Вы находитесь на странице: 1из 27

ÍNDICE

CAPÍTULO 01������������������������������������������������������������������������������������ 2
Introdução ao Direito Penal e Aplicação da Lei Penal�������������������������������������������� 2
Introdução ao Estudo do Direito Penal����������������������������������������������������������������������������2
Teoria do Crime����������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Princípio da Legalidade (Anterioridade - Reserva Legal)��������������������������������������������������3
Interpretação da Lei Penal�����������������������������������������������������������������������������������������������4
Conflito Aparente de Normas������������������������������������������������������������������������������������������5
Lei Penal no Tempo����������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Lei Excepcional ou Temporária����������������������������������������������������������������������������������������8
Tempo do Crime���������������������������������������������������������������������������������������������������������������8
Lugar do Crime�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������9
Da lei Penal no Espaço�����������������������������������������������������������������������������������������������������9
Extraterritorialidade�������������������������������������������������������������������������������������������������������11
NOÇÕES DE DIREITO PENAL

Pena Cumprida no Estrangeiro��������������������������������������������������������������������������������������12


Eficácia de Sentença Estrangeira������������������������������������������������������������������������������������12
Contagem de Prazo��������������������������������������������������������������������������������������������������������13
Frações Não Computáveis da Pena��������������������������������������������������������������������������������13
Legislação Especial���������������������������������������������������������������������������������������������������������13
CAPÍTULO 02���������������������������������������������������������������������������������� 14
Do Crime��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 14
Relação de Causalidade��������������������������������������������������������������������������������������������������14
Da Consumação e Tentativa ������������������������������������������������������������������������������������������15
Desistência Voluntária e Arrependimento Eficaz�����������������������������������������������������������16
Arrependimento Posterior���������������������������������������������������������������������������������������������17
Crime Impossível - “Quase Crime”���������������������������������������������������������������������������������17
Crime Doloso������������������������������������������������������������������������������������������������������������������17
Crime Culposo����������������������������������������������������������������������������������������������������������������18
Preterdolo����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������19
Crimes Permanentes ou Continuados����������������������������������������������������������������������������19
Erro Sobre Elemento do Tipo�����������������������������������������������������������������������������������������20
Erro Evitável�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������20
Erro Sobre a Pessoa��������������������������������������������������������������������������������������������������������20
Erro Sobre a Ilicitude do Fato�����������������������������������������������������������������������������������������20
Coação Irresistível e Obediência Hierárquica�����������������������������������������������������������������21
Exclusão da Ilicitude�������������������������������������������������������������������������������������������������������22
Excesso Punível��������������������������������������������������������������������������������������������������������������22
Estado de Necessidade��������������������������������������������������������������������������������������������������22
Legítima Defesa��������������������������������������������������������������������������������������������������������������23
Estrito Cumprimento do Dever Legal�����������������������������������������������������������������������������23
Exercício Regular de Direito�������������������������������������������������������������������������������������������23
Da Imputabilidade Penal������������������������������������������������������������������������������������������������24
Emoção e Paixão������������������������������������������������������������������������������������������������������������25
Menores de Dezoito Anos����������������������������������������������������������������������������������������������25
Do Concurso de Pessoas������������������������������������������������������������������������������������������������25
Circunstâncias Incomunicáveis��������������������������������������������������������������������������������������26

1
CAPÍTULO 01 ˃˃ Deve ser uma ação consciente, possível de ser
prevista pelo agente, quando esse é descuidado
responderá de forma culposa, entretanto se real-
Introdução ao Direito Penal mente houver intenção, o desejo do indivíduo, sua
conduta com um propósito específico será dolosa.
e Aplicação da Lei Penal ˃˃ Necessita ser voluntária, por exemplo, caso o
agente venha agredir alguém por conta de um
Introdução ao Estudo do Direito
Noções de Direito Penal

espasmo muscular, essa conduta é tida como in-


Penal voluntária.
→→ A infração penal sempre gera um resultado que
A Infração Penal é gênero que se divide em duas pode ser:
espécies: crimes (conduta mais gravosa) e contraven- ˃˃ Naturalístico: quando ocorre efetivamente a
ções penais (conduta de menor gravidade). Essa divisão lesão de um bem jurídico tutelado - protegido -
é chamada de dicotômica. A diferença básica incide da vítima. Por exemplo, no crime de homicídio,
sobre as penas aplicáveis aos infratores, enquanto o quando a vida de alguém é interrompida, causa
crime é punível com pena de reclusão e detenção, as um resultado naturalístico, pois modificou o
contravenções penais implicam prisão simples e multa, mundo exterior, não somente do de cujus como
podendo ser aplicada de forma cumulativa ou não. de sua família.
Para que a conduta seja definida como crime, tem ˃˃ Jurídico: quando a lesão não se consuma, utili-
que estar tipificada (escrita) em alguma norma penal. zando o mesmo exemplo acima, caso o agressor
Não somente o próprio Código Penal as descreve não tivesse êxito na sua conduta, ele responderia
como também as Leis Complementares Penais ou Leis pela tentativa de homicídio, desde que não cause
lesão corporal. Convém ressaltar que, embora o
Especiais, por exemplo: Estatuto do Desarmamento agente não obteve êxito no resultado pretendido,
10.826/03, Lei de Tortura 9.455/97, entre outras. Por o Código Penal sempre irá punir por aquilo que
conseguinte, as Contravenções Penais estão previstas ele queria fazer (elemento subjetivo), contudo
em Lei específica, 3.688/41, esta também é conhe- nesse caso gerou apenas um resultado jurídico.
cida como Crime Anão, visto seu reduzido potencial
ofensivo. Como essa conduta não é o cerne do estudo
não convém aprofundar o assunto, basta apenas res-
saltar que as Contravenções Penais não admitem ten- Todo crime gera um resultado, porém, nem todo
tativas, enquanto o Crime é punível, mas, somente se crime gera um resultado naturalístico (lesão).
existir previsão legal (Código Penal).

Reclusão Crime Infração Penal Contravenção Prisão


Detenção (delito) Penal simples
(Divisão Dicotômica)
(crime Anão) Multa 01. As infrações penais se dividem em crimes e con-
travenções. Os crimes estão descritos:
+ Grave - Grave Não Admite
Tentativa
a) Na parte especial do Código Penal e na Lei de
Conduta Humana Contravenção Penal.
Propositada = Dolo b) Na parte geral do Código Penal.
Consciente Descuidada = Culpa
Voluntária c) Nas normas penais em branco.
Classificação d) Na Lei de Contravenção Penal.
Tipificadas dos Crimes:
(escritas)
Comissivo e) No Código Penal e em leis extravagantes.
CP
LCP Omissivo RESPOSTA. “E”. Os crimes encontram-se no Código Penal
Leis Especiais Material (parte especial) e nas Leis Extravagantes (especiais).
Formal
Mera Conduta 02. Em relação à infração penal, assinale a opção
Lesão
Especial ou própria correta.
Resultado Mão Própria
(Resultado Naturalístico) a) Considera-se crime a infração penal a que a lei
Preterintencional
Permanente comina pena de reclusão, de detenção ou prisão
Putativo simples, quer isoladamente, quer alternativa ou
Fere Bens cumulativamente com a pena de multa.
Jurídicos Ameaça a Lesão b) Considera-se contravenção penal a infração
Fundamentais (Resultado Jurídico) penal a que a lei comina pena máxima não
superior a dois anos de reclusão.
c) No ordenamento jurídico brasileiro, a diferença
entre crime e delito está na gravidade do fato e
O Direito Penal é chamado de Direito das Condutas na pena cominada à infração penal.
Ilícitas d) A infração penal é gênero que abrange como
→→ Para configurar em Infração Penal, são Necessá- espécies as contravenções penais e os crimes,
rios alguns Pressupostos: sendo estes últimos também identificados como
˃˃ Deve ser uma conduta humana, ou seja, o simples delitos.
ataque de um animal não configura em crime, e) crimes apenados com reclusão se submetem
porém, caso esse seja instigado por outra pessoa, aos regimes fechado e semi-aberto, enquanto
passa a ser um mero objeto utilizado na prática os apenados com detenção se submetem aos
2 da conduta do agressor. regimes aberto e prisão simples.
RESPOSTA. “D”. O direito penal brasileiro adotou como pois incidirá nas excludentes de culpabilidade. A
definição de infração penal, a teoria dualista ou dico- mais conhecida é o menor em conflito com a lei,
tômica, no qual infração penal é gênero que comporta ele pode cometer uma infração penal (crime), mas
duas espécies: Crime (delito) e Contravenção Penal. não poderá ir preso. É quando, no momento da
ação ou da omissão, o agente é totalmente incapaz
03. Na legislação brasileira, o conceito de contra- de entender o caráter ilícito do fato, ou de deter-
venção penal é fixado pela(o) minar-se de acordo com esse entendimento. Ainda

Noções de Direito Penal


a) gravidade da conduta dentro dessa espécie, haverá três desdobramen-
b) resultado tos que são a imputabilidade, a potencial consciên-
c) pena cominada cia da ilicitude e a exigibilidade de conduta diversa.
d) conduta Para que o crime ocorra, é necessário preencher
e) pena aplicada todos os requisitos, caso exclua alguns dos elementos
RESPOSTA. “E”. De acordo com o direito pátrio, uma do fato típico ou se não for ilícito/antijurídico, dizemos
das principais diferenças entre crime (delito) e con- que excluiu o crime; caso não possa ser culpável, o
travenção penal está nas penas, aquele está sujeito à agente será isento de pena.
pena de detenção ou reclusão e este à pena de prisão
simples ou multa.
Teoria do Crime Pode ocorrer de o agente cometer um fato
Sendo o crime - delito - espécie da infração penal, descrito como crime – Matar alguém – e esse fato
possui uma nova divisão. Nesse caso, existem diversas não ser considerado crime. Exemplo: quem mata em
correntes doutrinárias para este conceito, entretan- legítima defesa comete um fato típico, ou seja, escrito
to, adotaremos a majoritária, a qual vigora no Direito e definido como crime. Contudo, esse fato não é ilícito,
Penal Brasileiro, classificada como Teoria Finalista Tri- pois a própria lei autoriza o sujeito a matar em certos
partida ou Tripartite. casos pré-definidos.
Pode ocorrer também, de o agente cometer um
Fato Típico (Está escrito, definido como crime) fato definido como crime, ou seja, fato típico – escrito
+ e definido no CP – e ilícito, o ordenamento jurídico não
Crime Ilícito (Antijurídica) - (Contra a Lei) autoriza aquela conduta, e mesmo assim ficar isento
Delito de PENA. Assim, pode o sujeito cometer um crime e
+ não ter pena. Exemplo: quem é obrigado a cometer
Culpável (Culpabilidade) um crime. Uma pessoa encosta a arma carregada
Crime se Divide em na cabeça de outra e diz que, se ela não cometer tal
→→ Fato Típico: para ser considerado fato típico, é fun- crime, irá morrer.
damental que a conduta esteja tipificada, ou seja,
escrita, em alguma norma penal. Não obstante, é
necessário que exista:
01. O direito pátrio faz distinção clara entre as
˃˃ Conduta: é a ação do agente, seja ela culposa - figuras do crime, contravenção penal e delitos.
descuidada -, ou dolosa, intencional; comissiva
(ação) ou omissiva (deixar de fazer). ERRADO. O direito pátrio adotou a teoria dualista/
dicotômica, em que infração penal é gênero que se
˃˃ Resultado: que seja naturalístico ou jurídico. divide em duas espécies crime (delito) e contravenção
˃˃ Nexo Causal: é o elo entre a ação é o resultado, penal.
ou seja, se o resultado foi provocado diretamente 02. A infração penal divide-se em três espécies:
pela ação do agente, houve nexo causal. delito, crime e contravenção penal. No código
˃˃ Tipicidade: tem que ser considerado crime, estar penal, somente estão previstos os delitos e os
tipificado, escrito. crimes. Na Lei especial, estão previstas as con-
travenções.
ERRADO. De acordo com a teoria dualista/dicotômica,
adotada pelo direito penal brasileiro, infração penal é
Caso não existam alguns destes elementos na gênero que se divide em duas espécies, crime (delito)
conduta, podemos dizer que o fato é atípico. e contravenção penal, aquele se encontra no código
penal e nas leis extravagantes (especiais) e esta na lei
→→ Ilícito (antijurídico): neste quesito a ação do de contravenções penais.
agente tem que ser ilícita, pois, nosso ordenamen-
to jurídico prevê legalidade em determinadas si- 03. Segundo a corrente majoritária do direito
tuações em que, mesmo sendo antijurídicas, serão pátrio, o crime se completa com o fato típico,
permissivas. São as chamadas de excludentes de antijurídico e culpável.
ilicitude ou de antijuridicidade, sendo: Legítima CERTO. O direito pátrio adotou a Teoria Finalista Tri-
Defesa, Estado de Necessidade, Estrito Cumpri- partida, em que o crime é um Fato Típico, Antijurídico
mento do Dever Legal ou no Exercício Regular de (Ilícito) e Culpável.
um Direito.
→→ Culpável (culpabilidade): é a capacidade de o Princípio da Legalidade (Anteriori-
agente receber pena. Em alguns casos, mesmo o dade - Reserva Legal)
agente cometendo um fato típico e ilícito, ele não
poderá ser culpável, ou seja, não pode ser “preso”,
Art. 1 - Não há crime sem lei anterior que o defina.
Não há pena sem prévia cominação legal.
3
Somente haverá crime quando existir perfeita cor- III. com emprego de veneno, fogo, explosivo,
respondência entre a conduta praticada e a previsão asfixia, tortura ou outro meio insidioso
legal (reserva legal), que não pode ser vaga, deve ou cruel, ou de que possa resultar perigo
ser específica. Exige-se que a Lei esteja em vigor no comum;
momento da prática da infração penal (anterioridade). Pena - reclusão, de doze a trinta anos.
Fundamento Constitucional: art. 5º, XXXIX. Nessa situação, caso o agente tenha cometido o
homicídio utilizando-se de alguma das formas expostas
Noções de Direito Penal

→→ Princípio: Nullum crimem, nulla poena sine praevia


lege. no inciso III, ocorrerá a aplicação de uma pena mais
gravosa, é o exemplo de interpretação analógica.
As normas penais incriminadoras não são proibiti-
vas e sim descritivas. Por exemplo, o Art. 121 - Matar Interpretação da Lei Penal
alguém, no Código Penal, ele não proíbe, ou seja, não A matéria “interpretação da lei penal” passou a
matar. Ele descreve uma conduta, que se cometida
possuirá uma sanção (punição). ser abordada recentemente pelos editais de concurso
público. No entanto, quando cobrada, não costuma
Não são gerar muita dificuldade. Isso porque, geralmente a
Normas Penais proibitivas Quem pratica um crime
não age contra a lei, banca examinadora traz na questão uma espécie de in-
Incriminadoras São terpretação e questiona quanto ao seu significado.
mas de acordo com ela
Descritivas
A interpretação da lei penal consiste em buscar o
significado e extensão da letra da lei em relação à reali-
dade e à vontade do legislador.
Assim, a interpretação da lei penal divide-se em:
Medida Provisória não pode dispor sobre matéria Quanto ao Sujeito
penal (criar crimes e cominar penas – art. 62 § 1º I, b
CF/88) - (Somente Lei Ordinária). →→ Autêntica ou Legislativa
A analogia no direito penal só é aceita para bene- ˃˃ É aquela realizada pelo mesmo órgão da qual
ficiar o agente. Por exemplo, no antigo ordenamen- emana, podendo vir no próprio texto legislativo
to jurídico, só era permitido realizar o aborto em de- ou em lei posterior.
corrência do estupro (pênis x vagina), entretanto, a »» Ex.: conceito de funcionário público previsto no
norma penal não abrangia o caso do violento atentado Art. 327, CP.
ao pudor (pênis x ânus). Caso a mulher viesse engra-
vidar em decorrência disso, realizava-se a “analogia →→ Doutrina
in bonam partem”, permitindo também neste caso, o ˃˃ É aquela realizada pelos doutrinadores - estudio-
aborto. Ressaltamos que não existe mais o crime de sos do direito penal - Normalmente encontrada
violento atentado ao pudor, atualmente no código em livros, artigos e documentos.
penal é tido como estupro. »» Ex.: Código Penal comentado.
In malam partem (prejudicar) NÃO aceita →→ Jurisprudencial ou judicial
Analogia no
Direito Penal
˃˃ É aquela realizada pelo Poder Judiciário na apli-
In bonam partem (beneficar) aceita cação do caso concreto, na busca pela vontade
da lei. É a análise das decisões reiteradas sobre
determinado assunto legal.
»» Ex.: Súmulas do Tribunais Superiores e Súmula
O princípio da reserva legal admite o uso de Vinculante.
normas penais em branco. Quanto ao Modo
Normas penais em branco são aquelas que →→ Literal ou Gramatical
precisam ser complementadas para que analisemos o ˃˃ É aquela que busca o sentido literal das palavras.
caso concreto. Por exemplo, a vigente Lei de Drogas Teleológica
11.343/06 dispõe sobre diversas condutas ilícitas, en- ˃˃ É aquela que busca compreender a intenção ou
tretanto, o que é droga? Para analisar se determinada vontade da lei.
substância é droga ou não, o direito penal analisa uma
portaria da Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sa- →→ Histórica
nitária - 344/98, onde todas as substâncias que estive- ˃˃ É aquela que busca compreender o sentido da lei
rem descritas serão consideradas como droga. por meio da análise do momento e contexto his-
A analogia penal é diferente de interpretação ana- tórico em que foi editada.
lógica, nessa situação, a conduta do agente é analisada →→ Sistemática
dentro da própria norma penal, ou seja, é observado a
forma como a conduta foi praticada, quais os meios uti- ˃˃ É aquela que analisa o sentido da lei em conjunto
lizados. Sendo assim, a interpretação analógica sempre com todo o ordenamento jurídico (as legisla-
será possível, ainda que mais gravosa para o agente. ções em vigor, os princípios gerais de Direito, a
Exemplo: doutrina e a jurisprudencial).
Art 121. Matar alguém: →→ Progressiva
Pena - reclusão, de seis a vinte anos. ˃˃ É aquela que busca adaptar a lei aos progressos
4 § 2º - Se o homicídio é cometido: obtidos pela sociedade.
Quanto ao Resultado »» Ex.: se uma pessoa recebe de outrem um auto-
→→ Declarativa móvel que sabe ser produto de crime e passa a
conduzi-lo como se fosse seu, praticará apenas
˃˃ É aquela em que se encontra a perfeita corres- um crime, o de receptação.
pondência entre a letra da lei e a intenção do le-
gislador. Crime de Receptação (art. 180, CP - Adquirir,
receber, transportar, conduzir ou ocultar, em proveito
→→ Restritiva

