Вы находитесь на странице: 1из 4

DIA 1 – CHAMADOS À LIBERDADE DIA 2 – LIBERDADE E RELIGIOSIDADE

Vivam como pessoas livres, mas não usem a liberdade como Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres.
desculpa para fazer o mal; vivam como servos de Deus. (João 8.36)
(1 Pedro 2.16)
Costumamos ouvir esse versículo em mensagens para não
Quando pensamos em liberdade, a primeira coisa que nos crentes, mas se lermos o contexto em que Jesus disse esse texto é
vem à mente é a ideia de fazer o que quisermos, quando quisermos surpreendente. Ele estava falando com os religiosos de sua época.
e como quisermos. É a vontade soberana do indivíduo. O texto de Se você ler a partir do capítulo 7 de João vai encontrar
Pedro, que lemos acima, diz o oposto disso: vivemos como pessoas diversos embates de Jesus com os religiosos judeus. Eles se diziam
livres quando vivemos como servos de Deus. Como assim, liberdade livres (Jo 8.33), mas Jesus lhes respondeu: “Digo-lhes a verdade:
na servidão? Parece contraditório. todo aquele que vive pecando é escravo do pecado” (Jo 8.34).
Os ouvintes de Jesus ficaram perplexos. Como assim eles
Nesta semana, vamos refletir sobre a liberdade que Cristo nos
eram escravos do pecado? Logo eles que se consideravam
oferece e como ela se relaciona com a santidade. Quem entende
legítimos herdeiros de Abraão, cumpridores da Lei, conhecedores
a santidade como uma lista de coisas que não se deve fazer, tem
de Deus! Pois é... a religião não afasta ninguém do pecado. Só
dificuldade em entender a liberdade. Acaba vivendo uma vida de
ajuda a criar uma aparência de santidade, vazia de verdade.
religiosidade, como os fariseus. Por outro lado, há quem pense na O religioso se orgulha de nunca ter matado, adulterado ou
liberdade sem pensar na santidade. Acaba numa vida de cometido pecados mais visíveis, por assim dizer. Mas peca pelo
libertinagem. orgulho, pela avareza, inveja, mentira... Olha os outros com um ar
O cenário cristão do nosso país oscila entre esses dois lados: de superioridade, julga, condena, critica, aponta.
religiosidade e libertinagem. Diante disso, como devemos nos E nós? Temos agido como religiosos? Consideramo-nos livres
portar? quando na verdade somos escravos do pecado? A imagem que
Iniciando essa semana, quero te convidar a meditar no texto transmitimos aos irmãos domingo à noite é a mesma que nossa
de 1 Pedro acima e a refletir hoje sobre o que a liberdade significa família e colegas de trabalho ou da escola veem de segunda a
para você. Como você tem vivido a liberdade e a santidade no seu sábado? Somente Jesus Cristo pode nos libertar da religiosidade.
dia-a-dia? Somente o relacionamento com Ele pode gerar em nós o
verdadeiro fruto do Espírito, que nasce de dentro pra fora.
ORE:
ORE:
O que Deus falou contigo no texto de Pedro? Como você vai
responder? Peça a Deus para sondar o seu coração: como você
Você tem atitudes religiosas? O seu exterior reflete o seu interior? Há
tem usado a liberdade que Cristo te deu?
pecados que ninguém vê além de Deus? Reflita nisso, ore e
apresente suas respostas diante de Deus com o coração aberto
para que Ele te mostre o que precisa ser mudado em suas atitudes.
DIA 3 – LIBERDADE E SANTIDADE DIA 4 – LIBERDADE E TENTAÇÃO

