Вы находитесь на странице: 1из 17

TAYLOR, Charles. O que há de errado com a liberdade negativa.

Polycarp Ikuenobe – Introdução

O FILOSOFO CONTEMPORÂNEO canadense Charles Taylor questiona o argumento


de Isaiah Berlin contra a liberdade positiva e a visão de que a liberdade negativa deve
ser preferida para atingir os objetivos do liberalismo. A preocupação de Berlin é que a
concepção positiva da liberdade poderia ser usada para justificar governos totalitários e
leis extremas paternalistas. Taylor faz dois pontos substanciais. O primeiro é que a
concepção positiva da liberdade não precisa pressupor uma duvidosa concepção
metafísica ou psicológica do eu, que consiste na paixão e na razão e na necessidade de
uma razão para controlar a paixão. O segundo é que a concepção positiva da liberdade
não é necessariamente inconsistente com os ideais liberais modernos. Em relação ao
primeiro ponto, Taylor argumenta que o relato de Berlin sobre a liberdade positiva
pressupõe que existe um "eu social coletivo" ao qual um "eu individual" deve pertencer
para fornecer algum controle para que uma pessoa seja livre. E algumas pessoas querem
acabar com uma metafísica que fala sobre um eu coletivo. Além disso, Taylor
argumenta que o relato de Berlim sobre a natureza das liberdades negativas e positivas
parece representar uma caricatura, bem como um retrato extremo de cada uma dessas
duas visões da liberdade.

Taylor tenta apresentar uma visão moderada das liberdades negativas e positivas,
mostrando que a liberdade não pode ser interpretada adequadamente como a ausência de
restrições externas e que a liberdade positiva é necessária para evitar que nossos
obstáculos internos e motivacionais frustrem nossos esforços individuais e capacidade
de fazer o que queremos e escolhemos. Ele argumenta que a noção de auto-realização
ou auto-satisfação é essencial para uma compreensão adequada da liberdade dentro do
contexto da noção política e do valor do liberalismo. No entanto, a noção negativa de
liberdade interpretada unicamente em termos da oportunidade de fazer o que queremos,
argumenta ele, não pode captar suficientemente essa noção essencial de auto-realização.
Em outras palavras, a ausência de restrições externas por si só não pode garantir que os
indivíduos possam alcançar a auto-realização. Isto é assim, de acordo com Taylor,
porque os medos internos e a falsa consciência também podem impedir os indivíduos de
alcançar a auto-realização. Portanto, precisamos de uma concepção positiva de
liberdade que envolva exercer controle sobre a nossa própria vida, incluindo medos
internos e falsas consciências. Assim, para Taylor, a liberdade que envolve ter uma
oportunidade de fazer o que queremos também implica estar em posição de exercer
controle para conseguir o que queremos. Mas isso não será possível se houver restrições
internas.

Apesar da simplicidade da concepção negativa da liberdade como ausência de


restrição externa, ela é inadequada, argumenta Taylor, porque não é capaz de
discriminar entre diferentes motivações para querer alcançar o que quisermos alcançar.
Ser capaz de fazer essa discriminação entre os motivos exige que as pessoas tenham
consciência de si mesmo, autocompreensão e autocontrole moral. Isso exige que uma
pessoa seja capaz de discriminar entre uma boa motivação e uma motivação que deriva
do medo ou da falsa consciência. Temos de ter a certeza de que o que queremos não é
contra os requisitos básicos da auto-realização. Para alcançar a auto-realização, um
indivíduo não pode ser a autoridade exclusiva e final em relação a desejos ou requisitos
para alcançar o objetivo requerido. No entanto, Taylor argumenta que isso não implica,
por si só, restrições externas e, possivelmente, manipulação totalitária. A necessidade de
restrições externas por parte de outros ou alguma autoridade, que pode ajudar um
indivíduo a discriminar entre motivações, também exige, de acordo com Taylor, que
discriminamos a natureza relevante de um obstáculo ou restrição externa. Algumas
restrições externas são triviais, como a instalação de um semáforo, enquanto uma
restrição externa que nos impede de adorar de acordo com nossas crenças é mais grave.

Taylor argumenta que, para articular adequadamente a noção de liberdade que


reconhece algumas restrições positivas necessárias, devemos considerar o significado de
uma ação em relação à auto-realização de um indivíduo. Ele argumenta que precisamos
perceber que a noção de liberdade é importante como base para o valor moral político
do liberalismo, apenas porque os seres humanos são intencionais. Mas alguns propósitos
são mais significativos do que outros. O significado de um propósito pode ser entendido
pelo fato de uma avaliação forte que, de acordo com Taylor, tem a ver com a ideia de
que as pessoas não têm apenas desejos, mas também desejos sobre desejos. Alguns
desejos e propósitos humanos são intrinsecamente mais significativos do que outros,
independentemente da força do desejo específico em uma situação particular. Nossa
força de desejo pode realmente ser uma indicação de ser encadeado internamente por
certos desejos; esses desejos podem, de fato, ser restrições internas nos nossos
propósitos e objetivos. Portanto, há a necessidade de discriminar qualitativamente entre
desejos e sua importância para nossos propósitos. Além disso, há também a necessidade
de considerar se nossos propósitos são os corretos. A este respeito, a perspectiva de um
indivíduo em relação a um propósito não pode ser considerada incorrigível, mas
também deve envolver a auto compreensão. Essa visão de auto compreensão e auto-
realização é consistente com uma sociedade onde outras pessoas podem nos ajudar a
entender a nós mesmos e fornecer algum controle que possa remover restrições internas.

