinhamointuitodeassustar.Issoficouevidentequando Megmedisse:‘Quantomaismedoeusentia,maisaltaficavaabarulheiraaquiembaixo’.Percebe? Apenas quando o indivíduo nota que alguma coisa estranha está acontecendo é que os fenômenos começamaficarassustadores.Nestecaso,Megsentiuumtoquegelado,então,ocabelofoipuxadoe, depois,elatodafoipuxada,tudoissoporumamãoinvisível.Passostambémforamouvidos,levandoas criançasapresumirquehaviaumapresençafísicanacasa.Elastambémpassaramporumarodada apavorante de móveis se quebrando, sussurros mágicos e a manipulação do rádio, das luzes, dos relógios,dastorneirasedatemperaturanoscômodos.Atémesmoocãosurdoreagiuàpresença!” Ademais,aadolescentemencionoutervistoumaformaescurapelocantodoolho.Issoestariacorreto* deacordocomosWarren,porqueoolhofísicoéfeitoparaverimagensnaturais;imagenssobrenaturais costumamser detectadas pela visãoperiférica.“Aforma emsi era provavelmente a dos primeiros estágios damaterializaçãodoespíritoemumamassanegra”,comentaEd.“Àmedidaqueagarota liberavacadavezmaisenergiapsíquicanegativa,oespíritorecebiaosrecursosdequeprecisavaparase manifestar.” “Mesmonoestágiodainfestação,háummétodonaloucura”,observaLorraine.“Opássaro-fantasma quecantavaànoitenaárvorequejánãoexistiadoladodeforadajaneladospaiseraumprenúnciode queeventoscalamitososestavamporvir.Quandoosfenômenosdefatoocorreram,atendênciaeraquese manifestassememsériesdetrês.Asluzesforamapagadastrêsvezesantesqueagarotasentisseotoque damãogélida.Orelógionoquartodagarotaestavatrêshorasadiantado;orelógionoquartodomenino estavatrêshorasatrasado.Ocabelodagarotafoipuxadonãouma,mastrêsvezes.” “Fenômenosqueocorrememsequênciasdetrêsconstituemumaassinaturadaatuaçãodemoníaca”, ressaltaEd.“Normalmente,aprimeiracoisaqueaconteceemumcasodeinfestaçãoéosomdetrês batidasnaporta.Nãohaveráninguémali,éclaro,pelomenosninguémvisível.”Noentanto,porqueo usodonúmerotrêspeloespíritodemoníaco?“Otrêséusadocomoumsinal”,respondeele.“Otrêsé usadopropositadamentecomouminsulto—parazombardaTrindade.Noentanto,oseiséonúmerodo diabo.Açõesdemoníacasemregravãoaconteceremgruposdeseis,demodoquefiqueabsolutamente claroqueosfenômenosnãoforamaleatórios,maspremeditados.” QuandoascriançasFostercorreramparaforadecasa,elassentiramumaforçamaléficaquediminuiu quandoestavamembaixodopostedeluzdarua.EsseéoutrofatosignificativoparaosWarrenporque forçasnegativasmostram-seincapazesdeagiremumambienteiluminado.Nãoéporcoincidênciaque esses espíritos são conhecidos como espíritos das trevas. Além disso, os pássaros que piavam selvagementeestavamematividadeapenasàesquerda.EmoutroscasosqueEdeLorraineinvestigaram, pássaros que guinchamà noite, à esquerda, costumamser encontrados no chão, mortos, na manhã seguinte. ComoficaevidentenocasoFoster,aatividadedeinfestaçãonãoocorrecomoumainvestidarápidae ostensiva.Emvezdisso,osfenômenoscomeçarãocomtrêsbatidasagourentasàportaoupassosserão

ouvidospelacasa.Podehaverumbarulhodealgoraspandoouarranhandodentrodasparedes.Pontos estranhamentequentesoufriosserãodetectadosemcertasáreas.Umcômodooulocalespecíficodacasa causarárepulsaouparecerá“assustador”.Sonsdesussurrooudeumarespiraçãopesadapoderãoser ouvidosporqualquerpessoapresente.E,acimadetudo,oindivíduoqueestáemumambienteinfestado sentiráconstantementequeháoutrapresençaali.Essasensaçãodeumapresençanolocalaumentaráatal

pontoqueafamíliapodecomeçaraacordaremhoráriosespecíficosdanoiteouprecisamenteàs3hda

manhã. Duranteoestágiodainfestação,comopassardotempo,coisascomeçarãoaacontecer.Guinchosde filhotes de animais talvezsejamouvidos, vindos daquele cômodo “assustador”. Obarulho de algo raspandoouarranhandodentrodasparedesmudaráparabatidas,pancadaslevese,maistarde,emgolpes pesadosesurdos.“Peças”serãopregadascomoobjetivodedespertar fúria.Eletrodomésticosvão começarafuncionarsozinhos.Otelefonevaitocar,massemquehajaligaçãonenhuma.Acampainhada portadafrentesoaráaomesmotempoemqueseouvirãobatidasnaportadosfundos.Ninguémvaiestar atrásdenenhumadasportas. “Outraindicaçãodeumapresençainumanaéamovimentaçãoinsólitadeobjetos”,dizLorraine.“Um copodecristalpodecairnochãosozinho,maselenãovaiquebrar—vaiquicar!Acomidanofogonão cozinha.Aáguaemqueémergulhadaalouçaparalavarcongela.Chavesnãovãoabrirfechaduras. Maçanetas não vão girar, prendendo a pessoa no porão ou no banheiro. Outras vezes, as coisas simplesmente não permanecemonde foramdeixadas, não importa quantas vezes os objetos sejam recolocadosnolugar. “Tudoisso,éclaro,exigedemaisnãoapenasdapaciência,masdasanidadedoindivíduo.Noentanto osefeitospsicológicosnãosãoumelementodesseestágio.Emboraaatividadeestranhapossaprovocar certaansiedadeemuitapreocupação,amentedoindivíduoaindanãofoiinvadida,comoocorrena opressão.Crianças,emespecial as bempequenas,sãomuitíssimovulneráveis àatividadeinumana, mesmonoestágiodainfestação.Ébastantecomumquebebêsdeumoudoisanosdeidadeemuma residênciainfestadaacordemgritando,completamenteaterrorizados.Oespíritodemoníaconãosente nenhumremorsoemassediarumbebê.Umapessoaqueestejaalertaequefiquedesconfiadaeconsiga identificarosprimeirosmecanismosdosfenômenosdemoníacosdeveprocurarajudanamesmahora, antesqueoseventosavancemparaumnívelmaispessoale,então,saiamcompletamentedocontrole. “Umaperguntaqueaspessoascostumamnosfazer”,dizLorraine,“é:‘Comovocêssabemqueexiste umespíritoinumanoemumacasa?’Arespostaéque,quandoumespíritodemoníacoinumanoestá presente,vocêsabequeeleestáali.Mesmoantesdosseuscincosentidoscomeçaremaperceberofato,o sextosentidojáestáabsolutamentecientedaquelapresença.Quandoentrevistamospessoascomrelação aessesespíritos,omaiscomuméquedigam:Tiveumahorrívelsensaçãodemorteàminhavolta’.Ou:

‘Davaparasentiromalnaquelecômodo’. “Quandovocêestáemumambienteespiritualmenteinfestadoeosseuscincosentidosentramemação, vocêverá,sentiráeouvirácoisasclaramentehorrendasouanormais.Masmesmoissonãoésuficiente paraoespírito”,prossegueela,“porqueessacoisatemquefazê-lotermedodela.Assim,otumulto assustador que ela promove é parte da estratégia. É bemverdade que, nos primeiros estágios da infestação,osfenômenosserãoambíguos.OlevitardeumaxícaradechápodesercausadoporPKou porumfantasma—eoespíritodemoníacosabequeissoseráchamadodepoltergeist,emvezdeser referidocomoaquiloqueédefato.Oespíritodeliberadamenteseescondeatrásdaambiguidade,afim deseestabelecer.Portanto,nãoseolhaapenasparaosfenômenosobserváveis.Vocênãopodeapontar paraqualquerxícaradecháqueestejalevitandoedizer:‘Arrá!Éumfenômenodemoníaco!’Épreciso vertambémacomplexidadepropositaledirigidaqueacompanhaaperturbação.Aatividadeassumeum padrãocheiodesignificado.Oque,aprincípio,pareceserumasequênciacuriosadeacontecimentos acabaporserevelar,apósoseuestudo,umconjuntodeeventosintegralmentevinculadosumaooutro,

algodiferentedecoincidênciaseatividadesarbitráriasealeatórias.” Emboraohorrorvivenciadoduranteainfestaçãojásejaterrível,eleétãosomenteumapreparação para o pandemônio que tende a ocorrer no estágio seguinte. Ainda que as perturbações durante a infestaçãosejaminquietantes,irritantesouassustadoras,duranteaopressão,oespíritocomeçaaassumir ocontrole e a usar todoopoder malignoque temà sua disposição.Comocoloca Ed: “Durante a infestação,vocêtemumproblema.Comaopressão,vocêtemumverdadeirotranstorno”.

OPRESSÃO: AESTRATÉGIAREVELADA Ainfestaçãosignificabasicamentequeumacasaestámal-assombrada.Aopressãosignificaqueos

OPRESSÃO:

AESTRATÉGIAREVELADA

Ainfestaçãosignificabasicamentequeumacasaestámal-assombrada.Aopressãosignificaqueos espíritosqueassombramacasaestãotentandosubjugaraspessoasquevivemali.Emnívelprático, portanto,umassuntoqueosWarrenenfatizamnassuaspalestraséodosfenômenosdeopressão.Eeleso fazemporqueainfestaçãodeumacasaporespíritospodeterocorridosemquefossepercebidaoupode estaremcursosemquesejareconhecida—eaprimeiravezquesenotaalgumproblemaéquandoa opressãojáteveinício. Duranteainfestação,aestratégiademoníacaécausarmedoafimdedestruiraforçadavontade humana.Duranteaopressão,oespíritojáestabelecidoalitendealançarumbombardeiodefenômenos inacreditáveisouiniciarumataquepsicológicofurtivodestinadoadominarcompletamenteavontadeda vítima. “Oprincipalobjetivonaopressãodemoníaca”,dizEd,“éfazercomqueoindivíduopercaocontrole oudemonstreumlapsomomentâneonasualivrevontade,oqueabreaportaparaqueocorraapossessão. Aestratégia do espírito infestador neste estágio é começar a provocar fenômenos tão terríveis e desnorteadoresquepraticamentedestroemavontadeeatolerânciadapessoa.Noentanto,essaatividade desenfreadaeanormaléumadistração.Aocorrênciadefenômenosemduasfrentes—afísicaea psicológica—enfraqueceedesorientaavítimaaomesmotempoemquelevasuasemoçõesaolimite. Alémdisso,parapiorarascoisas,seumaoumaisentidadesforambem-sucedidasduranteainfestação, então,outrosespíritosaindamaispoderosospodementraremcenae,nesseponto,osfenômenosquejá eramruinsficampiores,edaípassamaserterríveis.Oautocontroleéessencialnesteestágio,poisuma veziniciadaadestruiçãosistemáticadavontade,aatividadenãovaicessaratéquealguémafaçaparar. A percepção do problema é crucial porque a atividade aos poucos crescerá até se transmutar gradualmenteemumcompletocaos.” Aestratégiadeopressãopodeserresumida,deformamaisacertada,aisto:oespíritodemoníaco procuradesumanizaroindivíduo.Portodososmeios,eletentareduzirumserhumano—demodo ostensivoouvelado—aoseuestadomaisdegenerado.Escritoresreligiososhámuitoreconheceramesse fatoe,emconsequência,dividemaestratégiadaopressãoemdoistipos:ainterna(pelamente)ea externa(pelossentidos).Umaconstituiumfenômenopsicológico;aoutra,físico. Aopressãoexternaéumaocorrênciapassíveldeobservação:umespíritonegativointeragecomo mundofísicoparaprovocarfenômenosilusóriosouassustadores.Nesteestágio,afirmamosWarren,a pessoapodeveresentiraatividade.“Nãohácomoconfundi-la”,ressaltaLorraine.“Forçabrutaéusada paraaterrorizarumapessoaoufamília.Enlouquecidopornatureza,oespíritodemoníacodirigeasua fúriaàdestruiçãomaterialouaoataqueapessoas.Emalgunscasos,haverápistassutisdeumapresença espiritual; emoutros, umcompleto rompante de ira. Porém, empraticamente todos os casos que examinamos,osespíritosqueinfestamacasadefatomanipulamoambientefísicoemalgumamedida.” Quetiposdecoisasacontecemcompessoasquedeparamcomfenômenosespirituaisinumanos?Aque intensidadeaopressãopodechegar?

“QuandoLorraineeeusomoschamadosaatuaremumcasoemqueestejaacontecendoopressão externa”,dizEd,“háinvariavelmenteumimensoterrorenvolvido.Oataque—eéissoquecostumaser —atingeafamíliaemnívelnaturalesobrenatural.Quantoaostiposdecoisasquepodemacontecer,em geral, os cinco sentidos da vítima serão saturados coma percepção de fenômenos assustadores ou repulsivos:odoresnauseantes,gemidosmacabros,gritosapavorantes,batidas,pancadaslevesefortes, respiraçãopesadaesussurrosmágicos,passossemcorpo,rápidasalteraçõesdetemperaturaemum cômodo,visõeshorripilanteseassimpordiante.Quandoumaperturbaçãorealmenteavança,digamos, para o que chamamos de assédio diabólico, então se observamfenômenos como materializações, desmaterializações,teletransportes,levitações—depessoaseobjetos,sensaçõesdeestrangulamentoao redor do pescoço, braços que são agarrados por trás, cortes, queimaduras, talhos, feridas, súbitas doençascríticas,doresdecabeçatorturantes,vulgaridadeseblasfêmiasescritasnasparedespormãos invisíveis, irrupções espontâneas de fogo, vozes inumanas falando ao telefone, faces demoníacas aparecendonateladatelevisão—tudooquevocêpuderimaginar,eujávi.Àsvezes,asvítimassão mantidasprisioneirasdentrodaprópriacasaenquantosãosistematicamentesubjugadas,eatémortas,por forçasinumanasemaléficas.Emtermosmentais,océrebroficarásobrecarregado;emtermosfísicos,o corpoficaráexaurido;e,emtermosemocionais,apessoaoufamíliaficaráarrasada,prostrada.Énesse ponto, quando a atividade se toma absolutamente insuportável, que a vítima é acordada às 3hda madrugadaporumaentidadevestidadepreto,depé,aopédacama,dizendoparaapessoapararde resistir!Issoéterror,éopressão! “Vejamosumbomexemplo”,dizEd.“Todoano,milhõesdenorte-americanosmudamderesidência,e umnúmero significativo deles passa a morar emcasas onde existe a possibilidade de umespírito

dormenteserativado.FoiissooqueaconteceuaosCarlson.OsCarlson,umcasalfeliznacasados30

anos,comprouumaantigahospedariaaquinaNovaInglaterra.Eraumabelaresidênciaantiga,comoque tiradadeumailustraçãodaCurrier&lves[empresadeimpressõesdelitografiasquefuncionouentre

1834e1907],eparaaqualsemudaramemumaSexta-FeiraSanta.Agora,NathanCarlsonviajavae

ficavaforaduranteasemana,masaesposadele,Alexandra,ficavaemcasaotempotodoparacuidardo bebêedafilhamaisvelhadocasal.Poucotempodepoisdamudança,asra.Carlsoneafilhacomeçaram aouvirpassosnoprimeiroandar,onde,nopassado,oshóspedescostumavamficar.Duranteatardeejá noiteadentro,elasouviampassosarrastadosdebotassemovendopelopisoacimadelas.Opadrãodo somerasempreomesmo. “Airmãmaisvelhadasra.Carlson,quemoravaaliperto,àsvezespassavaanoitenacasaeajudavaa cuidardascriançasenquantoosr.Carlsonestavafora.Afilhaeairmãdasra.Carlsondormiamno primeiroandar,etambémouviamaquelespassos.OsCarlsontambémtinhamquartoslocalizadosem outropontodacasaparaosfuncionáriosruraisdapropriedadequeviviamali,eesseshomensouviam passosfazendocírculosemvoltadesuacama.Naverdade,enquantoasra.Carlsondormia,ànoite,ela eraacordadapelosespíritosdacasa,quechegavamapuxaroscobertoresdacamaenquantoelaestava deitada ali. Mais tarde, ela descobriu que a mesma coisa acontecia aos funcionários rurais da propriedade, o que explicava por que os homens em geral se demitiam pouco depois de serem contratados. “Porfim,osfenômenosdeinfestaçãoevoluíramparasussurrosquepodiamserouvidosatrásdeportas fechadas.Noentanto,quandoasra.Carlsonesuairmãmaisvelhaverificavamocômododeondevinham ossussurros,nuncahavianinguémali.Emboraaquelesespíritosprojetassempalavrasemgeralaudíveis osuficienteparaserempercebidasasmulheresnuncaconseguiamidentificaralínguaqueestavasendo falada.Àsvezes,essalínguamisteriosaouvidaemcasasinfestadasacabasendotãosomenteoinglêsdito detrásparafrente. “Otempopassavaeotormentoprosseguia.Depoisdearrumaracasa,enfeiteseoutrospequenos objetosnuncaestavamexatamenteondeasra.Carlsonoshaviadeixado.Ànoite,doladodeforadacasa,

viam-seluzesacesasnosótão—emboranãohouvesseeletricidadeláemcima.Umdia,enquantopintava umquarto,atemperaturacaiuderepente,eelasentiuumamãotocaroseuombro.Asra.Carlsondisse terficadotãofuriosaqueatirouabrochadepinturanadireçãoemqueelaacreditavaestaraentidade,e gritou:‘Nãoseiquemvocêéouoquequer,masnãovaimepegar’.Asra.Carlson,éclaro,contavaao marido sobre tais perturbações. Entretanto, o sr. Carlson, nunca tendo vivenciado os sons ou os fenômenos,nãodavaimportância,dizendoàesposaqueeramrangidosdecasavelha. “Issofazpartedaestratégiadoespíritodemoníaco,éclaro—direcionarosfenômenosapessoas específicas,enquantooutrasnãovivenciamnada.Emgeral,aopressãoseconcentraráemumoutalvez doismembrosdogrupofamiliar.Realmentenãoimportaseoespíritojáestavanasdependênciasquando acasafoicompradaouseascriançasotrouxeramaousarumtabuleiroOuija.Seháumespíritonegativo lá,elevaiatormentaralguém.Normalmente,aentidadeescolheráapessoamaisvulnerável,emtermos psicológicos,oualguémquepasseamaiorpartedotemposozinhonaresidência.Nãoéprecisodizer que,emgeral,essapessoaéadonadecasa.Quatroemcadacincocasosdeopressãoepossessãoque investigamosenvolvemmulheres.Oespíritodemoníacoachamaisfáciloprimirmulheresporqueelassão geralmentemaisabertasesensíveisqueoshomens—alémdofatodeestaremfisicamentenocenárioem queoespíritoinfestadorestáativoenquantoomaridoestáfora,trabalhando. “O motivo por que o espírito demoníaco escolhe uma pessoa é óbvio: duas pessoas poderiam compararasexperiênciasereconhecerumainfluênciaexterna.Poroutrolado,umaúnicapessoanãotem meiosdeprovaroqueestáacontecendo.Sentirotapalevedeumamãoinvisívelnoombro,ouvirbatera portadeumcômodovazio,encontrar umanel decasamentonofundodovasosanitáriopodemser experiências um tanto perturbadoras, mas não indicam nada sobrenatural. Assim, para evitar a ridicularização,apessoanãofalasobreoproblema.Emvezdenósdoisproblemasapartirdeum,o indivíduooprimidosimplesmenteinternalizaaexperiência. “Noentanto,maiscedooumaistarde,surgeadúvidacomrelaçãoasimesmo,eapessoacomeçaa questionaraprópriasanidade.Elanãoconsegueencontraraorigemdasbuzinasdeautomóveisque ecoamnasaladeestarànoite.Elanãovêninguématrásdesidepoisdesentirumpuxãonoscabelos. Nãoconsegueencontrarnenhumanimalmortoqueexpliqueoodorrepugnantequesefazsentirdepoisdo pôr do sol. Estou de lato vivenciando isso? — a vítima pergunta a si mesma, comhonestidade. Naturalmente,oespíritoopressortiraproveitodadúvidaquecriou,passandoaalimentá-laatéquea pessoajánãosaibaseestáindoouvoltando.Épor issoqueos fenômenos sãoconsiderados uma distração.Elessãoproduzidosparadesestabilizaravítima.Portanto,naopressão,aindividualidadeé intencionalmenteatacadaporumaforçaexternae,seavítimacomeçaaperderocontrole,entãoestáaum passodapossessão—oobjetivo,éclaro,daentidadeinumanapossessora. “NocasoCarlson”,continuaEd,“fenômenosdeopressãoexternaocorriamquasequetododia,visto queainfestaçãojáhaviaocorridonacasamuitotempoatrás.Astorneirasdacozinhaedobanheirose abriamderepente,comforçamáxima,eaomesmotempo.Ouviam-sebatidasincessantesnasjanelas, portasseentreabriam,esemprehaviaospassosdebotasemovimentaçãodepessoasandandonoandar decima.Umaverdadeiracasamal-assombrada!Emalgumasocasiões,asra.Carlsonouviatrêsbatidas naportadafrente—sinalconvencionaldeumapresençainumana.Contudo,semprequeiaatéaporta, nãohavianinguémali.Noprimeiroandar,umvisitanterelatoutervistoumacobranopeitorildajanela depoisdeouvirtrêsbatidaslevesnajanela.Porém,nãoexistianenhumaárvorepróximapelaqualo réptilpudessetersubido. “Certavez,aoouvirosomdetrêsbatidas,asra.Carlsontambémescutouaportadafrenteabrire fecharemseguida,aoqueseseguiuumbarulhodepassospesadosdebotasnoandardecima.‘Agoraeu opeguei’,pensouela.Comtodaacoragemquetinha,asra.Carlsonsubiuasescadas,armadacoma pistoladomarido,everificoucadacômodosistematicamente,determinadaaencontraroodiosointruso. Mas,éclaro,nãohavianinguémvisívelali.Comoacontececomtantafrequênciaquandoodemoníaco

estáenvolvido,elafoitapeada. “Entretanto”, prossegue Ed, “esses foram basicamente pequenos incidentes se comparados às ocorrênciastrágicasesinistrasqueseseguiramdepois.Enquantoviviamnacasa,osCarlsontiveram outrofilho.Umanoite,quandoasra.Carlsoneumaempregadadafazendaassistiamàtelevisãonasala deestar,elasouviramderepenteumaexplosãofortíssima,tremenda.Aoselevantaremdeumsaltopara veroqueera,pensandoqueacaldeirativesseexplodido,encontraramaportadoquartodobebêaberta, estouradacomviolência.Objetosaindasacudiamevibravamquandoelaschegaram,eatemperatura dentrodocômodo‘eraigualàdeumacâmarafrigorífica’,disseamãe.Obebênasceuprematuroe,até poucas semanas antes, havia ficado emuma incubadora, no hospital. Embora os espíritos da casa tivessemevidentementetentadomatá-lo,obebêconseguiusobreviveràexperiência.Noentanto,quando omenininhotinhatrêsanos,asra.Carlsonfezoutradescobertasurpreendente.Umdia,aopassarpelo filho,elederepentesoltouumgritoaltoeestridente.‘VocêpisouemBeatrice!’,disseeleàmãe,com muitaclareza.Sendoaqueleumnomesofisticadodemaisparaumacriançadetrêsanosconhecer,emais aindapronunciar,asra.Carlsoncolocoudeladoasroupasparalavarqueestavacarregandoeperguntou àcriançaquemeraBeatrice.‘Elaéminhaamiga’,respondeuomenino.‘Elamedizoquefazer.’Asra. CarlsonentãopediuaofilhoqueperguntasseaBeatricequemelaera.Ogarotinhoperguntoue,depoisde aguardarpoucossegundospelaresposta,eledisseàmãe:‘Beatricememandoudizeravocêqueelaé umabruxa!’ “Comoamaioriadaspessoas,osCarlsonnãoacreditavamemfenômenosespirituaisnemconheciam nadasobreeles,demodoqueaquelasentidadesinvisíveisdentrodacasaexerciamumdomínioquase queirrestritosobreafamília.Econtinuouassimatéque,porfim,certanoite,ascoisaschegaramaum pontocrítico.Asra.Carlsonestavasozinhanacamaquandoviuumagrandeformanegraalinoquarto. Eladescreveuaentidadecomosendo‘maisnegraqueamáximaescuridãodanoite’.Eladisseisso porqueasluzesdoquartoestavamapagadase,nolugarondemoravam,nãohaviailuminaçãopública paralançarsombrasestranhas.Aentidadesemovimentoudevagarpeloquarto,deixando-aparalisadade pavor.Tecnicamente,asra.Carlsonfoivítimadefantomania[ouparalisiapsíquica].Antesdeamassa negradesaparecer,elasetransmutouemumglobodeluzsintéticamaisoumenosdotamanhodeumabola debasquete,produzindoumrugidoensurdecedor,queelacomparouaosomdeumalto-fomo.Ofenômeno aumentouemintensidade até que, de repente, desapareceu, deixando a sra. Carlsoncompletamente exausta,aoqueelacaiudeimediatoemumsonopesado.Issoaconteceumaisduasvezes—trêsnototal. “Nasduasvezesseguintes,osr.Carlsonestavaemcasa,nacama,emcompanhiadaesposa,masele nãoviunada.Comomedisseasra.Carlson—e,vejavocê,elaeraumamulhersensataelúcida:‘No meucoração,eusabiaqueaqueleterrorestavadestinadoexclusivamenteamimeamaisninguém’. Quandooespíritoveiopelasegundavez,elaacordou,derepente,comapresençadamesmaentidade negrapertodoseuladodacama.Aissoseseguiuamanifestaçãodograndeglobodeluz,maisumavez acompanhadodorugidodeumalto-fomo.Ofenômenochegouaoápicee,então,desapareceu,deixando-a completamentesemenergia.Naterceiranoite,oespíritosemanifestouparaela,noquarto.Elatentou acordaromarido,masfoiemvão:elaosacudiuebateunascostasdele,masohomemnãoacordava— ou,antes,nãoconseguiaacordar.Nessemeio-tempo,oespíritopermaneceuameaçadoramentecomela ali,noquarto,deixando-amuitoapavorada.Porfim,amensagemqueaentidadedemoníacaprojetoupara elafoi:‘Saiam!’.Eelessaíram.Hoje,osCarlsonvivemnamesmacidadezinha,masagorasabemtudo sobreahospedariaeosespíritosfunestoseopressoresqueelaabriga.” Oespíritodemoníacomanifesta-sesemprecomoumamassanegra,semelhanteaumanuvem? “A‘massanegra’dequefalo”,dizEd,“éamaneiramaiscomumpelaqualoespíritodemoníacose apresentanoreinofísico.Nãoseiseissorepresentaomecanismodasuamanifestação,ouseépeculiara determinadostiposdeapariçõesdemoníacas.Entretanto,umespíritodemoníacopode,emúltimaanálise, semanifestarcomoopróprioJesusCristo!Elepodeservistocomoumfantasma,podevircomoum

espectroencapuzadoouatémesmonaformadeumanimal.Algunsanosatrás,enquantoestavasentadono meuescritório,aquiemcasa,poracasovi,derelance,pelocantodoolho,algumacoisasemover. Quandoolheidiretamente,viumanimalnegroquenuncatinhavistoantes,comduasvezesotamanhode umamarmota,andandopelotapete.Erapeludo,gordoegingavaaocaminhar—comoseocorponão fosseadequadoàspernas.Eunãosabiaoqueeraesupusquetivesseentradoporalgumaporta,vindoda mata.Contudo,quandomelevantei,viquenenhumaportaestavaaberta.Nessemomento,porém,oanimal estavaseguindoparaocorredor.Elepareciaterfocinho—comoumgambá.Seguiacoisaenquantoela bamboleava pelocorredor.Comoa porta estava fechada,ele nãopoderia avançar,então,para não encurralarobicho,parei—maselecontinuouandandoeatravessouaportafechada.Umsegundodepois, quandoabridepressaaporta,oanimalhaviadesaparecido.Foientãoquemedeicontadequeeraum espírito—ou,nomínimo,amonstruosacriaçãodeum.Asalaemqueeleentrou—seéquedefato entrouna sala — era autônoma e não tinha outras portas de acesso. Seja lá o que fosse, a coisa desapareceu.Narealidade,oespíritodemoníacoinumanopodeassumiraformaquequiser." Seéassim,então,porqueelevemcomoumamassanegra? “Porqueolemadoespíritodemoníacoéanonimato”,respondeEd.“Oespíritosemostracomouma grandemassanegraindiferenciadaqueéclaramentevisívelnasrarasocasiõesemqueévistoduranteo dia,emborasejamaioraprobabilidadedetestemunhá-loduranteashoraspsíquicasdanoite.Noentanto, apenasemrarasocasiõeselesemostraráemformapretematural.Porqueviremformainteligível, raciocinaele,quandoamelhorproteçãodoespírito—narealidade,suaprincipalproteção—éo anonimatoeadescrençanasuaexistência?Porém,enquantofenômenofísico,amassanegraéoespírito e,comotal,éperigosíssima.Quandoencurralaumapessoa,comoofez,digamos,comascriançasFoster, oindivíduorelataumatremendafaltadear,umfrioinacreditávelnocorpoeumapressãocomoadopeso deumpedregulhosobresi.Seapessoanãoconseguefugir,entãoacabou.Emgeral,aconteceráumada duascoisas:ouumacombustãoespontânea—apessoaexplodiráemchamaseseráreduzidaacinzas— ouacompletadesmaterializaçãodoindivíduo,àsvezesparasempre.Incidentesdecombustãohumana sãomuitoraros:existemapenascercadevintecasosregistrados.Noentanto,émaisprovávelqueo indivíduosejadesmaterializado.NacasadosCarlson,Lorraineconseguiudetectarqueamassanegra haviaengolidoduaspessoas.Oprimeiroaliteralmentedesaparecersemexplicaçãofoiolacaiodeum

soldado.Amassanegraseaproximoudelenoestábulo,nosfundosdacasa,noanode1776.Nuncamais

foivisto.Asegundapessoaadesaparecerfoiumagarotinhadeuns14anosdeidade,chamadaLaura

