Вы находитесь на странице: 1из 36

QUANDO DEUS SE CALA

“NÃO HAVENDO PROFECIA O POVO SE CORROMPE; MAS O QUE GUARDA A LEI, ESSE É
FELIZ.”(PV.29:18)

Formatted: Heading 5, Pattern: Clear

Introdução
No final do livro de Malaquias, no Antigo Testamento, a nação de Israel está de volta
na terra da Palestina depois do cativeiro babilônico, mas eles estão sob o domínio da
grande potência mundial daquele dia, Pérsia e do médio- império persa. Em
Jerusalém, o templo tinha sido restaurado, apesar de que era um edifício muito menor
do que a que Salomão havia construído e decorado em glória tão maravilhoso.
Dentro do templo da linha de sacerdotes Aarônico ainda estava adorando e
carregando sobre os ritos sagrados, como haviam sido ordenados a fazer pela lei de
Moisés. Não havia uma linha direta de descendência no sacerdócio que poderia ser
rastreada até Aaron.
Mas a linha real de Davi tinha caído em dias maus. As pessoas sabiam que o legítimo
sucessor de David era, e no livro de Ageu, Zacarias e Malaquias, seu nome é dado a
nós. Foi Zorobabel, o príncipe real, ainda não havia rei no trono de Israel, eles eram
uma nação de marionetes, sob o domínio da Pérsia. No entanto, apesar de terem sido
cercados de fraqueza e formalismo como os profetas têm nos mostrado, o povo estava
unido. Não houve cismas ou facções políticas entre eles, nem eram divididos em
grupos ou partidos.
Agora, quando você abrir o Novo Testamento para o livro de Mateus, você descobre
uma atmosfera completamente diferente - quase um mundo diferente. Roma é agora a
potência dominante da terra. As legiões romanas se espalharam por todo o
comprimento e largura do mundo civilizado. O centro do poder se deslocou do Oriente
para o Ocidente, a Roma.Palestina é ainda um Estado fantoche - os judeus nunca fez
recuperar a sua própria soberania - mas agora há um rei no trono. Mas este rei é o
descendente de Esaú, em vez de Jacó, eo seu nome é Herodes, o Grande. Além
disso, os altos sacerdotes, que agora se sentam no banco da autoridade religiosa do
país não são mais da linha de Aaron. Eles não podem traçar sua descendência para
trás, em vez disso, eles são contratados sacerdotes a quem o escritório é vendido
como clientelismo político.
O templo é ainda o centro de culto judaico, embora o edifício foi parcialmente
destruído e reconstruído cerca de meia dúzia de vezes desde o fim do Antigo
Testamento. Mas agora as sinagogas que surgiram em cada cidade judaica parece ser
o centro da vida judaica ainda mais do que o templo.
Neste momento o povo de Israel foram divididos em três partes principais. Dois deles,
os fariseus e saduceus, eram muito mais proeminente do que o terceiro. O grupo
menor, os essênios, dificilmente poderia ser designado como uma festa. Não muito
tempo atrás, no entanto, vieram em grande destaque no nosso tempo e tomou um
novo significado porque eles tinham guardado alguns documentos em cavernas com
vista para o Mar Morto - documentos que foram trazidos à tona novamente com a
descoberta acidental de um jovem pastor árabe e são conhecidos como os
Manuscritos do Mar Morto.
Agora, o que aconteceu nesses 400 chamados "silenciosas" anos após o último dos
profetas inspirados e falou o primeiro dos escritores do Novo Testamento começou a
escrever?Você se lembra de há uma palavra na carta de Paulo aos Gálatas, que diz:
"Quando a plenitude dos tempos, Deus enviou o seu Filho, nascido de mulher, nascido
sob a lei". (Gálatas 4:4) Em outras palavras, no momento do nascimento de nosso
Senhor era hora designada por Deus, o momento em que Deus tinha sido longa
preparação. Alguns dos preparativos emocionantes aconteceu durante esse tempo de
"silêncio", no entanto, e você vai entender o Novo Testamento muito melhor se você
entender algo sobre os acontecimentos históricos durante o tempo entre os
Testamentos.
Depois de Malaquias tinha deixado seu profetizar eo cânon do Antigo Testamento
fechada - isto é, o número de livros no Antigo Testamento foi cumprida e os profetas
inspirados deixou de falar - Deus permitiu um período de tempo para que os
ensinamentos do Antigo Testamento para penetrar em todo o mundo. Durante este
tempo, ele reorganizou as cenas da história, assim como uma equipe de palco vai
reorganizar os cenários depois que a cortina caiu, e quando a cortina sobe novamente,
há uma configuração totalmente nova.
Em cerca de 435 aC, quando o profeta Malaquias deixou sua escrita, o centro do
poder mundial começou a mudar a partir do Oriente para o Ocidente. Até esse
momento, a Babilônia tinha sido a grande potência mundial, mas isso logo foi sucedido
pelo império Medio-persa, que se lembrar da história antiga. Essa mudança já havia
sido previsto pelo profeta Daniel, que disse que não se levantaria um urso que foi
maior em um lado do que o outro, o que significa a divisão entre Média e da Pérsia,
com os persas as predominantes (Dan. 7:5) .
No auge do poder persa surgiu no país da Macedónia (que agora sabemos como a
Grécia), ao norte do Mar Negro, um homem com o nome de Filipe da Macedônia, que
se tornou um líder em seu próprio país. Ele uniu as ilhas da Grécia e se tornou seu
governante. Seu filho estava destinado a se tornar um dos líderes mundiais de todos
os tempos, Alexandre, o Grande. Em 330 aC, uma tremenda batalha entre os persas e
os gregos completamente alterou o curso da história. Nessa batalha, Alexander, como
um homem jovem com apenas 20 anos de idade, levou os exércitos da Grécia na
vitória sobre os persas e completamente demolido o poder da Pérsia. O centro do
poder mundial, então, transferido mais para o oeste, para a Grécia, eo império grego
nasceu.
Um ano depois que a histórica batalha, Alexandre, o Grande, levou seus exércitos
para dentro do mundo da Síria para o Egito. No caminho, ele planejava sitiar a cidade
de Jerusalém.Como os exércitos vitoriosos dos gregos se aproximaram da cidade, a
palavra foi trazida para os judeus em Jerusalém que os exércitos estavam em seu
caminho. O sumo sacerdote na época, que era um homem piedoso velho pelo nome
de Jaddua (que, por sinal, é mencionado na Bíblia, no livro de Neemias) levou os
escritos sagrados do profeta Daniel e, acompanhado por uma multidão de outros
sacerdotes vestidos de vestes brancas, saiu e encontrou Alexander certa distância
fora da cidade.
Tudo isto é do relatório de Flávio Josefo, o historiador judeu, que nos diz que
Alexandre deixou o seu exército e apressou-se a responder a este corpo de
sacerdotes. Quando ele se encontrou com eles, disse ao sumo sacerdote que ele tinha
tido uma visão na noite anterior em que Deus havia lhe mostrado um homem velho,
vestido com uma roupa branca, que iria mostrar-lhe algo de grande significado para si
mesmo, de acordo com a conta ,conta, o sumo sacerdote, em seguida, abriu as
profecias de Daniel e lê-los para Alexander.
Nas profecias Alexandre foi capaz de ver as previsões de que ele se tornaria a cabra
notável com o chifre em sua testa, que teria vindo do Ocidente e quebrar o poder do
Medio-Pérsia e conquistar o mundo. Ele ficou tão emocionado com a exatidão da
profecia e, claro, pelo fato de que ele falou sobre ele, que ele prometeu que iria salvar
Jerusalém de cerco, e enviou o sumo sacerdote de volta com honras. Como é verdade
que conta é, é muito difícil a esta distância no tempo para dizer, para que, em qualquer
caso, é a história.
Alexandre morreu em 323 aC, quando tinha apenas cerca de 33 anos de idade. Ele
tinha bebido até a morte no auge de sua vida, entristecido, porque ele não tinha mais
mundos para conquistar. Após sua morte, seu império foi dividido com dissensão,
porque ele tinha deixado nenhum herdeiro. Seu filho tinha sido assassinado antes,
então não havia ninguém para herdar o império de Alexandre.
Depois de algum tempo, no entanto, os quatro generais que levaram exércitos de
Alexandre dividiram seu império entre eles. Dois deles são particularmente notáveis
para nós. Um deles foi Ptolomeu, que ganhou o Egito e os países do Norte de África, o
outro foi Seleuco, que ganhou a Síria, ao norte da Palestina. Durante esse tempo, a
Palestina foi anexada pelo Egito, e sofreu muito nas mãos de Ptolomeu. Na verdade,
para os próximos cem anos, a Palestina foi pego no moedor de carne dos conflitos
intermináveis entre a Síria no norte e no sul do Egito.
Agora, se você leu as profecias de Daniel, você deve se lembrar que Daniel foi capaz,
por inspiração, para dar conta de forma muito precisa e detalhada dos destaques
destes anos de conflito entre o rei do Norte (Síria) e do rei de do Sul (Egito). O décimo
primeiro capítulo de Daniel nos dá um relato mais incrivelmente precisas do que há
muito tempo já se cumpriu. Se você quiser ver o quão preciso a profecia é, eu sugiro
que você comparar esse capítulo de Daniel com o registro histórico do que realmente
aconteceu durante esse tempo. Pequeno livro HA Ironside, Os 400 anos de
silêncio, reúne-se que em alguns detalhes.
Durante este tempo, a influência grega foi se tornando forte na Palestina. A festa
surgiu entre os judeus chamavam os gregos, que estavam muito ansiosos para levar a
cultura grega e pensamento para a nação e para liberalizar algumas das leis
judaicas. Isto forçou uma divisão em duas partes principais. Havia os que eram fortes
nacionalista hebraica, que queria preservar tudo de acordo com a ordem de
Moisés. Eles resistiram a todas as influências estrangeiras que estavam vindo para
romper os velhos judeus. Esta festa se tornou conhecido como os fariseus, que
significa "separar". Eles foram os separationists que insistiam em preservar
tradições. Eles cresceram mais e mais forte, tornando-se mais legalista e rígido em
suas exigências, até que tornou-se o alvo de algumas das palavras mais ardentes
nosso Senhor nunca falou. Eles se tornaram religiosos hipócritas, mantendo a forma
exterior da lei, mas completamente violar seu espírito.
Por outro lado, os helenistas - os amantes gregos - tornou-se mais e mais influente na
política do país. Eles formaram o partido que ficou conhecido nos dias do Novo
Testamento, como os saduceus, os liberais. Eles se afastaram da interpretação estrita
da lei e se tornaram os racionalistas do seu dia, deixando de acreditar no sobrenatural
de alguma forma. É-nos dito no Novo Testamento que eles vieram de novo e de novo
para o Senhor com perguntas sobre o sobrenatural, como "O que vai acontecer com
uma mulher que foi casada com sete homens diferentes? Em ressurreição, de qual
será ela mulher?" (Mateus 22:23-33) Eles não acreditavam na ressurreição, mas
nessas questões que eles estavam tentando colocar Jesus no local.
Agora há também era um sacerdote jovem rebelde judeu que se casou com um
samaritano, desceu até Samaria, e em rebelião contra as leis judaicas, construiu um
templo no monte Garizim, que se tornou um rival do templo de Jerusalém. Isso fez
com que a rivalidade intensa, fanático entre os judeus e os samaritanos, e essa
rivalidade se reflete também no Novo Testamento.
Também durante este tempo, no Egito, sob o reinado de um dos Ptolomeus, as
escrituras hebraicas foram traduzidos pela primeira vez para outro idioma, em cerca
de 284 aC Um grupo de 70 acadêmicos foi convocada pelo rei egípcio para fazer uma
tradução das escrituras hebraicas. Livro por livro que traduziu o Antigo Testamento
para o grego. Quando eles terminaram, foi dado o nome de Septuaginta, o que
significa 70, por causa do número de tradutores. Esta se tornou a versão grega da
Bíblia hebraica. A partir dele, muitas das citações no Novo Testamento são
derivadas. É por isso que citações do Novo Testamento de versículos do Velho
Testamento são, por vezes, em diferentes palavras - porque eles vêm da tradução
grega. A Septuaginta ainda existe hoje em dia, e é amplamente utilizada em várias
partes do mundo. Ele ainda é um documento muito importante.
Um pouco mais tarde, cerca de 203 aC, um rei chamado Antíoco, o Grande chegou ao
poder na Síria, ao norte da Palestina. Ele capturou Jerusalém das mãos dos egípcios
e começou o reinado do poder sírio sobre a Palestina. Ele tinha dois filhos, um dos
quais o sucederam e reinou apenas alguns anos. Quando ele morreu, seu irmão
assumiu o trono.Este homem, chamado Antíoco Epifânio, se tornou um dos mais
ferozes perseguidores e violenta dos judeus já conheceu. Na verdade, ele é
frequentemente chamado de anticristo do Antigo Testamento, uma vez que ele cumpre
algumas das previsões de Daniel sobre a vinda de um que seria "uma pessoa
desprezível" e "um rei vil". Seu nome (o que ele modestamente concedida a ele
próprio) significa "Antíoco, o ilustre". No entanto, alguns de seus cortesãos próprios
evidentemente concordou mais com as profecias de Daniel, e eles mudaram duas
cartas em seu título. de Epifânio para Epipames, que significa "o louco".
Seu primeiro ato foi depor o sumo sacerdote em Jerusalém. terminando assim a longa
linha de sucessão, começando com Aarão e seus filhos através dos muitos séculos de
vida judaica. Onias O terceiro foi o último da linha hereditária de sacerdotes. Antíoco
Epifânio vendeu o sacerdócio a Jason, que não era da linha sacerdotal. Jason, por sua
vez, foi enganado por seus Menelau irmão mais novo, que compraram o sacerdócio e
depois vendeu os vasos de ouro do templo, a fim de tornar-se a moeda do
tributo. Epifânio derrubou a linha de Deus autorizada de sacerdotes. Então, e sob seu
reinado, a cidade de Jerusalém e todos os rituais religiosos dos judeus começaram a
se deteriorar como eles vieram totalmente sob o poder do rei da Síria.
Em 171 aC, Antíoco invadiu o Egito e Palestina, mais uma vez foi pego no quebra-
nozes de rivalidade. Palestina é o país mais disputada-over no mundo, e Jerusalém é
a cidade mais capturado em toda a história. Tem sido pilhada, violadas, queimadas e
destruídas mais de 27 vezes em sua história.
Enquanto Antíoco estava no Egito, foi relatado que ele tinha sido morto em batalha, e
Jerusalém se alegrou. As pessoas organizaram uma revolta e derrubou Menelau, o
pseudo-padre. Quando o relatório chegou a Antíoco (que estava muito vivo no Egito)
que Jerusalém estava encantado com a notícia de sua morte, ele organizou seus
exércitos e varreu como uma fúria de volta em toda a terra, caindo sobre Jerusalém
com vingança terrível.
Ele derrubou a cidade, recuperou o poder, e guiados pelos Menelau traiçoeiras,
intrudidos no próprio Santo dos Santos do templo em si. Cerca de 40.000 pessoas
foram mortas em três dias de combates durante este tempo terrível. Quando ele forçou
a entrada no Santo dos Santos, ele destruiu os rolos da lei e, para o horror absoluto
dos judeus, levou uma porca e ofereceu sobre o altar sagrado. Então, com um caldo
feito da carne deste animal imundo, ele jogou tudo no templo, assim completamente
profanar e violar o santuário. É impossível para nós entender como isso foi terrível
para os judeus. Eles foram simplesmente chocado que algo assim poderia acontecer
ao seu templo sagrado.
Foi esse ato de profanar o templo que é referido pelo Senhor Jesus como o "sacrilégio
desolador", que Daniel havia predito (Mt 24:15), e que também se tornou um sinal de
desolação vinda do templo quando o próprio Anticristo vai entrar no templo, chamar-se
Deus, e assim contaminar o templo em que tempo. Como sabemos a partir do Novo
Testamento, que ainda está no futuro.
Daniel, o profeta tinha dito que o santuário seria contaminada por 2300 dias. (Daniel
8:14) exatamente de acordo com a profecia, era exatamente 2300 dias - seis anos e
meio - antes de o templo foi purificado. Ele foi limpo, sob a liderança de um homem já
famoso na história judaica, Judas Macabeu. Ele era um da linha sacerdotal, que, com
seu pai e irmãos quatro, revoltaram-se contra o rei da Síria. Eles capturaram a atenção
dos israelitas, convocou-os a segui-los para a batalha, e de uma série de batalhas em
que foram sempre uma minoria esmagadora, derrubou o poder dos reis da Síria,
capturou Jerusalém, e purificou o templo. O dia em que limpou o templo foi nomeado o
Dia da Dedicação, e ocorreu no dia 25 de dezembro. Nesta data os judeus ainda
celebram a Festa da Dedicação a cada ano.
Os Macabeus, que eram da família Asmonean, começou uma linha de sacerdotes
conhecidos como a Dinastia Asmonean. Seus filhos, por sobre os próximos três ou
quatro gerações, governou como sacerdotes em Jerusalém, o tempo todo tendo que
se defender contra os ataques constantes do exército sírio que tentaram recapturar a
cidade e do templo. Durante os dias dos Macabeus houve uma queda temporária de
dominação estrangeira, é por isso que os judeus olhar para este tempo e considerá-la
com veneração tremenda.
Durante este tempo, um dos sacerdotes Asmonean feito aliança com o poder
crescente no Ocidente, Roma. Ele assinou um tratado com o Senado de Roma, que
prevê ajuda em caso de ataque sírio. Embora o tratado foi feito com toda a seriedade
e sinceridade, foi este pacto que introduziu Roma para a foto e história de Israel.
Como as batalhas entre as duas forças opostas travada cada vez mais quente, Roma
estava atento. Finalmente, o governador da Iduméia, um homem chamado Antipater e
um descendente de Esaú, fez um pacto com outros dois reis vizinhos e atacou
Jerusalém para tentar subverter a autoridade do sacerdote Asmonean alta. Esta
batalha se desenrolava tão ferozmente que finalmente Pompeu, o general romano,
que passou a ter um exército em Damasco, na época, foi procurado por ambas as
partes para vir e intervir. Um lado tinha um pouco mais dinheiro do que o outro, e
convencido por esse argumento lógico, Pompeu veio de Damasco, entrou na cidade
de Jerusalém - novamente com abate terrível - derrubaram a cidade e capturou-o para
Roma. Isso foi em 63 aC A partir de então, a Palestina estava sob a autoridade e
poder de Roma.
Agora Pompeu e do Senado romano nomeou Antipater como Procurador da Judéia, e
ele por sua vez fez seus dois filhos, os reis da Galiléia e na Judéia. O filho que se
tornou rei da Judéia é conhecido para nós um Herodes, o Grande. ("Agora, quando
Jesus nasceu em Belém da Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos do
Oriente chegaram a Jerusalém, dizendo: Onde está aquele que é nascido rei dos
judeus? '" (Mt 2 : 1, 2)
Enquanto isso, os impérios pagãos em torno havia se deteriorado e se
desintegrando. Suas religiões havia caído sobre maus dias. As pessoas estavam
doentes do politeísmo e vazio de suas crenças pagãs. Os judeus haviam passado por
momentos de pressão e falhou em seus esforços para restabelecer-se, e que tinha
perdido toda a esperança. Havia um ar de crescimento da expectativa de que a única
esperança que restava era a vinda no final do Messias prometido. No Oriente, os
impérios orientais tinham vindo para o lugar onde a sabedoria eo conhecimento do
passado havia se desintegrado e também foram à procura de algo. Quando chegou o
momento em que a estrela surgiu sobre Belém, os magos do Oriente que estavam à
procura de uma resposta para seus problemas vi-o imediatamente e saiu para buscar
o Um é apontado. Assim, "quando a plenitude dos tempos, Deus enviou o seu Filho."
É incrível como Deus utiliza a história para descobrir seus propósitos. Apesar de
estarmos vivendo nos dias que poderíamos chamar de "silêncio de Deus", quando por
quase 2.000 anos não houve nenhuma voz inspirada de Deus, devemos olhar para
trás - como fizeram durante esses 400 anos de silêncio - em cima o registro inspirado
e perceber que Deus já disse tudo o que precisa ser dito, através dos Antigo e Novo
Testamentos. Propósitos de Deus não ter terminado, com certeza. Ele está
trabalhando-los como totalmente agora como ele fez nesses dias. Assim como o
mundo chegou a um lugar de desespero, então, e Aquele que iria cumprir todas as
suas esperanças entrou em seu meio, para que o mundo está enfrentando novamente
um momento em que o desespero se espalha amplamente em toda a
terra. Desesperança é desenfreada em todos os lugares e, neste tempo Deus está se
movendo para trazer ao cumprimento todas as palavras proféticas sobre a vinda de
seu Filho novamente ao mundo para estabelecer o seu reino. Quanto tempo? O quão
perto? Quem sabe? Mas o que Deus tem feito na história, ele vai fazer novamente
como nos aproximamos do fim do "silêncio de Deus".

