Вы находитесь на странице: 1из 56

ÍNDICE

CAPÍTULO 01������������������������������������������������������������������������������������ 2
A Redação em Concurso Público���������������������������������������������������������������������������� 2
Ausência de Prática ���������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Palavras-chave em Concurso Público - Coesão, Progressão e Coerência��������������� 2
Coesão - o Que É?������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Progressão - como Realizar?��������������������������������������������������������������������������������������������3
Dissertação - Como Assim?����������������������������������������������������������������������������������������������4
Estrutura do Texto Dissertativo������������������������������������������������������������������������������ 4
Sentença Declarativa��������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Interrogação���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Relação Adversativa���������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Referência Histórica���������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Palavra - chave�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Relação Causal - consecutiva��������������������������������������������������������������������������������������������5
Causa e Consequência������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Enumeração de Fatos�������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Alusão Histórica����������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
O Parágrafo Dissertativo���������������������������������������������������������������������������������������������������6
O Tópico Frasal - Um Conceito Importantíssimo��������������������������������������������������������������6
A Justa Medida do Parágrafo��������������������������������������������������������������������������������������������7
REDAÇÃO

Entendendo a Temática����������������������������������������������������������������������������������������������������7
Conclusão do Texto����������������������������������������������������������������������������������������������������������7
O Texto Narrativo���������������������������������������������������������������������������������������������������� 7
Operadores do Texto Narrativo����������������������������������������������������������������������������������������8
A Carta Argumentativa������������������������������������������������������������������������������������������� 9
O Texto Descritivo����������������������������������������������������������������������������������������������������������12

1
CAPÍTULO 01 Por Anáfora: a mais simples. Consiste em fazer
remissão a um termo ou ideia citada anteriormente
no texto. Os pronomes desempenham muito bem essa
A Redação em Concurso Público função.
Vamos começar nosso trabalho acabando com Por Catáfora: um recurso interessante. Consiste
alguns mitos que circundam a redação. Seja no em apontar para algo que será dito posteriormente no
concurso público, seja no vestibular, sempre há alguém texto. Também há pronomes próprios para isso (os de-
dizendo que possui dificuldades com a escrita. monstrativos “este”, “esta” e “isto”, por exemplo).
Por Exófora: o mais arriscado. Consiste em fazer
Ausência de Prática menção a algo que não está no texto, pressupondo que
Esse é o principal motivo para o desconforto em o leitor/corretor partilhe do conhecimento em questão.
relação à produção de textos. Não é preciso ser talen- Algumas Dicas para Estabelecer
toso ou um grande literato para se redigir um texto
digno de boa pontuação. Como qualquer outra coisa na Coesão Remissiva
vida, a escrita é uma simples soma de estudo e esforço. →→ Pronomes
Quero dizer que o bom escritor (para o mundo dos Uma vez que eles estão aí, use-os. Com esses
concursos) não é o mais criativo, nem o que detém o termos, você consegue escapar da horrenda repetição
melhor vocabulário, mas sim o que mais pratica a orde- de palavras e expressões. Ficou difícil conectar senten-
nação das ideias no papel. ças? Coloque um pronome que tudo se resolve. Vamos
Há quem negligencie a importância da redação na ver alguns exemplos.
Redação

prova de concurso público. Deve-se entender a prova


de redação, não como um aliado, um instrumento a »» Ex.:A situação do pobre e do rico é bem diferen-
mais para se conseguir o cargo desejado! Entenda que te. Tem o pobre lutando para sobreviver e tem
a redação pode ser o fator decisivo para a aprovação, o rico que luta para não se matar por não ter
portanto é preciso ter confiança e trabalhar o texto! nada o que fazer. (Feio demais, não acha?).
Bem, chega de enrolação e vamos direto aos ˃˃ Reescrevendo:
assuntos a serem trabalhados. Vamos estudar os ele- »» Ex.: O pobre e o rico possuem situações de vida
mentos necessários para o estabelecimento de coesão bem diferentes: enquanto aquele luta para so-
e coerência, bem como os operadores (elementos breviver, este luta para não se matar em virtude
estruturais necessários) do texto dissertativo. Nosso do ócio.
programa também irá abranger os princípios da ar- Tudo bem, você pode falar que houve uma
gumentação e compreensão das propostas. Há muito “floreada” no texto. Na verdade, apenas arrumamos
trabalho pela frente, porém o resultado será palpável! a ordem das palavras, usamos termos que definiam
Palavras-chave em Concurso melhor o que devia ser dito e empregamos pronomes
demonstrativos para arrumar a relação de coesão.
Público - Coesão, »» Ex.: A violência já se tornou uma característica
Progressão e Coerência da sociedade contemporânea. A violência in-
fluencia o comportamento das pessoas.
Coesão - o Que É? ˃˃ Reescrevendo:
Basicamente, a coesão diz respeito aos elementos »» Ex.: A violência já se tornou uma característica
2

de amarração de um texto. Quero dizer que há uma da sociedade contemporânea. Isso influencia o
necessidade muito grande de se conectar aquilo que comportamento das pessoas.
escrevemos. Para isso, os elementos de coesão são
imprescindíveis. Eu vou mostrar um exemplo de texto Você pode ter achado muito simples. Definitiva-
que não está coeso e um exemplo de texto coeso. mente é! Porém, nem todos os concursandos conse-
»» Ex.: 1 - O ser humano está no planeta há guem lembrar isso na hora de entregar a versão defi-
milênios e não aprende a cuidar do planeta. O nitiva da redação. O melhor que você pode fazer, em
problema do ser humano é que é muito am- suas horas vagas (se houver), é tentar criar pequenas
bicioso, só quer ficar rico e não pensa que o tabelas com pronomes e suas utilizações.
planeta pode sofrer com a ambição dele. →→ Sinônimos / perífrases:
»» Ex.: 2 - Parece que o ser humano não aprendeu a Esse é o recurso para o concursando esperto.
cuidar do planeta, mesmo estando nele há muito Quando estiver difícil parar de repetir um termo, use
tempo. A ambição do homem, que o dirige à um sinônimo, ou uma expressão que possa retomá-
busca de sempre maior satisfação pessoal, pode -lo. Vale estudar, para compreender melhor a dica, a
trazer prejuízos ao ambiente em que vive.
relação entre hiperônimos e hipônimos.
É claro que você percebeu a elegância da reescritu-
ra do exemplo 1. O texto ficou mais fluido para a leitura, »» Ex.: Osama Bin Laden foi capturado e acusado
mais agradável e, evidentemente, mais compreensível. de inúmeros crimes. Tem-se certeza de que o
Isso ocorreu porque foram utilizados os mecanismos terrorista líder da Al-Qaeda foi o responsável
de coesão para “amarrar” o que estava sendo escrito. pela maioria dos eventos transgressores.
Assim ficou fácil para ler e compreender o que se estava →→ Verbos vicários:
transmitindo. São os verbos que retomam um segmento sem
Justamente por se tratar de um assunto “pedrego- repeti-lo. O concursando mais escolado em Português
so” e não muito evidente para a maioria dos concur- sabe como o utilizar.
sandos, resolvi começar o conteúdo pelo tópico de »» Ex.: O governo brasileiro precisa providenciar
COESÃO. Há, basicamente, três maneiras de se estabe- uma reforma da previdência, só não providen-
lecer conexão entre as ideias de um texto: cia essa reforma porque é muito trabalhoso.
˃˃ Reescrevendo: ˃˃ “Só Deus pode tirar a vida de alguém”.
»» Ex.: O governo brasileiro precisa providen- ˃˃ É um retrocesso na evolução do homem.
ciar uma reforma da previdência, só não o faz ˃˃ Não há sistema judicial preparado o suficiente
porque é muito trabalhoso. para não cometer erros.
Você teve uma ideia básica de como se pode esta- ˃˃ O Estado não pode ser um assassino.
belecer coesão no texto. Agora precisa treinar.
˃˃ O processo de aplicação da pena seria muito
Progressão - como Realizar? moroso e burocrático.
Bem, o assunto de progressão textual não é muito →→ Ordem sugerida: Crescente (+ fraco para + forte)
abordado, porque grande parte dos professores acha ˃˃ O processo de aplicação da pena seria muito
que é difícil fazer com que o aluno compreenda a moroso e burocrático.
ideia de progressão dos argumentos de um texto. Na ˃˃ Não há sistema judicial preparado o suficiente
verdade, a maneira como um texto está encadeado para não cometer erros.
permite compreender qual foi a estratégia de progres-
são utilizada pelo autor. Vamos demonstrar isso com ˃˃ A Constituição Federal não permite.
um exemplo. ˃˃ Viola a Declaração dos Direitos Humanos.
Imagine que, ao ler o tema da redação, você veja a →→ Ordem sugerida: Decrescente (+ forte para + fraco)
seguinte temática. ˃˃ O processo de aplicação da pena seria muito
˃˃ Pena de morte no Brasil: uma solução ou apenas moroso e burocrático.
mais um problema administrativo

Redação
˃˃ Não há sistema judicial preparado o suficiente
O assunto é batido, porém muito simples de traba- para não cometer erros.
lhar. Em primeiro lugar, o texto vai pedir que você se ˃˃ A Constituição Federal não permite.
posicione em relação ao tema, portanto não se pode ˃˃ Viola a Declaração dos Direitos Humanos.
ficar “em cima do muro”, pois isso faz com que você
perca nota. Não se esqueça de que estamos trabalhan- Como você conseguiu perceber, retiramos as
do com um tema polêmico e, por mais que você queria ideias que ficariam “voando” ao longo do texto. Seria
libertar o “espírito assassino” e “soltar o pavor” por muito difícil ligar esses argumentos no corpo do texto;
sobre o réprobos da sociedade, isso vai de encontro à deixe-os, portanto, de lado. Com aquilo que sobrou,
noção de “politicamente correto”. É mais seguro fazer preencha o seu texto encadeando os argumentos do
um texto simples do que apostar em ser “espertão” e mais forte para o mais fraco (escala decrescente), ou do
buscar uma inovação que só trará problemas. mais fraco para o mais forte (escala crescente). Assim, o
texto progride e fica claro!
Em segundo lugar, pegue uma folha de rascunho
e escreva todos os argumentos que você considera Alguns elementos (palavras/expressões-chave) que
como cabíveis para a construção de seu texto. Assim , você pode utilizar para dar progressão e conectar o seu
é possível à seleção daquilo que fará o texto progredir. texto:
Vamos construir o raciocínio: Para Começar o Desenvolvimento
→→ Minha posição: ˃˃ Inicialmente.
˃˃ A pena de morte é um problema! ˃˃ Primeiramente.
→→ Meus argumentos: ˃˃ Em primeiro lugar.

3
˃˃ Viola a Declaração dos Direitos Humanos; ˃˃ A priori.
˃˃ A Constituição Federal não permite; ˃˃ Primariamente.
˃˃ “Só Deus pode tirar a vida de alguém”; ˃˃ Em primeira análise.
˃˃ Em primeiro plano.
˃˃ É um retrocesso na evolução do homem;
˃˃ Antes de tudo.
˃˃ Não há sistema judicial preparado o suficiente
para não cometer erros; ˃˃ Desde já.
˃˃ O Estado não pode ser um assassino; Para Amarrar o Parágrafo.
˃˃ O processo de aplicação da pena seria muito ˃˃ Sequencialmente.
moroso e burocrático. ˃˃ Posteriormente.
Há muitas ideias, mas nem todas estão em conexão. ˃˃ Em segundo lugar.
Ou seja, utilizar todos esses argumentos seria a chave ˃˃ A posteriori.
para sua nota ficar baixa. A questão é simples: não ˃˃ Acresce que.
haveria tempo (linhas) para aprofundar todos esses ˃˃ Em segunda análise.
conhecimentos, portanto o seu texto ficaria raso, além ˃˃ Em segundo plano.
do fato de ser quase impossível encadear todos esses ˃˃ Do mesmo modo.
argumentos em apenas uma linha de raciocínio. Em ˃˃ Ainda por cima.
virtude disso, é necessário escolher os argumentos que
serão utilizados. Para tanto, basta ver quais possuem Para Finalizar o Texto
algum tipo de relação, depois escolher a ordem que ˃˃ Finalmente.
será empregada no texto. Vejamos: ˃˃ Em conclusão.
→→ Meus argumentos ˃˃ Assim.
˃˃ Viola a Declaração dos Direitos Humanos. ˃˃ Então.
˃˃ A Constituição Federal não permite. ˃˃ Portanto.
˃˃ Afinal. Pesquisadores da UFSC fizeram testes para saber
˃˃ Logo. quanto há de componentes do extrato EGb 761 nessas
cápsulas e nas folhas da planta. Conclusão: para obter
˃˃ Em suma. a mesma quantidade de um único comprimido de 120
Use as ferramentas acima para garantir a progres- mg, seriam necessárias 20 cápsulas de 200 mg de pó
são do seu texto. moído. Quanto ao chá, a eficácia depende da qualida-
→→ Coerência de da matéria-prima. “Mas seria preciso ingerir grande
Em poucas palavras: coerência é fazer sentido. É o quantidade, já que os teores das substâncias ativas no
texto ter noção! Veja bem, se alguém disser eu digo que chá caseiro são baixos”, afirma a autora do trabalho e
estava nevando nas praias paulistas, será bem incoe- pesquisadora da UFSC. Segundo ela, a proporção ideal
rente, porque nevar na praia, em condições normais, só é obtida com os extratos secos padronizados.
é literalmente impossível. No caso do concurso público, Internet: www.saude.abril.com.br (com adaptações)
a incoerência fica a cargo de se utilizar um argumen- »» Ex.: Texto argumentativo (CESPE):
to que contradiga suas ideias principais subjacentes ao O voto, direito duramente conquistado, deve ser
texto. Ou seja, “desdizer o que você estava dizendo”. considerado um dever cívico, sem o exercício do qual o
Entre outros aspectos, avalia-se a coerência segundo direito se descaracteriza ou se perde, afinal liberdade e
estes elementos: democracia são fins e não apenas meios. Quem vive em
a) Adequação ao tema. uma comunidade política não pode estar desobrigado
de opinar sobre os rumos dela. Nada contra a desobe-
b) Pertinência do argumento. diência civil, recurso legítimo para o protesto cidadão,
Redação

c) Aprofundamento do texto. que, no caso eleitoral, se pode expressar no voto nulo


d) Não-contradição. (cuja tecla deveria constar na máquina utilizada para
votação). Com o voto facultativo, o direito de votar e
e) Fuga do senso-comum. o de não votar ficam inscritos, em pé de igualdade, no
corpo legal. Uma parte do eleitorado deixará voluntaria-
Dissertação - Como Assim? mente de opinar sobre a constituição do poder político.
O conceito de dissertação é simples: informar algo O desinteresse pela política e a descrença no voto
ou opinar sobre algo. Na verdade, quando alguém são registrados como mera “escolha”, sequer como
disserta sobre um assunto, busca expor conceitos ou desobediência civil ou protesto. A consagração da alie-
argumentos com base em alguma fundamentação, isso nação política como um direito legal interessa aos con-
quer dizer que é possível defender ou atacar pontos servadores, reduz o peso da soberania popular e des-
de vista sobre algum assunto. Essa é apenas uma das constitui o sufrágio como universal.
possibilidades da dissertação, dentre as várias facetas Para o cidadão ativo, que, além de votar, se organiza
que esse tipo de texto (extremamente cobrado em para garantir os direitos civis, políticos e sociais, o enfoque
é inteiramente outro. O tempo e o trabalho dedicados ao
concurso público) oferta a quem deseja escrever. acompanhamento continuado da política não se apresen-
Seria descabido contar uma história ou fazer um tam como restritivos da liberdade individual. Pelo contrá-
relato se a proposta pede um texto que exige um “po- rio, são obrigações auto-assumidas no esforço de cons-
sicionamento”, ou seja, um texto dissertativo. Aliás, não trução e aprofundamento da democracia e de vigília na
é interesse do corretor saber se o candidato é “criativo”, defesa das liberdades individuais e públicas.
mas sim saber se ele (candidato) tem condições de ar- A ideia de que a democracia se constrói nas lutas
4

ticular ideias em uma sequência lógica. Não há estra- do dia a dia se contrapõe, na essência, ao modelo
liberal. O cidadão escolado na disputa política sabe
tégias milagrosas para escrever uma dissertação, basta que a liberdade de não ir votar é uma armadilha. Para
compreender a estrutura e exercitar. Abaixo, eis algumas que o sufrágio continue universal, para que todo poder
especificações acerca dos tipos de dissertação. emane do povo e não, dos donos do poder econômico,
Tipos de Texto Dissertativo o voto, além de ser um direito, deve conservar a sua
condição de dever cívico.
˃˃ Expositivo.
Léo Lince. Em defesa do voto obrigatório. Internet: www.correioci-
˃˃ Argumentativo. dadania.com.br (com adaptações)
˃˃ Misto.
→→ O texto Expositivo Estrutura do Texto Dissertativo
˃˃ Conceitual. • Introdução (tema + argumentos).
˃˃ Informacional. • Desenvolvimento (defesa dos argumentos).
˃˃ Aspectos descritivos. • Conclusão (aquilo que se entende a partir
dos argumentos).
˃˃ Não exige posicionamento.
→→ Introdução
»» Ex.: Texto expositivo (CESPE): ˃˃ Chance de a redação sair boa.
Nas farmácias brasileiras, os comprimidos de ˃˃ Estrutura.
extrato de ginkgo vendidos só com receita médica
»» Tema (linhas inicias).
competem com cápsulas de pó moído e folhas, em em-
balagens expostas nas prateleiras ao alcance do consu- »» Argumentos (apresentando a estratégia).
midor. Muita gente relata efeitos benéficos advindos »» Prévia da conclusão.
dessas fórmulas alternativas. Mas seriam elas tão ˃˃ Proibições:
eficazes quanto os comprimidos vendidos com receita? »» Iniciar com a mesma sentença do tema.
A resposta é não. »» Iniciar com pronome demonstrativo.
»» Fazer um “enrolation” para adentrar o tema. entenda o seguinte: seu desenvolvimento está intima-
»» Iniciar com a palavra “atualmente”. mente atrelado à sua introdução, pois, quando se parte
O grande problema dos concursandos é iniciar o das sentenças introdutórias, encaminhar o desenvolvi-
texto. Portanto, seguem algumas dicas aqui de como mento fica muito mais fácil. Vamos abordar as estraté-
introduzir sua prova descritiva. Vamos utilizar um tema gias em questão!
simples para introduzir todos os textos: sistema prisio-
nal brasileiro. Vamos lá! Causa e Consequência
Na presente estratégia, a ideia central é selecionar a
Sentença Declarativa temática pensando nos argumentos a serem desenvolvi-
Trata-se de utilizar uma afirmação para introduzir o dos. A partir disso, começa-se a identificar as causas do
texto. A partir da informação, desenvolvem-se as con- termo em questão, para que, ao longo dos parágrafos,
siderações. sejam identificadas as consequências provenientes das
»» Ex.: Não há como negar que o sistema prisional informações iniciais. Isso tudo parece muito abstrato,
brasileiro precisa de uma séria revisão estrutural. por isso, vamos tentar simplificar com exemplos.
Para o exemplo em questão, vamos partir da intro-
Interrogação dução proposta anteriormente, feita na relação causal-
Nessa estratégia, basta introduzir o texto com uma -consecutiva, só então partiremos ao desenvolvimento.
pergunta que servirá de substrato para o desenvolvi- »» Tema: Sistema prisional brasileiro.
mento do texto. Lembre-se de que a pergunta DEVE ser
respondida. »» Argumentos: Precisa de uma reforma estru-
»» Ex.: Há uma questão que reverbera na socieda- tural porque existe descaso com a pessoa

Redação
de brasileira com relação à segurança pública: humana.
deve haver uma revisão estrutural no sistema ˃˃ Causas:
prisional do país? »» O descaso se mostra na falta de cuidado com a
estrutura física de alguns presídios.
Relação Adversativa »» Há descaso também na ausência de políticas de
Nessa estratégia, é eficaz construir uma relação de reinserção social do apenado.
oposição nas linhas iniciais para que sirva de motivação
à construção do texto. ˃˃ Consequências:
»» Ex.: Se, por um lado, verificam-se estabeleci- »» Humilhação, baixa condição de saúde e desen-
mentos prisionais com estrutura adequada em volvimento intelectual.
algumas regiões do país, por outro, é visível a »» Ausência de perspectiva de vida para o presi-
situação de decadência e descaso com os presi- diário após sua saída da penitenciária, o que o
diários. Esse fato aponta para uma necessidade impele a continuar com a criminalidade.
de revisão estrutural do sistema prisional bra-
sileiro. ˃˃ Introdução:
A causa principal para a necessidade de uma
Referência Histórica revisão estrutural no sistema prisional brasileiro é o
Uma das técnicas mais eficazes está nesse item. descaso com a pessoa humana que é verificado nos
Basta utilizar alguma alusão histórica para fundamen- presídios pelo país.
tar o texto. ˃˃ Desenvolvimento:
»» Ex.: Não é de hoje que o sistema prisional brasi- 1º parágrafo: O descaso em questão pode ser evi-

5
leiro apresenta problemas. No ano de (colocar denciado na falta de cuidado com a estrutura física de
a data e o dado histórico). alguns presídios do Brasil que, sem capacidade para
suportar o enorme contingente de presidiários, acaba
Palavra - chave sujeitando-os a um confinamento humilhante, com
Partindo de um conceito simples, pode-se desen- baixíssimas condições de saúde e desenvolvimento in-
volver todo o texto. telectual. Não é de se estranhar que a violência acabe
»» Ex.: Revisão estrutural completa. Esse termo é por ser um atrativo para o indivíduo que se encontra
cada vez mais merecedor de atenção e reflexão nesse contexto.
das autoridades brasileiras quando se fala 2º parágrafo: Como não bastasse a impossibilida-
sobre o sistema prisional brasileiro. Seja por de de haver vida digna dentro do presídio, a perspec-
isso... seja por aquilo. tiva do lado de fora da carceragem não é muito boa. A
Relação Causal - consecutiva ausência de políticas de reinserção do apenado faz com
que ele seja, cada vez mais, impelido a voltar para a cri-
Basta enunciar a relação de causa e consequência minalidade, uma vez que ela parece ser a única forma
com a qual se trabalhará ao longo do texto. de “atuação” que o sistema social brasileiro da contem-
»» Ex.: A causa principal para a necessidade de poraneidade parece lhe oferecer.
uma revisão estrutural no sistema prisional bra- Você percebe que não é necessário de muito para
sileiro é o descaso com a pessoa humana que é construir todo o parágrafo? Isso aconteceu porque, na
verificado nos presídios pelo país. composição de cada parágrafo, utilizamos as estrutu-
→→ Estratégias para o desenvolvimento do texto ras que já estavam separadas na seleção de argumen-
O concursando que possui mais experiência e de- tos, fato que facilitou extremamente a composição do
senvoltura na escrita pode achar que estou falando texto. Se achar interessante, pode treinar essa tática.
sobre assuntos ineficazes, ou que se trata, basicamen-
te, de formas para “mecanizar” a redação do aluno. Enumeração de Fatos
Logo, vamos trabalhar com estratégias para Na estratégia em questão, pode-se partir de uma
“encorpar” sua redação, ou seja, para desenvolver o constatação simples (o que faz par com a introdu-
seu texto com qualidade e solidez. É preciso que você ção por meio da sentença declarativa), para que,
posteriormente, os fatos selecionados sirvam para cor- Eis uma possibilidade de introdução para que você
roborar com a sentença inicial. pesquise e desenvolva seu texto.
˃˃ Tema: Quais são as vantagens da utilização da Tema: combate às drogas no território brasileiro.
tecnologia na educação em um contexto no qual ˃˃ Sugestão de introdução para ser desenvolvida:
é grande o número de analfabetos?
Em retrospecto à situação do combate às drogas
˃˃ Argumento: há vantagens! no território brasileiro, alguns dados históricos revelam
˃˃ Fatos: uma estatística importante.
»» A tecnologia pode acelerar e facilitar o processo ˃˃ Discurso autorizado (fala de especialista)
de alfabetização. Utilizando o discurso autorizado, transmite-se a
»» A capacitação dos profissionais pode ser impressão de maior consistência argumentativa. A
ampliada por meio dos avanços tecnológicos. dica aqui é a seguinte: não copie trechos da proposta,
→→ Desenvolvimento do texto: tampouco invente informações, pensando que vá dar
˃˃ Introdução: Não há como negar que a tecnolo- certo. O corretor sabe que, quando você escreve “pes-
gia, quando bem empregada, propicia avanços quisas mostram”, “cientistas revelam”, está, na realidade,
tremendos. A situação é ainda mais interessante tentando convencê-lo de algo que nem você tem certeza.
quando a união dos avanços tecnológicos se dá Agora, você pode resumir essas táticas em uma
com a educação. Mesmo num contexto em que tabela e buscar a que mais fácil de desenvolve em sua
o analfabetismo ainda é uma realidade, como é o prática de escrita.
caso do Brasil, vislumbram-se perspectivas tangí-
O Parágrafo Dissertativo
Redação

veis de melhora.
˃˃ 1º parágrafo: A primeira vantagem do provável É o momento de analisarmos a estrutura do pará-
binômio tecnologia-educação é a possibilidade grafo dissertativo, ou seja, como compor um parágrafo
da redução do número de analfabetos efetivos claro e que possua qualidade. Primeiramente, é preciso
em todo o território nacional. A utilização de soft- entender que há limites impostos pela propriedade da
wares que otimizem o processo de aquisição da estrutura dissertativa, quer dizer que não se pode sim-
escrita e realização da leitura pode surtir resulta- plesmente tentar inovar o que já tem sido um padrão
dos positivos. Quer dizer, essa contribuição está de escrita há tantos anos. Ninguém vai reinventar o
relacionada ao emprego dos computadores no texto dissertativo, portanto fique atento às ideias prin-
contexto educativo, o que pode, ainda, ser me- cipais relacionadas ao princípio de construção do pará-
lhorado, levando em consideração que o material grafo na dissertação.
audiovisual (retroprojetores, rádios, aparelhos
de blu-ray etc.) propicia um contato mais lúdico
O Tópico Frasal - Um Conceito
do conteúdo para com os possíveis estudantes. Importantíssimo
˃˃ 2º parágrafo: Como se sabe, a capacitação do Cada texto possui uma temática específica, é claro,
profissional da educação é primordial para que com suas estratégias de desenvolvimento, seus argu-
o desenvolvimento do trabalho docente seja mentos, suas posições “ideológicas” etc. Porém, nem
eficiente. Logo, com o emprego dos recursos sempre se dedica atenção suficiente à compreensão
tecnológicos disponíveis, a exemplo de aulas da estrutura interna de todos esses elementos que
online, cursos de pós-graduação a distância, “au- compõem a materialidade do texto, o que acaba por
diobooks” (livros narrados para reduzir o tempo permitir que uma lacuna se forme na compreensão que
6

de leitura de uma obra), acervos virtuais entre o concursando possui de dissertação - quer seja argu-
outras ferramentas, a prática do profissional da mentativa, quer seja meramente expositiva.
educação, além de ser facilitada, é aprimorada. Avaliando a construção dos parágrafos de um
Foram escritos apenas dois parágrafos. Claramente, texto com nuanças dissertativas, percebe-se que um
a intenção é mostrar que há possibilidade de se desen- elemento é primordial para o sucesso da argumentação
volver um texto com tranquilidade. Você pode, como ou da exposição: o tópico frasal, sólido e bem definido.
O que significa dizer isso? Simples: significa dizer que se
recurso metodológico que vise ao aprimoramento de deve apresentar uma ideia ou conceito que será o alvo
sua redação, escrever mais parágrafos sequenciais, ou do parágrafo, sobre o que você irá escrever, expondo
mesmo reescrever os parágrafos que aí estão. A ideia é ou argumentando sobre.
nunca desanimar e testar todas as possibilidades.
O tópico frasal deve ser claro, curto e objetivo. Nunca
Nos próximos itens, vamos lançar a ideia para você deixe seu parágrafo ficar confuso, ou apresentar mais
desenvolver. ideias do que o conveniente, entendendo que o conve-
niente é inserir uma ideia de cada vez em cada possibi-
Alusão Histórica lidade de desenvolvimento. A exceção é feita ao pará-
No desenvolvimento por alusão histórica, parte-se grafo introdutório, no qual se pode fazer um pequeno
da introdução em que se utiliza a mesma estratégia, “resumo” do propósito do texto. Desse modo, o texto
para estabelecer um tipo de “genealogia” da temática fica organizado e fácil de ler, indicadores de boa nota!
em questão. Não se esqueça de que os argumentos his- Uma vez estabelecido o tópico frasal, além das pos-
tóricos servirão para comprovar o que se defende no sibilidades de quem já possui uma grande desenvoltura
texto, por isso, devem-se alinhavar muito bem os epi- na escrita, há três básicas estratégias: indicar a causa
sódios selecionados. do fato; dar uma explicação para o fato, ou realizar a
defesa daquilo que se disse. Portanto, após escolher a
sentença a ser trabalhada no parágrafo, adote um dos
procedimentos erigidos (mencionados) anteriormen-
te, assim, evita-se que o parágrafo fuja da temática
Tenha certeza daquilo que você afirma! proposta.
→→ Lembre-se de que o tópico frasal possui algumas corretor percebe que houve distribuição equivalente
exigências: dos argumentos com relações aos subitens.
01. Concisão; ˃˃ Padrão 4
02. Clareza; »» Temática direta e objetiva + subitens:
03. Solidez; Nesse padrão, não é necessário mostrar posição,
04. Coerência; pois o texto é expositivo, então, não há com que se
05. Objetividade; preocupar em relação à convencimento. Basta apostar
06. Bom espaço na margem; em uma progressão clara do texto.
07. Pontuação precisa. ˃˃ Padrão 5
»» Temática indireta (subjetiva):
Nesse padrão, a preocupação do concursando é
conseguir abstrair o assunto da temática, ou seja, o
Se quiser utilizar um exemplo comprobatório em seu histórico de leituras permite que o candidato consiga
parágrafo do desenvolvimento, fique à vontade, porém interpretar a mensagem tratada e abordar com consis-
não se permita exagerar, inventar ou inserir itens que tência o tema da redação.
não estejam relacionados à temática ou à proposta! Conclusão do Texto
A Justa Medida do Parágrafo A conclusão do texto possui, basicamente, três
funções:
Há uma consideração importante a ser feita com

Redação
relação à extensão do parágrafo num texto dissertati- a) Retomar a ideia inicial, asseverando a posição de-
vo. A justa medida, a medida “áurea” para os parágra- fendida, para um fechamento coerente da estrutu-
fos de desenvolvimento é de sete linhas. Sim, se fizer ra do texto.
o cálculo com relação ao número de linhas, perceberá b) Se a proposta pedir, a conclusão serve para propor
que três parágrafos com essa numeração somados à in- soluções para os problemas apresentados no texto.
trodução e conclusão fecham, com folga, a distribuição
perfeita das ideias no texto. c) Finalmente, criar um impacto no leitor. Um
cuidado, porém: não pense que usar chavões,
Isso significa que, se um parágrafo do seu texto frases de efeito ou citações que não foram traba-
extrapolar o limite, como ocorre em algumas situa- lhadas no texto anteriormente possa fazer o seu
ções, provavelmente, o peso de seus argumentos será
afetado, ou seja, haverá um problema de distribuição texto brilhar. O efeito será contrário!
das ideias do texto: algumas ficarão com menor apro- ˃˃ Outras possibilidades de textos na redação
fundamento; outras ficarão com aprofundamento Dentre as inúmeras possibilidades relacionadas a
demasiado. O velho mestre Aristóteles bem conhecia gêneros textuais para a as questões discursivas (prova
que a “justa medida” - o equilíbrio entre um atributo de redação), destaco, agora, algumas que, a despeito
em excesso ou em falta - é o essencial para se atingir da força da dissertação, costumam receber alguma
qualquer objetivo. atenção. São elas:
Entendendo a Temática →→ Narrativo:
Quando o concursando lê a prova discursiva e se a) Foco em sequenciar ações.
depara com a temática proposta, acaba, em algumas b) Carta argumentativa.

7
situações, por não conseguir entender como deve c) Foco em persuadir um interlocutor determinado.
proceder à escritura do texto. Bem, para que isso não
ocorra, vamos antecipar como costumam ser as temá- d) Descrição.
ticas apresentadas em concursos públicos. e) Foco em apontar características.
˃˃ Padrão 1 f) Resumo.
»» Temática direta e objetiva: Foco em extrair informações essenciais de um texto.
Nesse padrão, deve-se observar a temática, sempre Vamos buscar compreender as necessidades e ca-
buscando conceitos-chave que façam remissão ao racterísticas especiais de cada item acima mencionado.
conteúdo proposto. Desse modo, é possível ficar preso
ao tema. O Texto Narrativo
˃˃ Padrão 2 Sucintamente, narrar significa sequenciar ações,
»» Temática direta e objetiva com posicionamento: ou seja, encadeá-las de modo que progridam de forma
Nesse padrão, além de focalizar diretamente a coerente e inteligível para o leitor. É claro que o texto
temática, quer dizer, possuir objetividade no tratamen- narrativo não é o mais simples de ser escrito, a despeito
to do tema (não enrolar para entrar no assunto), é ne- de utilizarmos estratégias narrativas em muitos
cessário também deixar clara sua posição com relação momentos do nosso dia. “Contar” uma “estória” carece
ao tema. Lembrete: o posicionamento não deve ser de uma série de aspectos e elementos, os quais, jus-
feito por meio da 1ª pessoa do singular. tamente por serem intestinos à narração, não podem
˃˃ Padrão 3 ser esquecidos ou deixados de lado. Isto é, o texto nar-
rativo possui elementos de progressão e operadores
»» Temática direta e objetiva com posicionamen- textuais que nos permitem compreender o princípio de
to + subitens: encadeamento das situações narradas. É o que passa-
Nesse padrão, a posição clara com relação à temática remos a estudar.
deve ser acompanhada de uma focalização direta nos →→ Elementos de progressão narrativa
subitens. Sugiro que você separe um parágrafo para cada Embora a teoria possa elencar outros elementos,
subitem pedido no texto, uma vez que, dessa forma, o eis os mais relevantes para o concursando:
a) Apresentação: c) Da narrativa:
Também identificada como “situação inicial” é o Apesar de não haver marcação temporal clara
momento em que ocorre a introdução de personagens, nessa estratégia de composição, o leitor conhece que a
preparação para a ação que será abordada. Há, nesse ação progride por meio da análise dos tempos verbais
momento, a possibilidade de se fazer a descrição do ou de palavras como: depois disso, de repente, então,
local da ação. Para uma redação de concurso, não é in- posteriormente etc.
teressante fazer uma apresentação muito extensa. O concursando inteligente deve, sempre, optar
b) Conflito: pelo tempo cronológico, pois é mais simples de ser
É o “problema” da narrativa, ou seja, é aquilo que inserido.
motiva a ação do texto. →→ Espaço:
c) Nó: ˃˃ Esse é o “onde” da narrativa.
É a complicação do problema inicial da narrativa. a) Aberto:
Quer dizer, aquilo que motiva a tensão do texto a ficar Não ocorre a ação em apenas um lugar, os perso-
ainda maior. nagens podem circular em vários locais distintos. Isso
d) Clímax: é mais facilmente verificado em narrativas mais longas.
É o ponto alto da narrativa, o momento máximo da b) Fechado:
estória. Para ficar mais claro, o clímax é a ação final que A ação é narrada em apenas um cenário, não há
há de gerar o desfecho do texto. troca de cenários ou ambientes. Isso é comum em nar-
Redação

e) Desfecho: rativas mais breves.