DuPre,quecorreuparadentrodeumarmáriodacasaparafugirdamassanegra,masemseguidafoi engolidaporela.IssoocorreuporvoltadaviradadoséculoXXeapolíciaestadualaindamantémoseu nomenalistadepessoasdesaparecidas.Aterceiraadesaparecerpoderiatersidoasra.Carlson,senão tivessetidoaprudênciadeentraremcontatoconoscoantesqueosespíritosdavelhahospedariafizessem omesmoaelatambém.” Ed diz que o espírito demoníaco apenas raramente se mostra emforma pretematural. Qual é a aparênciadoespíritodemoníaco?Elesesentedesconfortávelaoresponderàpergunta. “Embora o espírito possa se projetar na forma que escolher”, diz Ed, “sua aparência é uma abominação,umamonstruosidade.Veroqueestádefatoportrásdofenômenonãoéalgoquesedeve desejar.Realmenteverodemoníacoésentiraruína.Oqueficavisíveléalgodeaparênciaclaramente preternatural:algorealosuficienteparaservisto,masque,aindaassim,nãoédestemundo.” Mas,qualéaaparênciadele? “Basicamente”,respondeEd,combastanterelutância,“elenãoéhumano.Éinumano.Temescamas. Parece umréptil.Éisso”,dizele.“Nãovoudescreverorestantedaimagem.” Aopressão,todavia,nemsempre é externa e observável.Ela é,na mesma medida,subjetiva.A opressãointernaéumaintrusãodemoníacadecaráteremocionalepsicológicoquevisapromoveruma completamudançanaformadepensardapessoa.Aqui,aestratégiadoespíritoopressorémanipulara

vontadedoindivíduodetalmaneiraquehábitosruinspiorem,ehábitosmuitoruinssetransformemem impulsosde“pecado”ouautodestruição.Comocriaturadepecadoqueé,oespíritodemoníacobusca tomaroserhumanorepreensível,afundando-oatéchegaraumnívelquerejeitatodaavida.Escrevendo exatamentesobre esse pontonoséculov,SantoAgostinhoobservouqueumhábitoincontroladose transformaemumanecessidade.“Isso”,dizEd,“éprecisamenteoqueaconteceduranteaopressão psicológica.Oindivíduocorreoriscodesetomarumjoguete,quandonãoumescravo,doespíritoqueo oprime.Emestágiosavançadosdeopressão,aentidadepodeexercertamanhodomíniosobreavontade dapessoaqueelajánãotemnenhumaautonomia.Nesseponto,éclaro,oserhumanoestáàsportasda possessão.” “Oobjetivodoespíritoopressor”,acrescentaLorraine,“épossuirocorpodapessoa,ou,seissonão forpossível,levá-laacometerassassinatosesuicídio—ouambasascoisas.Antesdechegaraesse ponto,porém,oindivíduooprimidojáterásidovítimadeumaestratégiamuitocomplexa.Deixe-medar umexemplodecomoaestratégiadeopressãointernapodeserabrangente.

“Emabrilde1978,recebemosumtelefonemadeumamulherdeuns35anos,articuladaeinstruída,

queestavacompletamenteapavorada.Essamulher,PatríciaReeves,estavasubmetidaaopressão,mas elanãosabiaoqueestavalheacontecendo.Elateveextremadificuldadedeentraremcontatoconosco, ao passo que Ed e eutivemos a mesma dificuldade de chegar até ela. Patrícia e a amiga haviam compradoumaautênticacasamal-assombradanaNovaInglaterra.Emboraoseventosdocasosejam interessantes,oqueéimportanteaquiéaclarezacomqueaestratégiademoníacaatuounacompra. “PatrícianasceuecresceuemOhio,descendentedeumalongalinhagemdeministrosbatistas.Elanão era casada, então dividia o aluguel comoutra mulher, chamada Melinda. Embora fosse uma adulta capacitada emtodos os aspectos, dinheiro, felicidade e satisfação pare: ciamser negados a ela, e Patriciachegouaopontodeplanejaroprópriosuicídio.Completamentefrustrada,elacomprouumlivro debruxaria.Dosrituaisdaquelelivro,elaselecionouum,quevisavaaprosperidade.Poucosmeses depoisderealizaroritual,Patriciaconseguiuumempregoquepagavabemeerabastanteprestigiado. “Curiosamente,desdeos 12anos deidade,Patriciatinhaumsonhovividoerecorrente,noqual moravaemumaantigacasadefazendaemestilocolonial.Compraressacasa‘dossonhos’eraum objetivodevida.ParaPatricia,issosignificava‘irparaolar’.Amoradaficavaemumcenáriorural,na regiãonortedaNovaInglaterra,etinhaquetersidoconstruídanomáximoatéoiníciodoséculoXIX. Então,todasemana,semfalta,elaiaàbibliotecamunicipalnocentrodacidadeeconsultavaojornalde Bostonembuscadosclassificadosdeimóveis.ComoPatriciamesmadisse,elaofazia‘obsessivamente’. Namedidaemqueaopressãotambéméchamadaobsessão,todooprocessoestavaacontecendobem debaixodoseunariz,emboraelanãoosoubesse. “Umdia,maisoumenosdoisanosdepoisdeassumiroemprego,Patriciaencontrounojornalum anúnciodeumaantigacasadefazendaquepareciaperfeita.Desejandovê-la,elaeacolegadequarto Melindatiraramfériasjuntaseviajaramdecarroparaoleste.Elasviramacasapelaprimeiravezem

1®dejaneirode1977.

“Olugareraadoráveleficavaaofinaldeumalongaestradadeterracercadadeárvores,recuadamais oumenosumquilômetrodaestradaprincipal.Emboraolugarparecesseideal”,dizLorraine,enfática, “aquiloeraumaarmação.”Descobriu-semaistardequeaantigaproprietáriadacasaeraumabruxa satânicademagianegra.Umtantoestranho,nãoacha,queelastivessemsidoatraídasdoensolarado

sudoeste,aquase5milquilômetros,paraomeiodasflorestasdaNovaInglaterra,afimdevivernaquela

casaemparticular?Bem,podeparecerestranhomas,aorealizaroritualdemagianegra,Patriciae,em

menorgrau,Melindaestavamemdébitocomasforçasdemoníacas.Equemelhormaneiradeatraí-las

paraaperdiçãoquetransformandoumsonhoemrealidade?

“Nodecorrerdoperíododeumano,asduasmulheresviajaramparaolesteumtotaldenãoumanem

duas,mastrêsvezesantesderatificaroseudesejodecomprarapropriedade.Emdadaocasião,airmã

dePatricia,Susan,tambémfoiatélá.Duranteaqueleperíodo,nenhumadasmulheressuspeitouque houvessealgumacoisaerrada. “Quandooprocessodeopressãointernacomeça,équaseimpossívelreconheceroproblema,porquea mudançaocorredevagar,passoapasso.Basicamente,apessoaestásendotreinadaou‘preparada’parao

momentoemqueapossessãopodeacontecer.Nodia31dedezembrode1977,Patríciatomouuma

importante decisão: pedir demissão do emprego e comprar a casa. Ela e Melinda eram tipos independentesedisseramquequeriam‘voltarparaanaturezaecriaranimais’.Narealidade,éclaro, issoeraaLeidaAtraçãoagindo. "Quandosedemitiu",continuaLorraine,“Patríciajáhaviaprovidenciadotodaapapeladanecessária paraacompradacasadefazenda.Noentanto,nenhumbanco,nemnacostaOestenemnacostaLeste, estavadispostoaconcederumavultosahipotecaparaduasmulheressolteiras.Paracompraracasaseria necessárioqueelaspagassemumaentradasubstancial,eelasnãotinhamaqueledinheiro.Massem problema! Enquanto visitava Los Angeles, Melinda se inscreveu emumjogo de umprograma de televisãoe,nodiadoseuaniversário,ganhoudezvezesovalornecessárioparaopagamentodaentrada. Narealidade,oprêmiopraticamentequitavaacasa.Aindaassim,quandoelasvoltaramaobanco,os funcionáriosresponsáveisporautorizarempréstimosquiseram,poralgumarazão,trêsassinaturasna hipoteca.Porcausadisso,airmãdePatrícia,Susan,foiincluídanatransaçãoeassinouahipotecacomas outrasduasmulheres.Tradicionalmente,quandoumpactoéassinado,oespíritodemoníacocostuma arranjarparaquetrêspessoas—trêsvontadeshumanas—participemdocompromisso,maisumavez comoinsultoàTrindade.ParainfelicidadedeSusan,seudestinoestavaagoraformalmenteatreladoao dasoutrasduasmulheres. “Nodiaemqueahipotecafoiassinada,passospesadosdebotasentraram,ànoite,noapartamentode PatríciaeMelinda,noNovoMéxico.Oquepareciaserumintrusoesmurrouaportadoquartodecada umadasmulheres.Isoladasdotelefonedasaladeestar,ambaspassaramumanoitedepuroterror,cada umasozinha,encolhidademedo.Oqueelasnãosabiamàépocaéqueaquelaeraaentradaclássicado espíritodemoníaco.Eraahoradecobraracontapeloritualdeprosperidade. “Comahipotecaassegurada,PatríciaeMelindasemudaramparaafazendanofinaldejaneirode 1978. Assimque começarama residir na casa, elas tiveramuma horrível sensação de que eram observadas. Asensação era tão intolerável que as duas muitas vezes dormiamemummotel nas proximidadesenquantoconsertavamointeriordacasaduranteodia.Elastambémtinhamdoiscãesda raçacorgi,quesemprehaviamsedadobemantes.Contudo,assimqueosdoiscãesforamlevadosparaa propriedade,elescomeçaramaatacarumaooutro.Asmulherestinhamquemantê-losseparadospara queumnãoestraçalhasseooutro. “Maisoumenosnamesmaépoca,PatríciaeMelindatambémcomeçaramadiscutireabrigarpor coisasinsignificantes,semimportância.Emvezdetrabalhar,elasdiscutiampordiasafioquempintaria umajanelaouquempintariaumaporta.Veja,essasmulheresnãopercebiam,masestavamsendoforçadas a esse comportamento, assimcomo os cães. Na realidade, a opressão estava totalmente preparada, apenasesperandopelachegadadogrupo. “Porfim—sobojugodaopressão—elasdecidiramqueaquelaeraacasadelasequedormiriamali emvezdebancaremocaromotellocai.Aessaaltura,asensaçãodequeeramobservadasficouainda pior,transformando-seemumaatmosferadeperversidade.Acreditandoqueaquelassensaçõesfossemde naturezaapenaspsicológica,asmulheresfizeramopossívelparanãodarimportânciaàsemoções,mas, então,começaramaacontecercoisasestranhas.Ànoite,elasouviam,doladodeforadacasa,cânticos funestosquefaziamosanguegelar.Duranteodia,amôniaeprodutosdelimpezadesapareciam;nolugar delesapareciamgotasdesangue.Dentrodacasa,dinheiroeobjetospessoaistambémdesapareciame nuncamaiseramencontrados.Umatarde,ouviram-sebatidasnaportadosfundos.Quandoforamatender, nãohavianinguémali.Emvezdisso,oqueasmulheresencontraramfoiumrastrodepegadasesquerdas

—umsinaldoespíritodemoníaco—naneve,quechegavaàalturadosquadris.Apegadaslevavamao

celeiroeocorriamaintervalosdetrêspés[91,5centímetros],mastinhamapenasaprofundidadede

poucomaisdeumcentímetronanevemacia. “Poucosmesesdepoisdacompradacasa,airmãdePatrícia,Susan,foiatéláparaajudarnosreparos.

Susaneraumamulhersensível,nacasados20anos.Dessavez,quandochegouàcasadafazenda,olugar

asufocoucomumterrormórbido,eelapegouimediatamenteumvoodevoltaparacasa.Noentanto,ela aindafoiperturbadapelosespíritosopressores,pois,algumassemanasmaistarde,donada,Susanse esfaqueoubrutalmente comuma faca de açougueiro. Omédico que socorreua jovemdisse que os ferimentos—haviatrêsdeles—deveriamtersidofataisequenãoconseguiaentendercomoelanão haviamorrido. “Porabandonaracasadafazenda,Melindatambémrecebeuumapuniçãosemelhante.Nãomaisdeum mêsdepoisdesemudaremparalá,Melindadesenvolveuumaaversãotãograndepelamalignidade presentenolocalqueeiatambémvoltouparaOhio.MashaviaapenaspoucosdiasqueMelindaestavalá quando foi violentamente estuprada por um intruso desconhecido. Àquela altura, ela sucumbiu. Acreditandoqueoterrormentalerapreferívelàbrutalidadedaviolênciafísica,elaretornouàcasada fazendanaNovaInglaterra.

“Naprimaverade1978,tendovivenciadoumadiversidadedehorroresaolongodemeses,aquelas

pobresmulheresestavamtotalmentemergulhadasnaopressão.Apareceramrugasnorostodeambas,seus cabeloscastanhosficaramgrisalhose,fisicamente,suasfeiçõesenvelheceramaodobrodaidadedelas. ‘Eunãoconseguiamereconhecernoespelho’.Patríciamecontou.‘Nossosolhostinhamumaexpressão devazioemorte.’” “De vezemquando, Melinda era involuntariamente tomada por uma personalidade perversa, em especialquandoPatriciaqueriafazeralgumamudançaradicalnamoradia.Opiorepisódiofoiquando Patriciaalugouumaserraelétricaeestavaprestesacortarunspinheirosnafrentedacasa,osquais escureciamoseuinterior. “‘Melindasaiucorrendodedentrodacasacomoseestivessepegandofogo’,Patriciamedisse.‘Ela tinhaumaexpressãoincrivelmentemalignanorosto—eraorostodeoutrapessoalElaameaçoume matarseeufizesseumúnicocorteemalgumpinheiro!’Patriciaentãocompreendeuquehaviaalguma coisa errada — metafisicamente errada — e viuque precisava buscar ajuda. Depois de enfrentar tremendasdificuldadesparaquealguémacreditassenela,umapessoaacaboulhedandoonossonomee elanoscontatou. “Eunãopodiadizerissoaelasnaépoca”,prossegueLorraine,“mas,paraaquelasmulheres,amorte estava realmente muito próxima. Aquela casa de fazenda era um lugar mortal. Quando Ed e eu percorremosdecarroaviadeacessoàpropriedade,vi—pelasegundavisão—pessoasvestindo túnicasrealizandoalgumtipoderitualprofanonacampinaaoladodacasa.Haviacânticos,eoshow todoestavaacontecendoànoite;aspessoasusavamumserhumano—ouvítima—comoaltar.Ao entrarmosnacasa,ficouevidenteparamimquequemquerquetivessevividoalianteshaviapraticado matançaemutilaçãodeanimais.Euconseguiasentiratristezademuitascentenasdeanimais,pequenose grandes,quehaviamsidomortosnolocal.E,nacasa,aatmosfera,opróprioarqueserespiravaestava pesadodemaldadeeperversidade.Olugartambémmecausourepulsaeficouclaroqueapenaspormeio deopressãodemoníacaalguémpodiaviveremumterritóriotãoinfernal. “Acredito que o que dissemos deixa bem claro que uma inteligência negativa invisível estava conduzindooseventosali.Porém,queroressaltarque,nestecaso,naquelacasa,elanãoeraapenas invisível.EnquantoEdentrevistavaasmulheres,decidicaminharpelaresidência.Umdoscãescorgime acompanhou.Olugareracomoamaioriadessascasasinfestadas—desconfortáveleameaçador,com umatristezaquerecobriatudo.Derepente,ocãodisparoupelocorredor,derrapandoaoparardianteda portadeumarmário,ondecomeçouarosnarcomagressividade.Abriaporta.Oarmáriocheiravaauma

fossa. Ocão se viroupara alguma coisa dentro do armário e, então, segundos depois, para minha perplexidade,umafiguratotalmentenegra—naformageraldeumhomem,massemfeições—saiu correndodoarmário,passoupormimesubiudepressaasescadas,comocorginosseuscalcanhares,a persegui-lo.Emtodaaminhavida,nuncaviodemônioassumirumaformatãoabertamentehumanoide. "Nestecaso”,concluiLorraine,“ainvestidadaestratégiadeopressãodoespiritodemoníacofoisutil —maispsicológicaquefísica.Dequalquerforma,porém,aestratégiadodemôniopermaneceamesma:

destruiraforçadevontadedoserhumanoafimdepossuirocorpo,ouoprimiroindivíduo,levando-oa cometeralgumatonegativo,depreferênciaqueenvolvaderramamentodesangueemorte.E,nestecaso, elequasetevesucesso.Asduasmulherestiveramquepassarporumaformadeexorcismoparaserem libertadasdainfluênciaedasdeformidadesfísicasprovocadaspelasentidadesinumanasquehabitavam olugar.Nofinal,PatríciaeMelindavenderamafazendapelopreçoquepagaramporelaevoltarampara oNovoMéxico,ondehojelevamumavidamaistriste,porém,maissensata.EmboraEdeeupudéssemos continuardesfiandotodososfatoresfortementeentrelaçadosqueconstituemestecasoespecífico,acho queestábastanteclaroqueumcasocomoesteenvolvemuitomaisquecoincidência.Háumainteligência negativaseesgueirandonosbastidores,dirigindotodaaatividade.” “Quandoosfenômenospassamdoestágiodainfestaçãoparaodaopressão”,concordaEd,“oespírito demoníaco de fato já não consegue ocultar a própria presença. Emvezdisso, por orgulho da sua eficiência,elecomeçaadeixarcartõesdevisita—algunsliterais,outrossimbólicos. “Normalmente,oespíritodemoníacogostaderevelarasuapresençaporescrito.Eletempredileção por escrever emparedes e espelhos, chegando ao ponto de preferir batomou giz de cera como implementodeescrita.Oespíritodemoníacotendeaescreverdetrásparaafrente,dadireitaparaa esquerda,demodoqueamensagemtenhaqueserlidaemumespelho.Pareceatéquealguémescreveuas palavras e frases nas paredes com a mão ‘errada’. Quanto ao que dizem, o que esses espíritos basicamentetendemaescreversãovulgaridades,indecênciaseblasfêmias,emgeralnalínguafalada pelapessoaoufamíliaoprimida.Podehavermisturadeoutraslínguas,emboraissoocorracommaior frequênciaquandooespíritofaladuranteapossessão.Emestágiosmaisavançadosdaopressãoouem situaçõesemquediabosestãoporperto,línguasmaissofisticadaspodemserusadas.” EdeLorrainefalamquasequeexclusivamentesobredemônios.Seexistemdiabos—umahierarquiaà partedeespíritos—porquenãofalarsobreelestambém? “Emboraleigostenhamescritomuitacoisasobrediabos”,afirmaEd,“meuconhecimentoderivada minhaprópriaexperiênciaoudoestudodedocumentosreligiososautênticos.Combasenomeutrabalho, oquesesabecorretamentesobrediabosémínimoemcomparaçãocomoquesesabesobreoespírito demoníaco.Éoespíritodemoníacoquevemosrealizandotodosessesfenômenosextraordinários.É verdadeque,duranteumexorcismo,umespíritodemoníacovaiadianteebravateiaseresteouaquele diabo,mas,emgeral,eleestámentindo.Nofinaldascontas,adistinçãoentredemôniosediabosécomo aquelaentretrabalhoegerenciamento:unstrabalham,outrossupervisionam.Espíritosdemoníacosde uma ordemsuperior promovema opressão interna, porque espíritos inferiores, bestiais, não têmo conhecimentoeahabilidadedecompletar aatividadecomapossessão.Asentidadesinferioresse contentamemprovocardevastaçãoexternaafimdeenfraqueceravontadepelomedo,aopassoqueas entidadessuperioresenfraquecemavontadediminuindoaresistênciapsicológicainterna.Emtermos teológicos, veja bem, os diabos eramuma ordemsuperior de anjos antes da Queda, e têmmais conhecimentoepoderqueosespíritosqueestãoabaixodeles.Osescritosdeumdiabotendemaser limposeorganizados,porexemplo,escritosdetrásparafrente,dadireitaparaaesquerda,emuma caligrafiamuitobonita.Alémdisso,essasentidadesmaisversadasemgerallançammãodelínguas clássicas—sobretudoolatim,embora,àsvezes,tambémogregoouohebraicoantigo.Aocontráriodos espíritos demoníacos, diabos parecempropensos a escrever apenas empapel oupergaminho e tão somentequandoumpactocomSatãestáenvolvido.Emgeral,noscasoscomqueeutrabalho,osrabiscos,

garranchoseblasfêmiassãofeitosporespíritosdemoníacos.” Quandoaentidadedemoníacanãocolocaliteralmenteoseunomeemsuaobraabominável,osWarren precisamsairembuscadetraçosmaissimbólicoseintelectuaisdasuapresença. “Primeiro”,dizLorraine,“trata-sedeumespíritonegativo,portanto,éalgoque‘segueemsentido contrário’.Odemoníacotendeaatuaremoposiçãodiretaaosprincípiosdomundopositivo.Quandoo espíritosemove,elecostumafazê-lodadireitaparaaesquerda,emsentidoanti-horárioouemcírculos. Aose aproximar de você,ele geralmente vemda esquerda oude trás.Ódio,obscenidade e morte

fortalecem o espírito demoníaco; bondade, luz e oração o imobilizam. O espírito vem de preto, intensificaomalebuscamaisdestruirqueaprimorar.Osresíduosquedeixaparatrássãorepugnantese asquerosos.Derramamentodesangueelesõesfísicassãoelementosfundamentaisdofenômeno.Ele ajudaomalvadoeoignorante;eleatacaoinocente,oincautoeopiedoso.Eleétraiçoeiro,dissimulado evemcomoumladrãonanoite.Eleocultaasuapresençacommentirasepreservaoseuanonimatopor meiodeduplicidadeeinvisibilidade.Comojádisseramescritoresreligiosos:‘Nãohánadadepositivo nanaturezadoespírito;seuserbaseia-senaausênciadealgoquesejabom’. Osmecanismossimbólicosdeatuaçãodesseespíritonãosãomenosindicativosdasuapresença. Normalmente,oespíritodemoníacoescolheráumdiaouperíodosignificativodoanoparadarinícioao

seuassédio.OsWarrendescobriramqueocasiõesfavoráveisaissoincluemoNatal,aPáscoa,aSexta-

FeiradaPaixão,oiníciodaQuaresma,aprimeiranoitedaPáscoajudaica,omêsdenovembro(o períodoastrológicodosignodeEscorpião),domingos,sextas-feiraseoaniversáriodaspessoas. “Afasedaluatambémpodeintegrarafórmula”,observaEd.“Aluanovaéafasepreferida,porcausa datotalausênciadeluznatural—alémdisso,aluanovahámuitoévistacomosímbolodamorte.No entanto,écomumqueoseventosvenhamaatingirseupicoouaterinícionaluacheia.Issoacontece porque,pelorelógiodanatureza,oquecomeçaemumaluanovachegaaoápiceemumaluacheia. Contudo,devoenfatizarque,quandoseestálidandocomfenômenosespirituais,essesimbolismopode ser percebido muito mais tarde. Repito: apenas emretrospectiva, diante de uma análise, é que um número,dataouperíodoespecíficodoanoserevelarápartedaestratégiageraldeumespíritoopressor. “Quandotodososfatoressãoreunidos”,prossegueEd,“apósentrevistarmososprincipaisenvolvidos

etestemunharmosaatividadepornósmesmos,entãoficaevidentequeháumaordemnopandemônio.Se

vocêtivessequereconstruirumtípicocasodeopressãodemoníaca,disporiadealgocomomilfatores

separados.Dessemodo,ocasoprecisaserestudadonasuatotalidadeparaqueainteraçãodetodosos

fatores—ahistória,osfenômenos,ossinais,ossímbolos,aestratégiaeasincronicidade—possaser

vistacomoumaatuaçãoconjunta.Quandovistonatotalidade,aprogressãodoseventosficaráóbvia,com

cadadetalhezinhodesempenhandooprópriopapel.Vocêidentificaráaorigemdoproblema,osarranjos

preliminares,aestratégiadeinfestação,aestratégiadeopressão,asocorrênciassimbólicaseassimpor

diante.Haverásinaisdeaçãodeliberada—eventosocorrendoemhoráriosprecisosdodiaouapenasem

certosdiasdasemana.EmborasejaimpossívelrepetirmostodososdetalhesdocasoAmityville,por

exemplo,vejamosalgumasdassemelhançasentreoqueosLutzrelataramoquejávivenciamosnas

nossasinvestigações.