Os 400 anos do silêncio de Deus: de Malaquias a Cristo.

Antigamente as Bíblias vinham com quatro páginas em branco, entre os livros


do profeta Malaquias (último livro do Antigo Testamento) e Mateus (primeiro livro do
Novo Testamento). Essas páginas em branco simbolizam os 400 (quatrocentos) anos
em que Deus permaneceu em silêncio. "Os 400 anos de silêncio da parte de Deus
pode ser melhor compreendido se levarmos em consideração a afirmativa de que
nenhum profeta inspirado ergueu-se em Israel, pois o Antigo Testamento já estava
completo aos olhos dos judeus",
O tempo entre os Testamentos
A Bíblia não incluir mais informações sobre os anos entre o tempo da restauração dos
judeus
do exílio na Babilônia (nos livros de Esdras e Neemias), até a vinda do profeta João
Batista.
Conhecimento deste período (que abrange cerca de 400 aC - 5 AC) vem de muitos
outros
fontes históricas. Entre os mais importantes são os livros "apócrifos" ou
"deuterocanônicos" de
Judeus. O principal destes livros são Tobias (Tobit), Judith, Esther (adições em grego),
I Macabeus, II
Macabeus, Eclesiástico, Sabedoria, Baruc, e Daniel (acréscimos), embora houvesse
vários outros livros
também foram considerados como parte deste grupo através de diferentes períodos da
história.

Estes livros eram parte da literatura dos judeus e da Igreja durante os primeiros séculos
da
Christian, mas não geralmente considerados "inspirado" como foi o caso com os 39
livros do "cânone" da
Velho Testamento. Por causa de sua inferioridade para a palavra inspirada, pois eles
contêm inúmeros erros
e contradições, o seu lugar como um dos principais livros de história, mas não como
partes da Bíblia pode ser
justificar. De particular importância para a compreensão dos séculos entre o final do
Antigo Testamento e
o início da história do Novo Testamento são os livros de I e II Macabeus e Eclesiástico.
Eles
tenho muita informação sobre a história da guerra de independência ea vida e os
costumes
diariamente durante os dois séculos imediatamente antes do tempo novotestamentario.
Além disso, as histórias
Josefo, o grande historiador judeu (37-100 dC), tem uma história do povo judeu de 170

A.C. para a destruição de Jerusalém em 70 AD. Também de grande importância e fonte


de muito
informação são a escritura da Pérsia, Grécia, Roma, e em outros países, que têm uma
variedade
de coisas relacionadas directa ou indirectamente com o povo judeu e da situação na
Palestina durante
quatro séculos de silêncio bíblico.
Este assunto é importante para o estudante de história bíblica, que serve para ajudar
você a entender o
mudanças na religião judaica, a situação política e na própria sociedade que ocorreram
entre
palavras finais da história do Antigo Testamento e os tempos de João, Jesus, os
apóstolos ea igreja
primitiva. Estas alterações podem ser vistas na sua perspectiva apropriada apenas por
meio de um ponto de vista, embora
ser breve, com os acontecimentos durante os 400 anos que separam os dois
testamentos. Se você não tiver esse
informações, o estudante da Bíblia terá dificuldade em compreender as situações em
que ocorrem
Novos eventos Testamento e não terá uma base para a compreensão de alguns dos
exemplos e aplicações
que eram óbvias para o primeiro século. Assim, embora tenha sido inspirado, este
material é útil
para entender melhor o significado ea aplicação adequada da palavra de Deus.

II. Um esboço das Divisões do Período Sucessões-Inter


A. O domínio persa [538 aC - 332 A.C.]
Esta época começou quando os caldeus (Babilônia) foram conquistados por Ciro e os
persas, como
como Habacuque profetizou. Ciro estabeleceu como rei Dario, o medo sobre Babilônia e
região que incluía a Palestina. Foi Cyrus que deu permissão para os judeus para voltar
ao topo
Jerusalém do exílio na Babilônia. Outros reis persas eram importantes da história
judaica

INSTITUTO DEESTUDIOS BIBLICOS


"Introdução ao Antigo Testamento"

Lição XXXVIII - o tempo entre os Testamentos Página 84

Assuero, que tomou e salvou a rainha Ester para o extermínio do povo judeu, e de
Artaxerxes I, que
permitiu uma repatriação segundo da Palestina pelos judeus sob a liderança de Esdras.
Esses reis
Judeus dominado durante o último século e um quarto da história do Antigo
Testamento, e os
Persa domínio seguido quase um século depois do fim do Antigo Testamento, isto é, até
a ascensão
o Império Grego como a potência dominante no mundo. Durante a maior parte deste
tempo o
Os judeus têm liberdade suficiente para viver e adorar seu Deus a seu exclusivo critério
e sem interferência
parte religiosa dos persas. Foi durante esses séculos que as sinagogas, adaptadas às
condições locais
adorar em exílio, passou a representar uma prática comum no culto judaico na
Palestina.
Então, durante os dois séculos de domínio persa, realce o repovoamento da terra
prometida
Judeus reconstruir Jerusalém e do templo, bem como a adopção das sinagogas para a
adoração
o povo judeu.

B. O domínio grego [332 aC - 167 A.C.]


Nenhum deste período é contemporâneo com a história bíblica do Antigo Testamento,
nem
Novo Testamento, mas estava de acordo com as profecias de Daniel. Quando Felipe de
Macedónia conseguiu unificar as cidades da Grécia sob seu domínio em 356 aC nasceu
o império grego, que
ele controlava até sua morte, em 336 aC. No entanto, foi seu filho, Alexandre, o Grande,
que assumiu a
controle do império com a morte de seu pai e que liderou o exército grego para
conquistar o mundo
poucos anos. Foi em 332 aC quando de posse da Palestina e os judeus entrou em um
nova era em sua história. Uma vez que, por falta de poder, os judeus resistiram ao
domínio da Grécia,
foram autorizados a continuar seus costumes religiosos sem problemas durante a
primeira parte
Domínio grego. Ainda assim, a sua cultura, como o resto do mundo, recebeu um forte
impulso de idéias
Helenistas que deixam suas pegadas por muitos séculos. Entre essas influências foram
a língua grega,
esportes, edifícios de estilo, teatros, banhos públicos e muitas outras mudanças
culturais.

Mas o que oconteceu exatamente nesse período de 400 anos? A Bíblia de


Estudo Pentecostal extraiu da Historia del pueblo judio entre el Antiguo Testamento y
el nuevo por Ralph D. Williams, na Bíblia de Estudo Ampliada, Editora Vida, 1983, as
informações que nos tira essa dúvida, narrando sucintamente os fatos ocorridos nesse
intervalo entre o profeta Malaquias e o Senhor Jesus Cristo.

Entre o final do Antigo Testamento e o início do Novo Testamento há uma lacuna de


400 anos sem a manifestação de um profeta de Deus. Durante esse longo período
ocorreram eventos marcantes, guerras e o surgimento de diversos grupos que estão
presentes nas páginas do Novo Testamento. Qual a característica desses grupos? O
que idealizavam? Nesse artigo procuramos destacar, no formato esboço, uma
coletânea de eventos ocorridos entre o Período Persa e o Período Romano, os quais
envolveram a nação de Israel.

