Вы находитесь на странице: 1из 34

Fundamentos de Cinesiologia Aplicados à Educação Física

Material Teórico

Material Teórico Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Responsável pelo Conteúdo:
Material Teórico Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Responsável pelo Conteúdo:

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Responsável pelo Conteúdo:

Prof. Ms. Eric leal Avigo

Revisão Textual:

Prof. Ms. Claudio Brites

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular • Introdução à Cinesiologia do Sistema
Considerações Cinesiológicas dos
Sistemas Ósseo, Articular e Muscular
• Introdução à Cinesiologia do Sistema Musculoesquelético
• Cinesiologia do Sistema Ósseo
• Cinesiologia do Sistema Articular
• Cinesiologia do Sistema Muscular
OBJETIVO DE APRENDIZADO
· Compreender os principais aspectos relacionados ao sistema
musculoesquelético, relacionando as diferentes cargas mecânicas que
atuam no ser, os diferentes tipos de articulações e de ação muscular,
bem como o papel do musculoesquelético para a realização do
movimento humano.
· Tratar dos principais efeitos da prática de atividade física para cada
um dos sistemas, ósseo, articular e muscular.
· Relacionar o conhecimento à futura atuação profissional.
ORIENTAÇÕES
Seja bem-vindo(a) às nossas discussões sobre crescimento e desenvolvimento
humano aplicados à Educação Física!
Saiba que esta Disciplina tem como propósito o estudo das alterações das
estruturas e funções dos sistemas orgânicos decorrentes do crescimento
e alterações do processo de maturação biológica, bem como os efeitos e
importância da atividade física para promoção destas alterações nas várias
faixas etárias ao longo do ciclo vital, e isso lhe oferecendo contato com as
discussões mais recentes dessa área; além de lhe proporcionar momentos
de leitura – textual e audiovisual – e reflexão sobre os temas que serão aqui
discutidos, contribuindo com sua formação continuada e trajetória profissional.
Esta Disciplina está organizada em seis unidades, cujo eixo principal é as
mudanças que ocorrem no ser desde a concepção até a morte, ou seja, que
dê conta de conceituar a terminologia utilizada; diferenciar idade cronológica
e biológica e sua relação com crescimento; estudar os principais conceitos
e teorias no estudo do desenvolvimento motor; aplicar conhecimentos
adquiridos pensando nas possíveis intervenções do educador físico nas
diferentes fases da vida, seja ainda na primeira infância, na infância,
na adolescência, na vida adulta e no envelhecimento. Isso é o que você
encontrará nas próximas unidades. Está preparado(a) para embarcar nesta
viagem de estudos sobre o ciclo de vida do ser?

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular 6

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular 6
6
6
UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular 6
Contextualização Já parou para pensar nessa fantástica máquina que é o organismo humano? Ossos, articulações,

Contextualização

Já parou para pensar nessa fantástica máquina que é o organismo humano? Ossos, articulações, músculos, todos atuando em conjunto para realização do movimento humano, todos comandados por neurônios que fazem parte de um sistema superior, nosso cérebro, além, é claro, de outros sistemas importantes. Na verdade, a comparação a uma máquina supertecnológica ainda é singela, o organismo humano vai muito além disso, afinal, o ser é pensante, autônomo, crítico, algo que as máquinas poderão nunca conseguir superar.

algo que as máquinas poderão nunca conseguir superar. Fonte: iStock/Getty Images Será que conhecer os sistemas

Fonte: iStock/Getty Images

Será que conhecer os sistemas corporais diretamente envolvidos com o movimento humano favorece a atuação de profissionais que lidam justamente com o movimento? Sem sombra de dúvida! Esse deve ser seu foco, seu objetivo principal ao iniciar o estudo desta Unidade.

Aproveite a oportunidade para conhecer melhor o organismo humano e, consequentemente, melhorar sua formação quanto profissional que lida com o movimento humano.

7 7
7
7
o organismo humano e, consequentemente, melhorar sua formação quanto profissional que lida com o movimento humano.

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Introdução à Cinesiologia do Sistema

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Introdução à Cinesiologia do Sistema Musculoesquelético

Comumente, denomina-se sistema musculoesquelético o conjunto dos sistemas ósseo (ou esquelético), articular (também podendo ser referido como parte do sistema esquelético) e muscular. Logo, pode-se dizer, simplificadamente, que o sistema mus- culoesquelético é formado pelos sistemas esquelético e muscular. O sistema esquelé- tico, formado por cerca de 206 ossos, é interligado pelo sistema articular, formado por cartilagens e ligamentos, dentre os outros tecidos específicos das articulações do corpo humano. Já o sistema muscular leva em consideração os diferentes teci- dos musculares, inclusive os tendões, responsáveis principalmente por conectar os músculos aos diversos ossos corporais. Perceba que esses sistemas são interligados e, obviamente, apesar de muitas vezes serem estudados separados, devem sempre ser relacionados como integrantes de um mesmo sistema complexo que, inclusive, comunica-se com outros sistemas importantes, como o sistema nervoso.

Apesar de difíceis de serem separados, os sistemas ósseo, articular e muscular serão abordados separadamente, em seus principais aspectos, os quais devem ser suficientes para fornecer subsídios a você, futuro(a) profissional de Educação Física, para o entendimento básico do funcionamento do ser humano enquanto se movimenta. O conhecimento da anatomia básica desses sistemas é fundamental, já que nos ateremos à funcionalidade desses sistemas no movimento humano. Assim, é importante que você tenha fácil acesso a um bom atlas de anatomia, para que seja possível sanar eventuais dúvidas comuns que possam existir relacionadas à localização e função de alguns tecidos corporais.

à localização e função de alguns tecidos corporais.   Trocando ideias Importante! Já parou para
 

Trocando ideias

Importante!

Já parou para pensar o quão fascinante e específico é o movimento humano? Apesar disso, você acredita que mesmo assim é possível estudá-lo, compreendê-lo, bem como propor intervenções utilizando do entendimento do mesmo? Por que nem todos os segmentos corporais podem ser movimentados da mesma forma? Por que, de alguma forma, somos restritos à realização de uns ou outros movimentos em certas articulações? Qual o papel muscular nesse ou naquele movimento? Como você poderá

utilizar de seu conhecimento em cinesiologia para propor aprendizagem do movimento

e

pelo movimento humano? Como poderá evitar fatores negativos comuns à pratica de

atividade física, como dificuldades na realização da prática, dores ou até mesmo lesões nos diferentes tecidos ósseo, articular e muscular?

O

estudo em cinesiologia por si não lhe garantirá o entendimento completo em todos

esses aspectos, entretanto, trará grande conhecimento que certamente contribuirá para

a

sua formação e futura atuação profissional.

8
8
trará grande conhecimento que certamente contribuirá para a sua formação e futura atuação profissional. 8
Cinesiologia do Sistema Ósseo Podemos iniciar nosso diálogo sobre o sistema ósseo respondendo a uma

Cinesiologia do Sistema Ósseo

Podemos iniciar nosso diálogo sobre o sistema ósseo respondendo a uma questão central acerca da funcionalidade desse sistema: quais as principais funções do esqueleto humano? Simplificando a pergunta, para que servem os ossos? Certamente você não duvida da importância desse sistema, se fosse questionado(a) sobre se acha que o mesmo é importante, provavelmente você responderia que sim, com certeza ele é importante! Mas por que importante? Primeiramente, podemos citar a função mecânica de sustentar estruturalmente o ser humano, o esqueleto é uma estrutura rígida que nos garante sustentação para, por exemplo, colocarmo- nos de pé, realizarmos movimentos diversos no ambiente, garante-nos suporte para manutenção de diferentes posturas. O arcabouço rígido do corpo humano dá apoio e forma ao corpo e, além disso, tal estrutura rígida que garante a proteção dos órgãos vitais, como o cérebro protegido no crânio, a medula espinal protegia pela coluna vertebral, o coração e os pulmões protegidos pelo tórax.

Importante! O esqueleto apresenta outra importante função mecânica que, diga-se de passagem, é também muito
Importante!
O esqueleto apresenta outra importante função mecânica que, diga-se de passagem,
é também muito importante para o movimento humano: forma um sistema de ala-
vancas rígidas que podem ser movimentadas pela força dos músculos inseridos em
sua estrutura.

Alavanca pode ser definida como uma haste relativamente rígida que pode girar ao redor de um eixo de rotação por meio da aplicação de força, por exemplo, ao arremessar uma bola, seu sistema como um todo produz uma alavanca, seu mem- bro superior que, por meio da contração muscular (que gera força) gira ao redor de um eixo e produz força suficiente sobre a bola para alcançar determinada distância.