Também chamado de conclusão ou resolução, →→ Personagens:
consiste no encerramento da ação da narrativa, apre- ˃˃ São os envolvidos na ação do texto. Utilizando
sentando um final fechado (claro, sabe-se o que uma divisão simplista, temos:
ocorre) ou aberto (obscuro, não se tem certeza do que
ocorreu). Para o concurso público, o candidato deve a) Protagonista: o personagem principal da ação.
preferir os finais fechados. O herói ou com quem se passa a maior parte dos
eventos narrados.
Operadores do Texto Narrativo b) Antagonista: não possui presença obrigatória. É
São operadores (termos que compõem) do texto definido como quem se opõe ao protagonista da
narrativo: ação.
a) Narrador: Quem conta. c) Adjuvantes: também não possuem presença
c) Tempo: Quando ocorre. obrigatória. São definidos como os secundários,
aqueles que figuram ação que não são, necessaria-
e) Espaço: Onde ocorre. mente, as principais.
g) Personagens: Quem pratica as ações. É salutar, em uma prova de concurso, não utilizar-
Comentário Sobre Cada Operador mos personagens em demasia. Os diálogos serão indis-
→→ Narrador: pensáveis apenas quando a banca solicitar.
˃˃ Para não nos delongarmos em um sem-número Exemplo de Texto Narrativo
de classificações, vamos explicar o narrador ˃˃ Tudo bem filho, todo mundo faz isso
8

partindo da ideia de foco narrativo. Johnny tinha seis anos de idade e estava em com-
a) Autodiegético: panhia do pai quando este foi flagrado ao dirigir em
É o foco em que o narrador conta algo de que parti- excesso de velocidade. O pai entregou ao guarda, junto
cipou como personagem principal, como protagonista. à sua carteira de motorista, uma nota de vinte dólares.
Conta a própria história. “Está tudo bem, filho”, disse ele quando voltaram à
b) Homodiegético: estrada. “Todo mundo faz isso!”
É o foco em que o narrador conta algo de que par- Quando Johnny tinha oito anos, deixaram que assis-
ticipou, mas não como personagem principal, e sim tisse a uma reunião de família, dirigida pelo tio George,
como um tipo de elemento secundário à ação. a respeito das maneiras mais seguras de sonegar o
c) Heterodiegético: imposto de renda. “Está tudo bem, garoto”, disse o tio.
É foco em que o narrador conta algo de que não “Todo mundo faz isso!”
participou, podendo conhecer todos os eventos ou Aos nove anos, a mãe levou-o, pela primeira vez, ao
mesmo uma parte deles (aquilo que conta). teatro. O bilheteiro não conseguia arranjar lugares até
→→ Tempo: que a mãe de Johnny lhe deu, por fora, cinco dólares.
˃˃ Esse é o “quando” da narrativa. “Tudo bem, filho”, disse ela. “Todo mundo faz isso!”
a) Cronológico: Aos dezesseis anos, Johnny arranjou seu primeiro
emprego. Nas férias de verão, trabalhou em um su-
É o tempo marcado por uma sequência lógica permercado. Seu trabalho: pôr os morangos maduros
de datas (dias, meses, anos). O tempo cronológico demais no fundo das caixas e os bons em cima, para lu-
também pode ser dado em uma sequência de horas ou dibriar o freguês. “Tudo bem, garoto”, disse o gerente.
minutos. “Todo mundo faz isso!”
b) Psicológico: Quando Johnny tinha 19 anos, um dos colegas mais
É o tempo sem marcação lógica, ou seja, as frontei- adiantados lhe ofereceu, por cinquenta dólares, as
ras que são determinadas na cronologia, desaparecem questões que iam cair na prova. “ Tudo bem garoto”,
nessa estratégia narrativa. disse ele. “Todo mundo faz isso!”
Flagrado colando, Johnny foi expulso da sala e Em segundo lugar, e isto é o mais importante, sou
voltou para casa com o rabo entre as pernas. “Como pobre, pobre e ignorante. Quem está escrevendo esta
você pôde fazer isso com sua mãe e comigo?”, disse o carta para mim é um vizinho, homem bondoso. Ele vai
pai. “Você nunca aprendeu estas coisas em casa!”. Se inclusive colocá-la no correio, porque eu não tenho
há uma coisa que o mundo adulto não pode tolerar é dinheiro para o selo. Nem dinheiro para selo, nem para
um garoto que cola nos exames... qualquer outra coisa: sou pobre como um rato. Mas a
http://pcdec.sites.uol.com.br/tudobemfilho.htm pobreza não impede de sonhar, e eu sempre sonhei com
um tênis Nike. Os senhores não têm ideia de como isso
A Carta Argumentativa será importante para mim. Meus amigos, por exemplo,
Vamos definir a carta como um texto que possui um vão me olhar de outra maneira se eu aparecer de Nike.
direcionamento especial - o destinatário ou interlocu- Eu direi, naturalmente, que foi presente (não quero que
tor -, sendo que o tratamento utilizado no texto pode pensem que andei roubando), mas sei que a admiração
ser impessoal ou pessoal, dependendo da finalidade deles não diminuirá: afinal, quem pode receber um Nike
da carta. É certo que há várias estratégias de desenvol- de presente pode receber muitas outras coisas. Verão
vimento para a carta (dissertativa-argumentativa, dis- que não sou o coitado que pareço.
sertativa-expositiva, narrativa, descritiva etc.), porém, Uma última ponderação: a mim não importa que o
para a nossa finalidade - o concurso público - vamos
estudar aquela que possui o princípio argumentativo. tênis seja falsificado, que ele leve a marca Nike sem ser
Nike. Porque, vejam, tudo em minha vida é assim. Moro
→→ Estruturando a carta num barraco que não pode ser chamado de casa, mas,
˃˃ Os elementos essenciais para o gênero que para todos os efeitos, chamo-o de casa. Uso a camiseta

Redação
estamos estudando : de uma universidade americana, com dizeres em inglês,
a) Local e Data: Colocados na primeira linha do texto. que não entendo, mas nunca estive nem sequer perto
b) Vocativo: a interpelação do destinatário - seu nome. da universidade - é uma camiseta que encontrei no lixo.
c) Desenvolvimento: os parágrafos que compõem o E assim por diante.
desenvolvimento são utilizados para persuadir o Mandem-me, por favor, um tênis. Pode ser tamanho
interlocutor da ideia defendida pelo remetente. grande, embora eu tenha pé pequeno. Não me desa-
d) Fecho: a saudação final que encerra a carta. gradaria nada fingir que tenho pé grande. Dá à pessoa
uma certa importância. E depois, quanto maior o tênis,
mais visível ele é. E, como diz o meu vizinho aqui, visibi-
lidade é tudo na vida.
(Moacyr Scliar, cronista da Folha de S. Paulo, 14/8/2000)
Antes de progredir, vamos lembrar alguns itens muito
importantes. É lógico que você notou a ausência de alguns ele-
A menos que a banca exija, você não deve assinar a mentos essenciais à carta no texto acima. Isso ocorre
carta; porque o texto em questão é muito mais uma crônica
disfarçada de carta argumentativa. Ele foi utilizado, no
Jamais utilize linguagem coloquial ou de baixo calão. entanto, para que você pudesse perceber como esta-
Jamais fazer abreviações nas datas ou vocativos. belecer a argumentação em um texto que se pretende
Jamais utilize expressões cristalizadas como: “estou te para um leitor direto. Se você leu com atenção, concluiu
escrevendo”, “escrevo-te esta carta”, “venho por meio que o escritor, por assim dizer, construiu uma argumen-
desta”, “rogo-lhe tal missiva” entre outras. tação visando a convencer seu interlocutor da necessi-

9
Busque um tratamento direto, ou seja, tente “conver- dade de ele receber um tênis Nike.
sar” com o seu interlocutor. No processo argumentativo de Scliar, há três argu-
Basicamente, a carta argumentativa é uma disserta- mentos separados por introdução clara: “em primeiro
ção direcionada a um destinatário específico. lugar”; “em segundo lugar” e “uma última pondera-
Análise da uma carta argumentativa ção”. Isso facilita a leitura, não é por outro motivo que
o autor do texto é cronista da Folha. Não, não é preciso
Veja esse exemplo, muito bem redigido, é claro, por sê-lo para que seu texto mereça boa nota. Basta dar
Moacyr Scliar: atenção à estrutura e convencer o leitor de que seu
Uns amigos me falaram que os senhores estão para ponto de vista é o correto. A interlocução - lembrar a
destruir 45 mil pares de tênis falsificados com a marca todo instante que está falando diretamente com a
Nike e que, para esse fim, uma máquina especial já pessoa - é muito importante nesse processo.
teria até sido adquirida. A razão desta cartinha é um Resumo:
pedido. Um pedido muito urgente.
Resumir um texto nada mais é do que selecionar
Antes de mais nada, devo dizer aos senhores que as principais ideias nele contidas e encadeá-las em
nada tenho contra a destruição de tênis, ou de bonecas uma ordem lógica, a fim de que se possa restabelecer
Barbie, ou de qualquer coisa que tenha sido piratea- o conceito original do texto resumido. Para que um
da. Afinal, a marca é dos senhores, e quem usa essa resumo seja feito a contento, é importante que as in-
marca indevidamente sabe que está correndo um risco. formações originais sejam preservadas, quer seja por
Destruam, portanto. Com a máquina, sem a máquina, meio de paráfrase, quer seja por meio de cópia de
destruam. Destruir é um direito dos senhores. Mas, por alguns trechos.
favor, reservem um par, um único par desses tênis que
serão destruídos para este que vos escreve. Este pedido Também não pode ser esquecido o nome do autor,
é motivado por duas razões: em primeiro lugar, sou um bem como o título do texto presentes no corpo do
grande admirador da marca Nike, mesmo falsificada. resumo. Depois de realizada a introdução do resumo,
Aliás, estive olhando os tênis pirateados e devo confessar evidenciando os itens mencionados, deve-se observar
que não vi grande diferença deles para os verdadeiros. o tópico frasal de cada parágrafo, para que sejam resu-
midas as ideias presentes em CADA um deles.
Existem algumas técnicas interessantes na hora de em todas as esferas - não foram realizados durante a
se fazer um resumo, vejamos: gestão anterior, o ministro agora consegue avanços ao
→→ Supressão de trecho: ser o principal autor do novo IPI.
Na técnica em questão, objetiva-se localizar o tópico O site de VEJA ouviu mais de uma dezena de fontes
frasal (ideia mais relevante), mantê-lo e, posteriormen- ministeriais e do setor automotivo que não quiseram
te, retirar as demais sentenças que não compõem o prin- ter seus nomes revelados devido à complexidade do
cipal elemento do parágrafo ou da frase. assunto - e a um possível temor de retaliação. Todas
proferiram uma informação em comum: o ministro
»» Ex.: Seu Luís era um caminhoneiro respeitável, Mantega - que deveria se ocupar inteiramente da
sempre cumpria suas obrigações com objetivi- função de cuidar do superávit fiscal e ajudar o Banco
dade e ética. Central a combater a inflação - articulou praticamente
˃˃ Resumindo: sozinho com as montadoras ditas nacionais a descabi-
»» Ex.: Seu Luís era um caminhoneiro respeitável, da medida da última semana. Nem mesmo os ministros
sempre cumpria suas obrigações com objetivi- Aloizio Mercadante e Fernando Pimentel, da Ciência e
dade e ética. Tecnologia e do Desenvolvimento, respectivamente,
Síntese do trecho por meio de generalização: tinham total conhecimento do assunto. Eles foram in-
consiste em utilizar um termo genérico para dispensar timados de última hora a participar do anúncio e nem
termos que não são essenciais. imaginavam que a elevação do IPI chegaria a tanto. “O
Fernando Pimentel havia dito que, se viesse, o aumento
»» Ex.: Mariana comprou uma calça, um colete, seria de um número razoável. E ele pareceu muito
meias, blusa de lã e um cachecol ontem.
Redação

sincero quando disse isso. Já no momento do anúncio,


˃˃ Resumindo: ele estava “branco””, afirmou José Luiz Gandini, presi-
»» Ex.: Mariana comprou roupas ontem. dente da Associação Brasileira das Empresas Importa-
Transformação do trecho: por meio de uma cons- doras de Veículos Automotores (Abeiva), em coletiva à
trução que vise a abranger o significado de uma se- imprensa no dia seguinte ao anúncio.
quência textual, constrói-se um segmento que ocupa o Atropelo - O número que circulava nos corredores do
lugar de uma expressão maior. governo nas semanas que antecederam o decreto era de
»» Ex.: O homem comprou a maminha, temperou que o acréscimo do IPI seria de 30% e não de 30 pontos
e reservou. Depois de cortar a lenha seca, porcentuais. A decisão de adotar uma saída ou outra traz
amontoou-a em uma pilha. Acendeu o fósforo, consequências muito díspares. Elevar uma alíquota em
queimou a madeira e colocou a carne tempera- 30% significa que o IPI de um carro popular flex passaria
da por sobre o fogo. de 7% para 9,1%. Contudo, ao lançar mão do ajuste de
30 p.p., esse mesmo IPI vai a 37%. A alta absurda da
˃˃ Resumindo: carga tributária faz com que veículos que não cumprem
»» Ex.: O homem fez um churrasco. as regras de nacionalização fixadas pelo governo fiquem
No resumo de texto narrativo, discurso direto e até 28% mais caros para o consumidor final. “Chegaram
indireto. a esse número na etapa final de negociação”, afirmou
→→ Discurso direto: uma fonte ligada à Anfavea. Os ministros Mercadante
e Pimentel foram avisados em cima da hora, de acordo
José diz: com uma fonte ligada ao ministério de Desenvolvimen-
»» Ex.: Penso em comprar um carro.
10

to. “Ele atropelou todo mundo. O que ele sempre quis é


Tião fala: que a Fazenda fizesse política industrial”, afirma.
»» Ex.: Morri por amor. Também na Anfavea, as discussões foram pouco
→→ Discurso Indireto: transparentes - tanto que executivos de montadoras
ligadas à associação afirmaram à VEJA que não foram
»» Ex.: José disse que pensava em comprar um
carro. sequer consultados. A associação nega, argumentando
que, desde o início do ano, há discussões com o governo
»» Ex.: Tião falou que morrera por amor. para tentar melhorar a competitividade da indústria
→→ Exercício de resumo de um texto dissertativo automobilística nacional. Em coletiva, o presidente da
O monstrengo do IPI tem pai: Guido Mantega Anfavea, Cledorvino Belini, que também preside a Fiat,
Há exatamente uma semana, economistas, em- negou que tenha havido lobby das grandes empresas
presários e consumidores têm tentado, sem sucesso, do setor. Segundo ele, a decisão foi motivada pelo
entender o decreto anunciado pelo governo que impacto negativo que a importação de veículos tem
aumenta em 428% a cobrança do Imposto sobre causado na balança comercial.
Produtos Industrializados (IPI) dos automóveis impor- Fosse essa a razão, o aumento do IPI nem assim
tados. A decisão provém, oficialmente, de um grupo se justificaria. O déficit provocado pela importação de
de estudo interministerial - composto pelas pastas do peças e veículos, que chegou a 20 bilhões de dólares
Desenvolvimento, da Fazenda e de Ciência e Tecnologia no acumulado de janeiro a agosto, está bem próximo
- que tentava, junto à Associação Nacional dos Fabri- do saldo negativo da balança comercial da indústria
cantes de Veículos Automotores (Anfavea), encontrar química, que chegou a 18 bilhões de dólares no mesmo
uma maneira de tornar os automóveis nacionais mais período. Já no caso dos eletroeletrônicos, esse número
competitivos. No entanto, por trás de um trabalho que é de 14 bilhões de dólares até agosto, segundo dados
deveria ser técnico, está a mão protecionista do eco- do Ministério do Desenvolvimento. Neste último caso,
nomista Guido Mantega, cujo ministério nada tem a inclusive, em vez de colocar barreiras aos importados, o
ver com a política industrial do Brasil. Se seus sonhos governo dá até incentivos. Tanto que o Banco Nacional
de se tornar o homem-forte do governo - e interferir de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES) irá
ajudar a financiar a nova fábrica da taiwanesa Foxconn competitivos. No entanto, por trás de um trabalho que
no Brasil, a qual produzirá os tablets da Apple apenas deveria ser técnico, está a mão protecionista do eco-
com componentes importados. Por fim, a balança co- nomista Guido Mantega, cujo ministério nada tem a
mercial - que é administrada pelo Ministério de De- ver com a política industrial do Brasil. Se seus sonhos
senvolvimento - está fora da área de competência da de se tornar o homem-forte do governo - e interferir
Fazenda. Já a inflação que beira ao descontrole, apesar em todas as esferas - não foram realizados durante a
de ser da alçada do Banco Central, está bem mais gestão anterior, o ministro agora consegue avanços ao
próxima de Mantega. Passam ao largo de seus projetos, ser o principal autor do novo IPI.
no entanto, medidas para baixar a elevada carga tri- O site de VEJA ouviu mais de uma dezena de fontes
butária, que penaliza o empresário que quer expandir ministeriais e do setor automotivo que não quiseram
oferta no país, ou mudar o perfil gastador do estado, ter seus nomes revelados devido à complexidade do
que tanto pressiona os preços. assunto - e a um possível temor de retaliação. Todas
Plano interrompido - Desde que as montadoras proferiram uma informação em comum: o ministro
asiáticas, como Hyundai, Kia e JAC, começaram a ganhar Mantega - que deveria se ocupar inteiramente da
corpo no mercado nacional, o governo tem buscado função de cuidar do superávit fiscal e ajudar o Banco
saídas para melhorar a competitividade daquelas já ins- Central a combater a inflação - articulou praticamente
taladas no país. Os debates entre a indústria e o Planalto sozinho com as montadoras ditas nacionais a descabi-
resultaram em um plano de estímulo à competitividade da medida da última semana. Nem mesmo os ministros
anunciado em 2010, que já previa, inclusive, um corte no Aloizio Mercadante e Fernando Pimentel, da Ciência e
redutor de 40% do imposto de importação de autope- Tecnologia e do Desenvolvimento, respectivamente,

Redação
ças - beneficiando, assim, os fornecedores nacionais. Tal tinham total conhecimento do assunto. Eles foram in-
plano foi anunciado pelo então ministro, Miguel Jorge, e timados de última hora a participar do anúncio e nem
por Guido Mantega. Neste ano, veio a Medida Provisó- imaginavam que a elevação do IPI chegaria a tanto. “O
ria nº 540, que previa a redução do IPI para montadoras Fernando Pimentel havia dito que, se viesse, o aumento
nacionais. “É preciso entender que o país necessita de seria de um número razoável. E ele pareceu muito
um aumento de competitividade. Medidas protecionis- sincero quando disse isso. Já no momento do anúncio,
tas geram resultados de curto prazo e não aumentam a ele estava “branco””, afirmou José Luiz Gandini, presi-
eficiência do setor”, afirma o consultor e ex-secretário de dente da Associação Brasileira das Empresas Importa-
Comércio Exterior, Welber Barral. doras de Veículos Automotores (Abeiva), em coletiva à
Ocorre que o governo não quis abrir mão dos imprensa no dia seguinte ao anúncio.
tributos e utilizou o decreto da semana passada para Atropelo - O número que circulava nos corredores
faturar em cima do contribuinte: limitou a concorrên- do governo nas semanas que antecederam o decreto
cia; reduziu as opções do consumidor, sobretudo da era de que o acréscimo do IPI seria de 30% e não de
classe média; e deteriorou a imagem do país junto a 30 pontos porcentuais. A decisão de adotar uma saída
investidores estrangeiros, mostrando sinais de ingerên- ou outra traz consequências muito díspares. Elevar
cia política e insegurança jurídica. uma alíquota em 30% significa que o IPI de um carro
http://veja.abril.com.br/noticia/economia/o-monstrengo-do-ipi- popular flex passaria de 7% para 9,1%. Contudo, ao
-tem-pai-guido-mantega (com adaptações). lançar mão do ajuste de 30 p.p., esse mesmo IPI vai
a 37%. A alta absurda da carga tributária faz com que
Essa introdução serve para você perceber como veículos que não cumprem as regras de nacionaliza-
fazer o início de um resumo.

11
ção fixadas pelo governo fiquem até 28% mais caros
Agora, após ver os pontos em vermelho, os quais para o consumidor final. “Chegaram a esse número na
foram marcados como itens a serem resumidos no etapa final de negociação”, afirmou uma fonte ligada
corpo do texto, você pode exercitar a técnica para re- à Anfavea. Os ministros Mercadante e Pimentel foram
sumi-lo. avisados em cima da hora, de acordo com uma fonte
→→ Introdução: ligada ao ministério de Desenvolvimento. “Ele atrope-
O texto publicado na revista Veja (versão online), in- lou todo mundo. O que ele sempre quis é que a Fazenda
fizesse política industrial”, afirma.
titulado “o monstrengo do IPI tem pai: Guido Mantega”
veicula uma matéria acerca do aumento do Imposto sobre Também na Anfavea, as discussões foram pouco
Produtos Industrializados (IPI) dos automóveis importa- transparentes - tanto que executivos de montadoras
ligadas à associação afirmaram à VEJA que não foram
dos, associando a figura de Guido Mantega à medida que sequer consultados. A associação nega, argumentan-
encarece alguns itens de grande consumo no país. do que, desde o início do ano, há discussões com o
01. Agora é com você! Leia e faça o seu resumo! governo para tentar melhorar a competitividade da
O monstrengo do IPI tem pai: Guido Mantega indústria automobilística nacional. Em coletiva, o pre-
sidente da Anfavea, Cledorvino Belini, que também
Há exatamente uma semana, economistas, em- preside a Fiat, negou que tenha havido lobby das
presários e consumidores têm tentado, sem sucesso, grandes empresas do setor. Segundo ele, a decisão foi
entender o decreto anunciado pelo governo que motivada pelo impacto negativo que a importação de
aumenta em 428% a cobrança do Imposto sobre veículos tem causado na balança comercial.
Produtos Industrializados (IPI) dos automóveis impor-
tados. A decisão provém, oficialmente, de um grupo Fosse essa a razão, o aumento do IPI nem assim se
de estudo interministerial - composto pelas pastas do justificaria. O déficit provocado pela importação de
Desenvolvimento, da Fazenda e de Ciência e Tecnologia peças e veículos, que chegou a 20 bilhões de dólares
- que tentava, junto à Associação Nacional dos Fabri- no acumulado de janeiro a agosto, está bem próximo
cantes de Veículos Automotores (Anfavea), encontrar do saldo negativo da balança comercial da indús-
uma maneira de tornar os automóveis nacionais mais tria química, que chegou a 18 bilhões de dólares no
mesmo período. Já no caso dos eletroeletrônicos, b) Descrição de pessoa;
esse número é de 14 bilhões de dólares até agosto, ˃ Física ou psicológica
segundo dados do Ministério do Desenvolvimento.
Neste último caso, inclusive, em vez de colocar barrei- c) Descrição de objeto
ras aos importados, o governo dá até incentivos. Tanto ˃ Aspectos estruturais
que o Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Eco- 01. Descrição objetiva (O que se vê)
nômico (BNDES) irá ajudar a financiar a nova fábrica
da taiwanesa Foxconn no Brasil, a qual produzirá os A focalização, aqui, objetiva uma descrição impassí-
tablets da Apple apenas com componentes importa- vel, ou seja, sem mencionar os sentidos que se podem
dos. Por fim, a balança comercial - que é administrada despertar no autor quando observa aquilo que está es-
pelo Ministério de Desenvolvimento - está fora da área crevendo.
de competência da Fazenda. Já a inflação que beira ao 02. Descrição subjetiva (O que se sente)
descontrole, apesar de ser da alçada do Banco Central, A focalização, aqui, objetiva uma descrição repleta
está bem mais próxima de Mantega. Passam ao largo de sentimento, ou seja, quando o autor do texto
de seus projetos, no entanto, medidas para baixar a observa o que está descrevendo, emoções surgem e
elevada carga tributária, que penaliza o empresário passam a ser complemento dessa descrição.
que quer expandir oferta no país, ou mudar o perfil
gastador do estado, que tanto pressiona os preços.
Plano interrompido - Desde que as montado-
ras asiáticas, como Hyundai, Kia e JAC, começaram
a ganhar corpo no mercado nacional, o governo ____________________________________________
Redação

tem buscado saídas para melhorar a competitivida-


de daquelas já instaladas no país. Os debates entre ____________________________________________
a indústria e o Planalto resultaram em um plano de ____________________________________________
estímulo à competitividade anunciado em 2010, que ____________________________________________
já previa, inclusive, um corte no redutor de 40% do ____________________________________________
imposto de importação de autopeças - beneficiando, ____________________________________________
assim, os fornecedores nacionais. Tal plano foi anun- ____________________________________________
ciado pelo então ministro, Miguel Jorge, e por Guido ____________________________________________
Mantega. Neste ano, veio a Medida Provisória nº 540,
que previa a redução do IPI para montadoras nacio- ____________________________________________
nais. “É preciso entender que o país necessita de um ____________________________________________
aumento de competitividade. Medidas protecionistas ____________________________________________
geram resultados de curto prazo e não aumentam a efi- ____________________________________________
ciência do setor”, afirma o consultor e ex-secretário de ____________________________________________
Comércio Exterior, Welber Barral. ____________________________________________
Ocorre que o governo não quis abrir mão dos ____________________________________________
tributos e utilizou o decreto da semana passada para ____________________________________________
faturar em cima do contribuinte: limitou a concorrên- ____________________________________________
cia; reduziu as opções do consumidor, sobretudo da
classe média; e deteriorou a imagem do país junto a ____________________________________________
investidores estrangeiros, mostrando sinais de inge- ____________________________________________
12

rência política e insegurança jurídica. ____________________________________________


http://veja.abril.com.br/noticia/economia/o-monstrengo-do-ipi- ____________________________________________
-tem-pai-guido-mantega (com adaptações). ____________________________________________
O Texto Descritivo ____________________________________________
Por meio da focalização momentânea em algum ____________________________________________
ser ou objeto (ou ainda em um lapso temporal), é ____________________________________________
possível registrar características externas ou internas ____________________________________________
daquilo que se objetiva descrever. Essa é uma definição ___________________________________________
bem chique de descrição. Na verdade, quero explicar ___________________________________________
o seguinte: se você precisa dizer como alguma coisa ___________________________________________
é, use o texto descritivo. Não vá pensando que não ___________________________________________
pode haver descrição em outras sequências textuais Referências Bibliográficas
(narração, dissertação etc.), mas não podemos confun-
dir os conceitos. FARACO, Carlos Alberto. Prática de texto: língua por-
tuguesa para estudantes universitários. Petrópolis:
Ao passo que o texto narrativo busca sequenciar Vozes, 1992.
ações, o texto descritivo pode evidenciar particulari-
dades de momentos, bem como particularidades de KOCH, I. G. V. Introdução à linguística textual. São Paulo:
objetos seres etc., sem esquecer que o que vale para Martins Fontes, 2004.
o julgamento do gênero textual é o critério da predo- A coesão textual. 11 ed. São Paulo: Contexto,1999.
minância, ou seja, o seu texto deve possuir, predomi- Manual de redação: Folha de S. Paulo. São Paulo: Publi-
nantemente, as características descritivas, para ser um folha, 2011.
texto descritivo. O ESTADO DE SÃO PAULO. Manual de redação e estilo.
→→ Tipos de descrição: São Paulo: O Estado de S. Paulo, 1990.
a) Descrição de lugar, espaço ou ambiente; SUQUARISI, Dad. Escrever melhor: guia para passar os
˃ Interna ou externa; textos a limpo. São Paulo: Contexto, 2011.
ÍNDICE
CAPÍTULO 01���������������������������������������������������������������������������������� 14
Lei nº 11.419, de 19 de Dezembro de 2006.��������������������������������������������������������� 14
Da Informatização do Processo Judicial�������������������������������������������������������������������������14
Da Comunicação Eletrônica dos Atos Processuais���������������������������������������������������������14
Do Processo Eletrônico���������������������������������������������������������������������������������������������������15
Disposições Gerais e Finais���������������������������������������������������������������������������������������������15
Resolução 94 do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT)���������������������� 16
Capítulo I������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������16
Capítulo II�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������21
DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO

Capítulo III����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������22
Capítulo IV����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������23
Medida Provisória Nº 2.200-2, de 24 de Agosto de 2001.������������������������������������ 23
AC Raiz - Autoridade Certificadora Raiz�������������������������������������������������������������������������24
AC - Autoridade Certificadora����������������������������������������������������������������������������������������24
AR - Autoridade de Registro�������������������������������������������������������������������������������������������24
Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI�����������������������������������������������������24

13
CAPÍTULO 01 computadores, para publicação de atos judiciais e ad-
ministrativos próprios e dos órgãos a eles subordina-
dos, bem como comunicações em geral.
Lei nº 11.419, de 19 de O sítio e o conteúdo das publicações de que trata
este artigo deverão ser assinados digitalmente com
Dezembro de 2006. base em certificado emitido por Autoridade Certifica-
dora credenciada na forma da lei específica.
Da Informatização do Processo
Judicial
O uso de meio eletrônico para a tramitação de pro-
cessos judiciais, para a comunicação de atos e para a A publicação eletrônica na forma deste artigo
transmissão de peças processuais será admitido nos substitui qualquer outro meio e publicação oficial,
termos da lei 11.419/06. para quaisquer efeitos legais, à exceção dos casos
Noções de Direito Processual do Trabalho

Aplica-se o disposto nesta Lei, indistintamente, que, por lei, exigem intimação ou vista pessoal.
aos processos civil, penal e trabalhista, bem como Considera-se como data da publicação o primeiro
aos juizados especiais, em qualquer grau de jurisdi- dia útil seguinte ao da disponibilização da informação
ção (apesar de não regulado na lei, nada impede que no Diário da Justiça eletrônico.
também isso também seja adotado em outros ramos Os prazos processuais terão início no primeiro dia útil
do Judiciário, como a Justiça Eleitoral e a Militar). que seguir ao considerado como data da publicação.
→→ Conceitos que a lei traz:
A criação do Diário da Justiça eletrônico deverá ser
˃˃ Meio eletrônico - qualquer forma de armaze- acompanhada de ampla divulgação, e o ato administra-
namento ou tráfego de documentos e arquivos tivo correspondente será publicado durante 30 (trinta)
digitais; dias no diário oficial em uso.
˃˃ Transmissão eletrônica - toda forma de comuni- As intimações serão feitas por meio eletrônico em
cação a distância com a utilização de redes de co- portal próprio aos que se cadastrarem na forma do art.
municação, preferencialmente a rede mundial de 2º desta Lei, dispensando-se a publicação no órgão
computadores; oficial, inclusive eletrônico.
˃˃ Assinatura eletrônica - as seguintes formas de ˃˃ Considerar-se-á realizada a intimação no dia em
identificação inequívoca do signatário: que o intimando efetivar a consulta eletrônica
»» assinatura digital baseada em certificado digital ao teor da intimação, certificando-se, nos autos,
emitido por Autoridade Certificadora creden- a sua realização.
ciada, na forma de lei específica; ˃˃ Caso essa consulta não seja feita em dia útil, a in-
»» mediante cadastro de usuário no Poder Judiciário, timação será considerada realizada no primeiro
conforme disciplinado pelos órgãos respectivos. dia útil seguinte.
O envio de petições, de recursos e a prática de atos ˃˃ Essa consulta deve ser feita em até 10 dias corridos
processuais, em geral por meio eletrônico, serão admi- (contados da data do envio da intimação), sob
tidos mediante uso de assinatura eletrônica, na forma pena de considerar-se a intimação automatica-
do art. 1º da lei 11.419, sendo obrigatório o credencia- mente realizada na data do término desse prazo.
mento prévio no Poder Judiciário, conforme disciplina- ˃˃ Em caráter informativo, poderá ser efetivada
do pelos órgãos respectivos. remessa de correspondência eletrônica, comuni-
14

O credenciamento no Poder Judiciário será realiza- cando o envio da intimação e a abertura automá-
do mediante procedimento no qual esteja assegurada a tica do prazo processual aos que manifestarem
adequada identificação presencial do interessado. interesse por esse serviço.
Ao credenciado será atribuído registro e meio de ˃˃ Nos casos urgentes em que a intimação feita na
acesso ao sistema, de modo a preservar o sigilo, a iden- forma deste artigo possa causar prejuízo a quais-
tificação e a autenticidade de suas comunicações. quer das partes ou nos casos em que for eviden-
Os órgãos do Poder Judiciário poderão criar um ciada qualquer tentativa de burla ao sistema,
cadastro único para o credenciamento previsto neste o ato processual deverá ser realizado por outro
artigo. meio que atinja a sua finalidade, conforme de-
˃˃ Consideram-se realizados os atos processuais por terminado pelo juiz.
meio eletrônico no dia e na hora do seu envio ao
sistema do Poder Judiciário, do que deverá ser
fornecido protocolo eletrônico.
As intimações feitas na forma deste artigo, IN-
CLUSIVE DA FAZENDA PÚBLICA, serão consideradas
pessoais para todos os efeitos legais.
Quando a petição eletrônica for enviada para Observadas as formas e as cautelas do art. 5º desta
atender a prazo processual, serão consideradas tem- Lei, as citações, INCLUSIVE DA FAZENDA PÚBLICA, ex-
pestivas as transmitidas até as 24 (vinte e quatro) cetuadas as dos Direitos Processuais Criminal e Infra-
horas do seu último dia. cional, poderão ser feitas por meio eletrônico, desde
que a íntegra dos autos seja acessível ao citando.
Da Comunicação Eletrônica dos As cartas precatórias, rogatórias, de ordem e, de
Atos Processuais um modo geral, todas as comunicações oficiais que
transitem entre órgãos do Poder Judiciário, bem como
Os tribunais poderão criar Diário da Justiça ele- entre os deste e os dos demais Poderes, serão feitas
trônico, disponibilizado em sítio da rede mundial de preferentemente por meio eletrônico.
Do Processo Eletrônico secretaria no prazo de 10 (dez) dias contados do envio de
petição eletrônica comunicando o fato, e esses documen-
Os órgãos do Poder Judiciário poderão desenvol- tos serão devolvidos à parte após o trânsito em julgado.
ver sistemas eletrônicos de processamento de ações
judiciais por meio de autos, total ou parcialmente, Os documentos digitalizados juntados em processo
digitais, utilizando, preferencialmente, a rede mundial eletrônico somente estarão disponíveis para acesso por
de computadores e acesso por meio de redes internas meio da rede externa para suas respectivas partes pro-
e externas. cessuais e para o Ministério Público, respeitado o disposto
em lei para as situações de sigilo e de segredo de justiça.
Todos os atos processuais do processo eletrônico
serão assinados eletronicamente na forma estabeleci- A conservação dos autos do processo poderá ser
da nesta Lei. efetuada total ou parcialmente por meio eletrônico.
No processo eletrônico, todas as citações, intima- Os autos dos processos eletrônicos deverão ser pro-
tegidos por meio de sistemas de segurança de acesso e
ções e notificações, inclusive da Fazenda Pública, serão armazenados em meio que garanta a preservação e a
feitas por meio eletrônico, na forma desta Lei.