Entre os Testamentos

Definição: Trata do período de eventos que ocorreram entre o fim do AT e o início do


NT. As datas são de 424 a.C até 5 a.C.

Por Que Estudar?

● “Razões Históricas” que explicam os acontecimentos “de fundo” do NT.;


● “Razões Culturais” que explicam a origem e desenvolvimento dos costumes,
instituições e vida espiritual do povo judaico do período do NT;
● “Razões Messiânicas” que demonstram como Deus preparou o mundo para o
Seu Advento.

As Divisões do Período Interbíblico

Entre as datas marcadas para nosso estudo muitos eventos passaram que não teremos
oportunidade de reconhecer. Nós daremos atenção especial ao fim do AT, os tempos
de Alexandre, as “Guerras dos Macabeus” e Herodes. São eles:

1. Período Persa (536-331)


2. Período Grego (331-167):

2.1. Período Grego Próprio (331-323)


2.2. Período Egípcio (323-198)
2.3. Período Sírio (198-167)
3. Período Macabeu (167-63)
4. Período Romano (63-5)

Fim do Período Antigo – Início do Período Persa

a) Os cativeiros

● Depois de um longo período de apostasia, o Reino do Norte foi conquistado e


levado para o cativeiro pelos assírios em 721 a.C.
● O Reino do Sul recebeu tratamento semelhante ás mãos dos babilônios sob
Nabucodonozor em 586 a.C.

b) As restaurações:

● Cerca de 50.000 exílios cerca do ano 536 foram permitidos por Ciro voltar a
Palestina com Zorobabel (Esdras 1:6);
● Os eventos do livro de Ester passaram na Pérsia cerca do ano 483;
● Esdras, um escriba, chegou em Jerusalém cerca do ano 457, promoveu várias
reformas civis e religiosas (Esdras 7:10);
● Neemias e seus companheiros chegaram na Palestina cerca de 445 a.C;
● Malaquias dirigiu seus ministério num período de decadência espiritual cerca
de 432-424, ele marcou o fim do AT.

O Período Pérsico

Ao encerrar-se o A.T, por volta de 430 a.C, a Judéia era uma província da Pérsia.
Esta havia sido potência mundial por uns 100 anos. Continuou a ser por outros 100
anos, durante os quais não se conhece muito acerca da história judaica. O domínio
pérsico, na sua maior parte, foi brando e tolerante, gozando os judeus de
considerável liberdade.

Os reis persas desse período foram:

● Artaxerxes I (464–423) – Sob seu governo Neemias reconstruiu Jerusalém.


● Xerxes II (423)
● Dario II (423-404)
● Artaxerxes II [ Mnemom ] (404–359)
● Dario III [ Codomano ] (335-331). Sob o governo deste o “Império Pérsico”
caiu.

Características do Período Persa

● Decadência espiritual vista em Ageu e Malaquias.


● Desenvolvimento do poder do sumo sacerdote. Após Neemias, a Judéia foi
incluída na província da Síria, assim, o Sumo Sacerdote se tornou governador
da Judéia e autoridade da Síria.
● Os inícios do escribismo com um interesse exagerado na Letra da Lei.

O Período Grego

A história do AT se encerrou com o cativeiro que a Assíria impôs ao “Reino do Norte”


(Israel); com o subseqüente cativeiro babilônico do “Reino do Sul” (Judá); e com o
regresso à Palestina de parte dos exilados, quando da hegemonia persa nos séculos VI
e V a.C. Os quatro séculos antes do início da história do NT compreendem o período
intertestamentário, também conhecido como “Os Quatrocentos Anos de Silêncio”
devido ao hiato, nos registros bíblicos, e ao silenciamento da voz profética. Durante
esse hiato é que Alexandre, o Grande, se tornou senhor do antigo Oriente Médio, ao
infligir sucessivas derrotas aos persas.

Os Tempos e Significância de Alexandre, O Grande

a) A origem de Alexandre

● Felipe de Macedom uniu os estados gregos para expulsar os persas da Ásia


Menor. Morreu assassinado durante uma festa (337 a.C);
● Alexandre seu filho, de grande capacidade de liderança, educado sob o
famoso Aristóteles, era devotado a cultura grega. Tirou sua inspiração da
ilíada de Homero.

b) As conquistas de Alexandre

1. Após o domínio da Grécia, adentrou a Pérsia, império 50 vezes maior, com


população 20 vezes a da Grécia;
2. Em 334 adentrou na Ásia Menor vencendo o exército persa no Rio Grânico,
perto de Trôade;
3. Em pouco tempo, com apenas a idade de 22 anos, conquistou a Sardo, Mileto,
Éfeso e Halicarnaso, estabelecendo em cada cidade a democracia grega;
4. Em 333 a.C foi ao encontro de Dario na Batalha de Isso, a qual ganhou;
5. Daí foi sem grande resistência até o Egito que também o dominou;
6. Em 332 cercou a Tiro, que tomou antes de descer ao Egito;
7. Venceu Dario decisivamente na batalha de Arbela em 331 a.C pondo fim ao
grande império Persa;
8. Continuou suas conquistas até o Rio Indo;
9. Morreu com apenas 33 anos (323 a.C) com suas forças dissipadas pelo álcool e
malária;
10. Fundou 70 cidades, moldando-as conforme o estilo grego. Ele e os seus
soldados contraíram matrimônio com mulheres orientais e misturaram, desta
forma, as culturas grega e oriental;
11. Antes do falecimento de Alexandre (323 a.C) seus principais generais
dividiram o império em quatro porções, duas das quais são importante no
pano-defundo do desenvolvimento histórico do NT, que são a porção do
Ptolomeus e a dos Selêucidas. O “Império dos Ptolomeus” centralizava-se no
Egito, tendo Alexandria por capital. A dinastia governante naquela fatia do
império veio a ser conhecida como “Os Ptolomeus”. Cleópatra, que morreu no
ano 30 a.C, foi o último membro da dinastias dos Ptolomeus. O “Império
Selêucida” tinha por centro a centro a Síria, e Antioquia era a sua capital.
Alguns, dentre a casa ali reinante, receberam o apelido de “Seleuco”, mas
diversos outros foram chamados “Antioco”. Quando Pompeu tornou a Síria em
província romana (64 a.C), findou o “Império Selêucida”;
12. A Palestina tornou-se vítima das rivalidades entre os Ptolomeus e os
Selêucidas. A princípio, os Ptolomeus dominaram a Palestina por cento e vinte
dois anos (320-198 a.C). O judeus gozaram de boas condições durante este
período. De acordo com um antiga tradição, foi sob Ptolomeu Filadelfo (285-
246 a.C) que setenta e dois eruditos judeus começaram a tradução do AT
hebraico para o grego, versão essa que se chamou Septuaginta.

c) A influência de Alexandre

1. Sua influência foi muito grande por causa de sua extensão e permanência;
2. Estabeleceu centro de comércio e cultura em toda a extensão do seu império;
3. Com a imposição da cultura grega, a superstição oriental cedeu a liberdade do
pensamento grego na filosofia, arquitetura, deuses, religiosidade, atletismo
(primeira olímpiada em 776 a.C). Surgiram bibliotecas e universidades em
Alexandria e Tarso como em outros lugares. Preparou-se assim o campo para
religião universal;
4. De grande importância foi a disseminação da língua grega, criando a
possibilidade de pregação do evangelho fazendo uso de uma língua universal e
a criação de uma Bíblia legível em toda a extensão da bacia do Mediterrâneo.

Antíoco Epifânio e a “Revolta do Macabeus”

Antíoco significa “Opositor” (gr.). Foi este o nome de treze reis da “Dinastia
Selêucida”. Estabeleceram-se após a morte de Alexandre, o Grande, em 323 a.C.

Os reis:

● Antíoco I [ Soter ] – (324 a 261);


● Antíoco II [ Theos ] – (286 a 246);
● Antíoco III [ O Grande ] – (242 a 187);
● Antíoco IV [ Epifânio ] – (170 a 169);
● Antíoco V [ Eupator ] – (173 a 162).

Eventos Relacionados com Alexandre e com Antíoco

1. Após a morte de Alexandre, começou a luta para o controle do império;


2. Em 301 a.C, na batalha de Ipso, a divisão efetuou-se em quatro partes;
3. Egito e Palestina ficaram com Ptolomeu Soter (Lagos) e a Síria do Norte e Ásia
Menor com Seleuco;
4. Os Ptolomeus dominaram a Palestina até 198 quando os sírios com Seleuco
anexaram a Terra Santa ao seu domínio;
5. Antíoco III, o Grande, que conquistou a Palestina, morreu e cedeu lugar a seu
filho, Seleuco Filopater (187–175) que foi envenenado, abrindo caminho para
a sucessão de seu irmão Antíoco Epifânio (IV).

Os Atos de Antíoco Epifânio (175–164)

1. Epifânio (nome que deu a si mesmo) significa “deus manifesto”;


2. O sumo sacerdote, Onias III, liderou os nacionalistas; Jasom, seu irmão dirigiu
os helenistas. Jasom ofereceu grande soma de dinheiro a Antíoco por ser
apontado sumo sacerdote no lugar do seu irmão. Prometeu também helenizar
Jerusalém. Quando assim foi apontado, tornou o povo cidadãos da capital da
Síria (Antioquia), erigiu um ginásio grego logo em baixo o Templo e os jovens
judeus começaram tomar parte nos jogos gregos. Jasom criou um altar, até
mandou ofertas às festas de Hércules, em Tiro. Os nacionalistas são os
antecedentes dos Fariseus, helenistas dos Saduceus;
3. Antíoco fez várias expedições para o Egito. Numa delas surgiram rumores de
sua morte, algo que provocou grande regozijo entre os judeus. Ao ouvir isto,
Antíoco massacrou 40.000 judeus num só dia. Muitos judeus foram
escravizados e o Templo roubado;
4. Numa campanha seguinte, os romanos forçaram sua desistência no Egito. Em
face desta derrota, derramou sua grande ira sobre Jerusalém. No Sábado
matou muitos, escravizou outros e destruiu partes da cidade. Mandou
erradicar a religião judaica. Quem possuia cópia da Lei (Torah), ou tivesse
circuncidado a criança, seria morto. Finalmente converteu o Templo em
“templo de Zeus”. Profanou o Templo, em cujo altar, ofereceu uma porca em
sacrifício. Destruiu cópias das Escrituras, vendeu milhares de judias para o
cativeiro e recorreu a toda espécie imaginável de tortura para forçar os
judeus a renunciar sua religião. Isso deu ocasião à “Revolta dos Macabeus”,
umas das mais heróicas façanhas da história.

A Revolta dos Macabeus (167–63)

1. A revolta começou com Matatias, sacerdote em Modim (167) . Período de


Independência, também chamado de Hasmoneano. Matatias, era sacerdote
patriota e de imensa coragem, furioso com a tentativa de Antioco Epifânio de
destruir os judeus e sua religião, reuniu um bando de leais compatriotas e
defraudou a bandeira da revolta. Essa revolta teve inicio quando Matatias,
sendo obrigado por um agente de Antioco a oferecer um sacrifício pagão, este
recusou matando-o, e fugiu na companhia dos cinco filhos, para uma Região
Montanhosa. Seus filhos eram: Judas, Jônatas, Simão, João e Eleazar. Essa
familia era chamada de “Hasmoneanos”, por causa de Hasmom, bisavô de
Matatias, e também de “Macabeus”, devido ao apelido Macabeu (Martelo)
conferido a Judas, um dos filhos de Matatias;
2. Judas Macabeu encabeçou uma campanha de guerrilhas de extraordinário
sucesso, até que os judeus se viram capazes de derrotar os sírios em campo
de batalha regular. A revolta dos Macabeus, entretanto , foi também uma
guerra civil deflagrada entre os judeus pró-helenistas e anti–helenistas;
3. Judas entrou em Jerusalém e reedificou o Templo. Os judeus recuperaram a
liberdade religiosa, sendo esta a origem da Festa da Dedicação (João 10:22),
entre 165 e 164 a.C;
4. Significância da opressão síria e revolta dos macabeus: Restaurou a nação da
decadência política e religiosa; Criou um espiríto nacionalista, uniu a nação e
suscitou virilidade; Deu um novo impulso ao judaismo, novo zelo pela lei e
esperança messiânica.
5. Intensificou o desenvolvimentos dos dois movimentos que se tornaram os
Fariseus e os Saduceus: Os Fariseus surgiram do grupo purista e nacionalista;
Os Saduceus surgiram do grupo que se aliou com os helenistas.
6. Deu maior ímpeto ao movimento da Dispersão, com muitos judeus querendo
se ausentar durante as terríveis perseguições de Antíoco.

Período Romano (63)

1. Eventos que relacionaram os dias dos Macabeus com o tempo de Herodes

● Os irmãos de Judas, Jônatas e Simão sucessivamente lideraram o povo após a


morte de Judas;
● Os descendentes dos Macabeus continuaram no poder até o ano 63 a.C,
quando os romanos tomaram o poder;
● A junção do poder civil com sumo sacerdócio provocou uma decadência
espiritual. A luta pelo poder tirou a devoção a Jeovah.

2. Antecedentes na vida de Herodes

● Antipater, um Idumeu (descendente de Edom, nome dado a Esaú, conseguiu


lugar de destaque com os romanos;
● Como procurador judeu, colocou seu filho Herodes como tetrarca de Galiléia;
● Herodes mostrou grande zelo no seu governo, erradicando os bandidos que
tinham infiltrado a Galiléia;
● Com a morte de Antipater (40 a.C) conseguiu de Cesar ser apontado rei de
Judeia;
● Com a invasão de Jerusalém e a morte de Antigono, ultimo descendente dos
Macabeus, Herodes começou a reinar no ano 37 a.C;

3. Três períodos no reinado de Herodes

● Os primeiros 12 anos (37-25) foram gastos na luta pelo poder;


● Os segundos 12 anos (25–13) foram seus melhores anos;
● Os últimos 9 anos (13 –4) se caracterizaram pela crueldade e amargura
(assassinou duas de suas esposas e pelo menos três de seus próprios filhos. Foi
este Herodes que governava Judá quando Jesus nasceu, e que trucidou os
meninos de Belém. Herodes morreu de hidropsia e câncer nos intestinos, em 4
a.C;

4. Os sucessos de Herodes

● Uso de muito tato na sua tentativa de helenizar os judeus, que Antíoco


Epifania;
● Com espetáculos, jogos, entre outras coisas, ganhou a lealdade dos jovens
judeus que se tornaram os herodianos;
● Aumentou a fortaleza de Jerusalém, denominada “Antonia”;
● Edificou a Cesaréia.