Para mais detalhes e informações sobre alavancas. Disponível em: https://goo.gl/f0FC9C Explor
Para mais detalhes e informações sobre alavancas. Disponível em: https://goo.gl/f0FC9C
Explor

Você receberá mais informações sobre alavancas em unidades posteriores. Retomando nosso questionamento, quais mais funções importantes o esqueleto possui? Com certeza você já deve saber que o sistema ósseo não possui apenas funções mecânicas, mas também fisiológicas, como o armazenamento de minerais e a importante produção de células sanguíneas.

As informações até aqui apontadas já nos dão condições de superar aquela imagem comum que temos dos ossos, como pedaços de minerais rígidos, secos, estruturas “sem vida” que um cachorro sem dúvida adoraria receber para mastigar. O osso é um tecido extremamente dinâmico que passa por constantes modificações internas, não somente durante a fase de crescimento, mas ao longo de toda a vida do ser, portanto, sim, o osso é vivo!

9 9
9
9
não somente durante a fase de crescimento, mas ao longo de toda a vida do ser,

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Você deve se lembrar da composição

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Você deve se lembrar da composição óssea estudada em Anatomia, ou do crescimento longitudinal ósseo que acontece principalmente em suas extremidades, nas epífises abertas que se fecham com o fim do processo de crescimento na segunda década de vida. Caso não se lembre totalmente, o osso é composto dos minerais carbonato de cálcio e fosfato de cálcio, responsáveis pela rigidez óssea, pelo colágeno que permite certa flexibilidade ao tecido ósseo, bem como água que hidrata o osso, garantindo sua resistência. Os percentuais desses componentes variam com a idade e o estado de saúde do osso.

Dentre os 206 ossos que, normalmente, um esqueleto adulto possui, 74 compõem o esqueleto axial (ossos do crânio, vertebras, costelas etc.) e 126 o esqueleto apendicular (os diferentes ossos dos membros superiores inferiores). Além desses, possuímos 6 ossículos auditivos, os quais suas funções não são tão importantes para nosso estudo em cinesiologia.

Você deve se lembrar que possuímos ossos de tipos diferentes quanto aos seus formatos. Ossos longos possuem o comprimento maior que a largura e fazem parte, principalmente, do esqueleto apendicular. Esses ossos são muito importantes para o movimento humano, pois servem como alavancas. Ossos curtos possuem suas 3 dimensões, comprimento, largura e espessura quase que iguais, como os ossos carpais e tarsais, tendo como uma das suas funções a absorção de choques recebidos pelo corpo. Ossos planos possuem uma superfície ampla, como a escápula, o esterno, as costelas e alguns ossos do crânio, sendo importantes não só para fornecer proteção ao corpo, mas também como ponto de inserção para tendões e ligamentos. Além desses tipos, tem-se os ossos irregulares (como as vertebras) que possuem diferentes funções no corpo humano, e do tipo sesamoide, como a patela, que é um importante osso da região do joelho que melhora a situação de alavanca e permite certo ajuste nos movimentos dessa articulação.

Os ossos não crescem somente longitudinalmente, mas também de forma circunferencial. Esse crescimento em “largura” se dá como resultado do trabalho de células especializadas chamadas de osteócitos. Essas células se dividem em dois tipos: osteoblastos e osteoclastos. Enquanto os osteoblastos são responsáveis por produzir tecido ósseo novo, processo denominado modelagem óssea, os osteoclastos são células que reabsorvem o tecido ósseo antigo, processo esse denominado remodelagem óssea. Diferentemente do crescimento longitudinal que ocorre nas placas epifisárias, modelagem e remodelagem óssea são processos que ocorrem constantemente, ou seja, a vida inteira. Obviamente, antes da fase adulta, o processo de modelagem se sobressai sobre o processo de remodelagem óssea, por conta do crescimento natural do indivíduo em direção a atingir a maturidade, como no alcance da estatura adulta. Entretanto, a estrutura óssea é modificada em seu tamanho, formato e densidade, em reposta às forças que atuam sobre ela.

O fisiologista alemão Julius Wolff, em 1892, já afirmava que o osso é um tecido dinâmico e que responde dinamicamente à presença e/ou ausência de forças. Assim, o osso se modifica conforme as forças atuam sobre ele e, portanto, o tecido ósseo é adaptável, algo que ficou conhecido como a Lei de Wolff. O osso

10

atuam sobre ele e, portanto, o tecido ósseo é adaptável, algo que ficou conhecido como a
atuam sobre ele e, portanto, o tecido ósseo é adaptável, algo que ficou conhecido como a
aumenta em seu formato se a atividade osteoblástica for predominante, ou seja, se mais tecido

aumenta em seu formato se a atividade osteoblástica for predominante, ou seja, se mais tecido ósseo novo for produzido pelo processo de modelagem. Ao contrário, o osso diminui em seu formato se a atividade osteoclástica por predominante, ou seja, se ocorrer mais reabsorção de tecido ósseo pelo processo de remodelagem. Se os processos de modelagem e remodelagem óssea forem equivalentes, ou seja, sem predominância de um sobre o outro, o formato do osso é mantido.

de um sobre o outro, o formato do osso é mantido. Importante! Importante! Hipertrofia óssea é

Importante!

Importante!

Hipertrofia óssea é o nome dado quando um osso aumenta sua massa óssea por resultado da predominância de atividade das células osteoblásticas. Pode-se dizer que hipertrofia óssea é uma modelagem óssea em resposta à prática de atividade física regular, pois as forças de impacto que atuam sobre os ossos durante práticas como caminhada, corrida e ginástica aeróbica desencadeiam um aumento de atividade osteoblástica. Em contrapartida, atrofia óssea é o nome dado quando um osso diminui sua massa óssea por resultado da predominância de atividade das células osteoclásticas. Atrofia óssea é uma remodelagem óssea em resposta à inatividade física, ou seja, ausência de forças de impacto por conta do desuso comum em idosos sedentários e pacientes acamados desencadeiam um aumento de atividade osteoclástica. Quando a atrofia óssea ocorre, a quantidade de cálcio contida no osso diminui e tanto o peso quanto a resistência do osso também diminuem.

Você Sabia? Pode-se dizer que a conhecida doença chamada osteoporose nada mais é do que
Você Sabia?
Pode-se dizer que a conhecida doença chamada osteoporose nada mais é do que uma
atrofia. Essa doença é um distúrbio relacionado à diminuição da massa e da resistência
óssea, que resulta em uma ou mais fraturas, algo mais comum de ser encontrado em
idosos e mais precocemente em mulheres.

De maneira geral, por conta do processo natural de envelhecimento, os ossos tendem a enfraquecer em seus tecidos, a atividade osteoblástica tende a diminuir naturalmente com os anos, favorecendo a atrofia óssea. Isso pode ser acentuado por hábitos sedentários comuns em idosos que reduzem sua mobilidade por conta do próprio envelhecimento.

Com a fragilidade óssea por conta da osteoporose, a massa mineral e a resistência do osso ficam comprometidas de forma tão severa que a simples realização das atividades cotidianas já podem ser suficientes para ocasionar em pequenas fraturas ósseas e consequente dor, algo comum de ser observado com o esmagamento das vertebras trazendo muita dor nas costas (coluna). A instabilidade e fragilidade óssea resultam em quedas por conta de fraturas em ossos longos (como no fêmur e na fíbula), ou a queda em si seja por qualquer motivo pode resultar fraturas (como no rádio, na ulna, ou nos ossos do punho ao tentar se apoiar em uma queda). A pergunta comum que surge muitas vezes acerca de idosos com osteoporose é: caiu por que fraturou o osso, ou fraturou por conta da queda?

11
11
muitas vezes acerca de idosos com osteoporose é: caiu por que fraturou o osso, ou fraturou

11

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular A maioria dos indivíduos afetados pela

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

A maioria dos indivíduos afetados pela osteoporose corresponde a mulheres

após o período de menopausa. Cerca de 40% das mulheres após os 50 anos de idade apresentam osteoporose, nesse caso, algo que está relacionado não só aos fatores já citados como a perda natural de massa óssea e o desuso pelo envelhe- cimento, mas principalmente por um desequilíbrio hormonal relacionado à baixa concentração de estrogênio, algo que facilita essa perda mineral óssea. Seja rela- cionado à idade e/ou ao desequilíbrio hormonal, osteoporose é tida como uma das principais causas de morte na população idosa, sendo que 90% das fraturas nessa idade são decorrentes dessa doença. O alto índice de óbitos também está relacio- nado à intensificação da perda óssea que ocorre nos idosos acamados que se re- cuperam de fraturas que, nessa condição de desuso por conta da inatividade física, acentuam o processo de atrofia óssea, piorando ainda mais seu estado de saúde.