Noções de Direito Processual do Trabalho


integridade dos dados, sendo dispensada a formação
As citações, intimações, notificações e remessas de autos suplementares.
que viabilizem o acesso à íntegra do processo corres- Os autos de processos eletrônicos que tiverem de
pondente serão consideradas vista pessoal do interes- ser remetidos a outro juízo ou instância superior que
sado para todos os efeitos legais. não disponham de sistema compatível deverão ser im-
Quando, por motivo técnico, for inviável o uso do pressos em papel, autuados na forma dos arts. 166 a
meio eletrônico para a realização de citação, intimação ou 168 da Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código
notificação, esses atos processuais poderão ser praticados de Processo Civil, ainda que de natureza criminal ou
segundo as regras ordinárias, digitalizando-se o docu- trabalhista, ou pertinentes a juizado especial.
mento físico, que deverá ser posteriormente destruído. Nesse caso, o escrivão ou o chefe de secretaria cer-
A distribuição da petição inicial e a juntada da con- tificará os autores ou a origem dos documentos produ-
testação, dos recursos e das petições em geral, todos zidos nos autos, acrescentando, ressalvada a hipótese
em formato digital, nos autos de processo eletrôni- de existir segredo de justiça, a forma pela qual o banco
co, podem ser feitas diretamente pelos advogados de dados poderá ser acessado para aferir a autenticida-
públicos e privados, sem a necessidade de intervenção de das peças e das respectivas assinaturas digitais.
do cartório ou secretaria judicial, situação em que a Feita a autuação na forma estabelecida no § 2º
autuação deverá dar-se de forma automática, forne- deste artigo, o processo seguirá a tramitação legalmen-
cendo-se recibo eletrônico de protocolo. te estabelecida para os processos físicos.
Quando o ato processual tiver que ser praticado A digitalização de autos em mídia não digital, em
em determinado prazo, por meio de petição eletrôni- tramitação ou já arquivados, será precedida de publi-
ca, serão considerados tempestivos os efetivados até cação de editais de intimações ou da intimação pessoal
as 24 (vinte e quatro) horas do último dia. Se Sistema das partes e de seus procuradores, para que, no prazo
do Poder Judiciário se tornar indisponível por motivo preclusivo de 30 (trinta) dias, manifestem-se sobre o
técnico, o prazo fica automaticamente prorrogado para desejo de manterem pessoalmente a guarda de algum
o primeiro dia útil seguinte à resolução do problema. dos documentos originais.
Os órgãos do Poder Judiciário deverão manter equi- →→ O magistrado poderá determinar que sejam reali-
pamentos de digitalização e de acesso à rede mundial

15
zados, por meio eletrônico, a exibição e o envio de
de computadores à disposição dos interessados para dados e de documentos necessários à instrução do
distribuição de peças processuais. processo.
Os documentos produzidos eletronicamente e Consideram-se cadastros públicos, para esses
juntados aos processos eletrônicos, com garantia da efeitos acima citados, dentre outros existentes ou que
origem e de seu signatário, na forma estabelecida venham a ser criados, ainda que mantidos por conces-
nesta Lei, serão considerados originais para todos os sionárias de serviço público ou empresas privadas, os
efeitos legais. que contenham informações indispensáveis ao exercí-
Os extratos digitais e os documentos digitalizados e cio da função judicante.
juntados aos autos pelos órgãos da Justiça e seus auxilia- Esse acesso dar-se-á por qualquer meio tecnológi-
res, pelo Ministério Público e seus auxiliares, pelas pro- co disponível, preferentemente o de menor custo, con-
curadorias, pelas autoridades policiais, pelas repartições siderada sua eficiência.
públicas em geral e por advogados públicos e privados
têm a mesma força probante dos originais, ressalvada Disposições Gerais e Finais
a alegação motivada e fundamentada de adulteração Os sistemas a serem desenvolvidos pelos órgãos
antes ou durante o processo de digitalização. do Poder Judiciário deverão usar, preferencialmente,
A arguição de falsidade do documento original será programas com código aberto, acessíveis ininterrup-
processada eletronicamente na forma da lei processual tamente por meio da rede mundial de computadores,
em vigor. priorizando-se a sua padronização.
Os originais dos documentos digitalizados deverão Os sistemas devem buscar identificar os casos de
ser preservados pelo seu detentor até o trânsito em ocorrência de prevenção, litispendência e coisa julgada.
julgado da sentença ou, quando admitida, até o final Salvo impossibilidade que comprometa o acesso à
do prazo para interposição de ação rescisória. justiça, a parte deverá informar, ao distribuir a petição
Os documentos cuja digitalização seja tecnicamen- inicial de qualquer ação judicial, o número no cadastro
te inviável devido ao grande volume ou por motivo de de pessoas físicas ou jurídicas, conforme o caso,
ilegibilidade deverão ser apresentados ao cartório ou à perante a Secretaria da Receita Federal.
Da mesma forma, as peças de acusação criminais § 2º Tratando-se de cópia digital de título executivo
deverão ser instruídas pelos membros do Ministério extrajudicial ou outro documento relevante à ins-
Público ou pelas autoridades policiais com os números trução do processo, o juiz poderá determinar o seu
depósito em cartório ou secretaria.” (NR)
de registros dos acusados no Instituto Nacional de
Art. 399. § 1º Recebidos os autos, o juiz mandará
Identificação do Ministério da Justiça, se houver. extrair, no prazo máximo e improrrogável de 30
Os livros cartorários e demais repositórios dos (trinta) dias, certidões ou reproduções fotográficas
órgãos do Poder Judiciário poderão ser gerados e arma- das peças indicadas pelas partes ou de ofício; findo
zenados em meio totalmente eletrônico. o prazo, devolverá os autos à repartição de origem.
§ 2º As repartições públicas poderão fornecer
Os órgãos do Poder Judiciário regulamentarão esta todos os documentos em meio eletrônico conforme
Lei, no que couber, no âmbito de suas respectivas com- disposto em lei, certificando, pelo mesmo meio, que
petências. se trata de extrato fiel do que consta em seu banco de
dados ou do documento digitalizado.” (NR)
Ficam convalidados os atos processuais praticados
Noções de Direito Processual do Trabalho

por meio eletrônico até a data de publicação desta Lei, Art. 417. § 1º O depoimento será passado para
a versão datilográfica quando houver recurso da
desde que tenham atingido sua finalidade e não tenha sentença ou noutros casos, quando o juiz o determi-
havido prejuízo para as partes. nar, de ofício ou a requerimento da parte.
→→ Essa lei trouxe algumas alterações no CPC: § 2º Tratando-se de processo eletrônico, observar-se-
Art. 38. Parágrafo único. A procuração pode ser -á o disposto nos §§ 2º e 3º do art. 169 desta Lei. (NR)
assinada digitalmente com base em certificado Art. 457. § 4º Tratando-se de processo eletrônico,
emitido por Autoridade Certificadora credenciada, observar-se-á o disposto nos §§ 2º e 3º do art. 169
na forma da lei específica.” (NR) desta Lei. (NR)
Art. 154. § 2º Todos os atos e termos do processo Art. 556. Parágrafo único. Os votos, acórdãos e
podem ser produzidos, transmitidos, armazenados e demais atos processuais podem ser registrados em
assinados por meio eletrônico, na forma da lei. (NR) arquivo eletrônico inviolável e assinados eletronica-
Art. 164. Parágrafo único. A assinatura dos juízes, mente, na forma da lei, devendo ser impressos para
em todos os graus de jurisdição, pode ser feita eletro- juntada aos autos do processo quando este não for
nicamente, na forma da lei. (NR) eletrônico. (NR)
Art. 169. § 1º É vedado usar abreviaturas.
§ 2º Quando se tratar de processo total ou parcial-
mente eletrônico, os atos processuais praticados na 01. A informatização do processo judicial permite
presença do juiz poderão ser produzidos e armaze-
nados de modo integralmente digital em arquivo ele- que as citações, intimações e notificações sejam
trônico inviolável, na forma da lei, mediante registro realizadas por meio eletrônico, salvo as relati-
em termo que será assinado digitalmente pelo juiz e vas à fazenda pública.
pelo escrivão ou chefe de secretaria, bem como pelos ERRADO. A lei 11.419/06 permite que as citações,
advogados das partes. intimações e notificações sejam realizadas por meio
§ 3º No caso do § 2º deste artigo, eventuais contradi- eletrônico, inclusive da fazenda pública, que poderá
ções na transcrição deverão ser suscitadas oralmen- receber as comunicações judiciais dessa forma.
te no momento da realização do ato, sob pena de
preclusão, devendo o juiz decidir de plano, registran-
Resolução 94 do Conselho
16

do-se a alegação e a decisão no termo.” (NR)


Art. 202. § 3º A carta de ordem, carta precatória ou
carta rogatória pode ser expedida por meio eletrôni-
Superior da Justiça do
co, situação em que a assinatura do juiz deverá ser Trabalho (CSJT)
eletrônica, na forma da lei. (NR) Levando em consideração as diretrizes contidas na Lei
Art. 221. IV - por meio eletrônico, conforme regulado nº 11.419, de 19 de dezembro de 2006, que dispõe sobre
em lei própria.” (NR) a informatização do processo judicial e as resoluções e
Art. 237. Parágrafo único. As intimações podem ser metas traçadas pelo CSJT, foi elaborada a resolução 94.
feitas de forma eletrônica, conforme regulado em lei Essa resolução foi criada para instituir Instituir o
própria. (NR) Sistema Processo Judicial Eletrônico da Justiça do
Art. 365. V - os extratos digitais de bancos de dados, Trabalho - PJe-JT - como sistema informatizado de
públicos e privados, desde que atestado pelo seu processo judicial na Justiça do Trabalho e estabelecer os
emitente, sob as penas da lei, que as informações
conferem com o que consta na origem; parâmetros para a sua implementação e funcionamento.
VI. as reproduções digitalizadas de qualquer
documento, público ou particular, quando
Capítulo I
juntados aos autos pelos órgãos da Justiça Do Processo Judicial Eletrônico da
e seus auxiliares, pelo Ministério Público e Justiça Do Trabalho
seus auxiliares, pelas procuradorias, pelas
repartições públicas em geral e por advo- Disposições Gerais
gados públicos ou privados, ressalvada a A tramitação do processo judicial no âmbito da
alegação motivada e fundamentada de Justiça do Trabalho, a prática de atos processuais e a
adulteração antes ou durante o processo sua representação por meio eletrônico, nos termos
de digitalização. da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006, serão rea-
§ 1º Os originais dos documentos digitalizados, men- lizadas exclusivamente por intermédio do Sistema
cionados no inciso VI do caput deste artigo, deverão Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho -
ser preservados pelo seu detentor até o final do prazo PJe-JT - regulamentado por esta Resolução.
para interposição de ação rescisória.
A implantação do sistema mencionado no caput A criação de novos perfis de usuários no sistema, in-
deste artigo ocorrerá de forma gradual, conforme clusive pelos Tribunais Regionais do Trabalho, somente
cronograma definido pela Presidência do Conselho poderá ocorrer mediante prévia e expressa autoriza-
Superior da Justiça do Trabalho - CSJT. ção da Presidência do Conselho Superior da Justiça do
Os Tribunais Regionais do Trabalho deverão Trabalho, ouvida a Gerência Técnica do PJe-JT.
planejar internamente a expansão da implantação Caberá ao MAGISTRADO GESTOR DA UNIDADE JU-
gradativa e encaminharão à Presidência do Conselho DICIÁRIA definir os perfis dos servidores usuários nela
Superior da Justiça do Trabalho, até o final do mês lotados.
de outubro de cada ano, a proposta de cronogra- A resolução veda (proíbe) a designação, para o
ma a ser aprovada para vigorar no ano seguinte, até estagiário, de perfil diverso daquele existente no
que o sistema esteja em funcionamento em todas as sistema, e também dispõe que não poderá atribuir
unidades judiciárias da Região. perfil de Diretor de Secretaria e Assessor a servidor
O PJe-JT compreenderá o controle do sistema judicial não ocupante do respectivo cargo.

Noções de Direito Processual do Trabalho


trabalhista nos seguintes aspectos: As Presidências do Conselho Superior da Justiça do
I. O controle da tramitação do processo; Trabalho e dos Tribunais Regionais do Trabalho adotarão
as providências necessárias para fornecer, pelo menos,
II. A padronização de todos os dados e informações dois certificados digitais para cada magistrado, prefe-
compreendidas pelo processo judicial; rencialmente de autoridades certificadoras diferentes, e
III. A produção, o registro e a publicidade dos atos pelo menos um para os demais usuários internos.
processuais; e Os atos processuais terão registro, visualização, tra-
IV. O fornecimento de dados essenciais à gestão das mitação e controle exclusivamente em meio eletrôni-
informações necessárias aos diversos órgãos de co e serão assinados digitalmente, contendo elemen-
supervisão, controle e uso do sistema judiciário tos que permitam identificar o usuário responsável
trabalhista. pela sua prática.
→→ CONCEITOS (para fins dessa resolução): A cópia de documento extraída dos autos digitais
˃˃ Assinatura Digital: assinatura em meio eletrôni- deverá conter elementos que permitam verificar a sua
co, que permite aferir a origem e a integridade autenticidade no endereço referente à consulta pública
do documento, baseada em certificado digital, do PJe-JT, cujo acesso também será disponibilizado nos
padrão ICP-BRASIL, tipo A-3 ou A-4, emitido por sítios do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, do
Autoridade Certificadora Credenciada, na forma Tribunal Superior do Trabalho e dos Tribunais Regionais
de lei específica; do Trabalho na Rede Mundial de Computadores.
˃˃ Autos Do Processo Eletrônico Ou Autos Digitais: O usuário é responsável pela exatidão das informa-
conjunto de documentos digitais correspondentes ções prestadas, quando de seu credenciamento, assim
a todos os atos, termos e informações do processo; como pela guarda, sigilo e utilização da assinatura ele-
trônica, não sendo oponível, em qualquer hipótese,
˃˃ Digitalização: processo de conversão de um do- alegação de uso indevido, nos termos da Medida Provi-
cumento originalmente confeccionado em papel sória nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001.
para o formato digital por meio de dispositivo
apropriado, como um scanner; Do Acesso ao Sistema
˃˃ Documento Digital: documento codificado em Para acesso ao PJe-JT, é obrigatória a utilização de

17
dígitos binários, acessível por meio de sistema assinatura digital a que se refere o inciso I do artigo
computacional; 3º da Resolução (assinatura em meio eletrônico, que
permite aferir a origem e a integridade do documento,
˃˃ Meio Eletrônico: qualquer forma de armazenamen- baseada em certificado digital, padrão ICP-BRASIL, tipo
to ou tráfego de documentos e arquivos digitais; A-3 ou A-4, emitido por Autoridade Certificadora Cre-
˃˃ Transmissão Eletrônica: toda forma de comuni- denciada, na forma de lei específica).
cação a distância com a utilização de redes de co- No caso de ato urgente em que o usuário externo
municação, preferencialmente a rede mundial de não possua certificado digital para o peticionamento,
computadores; ou em se tratando da hipótese prevista no art. 791 da
˃˃ Usuários Internos: magistrados e servidores da CLT (partes postulando diretamente, sem a presença
Justiça do Trabalho, bem como outros a que se re- de advogado), a prática será viabilizada por intermé-
conhecer acesso às funcionalidades internas do dio de servidor da unidade judiciária destinatária da
sistema de processamento em meio eletrônico petição ou do setor responsável pela redução a termo e
(estagiários, prestadores de serviço, etc.); digitalização de peças processuais.
˃˃ Usuários Externos: todos os demais usuários, in- Será possível acesso ao sistema PJe-JT mediante
cluídos partes, advogados, membros do Ministé- identificação de usuário (login) e senha, exclusivamen-
rio Público, peritos e leiloeiros. te para visualização de autos, exceto nas hipóteses de
sigilo ou segredo de justiça (Art. 5º com redação dada
pela Resolução CSJT nº 128, de 30 de agosto de 2013).
Para o uso da assinatura digital, o credenciamento
dar-se-á pela simples identificação do usuário por meio
Esses conceitos são bastante importantes para a de seu certificado digital e remessa do formulário ele-
prova, cuidado para não confundi-los! trônico, devidamente preenchido, disponibilizado no
Os usuários terão acesso às funcionalidades do PJe-JT, portal de acesso ao PJe-JT.
de acordo com o perfil que lhes for atribuído no sistema Alterações de dados cadastrais poderão ser feitas
e definidas em ato da Presidência do CSJT, observada a pelos usuários, a qualquer momento, na seção respec-
natureza de sua atuação na relação jurídico-processual. tiva do portal de acesso ao PJe-JT.
O credenciamento implica a aceitação das normas Os prazos fixados em hora serão prorrogados na
estabelecidas nesta Resolução, assim como nas demais mesma proporção das indisponibilidades ocorridas no
normas que vierem a regulamentar o uso do processo intervalo entre 06h00 e 23h00. Nesse caso, o reinício da
eletrônico no âmbito dos Tribunais e a responsabilidade contagem do prazo em horas ocorrerá a partir da plena
do credenciado pelo uso indevido da assinatura digital. ciência das partes ou dos interessados quanto ao resta-
O credenciamento de advogados na forma prevista belecimento dos serviços que estavam indisponíveis.
neste artigo não dispensa a juntada de mandato, para A indisponibilidade previamente programada pro-
fins do disposto no art. 37 do CPC. duzirá as consequências definidas pela autoridade que
O PJe-JT estará disponível 24 horas por dia, ininter- a determinar e será ostensivamente comunicada ao
ruptamente, ressalvados os períodos de manutenção público externo com, pelo menos, 48 (quarenta e oito)
do sistema. horas de antecedência.
As manutenções programadas do sistema serão Do Funcionamento do Sistema
sempre informadas com antecedência e realizadas, O sistema receberá arquivos com tamanho máximo
Noções de Direito Processual do Trabalho

preferencialmente, no período das 00h dos sábados de 1,5 megabytes e apenas nos seguintes formatos:
às 22h do domingo, ou no horário entre 00h e 06h nos I. ARQUIVOS DE TEXTO → no formato PDF (portable
demais dias da semana. document format), com resolução máxima de 300
dpi, formatação A4 e orientação tipo “retrato”.
II. ARQUIVOS DE ÁUDIO → no formato MPEG-1 ou
MP3 (Moving Picture Experts Group).
Considera-se INDISPONIBILIDADE dos sistemas de III. ARQUIVOS DE ÁUDIO E VÍDEO (AV) → no formato
tramitação eletrônica de processos a falta de oferta ao MPEG-4 (Moving Picture Experts Group).
público externo de qualquer um dos seguintes serviços:
IV. ARQUIVOS DE IMAGEM → no formato JPEG (Joint
˃˃ Consulta aos autos digitais. Photographic Expertes Group), com resolução
˃˃ Transmissão eletrônica de atos processuais. máxima de 300 dpi.
˃˃ Citações, intimações ou notificações eletrônicas. Partes ou terceiros interessados desassistidos de ad-
As falhas de transmissão de dados entre as estações vogados poderão apresentar peças processuais e docu-
de trabalho do público externo e a rede de comunica- mentos em papel, segundo as regras ordinárias, nos locais
ção pública, assim como a impossibilidade técnica que competentes para o recebimento, cabendo à Unidade Ju-
decorra de falhas nos equipamentos ou programas dos diciária digitalizá-los e inseri-los no processo.
usuários, não caracterizam indisponibilidade. Essa regra também pode ser estendida aos advo-
→→ É de responsabilidade do usuário: gados, em CASOS URGENTES, devidamente comprova-
˃˃ O acesso ao seu provedor da internet e a configu- dos, em que não for possível a prática de atos direta-
ração do computador utilizado nas transmissões mente pelo sistema, ou em qualquer outra hipótese de
eletrônicas. justo impedimento de acesso, a critério do magistrado.
˃˃ O acompanhamento do regular recebimento das O sistema de armazenamento dos documentos
petições e documentos transmitidos eletronica- digitais deverá conter funcionalidades que permitam
mente. identificar o usuário que promover exclusão, inclusão
→→ A indisponibilidade será: e alteração de dados, arquivos baixados, bem como o
18

momento de sua ocorrência.


˃˃ Aferida pelos Tribunais Regionais do Trabalho e
registrada em relatório de interrupções de fun- A EXCLUSÃO DE PEÇAS E DOCUMENTOS no sistema
cionamento. é atribuição típica dos magistrados de primeiro e
segundo graus, sendo vedada a sua delegação ou atri-
˃˃ Divulgada ao público na rede mundial de compu- buição de funcionalidade semelhante a servidores.
tadores nos endereços eletrônicos respectivos e
reproduzida pelo Conselho Superior da Justiça do A parte ou o advogado poderá juntar quantos
Trabalho. arquivos se fizerem necessários à ampla e à integral
defesa de seus interesses, desde que cada um desses
→→ Esse relatório deverá conter, pelo menos, as se- arquivos observe o limite de tamanho máximo fixado
guintes informações: (limite de 1.5 MB).
˃˃ Data, hora e minuto de início da indisponibilidade. O recebimento de arquivos nos formatos definidos
˃˃ Data, hora e minuto de término da indisponi- nos incisos II, III e IV (acima vistos) somente ocorrerá
bilidade. a partir da implantação da versão correspondente do
˃˃ Serviços que ficaram indisponíveis. sistema, divulgada por meio de ato a ser posteriormen-
Os prazos que se vencerem no dia da ocorrência de te editado.
indisponibilidade de quaisquer dos serviços acima re- Os documentos produzidos eletronicamente,
feridos serão automaticamente prorrogados para o dia os extratos digitais e os documentos digitalizados e
útil seguinte à retomada de funcionamento, quando: juntados aos autos pelos órgãos da Justiça do Trabalho
˃˃ A indisponibilidade for superior a 60 minutos, inin- e seus auxiliares, pelos membros do Ministério Público,
terruptos ou não, se ocorrida entre 06h00 e 23h00. pelas procuradorias e por advogados públicos e
privados têm a mesma força probante dos originais,
˃˃ Ocorrer indisponibilidade entre 23h01 e 24h00. ressalvada a alegação motivada e fundamentada de
As indisponibilidades ocorridas entre 00h00 e 06h00 adulteração.
dos dias de expediente forense e as ocorridas em feriados Incumbirá à parte zelar pela qualidade dos docu-
e finais de semana, a qualquer hora, não produzirão esse mentos juntados por qualquer meio, especialmente
efeito de prorrogar o vencimento do prazo. quanto à sua legibilidade, para o que se recomenda não
utilizar papel reciclado, em virtude de dificultar a res- As intimações endereçadas aos advogados nos
pectiva visualização posterior. módulos de primeiro e segundo graus, cuja ciência não
Os originais dos documentos digitalizados, acima exija vista pessoal, as inclusões em pautas de órgão
mencionados, deverão ser preservados pelo seu julgador colegiado e a publicação de acórdãos deverão
detentor até o trânsito em julgado da sentença ou, ser feitas via Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho,
quando admitida, até o final do prazo para propositura hipótese em que a contagem dos prazos reger-se-á
de ação rescisória. na forma prevista nos §§ 3º e 4º do artigo 4º da Lei nº
A arguição de falsidade do documento original será 11.419/2006.
processada eletronicamente na forma da lei processual No instrumento de notificação ou citação, constará
em vigor. indicação da forma de acesso ao inteiro teor da petição
Os documentos cuja digitalização mostre-se tec- inicial no endereço referente à consulta pública do
nicamente inviável devido ao grande volume ou por PJe-JT, cujo acesso também será disponibilizado nos
motivo de ilegibilidade deverão ser apresentados em sítios do Conselho Superior da Justiça do Trabalho e dos

Noções de Direito Processual do Trabalho


secretaria no prazo de 10 (dez) dias contados do envio de Tribunais Regionais do Trabalho na Rede Mundial de
petição eletrônica comunicando o fato. Após o trânsito Computadores.
em julgado, os referidos documentos serão devolvidos, Para efeito da contagem do prazo de 10 (dez)
incumbindo-se à parte preservá-los até o final do prazo dias corridos de que trata o art. 5º, § 3º, da Lei nº
para propositura de ação rescisória, quando admitida. 11.419/2006, sendo a intimação feita pelo sistema de
Excetuando-se esses documentos acima citados, tramitação de processos:
todos os demais documentos apresentados deverão →→ O DIA INICIAL DA CONTAGEM é o dia seguinte ao
ser retirados pelos interessados, no prazo de 30 dias, da disponibilização do ato de comunicação no
para os efeitos do artigo 11, § 3º, da Lei nº 11.419/2006. sistema, independentemente de esse dia ser, ou
Findo o prazo estabelecido no caput deste artigo, a não, de expediente no órgão comunicante;
Unidade Judiciária correspondente poderá inutilizar os →→ O DIA DA CONSUMAÇÃO da intimação ou comu-
documentos mantidos sob sua guarda em meio impresso. nicação é o décimo dia a partir do dia inicial, caso
Os documentos que forem juntados eletronica- seja de expediente judiciário, ou o primeiro dia
mente em autos digitais e reputados manifestamente útil seguinte, conforme previsto no art. 5º, § 2º, da
impertinentes pelo Juízo terão sua visualização tornada Lei nº 11.419/2006.
indisponível por expressa determinação judicial. A intercorrência de feriado, interrupção de expe-
diente ou suspensão de prazo entre o dia inicial e o
Os documentos digitalizados e anexados às dia final do prazo para conclusão da comunicação não
petições eletrônicas serão adequadamente classifi- terá nenhum efeito sobre sua contagem, excetuada a
cados e organizados de forma a facilitar o exame dos hipótese do inciso II.
autos eletrônicos, podendo o juiz determinar a sua
reorganização e classificação. O cadastramento do processo, a distribuição da
petição inicial e a juntada da contestação, dos recursos
A falta de cumprimento dessa determinação e das petições em geral, todos em formato digital, nos
ensejará a exclusão dos documentos do feito e, em autos de processo eletrônico, devem ser feitos direta-
se tratando de petição inicial, será observada a regra mente pelos advogados públicos e privados, sem a ne-
prevista no art. 284 e parágrafo único do CPC. cessidade de intervenção da secretaria judicial, situação

19
Os Tribunais Regionais do Trabalho manterão em que a autuação ocorrerá de forma automática, for-
instalados equipamentos à disposição das partes, necendo-se o recibo eletrônico de protocolo.
dos advogados e dos interessados para consulta ao A petição inicial conterá, além dos requisitos refe-
conteúdo dos autos digitais e para o envio de peças ridos no art. 840, § 1º, da CLT, a indicação do CPF ou
processuais e documentos em meio eletrônico. CNPJ da parte autora, conforme determinação do art.
15, caput, da Lei nº 11.419/2006.
Dos Atos Processuais
→→ O sistema fornecerá, imediatamente após o envio
da petição inicial:
˃˃ comprovação de recebimento;
No processo eletrônico, todas as citações, intima- ˃˃ informações sobre o número atribuído ao
ções e notificações, INCLUSIVE DA FAZENDA PÚBLICA, processo;
far-se-ão por meio eletrônico. ˃˃ Órgão Julgador para o qual foi distribuída a ação;
As citações, intimações, notificações e remessas ˃˃ a data da audiência inicial (se for o caso) designa-
que viabilizem o acesso à íntegra do processo corres- da automaticamente e da qual será o autor ime-
pondente serão consideradas vista pessoal do interes- diatamente intimado.
sado para todos os efeitos legais. Os dados da autuação automática serão conferidos
Quando, por motivo técnico, for inviável o uso do pela unidade judiciária, que procederá à sua altera-
meio eletrônico para a realização de citação, intimação ção em caso de desconformidade com os documentos
ou notificação, esses atos processuais poderão ser pra- apresentados, e tudo ficará registrado no sistema.
ticados segundo as regras ordinárias, digitalizando-se Em se tratando de processos recebidos em autos
o documento físico, que permanecerá na secretaria da físicos nas unidades judiciárias que utilizam exclusiva-
unidade judiciária até o trânsito em julgado da sentença mente o PJe-JT, o magistrado deverá conceder prazo
ou, quando admitida, até o final do prazo para propositu- razoável para que a parte que se encontre assistida por
ra de ação rescisória, findo o qual será destruído, caso a advogado adote as providências necessárias à regular
parte interessada, devidamente intimada, não o receber. tramitação do feito no meio eletrônico, inclusive o seu
prévio credenciamento no sistema, caso ainda não haja O sistema fornecerá ao usuário externo recibo ele-
ocorrido, sob pena de extinção do processo, sem reso- trônico da prática do ato processual, contendo o número
lução do mérito, nos termos do art. 267, III, do CPC. do protocolo gerado pelo sistema, a data e o horário da
Essas providências ficarão a cargo da Secretaria da prática do ato, a identificação do processo, o nome do
Vara do Trabalho, na hipótese de a parte encontrar-se remetente e/ou do usuário que assinou eletronicamen-
desassistida por advogado, na forma do art. 791 da CLT. te o documento e, se houver, o assunto, o órgão desti-
natário da petição e as particularidades de cada arquivo
A distribuição em primeiro e segundo graus de juris- eletrônico, conforme informados pelo remetente.
dição será necessariamente automática e realizada pelo
sistema logo após o protocolamento da petição inicial. Será de integral responsabilidade do remetente a
equivalência entre os dados informados para o envio e
O sistema fornecerá indicação de possível preven- os constantes da petição remetida.
ção com processos já distribuídos, com base nos pa-
râmetros definidos pelos Comitês Gestores Nacionais Não serão considerados, para fins de tempestivi-
do PJe do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho dade, o horário inicial de conexão do usuário à internet,
Noções de Direito Processual do Trabalho

Superior da Justiça do Trabalho, e o magistrado, sempre o horário de acesso do usuário ao sítio eletrônico do
que acolher tal indicativo, em decisão fundamentada, Tribunal ou ao PJe-JT, tampouco os horários registrados
determinará a redistribuição imediata dos autos para o pelos equipamentos do remetente.
juízo tido por competente. A não obtenção de acesso ao PJe-JT e eventual
Em qualquer hipótese, não é possível a inclusão de defeito de transmissão ou recepção de dados não im-
funcionalidades no sistema para exclusão de magistra- putáveis à indisponibilidade ou impossibilidade técnica
dos de determinada distribuição em razão de alegação do sistema não servirão de escusa para o descumpri-
prévia de impedimento e/ou suspeição. mento de prazo processual.
Poderá ser criada funcionalidade que indique a A partir da implantação do PJe na segunda instância
ocorrência de possível suspeição/impedimento, sem das Regiões da Justiça do Trabalho, será dispensada a
que tal alerta influencie ou afaste a livre distribuição do formação de autos suplementares em casos como de
feito. O magistrado, sempre que acolher tal indicativo, agravos de instrumento, precatórios, agravos regimen-
proferirá decisão fundamentada. tais e execução provisória.
Os advogados devidamente credenciados deverão Caberá ao relator solicitar a inclusão do processo
em pauta, observado, no caso de ações rescisórias, o
encaminhar eletronicamente as contestações e docu- interstício mínimo de 15 (quinze) dias entre a data da
mentos, com opção de sigilo, quando for o caso, até solicitação e a data da pauta de julgamento designada.
antes da realização da audiência, sem prescindir de sua
presença àquele ato processual. Entretanto, fica facul- Observadas as hipóteses de cabimento, de direito
tada a apresentação de defesa oral, pelo tempo de até a voto do relator, de competência para julgamento e
20 minutos, conforme o disposto no art. 847 da CLT. direito à sustentação oral definidas nos respectivos re-
gimentos internos dos Tribunais Regionais do Trabalho,
A comprovação da entrega de expedientes por os agravos regimentais interpostos no âmbito do PJe-JT
oficiais de justiça será feita por certidão circunstancia- observarão o seguinte procedimento:
da acerca do cumprimento da diligência, dispensando-
-se a juntada aos autos de contrafé digitalizada e subs- I. o agravo regimental será interposto, no prazo de 8
crita pelos destinatários. (oito) dias, mediante petição incidental, sem a ne-
cessidade de preenchimento de dados cadastrais de
As atas e termos de audiência serão assinados di-
20

autuação e por meio da funcionalidade do editor de


gitalmente apenas pelo juiz, assim como o documen- texto disponível na aba “detalhes do processo”;
to digital, no caso de audiências gravadas em áudio e
vídeo, os quais passarão a integrar os autos digitais, II. o agravo será submetido à apreciação do de-
mediante registro em termo. sembargador prolator do despacho ou decisão
agravada, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas;
Nos tribunais, as atas de sessões, quando necessá-
rias para registros passíveis de publicidade, deverão ser III. mantida a decisão, o agravo será submetido, em
lavradas pela secretaria e aprovadas pela Presidência do mesa, para julgamento pelo órgão do Tribunal
respectivo órgão colegiado, com envio posterior para competente para o julgamento do pedido ou
publicação no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho - recurso, na primeira sessão ordinária que se seguir
DEJT, sem obrigatoriedade de integrar os autos digitais ao seu recebimento;
dos processos analisados na referida assentada. IV. caso vencido o desembargador prolator do
Os atos processuais praticados por usuários despacho ou decisão agravada, lavrará o acórdão o
externos considerar-se-ão realizados na data e no magistrado que primeiro votou na tese vencedora,
horário do seu recebimento no PJe-JT. o qual será habilitado no sistema como “redator”
pelo secretário da sessão;
A postulação encaminhada considerar-se-á tempes-
tiva (dentro do prazo) quando recebida, integralmente, V. no caso de provimento do agravo regimental in-
até as vinte e quatro horas do dia em que se encerra o terposto na forma do art. 557, § 1º, do CPC, o jul-
gamento do recurso terá seguimento em outra
prazo processual, considerado o horário da sede do res- sessão, após, se for o caso, manifestação do Minis-
pectivo Tribunal em que se situa o órgão destinatário. tério Público do Trabalho.
A suspensão dos prazos processuais não impedirá
o encaminhamento de petições e a movimentação Da Consulta e do Sigilo
de processos eletrônicos, podendo a apreciação dos A consulta ao inteiro teor dos documentos juntados
pedidos decorrentes desses prazos ocorrer, a critério ao PJe-JT somente estará disponível pela rede mundial
do juiz, após o término do prazo de suspensão, ressal- de computadores, nos termos da Lei 11.419/2006
vados os casos de urgência. e da Resolução nº 121, de 5 de outubro de 2010, do
Conselho Nacional de Justiça - CNJ, para as respectivas V. promover a integração com demais órgãos e enti-
partes processuais, advogados em geral, Ministério dades necessários ao desenvolvimento e implan-
Público e para os magistrados, sem prejuízo da possibi- tação do PJe-JT;
lidade de visualização nas Secretarias dos Órgãos Julga- VI. colaborar com as áreas de Gestão de Pessoas dos
dores, à exceção daqueles que tramitarem em sigilo ou Tribunais Regionais do Trabalho e do Conselho
segredo de justiça. Superior da Justiça do Trabalho para a capacitação
Para essa consulta, será exigido o credenciamento necessária dos servidores da Justiça do Trabalho
no sistema. nas competências afetas a este projeto;
VII. interagir com as áreas de comunicação social do
Do Uso Inadequado do Sistema Conselho Superior da Justiça do Trabalho e dos
O uso inadequado do sistema que cause prejuízo Tribunais Regionais do Trabalho, dando ciência
às partes ou à atividade jurisdicional poderá importar, a todos os magistrados, servidores e demais
após determinação da autoridade judiciária competen- usuários, de qualquer tema pertinente ao PJe-JT;
te, no BLOQUEIO PROVISÓRIO do cadastro do usuário, VIII. priorizar e deliberar sobre as necessidades de ma-