Entre seus muitos projetos de edificação, sua maior contribuição para os judeus foi o
embelezamento do Templo de Jerusalém. Tal fato não expressava sua participação
na fé judaica (ele não acreditava nela), mas foi uma tentativa de conciliar seus
súditos. O Templo de Jerusalém, decorado com mármore branco, ouro e pedras
preciosas, tornou-se proverbial devido ao seu esplendor: “Quem jamais viu o templo
de Herodes, nunca viu o belo!”.

5. Herodes e a vinda de Cristo

● Ele foi parte do governo romano que preparou o contexto da vinda de Cristo;
● Foi rei governante quando Cristo nasceu.

As Seitas Judaicas

1. Os Fariseus

● Seus antecedentes eram os reformadores dos tempos de Esdras e Neemias;


● Quando Matatias revoltou-se contra os esforços de Antíoco, os Hasidim (“Os
Piedosos”), o apoiaram e se ligaram a ele;
● Mais tarde os Hasidim foram denominados Perushim (“Os Separados”).

2. Os Saduceus

● O nome possivelmente vem de Zadoque, o sumo sacerdote dos tempos de Davi


(II Sm 8:17 e 15:24);
● Eles aparecem na história na mesma época que os Fariseus;
● Enquanto os Fariseus eram nacionalistas, a tendência dos saduceus era na
direção da filosofia grega com a cultura grega;
● Sendo eles um partido político de tendências sacerdotais e aristocráticas,
tinham pouca influência com o povo comum.

3. Uma comparação entre Fariseus e Saduceus


Fariseus

● Constituíram o núcleo da aristocracia religiosa e acadêmica;


● Ensinavam que a alma era imortal, que havia uma ressurreição corporal e
julgamento futuro com galardão ou castigo;
● Acreditavam na existência de anjos e espíritos bons e maus;
● Predestinatários, mas aceitaram que o homem tinha livre arbítrio e
responsável moralmente;
● Coordenaram a tradição e a Lei escrita numa massa de regras de fé e a
prática evoluindo com os tempos.

Saduceus

● Constituíram o núcleo da aristocracia sacerdotal, política e social;


● Ensinaram que não há nem galardão nem castigo;
● Negaram a existência de espíritos e anjos;
● Enfatizaram a liberdade da vontade humana, rejeitando o determinismo e o
azar;
● Mantinham que a Torah era única fonte infalível de fé e prática.

4. Os Essênios

● Não mencionados no N.T. mas Filo disse que havia 4.000 ou mais;
● Eram uma seita ascética com sede na beira ocidental do mar morto;
● Pensa-se que houve muitos deles nas vilas e cidades da Palestina;
● Seguiram, o conceito de comunidade de bens, abstinência , meditação,
trabalho zeloso e o celibato.

5. Os Herodianos

● Eram partido político não religioso;


● Esperaram que Herodes cumprisse a realização da esperança da nação.

6. Os Zelotes

● Legalistas;
● Pietistas;
● Messianistas nacionalistas
● Intolerantes dos judeus impiedosos e de Israel na subjugação aos romanos.

A Esperânça Messiânica dos Judeus

1. No surgimento no Período Interbíblico

Na época da restauração, e com o desaparecimento dos profetas, houve pouca ênfase


na esperança messiânica. O interesse do povo era a observação da Lei (Ne 8:1-3 e
9:13-16).

2. Na época dos Macabeus

A perseguição intensa inspirou a esperança dum líder super-humano. Especialmente


após a tomada de Jerusalém pelos romanos (63 a.C), encontramos o ressurgimento da
esperança messiânica.

3. Na época do nascimento de Cristo


É fato conhecido que quando Cristo veio houve uma larga expectativa da vinda do
Messias, especialmente com a morte de Herodes, o Grande. Mesmo pensadores
gentios como Tácito e Suetonio manifestam esta esperança de alguém surgir dentre
os judeus.

4. A idéia básica

● Os judeus esperavam que fossem resgatados por um Rei que levantaria um


reino eterno e julgaria os maus;
● Esperavam a salvação de Israel, não dos gentios;
● Esperavam alguém mais do que mero homem denominando-o de “O santo e
Poderoso”, “Messias “, entre outros títulos. Pode ser que pensavam nele com
um anjo poderoso que viesse agir sobrenaturalmente.

5. Uma opinião de minoria

● Poucos judeus esperavam um messias sofredor;


● Eram homens espirituais que procuravam nas Escrituras a verdade;
● Destacam-se pessoas como Simeão, Natanael, João Batista e Ana.

O Advento de Cristo

1. “Período de Silêncio”

O mundo foi preparado para a vinda de Cristo através de vários povos. O Apóstolo
Paulo escreveu:

“Mas vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu filho” (Gl 4:4).

Marcos afirmou o mesmo, dizendo :

“O tempo está cumprido e o reino de Deus está próximo” (Mc 1:15).

É interessante notar a preparação do mundo para a primeira vinda de Cristo e as


contribuições dos três grande povos daquela época. Verdadeiramente, Cristo veio na
plenitude dos tempos.

2. Elementos Judaicos na preparação para a vinda de Cristo

● Um povo divinamente preparado;


● Um povo escolhido para ser testemunha entre as nações;
● Escrituras proféticas predizendo a vinda do Messias;
● A dispersão dos judeus em todo o mundo conhecido;
● Sinagoga onde se estudava as Escrituras que forneceriam local para a
pregação do evangelho;
● Proselitismo que trouxe muitos gentios para o judaísmo;
● Era o povo do Livro, Interessado na prática da religião e na busca da salvação.

Uma esperança da vinda do Messias foi oferecida pelos judeus a um mundo de


religiões pagãs. Também o judaísmo ofereceu, pela parte moral da Lei Judaica, o
sistema de ética mais puro do mundo. Mas o mais importante é que os judeus
prepararam o caminho para vinda de Cristo pelo fornecimento de um Livro Sagrado, o
Velho Testamento.

3. Elementos Gregos
A filosofia grega que se aproximava do monoteísmo, tendência para a imortalidade,
ênfase sobre a consciência e dignidade humana e liberalismo de pensamento.

A língua grega, tradução do AT, para a pregação do evangelho e a escrita do N.T


junto com os termos adotados por Paulo e outro pregadores do Novo Testamento
para explicar o evangelho.

No primeiro século os romanos cultos conheciam grego e também latim. O dialeto


grego usado no quinto século a.C, na época da glória de Atenas, tornou-se o dialeto
“Koiné” (comum) do primeiro século. O dialeto da literatura clássica de Atenas foi
modificado e enriquecido pelas mudanças que sofreu nas conquistas de Alexandre
Magno no período entre 338 e 146 a.C. O NT. Foi escrito nesse dialeto “comum”.

A cultura helenística em geral com seu espírito cosmopolita, transcendendo as


barreiras, o judeu helenizado que serviria como ponte entre o judeu e gentio e a
busca da salvação do mundo romano.

Por um lado a filosofia grega deu uma contribuição positiva, mostrando o melhor que
o homem pode fazer na busca de Deus pelo intelecto, por outro lado contribuiu
negativamente, pois, nunca deu uma satisfação aos corações e nunca conduziu o
homem a um Deus pessoal.

4. Elementos Romanos – A Contribuição Política

Cristo veio ao mundo época do Império Romano. Todo o mundo ficou sob um governo
único, uma lei universal. Era possível obter cidadania romana, ainda que a pessoa
não fosse romana. O Império Romano mostrou as tendência de unificar os povos de
raças diferentes numa organização política.

Havia paz na terra quando Cristo nasceu. Os soldados romanos asseguravam a paz nas
estradas da Ásia, África e Europa.

Construíram excelentes estradas ligando Roma a todas as partes do Império. As


estradas principais foram construídas de concreto. As estradas romanas e as cidades
estratégicas localizadas nos caminhos eram indispensáveis a evangelização do mundo
no primeiro século.

5. Resumo dos Elementos

Na plenitude dos tempos, quando a maior parte do mundo ficou sob uma lei e um
governo, e todo o mundo falou a mesma língua diariamente, Cristo veio, cumprindo
as profecias. Jerusalém, em especial, localizava-se onde as estradas se cruzavam,
ligando os continentes da Ásia e África com Europa.

Nota: Este resumo é baseado no livro “O Período Interbíblico”, de Enéas Tognini.

¹A SOBERANIA PERSA
(450-333 a.C.)

Por volta de um século depois da época de Neemias, o povo judeu ainda achava-se
sob a tutela da Pérsia. Os monarcas persas tratavam os judeus com especial
tolerância, permitindo-lhes adorar livremente a Deus, e observar a Lei de Moisés.
Durante este período, houve luta constante entre a Pérsia e o Egito. Judá, portanto,
encontrava-se "entre a bigorna e o martelo", e muito sofria com isso.
A SUPREMACIA GRECO-MACEDÔNICA
(333-323 a.C.)

Alexandre Magno
Alexandre Magno derrotou o exército medo-persa em 333 a.C., tornando a Macedônia
na maior potência de seu tempo. Ele estendeu seus domínios até o Egito, Ásia
Menor, Babilônia e Pérsia, alcançando inclusive o Norte da Índia. À semelhança dos
persas, tratou com tolerância aos judeus. Promoveu o florescimento do idioma e da
cultura gregos, e fundou diversas cidades, entre as quais Alexandria, no Egito.
Alexandre morreu com a idade de 33 anos, em 323 a.C.. Com ele, morreu também o
seu império.

Osíris - deus egípcio


A DOMINAÇÃO EGÍPCIA
(323-128 a.C.)

Depois da morte de Alexandre, seu império ficou sob o governo de quatro de seus
generais. A Síria coube a Seleuco; e, o Egito, a Ptolomeu. Por volta do ano 320 a.C.,
Ptolomeu I passou a dominar a Judéia. Sob essa dinastia, o povo judeu vivia
pacificamente. E, assim, a colonização judaica, no Egito, foi incentivada, resultando,
entre outras coisas, na tradução do Antigo Testamento para o grego - a Septuaginta.

O JUGO SÍRIO
(198-166 a.C.)

Antíoco IV Epífanes

Depois de haver permanecido como tributário do Egito por cerca de cem anos, a
nação judaica caiu sob o poder dos reis sírios no ano de 198 a.C. Embora estes
monarcas hajam inicialmente favorecido os judeus, Antíoco IV Epífanes (175-164
a.C.), encetou a helenização de seus domínios, pois odiava a religião judaica. Antíoco
destituiu o sumo sacerdote, proibiu o sacrifício diário no templo, e, sobre o altar de
Jeová, erigiu ele um altar a Zeus. Em 168 a.C., a profanação chegou ao clímax,
quando predispôs-se a sacrificar um porco sobre o altar. Como se não bastasse,
vendeu milhares de famílias judias como escravas.

A GUERRA DE LIBERTAÇÃO DOS MACABEUS


(166-63 a.C.)

Em 167 a.C., Deus suscitou um libertador na pessoa de Matatias. Este santo e


resoluto sacerdote era pai de três filhos que se destacariam com igual valor na história
de Israel: Judas, Simão e Eleazar. Com seu exemplo e enérgicas exortações, logrou
despertar nos filhos e no povo o ardor pela defesa da fé. Judas destacou-se pelo gênio
militar. Ganhou muitas batalhas contra forças superiores, reconquistou Jerusalém, e
promoveu a purificação do templo com a restauração do culto a Jeová. E, assim, foi
instituída a festa da dedicação para comemorar a retomada da Cidade Santa e da
Casa de Deus. Com a morte dos filhos de Matatias, João Hircano, filho de Simão, 135-
106 a.C., começou a sobressair-se na administração da Judéia. E o país passa a
desfrutar de sua legendária prosperidade.

A INTERVENÇÃO DO IMPÉRIO ROMANO


(De 663 a.C. aos tempos de Cristo)
Exército romano em batalha
(Ilustração)
O general Pompeu tomou Jerusalém, submeteu a nação judaica e instalou a Hircano II
Antípater no poder. Este soberano títere foi sucedido por seu filho, Herodes, o Grande.
Depois da batalha de Accio, em 31 a.C., Herodes, o Grande, levou César Augusto a
confirmá-lo no governo de toda a Palestina. Herodes tinha uma personalidade mui
polêmica. Embora fosse idumeu e possuísse uma alma pagã, esforçava-se por ganhar
a simpatia dos judeus. Para tanto, fortificou e embelezou Jerusalém, recosntruiu o
templo e ajudava regularmente ao povo. Todavia, era consumadamente cruel.
Ordenou a morte do pai, Hircano II, e de sua esposa, Mariane . É também apontado
como o principal responsável pela morte de três de seus filhos. Era este o Herodes
que reinava na Judéia quando do nascimento de Jesus.

____________________________________________________________
___
¹Bíblia de Estudo Pentecostal. De Malaquias a Cristo, CPAD, 1995, pp. 1378 e 1379.

Pastor Hafner
Chavannes – Suíça

A designação de Novo Testamento dada à segunda parte da Bíblia vem do latim Novum
Testamentimi que vem a ser uma tradução do grego Καινὴ Διαθήκη (Hê Kainê
Diathêke, aportuguesando). Esta expressão grega era usada geralmente para designar
“uma última vontade, ou testamento”, como o indica a tradução latina, sendo certo,
contudo, que esta tradução não dá exaustivamente todo o seu significado. O que
significava realmente era uma disposição feita por uma parte que a outra parte podia
aceitar ou rejeitar mas nunca alterar; essa disposição, quando fôsse recebida, obrigava
pelas suas cláusulas as duas partes. Uma vez que o melhor exemplo de tal escritura é
um legado, usa-se o latim testamentum que dá em português Testamento.