Irmãos, vocês foram chamados para a liberdade. Mas não usem a Quando alguém for tentado, jamais deverá dizer: “Estou sendo
liberdade para dar ocasião à vontade da carne (...) Por isso digo: tentado por Deus”. Pois Deus não pode ser tentado pelo mal e a
Vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da ninguém tenta. Cada um, porém, é tentado pelo próprio mau
carne. (Gálatas 5.13,16) desejo, sendo por este arrastado e seduzido. Então, esse desejo,
tendo concebido, dá à luz o pecado, e o pecado, após ser
Pense numa linha reta. Numa ponta dela está a religiosidade, consumado, gera a morte. (Tiago 1.13-15)
que acredita que não há liberdade; não podemos fazer nada
porque tudo é pecado. Na outra ponta da reta está a libertinagem, Esse texto de Tiago é interessantíssimo, porque ele explica o
que defende que não há regras, que podemos fazer tudo. Nada é processo da tentação à consumação do pecado. Ele inicia
pecado. No primeiro caso, vive-se por uma lista de regras de “faça explicando que a tentação não provém de Deus, mas do nosso
isso, não faça aquilo” como os fariseus da época de Jesus. No próprio mau desejo. O que significa isso?
segundo caso, não há regra nenhuma além da vontade do Todos nós temos um ponto fraco, uma área da nossa vida em
indivíduo, como vemos em muitas pessoas hoje em dia. que estamos mais suscetíveis a cair em tentação. Essa fraqueza é
Porém, Paulo nos ensina a fugir desses dois extremos, vivendo diferente em cada pessoa. Para uns pode ser a bebida, para outros
a liberdade na santidade. O que isso significa? Trata-se não de viver o sexo, ainda para alguns pode ser a mentira, o orgulho, a inveja, a
segundo uma lista de regras ou sem regra nenhuma, mas de viver ira, a maledicência... A lista é enorme. Você sabe qual é o seu
sob a orientação do Espírito. Quanto mais os nossos ouvidos ponto fraco? O Diabo sabe! E é aí que ele tenta nos fazer cair.
estiverem preparados para ouvir a voz do Espírito Santo, mais Tiago continua dizendo que esse desejo nos arrasta e nos
saberemos viver neste mundo sem nos mancharmos com ele. É seduz. Ele ocupa nossas mentes de tal modo a nos levar a cometer
aquela velha história da garça, que vive em meio à lama, mas não aquela ação. E assim nasce o pecado.
se suja com ela. Todos os cristãos, desde o novo convertido até aquele que já
De modo prático, quanto mais orarmos e meditamos na tem décadas de vida cristã estão sujeitos à tentação. Ser tentado
Bíblia, mais aprendemos a viver, mais o Espírito nos ajuda a não é pecado, mas permitir ou ceder à tentação, sim! Por isso, Jesus
encontrar respostas para saber como agir no dia-a-dia, mais nos ensina a vencer a tentação com meditação na Palavra
vencemos a nossa carne, mais fazemos a vontade de Deus. Em (Mateus 4.1-11), com oração e vigilância (Marcos 14.38).
resumo: mais nos santificamos.
ORE:
ORE:
Em que área da sua vida você é mais tentado? Você tem
Você tem vivido pelo Espírito? Você ouve a voz do Espírito no seu conseguido resistir à tentação ou está caindo nela? Apresente suas
dia-a-dia? Se não, o que tem te impedido? respostas a Deus em oração, peça a Ele que sonde seu coração e
busque Nele a força para resistir às tentações.
DIA 5 – OS LIMITES DA LIBERDADE: CONVENIÊNCIA E DOMÍNIO DE SI DIA 6 – O ÚLTIMO LIMITE DA LIBERDADE: O AMOR

“Tudo me é permitido”, mas nem tudo convém. “Tudo me é Contudo, tenham cuidado para que o exercício da liberdade de
permitido”, mas eu não deixarei que nada me domine. vocês não se torne uma pedra de tropeço para os fracos.
(1 Coríntios 6.12) (1 Coríntios 8.9)