Noções de Direito Penal


próprio ou alheio, coisa que sabe ser produto de crime,
˃˃ É aquela em que se restringe o alcance da letra da ou influir para que terceiro, de boa-fé, a adquira,
lei para que corresponda à real intenção do legis- receba ou oculte).
lador. A lei diz mais do que deveria dizer.
→→ Extensiva
˃˃ É aquela em que se amplia o alcance da letra da
lei para que corresponda à real intenção do legis- 01. (CESPE) Conflitos aparentes de normas penais
lador. A lei diz menos do que deveria dizer. podem ser solucionados com base no princípio
da consunção, ou absorção.
→→ Analógica
CERTO. De acordo com esse princípio, quando um
˃˃ É aquela em que a lei penal permite a ampliação crime constitui meio necessário ou fase normal de
de seu conteúdo por meio da utilização de uma preparação ou execução de outro crime, aplica-se
expressão genérica ou aberta pelo legislador. a norma mais abrangente. Por exemplo, no caso de
»» Ex.: Art. 121, § 2, inciso III, CP. Homicídio quali- cometimento do crime de falsificação de documento
ficado por “emprego de veneno, fogo, explosi- para a prática do crime de estelionato, sem mais po-
vo, asfixia, tortura ou outro meio insidioso ou tencialidade lesiva, este absorve aquele.
cruel, ou de que possa resultar perigo comum”.
Conflito Aparente de Normas
Princípios Costume não revoga nem altera lei.
Especialidade - A existência da lei especial afasta a
aplicação da lei geral.
»» Ex.: Homicídio culposo na direção de veículo
automotor. Aplica-se a lei especial (art. 302, 01. (CESPE) A exposição de motivos do CP é típico
do Código de Trânsito Brasileiro) em vez da lei exemplo de interpretação autêntica contextual.
geral (art. 121, § 4º, do Código Penal). ERRADO. A exposição de motivos seria uma interpre-
Subsidiariedade - Aplica-se a norma subsidiária tação doutrinária, uma vez que é feita pelo autor do
quando a primária não for aplicada ao caso concreto. projeto de lei e não é emanada pelo Poder Legislativo.
Pode ser expressa ou tácita. 02. (CESPE) Se o presidente do STF, em palestra pro-
Expressa: a subsidiariedade está expressamente ferida em seminário para magistrados de todo o
prevista na norma. Brasil, interpreta uma lei penal recém-publica-
»» Ex.: Art. 132, CP - Expor a vida ou a saúde de da, essa interpretação é considerada interpreta-
outrem a perigo direto e iminente: Pena - ção judicial.
detenção, de três meses a um ano, se o fato ERRADO. Seria o caso de interpretação doutrinária.
não constitui crime mais grave. Pois a interpretação da lei foi realizada por um co-
Tácita: a descrição de um fato típico mais grave nhecedor do direito, em uma exposição doutrinária.
abrange um fato típico menos grave. Neste caso, o presidente do STF não está atuando
como órgão julgador trazendo decisões reiteradas
»» Ex.: Roubo (Art. 157, CP - Art. 157 - Subtrair sobre o assunto.
coisa móvel alheia, para si ou para outrem,
mediante grave ameaça ou violência a pessoa, Sendo assim, podemos dizer que temos três prin-
ou depois de havê-la, por qualquer meio, cípios intrínsecos no Art. 1º do Código Penal, quais
reduzido à impossibilidade de resistência) x sejam, da legalidade, da anterioridade e da reserva
Furto (Subtrair, para si ou para outrem, coisa
alheia móvel). legal. É importante ressaltar que apenas Lei Ordinária
pode versar sobre matéria penal, tanto para criá-las
Consunção - É a absorção do crime meio pelo crime quanto para extingui-las.
fim. Para tanto, deve haver uma relação de dependên-
cia entre as condutas criminosas. Não obstante, convém ressaltar os preceitos exis-
tentes nos tipos penais, por exemplo: Art. 121 - CP -
»» Ex.: Súmula 17, STJ - Quando o falso se exaure Matar alguém. Pena: 6 a 20 anos. O preceito primário
no estelionato, sem mais potencialidade lesiva, seria a conduta do agente - matar alguém - e o preceito
é por este absorvido. secundário seria a cominação da pena - 6 a 20 anos.
Alternatividade - Aplicados nos crimes conhe- Para ser considerado crime, é fundamental que existam
os dois preceitos.
cidos como de “ação múltipla”. Ou seja, o tipo penal
aponta várias condutas (verbos) constituindo um único
crime. Assim, caso o agente pratique diversas condutas
contidas no mesmo tipo penal, responderá por apenas 01. No vigente ordenamento jurídico brasileiro é
um crime, desde que ocorrido dentro de um mesmo possível a tipificação legal de uma conduta dita
contexto fático. como crime por meio de um decreto presidencial. 5
ERRADO. Dispor sobre normas incriminadoras consti- CERTO. São princípios do art.1 do CP: Legalidade, An-
tui função exclusiva de lei (Princípio da Legalidade). terioridade e Reserva Legal.
02. Indique, nas opções abaixo, dois princípios 10. É correto afirmar que não existe a figura da
contidos no art. 1º do Código Penal: analogia no direito penal.
a) Da legalidade e da anterioridade ERRADO. O direito penal brasileiro permite somente a
b) Da reserva legal e da culpabilidade analogia in bonam partem.
Noções de Direito Penal

c) Da proporcionalidade e da legalidade 11. Analogia em direito penal somente poderá ser


d) Do duplo grau de jurisdição e da reserva legal usada em favor do indivíduo, de toda sorte, a
e) Da culpabilidade e do devido processo legal doutrina majoritária assim admite-a, sendo
RESPOSTA. “A”. São princípios do art. 1 do CP: Legali- classificada como analogia in bonam partem.
dade, Anterioridade e Reserva Legal. CERTO. A única forma de analogia admitida no direito
03. (FCC) Dispõe o artigo 1º do Código Penal: “Não pátrio é a in bonam partem.
há crime sem lei anterior que o defina. Não há 12. Em relação ao Direito Penal e levando-se em
pena sem prévia cominação Legal”. Tal disposi- consideração as normas constitucionais, analise
tivo legal consagra o princípio da: as afirmativas a seguir:
a) Ampla defesa I. É correto afirmar que medidas provisórias, por ter
b) Legalidade força de lei, podem dispor sobre matéria penal.
c) Presunção de inocência II. No direito penal só se fala em analogia in bonan
d) Dignidade partem, ou seja, só utiliza-se a analogia para be-
e) Isonomia neficiar o acusado.
RESPOSTA. “B” . Um dos princípios do art. 1 do CP, Le- III. Pode-se afirmar que, no direto penal a regra
galidade ”Não há crime sem lei anterior que o defina. geral é irretroatividade de lei.
Não há pena sem prévia cominação legal”. São verdadeiras somente as afirmativas:
04. Segundo o princípio da legalidade, a elaboração a) I e II;
das normas incriminadoras e das respectivas b) I e III;
sanções constitui função exclusiva da lei. c) II e III;
CERTO. Somente lei pode dispor sobre a elaboração d) I, II e III;
de normas incriminadoras. e) III
05. Força de lei, não viola o princípio da legalidade RESPOSTA. “C”. De acordo com o direito pátrio, só é
a medida provisória que define crimes e comina adotada a analogia in bonam partem, ou seja, a favor
sanções penais. do agente. Em regra, no direito penal, a lei nunca re-
ERRADO. A elaboração de normas incriminadoras cons- troagirá, salvo para beneficiar o acusado.
titui função exclusiva de lei (Princípio da Legalidade).
06. A medida provisória, por ter força de lei, mesmo Lei Penal no Tempo
antes de sua aprovação pelo congresso nacional Art. 2º Ninguém pode ser punido por fato que lei pos-
pode instituir crime ou pena criminal. terior deixa de considerar crime, cessando em virtude
ERRADO. Segundo o Princípio da Legalidade, a elabo- dela a execução e os efeitos penais da sentença con-
denatória.
ração de normas incriminadoras constitui função ex-
clusiva de lei. Parágrafo único: A Lei posterior, que de qualquer
forma modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos
07. Segundo o princípio da legalidade, a definição de anteriores, ainda que decididos por sentença transi-
crime só é possível por meio de lei. Isso deve ser tada em julgado.
respeitado também ao se estabelecer (cominar) a Conflito Temporal
pena aplicável a tal fato criminoso. Assim, o prin-
cípio da legalidade se dirige tanto à definição do →→ Regra: Irretroatividade da Lei;
crime como, também, à respectiva pena. →→ Exceção: Retroatividade para beneficiar o réu.
CERTO. O Princípio da Legalidade refere-se tanto ao Retroatividade da Lei
preceito primário (verbos do tipo), quanto ao preceito 2000 2005 2008
secundário (pena), ambos somente podem ser defini-
dos por meio de lei.
Lei retroage
08. A expressão lei deve ser interpretada da forma Julgado
mais estrita possível. Primeiramente, a lei que Lei “A” (mais gravossa) Lei “B” (mais benéfica)
trata de direito penal deve ter origem no legisla- Pena 6 a 10 anos Pena 4 a 8 anos
tivo da União. Portanto, no congresso Nacional. (revogada por lei “B”)
É o que preleciona o artigo 22 da Carta Política.
Aplica-se a Lei “B”
CERTO. De acordo com o art. 22 CF: “Compete privati- (mais favorável ao réu)
vamente à União legislar sobre: I- direito civil, comer-
cial, penal, processual, eleitoral, agrário, marítimo,
aeronáutico, espacial e do trabalho”. Em regra, o código penal sempre adota a Lei vigente,
09. O enunciado segundo o qual “não há crime sem “A”, no momento da ação ou omissão do agente, sendo
lei anterior que o defina, nem pena sem prévia assim, se nesta época é cometido um crime, aquele
cominação legal” traz insculpidos os princípios da irá responder sobre o fato descrito no tipo penal.
6 reserva legal ou legalidade e da anterioridade. Contudo, por vezes, o processo se estende no tempo, e o
julgamento do agente demora a acontecer, nesse lapso a) Abolitio criminis
temporal, caso surgir uma nova lei, “B”, que torne mais
branda a sanção aplicada sobre o agente, esta irá retroa- b) Novatio legis incriminadora
gir ao tempo do fato, beneficiando o réu. c) Novatio legis in pejus
Ultra - Atividade da Lei d) Novatio legis in mellius
e) Ofensa ao princípio da legalidade
2000 2005 2008
RESPOSTA. “A”. De acordo com o art. 2 do CP

Noções de Direito Penal


“ninguém pode ser punido por fato que lei posterior
deixa de considerar crime” Abolitio Criminis (Abolição
Lei “A” (mais benéfica) Lei “B” Aplica-se do Crime).
Pena 4 a 8 anos (mais gravosa) a lei “A”
02. (FCC) Considerando os princípios que regulam a
Lei revogada Pena 6 a 10 anos mesmo revogada aplicação da lei penal no tempo, julgue o item.
Pela abolitio criminis se fazem desaparecer o
Não obstante, a regra da irretroatividade, pode delito e todos seus reflexos penais, permanecen-
ocorrer a chamada ultra-atividade de lei mais benéfica. do apenas os civis.
Seria o caso em que, no momento da ação vigorava a
lei “A”, entretanto, no decorrer do processo, entrou CERTO. De acordo com o art. 2 do Código Penal, pela
em vigência nova lei “B”, revogando a lei “A”, tornando abolitio criminis, são extintos todos os efeitos penais.
mais gravosa a conduta anteriormente praticada pelo Como o texto não trata dos efeitos civis, consequente-
agente. mente os mesmos permanece.
Sendo assim, no momento do julgamento, ocorrerá 03. (PGE) Em matéria de eficácia da lei penal no
a ultra-atividade da lei, ou seja, a lei “A”, mesmo não tempo, adotada a regra geral da prevalência da
estando mais em vigor, irá ultra-agir ao momento lei do tempo do fato, a lei aplicável os casos de
do julgamento para beneficiar o réu, por ser menos crimes permanentes será a Lei.
gravosa a punição que o agente irá receber. a) Vigente quando se iniciou a conduta ilícita do
Abolitio Criminis (abolição do crime) agente.
b) Mais benéfica, independente de quando se
Retroage iniciou ou cessou a conduta.
c) Vigente quando cessou a conduta ilícita do
2005 2007 agente.
Lei “B” deixa de d) Mais severa, independente de quando se iniciou
Lei “A” ou cessou a conduta do agente.
considerar como
Pena 6 a 20 anos RESPOSTA. “C”. De acordo com a Súmula 711 – STF,
crime o fato
descrito na Lei “A” aplica-se ao crime permanente e ao crime continua-
do, a lei vigente quando cessou a conduta ilícita do
→→ Consequências: agente, mesmo que mais grave.
˃˃ Tranca e extingue o inquérito policial e a ação 04. Considere a seguinte situação hipotética. Célio,
penal; penalmente imputável, praticou um crime para
o qual a lei comina pena de detenção de 6 meses
˃˃ Cassam imediatamente a execução de todos os a 2 anos e multa e, após a sentença penal conde-
efeitos penais. natória recorrível, nova lei foi editada, impondo
→→ Abolition Criminis: para a mesma conduta pena de reclusão de 1 a 4
anos e multa. Nessa situação, a nova legislação
˃˃ Não alcança os efeitos Civis da condenação. não poderá ser aplicada em decorrência do prin-
Em relação ao abolitio criminis, ocorre o seguinte cípio da irretroatividade da lei mais severa.
fato: quando uma conduta que antes era tipifica como CERTO. A lei não retroagirá, salvo para beneficiar o
crime pelo código penal, deixa de existir, ou seja, passa agente. De acordo com o art. 2 do CP parágrafo. Único
a não ser mais considerada crime, dizemos que ocorreu – A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o
a “abolição do crime”. Diante disso, cessam imedia- agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que decidi-
tamente todos os efeitos penais que incidiam sobre o dos por sentença condenatória transitada em julgado.
agente: tranca e extingue o inquérito policial, caso o 05. Em relação a normas penais no tempo, é correto
acusado esteja preso deve ser posto em liberdade. En- afirmar que:
tretanto, não extingue os efeitos civis, ou seja, caso o a) Lei antiga mais benéfica retroage para benefi-
agente tenha sido impelido em ressarcir a vítima da sua ciar o réu.
conduta mediante o pagamento de multa, essa, ainda b) Lei mais gravosa deve retroagir, pois ninguém
assim, deverá ser paga. pode escusar o seu conhecimento.
Importante ressaltar que a lei que beneficia o c) nova mais benéfica de ultra-agir para benefi-
réu, não é uma faculdade do Juiz, é um dever, sempre ciar o acusado
adotada em benefício do acusado. d) Não existe extratividade de lei no ordenamento
jurídico pátrio.
e) Lei anterior mais benéfica deve ter ultra-ativida-
de para que assim possa beneficiar o acusado.
01. (ESAF) Quando uma lei penal nova torna atípico RESPOSTA. “E”. No Direito Penal brasileiro, a lei nunca
fato anterior definido como crime (incrimina- deve retroagir ou ultra-agir, salvo para beneficiar o
dor), pode-se dizer que ocorreu: acusado. 7
Lei Excepcional ou Temporária
Art. 3º A Lei excepcional ou temporária, embora de-
corrido o período de sua duração ou cessada as cir-
cunstâncias que a determinaram, aplica-se ao fato A imputabilidade do agente deve ser aferida no
praticado durante sua vigência. momento em que o crime é praticado.
→→ Lei Excepcional: utilizada em períodos de anorma- 3 meses depois
Noções de Direito Penal