O termo Pacto significa um ajuste, estipulação ou contrato, que liga ambas as partes
num acordo. Implica mais do que uma promessa, pois uma promessa obriga somente a
pessoa que a fez, enquanto que um pacto obriga igualmente ambas as partes que nele
entram. Neste sentido aproximou-se da palavra moderna “contrato”. A palavra pacto
tem este significado em Êxodo 24:1-8, que descreve a aceitação da lei, pelo povo de
Israel, no Monte Sinai. O fato do tradutor grego do Antigo Testamento
usar diathêke nesta passagem para traduzir a palavra hebraica que significa pacto,
indica que diathêke pode ocasionalmente ter este sentido e esta acepção é confirmada
pela linguagem de Lucas 22:14-20, onde o antigo pacto (diathêke) de Êxodo 24:1-8 é
pôsto em contraste com o novo pacto (diathêke) que Jesus fêz com os Seus discípulos
na última ceia. O significado geral do têrmo grego é necessariamente o mesmo nos dois
exemplos, como o implica o contraste de antigo e novo.

1. Novo Testamento é, portanto, o livro onde está registrado o estabelecimento e o


caráter das novas negociações de Deus com os homens por meio de Cristo. Deus põe as
condições, que o homem pode aceitar ou rejeitar, mas nunca alterar, e, quando este as
aceita, tanto ele como Deus, ficam obrigados a cumprir as suas exigências.

2. Antigo Pacto envolvia uma revelação da santidade de Deus num justo padrão de lei,
que, os que a recebessem, eram solenemente admoestados a guardar. O Novo Pacto
dava corpo à revelação de Deus num Filho completamente justo que dava aos que
recebiam a revelação, o poder de se tornarem filhos de Deus, tornando-os justos (Jo.
1:12).

O Novo Testamento não é algo independente. Juntamente com o Antigo Testamento,


constitui uma parte da Bíblia dos cristãos, originada no contexto da obra e dos
ensinamentos de Jesus e da formação da igreja primitiva. Situa-se no início do
desenvolvimento histórico da teologia sistemática ou dogmática. Resta agora
considerarmos cada um desses aspectos e sua relevância para nosso estudo. Considerar
o Novo Testamento como parte da Bíblia acarreta algumas questões importantes e
inevitáveis, que por sua vez nos levam a duas ou três tarefas a elas relacionadas.

Em primeiro lugar, temos o fato de que os primeiros cristãos viam-se como herdeiros
da religião retratada no Antigo Testamento, expressa sob a forma do judaísmo.
Pensavam em si mesmos como uma continuação do povo que adorou o Deus
de Abraão, Isaque e Jacó, cuja expressão literária encontra-se no que vieram chamar
de Antigo Testamento. [1] Portanto, uma questão essencial está em determinar-se a
relação existente entre os dois Testamentos. Devemos nos perguntar especialmente: de
que forma os autores do Novo Testamento viam o Antigo Testamento e como o
utilizavam?

Em segundo lugar, gostaríamos de colocar a seguinte questão: não seria possível, ou


mesmo preferível, a alternativa de se tentar escrever uma teologia de toda a Bíblia, em
vez de simplesmente um estudo de um dos Testamentos? Isso seria uma tarefa
monumental, ainda mais difícil em raizão dos próprios estudiosos do Novo Testamento.

Até bem pouco tempo, as duas divisões da Bíblia eram conhecidas entre os cristãos
como o Antigo e o Novo Testamento. No entanto, muitos sentem que essa
nomenclatura implica um veredicto sobre o primeiro Testamento, e que essa é uma
postura insensível em relação aqueles que o aceitam como sendo as Escrituras
Sagradas, embora não aceitem a fé cristã. Então, passou-se a usar um termo
neutro, “Bíblia Hebraica”, que pode ser usado tanto por cristãos quanto por judeus. A
nomenclatura não é inteiramente feliz, pois pode parecer que o contrário dela seja a
“Bíblia Grega”, termo que de qualquer modo faz referencia à tradução da Bíblia
Hebraica para o grego. Neste livro, que se preocupa com a ótica cristã em relação ao
primeiro Testamento, vamos manter a nomenclatura tradicional.

Estudiosos do Antigo Testamento não apresentaram muito consenso sobre a forma de


escrever uma teologia a respeito de seu objeto de estudo. Logo, essa tarefa apresentaria
os mesmos problemas que encontramos ao lidar com um dos Testamentos apenas: o
fato de termos que lidar com uma vasta quantidade de obras literárias, pertencentes a
um intervalo de tempo demasiadamente amplo, com formas literárias bastante
variadas e que abrangem uma imensa diversidade de conceitos, muitos dos quais
podem parecem contraditórios, sendo alguns deles mais rudimentares e outros muito
elaborados. Mesmo com todas essas dificuldades, podemos garantir que esse objetivo é
louvável, já havendo no mínimo duas tentativas nesse sentido.

Em terceiro lugar, uma tarefa menos ambiciosa é sugerida pelos próprios títulos dos
livros que tentam escrever uma teologia bíblica do Novo Testamento. Com isso
queremos dizer que já se reconhece o fato de que as raizes do pensamento dos
escritores neotestamentários encontram-se no Antigo Testamento (e na sua
transmissão no âmbito da literatura do judaísmo). Assim, a tarefa do teólogo é
desenterrar essas raízes e verificar a forma como determinaram o crescimento e os
frutos delas resultantes. A obra de Hans Hibner é uma tentativa nesse sentido, bastante
minuciosa por sinal. Porém, tem a tendência de se concentrar apenas nesse aspecto
dateologia do Novo Testamento, deixando de lado outros tipos de material. Uma
abordagem mais ampla e satisfatória foi adotada por Peter Stuhlmacher. Sua obra de
dois volumes é dominada pelo princípio de que “a teologia neotestamentaria deve ser
escrita sob a forma de uma teologia bíblica do Novo Testamento, que tem suas raízes no
Antigo Testamento e está aberta a sua influência, e que deve ser vista como parte de
uma teologia bíblica que toma em conjunto o Antigo e o Novo Testamentos”.
Stuhlmacher esta certo: o estudo da teologia neotestamentiria deve se preocupar em
traçar as características que brotam dos ingredientes utilizados para se chegar à sua
forma atual.[2]

Talvez o que esteja em discussão seja uma questão de foco. Este livro, por exemplo,
seria algo de proporções impossíveis e estaria muito além da competência de seu autor
se tentasse escrever uma teologia de toda a Bíblia. No entanto, uma teologia
neotestamentiria com toda certeza deve ser uma teologia bíblica, uma vez que não há
como negar que o pensamento dos autores neotestamentirios foi influenciado pelo
Antigo Testamento de duas diferentes maneiras. A primeira está no fato de que todos
eram judeus por nascimento ou na maneira de pensar. Portanto, pensavam segundo as
estruturas de um judaísmo formado no contexto do Antigo Testamento. A segunda
refere-se as incursões particulares e deliberadas que eles faziam imprescindível que
essa grande obra seja urgentemente traduzida!

A primeira e a terceira tarefas são complementares. A primeira investiga a forma como


os autores neotestamentirios viam o Antigo Testamento, e a terceira investiga o modo
como o Antigo Testamento influenciou o pensamento desses autores.

Os escritores neotestamentarios pensavam no Antigo Testamento a fim de desenvolver


sua própria teologia. Logo, vemos que a influência do Antigo Testamento está mais
para um tesouro explorado com entusiasmo do que para um contexto passivamente
aceito.
A esta altura, convém que façamos referência a uma das menores obras que temos
atualmente sobre o estudo do Novo Testamento, embora seja também uma das mais
relevantes nesse campo. Trata-se de uma obra escrita por C. H. Dodd,
intitulada According to the Scriptures. Nela, Dodd levanta duas questões. A primeira,
bastante conhecida e debatida, refere-se a sua alegação de que os autores
neotestamentirios, em lugar de recorrerem ao Antigo Testamento em busca de textos
isolados, selecionando-os com o único propósito de confirmar as teses por eles
defendidas, faziam justamente o contrário, ou seja, apelavam para o Antigo Testamento
em busca de áreas que fossem produtivas, onde encontrassem material que pudesse ser
compreendido de forma contextualizada. A segunda questão, que apenas recentemente
vem recebendo o devido reconhecimento, reporta-se a alegação de Dodd sobre o fato da
atividade desenvolvida pelos autores neotestamentarios responsável pela formação
daquilo que ele denomina como “subestrutura” da teologia do Novo Testamento. Um
conceito que para ele, segundo entendo, denota que o Antigo Testamento forneceu aos
autores neotestamentarios as categorias chaves e o arcabouço geral de uma teologia
cuja estrutura era dada pela história redentora — a qual eles interpretaram de modo a
revelar seu significado inato. Essa subestrutura é reconhecidamente mais determinante
em alguns livros do que em outros, sendo que também pode atuar de diferentes formas.
No entanto, não resta dúvida alguma acerca de sua presença e importância. Portanto, é
forçoso concluir que um estudo sobre a teologia neotestamentaria irá, inevitavelmente,
oferecer-nos uma teologia bíblica, na qual não poderemos nos eximir de mostrar como
a revelação em sua totalidade está relacionada aquele particular porção que chamamos
Novo Testamento.

_____________
NOTAS
1. Brevard S. Childs, Biblical Theology of the Old and New Testament: Theological
Reflection on the Christian Bible (Minneapolis: Fortress, 1993); Charles H. H.
Scobie, The Ways ofOur God: An Approach to Biblical Theology (Grand Rapids, Mich.:
Eerdrnans, 2003).
2. Peter Stuhlmaeher, Biblische Theologie des Neuen Testaments, 2 v. (Güttingen:
Vandenhoeck & Ruprecht, 1992, 1999), 1:5.

Com o livro de Malaquias foi arriada a cortina sobre a cena profética, até a vinda do Batista. As
palavras vívidas e poderosas dos profetas não mais foram ouvidas. Os escribas e os sacerdotes se
tornaram os principais personagens religiosos. A era criativa havia cedido lugar à era do
aprendizado. Os judeus contavam, agora, com grande tesouro literário e seus exegetas, aqueles que
expunham essa literatura, tornaram-se o novo canal para a voz de Deus. A respeito dessa situação
que se aproximava, em que a religião era principalmente legalística, temos um claro sinal no livro de
Malaquias.

Quem eram os macabeus: Para muitos, a era dos macabeus é como uma “caixa-preta”
escondida entre o término da escrita dos últimos livros do Antigo Testamento e a vinda de Jesus
Cristo. Da mesma forma que certos detalhes são revelados quando a caixa-preta de um avião é
analisada após um desastre, podemos obter certo entendimento fazendo uma análise detalhada
da era dos macabeus — um período de transição e transformação para a nação judaica.

Quem eram os macabeus? Que influência exerceram sobre o judaísmo antes da vinda do predito
Messias? — Daniel 9:25, 26.

A onda do helenismo: Alexandre, o Grande, conquistou territórios desde a Grécia até a Índia
(336-323 AEC). Seu vasto império contribuiu para a expansão do helenismo — o idioma e a
cultura da Grécia. Os oficiais e os soldados de Alexandre casaram-se com mulheres locais,
causando uma fusão da cultura grega com as culturas estrangeiras. Depois da morte de
Alexandre, seu império foi dividido entre seus generais. No início do segundo século AEC,
Antíoco III, da dinastia greco-selêucida, na Síria, arrebatou Israel do controle dos Ptolomeus
gregos do Egito. Que influência o governo helenista teve sobre os judeus em Israel?

Um historiador escreve: “Visto que os judeus não podiam evitar o contato com seus vizinhos
helenizados e muito menos com seus próprios irmãos no exterior, a absorção da cultura e do
modo de pensar dos gregos foi inevitável. . . . Não dava nem para respirar, no período helenista,
sem absorver a cultura grega!” Os judeus adotaram nomes gregos e — uns mais outros menos
— adotaram também os costumes e a vestimenta gregos. O poder sutil da assimilação estava em
ascensão.

Corrupção dos sacerdotes: Os sacerdotes estavam entre os judeus mais suscetíveis à influência
helenista. Muitos deles achavam que aceitar o helenismo significava permitir que o judaísmo
acompanhasse a evolução dos tempos. Um desses judeus era Jasão (chamado Josué em
hebraico), irmão do sumo sacerdote Onias III. Enquanto Onias estava em Antioquia, Jasão
ofereceu um suborno às autoridades gregas. O que ele queria? Que eles o nomeassem sumo
sacerdote em lugar de Onias. O governante greco-selêucida Antíoco Epifânio (175-164 AEC)
rapidamente aceitou a oferta. Os governantes gregos nunca haviam interferido no sumo
sacerdócio judaico, mas Antíoco precisava de dinheiro para suas campanhas militares e também
gostava da idéia de ter um líder judeu que promovesse a helenização de maneira mais ativa. A
pedido de Jasão, Antíoco concedeu a Jerusalém o status de cidade grega (polis). E Jasão
construiu um ginásio de esportes onde judeus jovens e até sacerdotes participavam de
competições.

Traição gera traição: Três anos depois, Menelau, que pode não ter sido da linhagem sacerdotal,
ofereceu um suborno maior e Jasão fugiu. Para pagar Antíoco, Menelau tirou grandes somas de
dinheiro do tesouro do templo. Visto que Onias III (exilado em Antioquia) manifestou-se contra
isso, Menelau providenciou que fosse assassinado.
Quando se espalhou um boato de que Antíoco havia morrido, Jasão voltou a Jerusalém com mil
homens na tentativa de tirar o sumo sacerdócio de Menelau. Mas Antíoco não estava morto.
Quando soube do que Jasão tinha feito e da agitação entre os judeus em desafio à sua política de
helenização, Antíoco reagiu com muita dureza.

A reação de Antíoco: Em seu livro The Maccabees (Os Macabeus), Moshe Pearlman escreve:
“Embora os registros não sejam específicos, parece que Antíoco concluiu que permitir aos
judeus uma certa liberdade religiosa tinha sido um erro político. Em sua opinião, a recente
rebelião em Jerusalém não se tinha originado de razões puramente religiosas, mas do sentimento
pró-Egito existente na Judéia, e esses sentimentos políticos tinham se manifestado de forma
perigosa exatamente porque, de todo o povo sob seu domínio, somente os judeus tinham
procurado e conseguido obter uma ampla medida de separatismo religioso. . . . Ele decidiu que
isso iria acabar.”