Como já vimos, a liberdade cristã não se confunde com a


libertinagem, isto é, a liberdade está sempre associada à Se você ler o capítulo 8 da carta, verá que Paulo orienta a
responsabilidade. Isso significa que nossa liberdade tem limites. O igreja em relação a uma prática comum na época. As carnes
primeiro limite é a conveniência; o segundo é o domínio próprio. vendidas no mercado eram antes dedicadas aos ídolos (deuses) da
Em 1 Coríntios, Paulo responde a um ditado comum na cidade de Corinto. Os irmãos mais maduros na fé já tinham o
época. As pessoas diziam “tudo é permitido”. E o apóstolo entendimento de que não existe outro deus além do nosso Deus e,
responde: “mas nem tudo convém”. O que significa isso? Há coisas por isso, comiam a carne entendendo que era apenas um alimento,
que não são pecaminosas por natureza, mas se praticadas no nada além disso. Não havia nenhum significado religioso naquilo.
contexto errado, se tornam pecado. Por isso, elas não convêm. Um Porém, os irmãos menos maduros na fé, vendo essa ação, sem ter o
exemplo disso é o sexo. Ele foi criado por Deus e, por isso, não é sujo correto entendimento, acabavam comendo a carne tendo em
ou mau. Contudo, há um contexto próprio para ser exercido: o mente o significado religioso do ato.
casamento. Quando praticado fora do casamento, torna-se Diante dessa situação, qual é a orientação de Paulo? Que os
pecado. Outro exemplo é comer. Comer não é pecado, mas a irmãos mais maduros evitem comer a carne; não pelo significado
glutonaria ou gula (comer em excesso), sim (Rm 13.12,13; Lc 21.34). religioso, mas porque poderia levar os irmãos menos maduros a
O segundo limite da liberdade é o domínio próprio. Ele é pecarem, porque estavam comendo sem entendimento, como se
apontado como uma parte do fruto do Espírito em Gálatas 5.22,23 estivessem participando do culto pagão. Essa orientação deixa
e significa que nada nem ninguém além de Cristo deve dominar uma lição para nós sobre a liberdade: mesmo que um ato não seja
nossas mentes, corações, agenda e recursos. Portanto, devemos pecado, mesmo que ele seja conveniente e que não nos domine,
examinar a nossa vida para ver se há coisas que nos dominam, se esse ato influenciar um irmão a pecar, é melhor evitar sua prática.
coisas sobre as quais não exercemos controle. Ver TV, usar as redes O último limite da liberdade cristã está justamente no fato de
sociais, por exemplo, não são pecados. Mas se não tivermos que somos uma comunidade, um corpo. As minhas ações devem
controle, essas coisas dominam nossas vidas e nosso tempo, servir para edificar os irmãos, não prejudicá-los. Nossa consciência
prejudicando nossa vida devocional, familiar, nossos estudos e não é individual, é coletiva. Não devo pensar apenas em mim, mas
nosso trabalho. nos outros. Passamos, assim, de uma dimensão pessoal da
santificação para uma dimensão coletiva.
ORE:
Há algo na sua vida que você diz que “não tem nada a ver”, mas ORE:
que está sendo praticado no momento errado? Você pode dizer Você costuma pensar no impacto que suas ações têm na
que Cristo é de fato o Senhor, aquele que domina, a sua vida? edificação da igreja como corpo, como comunidade?
DIA 7 – VIDA LIVRE

Já que vocês morreram com Cristo para os princípios elementares


deste mundo, por que, como se ainda pertencessem a ele, vocês
se submetem a regras: “Não manuseie!”, “Não prove!”, “Não
toque!”? (...) Essas regras têm, de fato, aparência de sabedoria,
com sua pretensa religiosidade, falsa humildade e severidade com
o corpo, mas não têm valor algum para refrear os impulsos da
carne. Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem
as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de
Deus. (Colossenses 2.20,21,23; 3.1)

Começamos essa semana compreendendo que a


santificação é um processo que não tem a ver nem com
religiosidade (uma lista de regras) nem com a libertinagem
(ausência de regras). Entendemos, ainda, que precisamos vigiar, ou
seja, prestar atenção aos nossos desejos (ponto fraco), pois são
neles que o Diabo foca para nos tentar. Ainda que a tentação não
seja pecado, se não vigiarmos, orarmos e estivermos firmes na
Palavra, ela se torna a brecha para que o pecado se instale. Vimos
também que nossa liberdade tem 3 limites: a conveniência, o
domínio próprio e o amor ao próximo.
Chegando ao final dessa semana, avalie: O que você
compreendeu e praticou? O que ainda falta praticar? Ao fazer essa
análise, tenha em mente o texto de Colossenses acima. Ele contém
uma preciosa lição: O segredo da santificação não está no
cumprimento de regras, mas em procurar as coisas do alto e manter
o pensamento nelas. Conforme você se relaciona com Deus, Ele
mesmo vai te ajudar a pensar, agir e sentir como Cristo. E isso é
santificação!

ORE:
Medite no texto de Colossenses, avalie sua semana e apresente a
Deus essa avaliação. O que Deus está te falando? Como você vai
responder?