Ao ler Taylor, considere e reflita sobre as seguintes questões: Quais os


problemas que Taylor identifica nas concepções de liberdade negativa e positiva de
Berlim? Por que uma visão negativa da liberdade não é uma maneira suficiente de
explicar a noção de liberdade? Por que uma compreensão das restrições internas e
motivacionais é essencial para uma compreensão adequada da liberdade? Como é a
nossa capacidade de discriminar qualitativamente entre as motivações relevantes para a
auto-realização como um elemento de liberdade? Qual é a diferença entre as concepções
de exercício e oportunidade da liberdade e como elas estão relacionadas às concepções
negativas e positivas da liberdade

********

Esta é uma tentativa de resolver uma das questões que separam as teorias
"positivas" e "negativas" da liberdade, já que estas foram distinguidas no ensaio seminal
de Isaiah Berlin, "Two Concepts of Liberty". Embora se possa discutir quase sem fim a
formulação detalhada da distinção, acredito que é inegável que existem duas dessas
famílias de concepções de liberdade política no exterior em nossa civilização.

Assim, há claramente teorias, amplamente divulgadas na sociedade liberal, que


querem definir a liberdade exclusivamente em termos de independência do indivíduo
contra a interferência de outros, sejam governos, corporações ou pessoas privadas; e
também claramente essas teorias são desafiadas por aqueles que acreditam que a
liberdade reside, pelo menos em parte, no controle coletivo sobre a vida comum.
Reconhecemos, sem nenhum problema, as teorias de Rousseau e Marx como
apropriadas nesta categoria.

Há várias opiniões em cada categoria. E isso vale a pena ter em mente, porque é
muito fácil, no decurso da polêmica, consertar as variantes extremas, quase caricaturais
de cada família. Quando as pessoas atacam teorias positivas de liberdade, eles
geralmente têm em mente alguma teoria totalitária esquerda, de acordo com a qual a
liberdade reside exclusivamente no exercício de controle coletivo sobre o destino de
uma pessoa em uma sociedade sem classes, o tipo de teoria subjacente, por exemplo, ao
comunismo oficial. Esta visão, em sua forma caricaturicamente extrema, se recusa a
reconhecer as liberdades garantidas em outras sociedades como genuínas. A destruição
das "liberdades burguesas" não é uma perda real de liberdade, e a coerção pode ser
justificada em nome da liberdade se for necessário para levar a existência a sociedade
sem classes em que os homens sozinhos são devidamente livres. Os homens podem, em
suma, ser forçados a ser livres.

*******

Do outro lado, há uma versão caricatural correspondente da liberdade negativa


que tende a aparecer. Esta é a versão difícil, voltando para Hobbes, ou de outra forma
para Bentham, que vê a liberdade simplesmente como a ausência de obstáculos físicos
ou legais externos. Esta visão não terá nada com outros obstáculos menos
imediatamente óbvios para a liberdade, por exemplo, falta de consciência, falsa
consciência ou repressão, ou outros fatores internos desse tipo. Ele (Berlin, Hobbes,
Benthan?) mantém firmemente a visão de que falar de fatores internos tão relevantes
para a questão da liberdade, falar, por exemplo, de alguém ser menos livre por causa da
falsa consciência, é abusar das palavras. O único significado claro que pode ser dado à
liberdade é a ausência de obstáculos externos.

Eu chamo essa visão caricatural como um retrato representativo da visão


negativa, porque descarta fora dos tribunais um dos motivos mais poderosos por trás da
defesa moderna da liberdade como independência individual, a saber, a ideia pós-
Romântica de que a forma de auto-realização de cada pessoa é original para ele / ela, e,
portanto, só pode ser elaborado de forma independente. Esta é uma das razões para a
defesa da liberdade individual, entre outros J. S. Mill (desta vez em On On Liberty).
Mas se pensamos na liberdade como incluindo algo como a liberdade de auto-realização
ou a auto-realização de acordo com nosso próprio padrão, então, claramente, temos algo
que pode falhar por razões internas e por obstáculos externos. Nós podemos deixar de
alcançar nossa própria auto-realização através de medos internos, ou consciência falsa,
bem como por coação externa. Assim, a noção moderna de liberdade negativa que dá
peso à garantia do direito de cada pessoa de se realizar a seu modo não pode se
conformar com a noção de liberdade de Hobbes-Bentham. A psicologia moral desses
autores é muito simples, ou talvez devamos dizer muito grosseiro, para seus propósitos.

Agora, há uma assimetria estranha aqui. As visões caricaturais extremas tendem


a surgir na polêmica, como mencionei acima. Mas enquanto a visão extrema "forçar a
ser livre" é aquela que os adversários da liberdade positiva tentam apontar neles, como [H1] Comentário: Liberais
[H2] Comentário: Comunitaristas
seria de esperar no calor do argumento, os próprios defensores da liberdade negativa
[H3] Comentário: Liberais
parecem ansiosos para defender seus extremos, visão hobbesiana. Assim, mesmo Isaiah
Berlin, em sua eloquente exposição dos dois conceitos de liberdade, parece citar
Bentham com aprovação e Hobbes também. Por que é isso?