O estadista e erudito israelense Abba Eban resume o que aconteceu a seguir: “Numa rápida
sucessão durante os anos 168 e 167 [AEC], os judeus foram massacrados, o Templo foi
saqueado e a prática da religião judaica foi proscrita. A circuncisão e a observância do sábado
eram punidas com a morte. O insulto final veio em dezembro de 167, quando Antíoco ordenou a
construção de um altar dedicado a Zeus, dentro do Templo, e exigiu que os judeus sacrificassem
carne suína — obviamente impura, de acordo com a lei judaica — ao deus dos gregos.” Durante
esse período, Menelau e outros judeus helenizados continuaram em suas posições, oficiando no
templo agora profanado.

Embora muitos judeus aceitassem o helenismo, um novo grupo, autodenominado hassidins —


os pios — incentivava a obediência mais estrita à Lei de Moisés. Revoltado com os sacerdotes
helenizados, o povo cada vez mais tomava o lado dos hassidins. Estabeleceu-se uma era de
martírio à medida que os judeus, em todo o país, eram forçados a escolher entre adotar os
costumes e sacrifícios pagãos e a morte. Os livros apócrifos dos Macabeus relatam numerosos
episódios de homens, mulheres e crianças que preferiram morrer a transigir. Logo, a
resistência passiva abriu caminho à agressão aberta. A faísca para a revolta
veio da vila de Modein, noroeste de Jerusalém, onde um sacerdote, Matarias,
da Casa de Hasmon, vivia com seus cinco filhos (I Mac 2.1 ss). Quando um
oficial sírio chegou a Modein para obrigar à realização de sacrifícios pagãos,
Matarias não apenas se recusou a concordar, mas também matou um judeu
apóstata que prestava sacrifícios e ao mesmo tempo matou o oficial sírio. Esse
foi o motivo para Matatias e seus filhos fugirem para as montanhas, onde a
eles se uniram muitos judeus zelosos (I Mac 2.23-28). De particular
importância foi a adesão a suas fileiras dos Hasidim (I Macabeus 2.42 ss),
para quem toda a cultura helenística e a influência estrangeira eram
anathema, porque a presença deles “deu plena sanção religiosa à revolta.” Eles
não poderiam ser considerados um partido dentro do Judaísmo, mas
formavam um grupo de opinião muito poderoso. Eram oriundos, em maior
parte, das classes mais pobres e dos distritos rurais, mas havia entre eles
alguns homens proeminentes. Sua evidente devoção e zelo religioso viriam a
ser vitais para o futuro da nação. A atitude deles é vividamente expressa no
Livro de Daniel que, em sua forma presente, de algum modo, foi composto, no
tempo de Antíoco, por um dos Hasidim.

A Revolta que se seguiu foi liderada sucessivamente por três dos filhos de
Matarias: Judas (165-160 a.C.) cognominado Macabeus (“Martelador”?),
Jonatas (160-143 a.C.) e Simão (142-134 a.C). Em suas campanhas obtiveram
notável sucesso. No dia 25 de casleu (dezembro), 165 a.C, no mesmo dia em
que o templo havia sido profanado três anos antes (I Mac 4.54), eles o
purificaram e o rededicaram, sob a liderança de Judas, e a adoração foi
restabelecida (I Mac 4.36 ss; cf. II Mac 10.1-7). Esse evento tem sido
comemorado desde então na Festa judaica de Hanukkah (Dedicação), às vezes
conhecida como a Festa das Luzes. As lutas continuaram, mas em 162 a.C.
Lisias, regente de Antíoco V, ofereceu condições generosas ajudas e concedeu
perdão total aos rebeldes, e plena liberdade religiosa (I Mac 6.58ss; II Mac
13.23s). Para convencê-los à conciliação, ele ordenou que Menelau fosse
condenado à morte. Os Hasidim, cujos propósitos, por esse tempo, eram
religiosos e não políticos, viram seus alvos atingidos e retiraram seu apoio aos
Macabeus. Isso é indicado pelo apoio que deram a Alkimus, a quem Demétrio I
(sucessor de Antíoco V), indicou como Sumo Sacerdote. Ele foi reconhecido
pelos Hasidim como um legítimo Sumo Sacerdote da linha de Aarão. Judas,
porém, não ficou contente com apenas a liberdade religiosa, já que buscava a
independência política. Depois de relativo sucesso inicial, os judeus foram
derrotados e o próprio Judas foi morto em Elasa em 160 a.C. (I Macabeus
9.18s). Alkimus morreu pouco tempo depois, e pelos próximos sete anos
Jerusalém ficou sem Sumo Sacerdote.

Jonatas sucedeu a seu irmão Judas como líder dos judeus nacionalistas com
a ajuda de seu outro irmão, Simão. Foi um tempo de intriga no qual vários
rivais passaram a reivindicar o trono sírio. Em 153 a.C. Demétrio I (162-150
a.C.) teve de lidar com tal rival na pessoa de Alexandre Balas que afirmava ser
filho de Antíoco IV.

Ambos tentaram cortejar a amizade de Jonatas, e no fim, Balas (150-145 a.C.)


sobrepujou Demétrio designando-o Sumo Sacerdote em 152 a.C. (I Macabeus
10.15-17). Deve-se observar que o partido ortodoxo não elegeu o Sumo
Sacerdote, mas quando muito, simplesmente aceitou a indicação feita pelo rei.
Mais tarde, Jonatas foi confirmado no ofício de Sumo Sacerdote por Trifon,
que estava agindo em nome do filho mais novo de Alexandre Balas. Mas
Trifon, suspeitando cada vez mais do poder de Jonatas, matou-o em 143 a.C.
(I Macabeus 12.48; 13.23).

Simão, que sucedeu a seu irmão Jonatas, começou a solidificar sua posição.
Em 142 a.C. ele ganhou de Demétrio II (145-138 a.C.) imunidade de impostos
e os judeus proclamaram sua independência (I Mac 13.41). Em 141 a.C.
deram um passo a mais. Um decreto em bronze foi apregoado no Templo
conferindo-lhe o ofício de Sumo Sacerdote com direitos hereditários: “Os
judeus e os sacerdotes haviam consentido que Simão se tornasse seu chefe e
sumo sacerdote, perpetuamente, até a vinda de um profeta fiel... e Simão
aceitou. Prontificou-se a ser sumo pontífice, chefe do exército, governador dos
judeus” (I Mac 14.41-47). O Sumo Sacerdote outrora hereditário na Casa de
Onias e que havia sido usurpado desde a deposição de Onias III, agora voltava
a ser hereditário na linha de Hasmoneu .

Aqui, então, nós vemos o surgimento de um estado judeu independente no


qual o chefe civil e líder militar era, ao mesmo tempo, o Sumo Sacerdote. Essa
união iria perdurar por toda a vida da Casa de Hasmoneu. A Simão, porém,
não seria permi¬tido morrer em paz. Em 134 a.C. ele foi traiçoeiramente
assas¬sinado por seu genro Ptolomeu. Seu filho, João Hircano, agora assumia
o Sumo Sacerdócio (I Macabeus 16.13-17).

Os Macabeus, em nome do judaísmo, haviam conquistado uma ressonante


vitória, não apenas sobre seus inimigos externos, mas também sobre toda a
cultura que esses iriimigos estavam determinados a impor sobre eles. Mas
seria falso imaginar que a vitória decisiva havia sido ganha.

A reação dos macabeus: O extremismo de Antíoco fez muitos judeus lutarem por sua
religião. Em Modi’in, ao noroeste de Jerusalém, perto da moderna cidade de Lode, um
sacerdote chamado Matatias foi convocado ao centro da cidade. Ele era respeitado pelos
habitantes da região e, por isso, o representante do rei tentou convencê-lo a participar
num sacrifício pagão — a fim de salvar sua própria vida e estabelecer um exemplo para o
restante das pessoas da região. Quando Matatias recusou-se a fazer isso, um outro judeu se
apresentou, pronto para transigir. Indignado, Matatias pegou uma arma e o matou.
Atordoados pela reação violenta desse homem idoso, os soldados gregos demoraram para
reagir. Em poucos segundos ele matou também o oficial grego. Os cinco filhos de Matatias
e os habitantes da cidade dominaram as tropas gregas antes que se pudessem defender.

Matatias gritou: ‘Quem tiver zelo pela Lei, que me siga!’ Para evitar represálias, ele e seus
filhos fugiram para as montanhas. Assim que isso se tornou conhecido, judeus (incluindo
muitos hassidins) se juntaram a eles. Matatias encarregou Judas, seu filho, das operações
militares. Talvez devido à sua bravura militar, Judas foi chamado Macabeu, significando
“martelo”. Matatias e seus filhos foram chamados de asmoneus, nome derivado da cidade
de Hesmom ou de um ancestral que tinha esse nome. (Josué 15:27) Judas Macabeu tornou-
se o personagem central durante a rebelião e, por isso, a família inteira veio a ser chamada
de Macabeus.

A retomada do templo: Durante o primeiro ano da revolta, Matatias e seus filhos


conseguiram organizar um pequeno exército. Em mais de uma ocasião, tropas gregas
atacaram grupos de guerreiros hassidins no sábado. Embora fossem capazes de se
defender, não violariam o sábado. Isso resultou em massacres. Matatias — agora encarado
como autoridade religiosa — instituiu uma norma permitindo que os judeus se
defendessem no sábado. Essa norma não só deu um novo alento à rebelião, mas também
estabeleceu no judaísmo o precedente de permitir aos líderes religiosos adaptar a lei
judaica de acordo com as circunstâncias. O Talmude reflete essa tendência na declaração
posterior: “Deixe-os profanar um Sábado para que possam santificar muitos Sábados.” —
Yoma 85b.

Após a morte de seu idoso pai, Judas Macabeu tornou-se o líder incontestado da revolta.
Percebendo que não conseguiria derrotar seus inimigos numa batalha em campo aberto,
ele desenvolveu novos métodos, semelhantes aos que os guerrilheiros usam atualmente.
Ele atacou os exércitos de Antíoco em regiões onde não poderiam recorrer aos métodos de
defesa a que estavam acostumados. Numa batalha após outra, Judas foi bem-sucedido em
derrotar exércitos tremendamente maiores que o seu.

Por causa das rivalidades internas e do crescente poder de Roma, os governantes do


império selêucida não estavam muito preocupados em aplicar os decretos contra os
judeus. Isso abriu caminho para Judas investir contra os próprios portões de Jerusalém.
Em dezembro de 165 AEC (ou talvez 164 AEC), Judas e suas tropas tomaram o templo,
limparam seus utensílios e o rededicaram — exatamente três anos após sua profanação.
Os judeus comemoram esse evento anualmente durante o Hanucá, a festividade da
dedicação.

Interesses políticos se sobrepõem à devoção: Os objetivos da revolta tinham sido


alcançados. As proibições contra a prática do judaísmo foram removidas. A adoração e os
sacrifícios no templo haviam sido restaurados. Satisfeitos, os hassidins deixaram o
exército de Judas Macabeu e voltaram para casa. Mas Judas tinha outros planos: por que
não usar seu exército bem treinado para estabelecer um Estado judeu independente? As
causas religiosas que desencadearam a revolta foram agora substituídas por incentivos
políticos. Por isso a luta continuou.

Buscando apoio em sua guerra contra a dominação selêucida, Judas Macabeu fez um
acordo com Roma e, embora tenha sido morto numa batalha em 160 AEC, seus irmãos
continuaram a luta. Jonatã, irmão de Judas, manobrou as coisas para que os governantes
selêucidas concordassem com sua nomeação para o cargo de sumo sacerdote e governante
na Judéia, embora ainda sujeito à soberania deles. Quando Jonatã foi enganado, capturado
e assassinado em resultado de uma trama dos sírios, seu irmão Simeão — o último dos
irmãos macabeus — assumiu o comando. Sob o governo de Simeão, os últimos vestígios do
domínio selêucida foram removidos (em 141 AEC). Simeão renovou a aliança com Roma e
os líderes judeus o aceitaram como governante e sumo sacerdote. Dessa maneira,
estabeleceu-se nas mãos dos macabeus uma dinastia asmonéia independente.

Os macabeus restabeleceram a adoração no templo antes da vinda do Messias. (Note João


1:41, 42; 2:13-17.) Mas a confiança no sacerdócio, já minada por causa do comportamento
dos sacerdotes helenizados, foi ainda mais abalada sob os asmoneus. Na verdade, o
governo exercido por sacerdotes de mentalidade política, em vez de por um rei da
linhagem do fiel Davi, não trouxe verdadeiras bênçãos para o povo judeu. — 2 Samuel
7:16; Salmo 89:3, 4, 35, 36.
A seita maior e de maior influência nos dias do Novo Testamento era a dos Fariseus. O
seu nome deriva do verbo parash, “separar”. Eram os separatistas ou Puritanos do
Judaísmo que se afastavam de todas as más associações e que procuravam prestar
completa obediência a todos os preceitos da lei oral ou escrita. Esta seita formou-se
pouco depois do tempo dos Macabeus e aí por 135 a .C. estava firmemente estabelecida.

A sua teologia fundamentava-se no cânon completo do Antigo Testamento que


compreendia a lei de Moisés, ou Torah, os Profetas e as Escrituras. Usavam o método
alegórico de interpretação, para poderem dispor de elasticidade bastante na aplicação
dos princípios da lei a novas questões que pudessem ser levantadas. Ligavam muita
importância à lei oral ou tradição que observavam escrupulosamente. Acreditavam na
existência de anjos e de espíritos, na imortalidade da alma e na ressurreição do corpo.
Praticavam a oração e o jejum rituais e entregavam o dízimo meticulosamente (Mt
23:23; 11:42). Eram muito estritos na guarda do sábado, não permitindo sequer a cura
dos crentes, nem a ceifa de trigo para comer na jornada (Mt 12:1, 2). Kohler dá sete
tipos de Fariseus extremistas (1):

1. O Fariseu “ombro”, que fazia ostentação das suas boas obras diante dos homens com
uma insígnia no ombro.

2. O Fariseu “espere-um-pouco”, que pedia a qualquer pessoa que esperasse por ele
enquanto realizava uma boa ação.

3. O Fariseu “cego”, que se feria a si próprio de encontro a uma parede, porque fechava
os olhos para evitar ver uma mulher.

