Вы находитесь на странице: 1из 5

23/02/2018 ‘Ensinai-os a observar todas as coisas que vos ordenei’ — BIBLIOTECA ON-LINE da Torre de Vigia

‘Ensinai-os a observar todas as coisas que vos


ordenei’
“Ide, portanto, e fazei discípulos . . ., ensinando [as pessoas] a observar todas as
coisas que vos ordenei.” — MATEUS 28:19, 20.

1. Que conversa houve entre o discípulo Filipe e um homem da Etiópia?

O HOMEM saiu da Etiópia e viajou até Jerusalém. Ali ele adorou o Deus de Israel, Jeová, a quem amava. Pelo
visto, amava também a Palavra inspirada de Deus. Enquanto voltava para o seu país, sentado na sua
carruagem, lia uma cópia dos escritos do profeta Isaías. Foi ali que Filipe, discípulo de Cristo, o encontrou.
Filipe perguntou ao etíope: “Sabes realmente o que estás lendo?” O homem respondeu: “Como é que eu
posso, a menos que alguém me guie?” Filipe passou a ajudar esse estudante sincero das Escrituras a se
tornar discípulo de Cristo. — Atos 8:26-39.

2. (a) De que modo a resposta do etíope é significativa? (b) Que perguntas relacionadas com a comissão de Cristo, de fazer
discípulos, consideraremos agora?

2  A resposta do etíope é digna de nota. Ele disse: “Como é que eu posso, a menos que alguém me guie?” De
fato, ele precisava de alguém para orientá-lo, de uma pessoa que o ajudasse a entender. De modo que esse
comentário ilustra a importância de uma instrução específica que Jesus incluiu na sua comissão de fazer
discípulos. Que instrução? Para obtermos a resposta, continuemos a nossa consideração das palavras de
Jesus, encontradas no capítulo 28 de Mateus. O artigo anterior enfocou as perguntas: por que e onde?
Agora consideraremos mais duas perguntas relacionadas com a ordem de Cristo, de fazer discípulos — o
que e quando?

“Ensinando-as a observar todas as coisas”


3. (a) Como alguém se torna discípulo de Jesus Cristo? (b) Fazer discípulos inclui o quê?

3  O que temos de ensinar para ajudar outros a se tornarem discípulos de Cristo? Jesus ordenou aos seus
seguidores: “Ide, portanto, e fazei discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em o nome do
Pai, e do Filho, e do espírito santo, ensinando-as a observar todas as coisas que vos ordenei.” (Mateus 28:19,
20) De modo que temos de ensinar as coisas que Cristo ordenou.* O que, porém, vai garantir que a pessoa
a quem se ensinam os mandamentos de Jesus não só se tornará, mas também continuará sendo um
discípulo? Pode-se ver um fator básico na cuidadosa escolha de palavras de Jesus. Note que ele não disse
apenas: ‘Ensinai-lhes todas as coisas que vos ordenei.’ Mas ele disse: ‘Ensinai-lhes a observar todas as coisas
que vos ordenei.’ (Mateus 19:17) O que envolve isso?

4. (a) O que significa observar uma ordem? (b) Ilustre como ensinamos alguém a observar as ordens de Cristo.

4  Observar uma ordem significa “conformar-se a” ela — obedecê-la, guardá-la. Então, como ensinamos
alguém a observar, ou obedecer, o que Cristo mandou? Bem, pense em como o instrutor de uma auto-
escola ensina seus alunos a observar as leis de trânsito. Ele pode ensinar-lhes essas leis sem sair da sala de
aula. Todavia, é nas ruas, durante as aulas práticas de direção, que o instrutor vai poder ensinar-lhes como
obedecer às leis de trânsito, à medida que os alunos se esforçam para aplicar o que aprenderam. Do mesmo
modo, quando estudamos a Bíblia com alguém, ensinamos-lhe os mandamentos de Cristo. No entanto,
precisamos orientar os estudantes que se esforçam a aplicar as instruções de Cristo na sua vida diária e no
ministério. (João 14:15; 1 João 2:3) De modo que cumprir plenamente a ordem de Cristo de fazer discípulos
https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2004483 1/5
23/02/2018 ‘Ensinai-os a observar todas as coisas que vos ordenei’ — BIBLIOTECA ON-LINE da Torre de Vigia

requer que demos tanto instrução como orientação. Assim imitamos o exemplo dado por Jesus e pelo
próprio Jeová. — Salmo 48:14; Revelação (Apocalipse) 7:17.