lidade social. “B” Morre


“A” com 17 anos e 11 meses
»» Ex.: Guerra, calamidades públicas, enchentes,
grandes eventos etc. Atira em “B” “A” com + de
18 anos
→→ Lei Temporária: período de tempo previamente
fixado pelo legislador. Este princípio traz o momento da ação do crime, ou
»» Ex.: lei que configura o crime de pescar em seja, independente do resultado, para aplicação da lei
certa época do ano - piracema -, após lapso de penal, é considerado o momento exato da prática deli-
tempo previamente determinado, a Lei deixa tuosa, seja ela comissiva - ação - ou, omissiva - omissão.
de considerar tal conduta como crime. »» Ex.: caso um menor “A”, cometa disparos de
arma de fogo contra “B”, vindo a feri-lo, entre-
2005 2006 tanto, devido às lesões causadas pelos disparos,
Período de surto Ultra-atividade três meses depois do fato, “B” vem a falecer.
endêmico da lei Nessa época, mesmo “A” tendo completado
Fato “A” não sua maioridade penal - 18 anos - ainda assim
Fato “A” é Crime é mais crime não poderá ser punido, pois, no momento em
(notificação de epidemia) que praticou a conduta (disparos contra “B”),
→→ De 2005 a 2006, o fato “A” era considerado crime. era inimputável.
Aqueles que infringiram a Lei responderam poste-
riormente, mesmo o fato não sendo considerado
mais crime.
→→ Só ocorre retroatividade se a Lei posterior expres- Devemos, contudo, ficar atentos aos crimes per-
samente determinar. manentes e continuados, no caso do sequestro, por
É importante ressaltar que são leis excepcionais e exemplo, em que o crime se consuma a todo instante
temporárias, ou seja, a lei irá vigorar por determina- em que houver a privação de liberdade da vítima.
do tempo, após isso, tal conduta não mais será con-
siderada crime. Entretanto, durante a sua vigência, 3 meses depois
todos aqueles que cometerem o fato tipificado em tais “A” com 17 anos e 11 meses
normas, mesmo encerrada sua vigência, serão punidos.
sequestra “B” Preso com
18 anos
Crime de sequestro
Não existe “abolitio criminis” de Lei Temporária Nesta situação em questão, “A” não será mais
ou Excepcional. inimputável, pois no momento de sua prisão já havia
completado 18 anos, não considerado neste caso, o
momento em que se iniciou a ação, mas sim, quando
cessou.
01. A lei excepcional ou temporária, embora decor-
rido o período de sua duração ou cessadas as cir-
cunstâncias que a determinaram, não se aplica 01. (CESPE) Apresentada a situação hipotética a
ao fato praticado durante sua vigência. seguir, julgue o item: Manoel, com 22 anos de
ERRADO. De acordo com o art. 3 do CP “a lei excep- idade, efetuou um disparo contra um adoles-
cional ou temporária, embora decorrido o período de cente que completaria 14 anos no dia seguinte.
sua duração ou cessadas as circunstâncias que a de- Em razão das lesões provocadas pelo disparo,
terminaram, aplica-se ao fato praticado durante sua o adolescente faleceu, já tendo completado
vigência”. os 14 anos de idade. Sabe-se que, no crime de
02. As Leis excepcionais ou temporárias sempre se homicídio doloso, a pena é aumentada caso
aplicarão aos fatos ocorridos sob seu império. a vítima seja menor de 14 anos de idade, mas
Assim, de regra, são ultra-ativas, isto é, mesmo nessa situação, o aumento da pena não é apli-
que revogadas serão aplicadas. cável, pois o homicídio só se consumou quando a
vítima já havia completado 14 anos de idade.
CERTO. De acordo com o art. 3 do CP: “a lei excepcio-
nal ou temporária, embora decorrido o período de ERRADO. De acordo com o art. 4 do CP: considera-se
sua duração ou cessadas as circunstâncias que a de- praticado o crime no momento da ação ou omissão,
terminaram, aplica-se ao fato praticado durante sua ainda que outro seja o momento do resultado (Teoria
vigência”. da Atividade).
02. De acordo com a teoria da atividade, insculpida
Tempo do Crime no art. 4º do CP, considera-se praticado o crime
Art. 4º Considera-se praticado o crime no momento no momento em que foi praticada a conduta
(ação ou omissão), independentemente de
da ação ou omissão, ainda que outro seja o momento quando ocorrerá o resultado.
do resultado. CERTO. É o que diz o art. 4 do CP: Considera-se prati-
→→ Teoria da Atividade: O crime reputa-se praticado cado o crime no momento da ação ou omissão, ainda
8 no momento da conduta (momento da execução). que outro seja o momento do resultado.
Lugar do Crime Falamos em Territorialidade quando se faz a aplica-
ção da lei penal dentro do próprio Estado que a editou.
Art. 6º Considera-se praticado o crime no lugar em Dessa forma, quando aplicamos a lei brasileira em nosso
que ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte,
bem como onde se produziu ou deveria produzir-se o solo, estamos usando o conceito de territorialidade.
resultado. A territorialidade é tratada no art. 5°, CP: “aplica-se
→→ Teoria da Ubiquidade: utilizada no caso de um crime a lei brasileira, sem prejuízo de convenções, tratados e

Noções de Direito Penal


ser praticado em território nacional e o resultado ser regras de direito internacional, ao crime cometido no
produzido no estrangeiro. O foro competente será território nacional”.
tanto o do lugar da ação ou omissão quanto o do local Território Nacional Próprio
em que produziu ou deveria produzir-se o resultado. →→ Art. 5º
Ambos os lugares são competentes para julgar o processo ˃˃ Lei Brasileira
»» Sem prejuízo
“A”, manda uma A carta explode ˃˃ Convenções tratados regras internacionais
carta bomba pelo efetivamente em
correio para LONDRES LONDRES »» Imunidades
Local da ação Local que produziu ou §1º Território por extensão ou assimilação
ou Omissão deveria produzir o resultado
»» Ex.: nesse caso “A”, residente do Brasil, enviou →→ Embarcação ou aeronave brasileira pública (em
uma carta bomba pelo correio para Londres, qualquer lugar).
sendo assim, a carta efetivamente explode, →→ Embarcação ou aeronave brasileira privada a
assim, tanto o Brasil, quanto a Inglaterra serão serviço do Estado brasileiro (em qualquer lugar).
competente para julgá-lo. →→ Embarcação ou aeronave brasileira mercante ou
privada, desde que não estejam em território alheio.
A Extraterritorialidade é tratada no art. 7º Ficam
˃˃ Não existe a teoria do “resultado”. sujeitos à lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro:
I. Os crimes:
˃˃ São considerados para os crimes à distância,
países diferentes. a) contra a vida ou a liberdade do Presidente
de República;
˃˃ Não confundir os artigos
b) contra o patrimônio ou a fé pública da
L ugar Art. 6º União, do Distrito Federal, de Estado,
U biquidade de Território, de Município, de empresa
pública, sociedade de economia mista, au-
T empo Art. 4º tarquia ou fundação instituída pelo Poder
A tividade Público;
c) contra a administração pública, por quem
está a seu serviço;
d) de genocídio, quando o agente for brasilei-
01. O nosso Código Penal adotou a Teoria do Re- ro ou domiciliado no Brasil;
sultado como se observa no artigo 6° deste II. Os crimes:
Diploma Legal.
a) que, por tratado ou convenção, o Brasil se
ERRADO. De acordo com o art. 6 do CP “Considera- obrigou a reprimir;
-se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação b) praticados por brasileiros;
ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se
produziu ou deveria produzir-se o resultado”. Teoria c) praticados em aeronaves ou embarcações
da Ubiquidade. brasileiras, mercantes ou de propriedade
privada, quando em território estrangeiro
Da lei Penal no Espaço e aí não venham a ser julgados.
Da Aplicação da Lei Penal no Espaço § 1º Nos casos do inciso I, o agente é punido segundo
a lei brasileira, ainda que absolvido ou condenado no
Da Territorialidade estrangeiro.
Antes de iniciar o estudo do tópico, temos que ter § 2º Nos casos do inciso II, a aplicação da lei brasilei-
em mente que iremos estudar a lei penal e não a lei ra depende do concurso das seguintes condições:
processual penal, que segue outra regra específica. a) entra o agente no território nacional;
Aqui trataremos de como se comporta a lei penal b) ser o fato punível também no país em que
brasileira quando ocorrerem crimes no exterior, ou foi praticado;
seja, extraterritorialidade de lei. Portanto, quando c) estar o crime incluído entre aqueles pelos
falamos em extraterritorialidade estamos tratando quais a lei brasileira autoriza a extradição;
somente da lei penal e não da lei processual penal. d) não ter sido o agente absolvido no estran-
geiro ou aí não ter cumprido pena;
Territorialidade (Art. 5º) e) não ter sido o agente perdoado no estran-
Lei Penal geiro, ou, por outro motivo não estar extinta
a punibilidade, segundo a lei mais favorável.
Lei Penal Extraterritorialidade (Art. 7º)
§ 3º A lei brasileira aplica-se também ao crime cometido
no espaço por estrangeiro contra brasileiro fora do Brasil, se
reunidas as condições previstas no parágrafo anterior:
Lei Processual a) não pedida ou negada sua extradição;
Regras específicas
Penal
b) houve requisição do Ministro da Justiça.
9
O que é Território Nacional? »» Ex.: um navio brasileiro privado pelo mar da
Podemos conceituar território nacional como sendo Argentina deverá responder pelas leis penais
o espaço onde certo Estado possui sua soberania. Argentinas, ou seja, caso um brasileiro mate o
→→ Elementos que constituem um determinado outro, a lei a ser aplicada é a lei penal Argenti-
Estado soberano: na, pois o navio não estava a serviço do Brasil.
˃˃ Território;
Noções de Direito Penal

˃˃ Povo; Por outro lado, se o navio estiver em alto mar


˃˃ Organização jurídica. (terra de ninguém - aplica-se o princípio do pavilhão ou
da bandeira) e ostentar a bandeira brasileira e lá um
Consideramos como território nacional as limita-
ções que temos no mapa do pais e mais o mar terri- marujo matar o outro, a competência é da lei brasileira.
torial, que representa a extensão de 12 milhas do mar A mesma regra utilizamos para aeronaves. Uma
a contar da costa e sempre na baixa maré. O código questão interessante é por exemplo, se uma aeronave
considera também território nacional o espaço aéreo pousar em um pais distinto e o piloto cometer um crime
respectivo e o espaço aéreo correspondente ao terri-
tório nacional. Esse sempre devemos considerar como e essa aeronave estiver a serviço do Brasil, aplica-se a
território próprio. lei brasileira. Caso a aeronave for particular aplica-se a
Temos que considerar também como território lei do pais em que a aeronave estiver pousada.
nacional, o chamado território por extensão, assi- Questão interessante é se o piloto sair do aeroporto e
milação ou impróprio descrito no §1º do artigo 5º do lá fora cometer um crime. Nesse caso temos que pergun-
Código Penal. tar se o piloto estava em serviço oficial ou não, se estiver
§ 1º Para os efeitos penais, consideram-se como em serviço oficial aplicamos a lei penal brasileira, do con-
extensão do território nacional as embarcações
e aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a trário, aplica-se a lei do pais onde cometeu o crime.
serviço do governo brasileiro, onde quer que se en- →→ Resumo dos conceitos
contrem, bem como as aeronaves e as embarcações
brasileiras, mercantes ou de natureza privada, que se ˃˃ Território nacional: é o espaço onde determina-
achem, respectivamente no espaço aéreo correspon- do estado exerce com exclusividade sua sobera-
dente ou em alto mar. nia.
§ 2º É também aplicável a lei brasileira aos crimes ˃˃ Território próprio: toda a base territorial por nós
praticados a bordo de aeronaves ou embarcações conhecida (o mapa), acrescida do mar territo-
estrangeiras, de propriedade privada, achando-se
aquelas em pouso no território nacional ou em voo rial, que é extensão de 12 milhas mar à dentro, a
no espaço aéreo correspondente, e estas em porto ou contar da baixa maré.
mar territorial do Brasil. ˃˃ Território por extensão: embarcações e aerona-
Como mencionado a lei penal aplica-se em todo ves brasileiras: públicas ou a serviço do estado
o território nacional próprio ou por assimilação. Por (qualquer lugar do globo) e privadas em águas ou
esse princípio aplica-se aos nacionais ou estrangeiros
(mesmo que irregular) a lei penal brasileira. terras de ninguém.
Contudo, em alguns casos, mesmo o fato sendo ˃˃ Territorialidade: aplicação da lei penal no territó-
praticado no Brasil, não será aplicada a lei penal a esse rio nacional.
fato, isso se deve quando ocorrer por meio de conven- ˃˃ Territorialidade absoluta: impossibilidade para
ções, tratados e regras de direito internacional, aqui o
Brasil abre mão de punir, ou seja, nesses casos não se aplicação de convenções, tratados e regras de
aplicará a lei brasileira. direito internacional, ao crime cometido no ter-
Dessa forma, o princípio da territorialidade da lei ritório nacional.
penal é mitigado, ou seja, não é adotada de forma ˃˃ Territorialidade temperada: adota como regra
absoluta e sim temperada, por esse motivo falamos em a aplicação da lei penal brasileira no território
princípio da territorialidade temperada. nacional. Entretanto, com determinadas hipóte-
Podemos dar como exemplo as imunidades diplo- ses, permite a aplicação de lei penal estrangeira a
máticas e consulares concedidas por meio de adesão do
Brasil às convenções de Viena (1961 e 1963), aos diploma- fatos cometidos no Brasil (Artigo 5º do CP).
tas e aos cônsules que exerçam suas atividades no Brasil. ˃˃ Imunidade: exclusão da aplicação da lei penal.
˃˃ Imunidade diplomática e consular: são imuni-
dades previstas em convenções internacionais
chancelados pelo Brasil.
Quando falamos em “território nacional”, obriga-
toriamente temos que pensar em algumas regras: ˃˃ Imunidade parlamentar: previstas na Constitui-
Todas as embarcações ou aeronaves brasileiras ção Federal aos membros do Poder Legislativo.
de natureza pública, onde quer que se encontrem são →→ Território Nacional
consideradas parte do território nacional.
˃˃ Próprio.
Para as embarcações e aeronaves de natureza
privada, serão estas consideradas extensão do territó- ˃˃ Por assimilação ou extensão.
rio nacional quando se acharem, respectivamente, no »» Embarcação e aeronaves brasileiras: públicas
mar territorial brasileiro ou no espaço aéreo correspon-
dente. Preste bem a atenção, as de natureza privada, ou a serviço do Estado (em qualquer parte do
sem estar a serviço do Brasil, somente responderão planeta) e privadas ou marcantes em águas ou
10 pela lei brasileira se estiverem dentro do Brasil. terras de ninguém.
Passaremos a tratar agora dos princípios que d) Aeronaves mercantes brasileiras que estejam
regulam a aplicação da Lei Penal no espaço. em pouso em aeroporto estrangeiro
˃˃ Princípio da Territorialidade: e) Embarcações estrangeiras de propriedade
»» A lei penal de um país terá aplicação aos crimes privada que esteja em mar territorial brasileiro
cometidos dentro de seu território. Aqui o Estado RESPOSTA. “E”. A questão pede a aplicação da lei bra-
soberano tem o dever de exercer jurisdição sobre sileira, assim vamos explicar objetivamente cada item

