Вы находитесь на странице: 1из 19

Ana kelly Martinez

Comunicar não é um processo natural, nos aprendemos e toda


comunicação envolve a criação e a troca de signos e códigos que
possuem seus significados. Observar e entender este processo
pode nos conduzir a uma consciência do que estamos fazendo
quando nos comunicamos.

ORALIZAÇÃO - CULTURA - SENTIMENTO


55% linguagem
7% pelas palavras.
corporal.

38% variações vocais


e de fala.
 Naturalidade.
 Voz.
 Vocabulário.
 Expressão corporal.
 Aparência também fala.
COMUNICAÇÃO
MODERNA
É a arte de falar em público, têm dados históricos que
datam o século V a . C, têm origem na Grécia, nas
cidades-estados. Sendo a sede do maior centro de
estudo da Oratória.

Eloqüência: refere-se a sua fala na dimensão prática.


Capacidade de falar e de se exprimir com facilidade.

Retórica: "No sentido original, a retórica inclui qualquer


discurso ou texto escrito eficaz. Modernamente, a
retórica implica uma tentativa de persuadir por meio
de palavras, faladas ou escritas." (WEISS, 1991, p. 28).
1. Escolha do assunto.

2. Determinar objetivos.
3. Conhecer o ouvinte.

4. Local e circunstâncias.
 Tema atual.

 Assunto de seu conhecimento.


 Nova roupagem para velhos assuntos.

 Assunto pertinente a circunstância.

 Tempo para pesquisa e apresentação.


 Ângulo do assunto que a platéia ainda não conhece.
 Informar.

 Persuadir e Motivar.

 Entreter.

 Promover-se.
A) Como a platéia escuta o orador?

1.Dificuldade de concentração.

2. Audição seletiva.

3.Prejulgamento e distorções.

4.Qualidade da mensagem.

B)Quais motivos que levaram o ouvinte até você?

C) Quanto o ouvinte sabe do assunto?


D)Quanto gostaria de saber?
E)Sua motivação de vida?

F)Tem espírito de participação?

G)Quais as características do público


quanto:

1. Sexo.
2. Idade.
3. Nível sócio-cultural .
4. Raça.
 Tamanho e local do auditório.
 Recursos disponíveis.
 Apoio da apresentação.
 Acontecimentos que antecedem a apresentação.
 Voz mais grave.

 Com a idade a freqüência torna-se mais aguda.

 Uso excessivo de freqüência grave.

 Inflexões nos finais de frases são geralmente para


baixo - imagem de autoridade.

 Pouca modulação vocal.


 Articulação travada.

 Alteração do aparato fonador mais


acentuada.

 Pouco mímica facial.

 Níveis de intensidade elevada,


sem variações.

 Ressonância baixa.
 Voz mais aguda na fase adulta.

 Com a idade a freqüência torna-se mais grave.

 Inflexões nos finais de frases são geralmente para cima o


que as difere dos homens – imagem de fragilidade.

 Os diferentes papeis sociais exige papeis vocais diferentes.

 Modulação as vezes excessiva.


 Mulheres que ocupam cargos de chefia possuem
ajustes mais graves e diminuição da modulação.
 Inicia a fala com emissão brusca (ataque vocal
brusco).
 Articulação mais ampla.
 Mais mímica facial.
 Fala fraco demais.
 Mais observadora do contexto comunicacional.
Contato:
9980-1311
www.falarte.com.br
anakelly@falarte.com.br