Вы находитесь на странице: 1из 16

Drª.

Marimba Ani

(Tradução, Wellington Agudá)

A ideologia da Dominação Européia

Introdução

Este artigo destina-se como uma advertência contra o uso


indiscriminado da teoria científica social, como nos tem sido apresentado em
nossa formação acadêmica. Olharei criticamente para o pensamento social
da Europa Ocidental em termos de valores e julgamentos que nela estão
implícitos, especialmente no que se refere aos Africanos e do sua herança.
Argumentarei, como outros têm feito, que, devido à íntima ligação entre a
visão de mundo e teoria social ocidental-européias, é tanto irrelevante ou,
como na maioria dos casos, perigoso para pessoas de descendência Africana.
É óbvio que a ciência não é pura e que os cientistas não existem num vácuo.
Parto do princípio de que nós, como teóricos sociais negros, não temos
nenhum uso para o mito da objetividade — um mito que tem servido o
interesse dos objetivos políticos da Europa Ocidental. Ao contrário da
propaganda da academia, a teoria social branca não representa um corpo
universalmente válido e “objectivo” de pensamento, nem uma ferramenta
neutra para ser usado com a finalidade de compreender a experiência
humana. Eu diria, em vez disso, que ela representa uma visão particular do
mundo como visto a partir da perspectiva da suposta superioridade
ocidental-européia, e assim uma imagem da inferioridade da civilização
Africana é inerente aos termos, definições e modelos teóricos em que a teoria
social branca se baseia.
Vou desenvolver o meu argumento, apresentando certos aspectos-
chave das raízes intelectuais e emocionais do pensamento social ocidental-
europeu em geral e, então, uma vez que seja a disciplina em que fui treinada
academicamente, vou passar para a gênese da teoria antropológica em
particular. A Antropologia surgirá não como uma “ciência do homem”, mas
como uma manifestação particular da cultura ocidental-européia. O fato
destas formas particulares culturalmente baseadas terem sido apresentadas
e impostas como universais, é um fato de conseqüência política séria.
Minha preocupação especial em oferecer este argumento é a questão
do papel e do futuro do Antropólogo Negro.
Ideologia e Visão de Mundo

É possível isolar certas idéias seminais que têm servido como


princípios organizadores do pensamento científico ocidental. Estas emergem
como uma série de temas inter-relacionados, algumas vezes escondidos, em
outros períodos mais visíveis. Embora eu tente destacá-las, até certo ponto,
elas geralmente não são distinguíveis como idéias separadas e distintas, mas,
juntas, ajudam a determinar os contornos da visão de mundo ocidental-
européia.
Estes temas, como espero demonstrar, estão intimamente
relacionados com a atitude ocidental-européia para, e a percepção de, outros
povos, e implica uma relação especial com eles. Estes fatores são parte do
que vou me referir a como “ethos”. Este termo é usado para indicar o tom
emocional de uma cultura, a singularidade de seu povo. Refere-se ao seu ego
coletivo; o que lhes permite se comportarem como eles façam e, de fato,
explica esse comportamento. O ethos ocidental branco parece prosperar
sobre a percepção daqueles que são culturalmente e radicalmente diferente
deles como inferiores. Eles buscam se relacionar com os outros como
superiores aos inferiores, como os poderosos para os controlados, como os
“civilizados” aos “primitivos”, e assim por diante. Sua visão de mundo reflete
essas definições e esta relação. Conforme eu delineie estes aspectos
fundamentais da tradição intelectual ocidental-européia, tentarei
demonstrar como eles ajudam a ordenar a experiência de tal forma a
satisfazer o ethos ocidental.
Podemos começar com a ideia da “Grande Cadeia do Ser” (como tem
sido referido). Alguns traçam suas origens todo o caminho de volta a Platão,
e eu tendo a concordar como a maioria das construções intelectuais
ocidentais são variações sobre temas indicados na teoria platônica. Embora a
ideia tenha sido expressa em muitas formas diferentes e em fragmentos da
Grécia Clássica até ao presente, pode ser caracterizado como monolítico de
forma consistente, sem sacrificar a precisão. É uma concepção do universo
que sustenta que todos os seres se relacionam, como se parte de uma
hierarquia, o seu valor aumenta à medida que chegam ao topo. Diferenças de
tipo implicam diferenças de valor. Para Aristóteles, a hierarquia era baseada
nos “poderes da alma” e cada Ser ou organismo possuía seu próprio poder
para além daqueles “inferiores”. Para os escolásticos, os organismos mais
naturais estavam nas fileiras inferiores da hierarquia, Deus e os anjos se
mantinham nas primeiras posições, respectivamente, enquanto o homem
possuía uma posição-chave sendo tanto “natureza” e “espírito”. Dois
ingredientes essenciais pressupostos nesta ideia era que havia uma última
razão ou explicação racional para tudo o que existia no mundo e que tudo,
todo fenômeno, tinha um lugar em que existia em relação sequencial de
todos os outros 1. As relações lineares que veremos desenvolver aqui formam
um aspecto crucial do pensamento ocidental e ajudam a colocar as coisas em
uma perspectiva necessária para a satisfação da auto-imagem ocidental.
Com o que eu estou preocupada são as implicações ideológicas e
culturais dessas concepções filosóficas. Primeiro de tudo, “Homem” torna-se
número um desta cadeia, uma vez que, em termos práticos, Deus e os anjos
não estão realmente na imagem. O “poder” da alma do homem é a sua
capacidade racional e isso lhe dá controle e superioridade sobre os seres
“inferiores”. Não temos que especular sobre o que ocorre quando os fatores
de raça e cultura ou os dados de “tipos” e “espécies” de homens são
adicionados a esta imagem. Os resultados são previsíveis. As fileiras não
saltam de animais “superiores” para homem: em vez disso, gradações
melhores são reconhecidas com os homens brancos no topo e os homens
negros quase sempre próximos pouco acima dos animais superiores. (De
acordo com alguns teóricos, eles não o tornam tão alto.) O conceito de “A
Grande Cadeia do Ser” tem tido uma enorme influência sobre os modelos
teóricos do pensamento científico ocidental-europeu. O que está implícito
sobre o patrimônio Africano nesta concepção? Como ele pode ser usado para
além de distorcer e denegrir a civilização Africana? Mas, então, sua
finalidade é a de expressar o ethos ocidental-europeu, não o ethos Africano.
Ele apresenta o homem branco com uma visão de mundo em que ele é
classificado mais alto na hierarquia dos seres e outros povos são como
animais para ele.