“Primeiro”,dizEd,“consideremososantecedentesdocaso,antesdeosLutzsemudaremparaacasa.

OsDeFeo,umafamílianormaldesetemembros,semudouparaaresidêncianoiníciodadécadade

1960.

“Porvoltadas3hdodia13denovembrode1974—opiorhoráriododia,provavelmentenodiamais

problemáticodoano—ofilhomatouosoutrosseismembrosdafamília,inclusiveoprópriopai,comum

riflepotente.Nenhumdosvizinhosouviuosdisparos.Trezemesesapósaocorrênciadosassassinatos,

GeorgeeKathleenLutzsemudaramparaaresidênciaduranteatemporadadoNatal—emgeral,um

períododeatividadedemoníaca.Nossoconhecimentodoqueaconteceuemseguidaéinevitavelmente

indireto—nãoestávamoslácomosLutz.Mas,deacordocomoqueelesdisseramaJayAnson,George,

quecostumavaserasseado,sevestirbemeserumpoucoworkaholic,ficoupreguiçosoedesleixado.Ele permaneceusentado junto à lareira durante praticamente o episódio inteiro. George estava sempre

sentindofrio,emboraotermostatodacasaficasseconstantementeentre26e27graus.Noscasosque

investigamos,quandooespíritoabsorveenergiatérmica,eletambémretiratodoocalordoscômodos.O queelesentiuéoquechamamosfriopsíquico.Vocêpodeseenrolaremumadúziadecobertores,mas nãovaiadiantarnada,porqueocalordoseucorpotambémestásendoroubado. “Éclaro”,continua ele,“umespírito absorve essa energia por uma razão: para usá-la contra as pessoasdacasa.Umavezquesetratadeumaentidadenegativa,quepensadeformanegativa,então,essa energiaéusadaparapropósitosbrutaisenegativos. “Aomesmotempo,Kathynoscontouquejá‘nãoeramaiselamesma’:haviasetomadoirritadiça, briguentaeimpacientecomascrianças.DeacordocomolivroAmityville,elateveváriossonhosque pareciamsemelhantesacertosfatosdocasodoassassinatodosDeFeo.Ascriançastambémcomeçaram aficarbriguentas,eocãodafamíliaagiadeformapeculiardesdeamudançaderesidência. “Oqueaconteceuemseguida?”,perguntaEd,retoricamente.“Apenasaquelesqueestiveramlápodem dizeraocerto.Entretanto,GeorgeeKathycontaramquecentenasdemoscasapareciamnoquartodo andardecima.Osfluidosdovasosanitárioficavamnegros.Umleãodecerâmicaseteletransportava pelacasa.Osmóveissemoviamporvontadeprópria.Amãodeumadascriançasfoiesmagada,porém,o meninonãosofreunenhumalesãofísica.E,éclaro,nomeiodanoite,Georgeouviaosomdeumabanda marcial. “Ironicamente,enquantoosLutzviviamnacasa,fizemosduaspalestrasparapúblicosuniversitáriose, nelas,detalhamosostiposdefenômenocomqueasvítimassedeparamemambientesinfestadospor forçasdemoníacas—inclusiveosomdebandasmarciaistocandoJohnPhilipSousanomeiodanoite! “Aatividadequelevaoselodospoderesdemoníacostemointuitodeassustar.Alémdisso,afamília Lutzafirmatambémterexperimentadofriopsíquico,temperaturasdecalorsufocanteeoodorrepulsivo deexcremento—umsinalconvencionaldapresençademoníaca.OsLutztambémtiveramproblemas

enquantousavamotelefone,eoirmãodeKathyLutzdeufaltade1.500dólaresnoseubolso—dinheiro

queelepretendiausaremdespesascomseucasamento.” Essedinheirorealmentedesapareceu? “Não sei dizer”, responde Ed. “Mas é comumque dinheiro desapareça emcasas infestadas por espíritosmaléficos.Aperdadeumchequedepagamentodesaláriooudesomasvultosasdedinheiro perturbaráumindivíduo.Éapenasumadasmuitasmaneiraspelasquaisespíritosnegativostentamabalar umapessoaoufamília.Contudo,achoimprovávelqueessedinheiro‘perdido’simplesmentedesapareça.

Emvezdisso,cáentrenós,eudiriaquehámaisoumenos100%dechancedequeodinheiroseja

teletransportadoparaumfeiticeirooualgumapessoaenvolvidacomasartesnegras.Digoissoporque conheçofeiticeirosquenuncatrabalharamumdiasequernavidae,noentanto,suascondiçõesfinanceiras sãoexcelentes.Paraeles,tudodácerto.Avidadeleséfácil,ecoisasboassemprelhesacontecem.Esses indivíduos não têmabsolutamente nenhumproblema. Odinheiro os encontra. Por quê? Porque eles fizeramumacordometafísicocomoespíritodemoníacoetrabalhamemconluiocomele. “Emboraissopossaparecerinofensivo,háumproblema.Essesfeiticeirosoubruxosnormalmente contraemumadívidacomoespíritodemoníacoquechegaavalerasuaprópriaalma;ouumdébitoqueo diabocobraráemumadívidafutura;outalvezosacrifíciodealguémàsuaescolha,comoumacriança. Paraessagente,éabásicajornadadeFausto.Avidaécurta,eelesnãoarespeitam.Elesvendemaalma por umcentavo quando ela vale ummilhão. Então, sim, quando dinheiro desaparece emuma casa infestada,estoudispostoaapostarqueelereaparecenacarteiradeumfeiticeiro! “TodosessesfatoreslevaramasemoçõesdosLutzaolimiteeosdeixaramemumasituaçãoemque começaramaduvidardaprópriasanidade",retomaEd.“Noentanto,essasperturbações,somadasa muitasoutrasquenãomencionei,comoumcrucifixoquefoisimbolicamenteviradodecabeçapara

baixo,fazemlembraroquetemosvistoemfenômenosdeopressãoexterna.Indomaislonge,porém,os Lutzdisseramqueaformadeumdemôniosurgiusozinha,marcadaafogo,naparteposteriorinternada lareira. Esses espíritos tipicamente se manifestamnas chamas ouemlareiras. Houve tambémuma monstruosidadeencapuzadaquesemostrounasescadas.Essesespíritoscostumamservistosemhábitos demonge.E,éclaro,afilhacaçula,Missy,falavadeumporcoquechamavaasimesmodeJodieedisse àcriançaqueeraumanjo!” ParecehavercertacontrovérsiacomrelaçãoaJodie,oporco.Elepoderiatersidoumaentidadereal, física? “Eumesmonuncaviaentidade”,respondeEd.“Noentanto,nãoénecessárioqueumespíritosetorne físico.Espíritostambémpodemseprojetarpormeiodeumprocessoaquechamamoshipnosetelepática. Essemontedesílabassignificasimplesmentequeoespíritotemacapacidadedeprojetaraprópria imagememqualquer formaqueescolher,por umprocessoquesepoderiachamar percepçãoextra- sensorialtridimensional.Bastaqueoespíritopenseemcomoquerseapresentar,eessaseráasua aparência.Usandoessemétodo—etantoespíritoshumanoscomoinumanospodemfazerisso—,a entidade se esquiva aoolhofísicoe projeta a imagemdesejada diretamente no‘olhoda mente’,a imaginação,outerceiroolho,comoéchamadonasreligiõesorientais.Oresultadodessatransferência telepáticadevibraçõesdeumainteligênciaparaoutrapodetertodaaroupagemdeumserfísico.Na realidade,porém,oespíritopodenuncatersemanifestadofisicamente.Deumaformaoudeoutra,no entanto,algumacoisatemqueestaraliparaserpercebida.” OcasoAmityvilleocorreuduranteatemporadadeNatal.Umcasonãomenoshorrendodefenômenos

demoníacosgenuínosaconteceuduranteaépocadaPáscoade1974edurouoitosemanasemeiaaté

finalmentecessargraçasaumexorcismosancionadopelaIgreja.ÀexceçãodosWarren,doexorcistae

dosprincipaisenvolvidosnocaso,poucaspessoasatéhojesabemquehouveumabatalhasobrenaturalna

residênciadessafamílianorte-americananormalemtudoomais.

VejamosocasodosBeckford.

FAMÍLIASOBATAQUE Nodia3demarçode1974,osr.PeterBeckford,de50anos,fezumaanotaçãonocalendáriodacozinha:

FAMÍLIASOBATAQUE

Nodia3demarçode1974,osr.PeterBeckford,de50anos,fezumaanotaçãonocalendáriodacozinha:

opneudocarrodasuafilhaVickyacabaradefuraremumacorridaatéadrogaria.Servindo-sedeoutra xícara de café naquela manhã de domingo,Pete Beckfordnunca teria imaginadoque aquele evento aparentementecomumeraoiníciodeumcercocompletolançadoporviolentosespíritosinumanos,o qualcomeçariacomatosdevandalismoeterminariacomaquasetotaldestruiçãodasuapequenacasa.

OcaosreinarianaresidênciadosBeckfordporque,nanoiteanterior,VickyBeckford,entãocom19

anosdeidade,haviasaídodalinha:elaconvidouumespíritodemoníacoasemanifestar.Emboraa garota iludida tenha dado essa permissão semquerer, ela, não obstante, cometeuuma transgressão sobrenaturaldamaiorgravidade.OresultadofoitalvezopiorcasodeataquediabólicoqueosWarrenjá vivenciaram. “Noentanto,overdadeiroiníciodocasoteriaqueserdatadoemumanoantes”,afirmaEd.“Foi quandoVickycomeçouausar otabuleiroOuija.”Nos dias atuais,omotivodagarotaparabuscar comunicaçãoespiritualeraatécompreensível.Entediadaesolitária,elaestavaembuscadeaventuras.

Suafamíliaeraseveraereligiosa,eospaismantinhamagarotaeoirmãodela,Eric,de15anos,na

rédeacurta.Vicky,queeraumaadolescentemelancólica,tinhapoucosamigoseerabastanteintrovertida. Certanoite,quandonãoestavafazendonada,eladecidiutentarencontrarumamigonotabuleiroOuija. Apóstodosteremidoparaacama,elacolocouo“mágicotabuleirofalante”nochão,posicionouos dedossobreapranchetaecomeçouafazerperguntas. “Temalguémaí?MeunomeéVickyLouiseBeckford.Temalgumespíritoquepossameouvir?"De repente,apranchetadeslizou,subindodepressaparaosim.ParainfortúniofuturodeVicky,elaagora tinhaumcolegadesencarnado. Dali em diante, ela passou a contatar o mesmo espírito todas as noites. A moça aguardava ansiosamente pela comunicação noturna com seu condescendente “amigo" etéreo e passava horas conversandocomelepelotabuleiro.E,nãoédesesurpreender,oespíritotirouvantagemdasvaidades da garota, sempre fazendo questão de elogiá-la: VOCÊESTAVALINDANOVESTIDOMARROM HOJE,VICKY.VOCÊÉTÃOBONITAEMCOMPARAÇÃOCOMAQUELASGAROTAS.AMANHÃ, USE UM RABO DE CAVALO, FICABONITO ASSIM. Noite após noite, o espírito do tabuleiro enfatizavaquestõesmelodramáticasque,maistarde,levariamaexcessosemocionais,vocêmefaztão feliz,querida,otabuleirodiziaperversamenteàadolescentesolitária.EUADORARIAMECASAR COMVOCÊ,SEPUDESSE. VOCÊTEMTANTASORTEDEESTARVIVAERAOUTROSUBTERFÚGIO.DIGA-MECOMO FOIESTARVIVAHOJE,IMPLORAVAOESPÍRITO.Emresposta,Vickynarravacompadecidamenteos acontecimentosdodia.Nasequência,elafaziaperguntasàcoisa.Oespíritorespondiacomhistórias sobreamortedeleesobrecomosesentirasolitárioantesde“conhecê-la".Vickyacreditavaemcada palavra.Ardilosamente,todasasnoites,oespíritoexacerbavaasemoçõesdagarota.Então,parava abruptamentedesecomunicaredizia,paraprovocá-la:VEJOVOCÊAMANHÃ. Nodecorrerdemuitosmeses,aentidadelevouVickyaacreditarqueeraoespíritodeumadolescente,

umaespéciede“anjoadolescente",quehaviamorridoquandoagarotaaindaeramuitopequena.Ingênua e sem desconfiar de nada, Vicky respondia, dizendo ao “rapaz" tudo sobre si mesma e os seus sentimentos.Porsuavez,oespíritodotabuleirocomunicava“intimidades"semelhantesàgarota.Não obstante,naúnicaocasiãoemqueelapediuqueoespíritolherevelasseseunome,aentidadeopressora recusou,dandoadesculpaesfarrapadadeque“nuncadeviarevelaroseunomeaumapessoaviva,ou entãoseriaforçadoaretornaràsbrumas”. Comopassardotempo,porém,Vickyapaixonou-sepeloespíritodotabuleiroOuija,queelapassoua vercomonamorado.Pararetribuirsuaafeição,oespíritodavaàmoçainformaçõessobreeventosfuturos insignificantes.Depois,elatestemunhava,pelacidade,incidentesqueoespíritodisseraqueocorreriam. Nogeral,oespíritodotabuleiroOuijatornou-seextremamenteconfiávelparaVickyBeckford. Depoisdeumanotrocandointimidadespelotabuleiro,Vickyficouemocionalmentedependentedo

espírito.Duranteaúltimasemanadefevereirode1974,eladeuumpassoadiante.“Vocêpoderevelaro

meufuturo?”,perguntou. O espírito mostrou-se mais do que feliz em atendê-la. Em uma sessão longa e carregada de envolvimento,eleapresentouumcenáriodavidadeVickypelosseisanosseguintes,fornecendo-lhe detalhesespecíficos,atémesmoadatadenascimentodoseuprimeirofilho,eofatodequeelateria,ao

todo,trêsfilhosaté1978(todasessasinformaçõesacabariamseprovandocorretas!).

OenvolvimentoarrebatadordeVickycomumespíritodesconhecidologoadeixouaindamaiscuriosa

eimpaciente.Elaqueriaveronamoradoinvisível.Namadrugadadesábado,2demarço,agarota

implorouqueelesemanifestasse.Apenasumavez,disseaoespírito,elaqueriavercomoeleera. Namanhãdodiaseguinte,umdomingo,PeteBeckfordsaiuetentoudarpartidanoseucarro,maso veículonãofuncionou.Erguendoocapô,eleobservouqueoscabosdaveladeigniçãohaviamsido removidos;as mangueiras de borracha, soltas;e a correia da ventoinha, cortada. Não muito tempo depois,Vickytentoudarpartidanoprópriocarro.Eletambémnãofuncionoue,porfim,tevequeser rebocadoparaumaoficinamecânicalocal.Nodiaseguinte,osmecânicosdeduziramquepartesinternas domotorhaviamsidodesmontadas. Naquelasemana,outrosincidentesdevandalismoaparenteocorreramaoredordacasadosBeckford. Acampainhadosfundosfoiarrancadadasuacaixa.Osarbustosplantadosjuntoaoalicercedacasa

foramarrancadosdochão—comraízesetudo.Notelhado,umcanodeferrofundidode1,8metroque

acomodavacaboselétricosfoiinexplicavelmentedobradoemumângulodenoventagraus.

Nasexta-feira,8demarço,PeteBeckfordmarcou“umpneufurado”nocalendáriodacozinha.Tão

logoocarrodeVickyvoltoudaoficinamecânica,umdosoutrospneusmurchou.Nodiaseguinte,sábado,

opaidelafezamesmaanotaçãonocalendário;embora,dessavez,parecessequeopneuhaviasido

cortadocomumafaca.

Nesseínterim,inexplicavelmente,Vickyjánãoconseguiacontataronamoradoinvisívelpelotabuleiro

Ouija.Noiteapósnoite,elatentavasecomunicar,masapranchetasimplesmentedeslizavaparaadeus.

Elanãofaziaideiadequeoseubem-amadoetéreohaviasemanifestadodefato:naformadeumvândalo

sobrenatural.

Nasegundasemanademarço,osdanosmateriaisàcasaeaoscarrosjáeramtãopreocupantesque

PeteBeckfordfezumareclamaçãoàpolícia-Quandoospoliciaischegaram,Peteressaltouadestruição

causadaàsplantaseaosarbustosdojardim,aoexteriordacasa,eaaparenteinvasãoàgaragemtrancada

parafurarpneusedesmontarmotores.Emcercaocasião,elechegaramesmoaouviralguémdarfortes

pancadasnacasapeloladodefora!Antesdepartirem,ospoliciaisgarantiramaPete—umrespeitável

membrodacomunidade—queficariamdeolhonapropriedadeduranteaspatrulhasnoturnas.

Todavia,posteriormente,naquelasegundasemana,veiooprimeiroindíciodequeosdanosnãotinham

nadaavercomgarotostravessosdavizinhança.Depoisdotrabalho,Peteeaesposa,Sharon,estavam

sentadosnacozinhafazendoperguntasaEricsobreosamigosdele.Essesincidentesdevandalismo

seriamresultadodealgumtipoderixacolegial?Derepente,ostrêsouviramalgoseratiradocontrauma paredeeseestilhaçaremalgumlugardentrodacasa.Percorrendo-acomcautelaparainvestigar,eles encontraramumburacodequasecinquentacentímetrosnaplacadegessodaparededoquartodeEric. O fato de que as bordas irregulares do buraco no gesso apontavampara dentro da parede era igualmenteinquietante.Ogolpeforadesferidoapartirdointeriordacasa!ParaosBeckford,oestranho vandalismoderepenteassumiuumanovaegravedimensão. Naquelanoite,quandoserecolheram,osBeckfordouviramalgoraspandoearranhandodentrodas paredes.Eracomoseumesquilotivesseentradonacasa.Atentoaossons,noescuro,Petetambémouviu obarulhodeumatábuasendosolta.Saindodacamadeumsalto,eleacendeuasluzesepassoumeiahora verificandoacasa,doporãoaosótão.Nãoencontrounenhumatábuasolta;naverdade,nãoencontrou nada fora do lugar. Não obstante, os mesmos barulhos esquisitos e perturbadores continuarampelo restantedasemana. Enquantoisso,ocarrodeVickyjáhaviatidotrêspneusfurados,demodoquePetecomprouparaa

filhaumnovojogodepneusradiais.Naterça-feira,9demarço,nagaragemtrancada,umdosnovos

pneusdagarotafoifurado.Elepareciatersidorasgadocomumafaca. Naterceirasemanademarço,osfenômenoscomeçaramaseintensificar.Apósocairdanoite,alguma coisacomeçounovamenteagolpearacasadosBeckfordpeloladodefora.Asfortespancadas,que soavamcomocabum,ocorriamemsequênciasdetrês,egolpeavamcomtantaviolênciaquefaziama casavibrar.Naturalmente,Petesaiuparainvestigar,masnãohavianadaquepudessever.Aomenosuma dúziadevezesnaquelasemana,eleeEricsaíramdacasacomlanternas,tentandoemvãoencontrara origemdaspancadas. Àmedidaqueaquelaterceirasemanasearrastava,batidasabruptaseirritantescomeçaramaser ouvidastambémdentrodacasa.Elasaumentaramdepressaemintensidade,atéqueosomfossecomoo deumadultobatendonasparedes.Quandoafamíliaiadormir,aspancadaseraspagensaleatórias continuavam.Porvoltadameia-noite,osomdetábuassendoarrancadasdasparedespodiaserouvido portodaapequenacasa.

Nofinaldesemana,dias20e21demarço,asválvulasdepressãodosradiadoresavapordosistema

decalefaçãodealgummodoseafrouxaram,espirrandoáguaquentepelasparedesepeloscarpetes.O primeiroimpulsodePetefoiresponsabilizarVickyouEric,maselesnãoestavamemcasaquandoisso aconteceu.Intrigado,apesardeaborrecido,elerecolocoumetodicamenteoscilindrosdosradiadores, mas,aintervalosdepoucashoras,elessesoltavamoutravez,provocandomaisdanosporcausadaágua. Porfim,eledesligouacalefaçãonoporão. Nessemeio-tempo,aspancadaspelacasaficavammaisfrequenteis—eintensas.Emvezdedescansar

naquelefimdesemana,PeteBeckford,umhomemcom23anosdeexperiênciaemdesigndemáquinas,

quasedesmontouacasaembuscadaorigemdosbarulhos.Apóstrabalharodomingointeiroemvão,ele

desistiu.Namanhãseguinte,precisandodesesperadamentedepazesilêncio,eleserendeuechamouum

encanadoreumprofissionalqueconsertassecalefações.

Oprofissionalreparadordecalefaçõeschegoucedonamanhãdeterça-feiradaquartasemanade

marçoedeclarouqueosistemaestavaemperfeitoestadodefuncionamento.Contudo,eletambémouviu

ossonsdepancadaseacaboupassandoquasedezenovehorasnacasadosBeckfordtentandoacabarcom

asbatidasintermitentes.Nofinal,aúnicacoisaqueelepôdedizeraPeteeSharonfoique“osbarulhos

nãoestãosendocausadospelacalefação”.

Naquarta-feira,oencanadorfoiexaminarosradiadores.Peteestavatrabalhandonasuafábrica,mas

Sharonexplicouque,todososdias,umaouduasválvulasdepressãoafrouxavam,espirrandovapore

águaquente.Elatambémfalousobreaspancadasnasparedeseossonsdealgoraspandoearranhando

duranteanoite.

Oencanadorfeztestesparaidentificarvazamentosdepressão,masosradiadorestambémestavamem

perfeitoestadodefuncionamento.Porprecaução,eletrocouasválvulasantigaspornovas,apertando-as

comtodaaforça.Aindamaisestranhamente,tãologoelepassavaaoseguinte,onovocilindroera

encontradonochão,aoladodoradiador.Apóstestareconsertartodososradiadoresduasvezes,ele,por

fim,recolocouosantigoscilindros.Emseguida,recolheusuasferramentasedisseaSharonBeckford:

“Dona,asenhoraestácomumproblemão!". Naquelamesmasemana,outrodospneusnovosdeVickyfoirasgadocomumafaca,mesmoqueocarro estivesseestacionadodentrodagaragemtrancadacomosempre.Noentanto,pneusfuradoshaviamse tornadoproblemasinsignificantesemcomparaçãoaocaosqueestavaacontecendodentrodacasa.Diaa dia—emespecialdepoisdopôrdosol—,aspancadasnasparedesdacasaficavammaisaltas.Os golpessurdoscostumavamperdurarhorasafio,noiteadentro.Quadrosedecoraçõescaíamdasparedes comaforçadoimpacto. Corajosamente, os Beckford tentaram lidar com aquele problema absurdo saindo para jantar, perambulandoporshoppingcentersoufrequentandocinemasdrive-inquepudessemmantê-losforatanto quantopossível.Emboraasprimeirastentativasdafamíliadeevitarotumultotivessemproporcionado certoalíviotemporário,oquehaviaacontecidoatéentãoeraapenasoprelúdiodopandemônioque estavaporvir.

Nodomingo,31demarço,maisumcortedefacaapareceuemumdospneusnovosdeVicky.Aquela

eraasextavezqueumpneueracortadooumurchava.Tambémeraaúltimavezemqueelateria problemascomeles.Issoporque,naquelanoite,ovandalismoinexplicáveldoúltimomêstransformou-se ematividadeostensivamentesobrenatural. Por volta das 22hdaquele domingo, enquanto ocorriamas incessantes pancadas, Pete e Sharon assistiamàtelevisãonoseuquarto,olugarmaissilenciosodacasa.EriceVicky,commedodeficar sozinhos,estavamsentadosnochão,pertodospais.Derepente,portrêsvezesemsequência,asluzesse apagarameseacenderamsozinhas;emseguida,atelevisãodesligou.Nisso,osBeckfordviramapesada penteadeirademadeiradoquartocomeçaralevitarmisteriosamente,erguendo-seaalgunscentímetros dochão. Horrorizados, eles observaram enquanto, repleta de coisas, a penteadeira — de 1,8 metro de

comprimentoepesandocercade110quilos—começouabalançarcomviolênciaparaafrenteepara

trás.Frascosdeperfumeedecosméticoscaíramnochãoequebraram.Emseguida,apenteadeiradesceu eparou.Uminstantedepois,porém,umadasgavetasseabriudevagar,ficoususpensaporumsegundoe, então,fechou--sedesúbitoecomforça.Empoucotempo,todasasgavetasestavamabrindoefechando, sozinhas,deformaabrupta. Enquanto os Beckford permaneciam sentados, paralisados de terror, a* gavetas se aquietaram. Imediatamente,umapesadacadeira,cheiaderou<pasdobradas,ergueu-seaunsnoventacentímetrosdo chão,inclinou-teparaolado,derrubouasroupase,depois,caiusobreelascomumbaquepesado.A seguir,umdepoisdooutro,osquadrosergueram-sedosteu*ganchos,afastaram-sedaparedeeflutuaram emcírculopeloquarto. “MeuDeus”,gritouSharon,“oquefizemosparamereceristo?"Nestemomento,oestradodacama caiunochão.Acamadecasalcedeu,comPeteeSharonsobreela.Osquadros,então,caíramaochãoe todaaatividadecessou. Maistarde,naquelanoite,depoisdearrumaremabagunça,osBeckfordtentaramdormir.Noentanto, quandoasluzesforamapagadas,afamíliaouviuosomdeumgatinhomiandonoquartodehóspedes. Minutosdepois,osomsetransformounochorodeumbebê.Petequeriaverificaroquarto,masobom senso dizia-lhe para ficar longe dali. Os incessantes barulhos de algo raspando e arranhando transformaram-seemsonsdecoisasrasgandoerebentando.Umavezmais,ouviu-seobarulhodetábuas sendoarrancadasdasparedes;narealidade,pareciaqueacasainteiraestavasendodesmantelada. Pancadasrecomeçaramnotelhadoedoladodeforadacasa,transferindo-se,emseguida,parao

interiordasparedes.Aolongodeumahora,aspancadassemexeramatéchegaraocorredore,então, pararamdemaneiraagourenta.Derepente,batidasagudasevibrantessoaramnacabeceiradacamade PeteeSharon,comoseapeçaestivesserecebendomarteladas.Ocasalsaltoudacama,masobarulho continuou.Acertaaltura,Petecontoudezoitogolpescontínuosnacabeceirademadeira. Àmedidaqueomedoseespalhavapelacasa,aatividadeficavaaindamaispoderosaeintensa. Quandoouviuamobíliatombandonasaladeestar,Peteestavaprestesasairparainvestigar,mas,então, umgritoassombrosoveiodoquartodeVicky. “Algumacoisaestavaaqui!”,disseagarota,ofegantedepânico.“Algumacoisaestavanestequarto, comigo!”