Tendo em vista que a osteoporose pode ser entendida como o resultado de uma vida inteira de hábitos destrutivos para o sistema esquelético, como no caso das fraturas que levam à perda irreversível da estrutura esponjosa, pode-se afirmar que é muito mais fácil prevenir do que curar essa doença. Medicamentos auxiliam a evitar o descontrole hormonal e, consequentemente, a perda de massa óssea associada a esse fator. Entretanto, um hábito de vida ativa, com práticas que exerçam quantidades mínimas de forças de impacto são providenciais para se evitar um quadro crítico e irreversível de osteoporose. O que seriam essas forças de impacto atuando em nosso sistema esquelético? Qualquer prática que exerça uma quantidade de impacto suficiente para a manutenção da saúde óssea? Para tais discussões, cabe-nos abordar alguns aspectos relevantes relacionados às forças ou cargas mecânicas que atuam no corpo humano.

Cargas Mecânicas que Agem Sobre o Corpo Humano

O corpo humano está em constante interação com forças internas e externas.

As forças musculares que agem sobre os ossos e, consequentemente, sobre as articulações (bem como nos outros diversos tecidos corporais) são os melhores exemplos de forças internas. A força externa mais comum que age 24 por dia sobre nosso corpo é a força da gravidade, a qual será melhor explorada em capítulos posteriores. Cargas mecânicas diversas podem atuar sobre o nosso corpo e, ao mesmo tempo, a resultante dessas forças podem ou não ocasionar lesões não só nos tecidos ósseos, mas também nos diversos tecidos corporais (muscular, articular, epitelial etc.).

Pense nas diversas situações do esporte, do exercício, ou de uma simples atividade física como caminhar. Enquanto uma pessoa caminha pela rua, forças internas de contração muscular são geradas para produzir os movimentos nas articulações (exemplos, tornozelo, joelho e quadril), ao mesmo tempo em que a força da gravidade atua na vertical e para baixo contra o corpo, que recebe uma força contrária de reação do solo sobre a sola de seu tênis. Dois jogadores que dividem uma disputa de bola no futebol podem efetuar cargas contrárias no conhecido “jogo de corpo”, ao mesmo tempo em que outras cargas como as já descritas na

12

cargas contrárias no conhecido “jogo de corpo”, ao mesmo tempo em que outras cargas como as
cargas contrárias no conhecido “jogo de corpo”, ao mesmo tempo em que outras cargas como as
caminhada também agem sobre eles. Desnecessário apresentar mais exemplos, afinal, existem forças ou cargas mecânicas

caminhada também agem sobre eles. Desnecessário apresentar mais exemplos, afinal, existem forças ou cargas mecânicas atuando constantemente sobre o corpo em diferentes atividades. O estudo das forças que agem no movimento humano, ou seja, a cinética do movimento, será melhor explorado em outra unidade. Por já é importante conhecermos alguns dos tipos de cargas mecânicas comuns que agem sobre o corpo humano.

Compressão é a carga mecânica que comprime ou “esmaga” os tecidos a partir de suas extremidades, como se buscasse, por exemplo, diminuir o comprimento de um osso. Contrária à carga compressiva se tem a carga de tensão ou tração.

Tração é a carga mecânica que alonga ou “estica” os tecidos a partir de suas extre- midades, como se buscasse, por exemplo, aumentar o comprimento de um osso. Curvamento é carga mecânica que atua como se buscasse aproximar as extremi- dades de um osso em uma das suas laterais, como o próprio nome sugere, refere-se

à carga que busca curvar, por exemplo, um osso. Na verdade, no curvamento ocor-

re simultaneamente compressão e tração, sendo o lado que é curvado comprimido

e o lado oposto, tracionado. Cisalhamento é uma carga mecânica que atua nas

extremidades transversalmente, em sentido oposto. Diferente das cargas compres- sivas e tensivas que agem longitudinalmente, cisalhamento é uma carga paralela e transversal, que age como se buscasse, por exemplo, inclinar ou deslizar um osso, pois existem forças opostas atuando lateralmente em suas extremidades. Uma últi- ma carga aqui a ser descrita é a torção. Torção é uma carga mecânica que, como o próprio nome sugere, busca torcer ou girar um corpo pelas extremidades ao longo de seu eixo longitudinal, como ao girar um osso em suas extremidades em sentidos opostos. Tais cargas são representadas na figura a seguir:

Sem carga Tração Compressão Curvamento
Sem carga
Tração
Compressão
Curvamento
Cisalhamento Torção
Cisalhamento
Torção

Figura 1 – Cargas mecânicas que agem sobre o corpo humano.

Basta você estar de pé para cargas compressivas atuarem sobre seu corpo, afinal, a força da gravidade age de forma constante ao mesmo tempo em que há uma força contrária de reação agindo em seus pés. Quando você anda, corre, ou salta obviamente essas cargas compressivas aumentam à medida que você empurra ainda mais o chão com os pés, onde seus ossos, por exemplo, são comprimidos como se buscasse diminuí-los de tamanho. Uma pessoa que carrega uma mala pesada ou uma simples sacola de mercado exemplifica uma carga de tração alongando seu membro superior que carrega o peso pelas extremidades.

13
13
de mercado exemplifica uma carga de tração alongando seu membro superior que carrega o peso pelas

13

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Um jogador de futebol que tem seu

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Um jogador de futebol que tem seu pé “preso” ao solo pelos cravos de sua chuteira ao receber um “carrinho” de outro jogador exemplifica uma carga mecânica de cisalhamento. Golpes comuns no jiu-jitsu, judô ou outras artes marciais que envolvem “chaves de braço” também exemplificam cargas de cisalhamento, bem como torção e curvamento. Uma rebatida em uma bola com a raquete de tênis também exemplifica a torção do membro que rebate. As imagens a seguir ilustram esses exemplos:

Compressão

As imagens a seguir ilustram esses exemplos: Compressão Cisalhamento To rç ão Cur vamento Tração Figura

Cisalhamento

To rç ão

ilustram esses exemplos: Compressão Cisalhamento To rç ão Cur vamento Tração Figura 2 – Exemplos de

Cur vamento

Tração

Figura 2 – Exemplos de práticas corporais com as diferentes cargas mecânicas atuando sobre o corpo – na maioria dos exemplos existe mais de uma carga mecânica agindo sobre o corpo.

Fonte: Adaptado de iStock/Getty Images

Importante! Pode-se dizer que o ser humano é mais resistente, tolera mais cargas de compressão,
Importante!
Pode-se dizer que o ser humano é mais resistente, tolera mais cargas de compressão,
uma vez que as mesmas são as que mais atuam nos tecidos corporais. Toda vez que
uma carga mecânica é maior que o limiar de tolerância de uma pessoa, ocorre uma
lesão. Entenda esse limiar como o máximo que seu tecido corporal, seja ósseo, ar-
ticular ou muscular resiste a uma força que atua sobre ele sem que ocorra alguma
deformação do mesmo.

Obviamente, esse limiar de tolerância varia de pessoa para pessoa, sendo as propriedades particulares dos tecidos como, por exemplo, o estado de saúde de um osso, que definirá esse limiar, ou o quanto o mesmo resiste a uma carga excessiva que atua sobre ele. Cargas excessivas nos tecidos ósseos podem resultar em lesões e/ou fraturas, assunto a ser abordado no tópico a seguir.

Lesões Ósseas Comuns

A lesão óssea mais comum é a fratura, muitas vezes, inclusive, sendo abordados como sinônimos. Fratura é uma interrupção na continuidade de um osso. Essa perda de continuidade do osso pode ser resultado de diferentes forças e/ou

14

na continuidade de um osso. Essa perda de continuidade do osso pode ser resultado de diferentes
na continuidade de um osso. Essa perda de continuidade do osso pode ser resultado de diferentes
cargas mecânicas atuando conjuntamente, algo que pode desencadear em uma interrupção completa ou incompleta (parcial)

cargas mecânicas atuando conjuntamente, algo que pode desencadear em uma interrupção completa ou incompleta (parcial) do tecido ósseo. A natureza de uma lesão depende da direção, magnitude (quantidade), intensidade e duração da carga da mecânica, além, é claro, do estágio de saúde e/ou maturidade do osso. Fraturas podem ser classificadas como simples, quando as extremidades ósseas se mantêm dentro dos tecidos moles circundantes; e como expostas, quando as extremidades ósseas fazem protrusão através dos tecidos moles circundantes, ou seja, perfuram a pele e tornam-se visíveis a olho nu.

Uma fratura pode ser decorrente de um trauma (força de alta magnitude e curto período de tempo) ou por estresse e/ou fadiga (pequenas cargas contínuas ou repetitivas). Os músculos exercem forças a partir de sua ativação muscular que resultam em cargas em diferentes direções e sentidos, magnitudes, velocidades e intensidades sobre os ossos. Por conta disso, diferentes tipos de fraturas podem ocorrer. Fratura transversa é aquela que é completa e sua fenda é perpendicular ao eixo do osso. Uma fratura oblíqua também é completa, contudo, sua fenda não é perpendicular ao eixo do osso. Cargas excessivas de tração e cisalhamento costumam causar fraturas transversas e oblíquas. Outro exemplo de fratura completa é a fratura espiralada, causada principalmente pela rotação excessiva de um osso, provocando uma fenda irregular. Uma fratura cominutiva também é completa, ocorrendo fragmentação do osso, principalmente por cargas excessivas de compressão.