*
**

Duas outras idéias seminais estão ainda mais intimamente


relacionadas; a da evolução unilinear universal e a “ideia de progresso”. No
que os europeus têm chamado a sua “Renascença”, a “Cadeia do Ser” foi
capaz de expressar-se em uma nova forma. Deus e os anjos pareciam ter ido
pelo bem e isso pôs o “Homem” (o homem branco europeu) solidamente no
banco do motorista. A ideia de progresso veio à tona. Da escatologia bíblica
surgiu a ideia de um processo histórico significativo, mas o ethos ocidental-
europeu não poderia expressar-se confortavelmente dentro de uma
concepção religiosa. Ela necessitaria da “liberdade” de uma visão

1 ARTHUR O. LOVEJOY: A Grande Cadeia do Ser (Cambridge, Harvard University Press,


1966), pp 58-59. Este trabalho constitui uma excelente crítica de um tema dominante na
tradição filosófica europeia.
secularizada da história. Uma em que diria que não haveria tabus e
abertamente declarasse a ascendência do homem. Em uma sociedade
industrial em rápida expansão, para uma cultura cuja unidade imperial
encontrou um sucesso após o outro, este conceito encaixou perfeitamente.
Ela dizia que os homens (entenda-se “os homens brancos”) estavam
avançando à direita, a única direção. O que lhes permitiu fazer isso, acima de
tudo, era sua capacidade de racionalizar o Universo, para aplicar os
princípios da “ciência”. Uma vez que este movimento progressivo foi um bem
em si mesmo, como Roger Bacon lhes tinha ajudado a ver, a ciência estava,
de fato, acima do escrutínio moral. Esta foi uma nova moralidade. Abrangeu
um estado de espírito de arrogância, superioridade, poder e certamente
expansão. A ideia de progresso é essencialmente expansionista: é a incorpora
tudo que se passou, os reúne e transporta para um futuro infinito e
indefinido. O “progress” nunca será alcançado, ele vai continuar
indefinidamente. E o que continua indefinidamente, bem como é o
crescimento do império e a mecanização da sociedade. Esta ideia foi
abraçada ao mesmo tempo que a Reforma Protestante foi abrindo caminho
para o triunfo do capitalismo no Ocidente. Em termos de ethos ocidental-
europeu, foi o modo ideológico perfeito para o instinto aquisitivo, o
expansionismo, o “fardo do homem branco” e a busca imperial de
exploração: a mentalidade de conquistar 2.
Para os filósofos do chamado “Iluminismo”, o “progresso” foi o
bendito desdobramento e desencadeamento das capacidades do homem para
a razão e bondade, e os Enciclopedistas do século XVIII lutavam para
formular “inevitáveis” leis de uma “história universal” em que toda a
experiência humana coubessem, assim tornando-a inteligível. Foi a partir
disso que o conceito ocidental-europeu peculiar da cultura nasceu:
universalista, elitista e chauvinista. Dada a sua relação política com o resto
do mundo, estes europeus eram precisamente as pessoas erradas para
formular as chamadas leis universais da natureza humana ou para construir
uma ciência universal do homem. O conceito de “humanidade comum”
tornou-se um instrumento através do qual impor a ideologia ocidental-
européia sobre o mundo em vez de uma indicação do reconhecimento e,
portanto, da validade de outras experiências culturais.
E assim, o palco estava montado para as teorias evolutivas
dominantes do século XIX. Spencer e Comte afirmavam o óbvio. Se
aceitarmos o fato de que o movimento histórico progressivo é o que nos
impulsiona ao longo do tempo, então torna-se lógico que a sociedade deve