Nodia1ºdeabril,choverampedras!Elascaíamdocéuaberto,atingiamotelhadodosBeckforde

rolavam,caindonogramado.Apavoradaaoverqueumadaspedrasestourouajaneladosfundoseentrou nacasa,Sharontelefonouparaomarido,notrabalho.Cansadoporcausadanoiteanterior,Petepediuà esposaqueligasseparaapolíciaedissequeiriaparacasanaqueleinstante. Quando Pete Beckford chegouà residência, a polícia já estava no local, tambémassistindo ao inacreditávelespetáculodepedrascaindodocéu«obreadespretensiosacasa.Aspedrascaírampor cercadeumahora,aotodo,edepoispararam.Desesperado,Peteperguntouaospoliciaisoquefazer. “Chameumpadre”,sugeriram. Comoumpadrepoderiaajudar?,pensouPete.Nãohavianada“religioso”comrelaçãoàsdificuldades dafamília. PeteBeckfordficouemcasapelorestantedodia.Naquelanoite,quandoosolsepôs,móveiseobjetos começaramalevitardentrodacasa,àvistadetodos.Algunsdositenscaíam,aopassoqueoutroseram arremessadoscontraasparedes.Aterrívelatividadeinsidiosadurouanoiteinteira.Omáximoqueos Beckfordpodiamfazererasairdocaminho,poisalgunsdosobjetospareciamseratiradosdiretamente neles. Namanhãseguinte,comacasatodabagunçada,Peteestavairritadoosuficienteparaaceitarasugestão dopolicial.Sendocatólicoromano,eletelefonouparaopresbitériodaigrejacatólicalocaleconversou comopadrequeestavadeserviço.Osmóveisdacasaestavamlevitando,explicouPete;objetoscaros estavamsendojogadosnochãoequebrados;pancadas,coisasraspandoeoutrosbarulhosassustadores eramouvidosanoitetoda;haviachovidopedrassobreacasa!OpadreanotouoendereçodosBeckforde prometeuqueestarialáemumahora. Aperturbaçãoparouabruptamentequandoopadrechegou,mas,mesmoassim,Peteoconduziupela casa.Pisandosobreescombrosemóveisrevirados,aúnicaavaliaçãodopadrefoiquealguémnacasa estava“perturbado”eeramelhorqueelechamasseumpsiquiatra.Então,oclérigopartiu,aoqueas pancadaselevitaçõesrecomeçaram. Atormentadoeconfuso,Petechegouatrasadoaotrabalhonaqueledia.Absolutamentefurioso,decidiu iradianteeconfidenciaroproblemaaoúnicohomemquerespeitavaenoqualconfiava:oseusupervisor. Emumcubículocomparedesdevidro,Peteexplicouoporquêdetantasausênciasnoseuregistrode frequência,queanteseraexcelente.Porquaseumahora,Petereveloutodaahistóriainsólitaaohomem. OsupervisoracreditouemPeteequeriaajudá-lo,masnãosabiacomopoderiaserútil.Noentanto,elese lembravadonomedealgumaspessoasqueouvirafalandonorádio.“OsobrenomedeleséWarren,creio eu:lembroqueelesdiziamque,àsvezes,apenasumobjetoabençoadocolocadonacasafariacomque acontecimentosesquisitosparassem.Nãoseicomoentraremcontatocomessagente,masachomesmo queelessãoasuamelhoralternativa.” AconversadeixouPeteBeckfordbastanteanimado.Nofinaldatardedaqueledia,eledesceuatéo porãoedesembrulhouumaestátuadegessodemeiometrodeSantaAna,queeleesperavaquepudesse resolveroproblema.Contudo,assimquePetealevouparacima,eleouviuumatremendaconfusãoli embaixo.Aocorrerdevoltaparainvestigar,eleencontrouamobíliadasaladerecreaçãonoporão

flutuandoemplenoar.Àesquerda,pedrasdesabãoevidrosdedetergentetambémestavamlevitandona lavanderia,espirrandooseuconteúdonochão.AirracionalidadedaquilotudofoidemaisparaPete.Ele searrastoudevoltaláparacimaedeufaltadaestátua.Maistarde,eleaencontrounobanheiro,aolado dovasosanitário. Naquelanoite,alémdetodososoutrosfenômenosintoleráveis,guinchosebarulhosinfernaisencheram acasadosBeckford.Depoisdeumabusca,namanhãseguinte,aestátuadeSantaAnafoiencontrada debaixodoscobertores,nacamadoquartodehóspedes. Antesdedescobriroparadeirodaestátua,porém,Peteencontrouobscenidadesescritasalápisna portadoquartodeEric,omesmotipodebaixezavulgarqueseencontraemumbanheiropúblico. Acreditando que Eric pudesse de algummodo estar por trás de tudo, Pete foi tomado de fúria e repreendeuduramenteofilho.Eric,porém,simplesmenteentrouemdesesperoedesatouachorardo fundodocoração.Ogarotonãohaviafeitonadadeerrado.Petepediudesculpasaele.Emboraperplexo, PeteBeckfordaospoucoscomeçouasedarcontadeque,poralgummotivomisterioso,suafamíliacaíra nasgarrasdamesmacriatura—fosseoquefosse. Àmedidaquesearrastavaaprimeirasemanadeabril,dormir tornou-seimpossível.Farto,Pete decidiuretirarafamíliadacasaatéquesepudesseencontrarumasolução.Talvezelesapenasestivessem imaginandoaquilotudo,pensou,outalvez,seficassemfora,o“feitiço"sequebrasse.Levandoartigosde higienepessoaleumamudaderoupaslimpas,osBeckfordforamparaomotelmaispróximo. No motel, naquela noite, eles dormiram todos no mesmo quarto, por segurança. Todavia, logo descobriramquenãohaviacomofugirdassuasdificuldades.Luzesacendiam-seeapagavam-sesozinhas. Quadrosabandonavamasparedeseaspancadasrecomeçaram. Namanhãseguinte,quandoosBeckfordvoltaramaoseuquartodepoisdocafédamanhã,tudoestava revirado.Osmóveisestavamtombados,gavetashaviamsidoarrancadas.Lençóiseroupas,colchõese molasestavamespalhadospelocômodo.Aocomeçaremaarrumartudo,ogerenteapareceuparadizer queoutroshóspedeshaviamreclamadodas“crianças”Beckfordbatendonasparedesanoiteinteira,ea faxineirahaviacomentadosobreovandalismoridículonoquarto. PeteBeckfordassumiuaresponsabilidadeportudo,pediudesculpasegarantiuaogerentequeaquilo nãoaconteceriadenovo.Porém,naquelanoite,aconteceu.Nodiaseguinte,osBeckfordnãotiveram escolhasenãovoltarparacasa. No sábado, 6 de abril, quando Pete abriu a porta da frente de casa, a mistura de odores era inacreditável.Tapetes e camas estavamimpregnados de respingos de comida,produtos de limpeza, bebidasalcoólicas,graxadesapato,águadecolôniaeperfume.Toalhasestavamenfiadasdentrodos vasossanitários.Amobíliadetodososcômodosestavarevirada,partedelaquebrada.Pelasparedes estavamrabiscadasblasfêmiasverdadeiramentedoentiasemtintavermelho-sangue,bemcomoacusações obscenasaDeuseaCristo.OsBeckfordlevaramorestantedodiaparalimparasparedeserecolocara casaemordem.EmcasosparticularmenteviolentosqueosWarreninvestigaram,acaracterísticamais impressionantedaestratégiadeopressãoéessetipodedestruiçãosistemática.Oresultadodoviolento ataquedessesvândalosinvisíveisésuficienteparadeixarumobservadorchocadoeboquiaberto.Parece realmente que umbatalhão de imbecis marchoupela casa. Há destruição por toda parte. Palavras indecentesestãorabiscadasnasparedes.Peçasestimadaseobjetosreligiosossãoescolhidosparaserem conspurcadosearruinados.Emtermosdedinheiro,podesermuitocarobancaroanfitriãododemônio. Nãoobstante,por queadestruição?Por queessasentidadesincorpóreassedariamaotrabalhode destruirobjetosmateriais? “Taisespíritossãoaessênciadacrueldade”,dizEd.“Sevocêpassoumetadedavidatentandomontar

umacasaboaeconfortávelparasuafamília,émuitoangustianteficarparadoeassistira5mildólares

emmóveisvirarlixoemumaquestãodeminutos.Viaderegra,muitosserãoosespíritosresponsáveis

pelaaçãoviolenta—eelesvãoarruinartudoquetenhavalorparavocê.Evocênãopodefazernada

sobreisso.Setentar,seráimpedido,incapacitadoporalgumaforçainvisível,ouentãoestarásujeitoaser atingidonacabeçaporumobjeto.Muitasvezes,comonocasoBeckford,aspessoasnãoestãosequerem casaquandoadestruiçãoacontece.Elassimplesmentechegameencontramtodososseuspertences arrasados,destruídosouquebrados.Étãoinconcebívelqueumserincorpóreopossacausartamanho estragoqueaprimeirareaçãodaspessoasépegarotelefoneeligarparaapolícia,acreditandoquea casafoisaqueadaporladrões.Noentanto,oefeitofinaldadestruiçãoépsicológico.Oespíritoestá tentandoquebraravontadedoindivíduo. “Nãoesqueça”,continuaele,“queosfenômenosexternossãousadoscomodistração.Enquantoestá quebrandoamobília,oespíritodedicaamesmaquantidadedeenergiaparadesestabilizarapessoa internamente.Paramantersuasemoçõessobcontroleduranteaopressão,vocêteriaqueterapaciência de umsanto. Quer a perturbação o deixe assustado, deprimido, furioso ouqualquer outra coisa, é impossívelnãoficaremocionalmenteabalado.Nãohánadadoqueseenvergonhar—issoéserhumano. Emborasejaaceitável quesefiqueabaladocomoresultadodasituação,outracoisacompletamente diferenteéperderocontrole,porque,emúltimaanálise,éissooqueoespíritodemoníacoestátentando fazer.”

Nodia7deabril,DomingodeRamos,oirmãodePete,Terry,levariasuafamíliaàcasadosBeckford

parajantar.AocontráriodePete,Terryeraumprofissionalmaisinstruído,emboraambososirmãos

fossemtrabalhadoresdedicadosqueajudaramumaooutroavidainteira.Talvezagora,pensouSharon,

elesconseguissemresolveraqueleproblemajuntos.

ElaePeteexplicaramaTerryoterrívelsuplíciopeloqualestavampassando.Todavia,nenhuma

atividadeincomumaconteceunaqueledomingoenquantooclãdosBeckfordpermaneceusentadopara

jantar.AúnicarespostadeTerryBeckfordfoidizerqueprecisavahaverumaexplicaçãoracionalpara

tudoaquilo.

Depoisdojantar,asduasfamíliasseguiramparaasaladerecreaçãonoporão.Terrylevaraslidesda

suarecenteviagemdefériascomafamília,inclusivefotografiasdaTerraSanta,umaatraçãoturísticana

suarota.

Quandoapareceuumslidequemostravacruzes,estátuasetemplos,Vickylevantou-sedeumsaltoe

apontou.Dealgumaformainacreditável,daparededoporãobrotavaágua!

Derepente,asluzesseapagarametomaramaseacender,sozinhas.Uminstantedepois,começaramas

pancadasláemcima.Juntos,TerryePetecorreramparaotérreoafimdedescobrirdeondevinhamas

pancadas.Noentanto,semprequeseaproximavam,obarulhosimplesmenterecomeçavaemoutraparte

dacasa.Então,dotelhadovieramsonscomosecarpinteirosestivessememcimadacasa,batendo

marteloscomtodaaforça.Acasainteiravibravae,umavezmais,quadroscaíamdasparedes.Enquanto

isso,aesposaeosfilhospequenosdeTerry,tomadosdepavor,haviamseguidooshomensescadaacima.

PeteinsistiuqueTerrytirasseafamíliadeledacasa.Terrydetestouaideiadedeixaroirmãoemuma

situaçãotãoestarrecedora,mas,naquelanoite,nãoteveescolha.

“Nãohánadanaturalnisso”,admitiu,enfim,Terry,àportadafrente.“Émelhorprocuraroutropadre

quelhedêouvidos!”

Naquelanoitededomingo,oreinodeterrorcontinuou.Noentanto,alémdaquilo,pareciaquetodosna

casahaviamenlouquecido.

“Voumatarvocê!”,Vickygritavaparaoirmão.

“É?Eumatovocêprimeiro!”,Ericrosnavadevolta.

“Euvoumatarosdois!”,Sharongritavaparaosfilhos.

Emmeioàsbrigaseàsdiscussões,aspancadassurdascontinuavam,ecomamesmaintensidade.

Nessemomento,acabeçagirando,vendoacasadestruída,PeteBeckforddesmoronou.Comlágrimas

reluzindonosolhos,elemandouquetodosparassem!Quandoolhouparaopai,Ericdebulhou-seem

lágrimas,eSharontambémdesatouachorar.Vicky,porém,pareciaindiferenteeinsensível.Elase

trancounoquartoeficoualiatéoamanhecer.

Nodiaseguinte,8deabril,PeteBeckfordestavaexaustoepálido.Elejáhaviausadotodasassuas

folgaspormotivodedoençaparacuidardaquestãodopandemônio.Algotinhaqueserfeito,mas,a

quemelepoderiarecorrer?Profissionaisdeconsertonãoconseguiramajudar,nemapolícia,aigreja,

tampoucoopróprioirmão.EnquantoPetepermaneciadepéjuntoàjaneladacozinha,elesepegou

fitandoagrandecruznoaltodacasaderetirodomonastériovizinhoàsuapropriedade.Derepente,o

coraçãodePeteinundou-sedeesperança.Osmongessaberiam!

Peteaguardouatédepoisdahoradocafédamanhãe,então,subiuaviaatéacasaderetiro,ondeum

bondosomongedemeia-idadeoconduziuparaosaguãodeentrada.Petecomeçoulogoaexplicaro

problemadamelhormaneiraquepodiaepediu,emdesespero:“Osenhorviria,porfavor,àminhacasa

paraverdoqueestoufalando?”.Omongeconcordou.Juntos,elesdesceramaviadevoltaàcasatérrea

dosBeckford.

Dentrodaresidência,omongeexaminouosdanoscausadosàmobíliaeàsparedes.Eleouviuas

pancadasaleatóriaseleuasobscenidadesrabiscadaspelolugar.Nãoobstante,apesardaquilotudo,era

evidentequeomongenãoseperturboucomnadadoqueviu.Emvezdisso,elefezPetesesentar.

“Deixe-meexplicaroqueacreditoestaracontecendoaqui.Existemcoisasqueocorremnestemundo

quesãodeliberadamentemantidasemsegredo—coisasquealguémsódescobrepelaexperiência.Na

minhaopinião—etenhoapenasumconhecimentolimitadodetaiscoisas—,esteproblematerrívelque

vocêsestãosofrendoestásendocausadoporespíritos.Vocêacreditanessascoisas,Pete?”

“Ultimamente,padre,estouabertoasugestões.”

“Muitobem,então”,recomeçouomonge.“Essetipodeespírito,quesenteprazerematormentaras

pessoasnãoéumfantasma,masumespíritodeumaordemespecial.Nãosabemosquasenadasobreeles,

excetoquesãoespíritosrealmenteperversos.Ajulgarpelopropósitodasaçõesquerealizam,pareceria

queháalgumacoisaerradacomeles.Eumesmonãopossodesafiarotipodeespíritoquepareceter

entradonasuacasa,emboraexistamoutrosqueopossam.Mas,lembre-se",ressaltouomonge,“há

outrosmistériosnomundo.Osmistériosdaciênciaserevelamaosnossosolhostodososdias.Nemtoda

perguntaestranhatemumarespostaestranha.Amentenospregapeças,anaturezatambém.Antesquea

Igrejadesigneumclérigoparaumcasocomooseu,aquestãodeveprimeiroserprovadacomosendo

genuinamenteespiritual.Oquevocêacha?”

“Achoqueépossívelqueosenhortenhadesvendadoaquestão,padre.Eugostariadeseguirnessa

linha”,concluiuPete.

“Então,voulhedaronomedealguémquetalvezconsigaajudá-loasolucionaresteproblema.Onome

deleéEdWarren.”

EssaeraasegundavezquealguémaconselhavaPeteBeckfordaprocurarosWarren.Quandoosdois

homenscaminharamdevoltaàcasaderetiro,omongefezumaligaçãoeconseguiuonúmerodotelefone

deEdeLorraine.“Émelhorvocêentraremcontatocomessaspessoasomaisrápidopossível.”

“Éexatamenteoquevoufazer”,assegurou-lhePete.

Maistardenaquelamanhã,notrabalho,PetetelefonouparaosWarrenefaloucomJudyPenney,uma

jovemquetrabalhacomointermediáriaquandoEdeLorraineestãoforadacidade.Judyjáouviualgumas

históriasarrepiantespelotelefone,masaquelaemparticularadeixoucommedo.“OsWarrenviajaram

paraooeste”,eladisseaPeteBeckford,“mastransmitireioseurecadoaeles.Sugiroqueosenhorvolte

aligarnosábado;atélá,elesjáterãovoltado.”

Parasábado,porém,faltavamcincolongosdias:eraSemanaSanta,operíodomaisnotóriodoano

paraatividadedemoníaca.Namanhãseguinte,aonascerdosol,osBeckfordacordaramaosomde

objetosgolpeandootelhado.Saindoparainvestigar,elesmaisumavezvirampedrascaindosobrea

casa,vindasdonada.Duranteasemanainteira,pedrascomeçavamacairsobreacasadosBeckfordao

alvorecer—eparavamaoentardecer.Suaquantidadeevelocidadevariavam.Algumascaíamdevagar,

comoqueafundandoemágua.Outrasdesciamemumziguezagueirregular.Pordiversasvezesocorriaum violentodilúviodepedras erochas,algumas caindocomforçasuficienteparaficaremalojadas no telhado.Quandoatingiamochão,cercademetadedaspedrasdesaparecia;asoutraspermaneciamali, paraqueafamíliaaslimpassemaistarde.Dentrodacasa,aatividadeantirreligiosatornara-setão violentaquantoachuvadepedrasláfora.Crucifixoseramviradosdecabeçaparabaixo.Quadrosde santoseramestilhaçados-ospedacinhosdeixadosdesafiadoramenteemumapilha.AestátuadeSanta Ana,queosBeckfordagoramantinhamnasaladeestar,eraescondidacomfrequência,comosealgonão suportassevê-la. Defeto,aatividadeantirreligiosachegouaumridículoextremo.Certanoite,osBeckfordouviramum tremendotumultonoquartodeEric.Quandoabarulheiracessou,elesforamatéláeencontraramumadas camasdesolteirodestruída.Ocolchãoestavadebaixodaarmaçãodacama;acamaboxdemolas,no entanto,estavaescoradanaparede,cobrindoumaimagemdeJesus. Emoutra ocasião, enquanto estavamsentados na sala de estar, os Beckford ouviramumgemido horrendoepesarosoressoardentrodacozinha.Commuitacautela,Peteseguiupelocorredoratéo cômodo.Nomeiodacozinhaestavaogranderefrigeradordeduasportasdafamília;elehaviasido afastadodaparedeatéoexatocomprimentodoseufiodeeletricidade.Nanoiteseguinte,elesouviramo

mesmogemidoprolongado;maisumavez,orefrigeradorfoiencontrado90centrodocômodo.

Talvez ainda mais intimidadora tenha sido a constatação de que nem sequer a matéria física representavaobstáculoàsentidadesopressoras.Peteficavacomaúnicachavedofreezerhorizontalque selocalizavanoporão.Dealgummodoextraordinário,certatarde,quandoabriuofreezerpararetirar provisões,eleencontroualidentroagrandebigornadeferreiro,queelemantinhanagaragem.Mais tarde, Pete também descobriu que a sua enorme caixa de ferramentas, feita de aço, havia sido teletransportadaparaosótão. Piordetudo,agorapareciahaverumapresençafísicanaresidência.Quandosozinhos,membrosda famíliatinhamanítidasensaçãodequealguémestavanocômodo,fitando-ospelascostas.Oterrorera reforçadopelosomdepassos,pelofarfalharderoupaseporumarespiraçãopesada.Certavez,quando seviroudepressa,SharonBeckfordviuumaformanegradepé,àssuascostas,noquarto.

ParaosBeckford,aSexta-FeiradaPaixão—12deabril—daqueleanofoiumdiadepuropavor.

Umaatmosferaameaçadoraenvolveuacasa.Defato,pareciaqueolugarinteiropoderiaexplodirde repente enquanto o pandemônio enfurecido continuava semperder intensidade. Pedras esmurravam misteriosamenteoladodeforadolocalaomesmotempoemqueocaosdesenfreadoseguiadentrodela. Somando-seatudoisso,agorahaviaaquelapresençainvisívelquepareciacadavezmaisrealefísica,a tal ponto que ninguémtinha coragemde ficar sozinho na casa nempor uminstante. Os Beckford, amedrontadoseatormentados,tinhamumaúnicaesperança—osWarren,quemquerqueelesfossem.

LIBERTAÇÃO Odiaera12deabril. DentrodoterminaldoaeroportoLaGuardia,pessoassuficientesparaencherumapequenacidadeiame

LIBERTAÇÃO

Odiaera12deabril.

DentrodoterminaldoaeroportoLaGuardia,pessoassuficientesparaencherumapequenacidadeiame vinhamemrebuliço,àesperadeaviões.Doladodefora,naplataformadeobservaçãoelevada,oar estavaimpregnadodevaporesdedieseledogemidoagudodemotoresdeturbo-hélice.Aolonge,do lado esquerdo, via-se a silhueta dos prédios de Manhattan contra o sol poente. Acima, no céu crepuscular,jatoschegavamvindosdooeste,faziamumacurvaàdireitaacimadaWhitestoneBridgee, então,umaum,desciamlentamentedevoltaaosolo.

Abordodograndeaviãodetrêsmotoresquepousavalogoapósas18hdaquelefimdetardeestavam

EdeLorraineWarren,voltandoparacasadepoisdedezdiasfazendopalestrasemdiversoslugares.Eles haviam palestrado seis vezes em quatro estados, aparecido em duas oportunidades na televisão, respondidoatrêshorasdeperguntasemumprogramaderádiocomaparticipaçãodeouvintes,visitado umacasanãomuitomal-assombradaeconcedidoquatroentrevistasseparadaspararepórteresdejornais estudantis.Ocasalficoufelizaoretomar:osWarrenestavamansiososparapassaroDomingodePáscoa comparentes.Nasegunda-feira,elesviajariamnovamente,agoraparaoestadodoMaine. Porvoltademeio-diadodiaseguinte,sábado,Lorrainerecebeuumtelefonemadeumhomemforade sidetantomedoeangústia.Aoseumodoagradável,elaoacalmou.Osenhorpoderiaexplicaroseu problemadamaneiramaisespecíficapossível?” Aolongode quinzeminutos,Pete Beckforddesfiouuma história quaseque incrível demais para acreditar.Elecontousobreospneusrasgadosgosmotoresvandalizados,quelhehaviamcustadomaisde

500dólaresparaconsertar;contousobreosfrascosdecatchup,óleosparasalada,alvejanteseperfumes

queflutuavampelocorredorederramavamoseuconteúdosobretapetes,móveiseeletrodomésticos

caros;contouqueEumaestátua,umabigornaeumrefrigeradorsemoviamporcontaprópria;quemóveis

pesadoslevitavam;quepedrascaíamsobreasuacasaequebrotavaáguadasparedes.Elejánãopodia

suportar.Peteimplorouporajudaedissequeestavadispostoapagarovalorquefosseporela.

Aprincípio,ocorreuaLorrainequeaimaginaçãodePeteBeckfordtivessesaídodocontrole.Contudo,

quandoeleterminouorelato,ficouevidenteparaelaquearesidênciadaquelehomemestavasofrendoum

assédiodiabólico.“Edestácuidandodeoutrocasonestesábado”,disse-lheLorraine.“Noentanto,

podemosiratéasuacasaamanhã,nodomingo.”Peteconcordounahora.Apósaangústiadasúltimas

seissemanas,fesperarmaisumdiacomcertezanãotrariagrandesconsequências,pensouele.

Ademonologianãoétãosomenteumaquestãodesairàcaçadesúbitastorrentesdeatividadeinsólita.

Paraondequerquevá,eapesardasuaagendanormalmentecheia,aprioridadedocasalWarrenéajudar

aquelesqueestãosendooprimidos,atacadosouatémesmopossuídosIpelasforçasdastrevas.Naquela

noite,LorrainerefezasmalasdeviagemIe,noiníciodamanhãdodiadePáscoa,jáestavamacaminho

deVermont,comumaparadanacasadePeteBeckford.OcasalchegouàresidênciadosBeckfordna

tardedodiadePáscoa.“OlugarpareciabemIcalmo”,dizEd,“excetopelaspedrasespalhadaspelo

gramado.”Dentrodacasa,porém,ascoisasnãoestavamnadacalmas.Móveiscarosmostravam-se

lascadosemanchados.Marcascobriamasparedes,eumodorrepulsivopermeavaoar.Lorrainenão

dissenada,massentiu,naocasião,apresençadeentidadestãonumerosaseameaçadorasaliqueteveque seesforçarparanãovoltarparafora.Parecia-lhequeumafúriadesvairadaestavaacaminho,queopior, defato,aindaestavaporvir. DepoisdeapresentarafamíliaaEdeLorraine,PetelhesmostrouEorestantedacasa.Emcada cômodo,eleparavaparacontarpelomenosKumadúziadeincidentes,relatosqueosWarrenouviam comatenção—tomandoanotaçõesmentaisdaatividadequeeledescreviaenquantosemantinhamalertas aqualquerexagerooulábiaporpartedohomem,aonarraroseventos. Tendopercorridoacasatoda,EdeLorraineconduziramumaentrevistainvestigativacomosquatro membrosdafamília.Primeiro,pediramquePetefalasseportodosefizesseumacronologiadoseventos quejáhaviamacontecidonacasadesdequeoassédiocomeçara.Pormaisdeumahora,eleforneceu detalhesmeticulososdoseventosqueeram—naavaliaçãodosWarren—potencialmenteprovocados porespíritos. “Algumdevocêssabeoquepodeterdesencadeadoesteproblemanacasa?”,perguntouEd. “Não”,responderam. “Quandovocêsnotaramaprimeiraocorrênciadeatividadeincomum?"

“Nósachamosquefoinodia3demarço,quandoopneudocarrodeVickyfurouquandoelaestavana

drogaria.Emborapossatersidoumacoincidência,parecequefoioprimeiroincidente”,esclareceuPete. “Alguémnavizinhança,oualgumparentemaispróximo,faleceurecentemente—alguémcomquem talvezvocêsnãoseentendessemmuitobem?” “Não.” “Alguémnafamíliaestáfazendotratamentocomumpsiquiatra?” “Não.” “Vocês compraramalgummóvel de antiquário oude segunda mão — digamos, emumbazar de garagem—antesdeotumultocomeçar?” “Não.” “Alguémdafamíliacomprououganhouumpresenteouumaestatuetaestrangeiraincomum?Estátuas demadeira?Umbonecodevoduhaitiano?Umquadrodealgumadeidadedeoutrareligião?” “Não.” EnquantoEdeLorrainefaziamperguntasaosBeckford,começaramaocorrerbatidasintermitentes.Os sonsforamouvidosdentrodasparedesporalgunsminutos,depoispararam.Elesrecomeçaramalguns minutos mais tarde, dessa vezemergindo de vários pontos do piso. Os barulhos eramaudíveis o suficienteparaseremregistradospelogravador. OsWarrencontinuaramcomasperguntas,ignorandoaatividade.Então,Eddeuinícioaumasériede questionamentosespecíficosqueeleesperavaquepudesseidentificaraorigemdoproblema. “Vocêstêmalguminteressenoocultocomopassatempo?Têmparticipadodesessõescomgruposde expansãodeconsciência?” “Não.” “Algumdevocêscomprououtomouemprestadosdabibliotecalivrossobresatanismoourituaisde bruxaria?” “Não.” “Peloquevocêssabem,foirealizadaalgumasessãoespíritanestacasa—mesmoanosatrás?” "Nunca”,foiarespostafirme. “Eric, Vicky, algum dos seus amigos tem interesse no oculto, ou talvez faça rituais ou magia cerimonial?” "Não.” "AlgumdevocêsusouumtabuleiroOuijaoualguminstrumentodeescritaautomática?” “Ai”,disseVicky,empoucomaisqueumsussurro.