Noções de Direito Penal


as pessoas que estejam sem seu território. e ver os erros e a alternativa correta: A questão “a”
˃˃ Princípio da Nacionalidade esta errada, pois as embarcações brasileiras (salvo se
a serviço do Brasil) privadas devem ser julgadas pela
»» Classificado também como “Princípio da Persona- lei do território que estejam de passagem. A questão
lidade”. Aqui os cidadãos de um determinado país “B” segue a mesma linha, repare que a embarcação é
devem obediência às suas leis, onde quer que se mercante e não está a serviço do Brasil. As questões
encontrem. Podemos dividir esse princípio em: “c” e “d” mostram que as embarcações NÃO estavam
˃˃ Princípio da Nacionalidade Ativa: a serviço do Brasil, assim, aplica-se a lei do país a que
estiverem. O gabarito é a letra “e”, pois o princípio da
»» Aplica-se a lei nacional ao cidadão que comete territorialidade esta sendo utilizado, ou seja, dentro
crime no estrangeiro, independentemente da do território nacional aplica-se a lei pátria.
nacionalidade do sujeito passivo ou do bem
jurídico lesado. Extraterritorialidade
˃˃ Princípio da Nacionalidade Passiva: Art. 7º - Ficam sujeitos à lei brasileira, embora come-
»» O fato praticado pelo nacional deve atingir um tidos no estrangeiro:
bem jurídico de seu próprio estado ou de um I. os crimes:
concidadão. a) contra a vida ou a liberdade do Presidente
˃˃ Princípio da Defesa, Real ou de Proteção: da República;
b) contra o patrimônio ou a fé pública da
»» Aqui se leva em consideração a nacionalidade União, do Distrito Federal, de Estado,
do bem jurídico lesado (sujeito passivo), inde- de Território, de Município,de empresa
pendentemente da nacionalidade do sujeito pública, sociedade de economia mista, au-
ativo ou do local da prática do crime. tarquia ou fundação instituída pelo Poder
˃˃ Princípio da Justiça Penal Universal ou da Uni- Público;
versalidade: c) contra a administração pública, por quem
está a seu serviço;
»» Aqui, todo Estado tem o direito de punir todo
e qualquer crime, independentemente da na- d) de genocídio, quando o agente for brasilei-
ro ou domiciliado no Brasil;
cionalidade do criminoso ou do bem jurídico
lesado, ou do local em que o crime foi prati- II. os crimes:
cado, bastando que o criminoso se encontre a) que, por tratado ou convenção, o Brasil se
dentro do seu território. Assim, quem quer obrigou a reprimir;
que seja que cometa crime dentro do território b) praticados por brasileiro;
nacional será processado e julgado aqui. c) praticados em aeronaves ou embarcações
brasileiras, mercantes ou de propriedade
˃˃ Princípio da Representação privada, quando em território estrangeiro
»» A lei penal brasileira também será aplicada aos e aí não sejam julgados.
delitos cometidos em aeronaves e embarcações § 1º - Nos casos do inciso I, o agente é punido segundo
privadas brasileiras quando se encontrarem no a lei brasileira, ainda que absolvido ou condenado no
estrangeiro e aí não venham a ser julgadas. estrangeiro.
§ 2º - Nos casos do inciso II, a aplicação da lei brasi-
leira depende do concurso das seguintes condições:
a) entrar o agente no território nacional;
O Código Penal brasileiro adota o princípio da ter- b) ser o fato punível também no país em que
ritorialidade como regra e os outros como exceção, foi praticado;
Assim, os outros princípios visam disciplinar a aplica- c) estar o crime incluído entre aqueles pelos
ção “extraterritorial” da lei penal brasileira. quais a lei brasileira autoriza a extradição;
d) não ter sido o agente absolvido no estran-
geiro ou não ter aí cumprido a pena;
e) não ter sido o agente perdoado no es-
01. (FCC) É certo que se aplica a lei brasileira aos trangeiro ou, por outro motivo, não estar
crimes praticados a bordo de: extinta a punibilidade, segundo a lei mais
a) Embarcações brasileiras que estejam em mar favorável.
territorial estrangeiro § 3º - A lei brasileira aplica-se também ao crime
cometido por estrangeiro contra brasileiro fora do
b) Embarcações mercantes brasileiras que estejam Brasil, se, reunidas as condições previstas no pará-
em porto estrangeiro grafo anterior:
c) Aeronaves mercantes brasileiras que estejam a) não foi pedida ou foi negada a extradição;
em espaço estrangeiro b) houve requisição do Ministro da Justiça.
11
A regra é de que a lei penal brasileira apenas aplica- →→ Condicionada - é a prevista para os casos normati-
-se aos crimes praticados no Brasil (conforme estudado zados no artigo 7º, inciso II, alíneas “a” até “c”. São
no artigo 5º do Código Penal). No entanto, há situações as condições:
que, por força do artigo 7º, permitem o Estado aplicar a) Entrar o agente no território nacional.
sua legislação penal no estrangeiro. Nesta norma, en-
contram-se diversos princípios, são eles: b) Ser o fato punível também no país em que
foi praticado.
Defesa (também chamado de Real) amplia a aplica-
Noções de Direito Penal

c) Estar o crime incluído entre aqueles pelos


ção da lei penal em decorrência da gravidade da lesão. É quais a lei brasileira autoriza a extradição.
o aplicável no artigo 7º nas alíneas do inciso I, são elas:
d) Não ter sido o agente absolvido no estran-
a) contra a vida ou a liberdade do Presidente geiro ou cumprido a pena.
da República - Atenção: caso seja a prática
de latrocínio, não há a extensão da lei bra- e) Não ter sido o agente perdoado no estran-
sileira, visto que o latrocínio é considerado geiro.
crime contra o patrimônio. Não estar extinta a punibilidade do agente, seja
b) contra o patrimônio ou a fé pública da pela brasileira, seja pela lei estrangeira.
União, do Distrito Federal, de Estado, de Ter- →→ Hipercondicionada - é a prevista para os casos
ritório, de Município, de empresa pública, normatizados no artigo 7º, §3º. Chama-se pela
sociedade de economia mista, autarquia ou
fundação instituída pelo Poder Público; doutrina de hipercondicionada porque exige, além
c) contra a administração pública, por quem
das condições da condicionada, outras duas. São
está a seu serviço; as condições:
d) de genocídio, quando o agente for brasileiro ˃˃ Não ser pedida ou, se pleiteada, negada a extra-
ou domiciliado no Brasil - Há discussão qual dição.
o princípio aplicável neste caso, havendo ˃˃ Requisição do Ministro da Justiça.
quem sustende ser da defesa, outros dizem
ser da nacionalidade ativa e outra corrente,
ainda, afirmando ser relacionado ao princí-
Pena Cumprida no Estrangeiro
pio da Justiça Penal Universal. Art. 8º - A pena cumprida no estrangeiro atenua a
pena imposta no Brasil pelo mesmo crime, quando
Justiça Penal Universal (também chamado de diversas, ou nela é computada, quando idênticas.
Justiça Cosmopolita) - amplia a aplicação da legislação
penal brasileira em decorrência da de tratado ou con- Caso o agente seja processado no exterior e lá,
venção que o Brasil é signatário. Vem normatizada pelo condenado e cumprido pena, estipula-se neste artigo
artigo 7º, inciso II, alínea “a”: que caso venha no Brasil a ser condenado pelo mesmo
a) Que, por tratado ou convenção, o Brasil se fato (no caso da extraterritorialidade incondicionada) ,
obrigou a reprimir. deverá se verificar:
Nacionalidade Ativa - amplia a aplicação da legisla- ˃˃ Se as penas são idênticas, ou seja, da mesma qua-
ção penal brasileiro ao exterior caso o crime seja prati- lidade, deverá ser computada como cumprida no
cado por brasileiro. Está prevista no artigo 7º, inciso II, Brasil. Por exemplo: as duas são privativas de li-
alínea “b”: berdade.
b) Praticados por brasileiro; ˃˃ Se as penas são diversas, ou seja, de qualida-
Representação (também chamado de Pavilhão ou de diferente, deverá haver uma atenuação. Por
da Bandeira ou da Substituição) - amplia a aplicação exemplo: no exterior o agente cumpriu pena
da legislação penal brasileira em decorrência do local restritiva de liberdade e, no Brasil, foi condena-
em que o crime é praticado. Vem normatizada pelo do e teve sua pena substituída pela prestação
artigo 7º, inciso II, alínea “c”: de serviços comunitários. Neste caso, deverá se
c) Praticados em aeronaves ou embarcações atenuar a pena no Brasil.
brasileiras, mercantes ou de propriedade
privada, quando em território estrangeiro
e aí não sejam julgados.
Eficácia de Sentença Estrangeira
Art. 9º - A sentença estrangeira, quando a aplicação
Nacionalidade Passiva - amplia a aplicação da legis- da lei brasileira produz na espécie as mesmas conse-
lação penal brasileira em decorrência da nacionalidade quências, pode ser homologada no Brasil para:
da vítima do crime. Vem normatizada pelo artigo 7º, §3º: I. obrigar o condenado à reparação do dano,
§3º: A lei brasileira aplica-se também ao crime cometido a restituições e a outros efeitos civis;
por estrangeiro contra brasileiro fora do Brasil. II. sujeitá-lo a medida de segurança.
Tais regras, de que a legislação penal brasileira Parágrafo único - A homologação depende:
será aplicada no exterior, valem apenas para os crimes
e nunca para as contravenções penais. Apesar da lei a) para os efeitos previstos no inciso I, de
pedido da parte interessada;
prever, no artigo 7º, que a lei brasileira também será
aplicada no anterior, há determinadas regras para esta b) para os outros efeitos, da existência de
aplicação, também normatizadas pelos parágrafos do tratado de extradição com o país de cuja
artigo em questão, vejamos: autoridade judiciária emanou a sentença,
ou, na falta de tratado, de requisição do
→→ Incondicionada - é a prevista para os casos norma- Ministro da Justiça.
tizados no artigo 7º, inciso I, alíneas “a” até “d”.
Segundo o Código Penal, o agente será processa- A regra geral é de que a sentença penal estrangei-
do de acordo com a lei brasileira, mesmo que for ra não precisa ser homologada para produzir efeitos
absolvido ou condenado no exterior (conforme no Brasil. No entanto, o artigo 9º traz duas situações
12 normatizado pelo §1º do artigo 7º). Não exige que necessitam da homologação para que a sentença
qualquer condição. produza efeitos no Brasil, são elas:
→→ Para a produção de efeitos civis (por exemplo: re- 05. (FCC) Adotada a teoria finalista da ação, o dolo e a
paração de danos, restituições, entre outros). Neste culpa integram a:
caso, depende do pedido da parte interessada. a) Punibilidade;
→→ Para a aplicação de medida de segurança ao agente b) Tipicidade;
da infração penal: caso exista tratado de extradição
- necessita de requisição do Procurador-Geral da c) Culpabilidade;
d) Imputabilidade;

Noções de Direito Penal


República. Caso inexista tratado de extradição - ne-
cessita de requisição do Ministro da Justiça. e) Antijuridicidade.
Contagem de Prazo 06. De acordo com a doutrina naturalista da ação, o
Art. 10 - O dia do começo inclui-se no cômputo do dolo tem caráter normativo, sendo necessário
prazo. Contam-se os dias, os meses e os anos pelo ca- que o agente, além de ter consciência e vontade,
lendário comum. saiba que a conduta praticada é ilícita.
A regra, aqui, é diversa da processual, visto que o Certo ( ) Errado ( )
dia do começo do prazo penal inclui-se no cômputo do 07. Assinale a alternativa falsa:
prazo. Por exemplo, determinado agente pratica uma a) Pode-se definir ilicitude como a relação de anta-
infração penal em 10 de agosto de 2012. Supondo que gonismo que se estabelece entre uma conduta
esta infração penal possui um prazo prescricional de 08 humana voluntária e o ordenamento jurídico;
(oito) anos, a pretensão punitiva irá prescrever em 09
de agosto de 2020. b) O roubo de veículo automotor acarreta necessa-
riamente um aumento de pena, se o veículo for
Frações Não Computáveis da Pena transportado para o exterior;
Art. 11 - Desprezam-se, nas penas privativas de liber- c) A difamação, em regra, não admite a exceção da
dade e nas restritivas de direitos, as frações de dia, verdade, enquanto a calúnia, em regra, a admite;
e, na pena de multa, as frações de cruzeiro. Ou seja,
caso após o cálculo da pena, remanescer frações de d) Pode-se afirmar que a analogia no direito penal
dia (por exemplo: o agente é condenado a pena de só pode ser utilizada para beneficiar o réu.
15 (quinze) meses de detenção, com uma causa de 08. A chamada abolitio criminis faz cessar, em virtude
aumento de 1/2, a pena torna-se em 22,5 dias. Com a
norma deste artigo, despreza-se a fração de metade dela:
e a pena final é de 22 dias. a) A execução da sentença condenatória mas não os
Do mesmo modo, aplica-se a regra à pena de multa, seus demais efeitos penais.
não sendo condenado o agente a pagar os centavos. b) A execução da pena em relação ao autor do crime
Legislação Especial mas este benefício não se estende aos eventuais
coautores ou partícipes.
Art. 12 - As regras gerais deste Código aplicam-se
aos fatos incriminados por lei especial, se esta não c) Os efeitos penais da sentença condenatória mas
dispuser de modo diverso. não a sua execução.
As infrações penais não estão apenas descritas d) A execução e os efeitos penais da sentença con-
no Código Penal, mas também em outras leis, que se denatória.
denominam de leis especiais. Nestes casos, aplica-se,
desde que a lei especial não dispuser de modo diverso, 09. ‘’Taxatividade’’, em Direito Penal, significa que:
as regras gerais do Código Penal. a) Os fatos descritos na lei penal admitem amplia-
ções de entendimento.
b) O fato é típico ou atípico.
c) O conjunto de normas incriminadoras admitem
01. A analogia em direito penal é amplamente aceita pena de multa.
pela doutrina e jurisprudência pátria, inclusive d) As regras de direito penal decorrem do princípio
para melhorar e piorar a situação do réu.
da reserva legal.
Certo ( ) Errado ( )
10. (CESPE) Sujeito ativo do crime é o que pratica
02. As regras gerais deste Código aplicam-se aos
fatos incriminados por lei especial, se esta não a conduta delituosa descrita na lei e o que, de
dispuser de modo diverso. qualquer forma, com ele colabora, ao passo que o
Certo ( ) Errado ( ) sujeito passivo do delito é o titular do bem jurídico
lesado ou posto em risco pela conduta criminosa.
03. No Direito Penal brasileiro, em regra, a pessoa
jurídica não pode ser sujeito ativo. Por outro lado, Certo ( ) Errado ( )
sempre poderá ser sujeito passivo de delitos.
Certo ( ) Errado ( )
04. (FCC) Adotada a teoria finalista, é possível se a 01 ERRADO 06 CERTO
firmar que o dolo e a culpa integram:
a) Tipicidade e culpabilidade, respectivamente. 02 CERTO 07 A
b) Culpabilidade. 03 ERRADO 08 D
c) Antijuridicidade. 04 E 09 B
d) Culpabilidade e tipicidade, respectivamente.
e) Tipicidade. 05 B 10 CERTO 13
CAPÍTULO 02
Mesmo “A” tendo concorrido diretamente
para que “B” estivesse na ambulância, o código
penal manda que “A” responda somente por
Do Crime tentativa de homicídio.
Quebra Nexo Causal
Relação de Causalidade Nexo Causal
“B” É socorrido
Noções de Direito Penal

Teoria da Equivalência dos Antecen- Ambulância


dentes “A” Atira em “B” “B” É atingido, mas bate e “B” morre
A ação ou omissão tem que dar causa ao resultado: Causa sobrevive
Causa
→→ Relação de Causalidade
Art. 13º O resultado, de que depende a existência do
crime, somente é imputável a quem lhe deu causa.
Considera-se causa a ação ou omissão sem a qual o
resultado não teria ocorrido. No exemplo dado, caso “B” seja socorrido com
sucesso, entretanto, devido ao ferimento na cabeça,
Nexo Causal tenha que ser submetido à intervenção cirúrgica impres-
Relação entre agente e o resultado naturalístico cindível e, durante o procedimento, devido a compli-
Resultado
cações, vem a falecer. Nesta situação, “A” responderá
Ação ou
por homicídio consumado, pois ninguém está obrigado
Omissão (Lesão) a submeter-se a intervenções cirúrgicas. A mesma
Neste caso, antes de tudo, é importante mencio- situação ocorre se devido à internação, “A” contraia
nar sobre a responsabilidade do agente. Para o Código infecção hospitalar, vindo a falecer, nessas duas hipó-
Penal existem duas formas de responsabilidades: sub- teses, “B” responderá pelo crime consumado, segundo
jetiva e objetiva. entendimento do STJ - Superior Tribunal de Justiça. Cabe
→→ Subjetiva: nesta situação, o agente pode ser ressaltar que, mesmo “A”, estando no hospital, porém,
punido na modalidade culposa, quando não queria este falece devido a um desmoronamento provocado
o resultado. É o imperito, imprudente ou negli- por um terremoto, haverá novamente a quebra do nexo
gente. Na modalidade dolosa, quando o agente causal, como no acidente com a ambulância, “A” respon-
quis ou assumiu o risco do resultado. O Código derá somente pela tentativa de homicídio.
Penal, sempre irá punir sobre aquilo que o agente
queria causar, qual era a intenção no momento da
conduta.
→→ Objetiva: a responsabilidade objetiva não é mais 01. É correto afirmar que o crime de homicídio é
adotada, visto que sempre haveria a punição por cometido no dia em que o agente desfere na
dolo, não se admitindo a forma culposa. vítima a facada que gerou a morte, mesmo que
o evento morte ocorra depois de certo tempo.
»» Ex.: “A” dispara dois tiros em “B”. Os tiros efe- Dessa forma um menor de 17 anos não comete
tivamente acertam “B” causando sua morte. crime caso desfira uma facada em um maior
Nessa situação, a ação de “A” deu causa ao re- de idade as 00:30 do dia que completa 18 anos,
sultado morte de “B”, mantendo uma relação caso a hora do seu aniversário seja as 18 horas
de causa x efeito, com resultado naturalístico: do mesmo dia.
morte.
ERRADO. Considera-se imputável o agente que comete
Causa Relativamente Independente fato típico nos primeiros instantes do dia em que
→→ Superveniência de Causa Independente completa a maioridade (18 anos), tampouco importan-
§ 1º A superveniência de causa relativamente in- do o horário de seu nascimento. De acordo com o STJ:
dependente exclui a imputação quando, por si só, “Agente que cometeu o delito no dia que completou
produziu o resultado; os fatos anteriores, entretanto, 18 anos - Irrelevância de o ilícito ter sido praticado em
imputam-se a quem os praticou. horário anterior ao do seu nascimento” (RT 782/551).
»» Ex.: “A” atira em “B”, contudo “B” morre 02. Luiz ministrou certa dose de veneno a Pedro,
devido a um veneno ingerido anteriormente. A ocultando-a dentro de um suco, com intenção
causa efetiva da morte de “B” foi o envenena- de matá-lo. Logo em seguida, Luiz saiu da casa
mento e não o disparo efetuado por “A”. Nessa de sua vítima. Antes mesmo de Pedro sentir os
situação, “A” responderá apenas por tentativa efeitos da substância ingerida, uma bala perdida
de homicídio. atingiu-lhe o peito, e ele morreu instantanea-
Nesta situação, a causa da morte não foi efetiva- mente por causa dos disparos. Nessa situação,
mente o tiro disparado por “A”, mas o veneno ingerido Luiz responderá por tentativa de homicídio.
anteriormente. CERTO. Nessa situação houve a quebra do nexo causal,
Sendo assim, não foi efetivamente o disparo que em que a efetiva morte de Pedro não esta ligada a
causou o resultado naturalístico da morte de “B”. ingestão do veneno ministrada por Luiz, nessa situação,
Pedro será penalizado somente pelo fato até então
→→ Fato que ocorre após a conduta do agente, en- praticado, qual seja, tentativa de homicídio.
tretanto, não ocorreria se a ação ou omissão não
tivesse acontecido. 04. Em relação ao nexo de causalidade, o Código
Penal adotou a teoria da imputação objetiva,
»» Ex.: “A” atira na cabeça de “B”, esse é socorri- segundo a qual deve existir um liame entre a
14 do em ambulância, no trajeto para o hospital a conduta descrita na norma penal e o resultado
ambulância capota causando a morte de “B”. ocasionado.
ERRADO. O Código Penal adota a teoria da imputação consumar seu desejo (cogitação). Para isso,
subjetiva, em que pune o agente por dolo ou culpa, compra um revólver e munições (preparação)
de acordo com sua conduta. A teoria objetivo prevê a e desloca-se até a casa a vítima. Ao avistá-lo,
punição apenas na modalidade dolosa. inicia os disparos (execução) contra Pedro, fe-
rindo-o mortalmente (consumação).
Relevância da Omissão O código penal não admite a punição nas fases de
cogitação e preparação, salvo se constituírem crimes