São exemplos de fraturas incompletas, a fratura em galho verde e a fratura fissurada. A fratura em galho verde é comum em crianças (por características próprias de um osso em crescimento, por exemplo, com mais colágeno e consequentemente mais flexível), e seu nome faz referência justamente a um galho verde quando é quebrado, ficando ainda preso e sem perder toda a sua continuidade. Cargas de torção e curvamento costumam causar esse tipo de fratura. A fratura fissurada é uma fenda (fissura) longitudinal incompleta que ocorre principalmente por cargas de compressão onde, através de uma radiografia do osso, pode-se observar uma linha mais clara que nada mais é do que uma fissura no osso. As figuras a seguir ilustram os tipos de fraturas abordados até então:

Transversa

Oblíqua

Espiralada

Cominutiva

Figura 3 – Tipos de fraturas.

Fissurada

Em galho verde

15
15
até então: Transversa Oblíqua Espiralada Cominutiva Figura 3 – Tipos de fraturas. Fissurada Em galho verde

15

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Cinesiologia do Sistema Articular

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Cinesiologia do Sistema Articular

Simplificadamente, articulação é uma conexão entre dois ossos. Também pode- se dizer que uma articulação é onde dois ossos se encontram e/ou se unem. Uma pergunta parecida à aquela feita anteriormente sobre o sistema ósseo pode ser aqui realizada: qual as principais funções das articulações? Ou, simplificando, para que servem as articulações? Apesar de parecer óbvia, a resposta merece ser destacada.

A principal função de uma articulação é tornar o movimento possível.

A capacidade de os segmentos corporais realizarem movimentos orientados

é controlada principalmente pelas articulações. Além dessa função central, as

articulações também contribuem para a absorção de cargas e/ou impactos que são gerados sobre o corpo, funcionando em alguns casos como uma espécie de “mola”, ajudando inclusive a sustentar o próprio peso corporal. Também pode ser destacada a importância das articulações, possibilitando o encaixe perfeito entre os ossos que nem sempre possuem extremidades regulares e/ou compatíveis, promovendo estabilidade entre os mesmos.

As articulações podem ser classificadas a partir de sua estrutura ou composição

física, como também a partir de sua função articular. Como o foco de nossos estudos

é o movimento humano, abordaremos uma classificação pautada na capacidade

das articulações em realizar movimentos. Obviamente, será dada maior ênfase às principais articulações que contribuem para o movimento humano.

Articulações do tipo sinartrodial ou também denominadas imóveis (estruturalmente denominadas articulações fibrosas) são aquelas que não permitem nenhum ou, em alguns casos, pouco movimento dos ossos que por elas são articulados, suas funções estão mais ligadas à atenuação (absorção) de choques ou impactos que são produzidos nos tecidos circundantes. Essas articulações podem ser subdividas em sinartrose, gonfose e sindesmose. As suturas do crânio e dos ossos nasais são exemplos dessas articulações do tipo sinartrose, permitindo um encaixe entre os ossos por um tecido conjuntivo fibroso e que não realizam nenhum movimento. Entre a raiz do dente e o alvéolo dental se tem o exemplo de uma articulação gonfose, mais uma vez, importante para garantir o encaixe, facilitando na absorção de choques gerados nessas estruturas. Uma articulação sindesmose até permite mínimos movimentos entre as estruturas, por exemplo, a membrana interóssea une o rádio e a ulna por faixas de tecido conjuntivo fibroso (na região medial), permitindo o movimento mínimo de encaixe por decorrência do movimento nas articulações vizinhas. Algo parecido pode ser observado entre a tíbia e a fíbula (região medial e distal).

Articulações do tipo anfiartrodial ou também denominadas semimóveis ou levemente móveis (estruturalmente denominadas articulações cartilaginosas) são aquelas que até permitem um pouco mais de movimento se comparadas às sinartrodiais, entretanto, o movimento ainda é reduzido, sendo também suas funções atenuar choques ou impactos que são produzidos nos tecidos corporais. A

16

é reduzido, sendo também suas funções atenuar choques ou impactos que são produzidos nos tecidos corporais.
é reduzido, sendo também suas funções atenuar choques ou impactos que são produzidos nos tecidos corporais.
sínfise púbica e os discos intervertebrais são exemplos dessas articulações formadas por lâminas finas de

sínfise púbica e os discos intervertebrais são exemplos dessas articulações formadas por lâminas finas de cartilagem hialina que separam um disco fibrocartilaginoso dos ossos adjacentes. Esses discos intervertebrais têm um importante papel de ajuste, proteção e absorção de impactos na coluna, bem como permitem pequenos movimentos entre a maioria das vertebras.

Importante! Articulações do tipo diartrodial ou também denominadas móveis (estruturalmente denominadas
Importante!
Articulações do tipo diartrodial ou também denominadas móveis (estruturalmente
denominadas articulações sinoviais) são aquelas que permitem movimento livre
entre os ossos que são articulados. Nessas articulações as extremidades ósseas são
cobertas por cartilagem articular e envolvidas por uma cápsula articular que contém
um líquido sinovial.

A cartilagem articular (ou hialina) que cobre a superfície óssea que é articulada é formada por um tecido conjuntivo fibroso denso que ao mesmo tempo que é firme, suportando muita pressão e tensão, possui também certa flexibilidade, difundindo e reduzindo as cargas (impactos) na articulação. Essa cartilagem possui uma espessura que geralmente varia de 1 a 7 mm, com um tecido até certo ponto poroso e com elevada quantidade de água, muito importante na redução do atrito e desgaste entre os ossos articulados. Por não possuir suprimento sanguíneo nem ligação nervosa, a cartilagem é nutrida pelo líquido sinovial. Com o processo natural de envelhecimen- to, ocorre uma perda natural de água, bem como certo desgaste dos tecidos, algo irreversível uma vez que, por não ser vascularizada, a cartilagem não se regenera.

por não ser vascularizada, a cartilagem não se regenera. Figura 4 – Componentes comuns das articulações

Figura 4 – Componentes comuns das articulações diartrodiais (sinoviais)

Fonte: Acervo do conteudista

17
17
regenera. Figura 4 – Componentes comuns das articulações diartrodiais (sinoviais) Fonte: Acervo do conteudista 17 17

17

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Em algumas articulações móveis, a

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Em algumas articulações móveis, a fibrocartilagem também está presente, por exemplo, nos meniscos que fazem parte da articulação do joelho. Tais meniscos são discos parciais de fibrocartilagem, muito parecidos com os discos intervertebrais. Tanto os discos intervertebrais quantos os meniscos são muito importantes em suas respectivas articulações, assumindo diferentes funções, das quais podemos destacar:

distribuição das cargas sobre as superfícies articulares; melhora do encaixe entre as superfícies que se articulam; limitação do movimento linear (deslizamento) de um osso em relação ao outro; proteção da região periférica da articulação; lubrificação e absorção de choques (funcionam como “molas” ou “almofadas” no amortecimento de impactos); dentre outras funções que também poderiam ser destacadas.

A cápsula articular possui uma membrana altamente vascularizada com dupla camada. A camada externa é formada por uma membrana fibrosa rica em coláge-

no que envolve, fixa e protege a articulação, promovendo seu isolamento dentro do corpo. Já a camada interna da cápsula articular é formada por uma membrana sinovial altamente vascularizada que secreta o líquido sinovial. Esse líquido é viscoso

e claro (lembra a clara de ovo), além de muito importante, pois nutre e lubrifica

(como graxa entre engrenagens) a cartilagem articular, diminuindo o atrito e faci- litando o movimento livre da articulação. Muitas articulações possuem ligamentos que são faixas de tecido conjuntivo fibroso flexíveis, mas não elásticas, que conec- tam (ou auxiliam na conexão) um osso ao outro através das articulações. As princi- pais funções dos ligamentos são: permitir a mobilidade articular (flexíveis); manter os ossos próximos e proteger as articulações (não elástico); restringir o movimento articular excessivo, atuando como uma espécie de “sensor” para as articulações.

Existem, pelo menos, 6 tipos de articulações sinoviais que se diferenciam em sua estrutura articular e pelos movimentos que são permitidos por elas. Os movimentos possíveis e cada tipo de articulação são representados por graus de liberdade.

Graus de Liberdade (GL) se referem ao número de planos e eixos que são possíveis de ocorrer movimento.