Para ver isso, devemos examinar mais de perto o que está em jogo entre os dois
pontos de vista. As teorias negativas, como vimos, querem definir a liberdade em
termos de independência individual dos outros; O positivo também quer identificar a
liberdade com o autogoverno coletivo. Mas, por trás disso, existem algumas diferenças
mais profundas de doutrinas.

Isaiah Berlin aponta que as teorias negativas estão preocupadas com a área em
que o sujeito deve ser deixado sem interferência, enquanto as doutrinas positivas estão
preocupadas com quem ou o que controla. Gostaria de colocar o ponto atrás disso de
uma maneira ligeiramente diferente. Doutrinas de liberdade positiva estão preocupadas
com uma visão da liberdade que envolve essencialmente o exercício do controle sobre a
própria vida. Nesta visão, um indivíduo é livre apenas na medida em que se
efetivamente se determinou e a forma da própria vida. O conceito de liberdade aqui é
um conceito de exercício.
Basear-se
Em contrapartida, as teorias negativas podem confiar apenas em um conceito de
oportunidade, onde ser livre é uma questão do que podemos fazer, do que é aberto para
nós, quer façamos ou não alguma coisa para exercer essas opções. Este é certamente o
caso do conceito Hobbesiano bruto e original. A liberdade consiste apenas em não haver
obstáculos. É uma condição suficiente para que alguém seja livre de que nada interfira.

Mas temos que dizer que as teorias negativas podem confiar em um conceito de
oportunidade, ao invés de que necessariamente o façam confiar, pois temos que permitir
a parte da gama de teorias negativas mencionadas acima que incorpora alguma noção de
auto-realização. Provavelmente esse tipo de visão não pode confiar apenas em um
conceito de oportunidade. Não podemos dizer que alguém é livre, em uma visão de
auto-realização, se ele é totalmente não realizado, se, por exemplo, ele é totalmente
inconsciente de seu potencial, se cumprindo nunca sequer surgiu como uma pergunta
para ele, ou se ele está paralisado pelo medo de romper com alguma norma que ele
internalizou, mas que não o reflete autenticamente. Dentro disto esquema conceitual, é
necessário algum grau de exercício para que um homem seja considerado livre. Ou se
queremos pensar nos impedimentos internos para a liberdade como obstáculos a todos
os lados com os externos, então estar em condições de exercer liberdade, tendo a
oportunidade, envolve a remoção das barreiras internas; e isso não é possível sem ter me
dado conta de mim mesmo. Por isso, com a liberdade de auto-realização, ter a
oportunidade de ser livre exige que eu já esteja exercitando liberdade. Um conceito de
oportunidade pura é impossível aqui.

Mas se as teorias negativas podem ser fundamentadas em uma oportunidade ou


em um conceito de exercício, o mesmo não é verdade em teorias positivas. A visão de
que a liberdade envolve, pelo menos parcialmente, auto-governo coletivo é
essencialmente fundamentada em um conceito de exercício. Por isso essa visão (pelo
menos em parte) identifica a liberdade com auto-direção, ou seja, o exercício real de
orientar o controle sobre a própria vida.

Mas isso já nos dá uma dica para iluminar o paradoxo acima, que, enquanto a
variante extrema da liberdade positiva geralmente é presa em seus protagonistas por
seus oponentes, os teóricos negativos parecem propensos a abraçar as versões mais
cruas de sua própria teoria. Pois, se um conceito de oportunidade é incompatível com
uma teoria positiva, ou seja, sua alternativa pode se adequar a uma teoria negativa,
então uma maneira de descartar teorias positivas em princípio é abraçar firmemente um
conceito de oportunidade. Um corte da teoria positiva pela raiz, por assim dizer, embora
se possa pagar um preço na atrofia de uma ampla gama de teorias negativas. Pelo [H4] Comentário: Tradução incerta

menos, apoiando-se firmemente no lado grosseiro do intervalo negativo, onde apenas os


conceitos de oportunidade são reconhecidos, não se deixa um lugar para uma teoria
positiva crescer.

Tomar a posição aqui tem a vantagem de segurar-se em uma linha em torno de


uma questão de princípio muito simples e básica, e outra em que a visão negativa parece
ter algum suporte no senso comum. A intuição básica aqui é que a liberdade é uma
questão de ser capaz de fazer uma coisa ou outra, de não ter obstáculos ao seu lado, ao
invés de ser uma capacidade que devemos realizar. Naturalmente, parece mais prudente [H5] Comentário: Liberdade é uma
capacidade que devemos realizar, mas em
lutar contra o Ataque Totalitário nesta última posição, cavando atrás da fronteira natural uma visão negativa, baseada no senso
comum, mais simples e básica, liberdade
uma questão de ser capaz de fazer uma
dessa simples questão, ao invés de envolver o inimigo no terreno aberto de conceitos de coisa ou outra sem ter obstáculos.

exercício, onde um terá que lutar para discriminar o bem do mau entre esses conceitos; [H6] Comentário: Avaliação forte?

lutar, por exemplo, por uma visão da auto-realização individual contra várias noções de
auto-realização coletiva, de uma nação ou de uma classe. Parece mais fácil e mais
seguro cortar todos os disparates no início, declarando que todas as visões de auto-
realização são tolices metafísicas. A liberdade deve ser definida, com firmeza, como a
ausência de obstáculos externos.