Noções de Direito Penal


O “dever” de agir é um dever Jurídico, é o poder
do garantidor ou garante, ou seja, imposto por Lei. autônomos. No caso citado acima, se Fabrício fosse
Quando da omissão, o agente tem a possibilidade e o preso no momento em que estava com o revólver des-
dever jurídico de agir e omite-se. locando-se à casa de Pedro para matá-lo, iria configu-
rar apenas o crime de porte ilegal de arma de fogo, não
»» Ex.: dois policiais observam uma pessoa sendo poderia de forma alguma ser punido pela tentativa de
vítima de roubo e nada fazem, nesse caso, os matar Pedro. Só podemos punir a intenção do agente,
agentes, tendo a possibilidade e o dever de
agir, omitiram-se. Nesta situação ambos res- a partir do momento que entra na esfera de execução.
ponderão pelo resultado, ou seja, por roubo. Outra situação seria a união de 4 pessoas que
§ 2º A omissão é penalmente relevante quando o planejam assaltar um banco, para isso, compram fer-
omitente devia e podia agir para evitar o resultado. O ramentas: picaretas, pás, marretas, conseguem a
dever de agir incumbe a quem: planta do banco, alugam uma casa nas proximidades,
→→ Tenha por Lei obrigação de cuidado, proteção ou contudo, no momento planejavam a forma que iriam
vigilância; (dever legal). realizar o assalto, são surpreendidos pela polícia com
˃˃ Pai que deixa de alimentar o filho e esse vem a todos os materiais. Nesse caso, essas pessoas não res-
morrer de inanição. ponderão pelo crime de “tentativa de roubo” (Art. 157
CP), mas sim pelo crime de “quadrilha ou bando” (Art.
˃˃ Carcereiro que observa o preso agonizando a 288 CP). Mesmo com a posse de todos os materiais que
beira da morte e nada faz. seriam utilizados, eles não haviam entrado na esfera de
˃˃ Policial que vê mulher sendo assaltada e nada faz. execução.
→→ De outra forma, assumiu a responsabilidade de Por conseguinte, o código penal sempre irá punir
impedir o resultado; (dever do garantidor). o agente por aquilo que ele queria cometer (Elemento
˃˃ Babá que descuida da criança e a deixa morrer. Subjetivo), ou seja, qual era a intenção do agente,
ainda que outro seja o resultado.
˃˃ Salva-vidas que observa banhista se afogar e
nada faz. »» Ex.: “A”, com intenção de matar “B”, efetua
vários disparos em sua direção, contudo, acerta
→→ Com seu comportamento anterior, criou o risco apenas um tiro no dedo do pé de “B”. Indepen-
da ocorrência do resultado. dente desse resultado, “A” vai responder por
˃˃ Homem se habilita a atravessar um idoso na faixa tentativa de homicídio, pois era sua intenção
de pedestres, no meio do caminho, o homem inicial.
abandona o idoso que é atropelado e morre. É importante sempre atentar-se para a vontade do
agente, pois o código penal irá puni-lo somente pelo
Esses crimes são chamados de crimes omissivos im- resultado ao qual quis causar, ou seja, sempre pelo
próprios ou comissivos por omissão, ou ainda partici- Elemento Subjetivo do agente.
pação por omissão. Em todos esses casos, o omitente
responderá pelo resultado, a não ser que este não lhe
possa ser atribuído nem por dolo nem por culpa. O
agente tem que ter consciência de que se encontra na 01. (NCE) Ticiana sai para o trabalho e deixa seu filho
função de agente garantidor. Caio, de 3 anos, aos cuidados da avó materna,
Da Consumação e Tentativa Meviana. Num determinado momento, em que
Art. 14º Diz-se do Crime: a avó sai de casa e deixa o neto sozinho, este
I. Consumado, quando nele se reúnem todos
sobe na janela do apartamento e cai do 10º
os elementos de sua definição legal. andar, o que causa sua morte. É correto afirmar,
nesse caso, que:
Inter-Criminis a) Ticiana e Meviana devem responder criminal-
(Caminho do crime)
mente porque houve omissão própria;
Cogitação Consumação b) Meviana deve responder criminalmente porque
Preparação Execução houve omissão imprópria;
c) Meviana deve responder criminalmente porque
houve omissão própria;
Não se pune apreparação O crime se d) Ticiana deve responder criminalmente porque
salvo se por si só constituir torna punível houve omissão imprópria;
crime autônomo
(independente) e) Ticiana deve responder criminalmente porque
houve omissão própria.
Para que o crime seja consumado, é necessário
que ele percorra todas as fases do iter-criminis, quais RESPOSTA. “B”. De acordo com o art. 13 §2 - a omissão é
sejam: cogitação, preparação, execução e consuma- penalmente relevante quando o omitente devia e podia
ção. O agente, com sua conduta, “caminha” por todas agir para evitar o resultado. O dever de agir incumbe a
as fases até atingir o resultado. quem: b) de outra forma, assumiu a responsabilidade
»» Ex.: Fabrício, com “animus necandi” - vontade de impedir o resultado. Meviana responde pela omissão
de matar - Pedro, pensa em uma forma de imprópria, pois assumiu a responsabilidade de cuidar de 15
seu neto, tornando-se garantidora do mesmo.
Tentativa →→ Imperfeita
Diz que o crime é tentado, quando, iniciada a ˃˃ Incruenta
execução, não se consuma por circunstâncias alheias à »» Branca: erra dois tiros, mas é impedido de con-
vontade do agente. tinuar por um policial.
→→ Não se admite Tentativa para: ˃˃ Cruenta
˃˃ Crime culposo; »» Vermelha: acerta dois tiros apenas, mas é
Noções de Direito Penal

impedido de continuar por um policial.


˃˃ Contravenções Penais (art 4º LCP);
A tentativa será perfeita - crime falho - quando o
˃˃ Mera conduta; agente esgotar todos os meios, vindo a acertar ou não a
˃˃ Crime Preterdoloso. vítima. E imperfeita quando fica impossibilitado de pros-
Alguns tipos penais não aceitam a forma “tentada”, seguir, mesmo que já tenha atingido a vítima ou ainda
sendo assim, o fato de iniciar a execução já o torna con- sem feri-la, por circunstâncias alheias à sua vontade.
sumado, por exemplo: Concussão (Art. 316 CP), nessas
situações, a consumação é um mero exaurimento.
Os crimes “tentados” são aqueles que iniciam a 01. João, José e Juvenal foram flagrados no
fase de execução, mas não chegam à consumação por momento em que se reuniam para planejar um
circunstâncias alheias à vontade do agente, ou seja, assalto. Tal situação configura:
o autor quer praticar a conduta, mas é impedido de
alguma forma. a) Tentativa de assalto
b) Tentativa de roubo
»» Ex.: “A” com intenção de matar “B”, compra
um revólver; ao encontrar “B”, no momento c) Tentativa de furto
que iria iniciar os disparos, é flagrado por um d) Conduta atípica
policial que o impede. e) Formação de quadrilha
“A” com intenção de matar “B”, compra um RESPOSTA. “D” . O fato em questão não caracteriza
revólver; ao encontrar “B” do outro lado da rua, no crime, pois se encontrava na fase da cogitação do Iter
momento que começa a efetuar os disparos, atinge Criminis (Caminho do Crime), também não caracteri-
uma caçamba de entulhos que trafegava pela via. zando o crime de quadrilha ou bando (art.288), pois o
As circunstâncias alheias à vontade do agente tipo penal exige mais de três pessoas.
podem ser quaisquer fatos, que impeçam que o crime 02. Tentativa branca consiste:
seja consumado. a) na investida agressiva, utilizando-se o agente
Pena do Crime Tentado dos próprios punhos;
b) na inexistência de lesão na vítima;
É a mesma do crime consumado. Devendo ser
reduzida de 1 a 2/3. Quanto mais próximo o crime c) na execução obstada por uma norma penal em
chegar da consumação, maior deverá ser a pena. branco;
d) em levar a efeito investida fracassada com instru-
Se, quando iniciada a execução, o crime não se mento cortante, perfurante ou pérfuro-cortante.
consumar por circunstâncias alheias à vontade do
agente, incidirá a pena do crime consumado, com RESPOSTA. “B”. Denomina-se tentativa branca ou in-
redução no quantum da pena. cruenta quando o sujeito passivo não sofre lesão, não
é atingida.
»» Ex.: homicídio: pena de 6 a 20 anos.
»» Ex.: João fez disparos contra José causando sua Desistência Voluntária e Arrepen-
morte.
˃˃ Pena: 12 anos
dimento Eficaz
Art. 15. O agente que, voluntariamente, desiste de
˃˃ Tentativa de homicídio: pena de 6 a 20 anos prosseguir na execução ou impede que o resultado se
reduzida de 1 a 2/3. produza, só responde pelos atos já praticados.
»» Ex.: João fez disparos contra José que ferido foi Não se consuma
socorrido e sobreviveu. por VONTADE do
próprio agente
˃˃ Pena: 4 anos (melhor cenário) - 8 anos (pior Execução
cenário).
Cogitação Preparação Consumação
»» Ex.: João, armado de pistola, efetua 15 disparos
contra José ficando este em coma por 40 dias, - Início;
quase vindo a falecer, mas sobrevive. - Não consumação;
- Interferência da vontade
Mesmo assim, haverá redução de pena, nesse caso, do próprio agente.
à mínima, 1/3 - 8 anos - mas deve ser aplicada.
Existem dois tipo de tentativas, perfeita e imperfei- →→ Desistência voluntária: o agente interrompe vo-
ta, ambas podem ser cruentas e incruentas. luntariamente a execução do crime impedindo a
consumação.
→→ Perfeita
˃˃ Incruenta A B
»» Branca: gasta todos os tiros e erra todos. Efetua 2 diasparos contra “B”,
“A” Possuiu um acertando os dois disparos “A” reponderá
˃˃ Cruenta revólver com 6 na perna da vítima. por lesão
16 »» Vermelha: gasta todos os tiros, acerta todos, e munições Podendo continuar, desiste corporal
o indivíduo não morre. voluntariamente
Nessa situação, o agente poderia efetuar mais Caso a reparação do dano ocorra após o recebimen-
disparos, porém desiste de continuar a efetuá-los e vai to da denúncia, a pena será atenuada, por exemplo, em
embora, é importante ressaltar que a desistência não vez de iniciar a pena no regime de reclusão, irá iniciar
teve influência de nenhuma outra circunstância, senão em regime semi-aberto.
a vontade do próprio agente.
→→ Arrependimento eficaz: encerrada a execução do
crime, o agente voluntariamente impede o resulta-

Noções de Direito Penal


do. Aqui, ele leva a execução até o fim. Contudo, com 01. Henrique furtou a bicicleta de Carlos. Após
sua ação impede que o resultado seja produzido. alguns dias, envergonhado de tal ato, Henrique
“A” responderá por compra outra bicicleta nova e a restitui a Carlos.
lesão corporal e Nesta hipótese:
NÃO por tentativa a) a pena imposta a Henrique deverá se situar no
de homicídio patamar mínimo, sem qualquer diminuição.
A B b) a pena imposta a Henrique será reduzida de um a
Descarrega a arma dois terços, diante do arrependimento posterior.
em direção de “B” “A” arrepende-se c) Carlos poderá perdoar Henrique e este não será
“A” Possuiu um
voluntariamente,
revólver com 6 ferindo-o.
socorre “B” e impede
processado por crime de furto.
munições d) a ação penal só poderá ser proposta com a re-
sua morte (resultado)
Nesta situação, o agente esgota os meios efetuan- presentação de Carlos.
do todos os disparos, contudo, após finalizá-los, arre- RESPOSTA. “B”. De acordo com o art. 16 do CP: “Nos
pende-se do que fez, socorre “B” levando-o para o um crimes cometidos sem violência ou grave ameaça à
hospital, vindo a salvá-lo. pessoa, reparado o dano ou restituída à coisa, até o rece-
Tanto na “desistência voluntária” - ato negativo - bimento da denuncia ou da queixa, por ato voluntário do
quanto no “arrependimento eficaz” - ato positivo - o agente, a pena será reduzida de um a dois terços”.
agente responderá pelos atos até então praticados;
nessas situações, considera-se lesão corporal. Crime Impossível - “Quase Crime”
Art. 17 - Não se pune a tentativa quando, por ineficá-
Na tentativa o agente cia absoluta do meio ou por absoluta impropriedade
inicia a execução e é do objeto, é impossível consumar-se o crime.
INTERROMPIDO, são
circunstâncias ALHEIAS →→ Ineficácia absoluta do meio: o meio empregado
a sua vontade
ou o instrumento utilizado para a execução do
Cogitação Preparação Execução Consumação crime jamais o levarão a consumação.
Na desistência voluntária, No arrependimento eficaz ˃˃ Tentar matar alguém utilizando uma arma de
o agente pode prosseguir, o agente termina o ato de
mas INTERROMPE voluntariamente execução. Contudo, evita brinquedo.
sua conduta, não termina a execução voluntariamente que o
resultado se produza
˃˃ Tentar envenenar alguém com sal.
»» Ex.:“A” com intenção de envenenar “B”, coloca
sal - erro do tipo putativo - em sua comida,
pensando ser arsênico.
→→ Impropriedade absoluta do objeto material:
Tentativa: após o inicio da execução, o crime não Nessa hipótese, a pessoa ou a coisa sobre a qual
se consuma por vontades alheias ao desejo do agente. recai a conduta é absolutamente inidônea para
Desistência voluntária: mesmo podendo prosseguir produção de algum resultado lesivo.
o agente desiste, interrompe por sua vontade própria.
˃˃ Matar quem já está morto.
Arrependimento eficaz: finalizados todos os atos
de execução, o agente por vontade própria, socorre a »» Ex.: “A” com intenção de matar “B”, enquanto
vítima, impedindo que o resultado - morte - ocorra. esse está dormindo, efetua vários disparos.
Contudo, “B” já estava morto devido ao veneno
Arrependimento Posterior administrado por “C” horas atrás.
Art. 16 - Nos crimes cometidos sem violência ou grave Embora o elemento subjetivo do agente seja o
ameaça à pessoa, reparado o dano ou restituída a dolo - homicídio - esses casos não serão puníveis, pois o
coisa, até o recebimento da denúncia ou da queixa,
por ato voluntário do agente, a pena será reduzida de meio empregado “sal” ou o objeto material “o morto”
um a dois terços. tornam o crime impossível de ser consumado.
É requisito fundamental que não ocorra violência Caso a ineficácia absoluta do meio seja relativa,
ou grave ameaça. Após a consumação do crime, antes será considerado crime, por exemplo, uma arma antiga
que do recebimento da denúncia ou queixa - instau- de um colecionador, da segunda guerra mundial, seria
ração no Poder Judiciário - o agente repara o dano quase impossível cometer um crime com um meio
causado anteriormente. desses, entretanto, caso ela tenha potencial para causar
lesão - esteja funcionando - o crime que o agente tentou
»» Ex.: um rapaz é preso pelo furto (Art. 157 CP) de praticar com esta arma, será considerado punível.
uma televisão de 14 polegadas, antes do rece-
bimento da denúncia, seu advogado - ou repre- Crime Doloso
sentante legal - repara à vítima todos os danos Art. 18 - Diz-se o crime:
que o agente causou quando subtraiu o bem,
nessa hipótese, a pena do agente será reduzida.
I. doloso, quando o agente quis o resultado 17
ou assumiu o risco de produzi-lo.
→→ Doloso É a culpa de quem age, ou seja, aquela que surge
˃˃ Doloso direto: quis resultado. durante a realização de um fato sem o cuidado neces-
˃˃ Doloso eventual ou indireto: assumiu o risco de sário.
produzir o resultado. »» Ex.: ultrapassagem em local proibido, excesso
»» Ex.: “A” atira em direção de “B” querendo que a de velocidade, trafegar na contramão, manejar
morte desse aconteça. arma carregada, atravessar o sinal vermelho etc.
Noções de Direito Penal

