Вы находитесь на странице: 1из 5

Universidade Federal do Ceará

Faculdade de Medicina
Monitoria de Fisiologia 2014
Monitor: Pedro Vinícius Brito Alves

1.Sobre as trocas gasosas a nível alvéolo-capilar, assinale o que for correto:

( V ) Segundo a lei de Fick, a capacidade de difusão de um gás aumenta com o aumento da


área de troca, da capacidade de difusão do gás e do gradiente de pressão, sendo prejudicada
pelo aumento da espessura da membrana alvéolo capilar

( V ) A pressão parcial de um gás é determinada apenas pela sua porção dissolvida no plasma.
Os gases são transportados no corpo ligados a proteínas carreadoras ( a hemoglobina é um
exemplo) ou dissolvidos no plasma. A pressão parcial de um gás no plasma corresponde apenas
a sua porção dissolvida no plasma e só aumenta a partir do momento que os sitios das
proteinas carreadoras são saturas. É a partir dela que se formam os gradientes de pressão

.
( F ) O monoxido de carbono tem seu transporte no sangue limitado pela perfusão.
Como o monoxido de carbono tem baixa permeabilidade na membrana alveolo capilar, o seu
transporte vai ser limitado pela difusão. Durante o tempo que o sangue permanece no capilar,
o quantidade de CO que consegue se difundir, vai ser ligar rapidamente a Hb, saturando-a, e
então ficar dissolvido no plasma, aumentando a pressão parcial. No entanto, é mais dificil de
isso acontecer, pois a dificuldade encontrada pelo gás na membrana alveolo capilar, não deixa
que a Hb se sature por completo e ele comece a dissipar o gradiente de difusão por estar se
dissolvendo no plasma.

( F ) Gases insolúveis, como NO, tem seu transporte no sangue limitado pela difusão.
O óxido nítrico possui bom permabilidade na membrana alvéolo-capilar, mas durante o tempo
que o sangue capilar permanece nos álveolos, dificilmente conseguirá se ligar à Hb, saturá-la,
pra depois se dissolver no plasma, foi esta possui baixa afinididade pela hemoglobina. Então, o
pouco de NO que entra no sangue, já se dissolve no plasma e exerce pressão parcial, dissipando
o gradiente de pressão que impulsionaria mais gás a entrar. Para que haja mais transporte de
gases, não seria necessário mais tempo do sangue no capilar pulmonar, seria necessário mais
sangue mesmo, por isso é limitado pela perfusão

( F) Em condições normais, o oxigênio e o dióxido de carbono tem seu transporte limitados


tanto pela difusão quanto pela perfusão.
Em condições normais (basais), o O2 possui relativa permeabilidade na membrana alveolo-
capilar e relativa afinidade pela hemoglobina. Durante o tempo que o sangue permanece no
capilar pulmonar, o O2 consegue consegue se difundir rapido o suficiente para saturar a Hb e
começar a se dissolver no plasma, exercendo pressão parcial, dessa forma, apenas mais sangue
conseguiria carrear mais O2, sendo assim, é limitado apenas pela perfusão. No entanto, em
situações de hipermetabolismo, por exemplo, o fluxo sanguíneo pode aumentar e com isso a
velocidade de passagem do sangue pelo capilar pulmonar. Caso essa velocidade exceda a
rapidez com que o O2 consegue se difundir pela membrana alvéolo capilar, teremos um
transporte também limitado pela difusão. O mesmo se aplica ao CO2
(V ) O fator determinante para um gás ter seu transporte limitado pela difusão é o tempo que
o sangue permanence no leito capilar pulmonar.

2. Ao sair do leito capilar da pequena circulação, o sangue que chega ao coração esquerdo
possui PaO2 de 104mmHg, no entanto, sai deste com PaO2 de 95mmg.
a) EXPLIQUE esse fenômeno.