Noções de Direito Processual do Trabalho


relativamente ao processo em que se deu o evento, ou nutenção do sistema e encaminhá-las às áreas per-
mesmo ao sistema (dependendo da gravidade do fato), tinentes;
SEM PREJUÍZO de outras medidas processuais e legais, IX. propor a criação de grupos de trabalho com o
observadas as prerrogativas legais, no caso de magis- objetivo de acompanhar iniciativas de desenvolvi-
trados, advogados e membros do Ministério Público. mento de projetos similares ao PJe-JT, com vistas à
Do Plantão sua avaliação e possível aproveitamento.
Observadas as regras definidas na Resolução nº 71 As ações e as deliberações decorrentes dos traba-
do Conselho Nacional de Justiça e nos respectivos regi- lhos do Comitê serão submetidas à aprovação da Presi-
mentos internos dos Tribunais Regionais do Trabalho, a dência do Tribunal Superior do Trabalho e do Conselho
designação do juiz ou desembargador plantonista ob- Superior da Justiça do Trabalho.
servará o seguinte procedimento: →→ Composição do Comitê Gestor Nacional:
I. poderá haver a designação de mais de um magis- ˃˃ Um Ministro do Tribunal Superior do Trabalho,
trado para atuar como plantonista, os quais terão integrante do Grupo de Negócio do TST;
atuação no âmbito de todos os órgãos judicantes ˃˃ Três magistrados designados para compor o
de sua respectiva instância dentro da Região; Comitê Gestor do desenvolvimento do sistema
II. caberá ao administrador do sistema cadastrar no de Processo Judicial Eletrônico - PJe, de que trata
sistema datas, horários e nomes dos magistrados a Portaria do Conselho Nacional de Justiça - CNJ
nº 65, de 22 de abril de 2010, com a redação dada
plantonistas; pela Portaria nº 95, de 17 de maio de 2010;
III. a distribuição de processos conterá funcionalidade ˃˃ Um magistrado indicado pelo Colégio de Presi-
que permita ao advogado indicar se trata de matéria dentes e Corregedores de Tribunais Regionais do
urgente a ser apreciada pelo magistrado plantonista; Trabalho - COLEPRECOR;
IV. encerrado o período do plantão, o processo será ˃˃ Um Secretário ou Diretor de Tecnologia da Infor-
encaminhado ao gabinete do Desembargador mação de Tribunal Regional do Trabalho designado
relator, originariamente designado, em se tratando pela Presidência do Tribunal Superior do Trabalho
de plantão no Tribunal. e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho;

21
Capítulo II ˃˃ O Assessor-Chefe de Tecnologia da Informação
e das Comunicações do Conselho Superior da
Da Administração do Sistema Justiça do Trabalho;
Dos Comitês Gestores ˃˃ O Secretário de Tecnologia da Informação do
A administração do PJe-JT caberá ao Comitê Gestor Tribunal Superior do Trabalho;
Nacional e aos Comitês Gestores Regionais, compostos ˃˃ Um representante indicado pelo Presidente do
por usuários internos e externos do sistema. Conselho Federal da Ordem dos Advogados do
Brasil - OAB;
Do Comitê Gestor Nacional ˃˃ Um representante indicado pelo Procurador-Ge-
O Comitê Gestor Nacional supervisionará o ge- ral do Trabalho.
renciamento, a especificação, o desenvolvimento, A Presidência do CGPJe-JT caberá ao Ministro do
a implantação, o suporte e a manutenção corretiva e Tribunal Superior do Trabalho e, nas suas ausências ou
evolutiva do Processo Judicial Eletrônico da Justiça do impedimentos, a um dos magistrados indicados no art.
Trabalho - PJe-JT. 34, inciso I-A, da resolução (três magistrados designa-
→→ São atribuições do Comitê Gestor Nacional: dos para compor o Comitê Gestor do desenvolvimen-
I. garantir a adequação do PJe-JT aos requisitos legais to do sistema de Processo Judicial Eletrônico - PJe), a
e às necessidades da Justiça do Trabalho; ser designado pela Presidência do Tribunal Superior do
II. definir as premissas e as estratégias utilizadas para Trabalho e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho.
a especificação, desenvolvimento, testes, homolo- Dos Comitês Gestores Regionais
gação, implantação e integridade de operação do →→ Compete aos Comitês Gestores Regionais, no
PJe-JT; âmbito das respectivas áreas de atuação:
III. garantir a padronização do PJe-JT nos órgãos da ˃˃ administrar o sistema nos aspectos relaciona-
Justiça do Trabalho; dos a sua estrutura, implementação e funciona-
IV. definir o escopo do sistema no que concerne às mento, de acordo com as diretrizes fixadas pelo
particularidades da Justiça do Trabalho; Comitê Gestor Nacional;
˃˃ avaliar a necessidade de promover a manutenção de tecnologia da comunicação e informação, realizar
corretiva e evolutiva; todos os testes e experimentos necessários à verifica-
˃˃ organizar a estrutura de atendimento às ção do pleno funcionamento das novas versões dispo-
demandas de seus usuários internos e externos; nibilizadas pelo CSJT.
˃˃ determinar a realização de auditorias no sistema, Os testes realizar-se-ão em ambiente próprio, e
especialmente no que diz respeito à integridade apenas depois de finalizados é que o Tribunal Regional
das suas informações e segurança; deverá migrar a sua versão atualizada para o ambiente
˃˃ garantir a integridade do sistema, no que diz de produção.
respeito à sua taxonomia e classes processuais;
˃˃ propor ao Comitê Gestor Nacional alterações
Capítulo III
visando ao aprimoramento do sistema; Da Implantação
˃˃ observar as normas expedidas pelo Conselho Os Tribunais Regionais do Trabalho deverão formar
Superior da Justiça do Trabalho e pelo Comitê grupo de trabalho multidisciplinar responsável pela
Noções de Direito Processual do Trabalho

Gestor Nacional. coordenação e pela execução das ações de implanta-


→→ Cada Comitê Gestor Regional será composto, pelo ção do PJe-JT, na forma prevista no art. 3º, parágrafo
menos, por: único, do Ato Conjunto nº 16/TST.CSJT.GP, de 19 de
agosto de 2011.
˃˃ um Desembargador do Tribunal Regional do
Trabalho; A implantação deverá observar os padrões de in-
fraestrutura definidos pelo Comitê Gestor do PJe-JT,
˃˃ um Juiz do Trabalho, preferencialmente titular de ouvida a gerência técnica.
Vara do Trabalho;
→→ A implantação do PJe-JT poderá ser feita:
˃˃ dois servidores da área judiciária, compreenden-
do cada grau de jurisdição; ˃˃ A partir da fase de conhecimento, hipótese em
˃˃ um servidor da área de tecnologia da informação que implicará, para os processos novos, a supe-
e comunicação; ração dos atuais sistemas de gestão das informa-
ções processuais mantidos pelos Tribunais;
˃˃ um representante da Ordem dos Advogados do
Brasil, indicado pela Seção respectiva, ou pelo ˃˃ A partir da fase de execução, após o trânsito em
Conselho Federal em caso de atuação em mais de julgado do título e mediante autorização da Presi-
um Estado; dência do Conselho Superior da Justiça do Trabalho.
˃˃ um representante do Ministério Público do Caso seja feita a implantação a partir da fase de
Trabalho, indicado pela Procuradoria Regional do execução, deverão ser cadastrados no Sistema PJe-JT
Trabalho. todos os processos que transitarem em julgado e que
tenham execuções em autos únicos.
Os membros dos Comitês Gestores Regionais serão
designados por ato da Presidência do Tribunal Regional Para a implantação na fase de execução, os Tribu-
do Trabalho, e sua coordenação será exercida por um nais deverão apresentar à Presidência do Conselho
Desembargador. Superior da Justiça do Trabalho plano detalhado de
Os Presidentes dos Regionais encaminharão à Pre- ação, com a fixação das etapas e com o respectivo cro-
sidência do Conselho Superior da Justiça do Trabalho nograma de implantação na fase de conhecimento.
cópias dos atos de constituição de seus respectivos A partir da implantação do PJe-JT em unidade judi-
22

Comitês Regionais, informando, inclusive, sobre as ciária, o recebimento de petições relativas aos proces-
futuras alterações em suas composições. sos que nele tramitam somente pode ocorrer no meio
Do Administrador do Sistema eletrônico próprio do sistema, sendo vedada a utiliza-
ção do e-DOC ou qualquer outro sistema de peticiona-
Compete ao Presidente do Tribunal designar ser- mento eletrônico.
vidores que exercerão a função de Administrador do
Sistema, no 1º e no 2º graus de jurisdição dos respecti- Durante a fase de implantação, os Tribunais Regio-
vos Tribunais, observadas as seguintes regras: nais do Trabalho poderão estabelecer horários diversos
01. serão designados, no mínimo, dois servidores da daqueles previstos no art. 7º da Resolução (horários pre-
área de informática para, com o apoio da área de ferenciais para a manutenção programada), desde que
infraestrutura, exercer as atividades relacionadas devidamente autorizados pela Presidência do Conselho
à configuração de novas versões disponibilizadas Superior da Justiça do Trabalho, bem como publicar no
pelo CSJT, atualização de fluxos, parametrização, Diário Oficial Eletrônico os atos mencionados no art. 18
testes preliminares e correções no sistema; da resolução (citações, notificações e intimações).
02. serão designados, no mínimo, para o módulo de 2º Os Tribunais Regionais do Trabalho submeterão à
grau, dois servidores da área judiciária com expe- Presidência do CSJT a ordem dos órgãos julgadores de
riência de atuação em áreas como a Presidência, primeiro e segundo graus nos quais será implantado o
Vice-Presidência, Corregedoria, Vice-Corregedo- PJe-JT, além da respectiva proposta de cronograma.
ria, Gabinetes e Secretarias de órgãos colegiados; O ato dessa implantação preverá a data de ingresso
03. serão designados, no mínimo, para o módulo de 1º no sistema de cada uma das classes processuais da
grau, dois servidores da área judiciária com expe- segunda instância, o que deverá ser concluído em, no
riência de atuação em áreas como secretarias de máximo, 90 (noventa) dias.
varas e gabinetes de juízes. A implementação das versões atualizadas do
Da Equipe de Testes sistema ficará a cargo das equipes técnicas de cada um
Os Tribunais Regionais do Trabalho deverão cons- dos Tribunais Regionais do Trabalho e no prazo máximo
tituir equipe específica de testes, composta por ser- de 07 (sete) dias, a partir da liberação e sob a supervi-
vidores da área judiciária, para, com apoio da área são da gerência técnica do PJe-JT do CSJT.
Nessa atividade, está incluída a realização de testes
por servidores designados pelos Tribunais Regionais do Medida Provisória Nº 2.200-2,
Trabalho, os quais atuarão sob a supervisão direta da
gerência técnica do PJe-JT.
de 24 de Agosto de 2001.
→→ Essa Medida Provisória instituiu a Infraestrutura de
Durante o período inicial de implantação, a Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil -, para garantir:
gerência técnica do PJe-JT poderá promover a liberação ˃˃ a autenticidade, a integridade e a validade
de versões, observada a seguinte periodicidade: jurídica de documentos em forma eletrônica;
˃˃ até dia 30 de abril de 2012, uma versão semanal; ˃˃ as aplicações de suporte e as aplicações habilita-
˃˃ de 1º de maio a 30 de junho de 2012, uma versão das que utilizem certificados digitais;
quinzenal. ˃˃ a realização de transações eletrônicas seguras.
A partir do mês de julho de 2012, a atualização das →→ A ICP-Brasil, cuja organização será definida em re-
versões do sistema obedecerá às regras definidas pela gulamento, será composta por:
gerência de configuração e observará cronograma a

Noções de Direito Processual do Trabalho


˃˃ uma autoridade gestora de políticas
cargo da gerência técnica do PJe-JT.
˃˃ uma cadeia de autoridades certificadoras:
O desenvolvimento de novas funcionalidades no
PJe-JT e a correção de problemas identificados na sua »» Autoridade Certificadora Raiz - AC Raiz;
utilização observarão as regras de Desenvolvimento de »» Autoridades Certificadoras – AC;
Novas Funcionalidades no Sistema Processo Judicial »» Autoridades de Registro – AR.
Eletrônico da Justiça do Trabalho - PJe-JT, nos termos A função de autoridade gestora de políticas será
de ato a ser expedido pelo Presidente do Conselho exercida pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil, VINCULA-
Superior da Justiça do Trabalho - CSJT. DO À CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA e
composto por cinco representantes da sociedade civil,
Capítulo IV integrantes de setores interessados, designados pelo
Das Disposições Finais e Transitórias Presidente da República, e um representante de cada
As intervenções que impliquem alterações estru- um dos seguintes órgãos, indicados por seus titulares:
turais do sistema somente poderão ser promovidas I. Ministério da Justiça;
quando autorizadas pela Presidência do Conselho II. Ministério da Fazenda;
Superior da Justiça do Trabalho. III. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e
Os Tribunais Regionais do Trabalho manterão, no Comércio Exterior;
âmbito de suas atribuições, estruturas de atendimento IV. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão;
e suporte aos usuários do PJe-JT. V. Ministério da Ciência e Tecnologia;
As cartas precatórias expedidas para as unidades VI. Casa Civil da Presidência da República; e
judiciárias nas quais tenha sido implantado o PJe-JT
tramitarão também em meio eletrônico e, quando VII. Gabinete de Segurança Institucional da Presidên-
cia da República.
da devolução ao juízo deprecante, será encaminhada
certidão constando o seu cumprimento com a materia- A COORDENAÇÃO do Comitê Gestor da ICP-Brasil
lização apenas de peças essenciais à compreensão dos será exercida pelo representante da Casa Civil da Presi-
atos realizados. dência da República.
Os representantes da sociedade civil serão designa-

23
É vedada a criação de novas soluções de informáti-
ca para o processo judicial, bem como a realização de dos para períodos de dois anos, permitida a recondução.
investimentos nos sistemas eventualmente existentes A participação no Comitê Gestor da ICP-Brasil é de
nos tribunais e implantações em unidades judiciárias relevante interesse público e não será remunerada.
de primeiro e segundo graus. Entretanto, essa O Comitê Gestor da ICP-Brasil terá uma Secretaria-
vedação não se aplica às manutenções necessárias ao -Executiva, na forma do regulamento.
funcionamento dos sistemas já implantados. →→ Compete ao Comitê Gestor da ICP-Brasil:
Os Tribunais Regionais do Trabalho promoverão ˃˃ Adotar as medidas necessárias e coordenar a im-
investimentos para a formação dos usuários internos, plantação e o funcionamento da ICP-Brasil;
com o objetivo de prepará-los para o aproveitamento ˃˃ Estabelecer a política, os critérios e as normas
adequado do PJe-JT. técnicas para o credenciamento das AC, das AR e
As Varas do Trabalho criadas por lei poderão ser ins- dos demais prestadores de serviço de suporte à ICP-
taladas sem a concomitante implantação do Processo -Brasil, em todos os níveis da cadeia de certificação;
Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho, respeitado ˃˃ Estabelecer a política de certificação e as regras
o princípio do juiz natural pelo quantitativo de órgãos operacionais da AC Raiz;
com competência territorial concorrente, mediante ˃˃ Homologar, auditar e fiscalizar a AC Raiz e os seus
autorização da Presidência do Conselho Superior da prestadores de serviço;
Justiça do Trabalho.
˃˃ Estabelecer diretrizes e normas técnicas para a
O Relatório (em caso de indisponibilidade) será dis- formulação de políticas de certificados e regras
ponibilizado pelos Tribunais Regionais do Trabalho no operacionais das AC e das AR e definir níveis da
prazo de 30 (trinta) dias, contado da publicação desta. cadeia de certificação;
Os casos não disciplinados na Resolução serão re- ˃˃ Aprovar políticas de certificados, práticas de cer-
solvidos pela Presidência do Conselho Superior da tificação e regras operacionais, credenciar e au-
Justiça do Trabalho. torizar o funcionamento das AC e das AR, bem
A Resolução entrou em vigor na data de sua publi- como autorizar a AC Raiz a emitir o correspon-
cação (30 de agosto de 2013). dente certificado;
˃˃ Identificar e avaliar as políticas de ICP externas, É vedado a qualquer AC certificar nível diverso do
negociar e aprovar acordos de certificação bilateral, imediatamente subsequente ao seu, exceto nos casos
de certificação cruzada, regras de interoperabilida- de acordos de certificação lateral ou cruzada, previa-
de e outras formas de cooperação internacional, mente aprovados pelo Comitê Gestor da ICP-Brasil.
certificar, quando for o caso, sua compatibilidade Consideram-se documentos públicos ou particula-
com a ICP-Brasil, observado o disposto em tratados, res, para todos os fins legais, os documentos eletrôni-
acordos ou atos internacionais; cos de que trata esta Medida Provisória.
˃˃ Atualizar, ajustar e revisar os procedimentos e as As declarações constantes dos documentos em
práticas estabelecidas para a ICP-Brasil, garantir forma eletrônica produzidos com a utilização de
sua compatibilidade e promover a atualização processo de certificação disponibilizado pela ICP-Brasil
tecnológica do sistema e a sua conformidade com presumem-se verdadeiros em relação aos signatários,
as políticas de segurança. na forma do art. 131 da Lei no 3.071, de 1o de janeiro
de 1916 - Código Civil.
O disposto nesta Medida Provisória não obsta a uti-
Noções de Direito Processual do Trabalho

lização de outro meio de comprovação da autoria e a


O Comitê Gestor poderá delegar atribuições à AC Raiz. integridade de documentos em forma eletrônica, inclu-
sive os que utilizem certificados não emitidos pela ICP-
AC Raiz - Autoridade Certificadora -Brasil, desde que admitido pelas partes como válido
ou aceito pela pessoa a quem for oposto o documento.
Raiz A utilização de documento eletrônico para fins tri-
É a primeira autoridade da cadeia de certificação butários atenderá, ainda, ao disposto no art. 100 da Lei
e a executora das Políticas de Certificados e normas no 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário
técnicas e operacionais aprovadas pelo Comitê Gestor Nacional.
da ICP-Brasil
→→ Competência: Instituto Nacional de Tecnologia
˃˃ Emitir, expedir, distribuir, revogar e gerenciar os da Informação - ITI
certificados das AC de nível imediatamente sub- O ITI é uma autarquia federal (vinculado ao Mi-
sequente ao seu; nistério da Ciência e Tecnologia), com sede e foro no
˃˃ Gerenciar a lista de certificados emitidos, revoga- Distrito Federal.
dos e vencidos;
˃˃ Executar atividades de fiscalização e auditoria
das AC e das AR e dos prestadores de serviço ha-
bilitados na ICP (em conformidade com as diretri-
zes e normas técnicas estabelecidas pelo Comitê O ITI é a Autoridade Certificadora Raiz da Infraes-
Gestor da ICP-Brasil); trutura de Chaves Públicas Brasileira.
˃˃ Exercer outras atribuições que lhe forem cometi- No exercício de suas atribuições, o ITI desempe-
das pela autoridade gestora de políticas. nhará atividade de fiscalização, podendo ainda aplicar
sanções e penalidades, na forma da lei.
Integrarão a estrutura básica do ITI uma Presidên-
cia, uma Diretoria de Tecnologia da Informação, uma
Diretoria de Infra-Estrutura de Chaves Públicas e uma
24

É vedado à AC Raiz emitir certificados para o usuário final. Procuradoria-Geral.


AC - Autoridade Certificadora A Diretoria de Tecnologia da Informação poderá ser
estabelecida na cidade de Campinas, no Estado de São
→→ Compete às ACs (entidades credenciadas): Paulo.
→→ emitir certificados digitais vinculando pares de Para a consecução dos seus objetivos, o ITI poderá,
chaves criptográficas ao respectivo titular; na forma da lei, contratar serviços de terceiros.
→→ emitir, expedir, distribuir, revogar e gerenciar os O Diretor-Presidente do ITI poderá requisitar, para
certificados; ter exercício exclusivo na Diretoria de Infraestrutura de
→→ colocar à disposição dos usuários listas de certifi- Chaves Públicas, por período não superior a um ano,
cados revogados e outras informações pertinentes servidores, civis ou militares, e empregados de órgãos
e manter registro de suas operações. e entidades integrantes da Administração Pública
O par de chaves criptográficas será gerado sempre Federal direta ou indireta, quaisquer que sejam as
pelo próprio titular e sua chave privada de assinatura funções a serem exercidas.
será de seu exclusivo controle, uso e conhecimento. Aos requisitados nos termos deste artigo serão as-
segurados todos os direitos e vantagens a que façam jus
AR - Autoridade de Registro no órgão ou na entidade de origem, considerando-se
→→ São entidades operacionalmente vinculadas à de- o período de requisição para todos os efeitos da vida
terminada AC, que tem por competência: funcional, como efetivo exercício no cargo, no posto, na
˃˃ identificar e cadastrar usuários na presença destes; graduação ou no emprego que ocupe no órgão ou na
entidade de origem.
˃˃ encaminhar solicitações de certificados às ACs;
→→ Fica o Poder Executivo autorizado a transferir para
˃˃ manter registros de suas operações. o ITI:
Observados os critérios a serem estabelecidos pelo I. os acervos técnico e patrimonial, as obrigações e
Comitê Gestor da ICP-Brasil, poderão ser credenciados os direitos do Instituto Nacional de Tecnologia da
como AC e AR os órgãos e as entidades públicos e as Informação do Ministério da Ciência e Tecnologia;
pessoas jurídicas de direito privado.
II. remanejar, transpor, transferir, ou utilizar, as Está correto o que se afirma em:
dotações orçamentárias aprovadas na Lei Orça- a) I, III e IV.
mentária de 2001, consignadas ao Ministério da b) I, II e IV.
Ciência e Tecnologia, referentes às atribuições do c) II e III.
órgão ora transformado, mantida a mesma clas-
sificação orçamentária, expressa por categoria d) I, II, III e IV.
de programação em seu menor nível, observado e) III e IV.
o disposto no § 2o do art. 3º da Lei no 9.995, de 04. De acordo com a Resolução 94 do Conselho
25 de julho de 2000, assim como o respectivo de- Superior da Justiça do Trabalho, assinale a alter-
talhamento por esfera orçamentária, grupos de nativa incorreta:
despesa, fontes de recursos, modalidades de apli- a) Considera-se indisponibilidade dos sistemas de
cação e identificadores de uso. tramitação eletrônica de processos a falta de
Enquanto não for implantada a sua Procuradoria oferta ao público externo o serviço de consulta
Geral, o ITI será representado em juízo pela Advocacia aos autos digitais, transmissão eletrônica de atos

Noções de Direito Processual do Trabalho


Geral da União. processuais ou citações, intimações ou notifica-
Ficam convalidados os atos praticados com base na ções eletrônicas.
Medida Provisória no 2.200-1, de 27 de julho de 2001. b) As falhas de transmissão de dados entre as
Esta Medida Provisória entrou em vigor na data de estações de trabalho do público externo e a rede
sua publicação (24 de agosto de 2001). de comunicação pública, assim como a impossibi-
lidade técnica que decorra de falhas nos equipa-
mentos ou programas dos usuários, não caracte-
rizam indisponibilidade.
01. A Lei nº 11.419/2006 dispõe sobre a informati- c) Os prazos que se vencerem no dia da ocorrência de
zação do processo judicial. A esse respeito, é IN- indisponibilidade de quaisquer dos serviços defini-
CORRETO afirmar que: dos na resolução serão automaticamente prorro-
a) no processo eletrônico, todas as citações, intima- gados para o dia útil seguinte ao vencimento.
ções e notificações, inclusive da Fazenda Pública, d) O sistema receberá arquivos com tamanho
serão feitas por meio eletrônico, na forma da Lei máximo de 1,5 megabytes e apenas nos formatos
nº 11.419/2006. definidos na resolução 94 do CSJT.
b) serão consideradas vista pessoal do interessado, e) Partes ou terceiros interessados desassistidos
para todos os efeitos legais, as citações, intima- de advogados poderão apresentar peças proces-
ções, notificações e remessas que viabilizem o suais e documentos em papel, segundo as regras
acesso à íntegra do processo correspondente. ordinárias, nos locais competentes para o recebi-
c) os documentos produzidos eletronicamente e mento, cabendo à Unidade Judiciária digitalizá-
juntados aos processos eletrônicos com garantia -los e inseri-los no processo.
da origem e de seu signatário, na forma estabe-
lecida na Lei nº 11.419/2006, serão considerados 05. Nos termos da Resolução 94 do Conselho Superior
originais para todos os efeitos legais. da Justiça do Trabalho,que regulamenta a lei
d) quando o ato processual tiver que ser praticado 11.419/2006 - Processo Judicial Eletrônico - no
em determinado prazo, por meio de petição ele- âmbito da Justiça do Trabalho, é correto afirmar:
trônica, serão considerados tempestivos os efeti- a) No processo eletrônico, todas as citações, intima-

25
vados até as dezoito horas do último dia. ções e notificações, salvo da Fazenda Pública, far-
02. No processo eletrônico, quando o ato processual -se-ão por meio eletrônico.
tiver de ser praticado em determinado prazo, por b) Os atos processuais serão praticados, transmiti-
meio de petição eletrônica, ele será considerado dos, armazenados e assinados de forma eletrô-
tempestivo se for efetivado até as 24 horas do nica, não se admitindo, em nenhum caso, que as
último dia do prazo. citações, intimações e notificações sejam feitas
Certo ( ) Errado ( ) por meio de documentos físicos.
03. De acordo com a Resolução 94 do Conselho c) A distribuição em primeiro e segundo graus de
Superior da Justiça do Trabalho, considere: jurisdição será feita pelo órgão distribuidor logo
I. O Sistema Processo Judicial Eletrônico da Justiça após o protocolamento da petição inicial por meio
do Trabalho (PJe-JT) terá sua implantação nas eletrônico, na forma da resolução 94 do CSJT.
Varas e Tribunais Regionais do Trabalho de forma d) As citações, intimações, notificações e remessas
integral e imediata. que viabilizem o acesso à íntegra do processo cor-
II. A assinatura digital é a conversão de um docu- respondente serão consideradas vista pessoal do
mento originalmente confeccionado em papel interessado para todos os efeitos legais.
para o formato digital. e) A não obtenção de acesso ao PJe-JT e eventual
III. Os atos processuais terão registro, visualiza- defeito de transmissão ou recepção de dados não
ção, tramitação e controle exclusivamente em imputáveis à indisponibilidade ou impossibilidade
meio eletrônico e serão assinados digitalmente, técnica do sistema, desde que devidamente justifi-
contendo elementos que permitam identificar o cados, poderão servir de escusa para o descumpri-
usuário responsável pela sua prática. mento de prazo processual, ensejando a prorroga-
IV. acesso ao PJe-JT é obrigatória a utilização de as- ção do mesmo, mediante despacho do Juiz.
sinatura digital, admitidas algumas exceções, 06. De acordo com a Resolução 94 do Conselho
como no caso de atos urgentes ou de partes que Superior da Justiça do Trabalho, considere os se-
estejam reclamando diretamente sem o intermé- guintes itens:
dio de advogado.
I. Os Tribunais Regionais do Trabalho manterão, no d) Presidência da República.
âmbito de suas atribuições, estruturas de atendi- e) Casa Civil da Presidência da República.
mento e suporte aos usuários do PJe-JT.
II. Quem utilizar inadequadamente o sistema e
causar prejuízos às partes ou à atividade juris-
dicional poderá sofrer um bloqueio provisório 01 D 06 A
do cadastro de usuário apenas em relação ao 02 CERTO 07 CERTO
processo em que se deu o evento.
III. Partes ou terceiros interessados desassistidos 03 E 08 A
de advogados poderão apresentar peças proces- 04 C 09 C
suais e documentos em papel, segundo as regras
ordinárias, nos locais competentes para o recebi- 05 D 10 E
mento, cabendo à Unidade Judiciária digitalizá-
Noções de Direito Processual do Trabalho

-los e inseri-los no processo.


IV. Os documentos produzidos eletronicamente e os
que forem digitalizados não têm a mesma força
probante dos originais, que devem ser juntados ____________________________________________
ao processo no prazo designado pelo Juiz ou pelo ____________________________________________
Presidente do Tribunal. ____________________________________________
____________________________________________
V. O sistema fornecerá, imediatamente após o ____________________________________________
envio da petição inicial, juntamente com a com- ____________________________________________
provação de recebimento, informações sobre o ____________________________________________
número atribuído ao processo, o Órgão Julgador ____________________________________________
para o qual foi distribuída a ação e, se for o caso, ____________________________________________
a data da audiência inicial, designada automati- ____________________________________________
camente e da qual será o autor imediatamente ____________________________________________
intimado. ____________________________________________
Está correto o que se afirma em: ____________________________________________
a) I, III e V. ____________________________________________
b) I, II e III. ____________________________________________
c) II, III e IV. ____________________________________________
d) III, IV e V. ____________________________________________
e) I, II, III e V. ____________________________________________
____________________________________________
07. O ICP-Brasil, infraestrutura de chaves públicas ____________________________________________
brasileiras, garante os requisitos necessários para ____________________________________________
a validade jurídica dos documentos eletrônicos. ____________________________________________
Certo ( ) Errado ( ) ____________________________________________
08. À organização que distribui certificados digitais aos ____________________________________________
____________________________________________
26

usuários finais, mediante processo de identifica-


ção estabelecido nas práticas definidas na Infraes- ____________________________________________
trutura de Chaves Públicas (ICP), dá-se o nome de: ____________________________________________
a) autoridade de registro. ____________________________________________
b) fiscal de criptografia. ____________________________________________
____________________________________________
c) auditor digital. ____________________________________________
d) digital manager. ____________________________________________
e) gestor de autenticidade. ____________________________________________
09. A Infraestrutura de Chaves Públicas tem como ____________________________________________
objetivo: ____________________________________________
a) estabelecer requisitos para contratação de ____________________________________________
serviços de certificação digital. ____________________________________________
b) estabelecer normas para remessa por meio ele- ____________________________________________
trônico de documentos. ____________________________________________
c) garantir a autenticidade, a integridade e a ____________________________________________
validade jurídica de documentos em forma ele- ____________________________________________
trônica. ____________________________________________
____________________________________________
d) garantir o pleno funcionamento do Governo Ele- ____________________________________________
trônico. ____________________________________________
e) definir padrões de qualidade para as formas ele- ____________________________________________
trônicas de interação. ____________________________________________
10. O Comitê Gestor da ICP - Brasil é vinculado ao(à): ____________________________________________
a) Ministério da Justiça. ____________________________________________
b) Ministério da Fazenda. ____________________________________________
c) Ministério da Ciência e Tecnologia. ____________________________________________
ÍNDICE
CAPÍTULO 01���������������������������������������������������������������������������������� 28
Processo Administrativo��������������������������������������������������������������������������������������� 28
Funções da Administração���������������������������������������������������������������������������������������������28
Estrutura Organizacional������������������������������������������������������������������������������������������������29
CAPÍTULO 02���������������������������������������������������������������������������������� 34
A Administração Pública no Brasil ����������������������������������������������������������������������� 34
Administração Pública Patrimonialista���������������������������������������������������������������������������34
Administração Pública Burocrática���������������������������������������������������������������������������������35
Administração Pública Gerencial������������������������������������������������������������������������������������35
Evolução da Administração Pública no Brasil�����������������������������������������������������������������36
Reformas Administrativas����������������������������������������������������������������������������������������������36
Princípios e Sistemas de Administração Federal������������������������������������������������������������37
NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA

A Organização do Estado e da Administração Pública����������������������������������������������������38


Administração Pública Direta e Indireta�������������������������������������������������������������������������38
O Governo Empreendedor���������������������������������������������������������������������������������������������39
Governo Eletrônico��������������������������������������������������������������������������������������������������������39
GesPública����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������40
CAPÍTULO 03���������������������������������������������������������������������������������� 42
Ética, Moral, Valores e Virtudes���������������������������������������������������������������������������� 42
Ética��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������42
Moral������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������43
Valores���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������43
Virtudes��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������44
CAPÍTULO 04���������������������������������������������������������������������������������� 46
Noções de Ética Empresarial e Profissional e a Gestão da Ética nas Empresas
Públicas e Privadas����������������������������������������������������������������������������������������������� 46
Noções de Ética Empresarial e Profissional��������������������������������������������������������������������46
Gestão da Ética nas Empresas Públicas e Privadas��������������������������������������������������������47
CAPÍTULO 05���������������������������������������������������������������������������������� 51
Gestão da Qualidade�������������������������������������������������������������������������������������������� 51