2Para uma discussão muito rara e perceptiva desse conceito ver HENRYK SKOLIMOWSKI:
“The Scientific World-View an the Illusions of Progress” em Social Research, vol. 41, nº I,
Primavera 1974, pp. 52-82.
ter progredido através de estágios que se relacionam uns com os outros em
uma seqüência linear do menos para o mais progressivo. Sociedade pode ser
entendida como tendo progredido através de determinados estágios
evolutivos, representando as fases crescentes da iluminação, da
racionalidade, propriedade, mecanização e assim por diante. O ponto de
referência sempre foi a sociedade europeia que representa o estágio mais
avançado evolutivamente em qualquer ponto. A próxima adição previsível
para esta imagem é que mais uma vez — em qualquer dado ponto — as
outras culturas e sociedades do mundo estão assentadas dentro da escala
evolutiva para se relacionarem linearmente com a sociedade mais evoluída.
Desta forma, a evolução se torna universal e unilinear. Todo mundo está se
movendo pelos mesmos estágios na mesma sequência. Estamos todos,
portanto, julgados pela mesma ideologia desde que esta é, afinal, uma
construção ideológica e não meramente uma teórica. O resultado é uma
versão mais atualizada da “Grande Cadeia do Ser”.
Em conjunto, estas duas ideias apresentam uma visão do mundo em
que o homem ocidental-europeu torna-se o homem “mais progressivo” e,
portanto, o “superior”. Ele refere-se, em seguida, a outros que representam
diferentes graus de inferioridade. Muito apropriadamente, ele os “ensina”,
“controla”, “ordena” e “explora”. Uma vez que ele saiba melhor, ele confere
suas bênçãos através da escravidão, do colonialismo, do imperialismo
expansionista, do neo-colonialismo e assim por diante. E assim, a África se
tornar uma vítima, não só do comportamento explorador, mas nós como
Africanos somos levados a acreditar que isto é apenas desde que a nossa
herança é “atrasada”, “primitiva” e “subdesenvolvida”. Tornamo-nos,
também, vítimas de uma visão de mundo imposta.

Estes três temas que eu discuti não são realmente três modelos ou
conceitos totalmente distintos, mas pedaços de uma construção ideológica.
Eles têm em comum o fato de que todos eles ajudam a criar um espectro ou
escala que julga ou avalia raças e culturas: a ocidental-européia sempre
sendo aquela mais valorizada de acordo com a lógica dos esquemas de teses;
aquela que seja mais diferente do Ocidente-Europa branco sendo a mais
baixo em termos de valor (e essa é sempre a África e seu povo).
Nós, como Africanistas, somos obrigados a deixar claro aos jovens
teóricos sociais negros que todas as ideias mencionadas acima são apenas os
modelos teóricos, e não verdades “comprovadas”, apenas pressupostos
tacitamente aceitos que formam a moldura branca ocidental-européia de
referência. Estas são as suas inclinações, não defendidas, mas assumidas.
Não há nenhuma razão para nós assumirmos uma visão do mundo que nos
coloca irremediavelmente em uma posição de inferioridade e justifica nossa
impotência e seu comportamento exploratório. E ainda, conforme herdamos
essas formas de pensamento do Europeu, que tendem a aceitá-los também
como dadas, sem perceber suas implicações inerentes.

Os Usos da Antropologia

Agora eu gostaria de voltar para a antropologia especificamente e ver


como ela se relaciona com a discussão anterior. Considerarei a antropologia
apenas em sua história, como uma disciplina acadêmica, mas deve ser
entendido que o esforço remonta aos primórdios da consciência ocidental. É,
na verdade, nascida dessa consciência, e está sempre presente quando as
pessoas brancas estudam “o estranho”, “o exótico”, o que é diferente e,
portanto, considerados menos do que eles.
Como um esforço teórico reconhecido, a antropologia cresce do meio
spenceriano-comtiano. Esta foi em si uma manifestação do ethos ocidental-
europeu que atingiu sua elevada e amadurecida expressão no século XIX,
mas deve ser entendida como parte de um continuum rastreável da Grécia
Clássica à sociedade norte-americana contemporânea. Este ethos e
consciência busca expressão na teoria da superioridade racial branca e
cultural ocidental-européia, e encontra a sua satisfação no controle político e
na exploração econômica das pessoas do mundo que não são dessa raça ou
cultura. A disciplina e a atividade da antropologia tem, portanto, uma
relação especial com a imagem projetada e comportamento em relação a, e
tratamento de civilizações, culturas e povos que não sejam brancos e não
sejam Ocidentais-Europeus.
Foi este ethos que criou “o selvagem”, em seguida, explicou a sua
(“nossa”) existência, dando à “cadeia do ser” uma dimensão histórica, para
que, em termos de visão de mundo, fossemos colocados espacialmente e
temporalmente em relação a eles em um esquema que explicasse sua
superioridade. A tarefa da teoria antropológica era explicar culturas como
parte de uma série de seqüência de eventos evolutivos, em relação genética,
em uma estrutura hierárquica. O fato desses fenômenos sociais serem todos
pensados para ser explicáveis em termos destes princípios de ordem é um
legado de Platão via Escolástica e neo-platonismo 3. Não importa se essa
experiência humana não possa, de fato, se encaixar perfeitamente em seus
esquemas: o que é importante é que ela seja retorcida e distorcida de modo
que pareça se encaixar, a fim de ser agradável à mente européia e satisfaça o
ethos europeu. Culturas e civilizações se tornam “selvagens”, “bárbaras”,

