Вы находитесь на странице: 1из 13

NUTRICOSMÉTICOS: UMA ESTRATÉGIA CONTRA OS DANOS CUTÂNEOS

CAUSADOS PELO ESTRESSE OXIDATIVO


Camile Chapanski¹, Kely Cristina dos Santos²

1- Acadêmica do curso de Tecnologia em Estética e Cosmética da Universidade Tuiuti do Paraná


(Curitiba, PR)
2- MSc, Farmacêutica, Professora do Curso de Tecnologia em Estética e Cosmética da
Universidade Tuiuti do Paraná (Curitiba, PR)

RESUMO: Os nutricosméticos surgiram recentemente e são uma alternativa de


complementação nutricional com a finalidade de trazer benefícios a aparência física. Esse
artigo tem por finalidade explorar o tema nutricosméticos, caracterizando os principais grupos
de compostos nutracêuticos que atuam na prevenção do envelhecimento cutâneo, bem como
investigando a forma como estes podem atuar. Por meio de uma revisão de literatura, foi
possível verificar que os produtos têm em sua composição diversas substâncias com ação
antioxidante como vitaminas C e E, polifenóis, carotenoides, metais e ácidos graxos
essenciais. Todas essas substâncias são importantes no combate dos radicais livres, e para
a proteção da pele ao estresse oxidativo. Essa inovação na área cosmética é muito
significativa e contribui para o bem-estar e qualidade de vida das pessoas. Entretanto é
importante salientar que eles atuam de forma complementar e para se ter resultados efetivos,
devem ser associados a uma rotina de bons hábitos e cuidados diários com a pele, como
higienização, hidratação, nutrição e fotoproteção.

Palavras-chave: Nutricosméticos, estresse oxidativo, envelhecimento cutâneo.

_________________________________________________________________________

ABSTRACT: Nutricosmetics recently emerged and are an alternative nutritional supplement


in order to bring benefits to physical appearance. This article aims to explore the theme
nutricosmetics, featuring the main groups of nutraceutical compounds that work in the
prevention of skin aging, as well as investigating how these can act. Through a literature
review, we found that the products have in their composition various substances with
antioxidant vitamins like C and E, polyphenols, carotenoids, essential fatty acids and metals.
All off these substances are important in fighting free radicals and to protect the skin to
oxidative stress. This innovation in the cosmetic area is very significant and contributes to the
well-being and quality of life. However it is important to note that they act in a complementary
way and to have effective results, they should be associated whith a routine of good daily
habits and skin care such as hygiene, hydration, nutrition and photoprotection.

Keywords: Nutricosmetics, oxidative stress, skin aging.

_______________________________________________________________________

1
INTRODUÇÃO
A mais nova tendência no cuidado da pele é o uso de dieta alimentar e
suplementos para produzir um benefício à aparência. A pele saudável é uma
manifestação de saúde geral e, como tal, pode ser influenciada pelo consumo
de substâncias orais, incluindo vitaminas e antioxidantes (DRAELOS, 2010).
Dentre as diversas propriedades terapêuticas presentes em produtos
cosméticos, a capacidade de suavizar ou evitar os sinais do envelhecimento
cutâneo é, sem dúvida, uma das mais desejadas pelos consumidores (KORB,
2011).
A origem do envelhecimento pode ser atribuída aos radicais livres, uma
vez que existe incapacidade do organismo em eliminar adequadamente a
energia produzida pelos mesmos. O desequilíbrio entre moléculas oxidantes e
antioxidantes, que resulta na indução de danos celulares pelo excesso de
radicais livres, tem sido chamado de estresse oxidativo (SANTOS, 2013).
O mercado de cosméticos é altamente dinâmico, com constantes
lançamentos de novos produtos em curto espaço de tempo. Além dos produtos
tradicionais, novos conceitos também vêm surgindo no mercado, como é o caso
dos cosmecêuticos e, mais recentemente, dos nutricosméticos (ANUNCIATO,
2011).
Os nutricosméticos têm como proposta nutrir a pele “de dentro para fora”.
São suplementos nutricionais administrados por via oral e atuam em sinergia
com ativos dermatológicos aplicados topicamente, potencializando a eficácia dos
mesmos (DRAELOS, 2005).
O objetivo desse artigo é explorar o conceito nutricosméticos, buscando
trazer informações referentes aos seus potenciais benefícios e riscos, bem como
analisando a composição dos principais produtos nutracêuticos anti-
envelhecimento encontrados no mercado nacional.

