You are on page 1of 7

PROJETO FOGÃO POR INDUÇÃO MAGNÉTICA COM

ESTRUTURA ERGONÔMICA

Pinheiro Machado, S. C.
FAT-UERJ, Engenharia de Produção, stella.cpm@gmail.com.

Oliveira, A. R.
FAT-UERJ, Engenharia de Produção, anneoliv@gmail.com.

Co-Autor
Matias, N. T.
FAT-UERJ, Engenharia de Produção, nelson.matiaz@gmail.com.

Resumo: Vivemos num mundo onde a produtividade é cada vez mais requisitada. Ter agilidade para
produzir mais ou apenas conseguir economizar tempo nas tarefas simples cotidianas para dar lugar a
tarefas com mais urgências fica cada vez mais importante. Com isso, o consumidor tem ficado cada
vez mais exigente no que tange a tecnologia, economia, comodidade e elegância. Levando essas
considerações para o cotidiano do brasileiro, a maior parte da população vive nessas condições.
Uma tarefa simples que sempre toma um tempo é cozinhar. Leva-se um tempo para preparar o
alimento, pra cozinhar e para limpar o fogão e utensílios relacionados. Somente para realizar essas
ações, vários problemas são encontrados pelo usuário do fogão.

Abstract: We live in a world where productivity is increasingly required. Have flexibility to produce
more or just be able to save time on everyday tasks simple to make room for more urgent tasks
becomes increasingly important. Thus, consumers have become increasingly demanding when it
comes to technology, economy, comfort and elegance. Taking these considerations into the daily
life of Brazilians, most of the population live in these conditions. A simple task that always takes a
while is cooking. It takes time to prepare food, to cook and to clean the stove and companion tools.
Only perform these actions, several problems are encountered by the User of the stove.

1 INTRODUÇÃO:

A proposta inicial partiu da disciplina de desenvolvimento de produtos da Universidade do Estado do Rio de


Janeiro do curso de Engenharia de Produção, quando nos foi aguçada a vontade de desenvolver um projeto
inovador, utilizando as ferramentas ministradas em aula.
Observando, então, as necessidades do consumidor, o desejo de tornar sua vida mais prática evitando-se o
desperdício de tempo para um cotidiano mais dinâmico, juntamente um design arrojado, ergonômico,
inovador e moderno se tornaram grandes motivações para o desenvolvimento deste projeto.

2 RECONHECIMENTO DO PROBLEMA

Os fogões atuais não possuem um visual moderno e uma ergonomia adequada. Em sua maioria são grandes e
possuem um certo tradicionalismo na forma de distribuição dos subsistemas.
2.1 Delimitação do Problema

Os problemas mais comuns nos fogões foram listados abaixo:


 segurança fragilizada;
 gasta muita energia;
 ocupa muito espaço;
 não é ergonômico;
 difícil limpeza;
 pouca portabilidade.

3. ANÁLISE ESTRUTURAL

Segundo Carvalho (2010) “cada problema, cada sofrimento, cada desejo não atendido contém uma ou mais
oportunidades para a criação de soluções”.É por isso que estudamos a estrutura de um fogão convencional a
gás (figura 1), definindo cada parte (Quadro 1).

Grelha superior Tampa do fogão

Queimadores Interface fogão/ usuário

Alça do forno
Lateral
Grelha interna
Iluminação Interna
Porta de vidro duplo

Suporte

Figura 1. Principais sistemas do fogão a gás.1

Sistemas Função
Tampa do fogão Proteger o fogão quando inativo
Interface fogão/ usuário Possui botões para acender as bocas do fogão, o fogão, a luz
interna do forno e o acendimento automático.
Alça do forno Auxílio para abrir e fechar o forno.
Grelha interna Suporte para formas.
Porta de vidro duplo Isolamento do forno e visualização dos alimentos preparados.
Suporte Apoio e nivelamento para o fogão.
Queimadores Local em que as chamas saem.
Grelha superior Suporte para panelas.
Lateral Assim como a parte de trás, permite o isolamento do forno.
Iluminação Interna Visualização dos alimentos.
Quadro 1. Sistemas e funções do fogão.

4 MAPA DE MATERIAIS E PROCESSOS

Callister (2000, p. 3), diz que “Muitos dos cientistas aplicados ou engenheiros, sejam eles mecânicos, civis,
químicos, ou elétricos, estarão uma vez ou outra expostos a um problema de projeto envolvendo materiais.”
Foi então estudado (Quadro 2) os materiais comumente constituintes num fogão a gás.

1
Imagem disponível no site http://www.mercadolivre.com.br.
MATERIAL CARACTERÍSTICAS PROCESSO
Alumínio Resistência a choques Mecanização
Excelente condutor de calor Fundição
Maleável
Dúctil
Aço Resistências a choques; Laminação;
Boa resistência mecânica. Forja.
Vidro Transparente Fusão de dióxido de silício,
Elevada dureza (SiO2), carbonato de sódio
Liso (Na2CO3) e carbonato de
Impermeável cálcio (CaCO3).
frágil
Polímeros Resistente superficial Injeção.
Quadro 2. Síntese dos materiais e processos empregados em um fogão.

