Вы находитесь на странице: 1из 1

A espetacular química de uma vela

A queima de uma vela é muito mais que o simples evento de uma combustão de um hidrocarboneto. Existem muito
mais coisas por trás deste simples fenômeno e Michael Faraday já discutiu isso tudo em seu trabalho "The Chemical
History of a Candle" de 1860.
Combustão ou queima é uma reação química exotérmica, ou seja, que libera calor para o ambiente. Para essa reação
química acontecer algumas coisas são essenciais. A presença de um combustível que é o elemento que fornece a
energia para a queima, bem como de um comburente, que é a substância que reage quimicamente com o combustível.
Para que esta reação aconteça, é necessário um agente que dê início ao processo de combustão fornecendo a energia
mínima inicial necessária (ignição).
A vela é uma peça geralmente cilíndrica, de cera ou outra substância gordurosa, com um pavio central em toda a
extensão. Normalmente é feita de parafina, uma mistura de hidrocarbonetos saturados (alcanos), que atualmente é
obtida, quase que exclusivamente, do petróleo. A Parafina tem sido empregada para a fabricação de velas desde
meados do século 19. O seu ponto de fusão varia com o comprimento da cadeia dos seus constituintes. A parafina
pura é incolor e transparente. Ela serve para prolongar a queima do pavio, pois sem a parafina, o pavio se queimaria
rapidamente, tendo uma vida útil muito baixa.
Podemos dizer que o pavio é a alma de uma vela. Sua função é direcionar à chama quantidades suficientes de parafina
derretida, de modo que um equilíbrio pode ser estabelecido entre as quantidades de parafina derretida e queimada.
Uma parte do calor da combustão é utilizada na fusão a cera. Quando você acende uma vela a cera dentro e próxima
ao pavio é derretida. O pavio absorve a cera líquida e puxa-a para cima (por capilaridade). O calor da chama vaporiza
a cera, e é o vapor da cera que se queima (combustível). A razão pela qual o pavio não se queima é porque a cera
vaporizando refrigera o pavio exposto e o protege da chama.
A combustão de uma vela pode ser representada pela equação genérica:
Podemos dividir o estudo da queima da vela em duas etapas. Na chama, ocorre um fenômeno químico. Pois, os
componentes orgânicos do pavio e a parafina reagem com O2, liberando energia, CO2, H2O, entre outras substâncias.
O aparecimento de uma nova substância, diferente da inicial, é indício de que ocorreu uma reação química. No corpo
da vela, podemos observar um fenômeno físico. Como uma pequena quantidade de parafina é queimada, o restante
apenas derrete ou se funde, solidificando-se em seguida, nota-se que há apenas uma mudança nos estados de
agregação da matéria.
Durante a queima da vela, os principais produtos desta combustão são realmente dióxido de carbono (CO2) e água
(H2O), mas não exclusivamente. Outros compostos também são formados, mesmo que em pequenas quantidades. As
estruturas químicas e quantidades destes subprodutos são de grande interesse, uma vez que aprendemos quão crucial
pode ser o de assegurar que as pessoas em uma sala, iluminadas por velas, não estão sujeitas a riscos de saúde.

O processo de combustão da vela envolve as seguintes


etapas:
- Fusão do combustível;
- Transporte do combustível através da ação capilar do pavio;
- A conversão do combustível líquido em gás;
- A decomposição térmica (pirólise) do combustível;
- A oxidação dos produtos da pirólise. A figura ao lado mostra o fluxo de calor e de ar no processo de
queima da vela. Observa-se que o comburente (O2) desloca-
se pelo lado de baixo da chama e acima os gases emitidos. O
ar quente desloca-se por convecção e desce mais frio.

Referências
http://www.quimica.seed.pr.gov.br/modules/galeria/detalhe.php?foto=1333&evento=3
http://web.ccead.puc-rio.br/condigital/mvsl/museu%20virtual/curiosidades%20e%20descobertas/Estudo_reacoes/introducao.html

Chemistry of the Christmas Candle — Part 1 :: ChemViews Magazine :: ChemistryViews


https://quimicaensinada.blogspot.com.br/2011/11/entenda-quimica-da-vela.html?m=1

http://www2.fc.unesp.br/experimentosdefisica/fte12.htm
http://clubedecienciaculturaearte.blogspot.com.br/2010/08/por-que-vela-queima.html

http://bloggdoyo.blogspot.com.br/2014/04/a-espetacular-quimica-de-uma-vela.html