27
Ferramentas da Qualidade ��������������������������������������������������������������������������������������������51
CAPÍTULO 06���������������������������������������������������������������������������������� 54
Resolução nº 70, de 18 de Março de 2009����������������������������������������������������������� 54
Capítulo I������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������54
Capítulo II ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������54
Capítulo III ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������55
Capítulo IV ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������55
Capítulo V�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������55
Capítulo VI����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������55
Resolução nº 49, de 18 de Dezembro de 2007.���������������������������������������������������� 55
CAPÍTULO 01 ˃˃ Planejamento Tático: o planejamento tático por
sua vez consiste no processo de detalhar os meios
utilizados a implementação das metas dentro de
Processo Administrativo unidades funcionais. Outro fator e a determi-
nação de prazos. É um processo vinculado com
Para entender melhor o sistema é preciso entender a operacionalização das metas. Planos táticos
como funciona o processo administrativo na prática, envolvem programas (conjunto de atividades),
pois ele é um processo formado por quatro funções projetos (subconjunto de um programa), planos
básicas da administração, que são o planejamento, or- de produtos (aprimoramento e reestruturação
ganização, direção e controle, conforme serão aborda- para tornar o produto mais competitivo) e plano
dos a seguir. de divisões (marketing, produção).
Funções da Administração ˃˃ Planejamento Operacional: consiste na forma-
Com o desenvolvimento de uma ciência da admi- lização de planos e objetivos a serem desempe-
nistração, ficou evidente a indagação “Quais seriam nhados e como devem ser executados. Trabalho
as funções dos administradores?”. Sendo assim, em focado no presente e não em objetivos futuros. É
meados dos anos 80, esse questionamento veio a ser o nível mais baixo de gerência. Dentro do planeja-
mento, pois trata da “operacionalização” de tudo
Noções de Gestão Pública

respondido por Henri Fayol, por meio da utilização da


nomenclatura “Funções da Administração”. que foi proposto. É muito utilizado em planos e
projetos no nível de execução. É essencialmen-
te constituído por documentos escritos das me-
todologias de desenvolvimento e implantações
estabelecidas. Os cronogramas e os orçamentos
Modernamente as funções da administração são as principais ferramentas de planejamento
são quatro: planejamento, organização, direção e operacional.
controle, conforme abordados a seguir.
Organização
Planejamento O ato de organizar está relacionado ao planejamen-
O planejamento define onde a organização deseja to e, com isso, demonstra como a empresa pretende
estar no futuro e como chegar lá. Planejamento signi- estruturar os objetivos e funções propostas de modo
fica definir objetivos para o desempenho futuro da or- a cumprir com o proposto no planejamento. Organizar
ganização e decidir sobre as tarefas e a utilização dos significa distribuir tarefas, agrupá-las em departamen-
recursos necessários para atingi-los. O planejamento é
sempre parte de um projeto de gestão, é um processo tos e alocação de recursos, lidar com autoridade e res-
de tomada de decisão. Porém, é um tipo especial de ponsabilidade, estabelecer eficácia do grupo e geren-
tomada de decisão por três fatores: ciar funções de linha e de staff.
˃˃ Consiste em elaborar planos antes de agir. É a →→ A seguir abordam-se os principais itens sobre a
decisão antes da ação. É delimitar o que fazer e organização, que são a distribuição de tarefas e a
como fazer antes que seja necessária a ação. departamentalização:
˃˃ Um sistema de decisões: consecução de um ˃˃ Distribuição de tarefas: o processo de distribui-
estado futuro que envolverá um conjunto de ção de tarefas envolve o processo de determina-
decisões. Decisões manipuladas de uma só vez e ção de níveis de especialização e qual a maneira
28

não podem estar divididas em subconjuntos in- de melhor agrupá-las. Para distribuirmos tarefas,
dependentes. Planejamento não é um ato e sim é necessário o trabalho de desenhá-las. Desenhar
um processo. tarefas é o processo de elencar quais os procedi-
˃˃ Planejamento é algo que visa à produção de uma mentos e operações serem executados por de-
ou mais perspectivas de estados futuros e dese- terminados setores e empregados e que funções
jados. irão ser exercidas. O objetivo deste procedimento
→→ O planejamento pode ser estratégico, tático ou é a especialização de tarefas, que por sua vez, tem
operacional, conforme a seguir: origem na administração cientifica de Frederick
˃˃ Planejamento Estratégico: o planejamento es- W. Taylor. O principal ponto positivo na especia-
tratégico consiste no processo decisório analisa- lização de tarefas é o controle e monitoramento,
do dentro do quadro do contexto das políticas, por parte de gerentes e gestores, dos funcioná-
visões e missões empregadas pela empresa. Tem rios e facilidade de desenvolver equipes.
por enfoque a forma de utilização dos recursos O ponto negativo é a queda da eficiência por fatores
disponíveis para atingir os objetivos propos- como tédio e insatisfação por parte dos funcionários
tos dentro de uma estratégia que irá orientar e uma vez que, devido à superespecialização, tarefas sim-
nortear a forma como a empresa será conduzi- plificadas podem despender tempo demais no repasse
da. Consiste basicamente na elaboração de um de trabalho de pessoa a pessoa. Dentro do processo de
plano de ações altamente contextualizado com especialização, há alternativa. Uma delas é a rotação de
os recursos da empresa e os objetivos propostos. tarefas que consiste basicamente na rotação sistemáti-
Determinar os resultados desejados faz parte do ca de funcionários. Outras são a ampliação de tarefas
processo de metas. Todos os recursos dispendi- e o enriquecimento delas. A ampliação de tarefas
dos e investidos no projeto devem ter retornos consiste em modificar a natureza da própria tarefa por
bem definidos pela organização. É um processo meio da adição de novas atividades. O enriquecimento
de reflexão da organização para quais rumos de tarefas implica o aumento de atividades e mais liber-
deverem ser tomados. dade de escolha de como realizá-la.
˃˃ Departamentalização: depois que as tarefas foram o planejamento e quanto maior for o seu horizonte de
desenhadas, a parte seguinte do processo de orga- tempo, tanto mais complexo será o controle. É preciso
nização é seu agrupamento em conjuntos lógicos. que os sistemas de projeto definam seu próprio controle.
Esse passo é importante porque tarefas apropria- É por meio desse processo que o administrador assegura
damente agrupada tornam mais fácil coordenar e o caminho correto para a execução dos planos.
integrar atividades e, portanto, realizar as metas →→ Os elementos do processo de controle são os se-
da organização. O processo de agrupar tarefas de-
nomina-se departamentalização. O principal fator guintes:
da departamentalização é a reunião de tarefas
Processo de
por meio de diretrizes e bases. Este procedimento
tem como palavra-chave a lógica. planejamento
→→ Apesar disso, há elementos fundamentais que Ação
servem como critérios para a departamentaliza- Processo de
corretiva ou
ção, são eles: execução
de reforço
˃˃ A organização funcional: deve-se pautar a divisão
em razão do objetivo das tarefas desempenhadas.
˃˃ A organização territorial: também é conhecido

Noções de Gestão Pública


como critério geográfico. Envolve a distribuição Dados de
especializada de acordo com os locais em que se Processo de
entrada para
encontram os grupos de atividades específicas. controle
controle
˃˃ A organização por produto: divisão pautada na ˃˃ Definição de padrões de controle: são resultan-
responsabilidade e autoridade sobre um grupo tes do processo de planejamento.
de operações que se relaciona a um produto ou
a um serviço. ˃˃ Aquisição de informações: conhecer o andamen-
˃˃ A organização por cliente: a divisão se projeta de to das atividades.
acordo com o tipo de cliente, considerando que ˃˃ Comparação e ação corretiva: comparação reali-
cada um possui necessidades distintas. zada para fomentar a correção da estratégia.
˃˃ A organização de projetos: é uma divisão tem- ˃˃ Recomeço do ciclo: a partir da tomada de decisões,
porária, visto que os projetos também o são. é possível reiniciar o processo, corrigindo os erros.
Isso quer dizer que o setor direcionado para a ˃˃ É preciso destacar que há aspectos comporta-
execução de um projeto deve ficar responsável mentais dos sistemas de controle, dentre os
por ele até que o projeto seja finalizado. quais, podem-se destacar os seguintes:
Direção ˃˃ Controle formal: exercido pela autoridade formal.
A direção se constitui do processo de implantação ˃˃ Controle social: exercido pela pressão do grupo
de tudo que foi planejado e organizado. Consiste no social.
terceiro fator dentro das funções administrativas. Se ˃˃ Controle técnico: exercido pela pressão do
vale da influencia para ativar e motivar as pessoas en- próprio trabalho.
volvidas para alcançar as metas da organização. Direção
envolve fatores como relacionamento, influenciação,
liderança, comunicação dentre outros. Consiste em
direcionar todos os processos e membros da equipe e

29
01. (CESPE) O controle técnico é exercido pelos
relacionar as tarefas visando a empresa como um todo. gerentes ou líderes, que utilizam o poder
Controle racional legal do seu cargo para induzir ou inibir
algum comportamento.
A essência da função de controle consiste em
regular o trabalho daqueles pelos quais um gerente é ERRADO. O controle técnico não é exercido pelos
responsável. gerentes ou líderes. Esse é o controle formal.
Estrutura Organizacional
A estrutura organizacional é o instrumento admi-
nistrativo resultante da identificação, análise, ordena-
→→ O ato de regular pode ser realizado de maneiras ção e agrupamento das atividades e dos recursos das
diversas, tais como: empresas, incluindo o estabelecimento dos níveis de
˃˃ Estabelecimento de padrões de desempenho alçada e dos processos decisórios, visando ao alcance
por antecipação. dos objetivos estabelecidos pelos planejamentos das
˃˃ Monitoramento, em tempo real, do desempe- empresas.
nho da organização. As atividades da empresa devem estar bem identi-
˃˃ Avaliação do desempenho como um todo ao ficadas, isto é, deve-se saber, exatamente, o que fazer
final do processo. e na ordem certa, primeiro uma e depois outra. Os
recursos também devem estar conforme as atividades,
O resultado dessa avaliação é realimentado para o por exemplo, uma máquina deve estar no lugar certo
sistema de planejamento. Por isso, é importante consi- e as pessoas devem estar no lugar das atividades que
derar essas funções básicas como partes integrantes de elas sabem executar. Estabelecer os níveis de alçada
um processo recíproco e repetitivo. e dos processos decisórios significa que a as pessoas
O controle permite identificar se a execução está só podem mandar ou agir dentro dos seus limites e as
adequada ao que foi planejado: quanto mais comple- decisões só podem ser tomadas dentro do seu campo
tos, definidos e coordenados forem os planos, tanto de ação. Uma empresa estabelece seus objetivos
mais simples será o controle. Quanto mais complexo e, para que eles sejam alcançados, é necessário um
planejamento. As atividades da empresa devem seguir ˃˃ Territorial (ou localização geográfica) - este tipo
o planejamento estabelecido. Se não for desta forma, de estrutura é usado por empresas territorial-
tudo vira uma grande confusão. mente espalhadas, ou seja, é usada quando a
empresa é dispersa no país, como por exemplo:
Estrutura Formal e Informal região norte, região sul etc. Segue, na figura
→→ A estrutura organizacional pode ser de dois tipos: abaixo, um exemplo da estrutura de departamen-
˃˃ Estrutura Formal: é aquela representada pelo or- to de Tráfico e Rodovias Estaduais:
ganograma. Todas as relações são formais. Não se Estrutura Territorial
pode descartá-la e deixar funcionários se relaciona-
Departamento de
rem quando eles não devem ter relações diretas. Tráfico Rodovias
A estrutura organizacional é representada grafi- Estaduais
camente no organograma. Um organograma é a re-
presentação gráfica de determinados aspectos da es-
trutura organizacional. Estabelece a estrutura formal Região Região Região
de empresa (departamentos) num determinado Leste Central Oeste
momento, conforme figura a seguir:
Organograma
Noções de Gestão Pública

Base Base Base Base Base Base Base Base Base


Diretoria 01 02 03 04 11 12 21 22 23
˃˃ Produtos (ou serviços) - nesse tipo, as ativi-
dades são agrupadas feitas de acordo com as
Controle e Secretaria atividades essenciais a cada um dos produtos
planejamento executiva
ou serviços da empresa, ou seja, é empregado
quando a empresa tem várias linhas de produtos
ou serviços como, por exemplo: têxtil, farmacêu-
Gerência
tico, químico etc. Essa estrutura é muito usada
em empresas que têm produtos diferentes e que
representam um volume importante. A grande
vantagem é o acompanhamento dos resultados
sobre o produto. Mas há desvantagens, pois pode
Ligística Projetos Manutenção
Recursos ocorrer duplicidade de tarefas, o que aumenta os
humanos custos e benefícios.
˃˃ Estrutura Informal: é o relacionamento entre as Estrutura por Produtos
partes fora do organograma, ou seja, as relações Diretoria
não estão previstas. A estrutura informal surge
naturalmente. Ela pode ajudar a empresa, facili- Geral
tando o trabalho, mas pode, também, atrapalhar,
realizando procedimentos errados. Por exemplo,
um funcionário recebeu um documento sem
carimbo. Se ele seguir a estrutura formal, o papel Gerência Gerência Gerência
deve retornar pelo mesmo caminho pelo qual de produtos de produtos de produtos
veio. Caso resolva ir buscar o carimbo diretamen- têxteis Pharma Agro
30

te, ele está criando uma relação informal. ˃˃ Clientes - nesse tipo as atividades são agrupadas
Tipos de Estruturas Organizacionais com base nas necessidades diversas e exclusivas
Formais dos clientes da empresa. A vantagem é que esse
modelo dá condições para conhecer e dar melhor
→→ As estruturas organizacionais formais podem ser tratamento ao cliente. A grande desvantagem é
dos seguintes tipos: a troca de recursos, pois várias vezes o atendi-
˃˃ Funcional - na estrutura funcional, as ativida- mento ao cliente é sazonal, ou seja, periódico. Na
des são agrupadas de acordo com as funções da figura que segue em exemplo por cliente mostra
empresa. É o mais utilizado pelas empresas, por uma loja de departamentos:
ser muito racional. A principal vantagem é que Estrutura por tipo de Cliente
apresenta especialização nas áreas técnicas,
além de melhorar os recursos nessas áreas. A Administração
principal desvantagem é que pode ocorrer um geral
descumprimento de prazos e orçamentos. Este
tipo de departamentalização não tem condições
para uma perfeita homogeneidade das demais
atividades da empresa. Exemplo: Departamento Setor Setor Setor
de Produção, Departamento Financeiro, Departa- Masculino Feminino Infantil
mento de Marketing etc. ˃˃ Processos - nesta estrutura, as atividades são
Estrutura Funcional agrupadas conforme as etapas de um processo.
Na indústria, por exemplo, há setores de corte,
Direitor montagem, estamparia etc. Considera-se pelo
Geral modo como são executados os serviços ou pro-
cessos para conseguir a meta ou objetivo espe-
cifico. É muito usado em operações industriais. A
vantagem é que pode observar a maior especia-
Gerência de Gerência de Gerência de Gerência de lização e rapidez técnica. A desvantagem é que
Financeira Produção Marketing RH a visão que se tem da mão de obra é limitada,
porque é especializada.
Estrutura por Processos ˃˃ Projetos - as atividades e as pessoas recebem
atribuições temporárias. O gerente de projeto
Administração é responsável pela realização de todo o projeto
central ou de uma parte dele. Terminada a tarefa, o
pessoal é designado para outros departamen-
tos ou outros projetos, ou seja, a alocação de
Seção de Seção de Seção de Seção de pessoas e recursos é temporária e, quando acaba
estoque catalogação embalagem preço um projeto, a equipe muda para outro. Ex.: uma
˃˃ Matricial – nessa estrutura, a equipe trabalha construtora tem várias obras e, quando acaba
para dois comandos simultaneamente. Ex.: em uma construção, os funcionários e os equipa-
uma fábrica, a equipe de manutenção recebe mentos vão para outra obra.
ordens da gerência de manutenção e também da Estrutura por projetos
gerência de produção. É uma estrutura mista que
une função, produto e projeto. Viola o princípio
de unidade de comando. É uma organização par- Diretora
ticipativa e flexível. de cobrança

Noções de Gestão Pública


A Estrutura Matricial é um tipo específico de estru-
tura organizacional que procura reunir as vantagens
das estruturas funcionais e das estruturas divisiona-
lizadas. Para isso, a par da divisão da organização por
projetos, grupos de clientes ou unidades de produção, Administração
são designados os chamados chefes de projeto, depen- financeira Comercial Projetos
dentes de um diretor de chefes de projeto. Para cada
um dos projetos são também designados especialistas
provenientes das diversas áreas funcionais, cada um
deles é coordenado pelo chefe de projeto em que está Projeto Projeto
integrado e pelo responsável da área funcional a que 01 02
pertence (existindo, assim, duas linhas de comando).
Estrutura Matricial
Companhia
universal

Diversão Divisão Divisão


Divisão
automo- produtos produtos
aeroespacial
bilistica eletricos químicos

Alocação de Ligação em

31
recursos mercado

Produção Engenharia Materiais Pessoal e Contabili-


segurança dade controle

Projeto
Grupo Grupo Grupo Grupo Grupo
A

Projeto
Grupo Grupo Grupo Grupo Grupo
B

Projeto
Grupo Grupo Grupo Grupo Grupo
C
˃˃ Mista - mistura os vários tipos de estruturas para exemplo, o RD responde à direção, mas sua autoridade
se adaptar à realidade. Muitas empresas usam limita-se aos assuntos da Qualidade, ou seja, quem ad-
esse tipo de departamentalização, principalmen- ministra o pessoal é cada gestor dentro de sua área de
te as grandes empresas, pois apresenta várias atuação. Segue abaixo um exemplo de organograma:
técnicas. É o tipo mais usado, uma vez que se
adapta melhor à realidade organizacional. Organograma
Estrutura Mista Presidente
Presidente
RD

Diretor Diretor Diretor


Marketing Administrativo Técnico Ger. Produto Ger. Comercial Ger. Financeiro

Comércio Indústria RH Financeira Produto A Produto B Engenharia Produção Vendas Contabilidade


Noções de Gestão Pública

O organograma pode ter diversos formatos e


diversas formas de disposição dos departamentos e
A principal vantagem da estrutura matricial é a setores, de acordo com a atividade e necessidade de
grande orientação para os resultados, mantendo a cada empresa.
identificação por especialidade. Porém, como desvan-
tagem destacam-se a possibilidade de conflitos entre Fluxograma
os diversos comandos, obrigando a uma permanente Fluxograma é a representação gráfica que apre-
comunicação com os gestores de topo. senta a sequência de um trabalho de forma analítica,
Organograma, Fluxograma e Crono- caracterizando as operações, os responsáveis e/ou
unidades organizacionais envolvidos no processo.
grama
A seguir serão abordados os conceitos de organo- O Fluxograma permite esquematizar e visualizar os
grama, fluxograma e cronograma, os quais também são sistemas de forma racional, clara e concisa, facilitan-
muito importantes para a administração: do seu entendimento geral por todos os envolvidos.
Por meio deles, o analista de sistemas, organização
Organograma e método pode representar os vários fatores e as va-
O organograma é uma representação gráfica da es- riáveis que ocorrem no sistema, circuitos de informa-
trutura hierárquica da empresa. Pode ter várias formas, ções relacionadas ao processo decisório, bem como
desde a mais comum, conhecida como organograma tra-
dicional, até formas bem pouco usuais, como uma flor. unidades organizacionais envolvidas no processo.
Em um organograma tradicional o primeiro passo é
determinar todas as funções e setores que serão apre-
32

sentadas no organograma, e definir suas posições hie-


rárquicas, como: →→ Vantagens do Fluxograma:
˃˃ Presidente. ˃˃ Permite verificar como funcionam todos os com-
˃˃ Diretores (Financeiro, Administrativo, Operacio- ponentes de um sistema.
nal, Comercial etc.). ˃˃ Entendimento simples e objetivo.
˃˃ Gerentes (Financeiro, Administrativo, Produção, ˃˃ Facilita a localização das deficiências no sistema.
Vendas etc.). ˃˃ Aplica-se a qualquer sistema, desde o mais
˃˃ Seções da Produção, Contabilidade, Departa- simples até o mais complexo.
mento. Financeiro, Departamento Jurídico etc. ˃˃ Facilita o entendimento nas mudanças feitas no
Quanto maiores a responsabilidade e autonomia, sistema.
mais alta será a posição ocupada pelo cargo ou setor. →→ Dentre os tipos de fluxograma, pode-se identifi-
Definidos os cargos e posições, é preciso transferi-los car seguinte:
para retângulos distribuídos verticalmente e ligados
por linhas que representarão a comunicação e hierar- Vertical que também é denominado folha de
quia dos itens. análise, folha de simplificação do trabalho, pois normal-
Sendo assim ao montar um organograma o pre- mente é destinado à representação de rotina simples
sidente (1) ocupa o primeiro nível. No segundo nível, em seu processamento analítico em uma unidade or-
serão colocados os diretores (2). Partindo do retângulo ganizacional. O nome Vertical é aplicado em razão de
do presidente, sairá uma linha que será dividida para se poder ser impresso como formulário padrão. O nome
ligar a todos os diretores; e, de cada diretor, sairá uma Folha de Análise deve-se à rapidez de preenchimento,
linha que se ligará aos gerentes (3) que respondem hie- pois os símbolos e convenções já se acham impressos.
rarquicamente a ele. As funções de staff, que respondem Os símbolos utilizados no fluxograma têm por objetivo
a um superior, mas não têm autoridade total sobre os evidenciar origem, processo e destino da informação
níveis abaixo, são colocadas em níveis intermediários e escrita e/ou verbal componente de um sistema admi-
ligadas à linha principal do superior correspondente. Por nistrativo.
Significados dos Símbolos

Símbolo Significado Símbolo Significado


01. O gráfico que corresponde à representação dos
Início ou fim Inspeção passos de um processo é o:
a) Histograma.
b) Gráfico de barras.
Operação Estoque
c) Fluxograma.
d) Diagrama de causa e efeito.
Transporte Espera e) Gráfico de controle.
RESPOSTA. “C”. Os passos de um processo correspon-
Conector Decisão dem a um fluxo, ou seja, o fluxograma representa os
passos de um processo.
Documento Sentido Existem vários tipos de cronogramas, assim como
muitos tipos de fluxogramas e organogramas, porém

Noções de Gestão Pública


→→ Segue abaixo um exemplo de fluxograma básico: foram apresentados somente os modelos básicos
1
para que haja um entendimento elementar a respeito
desses conceitos.
Início
Emite o
Preenche a pedido de
solicitação de compra
compra
o Dpto. de
01. Para que o administrador exerça o ato de contro-
Envia ao compras faz lar com maior confiança, ele pode utilizar os in-
supervisor do Fim a compra dicadores de desempenho para buscar informa-
departamento
Fim
ções sobre o número, percentagem de aspectos
O supervisor do desempenho, com o objetivo de comparar
analisa o da o feedback esta medida com metas preestabelecidas. Sendo
pedido ao solicitante
assim, pode-se dizer que uma forma de monito-
rar um processo é fazer a utilização de indicado-
Precisa N Dá parecer res de desempenho.
compra negativo
Certo ( ) Errado ( )
s
As quatro funções do administrador, no contexto da
Retorna o
Solocita pedido ao Escola do Processo Administrativo, devem ser utiliza-
orçamento supervisor das na mesma sequência determinada pelo ciclo admi-
nistrativo, para que sejam obtidas eficácia, eficiência e
Recebe o Dá parecer efetividade na resolução de um problema.
orçamento negativo
02. Considerando a evolução dos modelos organiza-

33
N cionais, a quarta função da sequência do ciclo ad-
Pode N Envia o é ministrativo é mais marcante no modelo:
aprovar orçamento possivel
ao gerente a) Gerencial.
s s b) Burocrático.
1 c) Governança.
Cronograma d) Patrimonialista.
O cronograma é a disposição gráfica do tempo que e) Empreendedor.
será gasto na realização de um trabalho ou projeto, de 03. O gerente de projeto que realiza suas atividades
acordo com as atividades a serem cumpridas. Serve para em uma estrutura matricial tem controle total
auxiliar no gerenciamento e controle deste trabalho, sobre sua equipe e seu nível de autoridade é
permitindo de forma rápida a visualização de seu anda-
mento. Segue abaixo um exemplos de Cronograma: compatível com suas responsabilidades.
Cronograma Certo ( ) Errado ( )
Mês 04. Uma das finalidades do processo de controle é
Atividade
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 gerar elementos para dar retorno aos integrantes
1. Apresentar o projeto ao CONSUN da equipe. Esse retorno pode ser considerado o
2. Realizar reunições setoriais para divulgação do trabalho processo de avaliar, informar ou corrigir o desem-
3. Planejar e realizar os eventos públicos
penho humano.
4. Divulgar os resultados dos eventos públicos
Certo ( ) Errado ( )
5. Elaborar a proposta de revisão do Plano Institucional 05. Para entender melhor o sistema é preciso
6. Divulgar a proposta do Plano Institucional revisado
entender como funciona o processo administrati-
vo na prática, pois ele é um processo formado por
7. Aprovar o Plano Institucional no CONSUN
quatro funções básicas da administração, que são
8. Elaborar Planos Setoriais de Ação para 2013 o planejamento, organização, direção e controle.
9. Aprovar Planos Setoriais de Ação no CONSUN Certo ( ) Errado ( )
06. Em uma organização, o ato de planejar implica
dedicação do setor administrativo e financeiro,
pois é com base nas finanças que o gestor e os
CAPÍTULO 02
demais colaboradores podem avaliar a situação
atual da empresa e seu futuro.
A Administração
Certo ( ) Errado ( ) Pública no Brasil
07. Planejar significa estabelecer padrões de conduta O conceito de Administração sofreu grandes
e alocar recursos para a realização dos processos mudanças durante a evolução das diferentes teorias (ou
de trabalho orientados aos objetivos de uma or- escolas) que abordaram a Administração no transcor-
ganização. rer do tempo (Administração científica, Teoria Clássica,
Teoria da Burocracia, Teoria Estruturalista, Teoria das
Certo ( ) Errado ( ) Relações Humanas, Teoria Contingencial, entre outras).
08. Planejamento refere-se diretamente a compe- Mas, de uma maneira genérica, podemos conceituar
tência interpessoal e gestão de pessoas. administração como uma ação humana cooperati-
Certo ( ) Errado ( ) va, caracterizada por um alto grau de racionalidade
para realizar objetivos determinados. Não vamos aqui
A administração, essencial para a coordenação de ati- detalhar as teorias administrativas e seus respectivos
vidades em uma entidade, tem como funções básicas enfoques, porque não é o propósito desta seção.
Noções de Gestão Pública

o planejamento, a organização, a direção e o controle. A tarefa da Administração é interpretar os objetivos


Acerca desses assuntos, julgue o item seguinte. propostos pela organização e transformá-los em ação
09. Um dos principais objetivos do processo deci- organizacional por meio de planejamento, organização,
sório é incrementar constantemente a base de direção e controle de todos os esforços, a fim de alcançar
decisões programadas das organizações para os objetivos da maneira mais adequada à situação.
economizar tempo e energia intelectual e evitar Já o conceito mais restrito de Administração Pública
o desgaste de resolver problemas que já contam deve ser considerado num determinado tempo e espaço
com solução definida. para que possa haver precisão em sua delimitação. Isso
Certo ( ) Errado ( ) se explica porque a noção de “público” nunca tem preci-
samente o mesmo sentido em dois contextos culturais
10. (Cespe) Na etapa final do controle — o desempe- diferentes (tempo e espaço). Exemplificando esta am-
nho é comparado com o padrão estabelecido na biguidade existente no conceito de público, podemos
fase inicial —, é importante que sejam determi- mencionar a administração dos serviços telefônicos no
nados os limites pelos quais uma variação poderá Brasil e no Chile. Houve época no Brasil em que este
ser considerada como normal ou desejável. serviço era prestado exclusivamente por empresas
Certo ( ) Errado ( ) de capital público. Ainda hoje no Chile o serviço é de
monopólio estatal; no Brasil, o serviço é prestado por
empresas privadas. Esse ponto isolado nos permite iden-
tificar como a abrangência e a própria noção do que seja
01 CERTO 06 ERRADO público ou não podem variar no tempo e no espaço.
Segundo o ex-ministro Bresser Pereira, esta Admi-
02 B 07 ERRADO nistração pública, cujas características e princípios, ora
03 ERRADO 08 ERRADO passamos a estudar, evoluiu numa perspectiva história
em razão de três modelos básicos: administração
04 CERTO 09 CERTO
34

pública patrimonialista, burocrática e gerencial. Essas


05 CERTO 10 ERRADO três formas se sucedem no tempo, mas nenhuma delas
foi totalmente abandonada, com heranças presentes
ainda nos dias de hoje.
Administração Pública Patrimonia-
____________________________________________ lista
____________________________________________ A importância de se estudar o patrimonialismo
reside na necessidade de se compreender sua origem
____________________________________________ e seus efeitos maléficos na Administração Pública do
____________________________________________ passado, para que possamos entender como, a seu
____________________________________________ tempo, pôde comprometer a finalidade básica do Estado
____________________________________________ de defender a coisa pública, e para que possamos agir
____________________________________________ sobre novas deficiências que se apresentem atualmente.
____________________________________________ Herança da época feudal, no patrimonialismo, a
____________________________________________ administração pública atende aos interesses da classe
____________________________________________ dominante, representando mero instrumento de usur-
pação de poder. O poder que emana do povo passa a
____________________________________________ ser utilizado pelo governante para seu interesse. Um
____________________________________________ dos efeitos do patrimonialismo é que a corrupção e o
____________________________________________ nepotismo são inerentes a esse tipo de Administração.
___________________________________________ Outros efeitos decorrem do fato de o patrimonialismo
___________________________________________ comprometer a finalidade básica do Estado de defender
___________________________________________ a coisa pública, porque as atividades públicas deixam
de estar comprometidas com a melhor relação custo-
___________________________________________ -benefício para a sociedade. Dessa maneira, desloca-se
___________________________________________ o foco de atenção da sociedade para as questões que
___________________________________________ privilegiam a vontade de poucos.
processos, como por exemplo, na admissão de pessoal,
nas compras e no atendimento a demandas.
Por outro lado, o controle - a garantia do poder do
O Patrimonialismo é a apropriação privada dos Estado - transforma-se na própria razão de ser do fun-
bens públicos. E quando se fala em bens públicos, não cionário. Em consequência, o Estado volta-se para si
se trata apenas de bens materiais, mas do próprio mesmo, perdendo a noção de sua missão básica, que é
exercício do poder. Na visão patrimonialista, o gover- servir à sociedade.
nante é um senhor, como no tempo da colônia, em
que tudo é possível, e o Estado funciona como se fosse
sua propriedade particular.
A Administração Patrimonialista gerava uma confusão A qualidade fundamental da administração
entre os cargos públicos e o próprio grau de parentes- pública burocrática é a efetividade no controle dos
co e afinidades entre os nobres e outros participantes abusos; seu defeito, a ineficiência, a autorreferência, a
do governo, sendo, na verdade, uma continuidade do incapacidade de voltar-se para o serviço aos cidadãos
modelo de administração utilizado pelas monarquias até vistos como clientes. Este defeito, entretanto, não se
o aparecimento da burocracia. Assim, na administração revelou determinante na época do surgimento da ad-
pública patrimonialista, própria dos Estados absolutis-

Noções de Gestão Pública


ministração pública burocrática, porque os serviços
tas europeus do século XVIII, o aparelho do Estado é a do Estado eram muito reduzidos. O Estado limitava-se
extensão do próprio poder do governante e os seus fun-
cionários são considerados como membros da nobreza. O a manter a ordem e administrar a justiça, a garantir os
patrimônio do Estado confunde-se com o patrimônio do contratos e a propriedade privada, tão somente.
soberano e os cargos são tidos como prebendas (ocupa-
ções rendosas e de pouco trabalho). Por consequência, a Administração Pública Gerencial
corrupção e o nepotismo são inerentes a esse tipo de ad- A administração pública gerencial apresenta-se
ministração, que ainda persiste até os dias atuais. como solução para estes problemas da burocracia.
Priorizam-se a eficiência da Administração, o aumento
Administração Pública Burocrática da qualidade dos serviços e a redução dos custos.
A evolução da sociedade, da democracia e do Busca-se desenvolver uma cultura gerencial nas orga-
próprio Estado acarretaram a insatisfação popular com nizações, com ênfase nos resultados, e aumentar a go-
a forma patrimonialista de administração. Adminis- vernança do Estado, isto é, a sua capacidade de geren-
trar o bem de todos para o interesse de poucos deixa ciar com efetividade e eficiência.
de ser aceitável. A consequência é o surgimento de um
modelo de administração pública que pudesse eliminar
estas “disfunções administrativas”.
Neste contexto, a Administração Pública burocrá- O cidadão passa a ser visto de outra forma,
tica surge, na época do Estado Liberal, em conjunto tornando se peça essencial para o correto desempe-
com o capitalismo e a democracia, pois era preciso
fazer algo contra a confusão entre os bens públicos e os nho da atividade pública, por ser considerado seu
privados e contra o nepotismo e a corrupção que eram principal beneficiário, o “cliente” dos serviços presta-
componentes que estavam sempre presentes na Admi- dos pelo Estado. A administração gerencial constitui
nistração Patrimonialista. um avanço, mas sem romper em definitivo com a ad-
Constituem princípios orientadores do seu desenvol- ministração burocrática, uma vez que não nega todos

35
vimento, a profissionalização, a ideia de carreira, a hie- os seus métodos e princípios.
rarquia funcional, a impessoalidade, o formalismo, em Uma característica forte desse tipo de administra-
síntese, o poder racional-legal, baseado na razão e na lei. ção, uma maior participação da sociedade civil na pres-
Essa Administração Pública Burocrática, que veio tação de serviços que não sejam exclusivos de Estado.
designar um método de organização racional e eficien- São as chamadas entidades paraestatais, que compõem
te, surgiu na perspectiva de substituir a força do poder o terceiro setor, composto por entidades da sociedade
exercido por regimes autoritários. O grande empenho civil de fins públicos e não lucrativos, como as organi-
para a implantação da Administração Pública Burocráti- zações sociais e as organizações da sociedade civil de
ca se deve à tentativa de controlar o conteúdo da ação interesse público (OSs e as OSCIPs), havendo, pois, uma
governamental, para evitar que os políticos agissem convivência pacífica entre o primeiro setor, que é o
contra os interesses coletivos da comunidade. Estado, e com o segundo setor, que é o mercado.
A tentativa de controlar tudo na administração Na administração gerencial, a noção de interesse
pública e de ditar o modo como as coisas deviam ser público é diferente da que existe no modelo burocráti-
feitas, regulando os procedimentos e controlando os co. A burocracia vê o interesse público como o interes-
insumos, fez com que se passasse a ignorar resultados. se do próprio Estado. A administração pública gerencial
A administração pública burocrática se concentra no nega essa visão, identificando esse interesse com o
processo legalmente definido, em definir procedimen- dos cidadãos, passando os integrantes da sociedade a
tos para todas as atividades, por exemplo, para contra- serem vistos como clientes dos serviços públicos.
tar pessoal, para comprar bens e serviços. Atualmente, o modelo gerencial na Administra-
Na burocrática, o controle vem em primeiro plano ção Pública vem cada vez mais se consolidando, com a
não se preocupando com a ineficiência promovida, mudança de estruturas organizacionais, o estabelecimen-
mas sim com a maneira de se evitarem a corrupção e to de metas a alcançar, a redução da máquina estatal, a
o nepotismo. Os controles administrativos com essa descentralização dos serviços públicos, a criação das
finalidade mencionada são sempre a priori. Parte-se agências reguladoras para zelar pela adequada prestação
de uma desconfiança prévia nos administradores dos serviços etc. O novo modelo propõe-se a promover o
públicos e nos cidadãos que a eles dirigem demandas.
Por isso, são sempre necessários controles rígidos dos aumento da qualidade e da eficiência dos serviços ofereci-
dos pelo Poder Público aos seus clientes: os cidadãos.
Algo que é bastante cobrado é o fato de a Admi- Pensando nessa ideia de modernização, ocorreu a
nistração Gerencial não abandonar todos os princípios reforma de 1967 pelo Decreto-Lei 200, o que constitui
da burocracia. A administração pública gerencial cons- um marco na tentativa de superação da rigidez burocrá-
titui um avanço e, até certo ponto, um rompimento tica, podendo ser considerada, inclusive, um primeiro
com a administração pública burocrática. Isto não sig- momento da administração gerencial no Brasil. Entre-
nifica, entretanto, que negue todos os seus princípios. tanto, as reformas operadas pelo Decreto-Lei 200/67 não
Pelo contrário, a administração pública gerencial está desencadearam mudanças no âmbito da administração
apoiada na anterior, da qual conserva, embora flexibili- burocrática central, permitindo a coexistência de núcleos
zando, alguns dos seus princípios fundamentais, como de eficiência e competência na administração indireta e
a admissão segundo rígidos critérios de mérito, a exis- formas arcaicas e ineficientes no plano da administração
tência de um sistema estruturado e universal de remu- direta ou central. Essa tentativa de profissionalização foi
neração, as carreiras, a avaliação constante de desem- interrompida no período militar, pela peculiaridade do
penho, o treinamento sistemático. tipo centralizador de governança, típico desse tipo de
governo que não desenvolveu carreiras de administrado-
A diferença fundamental está na forma de controle, res públicos de alto nível, preferindo, em vez disso, contra-
que deixa de basear-se nos processos para concentrar- tar os escalões superiores da administração por meio das
-se nos resultados, e não na rigorosa profissionalização empresas estatais. Essa fase perdurou por toda a adminis-
da administração pública, que continua um princípio
Noções de Gestão Pública

fundamental. Assim, podemos afirmar que a adminis- tração militar, até meados da década de 80.
tração pública gerencial, possui alguns pressupostos Nessa mesma época, registrou-se uma nova tenta-
básicos para desenvolver a administração, quais sejam: tiva de reformar a burocracia e orientá-la na direção da
˃˃ Definição precisa dos objetivos que o administra- administração pública gerencial, com a criação do Mi-
dor público deverá atingir em sua unidade. nistério da Desburocratização e do Programa Nacional
de Desburocratização -PrND, cujos objetivos eram a
˃˃ Garantia de autonomia do administrador na revitalização e agilização das organizações do Estado, a
gestão dos recursos humanos, materiais e finan- descentralização da autoridade, a melhoria e simplifi-
ceiros que lhe forem colocados à disposição para cação dos processos administrativos e a promoção da
que possa atingir os objetivos contratados. eficiência. Foi o início da chamada “abertura política”,
˃˃ Controle ou cobrança a posteriori dos resultados. feita pelo governo de Figueiredo (último presidente da
era militar), uma espécie de preparação para a demo-
cracia, firmada principalmente após a promulgação da
atual Constituição Federal, em 1988.
Afirma-se que a administração pública deve ser Após o surgimento da CF/88, ocorre um retrocesso
permeável à maior participação dos agentes privados burocrático sem precedentes. Sem que houvesse maior
e/ou das organizações da sociedade civil e deslocar a debate público, o Congresso Constituinte promoveu um
ênfase dos procedimentos (meios) para os resultados surpreendente engessamento do aparelho estatal, ao
(fins). É a aplicação imediata do Princípio da Eficiên- estender para os serviços do Estado e para as próprias
cia, o qual foi exteriorizado no art. 37, caput da CF/88, empresas estatais praticamente as mesmas regras bu-
pela Emenda Constitucional de 1998. rocráticas rígidas, ao passo que se inicia uma ingerência
patrimonialista, com a concessão de vários privilégios,
Evolução da Administração Pública o que não se pode admitir com a administração buro-
crática. Nota-se aí, uma terrível incongruência, pois
no Brasil no momento em que se tenta iniciar uma administra-
36