5 PERFIL DO USUÁRIO

 Idade: a partir de 10 anos com auxílio adulto.


 Outras características: saber cozinhar, trocar o botijão de gás GLP2 e conhecimentos básicos de
segurança, ambos os sexos.

7 ANÁLISE ERGONÔMICA DO USUÁRIO

Santos e Zamberlan (1992, p. 71) afirmam que:


“Em Ergonomia, sabe-se que um posto de trabalho adaptado às dimensões de uma
população é aquele que consegue acomodar, com conforto, 90% das pessoas.
Adequar um posto de trabalho a 100% da população, tornaria o projeto de
regulagem desse posto quase inviável, do ponto de vista de custos e do ponto de
vista projetual. Têm-se, como referência para projeto, os manequins
antropométricos representativos das menores medidas encontradas em uma
população (medidas de segmentos corporais de mulheres, manequim percentil 5
feminino), e aqueles representativos das maiores medidas encontradas (medidas de
segmentos corporais de homens, manequim percentil 95 masculino).
Exclui-se, então, os 10 % das medidas extremas, maiores e menores.
Se um posto acomodar esses dois manequins, 5 F e 95 M, ele está adequado para as
outras pessoas cujas medidas encontram-se entre esses dois extremos, ou seja, ele
atende a 90% da população”
Partindo desta proposta, temos, segundo Santos, V. e Zamberlan, M. C. (1992, p. 75), as medidas do alcance
frontal máximo de um homem 95% de noventa e dois centímetros e para uma mulher 5% de setenta e três
centímetros. Tendo em vista estes dados, a profundidade ideal para o fogão, considerando o braço de uma
mulher, gira entre quarenta e cinquenta centímetros (figura 2).

Figura 2. Estudo da profundidade do fogão com o alcance máximo frontal.

2
O gás liquefeito de petróleo (GLP), mais largamente conhecido como "gás de cozinha" é normalmente comercializado
em botijões no estado líquido, tornando-se gasoso à pressão atmosférica e temperatura ambiente na hora de sua
utilização em fogão. (PETROBRÁS, 2010).
7 ASPECTOS TÉCNICOS

7.1 Materiais e processos

Além dos materiais comuns aos fogões a gás existentes no mercado (aço e alumínio), o produto irá substituir
o vidro por vitrocerâmica, um material derivado do vidro, que possui maior resistência. A parte do forno foi
removida para proporcionar menos gasto de espaço e melhor portabilidade do aparelho. Um sistema de
indução magnética substituirá o gás como fonte de principal de energia.

7.2 SÍNTESE

 O fogão será do tipo cooktop3;


 A parte de cima será de vitrocerâmica;
 A parte inferior será de aço;
 Seu funcionamento se dará por meio de bobinas magnéticas de cobre;
 Terá uma parte computacional para garantir o perfeito funcionamento do aparelho;
 A dimensão da profundidade será de quarenta e cinco centímetros;
 A profundidade máxima de alcance será de quarenta e cinco centímetros;
 O fogão poderá ter duas, quatro e seis bocas.

7.3 Definição dos Requisitos da necessidade do usuário

Costa Júnior e da Silva (2003) diz que “Pesquisas de mercado ruins são uma das causas mais comuns de
fracassos de novos produtos”. Apresentamos os principais requisitos dos usuários a partir da pesquisa
realizada no levantamento de dados. São eles:
 facilidade para limpeza;
 diminuição no consumo de energia;
 maior segurança para crianças;
 ergonômico.

7.4 Diferenciais do Produto em relação aos similares

De acordo com Baxter (1998, p. 8) “o fator de sucesso mais importante é o produto ter diferenciação em
relação aos concorrentes no mercado e apresentar características valorizadas pelos consumidores”. Para
atender a esse requisito, relacionamos abaixo os pontos diferenciais do novo produto:

7.4.1 Ergonomia;

A ergonomia foi estudada de modo ao produto atender a qualquer tipo de usuário extremo, os menores e os
maiores, obedecendo as dimensões necessárias. Também procurou-se manter a funcionalidade do aparelho,
permitindo ao usuário um melhor alcance às partes mais distantes do fogão, assim como manter os braços na
posição neutra.
Os percentis adotados para a profundidade, largura e altura levaram em consideração a menor mulher.

7.4.2 Design;

Possui um design moderno, de fácil limpeza e manutenção. Não é de difícil entendimento tecnológico. A
interface fogão/usuário é fácil de ser utilizada.

3
Tipo de fogão compacto e sem forno, utilizado em cima de alguma superfície ou móvel. (AMERICANAS, 2010)
7.4.3 Princípio de funcionamento;

O princípio de funcionamento (figura 3) é baseado na geração de um campo eletromagnético entre a base de


aço das panelas (posicionadas acima da superfície cerâmica – as panelas devem ser de aço ou ferro fundido)
e as bobinas de cobre energizadas com corrente alternada posicionadas abaixo da superfície cerâmica.
O campo eletromagnético instantaneamente aquece a base da panela, cozinhando, desta forma, o alimento
dentro da panela com grande eficiência, rapidez e precisão.