Claro, existem razões independentes para querer definir a liberdade com


firmeza. Em particular, existe a imensa influência do pensamento temperamental
antimetafísico, materialista, natural-científico-orientado em nossa civilização. Algo
desse espírito em seu início induziu Hobbes a seguir a linha que ele fez, e o mesmo
espírito continua marchando hoje. Na verdade, é por causa da prevalência desse espírito
que a linha é tão fácil de defender, forensicamente falando, em nossa sociedade.

No entanto, acho que um dos motivos mais fortes para defender o conceito bruto
de Hobbes-Bentham, que a liberdade é a ausência de obstáculos externos, físicos ou
legais, é o estratégico acima. Para a maioria daqueles que seguem essa linha,
abandonam muitas de suas próprias intuições, compartilhando como fazem com o resto
de nós em uma civilização pós-romântica que dá grande valor à auto-realização e
valoriza a liberdade em grande parte por isso. É o medo da Ataque Totalitário, eu diria,
o que os levou a abandonar esse terreno para o inimigo.

Eu quero argumentar que isso não só rouba sua eventual vitória forense de seu [7] Comentário: Tradução incerta

valor, uma vez que eles se tornam incapazes de defender o liberalismo na forma em que,
de fato, valorizamos, mas eu quero fazer a afirmação mais forte de que essa mentalidade
Maginot Line realmente garante derrota, como é frequentemente o caso das
mentalidades da linha Maginot. A visão de Hobbes-Bentham, eu quero defender, é
indefensável como uma visão da liberdade.

Para ver isso, vamos examinar a linha mais de perto, e a tentação de suportar [8] Comentário: Liberdade negativa
tem a vantagem de ser simples. Mas a
isso. A vantagem da visão de que a liberdade é a ausência de obstáculos externos é a sua simplicidade de uma teoria não a faz ser
melhor a ser adotada, nem garante que
ideiais necessários a humanidade sejam
simplicidade. Isso nos permite dizer que a liberdade é poder fazer o que você quer, onde alcançados.
o que você quer é entendido de forma incompatível como o que o agente pode [9] Comentário: Visão simplista e
grosseira, visto que seguir essa linha
identificar como seus desejos. Em contrapartida, um conceito de liberdade de exercício terminará por gerar conflitos com outro
indivíduos que terão os mesmos direitos
exige que discriminemos entre motivações. Se somos livres no exercício de certas fazer o que quer, quando quiser.
[10] Comentário: Exige que sejamos
capacidades, então não somos livres, nem menos livres, quando essas capacidades, de capazes de fazer avaliações fortes, vejam
quais são nossas motivações. Avaliemos
alguma forma, não são realizadas ou bloqueadas. Mas os obstáculos podem ser internos entre um desejo e outro

e externos. E isso deve ser assim, pois as capacidades relevantes para a liberdade devem
envolver alguma autoconsciência, autocompreensão, discriminação moral e
autocontrole, caso contrário, seu exercício não poderia equivale a liberdade no sentido
de auto-direção; e assim sendo, podemos deixar de ser livres porque essas condições
internas não são realizadas. Mas, quando isso acontece, onde, por exemplo, somos
bastante enganados, ou falhamos completamente para discriminar adequadamente os
fins que buscamos, ou perdemos o autocontrole, podemos facilmente fazer o que
queremos no sentido do que nós podemos identificar como nosso desejo, sem ser livre;
na verdade, podemos consolidar nossa falta de liberdade.

Uma vez que alguém adote uma visão de auto-realização, ou mesmo, qualquer
conceito de liberdade de exercício, então, ser capaz de fazer o que se deseja, não pode
mais ser aceito como condição suficiente para ser livre. Por isso essa visão coloca certas
condições sobre a motivação de alguém. Você não é livre se você está motivado, através
do medo, padrões internamente internalizados, ou falsa consciência, para impedir sua
auto-realização. Isso às vezes é colocado dizendo que, para uma visão de auto-
realização, você deve ser capaz de fazer o que realmente quer, ou de seguir sua vontade
real, ou de cumprir os desejos de seu próprio eu. Mas essas fórmulas, particularmente a
última, podem enganar, fazendo-nos pensar que o exercício - os conceitos de liberdade
estão ligados a alguma metafísica particular, em particular a de um eu superior e
inferior. Vamos ver abaixo que isso está longe de ser o caso e que existe uma gama
muito ampla de bases para discriminar desejos autênticos e inautênticos.

******

No entanto, é verdade que as teorias totalitárias da liberdade positiva se baseiam


em uma concepção que envolve a discriminação entre as motivações. De fato, pode-se
representar o caminho para as concepções positiva e negativa da liberdade como
consistindo em duas etapas: O primeiro nos afasta de uma noção de liberdade tal como
fazer o que se quer, para uma noção que discrimina motivações e iguala liberdade com o
que realmente queremos, ou obedecer a nossa vontade real, ou direcionar
verdadeiramente nossas vidas. O segundo passo introduz uma doutrina que demonstra
que não podemos fazer o que realmente queremos ou seguimos nossa vontade real, fora
de uma sociedade de certa forma canônica, incorporando um autêntico governo
autônomo. Daqui resulta que só podemos ser livres em tal sociedade, e que ser livre é
governar-se coletivamente de acordo com essa forma canônica.