3 MARGARET T. HODGEN: Early Anthropology in the Sixteenth and Seventeenth


Centuries (Antropologia No início dos Séculos XVI e XVII) (Philadelphia, University of
Pennsylvania Press, 1964), p. 389. Ela apresenta uma boa discussão aprofundada das
origens intelectuais e emocionais da antropologia.
“primitivas” e “atrasadas” — todos termos negativos nessa escala de valores.
E uma vez que o pólo positivo da balança represente o mais racional, os
anteriores também tornam-se “estúpidos” e “ignorantes”.
É nesta cena que Lewis Henry Morgan e Edward Wilmot Tylor entram
no final de 1800. A forma como tinha sido pavimentada por eles através dos
esforços combinados de uma tradição de antropologia física e evolucionismo
social não declarados. Os contornos da teoria antropológica posterior já
tinham sido elaborados. Escrevendo em 1803, Saint-Simon, arquiteto de
uma nascente sociologia e ordem sócio-técnica, disse que “o Negro, por
conta de sua estrutura física básica, não está suscetível a subir ao nível
intelectual dos europeus” 4. Em seus esforços para unificar a Europa, ele
argumentou que “o meio mais seguro de manter a paz na confederação será
mantê-la ocupada constantemente para além das suas próprias fronteiras,
e engajada sem pausa em grande empreendimento interno. Para colonizar
o mundo com a raça europeia, superior a qualquer outra raça humana;
para tornar o mundo acessível e habitável como a Europa, tal é o tipo de
empreendimento pelo qual o Parlamento Europeu deve manter
continuamente a Europa ativa e saudável”5.

*
**

Para todos os teóricos sociais europeus do séculos XVIII e XIX,


“civilização” era a reserva dos brancos e o “problema da raça” significava
simplesmente a eles o problema teórico de como diferentes raças vieram a
ser e como elas estariam evolucionariamente relacionadas entre si. Os
monogenistas, com suas lealdades fortemente bíblicas, disseram que Adão e
Eva brancos seriam os pais de todas as pessoas, mas que outras raças
representava a degeneração do estoque inicial. Os poligenistas
argumentavam que Deus criou outras “espécies” de homem, além de Adão.
Este ponto de vista, insinuou tão cedo quanto o século XVII, continuamente
adquiria fundamentos e floresceu em meados do século XIX. Os proponentes
do poligenismo diziam que as diferenças não poderiam ser explicadas por
meio do ambiente e que, de fato, as diferenças eram tão grandes que as raças
constituíam espécies separadas. O poligenismo era a opinião prevalecente de
antropólogos físicos em meados do século XIX e no final do século XIX a

4 Citado em GEORGE W. STOCKING: Race, Culture, and Evolution: Essays in the History
of Anthropology (Raça, Cultura, e Evolução: Ensaios sobre a História da Antropologia)
(New York, Free Press, 1968), p. 38.
5 HENRI de SAINT-SIMON: Social Organization, The Science of Man and Other Writings

(Organização Social, a Ciência do Homem e Outros Escritos) (Nova York, Harper


Torchbooks, 1964), p. 49.
craniologia racial era a ordem do dia. A estrutura do crânio era dito
determinar o sucesso racial e houve muita medição do tamanho do cérebro
para prever a capacidade mental. Em 1856, o antropólogo francês, Gratiolet,
afirmou que a inferioridade negra era devido ao fato de que as suturas
cranianas de Africanos fechada mais cedo do que as dos brancos6. Estas
foram as idéias que dominaram a Escola Americana de Antropologia Física
no século XIX.
Herbert Spencer traçou as etapas pelas quais a sociedade evoluiu.
Mais uma vez, tinha que ser o homem branco quem, felizmente, foi o agente
da sua evolução e todos os homens não atingiram o topo da escala evolutiva,
já que as capacidades mentais seriam determinadas pela raça e os povos
selvagens careciam de idéias abstratas. Estaria tudo bem se certos grupos (os
Tasmanianos, por exemplo) viessem a ser extintos, uma vez que esta fosse
uma lei da evolução7 .
É fácil juntar as peças e tendência do pensamento racialista branco
que estaria a se tornar sociologia e antropologia. A civilização estava
progredindo. Ela estava se movendo, não só através do tempo, mas estava
avançando racionalmente. Estava ficando “melhor”. Foi a cultura dos
brancos da Europa Ocidental que sempre a avançou. Por quê? Porque eles
foram fisicamente construído de modo que eles poderiam pensar melhor.
Diferenças cerebrais responsáveis por diferenças culturais. Cultura teve que
ser analisada em conjunto com diferenças anatômicas e fisiológicas. Tudo
isso ajudaria o europeu a determinar as leis universais de progresso na
civilização humana. Não é por acaso que tal raciocínio resultou em uma
hierarquia científica de raças “superiores” e “inferiores”. É o ethos ocidental
que transforma a diversidade humana em raciologia.
O que muitas vezes não conseguimos entender é que “racial” e
“cultural” não são verdadeiramente dois aspectos isolados da experiência
humana na mente do homem branco, eles não são dois métodos distintos de
explicar e comparar diferenças humanas. Pelo contrário, a raça é tanto física
como cultural e quando a raciologia deixou de ser fortemente de natureza
física, se ela alguma vez realmente o fez, ela não deixou de ser. O
componente sócio-cultural da ideologia andava de mãos dadas com o seu
aspecto físico.
Na ocasião, Edward Tylor, o “fundador” da antropologia, começou a
escrever que seria fácil falar de raças “inferiores” e “superiores” no discurso
científico. Sua dicotomia era entre “homem selvagem” e “homem culto”. As
diferenças nas culturas foram devido, não a diferentes gostos, valores ou
compromissos, mas a diferentes estágios evolutivos. Não haveriam