Por exemplo, a articulação do cotovelo (formada pelas articulações úmeroulnar

e úmeroradial) possui apenas um grau de liberdade (1 GL), podendo ser chamada

de uniaxial, pois nessa articulação só ocorrem movimentos no plano sagital (flexão e extensão). Já a articulação do ombro (articulação glenoumeral) permite movimentos nos três planos: sagital (flexão, extensão e hiperextensão), frontal (abdução e adução) e transverso (rotação medial e lateral), possuindo três graus de liberdade (3 GL), podendo ser chamada de triaxial. A seguir serão descritos os 6 tipos de articulação, bem como suas possibilidades de movimentos:

I. Plana (deslizante): neste tipo de articulação somente não ocorrem movimentos angulares (não axiais), apenas movimentos lineares de deslizamento de um osso sobre outro, geralmente de forma secundária ao movimento de alguma outra articulação. Por exemplo, nas articulações intercarpais e intertarsais, ou nas intermetacarpais ou intermetatarsais, ocorrem movimentos de deslize entre os ossos do carpo e do tarso por conta de movimentos em articulações próximas (como do punho e do tornozelo);

18

entre os ossos do carpo e do tarso por conta de movimentos em articulações próximas (como
entre os ossos do carpo e do tarso por conta de movimentos em articulações próximas (como
II. Gínglimo (dobradiça): possuindo apenas 1 GL (uniaxial), esse tipo de articulação lembra uma dobradiça,

II. Gínglimo (dobradiça): possuindo apenas 1 GL (uniaxial), esse tipo de articulação lembra uma dobradiça, ocorrendo movimentos somente no plano sagital (eixo médio-lateral), como flexão e extensão. Por exemplo, as articulações interfalângicas (tanto do pé, quanto da mão), as articulações do cotovelo (úmeroulnar e úmeroradial) e do joelho (tibiofemural);

III. Trocóidea (em pivô): possuindo apenas 1 GL (uniaxial), esse tipo de articulação tem seu formato em pivô (como um parafuso que gira), ocorrendo movimentos somente no plano transverso (eixo longitudinal), como rotação (direita/esquerda), pronação e supinação. Por exemplo, na articulação radioulnar proximal (região do cotovelo) ocorre pronação e supinação, na articulação atlantoaxial (entre a primeira e a segunda vértebras cervicais) ocorre rotação para a direita e para a esquerda;

IV. Elipsóidea: possuindo 2 GL (biaxial), este tipo de articulação geralmente combina uma superfície côncava e outra convexa, ocorrendo movimentos no plano sagital (eixo médio-lateral), como flexão e extensão, e no plano frontal (eixo anteroposterior), como abdução e adução. Por exemplo, as articulações do punho (radiocárpica) e metacarpofalângicas;

V. Selar: possuindo 2 GL (biaxial), este tipo de articulação lembra a sela do cavalo com um cavaleiro sentado em cima, ocorrendo movimentos no plano sagital (eixo médio-lateral), como flexão e extensão, e no plano frontal (eixo anteroposterior), como abdução e adução. Um exemplo é a articulação carpometacárpica do polegar;

VI. Esferóidea: possuindo 3 GL (triaxial), este tipo de articulação também combi- na uma superfície côncava e outra convexa a partir de um encaixe quase que perfeito de bola e soquete. Ocorre movimentos nos três planos: sagital (eixo médio-lateral) como flexão e extensão; frontal (eixo anteroposterior) como abdu- ção e adução; e transverso (eixo longitudinal) como rotação lateral e medial. O ombro (articulação glenoumeral) e o quadril são exemplos dessas articulações.

Estabilidade e Flexibilidade Articular

Os diferentes tipos de articulações do corpo humano podem apresentar maior estabilidade ou flexibilidade articular.

Importante! A estabilidade de uma articulação está relacionada à capacidade que a mesma tem de
Importante!
A estabilidade de uma articulação está relacionada à capacidade que a mesma tem de
resistir ao deslocamento de uma extremidade óssea em relação à outra, sem que ocorra
lesão aos ligamentos, músculos e tendões circundantes.

Podemos dizer que uma articulação com maior estabilidade ou mais estável permite pouco movimento, diferentemente de uma articulação com menos estabilidade ou menos estável, permitindo grande quantidade de movimento. Múltiplos fatores podem afetar a estabilidade articular, dentre eles podemos destacar dois principais: o formato das superfícies ósseas articuladas e a organização dos ligamentos e músculos que atuam em uma articulação.

19
19
das superfícies ósseas articuladas e a organização dos ligamentos e músculos que atuam em uma articulação.

19

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Os ossos que são articulados nem sempre

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Os ossos que são articulados nem sempre apresentam extremidades compatíveis

que se encaixam perfeitamente. Na verdade, como já citado, também é papel da articulação criar uma condição de encaixe para as extremidades ósseas, junções que garantam que durante o movimento os ossos permaneçam conectados. É bem verdade que a maioria das extremidades dos ossos que se articulam possui superfícies com formatos côncavos e convexos, algo que facilita o encaixe. Entretanto, essas superfícies não simétricas, ou seja, existe certas irregularidades nessas extremidades ósseas que fazem com que sempre exista uma posição melhor de encaixe na qual a área de contato entre as superfícies seja máxima. Essa posição de melhor encaixe recebe o nome de posição de travamento (ou posição

de coaptação fechada), onde por consequência de um melhor encaixe se tem a posição que garante maior estabilidade articular, por exemplo, quando o joelho está totalmente estendido. Qualquer movimento saindo da posição de travamento diminui a superfície de contato entre as extremidades ósseas, algo denominado posição destravada (ou posição de coaptação aberta) que, consequentemente, resulta em menos estabilidade articular, por exemplo, qualquer movimento do joelho saindo de sua total extensão.

A organização dos ligamentos e músculos que atuam em uma articulação

também afetam sua estabilidade. De forma simplificada, ligamentos e músculos mais tensionados ajudam a manter unidas as extremidades ósseas, ao contrário de situações em que os tecidos muscular e ligamentar estejam fracos por desuso ou frouxos por terem sofrido algum tipo de estiramento, algo que contribui para

uma menor estabilidade articular. Por exemplo, através de exercícios o quadríceps

e os isquiotibiais podem ser fortalecidos para aumentar a estabilidade do joelho, algo muito importante na prevenção de lesões nas estruturas dessa articulação que, por conta do encaixe não tão perfeito entre as extremidades do fêmur e da tíbia, é considerada uma articulação instável e, consequentemente, mais propícia à ocorrência de lesões. Músculos fatigados após o exercício encontram- se momentaneamente mais fracos, algo que também contribui para uma menor estabilidade articular.

Importante! Flexibilidade (ou mobilidade) articular é o termo utilizado para descrever a quantidade de movimento
Importante!
Flexibilidade (ou mobilidade) articular é o termo utilizado para descrever a quantidade
de movimento articular possível e permitida em cada um dos planos de movimento da
articulação. A quantidade total de movimento articular é denominada Amplitude de
Movimento (ADM), geralmente medida em graus. Assim, flexibilidade pode também ser
entendida como o termo utilizado para descrever a ADM possível em uma articulação.

Na posição anatômica as articulações são consideradas como em zero grau de ADM. Por exemplo, o cotovelo saindo da posição anatômica pode ser flexionado

a 45 graus, 90 graus, 120 graus etc. A ADM permitida em cada articulação é

específica, ou seja, algumas articulações apresentam maiores ou menores graus de flexão, extensão, abdução, adução etc., sendo que isso é determinado pelas propriedades específicas da estrutura articular e dos tecidos circundantes. Ter

20

sendo que isso é determinado pelas propriedades específicas da estrutura articular e dos tecidos circundantes. Ter
sendo que isso é determinado pelas propriedades específicas da estrutura articular e dos tecidos circundantes. Ter
flexibilidade extrema em determinada articulação não garante o mesmo grau de flexibilidade nas demais articulações

flexibilidade extrema em determinada articulação não garante o mesmo grau de flexibilidade nas demais articulações do corpo.

Podemos então dizer que os principais fatores que influenciam a estabilidade articular são as restrições dos tecidos ósseo, articular e muscular. Como restrição óssea basta pensar no formato das extremidades ósseas que são articuladas, algo já previamente discutido, onde um melhor encaixe entre as superfícies dessas extremidades resulta em maior estabilidade e, consequentemente, menor flexibilidade. Por exemplo, quando o cotovelo está na extensão máxima (nessa articulação denominado por alguns como hiperextensão), o contato do olecrano da ulna com a fossa do olecrano do úmero restringe qualquer movimento adicional na mesma direção. As articulações do quadril e do ombro são ótimos exemplos de como a estabilidade e a flexibilidade são afetadas pelo formato das extremidades ósseas. Enquanto para o quadril pode-se dizer que existe um encaixe quase que perfeito entre a cabeça do fêmur e o acetábulo e, por consequência, maior estabilidade e menor flexibilidade articular (pelo menos quando comparado ao ombro); no ombro, o encaixe entre o úmero e a cavidade glenoidal não é tão perfeito assim e, consequentemente, tem-se menor estabilidade e maior flexibilidade articular.