“VocêusouumtabuleiroOuija,Vicky?”,Lorraineperguntouespecificamenteparaagarota. “Sim”,admitiuela,parasurpresadafamília. “Tudobem,querida,entãoémelhorvocênoscontartudosobreisso”,disseLorraine.“Comecebemdo início,porfavor.” Comisso,VickyBeckfordcontoucomoestiverausandootabuleiroOuijaparasecomunicarcomo espíritodeum“adolescente”quesupostamentehaviamorridonasredondezasunsdezanosatrás.Ela admitiununcaterdefatovistooespírito,embora,umavez,tivessepedidoparaqueelesemanifestasse. Agarotatambémdefendeuaexistênciarealdoespírito,citandoeventosfuturosqueelepreviucom exatidãodiasantesdeacontecerem.Elanegouqueoseuamigoespiritual;pudesseterprovocadoaquela atividadehorrendanacasa.Eleera“gentilecompreensivo”,nãocrueledestrutivo. “Esseespíritorevelouonomeavocê?”,Lorraineperguntouàmoçaquandoelaterminoudefalar. “Não,elemedissequenãopodia”,respondeuVicky. “Presumoquevocêaindaestejasecomunicandocomesseespírito”,disseLorraine. “Não”,admitiuVicky,comcertatristeza.“Devoterfeitoalgumacoisaerrada.Nuncamaisconseguime comunicarcomeledepoisquepediparaelesemostrarparamimnaquelanoite.” “Quandofoiaquelanoite?”—pressionou-aLorraine.

“Sóumminuto”,disseVicky,levantando-seeindoparaoquarto.“Dia2demarço”,gritouela,

voltando,emseguida,paraamesa. “Eaatividadecomeçou ?”

“Nodia3demarço!”,concluiuPeteBeckford,olhandoparaEd.

Pete,SharoneErichaviamouvido,estupefatos,àhistóriainusitadadeVicky.Comopoderiaalgotão

bobocomoumtabuleiroOuijacausartamanhacalamidade?Assim,emmeioaobarulhodaspancadas,Ed

nãoteveescolhaanãoserpassarameiahoraseguinteexplicandoàfamíliaarealidademedonhados

fenômenosdemoníacos.

Quandoeleterminousuaexplicação,osBeckfordpermaneceramsentadosemsilêncio,perplexos.“Sr.

Warren”,Peteporfimsentiu-secompelidoaindagar,“comosabedissotudo?”

“Sr.Beckford”,respondeuEd,“esseéomeutrabalhoeeuovenhofazendoportodaaminhavida.Eu

souumdemonologista.”

“MeuDeus”,foitudooquePeteconseguiudizer.

EncerrandoaentrevistacomafamíliaBeckford,EdeLorrainepediramlicençaparaconversarasós lá fora, no gramado da frente. Ocasal concordava que o caso era muito mais sério do que havia imaginadonoinício.Comcerteza,oassédionuncacessariaporsimesmo.Narealidade,aatividade estavachegandoaumestágioperigoso.E,comoafamíliajáhaviapercebido,elesnãoevitariamo

problemafugindodele—

àconclusãodequeasoluçãomaisrápidaseriaenvolveraIgrejaimediatamente—paraqueofenômeno pudesseserverificadoe,então,combatido. Edsabiaque,emalgummomento,umclérigoteriaquetestemunharoqueestavaacontecendo,eele queriaqueopadreDanielespecificamentefosseessatestemunha.ComapermissãodosBeckford,ele telefonoupara o mesmo padre escolhido como inimigo pelo espírito vinculado à boneca de pano Annabelle. O padre Daniel, umjovemsacerdote versado de trinta e poucos anos, havia estudado demonologiarecentementee,aolongodoúltimoano,Edvinhasendooseututornosaspectospráticosda disciplina. Algumashorasmaistarde,logodepoisdopôrdosol,opadrechegouàresidênciadosBeckford. Naquelemomento,aatividadejáhaviarecomeçado,compancadasesonsdecoisasraspando,bemcomo a levitação de pequenos objetos. Para testar se as pancadas estavamsendo provocadas de forma deliberada,Edbateuduasvezesnaparede.Ouviram-seduaspancadasemresposta!Emseguida,eledeu quatro batidas emuma sequência rápida. Quatro batidas rápidas soaramno piso, depois na mesa.

oproblemaosseguiriaparaondequerquefossem.OsWarrenchegaram

Obviamente,haviaumainteligênciaportrásdaatividade. EdpediuqueopadreDanielrecitasseumabênçãoemcadacômodo,oque,depoisdefeito,reduziua força e a frequência das pancadas — o aspecto mais irritante da perturbação. Depois disso, Ed e Lorrainesentaram-senasaladeestaredeixaramopadreapardasituação.OsWarrentinhamquepartir paraoMainenaquelanoite,masopadreDanielficariacomafamíliaduranteaausênciadocasal. “Agoravocêseráalvodeódio”,Eddisseaojovempadre,semrodeios.“Emhipótesealgumavocê devedesafiarosespíritosaindanãoidentificadosqueestãoaqui.Vocêcorreperigofísicoementalnesta casa.Senãoforcauteloso,podesemachucarseriamente.Porisso,nãotenteresolverosproblemas sozinho.Apenassejaforteenãodeixequesuasemoçõesodominem.Useorosário,nãoaraiva.”Ed entregou-lheumcartão.“Aquiestáonúmerodotelefonedeondeestaremos.Nãosuponhanada.Se houveralgumacoisaquevocênãosaibaoucomâqualnãopossalidar,ligueparanós,dediaoude noite.”Anotandooutronúmerodetelefone,Edacrescentou: “OpadreShawnMcKeeganseráoseu superiorimediatonestecaso.Eujáentreiemcontatocomele.LigueparaopadreMcKeegantodosos diaseomantenhainformadodaatividadequeestiverocorrendoaqui. “Nessemeio-tempo”,disseEdaSharonBeckford,“sabemosquevocêsestãonasmelhoresmãos,e sempreexisteapossibilidadedequeapresençadeumpadrefaçacomqueosfenômenosparem.”i Depoisdefazertudoquantopodiamnaquelanoite,EdeLorrainepartiramparaoaeroporto.Elesse manteriamconstantementeemcontatoviatelefoneeretornariamdeVermontdeimediatocasoopadre Danielprecisassedeles. ComapartidadosWarren,afamíliaofereceuaopadreDanieloquartodehóspedes.Naquelanoite, apósapagarasluzes,osacerdotedeitou-seeouviutodosossonsaterradoresqueosBeckfordvinham ouvindonoúltimomês. Nos poucos dias quese seguiram,a atividadeprosseguiuinalterada.0padre Daniel continuoua testemunharosbarulhoseosestranhosmovimentosdeobjetos.Aindaporvoltadaquarta-feiraapósa semanadePáscoa,ficouevidentequeaatividadeestavaocorrendoapesardapresençadopadre—ou comointuitodedesprezá-lo.SemprequeopadreDanielpediaumlápis,umcopodeáguaouumlivro,o objetoseerguiaeflutuavaatéeleou,commaiorfrequência,simplesmenteestariadalinapróximavezem queeleoprocurava.Emumaspoucasocasiões,oobjetojáestavaacaminhoantesmesmodeopadre pedi-lo.Taisatospareciamdivertidos,masEdalertouqueopadreDanielnãooslevasseamal.Tais desafios sarcásticos tinham por objetivo testar a paciência do clérigo, ou até provocá-lo a um envolvimentoemocionalquetalveznãoconseguissecontrolar. Quandotodosserecolheramnanoitedaquelaquarta-feira,aatmosferanacasaeraqualquercoisa, menosdivertida.Afúriadabarulheiraimpediuquequalquerumdormisse.Porém,alémdocaos,uma presençamalignaeassustadorafez-sebastanteevidentenacasa.Aolongodanoitetoda,opadreDaniel sentiuahostilidadeviolentaecoléricadaquelaentidade.

Naquinta-feira,18deabril,quandoosWarrenretornaram,opadreDanielestavaesgotadoemuito

pálido. Depois de quatro dias e quatro noites comos Beckford, ele precisava afastar-se da árdua tormentademoníaca.Naquelatarde,elevoltouparaoseupresbitérioafimderecuperar-seporalguns dias.EletambéminformariaopadreMcKeeganquetalvezumexorcismotivessequeserrealizadona casa. Enquantoisso,EdeLorrainepassaramanoitecomosBeckfordparaverificar,porsimesmos,os fenômenos,bemcomotentardiscerniranaturezaexatadapresençaespiritual.Commedo,EriceVicky instalaram--senochãodoquartodospais.Dormindocomasroupasqueusavamduranteodia,como todososdemais,EdeLorrainedescansariamnascamasdesolteironoquartodeEric,dooutroladodo corredor. QuandoasluzesdosWarrenseapagaramnaquelanoitedequinta-feira,osfenômenosmanifestaram-se comforçatotal,começandocomgrunhidoseoutrossonsbestiais,seguidosporaquelaespéciedegritos

penetrantesepavorososassociadosaumfilmedeterror.Somadoaisso.Haviasonsdecoisasrasgandoe arrebentando,osquaissetransformaramnobarulhodetábuassendoarrancadasdasparedes.Empouco tempo,aspancadasusuaiscomeçaram.Elasseintensificaram,dandoaimpressãodequegolpesdeum punhogigantescoatingiamacasa.Aforçadosgolpesfaziaaconstruçãointeiratremer.Edpensou, preocupado,seaintegridadeestruturaldacasaaindapoderiasuportartamanhaviolência. Porpraticamenteumahora,osfenômenosganharampodereintensidade,todosossonsenlouquecidos acontecendoaomesmotempo.Derepente,gritosaterrorizadosfizeram-seouvirnoquartodePetee Sharon.QuandoEdchegoulá,afamília,histérica,afirmouquealgumtipodefiguramuitíssimonegrase manifestaraecomeçaraacircularpeloquarto. Indignadocomoabusoqueestavasendoinfligidoàfamília,Eddecidiuiradianteedesafiaroquequer queestivessenaresidênciaarevelarasuaidentidade.MandandoEricparaoquartoafimdeficarcom Lorraine,elepediuqueVickyeospaisdagarotasesentassemnacama. Então,eletraçouumagrandecruznoarcomamãodireita.“EmnomedoPai,doFilhoedoEspírito Santo,euexijoquereveleasuaidentidade.EmnomedeJesusCristo,vocêéumespíritodemoníaco?” Comisso,acamadecasal,comostrêsBeckfordemcima,ergueu-sedemaneirasobrenatural e permaneceususpensanoar,auns sessentacentímetros dochão.Derepente,apenteadeiraavançou depressapeloquarto,comosetivesserodinhas.Edconseguiusairdocaminhoantesdeomóvelcolidir contraaparede,nomesmoinstanteemqueacamadecasaldespencounochão. Enquantoisso,Ericestavadeitado,chorandoemsilêncionaoutracamadesolteiro,noseuquarto. QuandoLorrainesevoltouparaconfortaroadolescente,paraoseuespanto,Ericestavalevitandouns sessentacentímetrosacimadacama!Umsegundodepois,elaobservouóadolescenteseratiradocom

tremendaforçacontraaparededooutrolado,a1,5metrodedistância.Ogaroto,então,despencou,

parecendoumamontoadonochão.

Lorrainesaiudacamadeumsaltoeacendeualuz,instanteemqueosdemaisentraramnoquarto. Atordoadoetrêmulo,Ericnãotiveranenhumossoquebrado,masorostoeopeitoestavaminchadose apresentavamhematomas. OsinalpedidoporEdforadado.Oespíritodemoníacoestavaagindo!Issoficouaindamaisevidente namanhãseguinte,depoisdonascerdosol,quandoLorraineolhoupelajaneladoquarto.Decabeçapara baixo,fincadoemummontedenevequeaindanãohaviaderretido,estavaocrucifixodenogueirade trintacentímetrosqueestiverapregadonoquartodePeteeSharondesdeodiaemquesecasaram.

Nasexta-feira,19deabril,enquantoEdeLorrainepermaneciamnasuaestadiacomosBeckford,os

fenômenostomaram-seumespetáculoaindamaiordepoderpretematural.Obscenidadeseblasfêmias surgiam no teto do quarto dos pais, escritas em tinta vermelha indelével. De forma ainda mais surpreendente,enquantotodosobservavam,opapeldeparedecomeçouasesoltar,umafolhaporvez, revelandolinguagemimoraleblasfêmias,novamenteescritasemtintavermelho-sanguenaparede,sobo papel!Quadrosagoranãoapenassemoviamporsimesmos:elescomeçavamaqueimareexplodirem chamas.Trabalhosdecrochê,toalhasdebanhoecachecóispegavamfogoderepentee,então,[ardendo emchamas,atiravam-seemalguémnocômodo. Aatividadeferozcontinuouduranteofimdesemana.OsWarrencancelaramtodososcompromissos parapoderemficarcomosBeckfordatéavoltadopadreDaniel,nodomingo.Enquantoisso,aviolência

prosseguianamesmaintensidade.Nasaladerecreaçãonoporão,pesadaspoltronasreclináveiserguiam-

senoar,flutuavamatéomeiodocômodoe,então,colocavam-seumassobreasoutrasemposições ostensivamentesexuais.Acertaaltura,orestantedamobíliaflutuavaparaamesmaáreaedespencavaa esmo no chão. Lá emcima, o papel de parede continuava a se desprender, expondo os odiosas sentimentosdodemônio.E,nodecorrerdissotudo,focosdeincêndiocomeçavamdeformaespontânea, exigindoquetodosficassematentosparaimpedirumaconflagraçãosúbita.

Nodomingo,quandodoregressodopadreDaniel,ficouevidenteparaEdeLorrainequeapenasum exorcismopoderiacolocarfimàquelafúria.Normalmente,umpadrenãoprecisadepermissãopara exorcizarumacasa.Noentanto,OExorcistaacabaradeserlançadocomofilmeeaIgrejaestavabastante sensível acríticasnaquelaépoca.Dessemodo,asinstruçõesqueopadrehaviarecebidodopadre McKeeganeramclaras:consigafundamentarasuasolicitaçãodeexorcismocomprovasdocumentaisde atividadesobrenatural! Os Warren haviam previsto essa complicação burocrática e já estavam coletando as provas necessáriasquandoopadrechegou.Contudo,amaiorpartedotrabalhoaindateriaqueserfeitapelo

padre Daniel. Os Warren, impossibilitados de adiar outros compromissos importantes compessoas envolvidasemoutroscasos,tiveramquepartirnaquelanoiteparaonortedoestadodeNovaYork. Portanto,opadreprecisariapermanecerdenovonacasa—paraentrevistarafamíliaerelacionartodos osincidentesdefenômenosquehaviamocorrido,enquantomantinhaumregistrodaatividadeincessante, queagoraaconteciacomaindamaisforçaeviolência.

Nasegundaeterça-feira,22e23deabril,opadreDanielocupou-sededocumentaraatividade.

Reunindooperfildepersonalidadevcadamembrodafamília,eleacabouporverocustohumanodeum assédio diabólico. Talvez o mais afetado fosse Pete Beckford. Desde o início, cada some cada movimentohaviamenchidoohomemdeummedoqueemergiadaprópriaalma.Alémdisso,elenão conseguiasuportaraideiadequeacasadeleparecia,agora,seramoradiadodiabo.Comoaquilotudo erainconcebíveleindesejado!Cansado,humilhadoeemocionalmenteexaurido,PeteBeckfordtambém estava doente, sofrendo de uma dolorosa úlcera para a qual tomava medicamentos caros. Embora mantivesseoscomprimidosescondidos,todamanhãeleencontravaamedicaçãodescartadadentrodo vasosanitárioejánãopodiapagarpeloluxoderenovarareceitamédica.Petenãoconseguiatrabalhar já havia mais de ummês e as constantes despesas comdanos e profissionais de consertoestavam devorandosuasminguadaseconomias.

“Aopressãointernapodeservistacomoumprocessopaulatino”,explicaEd.“Quandocomeça,trata-

sebasicamentedeumasituaçãoderespostaaestímulos.Oespíritoestimuladeterminadaemoção— digamos,adepressão.Seapessoarespondeaoimpulso,oespíritopassaarepetiroestímulo.Sea pessoacontinuarespondendo,entãoaquelaemoçãoseráreforçadacomtantafrequênciaeintensidade que,porfim,umbelodia,acabaacontecendoumcolapsoouumacatástrofe.Muitasvezes,porém,o indivíduosequersaberáqueestásendoprogramadoparadestruirasimesmo,porqueaopressãotambém pode ser externa. Assim, enquanto o espírito está transformando a depressão interna emprofundo desespero,eledistraiaatençãodapessoaparaioseuaparelhodealtafidelidadequecustoumildólares eestálevitandonomeiodasala,prestesasearrebentarnochão.” SharonBeckfordreagiraemumnívelmaispessoal.Porqueaquelaviolência,destruição,vulgaridade eódioestavamacontecendo?Eleshaviamtrabalhadoavidainteiraparaconstruirumaboacasaeuma família decente. Eles e os filhos iamà igreja todo domingo. Comlágrimas de raiva, Sharonfazia

perguntascategóricasparaasquaisnãohaviarespostasprontas:“Seistoéodiaboagindo,então,onde estáDeus?ÉjustoquenossacasatodasejadestruídaporquenossafilhausouumtabuleiroOuija?”. OpadreDanielcompreendiaosofrimentodeSharonBeckford. Noentanto,suas perguntas exigiamuma solução,e opadre foi forçadoi a respondê-las comas palavrasapropriadasdoCapítuloXVIIIdoLivrodeDeuteronômio:“Entretinãoseacharáquemfaça passarpelofogoaoseufilhoouàsuafilha,nemadivinhador,nemprognosticador,nemagoureiro,nem feiticeiro,nemquemconsulteaumespíritoadivinhador,nemmágico,nemquemconsulteosmortos,pois todoaquelequefaztalcoisaéabominaçãoaoSenhor”. “Pessoasemsituaçõesdeopressão”,comentaEd,“costumamperguntar:‘PorqueDeuspermiteque issoaconteça?’.Bem,Deusnãopermitequeissoaconteça:aspessoaspermitemqueissoaconteça.O espíritodemoníacotemqueatuardeacordocomasregrasestabelecidaspelo^Criador.Éporissoqueos

atosecomportamentosdelessãotãodissimulados:oespíritodemoníaconãopodeinterferirdiretamente emassuntoshumanos.Porém,aspessoastambémtêmqueobedecer àsregras!Portanto,quandoum indivíduoviolaasregrasporlivreeespontâneavontade,eleestáporcontaprópria.Aindaassim,os poderesdemoníacossão,aomenosteologicamente,limitadosà‘tentação’.Emoutraspalavras,oespírito demoníaconãopodeforçaralguémafazeralgocontraaprópriavontade—maselepodeinfluenciara pessoaacometeratosqueelageralmentenãocometeria.Tampoucopodeoprimirumindivíduoparaalém dasuacapacidadederesistir.Veja,emtermoscósmicos,oespíritodemoníacopodeseaproximarapenas até umponto, não mais que isso. Mas, assimcomo as pessoas desrespeitamas regras, tambémo demoníacoasdesrespeita.NocasodosBeckford,osespíritosinfestadoresforamlongedemais.Eles infringiramaleideDeus.”

OsefeitosdahorrendaperturbaçãosobreEriceramdifíceisdedeterminar.Tendo15anos,ogaroto

erasensíveleimpressionável.Antesdoepisódio,eleeraextrovertidoesociável.Emmeadosdeabrilde

1974,estavatraumatizado,quietoerecluso.Paraoseuprópriobem,ogarototalveztivessequeconsultar

umpsicólogo. Vicky demonstrava uma gama de emoções, desde culpa até indiferença. Normalmente, seu comportamentoeradefensivo;emdadasocasiões,elasemostravahostileesbravejavacomqualquerum àsuavolta.Agarotaeradefinitivamenteumacandidataapossessão,eascircunstânciaseramfavoráveis paraqueissoacontecesse. Durantetodoaqueleperíodo,osfenômenoscontinuaramsemnenhumamudança.Antesdepartir,os WarrenhaviamchamadoopadreDanieldelado.“Hámuitasentidadesnacasa”,disse-lheEd,“mas,a julgarpelaintensidadeepelaforçadosfenômenos,suspeitamosqueaperturbaçãoestejasendocausada poralgoalémdepoderesdemoníacos.Existeumaclarapossibilidadedequeumaentidadediabólica superiorestejaenvolvida,talvezatraídaapartirdacasaderetiro,ondepoderiaestartentandoatormentar osmonges.Nessecaso,podeserquevocênotealgumsinalqueoalertedetalpresença.”Essesinalse deunanoitedeterça-feira,quandoEdeopadreDanielconversavamaotelefone. Umaspectocuriosoemrelaçãoaoassédiodiabólicoé que orosárioé umtabupara oespírito demoníaco. Apenas as entidades mais ameaçadoras e blasfemadoras se atreveriama movimentá-lo. EnquantoopadreDanielfalavaaotelefone,orosáriosaiuflutuandodoquartodehóspedesemqueo sacerdote estava instalado. Ele observouo rosário virar à esquerda, flutuar pelo corredor, virar à esquerda outra vez, entrar na cozinha, e, por fim, enrolar-se emuma cadeira ali, emumgesto de estrangulamento. Foiosuficiente!EdpediuqueopadreDanieltirasseafamíliadacasaequetodospermanecessem afastadosdaliatéqueeleeLorrainevoltassemdeNovaYork,naquinta-feira.Comisso,todosfizeramas malasepartiramimediatamente. OpadreDanielvoltouparaoseupresbitério.OsBeckfordforamhospedar-senacasadospaisde Pete,alinavizinhança.Umavezmais,osfenômenosseguiramcomeles.PeteBeckfordnuncacontouaos

pais,de75anos,oqueestavaacontecendoàsuafamília,poistinhacertezadequeofardodetal

conhecimento bastaria para deixá-los aterrorizados. Não obstante, naquela noite, quando todos se recolheramnacasade“vovóevovô”,aatividadeirrompeu.Pequenosobjetoslevitaram,quadroscaíram

dasparedesebatidasirromperamportodaaresidência.0problemanãochegouacausarincômodona

noitedeterça-feira,mas,nanoitedequarta-feira,acasainteiraressoavacompancadasimpiedosas.Na manhã seguinte, as torneiras dos banheiros e outras instalações hidráulicas foram violentamente retorcidasearrancadasdaparedeporalgumaforçainimaginável.Semtentarexplicarasituação.Pete chamouumencanadorparaconsertaroestrago,arrumouascoisasdafamília,eelespartiram. Jáoclérigofoiafetadodeumamaneiramuitomaissinistraenefasta.Pelasduassemanasanteriores, elehaviatestemunhadoosmaislincríveisfenômenoscausadospelaatividadedemoníaca.Aquelediabo teológicoassumiraproporçõesreais,eopadreDanielsentia-seemverdadeiroperigo.Defato,um

espíritodacasadosBeckfordtambémohaviaseguido.Naprimeiravez,eleviuumaformacilíndrica escura,negra,bloqueandoapassagemnoestreitocorredorquelevavaaosseus^aposentos.Nasdemais noites,aformapostou-senocorredor,mantendooclérigoprisioneironasuamodestaceladuranteanoite inteira. AomesmotempoemqueacasadospaisdePeteestavasofrendodanos,opadreDanielestavafazendo abarbaquando,diantedosseusolhos,alumináriapendentedobanheiroapagouesoltou-sedoteto, desmontando.Umaauma,aspartesdesceramflutuandoepousaramnapia.

Naquinta-feira,25deabril,osWarrenvoltaramdonortedoestadodeNovaYork,tendocancelado

outroscompromissosereorganizadoasuaagendaparaquepudessemconcentrar-seinteiramentenocaso Beckford.ElesencontraramopadreDanielemumrestaurantepróximoparadiscutirosmaisrecentes desdobramentosdasituação.OsBeckfordnãoforamencontradosemlugaralgumnaquelamanhã,mas Petehaviadadoaopadreumacópiadachavedaresidência.Edsugeriuquetalvezfosseumaboaideia entrarnacasasemafamíliaporpertoparainfluenciarascoisasdeumaououtramaneira. Dorestaurante,Ed,LorraineeopadreDanielseguiramdecarrodiretamenteparaacasa.Umavezque ninguémsabiaoquehaviaacontecidoalidentroenquantoafamíliaficoufora,Eddecidiuqueseria melhoreleentrarsozinhonacasa. Aodestrancaraportadafrente,Edviuqueolugarinteirohaviasidosistematicamentevandalizado. Abajures,mesas,cadeiras,livros,quadros,roupasemóveisestavamespalhadospelasaladeestar.O cheirotambémeraabsurdamenterepulsivo.Diversostiposdelíquidoforamderramadosedeixadosali para apodrecer. Caminhando pela casa Ed encontroucamas viradas de cabeça para baixo, gavetas largadaseroupasdecamaespalhadasportodolado.Narealidade,tudoquantofossepassíveldesairdo lugarpareciatersidorasgado,arrebentadoeviradodecabeçaparabaixo.Nacozinha,tudooqueestava nadespensaenorefrigeradorforaamontoadonochão,compratosetalheresempilhadossobreaquela insanidadeabsoluta. Voltandopelocorredor,Edderepentepercebeuquealgoestavaerrado.Uminstantedepois,acasa começouatremerviolentamentecomosetivessesidoatingidaporumterremoto,produzindoumbarulho estrondoso.Temendoqueaestruturapudessedefatodesmoronar,Edtentouchegaràportadafrente,mas elenãoconseguiasemover! Aomesmotempo,doladodefora,LorrainepercebeuqueEdestavacorrendoperigo.Quandoelaeo padreDanielchegaramàportadafrente,viramEdatordoado,andandopelasaladeestar,acamisa cobertadesangue.Aoretirá-lodacasa,elesencontraramnoseubraçoesquerdodoistalhoslongose profundos,queformavamosinaldacruz. Recusando-seaprocurarummédico,Edpediuqueeleslavassemoferimentoe,emseguida,fizessem atadurasfirmescomgazeeesparadrapodokitdeprimeirossocorrosdocarro.Edexplicouque“golpes psíquicoscortantescomeçaramaserdesferidospelasala,abrindotalhosnasparedesecortinas”.Ele recebeucortesnobraçoporqueoergueuparacobrirorosto,sentindoqueasforçaspresentesnacasa pretendiammutilá-lo.Edacreditavaqueoataqueforadirecionadoespecificamenteparaele,poisfoiele quemprimeirodesafiouasforçasnacasacomprovocaçãoreligiosaeameaçoupôrfimàsuaação desenfreada,alertandoasautoridadeseclesiásticassobreocaso.Contudo,alógicadeEdtambémdizia queosBeckford,emúltimaanálise,équeestavamcorrendoperigo. “Osespíritostomaramacasacomoprimeiropassoparaalcançaroseuobjetivo:dominarafamília inteira”,dizEd.“Emcasosdessetipo,porém,Lorraineeeudescobrimosque,namaioria,aspessoastêm uma força de vontade muito resistente. Portanto, nenhumespírito de fora simplesmente chegará e dominaráumapessoaoufamíliacomtantafacilidade.Éporissoquefenômenosdeopressãotendema variaremintensidade,deumcasoparaooutro.Oespírito,ouespíritos,atuarámetodicamentesobreuma emoção,oumesmoumadúziadelas,atéquevocêfiquevulneráveleirracionaldevidoaotormento.Todo mundotemumpontodecolapso,masumapessoasemfirmeza—digamos,alguémqueestáàsraiasdo

suicídio—podeserdominadamaisfacilmente.Oespíritonãoprecisadetonarumdesvariodeatividade. Entretanto,comumindivíduodevontadefirme,oespíritopartirácomtudoparacimadele,inclusivecom apiadacozinha.Ooprimidopodeacabarpercebendoquenãoécapazdefazernadaemrelaçãoà atividade,então,emvezdeenfrentá-la,eleparaderesistireassumeumaatitudepassivadiantedaforça opressora.Quandoavontadedapessoaficaabertaàdominação,opróximopassodoespíritoopressoré apossessão. “Poroutrolado,seapessoanãodesiste,osfenômenosvãocontinuarouatéaumentaremintensidade atéqueapressãosetomeinsuportável.Umcolapsomentalseriaaetapalógicaseguinte.Contudo,no momentoemquedeveriasobrevirumcolapso,emgeralocorreapossessãoououtracatástrofe.Espíritos inumanosviolentoscapazesdeprovocarincêndiospoderiamfacilmentereduziracasaacinzascom todosládentro.”Quantopioresficavamosfenômenos,maispertoosBeckfordestavamdapossessãoou damorte. Portanto,naquelemomento,maisdoquenunca,ocasotransformava-seemumaconfrontação,tornando osBeckfordrefénsdeumjogomuitomaior.Porquestõesdesobrevivência,EdeopadreDanieltinham quepararaquelasforçasmaníacascheiasdedeterminação.Recuarseriatãosomentedarcartabranca paraqueoespíritodemoníacomatasse,possuísseouatormentasseafamíliaindefinidamente,etambém atormentasseEdeopadreDanielpelorestodavidadeles.Portanto,elesnãotinhamalternativasenão

perseverar—evencer.Porvoltadomeio-diadaquelaquinta-feira,25deabril,osBeckford—pálidos,

exauridoseandrajosos—estacionaramnaentradadasuagaragem,emumsedãdequatroportas.Quando entrarameviramacasadestruída,afamíliamergulhouemdesespero.Noentanto,osWarreneopadre Danielfizeramcomquerecobrassemaconfiançae,trabalhandotodosjuntos,aoanoitecer,acasahavia sidocolocadadevoltaacertaordem.