6 STOCKING: Op. cit., p. 55.


7 Ibid., p. 119.
“culturas”, portanto, mas apenas estágios de cultura (no singular). Esta
implicação e esta imagem de culturas não-européias não morreu com o
século XIX, mas persiste agora e, infelizmente, mesmo entre nós mesmos.
Estamos sempre comparando os povos em “estágios” de desenvolvimento:
não importa que estes “estágios” sejam fabricados e só existam em nossa
mente.
Para Tylor, as “raças inferiores” eram “as mesmas, de Dahomey ao
Havaí”8. Elas estavam no mesmo estágio de evolução da cultura. O valor de
estudá-las era mostrar ao homem europeu como que seus ancestrais pré-
históricos devem ter sido. Essa analogia e comparação são infundadas, mas,
mais uma vez, apoiam o ethos ocidental. Estamos, de fato, relatando a
construção de uma mitologia culturalista e racialista: cada aspecto apoiando
e reforçando o outro, de modo a construir um esquema sistemático expressar
os princípios da ideologia ocidental-européia branca. Este é o objectivo que
deu à luz a antropologia ocidental — para lançar a mais forte base científica
possível ao sistema mitológico — para fornecer as teorias (“e fatos”) que
demonstrariam que demonstrariam superioridade física e cultural branca
ocidental-européia. Nesta tradição a própria “Ciência” se torna “Mito”.
Sintomático das disciplinas da ciência social ocidental é a propensão
para erigir regimes quais outras culturas possam “caber” dentro. Isto,
naturalmente, ajuda a satisfazer o desejo de poder e a necessidade de
controlar. A escala evolucionária unilinear fez, intelectual e academicamente,
em termos científicos, o que a Europa estava fazendo politicamente no século
XIX — expandindo as fronteiras de controle e buscando novos métodos de
exercer um poder ainda maior sobre os povos conquistados.

*
**

Como um evolucionista vitoriano, a missão de Tylor foi


ostensivamente descobrir as fases sucessivas do intelecto humano. Cultura
primitiva representava o homem em um nível intelectual bruto, com um
cérebro subdesenvolvido. O homem civilizado poderia pensar melhor e usar
seu cérebro de forma mais eficiente. O intelecto superior das raças
progressivas tinha elevado suas nações ao apogeu cultural. É em parte um
mal-entendido, em parte, uma simplificação exagerada dizer que Darwin
influenciou as ciências sociais, ou, como a apologia normalmente diz,
“tomaram as suas teorias e aplicaram-nas de maneiras que ele não tinha a
intenção”.

8 EDWARD TYLOR: Primitive Culture (Londres, 1871), p. 6.


A relação era recíproca, circular e muito estreita entre o biólogo, o
físico e o teórico social da época. Eles todos influenciaram e usaram uns aos
outros para que, no fim das contas, eles estivessem em uma idéia: seu
objetivo era o mesmo. Darwin utilizou não só o conceito da “Grande Cadeia
do Ser” para apoiar suas teorias, mas também as teorias raciais que estavam
sendo oferecidas pela antropologia de seu tempo. Acreditava-se que homens
como Tylor, McLennan e Lubbock tinham demonstrado que o homem tinha
progredido de uma condição humilde ao mais alto estágio civilizado. Darwin
disse que as lacunas em formas representativas das diversas fases evolutivas
no desenvolvimento físico do homem, foram explicadas pela extinção. No
futuro, disse ele, se poderia esperar que Africanos se extinguiriam e, em
seguida, a lacuna evolutiva entre o homem civilizado e animais seria muito
mais ampla, em vez de como era, até então, entre o “Negro” e o gorila9.
Se pudesse ser mostrado que a história humana tinha progredido em
termos de um único desenvolvimento evolutivo da selvageria e barbárie à
civilização e se as pessoas brancas pudessem aceitar a ideia de serem
descendentes de bárbaros ou selvagens, argumentou Darwin, então eles
deviam estar aptos a aceitarem a idéia de serem descendentes do babuíno.
Foi a antropologia que tinha desenvolvido o pensamento racialista com mais
sucesso e poderia, portanto, ajudar as teorias de Darwin ganhar aceitação.
Se um cientista físico deve ser apontado como sendo mais influente
em termos de teoria racialista antropológica, é o trabalho de Lamarck que
deve ser escolhido. A doutrina da herança de características adquiridas,
vinda um século e meio antes da teoria da evolução de Darwin, foi
aperfeiçoada, foi apenas o que seria necessário para selar o “casamento” de
raça e cultura.