******

Há algumas considerações que podem ser apresentadas diretamente para mostrar [11] Comentário: Onde estão essas
consideraçõies que demonstram que o
que o puro conceito hobbesiano não funcionará, que existem algumas discriminações puro conceito hobessiano de liberdade
como não interferência não funciona?
entre as motivações que são essenciais para o conceito de liberdade à medida que a
A liberdade como ausência de obstáculo
não se resume a isso simplesmente, pois
usamos. Mesmo quando pensamos na liberdade como a ausência de obstáculos pŕoprios indivíduos fazem discriminaçõe
entre obstáculos – (conceito de exercicio
externos, não é a ausência de tais obstáculos, smplesmente. Pois nós fazemos na liberdade negativa)

discriminações entre obstáculos como representando infracções mais ou menos graves à


liberdade. E fazemos isso, porque implementamos o conceito em um contexto,
entendendo que certos objetivos e atividades são mais significativos do que outros.

********

Mas esse recurso ao significado nos leva além de um esquema hobbesiano. A


liberdade não é apenas a ausência de obstáculos externos, mas a ausência de obstáculos
externos a ações significativas, para o que é importante para o homem. Há
discriminações a serem feitas; algumas restrições são mais graves do que outras,
algumas são absolutamente triviais. Sobre muitos, há, naturalmente, controvérsia. Mas o
que o julgamento acende é algum sentido do que é significativo para a vida humana.
Restringir a expressão das convicções religiosas e éticas das pessoas é mais
significativo do que restringir seu movimento em torno de partes desabitadas do país; e
ambos são mais significativos do que as trivialidades do controle de tráfego.

Mas o esquema Hobbesiano não tem lugar para a noção de significância. Só permitirá
julgamentos puramente quantitativos. Na versão mais difícil de sua concepção, onde [12] Comentário: Para o esquema
hobessiano então, tanto o impedimento
Hobbes parece estar prestes a definir a liberdade em termos de ausência de obstáculos um semáfaro à minha liberdade de ir on
eu quiser, quanto o impedimento de
físicos, é apresentada a perspectiva vertiginosa de que a liberdade humana seja prestar cultos é igualmente restrição de
liberdade?
mensurável da mesma forma que os graus de liberdade de algum objeto físico, digamos
uma alavanca. Mais tarde, vemos que isso não acontecerá, porque devemos ter em conta
os obstáculos legais à minha ação. Mas, em qualquer caso, essa concepção quantitativa
da liberdade é inoportuna.

*******

Assim, até mesmo a aplicação da noção de liberdade negativa requer uma


concepção de pano de fundo do que é significativo, de acordo com a qual algumas
restrições são vistas sem relevância para a liberdade, e outros são julgados como sendo
de maior e menor importância. Portanto, alguma discriminação entre motivações parece
essencial ao nosso conceito de liberdade. Um minuto de reflexão mostra por que isso [13] Comentário: Liberdade negativ

deve ser assim. A liberdade é importante para nós porque somos seres intencionais.
Mas, em seguida, deve haver distinções no significado de diferentes tipos de liberdade
com base na distinção no significado de diferentes fins.

Mas, claro, isso ainda não envolve o tipo de discriminação. . . O que nos
permitiria dizer que alguém que estava fazendo o que queria (no sentido não
problemático) não era realmente livre, o tipo de discriminação que nos permite colocar
as condições nas motivações das pessoas necessárias para serem livres e, portanto, para
o segundo - não os acredite. Tudo o que mostramos é que fazemos discriminações entre
liberdades mais ou menos significativas, com base em discriminações entre os
propósitos que as pessoas têm.

Isso cria algum embaraço para a teoria negativa grosseira, mas ela pode lidar
com isso simplesmente adicionando um reconhecimento de que fazemos julgamentos de
significância. Sua afirmação central de que a liberdade é apenas a ausência de
obstáculos externos parece intacta, assim como a visão da liberdade como um conceito
de oportunidade. Só que agora devemos admitir que nem todas as oportunidades são
iguais.

Mas há mais problemas para a visão bruta quando examinamos mais adiante
quais são essas discriminações qualitativas. O que está por trás do nosso julgamento de
certos propósitos / sentimentos como mais significativo do que outros?

******

Quando refletimos sobre esse tipo de significado, nos encontramos contra o que
eu chamei em outro lugar o fato de uma avaliação forte o fato de que nós, sujeitos
humanos, não somos apenas sujeitos de desejos de primeira ordem, mas de desejos de
segunda ordem, desejos sobre desejos. Experimentamos nossos desejos e propósitos
como qualitativamente discriminados, como maiores ou menores, nobres ou comuns,
integrados ou fragmentados, significativos ou triviais, bons e ruins. Isso significa que
nós experimentamos alguns de nossos desejos e objetivos como intrinsecamente mais
significativos do que outros: algum conforto passageiro é menos importante do que o
cumprimento de nossa vocação vitalícia, nosso amor-próprio menos importante do que
um relacionamento amoroso; enquanto experimentamos alguns outros como ruins, não
apenas de forma comparativa, mas absolutamente: desejamos não ser movidos pelo
despeito, ou algum desejo infantil de impressionar a todo custo. E esses juízos de
significância são bastante independentes da força dos respectivos desejos: o desejo de
conforto pode ser esmagador neste momento, podemos estar obcecados com o nosso
amour propre, mas o julgamento do significado permanece.