»» Ex.:“A”, caçador, efetua vários disparos a fim →→ Imperícia


de abater animal. Contudo, é advertido por É a falta de conhecimento técnico ou habilitação
terceiro “B”, que naquela direção em que está para o exercício de profissão ou atividade.
atirando é local habitado. “A” não se importa
e continua os disparos, mesmo consciente que »» Ex.: médico ao realizar uma cirurgia e esquece
poderia acertar alguém. Um de seus projéteis uma pinça dentro do abdômen do paciente.
acerta “C”, inocente morador das redondezas. Atirador de elite que acerta a vítima, em vez
Nessa situação, deverá “A” responder por ho- do criminoso. Médico que faz lipoaspiração e
micídio doloso - eventual - pois assumiu o risco causa a morte de paciente.
de produzir o resultado não observando a ad-
vertência que “B” lhe havia feito. É o “dane-se”: →→ Negligência
o agente sabe o que pode vir a causar, mas não ˃˃ É o não fazer sem a obrigação de cuidado.
se importa com o resultado. É a culpa na sua forma omissiva. Consiste em deixar
»» Ex.: “A” dirigindo em altíssima velocidade e dis- alguém de tomar o cuidado devido antes de começar a
putando um racha com amigos perto de uma agir.
movimentada escola vem a atropelar “B”, estu-
dante no momento que esse atravessava a via. »» Ex.: deixar de conferir os pneus antes de viajar,
“A” nessa situação tinha consciência que sua bem como de realizar a devida manutenção do
conduta poderia matar alguém. Contudo, não veículo. Deixar substância tóxica ao alcance de
se importou em continuar. Novamente ocorre crianças etc.
a figura do “dane-se”. Sabe que pode aconte-
cer, mas não se importa. Crime Culposo
Imprudência Apressado
→→ Dolo Direto - Teoria da Vontade - Quer o resultado.
Quebra do
→→ Dolo Eventual - Teoria do Assentimento - Assume dever de Imperícia Despreparado
o risco do resultado. cuidado
Crime Culposo Negligência Relaxado
II. Culposo, quando o agente deu causa ao Previsível
resultado por imprudência, negligência ou
imperícia. Culpa Consciente
Parágrafo único - Salvo os casos expressos em lei, Na culpa consciente, o agente antevê o resultado,
ninguém pode ser punido por fato previsto como mas não o aceita, não se conforma com ele. O agente
crime, senão quando o pratica dolosamente. age na crença de que não causará o resultado danoso:
Culpa »» Ex.: o atirador - não o substituto - de facas no
Na conduta culposa, há uma ação voluntária circo. Ele atira a faca na crença de que, habili-
dirigida a uma finalidade lícita, mas, pela quebra do doso que é, acertará a maça. Mas, ao contrário
dever de cuidado a todos exigidos, sobrevém um re- do que acreditava, ele acerta a moça.
sultado ilícito não desejado, cujo risco nem sequer foi
assumido.
Requisitos do Crime Culposo
→→ Quebra do dever objetivo de cuidado 01. (CESPE) Considere-se que Joaquim, penalmente
A culpa decorre da comparação que se faz entre responsável, sem o ânimo de morte na conduta,
o comportamento realizado pelo sujeito no plano atirou contra João, ferindo-o gravemente, de
concreto e aquele que uma pessoa de prudência modo que a vítima permaneceu internada sob
normal, mediana, teria naquelas mesmas circunstân- cuidados médicos por um período de 40 dias.
cias. Haverá a conduta culposa sempre que o evento Nessa situação, Joaquim responderá por crime
decorrer de quebra do dever de cuidado por parte do
agente mediante uma conduta imperita, negligente ou de lesão corporal de natureza grave, ficando
imprudente. absorvido o crime de periclitação da vida ou da
→→ Previsibilidade saúde humana, visto que a situação de perigo
Não basta tão-somente a quebra do dever de foi ultrapassada e passou a constituir elemento
cuidado para que o agente responda pela modalidade do crime mais grave.
culposa, pois é necessário que as consequências de sua CERTO. De acordo com o art. 129 §1 - I, Joaquim res-
ação descuidada sejam previsíveis. ponderá por lesão corporal grave, por causar incapa-
Modalidades do Crime Culposo cidade para as ocupações habituais de João, por mais
→→ Imprudência de trinta dias. Não responderá por tentativa de homi-
18 ˃˃ É o fazer sem a obrigação de cuidado. cídio, pois Joaquim não tinha o animus necandi.
Art. 157- Subtrair coisa móvel alheia, para si ou
02. (CESPE) Considere que determinado motorista, para outrem, mediante grave ameaça ou violência
em estado de embriaguez, dirija de madrugada, a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio,
seu veículo, em velocidade acima da permitida, reduzido á impossibilidade de resistência:
e venha a causar acidente automobilístico que Pena - Reclusão, de quatro a dez anos, e multa.
resulte na morte de um pedestre. Nessa circuns-
tância, de acordo com o atual entendimento do § 3º se da violência resulta lesão corporal grave, a
pena é de reclusão, de sete a quinze anos, além da

Noções de Direito Penal


STJ, o motorista deverá responder penalmente multa; se resulta morte, a reclusão é de vinte a trinta
por: anos, sem prejuízo da multa.
a) homicídio doloso, na modalidade dolo eventual. § 3º Se resulta morte e as circunstâncias evidenciam
b) homicídio doloso, na modalidade dolo alternativo. que o agente não quis o resultado, nem assumiu o
c) homicídio doloso, na modalidade dolo direto de risco de produzi-los;
segundo grau. Pena - Reclusão, de quatro a doze anos.
d) homicídio culposo.
RESPOSTA. “A”. É pacífico o entendimento do STJ em Crimes Permanentes ou Continua-
relação a este tema, quando o agente, embriagado,
violada as leis de trânsito, ele assume o risco eventual
dos
Nos crimes permanentes, ou seja, naqueles em que
de causar algum dano. a consumação se prolonga enquanto não cessa a ati-
03. Na culpa consciente, o agente: vidade, aplica-se ao fato a lei que estiver em vigência
a) prevê o resultado e, conscientemente, assume o quando cessada a atividade, mesmo que mais grave
risco de produzi-lo. (severa) que aquela em vigência quando da prática
b) prevê o resultado, mas espera, sinceramente, do primeiro ato executório. O crime se perpetua no
que ele não ocorra. tempo, enquanto não cessada a permanência. É o
c) não tem previsão quanto ao resultado, mas que ocorre, por exemplo, com o crime de sequestro
e cárcere privado. Assim, será aplicada lei que estiver
apenas à previsibilidade do mesmo. em vigência quando da soltura da vítima. Observa-se,
d) não tem previsão quanto ao resultado, mas, então, o momento em que cessa a permanência para
conscientemente, considera-o previsível. daí se determinar qual a norma a ser aplicada. É o que
RESPOSTA. “B”. Na culpa consciente o resultado é pre- estabelece a Súmula 711 do STF.
visível, mas o agente sinceramente não o deseja, acre- Súmula 711: A lei penal mais grave aplica-se ao
ditando em sua capacidade para evitar o mesmo. crime continuado ou ao crime permanente, se a sua
04. (FCC) Quando o agente prevê o resultado, mas vigência é anterior à cessação da continuidade ou da
espera sinceramente que ele não ocorrerá, afir- permanência.
ma-se na doutrina que há: Data do sequestro Prisão
a) culpa imprópria Janeiro Dezembro
b) dolo alternativo Protrai no tempo
c) dolo indireto
d) dolo eventual
e) culpa consciente Lei “B” Lei “C”
RESPOSTA. “E”. Ocorre a chamada culpa consciente 6 a 8 anos 10 a 12 anos
quando o agente prevê o resultado, mas espera que Lei “A” Qual lei ultizar?
ele não ocorra, acreditando em sua capacidade para 4 a 6 anos Lei “C”
evitá-lo.
»» Ex.: o crime de sequestro é um crime que se
05. (FCC) Dentre os elementos do crime doloso, NÃO protrai no tempo, ou seja, a todo instante ele
se inclui a: esta se consumando, qualquer que seja o
a) Consciência do resultado momento da prisão ela estará em flagrante.
b) Noção da conduta Sendo assim, nos casos dos crimes perma-
c) Imprudência, imperícia e negligência nentes ou continuados, aplica-se a pena no
d) Consciência do nexo causal entre conduta e re- momento que cessar a conduta do agente,
sultado ainda que mais grave ou mais branda, indepen-
de nessa circunstância a quantificação da pena,
e) Vontade de praticar a conduta e alcançar o re- o que será considerado, será a lei vigente no
sultado momento que cessou a conduta do agente ou
RESPOSTA. “C“. Imprudência, imperícia e negligência a privação de liberdade da vítima, com a prisão
são elementos do crime culposo. dos acusados.
Preterdolo
Art. 19 - Pelo resultado que agrava especialmente a
pena, só responde o agente que o houver causado ao 01. A cerca dos crimes permanentes é correto
menos culposamente. afirmar que:
Quando o resultado agravador for imputado a a) Lei mais benéfica deve ser utilizada, quando está
título de culpa, estaremos diante de um crime PRETER- sobreveio no prazo de cometimento do crime.
DOLOSO. Nele, o agente quer praticar um crime, mas b) Deve ser utilizada a lei de quando cessou a
acaba excedendo-se e produzindo culposamente um conduta do agente, mesmo que mais gravosa.
resultado mais gravoso do que o desejado. c) Deve ser utilizada sempre a lei mais grave.
»» Ex.: o agente desfere soco no rosto da vítima d) Deve ser sempre utilizada a lei menos grave, em
com intenção de lesioná-la, no entanto, ela respeito ao princípio da lei mais benéfica.
perde o equilíbrio, bate a cabeça e morre. 19
e) Segue o mesmo rito dos crimes comuns.
RESPOSTA. “B”. De acordo com a súmula 711 STF, apli- Erro do Tipo
ca-se ao crime permanente e ao crime continuado a Essencial
lei vigente quando cessou a conduta ilícita do agente, →→ Inevitável
mesmo que mais gravosa. ˃˃ Dolo
˃˃ Culpa
Erro Sobre Elemento do Tipo »» Exclui a tipicidade
Noções de Direito Penal

Art.20 - O erro sobre elemento constitutivo do tipo →→ Evitável


legal de crime exclui o dolo, mas permite a punição
por crime culposo, se previsto em lei. ˃˃ Dolo
˃˃ Culpa
→→ Elementares: é a descrição típica do crime. Ge-
ralmente o próprio caput. Quando se extrai a ele- »» Permite a punição por crime culposo se previsto
em lei
mentar o crime não existe.
Acidental
»» Ex.: art. 155. Subtrair coisa alheia móvel: Caso →→ Irrelevante
o indivíduo subtraia coisa própria por engano
não haverá o crime, pouco importando sua ˃˃ Erro sobre a pessoa Art. 20 §3º
intenção. Assim, se o agente subtrai sua própria
bicicleta por “engano”, pensando que está a
Erro Sobre a Pessoa
Art.20 § 3º - O erro quanto à pessoa contra a qual
subtrair bicicleta de seu vizinho não comete o crime é praticado não isenta de pena. Não se con-
crime algum. Não há como punir uma pessoa sideram, neste caso, as condições ou qualidades da
que subtrai suas próprias coisas. vítima, senão as da pessoa contra quem o agente
→→ Circunstâncias: são dados assessórios do crime, queria praticar o crime.
que suprimidos não impedem a punição do agente. É o erro na representação do agente, que olha um
Só servem para aumentar ou diminuir a pena. desconhecido e o confunde com a pessoa que quer
atingir. O erro é tão irrelevante, que o legislador deter-
»» Ex.: ladrão que furta um bem de pequeno valor minou que o autor fosse punido pelo crime que efeti-
pensando ser de grande valor. Responderá pelo vamente cometeu contra o terceiro inocente - vítima
furto simples sem redução de pena do privilégio. efetiva - como se tivesse atingido a pretendida - vítima
→→ Erro essencial: incide sobre situação de tal im- virtual -, por exemplo:
portância para o tipo que se o erro não existisse o “A” atira em “B” por
agente não teria cometido o crime, ou pelo menos, engano, pois pensou
não naquelas circunstâncias. que “B” fosse seu pai,
quem realmente Vítima efetiva
→→ Erro inevitável: (invencível ou escusável) é aquele queria matar sósia de “C”
que não podia ter sido evitado, nem mesmo com o
emprego de uma diligência mediana. A B
Nessas duas situações, exclui-se o dolo e a culpa do Nessa situação,
será considerado Vítima virtual
agente, sendo assim, exclui o crime. para aplicação de
»» Ex.: agente furta caneta pensando que é pena como se tivesse C
matado “C” seu pai.
própria. Pai de “A”
»» Ex.: sujeito que mantém conjunção carnal com Esta situação é considerada um irrelevante penal,
menor de 13 anos que aparenta ter 20 anos ou seja, o agente quer cometer uma coisa - matar “C” -
pela sua proporção física. entretanto, acaba matando “B”, porém, independente
»» Ex.: bêbado que sai de uma festa e liga carro do resultado, o Código Penal sempre adota o elemento
alheio com sua chave normalmente, sendo o subjetivo, ou seja, irá puni-lo pelo fato que ele real-
carro de mesma cor e modelo que o seu. mente queria praticar, como na situação exposta era
contra seu pai, incidirá ainda aumento de pena.
Erro Evitável Erro Sobre a Ilicitude do Fato
É aquele que poderia ser evitado pela prudência
normal do homem médio. Exclui o dolo, mas permite (erro de proibição)
a modalidade culposa se prevista em lei. Quando não Art. 21 - O desconhecimento da lei é inescusável. O
erro sobre a ilicitude do fato, se inevitável, isenta de
prevista a modalidade culposa, não ocorre o crime. pena; se evitável, poderá diminui-la de um sexto a
»» Ex.: caçador confunde vulto em uma moita com um terço.
o animal que caçava e atira, vindo a causar a É a errada compreensão de uma determinada regra
morte de um lavrador. Nessa situação, caso o legal. Pode levar o agente a supor que certa conduta
fato pudesse ser previsível, deverá o caçador seja lícita.
responder por homicídio culposo. »» Ex.: um rústico aldeão, que nasceu e passou
toda a sua vida em um vilarejo afastado do
»» Ex.: bêbado sai de uma festa, ao observar carro sertão, agride levemente sua mulher, por sus-
idêntico ao seu, tenta desativá-lo com a chave do peitar que ela o traísse. É de irrelevante im-
próprio carro, não obtendo êxito, quebra o vidro portância se o aldeão sabia ou não que sua
com uma pedra, força a ignição e vai para sua conduta era ilícita.
casa. Nesse caso, o agente será punido na mo- Nesse caso é crime, porém o CP determina que,
dalidade culposa, embora não tendo a intenção, devido às circunstâncias - por força do ambiente onde
20 utilizou-se de uma conduta reprovável.
vive e as experiências acumuladas -, o sujeito não terá
PENA, ou seja, exclui-se a culpabilidade.
Nesta situação, devido à origem do agente ser de É importante que diferenciemos bem a relação entre
lugar ermo, e o mesmo não possuiu conhecimento su- erro do tipo - exclui o crime - com o erro de proibição -
ficiente sobre fatos que não são permitidos, embora isenta de pena . Naquele o agente sabe que sua conduta
sua conduta seja criminosa, nesse caso fático o Juiz não é ilícita, entretanto, erra sobre o próprio tipo penal, ou
aplicará pena sobre o agente. seja, sua intenção é realizar uma conduta, mas acaba
cometendo outra. Contudo, nesse o agente desconhe-
ce o caráter ilícito do fato, imagina estar praticando uma

