Вы находитесь на странице: 1из 7

GUIÃO DE EDUCAÇÃO conhecimento, Género e cidadania no Ensino Secundário

1.9.

Construindo
práticas de cidadania

A
educação formal deve ser vista ativo/a nos seus grupos de pertença, como
apenas como uma das componentes defenderam Rolf Gollob e Peter Krapf (2007).
de um conjunto de políticas sociais Em suma, deverá ser responsável na forma como
e de programas que deverão ser exerce a sua cidadania, quer no desempenho
assumidos oficialmente e postos em prática de papéis privados (por exemplo, filha, esposa,
(com o devido acompanhamento e monitorização) marido, pai, filho, mãe), quer no desempenho
para a promoção de um sentido pleno de de papéis sociais e profissionais (por exemplo,
cidadania global em todas as pessoas. E para professor/a, educador/a, formador/a).
que tal ultrapasse uma mera declaração de
intenções, é indispensável não só a elaboração
Sendo indispensável a abordagem
de recursos pedagógicos e didáticos, mas
também o reequacionamento da formação inicial
da igualdade de género no âmbito
e contínua de quem tem responsabilidades da educação para a cidadania,
educativas e formativas. Ensinar, orientar e revela-se fundamental a formação
promover ações no âmbito da educação para e a consciencialização de todos os
a cidadania implica, antes de tudo, ser-se
agentes educativos para a importância
genuinamente cidadão ou cidadã. E isso apela
ao desenvolvimento de uma consciência crítica
do género na modelação dos
em torno do papel individual na manutenção das comportamentos desde os primeiros
desigualdades, devendo levar cada pessoa, nessa anos de vida das crianças. A atuação
sequência, à assunção de responsabilidades, das estereotipias de género tende a
ao respeito por si e pelos outros, à adoção de
ser sub-reptícia, os danos causados
valores de cariz universal e à promoção de uma
cultura de justiça, paz e solidariedade.
à autenticidade do desenvolvimento
individual tendem a ser equivalentes
Um cidadão ou uma cidadã informado/a, ativo/a para crianças de ambos os sexos e
e responsável deverá estar consciente dos seus a tomada de consciência deste facto
direitos e responsabilidades enquanto membro
por parte dos homens e das mulheres
da sociedade; deverá conhecer o mundo social
e político; deverá preocupar-se com o seu
pode nunca acontecer.
bem-estar e com o das outras pessoas; deverá
mostrar-se congruente em termos de opiniões A escola, dado o seu protagonismo não só
e práticas; deverá ser capaz de exercer algum na transmissão de conteúdos disciplinares,
tipo de influência sobre o mundo; e deverá ser mas também na formação do ser humano

054 CIG
ENQUADRAMENTO TEÓRICO l Género e Cidadania

enquanto membro de uma cidadania pode acontecer política, à convivência


sociedade que partilha valores em muitas esferas da vida de mútua em sociedade,
e pressupõe o usufruto de todos os dias, pode envolver
ao reconhecimento da
direitos e o exercício de pessoas de diferentes idades
deveres e responsabilidades, e deve ter um impacto de tal diferença, ao respeito
é vista aqui como podendo forma transformador que as pela alteridade e à
ter um papel realmente implicações daí decorrentes se edificação de um
transformador. Essas práticas estendam para lá do contexto futuro comum, firme do
transformadoras podem ser pessoal/local e tenham um
ponto de vista ético e
logo ensaiadas desde o jardim- papel positivo na construção
dos fundamentos de um mundo
indubitavelmente feliz.
-de-infância, que deve ser
encarado como um espaço por melhor. para tal, e parafraseando
excelência de vivência inicial Ana maria Cruz há que
de cidadania numa fase crucial partindo da certeza promover em todas
da vida das crianças para a de que o respeito as entidades com
apropriação de estereotipias33
pela liberdade e responsabilidades
– sendo as de género,
como vimos, fortemente
pela igualdade educativas das
normativas neste período do constituem valores gerações mais novas
desenvolvimento humano. fundamentais que e, também, nestas
sempre acompanharam últimas a reconstrução
No mundo globalizado em que a evolução do conceito de "olhares que não
vivemos, palco de múltiplas de cidadania, como sejam niveladores
identidades e espaços de
pode ler-se no valioso das diferenças, mas
participação, a educação e
a formação para a cidadania documento resultante profundamente
podem ocorrer na escola e em do Fórum Educação respeitadores das
todos os locais de vida dos para a Cidadania (2008), opções de vida das
cidadãos e das cidadãs, no torna-se imperioso pessoas, mulheres e
sentido de os e as capacitar transformar a abstração
para a participação individual
homens" (2001: 9).
que os caracteriza em
e coletiva nos espaços de
intervenção social envolventes.
estratégias educativas Dado que as instituições
O conceito de cidadania deve concretas. Esta forma escolares são uma parte
ser equacionado em termos geral de atuação, integrante da sociedade, as
da prática democrática ao que poderá assumir desigualdades nas escolas
nível dos contextos locais modalidades diversas, podem ser um sintoma, assim
e concretos, apesar de se como uma consequência, de
terá como objetivo
poderem equacionar hipóteses desigualdades mais alargadas.
principal dotar todos e No entanto, torna-se urgente
de participação múltipla, em
termos multinacionais. Além todas das competências que as desigualdades
do mais, aprender, ensinar, necessárias à educacionais sejam tomadas
ensaiar e praticar efetivamente participação cívica e em consideração, já que o