*
**

Lewis Henry Morgan, o antropólogo americano mais proeminente do


século XIX, disse que, tal como os homens criaram novas instituições,
fizeram invenções e descobertas, a parte cerebral de seus cérebros ampliou.
Esta melhoria foi, é claro, passada adiante. Sua obra, Sociedade Antiga,
explicava sua teoria evolutiva da sociedade humana em um esquema
elaborado. A coisa surpreendente sobre teóricos sociais ocidentais é que,
desde que as suas teorias atendam os propósitos da ideologia ocidental-
européia, há poucos tabus e a imaginação está livre para correr desenfreada.
O esquema de Morgan foi uma criação muito imaginativa, de fato. Nele, as
fases da cultura estavam perfeitamente alinhadas em ordem de avanço

9 STOCKING: Op. cit., p. 55.


evolucionário, não apenas tecnológica, mas econômica, moral, religiosa,
social e politicamente. Mesmo os termos pelos quais as pessoas abordavam
seus parentes, mesmo línguas seriam selvagens, bárbaras ou civilizadas.
Estava tudo lá, tudo funcionou muito bem e foi auto-realizável. Sistemas de
casamento monogâmico seriam mais civilizados do que outros e esse fazia
sentido, porque ele estava escrevendo para um público cuja sociedade que
ele usara como modelo do que significaria ser civilizado: monogâmica, cristã,
inteligente e branca. (É significativo que Engels encontrou este esquema
muito útil para explicar A Origem da Família, da Propriedade Privada e do
Estado.)
Embora muitas das conclusões de Morgan estejam agora fora de
moda, a sua teoria da evolução da sociedade, juntamente com a de Comte e
Spencer, constitui a base das premissas e pressupostos com os quais os
fenômenos sócio-culturais e raciais são abordados. Os conservadores,
liberais e esquerdistas de modo idêntico, europeus ocidentais brancos,
geralmente assumem uma hierarquia evolutiva em que certas formas são
superiores e têm evoluído de formas inferiores com a ajuda dos homens mais
racionais. Deveria ser óbvio que tal visão da história social não permite uma
concepção pluralista, nem admitir a validade da diversidade cultural. Isso
explica o oposto da diversidade — usa-se isso para criar, sustentar
e reforçar a auto-imagem branca.
O evolucionismo vitoriano incentivado por Morgan, Tylor e, acima de
tudo, Spencer, fez-se sentir na teoria social ocidental declaradamente até
1920 e, tacitamente, isso permanece assim. A razão é clara, se olharmos para
o conteúdo desta teoria. Apenas raças de pele branca de cérebros grandes
teriam alcançado o topo da escala evolutiva e, por eles terem criado e
participado desta cultura superior, seus cérebros se desenvolveram mais. A
evolução cultural foi condicionada pela evolução do cérebro que foi
adquirido e repassado através da evolução cultural. A moral? Raça é ambos,
cultural e biológica-física. (Eles te pegam onde quer que você vá.) A
descendência do homem de Darwin conseguiu colocar os Africanos, como
outros “selvagens” vivos como ele os chamava, numa cadeia: uma hierarquia
racial da evolução universal que passou do macaco ao europeu. Tudo isso era
dar uma nova lógica para a teoria da superioridade branca. Durante o
período 1890-1910, a teoria social evolutiva estava sendo incorporada no
estabelecimento das ciências sociais como parte da academia oficial, com
tudo que essa honra implica na sociedade ocidental.
O que temos visto é que, politicamente, com o fim da escravidão,
novos métodos foram necessários para que se assegurasse o controle.
Abandonando o escravo claramente não implicaria renunciar à auto-imagem
branca ou a imagem do homem negro no qual isso dependeria. Essa auto-
imagem e seu oposto dialético tinham que depender de um novo modo de
controle. Daí onde a ciência social ocidental entrou em jogo. Nas fases
anteriores, a carga caiu mais pesadamente sobre antropologia. Mais tarde, a
sociologia e a psicologia iriam manter os fogos da casa queimando nos
Estados Unidos e ser usado para lidar com aqueles de nós que tinham sido
tomados da terra natal. Controle ideológico intelectual seria a ordem do dia.
Prove a inferioridade racial ao inferior, não com um chicote, mas com um
livro de texto, e você teria isso feito.
Nossos intelectuais tornaram-se apologistas, de primeira gratos para
obterem bico do pé na porta de trás, ansiosos para denunciar a filiação racial
e cultural e, depois, inconsciente das implicações das teorias que
abocanharam. O “Cadeia do Ser”, a “Ideia de Progresso” e a “Evolução
Unilinear” continuam.