Noções de Direito Penal


conduta lícita, quando na verdade é ilícita - criminosa.
01. A, imputável, jamaicano, sem assimilar a cultura
brasileira, agindo como se estivesse em seu país,
pratica conduta definida como crime, no Brasil.
Na Jamaica, tal conduta é lícita. O fato configu- 01. O advogado “Caio”, por engano, pegou o guar-
ra erro de: da-chuva de seu colega “Tício”, que estava
a) Tipo pendurado no balcão do cartório. Com base no
b) Fato exemplo, é correto afirmar que “Caio” não res-
ponderá por crime de furto, pois:
c) Proibição a) ele incidiu em erro acidental sobre dados secun-
d) Crime impossível dários da figura tópica do furto.
e) Crime consumado b) incorreu em erro de proibição invencível.
RESPOSTA. “C”. Ocorre o Erro de Proibição quando c) faltou-lhe potencial consciência da ilicitude.
o agente pratica uma conduta dolosa, não errando d) ele incidiu em erro sobre elemento constitutivo do
sobre os elementos do tipo, acreditando ser lícita tal tipo legal do crime de furto (erro de tipo essencial).
conduta, por falta da potencial consciência da ilicitu- RESPOSTA. “D”. Caio incidiu no erro de tipo essencial
de do fato. Nesse caso o agente será isento de pena. escusável, pois não tinha a intenção de furtar a coisa
02. É correto afirmar que, o “erro in persona” (erro alheia móvel, apropriando-se do guarda-chuva de seu
sobre a pessoa): colega, supondo ser seu.
a) é caso de erro acidental. 02. (NCE) O erro de tipo essencial escusável exclui:
b) é caso de erro essencial. a) apenas o dolo;
c) configura descriminante putativa. b) apenas o preterdolo;
d) configura escusa absolutória. c) apenas a culpa;
RESPOSTA. “A”. De acordo com o art. 20 §3, ocorre o d) o dolo e a culpa;
erro sobre a pessoa quando o agente queria realizar e) a culpabilidade.
alguma ação contra uma determinada pessoa (vítima RESPOSTA. “D”. O erro de tipo pode ser inescusável
virtual), e acaba atingindo outra (vítima real). Neste (vencível) ou escusável (invencível), aquele sempre
caso o agente responderá pela infração de acordo excluíra o dolo, mas permite a punição por culpa, se
com as características da vítima virtual. previsto em lei, e este excluíra o dolo e a culpa, pois é
impossível evitar o erro.
Tipos de Erro de Proibição 03. O erro de tipo essencial inescusável exclui:
→→ Erro inevitável ou Escusável = Isenta de Pena a) apenas o dolo;
»» Ex.: dona de casa de prostituição cujo funcio- b) apenas o preterdolo;
namento era de pleno conhecimento das au- c) apenas a culpa;
toridades fiscais, tendo, inclusive, licença de d) o dolo e a culpa;
funcionamento fornecido pela Prefeitura Mu- e) a culpabilidade.
nicipal, circunstância que sugeriam o desempe-
nho de atividade lícita. RESPOSTA. “A”. O erro de tipo pode ser inescusável
(vencível) ou escusável (invencível), aquele sempre
Parágrafo único - Considera-se evitável o erro se o excluíra o dolo, mas permite a punição por culpa, se
agente atua ou se omite sem a consciência da ilicitu-
de do fato, quando lhe era possível, nas circunstân- previsto em lei, e este excluíra o dolo e a culpa, pois é
cias, ter ou atingir essa consciência. impossível evitar o erro.
→→ Erro evitável ou Inescusável = Não isenta de pena,
mas terá direito a uma redução de pena 1/6 a 1/3 Coação Irresistível e Obediência Hie-
»» Ex.: atendente de farmácia que, apesar de ciente rárquica
de que a venda de medicamentos com tarja preta Art. 22 - Se o fato é cometido sob coação irresistível
configura transgressão administrativa, não tem ou em estrita obediência a ordem, não manifesta-
consciência de que tal prática, com relação a mente ilegal, de superior hierárquico, só é punível o
alguns dos medicamentos controlados, caracteri- autor da coação ou da ordem.
za também o crime de tráfico de drogas. Para que se possa considerar alguém culpado do
Diferenças cometimento de uma infração penal, é necessário
que esta tenha sido praticada em condições e circuns-
Erro de Tipo X Erro de Proibição tâncias normais; pois, do contrário, não será possível
Agente erra sobre dados O agente acha que sua exigir do sujeito conduta diversa da que, efetivamente
do próprio crime. conduta é legal, quando acabou praticando.
Isenta do dolo e culpa na verdade é ilegal. Aqui Nessa situação, o agente obriga uma terceira
se inevitável e isenta de o agente comete crime, pessoa a cometer um crime ou ao cumprimento de
dolo mas permite a mas não tem pena, pois
punição por culpa, se a culpabilidade fica uma ordem ilegal, não será punido, mas sim, quem o
evitável. exclúida. coagiu e o obrigou e realizar a conduta contra seu con- 21
sentimento.
Coação Irresistível
É o emprego de força física ou de grave ameaça
para que alguém faça ou deixe de fazer alguma coisa. 01. Segundo o Direito Penal brasileiro configura
→→ Coação Física - “vis absoluta” - o sujeito não hipótese de inexigibilidade de conduta diversa:
comete crime. a) a legítima defesa.
b) a coação moral irresistível.
Noções de Direito Penal

»» Ex.: “A” imobiliza “B”, depois, coloca uma arma


em sua mão e força-o a apertar o gatilho. O c) a imunidade penal absoluta.
disparo acerta “C”, que morre. Nessa situação, d) o desconhecimento da lei
devido à coação FÍSICA irresistível, “B” NÃO RESPOSTA. “B”. Constituem causa de inexigibilidade de
comete crime. “A” responderá por homicídio. conduta diversa: I - Coação moral irresistível II - Obedi-
ência Hierárquica (ordem não manifestamente ilegal).
A coação física recai sobre a conduta do agente -
elemento do fato típico - pois este foi forçado, nessa
situação, exclui-se o crime.
Exclusão da Ilicitude
Art. 23 - Não há crime quando o agente pratica o fato:
→→ Coação Moral - “vis relativa” - o sujeito comete I. em estado de necessidade;
crime, mas ocorre isenção de pena. II. em legítima defesa;
»» Ex.: “A” encosta uma arma carregada na III. em estrito cumprimento de dever legal ou
cabeça “B” e ordena que ele atire em “C”, caso no exercício regular de direito.
contrário quem irá morrer é “B”. “B” atira e “C”
morre. Nessa situação, ambos cometem crime Excesso Punível
(“A” e “B”). Contudo, somente “A” terá PENA, Parágrafo único - O agente, em qualquer das hipóte-
“B” estará isento de pena devido a coação ses deste artigo, responderá pelo excesso doloso ou
MORAL irresistível. culposo.
Assim sendo, mesmo “B” tendo praticado o ato, O agente que extrapolar os limites das excluden-
tes deve responder pelo resultado produzido de forma
sua conduta foi forçada mediante grave ameaça moral, dolosa ou culposa.
em que este, temendo por sua própria vida, cometeu o
crime. Nessa situação a conduta de “B” é típica e ilícita, »» Ex.: João saca sua arma para matar Manoel, esse,
prevendo o ocorrido, vale-se de sua arma e atira
contudo, não culpável, pois ficará isento de pena. primeiro, ferindo João. Mesmo após a cessação
Obediência Hierárquica da agressão por parte de João, Manoel efetua
É a obediência à ordem não manifestamente ilegal mais dois disparos para garantir o resultado.
de superior hierárquico, tornando viciada a vontade Nessa situação, Manoel excedeu-se e deverá res-
do subordinado e afastando a exigência de conduta ponder por homicídio na modalidade dolosa.
diversa. Também exclui a culpabilidade. Excesso - responderá
→→ Ordem de superior hierárquico: é a manifestação por homicídio doloso
de vontade do titular de uma função pública a um Legitíma defesa
funcionário que lhe é subordinado. A B
“B” é atingido e cessa a agressão
»» Ex.: um delegado de polícia manda seu subordi-
nado, aspirante recém-chegado da corporação, “A” mesmo depois de
“A” Atira em “B” para
que prenda um desafeto seu, para que esse cessada a agressão de
se defender de “B” efetua mais dois
aprenda uma lição. injusta agressão disparos para
Caso o aspirante cumpra esta ordem ilegal de seu garantir o resultado
superior, ambos estarão cometendo crime, abuso de Não obstante, as excludentes de ilicitude, como o
autoridade; pois, embora ordem de superior, o aspi- próprio nome já diz, excluem o caráter ilícito do fato,
rante no caso não é obrigado a cumpri-la. tornando a conduta lícita e jurídica.
→→ Ordem manifestamente não ilegal: a ordem deve Crime
ser aparentemente legal. Se for manifestamente →→ Fato Típico
ilegal, deve o subordinado responder pelo crime. ˃˃ Ilícito (antijurídico)
»» Ex.: delegado de polícia determina que agente »» Estado de necessidade;
prenda Antônio, indiciado por crime de latro- »» Legítima defesa;
cínio e alega que Antônio tem contra si um »» Estrito comprimento do dever legal;
mandado de prisão expedido pela autorida- »» Exercício regular do direito.
de judiciária. O agente então prende Antônio
e o conduz até a delegacia. Acontece que não Ocorrendo o fato diante de uma dessas excludentes
existia mandado algum contra Antônio. Nessa exclui-se também o crime.
situação, tanto o delegado quanto o agente São situações em que a norma penal permite que se
cometeram crime de abuso de autoridade. cometa crime em determinadas situações, pois, apesar
de serem condutas ilícitas, o agente não será punido.
Contudo, somente o delegado terá PENA, o
agente ficará isento devido à “aparência” de
ordem manifestamente NÃO ilegal.
Estado de Necessidade
Art. 24 - Considera-se em estado de necessidade
Nessa conduta, o agente pensava estar praticando quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que
uma ação lícita, entretanto, este foi enganado por seu não provocou por sua vontade, nem podia de outro
22 superior, sobe alegação de posse de falso mandado de modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício,
prisão. nas circunstâncias, não era razoável exigir-se.
Ocorre quando um bem é lesado para se salvar ˃˃ Agressão atual ou iminente.
outro bem em perigo de ser igualmente ofendido. ˃˃ Agressão a direito próprio ou de terceiro.
Ambos possuidores desses bens têm direito de agir
para proteger-se. ˃˃ Meios necessários.
→→ Requisitos para configuração do estado de neces- ˃˃ Requisito subjetivo.
sidade: »» Ex.: “A” desafeto de “B” armas-se com um
machado e prestes a desferir um golpe é sur-

Noções de Direito Penal


˃˃ Perigo atual.
˃˃ Direito próprio ou alheio. preendido pela reação de “B”, que saca um
revólver e efetua um disparo.
˃˃ Perigo não causado voluntariamente pelo
agente. »» Ex.: “A” munido de um cão, atiça o animal
na direção de “B” que para repelir a injusta
˃˃ Inevitabilidade de comportamento. agressão atira no enfurecido animal.
˃˃ Razoabilidade do sacrifício.
»» Ex.:“A”, menor de idade, pega um fuzil e,
˃˃ Requisito subjetivo. prestes a atirar em “B”, é surpreendido por
»» Ex.: em um cruzeiro marítimo, 10 passageiros esse que pega uma bazuca, único meio disponí-
estão a bordo de um navio. No entanto, só vel no momento, vindo a “explodir” “A”.
existem 9 salva-vidas e o navio está afundando Os meios necessários para conter a injusta agressão
em alto-mar. O único que ficou sem o apetre- podem ser quaisquer que estejam disponíveis, inexiste
cho não sabe nadar e para salvar sua vida do
perigo atual desfere facadas em outro passa- equiparação dos meios utilizados.
geiro a fim de conseguir se salvar. É necessário que seja atual e iminente. Caso “B”
»» Ex.: trabalhador desempregado e vendo os ferido por “A” desloque-se até sua casa, depois de
filhos passarem fome, entra em supermercado sofrida agressão, para apanhar revólver com intuito de
e furta dois pacotes de arroz e um pedaço de se defender, não será mais válido, caso venha efetuar
carne seca (furto famélico). disparos contra “A”.
»» Ex.: cidadão não tem carteira de motorista e Não Configura Legítima Defesa
observa um motorista em avançado estado »» Ex.: “A” marido traído chega a casa e surpreen-
de infarto, nessa situação, toma a direção de de “C” sua esposa em conjunção carnal com
veículo automotor e dirige perigosamente até “B”. Enfurecido pega sua arma e dispara contra
o hospital, gerando perigo de dano. a esposa traidora.
Não irá incidir em estado de necessidade caso o »» Ex.: “A” surpreendido por cão feroz, dispara
agente dê causa ao acontecimento. para que não seja atacado.
§ 1º - Não pode alegar estado de necessidade quem
tinha o deve legal de enfrentar o perigo. »» Ex.: “A” desafeto de “B” vai a sua procura e
efetua disparo. Mais tarde provou-se que “B”
Um exemplo disso é o bombeiro. Poderá, no também estava armado e queria igualmente
entanto, recusar-se a uma situação perigosa quando
impossível o salvamento ou o risco for inútil. executar “A”.
Estrito Cumprimento do Dever Legal
Em síntese, é a ação praticada por um dever
01. Conforme está expresso em nosso Código Penal imposto por lei. É necessário que o cumprimento seja
para ser caracterizada a figura do estado de ne- nos exatos ditames da lei. Do contrário, o agente incor-
cessidade torna-se necessário que o perigo ao rerá em excesso, podendo responder criminalmente.
qual está submetido o agente seja »» Ex.: policial que prende foragido da justiça vindo
a) iminente e não atual. a causar-lhe lesões devido sua resistência.
b) atual e não iminente. »» Ex.: soldado que, em tempos de guerra,
c) atual ou iminente. executa inimigo.
d) idêntico, em termos de atual ou iminente, ao da »» Ex.: a execução efetuada pelo carrasco, quando
legítima defesa. o ordenamento jurídico admite.
RESPOSTA. “B”. De acordo com o art. 24 do CP, con-
sidera-se em estado de necessidade quem pratica o Exercício Regular de Direito
fato para salvar de perigo atual, que não provocou É o desempenho de uma atividade ou a prática de
por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, uma conduta autorizada em lei.
direito própria ou alheio, cujo sacrifício, nas circuns-
tâncias, não era razoável exigir-se. ˃˃ Tratamento médico ou intervenção cirúrgica,
comete lesão corporal para realizar o ato cirúrgico.
Legítima Defesa ˃˃ Ofendículos - (exercício regular do direito de
Art. 25 - Entende-se em legítima defesa quem, defesa da propriedade), cerca elétrica, cacos de
usando moderadamente dos meios necessários, vidro, arame farpado etc.
repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito
seu ou de outrem.
Ocorre um efetivo ataque ilícito contra o agente ou
terceiro, legitimando repulsa.
˃˃ É possível legítima defesa de provocações por
→→ Requisitos para que subsista a legítima defesa: meio de injúrias verbais, segundo a sua intensi-
˃˃ Agressão humana. dade e conforme as circunstâncias, pode ou não
˃˃ Agressão injusta. ser agressão. 23
˃˃ Agressão de inimputável constitui legítima Redução de Pena
defesa. Parágrafo único - A pena pode ser reduzida de um a
dois terços, se o agente, em virtude de perturbação
˃˃ Agressão decorrente de desafio, duelo, convite de saúde mental ou por desenvolvimento mental in-
para briga não constitui legítima defesa. completo ou retardado não era inteiramente capaz
˃˃ Agressão passada constitui vingança e não de entender o caráter ilícito do fato ou de determi-
legítima defesa. nar-se de acordo com esse entendimento.
Noções de Direito Penal

˃˃ Agressão futura não autoriza legítima defesa Imputabilidade: é a capacidade de entender o