Mas, então, surge a questão de saber se este fato de avaliação forte não tem
outras conseqüências para nossa noção de liberdade, do que apenas que nos permite
classificar as liberdades em importância. A liberdade não está em jogo quando nos
encontramos levados por um objetivo menos significativo para substituir um alto
significativo? Ou quando somos levados a agir de um motivo, consideramos mau ou
desprezível?

A resposta é que, às vezes, falamos dessa maneira. Suponha que eu tenha algum
medo irracional, o que está me impedindo de fazer algo que eu quero muito. Diga que o
medo de falar em público está me impedindo de seguir uma carreira que eu deveria
achar muito gratificante, e que eu deveria ser bastante bom, se eu pudesse superar esse
"desligamento". É claro que nós experimentamos esse medo como um obstáculo, e que
sentimos que somos menos do que seríamos se pudéssemos superá-lo.

******

Estes são casos bastante compreensíveis, onde podemos falar de liberdade ou


sua ausência sem tensão. O que eu chamei de avaliação forte é essencialmente
envolvido aqui. Para estes não são apenas casos de conflito, mesmo casos de conflitos
dolorosos. Se o conflito for entre dois desejos com os quais não tenho problemas para
identificar, não pode haver uma menor liberdade, não importa o quão doloroso ou
fatídico. Assim, se o que está rompendo meu relacionamento é a minha realização em
um trabalho que, digamos, me leva muito longe de casa, eu realmente tenho um conflito
terrível, mas eu não teria nenhuma tentação de falar de mim mesmo como menos livre.

Mesmo vendo uma grande diferença no significado dos dois termos não parece
ser uma condição suficiente de minha vontade de falar de liberdade e sua ausência.
Assim, meu casamento pode estar terminando porque eu gosto de ir ao bar e jogar cartas
nas noites de sábado com os meninos. Posso sentir-me inequivocamente que o meu
casamento é muito mais importante do que a libertação e a camaradagem da festança do
sábado à noite. Mas, no entanto, eu não gostaria de falar do meu ser mais livre se eu
pudesse eliminar esse desejo.

A diferença parece ser que, neste caso, ao contrário dos acima mencionados,
ainda me identifico com o desejo menos importante, ainda vejo isso como expressivo de
mim, de modo que não pude perder sem alterar quem eu sou, perdendo algo de minha
personalidade. Enquanto meu medo irracional, o meu estar bastante angustiado pelo
desconforto, meu afeto, são todas as coisas que eu posso facilmente me ver perdendo
sem qualquer perda do que eu sou. É por isso que posso vê-los como obstáculos para os
meus propósitos, e, portanto, para minha liberdade, mesmo que sejam, de certo modo,
inquestionavelmente desejos e sentimentos meus.

Antes de explorar mais o que está envolvido nisso, vamos voltar e manter a
pontuação. Parece que esses casos causam uma violação maior na teoria negativa bruta.
Pois eles parecem ser casos nos quais os obstáculos à liberdade são internos; e se assim
for, a liberdade não pode simplesmente ser interpretada como a ausência de obstáculos
externos; e o fato de que estou fazendo o que eu quero, no sentido de seguir meu desejo [14] Comentário: Além de obstáculo
externos à minha liberdade, existem
mais forte, não é suficiente para estabelecer que eu sou livre. Pelo contrário, temos que também obstáculos externos que també
terminam limitando o exercício do que e
fazer discriminações entre as motivações, e aceitar que agir por algumas motivações, posso ou consigo fazer

por exemplo, medo ou despeito irracional, ou essa necessidade tão grande de conforto,
não é liberdade, é mesmo uma negação da liberdade.

Mas, embora a teoria negativa bruta não possa ser sustentada diante desses
exemplos, talvez algo que decorre das mesmas preocupações possa ser reconstruído.
Pois, embora tenhamos que admitir que há condições internas motivacionais,
necessárias para a liberdade, talvez possamos evitar qualquer legitimação do que eu
invoquei acima no questionamento do assunto. Se a nossa teoria negativa permite uma
avaliação forte, permite que alguns objetivos sejam realmente importantes para nós e
que outros desejos sejam vistos como não totalmente nossos, então não pode reter a tese
de que a liberdade é capaz de fazer o que eu quero, isto é , o que eu posso me identificar [15] Comentário: Ao aceitar que a
liberdade negativa permite avaliação for
como querendo, onde isso significa não apenas o que eu identifico como meu desejo cai por terra a tese de que liberdade é fa
o que se quer sem obstáculos externos
mais forte, mas o que eu identifico como meu verdadeiro e autêntico desejo ou
propósito? O sujeito ainda seria o árbitro final de seu ser livre / não livre, pois, na
verdade, ele é claramente capaz de discernir isso nos exemplos acima, onde eu dependia
precisamente da própria experiência de restrição do sujeito, de motivos com os quais ele
não pode identificar. Deveríamos ter descartado a insustentável metafísica reducionista
materialista hobbesiana, segundo a qual apenas os obstáculos externos contam, como se
as ações fossem apenas movimentos e não podendo haver obstáculos internos e
motivacionais para nossos propósitos mais profundos. Mas manteríamos a preocupação
básica da teoria negativa, de que o sujeito ainda é a autoridade final sobre o que consiste
a sua liberdade e não pode ser questionado pela autoridade externa. A liberdade seria
modificada para: a ausência de obstáculo interno ou externo ao que eu realmente ou
autenticamente quero. Mas ainda estaríamos segurando a linha Maginot. Ou
tentaríamos?