Nasexta-feira,26deabril,apósumanoitedecaos,EdeLorraineajudaramopadreDanielcoma

papeladaqueeleprecisavasubmeteraopadreMcKeegan.Emcircunstânciasnormais,umpadrepoderia levarsemanasparafazeraverificação,mas,comaajudadosWarren,opadreDanielpartiunaquela mesmanoitecomtodaadocumentaçãonecessáriaparasolicitarumexorcismopelafamília. Nesseínterim,EdeLorrainepermaneceramcomosBeckford.Oassédioopressivohaviaexauridoa famíliatantofísicaquantomentalmente,edetalmodoquequalquerumdelespodiaagorasersubmetidoà possessão.Issoprecisavaserevitadoatodocusto,emboraajtodostenhasidonecessáriapararesistir

aobombardeiodeatividadequeocorreunofinaldesemanadosdias27e28deabril.

Moldurasdemetalagoracomeçavamaarderepegavamfogo.Cachecóis,roupasdecamaemesa, roupaspessoaisetoalhasexplodiamemchamaseeramatiradasdiretamentenaspessoasqueestivessem nocômodo,emgeralprovocandodolorosasqueimaduras.Osfenômenoscontinuaramnoiteedia,sem trégua.Mobíliadasaladeestareraencontradanoquartodocasal,aopassoqueosmóveisdoquarto surgiamnasaladeestar.Cincominutosdepois,amobíliadeambososcômodosvoltavaaodevidolugar enquantoosWarreneosBeckfordobservavam,estupefatos.

Nanoitedesábado,27deabril,EdcomentoucomosBeckfordquegostavamuitodoseucarroequeo

modeloeramuitoeconômico.Namanhãseguinte,Eddestravouaportadocarroeviuqueaalavancade setahaviasidoarrancadadacolunadadireçãoejogadanobanco.Quandooveículonãodeupartida,Ed soltouatravadocapôpeloladodedentroe,então,foiverificaromotor.Sobocapô,oscabosdavelade ignição estavamatados emnós, e as mangueiras a vácuo do carburador haviamsido arrancadas e pendiam,soltas. Nodomingo,opadreDanielenfimtelefonouparaacasaassediadadosBeckfordparadarboas notícias.OpadreMcKeegan,comquemopadreDanielestiveraemconstantecontato,haviaaprovadoa necessidadedarealizaçãodeumexorcismonapropriedade.Eledesignariaumexorcista,queprecisaria fazertrêsdiasinteirosdejejumeoraçõesamodepoderrealizaroritual.Oexorcistadesignadoparao casodariainícioaoseuJejumNegronasegunda-feirademanhã.Adatadoexorcismo,portanto,foi

marcadaparadaliatrêsdias—quinta-feira,2demaio.

Comoconfrontofinalagoraiminente,aatividadenegativaaointeriordacasaintensificou-sedeuma novaeestranhaforma.Asmovimentaçõesagorapareciamacontecermaisdepressa,comocmumfilme exibidocomodobrodavelocidadenormal.Naqueledomingoànoite,comodemonstraçãodeforça—ou para indicar a chegada de novas entidades — duas grandes coberturas de metal dos radiado res desapareceramde súbito. Alguns segundos depois, umalto baque metálico fez-se ouvir no porão. Correndoparaaportaquedavaparaaquelapartedacasa,Ericencontrouascoberturasdosradiadores naescadadoporão. Maistarde,naquelanoite,houveumextraordináriotumultonoquartodeVicky,masnãosepôdever nenhumindíciodeatividade.Contudo,quandoLorrainedeumeia-voltaparasairdoquarto,elatropeçou emumaescadaextensíveldealumíniodequasecincometros,queestiveraescoradadoladodeforada garagemapenasalgumashorasantes.

Nasegunda-feira,29deabril,enquantoestavanoquartodeEric,ondeosWarrendormiam,Lorraine

ouviuumobjetodemetalcairnochão.Eraumpinodedobradiça.Quandoolhouparaaporta,elaviuo outropinodedobradiçadeslizandoparacimadoseuencaixe.Estetambémcaiue,umsegundodepois,a portadesapareceu!Emseguida,ospinosdasdobradiçasdaportadoarmáriosoltaram-seeaquelaporta tambémdesapareceu!Foiumademonstraçãodepoderque,contudo,nãointimidouLorraine. Na terça e na quarta-feira, coma proximidade do exorcismo, foi impossível dormir à noite. A

atividadeincessanteeraperigosademaisparaquequalquerumanegligenciasse.Nodia1ºdemaio,

vésperadoexorcismo,todosselimitaramadormiremturnos,revezando-senapatrulhadacasaafimde evitarincêndiosououtrospotenciaisperigos.

Porvoltadas22h30danoitedequarta-feira,Lorraineestavanocorredorquandoovãodaportaque

levaàsaladeestarcomeçouabrilhar.Algunsinstantesdepois,ovãointeiroestavamergulhadoemuma luzresplandecentetãointensaqueLorrainenãoconseguiaolhardiretamenteparaela.Seriaumsinal positivo?,perguntou-seela.Oespíritodemoníaconãochegaemraiosresplendentesdeglória. PeteBeckfordeEdestavamnasaladeestarnessemomentoetambémviramaluz.Todavia,nomeio daquelaluz,tambémviramumasilhuetacomeçaraemergirlentamente. Lorraineentrounasaladeestarporumaportadiferentee,comoshomens,assistiuàmaterialização ficarcadavezmaisnítida.Passadoumminuto,aformadeumasenhoraidosafez-sevisível,embora estivesse completa apenas da cintura para cima. O que significava aquilo? Estaria essa entidade afirmandoseraresponsávelportodaacalamidadequehaviaocorrido? “Faleconosco”,disseEd,emaltoebomsom.Masomisteriosoespectrosimplesmenteolhoupara cadaumdeles,semresponder.Pareciaserumfantasma,masLorraine,queseconcentravanafigura semimaterializadanovãodaporta,percebeuqueacenatodaeraumtruque. Fantasmascostumamserchamadosde“anjosdodiabo”e,pelomenosmetadedasvezes,oquesurge comoumfantasmaé,naverdade,umespíritoinumanoprojetando-seemdisfarcehumano.“Ed”,disse Lorraine,“afaste-se.Issonãoéhumano!’ Naqueleinstante,duaspoltronasaveludadasaoladodalareiratombaramdelado.Elasrolaramna direçãodeEd,ergueram-senoar,ospésvoltadosparaele,econseguiramprendê-locontraaparede.O bustonovãodaportaobservoutudocomumlargosorrisosarcástico,desaparecendoaseguir.Edfezo sinaldacruzsobreascadeiras,quecaíramimediatamentenochão.Uminstantedepois,umvidrode esmaltelevitouedisparouparaooutroladodasala,quaseacertandoatestadodemonologista. Faltandoapenasdozehorasparaoexorcismo,Ed,LorraineeosBeckfordestavamdeterminadosanão fecharosolhos.Apesardecansadosàexaustão,elessemantiveramemvigíliaanoitetoda.Asluzes permaneceramacesasefazia-sepoteapóspotedecafé.

Deramduas,três,quatrodamanhã,enãohouveincidentesdignosdenota.As5h,anoiteenfim

começouacederlugaraodia.Láfora,pássaroscomeçaramagorjearàmedidaqueosolseerguia

devagaratravésdasárvoresqueseenchiamdebrotos. Amanhãdequinta-feirahaviachegado.Emseuprópriogestodepreparação,afamíliaBeckfordeos

Warrenforamdecarroaumaigrejanasredondezasparaparticipardamissadas8h.Então,voltarampara

acasaàs9heaguardaramachegadadoexorcista.

Às9h30,elechegou.Emborajáestivessenameia-idadeecomeçasseaficarcalvo,opadreRoarkera

decompleiçãofísicaforteepareciamaisumestivadorqueumhomemdaIgreja.Aatitudedaquelepadre sisudoegrave,quevestiaumacamisapretademangascurtasecolarinhoclericalbranco,erapura seriedade.Nãoobstante,juntocommuitosoutrospadres,elehaviarezadolongamentepelosucessodo exorcismoqueestavaprestesarealizar. OpadreRoarkeEdWarrenjáhaviamtrabalhadojuntosumavezeconfiavamumnooutro.Naquele momento,elessedirigiramàcozinhaparaconversar.Edpensavaqueosespíritosenvolvidosnocaso erammaisquedemoníacos? Eletinhaplenacertezadeque,acompanhandoespíritos inumanos inferiores,estavapresenteuma entidadedotipoincubo,quevieraatraídapelagarota.Porém,diantedopoderincomumdoataqueeda proximidadedacasaderetironavizinhança,eleacreditavaqueumainteligênciadiabólicasuperiorum diabo—estavadefatonocomandodoataque. OlhandoparaasatadurasnobraçodeEd,opadreperguntou:“Issoaconteceuaqui?”. “Sim”,Edfoiobrigadoadizer. EleeopadreRoarkvoltaramparaasaladeestar,ondeLorraineeosBeckfordaguardavam,sentados. Damalapreta,Roarkretirouumaestolaroxa,beijou-aecolocou-asobreosombros.Antesdedarinício aoritual,mexorcistaabençoou,separadamente,todosospresentesnacasa,demodoquenenhummal lhessobreviessedurantealeituradoexorcismo,pDesdeasuachegada,opadrehaviafaladomuito poucocomqualquerpessoa,àexceçãodeEd.Quandochegouavezdeabençoarafilhadafamília,no entanto,eleperguntoucomseveridade:“VocêéVicky?”.“Sim,padre”,respondeuagarota. “OpadreDanielMillsmecontouoquevocêfezaqui”,disseele,categoricamente.Derepente, amedrontada pelo tomintimidador do sacerdote, VickyBeckford tentouconter lágrimas de culpa e vergonha. Inflexível,opadreperguntou: “Vicky,vocêdesejouqueestasituaçãoterrível acontecesseasua família?”. "Não,éclaroquenão!”,disparouela,comraiva,emresposta.Mas,então,abaixouavoz.“Não, padre.Eunãodesejeiqueistoacontecesse.Foiumacidente.” “AIgrejaconsiderapecadooquevocêfez.Sabiadisso?Jápediuper-’dãoaoSenhor?”“Sim, padre.” “Ótimo”,disseele,abençoandoagarota.“Énecessáriocompreendermosunsaosoutros.”Tendo abençoadotodosaquelesqueestavamalipresentescomotestemunhas,oexorcistacomeçoualerorito deexorcismo. Recitadoparteeminglês,parteemlatim,oritoconsisteemorações,salmosepronunciamentosque comandamqueosespíritosinvasoresdeixemapropriedade.Oexorcistalevoumaisdeumahoraparaler oritualinteiro.Durantealeitura,nãoseouviuumúnicosomnacasa,salvoavozdopadre.Excetopela óbviadestruiçãovisívelportodaparte,eracomosenadajamaistivesseacontecidoali. 0 ato que conclui o exorcismo é uma ordemdireta e explícita para que o espírito revele a sua identidade.Estandotodosdepéemumamplocírculonomeiodasaladeestar,opadreRoarkleu,com vozprofundaeséria:

“Ordeno-te,espíritoimundo,óAntigaSerpente.PeloJuizdosvivosedosmortos.PeloCriadordo Mundo,quetemopoderdelançarnoInferno,dize-meteunomeoudáumsinalesaiimediatamentedesta

casa!”0padreesperouporumminutointeiro,masnadaaconteceu.Obviamentecontrariadopelassuas

palavrasteremsidoignoradas,Roarkrepetiuaordememvozaltaetrovejante,acrescentandofrases

aindamaisameaçadoras.

“Euordeno,sobpenadecastigo,acadaespíritoimundo,acadadiabo,acadapartedeSatã:sai,pelo

NomedeDeus.

“Submete-teaDeus!

“Nãoéaoshomensqueestásdesobedecendo.Deus,oPai,équeordena!Deus,oFilho,équeordena!

Deus,oEspíritoSanto,équeordena!

“Ouve,portanto,eteme,Satã!Inimigodaraçahumana!Origemdamorte!Raizdomal!Sedutordos

homens!Motivodediscórdia!Criadordeagonia!ContemplaaCruzdoMaisExcelsoDeus!Ordeno-te:

obedeceevaiembora!Dizeoteunomeoudáumsinalesaidestahabitação!’

Derepente,SharonBeckfordgritou:“Ali!Aoladodalareira!’.

Àmedidaqueoseuaspectomanifestosetomavalentamentediscernível,ficouevidenteatodosque

testemunhavamqueacabeçadacoisatinhachifres.Elaficavadepésobrecascosfendidosetinhacauda!

Aomesmotempo,atemperaturadasaladespencouparaumfrioquaseenregelanteenquantoocheiro

nauseabundodecarneemdecomposiçãoencheuoar.

Aspergindoáguabentanaimageminsolentedemaisdedoismetros,opadreRoarkordenou:“Vai

embora,emNomedeDeus”.

Oespíritodesapareceunomesmoinstante.Contudo,assimqueasilhuetasumiu,orostovermelho-

sanguedeumdiabo,acabeçadotamanhodeumaboladebasquete,surgiunosujocarpetebege.Acabeça ameaçadoratambémtinhachifres,queseprojetavamparaoslados. Oexorcistaagitouoassessóriocheiodeáguabentanafigurabidimensionalqueolhavaparacimaa partirdochão,projetandoumolhardeódioirado.Então,lentamente,eladesvaneceu.Umminutodepois, tudooquehaviarestadoeraumcontornoróseonotapete. Osinalhaviasidodado.Assim,oexorcistaleuaoraçãofinaldeaçãodegraças,terminandoenfim comaafirmação:“Dadoanósosinaldapartida,confioasegurançadestaspessoas,osBeckford,eda casadelesemVossasmãos,Senhor.Ouvi-nos,eouvisuasorações;concedeiqueelesvivamempaze contentamentodestediaemdiante.EmnomedoPai,doFilhoedoEspíritoSanto.Amém”.

OqueocorreunaresidênciadePeteeSharonBeckfordentreosdias3demarçoe2demaiode1974é

classificado como um verdadeiro ataque diabólico. O terrível assédio que durou sessenta dias

consecutivoscessoudeformaabruptacomoexorcismorealizadonacasa,em2demaiode1974.

Ocaso,bemcomotodososseuspormenores,éagoraumfatoregistrado.Nosseusprópriosarquivos, Ed Warren conserva uma declaração escrita pelo irmão de Pete Beckford, o qual foi testemunha involuntáriadosfenômenosocorridosnacasa.

Nemeu,nemninguémdaminhafamíliajamaistestemunhamosou,defato, vivenciamosalgotãoesquisitoeaterrorizante.Tenhocertezadequeoimpacto daquelaexperiênciaobscurapermaneceráparasemprecomosmeusítemerosos filhoseaminhaesposa.Aincompreensíveladversidadequetestemunhamos deixaonossoassustadogrupofamiliaremcompletoaturdimento.Pelomenosi nestemomento,eladesafiatodasasexplicaçõesracionaiselógicas.Todasas provastangíveiseosfatosrelacionadosaomistériopretematuraldoseventos testemunhadospelanossafamíliadevemserdesnudadose,então,racionalmente examinadosporpessoascompetentesquetenhamexperiêncianotratodessas questões estranhas e desconcertantes.Quando,e se,tal estudofor levadoa cabo,acreditofirmementequeassuasconclusõesfinaisacabarãoporsugerir quepoderesouinfluênciassobrenaturaisestavamoperandoali.

—TerenceBeckford

Apósoexorcismodasuacasa,avidadosBeckfordvoltougradualmenteaonormal.Noentanto,o período prolongado de danos a móveis, paredes, tapetes, colchões, roupas de cama, instalações

hidráulicas,telhadoecarrosteveumcustomuitosuperiora5mildólares.(Ironicamente,oseguroda

família não cobria “atos de Deus”. Hoje, os Beckford vivemsatisfeitos na mesma pequena casa suburbana.Ericestáemoutracidade,fazendofaculdade.E,éclaro,Vicky,atualmentecasada,está sempreocupada—comosepoderiaesperar—comtrêsfilhospequenosparacriar.

UMSERVODELÚCIFER OqueaconteceuàfamíliaBeckfordnãoé,emabsoluto,umeventocomum.Nãoobstante,atrairespíritos

UMSERVODELÚCIFER

OqueaconteceuàfamíliaBeckfordnãoé,emabsoluto,umeventocomum.Nãoobstante,atrairespíritos negativosparajuntodesinãoéassimtãoincomum.Todoano,EdeLorraineWarrenatuamempelo menosumadúziadecasossériosdeopressãoepossessãodemoníaca,eéimpossíveldizerquantos outroscasosocleroespecializadoéchamadoaresolvernomesmoperíodo. OquedistingueocasoBeckfordéqueeleconstituiuumataquediabólico.“Fenômenosdeinfestaçãoe opressãosãoumacoisa”,dizEd,“mas,quandosetemumataquediabólico,vocêestálidandocomalgo muitomaispoderosoqueoespíritodemoníaco.Oespíritodemoníacotemapenasdeterminadograude conhecimentoeoseuintelectopodeirapenasatécertoponto.Poroutrolado,estecasosaiudocontrole devidoàintervençãodahierarquiasatânica.Parafazerumaanalogia,umacoisaépilotarumaviãode bombardeioelançarumabombaatômica;outracoisaéinventaraarma.Essaéamesmadistinçãoentre diabosedemônios.EmboraambospertençamaoassimchamadoReino,oespíritodemoníacoéuma entidade vil e bestial quando comparado à inteligência mais profunda da hierarquia diabólica. No entanto,nãotenhadúvidasdequeambosestãoembuscadamesmacoisa:oespíritodemoníacoapenas fazotrabalhosujo.Aindaassim,quandosetemumcasoenvolvendofogo;oteletransportedebigornas, portas e coberturas de radiadores; a levitação de objetos extremamente pesados; a movimentação sacrílegaderosárioseestátuasabençoadas;alémdeexemplosirracionais,quaseinsanosdeblasfêmia —então,écertoqueexisteumverdadeiromaníacoportrásdasituação,orquestrandoopandemônio.” Porqueessepoderdiabólicosemostroucomoumdiaboclássicoduramenteoexorcismo,comchifres ecauda?Essedetalheédifícildeacreditar. “Bem,comcerteza”,respondeEd.“Éexatamenteporissoqueelesemanifestoudessamaneira.Ele assumiu a forma de umdiabo arquetípico para, primeiro, preservar o anonimato — sempre uma prioridadeIparaodemônio.E,segundo,parafazeroexorcistaparecerpossivelmenteumtolo.Quando tivessequerelataraaparênciaqueoespíritoIassumiuaoreceberocomandoparairembora,isso levantaria dúvidas Iquanto à credibilidade do exorcista ousobre o caso emgeral. Esse tipo Ide comportamentoépadrãonoquedizrespeitoaodemoníaco.Noentanto,independentementedaformaque tenhaassumido,oimportanteparaosBeckfordéqueasforças/oramexpulsasdacasa.” Equantoàspessoas?Queefeitossofremossereshumanosquepassaramporumepisódiocomo espíritodemoníaco? “Dadaanaturezaextremamentetraumáticadamaioriadoscasosenvolvendofenômenosdemoníacos”, explica Lorraine, “recomendamos que os principais envolvidos participem de um programa de acompanhamentodeseismeses,paraqueconsigamlidarcomoqueaconteceunavidadelas.Recobrara estabilidade psicológica é algo muito particular e exige bastante autoanálise. Normalmente, o acompanhamentoéfeitoporumclérigodafédafamília,àsvezesatéopróprioministro.Quandoissonão épossível,Edeeuajudamostaispessoasaolongodosmesesdifíceis.Àsvezes,éclaro,ochoqueé grandedemais,ecertosindivíduosvãoprecisardepsicoterapia.Dequalquerforma,sempresefica abaladoapósumaexperiênciacomofenômeno.Algunsescolhemvê-loporaquiloqueeleé;outrosvão alémeoconsideramsuma‘revelação’;háaindaaquelesqueprecisamdeumprolongadoprocessode

terapia,oumesmohospitalizaçãoporlongosperíodos.Eoutros,porrazõespsicológicas,simplesmente vãonegarqueoseventosdiabólicosumdiaaconteceram. “Viaderegra,aquelesqueconseguemlidarcomoproblemavãotomarasprecauçõesnecessáriaspara queelenuncavolteaacontecernasuavida;aquelesquenãoconseguemcompreender,ounãoquerem, permanecemabertosàocorrênciadeproblemasaindamaisgravesnofuturo.Amaioria,porém,levaa sériooqueaconteceue,assim,promovegrandesmudanças,àsvezesatémesmoradicaisnoseuestilode vida. “Essaspessoascomeçamseafastandofisicamentedocenário”,prossegueLorraine.“Apessoaou famíliasemudadeumladodopaísparaooutro,vaimorarnoexteriorouvoltaparaoestadoouacidade ondecresceu.Suaatitudecostumaser:‘Qualquercoisaparasairdaqui!’.Emboraaspessoasnãopossam sedistanciarfisicamentedosespíritos,asinceridadedaaçãodelaséoqueimporta—eesseéo verdadeiromecanismodedistanciamento.Alémdisso,umadoseassimtãopesadaderealidadevai inspirar outros indivíduos a reavaliar o curso da própria vida. Muitas vezes, adultos deixarão um emprego que não seja gratificante e assumirão ocupações criativas ou de assistência social. Invariavelmente,seosprincipaisenvolvidosnãoeramreligiososantesdoproblema,eleslogopassama ‘levarareligiãoasério’.Suaênfasegeralé:segurança,reduçãodomedoeprevençãodequalquer recorrênciadoepisódionegativo. “Taissãoasmudançasexteriores”,dizLorraine.“Contudo,emnívelemocionalepsicológico,pessoas queforamalvodeumataqueespiritualnegativotêmmuitotrabalhomentalafazerpararecobraro equilíbrio. Crianças, infelizmente, costumam ser as mais afetadas. 0 terror que testemunharam é permanente.Serexpostaatamanhaviolência,vulgaridade,indecênciaemedopersistentedeixaemuma criançaumapercepçãodomundoquepoucosdenósconseguiríamoscompreender. “Paraadultos,emgeralénecessárioalgumaconselhamento.Emboraapossessãoouopandemônio tenhasidotestemunhadoemprimeiramão,aspessoasgeralmentenãoconseguemaceitarofatodeque forçasinvisíveisdenaturezasobrenaturalforamasreaiscausadorasdocaos.fAsociedadeé,emparte, responsávelpeloproblema,éclaro.Aspessoastêmsidometodicamenteensinadasanãoacreditarem fantasmas,espíritoseforçassobrenaturaisporquesesupõequeessascoisassejam‘irracionais’.Na minha opinião, fechar a mente ao conhecimento é que é irracional. No aconselhamento, as pessoas precisamdesaprenderapercepçãoestreitadavidaquelhesfoiensinadae,então,seremexpostasaofato dequeomundoéumlugarmuitomaiscomplexoesériodoqueelasforamlevadasaacreditar.” Porque,naopiniãodeEd,algumaspessoasdisseramqueocasoAmityvillefoiuma“fraude”? “Issofazpartedeumpadrãodenegaçãoqueandademãosdadascomaquestãodosespíritos”, esclareceEd.“Quandoalgumacoisaéameaçadora,amentetentanegá-la.Empsicologia,issoéchamado repressão.Pessoalmente,nãoficosurpresocomesseclamor defraude: éumaspectoprevisível da reaçãogeraldiantedefenômenosdemoníacos.Anosmaistarde,aoconversarcompessoasqueforam possuídasousofreramumassédiodiabólico,essesmesmosindivíduoscostumamnegarqueoevento tenha ocorrido. Essas pessoas são mentirosas? Não, elas estão reagindo a umtrauma. O que lhes aconteceuétãoincompatívelcomasuaracionalidadeque,comomecanismopsicológicodedefesa,elas negamqueoeventotenhaocorrido.Emmenormedida,amesmacoisaacontecequandosurgeumlivro comoAmityville.Otemaéameaçador,atémesmotraumáticoparaalgunsleitores.Alémdisso,apalavra ‘fraude’éumagarantiadelucrosquandousadaemumaí:manchetedeprimeirapágina.” Raramenteselêsobreosdoisprimeirosestágiosdosfenômenosdemoníacos—ainfestaçãoea opressão—emjornais,excetoemtermosdaassimchamadaatividade“poltergeist”.Nãoobstante,casos depossessãodiabólicasãopublicados,masaninguémsecontacomopossessãoocorreu.Aindaassim,se nãoseresisteàopressãofísicaoupsicológica,ousenãoseconsegueobteraajudaadequada,então,o espíritoopressorécapazdepassaràpossessão.E,quandoissoacontece,ascoisastornam-semuitomais complicadasesinistras.Afinal,todaaviolênciaeoterrorquepodemocorrerduranteosestágiosde

infestação e opressão destinam-se nada menos que à possessão diabólica de umser humano. Se a opressão for bem-sucedida, a porta de acesso à vontade fica simplesmente escancarada. Então, o indivíduoéinvadidoporuma,ouatéumamultidão,deentidadespossessoras. “Vocêprecisatraçarumalinhabemlargaentreopressãoepossessão”,dizEd,traçandocomodedo umalinhanamesa.“Duranteaopressão,oespíritodemoníacotentamanipularavontadehumanapor meiodetentação,intimidaçãoeoutrasinfluênciassórdidasqueoindivíduoemgeralpodeafastarouàs quaispoderesistir.Porém,quandoocorreapossessão,oespíritoinumanojánãooataca:elesetoma você,porassimdizer.Apoderar-sedocorpodapessoaeimporsuavontadeàdoespíritohumanoéo objetivofinaldoespíritodemoníaco.Porincrívelquepossaparecer,ocorposetomahospedeirodeum sercompletamentediferente.Oquepossuiocorpoéumespíritoexteriorinumanodenaturezaclaramente diabólica que não temqualquer relação como indivíduo possuído. Umespírito independente, com vontadeeinteligênciapróprias,tomaocorpohumanoàforçae,comaprópriavoz,desafiaqualqueruma fazê-losair.”Expandindoaideia,Lorrainediz:“Osteólogoscostumamchamarocorpohumanode‘a

mansãodaalma’;amoradaqueoespíritohabita.0espíritodemoníacochamagrosseiramenteocorpode

umacasaparahabitar.Pessoasquedeixama‘portadafrente’destrancada,convidandoouatraindoforças

espirituais,criamarealpossibilidadedapossessão.‘0lixodeumhomeméotesourodeoutro.’Aqueles

quenãoapreciamodomdavidacorremoriscodetê-laarrancadadeumaformabastanterealefísica”. Quandoapossessãodefatoocorre,existealgumacoisaqueficaevidentenaaparênciadoindivíduo afligido? “Muitasvezes,apessoapossuídatemumaaparênciacomum,comovocêeeu”,respondeEd.“Exceto porumacoisa:osolhos.Dizemqueosolhossãoasjanelasdaalma,eacreditoquesejaverdade,porque oquesevênosolhosdeumapessoaseveramenteoprimidaoupossuídaédiferentedetudooquevocêjá viu.Osolhosnãoficamcaídosoumeioadormecidos;ficamarregaladosevigilantes.Alémdisso,oque se vê naqueles olhos não é humano: é selvagem, animalesco e cheio de ódio. Já vi esse olhar enlouquecidoesobrenaturalmuitasvezesnavidae,emcadaocasião,parecequepercoumapequena partedemimnoprocesso.Estouconvencidodequeesseéumolharqueaspessoasnãodevemver, porqueéverdadeiramenteoespíritodomalvendoatravésdasjanelasdeumserhumano. “Háapenasalgunsmeses,Lorraineeeutínhamosacabadodeparticipardeumprogramadetelevisão naregiãonortedacidadedeNovaYork.Aosairmos,pegamosumtáxiparaChinatown,ondeíamos almoçar.Enquantocaminhávamos pela rua,vimos que havia umtumultona esquina,comcarros de políciaportodososlados.Então,sugeriquecortássemoscaminhoporumapassagemoutravessaànossa esquerdaquedarianaMottStreet. “Bem,entramosnatravessa,queestavalotadadelatõesdelixoamassadosecompletamentecheios. Haviamoscas,vermeseanimaiscomoratosebaratasportodaparte.Acombinaçãodocalorcomofedor dolixoemdecomposiçãologocomeçouareviraronossoestômago.Apesardisso,continuamosseguindo porali.Maisaofundo,atravessafaziaumalevíssimacurva,demodoque,aopassardametade,jánãose podiaverarua. “Estávamoscaminhandodepressamas,aochegarmosàmetadedatravessa,nofinaldalongafilade latõesdelixo,vimosdoispésestendidosparafora.PediqueLorraineficasseparadaenquantoeuseguia emfrente.Quandomeaproximei,viqueeraumhomem,ummoradorderua.Eleeracaucasianoetinha

entre35e65anos—eraimpossíveldizer.Ohomemestavasemimorto,sentadonochãocomaspernas

esticadasnocaminho,ascostasapoiadasnaparede.Eleestavamaisimundodoquequalquerpessoaque

eujátenhavisto:cobertodeferidas,abertasecomcascasdecicatrização,eobviamentemuitodoente.