Consulte o atlas de anatomia para sanar eventuais dúvidas. Disponível em: https://goo.gl/2lo1Z9 Explor
Consulte o atlas de anatomia para sanar eventuais dúvidas.
Disponível em: https://goo.gl/2lo1Z9
Explor

A flexibilidade articular está diretamente relacionada à frouxidão e/ou extensibilidade dos tecidos que cruzam a articulação, seja os ligamentos, tendões ou músculos. Ligamentos e músculos tensos e/ou com extensibilidade limitada são os principais fatores que restringem a ADM de uma articulação. Músculos grandes e volumosos também podem impedir maior ADM articular, como no caso do bíceps braquial, que limita a quantidade de flexão do cotovelo.

Importante! Quando se fala de flexibilidade articular, duas situações podem ser destacadas: a flexibilidade estática
Importante!
Quando se fala de flexibilidade articular, duas situações podem ser destacadas: a
flexibilidade estática e a flexibilidade dinâmica. Flexibilidade estática (ou passiva)
está relacionada à ADM presente quando um segmento corporal é movimentado
passivamente, por exemplo, quando uma pessoa utiliza algum apoio para realizar
alongamentos, seja uma barra de apoio, a parede, o chão, ou até mesmo uma pessoa
que auxilia aumentando a ADM de uma articulação. Já a flexibilidade dinâmica (ou
ativa) está relacionada à ADM obtida por meio da movimentação ativa do segmento
corporal por meio de contração muscular.

Você já deve ter notado que ao tentar levantar um dos membros inferiores (flexio- nar o quadril com joelho estendido) sem nenhum tipo de apoio, somente por meio de contração muscular, você alcança uma ADM relativamente inferior ao realizar essa mesma tarefa apoiando os pés em uma barra ou qualquer outro apoio. Outro exemplo é na tentativa de alongar o quadríceps (dentre outros músculos) flexionando

21
21
qualquer outro apoio. Outro exemplo é na tentativa de alongar o quadríceps (dentre outros músculos) flexionando

21

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular o joelho buscando a maior ADM, você

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

o joelho buscando a maior ADM, você inicia o movimento por meio de contração

muscular, mas para aumentar a ADM e se manter por alguns segundos na posição você, com uma das mãos, segura o pé do membro que é alongado, aumentando o grau de flexão dessa articulação. Desnecessário apresentar mais exemplos, nitida- mente por conta da maior flexibilidade estática (passiva) do que dinâmica (ativa).

Lesões Articulares Comuns

Conforme citado, toda vez que uma carga mecânica é maior que o limiar de tolerância de uma pessoa, ocorre lesão. Nos tecidos articulares as lesões podem ser decorrentes não somente de sobrecarga, mas também pelo uso excessivo, infecções e/ou doenças degenerativas. As lesões nas articulações podem causar consequências como o estiramento ou ruptura de ligamentos, rupturas ou lesões das cartilagens articulares.

Entorses são lesões causadas pelo deslocamento ou torção anormal dos ossos próximos à articulação, resultando no estiramento ou ruptura dos ligamentos, tendões e tecidos conectivos que cruzam a articulação. Entorses podem ser classificadas como de primeiro, segundo ou terceiro grau, conforme a gravidade da lesão. De primeiro grau são mais leves e os sintomas são desconforto com pequeno edema e perda mínima de ADM da articulação. Entorses de segundo grau apresentam mais danos nos tecidos e os sintomas são dor moderada e certa perda de ADM da articulação. De terceiro grau apresentam ruptura parcial ou completa dos ligamentos, com edema, dor e instabilidade articular. O tratamento mais comum e na fase aguda para entorses envolve repouso, compressas de gelo

e elevação do membro afetado.

22

compressas de gelo e elevação do membro afetado. 22 Figura 5 – Representação de uma entorse

Figura 5 – Representação de uma entorse

Fonte: anatomy-body.us

compressas de gelo e elevação do membro afetado. 22 Figura 5 – Representação de uma entorse
compressas de gelo e elevação do membro afetado. 22 Figura 5 – Representação de uma entorse
Luxação é o deslocamento completo ou parcial (subluxação) dos ossos em uma articulação, é repentino

Luxação é o deslocamento completo ou parcial (subluxação) dos ossos em uma articulação, é repentino e duradouro, sucedendo quando uma força atua diretamente ou indiretamente em uma articulação, empurrando o osso para uma posição anormal. Os sintomas são deformidade articular visível, dor intensa, edema, dormência ou formigamento e alguma perda de mobilidade articular. É importante reposicionar adequadamente, por um médico treinado, uma articulação que sofreu (sub)luxação o quanto antes para aliviar a dor e para evitar comprometimento da irrigação sanguínea da articulação.

Bursite é a inflamação de uma ou mais bolsas sinoviais e é causada pelo uso excessivo, repetitivo e/ou pequenos impactos de uma articulação, levando a uma irritação tecidual por atrito e inflamação da bolsa circundante. Os sintomas são dor e, possivelmente, edema. O tratamento envolve repouso, compressas de gelo e medicamentos anti-inflamatórios.

compressas de gelo e medicamentos anti-inflamatórios. Figura 6 – Representação de uma luxação (a) e bursite

Figura 6 – Representação de uma luxação (a) e bursite (b)

Fonte: Adaptado de iStock/Getty Images

Artrite é a inflamação das articulações associada a dor e edema, é muito comum com o envelhecimento. Está relacionada a um conjunto de sintomas e sinais que resultam em lesões articulares. Até o momento, mais de 100 tipos de artrite já foram identificados, entre os quais apenas os tipos mais comuns serão aqui destacados. Artrites traumáticas são decorrentes de traumatismos pequenos e repetidos que provocam lesões das cartilagens articulares. Artrites infecciosas são decorrentes de infecções por bactérias ou parasitas que provocam lesões das articulações. Artrite reumatoide é uma artrite crônica infecciosa ou por pequenos traumatismos repetidos. Em indivíduos jovens é mais frequente o reumatismo infeccioso ou febre reumática. Em idosos são mais comuns as artrites por traumatismos e atingem principalmente as vértebras. Os traumatismos também podem provocar a hérnia de disco, que é o resultado do esmagamento do disco de cartilagem fibrosa que existe entre os corpos vertebrais. É o tipo de artrite mais incapacitante e doloroso e é caracterizado por inflamação e espessamento das membranas sinoviais, deterioração da cartilagem articular. Consequentemente, há limitação do movimento e eventual ossificação ou fusão dos ossos que se articulam.

Osteoartrite é uma doença articular degenerativa e é a forma mais comum de artrite. É provável que essa doença seja resultante de degeneração progressiva das propriedades biomecânicas da cartilagem articular, sendo que inicialmente a

23
23
de degeneração progressiva das propriedades biomecânicas da cartilagem articular, sendo que inicialmente a 23 23

23

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular cartilagem articular se torna áspera e

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

cartilagem articular se torna áspera e irregular. Posteriormente, a cartilagem pode se desgastar completamente, deixando as superfícies ósseas expostas. Os sintomas incluem dor, edema, restrição da amplitude de movimento e rigidez. A dor pode ser aliviada com repouso e a rigidez pode ser melhorada com a prática de atividades físicas. E importante destacar que artrose não é uma lesão, mas sim um desgaste natural da cartilagem que reveste as articulações.

Articulação

Normal

que reveste as articulações. Articulação Normal Artrite reumatóide Membrana sinovial in amada e

Artrite

reumatóide

as articulações. Articulação Normal Artrite reumatóide Membrana sinovial in amada e edemaciada Figura 7 –

Membrana sinovial in amada e edemaciada

Figura 7 – Tipos mais comuns de artrite

Fonte: Adaptado de iStock/Getty Images

Osteoartrite

Cartilagem

Desgastada

de iStock/Getty Images Osteoartrite Cartilagem Desgastada Ossos em atrito Cinesiologia do Sistema Muscular Os

Ossos em

atrito

Cinesiologia do Sistema Muscular

Os músculos são os componentes ativos do sistema musculoesquelético que permitem movimentar as alavancas de nosso esqueleto. Existem diferentes tecidos musculares no corpo humano. O músculo liso reveste as paredes dos órgãos internos. O músculo cardíaco, obviamente, reveste as paredes do coração. O tecido muscular que mais se aplica em nossos estudos é o do musculoesquelético, justamente responsável pelo movimento humano. O sistema muscular possui aproximadamente 650 músculos no total, sendo que desses, cerca de 434 músculos fazem parte do sistema voluntário, ou seja, são possíveis de serem controlados pelo sistema nervoso de forma voluntária. Esses músculos geralmente correspondem entre 40 e 45% do peso corporal e são distribuídos em pares nos lados direito e esquerdo do corpo. Cerca de 75 pares são responsáveis pelos movimentos e manutenção da postura do corpo humano, os demais músculos, em geral, são responsáveis pelo controle ocular, controle da voz e pela deglutição.

Mais uma vez, uma pergunta parecida às outras feitas anteriormente (para os sistemas ósseo e articular) pode ser aqui realizada: quais as principais funções dos músculos esqueléticos? Ou, simplificadamente, para que servem esses músculos?