Conclusão

Eu ofereci esses argumentos em uma preocupação específica pelo


antropólogo negro. Estou especialmente preocupada com a antropologia em
relação ao Africano e com as necessidades da auto-determinação Pan-
Africana. O que estamos a concluir sobre o estado da antropologia a partir
desta história das ideias? E sobre os antropólogos negros? Deveria haver um
e, se sim, qual deveria ser o papel dele ou dela?
Muitos apontarão para a crítica boasiana da teoria evolutiva e a
subsequente criação de uma Escola Americana do Relativismo Cultural, e
dizer que tudo mudou. Eles irão concordar com os brancos que nos dizem
que a antropologia é a mais humana das ciências sociais, livre do
eurocentrismo e da ideologia ocidental. Isso, na minha opinião, é um erro
grave.
Em primeiro lugar, deve-se perceber que Boas era um escritor
europeu branco para um público europeu branco. Seus argumentos tinham
de ser colocados em termos da antropometria do seu tempo. Sua crítica teve
de ser limitada, na verdade. Ele mesmo, de fato, se engajou em grande parte
na medição dos tamanhos de cabeças.
Em segundo lugar, a manifestação da ideologia supremista branca do
século XIX nas ciências sociais foi a correspondência da evolução física e
sócio-cultural. Como vimos, o conceito de raça combinava o físico e o
cultural. E assim a crítica boasiana desta posição buscava livrar a cultura da
biologia, para negar que a cultura era determinada pela raça, com “raça”
agora referindo-se à diversidade física de apenas grupos humanos. De nossa
perspectiva, isso era como tratar de um sintoma ao invés da doença, e isso
simplesmente apresentou outros problemas graves. Isso resultou em uma
ferramenta muito mais sutil adequada aos objetivos dos brancos liberais das
décadas de 1940 e 50, ao contrário dos ideólogos racialistas conservadores
do século XIX.
Neste ponto, os negros foram sendo informados individualmente,
como indivíduos, “você pode fazer isso”, “você pode participar da civilização,
apesar do fato de você ser negro”. O efeito foi a mentalidade de “o primeiro
Negro a”, que nos separou uns dos outros. O sucesso deste tipo de
liberalismo branco era de longo alcance e, vindo na esteira do evolucionismo,
ajudou a explicar o nosso longo período de auto-negação. Foi essa separação
do físico do cultural que nos quer dizer, “Não tenho nenhuma ligação com a
África” e “não há características de grupo”. Isso nos deixou, de fato, sem uma
cultura — e a única a que poderíamos aspirar era a deles.

*
**

Quanto ao estado atual da antropologia branca, há a antropóloga


política que justifica domínio europeu e exploração classificando nações
africanas como “áreas subdesenvolvidas” e “sociedades em transição”. Estes
termos aparentemente inofensivos podem ser usados para servir a fins
políticos europeus caso os brancos sejam os juízes do que “moderno”,
“desenvolvimento” e “progresso” signifique. Se usarmos as suas definições,
também estamos usando a sua ideologia. Os mesmos velhos fatídicos
modelos conceituais estão na base de tais pontos de vista e interpretações da
nossa cultura e sociedades. Nós não perdemos a “Cadeia do Ser” ou a escala
evolutiva, porque o ethos é o mesmo. A necessidade de reafirmar a
supremacia branca ainda está lá.
E depois há os missionários do século XX. Os brancos foram viver
entre os nativos, para ajudá-los, para louvar seus caminhos e, acima de tudo,
“para aprender sobre si mesmos”. Isso tudo é mais uma expressão do mesmo
ethos. É uma afirmação mais sutil, enganosa e, portanto, perigosa da
superioridade branca. Perigosa porque aceitamos essas pessoas sem
questionar, eles interpretam o significado das formas sociais que nós
criamos, e então nós nos tornamos politicamente confusos: “as pessoas
brancas não são todas más”. E começamos a agir como se eles não fossem os
nossos adversários políticos, como se eles não estivessem nos usando.
Tornamo-nos pacificados. Se os antropólogos brancos quisessem aprender
sobre si mesmos, por que não estudar a sua própria cultura? Certamente,
requer um estudo, tendo ameaçado o resto do mundo há mais de 2.000 anos.
A razão pela qual os antropólogos brancos não estudam a cultura branca, é
que a antropologia é a expressão do ethos branco por excelência. Ela assume
a posição de que “nós estudamos, controlamos, conhecemos vocês” (isso é o
que eles querem dizer com “conhecimento é poder”); “Nós somos
superiores, vocês são inferiores”. O trabalho do antropólogo é uma
personificação das circunstâncias existenciais de superioridade política: os
europeus poderiam estudar outros, eles não poderiam ser estudados. Baseia-
se no pressuposto no fato do poder branco sobre os negros, claramente e
simplesmente.