“Masissoéapenasoiníciodahistóriaporque,amontoadassobreocorpodelecomoseosujeito

estivessesentadonacama,cobertocomumacolcha—haviapilhasdelixoemputrefação,dasquais

escorriachorume.Esseamontoadonojentocobriaohomemdesdeopeitoatéosjoelhos.Osbraços

estavamcaídosnomeiodolíquidodepodridão,emoscaspousavamportodoorostoeocorpodo

homem.Ratostinhamaparentementemordiscadoosseuspésededos.Eraevidentequeohomemnãose

movimentavahaviadias.

“Ironicamente,ossapatosdeleestavamdispostoscomtodoocuidadoaoseulado,engraxadose

prontosparaseremusados.Agora,eujáestivenaguerraejáviabominaçõesespirituaisemcasasmal-

assombradas,masduvidoquejamaistenhavistoalgomaisrepulsivoeasquerosonavida.Comoaquilo podiaacontecer?Comoumserhumanopoderiaserreduzidoaumestadocomoaquele? “Olheiparaaquelapobrealmadeploráveldospésàcabeçaefuitomadodecompaixãoepesar. Quandoenfimolheiparaorostodohomem,fiqueichocadoeinstintivamentedeiumpassoparatrás.O rostodeleestavacontorcidoemumperversosorrisodeescárnio—ehaviaIaquelebrilhohorrendoe inumano de delírio nos olhos. Então, eusoube o que havia acontecido a ele. E aquilo que estava possuindoohomem,porsuavez,tambémmereconheceu. “‘Seufilhodamãe!’,falei,tamanhaeraaminharepulsadiantedacena. “Acoisariu,debochadamente.‘Euoestoumatando!’,elemedisse.‘Empoucosdias,elevaiestar morto.E,sabedeumacoisa,vocênãoIpodefazernadaparaajudar.Porquejáestáfeito!’” “Ainfluênciademoníacapodeserdeumafeiurarepugnante”,enfatizaLorraine.“Quandoumapessoa sucumbeaosimpulsossugeridospelodemônio—etaisimpulsoscostumamserosmaisnegativose bestiais—oespíritopodefazercomqueapessoarolenochãocomoumanimal.Porquê?Porqueo espíritodemoníacoéinumano.Quandooprimeaspessoas,eleasdesumaniza,exatamentecomofez àquelepossuídonatravessa.Antesdeserpossuído,eledevetersidoduramenteoprimido.Quandoas suasemoçõesseigualaramaotemperamentodestrutivodoespíritoopressor,ocorreuapossessão.Épor issoqueaopressãodemoníaca‘bem-sucedida’podetransformarumserhumanoemalgoinferiorauma fera.” QualéarespostadeEdàscríticasoualegaçõesdequeoespíritodemoníaconãopassadeuma fantasiaextremamentevividadaimaginaçãoouumameraquestãopsicológicadeduplapersonalidade? “Ofenômenoéfrutodaimaginaçãoapenasparaaquelesquenuncaotestemunharam”,rebateEd. “Então,arespostaquedouaissoé:não,essesnãosãodemôniospsicológicos.Sãoentidades.” Porém,comosepodetercerteza?Quandoocorreapossessão,acontecealgumacoisaespecificamente

físicaquedistingueofenômenodeIumamudançapuramentemental? “MeuDeus,sim”,respondeEd.“Especificamente,quandoocorreapossessão,umaentidadeinumana possessoraentranocorpodapessoa,àsvezespeloplexosolar,masemgeralpeloladoesquerdodo

indivíduo,entrandopelabasedopescoço,ondeocérebroeacolunaseconectam[1].Aomesmotempo,o

corpoastral—oespíritodapessoa—normalmenteédeslocadoesaidocorpofísicopeloladodireito.

Oespíritohumanopareceumanévoabranca;oespíritoinumanopareceumanévoanegra.Alémdisso,

naminhaexperiência,emnovedecadadezcasosdepossessão,ostraçosfaciaisdapessoaassumemuma

aparênciaossudaedistorcida,completamentediferentedaaparêncianormaldapessoapossuída.Avoz

produzidacostumaserdesagradávelemasculina,emboranãosepossageneralizar:geralmente,muitos

espíritosparticipamdapossessãodeumcorpo,cadaumcomaprópriamaneirabizarradevocalizar.

Quantoamudançasnocorpo,aforçadeumpossuídoésimplesmenteabsurda.Jáviumacriançapossuída

arremessaradultospelocômodocomoumlutadordesumô.Eumadultopossuídoétotalmenteimpossível

deconter.Eusei—jáfuiatacadoporpessoaspossuídasemmaisdeumaocasiãoe,mesmosendo

grande,pesandocemquilos,possoatestarquenenhumserhumanojamaisconseguiria,sozinho,repeliro

ataquedeumindivíduopossuído.Vocêestálidandocomumacoisaquetemaforçadeseishomens.

“Esseéoaspectofísico”,dizEd.“Umavezqueaconteçaapossessão,oespíritotentarámutilaro

corpoquehabita—comofoiretratadoemOExorcista—oudaráinícioaumrompantedeviolência

físicadesenfreada.Oespíritodemoníaconãosecontentaemapenaspossuirocorpo:suamentetem

fixaçãopelamorte.Omotivobásicoportrásdapossessãoéque‘umpodematarmuitos’.Nãoimportase

oindivíduodiabolicamentepossuídoéumlídermundialtirânicoouummatadorderua—oobjetivoéo

mesmo:umpodematarmuitos.Quandovocêcompreendeisso,entãoaestratégiadoespíritodemoníaco começaafazersentido.Atéqueserealizeumexorcismo,ocorposeráuma‘casa’paraumaoumais entidades. O ponto principal é que não há nada psicológico comrelação a verdadeiros casos de

possessão.Emumcasomuitosériodepossessão,oexorcistachegouaexpulsar98entidadesdiferentes

docorpodapessoapossuída—ecadaumadelasrespondiaàmençãodeumnomediferente!Emboraos psicólogos normalmente confundam o fenômeno com casos de personalidades múltiplas, a única multiplicidadeenvolvidaéamultidãodeespíritospossessoresnocorpodavítima.” Aqualquerumquesoliciteprovasde“verdadeiroscasosdepossessão"aEdeLorraineWarrené melhormunir-sedecoragemsuficienteparapermanecersentadodurantearesposta.Apósumavida inteiradedicadaaoestudodosobrenatural,osWarrenreuniramumtesouroúnicodedadosquecobrem todososaspectosdosfenômenosespirituais—provasqueservemparaconfirmartudooqueelesdizem maisdeumadúziadevezes.MuitasdessasprovasestãolocalizadasnoqueosWarrendenominamo OccultMuseum[MuseudoOculto]. Omuseu—cujoacervoserálegadoaumauniversidadebritânica—écontíguoaoescritóriodeEd Warren.Elecontémumaextraordináriacoleçãodefitascassetecomgravaçõesdeentrevistascommuitos milharesdepessoasquecontataramosWarrenaolongodosanosporqueelas—ouafamíliadelas— estavamvivenciandoproblemasrelacionadosaespíritos.Asdetalhadasentrevistasfactuaisconstituem verdadeirashistóriasdehorror,tragédiaemorteinfligidasaindivíduoscomunsporforçasespirituais hostis.Tambémháumnúmeromenordefitasemqueforamgravadasasvozesdeespíritosquefalaram abertamenteemumcômodo,atravésdocorpodepessoaspossuídas,oupormeiodeummédiumdetranse materialquerealmentenoslevaarefletir.AsprovasreunidaspelosWarrenincluemaindacercademil slidesefotografiasquemostramtodaumagamadeatividadesespirituaisqueelestestemunharamnoseu trabalho,inclusiveimagensimpressionantesdeespíritosemdiversosestágiosdemanifestação.Omuseu contémaindaarquivosdedeclaraçõesjuramentadas,testemunhos,provasqueoscorroboramematérias jornalísticassobreotrabalhodocasalaolongodosanos.Nãoobstante,oquemaisimpressionao visitantesãoosestranhosobjetosdeaparênciasinistraqueelevêàsuavoltanoOccultMuseum. Cadaobjetodomuseufoiretiradodeumacasaousituaçãoemqueocorreramfenômenosdemoníacos. Algunsdosobjetoseamuletosguardadosalisãotãonegativamente“carregados”queosimplesatode segurarumdelespodedesencadearamanifestaçãodoespíritooriginaloupermitirqueumapossessão ocorra de imediato. Os Warrennão guardamesses objetos perigosos como recordações de antigas explorações —eles ofazemporque precisamfazê-lo.Eissoporque,se umobjetodiabolicamente carregadofordestruídoummalefíciorecíprocopoderiaserinfligidoàpessoaoufamíliaqueopossuiu nopassado.“Éaversãodemoníacadobíblico‘olhoporolho,dentepordente’”,explicaLorraine.Sea destruiçãodeumobjetonegativonãoresultaremdanofísico,podeacontecerdeoespíritoretornarao localdeondefoiexorcizado.Emvezdecolocaralguémemperigofísico,osWarrenrespeitamopoder dessesobjetosnegativosepermitemquepermaneçamcomoevidênciasmateriaisdequeomalexisteno mundocomoumaforçareal,capazdemovimentar-se. Existemcercadecemitensnacoleçãoatéagora,ealgumahistóriaestáassociadaaquasetodoseles. Háumcolardepérolasque,quandocolocadoemvoltadopescoço,estrangulaapessoaqueousa.Está

aliolongoespetonegroqueumabruxasatânicausou,muitotempoatrás,paramatarofilhorecém-

nascidoemumsacrifícioparaodiabo.Tambémaliseencontraagrandebonecadegessovestidaàmoda

vitorianaquenãosóassumiuasfeiçõesdasuaantigadonacomoganhouvidaecomportou-secomoum

serhumanopormaisdevinteanos.Hácaixascranianasdesereshumanosqueforamusadascomo

“cálicesdeêxtase”parabebersangueduranterituaisdebruxaria.Aliseencontraocaixãoemqueum

homempossuídodormiutodasasnoitesaolongodasuavidaadulta.Hápedras—algumasbastante

grandes—quecaíramdocéusobrecasassubmetidasaassédiosdiabólicos.Existemcrucifixosque

foramliteralmenteexplodidosporespíritosdemoníacoseaindaoutros,quesatanistasdesonraramcom

urinaeexcremento.Hápactosescritoscomodiabo,bolasdecristal,espadascerimoniaiseadagas sacrificiais.EstãoaliasvelasnegraseolivrodeconjuraçõesdocasoFostere,aoladodaportaquedá paraoescritóriodeEd,estápenduradooespelhodeconjuraçãoremovidodacasadeStevenZellner,em NewJersey.ApranchetaealgumasmoldurasqueimadasdocasoBeckfordestãoexpostassobreuma mesa não muito distante de umarmário de madeira emque Annabelle, a boneca de pano, agora permanecesentada,segurandoumcrucifixosimplesdemadeiranassuasmãozinhasdetecido. E,porfim,háovéunegroderenda. Ovéufezpartedeumcasodepossessãoemqueumespíritoinumanodeixouumamensagemdiretae explícitaparaEdWarren.Avozdaentidadepossessorafoiclaramentegravadaemfitacassete.Os Warren,sentadosjuntosemumsofánoOccultMuseum,agoraexplicamoestranhocasodajovem— bizarraporsisó—que,certodia,foilevadaaoescritóriodeEdWarrenporcausadeoutrosproblemas deordemespiritual. “Edeeutínhamosfeitoumapalestraparaumaplateiadeuniversitários”,começaLorraine.“Foiuma palestranormal,excetopelofatodequeeusentia,noauditório,umapresençanegativaque,pormaisque eutentasse,nãoconseguialocalizar.Quandofalamosparaumgrupodepessoas,normalmenteconsigo distinguirquemestáali.Clérigos,porexemplo,costumamcomparecervestindogolasrolêoucamisas informais, mas consigo ver que são do clero pela aura bege-claro que envolve aqueles que foram ordenados.Satanistasegruposdemagianegraemgeralaparecemnanossaspalestrasvestidoscomo qualqueroutrapessoa,masaauradelestambémsedestaca.Naquelaocasião,porém,eusimplesmente nãoconseguialocalizaraorigemdasvibraçõesnegativas. “Quandoasessãoparaperguntasterminou,aspessoasdoauditóriovieramparaapartedafrentedo recinto,comosempre;umadúziadelascercouEd,emaisumadúziamecercou.Depoisdeunsquinze minutos,olheiemvoltaeviqueEdestavaconversandocomumrapaz,umestudante.Aoladodojovem estavaumagarotaque,poralgummotivo,fervilhavadefúria.Nomesmosegundopedilicençaaogrupo queestavaàminhavoltaefuiparajuntodeEd.” “Jimmy,orapazqueestavafalandocomigo”,contaEd,“havialevadoanamorada,Kendra,paraa nossapalestraporquesuspeitavaqueelahaviasidotomadaporalgumainfluênciaoculta.Elemecontou que,quandoanamoradaficavairritada,elaseenchiadeintensoódioefúria;suasfeiçõesmudavampara algoquelembravaum‘lobo’e,então,avozdeuma‘pessoa’diferentefalavadedentrodela. “QuandoLorraineveioatémim,agarotaexperimentouumepisódiodepossessãoinstantâneabemali, nopalco.ElainvestiucontraLorraineeefetivamentetentoumatá-la.Oincidentenãosóassustouaminha esposacomodeixouapavoradastodasasdemaispessoasànossavolta,querapidamentesaíramdali. Encerramosasessãodebate-papocomopúbliconamesmahora.LeveiKendraeonamoradoparauma salaatrásdopalco.Lorraineficouesperandonosaguãoenquantoeuconversavacomaquelesdois. “Nasalaatrásdopalco,agarotasofreuumapossessãocompleta.SuaRespiraçãoerapesada,ea entidadequeapossuíaestavatotalmentetomadadeumódiointensoeviolento.Dealgumaforma,suas feiçõestambémassumiramaaparêncialupinadequeorapazhaviafalado.Avozdestoanteprojetada pelaentidademaistardeprovouserdiferentedavozdajovem.Eunãotinhaumgravadorcomigona ocasião,masissonãoteveamenorimportância,porqueacoisaquepossuíaagarotasimplesmente desatouabradaremumaincompreensívelfúriaacusatória. “Depoisdeunsdezminutos,apossessãopassou.Então,agarotapareciaestarbem—pelomenos quandoeunãomeaproximava,oqueaparentementetornavaainstigá-ladenovo.Assim,paraevitar problemas,senteidooutroladodasala.Quandosentiquepodiaconversarcomela,contei-lhesobreo incidentequeeuhaviaacabadodetestemunhar.Elamedissequetinhaapenasalgumaconsciênciadasua condição, embora realmente reclamasse de perdas de memória que a faziampensar que estivesse enlouquecendo.Agarotanãoconseguiaselembrardehoraseatédiasinteirosdasuavida.Nodecorrer dostrêsmesesanteriores,explicouela,aquilohaviapiorado.Eulhefaleiqueperdadememóriasempre

acompanhava casos de possessão, porque não havia nada para ela lembrar. Os lapsos de memória representavamepisódiosdepossessão—emqueavidaeralevadanãoporela,maspelaentidade possessora.Noentanto,antes quequalquer coisapudesseser feitapelagarota,oquerealmentese precisavasabereraporqueelavinhasendopossuída? “DescobriqueKendraeraumajovemgrã-fina—talvezatémimada—quetinhadinheirosuficiente paracomprarqualquercoisaquequisesse.Maisoumenosumanoantes,porém,chegouummomentona suavidaemqueelaencontroualgoqueodinheironãopodiacomprar.Esse‘algo’eraorapazsentadoao seulado.Jimmyeraumtiponórdico,matriculadoemumafaculdadequefaziapartedaIvyLeague[grupo deoitouniversidadesdaNovaInglaterra,quetêmemcomumaexcelênciaacadêmicaeoelitismo],em umestadopróximo.Kendrahaviaconhecidoorapaznasuacidadenatal,noverãoanterior,epareceque elesseencontraramalgumasvezes.Noentanto,aofinaldoverão,comosenãonutrissesentimentospor Kendra,orapazignorouasabordagenssubsequentesdajovem. “Ela,poroutrolado,haviaseapegadoapaixonadamenteaogarotoenãosossegouatéconquistá-lo. Basicamente, ela via Jimmy como uma commodity desejável, não como um ser humano. Essa desumanizaçãodeumapessoanãopassoudespercebida.Digoissoporqueagarotalançoumãodetodos osmétodospossíveisparaganharaafeiçãodorapaz—desdeescrevercartassedutorasatéenviar dinheiroparaqueelecomprassepassagensparapodervisitá-lanaescola.Porém,nenhumadastáticas funcionou.Pelomenos,nãoatéelasedepararcomabruxariaritualística,queéondeentraovéunegrode renda.ParaagarrarJimmy,elarecorreuaooculto.Kendrafoiaumalojaeencontrouumlivrosobreas artesnegras,cujotítulonãovoumencionar.Elalevouaobraparacasae,maistarde,naquelasemana, realizouemsegredoumritualparaconquistaramantes—umantigoritualqueháséculosvemcolocando pessoasemproblemas.” OsWarrencostumamserrelutantesquandosetratadedardetalhesprecisos,taiscomonomesdelivros deconjuração,oritualespecíficodemagiaquedeterminadoindivíduousououonomedosespíritos responsáveisporataquesdemoníacosespecíficos.Porquê? “Não menciono nomes de espíritos”, diz Ed, “porque saber umnome demoníaco emparticular equivaleadaratençãoàquelaentidadee,sevocêfazisso,pormaisbrevequeseja,estarácedendo combustívelparaqueelasemanifeste.Quantoadetalhesespecíficos,deixe-mecolocardestaforma.Se vocêentregaumaarmacarregadaaalguém,podeacontecerdeessapessoadispará-la.Sevocêlheder umaarmacarregadamassemopercussor,entãonãoháperigodeeladisparar.Éissooqueeufaço:

retiroopercussordasminhasdeclarações.Issoéoqueprecisaserfeitocomestematerial.Pessoasque

realmentequeiramsabercomorealizarrituaissatânicospodemsedirigiràbibliotecalocaledescobrir.

Masnãosereieuadizeraelascomodescerpelaestradasemvolta.Meutrabalhoéjustamenteooposto:

ajudarpessoasquejáforamlongedemaisedizeràquelasquetalvezqueiramseenvolvercomooculto

paraquenãoofaçam!”

Edretomaoassunto:“Aessênciadamagianegraéumpactocomodiabo,emulheresquefazemtal

pactosetornam,defato,noivasdodiabonaterra.Agora,umavezqueodiaboéchamadodePríncipeda

Terra,bastaqueanoivadodiabopeçaprazeresmundanosaoseu‘marido’paraqueelasupostamenteos

consiga.Oúnicoporéméque,antesdequaisquerdessesbenefíciosseremconcedidosàbruxa,elatem

quevoluntariamentedaraalmaaodiabo.Kendraeramercenáriaosuficienteparacelebrarumpacto

desses.Partedaparafernáliaeraamantilhanegraderenda,queelausoucomo‘véudecasamento’

deturpado,esobreoqualcolocouumacoroadechifresdebode.Emseguida,elasecasoucomomalao

renunciaraDeuseaoseubatismo,ejurandofidelidadeaSatã.Elaterminouoritualtomandosangue

animalemumataça,paraselarovoto.Ataça”,dizEd,apontandoparaamesadecarvalhonomeiodo

OccultMuseum,“estáali,aoladodovéuedoschifresdebode.

“Kendraexplicouque,maisoumenosummêsdepoisdeterrealizadooritual,Jimmycomeçoua

demonstrarinteresseporela.Ele,noinício,davaalgunstelefonemase,porfim,passouavisitá-laaos

finsdesemana.ParaKendra,tudoestavaperfeito.Noentanto,oqueelanãolevouemcontaéquehavia ficadoemdébitocomoespíritodemoníaco.Aofazeroritualdemagia,Kendradeupermissãoparaqueo demônioentrassenasuavida.Normalmente,afórmulamágicaqueelausouteriaatraídoumincubo,o opressorsexualdemulheres,ouumsúcubo,oopressorsexualdehomens;mas,naquelecaso,elaatraiu umespíritodemoníacoinferior.Noentanto,essaentidadefoiadianteeaoprimiusexualmentedomesmo jeito, ao que parece porque esse era o seuponto de maior vulnerabilidade. O espírito inflamava continuamenteaspaixõesdajovem,atéqueelafoireduzidaaumaescravadoimpulso.Nessaconjuntura, oespíritoopressorconseguiupossuirKendraaoseubel-prazer,efoiapartirdaíqueelacomeçoua sofreroslapsosdememória. “Tendopassadobemmaisdeumahoraentrevistandoocasal-edevodizerqueonamoradonãoficou muitofelizcomoqueouviu-soubeque,paraasegurançadaprópriagarota,euprecisavaprovidenciar umexorcismoimediatamente.Docontrário,aentidade,sabendoqueeusabiaqueelaestavapossuindoa garota,poderiapossuí-laumaúltimavezeprovocarumasituaçãodesuicídio. “Comissoemmente,fuiaosaguão,expliqueioproblemaaLorraineepediqueelalevasseocarro alugadodevoltaaohotel por aquelanoite.Então,ocasal eeufomos,nocarrodeJimmy,parao apartamentodeKendra.Passeianoiteassistindoafilmesantigosnatelevisão,emcompanhiadeJimmy, enquantoagarotadormianoquarto,comaportaabertaeumaluzacesa. “Namanhãseguinte,telefoneiparaumexorcistaprotestantelocalemquemtenhograndeféeconfiança. Nãopudechamarumexorcistacatóliconaocasiãoporqueoclerocatólicotemqueseguirapolíticado Vaticanoepassarporumperíododetrêsdiasdeoraçõesejejumantesdeconduzirqualquerexorcismo deumapessoapossuída. “Oexorcistaeoseuassistente,ambosclérigosprotestantes,chegaramemmaisoumenosumahora.Os doiseramhomenscapacitados,demodoquelhesexpliqueiohistóricodocaso.Éclaro,elesjáhaviam ouvidoaquelahistóriaantes.Emseguida,Kendrafoitrazidaparaasala.Atéaquelemomento,osclérigos aindanãohaviamtestemunhadoapossessãoenemagarotatinhasidopossuídadesdeanoiteanterior. Portanto,oqueprecisavafazer,emprimeirolugar,eraprovaraossacerdotesqueapossessãoestavade fatoocorrendo. “Umdosmuitostestesparaverificarapossessãoécolocarumcrucifixodiretamenteatrásdacabeça dapessoapossuída.Então,nestecaso,oexorcistaorientouagarotaafecharosolhosecontarlentamente atévinte.Oassistente,quejáestavaàscostasdeKendra,posicionouacruzquinzecentímetrosatrásda cabeçadagarota.Aentidadequeaestavapossuindoderepentesoltouumgritoselvagemeviolento:

‘Tireissodaí!Estáqueimando!Tire!’. “O uso da cruz fez com que a entidade se revelasse, momento em que pudemos confrontar intelectualmenteoespíritoqueestavadominandoagarota,Oespírito,omesmoquehaviapossuído Kendrananoiteanterior,admitiuqueestavasozinhonapossedocorpodamoça.Quandooexorcista comandouqueseidentificasse,elerespondeucomaseguintedeclaração:‘SouumservodeDiana”.A propósito,Dianaéumespíritodeopressãosexual,conhecidocomoadeusadacaça’namitologia.Não conseguimosarrancarmuitomaisdoespírito.Namaiorpartedotempo,eleexplodiaemrompantesde gritos,maldiçõeseuivos. “Normalmente, antes que se permita a realização de umexorcismo, uma investigação formal é conduzida a fimde provar que umindivíduo foi de fato possuído. Naquela ocasião, porém, era inquestionávelqueagarotaestavapossuída.Porisso,oexorcistadecidiuqueseriamelhorrealizaro ritualdelibertaçãoalimesmo,naquelemomento. “Neste caso, ele ficouno controle da situação desde o início, tamanho era o medo que a coisa demonstravaàmençãodonomedeDeusoudiantedapresençadacruzoudaáguabenta.Aindaassim,a entidadepossessorasemostroubastanteresistentedurantealeituradoritual,quelevouporvoltadeuma hora.Duranteorito,oespíritoficavagritando:‘Elaéminha,elaéminha.Aalmadelaéminha”,em

referênciaaKendra.Porfim,oespíritofoiexorcizadodagarotanaqueledia,mas,antesdepartir,acoisa

jurouque‘retornariaparaoutrapessoa”.