Penso que não, na verdade. Eu acredito que essa posição híbrida ou


intermediária é insustentável, quando estamos dispostos a admitir que podemos falar do [16] Comentário: Posição
Intermediária: A liberdade é a ausência d
que realmente queremos, do que desejamos mais fortemente e de alguns desejos como obstáculo interno ou externo ao que eu
realmente ou autenticamente quero sen
obstáculos à nossa liberdade, enquanto ainda não vamos permitir um segundo que sou a munha própria autoridade fina

quastionamento. Para descartar isso, em princípio, é excluir em princípio que o sujeito


pode estar errado sobre o que ele realmente deseja. E como ele nunca pode, em
princípio, estar errado, a menos que não haja nada sobre o que é certo ou errado neste
assunto? [17] Comentário: Tradução incerta

Isso, de fato, é a tese que nosso teórico negativo terá que defender. E é plausível
a mesma tradição intelectual (redutiva-empirista) a partir da qual a crença da teoria
negativa. Nesta visão, nossos sentimentos são fatos brutos sobre nós; isto é, é um fato
sobre nós que somos afetados de tal e tal maneira, mas nossos sentimentos não podem
ser entendidos como envolvendo alguma percepção ou sentido do que eles se
relacionam e, portanto, como potencialmente verídicos ou ilusórios, autênticos ou
inautêntico. Com este esquema, o fato de que um certo desejo representava um dos
nossos propósitos fundamentais, e outro, uma mera força com a qual não podemos
identificar, seria apenas a qualidade bruta do efeito em ambos os casos. Seria uma
questão da sensação bruta desses dois desejos de que este era seu status respectivo.

Nessas circunstâncias, a própria classificação do sujeito seria incorrigível. Não


existe tal sensação imperceptível. Se o sujeito não conseguiu experimentar um certo
desejo como fundamental, e se o que entendemos por "fundamental" aplicado ao desejo
era que a experiência sentida tivesse uma certa qualidade, então o desejo não poderia ser
fundamental. Podemos ver isso se olharmos os sentimentos que podemos concordar são
brutos neste sentido: por exemplo, dor que sinto quando a faca do dentista entra no meu
dente, ou o desconforto rastejante quando alguém corre sua unha ao longo do quadro-
negro. Não pode haver dúvida sobre erros de interpretação aqui. Se eu não conseguir
"perceber" a dor, não estou com dor. Não pode ser assim com os nossos desejos
fundamentais, e aqueles que repudiamos?

A resposta é claramente não. Antes de tudo, muitos dos nossos sentimentos e


desejos, incluindo os relevantes para esses tipos de conflitos, não são brutos. Em
contraste com a dor e a sensação de unha no quadro-negro, vergonha e medo, por
exemplo, são emoções que envolvem a nossa experiência da situação como tendo uma
certa importancia para nós, como sendo perigosa ou vergonhosa. É por isso que a
vergonha e o medo podem ser inadequados, ou mesmo irracionais, onde a dor e o
frisson não podem. Assim, podemos estar com erro ao sentir vergonha ou medo.
Podemos mesmo conscientemente conscientes da natureza infundada de nossos
sentimentos, e é quando os fustigamos como irracionais.

Assim, a noção de que podemos entender todos os nossos sentimentos e desejos


como bruto, no sentido acima, não está ligado. Mas mais, a idéia de que podemos
discriminar nossos desejos fundamentais, ou aqueles que queremos repudiar, pela
qualidade do afeto bruta é grotesco. . . . Toda a noção de nossa identidade, por meio da
qual reconhecemos que alguns objetivos, desejos, lealdades são fundamentais para o
que somos, enquanto outros não são ou menos, só podem ter sentido em um contexto de
desejos e sentimentos que não são brutos, mas o que eu chamarei de importação-
atribuição, para inventar um termo de arte para a ocasião.

Assim, temos que ver a nossa vida emocional como constituída em grande parte
por importar os desejos e sentimentos, isto é, desejos e sentimentos que podemos
experimentar erroneamente. E não só podemos nos enganar nisso, é claro que devemos
aceitar, em casos como o acima, onde queremos repudiar certos desejos, que estamos
enganados.

*******

Então, ser bruto não é o que torna repugnáveis os desejos. E, além disso, nos
exemplos acima, os desejos repudiados não são brutos. No primeiro caso, estou
acorrentado por um medo irracional, uma emoção que atribui importancia, no qual o
fato de se enganar já é reconhecido quando identifico o medo como irracional ou
irracional.

*******

Agora, como podemos sentir que um desejo importante atribuído não é


verdadeiramente o nosso? Nós podemos fazer isso somente se o vemos como
equivocado, isto é, a importância ou o bem, que supostamente nos dá uma sensação de
não é uma importância genuína ou boa. O medo irracional é um obstáculo, porque é
irracional; o despeito é um obstáculo porque está enraizado em uma auto-absorção que
distorce nossa perspectiva em tudo, e os prazeres de ventilar isso impedem qualquer
satisfação genuína.