4. O Fariseu “pilão”, que andava com a cabeça pendente para não ver tentações
sedutoras.

5. O Fariseu “eterno-contador”, que andava sempre a contar se as suas boas ações se


equiparavam às suas faltas.

6. O Fariseu “temente-a-Deus”, que, como Jó, era verdadeiramente justo.

7. O Fariseu “amante-de-Deus”, como Abraão.

Posto que muitos dos fariseus fossem tão introspectivamente objetivos na obediência à
lei que muitas vêzes se tornassem ruidosamente homens de justiça própria, havia
muitos outros entre êles que eram verdadeiramente homens virtuosos e bons. Nem
todos êles eram hipócritas. Nicodemos, que procurou Cristo tão zelosamente durante o
Seu ministério terreno, e que, por fim, partilhou com José de Arimatéia à
responsabilidade do sepultamento do corpo de Jesus, era um fariseu. Saulo de Tarso,
que por muito veemente perseguidor da igreja que fosse, confessava que era fariseu e
filho de fariseu (At 23:6) e que “quanto à justiça que há na lei era irrepreensível” (Fl
3:6). Os padrões morais e espirituais do Farisaísmo podem ter tido tendência para a
justiça própria e, consequentemente, para a hipocrisia, mas eram, no entanto, elevados
padrões, em comparação com a média daquele tempo.

De todas as seitas do Judaísmo, só o Farisaísmo sobreviveu. Tornou-se o fundamento


do Judaísmo ortodoxo moderno, que segue o modelo da moralidade, do
cerimonialismo e do legalismo farisaico.

Os Saduceus, segundo a tradição, derivam o seu nome dos filhos de Zadok, que foi
sumo-sacerdote nos dias de Davi e de Salomão. Os filhos de Zadok eram a hierarquia
sacerdotal no tempo de cativeiro (2 de Cr 31:10; Ez 40:46; 44:15; 48:11) e, claramente,
persiste o nome como título do partido sacerdotal nos dias de Cristo. Menos numerosos
do que os Fariseus, tinham poder político e cons

titulam o grupo dominante na direção da vida civil do Judaísmo, sob o domínio dos
Herodes. Como seita judaica, os Saduceus seguiam estritamente a interpretação literal
do Torah, que declaravam ser o único canônico, tendo maior autoridade do que os
Profetas e as Escrituras. Não havia, conseqüentemente, qualquer lugar para a tradição
oral no seu pensamento, ao passo que os Fariseus estudavam a tradição com deleite.
Como racionalistas e anti-supernaturalistas, negavam a existência de anjos e espíritos
(At 23:8) e não acreditavam na imortalidade pessoal. A sua religião era friamente ética
e literal e era muito mais aberta às influências helenísticas do que o Farisaísmo.
Politicamente, os Saduceus eram oportunistas e estavam sempre prontos a aliar-se com
o poder dominante, desde que, por esse meio, pudessem manter o seu prestígio e
influência.

Ao contrário dos Fariseus, não sobreviveram à destruição de Jerusalém. A cessação do


sacerdócio, a que pertenciam muitos sadu¬ceus, e a hostilidade com Roma, que tinha
primeiramente protegido a casta saduceana, terminaram a existência da seita.

Se os fariseus, como um todo, pertenciam à classe média, os saduceus eram


representados pela rica aristocracia e particularmente pelo poderoso
sacerdócio em Jerusalém. Provavelmente a maioria dos saduceus era de
sacerdotes, mas eles não devem ser identificados com todo o corpo do
sacerdócio. Eles contavam em suas fileiras com comerciantes ricos,
funcionários do governo e outros. Em sua origem, então, eles não eram um
partido religioso, embora fosse nisso que eles pretendessem tornar-se; em vez
disso eles eram um grupo de pessoas compartilhando uma posição social
comum e unidos informalmente apenas por uma determinação comum de
manter o regime existente. Na verdade, o Dr T. W Manson afirma que o nome
se origina na palavra grega syndikoi, que na história ateniense significa
aqueles que defendem as leis existentes contra a inovação. Além disso, em
assuntos religiosos eles adotaram a posição de um grupo distintamente
conservador. O Sumo Sacerdote e seu círculo eram membros do partido dos
saduceus quase até 70 d.C, embora alguns anos antes os fariseus, e mais
tarde os zelotes, tivessem obtido controle do Templo. Sua influência havia sido
determinada por sua posição no estado, e quando essa posição foi perdida, a
influência deles cessou.

Como os fariseus, eles acreditavam na supremacia da Torah, mas ao contrário


daqueles, os saduceus se recusavam a reconhecer a autoridade vinculante da
lei oral. Eles tinham, é verdade, tradições e costumes de seus próprios rituais
e leis, mas como a origem desses não datava de Moisés, não eram
considerados no mesmo nível que a Torah. Além disso, eles acreditavam que
principalmente no Templo é que as palavras da Torah podiam ser obedecidas,
e que as ordenanças provenientes dos sacerdotes, investidos em sua própria
autoridade, eram um guia suficiente para as pessoas cumprirem. Com efeito,
ainda apoiando a autoridade da Torah escrita contra a autoridade da tradição
oraL os saduceus consideravam-na pouco mais que uma relíquia do passado.

Se para os fariseus a Torah era o centro de sua fé, para os saduceus era a
circunferência dentro da qual podiam ser nutridas convicções e práticas
estranhas ao judaísmo. Daí a habilidade deles para inserir dentro de seu
sistema muitas influências helenísticas que eram odiosas a seus
companheiros judeus.
O nome Essênio provavelmente deriva de uma palavra aramaica que significa
“santo” ou “piedoso” e corresponde ao hebraico hasid. Relativamente pouco se
sabe sobre os essênios, mas o historiador romano Plínio fala sobre um povo
com esse nome que formava uma comunidade asceta firmemente unida, que
vivia perto da costa ocidental do Mar Morto. Josefo e Philo oferecem
informações adicionais de que havia cerca de quatro mil essênios que, em sua
maior parte, vivia em aldeias, embora alguns deles vivessem em cidades.
Esses últimos eram, sem dúvida, considerados por seus irmãos como
membros associados da comunidade que vivia em regiões desérticas, sob uma
disciplina mais rígida. O nome essênio provavelmente abrange vários grupos
cujas convicções e práticas, embora talvez não fossem idênticas, ainda eram
semelhantes.

O que é significante para o nosso propósito é o fato registrado de que os


essênios dedicavam muito tempo ao estudo e interpretação da Torah e de
outros livros sagrados, com os quais eles tomavam o maior cuidado possível.
Josefo nos fala que eles estudavam intensivamente as Escrituras e indica que
certo número deles era capaz de predizer o futuro através da leitura dos livros
sagrados. Philo se refere ao método deles de estudo em grupo e afirma que um
membro do grupo lia uma passagem em voz alta para os outros e um irmão
mais experiente, então, ia explicando o significado. E óbvio que a Torah escrita
e seu estudo formavam a base da vida comum deles e era a inspiração de seu
movimento. Em sua perspectiva religiosa, eles tinham muito em comum com
os fariseus, mas em alguns aspectos, pelo menos, pareciam ser bem mais
rígidos do que aqueles na interpretação da Torah.

Pouco se sabe desta seita que Josefo descreveu em pormenor no seu livro “Guerras dos
Judeus” (1). A significação do seu nome é incerta, mas há quem pretenda ligá-lo à
palavra grega hosios, que significa “santo”.

Os Essênios, diferentemente dos Fariseus e dos Saduceus, constituíam uma


fraternidade ascética para a qual só podiam entrar aqueles que se submetessem aos
regulamentos do grupo e às cerimônias de iniciações. Abstinham-se do casamento e
mantinham as suas fileiras por adoção ou pela recepção de neófitos. As suas
comunidades mantinham em comum as suas propriedades, de sorte que nenhum era
rico nem era pobre. Cada um se sustentava a si próprio por meio do trabalho manual.
Comiam os alimentos mais simples e vestiam-se habitualmente de branco, quando não
estavam a trabalhar.

Os Essênios eram sábios e restritos em conduta, não dando lugar à ira, nem usando
juramentos. Observavam o sábado com o maior rigor e davam atenção especial à
pureza individual. Qualquer desvio das regras da sua ordem era punido com a expulsão
da comunidade.

Teologicamente, os Essênios eram semelhantes aos Fariseus na sua observância estrita


da lei e no seu supernaturalismo. Ensinavam que a alma do homem é intangível e
imortal, encerrada num corpo perecível. Na morte, o bom passa para uma região de sol
brilhante e frescas brisas, enquanto que os réprobos são relegados para um lugar
escuro e tempestuoso de tormento contínuo.

As tendências ascéticas dos Essênios são comparáveis de muitas maneiras ao


monasticismo que desabrochou na Idade Média. Algumas das suas doutrinas parecem
ter brotado do contato com o pensamento gentílico, pois assemelham-se aos Estóicos
nas suas atitudes. É realmente curioso o fato de não serem mencionados nos
Evangelhos. Alguns escritores aventavam a opinião de que João Batista e Jesus fossem
Essênios, sendo, então, o Cristianismo um desenvolvimento do Essenismo. A despeito
de algumas semelhanças superficiais, o legalismo estrito do Essenismo, em contraste
com a saliência da graça no Cristianismo, torna tal ligação extremamente improvável.

Para haver ligação entre os Essênios e a seita cuja “Disciplina” aparece entre os
Manuscritos do Mar Morto, recentemente descobertos, não temos ainda prova cabal
dessa ligação mas as evidências parecem estar a aumentar (2)

Já observamos anteriormente que Josefo traçou a origem dos zelotes até o ano
6 d.C; mas na realidade suas raízes vão muito além do período pré-romano,
porque eles podem, justificavelmente, ser considerados como verdadeiros
filhos espirituais dos macabeus. O Dr. R. H. feiffer coloca a situação
resumidamente nestas palavras: “Como os fariseus são os herdeiros dos
Hasidim, assim os zelotes são os herdeiros dos Macabeus”.

Eles são descritos por Josefo como bandidos, ladrões e coisa semelhante, mas
bem podem igualmente ser descritos como patriotas, de acordo com o ponto de
vista do escritor; e Josefo era um tanto parcial! Entretanto, é errôneo
considerá-los simplesmente como um grupo político radical dentro do estado,
que provocava conflitos com os romanos. Sem dúvida, os zelotes atraíram para
si muitos do populacho de seus dias com tendência a “gangsters”, mas eles
eram essencialmente uma companhia de patriotas judeus motivados por
profundas convicções religiosas. E interessante notar que Josefo descreve os
sucessivos líderes do movimento dos zelotes pela palavra “sofista”, que bem
pode indicar que dentro do partido havia um programa planejado de ensino
que ia além do interesse meramente político que Josefo insinua.

Na verdade, sabemos que a oposição dos essênios a Roma estava arraigada em


seu zelo para com a Torah. Foi esse zelo e não simplesmente o “amor ao país”
que gerou seu patriotismo e fanatismo, o que fez que passassem a ser temidos
tanto pelos amigos como pelos inimigos. Josefo continua dizendo (Ant., 18.1.6,
seção 23) que eles tinham “uma fixação inviolável pela liberdade”; eles se
recusavam a chamar qualquer homem de “senhor” ou pagar tributo a
qualquer rei, pois Deus era seu único Rei e Senhor; desprezavam a dor e
davam pouca importância à morte; nem sequer o sofrimento de parentes e
amigos os demovia de seu propósito. Por trás de tudo isso estava sua devoção
apaixonada pela Torah, pela qual eles estavam dispostos não apenas a lutar,
mas quando chamados, até mesmo a sacrificar suas vidas.

O Novo Testamento observa a presença de partidos religiosos que eram desconhecidos no Velho
Testamento. A fonte principal de informação é encontrada nas obras de Flávio Josefo. Em dois de
seus livros, As Guerras dos Judeus (II, viii, 1-4) e As Antigüidades dos Judeus (XIII, v. 9), ele
escreve acerca de quatro desses partidos: fariseus, saduceus, zelotes e essênios. Para nossos
propósitos, os herodianos e os zadoqueus devem ser acrescentados. Os samaritanos já foram
mencionados.

1. Fariseus — O grupo maior e mais importante é o chamado os fariseus. A palavra em si significa


"separatistas", tendo sido, provavelmente, aplicada como expressão de escárnio aos oponentes. Eles
fizeram seu primeiro aparecimento definido como um grupo com este nome durante a época de
João Hircano I. Alguns estudiosos dizem que o termo foi pela primeira vez usado quando alguns
judeus piedosos "se separaram" de Judas Macabeu, depois de 165 a.C. É mais provável que eles
foram os sucessores dos "hasidins", que se haviam empenhado em "separar-se" do pecado, e na
"separação" (interpretação) das Escrituras, durante as reformas de Esdras e Neemias.

Seja qual for sua origem, os fariseus foram o resultado final do movimento que teve seus
primórdios com Esdras, intensificado pelos hasidins, sob os sírios e romanos. Eles representam
aquela tendência, no judaísmo, que sempre reagiu contra dominadores estrangeiros, mantendo o
exclusivismo judaico e a lealdade à tradição dos pais. Pouco se interessavam no poder político, mas
se tornaram os mentores políticos de Israel. Eles tinham maior controle sobre o povo do que os
saduceus, que eram mais abastados e politicamente poderosos. Controlavam a sinagoga, e só eles
sobreviveram à Guerra Judaico-Romana de 66-70.

Devido à sua profunda reverência para com os ideais nacionais e religiosos judaicos, e devoção aos
mesmos, os fariseus se opuseram à introdução das idéias gregas, e não deixou de ser natural que se
tornassem o partido reacionário. Para eles, as coisas velhas eram as únicas coisas boas. Num desejo
sincero de tornar a lei praticável dentro do mundo greco-romano em mudança, os fariseus aderiram
ao sistema da tradição dos pais. Começando com as Escrituras, eram feitas interpretações para se
ajustar uma situação existente ou combater um erro em teologia. Nas tentativas de responder a
problemas levantados por religiões intrusas, muitas idéias dormentes no Velho Testamento foram
desenvolvidas e aumentadas. Entre essas doutrinas desenvolvidas durante esses 400 anos estão a
ressurreição dos mortos, os demônios, os anjos e a esperança messiânica.