Esse é um assunto muito cobrado pelas bancas, ção gerencial, aplicam-se, ao mesmo tempo, as duas
pois exige um conhecimento histórico da administração outras: a burocrática, com a extrema formalização, e a
pública, bem como, a sensibilidade de aplicar esse en- patrimonialista, com a concessão de cargos e regalias
tendimento no atual sistema gerencial de administração. aos membros de partidos e colaboradores.
Então, é preciso compreender a cronologia do processo. Dessa forma foi o início do atual sistema governa-
O modelo de administração burocrática emergiu mental brasileiro: com a mistura das formas anteriores
a partir dos anos 30, na era Vargas. Surge no quadro da de administração, permanecendo, mesmo que velada-
aceleração da industrialização brasileira, em que o Estado mente, até os dias atuais.
assume papel decisivo, intervindo pesadamente no setor
produtivo de bens e serviços, fato esse, que perdura até Reformas Administrativas
hoje. Na mesma linha e com o objetivo de realizar a mo- A partir de 1990, o Estado Brasileiro se vê diante
dernização administrativa, foi criado o Departamento Ad- da realidade do competitivismo internacional, eviden-
ministrativo do Serviço Público – DASP, em 1936. ciado pela rápida abertura aos capitais e comércio in-
Nos primórdios, a administração pública sofre a in- ternacionais, associada à privatização das empresas
fluência da teoria da administração científica de Taylor, estatais e à redução do peso do Estado na economia.
tendendo à racionalização mediante a simplificação, Começa a se redefinir o papel do Estado, que de um
padronização e aquisição racional de materiais, revisão modelo paternalista, empresarial e burocrático deve,
de estruturas e aplicação de métodos na definição de urgentemente, assumir o papel de gestor.
procedimentos. No que diz respeito à administração
dos recursos humanos, o DASP representou a tentati- É notório que uma nação só se faz por meio de um
va de profissionalizar a carreira pública, baseando-se, esforço concentrado em produção, desenvolvimento eco-
pois, no princípio do mérito profissional. Entretanto, nômico e investimento social. É justamente a partir dessa
embora tenham sido valorizados instrumentos im- linha de raciocínio que o então Governo Federal lançou,
portantes à época, tais como o instituto do concurso a partir de 1995, uma ampla reforma na máquina estatal,
público e do treinamento, não se chegou a adotar con- conhecido como “Plano Diretor da Reforma do Aparelho
sistentemente uma política de recursos humanos que do Estado”, o qual definiu objetivos e estabeleceu diretri-
respondesse às necessidades do Estado. zes para a reforma da administração pública brasileira.
A reforma do Estado deve redefinir o seu papel, Art. 37 - XI. a remuneração e o subsídio dos ocupantes
que deixa de ser o de responsável direto pelo desen- de cargos, funções e empregos públicos da administra-
volvimento econômico e social pela via da produção de ção direta, autárquica e fundacional, dos membros de
bens e serviços, para ser o de promotor e regulador qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito
desse desenvolvimento. Reformar o Estado significa Federal e dos Municípios, dos detentores de mandato
transferir para o setor privado as atividades que podem eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos,
ser controladas pelo mercado. pensões ou outra espécie remuneratória, percebi-
dos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens
A “Reforma do Aparelho do Estado”, que teve início pessoais ou de qualquer outra natureza, não poderão
na década de 90, principalmente no governo FHC, que exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do
iniciou a abertura do capital público, com as chamadas Supremo Tribunal Federal.
PRIVATIZAÇÕES, irá refletir a médio e a longo prazo no Já no artigo 39, § 4° da Emenda, abriu-se o prece-
país. A reforma visava atingir os objetivos do neolibe- dente para uma forma de remuneração denominada
ralismo; que, em linhas gerais, é o estabelecimento do subsídio para os membros de poder, que será uma única
“Estado Mínimo”, reduzido, em oposição ao Estado parcela, estando proibido qualquer adicional, abono,
“inchado” e paternalista, que mostra tendências de prêmio, verba de representação ou outra espécie de re-
retorno, com a atual administração federal. muneração, sempre obedecendo ao disposto no artigo
A Constituição Federal brasileira, promulgada após 37, incisos X e XI, sobre a fixação de teto:

Noções de Gestão Pública


duas décadas de ditadura, trouxe muitas inovações na A Emenda também incluiu um dispositivo na Carta
área administrativa, mantendo, ainda, alguns ditames Magna que obriga os poderes Executivo, Legislati-
do sistema burocrático, remediado dez anos depois, vo e Judiciário a publicar, anualmente, os valores do
com a publicação da Emenda Constitucional nº 19/ subsídio e da remuneração dos cargos e empregos
1998, a qual trouxe uma profunda reforma na Carta públicos. Assim, a sociedade tomará conhecimento
Magna, pois abrangeu um grande número de dispositi- dos valores percebidos pelos detentores do Poder e
vos constitucionais. seus servidores públicos. Existem outros postos que
Além disso, alterou profundamente as bases da Ad- merecem ser ressaltados nas inovações trazidas pela
ministração Pública brasileira, desviando-se do modelo Emenda n° 19/98, como as profundas alterações no
social criado pelos constituintes de 1988 para um modelo chamado “terceiro setor” da Administração Pública,
mais liberal, inspirado em esboços da administração criando figuras como as “organizações sociais”, mas por
privada. Buscava-se, enfim, a reestruturação da nação, ora deixaremos este registro a título de destaque.
como a redução da interferência do Estado na economia, Por fim, não se pode deixar de mencionar a nova
a redução do déficit público e a melhoria na qualidade e redação do caput do art. 37 da Constituição Federal,
eficiência dos serviços públicos e prováveis alterações nos que resume, de certa forma, o espírito da Reforma Ad-
mecanismos de controle dos recursos públicos. ministrativa de 1998. Reza o presente artigo que:
Um ponto que vale destacar com relação à Emenda Art. 37. A administração pública direta e indireta
está na abertura para a elaboração de uma futura lei de qualquer dos Poderes da União, dos Estados e do
que venha a disciplinar as formas de participação do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos prin-
cidadão na administração pública direta e indireta, cípios da legalidade, impessoalidade, moralidade,
como regulamenta o § 3° do artigo 37 da CF/88: publicidade e eficiência.
Art. 37- § 3º - A lei disciplinará as formas de partici- O princípio da eficiência, grafado no texto constitu-
pação do usuário na administração pública direta e cional, como princípio expresso, denota o caráter pro-
indireta, regulando especialmente: fissional que a nova Administração Pública tem que ter.

37
I. as reclamações relativas à prestação dos Frisa-se que já existia tal princípio, porém, de forma im-
serviços públicos em geral, asseguradas a plícita e esquecida pelos administradores.
manutenção de serviços de atendimento
ao usuário e a avaliação periódica, externa Princípios e Sistemas de Adminis-
II.
e interna, da qualidade dos serviços;
o acesso dos usuários a registros administra-
tração Federal
tivos e a informações sobre atos de governo, →→ Os Princípios Fundamentais da Administração
observado o disposto no art. 5º, X e XXXIII; Pública Federal são os seguintes:
III. a disciplina da representação contra o exercí- ˃˃ Planejamento: estudo e estabelecimento das dire-
cio negligente ou abusivo de cargo, emprego trizes e metas que deverão orientar a ação gover-
ou função na administração pública. namental, por meio de um plano geral de governo,
Esse dispositivo prestigia o princípio da moralida- programas globais, setoriais e regionais de duração
de administrativa, determinando sua imprescindível plurianual, do orçamento, programa anual e da
programação financeira de desembolso.
observância na prática de qualquer ato pela Adminis-
tração Pública e criando um instrumento de defesa ˃˃ Coordenação: harmonizar todas as atividades
do cidadão nos mesmos moldes do Código de Defesa da Administração submetendo-as ao que foi pla-
do Consumidor, ou algo como uma Lei de Defesa do nejado e poupando desperdício. Na Administra-
Usuário dos Serviços Públicos. ção Federal, a coordenação é da competência da
Casa Civil da Presidência da República. O objetivo
Outro detalhe importante da Emenda Constitucional é propiciar soluções integradas e em sincronia
é a rígida observação do controle da despesa pública com com a política geral e setorial do Governo.
pessoal ativo e inativo da União, dos Estados e dos Muni- ˃˃ Descentralização: objetivo é descongestionar a
cípios, que não poderá ser superior a limites fixados em Administração Federal por meio de:
lei complementar. Estes limites foram fixados, posterior-
mente, pela Lei Complementar n° 101, de 04/05/2000. A »» Desconcentração administrativa: repartição
Emenda trouxe, ainda, novidades no que diz respeito à de função entre vários órgãos (despersona-
remuneração de alguns servidores específicos, visando lizados) de uma mesma Administração sem
evitar a ultrapassagem de teto constitucional: quebrar a hierarquia.
»» Delegação de execução de serviço: pode ser →→ Administração Pública Direta: é coordenada pela
particular ou pessoa administrativa, mediante estrutura governamental, a qual exerce autorida-
convênio ou consórcio. de financeira, política e administrativa. Para o nível
»» Execução indireta: mediante contratação de par- federal, é fica a cargo do Presidente da República
ticulares, precedida de licitação, salvo nos casos com a ajuda dos ministros. Para o nível estadual é o
de dispensa por impossibilidade de competição. Governador, auxiliado pelas Secretarias de Estado.
Para o nível municipal, identificam-se o Prefeito e
˃˃ Delegação de Competência: as autoridades da as secretarias municipais como responsáveis.
Administração transferem atribuições decisórias →→ Administração Pública Indireta: ou em razão de
a seus subordinados, mediante ato próprio que lei, há uma atribuição de funções da administra-
indique autoridade delegante, a delegada e o objeto ção direta para outras pessoas jurídicas. Nesse
da delegação. Tem caráter facultativo e transitório, caso, pode-se dizer que existe somente autonomia
apoiando-se em razões de oportunidade e conve- administrativa e financeira, de modo que sempre
niência e na capacidade do delegado. Só é delegável exista uma vinculação ao órgão de origem. Alguns
a competência para a prática de atos e decisões ad- exemplos de administração indireta são: autar-
ministrativas. Não podem ser delegados: quias, entidades paraestatais, fundações, que são
»» Atos de natureza política (sanção e veto). instituídas a fim de dar conta de serviços públicos
Noções de Gestão Pública

»» Poder de tributar. ou que possuam interesse dessa natureza.


»» Edição de atos de caráter normativo. Formas de Descentralização Adminis-
»» Decisão de recursos administrativos. trativa
»» Matérias de competência exclusiva dos órgãos →→ Concessão: é a delegação de sua prestação feita pelo
ou autoridade. poder concedente mediante licitação na modalidade
concorrência à pessoa que demonstre capacidade
˃˃ Controle: no âmbito da Administração direta, para seu desempenho, por sua conta e risco e por
preveem se: prazo determinado. Essa é a redação da Lei 8987/95.
»» Controle de execução e normas específicas: →→ Autorização: autorização é diferente de licença,
feito pela chefia competente. porque a autorização é ato discricionário, ao passo
»» Controle do atendimento das normas gerais re- que a licença é vinculado. Na licença, o interessado
guladoras do exercício das atividades auxiliares: tem direito de obtê-la, e pode exigi-la, desde que
organizadas sob a forma de sistemas (pessoal, preencha certos requisitos, por exemplo: licença
auditoria) realizada pelos órgãos próprios de para dirigir veículo. A autorização apresenta-se em
cada sistema. três modalidades:
»» Controle de aplicação dos dinheiros públicos: é a) autorização de uso: em que um particular é au-
o próprio sistema de contabilidade e auditoria torizado a utilizar bem público de forma especial,
como na autorização de uso de uma rua para reali-
realizado, em cada Ministério, pela respectiva zação de uma quermesse.
Secretaria de Controle Interno.
b) autorização de atos privados controlados: em que
A Organização do Estado e da Ad- o particular não pode exercer certas atividades
sem autorização do poder público, são atividades
ministração Pública exercidas por particulares, porém consideradas de
A organização da República Federativa do Brasil interesse público.
38

está presente na Constituição Federal de 1988. É c) autorização de serviços públicos: coloca-se ao


preciso que haja correta organização para que os ob- lado da concessão e da permissão de serviços
jetivos da Administração Pública sejam cumpridos. A públicos, destina-se a serviços muito simples, de
fim de facilitar a organização dos Estados Brasileiros, alcance limitado, ou a trabalhos de emergência.
focalizou-se a divisão político-administrativa. →→ Permissão: é a delegação, a título precário, mediante
licitação da prestação de serviços públicos feita pelo
A organização do estado é formada pelo Poder Exe- poder concedente, a pessoa que demonstre capaci-
cutivo, Poder Judiciário e Poder Legislativo, partindo dade de desempenho por sua conta e risco.
a teoria da tripartição dos poderes. A administração Governabilidade, Governança e
pública federal é feita em três níveis, cada um com sua
função geral e específica:
Accountability
A seguir apresentam-se os conceitos de governabi-
→→ Nível Federal - representada pela União, que lidade, governança e accountability:
realiza a administração pública, ela formada por um
conjunto de pessoas jurídicas de direito público. →→ Governança: é a capacidade de o Estado imple-
mentar eficientemente as políticas públicas. A Go-
→→ Nível Estadual - os Estados e o Distrito Federal vernança tem um sentido amplo, denotando articu-
realizam a administração pública. lação entre Estado e sociedade. A governança pode
→→ Nível Municipal - os Poderes Legislativo, Executivo ser entendida como a outra face de um mesmo
e Judiciário realizam a administração pública nos processo, ou seja, como os aspectos adjetivos/ins-
municípios. trumentais da governabilidade. Em geral, entende-
-se a governança como a capacidade que um deter-
Administração Pública Direta e minado governo tem para formular e implementar
Indireta as suas políticas. A fonte da governança não são os
cidadãos ou a cidadania organizada em si mesma,
Na execução dos serviços públicos, existe uma mas sim um prolongamento desta, ou seja, são os
divisão estrutural, que pode ser compreendida como ad- próprios agentes públicos ou servidores do Estado
ministração pública direta e indireta conforme a seguir: que possibilitam a formulação/implementação
correta das políticas públicas e representam a face
deste diante da sociedade civil e do mercado, no
Governo Eletrônico
setor de prestação de serviços diretos ao público. De acordo com o site www.governoeletronico.gov.br:
→→ Governabilidade: é um conceito ligado ao exercício Os impactos globais trazidos pelas tecnologias da
do poder, é o direito, é a legitimidade de represen- informação e comunicação, em especial, a Internet,
tar os direitos do povo. A Governabilidade denota fizeram surgir uma nova sociedade de indivíduos que,
um conjunto essencial de atributos de um governo a cada vez mais conectados, produzem serviços e se be-
fim de executar sua gestão. Governabilidade refere- neficiam do conhecimento e das milhares de informa-
-se às próprias condições substantivas/materiais de ções disponíveis na rede.
exercício do poder e de legitimidade do Estado e →→ No Brasil, a política de Governo Eletrônico segue
do seu governo derivadas da sua postura diante da um conjunto de diretrizes que atuam em três
sociedade civil e do mercado. Pode ser concebida frentes fundamentais:
como a autoridade política do Estado em si, enten- ˃˃ Junto ao cidadão;
dida como a capacidade que este tem para agregar ˃˃ Na melhoria da sua própria gestão interna;
os múltiplos interesses dispersos pela sociedade e
apresentar-lhes um objetivo comum para curto, ˃˃ Na integração com parceiros e fornecedores.
médio e longo prazos. A fonte ou origem principal Diretrizes

Noções de Gestão Pública


da governabilidade são os cidadãos e a cidadania As diretrizes gerais de implantação e operação do
organizada, ou seja, é a partir deles (e da sua capa- Governo Eletrônico funcionam no âmbito dos Comitês
cidade de articulação em partidos, associações e Técnicos de Governo Eletrônico e servem de referência
demais instituições representativas) que surgem e para estruturar as estratégias de intervenção, sendo
se desenvolvem as condições citadas acima como adotadas como orientações para todas as ações de
imperativas para a governabilidade plena. governo eletrônico, gestão do conhecimento e gestão
→→ Accountabillity (“prestar contas”): processo de da TI em toda a Administração Pública Federal. Segue
responsabilização do servidor público perante a abaixo as diretrizes gerais:
sociedade. A Accountability relaciona-se ao princí- →→ A prioridade do Governo Eletrônico é a promoção
pio da publicidade. A demanda por accountability da cidadania:
se origina da opacidade do poder, de um contexto
de informação imperfeita, e tem como eixo básico A política de governo eletrônico do governo brasi-
o princípio da publicização. O exercício da ac- leiro abandona a visão que vinha sendo adotada, que
countability só tem sentido se remete ao espaço apresentava o cidadão-usuário antes de mais nada como
público, de forma a preservar as suas três dimen- “cliente” dos serviços públicos, em uma perspectiva de
sões: informação, justificação, punição. provisão de inspiração neoliberal. O deslocamento não
é somente semântico. Significa que o governo eletrô-
a) Vertical - responsabilidade (fiscalização) por parte nico tem como referência os direitos coletivos e uma
do cidadão. visão de cidadania que não se restringe à somatória dos
b) Horizontal - responsabilidade (fiscalização) por direitos dos indivíduos. Assim, forçosamente incorpora a
parte de outra instituição pública. A Accounta- promoção da participação e do controle social e a indis-
bility horizontal requer a institucionalização de sociabilidade entre a prestação de serviços e sua afirma-
poderes para aplicação de sanções legais em atos ção como direito dos indivíduos e da sociedade.
verificados como nocivos à gestão pública. →→ A Inclusão Digital é indissociável do Governo Ele-

39
O Governo Empreendedor trônico:
A gestão pública empreendedora é baseada em A Inclusão digital deve ser tratada como um
avaliações contínuas da sociedade para ajustar suas es- elemento constituinte da política de governo eletrônico,
tratégias, planos e metas, bem como a sua ação imple- para que esta possa configurar-se como política univer-
mentadora, visando resultados que melhor respondam sal. Esta visão funda-se no entendimento da inclusão
às demandas dos cidadãos como clientes (MATIAS-PE- digital como direito de cidadania e, portanto, objeto de
REIRA, 2009, p. 161-162). políticas públicas para sua promoção. Entretanto, a arti-
→→ A seguir apresentam-se os princípios básicos para culação à política de governo eletrônico não pode levar
um governo empreendedor: a uma visão instrumental da inclusão digital. Esta deve
˃˃ ser um governo catalisador; ser vista como estratégia para construção e afirmação
de novos direitos e consolidação de outros pela facilita-
˃˃ ser um governo competitivo (sendo, para isso, ção de acesso a eles. Não se trata, portanto, de contar
necessária a quebra de monopólios, a fim de com iniciativas de inclusão digital somente como recurso
liberar as forças de mercado); para ampliar a base de usuários (e, portanto, justificar
˃˃ ser um governo inspirado em missões; os investimentos em governo eletrônico), nem reduzida
˃˃ ser um governo orientado a resultados; a elemento de aumento da empregabilidade de indiví-
˃˃ ser um governo voltado para os clientes (os cidadãos duos ou de formação de consumidores para novos tipos
que são “compradores” de serviços públicos); ou canais de distribuição de bens e serviços.
˃˃ ser um governo descentralizador; Além disso, enquanto a inclusão digital concentra-
˃˃ ser um governo da comunidade; -se apenas em indivíduos, ela cria benefícios individuais
mas não transforma as práticas políticas. Não é possível
˃˃ ser um governo orientado para o mercado. falar de práticas políticas sem que se fale também da uti-
Além disso, o governo deve primar pelo controle lização da tecnologia da informação pelas organizações
primário, entendido este, como o controle realizado da sociedade civil em suas interações com os governos, o
pelo próprio gestor, diferenciando-se, portanto, dos que evidencia o papel relevante da transformação dessas
controles interno e externo da Administração. mesmas organizações pelo uso de recursos tecnológicos.
→→ O Software Livre é um recurso estratégico para a
implementação do Governo Eletrônico:
GesPública
O Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocra-
O software livre deve ser entendido como opção tização – GesPública – foi instituído pelo Decreto nº 5.378
tecnológica do governo federal. Onde possível, deve de 23 de fevereiro de 2005 e é o resultado da evolução
ser promovida sua utilização. Para tanto, deve-se
priorizar soluções, programas e serviços baseados histórica de diversas iniciativas do Governo Federal para a
em software livre que promovam a otimização de promoção da gestão pública de excelência, visando a con-
recursos e investimentos em tecnologia da informa- tribuir para a qualidade dos serviços públicos prestados
ção. Entretanto, a opção pelo software livre não pode ao cidadão e para o aumento da competitividade do País.
ser entendida somente como motivada por aspectos Visto como uma política pública fundamentada em
econômicos, mas pelas possibilidades que abre no um modelo de gestão específico, o Programa tem como
campo da produção e circulação de conhecimento, no principais características o fato de ser essencialmente
acesso a novas tecnologias e no estímulo ao desenvol- público - orientado ao cidadão e respeitando os princí-
vimento de software em ambientes colaborativos e pios constitucionais da impessoalidade, da legalidade,
ao desenvolvimento de software nacional. A escolha da moralidade, da publicidade e da eficiência -, de ser
do software livre como opção prioritária onde cabível, contemporâneo - alinhado ao estado-da-arte da gestão
encontra suporte também na preocupação em garantir -, de estar voltado para a disposição de resultados para
Noções de Gestão Pública

ao cidadão o direito de acesso aos serviços públicos a sociedade - com impactos na melhoria da qualidade
sem obrigá-lo a usar plataformas específicas. de vida e na geração do bem comum - e de ser federa-
→→ A gestão do conhecimento é um instrumento es- tivo - com aplicação a toda a administração pública, em
tratégico de articulação e gestão das políticas todos os poderes e esferas do governo.
públicas do Governo Eletrônico:
A Gestão do Conhecimento é compreendida, no Modelo de Excelência em Gestão
âmbito das políticas de governo eletrônico, como um Pública (MEGP)
conjunto de processos sistematizados, articulados e inten- Por sua vez, o Modelo de Excelência em Gestão
cionais, capazes de assegurar a habilidade de criar, coletar, Pública (MEGP) representa a principal referência a ser
organizar, transferir e compartilhar conhecimentos estra- seguida pelas instituições públicas que desejam apri-
tégicos que podem servir para a tomada de decisões, para morar constantemente seus níveis de gestão. Como
a gestão de políticas públicas e para inclusão do cidadão todo modelo de gestão, o MEGP contém diretrizes
como produtor de conhecimento coletivo. expressas em seus critérios de excelência gerencial
→→ O Governo Eletrônico deve racionalizar o uso de (liderança, estratégias e planos, cidadãos, sociedade,
recursos: informação e conhecimento, pessoas, processos e re-
O governo eletrônico não deve significar aumento sultados), técnicas e tecnologias para sua aplicação
dos dispêndios do governo federal na prestação de (como, por exemplo, a Carta de Serviços ao Cidadão, o
serviços e em tecnologia da informação. Ainda que seus Instrumento Padrão de Pesquisa de Satisfação, o Guia
benefícios não possam ficar restritos a este aspecto, é de Gestão de Processos, o Guia ‘d’ Simplificação Ad-
inegável que deve produzir redução de custos unitários ministrativa e o Instrumento de Avaliação da Gestão)
e racionalização do uso de recursos. Grande parte das e práticas de gestão implantadas com sucesso. Para
iniciativas de governo eletrônico pode ser realizada que tanto o Modelo de Excelência em Gestão Pública
através do compartilhamento de recursos entre órgãos quanto o próprio Programa GesPública acompanhem
públicos. Este compartilhamento pode se dar tanto no a dinâmica da sociedade brasileira e estejam em con-
40

desenvolvimento quanto na operação de soluções, in- formidade com as necessidades dos cidadãos, são fun-
clusive através do compartilhamento de equipamentos damentais ações contínuas de inovação do modelo, de
e recursos humanos. Deve merecer destaque especial sua comunicação e de garantia de sua sustentabilidade.
o desenvolvimento compartilhado em ambiente cola- Com o Decreto Presidencial que instituiu 2009
borativo, envolvendo múltiplas organizações. como o Ano Nacional da Gestão Pública, a estratégia do
→→ O Governo Eletrônico deve contar com um arcabouço Programa para cumprimento de sua missão foi ajustada
integrado de políticas, sistemas, padrões e normas: de forma a facilitar a construção coletiva de uma agenda
O sucesso da política de governo eletrônico depende de gestão e a adesão das instituições aos princípios da
da definição e publicação de políticas, padrões, normas Carta de Brasília, documento elaborado em conjunto
e métodos para sustentar as ações de implantação e pelo Ministério do Planejamento e pelo CONSAD
operação do Governo Eletrônico que cubram uma série (conselho nacional de secretários de Estado da adminis-
de fatores críticos para o sucesso das iniciativas. tração) que contém um conjunto de orientações para a
melhoria da gestão pública em nosso País. Em especial,
→→ Integração das ações de Governo Eletrônico com foi criado um fórum nacional permanente de discussão
outros níveis de governo e outros poderes: do tema, foi lançado o Portal Nacional da Gestão Pública
A implantação do governo eletrônico não pode ser (www.gespublica.gov.br) e os processos de trabalho
vista como um conjunto de iniciativas de diferentes que sustentam o GesPública passaram a ser a articula-
atores governamentais que podem manter-se isoladas ção, o fomento e a mobilização de redes de gestão, com
entre si. Pela própria natureza do governo eletrônico, geração de conhecimento em gestão pública.
este não pode prescindir da integração de ações e de Sendo assim o modelo de Excelência em Gestão
informações. A natureza federativa do Estado brasilei- Pública, de padrão internacional, é a representação de
ro e a divisão dos Poderes não pode significar obstácu- um sistema de gestão que visa aumentar a eficiência,
lo para a integração das ações de governo eletrônico. a eficácia e a efetividade das ações executadas, para
Cabe ao Governo Federal um papel de destaque nesse levar as organizações públicas brasileiras a padrões
processo, garantindo um conjunto de políticas, padrões elevados de desempenho e de qualidade em gestão.
e iniciativas que garantam a integração das ações dos
(http://www.gespublica.gov.br)
vários níveis de governo e dos três Poderes.
Princípios da Administração Pública
(“caput” do art. 37 da CF88)
→→ Legalidade: “caput” do art. 37 e art. 5º Da CF: su- 01. Segundo Meirelles (1985), administrar é gerir
bordinação do poder público à previsão legal. Só
pode fazer o que a lei determina. interesses segundo a lei, a moral e a finalidade
dos bens entregues à guarda e à conservação
→→ Impessoalidade: objetividade no atendimento do
interesse público, vedada a promoção pessoal de alheias. Se os bens e interesses geridos são in-
agentes ou autoridades. Não é possível prejudicar dividuais, realiza-se a administração privada;
ou favorecer determinadas pessoas (princípio da se são coletivos, realiza-se a administração
finalidade). pública. Neste contexto, assinale a opção que
→→ Moralidade administrativa: art. 2º da Lei 9.784/99; não apresenta um dos princípios que norteiam a
art. 37, §4º da CF: atuação segundo padrões éticos Administração Pública.
de probidade, decoro e boa-fé. a) Legalidade: presa aos mandamentos da lei,
→→ Publicidade: art. 37, §1º da CF; art. 5º, XXXII da deles não podendo se afastar, sob pena de inva-
CF: deverá ter caráter educativo, informativo ou lidade do ato.
de orientação social, não podendo constar nomes, b) Impessoalidade: qualquer atividade de gestão

Noções de Gestão Pública


símbolos ou imagens que caracterizem promoção pública deve ser dirigida a todos os cidadãos,
pessoal de autoridades ou servidores públicos. sem determinação de pessoa ou discriminação
→→ Eficiência: EC 19/98 - Exige-se a apresentação de re- de qualquer natureza.
sultados positivos para o serviço público e satisfató- c) Finalidade: impõe-se à administração pública a
rio atendimento das necessidades do administrado. prática de atos voltados para o interesse público.
→→ Razoabilidade: não cabe à Administração Pública d) Habilidade: por parte daqueles encarregados das
decidir de maneira irracional, fora dos padrões de operações, para dirigir e coordenar estas opera-
normalidade da sociedade. ções a fim de que sejam cumpridos os planos.
→→ Proporcionalidade: art. 2º, §único, VI da Lei e) Igualdade: todos os cidadãos são iguais perante
9.784/99: adequação entre meios e fins, vedada a a lei e, portanto, perante a administração
imposição de obrigações, restrições e sanções em pública.
medida superior àquelas estritamente necessárias RESPOSTA. “D”. Habilidade não é princípio da admi-
ao atendimento do interesse público. nistração pública.
→→ Motivação: a administração Pública tem que expor
seus motivos.
No decorrer da história, houve uma evolução da Ad-
ministração Pública passando por três modelos básicos: 01. A administração pública burocrática adota
a Administração Pública Patrimonialista; a Administração sistemas de controle e gestão centrados em re-
sultados e não em procedimentos.
Pública Burocrática; e a Administração Pública Gerencial. Certo ( ) Errado ( )
Nenhum dos modelos antecessores foi inteiramen- 02. No século XX, após o advento dos direitos
te abandonado. Atualmente, predominam duas formas

41
públicos, isto é, aqueles de que gozam todos os
de Administração Pública: a Burocrática e a Gerencial. A cidadãos, fazendo que a propriedade do Estado
Administração Pública Burocrática é baseada no forma- seja efetivamente pública, a democracia e a ad-
lismo e na ênfase ao controle dos processos, tendo como ministração pública burocrática — concebidas
vantagens a segurança e a efetividade das decisões. para proteger o patrimônio público — precisa-
vam transformar-se: a primeira deveria ser mais
A Administração Pública Gerencial é caracterizada participativa ou mais direta, e a segunda, menos
pela eficiência dos serviços prestados aos cidadãos. No burocrática e mais gerencial.
nosso sistema governamental, há quatro espécies de Certo ( ) Errado ( )
Administração Pública: 03. A administração pública burocrática substituiu a
→→ Administração Pública Federal: representada pela administração patrimonialista, na qual o Estado
União, tem por finalidade o dever de administrar era entendido como propriedade do rei e em
os interesses. que não havia clara distinção entre o patrimônio
público e o privado.
→→ Administração Pública do Distrito Federal: repre- Certo ( ) Errado ( )
sentada pelo Distrito Federal, tem por finalidade 04. A qualidade fundamental da administração
atender aos interesses da população ali residente, pública patrimonialista é a efetividade no
e ser responsável pelo recebimento de representa- controle dos abusos; seu defeito, a ineficiência, a
ções diplomáticas ao Brasil quando em visita. autorreferência, a incapacidade de voltar-se para
→→ Administração Pública Estadual: promove todas o serviço aos cidadãos vistos como clientes.
as iniciativas para satisfazer os interesses da po- Certo ( ) Errado ( )
pulação de seu limite territorial geográfico como 05. Dotar uma empresa ou órgão público de tudo o
estado – membro. que é necessário para seu funcionamento: como
matérias-primas, utensílios, capital e pessoas é a
→→ Administração Pública Municipal: zelar pelos inte- função de Administração definida por Fayol como
resses da população local dentro dos Limites terri- a função de planejar.
toriais do município. Certo ( ) Errado ( )
06. A administração pública gerencial é autorreferen-
te, assim como a administração pública burocráti-
ca, visto que ambas reafirmam o poder do Estado
CAPÍTULO 03
sobre o cidadão.
Certo ( ) Errado ( )
Ética, Moral, Valores e Virtudes
Neste capítulo, em suma, vamos abordar a ética
07. A administração pública é o conjunto das funções aplicada ou conceitos referentes à ética, moral, valores
necessárias à oferta de serviços públicos em e virtudes.
geral; por isso, o funcionário público detém o que Os conteúdos mais relevantes que serão aborda-
se conhece como poder discricionário, que é a li- dos ao longo deste capítulo são os que dizem respeito a
berdade de agir para resolver problemas que não noções, conceitos e características da ética e da moral.
estejam explícitos na lei, mas se apresentam no
cotidiano dos serviços públicos. Ética
Certo ( ) Errado ( )
08. A administração pública gerencial, que utiliza a
Origem e Definição
orientação para resultados, procura reconhecer A palavra “ética” vem do grego ethos. Os romanos
os usuários do serviço público como clientes, ou traduziram o ethos grego para o latim “mos”, que quer
seja, como cidadãos que geram renda e divisas dizer “costume”, de onde vem a palavra “moral”.
Noções de Gestão Pública

para o país. Em outras palavras, assim como a palavra “moral”