*******

O que isso tem a ver com a liberdade? Bem, para resumir o que vimos: nossas
atribuições de liberdade fazem sentido contra um pano de fundo de propósitos cada vez
mais significativos, pois a questão da liberdade/falta de liberdade está ligada à
frustração/cumprimento de nossos propósitos. Além disso, nossos objetivos
significativos podem ser frustrados por nossos próprios desejos, e onde estes são
suficientemente baseados em uma má apreciação, consideramos que eles não são
realmente nossos, e os experimentamos como grilhões. A liberdade de um homem pode,
portanto, ser cercada por obstáculos internos e motivacionais, bem como externos. Um
homem que é conduzido por rancor para pôr em perigo seus relacionamentos mais
importantes, apesar de si mesmo, por assim dizer, ou que é impedido pelo medo
irracional de assumir a carreira que ele realmente deseja, não é realmente mais livre se
alguém levanta obstáculos externos para que ele exaurasse seu despeito ou agisse sobre
seu medo. Ou, na melhor das hipóteses, ele é liberado em uma liberdade muito
empobrecida.
Se, através do purismo lingüístico / ideológico, se quiser manter a definição
grosseira e insistir em que os homens são igualmente livres de quem os mesmos
obstáculos externos são levantados, independentemente do seu estado motivacional,
então será preciso introduzir algum outro termo para marcar o distinção, e dizer que um
homem é capaz de aproveitar adequadamente a sua liberdade, e o outro (o que está no
controle do despeito ou do medo) não é. Isso ocorre porque, no sentido significativo de
"livre", aquela para a qual a valoramos, no sentido de poder agir em seus propósitos
importantes, o homem livremente encadeado não é livre. Se optar por dar "livre" um
sentido especial (Hobbesiano) que evite essa questão, teremos que apresentar outro
termo para lidar com isso.

Além disso, já que já vimos que estamos sempre fazendo julgamentos de graus
de liberdade, com base no significado das atividades ou propósitos que são deixados
sem restrições, como podemos negar que o homem, externamente livre, mas ainda
atrapalhado por seus desejos repudidos, é menos livre que aquele que não possui
obstáculos tão íntimos?

******

Uma vez que vemos que fazemos distinções de graus e significado nas
liberdades dependendo do significado do propósito encadernado / habilitado, como
podemos negar que faz diferença ao grau de liberdade não só se um dos meus
propósitos básicos é frustrado pelo meu desejos próprios, mas também se eu mal
gravemente identificado este propósito? A única maneira de evitar isso seria sustentar
que não há como fazer errado, que seu objetivo básico é exatamente o que você sente.
Mas há como fazer errado, como já vimos, e as próprias distinções de significância
dependem desse fato.

Mas se isso é assim, a visão negativa bruta da liberdade, a definição hobbesiana,


é insustentável. A liberdade não pode ser apenas a ausência de obstáculos externos, pois
também pode haver internos. E nem os obstáculos internos podem limitar-se apenas aos
que o sujeito identifica como tal, de modo que ele seja o árbitro final; pois ele pode estar
profundamente enganado com seus propósitos e sobre o que ele quer repudiar. E, em
caso afirmativo, ele é menos capaz de liberdade no sentido significativo da palavra.
Portanto, não podemos manter a incorrigibilidade dos julgamentos do sujeito sobre sua
liberdade, ou descartar a segunda indenização. . . E, ao mesmo tempo, somos forçados a
abandonar a pura oportunidade - conceito de liberdade.

A liberdade agora envolve a minha capacidade de reconhecer adequadamente os


meus propósitos mais importantes, e a minha capacidade de superar ou, pelo menos,
neutralizar os meus grilhões motivacionais, bem como a minha forma de estar livre de
obstáculos externos. Mas, claramente, a primeira condição (e, eu diria, também a
segunda) exigem que eu me torne algo para ter alcançado uma certa condição de auto-
clarividência e auto-compreensão. Devo estar realmente exercendo auto compreensão
para ser verdadeiro ou totalmente livre. Não consigo mais entender a liberdade como
um conceito de oportunidade.

Em todas essas formulações do conceito de oportunidade versus conceito de


exercício; a liberdade exige que discriminemos entre as motivações: se ela permite
quastionar o sujeito - a visão extremamente negativa aparece como errada. A ideia de
manter a linha Maginot antes deste conceito Hobbesiano é equivocada não só porque
envolve o abandono de alguns dos mais inspiradores terrenos do liberalismo, que se
preocupa com a auto-realização individual, mas também porque a linha acaba por ser
insustentável. O primeiro passo da definição hobbesiana para uma noção positiva, para
uma visão da liberdade como a capacidade de cumprir os meus propósitos, e quanto
maior é a importância dos propósitos, não podemos deixar de tomar. Se devemos
também dar o segundo passo, a uma visão de liberdade que a veja como realizável ou
plenamente realizável apenas dentro de uma certa forma de sociedade; e se, ao dar um
passo desse tipo, está necessariamente comprometido em justificar os excessos da
opressão totalitária em nome da liberdade; Estas são questões que agora devem ser
abordadas. O que é certo é que eles não podem simplesmente ser evadidos por uma
definição grosseira de liberdade que os relega por meio de decreto ao limbo de pseudo-
perguntas metafísicas. Este é um jeito muito rápido com eles.