*
**

O antropólogo branco contemporâneo permitiu a si mesmo tornar-se


irrelevante através de normalmente concentrar a atenção em pequenas
culturas impotentes, que ele teoricamente e superficialmente abstrai do
contexto político em torno deles e, portanto, das implicações da exploração
européia branca. O conceito de cultura, despolitizado e europeizado, é então
usado para criar “objectos” dos povos Africanos, enquanto coloca pessoas
brancas acima de escrutínio etnológico. Foi esse mau uso e limitação do
conceito de cultura que fez o imperialismo cultural e intelectual da ciência
social ocidental possível, enquanto ao mesmo tempo ajuda a vender a
imagem do “intelectual descomprometido”. Existe uma íntima relação entre
a posição convencional de antropologia ocidental branca e o fato político do
imperialismo ocidental, e, conforme a dominação europeia seja desafiada
com sucesso, os homens brancos percam seus sujeitos políticos, o
antropólogo branco perde os “objectos” de estudo.
É o Pan-Africanismo e outras ideologias auto-deterministas que
tendem a expor o eurocentrismo na concepção antropológica. Ou a
antropologia será redefinida ou se tornará obsoleta. Não estou a defender a
continuação da antropologia como disciplina acadêmica. Talvez, em termos
do que a antropologia deveria ser, nós mesmos temos feito isso há centenas
de anos e, talvez, todos os líderes da libertação Africana sejam os nossos
grandes antropólogos, no sentido de que eles conscientemente
compreenderam as implicações políticas e revolucionárias de
comportamento cultural.
Mas, se quisermos colocar qualquer energia para treinar os
antropólogos negros, temos uma enorme tarefa diante de nós — a de alterar
radicalmente a disciplina que transmitimos. Se os antropólogos negros
devem ser contribuintes legítimos para a redenção da África, então, parece
que temos de criar uma “nova” antropologia, uma que rompa os laços entre a
teoria social e a ideologia da supremacia branca; uma que não sirva mais aos
interesses do imperialismo ocidental-europeu em qualquer de suas formas.
Devemos enfatizar a importância política do conceito de cultura,
concentrando-nos sobre a relação entre ideologia e compromisso de grupo,
valor e a mobilização de energias humanas. Conforme o antropólogo branco
torna-se cada vez mais irrelevante, não devemos nos tornar. O antropólogo
negro deve ser aquele politicamente comprometido, aquele que usa seu
senso de cultura para mudar o que precisa ser mudado no interesse da auto-
determinação Africana.
Porém esse cometimento deve rapidamente se mover para além da
fase da retórica. Devemos tomar cuidado com as armadilhas de termos sido
apanhados pelas palavras. As teorias racialistas que se tornam expostas
mesmo em um olhar superficial do desenvolvimento histórico da
antropologia, são exprimidas em termos que estão, na maior parte, não mais
na moda. Isso as torna mais evidentes e a tendência é que nós consideremos
a antropologia contemporânea como uma nova disciplina, porque a retórica
mudou. Mas temos de olhar mais profundo. Sobre o nível de visão de
mundo, nada mudou. Como poderia? A dito iluminado antropólogo branco,
que, na parte introdutória de seu livro, reconhece os princípios racialistas da
antropologia, termina seu livro com declarações que expressam a mesma
visão do mundo de seus colegas anteriores. Os conceitos de “primitivo” e
“civilizado”; de “simples” e “complexo”; de “pouco desenvolvido” e
“desenvolvidos”; “tribal” e “mundo”, ou “universal” são todos carregados de
valores quando ele os usa e servem o propósito de comparação ofensiva —
uma em que sua herança sai por cima. A África ainda é usada para apontar
para a superioridade daquilo que é branco e ocidental-europeu.
Se olharmos mais profundamente, veremos que isso é porque os
conceitos de “Cadeia do Ser” são traduzidos para as ideias europeias de
progresso e que evolução universal unilinear ainda está na base da visão de
mundo que informa a antropologia branca. Assim, em nossa formação
acadêmica, herdamos um fardo pesado. Infelizmente, o nosso legado é uma
história da teoria social que não pode ser desprendida da história do
pensamento e o e comportamento ocidental branco, sobre e contra a herança
Africana. No entanto, agora é expresso em termos que soam “neutros”; isso
está escondido nas teorias que têm o anel de uma ciência universal. Devemos
tomar cuidado com o disfarce da retórica humanista, pois ela é só isso.

*
**

Gostaria de terminar reiterando a cautela feita pelo nosso colega, o


Professor George Bond10. Não é o suficiente repudiar as imagens negativas
da Herança Africano que os brancos têm produzido, assimilado e exportado:
em vez disso, aqueles de nós que têm sido treinados academicamente nas

10For good examples of this kind of thinking see the articles by Abn-1 Hakimu Ibn Alkalimat
and Ron W. Walters in (editor JOYCE A. LADNER! (New York, Vintage, 1973).
ciências sociais deve olhar mais criticamente sobre os pressupostos teóricos
e pressupostos em que essas disciplinas sejam fundadas. Pareceria ser a
missão de todos os cientistas sociais Africanos, na pátria e na diáspora,
devotar suas energias na reconstrução radical das disciplinas em que eles
foram treinados. Sem tal abordagem, corremos o risco de incorporar os
modelos teóricos, mitológicos e ideológicos das ciências sociais brancas em
nossas próprias metodologias, assim, sem saber, internalizando o valor da
sociedade da Europa Ocidental, incluindo a imagem negativa da África, que
o racialismo e o culturalismo branco criou.
Devemos apoiar os irmãos e irmãs que têm clamado por um
compromisso com a crítica dessas disciplinas em nível ideológico, filosófico;
então, para a sua reconstrução, utilizando critérios mais universalmente
válidos 11. Não alegando objetividade (um conceito dúbio), mas buscando
expressar uma ideologia Pan-Africanista e, assim, contribuir para uma
declaração que reflita com mais precisão a realidade de um universo
culturalmente pluralista. Desta forma, teremos algo valioso para passar para
esses jovens Africanistas quem ensinamos, em vez de, inconscientemente,
perpetuarmos uma debilitante dependência política e intelectual sobre os
modelos sociais teóricos daqueles que buscam destruir-nos.

Drª Marimba Ani é ex-Organizadora de Campo pelo


Comitê de Coordenação dos Estudante Não-Violento de
(SNCC), Diretora do Projeto de Trabalho e Estudo de
Tougaloo, e trabalha na Campanha de Registro de
Liberdade no Mississippi durante os anos de 1960.
Atualmente, é professora assistente no Departamento
de Estudos Negros e Porto-Riquenhos no Hunter
College of the City of New York. Ela adquiriu o se Ph. D
em Antropologia pela New School for Social Research.

11Para bons exemplos desse tipo de pensamento ver os artigos de Abn-1 Hakimu Ibn
Alkalimat e Ron W. Walters em The Death of White Sociology (A Morte da Sociologia
Branca) [editora JOYCE A. LADNER] (Nova York, Vintage, 1973).

Похожие интересы