Certo ( ) Errado ( ) vem do latim (mos, moris), a palavra “ética” vem do
09. Nos anos 90 do século XX, com a reforma geren- grego (ethos) e ambas se referem a costumes, indi-
cial do governo de Fernando Henrique Cardoso, cando as regras do comportamento, as diretrizes de
verificou - se, pela primeira vez, que os princípios conduta a serem seguidas.
rígidos da administração burocrática eram um Cotidianamente, não se faz distinção entre ética e
empecilho para o desenvolvimento do Brasil. moral, as duas palavras são usadas como sinônimos.
Certo ( ) Errado ( ) Mas os estudiosos da questão fazem distinção entre
10. Não é a legislação que determina as diferenças elas. Sendo assim, vejamos.
entre os modelos de excelência na gestão empre-
sarial e na gestão pública e, sim, as características
essenciais das entidades do setor privado e do
setor público. A palavra “ética” vem do grego “ethos”, que significa
Certo ( ) Errado ( ) “modo de ser” ou “caráter” (índole).
A Ética é a parte da filosofia que estuda a morali-
dade das ações humanas, isto é, se são boas ou más. É
01 ERRADO 06 ERRADO uma reflexão crítica sobre a moralidade.
Assim, a ética é definida como a teoria ou a ciência
02 CERTO 07 ERRADO do comportamento moral, que busca explicar, com-
03 CERTO 08 CERTO preender, justificar e criticar a moral ou as morais de
uma sociedade. A ética é filosófica e científica. Compete
04 ERRADO 09 CERTO à ética chegar, por meio de investigações científicas, à
05 ERRADO 10 CERTO explicação de determinadas realidades sociais, ou seja,
42

ela investiga o sentido que o homem dá a suas ações


para ser verdadeiramente feliz.
Enquanto a moral é definida como o conjunto de
normas, princípios, preceitos, costumes, valores que
___________________________________________ norteiam o comportamento do indivíduo no seu grupo
social. A moral é normativa.
___________________________________________
___________________________________________ A ética representa uma abordagem científica
___________________________________________ sobre as constantes morais, ou seja, refere-se àquele
___________________________________________ conjunto de valores e costumes mais ou menos per-
___________________________________________ manente no tempo e no espaço. Em outras palavras,
____________________________________________ a ética é a ciência da moral, isto é, de uma esfera do
comportamento humano. (VÁZQUEZ, 2011).
____________________________________________
____________________________________________ Mas a Ética não é puramente teoria é um conjunto
___________________________________________ de princípios e disposições voltados para a ação, histo-
___________________________________________ ricamente produzidos, cujo objetivo é balizar (limitar)
___________________________________________ as ações humanas.
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________ Em seu sentido mais amplo, a ética tem sido entendi-
___________________________________________ da como a ciência da conduta humana perante o ser
___________________________________________ e seus semelhantes. Portanto, neste sentido, a ética
___________________________________________ envolve estudos de aprovação ou desaprovação da
___________________________________________ ação dos homens; e a consideração de valor como
___________________________________________ equivalente de uma medição do que é real e volunta-
___________________________________________ rioso no campo das ações virtuosas.
Objeto e Objetivo da Ética Moral
A Ética tem por objeto de estudo o estímulo que Origem e Definição
guia a ação: os motivos, as causas, os princípios, as
máximas, as circunstâncias; mas também analisa as
consequências dessas ações.
A Ética tem como objetivo fundamental levar a mo-
dificações na moral, com aplicação universal, guiando A palavra “moral” vem do latim “mos” ou “mores”, que
e orientando racionalmente e do melhor modo a vida significa “costume” ou “costumes (VÁZQUEZ, 2011).
humana.
A noção de moral está diretamente relacionada
Assim, a Ética tem por objeto o comportamen- com os costumes de um grupo social.
to humano no interior de cada sociedade, e o estudo
desse comportamento com o fim de estabelecer níveis A moral é um conjunto de regras de conduta
aceitáveis que garantam a convivência pacífica dentro adotadas pelos indivíduos de um grupo social e tem
das sociedades e entre elas, constitui o objetivo da a finalidade de organizar as relações interpessoais
Ética. (LISBOA; MARTINS, 2011). segundo os valores do bem e do mal.
Em outras palavras, a moral é a regulação dos
Campo da Ética valores e comportamentos considerados legítimos por

Noções de Gestão Pública


Os problemas éticos, ao contrário dos problemas uma determinada sociedade, um povo, uma religião,
prático-morais, são caracterizados por sua generalida- uma certa tradição cultural etc.
de. (VÁZQUEZ, 2011). Sendo assim, a moral é mutável e varia historica-
A função fundamental da ética é a mesma de toda mente, de acordo com o desenvolvimento de cada so-
teoria: explicar, esclarecer ou investigar uma determi- ciedade e, com ela, variam os seus princípios e as suas
nada realidade, elaborando os conceitos correspon- normas. Ela norteia os valores éticos na Administração
dentes. (VÁZQUEZ, 2011). Pública. (VÁZQUEZ, 2011).
Não lhe cabe formular juízos de valor sobre a A moral é influenciada por vários fatores, como
prática moral de outras sociedades, ou de outras sociais e históricos. Sendo assim, há diferença entre os
épocas, em nome de uma moral absoluta e universal, conceitos morais de um grupo para outro.
mas deve antes explicar a razão de ser desta pluralida-
de e das mudanças de moral; isto é, deve esclarecer o Moral e Ética
fato de os homens terem recorrido a práticas morais
diferentes e até opostas. (VÁZQUEZ, 2011).
Conduta Ética
Para que uma conduta possa ser considerada ética, Moral e ética não devem ser confundidos. Enquanto a
três elementos essenciais devem ser ponderados: moral é normativa, a ética é teórica e busca explicar e
justificar os costumes de uma determinada sociedade.
Intenção A moral não é ciência, mas objeto da ciência; e,
(finalidade) neste sentido, é por ela estudada e investigada.
Enquanto a ética tem caráter científico, a moral
Ação Circunstâncias tem caráter prático imediato, visto que é parte inte-
(Ato moral) (consequências do ato) grante da vida cotidiana das sociedades e dos indiví-

43
duos. A moral é a aplicação da ética no cotidiano, é a
prática concreta.
Bom A moral ocupa-se basicamente de questões sub-
= jetivas, abstratas e de interesse particular do indiví-
ético duo e da sociedade, relacionando-se com valores ou
condutas sociais.
Se um único desses três elementos não for bom, o Diferenças Entre Ética e Moral
comportamento não é ético. Assim, a ação (ato moral), ÉTICA MORAL
a intenção (finalidade), e as circunstâncias e conse-
quências do ato devem ser boas, corretas e certas. Científica Prática (objeto da ciência)

Normas Éticas e Lei Geral Específica


Objetiva Subjetiva
Ética é um conjunto de normas que regem a boa
conduta humana. As normas éticas são aquelas que Permanente Temporal
prescrevem como o homem deve agir. Princípio Aspectos de condutas específicas
A norma ética possui, como uma de suas caracte- Regra Conduta de regra
rísticas, a possibilidade de ser violada, ao contrário da Teórica Normativa
norma legal (lei). Universal (absoluta) Cultural (relativa)
A ética não deve ser confundida com a lei, embora,
com certa frequência, a lei tenha como base princí- Valores
pios éticos. Ao contrário da lei, nenhum indivíduo pode Noções e Conceito
ser compelido, pelo Estado ou por outros indivíduos, a O conceito de valor tem sido investigado e definido
cumprir as normas éticas, nem sofrer qualquer sanção em diferentes áreas do conhecimento (filosofia, socio-
pela desobediência a estas. Por outro lado, a lei pode ser logia, ciências econômicas, “marketing” etc).
omissa quanto a questões abrangidas no escopo da ética.
Os valores são as normas, princípios ou padrões justiça (dar a cada um o que é seu), fortaleza (dispo-
sociais aceitos ou mantidos por indivíduos, classe ou so- sição da vontade que leva a não desistir do esforço
ciedade. Dizem respeito a princípios que merecem ser necessário para fazer o bem ou resistir ao mal) e tem-
buscados. O valor exprime uma relação entre as necessi- perança (dispõe-nos a moderar a procura do prazer).
dades do indivíduo (respirar, comer, viver, posse, repro- (ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010).
duzir, prazer, domínio, relacionar, comparar) e a capaci- A principal é a prudência, pois é fundamento das
dade das coisas, objetos ou serviços de satisfazê-las.
outras. Sem prudência não há justiça, nem fortaleza,
É na apreciação desta relação que se explica a nem temperança. (ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010).
existência de uma hierarquia de valores, segundo a
urgência/prioridade das necessidades e a capacidade São outras qualidades morais ou virtudes: a humil-
dos mesmos objetos para as satisfazerem, diferencia- dade, a resignação (abdicação, renúncia), a caridade,
das no espaço e no tempo. a solidariedade, a ajuda mútua, o companheirismo,
a cooperação, a disciplina consciente etc. As velhas
Valores Éticos virtudes, no entanto, não perderam sua significação
O complexo de normas éticas se alicerça em no mundo moral, como, por exemplo, a honestidade,
valores, normalmente designados valores do bom. a sinceridade, a amizade, a simplicidade, a lealdade, a
Noções de Gestão Pública

“Valores éticos são indicadores da relevância ou modéstia etc. (VÁZQUEZ, 2011).


do grau de atendimento aos princípios éticos”. Por
exemplo, a dignidade da pessoa sugere e exige que se Virtude e Vício
valorize o respeito às pessoas. (ALONSO; LÓPEZ; CAS- O contrário da virtude é o vício, que é o mau hábito
TRUCCI, 2010). adquirido. (ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010).
Valores estão também ligados aos princípios da Vícios são a imprudência, a injustiça, a covardia,
Ética Social. Por exemplo, a primazia do bem comum a intemperança e muitos outros que deles derivam.
sugere valores como a “solidariedade”. (ALONSO; (ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010).
LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010).
Valores éticos só podem ser atribuídos a pessoas,
pois elas são os únicos seres que agem com conheci-
mento de certo e errado, bem e mal, e com liberdade 01. Em seu sentido mais amplo, a ética tem sido
para agir. (ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010). entendida como a ciência da conduta humana
perante o ser e seus semelhantes. Portanto,
Algumas condutas podem ferir os valores éticos. neste sentido, a ética envolve:
A prática constante de respeito aos valores éticos a) Estudos de aprovação ou desaprovação da ação
conduz as pessoas às virtudes morais. (ALONSO; LÓPEZ; dos homens.
CASTRUCCI, 2010). b) A consideração de valor como equivalente de
Virtudes uma medição do que é real e voluntarioso no
campo das ações virtuosas.
Origem e Definição c) Obrigação de ser humano como único mal em
seu agir.
d) Realização fundamental em situação específica.
e) As alternativas A e B estão corretas.
44

Virtude vem do latim “virtus”, que deriva de “vir”, RESPOSTA. “E”. A alternativa correta é a “e”, que
homem, varão (homem esforçado, valoroso), e sig- afirma que as alternativas A e B estão corretas. A
nifica uma qualidade própria da natureza humana; ética, entendida como a ciência da conduta humana,
ainda, significa, de modo geral, praticar o bem usando de fato, envolve estudos de aprovação ou desapro-
a liberdade com responsabilidade constantemente. vação dessa conduta, e para esse mister leva em
Virtudes são hábitos, adquiridos disciplinarmente, conta o valor dessas condutas. Por outro lado, a ética
que predispõem as pessoas para agir bem”. (ALONSO; não envolve obrigação, já que as normas éticas não
LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010). podem ser impostas ao indivíduo, da mesma forma
As virtudes não são inatas, são adquiridas. que não se trata de realização em situação específi-
(ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010). ca, uma vez que a ética se baseia em princípios, ao
contrário da moral, que faz referência a aspectos de
Assim é que os traços de caráter do indivíduo e com conduta específica.
eles as virtudes morais não se podem dar ou adquirir
fora do meio social. Este tópico pode ser questionado em uma prova
a partir dos conceitos e características, ou mesmo
Virtudes Cardeais (Principais) aspectos, da ética e da moral.
Desde a Antiguidade grega até os tempos
modernos, o conceito de virtude como hábito de
fazer o bem não mudou muito, embora não se tenha
chegado a um acordo quanto ao número de virtudes Acerca de ética no serviço público, julgue o item a
morais. seguir:
Chamam-se virtudes cardeais (principais), porque 01. O relativismo cultural estabelece que todos os
sobre elas se constrói a vida moral. (ALONSO; LÓPEZ; seres humanos são, em si, padrões pelos quais
CASTRUCCI, 2010). suas ações devem ser julgadas em termos éticos
São quatro as virtudes morais, principais ou primá- e morais.
rias, fundamentais: prudência (hábito de decidir bem), Certo ( ) Errado ( )
02. O primeiro nível das questões éticas é constituí- 09. A ética, enquanto filosofia da moral, constata o
do pelo indivíduo. Esse nível enfatiza como as relativismo cultural e o adota como pressupos-
pessoas devem ser tratadas nas organizações. to de análise da conduta humana no contexto
Certo ( ) Errado ( ) público.
03. Quando as decisões morais são baseadas nos Certo ( ) Errado ( )
padrões de equidade, justiça e imparcialidade, 10. No contexto da ação pública, ética e moral são
a ética pode diferenciar substantivamente as considerados termos sinônimos, visto que ambos
pessoas em relação às suas características parti- dizem respeito a um conjunto de normas, prin-
culares, mediante a explicitação clara de regras cípios, preceitos e valores que norteiam o com-
de conduta. portamento de indivíduos e grupos, na distinção
Certo ( ) Errado ( ) entre o bem e o mal, o legal e o ilegal.
04. Pode-se afirmar que a ética tem como objeto de Certo ( ) Errado ( )
estudo:
a) O ato humano (voluntário e livre) que é o ato com
vontade racional, permeado por inteligência e
reflexão prévia. 01 ERRADO 06 C

Noções de Gestão Pública


b) A distinção entre o existir e o agir, solenemente. 02 ERRADO 07 CERTO
c) A tradução dos costumes aceitos pela sociedade
emergente. 03 CERTO 08 CERTO
d) O conceito de moralidade dos povos segregados. 04 A 09 ERRADO
e) N.R.A. 05 A 10 ERRADO
05. Segundo Arruda (2011), a palavra ética tem
origem no grego éthos, que significa “caráter”.
Trata-se da parte da filosofa que estuda a mo-
ralidade das ações humanas. Marque a opção
que indica os três elementos essenciais os quais ____________________________________________
deverão ser ponderados, para que uma conduta
possa ser considerada ética: ____________________________________________
a) Ação, intenção e circunstâncias. ____________________________________________
b) Ação, coerção e circunstâncias. ____________________________________________
c) Intenção, interesse pessoal e circunstâncias. ____________________________________________
d) Ação, interesse organizacional e circunstâncias. ____________________________________________
06. Assinale a alternativa que estabelece correta- ____________________________________________
mente as características de moral. ____________________________________________
a) A moral resulta do conjunto de leis, costumes e ____________________________________________
tradições de uma sociedade e é subordinada a ____________________________________________
ética comportamental definida em regras consti- ____________________________________________
tucionais.
____________________________________________
b) Entende-se por moral, um conjunto de regras

45
consideradas válidas para uma maioria absoluta, ____________________________________________
que valem-se dela para impor conduta ética aos ____________________________________________
demais cidadãos. ____________________________________________
c) A moral é mutável e varia de acordo com o de- ____________________________________________
senvolvimento de cada sociedade. Ela norteia os ____________________________________________
valores éticos na Administração Pública. ____________________________________________
d) A moral é mais flexível do que a lei, por variar de ____________________________________________
indivíduo para indivíduo, e afeta diretamente a
prestação dos serviços públicos por criar condi- ____________________________________________
ções para uma ética flexível no atendimento às ____________________________________________
necessidades básicas da população. ____________________________________________
e) A ética confunde-se com a moral como um dos ____________________________________________
parâmetros para a avaliação do grau de desen- ____________________________________________
volvimento de determinada sociedade e, conse- ____________________________________________
quente, padronização da prestação dos serviços
públicos comunitários. ____________________________________________
07. Para que determinada conduta seja caracteriza- ____________________________________________
da como ética ou corrupta, devem ser analisados ____________________________________________
os aspectos valorativos, culturais e interpretati- ____________________________________________
vos da ação humana na sociedade. ____________________________________________
Certo ( ) Errado ( ) ____________________________________________
08. Avaliar a dimensão ética do ato é verificar a ____________________________________________
situação, os fins e os meios da ação de servidor ____________________________________________
público.
____________________________________________
Certo ( ) Errado ( )
CAPÍTULO 04
Noções de Ética Empresarial As empresas necessitam que a conduta ética de seus
e Profissional e a Gestão da integrantes, bem como os valores e convicções primá-
rias da empresa ou organização se tornem parte de
Ética nas Empresas sua cultura.
Públicas e Privadas A ética empresarial exige transparência, coerência
e compromisso com a veracidade de qualquer informa-
Noções de Ética Empresarial e Pro- ção.
fissional Atualmente, o comportamento ético por parte da
empresa é esperado e exigido pela sociedade.
Empresas e Organizações
Na linguagem cotidiana, usa-se a expressão Ética Profissional
“empresa” a partir de diferentes e impróprios signifi- Segundo Kraemer (2010), a ética profissional é um
cados. conjunto de princípios que regem a conduta funcional
Noções de Gestão Pública

Empresa é uma atividade econômica exercida pro- e comportamental daqueles que compõem determina-
fissionalmente pelo empresário, para produção e cir- da profissão.
culação de bens e serviços. A ética profissional não se ocupa somente do
A empresa, enquanto atividade, não se confunde estudo e normatização das condutas do profissional
com o sujeito de direito que a explora (empresário). Por com seus clientes, mas também com o outro profis-
isso, não é a empresa que “fale” (de falir) ou importa sional, objetivando a construção do bem-estar no
mercadorias, mas o empresário. contexto sócio-cultural, preservando a dignidade
Também não se pode confundir a empresa com o humana.
local em que a atividade é desenvolvida, uma vez que Cada profissão, porém, exige de quem a exerce,
não é a empresa que pega fogo ou é reformada, mas o além dos princípios éticos comuns a todos os homens,
estabelecimento comercial. a observância de procedimento ético, de acordo com a
Da mesma forma, a expressão empresa não pode profissão.
ser confundida com sociedade. Assim, não se deve As leis de cada profissão são elaboradas com o
dizer “fulano e beltrano abriram uma empresa”, mas objetivo de proteger os profissionais, a categoria e as
“fulano e beltrano contrataram uma sociedade”. pessoas que dependem daquele profissional, mas há
Assim, diz-se que, no sentido técnico, empresa é muitos aspectos não previstos especificamente e que
sinônimo de empreendimento. fazem parte do comprometimento do profissional em
ser eticamente correto, ou seja, fazer a coisa certa.
Segundo Maximiano (1992), organização é uma
combinação de esforços individuais que tem por finali- O sigilo é uma das qualidades consideradas de
dade realizar propósitos coletivos. maior importância, senão a maior deles dentro de uma
profissão.
Por meio de uma organização torna-se possível
perseguir e alcançar objetivos que seriam inatingíveis A ética profissional, hoje, atinge todas as profissões
regulamentadas através de estatutos e códigos espe-
46

para uma pessoa.


cíficos.
São exemplos de organizações, uma grande
empresa ou uma pequena oficina, um laboratório ou Código de Ética
o corpo de bombeiros, um hospital ou uma escola, que Noções
se classificam desde micro-organizações, a pequenas, Código de ética é a relação organizada de proce-
médias, grandes e até mega-organizações. dimentos permitidos e proibidos dentro de um corpo
Ética Empresarial social organizado. Um código torna os princípios éticos
A ética empresarial refere-se à ética nas empresas obrigatórios aos praticantes. (LISBOA; MARTINS, 2011).
e organizações. Há códigos de ética de organismos públicos e, da
mesma forma, de empresas privadas. São, portanto,
bastante numerosos e variados. (ALONSO; LÓPEZ; CAS-
TRUCCI, 2010).
A ética empresarial está relacionada a reflexões ou O código de ética varia de organização para orga-
indagações sobre costumes e morais, isto é, qual a nização, diferindo quanto ao conteúdo, extensão e
moral vigente nas empresas ou organizações. formato, podendo, no entanto, apresentar, por vezes,
conteúdos assemelhados. (LISBOA; MARTINS, 2011).
Em outras palavras, a ética empresarial reflete
sobre as normas e valores efetivamente dominantes Quando se elabora um código de ética, é importan-
em uma empresa ou organização. te fazer a devida distinção entre questão ética e dilema
ético. Aquela lida com a formulação do problema, este
Em sentido amplo, a ética empresarial baseia-se na trata de sua solução. (LISBOA; MARTINS, 2011).
ideia de um contrato social segundo o qual os membros
se comportam de maneira harmoniosa, levando em A condição básica para se ter um código de ética
conta os interesses dos outros. efetivo, no serviço público ou em qualquer outro, é a
existência de uma liderança dentro da organização,
Pode ser entendida como um valor da empresa ou que seja sua principal defensora e praticante. (LISBOA;
organização, que assegura sua sobrevivência, reputa- MARTINS, 2011).
ção e, consequentemente, bons resultados.
Essa nova relação de influência, na qual o líder e o As profissões, em nosso país, são organizadas
seguidor exercem influência mútua, justifica a impor- pelos Conselhos Regionais Profissionais. É o caso do
tância de o líder entender e praticar modelos de com- Conselho Regional de Medicina (CRM), da Ordem dos
portamento e valores éticos que estimulem seus segui- Advogados do Brasil (OAB) etc. Todos eles contam com
dores. seus próprios códigos de ética. (ALONSO; LÓPEZ; CAS-
As normas de um código de ética visam ao bem- TRUCCI, 2010).
-estar da sociedade de forma a assegurar a lisura Modernamente, a maioria das profissões têm
(honradez, boa-fé) de procedimentos de seus membros seu próprio código de ética profissional - conjunto
dentro e fora da instituição (finalidade). de normas, de cumprimento obrigatório, derivadas
Preceitos básicos da ética - frequentemente incorporados à lei pública,
caso em que os princípios éticos passam a ter força de
Qualquer código de ética deve conter preceitos lei. O seu não cumprimento pode resultar em sanções
em, no mínimo, quatro áreas: executadas pela sociedade profissional, como censura
pública e suspensão temporária ou definitiva do direito
de exercer a profissão.
Ainda, os profissionais, em sua maioria, que traba-
Competência Sigilo

Noções de Gestão Pública


lham como empregados de empresas, ficam sujeitos a
dois códigos de ética: o do Conselho Regional da sua
profissão e o da empresa. Tratam-se, em princípio, de
âmbitos distintos; uma coisa é a profissão com seus
deveres profissionais próprios, e outra a empresa em
Integridade Objetividade que se trabalha; mas costumam ter regras em comum.
(ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010).
Quando ocorre infração simultânea a ambos os
códigos (empresarial e profissional), é competente
Esses preceitos versam sobre as obrigações do para julgar a comissão de ética que primeiro recebeu
grupo organizado a que se refere o código de ética. a denúncia. É a chamada prevenção. (ALONSO; LÓPEZ;
Código de Ética Empresarial CASTRUCCI, 2010).
Código de ética empresarial é um conjunto de Independentemente dos procedimentos pelos
normas éticas ditadas pela autoridade empresarial, códigos éticos, profissional ou empresarial, certamen-
que visam ao bem comum. Nesse código, devido à te que os profissionais estão sujeitos ao Poder Judiciá-
tênue fronteira entre o ético e o jurídico, normas legais rio, nos casos em que as infrações éticas graves são
são, frequentemente, repetidas. (ALONSO; LÓPEZ; também crimes sujeitos às leis penais. Porém, nada
CASTRUCCI, 2010). impede a aplicação de sanção pelo código de ética in-
Em outras palavras, o código de ética de uma dependentemente do processo criminal. (ALONSO;
empresa é um conjunto de princípios que visa estabe- LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010).
lecer um padrão de comportamento entre os membros
dessa empresa e seus clientes, fundamentado em um Gestão da Ética nas Empresas Pú-

47
conceito de ética universal voltada para o desenvolvi-
mento individual e da empresa. blicas e Privadas
O código de ética deve partir da realidade de cada A ética não é esperada apenas das entidades
empresa, estabelecendo comportamentos corretos, públicas, mas de todas as organizações que atendem
para bem diagnosticar e enfrentar a sua própria pro- ao público, ou seja, também deve ser ética a atuação
blemática ética. (ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010). das empresas privadas.
Outrossim, o código de ética deve especificar as As empresas privadas não podem atuar apenas
infrações e as sanções correspondentes, que são, ge- com foco no lucro, mas devem atuar com honestida-
ralmente, a advertência reservada, a censura pública, a de, confiança e integridade, pois é o que constrói a
suspensão e a demissão. (ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, lealdade dos clientes.
2010). Assim, também as empresas privadas podem
Além disso, os códigos de ética estabelecem (devem) estabelecer códigos de ética, que é visto como
espécie de jurisdição administrativo-disciplinar gestão de qualidade.
interna, que cabe à Comissão de Ética da empresa, in- A Ética nas Empresas Estimula a Qua-
tegrada por pessoas da própria corporação, de reputa- lidade
ção ilibada, mas também por pessoas estranhas à cor- Ficou demonstrado, por meio de pesquisas
poração. (ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010). (FERREL, 2001), que as empresas que têm a ética como
Código de Ética Profissional pano de fundo tiveram melhores resultados em vários
Um código de ética profissional pode ser entendido aspectos, sendo os dois principais a melhoria de qua-
como uma relação das práticas de comportamento que lidade com maior eficácia e a fidelização de novos
se espera sejam observadas no exercício da profissão. clientes.
O objetivo central de um código de ética profis- Portanto, não basta à empresa ser ética só em
sional é a formação de consciência sobre padrões de alguns aspectos, é preciso que ela transpire ética em
conduta em determinada profissão (LISBOA, MARTINS, todos os sentidos, de forma que possa ser percebida
2011). pelo maior número possível de pessoas.
Ética e Responsabilidade Social comunidades em que elas operam, e da socieda-
de em geral. (ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010).
Introdução O conceito da responsabilidade social empresa-
O comportamento ético da empresa ou organização rial está relacionado com a Ética e a transparência na
é a base da responsabilidade social, expressa nos princí- gestão dos negócios e deve refletir-se nas decisões co-
pios e valores por ela adotados. Não há que se falar em tidianas que podem causar impactos na sociedade, no
responsabilidade social sem ética nos negócios. meio ambiente e no futuro dos próprios negócios.
A responsabilidade social empresarial diz respeito De um modo mais simples, podemos dizer que a
à maneira como as empresas realizam seus negócios: Ética nos negócios ocorre quando as decisões de inte-
os critérios que utilizam para a tomada de decisões, os
valores que definem suas prioridades e os relaciona- resse de determinada empresa também respeitam o
mentos com todos os públicos com os quais interagem. direito, os valores e os interesses de todos aqueles que,
de uma forma ou de outra estão envolvidos.
A responsabilidade social sempre preocupou
partidos políticos e governos. Porém, nas últimas Transparência é um conceito que muito tem a ver
décadas, passou a preocupar empresas. Estas, num com Ética. A falta de transparência na condução dos
primeiro momento, tomaram consciência de que negócios pode prejudicar não só clientes e consumi-
Noções de Gestão Pública

deviam prestar atenção não só aos seus sócios ou acio- dores, mas também a própria empresa. Se ela sonega,
nistas, mas também às pessoas que com ela se relacio- por exemplo, uma informação importante sobre seus
navam, como empregados, fornecedores e clientes. produtos e serviços, pode ser responsabilizada, mais
Num segundo momento, conscientizaram-se de sua tarde, por omissão.
responsabilidade para com a sociedade em geral.
(ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010). A busca da gestão socialmente responsável tem
exigido maior transparência das instituições, sejam
públicas, sejam privadas, nas relações com seus forne-
cedores, funcionários e clientes.
Sociedade Tal atributo tem sido fundamental para a reputa-
em geral
ção das organizações, que devem explicitar à sociedade
Empregados
Fornecedores
seus valores e a seu corpo funcional os padrões éticos e
Clientes de conduta considerados adequados.
Sócios ou
acionistas

A ética, em primeiro lugar, é pessoal. Assim, para 01. A visão social precisa estar incorporada nos
que a empresa possa exercer sua responsabilidade processos, produtos, serviços e nos modelos de
social, é necessário que a ética seja posta em prática gestão dos negócios. Leia as sentenças abaixo
dentro da administração, e no interior de cada uma das sobre algumas definições que envolvem a Res-
pessoas. ponsabilidade Social e assinale a alternativa in-
Pode-se concluir que o exercício da responsabili- correta.
dade social pela empresa está intrinsecamente ligado
à ética pessoal de seus dirigentes e funcionários. a) A Responsabilidade Social nas empresas limita-
48

(ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010). -se à sua relação com o bem-estar dos seus fun-
cionários. Promoção de boa conduta, valores e
Responsabilidade Social da Empresa princípios.
A responsabilidade social pode ser definida como b) Políticas e práticas socialmente responsáveis
um compromisso da empresa com relação à humani- criam valor e exemplos que influenciam as co-
dade em geral, e também uma forma de prestação de munidades.
contas do seu desempenho e do uso de recursos que
originalmente não lhe pertencem, mas pertencem à c) RSE é a forma de gestão que se define pela
sociedade. (ALONSO; LÓPEZ; CASTRUCCI, 2010). relação ética e transparente da empresa com
Entende-se que o mencionado “compromisso” todos os seus públicos.
deva traduzir-se pela destinação não só de recursos, d) A Responsabilidade Social Empresarial deve im-
mas pela atenção de seus funcionários a atividades pulsionar o desenvolvimento sustentável, pre-
com fins sociais, em favor, a exemplo, da infância aban- servando recursos ambientais e culturais.
donada, da alfabetização, da saúde, da escola, da as- e) A RSE deve respeitar a diversidade e promover a
sistência aos necessitados etc. (ALONSO; LÓPEZ; CAS- redução da desigualdade social.
TRUCCI, 2010).
RESPOSTA. “A”. A Responsabilidade Social nas
→→ Porém, não é unânime a opinião dos economistas
sobre a responsabilidade social da empresa. Há empresas não se limita apenas a sua relação com o
duas visões: bem-estar dos seus funcionários, é muito mais abran-
gente que isso, muito embora inclua sua relação com
˃˃ Visão clássica ou econômica: defende que a
única responsabilidade social da empresa e de o bem-estar dos seus funcionários.
seus executivos é a de maximizar o lucro para Quanto a possíveis questionamentos acerca desse
seus acionistas. tópico, ressaltamos os conceitos e noções de ética em-
˃˃ Visão socioeconômica: defende que as empresas presarial e profissional, assim como dos códigos de ética,
não somente devem buscar o lucro, mas também além de noções de responsabilidade ética das empresas,
a proteção e a melhoria da qualidade de vida das especialmente a social.
04. O Código de Ética Profissional tem como função
precípua:
a) Prescrever as punições.
01. Analise os valores abaixo em função da ética em- b) Prescrever a conduta.
presarial e profissional: c) Definir as transgressões.
I. Confiança – é a aceitação da manifestação do d) Preservar a moralidade e a conduta ética dos pro-
outro, por palavras ou gestos. fissionais.
II. Disciplina – é a maneira pela qual os membros do e) Assegurar as normas jurídicas em função de pre-
grupo aceitam e atendem às normas pré-estabe- ceitos morais.
lecidas, necessárias ao bom atendimento dos ob-
jetivos sociais. 05. As organizações empresariais no Brasil ainda
não se convenceram que o comportamento
III. Honestidade – é o corolário imediato da justiça, é ético é um caminho para o sucesso empresarial.
atributo ligado à confiança, à honra e, sobretudo, Com este pensamento, pode-se afirmar que as
à decência.
chances de sobrevivência de uma empresa é:
IV. Solidariedade – é o ato de estender a mão. a) Descumprir legislação trabalhista.
Estão corretas apenas as definições:

Noções de Gestão Pública


b) Poluir ambiente, troca de favores.
a) I, II e III c) Busca de espaço social e aperfeiçoamento ético.
b) II, III e IV d) Enganar o consumidor, tráfico de influências.
c) I, II, III e IV e) Sonegar impostos.
d) I, III e IV
e) II e IV 06. Dentre as situações abaixo enumeradas, qual ca-
racteriza comportamento adequado, de acordo
02. “A ética profissional não se ocupa somente do com a ética empresarial e profissional?
estudo e normatização das condutas do pro- a) O contador da empresa omitiu dados contábeis
fissional com seus clientes, mas também com o
outro profissional, objetivando a construção do para que o lucro da empresa fosse considerado
bem-estar no contexto sócio-cultural, preservan- como o previsto pelo mercado financeiro.
do a dignidade humana.” “A ética profissional, b) O presidente de uma instituição financeira
hoje, atinge todas as profissões regulamenta- recebeu da empresa com quem a instituição
das através de estatutos e códigos específicos.” mantém negócios implementados pagamentos
Analise as afirmativas anteriores e identifique de viagens e de hospedagem em hotéis luxuosos
abaixo a opção correta: no exterior.
a) As duas estão incompletas. c) O diretor-presidente da empresa YYY cobrava co-
b) As duas estão completas e corretas. missões de todas as empresas que firmavam con-
c) A primeira está incorreta e a segunda, correta. tratos com aquela que era por ele dirigida.
d) A segunda está incorreta e a primeira, correta. d) Os membros da diretoria de uma empresa, em
e) N.R.A. busca de lucro maior, procederam à reorga-
nização da empresa com corte de empregos
03. Com relação à ética, à moral e às virtudes, bem ocupados por empregados que não produziam
como às suas aplicações no contexto de empresas