“Nenhumdenósalipresentessabiaoqueoespíritotinhaemmente.Maistarde,euiriadescobrir.”

[1]Namedulaoblonga.Paraumaexplicaçãomaisdetalhada,vejaAutobiografiadeumIogue,de

ParamahansaYogananda.LosAngeles:Self-RealizationFellowship,1946.

ORETORNODAENTIDADE “Depoisqueoexorcismoterminou,libertandoKendradojugodaqueleespírito”,prossegueEd,“agarota

ORETORNODAENTIDADE

“Depoisqueoexorcismoterminou,libertandoKendradojugodaqueleespírito”,prossegueEd,“agarota meentregouovéunegroderenda,oschifresdebode,ataçaeolivrodeconjurações,temendoque pudessesertentadaouoprimidaausá-losoutravez.Lorraine,então,foimebuscarnoapartamentodela e,maistarde,naqueledia,comoéomeucostume,trouxeaquelesobjetosparacasa,paraguardá-losem segurança. “Desdeoinício,aparafernáliademagiamecausouproblemas”,recorda-seEd.“Umapresençame seguiaatodaparte.Então,nanoiteseguinte,depoisdopôrdosol,umfriopsíquicoencheuomeu escritórioeoOccultMuseum,ondeeuhaviacolocadoosobjetos.Sentindoamudançanatemperatura enquantoestavasentadojuntoàminhaescrivaninha,melevanteiedeiumaolhadanomuseu.Ali,aolado dovéuedoschifres,viumamassanevoentadeumcinza-escuro,maisoumenosdotamanhodeum homem,seacumulandoemumadensaformanegra.Paraimpedirqueacoisasemanifestasse,useiágua bentaparatorná-lainvisíveloutravez.Noentanto,ficouevidentequeaentidadequepossuiuKendra tinhaviajadojuntocomosobjetosprofanos. “Porobradodestino,nodiaseguinte,recebiumtelefonemadeumcolegachamadoRobertGoldstrom. ElequeriamarcarumhorárioparaviraomeuescritóriocomafilhaDenise.‘Porquevocêprecisame ver?’,pergunteiaele. “Frustradoepreocupado,eleexplicouqueafilhaeradotadadeumconhecimentonaturaldoqueele consideravaserbruxaria.Fazendoumrápidoapanhadodavidadagarota,opaidisseque,emvezde brincar como uma criança comum, Denise era constantemente encontrada sozinha, realizando rituais complicadosqueenvolviampentagramas,sanguedeanimaisetudoomais—coisascomqueuma meninadeseisanosnãoestariafamiliarizada.JámaisvelhaDenisedemonstravaaversãopelaigrejaese retiravadapresençadeclérigos.Aomesmotempo,ascriançasdavizinhançatinhamummedoinstintivo dela;mesmoaprópriamãedagarotanãogostavadeficarsozinhanomesmocômodoqueafilha. “Naadolescência,Deniseficouaindapior.QuandofixavaosolhosI«aspessoas,mesmoquandoestas nãoopercebiam,agarotaenchiaamentedelascomumterrorinumano.Oolhardelaeratãointensoque chegavaatéapararmáquinas!Seiqueissoéverdadeporque,posteriormente,euavifazerisso.Elafez umcarroqueestavapassandopelaruapararderepente.Noentanto,essaatividadenãoeraomotivopelo qual Goldstrom havia me ligado. Em vez disso, Denise havia começado a manifestar diferentes personalidades: algumas masculinas, outras femininas, e algumas que nem sequer poderiam ser consideradashumanas.Alémdisso,asdeclaraçõesdessas‘personalidades’continhamterríveisameaças aRobertGoldstromeàsuaesposa. “Diantedisso,elelevouagarotaapsiquiatras,quereconheceramqueoproblemaeraalgomaisque psicológico.Os médicos oorientarama levar a filha a umclérigo,mas oministroque Goldstrom consultounãoqueriaveragarotaamenosqueelafossetrazidaamimantes.Depoisdeouviroproblema

dohomem,marqueiumhorárioparavê-losnosábadoseguinte,às11h.

“Naquelanoite,oespíritotentousemanifestarmaisumaveznoOccultMuseum;eoutravezuseia água benta. No dia seguinte, segunda-feira, Lorraine e euviajamos por causa de compromissos de

palestraseentrevistasnaPensilvâniaeemOhio.Retomamosapenasjánofimdasexta-feira.Nooutro

dia,sábado,às11h,RobertGoldstromchegoucomafilha,comohavíamosmarcado.Denisetinhapor

voltadedezenoveanos.Elaeraalta,magra,cabelosescuroseolhosazuisquelançavamumolharferoze penetrante. Quando tentei lhe dar umaperto de mão, ela recuoue me encaroucomdesconfiança, observandocadamovimentoqueeufazia. “Conduzindoaquelesdoisaomeuescritório,pediqueDenisesesentassenacadeiraaoladodaminha escrivaninhaeopaiseacomodasseemumapoltronapróxima.Então,ligueiogravadorepediqueosr. Goldstromdescrevesseoproblemadenovo.Ohomemrepetiuque,semprequeeleouaesposafalava comafilha,nenhumdelessabiaaocertoseestavafalandocomDenise—oucomalgumapersonalidade estranha.Durantetodoorelato,agarotanãotirouosolhosdemimnemuminstantesequer. “Quandoopaiterminou,tenteifazerperguntasàgarota.‘Quemévocê?’,perguntei. “‘DeniseGoldstrom’,respondeuela,comdesdém. “‘Quantosanosvocêtem?’ “‘Maisdoquevocêimagina’,disseela. “‘E quanto ao que o seupai me contou? É verdade que você vemmanifestando personalidades diferentes?’ “‘Eleéparanoico’,respondeuela.‘Eusoueumesma.Souquemeuquiserser.’ “‘Algumadassuaspersonalidadeséinumana?’,perguntei,pressionandoagarota. “‘Eunãotenhoqueresponderanenhumadassuasmalditasperguntas’,disparouela. “QuandoerguiosolhosparafazeroutraperguntaaDenise,elaestavameencarandocomumdosseus olharespenetrantes.Vocêescolheuocaraerradoemquemusarisso’,eufaleiàgarota.‘Nunca,nunca tenteissooutravezcomigo!’ “Pelaprimeiravezdesdequeentrounanossacasa,agarotadesviouosolhosdemim.Elaparecia atordoadaedesorientada,comosetivesseacabadodeseratingidanacabeçacomumtacodebeisebol. Seusolhoscorrerampelosobjetosqueestavamnaminhaescrivaninhae,então,pararamsobreovéu negro de renda, que euhavia colocado ali, emumcanto afastado, para impedir que o espírito se manifestasse.Derepente,antesqueeuconseguisseimpedi-la,amoçapuloudacadeira,agarrouovéueo seguroujuntoaopeito.Suasfeiçõesimediatamentecomeçaramasetransformarnasdeumacriatura desvairada,comumsorrisozombeteiro,muitodiferentedaquelagarotabonita.Logopegueidoisfrascos deágua,umnãoabençoado,ooutroabençoadoporumexorcistamuitopiedoso,emeafasteidoquejá nãoeraDenise,masumespíritoinumano:umdiaboinferiordoinferno.Isto”,dizEd,apertandoobotão deplaydogravador,“foioqueouvi.” Umagargalhadadiabólica,rouca,derepenteirrompedopardecaixasdesom. “Vocêestárindodemim”,escuta-seavozdeEdfalando,“mas,comquemestoufalando?” EoespíritoquepossuíaDenisecomeçaatagarelar.

Voz:Seiquemvocêé!Rá,rá,rá,rá,riii [risos] EdWarren:Quemévocê? V.:Ro,rooo E.W.:Quemévocê? V.:Vocênãomeconhece?Rá!Vocênãomeconhece?Ora,vamos,vocêsabequemeusou.Vocênão sabe quem eu sou? Estou sofrendo. Estou sofrendo [porque o espírito havia sido exorcizado recentemente. E.W.:Porqueestásofrendo? V.:Ro,ro,riii Pretoéaminhacor.Éacordamorte,acordamorte.Acordamorte!! E.W.:Quemomandouparacá? V.:EucultuoDiana,eLúcifer! Eluz,luz,luz:tudooqueésagradoémaldito!

E.W.:Tenhoumacoisaparavocê. V.:[Emtomdedesafio.]Oquevocêtemparamimqueeujánãopossua?Possopossuirquemeu quiser,seu[impropérioapagado]. E.W.:Voucolocarnasuamãoevocêmedizoqueé.[Testandoaentidade,Edcolocaaáguanão abençoadanamãodeDenise.] V.:Uuuuuh.Émolhado! E.W.:Éissomesmo. V.:Émolhadoeeunãogosto.Gostodecolocargordurahumanasobreomeucorpo.Egostodesangue. Egostodeversangue.Egostodebebersangue. E.W.:Tenhomaisumacoisaparavocê.Tenhoáguabentaparavocê. V.:Águabenta?Águaoquê?Você? VocênãoéumhomemdeDeus! E.W.:Não,nãosou. V.:Vocênãoestánemlá,nemcá,nãoé? E.W.:Exatamente,nemlá,nemcá. V.:Vocênãosabe!Eleestátantonoinfernoquantonocéu.Enãoexisteuminferno,enãoexisteumcéu. Não,nãoexisteuminferno,enãoexisteumcéu.Existeapenasumlugar,enãovoulhefalarsobreesse lugaragora,vou?Vocêsabe,nãoé?Vocêsabe.Vocêestáentreocéueoinferno.Enãoexistecéunem inferno.Masvocêvaientender! E.W.:Não,évocêquevaientender. V.:[Umagargalhadadiabólicasoapordezsegundos.]Eugostodisso.Vocêsabe?Issomedápaz.[O espíritoagoraestáchorando.]Istomedápaz,eeugostodepaz.Gostodepaz,egostodeficarquieto. [Berrando.]Masnãogostodevocê! E.W.:Euseiporquevocênãogostademim. V.:[Berrando,enraivecida.]Porquê? E.W.:VocêjánãotemKendraparapossuir,nãoé? V.:[Gargalhando.]Eutenhoqualquerumquequeirater.SoumaisfortequevocêeseuhomemdeDeus [oexorcista]! E.W.:Veremos.Veremosqueméomaisforte.Qualéoseunome?Comovocêchamaasimesmo? V.:Deixe-mecolocardestamaneira,homem [vulgaridade.].SouumprotegidodeLúcifer.Vocêsabe queméLúcifer? E.W.:Diga-mevocê.QueméLúcifer? V.:Rá,rá,rá,rá.Eleéoúnicodeusqueestácerto!Vocêsabeque,quandoqueroumacoisa,euposso tê-la?[Proclamando.]Eupossoteroquequiser! E.W.:VocêquisKendra,masnãoconseguiuficarcomela. V.:Ro,ro,ro.Kendranãosabe!Kendranãosabe! E.W.:Oqueelanãosabe? V.:Elavaibeberosangue!Elavaibeberosangue!Elavaimever!Euvoupossui-laoutravez! E.W.:Outravez? V.:[Inflexível]Outravez! E.W.:Não,elanãovaifazerisso. V.:[Gritando.]Ecomovocêvaiprotegeraquelagarota.Elaéminha.Aalmadelaéminha! E.W.:Nadadelapertenceavocê. V.:Vousugartodoosanguedela! E.W.:Vocênãovaifazernadaaela! V.:Rá,rá!Eugostodela.Elaéomeubrinquedinho[arrulhando]. E.W.:Elafoioseubrinquedo,atéelameprocurar.Masvocêgostariadeacertarascontascomigo,não

é?

V.:[Gargalhandoerindo.]Possofazerqualquercoisaqueeuquiser! E.W.:Vocênãovaifazernada!Tenhoumacoisa[águabenta]queémaisfortedoquevocênuncaserá. Vocêtambémsabedisso,nãosabe? V.:Aham!Sim.[Gritando.]Vocêacreditaemcoisastãofalsas!Ah!Eoqueé? E.W.:Vocêtentouaparecerparamimnaquelanoite.Oquepretendiafazer?Euoexpulsei,nãofoi? V.:Euqueriamatá-lo,eestoufalandosério.[Guinchosininteligíveis.][ ]Vocêvaicravaralguma coisanomeucoração?Eunãotemcoração! E.W.:Éissomesmo,vocênãotemcoração. V.:Não. E.W.:Maseuvoulhedaroutracoisa.[Edjogaáguabentanajovempossuída.]Vocênãogostamuito disso,gosta? V.:[Furiosa,gritando.]Não!!! E.W.:Vocêgostadosinaldacruz? V.:Não! E.W.:Tudobem,agora,euvoulhedizerumacoisa V.:[Gritandoviolentamente.] E.W.:[ ]Queroquevocêsaia.Equeroquenuncamaisvolteaqui! V.:Parecomisso! E.W.:Não,eunãovouparar.EmnomedeDeus,vocêvaisair V.:[Gritandoviolentamente.]EmnomedeJesusCristo,caleaboca! E.W.:VaiseremnomedeJesusCristo!Evocêvaiembora!Enãovaivoltarmais! V.:[Declarando.]Euvoltarei!Ou,senãovoltar,outromaisfortevirá!Eusoufraco,masexistem outrosmaisfortes!! E.W.:Vocêéfraco,evocêvaiembora,vouexpulsá-lo.EmnomedeIDeus,vouexpulsá-lo!tV.:Rá, rá,rá,rá,rá,riiii E.W.:Aquiestámaisumacoisaparafazê-lopensar.[Eduntaocorpodajovemcomáguabenta, traçandoosinaldacruz.] V.:[Guinchosdeagonia.]Ah,meuDeus,fogo!Fogo,fogo,fogo! E.W.:[Sobrepondo-seaosguinchosegemidos.]Eunãoqueroquevocêvolteaestacasaoutravez! Estámeentendendo? V.:Ah,meuDeus.Ah,meuDeus.Ah,meuDeus.Ah E.W.:Eunãoqueroquevocêvoltedenovoaestacasa!Nuncamais!Agora,saia.Saia!

Lamentosameaçadores,guinchoscomodeumabrigadegatoseváriosoutrossonsanimalescossão entãoouvidoscomoseestivessemseafastandoquandoaentidadepossessoraabandonaocorpoda garota,rEdcolocaumfimaosgemidosapertandoobotãostopdogravador,deixandooOccultMuseum silenciosocomoumamasmorra.Apósumlongominutodereflexão,eleenfimquebraosilêncio:“Éisso queestáláfora.Éissoqueestápossuindoessascrianças espíritosinumanos,demoníacos.Inumanos, porquenãosãocomoohomemenãotêmvirtudespositivas;demoníacos,porquesãoumaordemdeanjos queseintitulamdiabos;eespíritos,porquenãotêmexistêncianoplanofísico,masnometafísico.São invisíveiseintangíveis masestãolá!”. OespíritorealmentevoltouparapossuirKendra? “Ah,meuDeus,sim!”,respondeEddeimediato.“Nãomaisdeumasemanadepois,onamoradoda garotatelefonouemecontouoquehaviaacontecido.Kendrabebeuaoferendadesanguemaisumavez —exatamentecomooespíritodissequeaconteceria—eelafoilogopossuídapelamesmaentidade maisumavez.Tivequevoltaroutravezàfaculdade,confrontaroespíritoeprovidenciarnovamenteque Kendrafosselibertadapormeiodeumexorcismo.”

PorqueoprimeiroexorcismofeitoemKendranãofuncionou? “Elefuncionou”,dizEd.“Masacooperaçãodapessoaénecessáriaparaqueumexorcismoseja totalmenteeficaz.Deusajudaaquelesqueseajudam!Oexorcistarestaurouolivre-arbítriodagarota, masoespíritoaoprimiuoutravez.Emvezderesistiràtentação,elaseguiuemfrenteetomouaoferenda desangueumasemanadepois.Issoreabriuocampodasuavontadeedeuaoespíritoapermissãodeque precisavapararetornarepossuirocorpodagarotadenovo.” OespíritopossuiuKendraumaterceiravez? “Não,hojeelaestálivredela.” EquantoaDenise?Oquehouvecomela?Equaleraoproblemadela,afinal? “Apósoincidentedapossessão”,respondeEd,“suasfeiçõesvoltaramaonormale,comisso,dei continuidadeàentrevista.Oincidentequevocêouviunafitamemostrouqueaquelagarotaeraumvaso abertoparapossessão,oqueexplicavaporqueestavamanifestandopersonalidadesdiferentes—pelo menos, personalidades inumanas. Na verdade, descobriu-se que Denise era uma médium para comunicaçãoentreoreinodemoníacoeoreinohumano.Oquetenteidescobrirfoicomoelaadquiriutal capacidade. “Aáguabentaqueeuhaviajogadonagarotaconseguiuacalmá-laosuficienteparaquepudéssemos

conversar emumnível semirracional. Durante aquele intervalo, ela revelouumlongo e complexo envolvimentocomfeitiçariaepráticasnegativas,oqualseestendiaparaalémdoslimitesdasuavida atual.Elaéoquechamamosdeumafeiticeiranatural:ninguémlhedisseoquefazer,tampoucoelaleu sobreoassuntoemalgumlivro.Elanasceucomconhecimentoepodernegativos.Seuconhecimento vinhadeexperiênciasadquiridasemvidaspassadas—econhecimentoéalgoquenuncaseesquece,em especialoconhecimentonegativoqueéadquiridoemoutrasencarnações.Essecaso,vejabem,entrabem noâmagodacoisa,devoltaàdimensãodoverdadeiromal,sobreoqualamaioriadaspessoasnãotem conhecimentonenhum.

“Emoutraspalavras,Deniseerauminstrumentododemônio:elaexistiapraticamentecomoumaporta-

vozparaespíritosdemoníacosNoentanto,amoçanãoéumabruxa;opoderdabruxariaderivadeum votodeserviraodiabo.Emvezdisso,Deniseeraumafeiticeira.Semelhanteàbruxaria,masdiferente dela,a feitiçaria é a capacidade de manipular omundofísicopor meiode umacordocomforças espirituais. Agarotaestavaassociadaaespíritosinumanosnegativos,umacordofeitoemumaencarnaçãoanterior —sobreaqualelafalavacomconhecimentodecausaeriquezadedetalhes. “Noentanto,elanãosabiaexatamentecomofazeroespíritodemoníacoatenderàssuasvontades. Emboraeleausasseàvontade,elanãoconseguiafazeromesmocomoespírito.FoiporissoqueDenise sepermitiusertrazidaamim.Elasabiaquemeuera,àbocapequena,eveioatéomeuescritóriocoma equivocadasuposiçãodequepoderiamecoagir ouintimidar arevelar certos segredos cruciais da demonologia,osquaiselaaindanãohaviaaprendidoporsimesma.Éclaroqueeunãodirianadaà garota.Darconhecimentomísticoàquelameninaseriacomodarumagranadademãoaumacriança pequena. “Aolongodomêssubsequente,eumeencontreicomDeniseeopaidelaumastrêsvezes,masnão haviaabsolutamentenadaqueeupudessefazerparasanarasituação.Tudooquepudefazerfoidarao paiumacartadeencaminhamentoaserapresentadaaoclérigo,naqualeuafirmavaqueDeniseprecisava de aconselhamento religioso: a sua vida, a menos que ela decidisse mudá-la, estava dedicada ao negativo.Narealidade,amenosquedefatovejaaluz,elaviveráemorrerásobaquelainfluência.” Edacreditaemreencarnação? “Deixe-mecolocardestamaneira”,respondeEd,“eusinceramentenãoseidizerseareencarnaçãoé umprincípioouprocessopeloqualtodasaspessoaspassamnaturalmente.Oquepossoafirmaréque tenhoregistrosdecasosqueprovamquecertosindivíduostiverammaisdeumavida.Poroutrolado,não

tenhoinformações para provar que todas as pessoas vivenciamofenômeno.Alémdisso,quandoo demônioestáenvolvidoemumasituação,vocêestálidandocomumaperturbaçãodaordemnatural. Consequentemente, se um indivíduo que faz um pacto com as forças demoníacas de fato acaba vivenciando o renascimento emoutra vida, ele o fazemcircunstâncias questionáveis. Aquela vida adicional—emcertamedida—teriaqueserconsideradauma‘encarnaçãoartificial’.” KendraeDeniseseconheciamantesdeEdseenvolvernocaso?“Não",respondeele.“Elasnuncase encontraram,enãoseconhecematéhoje.OúnicomotivoparaDenisetervindoaomeuescritóriofoia tramadoespíritoexorcizadoparaqueissoacontecesse.” Apsicometriaéacapacidadede“saberpelotoque”.NãoseriapossívelqueDenise,aoagarrarovéu negro de renda, tenha feito uma conexão comKendra e, portanto, reproduzido todo o evento por psicometria? “Nessecaso”,respondeEd,“issoseriaestenderdemaisoconceitodepsicometria.Poderiaterhavido umepisódiodepercepçãoextra-sensorial,eulhegaranto,masnãofoiessaasituação.Umaentidade exterior,independentedeambasasgarotas,estavaenvolvida.Quandooespíritonãoestavapossuindo nenhumadelas,estavapresentenesteescritório.AoefetivamentepossuirDenise,aprimeiracoisaqueele medissefoi:‘Euseiquemvocêé’.Eunãosabiaquemouoqueeleera,éclaro,maseujátinhaouvido aquilo muitas vezes antes, de outros espíritos inumanos possuindo outras pessoas. Emseguida, ele começouadizerqueestava‘sofrendo’.IssonãodiziarespeitoaKendranemaDenise,masaotormento emocionaldeumespíritoqueforaexorcizado.Tambémsenotaqueeraumaentidadeindependente, porquesereferiaaKendrapelonome,oqueindicavaadistinçãodeidentidade. “Maistarde,ignorando-setudoomaisqueaentidadedisse,elaforneceuumainformaçãoprecognitiva de que a universitária, Kendra, seria possuída de novo. Essa segunda possessão ocorreu; existem registrosdarealizaçãodosegundoexorcismo.Porfim,acrescenteaissoofatosimbólicodequea entidadeconseguiudistinguirentreáguaabençoadaenãoabençoada:aáguanãoabençoadadavauma sensação‘molhada’,aáguaabençoadaqueimavacomo‘fogo’.Vocêjáviuumapessoareagirdaquele jeitoquandotocadaporáguabenta?” Porqueoespíritoteveumareaçãotãoviolentaàáguabenta?“Aguaéágua,masaáguabentaestá carregadacomoespíritodopositivo—comoespíritodoquechamamosdeDeus.Empessoas,aágua bentapodeterumefeitopositivoe,emalgunscasos,podeserusadaatémesmoparapromovercuras. Paraoespíritodemoníaco,porém,aáguabentatemjustamenteoefeitocontrário:aentidadeasente comosefosseácidooufogo.” Oqueoespíritoquisdizercom‘gostodepaz’e‘gostodeficarquieto’?“Oespíritoencontrapaz apenasaopossuirumcorpohumano.Docontrário,elepermaneceemumestadodesofrimento.” Oespíritoestavadefatosofrendo,comoafirmouqueestava?E,seestava,porquê? “Sim,eleestavasofrendoportersidoexorcizado;masarespostaémaiscomplicadaqueisso.O espíritodemoníacoélevadoàpossessãopordoismotivos.Primeiro,oseureino—chame-oinferno, chame-ocomoquiser—étãointolerávelqueessesespíritosfarãoqualquercoisaparafugirdali.O lugar,vejavocê,éintoleráveldeviver—éoinferno!Essesespíritosnãoatormentamapenaspessoas elesseatormentamunsaosoutros.Aúnicamaneiradesairdissoépossuindoumcorpohumano.E quandoumapessoapodeserpossuídaporumaentidade,elapodeserpossuídapormuitas.Narealidade, apossessãopormuitasentidadesnãoéaexceção,éaregra.Emcasosmaissérios,emgeralseisoumais espíritosestãohabitandoocorpodavítima.Pelapossessão,essesespíritosencontrampazcomrelação aos constantes tormentos que vivenciam. O exorcismo, portanto, é a pior coisa que lhes poderia acontecer. “Ooutromotivoparaapossessão,eomaisimportante,baseia-senoconceitodoAnticristo.Todoo esforçodoespíritoinumanodirigidoaestafinalidade:conquistaraTerraedestruiraraçahumanadiante dosolhosdeDeus.Assim,pelapossessão,oespíritoinumanomatadoiscoelhoscomumacajadadasó:

eleseescondedoinfernoecumpreasuatarefadearruinarohomem.Oespíritodemoníacoinumanoéum verdadeiroinimigodahumanidade,nãoseicomoexpressá-lodeoutraforma”. Vocêacreditanoinfernocomoumlugardefogoeenxofre? “Não”,respondeEd.“Nãoacreditoemuminfernodefogo.Embora,atravésdospossuídos,eutenha ouvidooespíritodemoníacosequeixardo‘fogodoinferno’,nãopossonemporuminstantecrerqueum Deusamantíssimocriariaumhorrortãoincompreensívelcomooinferno.Noentanto,porsuaabordagem pervertidadaexistência,essesespíritospodemtercriadoopróprioinfernodefogo;considerandoquea suaexistênciaéaantítesedopositivo,taltormentoseriaacriaçãodeles. “Emúltimaanálise,porém,anoçãoqueoespíritodemoníacotemdeinfernoémuitomaisdolorosa queadesofrimentofísico.Essesespíritossabemqueestãocondenadosàpuniçãoeterna,oquesignifica queoespíritodemoníaco—oportadordapragadomal—seráeliminadodouniversonatural.Ou,como dizaBíblia: ‘Osmausperecerão'.Aindaassim,emvezdemudar,eleprefereser oqueé: maue pernicioso. Portanto, emumnível intelectual, o inferno faz mais sentido quando visto como uma separaçãoeternadeDeus:ouseja,separaçãototaldafontedaexistência.” Então,oqueoespíritoquisdizerquandodeclarou:“Nãoexistecéuenãoexisteinferno,existeapenas umlugar"? “Nãopossodizer,porquenãosei”,responde.“Nãoseesqueçadequeoespíritodemoníacoéomestre das mentiras. Oexorcista, por exemplo, é orientado a nunca se envolver emuma conversa como demônio.Então,nãosepodejulgarquetudooqueeledizéverdadeiro.Nessecaso,porém,épossível queeleestivessesereferindoàideiadeser—eàideiadenada.Ouseja,nofim,quandotudotiversido computado,oúnicolugaremquehaverávidaéondeexisteoser.Paraalé