No pulmão, paralela à circulação pulmonar, existe a circulação bronquica. Essa circulação


brônquica está sob pressão sistemica e se da a partir de arterias brônquicas, ramos da aorta e
das artérias intercostais. Sua função é levar sangue oxigenado, arterial ( 95mmHg PaO2,
40mmHg PaCo2), para o tecido de sustentação do parênquima pulmonar ( septos alveolares,
tecido conjuntivo, bronquios, etc). Após as trocas gasosas, esse sangue se torna venoso
(40mmHg PaO2 e 46mmHg PaCo2), como o sangue que participa de trocas gasosas em outros
tecidos periféricos (e.g. músculo). No entanto, esse sangue venoso não mais passa pelos pontos
de hematose pulmonar, e desembocam direto nas veias pulmonares e em seguida no átrio
esquerdo, se misturando com um sangue arterial ‘’novo’’, que acabou de sair dos pontos de
hematose. Essa mistura justifica a diminuição da PaO2 de 104mmHg para 95mmHg.

3. Sobre o transporte de O2 no sangue, marque V ou F.

( V ) A hemoglobina A é uma molécula protéica presente no sangue da maioria dos indivíduos


adultos constituída de quatro cadeias de aminoácidos, 2 alfa e 2 beta. Em cada uma destas,
existe um grupo Heme, formado por uma molecula de porfirina e ferro, sendo este o local de
ligação da hemoglobina, formando a oxihemoglobina.

( V ) A presença de hemoglobina no sangue arterial aumenta a concentraçaõ de O2


transportado no sangue em aproximadamente 70 vezes. O O2 dissolvido no plasma

( V ) No leito capilar, a hemoglobina se difunde também através de gradiente de pressão e


concentração.

( V ) A curva de dissociação da hemoglobina possui uma configuração que permite bruscas


variações de PaO2, sem grandes diferenças na saturação. Isso é chamado sistema tampão do
oxigênio

( F ) Em um paciente com anemia grave, espera-se encontrar uma PO2 arterial baixa,
justificando a hipóxia hipóxica instalada nesse paciente
Um paciente que possui anemia tem seus níveis de PO2 diminuídos pois ele não possui células
vermelhas, e por consequencia hemoglobina. Assim, ele ainda vai conseguir manter a pressão
parcial de O2 no seu sangue, pois este se dá somente pelo porção de gás dissolvida no plasma.
O que ele terá diminuído é a CONTEÚDO DE O2 NO SANGUE. ( Lembram que a presença da
hemoglobina no sangue garante um transporte até 70x maior de O2?). Um bom grau de
hipóxia de instala também, no entanto, é uma HIPOXIA ANÊMICA. A hipóxia hipóxica ocorre
em distúrbios ventilatórios (e.g. DPOC). Além dessas, existe a hipóxia circulatória, causada por
choque ou obstruções vasculares e a hipóxia e a hipóxia histotóxica, que é causada pelo
cianeto.
4. A curva de dissociação do O2-Hb possui certas peculiaridades e se modifica de acordo com o
momento metabólico do paciente. Sendo assim:

a) DESENHE a curva de dissociação hemoglobina

b) EXPLIQUE a importância de seu formato.

c) DEDUZA o efeito do pH, CO2, Temperatura, 2,3 DPG e CO na curva.

d) EXPLIQUE uma possível ação renal causada pelo desvio da curva para a DIREITA.

b) O formato em S dessa curva possui dois benefícios, melhores visualizados na sua porção
superior e na sua porção inferior. Na porção superior, uma brusca variação da PaO2, a exemplo
de um paciente normal que consegue manter uma PaO2 de 100mmHg e outro com DPOC, que
só consegue manter a 80mmHg, não altera muito a saturação da hemoglobina. De 100 pra 80 (
P de 20mmHg) , a saturação da hemoglobina varia 3%, o que garante um aporte adequado
para os tecidos ainda.
A porção inferior do gráfico mostra que um tecido com alto metabolismo tende a ter sua
pressão de O2 diminuída (e.g. um músculo trabalhando possui uma PO2 de 20mmHg ou
menos), o que aumenta o gradiente de pressão do O2 no tecido periférico e também diminui a
afinidade da hemoglobina pelo O2, aumentando o aporte de O2 para o tecido ( 1. O musculo
com uma PO2 de 10mmHg tem um gradiente de 30 com a PaO2 de 40mmHg. 2. Um músculo
que trabalho a ponto de reduzir sua PO2 pra 10mmHg, tá liberando muito ácido, CO2, 2,3 DFG
e aumentando muito sua temperatura, o que diminui a afinidade da hemoglobina pelo O2,
garantindo um melhor aporte de O2 para o tecido – A Hb prende menos o O2, logo, libera mais
pros tecidos.)