49
e organizações públicas, assinale a opção correta. adequadamente.
a) Uma cultura empresarial pode ser caracteriza- e) Um dos gerentes da empresa WW contratou,
da pela ética na medida em que seus valores, e para prestar serviços vultosos, uma empresa vin-
não as pessoas que integram a organização ou os culada a parentes de sua esposa, sem cotação de
produtos e serviços por ela oferecidos à socieda- preços.
de, apresentam tal característica. 07. No que concerne ao tema ética profissional e em-
b) Condutas éticas são aprendidas somente no presarial, está correto afirmar:
contexto familiar. Dessa forma, um sistema de a) A empresa necessita que a conduta ética de seus
desenvolvimento, monitoramento e controle dos integrantes, bem como os valores e convicções
ambientes interno e externo de uma organiza- primárias da organização se tornem parte de sua
ção é ineficaz para detectar pontos que possam cultura.
causar uma conduta antiética. b) A ética empresarial é o conjunto de princípios
c) Ao analisar a ética da virtude, pesquisas mostram que regem a conduta funcional de uma determi-
que as empresas que possuem culturas fracas nada profissão.
costumam prezar valores como fidelidade e c) O indivíduo deve agir com respeito ao procedi-
justiça, enfatizando o bem-estar das pessoas mento ético de sua profissão, não sendo neces-
e o sentido de pertencer a algo, promovendo a sária a observância dos princípios éticos comuns
lealdade.
a todos os homens.
d) Pessoas são caracterizadas, entre outras coisas,
por suas virtudes e pelos seus vícios, sendo que d) Execução do trabalho no mais alto nível de ren-
ambos pressupõem valores que, se não forem dimento, assiduidade e frequência ao serviço,
traduzidos em ações, perdem seu sentido. embora louváveis, não são exemplos de condutas
e) A responsabilidade pelas condutas éticas das éticas no exercício profissional.
empresas públicas se restringe à alta adminis- e) A boa empresa atua apenas com foco no lucro,
tração e aos gerentes, pois eles são responsáveis não importando se oferece um ambiente moral-
pelas principais decisões nas empresas. mente gratificante.
08. Sobre a ética empresarial é incorreto afirmar: c) É aceitável, mesmo quando existe código de
a) A ética empresarial estaria relacionada a refle- ética, porque os dirigentes das instituições finan-
xões ou indagações sobre costumes e morais, ceiras são livres para promover quem queiram.
isto é, qual a moral vigente nas empresas. d) Seria aceitável se o comitê de promoção adotasse
b) A ética empresarial reflete sobre as normas os mesmos critérios para todas as relações
e valores efetivamente dominantes em uma afetivas dos dirigentes.
empresa. e) Realiza o principio da pessoalidade que deve ser
c) Em sentido amplo, ela baseia-se na ideia de um aplicado nas relações empresariais.
contrato social segundo o qual os membros se
comportam de maneira harmoniosa, levando em
conta os interesses dos outros.
d) Na ética empresarial podemos considerar como 01 C 06 D
desejáveis todas as condições que uma empresa
possa criar para aumentar e não diminuir a vida 02 B 07 A
das pessoas em todas as suas dimensões. Isto 03 D 08 D
exigiria um etos empresarial que considera a ren-
tabilidade, vise o lado humanitário, que diga sim 04 D 09 D
Noções de Gestão Pública

à eficiência, mas inclua também a responsabili-


dade e o compromisso. 05 C 10 B
e) Atualmente, o comportamento ético por parte
da empresa é esperado e exigido pela sociedade.
09. Referente a ética profissional, relações sociais é
incorreto afirmar:
____________________________________________
a) As leis de cada profissão são elaboradas com o
objetivo de proteger os profissionais, a categoria ____________________________________________
e as pessoas que dependem daquele profissional, ___________________________________________
mas há muitos aspectos não previstos especifica- ___________________________________________
mente e que fazem parte do comprometimento ___________________________________________
do profissional em ser eticamente correto, ou
seja, fazer a coisa certa. ____________________________________________
b) A consciência de grupo tem surgido mais por in- ___________________________________________
teresse de defesa do que por altruísmo, pois ga- ____________________________________________
rantida a liberdade de trabalho, se não se regular ___________________________________________
e tutelar a conduta, o individualismo pode trans- ___________________________________________
formar a vida dos profissionais em reciprocidade ___________________________________________
de agressão.
___________________________________________
c) A tutela do trabalho processa-se pelo caminho
da exigência de uma ética imposta através dos ___________________________________________
conselhos profissionais. As normas devem ser ____________________________________________
condizentes com as diversas formas de prestar o ____________________________________________
serviço de organizar o profissional para esse fim. ____________________________________________
50

d) A conduta profissional, muitas vezes, pode tor- ____________________________________________


nar-se agressiva e inconveniente e esta é uma ____________________________________________
das fortes razões pelas quais códigos de ética
quase sempre buscam maior abrangência. Assim, ____________________________________________
ao nos referirmos à classe, ao social, nos repor- ____________________________________________
tamos apenas a situações isoladas ou modelos ____________________________________________
particulares. ____________________________________________
e) O sigilo também é uma das qualidades conside- ____________________________________________
radas de maior importância, senão o maior deles
dentro de uma profissão. O respeito aos segredos ____________________________________________
das pessoas, deve ser desenvolvido na formação ____________________________________________
de futuros profissionais, pois se trata de algo ____________________________________________
muito importante. Uma informação sigilosa é ____________________________________________
algo que nos é confiado e cuja preservação de ____________________________________________
silêncio é obrigatória.
____________________________________________
10. Um dirigente de organismo financeiro internacio-
nal privilegiou, em promoção na carreira, pessoa ____________________________________________
com quem manteve relacionamento afetivo ____________________________________________
por determinado período. À luz das normas de ____________________________________________
conduta ética, tal atitude: ____________________________________________
a) É corriqueira e depende da cultura de cada insti- ____________________________________________
tuição, que define os comportamentos dos indi- ____________________________________________
víduos segundo as relações de poder.
____________________________________________
b) É inaceitável nas empresas que editam códigos
de ética, uma vez que discriminam sem utilizar ____________________________________________
critérios objetivos, mas pessoais. ___________________________________________
CAPÍTULO 05 O ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) é uma sequên-
cia de ações que podem ser utilizadas para controlar
algum processo� É uma ferramenta administrativa que
Gestão da Qualidade auxilia na organização de um projeto ou processo� Seu
Qualidade é o atendimento das exigências do nome deve-se à abreviatura de verbos em inglês e tem
cliente� A qualidade deve ter como objetivo as neces- os seguintes significados dentro do ciclo:
sidades do usuário, presentes e futuras� Ela representa ˃ Plan – Planejar�
também a adequação à finalidade ou ao uso, ou ainda a
conformidade com as exigências� ˃ Do - Executar, fazer�
→ A gestão da qualidade total (TQM - Total Quality Ma- ˃ Check - Verificar, checar�
nagement) possui os seguintes objetivos (focos): ˃ Act – Agir�
˃ Aumentar a satisfação e qualidade dos clientes;
Devido a essa grande utilidade e ao fato de ajudar a
˃ Aumentar a produtividade; evitar erros, o PDCA é considerada uma ferramenta de
˃ Reduzir os custos internos; qualidade que pode ser utilizada em micro, pequena,
˃ Melhorar a imagem e os processos de modo média ou grande empresa, empresa pública ou privada,
contínuo;

Noções de Gestão Pública


e isso porque ele é um método rápido e eficaz na reso-
˃ Possibilitar acesso mais fácil a novos mercados� lução de problemas, que tem o objetivo de garantir que
Além disso, a melhoria contínua é um dos seus prin- todos os resultados possam ser controlados de forma
cipais objetivos “fazer cada vez melhor o que já é bem que a eficiência de cada um possa ser ainda melhor�
feito”� A filosofia da melhoria contínua deriva do kaizen
(do japonês kai, que significa mudança e zen, que significa 5W2H
bom)� O kaizen é uma filosofia de contínuo melhoramento Essa ferramenta vai determinar os passos para o
de todos os empregados da organização, de maneira que planejamento e também serve como um checklist de
realizem suas tarefas um pouco melhor a cada dia� determinadas atividades que precisam ser desenvol-
Ferramentas da Qualidade vidas com o máximo de clareza possível por parte dos
colaboradores da empresa�
O uso de ferramentas adequadas é fundamental
para que o programa de qualidade consiga implemen- O nome desta ferramenta foi assim estabelecido
tar todos os seus objetivos e alcançar a qualidade total� por juntar as primeiras letras dos nomes (em inglês) das
A seguir serão abordadas algumas das principais ferra- diretrizes utilizadas neste processo� Abaixo é possível
mentas da qualidade� ver cada uma delas e o que elas representam:
Ciclo PDCA ˃ What – O que será feito? (etapas)
A partir do entendimento dos processos como estra- ˃ Why – Por que será feito? (justificativa)
tégicos para o sucesso na busca pelos objetivos organiza- ˃ Where – Onde será feito? (local)
cionais, é possível evidenciar a inegável proximidade da ˃ When – Quando será feito? (tempo)
Gestão de Processos com o ciclo de melhoria contínua
da Qualidade – PDCA� As ações de gestão sobre o ciclo ˃ Who – Por quem será feito? (responsabilidade)
de vida dos processos são praticamente espelhadas ˃ How – Como será feito? (método)
nos conceitos de melhoria contínua destes a partir das ˃ How much – Quanto custará fazer? (custo)

51
etapas do contínuo ciclo PDCA (Plan, Do, Check, Act) –
esse ciclo é também base para as ações de qualidade� 5W2H
Ciclo PDCA - Problema (fato)

Visão PDCA
Missão
O quê o
Gov. deve fazer Governo

Cidadão
Rever provesso Sistemas
integralmente Org/rotinas
Projetos
APBS Proced
Planos
OK!

Rever “P” A P Método


Como fazer
Antes de utilizar o 5W2H, é preciso estabelecer
Treinar todos uma estratégia de ação para identificação e proposição
Meta
C D os funcionários
O quê/como
de soluções de determinados problemas que queira
Tendência
sanar� Para isso, pode-se utilizar o brainstorming�
Desenvolver o
Não Controle
ou check
governo e ações
extratégicas
Brainstorming
Solucionando Controle da qualidade Brainstorming significa “tempestade cerebral” ou
Sim
administrativa “in probless” “tempestade de ideias”� É uma atividade que serve para
Problema Não testar e explorar a capacidade criativa de indivíduos ou
de um determinado grupo� É formada pelos termos
Sim
ingleses “brain” (cérebro) e “storm” tempestade)�
→→ Os princípios para um brainstorming bem
sucedido são:
Folhas de Verificação
˃˃ Atraso de julgamento. As folhas de verificação (checklist) são tabelas ou
planilhas simples usadas para facilita a coleta e análise
˃˃ Criatividade em quantidade e qualidade das ideias.
de dados. O uso das folhas de verificação economiza
˃˃ Ambiente encorajador e sem críticas. tempo, eliminando o trabalho de desenhar figuras ou
˃˃ Trabalho em grupo. Pegar carona nas ideias dos escrever números repetitivos. São formulários plane-
outros deve ser incentivado.
jados, nos quais os dados coletados são preenchidos
→→ As quatro principais regras do brainstorming são:
de forma fácil e concisa. Registram os dados dos itens
˃˃ Críticas são rejeitadas. a serem verificados, permitindo uma rápida percepção
˃˃ Criatividade é bem-vinda. da realidade e uma imediata interpretação da situação,
˃˃ Quantidade é necessária. ajudando a diminuir erros e confusões.
˃˃ Combinação e aperfeiçoamento.
→→ O brainstorming pode ser feito estruturado ou
Diagrama de Pareto
não estruturado: O Diagrama de Pareto tem como finalidade mostrar
˃˃ No brainstorming estruturado os participantes a importância de todas as condições, a fim de: escolher
lançam ideias seguindo uma sequência preesta- o ponto de partida para solução do problema; identifi-
Noções de Gestão Pública

belecida. Quando chega a sua vez, você lança a car a causa básica do problema e monitorar o sucesso.
sua ideia. A vantagem desta forma é que propicia Vilfredo Pareto foi um economista italiano que des-
oportunidade iguais a todos os participantes, cobriu que a riqueza não era distribuída de maneira
gerando maior envolvimento.
uniforme. Ele formulou que aproximadamente 20% do
˃˃ No brainstorming não estruturado as ideias são
lançadas aleatoriamente, sem uma sequen- povo detinha 80% da riqueza, criando uma condição de
cia pré-definida. Isso cria um ambiente mais distribuição desigual. Os Diagramas de Pareto podem
informal, porém com risco dos mais falantes do- ser usados para identificar o problema mais importan-
minarem a cena. te por meio do uso de diferentes critérios de medição,
Brainwriting como frequência ou custo.
É uma variação do brainstorming, na qual as ideias Diagrama de Pareto
são escritas, trazendo ordem e calma ao processo. Diagrama de Pareto do número de atrasos em função das causas
Evita efeitos negativos de reuniões, como a influência
da opinião de coordenadores e chefes, ou a dificul- 168,0 100,0%
dade em verbalizar rapidamente as ideias. O tema é 151,2 90,0%
passado pelo coordenador. Cada participante escreve
até ideias em um papel e, ao fim de cinco minutos, os 134,4 80,00%
participantes trocam os papéis, em rodízio. O vizinho 117,6 70,0%
recebe o papel e acrescenta mais três ideias correla- 100,6 60,0%
tas. O processo continua até que cada um receba o seu 84,0 50,0%
papel de volta. A partir daí, segue a mesma sequência
do brainstorming. 67,2 40,0%
50,4 30,0%
Diagrama Ishikawa (Espinha-de-Peixe) 33,6 20,0%
O Diagrama Espinha-de-Peixe tem como finalida-
52

16,8 10,0%
de explorar e indicar todas as causas possíveis de uma
condição ou um problema específico. O Diagrama 0,0 0,0
de Causa e Efeito foi desenvolvido para representar a Transito Filhos Transporte Perder Emergência
relação entre o efeito e todas as possibilidades de causa público Clima a hora pessoal
que podem contribuir para esse efeito. Também conhe- Vale ressaltar que, além dessas ferramentas,
cido como Diagrama de Ishikawa, foi desenvolvido por existem muitas outras que a organização pode usar
Kaoru Ishikawa, da Universidade de Tóquio, em 1943,
onde foi utilizado para explicar para o grupo de enge- em seu programa de qualidade, visando à melhoria
nheiros da Kawasaki Steel Works como vários fatores contínua de todos os seus processos e gestão.
podem ser ordenados e relacionados.
Diagrama de Ishikawa

Meio 01. Após analisar diversas ferramentas da qualidade,


Material Ambiente uma determinada empresa optou por uma ferra-
menta que possui as seguintes características: i)
liberação da criatividade; ii) ausência de julga-
mento prévio; iii) registro das ideias; iv) capacida-
de de síntese; e v) ausência de hierarquia durante
o processo. A ferramenta que possui as caracte-
Objetivo
rísticas apresentadas é o diagrama de Pareto.
ERRADO. O Diagrama de Pareto tem como finalidade
mostrar a importância de todas as condições, a fim de
escolher o ponto de partida para solução do problema
e identificar a causa básica do problema e monitorar o
Método Mão de obra Máquina sucesso. Entretanto a questão aborda diversas carac-
terísticas de outra ferramenta da qualidade chamada
Causas Efeito do brainstorming.
09. O diagrama de Ishikawa permite a identificação
das causas que geram efeito negativo em um
processo.
01. Tipicamente, o ciclo PDCA inicia-se com o moni- Certo ( ) Errado ( )
toramento e a avaliação da periodicidade dos re- 10. O diagrama de Ishikawa, o princípio de Pareto e os
sultados (chek), evoluindo para o planejamento modelos estatísticos são instrumentos de gestão
(plan), posteriormente, para a ação (act) e, final- utilizados pelo departamento de qualidade, que
mente, para a execução (do). deve ser o responsável único pelos programas de
Certo ( ) Errado ( ) qualidade da organização
02. O 5W2H é uma ferramenta de qualidade por meio Certo ( ) Errado ( )
do qual podem ser levantadas as causas do atraso
no atendimento ao cidadão de uma organização
pública, por exemplo.
01 ERRADO 06 CERTO
Certo ( ) Errado ( )
03. A técnica de geração de ideias, de modo isolado 02 ERRADO 07 D
ou associativo, que possam, por sua vez, estimu-

Noções de Gestão Pública


03 CERTO 08 ERRADO
lar novas ideias com a finalidade de solucionar
problemas é denominada brainstorming. 04 CERTO 09 CERTO
Certo ( ) Errado ( ) 05 ERRADO 10 ERRADO
04. O diagrama Ishikawa é uma ferramenta impor-
tante para o gestor no processo de tomada de
decisão, porque identifica, organiza e apresenta
de modo estruturado a causa do problema e seu
efeito, relacionando-os a máquinas, mão de obra, ____________________________________________
materiais e métodos de trabalho. ____________________________________________
Certo ( ) Errado ( ) ____________________________________________
05. O diagrama de Pareto é uma ferramenta utilizada ____________________________________________
na gestão pela qualidade para mostrar a relação ____________________________________________
entre um efeito e as possíveis causas que podem ____________________________________________
estar contribuindo para que ele ocorra. ____________________________________________
Certo ( ) Errado ( ) ____________________________________________
06. O economista Vilfredo Pareto criou um princí- ____________________________________________
pio que, originalmente, se aplicava à análise da ____________________________________________
distribuição de renda e que, posteriormente, foi ____________________________________________
adaptado à realidade da administração da quali- ____________________________________________
dade, tornando-se uma ferramenta para a escola ____________________________________________
de gestão. Esse princípio, denominado de princí- ____________________________________________
pio de Pareto, pode ser empregado para definir ____________________________________________

53
prioridades na correção de problemas e (ou)
defeitos, permitindo ao administrador perceber ____________________________________________
que, em geral, 20% das causas ocasionam 80% ____________________________________________
dos efeitos. ____________________________________________
Certo ( ) Errado ( ) ____________________________________________
____________________________________________
07. O gráfico de barras que ordena as frequências
das ocorrências, da maior para a menor, possi- ____________________________________________
bilitando a pre-ordenação dos problemas, a fim ____________________________________________
de identificar problemas, permitir a fácil visuali- ____________________________________________
zação e reconhecimento das causas, comparar a ____________________________________________
situação anterior com a posterior ao aparecimen- ____________________________________________
to do problema, identificar itens responsáveis ____________________________________________
por causar impactos e eliminar as causas desses ____________________________________________
impactos, denomina-se ____________________________________________
a) Diagrama de Ishikawa. ____________________________________________
b) Gráfico de controle. ____________________________________________
c) Fluxograma. ____________________________________________
d) Diagrama de Pareto. ____________________________________________
e) Diagrama de causa e efeito. ____________________________________________
08. O diagrama de Ishikawa é recomendado para ____________________________________________
avaliar os principais aspectos e recursos valiosos ____________________________________________
que permitirão que os processos e projetos ____________________________________________
possam ter sucesso quando colocados em prática ____________________________________________
nas organizações. ___________________________________________
Certo ( ) Errado ( ) ___________________________________________
CAPÍTULO 06
IV. 15 (quinze) objetivos estratégicos, distri-
buídos em 8 (oito)
Temas:
Resolução nº 70, de 18 a) Eficiência Operacional:
de Março de 2009 ˃˃ Objetivo 1. Garantir a agilidade nos trâmites judi-
ciais e administrativos;
Dispõe sobre o Planejamento e a Gestão Estratégica
no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências ˃˃ Objetivo 2. Buscar a excelência na gestão de
custos operacionais;
O Presidente Do Conselho Nacional De Justiça, no
b) Acesso ao Sistema de Justiça: Objetivo 3.
uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e: Facilitar o acesso à Justiça;
Considerando competir ao Conselho Nacional de ˃˃ Objetivo 4. Promover a efetividade no cumpri-
Justiça, como órgão de controle da atuação administrati- mento das decisões;
va e financeira dos tribunais, a atribuição de coordenar o
planejamento e a gestão estratégica do Poder Judiciário; c) Responsabilidade Social: Objetivo 5.
Promover a cidadania;
Considerando a unicidade do Poder Judiciário, a d) Alinhamento e Integração:
exigir a implementação de diretrizes nacionais para
Noções de Gestão Pública

nortear a atuação institucional de todos os seus órgãos; ˃˃ Objetivo 6. Garantir o alinhamento estratégico
em todas as unidades do Judiciário;
Considerando que os Presidentes dos tribunais
brasileiros, reunidos no I Encontro Nacional do Judiciá- ˃˃ Objetivo 7. Fomentar a interação e a troca de ex-
rio, deliberaram pela elaboração de Planejamento Es- periências entre Tribunais nos planos nacional e
tratégico Nacional, a fim de aperfeiçoar e modernizar internacional;
os serviços judiciais; e) Atuação Institucional:
Considerando o trabalho realizado nos 12 (doze) ˃˃ Objetivo 8. Fortalecer e harmonizar as relações
Encontros Regionais, consolidado no Plano Estratégico entre os Poderes, setores e instituições;
apresentado e validado no II Encontro Nacional do Judi- ˃˃ Objetivo 9. Disseminar valores éticos e morais
ciário, realizado em 16 de fevereiro de 2009, na cidade por meio de atuação institucional efetiva;
de Belo Horizonte - MG; ˃˃ Objetivo 10. Aprimorar a comunicação com
Considerando a aprovação, no II Encontro Nacional públicos externos;
do Judiciário, de 10 Metas Nacionais de Nivelamento f) Gestão de Pessoas:
para o ano de 2009;
˃˃ Objetivo 11. Desenvolver conhecimentos, habi-
Considerando a necessidade de se conferir maior lidades e atitudes dos magistrados e servidores;
continuidade administrativa aos tribunais, indepen-
dentemente das alternâncias de seus gestores; ˃˃ Objetivo 12. Motivar e comprometer magistra-
dos e servidores com a execução da Estratégia;
Considerando determinar a Resolução CNJ n.° 49, g) Infraestrutura e Tecnologia:
de 18 de dezembro de 2007, a criação de Núcleo de Es-
tatística e Gestão Estratégica, unidade administrativa ˃˃ Objetivo 13. Garantir a infraestrutura apropriada
competente para elaborar, implementar e gerir o pla- às atividades administrativas e judiciais;
nejamento estratégico de cada órgão da Justiça. ˃˃ Objetivo 14. Garantir a disponibilidade de
sistemas essenciais de tecnologia de informação;
54

RESOLVE:
h) Orçamento:
Capítulo I ˃˃ Objetivo 15. Assegurar recursos orçamentários
Do Planejamento e da Gestão Estraté- necessários à execução da estratégia;
gica Disposições Gerais Capítulo II
Art. 1º Fica instituído o Planejamento Estratégico do
Poder Judiciário, consolidado no Plano Estratégico Do Prazo e da Forma de Implantação
Nacional consoante do Anexo. Art. 2º O Conselho Nacional de Justiça e os tribunais
I. desta Resolução, sintetizado nos seguintes indicados nos incisos II a VII do art. 92 da Constitui-
componentes: ção Federal elaborarão os seus respectivos planeja-
I. Missão: realizar justiça. mentos estratégicos, alinhados ao Plano Estratégico
Nacional, com abrangência mínima de 5 (cinco) anos,
II. Visão: ser reconhecido pela Socieda- bem como os aprovarão nos seus órgãos plenários ou
de como instrumento efetivo de justiça, especiais até 31 de dezembro de 2009.
equidade e paz social.
§ 1º - Os planejamentos estratégicos de que trata o
III. Atributos de Valor Judiciário para a Socie- caput conterão:
dade:
I. pelo menos um indicador de resultado para
a) credibilidade; cada objetivo estratégico;
b) acessibilidade; II. metas de curto, médio e longo prazos, as-
c) celeridade; sociadas aos indicadores de resultado;
d) ética; III. projetos e ações julgados suficientes e ne-
e) imparcialidade; cessários para o atingimento das metas
fixadas.
f) modernidade;
§ 2º - Os Tribunais que já disponham de planejamen-
g) probidade: to estratégicos deverão adequá-los ao Plano Estraté-
h) responsabilidade Social e Ambiental; gico Nacional, observadas as disposições e requisitos
i) transparência. do caput e do §1° deste artigo.
§ 3º - As propostas orçamentárias dos tribunais Parágrafo Único. As metas nacionais de nivelamento
devem ser alinhadas aos seus respectivos planeja- para o ano de 2009 estão descritas no Anexo II desta
mentos estratégicos, de forma a garantir os recursos Resolução.
necessários à sua execução. Art. 6°- A O Conselho Nacional de Justiça coordena-
§ 4º - Os tribunais garantirão a participação efetiva de rá a realização de Encontros Anuais do Poder Judi-
serventuários e de magistrados de primeiro e segundo ciário, preferencialmente no mês de fevereiro, com
graus, indicados pelas respectivas entidades de classe, os seguintes objetivos, entre outros: (Incluído pela
na elaboração e na execução de suas propostas orça- Emenda n° 01, publicada em 20.04.10)
mentárias e planejamentos estratégicos. I. avaliar a Estratégia Nacional; (Incluído
§ 5º - O disposto no parágrafo anterior não se aplica pela Emenda n° 01, publicada em 20.04.10)
aos tribunais superiores, sem prejuízo da participa- II. divulgar o desempenho dos tribunais no
ção efetiva de ministros e serventuários na elabora- cumprimento das ações, projetos e metas
ção e na execução de suas estratégias. nacionais no ano findo; (Incluído pela
Emenda n° 01, publicada em 20.04.10)
§ 6º O Conselho Nacional de Justiça adotará as pro-
vidências necessárias para fornecer auxílio técnico- III. definir as novas ações, projetos e metas na-
-científico aos tribunais na elaboração e na gestão da cionais prioritárias. (Incluído pela Emenda
n° 01, publicada em 20.04.10)
estratégia.

Noções de Gestão Pública


§ 1º - Os Encontros Anuais do Poder Judiciário
Art. 3º O Núcleo de Gestão Estratégica dos tribunais contarão com a participação dos presidentes e corre-
ou unidade análoga coordenará ou assessorará a gedores dos tribunais e dos conselhos, como também
elaboração, implementação e gestão do planeja- das associações nacionais de magistrados, facultado
mento estratégico, como também atuará nas áreas o convite a outras entidades e autoridades. (Incluído
de gerenciamento de projetos, otimização de proces- pela Emenda n° 01, publicada em 20.04.10)
sos de trabalho e acompanhamento de dados esta- § 2º - O Encontro Anual poderá ser precedido de
tísticos para gestão da informação. reuniões preparatórias com representantes dos tribu-
§ 1º - Os tribunais deverão priorizar, inclusive nas nais e com as associações nacionais de magistrados.
suas propostas orçamentárias, a estruturação de (Incluído pela Emenda n° 01, publicada em 20.04.10)
Núcleos de Gestão Estratégica ou unidade análoga. § 3º - As deliberações dos Encontros Anuais,
§ 2º - O Conselho Nacional de Justiça encaminhará mormente as ações, projetos e metas prioritárias es-
aos tribunais, por intermédio do Departamento de tabelecidas, serão comunicadas ao Plenário do CNJ
Gestão Estratégica, sugestão de estruturação das e publicadas como Anexo desta Resolução. (Incluído
atividades dos Núcleos de Gestão Estratégica. pela Emenda n° 01, publicada em 20.04.10)
§ 4º - Caberá ao Conselho Nacional de Justiça a
Capítulo III escolha da sede do Encontro Anual, observadas as
Do Banco e de Boas Práticas de Gestão candidaturas dos tribunais interessados, privilegian-
do-se a alternância entre as unidades federativas.
do Poder Judiciário (Incluído pela Emenda n° 01, publicada em 20.04.10)
Art. 4º - O Conselho Nacional de Justiça manterá dis- § 5º - A organização dos Encontros Anuais dar-se-á
ponível no seu Portal na Rede Mundial de Computa- em parceria entre o Conselho Nacional de Justiça e os
dores (internet) o Banco de Boas Práticas de Gestão do tribunais-sede. (Incluído pela Emenda n° 01, publica-
Poder Judiciário, a ser continuamente atualizado, com o da em 20.04.10)
intuito de promover a divulgação e o compartilhamento
de projetos e ações desenvolvidas pelos tribunais. Capítulo VI

55
§ 10 - Os projetos e ações do Banco de Boas Práticas Das Disposições Finais
de Gestão do Poder Judiciário serão subdivididos de
acordo com os temas da Estratégia Nacional, a fim Art. 7º Compete à Presidência do Conselho Nacional
de facilitar a identificação pelos tribunais interessa- de Justiça, em conjunto com a Comissão de Estatística
dos na sua utilização. e Gestão Estratégica, assessorados pelo Departamento
de Gestão Estratégica, coordenar as atividades de pla-
§ 2º - Os projetos e práticas a serem incluídos no nejamento e gestão estratégica do Poder Judiciário.
Banco de Boas Práticas de Gestão do Poder Judiciá-
rio devem ser encaminhados ao Departamento de Parágrafo Único. A Presidência do Conselho Nacional
Gestão Estratégica do Conselho Nacional de Justiça, de Justiça instituirá e regulamentará Comitê Gestor
órgão responsável pela sua gestão. Nacional para auxiliar as atividades de planejamento
e gestão estratégica do Poder Judiciário, a ser coor-
Capítulo IV denado pelo Presidente da Comissão de Estatística e
Gestão Estratégica.
Do Acompanhamento dos Resultados Art. 8º Esta Resolução entra em vigor na data de sua
Art. 5º Os tribunais promoverão Reuniões de Análise publicação.
da Estratégia - RAE trimestrais para acompanhamen-
Ministro GILMAR MENDES
to dos resultados das metas fixadas, oportunidade
em que poderão promover ajustes e outras medidas Este texto não substitui a publicação oficial.
necessárias à melhoria do desempenho.
Resolução nº 49, de 18
Capítulo V de Dezembro de 2007.
Dos Indicadores, Metas e Projetos Dispõe sobre a organização de Núcleo de Estatísti-
Nacionais ca e Gestão Estratégica nos órgãos do Poder Judiciário
Art. 6º Sem prejuízo do planejamento estratégico relacionados no Art. 92 incisos III ao VII da Constituição
dos órgãos do Poder Judiciário, o Conselho Nacional da República Federativa do Brasil.
de Justiça coordenará a instituição de indicadores
de resultados, metas, projetos e ações de âmbito A Presidente do Conselho Nacional de Justiça, no
nacional, comuns a todos os tribunais. uso de suas atribuições constitucionais e regimentais,
atenta às conclusões apresentadas pela Comissão de
Estatística e Gestão Estratégica decorrentes do Seminá-
rio Justiça em Números em 2007 que congregou órgãos
do Poder Judiciário nacional, e
Considerando que a função de planejamento es- ____________________________________________
tratégico do Poder Judiciário é também atribuição do ____________________________________________
Conselho Nacional de Justiça; ____________________________________________
Considerando que o Sistema de Estatística do ____________________________________________
Poder Judiciário, instituído pelo Conselho Nacional de ____________________________________________
Justiça, foi regulamentado pela Resolução n°. 15 de 20 ____________________________________________
de abril de 2006, e adotou os princípios da publicidade, ____________________________________________
eficiência, transparência, obrigatoriedade de informa- ____________________________________________
ção dos dados estatísticos, presunção de veracidade ____________________________________________
dos dados estatísticos informados, atualização perma- ____________________________________________
nente e aprimoramento contínuo; ____________________________________________
Considerando que o Sistema de Estatística do Poder ____________________________________________
Judiciário concentra e analisa os dados com a supervi- ____________________________________________
Noções de Gestão Pública

são da Comissão de Estatística e Gestão Estratégica e a ____________________________________________


assessoria do Departamento de Pesquisas Judiciárias; ____________________________________________
Considerando que os dados enviados pelos órgãos Referências Bibliográficas
do Poder Judiciário são obrigatoriamente encaminha-
dos ao Conselho Nacional de Justiça e vinculam a Pre- CARAVANTES, G. R. Administração: teorias e processos.
sidência dos Tribunais (Resolução n°. 4 de 16 de agosto São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.
2005 c/c Resolução n°. 15 de 20 de abril de 2006); CHIAVENATO. I. Introdução à Teoria Geral da Adminis-
Considerando a necessidade de estabelecer tração. 5ª ed. São Paulo: Makron Books, 1997.
núcleos de estatística e gestão estratégica que coor- CHIAVENATO, I. Teoria Geral da Administração, vol 2.
denados cooperem para o pleno funcionamento do Rio de Janeiro: Campus, 2005.
Sistema de Estatística do Poder Judiciário, o Conselho CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas: O novo papel dos
Nacional de Justiça, com base no art. 103-B § 4o da recursos humanos nas organizações – Campus: 2008
Constituição Federal;
RESOLVE: FAYOL, H. Administração industrial e geral. 10 ed. São
Paulo: Atlas, 1994.
Art. 1º Os órgãos do Poder Judiciário relacionados no
art. 92 incisos III ao VII da Constituição Federativa do FARIA J. C. Administração: Teoria e Aplicações. São
Brasil devem organizar em sua estrutura unidade ad- Paulo: Pioneira Thomson, 2002.
ministrativa competente para elaboração de estatís- KWASNICKA, E. L. Introdução à Administração. São
tica e plano de gestão estratégica do Tribunal. Paulo: Atlas, 1995.
§ 1º O núcleo de estatística e gestão estratégica LACOMBE, F. J. M.; HEILBORN, G. L. J. Administração:
será composto preferencialmente por servidores princípios e tendências. 2º Ed. São Paulo: Saraiva, 2008.
com formação em direito, economia, administração,
ciência da informação, sendo indispensável servidor MATIAS-PEREIRA, José. Manual de Gestão Pública Con-
com formação em estatística. temporânea. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2009.
56

§ 2º O núcleo de estatística e gestão estratégica tem MAXIMIANO, A. C. A. Introdução a Administração. 5ª


caráter permanente e deve auxiliar o Tribunal na racio- ed. São Paulo: Atlas, 2000.
nalização do processo de modernização institucional.
MUSGRAVE, R. A. Teoria das finanças públicas. São
Art. 2º O núcleo de estatística e gestão estratégi- Paulo: Atlas, 1974.
ca, subordinado ao Presidente ou Corregedor do
Tribunal, deve subsidiar o processo decisório dos ma- REZENDE, Fernando. Finanças Públicas. 2ª edição. São
gistrados conforme princípios estritamente profissio- Paulo: Atlas, 2001.
nais, científicos e éticos. ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspecti-
§ 1º O núcleo de estatística e gestão estratégica do vas. São Paulo: Saraiva, 2003.
Tribunal, sob a supervisão do Presidente ou Corre- SCHERMERHORN JR., J. R. Administração. Rio de
gedor do Tribunal, enviará dados para o Conselho
Nacional de Justiça quando solicitados a fim de Janeiro: LTC, 2007.
instruir ações de política judiciária nacional. SILVA, S. O. Estilos de Administração: uma introdução à
§ 2º Presumir-se-ão verdadeiros os dados estatísticos teoria geral da administração. Rio de Janeiro: EDC – Ed.
informados pelos núcleos de estatística e gestão es- Didática e Científica, 1990.
tratégica dos Tribunais. STONER, J. A. F.; FREEMAN, R. E. Administração. 5ª ed.
Art. 3º A Comissão de Estatística e Gestão Estraté- Rio de Janeiro: Prentice Hall do Brasil, 1999.
gica do Conselho Nacional de Justiça supervisiona o ALONSO, Félix Ruiz; LÓPEZ, Francisco Granizo; CAS-
Sistema de Estatística do Poder Judiciário.
TRUCCI, Plínio de Lauro. Curso de ética em administra-
Parágrafo Único. Compete à Comissão de Estatística ção. 2. ed. São Paulo : Atlas, 2010.
e Gestão Estratégica, assessorada pelo Departamen-
to de Pesquisas Judiciárias, agregar dados estatís- LISBOA, coordenador Lázaro Plácido; MARTINS, direção
ticos enviados pelos núcleos de estatística e gestão geral Eliseu. Ética geral e profissional em contabilidade.
estratégica dos Tribunais. Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e
Art. 4º Esta Resolução entra em vigor na data de sua Financeiras. 2. ed. 12. reimpr. São Paulo: Atlas, 2011.
publicação. VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Ética. 33. ed. Rio de Janeiro :
Ministra Ellen Gracie Civilização Brasileira, 2012.

Вам также может понравиться