5. Por que a pessoa que estuda a Bíblia conosco talvez hesite em obedecer à ordem de Cristo de fazer discípulos?

5  Ensinar outros a observar as ordens de Jesus inclui ajudá-los a acatar a ordem de fazer discípulos. Isso
pode ser muito difícil para alguns que estudam a Bíblia conosco. Mesmo que eles tenham sido membros
ativos de alguma igreja da cristandade, é pouco provável que seus anteriores instrutores religiosos lhes
tenham ensinado a ir e fazer discípulos. Alguns líderes religiosos admitem francamente que uma grande
falha das igrejas da cristandade é não ensinar seu rebanho a evangelizar. Comentando a ordem de Jesus, de
ir ao mundo e ajudar todo tipo de pessoas a se tornarem discípulos, o erudito bíblico John R. W. Stott
observou: “Nossa falha em obedecer às implicações dessa ordem é a maior fraqueza dos cristãos
evangélicos no campo do evangelismo hoje em dia.” Ele acrescentou: “Nós procuramos proclamar a nossa
mensagem à distância. Às vezes nos parecemos com pessoas que, estando em segurança na praia, gritam
avisos para homens que se afogam. Não pulamos na água para resgatá-los. Temos medo de nos molhar.”

6. (a) Ao ajudarmos um estudante da Bíblia, como podemos imitar o exemplo de Filipe? (b) Como podemos mostrar
consideração para com um estudante da Bíblia quando ele começa a participar na pregação?

6  Se alguém que estuda a Bíblia conosco pertencia a uma igreja cujos membros têm ‘medo de se molhar’,
pode ser que seja um desafio superar o medo da água, por assim dizer, e obedecer à ordem de Cristo, de
fazer discípulos. Precisará de ajuda. Portanto, temos de ser pacientes ao lhe darmos esse tipo de instrução e
orientação, que aprofunda o seu entendimento e o induz a agir, assim como os ensinos de Filipe
esclareceram o etíope e o motivaram a ser batizado. (João 16:13; Atos 8:35-38) Além disso, nosso desejo de
ensinar os estudantes da Bíblia a acatar a ordem de fazer discípulos nos faz ficar ao seu lado para orientá-
los quando dão os primeiros passos na pregação do Reino. — Eclesiastes 4:9, 10; Lucas 6:40.

“Todas as coisas”
7. Ensinar outros a ‘observar todas as coisas’ inclui ensinar-lhes que mandamentos?

7  Não nos limitamos a apenas ensinar novos discípulos a fazer discípulos. Jesus ordenou que ensinássemos
outros a “observar todas as coisas” que ele ordenou. Isso certamente inclui os dois maiores mandamentos
— amar a Deus e amar o próximo. (Mateus 22:37-39) Como se pode ensinar um novo discípulo a observar
esses mandamentos?

8. Ilustre como se pode ensinar a um novo discípulo o mandamento de amar.

8  Pense de novo na ilustração de quem está aprendendo a dirigir. Ao passo que a pessoa dirige no trânsito
ao lado do seu instrutor, aprende não apenas por ouvi-lo, mas também por observar outros motoristas. Por
exemplo, o instrutor talvez fale a respeito de um motorista que bondosamente dá passagem a outro carro
no trânsito; ou talvez fale sobre um motorista que mostra cortesia por usar o farol baixo para não cegar
outros motoristas que vêm no sentido contrário; ou fale de um outro que oferece ajuda a um conhecido
cujo carro deu problema. Esses exemplos ensinam ao aluno lições valiosas, que ele pode pôr em prática ao
dirigir um carro. De modo similar, o novo discípulo que percorre o caminho da vida não só aprende do seu
instrutor, mas também dos excelentes exemplos que observa na congregação. — Mateus 7:13, 14.

9. Como o novo discípulo aprende o que significa observar o mandamento de amar?

9  Por exemplo, o estudante da Bíblia talvez note que certa mãe sem cônjuge faz muito esforço para ir ao
Salão do Reino com seus filhos pequenos. Talvez veja uma pessoa deprimida que vai fielmente às reuniões
apesar de sua luta com a depressão, uma viúva idosa que leva outras idosas em seu carro para todas as

https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2004483 2/5
23/02/2018 ‘Ensinai-os a observar todas as coisas que vos ordenei’ — BIBLIOTECA ON-LINE da Torre de Vigia

reuniões congregacionais, ou um adolescente que participa na limpeza do Salão do Reino. O estudante da


Bíblia talvez observe um ancião da congregação que toma fielmente a dianteira no serviço de campo,
apesar das suas muitas responsabilidades na congregação. Talvez chegue a conhecer uma Testemunha de
Jeová que tem deficiência física e não pode sair de casa, mas que é motivo de encorajamento espiritual para
todos os que a visitam. O estudante talvez veja um casal que está fazendo mudanças grandes na vida para
cuidar dos seus pais idosos. Por observar e seguir o exemplo desses cristãos bondosos, prestimosos e
confiáveis, o novo discípulo aprende o que significa obedecer ao mandamento de Cristo, de amar a Deus e
ao próximo, especialmente os concrentes. (Provérbios 24:32;João 13:35; Gálatas 6:10; 1 Timóteo
5:4, 8; 1 Pedro 5:2, 3) Desse modo, todos os membros da congregação cristã podem — e devem — dar
instrução e orientação. — Mateus 5:16.