Para o fariseu, a tradição oral suplantou a lei. Este era o principal ponto em que divergiam dos
saduceus, que não viam nenhuma necessidade de alterar-se a lei. Os fariseus diziam que as finas
distinções das tradições orais eram para facilitar o cumprimento da lei sob novas condições e tornar
virtualmente impossível pecar-se. Eles também colocavam uma forte ênfase sobre a providência
divina nos assuntos do homem.

2. Saduceus — Embora a origem da seita esteja perdida na obscuridade, o nome pode ter-se
derivado de um certo Zadoque, que sucedeu Abiatar como sumo sacerdote durante os dias de
Salomão. Pode ter vindo da palavra hebraica "zoddikim", que significa "os justos". Os saduceus
gabavam-se de sua fidelidade à letra da lei mosaica, em contradistinção à tradição oral. Este era o
partido da aristocracia e dos sacerdotes abastados. Eles controlavam o sinédrio e qualquer resquício
de poder político que restava. Eram os colaboracionistas, a tendência que favorecia o poder
estrangeiro e que se alinhava com ele pelo poder. Também controlavam o templo. O sumo
sacerdote era sempre o líder deste grupo. Era um grupo fechado e não procurava prosélitos, como
o faziam os fariseus.

Teologicamente conservadores (diziam),limitavam o cânon à Torah ou Pentateuco. Rejeitavam as


doutrinas da ressurreição, demônios, anjos, espíritos, e advogavam a vontade livre, em lugar da
providência divina. Este grupo não sobreviveu à Guerra Judaico-Romana de 66-70.

3. Zelotes — Os zelotes representavam o desenvolvimento na extrema esquerda entre os fariseus.


Estavam interessados na independência da nação e sua autonomia, ao ponto de negligenciarem toda
outra preocupação. Segundo Josefo, o fundador foi Judas de Gamala, que iniciou a revolta sobre o
censo da taxação, em 6 d.C. Seu alvo era sacudir o jugo romano e anunciar o reino messiânico. Eles
precipitaram a revolta em 66 d.C, que levou à destruição de Jerusalém em 70. Simão, o zelote, foi
um dos apóstolos.

4. Essênios — Estes representavam o desenvolvimento na extrema direita entre os fariseus. Eram


uma ordem distinta, na sociedade judaica, mais que uma seita dentro dela. Sendo o elemento mais
conservador dos fariseus, eles enfatizavam a observação minuciosa da lei. Formavam uma
comunidade ascética ao redor do Mar Morto, e viviam uma vida rigidamente devota. Eram a
sobrevivência dos hasidins mais estritos, influenciados pela filosofia grega. A partir dos documentos
de Qumram, parece que eles aguardavam um messias que iria combinar as linhagens real e
sacerdotal, numa estrutura escatológica. Este grupo não é mencionado em o Novo Testamento.

5. Herodianos — Os saduceus da extrema esquerda eram conhecidos como os herodianos.


Tirando o nome da família de Herodes, eles baseavam suas esperanças nacionais nessa família e
olhavam para ela com respeito ao cumprimento das profecias acerca do Messias. Eles surgiram em
6 d.C, quando Arquelau, filho de Herodes, o Grande, foi deposto, e Augusto César enviou um
procurador, Copônico. Os judeus que favoreciam a dinastia herodiana eram chamados
"herodianos". Este grupo é mencionado em Mateus 22:16 e Marcos 3:6; 12:13.

6. Zadoqueus — Na extrema direita dos saduceus estava o grupo conhecido como os zadoqueus.
Embora não mencionados em o Novo Testamento, este grupo é importante, porque mostra outra
tendência entre os saduceus, talvez dando uma chave quanto à sua origem. Em 1896, um fragmento
de um documento foi encontrado numa sinagoga no Cairo. Publicado em 1910, com o título
Fragmentos de uma Obra Zadoquita, este termo entrou em todas as discussões acerca do judaísmo
sectário. A descoberta de outros documentos na comunidade de Qumram, do Mar Morto, sugere
alguma relação entre os zadoqueus, os essênios e a comunidade de Qumram. Um movimento de
reforma foi iniciado entre os sacerdotes (filhos de Zadoque), entre os saduceus, durante o início do
segundo século a.C. Quando a reforma fracassou, eles foram para Damasco e estabeleceram uma
comunidade sob um novo conjunto de regulamentos, denominado "o novo concerto". Alguns
posteriormente voltaram como missionários para sua terra natal e depararam com amarga oposição
por parte dos fariseus e saduceus. Alguns, então, encontraram seu caminho em direção às
comunidades ao redor do Mar Morto. Eram missionários fervorosos, em busca de um mestre de
justiça que chamasse Israel de volta ao arrependimento e apareceria no advento do Messias. Eles
aceitavam toda palavra escrita, mas rejeitavam a tradição oral. Eram muito abnegados na vida
pessoal e leais aos regulamentos da pureza levítica. Deram grande ênfase à necessidade de
arrependimento.

Depois de Malaquias, não houve profeta até João Batista. Apareceu primeiro no deserto
da
Judéia. Não era um deserto desabitado, senão parte do país, não densamente povoado
nem muito
isolado. Nenhum lugar é tão remoto como para excluir-nos das visitações da graça
divina.
Pregava a doutrina do arrependimento: "Arrependei-vos". A palavra aqui usada implica
uma
mudança total de modo de pensar: uma mudança de juízo, da disposição e dos afetos,
uma
inclinação diferente e melhor da alma. Considerem seus caminhos, mudem seus
pensamentos:
pensaram errado; comecem de novo e pensem certo. Os penitentes verdadeiros têm
pensamentos
de Deus e de Cristo, do pecado e da santidade, deste mundo e do outro, diferentes dos
que tinham.
A mudança do pensamento produz uma mudança de caminho. Este é o arrependimento
do
evangelho, o qual se produz ao ver a Cristo, ao captar seu amor, e da esperança de
perdão por
meio dEle. É um grande estímulo para que nós nos arrependamos; arrependam-se,
porque seus
pecados serão perdoados se vocês se arrependem. Voltem-se a Deus pelo caminho do
dever, e Ele,
por meio de Cristo, se voltará a vocês pelo caminho da misericórdia. Agora é tão
necessário que nos
arrependamos e nos humilhemos para preparar o caminho do Senhor como o era
então. Há muito
que fazer para abrir caminho para Cristo numa alma, e nada mais necessário que o
descobrimento
do pecado, e a convicção de que não podemos ser salvos por nossa própria justiça. O
caminho do
pecado e de Satanás é um caminho retorcido, mas para preparar um caminho para
Cristo é
necessário endireitar as veredas (Hebreus 12.13).
Os que têm por atividade chamar os outros a lamentar o pecado e a mortificá-lo, devem
levar
uma vida séria, uma vida de abnegação e desprezo do mundo. Dando aos outros este
exemplo, João
preparou o caminho para Cristo.
Muitos foram ao batismo de João, mas poucos mantiveram a profissão que fizeram.
Talvez haja
muitos ouvintes interessados, mas poucos crentes verdadeiros. A curiosidade e o amor
pela
novidade e variedade podem levar a muitos a ouvir uma boa pregação, sendo afetados
momentaneamente muitos que nunca se submetem a sua autoridade. Os que
receberam a doutrina
de João testemunharam seu arrependimento confessando seus pecados. Estão prontos
para receber
a Jesus Cristo como sua Jz somente os que são levados com tristeza e vergonha a
reconhecer sua
culpa. Os benefícios do reino dos céus, agora já muito perto, foram selados pelo
batismo. João os
purificou com água, em sinal de que Deus os limparia de todas suas iniqüidades, dando
a entender
com isto que, por natureza e costume, todos estavam contaminados e não podiam ser
recebidos no
povo de Deus a menos que fossem lavados de seus pecados no manancial que Cristo
abriria
(Zacarias 13.1).
Versículos 7-12
Dar aplicação para as almas dos ouvintes é a vida da pregação; assim foi a de João. Os
fariseus
davam ênfase principal às observâncias externas, descuidando os assuntos de mais
peso da lei
moral, e o significado espiritual de suas cerimônias legais. Outros eram hipócritas
detestáveis que
faziam, com suas pretensões de santidade, um manto para a iniqüidade. Os saduceus
estavam no 5
extremo oposto, negando a existência dos espíritos e o estado futuro. Eles eram os
infiéis
zombadores daquela época e daquele país.
Existe uma grande ira vindoura. O grande intO grande interesse de cada um é fugir da
ira. Deus, que não se
deleita em nossa ruína, já nos tem advertido; adverte pela palavra escrita, pelos
ministros, pela
consciência. Não são dignos do nome de penitentes, nem de seus privilégios, os que
dizem lamentar
seus pecados, porém continuam neles. Convém aos penitentes ser humildes e baixos a
seus
próprios olhos, agradecer a mínima misericórdia, ser pacientes nas grandes aflições,
estar alerta
contra toda aparência de mal, abundar em todo dever, e ser caridosos ao julgar o
próximo.
Aqui há uma palavra de cautela, não confiar nos privilégios externos. Existem muitos
cujos
corações carnais são dados a seguir o que eles mesmos dizem dentro de si, e deixar de
lado o poder
da palavra de Deus que convence do pecado, e sua autoridade. Existem multidões que
não chegam
ao céu por descansar nas honras e nas simples vantagens de serem membros de uma
igreja
externa.
Eis aqui uma palavra de terror para o negligente e confiado. Nossos corações corruptos
não
podem dar bons frutos a menos que o Espírito regenerador de Cristo implante a boa
palavra de
Deus neles. Contudo, toda árvore que tenha muitos dons e honras, por verde que
pareça em sua
profissão e desempenho externo, se não der bom fruto, frutos dignos de
arrependimento, é cortada
e lançada no fogo da ira de Deus, o lugar mais apto para as árvores estéreis; para que
outra coisa
servem? Se não dão fruto, são boas como combustível.
João mostra o propósito e a intenção da aparição de Cristo; a qual eles agora esperavam
com
prontidão. Não existem formas externas que possam limpar-nos. Nenhuma ordenança,
seja quem
for que a ministre, ou não importa a modalidade, pode suprir a necessidade do batismo
do Espírito
Santo e do fogo. Somente o poder purificador e limpador do Espírito Santo pode
produzir a pureza
de coração, e os santos afetos que acompanham a salvação. Cristo é quem batiza com o
Espírito
Santo. Isso fez com os extraordinários dons do Espírito enviados aos apóstolos (Atos
2.4). Isto faz
com as graças e consolações do Espírito, entregues aos que as pedem (Lucas 11.13; João
7.38-39;
Atos 11.16).
Observe-se aqui a igreja externa na era de Cristo (Isaias 21.10). Os crentes verdadeiros
são o
trigo, substanciais, úteis e valiosos; os hipócritas são palha, ligeiros e vazios, inúteis,
sem valor,
levados por qualquer vento; estão misturados, bom e mau, na mesma comunhão
externa. Vem o
dia em que serão separados a palha do trigo. O juízo final será o dia que faça a
diferença, quando os
santos e os pecadores sejam separados para sempre. No céu os santos são reunidos, e
não mais
espalhados; estão a salvo e não mais expostos; separados do próximo corrompido por
fora e com
afetos corruptos por dentro, e não há palha entre eles. O inferno é o fogo inextinguível
que
certamente será a porção e o castigo dos hipócritas e incrédulos. Aqui a vida e a morte,
o bem e o
mal, são colocados ante nós: segundo somos agora no campo, seremos então na eira.
Versículos 13-17
As condescendências da graça de Cristo são tão assombrosas que ainda os crentes mais
firmes
podem apenas acreditar nelas no princípio; tão profundas e misteriosas que ainda os
que conhecem
bem sua mente estão prontos a oferecer objeções contra a vontade de Cristo. Os que
têm muito do
Espírito de Deus, enquanto estão aqui vêem que necessitam pedir mais de Cristo. Não
nega que
João tinha necessidade de ser batizado por Ele, porém declara que deve ser batizado
por João.
Cristo está agora em estado de humilhação. Nosso Senhor Jesus considerou
conveniente, para
cumprir toda justiça, apropriar-se de cada instituição divina, e mostrar sua disposição
para cumprir
com todos os preceitos justos de Deus.
Em Cristo e por meio dEle, os céus estão abertos para os filhos dos homens. Esta
descida do
Espírito sobre Cristo demonstra que estava dotado sem medida com seus poderes
sagrados. O fruto
do Espírito Santo é amor, gozo, paz, paciência, benignidade, bondade, fé, mansidão e
temperança.
No batismo de Cristo houve uma manifestação das três Pessoas da Santa Trindade. O
Pai
confirmando o Filho como Mediador; o Filho que solenemente se encarrega da obra; o
Espírito Santo
que desce sobre Ele para ser comunicado ao povo por seu intermédio. NEle são
aceitáveis nossos
sacrifícios espirituais, porque Ele é o altar que santifica todo dom (1 Pedro 2.5). Fora de
Cristo, Deus
é fogo consumidor; em Cristo, um Pai reconciliado. Este é o resumo do evangelho, o
qual devemos
abraçar jubilosamente pela fé.

Fonte:
Josefo, Guerras dos Judeus, II, viii, 2-13.
A. Dupont-Sommer, Observations sur le Manuel de Discipline etc. (Paris, 1951), Wm.
H. Brownlee, “The Historical Allusions of the Dead Sea Habakkuk Midrash”, Bulletin
of the Society of Oriental Research CXXVI (Abril, 1952, 10-12, e Ralph Marcus, “Philo,
Josephus, and the Dead Sea Yahad”, Journal of Biblical Literature LXXI (1952), 207-
209.
Comentário
Bíblico de
Matthew Henry
Novo Testamento
Between the Testaments: From Malachi to Matthew, de Richard Neitzel
Holzapfel.