c) Tomando como exemplo o músculo novamente, caso ele esteja em um estado mais
funcionante, tenderá a liberar mais CO2, mais ácido láctico, aumentar sua temperatura e,
devido ao sinal hipoxemico e aumento da temperatura, inicitar a liberação de 2,3 DFG. Isso faz
com que a hemoglobina diminua sua afinidade pelo O2 e a liberação ocorra de forma mais
fácil. A curva então será desviada para a DIREITA, dessa forma, uma maior pressão de O2 é
necessária para saturar a hemoglobina, pois esta está em um estado de liberação para os
tecidos periféricos que necessitam de O2. De maneira análoga, enquanto dormimos, nossos
músculos estão com um metabolismo muito menor, assim produzem menos ácido láctico,
menos CO2, tem uma temporatura menor e pouca estimulam a produção de 2,3 DFG. Nesse
contexto, não ha necessidade de liberar mais O2 pro tecido, assim a afinidade da Hb pelo O2
aumenta e este permanece trancado na Hb. Isso é visto com um desvio da curva para a
esquerda. Ou seja, em pressões menores de PaO2, pode-se saturar a Hb de forma eficiente,
pois ela está em um estado de retenção de O2.

d) Caso o estímulo hipoxemico se prolongo no corpo, o rim pode sinalizar isso como uma
hipoxica anêmica. Ou seja, está faltando célula vermelha o suficiente para carrear o oxigênio
que chega aos pulmões. Assim, ele libera um hormônio chamado eritropoetina, que age na
medula óssea estimulando a produção da série vermelha dos elementos sanguíneos.

5. Sobre o transporte de CO2 no sangue, julgue os items:

( F ) A maior parte do CO2 carregado pelo sangue está na forma de carbaminohemoglobina.


Falso, o transporte de CO2 no sangue segue as seguintes proporções: 7% dissolvidos no
plasma, 23% ligado a compostos aminicos da Hb, formando então a carbaminohemoglobina, e
70% na forma de bicarbonato, que é liberado no plasma.

( V ) A bomba que participa do fenômeno de desvio de cloro funciona como um verdadeiro


tampão do pH sanguíneo.

( F ) A enzima anidrase carbônica possui papel secundário no transporte de CO2 no organismo,


com baixo poder catalítico nas reações propostas.
A anidrase carbônica catalisa de forma substancial a formação de H2CO3, que poderá depois
se dissociar em H+ + HCO3-. Esse HCO3- é trocado com o clóro plasmático pela fenômeno de
desvio de cloro ( importante), então o bicarbonato pode ser transportado no plasma,
exercendo seu efeito tampão. Assim, evidencia-se o papel primário da anidrase carbonica no
transporte majoritário do CO2 no sangue.

( F )A curva de dissociação CO2-Hb é possui umsistema tampão tão eficiente quanto o da


curva de dissociação O2-Hb.
Diferente da curva de dissociação HbO2, a curva de dissociação HbCo2 é mais linear,
aumentando a proporcionalidade de variações na PaCO2 com a saturação da Hb.

( V ) O efeito Haldane desvia a curva de dissociação do C02-Hb para a esquerda.


6. O transporte de gases realizado durante as grande e pequena circulações são dependentes
de diversos fatores que alteram as propriedades fisico-quimicas da Hb e promovem a ligação
ou dissociação de gases.

a) EXPLIQUE o efeito Haldane e sua importância para as trocas gasosas.

b) EXPLIQUE o efeito Bohr e sua importância nas trocas gasosas.

c) INTEGRE em um só esquema as trocas gasosas que ocorrem no pulmão e nos tecidos.


periféricos