“Até à terminação do sistema de coisas”


10. (a) Por quanto tempo continuaremos a fazer discípulos? (b) Que exemplo Jesus deu a respeito de se cumprir
designações?

10  Até quando devemos continuar a fazer discípulos? Durante toda a terminação do sistema de coisas.
(Mateus 28:20) Será que cumpriremos esse aspecto da comissão de Jesus? Nós, como congregação
mundial, estamos decididos a cumpri-la. No decorrer dos anos, temos usado de bom grado nosso tempo,
energia e recursos para encontrar os “corretamente dispostos para com a vida eterna”. (Atos 13:48)
Atualmente, em todo o mundo, as Testemunhas de Jeová gastam em média mais de três milhões de horas
por dia na pregação do Reino e em fazer discípulos. Fazemos isso porque seguimos o exemplo de Jesus. Ele
declarou: “Meu alimento é eu fazer a vontade daquele que me enviou e terminar a sua obra.” (João 4:34)
Desejamos de coração fazer isso. (João 20:21) Queremos fazer mais do que apenas iniciar a obra que se nos
confiou; queremos terminá-la. — Mateus 24:13; João 17:4.

11. O que tem acontecido a alguns de nossos irmãos cristãos, e que pergunta devemos fazer a nós mesmos?

11  No entanto, entristece-nos notar que alguns de nossos irmãos cristãos ficaram espiritualmente fracos e,
em resultado disso, diminuíram o passo ou pararam de cumprir a ordem de Cristo de fazer discípulos.
Podemos de algum modo ajudá-los a voltar a se associar com a congregação e a participar novamente
nesta obra? (Romanos 15:1; Hebreus 12:12) O modo como Jesus ajudou seus apóstolos, quando ficaram
temporariamente fracos, indica o que nós podemos fazer hoje em dia.

Mostre que se preocupa


12. (a) Pouco antes da morte de Jesus, o que os apóstolos fizeram? (b) Como Jesus tratou os seus apóstolos apesar de
terem mostrado sérias fraquezas?

12  No final do ministério de Jesus na Terra, quando sua morte era iminente, os apóstolos “o abandonaram e
fugiram”. Conforme Jesus predissera, eles foram “espalhados cada um para a sua própria casa”. (Marcos
14:50; João 16:32) Como Jesus tratou os seus companheiros espiritualmente fracos? Pouco depois da sua
ressurreição, ele disse a alguns dos seus seguidores: “Não temais! Ide, relatai isso a meus irmãos, a fim de
que vão para a Galiléia; e ali me verão.” (Mateus 28:10) Embora os apóstolos tivessem mostrado sérias
fraquezas, Jesus ainda os chamou de “meus irmãos”. (Mateus 12:49) Não tinha desistido deles. Dessa forma,
Jesus foi misericordioso e perdoador, assim como Jeová é. (2 Reis 13:23) Como podemos imitar a Jesus?

13. Como devemos encarar os que se tornaram espiritualmente fracos?

13  Devemos ter profundo interesse nos que diminuíram o passo ou pararam de participar no ministério.
Ainda nos lembramos do seu amor e das boas obras que esses irmãos realizaram no passado — alguns
https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2004483 3/5
23/02/2018 ‘Ensinai-os a observar todas as coisas que vos ordenei’ — BIBLIOTECA ON-LINE da Torre de Vigia

deles talvez por décadas. (Hebreus 6:10) Sentimos muita falta do seu companheirismo. (Lucas
15:4-7;1 Tessalonicenses 2:17) No entanto, como podemos mostrar nossa preocupação com eles?

14. Imitando a Jesus, como podemos ajudar os mais fracos?

14  Jesus disse aos apóstolos desanimados que deviam ir à Galiléia e que ele os veria ali. Na realidade, Jesus
os convidou para uma reunião especial. (Mateus 28:10) Hoje, de modo similar, encorajamos os
espiritualmente fracos a assistir às reuniões da congregação cristã, e talvez tenhamos de fazer isso mais de
uma vez. No caso dos apóstolos, o convite surtiu efeito, pois “os onze discípulos foram para a Galiléia, para
o monte que Jesus lhes designara”. (Mateus 28:16) Como ficamos alegres quando os mais fracos também
reagem assim ao nosso cordial convite e começam a assistir às reuniões cristãs novamente! — Lucas 15:6.