33 Cf.Fórum Educação para a Cidadania. Objectivos estratégicos e Recomendações para um Plano de Acção de Educação e de
Formação para a Cidadania (2008: 18).

por: Cristina C. Vieira (coord.), Conceição Nogueira e Teresa-Cláudia Tavares 055


GUIÃO DE EDUCAÇÃO conhecimento, Género e cidadania no Ensino Secundário

futuro dos e das estudantes enquanto cidadãos É verdade que a educação para a cidadania
e cidadãs, assim como o de toda a sociedade – assim como a educação de uma forma
civil, estará comprometido se eles e elas não geral – por si só não resolverá os problemas
receberem uma educação que lhes permita que as pessoas enfrentam no seu quotidiano.
desenvolver o seu potencial e participarem No entanto, pode chamar a atenção para as
ativamente na construção de uma sociedade responsabilidades individuais e para o exercício
que – sendo a democracia uma condição do das mesmas e assegurar que as pessoas estão
desenvolvimento e não uma causa – se pretende capazes de viver as suas vidas baseadas nos
cada vez mais democrática. A democracia princípios da paz, da harmonia, do respeito e da
requer, tanto o suporte efetivo das instituições tolerância e que saberão identificar a potencial
do Estado, como uma sociedade civil forte. violação desses modos de ser e de estar com
Não é suficiente que o Estado legisle de forma os outros cidadãos e cidadãs. Neste âmbito, a
a assegurar que as condições mínimas da educação para a cidadania deve perspetivar-se
democracia sejam conseguidas, nem é suficiente como um local privilegiado para a construção de
que se iniciem apenas discussões de questões uma educação emancipatória numa sociedade
controversas para tentar encontrar consensos. verdadeiramente democrática para mulheres
É também vital que, quer crianças e jovens, e homens, independentemente das suas
quer docentes participem nas discussões pertenças identitárias.
políticas, que sejam capazes de aprender
através dos erros e que construam de forma
ativa e empenhada um mundo que é o seu.

REFERêNCIAS BIBLIOGRáFICAS

AMÂNCIO Lígia (2001), “O género na psicologia: uma BASOW, Susan A. (1992), Gender, stereotypes and
história de desencontros e rupturas”, Psicologia, XX, roles (3rd Ed.), Pacific Grove, Brooks/Cole Publishing
1, pp. 9-26. Company.