24

quais as principais funções dos músculos esqueléticos? Ou, simplificadamente, para que servem esses músculos? 24
quais as principais funções dos músculos esqueléticos? Ou, simplificadamente, para que servem esses músculos? 24
A principais funções do musculoesquelético são produzir movimento, bem como manter as posturas e/ou posições

A principais funções do musculoesquelético são produzir movimento, bem como manter as posturas e/ou posições estabilizando as articulações.

Além disso, os músculos são importantes para manter a temperatura corporal pela produção de calor, alterar e controlar pressões dentro das cavidades (como “bombear” o sangue pelas artérias), bem como sustentar e proteger os órgãos viscerais e os demais tecidos internos (dentre outras funções que também podem ser consideradas importantes).

O musculoesquelético possui quatro propriedades funcionais que são importantes de serem abordadas: i) Irritabilidade é capacidade de um músculo de responder

a estímulos, sejam internos por estimulação nervosa (efeito eletroquímico) ou

externos por estimulação mecânica (efeito de um golpe a uma porção muscular); ii) Contratilidade é a capacidade de um músculo desenvolver tensão e contrair,

diminuindo em comprimento. Ao contrário disso, iii) extensibilidade é justamente

a capacidade de um músculo estender/aumentar seu comprimento (fazer um

músculo “alongar”). Já iv) elasticidade é a capacidade de um músculo voltar ao comprimento normal após ter sido alongado.

Músculos que possuem suas fibras orientadas paralelamente e, por conta disso, têm as mesmas mais longas, tendem a apresentar maior potencial de extensibili- dade, maior velocidade de contratilidade e menos potencial de força. Já músculos que possuem suas fibras orientadas de forma oblíqua e, por conta disso, têm as mesmas mais curtas e mais numerosas por área, tendem a apresentar menor po- tencial de extensibilidade, menor velocidade de contratilidade, entretanto, maior potencial de força.

Como você já sabe, os músculos são inseridos aos ossos por tendões. As inserções musculares são os locais onde a força é aplicada ao osso. Os músculos se prendem aos ossos pelas duas extremidades e, anatomicamente, a inserção proximal ou origem é a conexão do músculo ao osso mais próxima da linha média do corpo e a inserção distal, ou podendo ser simplesmente denominada inserção, que é a conexão do músculo ao osso mais distante da linha média do corpo. A relação de proximidade entre as inserções (proximal e distal) pode ser utilizada para compreensão de qual tipo de ação (ou contração muscular) o músculo está desempenhado em determinado movimento. Por exemplo, quando o músculo contrai, mas a distância entre as inserções é mantida, a ação desse músculo é isométrica. Quando o músculo contrai, mas a distância entre as inserções é diminuída, ou seja, origem e inserção se aproximam, a ação desse músculo é concêntrica. Já quando o músculo contrai, mas a distância entre as inserções é aumentada, ou seja, origem e inserção se afastam, a ação desse músculo é excêntrica. Dada a importância dos tipos de ações que um músculo pode exercer e, consequentemente, influenciar o movimento humano, a descrição sobre as mesmas precisa ser um pouco mais detalhada.

25
25
consequentemente, influenciar o movimento humano, a descrição sobre as mesmas precisa ser um pouco mais detalhada.

25

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Ação ou contração muscular

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Ação ou contração muscular isométrica (“mesmo comprimento”) ocorre quando

o músculo gera força sem alterar seu comprimento, ou seja, a distância entre

a origem e a inserção muscular é mantida, não ocorrendo, assim, nenhum movimento articular.

Por exemplo, se você mantém parado seu cotovelo flexionado a 90 graus (ou qualquer outro ângulo de flexão), enquanto segura com a mão um halter (peso), apesar de não estar ocorrendo movimento entre seu braço e o antebraço, seus músculos bíceps braquial, braquial e braquiorradial estão ativados isometricamente.

Importante! Importante! Ação ou contração muscular isotônica (“mesmo tônus”) ocorre quando o músculo gera
Importante!
Importante!
Ação ou contração muscular isotônica (“mesmo tônus”) ocorre quando o músculo
gera força, diminuindo ou aumentando seu comprimento, ou seja, origem e inserção
muscular se aproximam ou se afastam, ocorrendo, assim, movimento articular. Quando
o músculo diminui seu comprimento, a ação é concêntrica. Quando o músculo aumenta
seu comprimento, a ação é excêntrica.
Por exemplo, ação concêntrica ocorre quando os músculos flexores estão ativos
e
ocorre flexão; extensores estão ativos e ocorre extensão; abdutores estão ativos
e
ocorre abdução; adutores estão ativos e ocorre adução; rotadores mediais estão
ativos e ocorre rotação medial; rotadores laterais estão ativos e ocorre rotação late-
ral. Já a ação excêntrica ocorre quando os músculos flexores estão ativos e ocorre
extensão; extensores estão ativos e ocorre flexão; abdutores estão ativos e ocorre
adução; adutores estão ativos e ocorre abdução; rotadores mediais estão ativos e
ocorre rotação lateral; rotadores laterais estão ativos e ocorre rotação medial.
Importante!
Importante!
Um terceiro tipo de ação muscular possível é a ação isocinética (contração). Esse tipo de
ação muscular ocorre se a resistência aplicada sobre o músculo é variável de maneira a
tornar o movimento da articulação com uma velocidade constante. Esse tipo de resistência
só é possível de ser criada por equipamentos especiais, projetados para tal fim.

Em uma ação muscular isocinética a velocidade de movimento é então

predeterminada, sem variação durante a execução do movimento. Para compreender

o funcionamento de um equipamento isocinético, imagine um aparelho de

musculação comumente encontrado em uma academia, por exemplo, uma cadeira extensora, onde você, sentado, deve exercer força com os músculos extensores

do joelho contra uma carga predefinida. Diferentemente de um equipamento comum de musculação, o equipamento isocinético possui um sistema de variação

de resistência. Se o executante aplica mais força muscular, o equipamento oferece

mais resistência; se o executante aplica menos força, o equipamento oferece menos

resistência. Consequentemente, nesse equipamento a velocidade de movimento é

26

força, o equipamento oferece menos resistência. Consequentemente, nesse equipamento a velocidade de movimento é 26
força, o equipamento oferece menos resistência. Consequentemente, nesse equipamento a velocidade de movimento é 26
controlada, sempre se mantendo constante. Tais equipamentos são mais utilizados na avaliação, treinamento,

controlada, sempre se mantendo constante. Tais equipamentos são mais utilizados na avaliação, treinamento, reabilitação e prevenção de lesões de atletas. Pode- se utilizar a avaliação isocinética para estimar riscos de lesão por desequilíbrios ou fraquezas musculares quando comparamos a outros indivíduos, potência e velocidade de contração, assim como resistência à fadiga.

Se em uma mesma articulação, o tipo de ação muscular pode desencadear diferentes respostas de movimento, pode-se dizer então que um mesmo músculo, quando ativado, pode hora desempenhar um papel nessa articulação, hora desempenhar outro, ou seja, um mesmo músculo pode exercer diferentes funções no movimento humano. Os papéis dos músculos esqueléticos podem ser resumidos em dois: i) gerar movimentos desejados; ii) eliminar movimentos indesejados. Obviamente, o papel que um músculo exercerá em determinada articulação dependerá da intenção de movimento, ou seja, do movimento que uma pessoa queira realizar. Assim, dentro das duas possibilidades descritas, gerar ou eliminar movimentos, os papéis (funções) possíveis de serem realizados por um músculo são: agonista, antagonista, estabilizador e neutralizador.

Importante! Omúsculoougrupomuscularresponsávelpelarealizaçãodeummovimentoqueédesejado desempenha um papel agonista.
Importante!
Omúsculoougrupomuscularresponsávelpelarealizaçãodeummovimentoqueédesejado
desempenha um papel agonista. Nessa condição, os músculos que atuam diretamente
no movimento são chamados de agonistas primários, enquanto aqueles que atuam
no movimento apenas auxiliando a realização do mesmo, ou seja, não são os principais
responsáveis pelo movimento, são chamados de agonistas secundários. O músculo ou
grupo muscular responsável por frear e/ou tornar o movimento mais lento desempenha
um papel antagonista. Pode-se dizer também que um músculo responsável por realizar
o movimento oposto ao do agonista (o qual está realizando o movimento desejado) atua
ou tem função antagonista, ou seja, os antagonistas atuam excentricamente ao mesmo
tempo em que os agonistas causam o movimento.