15. Como podemos imitar o exemplo de Jesus em acolher os fracos que vêm ao nosso local de reunião?

15  Como reagimos quando um cristão mais fraco vem ao Salão do Reino? Bem, o que Jesus fez quando viu
seus apóstolos, cuja fé havia ficado temporariamente fraca, no local designado para a reunião? “Jesus,
aproximando-se, falou-lhes.” (Mateus 28:18) Não ficou de longe observando-os, mas dirigiu-se a eles.
Imagine como os apóstolos devem ter-se sentido aliviados quando Jesus tomou essa iniciativa! Que nós
também tomemos a iniciativa e recebamos cordialmente os espiritualmente fracos que fazem o esforço de
voltar à congregação cristã.

16. (a) O que podemos aprender da maneira de Jesus lidar com os seus seguidores? (b) Como podemos refletir o modo de
Jesus encarar os mais fracos? (Veja a nota.)

16  O que mais Jesus fez? Primeiro, ele fez um anúncio: “Foi-me dada toda a autoridade.” Segundo, deu-lhes
uma designação: “Ide, portanto, e fazei discípulos.” Terceiro, fez uma promessa: “Estou convosco todos os
dias.” Mas notou o que Jesus não fez? Ele não repreendeu os discípulos pelas suas falhas e dúvidas. (Mateus
28:17) A sua maneira de lidar com a situação foi eficiente? Sim. Em pouco tempo, os apóstolos estavam de
novo ‘ensinando e declarando as boas novas’. (Atos 5:42) Por seguirmos o exemplo de Jesus quanto a como
encarar e tratar os mais fracos, podemos esperar ter os mesmos resultados animadores na nossa
congregação local.* — Atos 20:35.

“Estou convosco todos os dias”


17, 18. Que pensamentos fortalecedores contêm as palavras de Jesus, “estou convosco todos os dias”?

17  As últimas palavras da comissão de Jesus, “estou convosco todos os dias”, contêm uma idéia fortalecedora
para todos os que se esforçam a cumprir a ordem de Cristo de fazer discípulos. Não importa o quanto os
inimigos se oponham à pregação do Reino e que calúnias possam lançar contra nós, não temos nenhum
motivo para ter medo. Por que não? Porque Jesus, nosso Líder, que tem “toda autoridade no céu e na terra”,
está conosco para nos apoiar!
18  A promessa de Jesus, “estou convosco todos os dias”, é também motivo de grande consolo. Ao passo que
nos esforçamos em cumprir a ordem de Cristo de fazer discípulos, temos alegria, mas também algumas
tristezas. (2 Crônicas 6:29) Alguns de nós passamos por períodos tristes quando perdemos na morte alguém
que amamos. (Gênesis 23:2; João 11:33-36) Outros têm de lidar com a idade avançada, ao passo que a
saúde e o vigor vão diminuindo. (Eclesiastes 12:1-6) Ainda outros enfrentam dias em que são dominados
por sentimentos de depressão. (1 Tessalonicenses 5:14) E um crescente número de nós luta com severas
dificuldades econômicas. No entanto, apesar de tais desafios, somos bem-sucedidos em nosso ministério,
porque Jesus está conosco “todos os dias”, inclusive nos dias mais difíceis da nossa vida. — Mateus 11:28-
30.

https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2004483 4/5
23/02/2018 ‘Ensinai-os a observar todas as coisas que vos ordenei’ — BIBLIOTECA ON-LINE da Torre de Vigia

19. (a) A comissão de Jesus, de fazer discípulos, contém que instruções? (b) O que nos habilita a cumprir a comissão de
Cristo?

19  Conforme vimos neste artigo e no anterior, a comissão de Jesus de fazer discípulos é abrangente. Jesus
nos disse por que e onde devemos cumprir a sua ordem. Ele nos disse também o que devemos ensinar e
até quando devemos fazê-lo. Deve-se admitir que cumprir essa grande comissão é um desafio.
Mas podemos cumpri-la, pois Cristo está conosco e temos a autoridade dele para nos apoiar. Não concorda?

[Nota(s) de rodapé]

Uma obra de referências salienta que Jesus disse “batizando-as . . . ensinando-as”, não ‘batizando-
as e ensinando-as’. Portanto, a ordem de batizar e de ensinar “não são estritamente . . . dois atos
sucessivos”. Em vez disso, “o ensino é um processo contínuo, que precede, em parte, ao batismo . . . e
segue, em parte, o batismo”.

Informações adicionais sobre como encarar e ajudar os mais fracos se encontram em A Sentinela de 1.° de
fevereiro de 2003, páginas 15-18.

Como responderia?

• Como ensinamos outros a observar o que Jesus ordenou?

• Que lições o novo discípulo pode aprender de outros na congregação?

• O que podemos fazer para ajudar os que se tornaram espiritualmente fracos?

• Que força e consolo nos dá a promessa de Jesus: “Estou convosco todos os dias”?

[Fotos na página 15]

Temos de dar tanto instrução como orientação

[Fotos na página 17]

Um novo discípulo aprende lições valiosas do exemplo dos outros

https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2004483 5/5