(mal futuro). caráter ilícito do fato e de determinar-se de acordo
com esse entendimento. É a capacidade de enten-
˃˃ Não existe legítima defesa da honra. dimento e a faculdade de controlar e comandar suas
˃˃ O agente tem que saber que está na legítima próprias ações.
defesa. →→ Imputável (regra): Pode-se imputar (aplicar) pena
˃˃ Legítima defesa e porte ilegal de arma de fogo: ao sujeito.
Se portar anteriormente, responde pelo crime →→ Inimputável (exceção): Não pode sofrer pena.
do art. 14 ou 16, caput do estatuto do desarma- Ou seja, é a capacidade de compreensão do agente
mento. Se for contemporâneo, não responde de que sua conduta é ilícita, inapropriada, é uma das
pelo crime dos artigos mencionados. espécies da culpabilidade que compõem o fato típico, ou
A lei não permite o emprego da violência física seja, a capacidade de punir, ou não, o agente da conduta.
como meio para repelir injúrias ou palavras caluniosas, Exclusão da Imputabilidade
visto que não existe legítima defesa da honra. Somente Doença mental
a vida ou a integridade física são abrangidas pelo insti-
tuto da legítima defesa. É a doença mental de qualquer ordem. Compreen-
de a infindável gama de moléstias mentais. Exemplo:
Admite-se a excludente de legítima defesa real alcoolismo patológico
contra quem pratica o fato acobertado por causa de
exclusão da culpabilidade, como o inimputável. Desenvolvimento mental incompleto ou
Nos termos do Código Penal e na descrição da ex-
retardado:
cludente de ilicitude, haverá legítima defesa sucessiva »» Ex.: silvícola inadaptado - índio - menor de 18
na hipótese de excesso, que permite a defesa legítima anos.
do agressor inicial. Sistema adotado pela legislação brasileira:
Regra: Biopsicológico
Não basta ter a enfermidade. No momento da ação
01. “Lunus”, doente mental, estava sendo violen- ou omissão, o sujeito tem que ser inteiramente incapaz
de entender e compreender o caráter ilícito do fato e
tamente espancado por “Brutus” e “Grotius”. determinar-se de acordo com esse entendimento.
Como única forma de se ver livre dos agressores,
“Lunus” joga contra eles pesadas pedras, ma- Exceção: Biológico
tando-os. “Lunus”, no caso proposto: Basta tão somente a menoridade - menos de 18
a) cometeu duplo homicídio, mas terá a sua pena anos - para configurar a inimputabilidade.
reduzida porque, em virtude de doença mental, Embriaguez
não era inteiramente capaz de entender o Art. 28, II. a embriaguez, voluntária ou culposa, pelo
caráter ilícito do fato ou de determinar-se de álcool ou substância de efeitos análogos.
acordo com esse entendimento. § 1º - É isento de pena o agente que, por embria-
b) cometeu duplo homicídio, mas estará isento de guez completa, proveniente de caso fortuito ou força
pena porque, por doença mental, era, ao tempo maior, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteira-
da ação, inteiramente incapaz de entender o mente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou
caráter ilícito do fato ou de determinar-se de de determinar-se de acordo com esse entendimento.
acordo com esse entendimento. →→ Não exclui a imputabilidade:
c) não agiu ilicitamente, pois praticou o fato ˃˃ Voluntária.
amparado por excludente de ilicitude. ˃˃ Culposa.
d) estará isento de pena, pois agiu em estado de ˃˃ Preordenada.
necessidade.
→→ Exclui a imputabilidade:
RESPOSTA. “C”. Para “Lunus” o fato é atípico, pois está ˃˃ Caso fortuito.
amparado por uma excludente de ilicitude (Legítima
Defesa art. 25 CP). ˃˃ Força maior.
A embriaguez não exclui a imputabilidade, quais
Da Imputabilidade Penal sejam: a voluntária - toma por conta própria -, a
(Inimputáveis) culposa - toma além da conta - e a preordenada - toma
para criar coragem - sendo que a última, é causa de
Art. 26 - É isento de pena o agente que, por doença aumento de pena, actio libera in causa.
mental ou desenvolvimento mental incompleto ou re-
tardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteira- § 2º - A pena pode ser reduzida de um a dois terços,
mente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou se o agente, por embriaguez, proveniente de caso
24 de determinar-se de acordo com esse entendimento. fortuito ou força maior, não possuía, ao tempo da
ação ou da omissão, a plena capacidade de entender
o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo De acordo com entendimento, essas são as causas
com esse entendimento. justificantes para a exclusão da imputabilidade,
No caso da embriaguez por caso fortuito, caso ela podemos dizer que são subespécies da culpabilidade, a
seja completa, será causa de isenção de pena, caso seja qual, e a espécie que compõem os elementos do crime,
semi-completa (semi-imputabilidade), incidirá em dimi- juntamente com fato típico e a antijuridicidade.
nuição de pena - redução de culpabilidade - de 1/3 a 2/3.

Noções de Direito Penal


01. Entre as causas de exclusão da imputabilida- 01. Juarez Pensador praticou um crime às 0h10min
de penal previstas em lei incluem-se a doença do dia que completou 18 anos, mas alegou ser
mental, o desenvolvimento mental incompleto e menor de idade, pois somente completaria 18
o desenvolvimento mental retardado. anos às 22h00min horas do mesmo dia. Nesse caso
Pensador não cometeu crime e sim ato infracional.
CERTO. Art. 26 do CP: “É isento de pena o agente que,
por doença menta ou desenvolvimento mental in- ERRADO. Considera-se imputável o agente que comete
completo ou retardado, era, ao tempo da ação ou da fato típico nos primeiros instantes do dia em que
omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter completa a maioridade (18 anos), tampouco importan-
ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse do o horário de seu nascimento. De acordo com o STJ:
entendimento”. “Agente que cometeu o delito no dia que completou
18 anos - Irrelevância de o ilícito ter sido praticado em
Emoção e Paixão horário anterior ao do seu nascimento” (RT 782/551).
Art. 28 - Não excluem a imputabilidade penal: 02. Com relação ao direito penal, assinale a opção
I. a emoção ou a paixão; incorreta.
A emoção pode, em alguns casos, servir como di- a) O direito penal é chamado o direito as condutas
minuição de pena - privilégio -, como no caso do ho- ilícitas.
micídio e lesão corporal privilegiado. Os requisitos são: b) A imputabilidade é a possibilidade de se atribuir
a emoção deve ser intensa; o agente deve estar sob o o fato típico e ilícito ao agente.
domínio dessa emoção; deve ter sido provocado por
ato injusto da vítima; a reação do agente deve ser logo c) A ausência de dolo exclui o tipo, primeiro
após a essa provocação. elemento estrutural do crime.
d) A coação irresistível e a obediência hierárquica
A injusta provocação pode ser de forma indireta,
por exemplo, alguém que maltrata um animal, com excluem a culpabilidade.
intenção de provocar o agente, utilizando desse objeto RESPOSTA. “D”. Excluem a culpabilidade: Coação
- cachorro - para obter seu desejo. moral irresistível e a obediência hierárquica.
Menores de Dezoito Anos Do Concurso de Pessoas
Art. 27 - Os menores de 18 (dezoito) anos são penal- Art. 29 - Quem, de qualquer modo, concorre para o
mente inimputáveis, ficando sujeitos às normas esta- crime incide nas penas a este cominadas, na medida
belecidas na legislação especial. de sua culpabilidade.
Fundamento constitucional: →→ Sujeitos da infração penal:
O art. 228 da CF prevê que “são penalmente inim- ˃˃ Sujeito ativo (quem comete a ação).
putáveis os menores de dezoito anos, sujeitos às ˃˃ Sujeito passivo (quem sofre a ação).
normas de legislação especial”.
Foco do estudo = Sujeito Ativo do Crime.
Critério adotado pelo código penal: Sistema Biológico
→→ Quem pode ser sujeito ativo da infração penal:
→→ Crime + contravenção penal maior de 18 anos.
→→ Ato infracional menor de 18 anos. ˃˃ Maiores de dezoito anos:
˃˃ Não sofrem sanção penal pela prática do ilícito, »» Menor comete ato infracional (tudo que repre-
em decorrência da ausência de culpabilidade, senta crime, para o menor é ato infracional,
estão sujeitos ao procedimento e às medidas que, na verdade, constitui um tipo específica,
socioeducativas previstas no ECA em virtude tratado no ECA).
descrita como crime e contravenção penal ser ˃˃ Pessoas Jurídicas em atos lesivos ao meio
considerado ao infracional. ambiente.
Para auxiliar, convém esquematizar as Excludentes »» As pessoas jurídicas podem ser responsabiliza-
de Imputabilidade: das penalmente.
Menoridade

Doença Mental
Exclúida
O concurso de pessoas também conhecido
Imputabilidade Incompleto como concurso de agentes, ocorre quando duas ou
(Inimputabilidade) Desenvolvimento Mental
Retardado mais pessoas concorrem para o mesmo crime. Co-
laborar ou concorrer para o crime é praticar o ato
Caso Fortuito (moral ou material) que tenha relevância para a
Embriaguez Completa perpetração do ilícito.
Força Maior 25
Requisitos para que Ocorra o Concurso § 1º - Se a participação for de menor importância, a
pena pode ser diminuída de um sexto a um terço
de Pessoas § 2º - Se algum dos concorrentes quis participar de
→→ Pluralidade de agentes crime menos grave, ser-lhe-á aplicada a pena deste;
Quem participa na execução do crime é coautor. essa pena será aumentada até metade, na hipótese
Quem não executa o verbo do tipo é partícipe. de ter sido previsível o resultado mais grave.
Noções de Direito Penal

»» Ex.: “A” segura “B” enquanto “C” o esfaqueia Exceção: Teoria Pluralista.
até a morte. “A” e “C” são coautores do crime
de homicídio. (divisão de tarefas no crime,
ambos participam da execução)
»» Ex.: “A” empresta arma para “B”. “B” usa-se da 01. Somente pode ser considerado sujeito ativo aquele
arma para executar “C”. “B” é autor (executou) agente que executa a ação descrita na norma
e “A” é partícipe (auxiliou de forma material). penal, realizando concretamente a conduta.
O código penal adotou a Teoria Monista de ERRADO. São sujeitos ativos do crime o coautor (realiza
agentes, ou seja, todos responderão pelo mesmo atos executórios) e o partícipe (induz/instiga/auxilia)
crime, independente, de qual seja sua participação.
→→ Relevância causal
Participação em Crime Diverso
Há hipóteses, todavia, em que o partícipe colabora
A conduta deverá ser relevante. Do contrário, não com um crime e o autor, no momento da prática do
ocorrerá o concurso de pessoas.
ilícito vai além do imaginado pelo partícipe.
»» Ex.: “A” empresta arma para “B”, que para
matar “C” usa um pedaço de pau. Nessa »» Ex.: é o caso em que dois indivíduos combinam
situação, o auxilio de “A” foi irrelevante para um furto. Sendo que um deles fica esperando
que o crime existisse. Somente “B” responde no carro da fuga e o outro entra na residência.
por homicídio. Contudo, se ao emprestar a No interior da mesma, o autor além de furtar,
arma, “A” de qualquer forma incentivou moral- encontra a dona da casa e contra ela dispara
mente a atitude de “B”, esse será partícipe do vários tiros. Nessa situação, por força do art.
crime de homicídio. 29 § 2º do CP, os agentes deverão responder
Não houve nexo entre o homicídio e o empréstimo por crimes diferentes. O que ficou no carro por
da arma, nessa situação, a conduta de “A” é atípica. furto (pois era esse que queria praticar) e o
→→ Liame subjetivo autor, por latrocínio.
É a vontade de participar do crime. Pelo menos um
agente tem que querer participar do crime do outro. Executam o
Autor
»» Ex.: “A”, desafeto de “B”, posiciona-se para Partícipe núcleo do tipo
matá-lo. “C”, também inimigo mortal de “B”, Coautor
sabendo da vontade de “A”, adere à vontade
dele e juntos disparam a arma. Ambos respon- Cogitação Preparação Execução Consumação
derão por homicídio como coautores. Regra: Teoria Monista,
- Ajuste
→→ Identidade de infração Todos responderão
- Determinação pelo mesmo crime.
O código penal adotou a teoria Unitária ou Monista, - Instigação
em que todos que concorrem para o crime, responde- - Auxílio Exceção: Teoria Pluralista,
rão pelo mesmo crime, no medida de sua culpabilidade quem quis participar do
(responsabilidade). - Se não chegar crime menos grave,
a ser tentado(executado) responsderá por ele.
não ocorre crime.
- Salvo se por si só configurar crime
A exceção é a teoria pluralista: autônomo.

»» Ex.: corrupção passiva e ativa.


→→ Autor (teoria restrita):
˃˃ Quem pratica o núcleo do tipo (verbo). Ex.: No crime culposo admite-se coautoria, mas NÃO
→→ Partícipe participação.
˃˃ Não pratica o verbo; contudo, auxilia de qualquer Ex.: Não existe tentativa em crime Preterdoloso.
forma
»» Moral: instigado ou induzido. Circunstâncias Incomunicáveis
»» Material: qualquer auxílio. Art. 30 - Não se comunicam as circunstâncias e as
→→ Mandante: condições de caráter pessoal, salvo quando elemen-
tares do crime.
˃˃ É partícipe.
»» Ex.: “A”, funcionário público, convida “B” para
→→ Autor Mediato (não ocorre concurso):
furtar repartição pública em que trabalha. “B”,
˃˃ São usados como instrumentos do crime: desconhecendo a função de “A”, acaba aceitan-
»» Inimputável. do. Nesse caso, “A” responderá por peculato
»» Doente mental. (Art. 312 CP) e “B” por furto (Art. 155 CP).
»» Coação irresistível. Porém, caso “B” soubesse da função pública de
26 “A”, ambos responderiam por peculato.
»» Obediência hierárquica.
Art. 31 - O ajuste, a determinação ou instigação e o 06. O homicídio praticado sob coação a que o agente
auxílio, salvo disposição expressa em contrário, não poderia resistir implica no reconhecimento:
são puníveis, se o crime não chega, pelo menos, a ser a) De causa que isente o agente de pena.
tentado.
b) De causa que privilegia o agente.
»» Ex.: “A” é induzido por “B” a cometer suicídio
em momento depressivo por qual passava, c) De circunstância que atenua a pena do agente.
entretanto, “A” nada faz. Nessa situação, a d) De causa que qualifica o homicídio.

Noções de Direito Penal


conduta de “B” é atípica. 07. Constituem elementos do fato típico culposo,
exceto:
a) Resultado voluntário.
01. Assinale a alternativa falsa: b) Previsibilidade objetiva.
a) Pode-se definir ilicitude como a relação de anta- c) Tipicidade.
gonismo que se estabelece entre uma conduta d) Resultado.
humana voluntária e o ordenamento jurídico. 08. São pressupostos da culpabilidade
b) O roubo de veículo automotor acarreta necessa- a) A exigibilidade de conduta diversa e a possibilida-
riamente um aumento de pena, se o veículo for de de conhecer a ilicitude do fato.
transportado para o exterior. b) A falta de dever de cuidado e a imputabilidade.
c) A difamação, em regra, não admite a exceção da c) A possibilidade de conhecer a ilicitude do fato e a
verdade, enquanto a calúnia, em regra, a admite. previsibilidade do resultado.
d) Pode-se afirmar que a analogia no direito penal d) O dolo e a culpa.
só pode ser utilizada para beneficiar o réu. e) A exigibilidade de conduta diversa e a falta de
02. A, imputável, comete o crime de furto. No dia dever de cuidado.
seguinte ao recebimento da denúncia, restitui o 09. (NCE) Entre as alternativas abaixo, é correto
objeto ao proprietário. O fato é: afirmar que os ofendículos excluem:
a) Irrelevante. a) O nexo causal.
b) Atenuante. b) A culpabilidade.
c) Arrependimento posterior.
c) A imputabilidade.
d) Tentativa.
e) Extinção da punibilidade. d) A ilicitude.
e) A culpa.
03. Rogério, amigo íntimo de Rubens, comenta com
este que vai assaltar o Banco BB na manhã de 10. Rogério e Fernando, pretendendo matar
segunda-feira, pedindo que guarde segredo. Alfredo, colocaram-se em emboscada, sem
No dia do roubo, Rogério é preso e diz à polícia que um soubesse a intenção do outro. Rogério
que Rubens sabia disto. Portanto, diante desta e Fernando, ante a aproximação de Alfredo,
hipótese, é correto afirmar que: atiraram contra o desafeto, ficando, depois,
a) Rogério responde pelo crime de roubo e Rubens provado que apenas um dos disparos provoca-
terá a pena diminuída de um a dois terços por ra a morte da vítima. Nessa situação, Rogério e
participação de menor importância. Fernando responderão por homicídio consuma-
do em coautoria.
b) Rubens é partícipe, eis que tinha ciência do crime
a ser praticado por Rogério. Certo ( ) Errado ( )
c) Somente Rogério é autor do crime de roubo.
d) Rogério é autor e Rubens é coautor.
04. Paulo resolve atirar em José que está conversan- 01 C 06 C
do com Afonso. E mesmo prevendo que poderá 02 B 07 B
atingir o terceiro (Afonso), não desiste do seu
intento e atira, acertando-o. Responderá pelo 03 C 08 A
crime a título de: 04 E 09 D
a) Dolo direto.
b) Dolo alternativo. 05 D 10 ERRADO
c) Dolo eventual.
d) Culpa inconsciente.
e) Dolo indireto.
05. Paulo, para defender-se de João, retira a arma ____________________________________________
que está na posse de Aldo. Haverá: ____________________________________________
a) Legítima defesa subjetiva e legítima defesa su- ____________________________________________
cessiva. ____________________________________________
b) Legítima defesa putativa e legítima defesa suces- ___________________________________________
siva. ___________________________________________
c) Estado de necessidade e exercício regular de ___________________________________________
direito. ___________________________________________
d) Legítima defesa e estado de necessidade. ___________________________________________
e) Legítima defesa e estrito cumprimento de dever ___________________________________________ 27
legal.

Оценить