Figura 3. Síntese sobre o princípio de funcionamento.4

7.4.4 Rendimento;

Ao contrário de outras fontes de energia, o rendimento obtido pela indução magnética é maior, visto que a
energia é levada diretamente a panela. O rendimento para um fogão a gás é de 60%, o elétrico 50% e o por
indução é de 90%5.

8 GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS

Além dos aspectos ergonômicos e de materiais, para a geração de alternativas, levamos em consideração a
capacidade de cozimento do produto, no que tange à quantidade de zonas de cocção (Quadro 3).

Subsistemas Descrição
P1 – Fogão com 2 zonas de cocção
P2 – Fogão com 4 zonas de cocção
P3 – Fogão com 6 zonas de cocção
Quadro 3. Subsistemas e suas considerações.

Pode-se então perceber o resultado da forma gerada (Quadro 4).

Alternativa 1 Alternativa 2 Alternativa 3


Quadro 4. Diferentes topologias para os sistemas propostos.

9 SELEÇÃO DA MELHOR ALTERNATIVA


4
Figura pertencente ao manual do cooktop Brastemp.
5
Informações retiradas do manual do cooktop Brastemp.
9.1 Matriz de Avaliação:

O (Quadro 5) reúne as melhores vantagens do produto, levando-se em conta a concorrência e as demandas


dos usuários.

Peso Alternativa 1 Alternativa 2 Alternativa 3


Conceitos (1 a 5) Notas Pontos Notas Pontos Notas Pontos
Ergonomia 5 4 20 5 25 5 25
Consumo de energia 4 4 16 5 20 3 12
Design 5 5 25 4 20 4 20
Segurança 5 4 20 5 25 3 15
Display 5 4 20 5 25 3 15
Total: 101 Total: 115 Total: 87
Quadro 5. Matriz de Avaliação, sendo 5 excelente, 4 bom, 3 intermediário, 2 ruim e 1 muito ruim.

Conclui-se então que a Alternativa 2 apresentou o melhor desempenho.

10 CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO PROPOSTO

Componentes do produto (Quadro 6).


Acabamento Dimensões Características técnicas
Vitrocerâmico Altura: 6,5 Centimetros Queimador elétrico: 2,00 kW
Largura: 90 Centimetros Consumo de energia: 2 kWh
Profundidade: 45 Centimetros Tensão/Voltagem: 20V
Peso: 8,5 Quilos Intensidade de corrente (A): 34
Chave disjuntora recomendada
(A): 40
Freqüência (Hz): 50-60
Potência zonas de cocção – 210
mm: 2400W (com turbo 3200W)
Quadro 6. Subssistemas que compõe o produto.

11 CONCLUSÃO

Nas últimas décadas a tecnologia vem crescendo muito, e novas tendências como um modelo elegante e
praticidade em utilização são cada vez mais procuradas. Com o presente trabalho, apresentamos uma junção
inovadora entre a nova tecnologia de indução magnética e ergonomia. Uma vantagem desta junção é
exatamente a praticidade e segurança que este novo modelo proporciona. Outro aspecto importante
percebido é que o produto deve, o máximo o possível atender as necessidades dos usuários.

12 REFERÊNCIAS

Aço. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/A%C3%A7o. Acesso em: 23 de jan. 2010.

Alumínio. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Alum%C3%ADnio. Acesso em: 23 de jan. 2010.

AMERICANAS.COM. Americanas.com explica eletrodomésticos.. Disponível em:


http://www.americanas.com.br/Applications/site2007/htmls/popups/glossario/glossario_eletrodome
sticos.html#1. Acesso em: 26 de jan. 2010.
BAXTER, M. Projeto de Produto: Guia Prático para o design de novos produtos. 2.ed. São Paulo: Edgard
Blücher, 1998.

CALLISTER, W. D. Ciência e engenharia de materiais: uma introdução.5.ed. Rio de Janeiro: LTC


Editora, 2000.

CARVALHO, M. A. Manual de Desenvolvimento de Produtos. Disponível em:


http://www.decarvalho.eng.br/manualdedp.html. Acesso em: 22 de jan. 2010.
COSTA JÚNIOR, A. G.; SILVA, C. E. S. 2003. Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos:
um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia. Disponível em:
http://www.iem.unifei.edu.br/sanches/Pesquisa/Artigos%20publicados/a45.PDF. Acesso em: 23 de jan.
2010.

PETROBRÁS. Produtos e serviços.. Disponível em:


http://www2.petrobras.com.br/produtos_servicos/port/Produtos/GLP/GLP.asp. Acesso em: 26 de jan.
2010.
SANTOS, V.; ZAMBERLAN, M. C. Projeto ergonômico de salas de controle. São Paulo: Fundación
Mapfre, 1992.

Vidro. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Vidro. Acesso em: 23 de jan. 2010.