AMÂNCIO Lígia (2002), “O género na psicologia BEAL, Carole R. (1994), Boys and girls: the development
social em Portugal: perspectivas actuais e of gender roles, New York, McGraw-Hill.
desenvolvimentos futuros”, ex aequo, 6, pp. 55-76.
BEASLEY, Chris (1999), What is feminism? An
ANDRÉ, Isabel Margarida (1999). “Igualdade de introduction to feminist theory, London, Sage.
Oportunidades: um longo percurso até chegar ao
BEM, Sandra (1981), “Gender schema theory:
mercado de trabalho”, Sociedade e Trabalho, 6,
A cognitive account of sex typing”, Psychological
pp. 98-99.
Review, 88, pp. 354-364.
ARAÚJO, Helena Costa (1998), “O Masculino, o
BEST, Deborah L. e WILLIAMS, John E. (1993),
Feminino e a Escola Democrática”, in Teresa Alario
“A cross-cultural viewpoint”, in Anne E. Beall e
Trigueros, Carmen Alario Trigueros e Carmen García
Robert J. Sternberg (Eds.), The Psychology of
Colmenares (coord.), Hacia una pedagogía de la
Gender, New York, Guilford Press, pp. 215-248.
igualdad, Salamanca, Amarú Ed., pp. 21-40.
BLOCK, Jeanne H. (1984), Sex Role Identity and
BANKS, James (2008), “Diversity and Citizenship
Ego Development, San Francisco, Jossey-Bass
Education in Global Times”, in James Arthur, Ian
Publishers.
Davies e Carole Hahn (Eds.), The Sage Handbook of
Education for Citizenship and Democracy, London, BRANDÃO, Eugénio (1979), Estereótipos em manuais
Sage, pp. 57-71. escolares, Lisboa, CCF.
BASOW, Susan A. (1986), Gender stereotypes. BROOKS-GUNN, Jeanne e MATTHEWS, Wendy S.
Traditions and alternatives, Monterey, Brooks/Cole (1979), He e She. How children develop their sex-
Publishing Company. role identity, Englewood Cliffs, Prentice-Hall, Inc.