Os termos “agonista” e “antagonista” são indefinidos, a não ser que uma ação articular seja referida em relação a eles. Por exemplo, durante a flexão do cotovelo, o bíceps braquial é agonista e o tríceps braquial é antagonista. Já durante a extensão do cotovelo, o tríceps braquial que é agonista e o bíceps braquial que é antagonista. Pode-se então dizer que os músculos concentricamente ativos são agonistas e que os músculos excentricamente ativos são antagonistas. É Importante ressaltar que o antagonista se opõe ao agonista, porém, normalmente o mesmo está “relaxado”, enquanto o agonista se contrai. Lembre-se que um músculo excentricamente ativo permite que suas inserções se afastem, ou seja, apesar de ativo, permite que seja alongado para além de seu comprimento normal, gerando apenas certa oposição ou resistência, freando o movimento que é realizado na articulação. Quando o antagonista se contrai ao mesmo tempo que o agonista, o resultado é uma co-contração que, simplificadamente, refere-se a uma ativação muscular simultânea indesejada e que resulta em menor quantidade de força para produzir o movimento desejado por conta de uma força oposta gerada pelo antagonista contra o sentido de movimento.

27
27
produzir o movimento desejado por conta de uma força oposta gerada pelo antagonista contra o sentido

27

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Quando um músculo atua

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Quando um músculo atua estabilizando as partes do corpo que não estão diretamente envolvidas no
Quando
um
músculo
atua
estabilizando
as
partes
do
corpo
que
não
estão
diretamente envolvidas no movimento, seu papel é estabilizador.

Músculos que atuam como estabilizadores estão ativos isometricamente, tendo o importante papel de estabilizar um segmento corporal enquanto outros segmentos corporais estão se movimentando. Por exemplo, uma pessoa na posição anatômica que realiza uma abdução do ombro direito, tem diferentes músculos ativados isometricamente no membro esquerdo, na cabeça, no tronco, nos membros inferiores, atuando como estabilizadores, mantendo o corpo “parado” (na verdade, estabilizado) na postura em pé. Portanto, no próprio membro direito diferentes músculos estão ativados, não apenas aqueles que não interferem na articulação do ombro, mas também músculos que cruzam essa articulação. Lembre-se que a articulação do ombro possui três Graus de Liberdade (GL), ou seja, realiza movimentos nos três planos (sagital, frontal e transversal). Assim, se apenas o movimento de abdução que ocorre no plano frontal é desejado, músculos responsáveis por movimentos nos planos sagital e longitudinal (como os músculos peitoral maior e latíssimo do dorso) também estão desempenhando um papel estabilizador.

Quando um músculo atua inibindo a ação e/ou movimento indesejado produzido por um músculo agonista, seu papel é neutralizador.

Por exemplo, o músculo bíceps braquial tem papel agonista na flexão de cotovelo

e na supinação do antebraço, se apenas o movimento de flexão do cotovelo é desejado, o músculo pronador redondo atua justamente como neutralizador da

supinação do antebraço para que somente o movimento (desejado) de flexão do cotovelo aconteça. Um outro exemplo ocorre quando se deseja realizar o movimento de extensão do quadril. O músculo glúteo máximo tem papel agonista na extensão

e rotação lateral do quadril apenas se o movimento de extensão é desejado, de

modo que o músculo glúteo mínimo atua como neutralizador da rotação lateral.

Você pode até se assustar com a quantidade de músculos e funções específicas que cada um deles possuem no movimento humano, mas lembre-se que por estarem em pares (lados direito e esquerdo do corpo) você já reduz consideravelmente o número de possibilidades. Ademais, muitas informações sobre os músculos podem ser obtidas apenas pelo seu nome, que tende a se enquadrar em uma ou mais das seguintes categorias: localização, alguns músculos são nomeados por conta de onde se encontram no corpo humano (por exemplo, tibial anterior); formato, outros são nomeados pelo desenho geométrico que possuem (por exemplo, trapézio); ação, há ainda aqueles que são nomeados pelo papel que desempenham (por exemplo, extensor ulnar do carpo); número de cabeças/divisões, alguns são nomeados pela quantidade de divisões (por exemplo, bíceps braquial/femoral – duas cabeças; tríceps braquial/sural – três cabeças); direção das fibras, há também os que são nomeados por conta de como estão orientados no corpo (por exemplo, oblíquo interno/externo); inserções, alguns são nomeados pelo ponto de origem

28

orientados no corpo (por exemplo, oblíquo interno/externo); inserções , alguns são nomeados pelo ponto de origem
orientados no corpo (por exemplo, oblíquo interno/externo); inserções , alguns são nomeados pelo ponto de origem
e inserção óssea (por exemplo, esternocleiodomastóideo, isquiotibiais); tamanho , outros são nomeados por conta do

e inserção óssea (por exemplo, esternocleiodomastóideo, isquiotibiais); tamanho, outros são nomeados por conta do seu tamanho em relação a algum outro músculo (por exemplo, peitoral maior/menor).

Lesões Musculares Comuns

Mais uma vez, se uma carga mecânica é maior que o limiar de tolerância de uma pessoa, ocorre lesão. No tecido muscular algo comum de ocorrer é dor muscular tardia, aparece por volta de 24 a 72 horas após a realização de exercícios longos ou extenuantes. Apesar de poder não ser considerada necessariamente uma lesão, a dor muscular tardia ocorre porque há microrruptura do tecido muscular e, por conta disso, aparecem os sintomas de dor, bem como rigidez muscular e consequente limitação da amplitude de movimento.

Pode-se também manifestar câimbras, as quais envolvem espasmos musculares moderados ou severos associados a níveis de dor proporcionais ao grau de severidade. Até o momento não há explicações para as causas de câimbras, mas

há indícios de que sejam decorrentes de fatores causais envolvendo falta de cálcio

e magnésio, desidratação e/ou desequilíbrios eletrolíticos.

Co ntrações musculáres Figura 8 – Representação de uma câimbra
Co ntrações
musculáres
Figura 8 – Representação de uma câimbra

Fonte: Adaptado de iStock/Getty Images

Distensões são lesões resultantes do estiramento excessivo do tecido muscular, podendo ser de três tipos: leves, que apresentam a sensação de rigidez ou tensão no músculo, uma vez que a lesão estrutural é mínima; moderadas (ou de segundo grau), que apresentam sintomas de dor, fraqueza e alguma perda funcional, uma vez que abrangem ruptura parcial do tecido muscular; e severas (ou de terceiro grau), que apresentam hemorragia, edemas associados e perda funcional, uma vez que abrangem uma ruptura grave no tecido muscular.

29
29
hemorragia, edemas associados e perda funcional, uma vez que abrangem uma ruptura grave no tecido muscular.

29

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Contusões se referem a hematomas no

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Contusões se referem a hematomas no interior do tecido muscular e ocorrem em decorrência de forças compressivas que surgem ou que são aplicadas durante determinado impacto. Uma contusão pode ser decorrente de impacto repetitivo no tecido muscular, podendo levar à miosite ossificante (uma massa calcificada que surge no interior do músculo).

(uma massa calcificada que surge no interior do músculo). 30 Figura 9 – Representação de uma

30

massa calcificada que surge no interior do músculo). 30 Figura 9 – Representação de uma distensão

Figura 9 – Representação de uma distensão (a) e contusão (b)

Fonte: Acervo do conteudista

interior do músculo). 30 Figura 9 – Representação de uma distensão (a) e contusão (b) Fonte:
interior do músculo). 30 Figura 9 – Representação de uma distensão (a) e contusão (b) Fonte:
Material Complementar   Indicações para saber mais sobre os assuntos abordados nesta Unidade: Sites  

Material Complementar

 

Indicações para saber mais sobre os assuntos abordados nesta Unidade:

Sites

Sites

 

Atlas Fotográfico de Anatomia COLICIGNO, P. R. C. et al. Atlas fotográfico de anatomia . São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009. https://goo.gl/iVSesn

Manual de Cinesiologia Estrutural FLOYD, R. T. Manual de cinesiologia estrutural. 16. ed. Barueri, SP: Manole, 2011. https://goo.gl/iVSesn

 

Livros

Cinesiologia Clínica e Anatomia LIPPERT, L. S. Cinesiologia Clínica e Anatomia. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

 

Leitura

O Organismo Humano em Movimento ALVES, M. C. O organismo humano em movimento. Revista Pré-Univesp, 2015.

https://goo.gl/QO4naF

31
31
em Movimento ALVES, M. C. O organismo humano em movimento. Revista Pré-Univesp , 2015. https://goo.gl/QO4naF 31

31

UNIDADE

UNIDADE Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular Referências HALL, S. J. Biomecânica

Considerações Cinesiológicas dos Sistemas Ósseo, Articular e Muscular

Referências

HALL, S. J. Biomecânica básica. 5. ed. São Paulo: Manole, 2009.

HAMILL, J.; KNUTZEN, K. Bases biomecânicas do movimento humano. 2. ed. Barueri, SP: Manole, 2008.

MCGINNIS, P. M. Biomecânica do esporte e do exercício . Porto Alegre, RS:

Artmed, 2015.

32

Barueri, SP: Manole, 2008. MCGINNIS, P. M. Biomecânica do esporte e do exercício . Porto Alegre,
Barueri, SP: Manole, 2008. MCGINNIS, P. M. Biomecânica do esporte e do exercício . Porto Alegre,