056 CIG
ENQUADRAMENTO TEÓRICO l Género e Cidadania

BUSSEY, Key e BANDURA, Albert (1999), FEINGOLD, Alain (1994), “Gender differences in
“Social cognitive theory of gender development personality: A meta-analysis”, Psychological Bulletin,
and differentiation”, Psychological Review, 106, 4, 116, 3, pp. 429-456.
pp. 676-713.
FISKE, Susan T. e STEVENS, Laura A. (1993), ”What’s
BUTLER, Judith (2002), Cuerpos que Importan, so special about sex? Gender stereotyping and
Barcelona, Paidós. discrimination”, in Stuart Oskamp e Mark Costanzo
(Eds.), Gender Issues in Contemporary Society,
BUTLER, Judith (2006), Deshacer el Género, Barcelona,
Newbury Park: Sage, pp. 173-196.
Paidós.
FONSECA, Laura P. (2001), Culturas juvenis, percursos
CRAWFORD, Mary (1995), Talking difference. On gender
femininos. Experiências e Subjectividades na
and language, London, Sage.
Educação de Raparigas, Oeiras, Ed. Celta.
CRUZ, Ana Maria B. (2001), “Orientação escolar
e profissional na promoção da igualdade de FREEDMAN, Susan A. (1993), Speaking of gender
oportunidades: Reconstruir os nossos olhares”, identity: Theoretical approaches. Texto não publicado
in AAVV, Reconstruir os nossos olhares. O papel (EDRS nº 377 - 422)
da orientação escolar e profissional na promoção FREIRE, Paulo (1995), Política e Educação, São Paulo,
da igualdade de oportunidades, Coimbra, DREC, Cortez.
pp. 9-10.
FREIRE, Paulo (1997), Pedagogia da Autonomia.
DAVIES, Sara N. e GERGEN, Mary M. (1997), “Toward a Saberes necessários à prática educativa, São Paulo,
new psychology of gender opening conversations”, Luz e Terra.
in Mary M. Gergen e Sara N. Davies (Eds.), Toward
a new psychology of gender. A reader, New York, GARCÍA COLMENARES, Carmen (1997), “Más allá
Routledge, pp. 1-27. de las diferencias: hacia un modelo de persona no
estereotipado”, in Teresa Alario Trigueros e Carmen
DEAUX, Kay (1985), “Sex and gender”, Annual Review of García Colmenares, (coord.), Persona, Género y
Psychology, 36, pp. 49-81.
Education, Salamanca, Amarú Ed..
DEAUX, Kay (1998), “Sorry, wrong number – A reply
GLICK, Peter e FISKE, Susan T. (1999), “Sexism
to Gentile’s call”, in Dina L. Anselmi e Anne L. Law
and other ‘isms’: Independence, status, and the
(Eds.), Questions of gender. Perspectives and
ambivalent content of stereotypes”, in William B.
paradoxes, New York, McGraw-Hill, pp. 21-23.
Swann, Judith H. Langlois e Lucia A. Gilbert (Eds.),
DEAUX, Kay e KITE, Melissa (1993), “Gender Sexism and stereotypes in modern society. The
Stereotypes”, in Florence L. Denmark e Michele A. gender science of Janet Taylor Spence, Washington,
Paludi (Eds.), Psychology of Women. A Handbook American Psychological Association, pp. 193-221.
of Issues and Theories, Wesport, Greenwood Press,
GOLLOB, Rolf e KRAPF, Peter (2007) (Eds.), Living
pp. 107-139.
in democracy. EDC/HER lesson plans for lower
DEAUX, Kay e LaFRANCE, Marianne (1998), “Gender”, secondary level, Strasbourg, Council of Europe
in Daniel T. Gilbert, Susan T. Fiske e Gardner Lindzey Publishing.
(Eds.), The handbook of social psychology (vol. I)
(4th ed.), Boston, McGraw-Hill, pp. 788-827. GOLOMBOCK, Susan e FIVUSH, Robyn (1994), Gender
development, Cambridge, Cambridge University
DEAUX, Kay e LEWIS, Laurie L. (1984), “Structure Press.
of gender stereotypes: Interrelationships among
components and gender label”, Journal of Personality HARE-MUSTIN, Rachel e MARECEK, Jeanne (1988),
and Social Psychology, 46, 5, pp. 991-1004. “The meaning of difference: Gender theory,
postmodernism, and psychology”, American
EDWARDS, Valerie J. e SPENCE, Janet T. (1987), Psychologist, 43, pp. 455-464.
“Gender-related traits, stereotypes, and schemata”,
Journal of Personality and Social Psychology, 53, 1, HEATER, Derek (1990), Citizenship: The Civil Ideal in
pp. 146-154. World History, Politics and Education, London,
Longman.
EGAN, Susan K. e PERRY, David G. (2001), “Gender
identity: A multidimensional analysis with implications HEILMAN, Madeleine E. (2001), “Description and
for psychological adjustment”, Developmental prescription: How gender stereotypes prevent
Psychology, 37, 4, pp. 451-463. women’s ascent up the organizational ladder”,
Journal of Social Issues, 57, 4, pp. 657-674.
FAGOT, Beverly I. (1985), “Beyond the reinforcement
principle: Another step toward understanding sex HELWIG, Andrew A. (1998), “A Gender-role stereotyping:
role development”, Developmental Psychology, 21, 6, Testing theory with a longitudinal sample”, Sex Roles,
pp. 1097-1104. 38, 5/6, pp. 403-423.

por: Cristina C. Vieira (coord.), Conceição Nogueira e Teresa-Cláudia Tavares 057


GUIÃO DE EDUCAÇÃO conhecimento, Género e cidadania no Ensino Secundário

HENRIQUES, Fernanda (1994), Igualdades e diferenças. LYNTON, Hugh e ROMNEY, David M. (1991), “Parents
Propostas pedagógicas. Uma experiência do 1º differential socialization of boys and girls: A meta-
ciclo. Propostas de trabalho para a área-escola dos analyses”, Psychological Bulletin, 109, pp. 267-296.
2º e 3º ciclos e secundário, Porto, Porto Editora.
MACCOBY, Eleanor (1980), Social Development:
HENRIQUES, Fernanda e JOAQUIM, Teresa (1995), psychological growth and parent-child relationship,
Os materiais pedagógicos e o desenvolvimento de New York, Harcourt Brace Jovanovich, Inc.
uma educação para a igualdade entre os sexos,
Lisboa, CIDM. MACCOBY, Eleanor E. (1988), “Gender as a social
category”, Developmental Psychology, 24,
HENRIQUES, Fernanda, “Género e desejo. Da biologia à pp. 755-765.
cultura”, Cadernos de Bioética, Ano XII, nº 35, 2004,
pp. 33-49. MACCOBY, Eleanor E. (1998), The two sexes. Growing
up apart. Coming together, London, Harvard
HILTON, James L. e HIPPEL, William (1996), University Press.
“Stereotypes”, Annual Review of Psychology, 47,
pp. 237-271. MARSHALL, Thomas (1964), Class, citizenship and
social development, Essays. New York, Doubleday
HOWARD, Judith e HOLLANDER, Jocelyn (1997), & Company.
Gendered situations, gendered selves, London,
Sage. MATLIN, Margaret W. (1996), The psychology of
women (3rd ed.), Fort Worth, Harcourt Brace College
HUSTON, Aletha C. (1983), “Sex-typing”, in Paul H.
Publishers.
Mussen (series ed.) e E. Mavis Hetherington (volume
ed.), Handbook of child psychology (4th ed), New MEAD, Margaret (1970), O homem e a Mulher: um
York, John Wiley and Sons, pp. 440-467. estudo do sexo num mundo em transformação,
Lisboa, Editora Meridiano (obra original publicada em
HYDE, Janet S. (1981), “How large are cognitive
gender differences? A meta-analysis using w2 e d”, 1948).
American Psychologist, 36, 8, pp. 892-401. MEALY, Linda (2000), Sex differences. Developmental
HYDE, Janet S., FENNEMA, Elizabeth e LAMON, Susan and evolutionary strategies, San Diego, Academic
J. (1990), “Gender differences in mathematics Press.
performance: A meta-analysis”, Psychological MINTON, Henry L. e SCHNEIDER, Frank W. (1985),
Bulletin, 107, 2, pp. 139-155. Differential Psychology, Illinois, Waveland Press.
ITURRA, Raul (1990), Fugirás à escola para trabalhar NETO, António et al. (1999), Estereótipos de género,
a terra: Ensaios de antropologia social sobre o
Cadernos Coeducação, Lisboa, CIDM.
insucesso escolar, Lisboa, Escher.
NETO, Félix (1990), “Conhecimento dos estereótipos
JOAQUIM, Teresa (2004), “Ex-Aequo: Contributo
sexuais em crianças rurais e urbanas”, Revista
decisivo para um campo de estudos em Portugal”,
Portuguesa de Psicologia, 26, pp. 77-94
Estudos Feministas, 12, Set./Dez., pp. 88-93.
NETO, Félix (1997), “Gender stereotyping in Portuguese
KATZ, Phyllis A. e KSANSNAK, Keith R. (1994),
children living in Portugal and abroad: Effects of
“Developmental aspects of gender role flexibility and
migration, age, and gender”, Journal of Behavioural
traditionality in middle childhood and adolescence”,
Developmental Psychology, 30, 2, 272-282. Development, pp. 220-229.

KOLHBERG, Lawrence (1966), “A cognitive- NOGUEIRA, Conceição (2001), “Construcionismo social,


developmental analysis of children’s sex-role discurso e género”, Psicologia, XV, 1, pp. 43-65.
concepts and attitudes”, in Eleanor E. Maccoby (Ed.), NOGUEIRA, Conceição (2009), Interseccionalidade,
The development of sex differences, Stanford, CA, Conferência proferida no Congresso Luso-Brasileiro
Stanford University Press, pp. 82-173. de Ciências Sociais, Braga, Universidade do Minho,
LEAL, Ivone (1979), A imagem feminina nos manuais Fev. de 2009.
escolares, Lisboa, Edições C.C.F.
O’SHEA, Karen (2003), Educação para a cidadania
LISTER, Ruth (1997), Citizenship: Feminist Perspectives, democrática 2001-2004. Desenvolver uma
Basingstoke, Macmillan. compreensão partilhada. Glossário de termos
de educação para a cidadania democrática,
LOPEZ-CORDON CORTEZO, Maria Victoria (2006), Estrasburgo, Conselho da Europa (documento
“Joan Scott y la historiografía modernista en España: policopiado).
influencias y desencuentros”, in Cristina Borderías,
(Ed.), Joan Scott y las políticas de la historia, OAKLEY, Ann (1972), Sex, Gender and Society, London,
Barcelona, Icaria Ed., pp. 145-167. Temple Smith.

058 CIG
ENQUADRAMENTO TEÓRICO l Género e Cidadania

PARSONS, Talcott e BALES, Robert (1955), Family, SANTROCK, John W. (1998), Adolescence (7th edition),
socialization and interaction process, New York, Boston, McGraw-Hill.
The Free Press.
SCOTT, Joan Wallach (1994), “A mulher trabalhadora”,
PERROT, Michelle (1998), “Identité, Egalité, Différence. in Georges Duby, e Michelle Perrot (dir.), História
Le regard de l’Histoire”, in Les Femmes ou les das Mulheres no Ocidente, vol. 4, Geneviève
silences de l’Histoire, Paris, Flammarion, pp. 401- Fraisse e Michelle Perrot (dir.), O Século XIX, Porto,
404. Ed. Afrontamento, pp. 443-475.
PIAGET, Jean (1932), The Moral Judgement of the Child, SCOTT, Joan Wallach (2008), “Género: Uma Categoria
NY, Harcourt, Brace Jovanovich. Útil de Análise Histórica”, in Ana Isabel Crespo et al.
(org.), Variações sobre sexo e género, Lisboa, Livros
PINTASILGO, Maria de Lourdes (1992), “As mulheres, a
Horizonte.
cidadania e a sociedade activa”, Revista Crítica de
Ciências Sociais, nº 50, pp. 15-26. SHAFFER, David R. (1994), Social and Personality
Development, California, Brooks/Cole Publishing
PINTO, Teresa (2007), “Educação e Políticas para a
Company.
Igualdade em Portugal. Balanço e Prospectiva”, in
Lígia Amâncio, Manuela Tavares, Teresa Joaquim e SIGNORELLA, Margaret L. (1999), “Multidimensionality
Teresa Sousa de Almeida (Org.), O longo caminho of gender schemas: Implications for the development
das mulheres. Feminismos 80 anos depois, Lisboa, of gender-related characteristics”, in William B.
Publicações Dom Quixote, pp. 141-154. Swann, Judith H. Langlois e Lucia A. Gilbert (Eds.),
Sexism and stereotypes in modern society. The
POULIN-DUBOIS, Diana, SERBIN, Lisa A. e
gender science of Janet Taylor Spence, Washington,
DERBYSHIRE, Alison (1994), “Toddlers’ intermodal
American Psychological Association, pp. 107-126.
and verbal knowledge about gender”, Merrill-Palmer
Quarterly, 44, 3, pp. 338-347. SIGNORELLA, Margaret, BIGLER, Rebeca S. e
LIBEN, Lynn S. (1993). “Developmental differences
ROCHA, Fernanda (2009), Família e Jardim de Infância:
in children´s gender schemata about others. A
Representações sociais de Género, Tese de
meta-analytic review”, Developmental Review, 13,
Mestrado não publicada, Aveiro, Universidade de
pp. 147-183.
Aveiro.
SILVA, Ana da et al. (1999), A narrativa na promoção da
ROCHEBLAVE-SPENLÉ, Anne-Marie (1964), Les rôles
igualdade de género. Contributos para a educação
masculins et féminins, Paris, PUF.
pré escolar, Lisboa, CIDM.
ROSANVALLON, Pierre (1995), “A História do Voto das
SIMÕES, António (1985), “Estereótipos relacionados
Mulheres. Reflexão sobre a especificidade francesa”,
com os idosos”, Revista Portuguesa de Pedagogia,
in Georges Duby e Michelle Perrot (Org.), As
XIX, pp. 207-234.
Mulheres e a História, Lisboa, D. Quixote, pp. 73-74.
SPENCE, Janet T. (1985), “Gender identity and its
RUBLE, Diane N. e MARTIN, Carol L. (1998), “Gender
implications for the concepts of masculinity and
development”, in William Damon (series ed.) e Nancy
femininity”, in Theo B. Sonderegger (Ed.). Nebraska
Eisenberg (vol. ed.), Handbook of Child Psychology.
symposium on motivation: Psychology and gender,
Vol. 3: Social, emotional and personality development
Lincoln, University of Nebraska Press, pp. 59-95.
(5th ed.), New York, Wiley, pp. 933-1016.
SPENCE, Janet T. (1993), ”Women, men, and society:
SAAVEDRA, Luísa (1997), “Assistentes Sociais,
Plus ça change, plus c’ est la même chose”, in Stuart
Engenheiras e Taxistas: Uma Análise dos Estereótipos
Oskamp e Mark Costanzo (Eds.), Gender Issues
do Género”, Revista de Educação, VI, 2, pp. 93-105.
in Contemporary Society, Newbury Park, Sage,
SAAVEDRA, Luísa (2005), Aprender a ser rapariga, pp. 3-17.
aprender a ser rapaz: teorias e práticas da escola,
SPENCE, Janet T. (1999), “Thirty years of gender
Coimbra, Almedina.
research: A personal chronicle”, in William B. Swann,
SAAVEDRA, Luísa e NOGUEIRA, Conceição (1999), Judith H. Langlois e Lucia A. Gilbert (Eds.), Sexism
“Investigação-acção e pedagogia crítica: estudo and stereotypes in modern society. The gender
preliminar de uma turma do 4ª ano do ensino science of Janet Taylor Spence, Washington,
básico”, Psicologia: teoria, investigação e prática, American Psychological Association,
4, 1, pp. 131-139. pp. 255-289.

SANTOS, Boaventura de Sousa (1991), “A Transição SZKRYBALO, Joel e RUBLE, Diane N. (1999), “«God
Paradigmática: da Regulação à Emancipação”, made me a girl»: Sex-category constancy judgments
in Manuel Maria Carrilho (org.), Dicionário do and explanations revisited”, Developmental
Pensamento Contemporâneo, Lisboa, Dom Quixote. Psychology, 35, 2, pp. 392-402.

por: Cristina C. Vieira (coord.), Conceição Nogueira e Teresa-Cláudia Tavares 059


GUIÃO DE EDUCAÇÃO conhecimento, Género e cidadania no Ensino Secundário

TIMM, Annette F. e SANBORN, Joshua A. (2007), na família e na escola: Obstáculos reais a uma
Gender, Sex and the Shaping of Modern Europe. verdadeira formação cívica”, in Carlos Reis, João J.
A History from the French Revolution to the Present Boavida e Virgílio Bento (Coord.), Escola: Problemas
Day, New York, Berg. e Desafios, Guarda, Centro de Estudos Ibéricos,
pp. 183-200.
UNGER, Rhoda K. (1998), Resisting gender. Twenty-five
years of feminist psychology, London, Sage. VOGEL-POLSHY, Eliane (1991), As acções positivas
e os obstáculos constitucionais e legislativos que
VIEIRA, Cristina C. (2003), Educação e desenvolvimento
dificultam a sua aplicação nos Estados membros
do género. Os trilhos percorridos na família, Tese de
do Conselho da Europa, Cadernos da Condição
Doutoramento não publicada, Coimbra, Universidade
Feminina, nº 25, Lisboa, Comissão para a Igualdade
de Coimbra.
e os Direitos das Mulheres.
VIEIRA, Cristina C. (2004), “Capacidades cognitivas e
WEST, Candace e ZIMMERMAN, Don H. (1991),
percursos escolares dos rapazes e das raparigas”,
“Doing gender”, in Judith Lorber e Susan A. Farrell
Psicologia, Educação e Cultura, VIII, 1, pp. 37-52.
(Eds.), The social construction of gender, California,
VIEIRA, Cristina C. (2006), É menino ou menina? Género Sage Publications Inc., pp. 13-37.
e educação em contexto familiar, Coimbra, Almedina.
WILLIAMS, John E. e BEST, Deborah L. (1990),
VIEIRA, Cristina C. (2007), Educação familiar. Estratégias Measuring sex stereotypes. A multination study,
para a promoção da igualdade de género, Colecção Newbury Park, Sage Publications Inc..
Mudar as Atitudes nº 15, Lisboa, Comissão para a
YEE, Mia e BROWN, Rupert (1994), “The development
Cidadania e Igualdade de Género.
of gender differentiation in young children”, British
VIEIRA, Cristina C. (2009), “Indicadores de uma Journal of Social Psychology, 33, pp. 183-196.
socialização diferencial do rapaz e da rapariga

060 CIG