Nutricosméticos
Também conhecidos como “beleza de dentro para fora”, são
caracterizados pelo uso de dietas e suplementos orais com o objetivo de produzir
benefícios na aparência física. Os nutricosméticos possuem ativos especiais
como: vitaminas, aminoácidos, ácidos graxos essenciais, minerais e outras

2
substâncias antioxidantes que previnem a queda capilar, o envelhecimento,
enfraquecimento das unhas, entre outros (FIGUEIREDO, 2011).
São produtos alimentares com propriedades cosméticas, que unem a
nutrição à saúde do corpo e da pele. Legalmente considerados como
suplementos alimentares, embora utilizado com o apelo cosmético (BRANDÃO,
2010). A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) enquadra os produtos
nutricosméticos na categoria de alimentos funcionais devido atuação de
nutrientes, que produzem efeitos metabólicos ou fisiológicos por meio da
atuação de um nutriente na manutenção do organismo (PITS, 2011).
O objetivo dos nutricosméticos não é substituir os produtos cosméticos
tópicos, mas associá-los, potencializando os resultados para o tratamento da
pele (KORB, 2011).
Fatores relacionados à retração da beleza e o envelhecimento podem ser
beneficiados pelas combinações completas e concentradas de nutrientes
vitamínicos, minerais e outros bioativos. Os nutricosméticos, que atuam
diretamente no ponto bioquímico relacionado com sua função ativa e que pode
beneficiar os processos fisiológicos do organismo (SUZUKI, 2012).

Envelhecimento
A pele é o órgão que mais reflete os efeitos da passagem do tempo. A
radiação ultravioleta, o consumo excessivo de álcool, uso do tabaco, poluição
ambiental e má nutrição podem acelerar a passagem do tempo e provocar o
envelhecimento precoce da pele. Com isso à medida que os indivíduos
envelhecem, há perda de elasticidade, perda de colágeno e hidratação, tornando
a pele seca, consequentemente facilitando o aparecimento das rugas (SANTOS,
2013).
O envelhecimento cutâneo é um processo contínuo que afeta a função e
a aparência da pele, ocorrendo a modificação do material genético e diminuindo
a proliferação celular, resultando em perda da elasticidade, diminuição do
metabolismo e da replicação dos tecidos. Uma das principais razões apontadas
como responsável pelo processo de envelhecimento é o desequilíbrio do
mecanismo de defesa antioxidante do organismo humano (SHNEIDER, 2009).
Existem dois tipos de envelhecimento. O envelhecimento intrínseco que é
decorrente da passagem do tempo, determinado principalmente por fatores

3
genéticos, estado hormonal e reações metabólicas, como o estresse oxidativo.
Este tipo de envelhecimento é mais suave, lento e gradual. Nele estão presentes
os efeitos naturais da gravidade ao longo dos anos, como as linhas de
expressão, a diminuição da espessura da pele e o ressecamento cutâneo (MAIO,
2011).
O envelhecimento extrínseco é provocado pela exposição solar e outros
fatores ambientais. Um dos agentes mais importantes é a radiação ultravioleta.
As toxinas com as quais em contato, como tabaco, álcool, poluição, entre outros,
também ajudam no processo de envelhecimento da pele. Este envelhecimento
é mais danoso e agressivo à superfície da pele, sendo responsável por
modificações como rugas, engrossamento, manchas e até mesmo o câncer de
pele (MICHALUN, 2010).

Estresse oxidativo e radicais livres


Uma das hipóteses que melhor explicam o envelhecimento é a teoria dos
radicais livres. Define-se radicais livres átomos ou moléculas que contém um ou
mais elétrons não pareados (LEITE, 2003).
De acordo com a teoria dos radicais livres, comprovou- se que o oxigênio
em altas concentrações pode ser tóxico para vários tecidos. Assim, o ser
humano, ao viver em um ambiente rico em oxigênio, especialmente o oxigênio
reativo gerado pela luz ultravioleta, inflamação e poluição, tem a integridade de
suas estruturas celulares e da matriz extracelular da pele constantemente
ameaçada (GUIRRO, 2004).
Os radicais livres que possuem maior relevância biológica são os de
oxigênio, formados em todas as células aeróbicas, as quais dependem do
oxigênio para sobreviver. Esses radicais são produzidos continuamente nas
células, tanto através de processos patológicos como de mecanismos
fisiológicos. A principal via de produção desses radicais é a própria respiração
celular. Assim, os seres humanos estão sempre expostos aos radicais livres
formados nas próprias células (HARRIS, 2005).
A principal questão para a integridade celular é equilibrar o processo de
produção com o de eliminação dos radicais livres, pois quando ocorre um
desequilíbrio entre esses dois processos, cria-se uma condição de estresse
oxidativo, em que predomina a formação de lesões oxidativas nas células e que

4
constituem-se a base molecular do envelhecimento. Em virtude do estresse
oxidativo, ocorrem muitas lesões nas células que geram alterações do DNA,
quebrando a cadeia e a oxidação das bases nitrogenadas, alterações de
proteínas, fragmentando a cadeia, oxidando os aminoácidos e degradando as
proteínas, alterações dos lipídeos, com peroxidação dos ácidos graxos e
oxidação do colesterol (KORB, 2011).

Antioxidantes
Os seres vivos possuem um sistema de defesa antioxidante para diminuir
os danos causados às células pelas espécies reativas de oxigênio. O sistema de
defesa antioxidante age sacrificando a sua própria integridade molecular para
evitar alterações nas moléculas (ZIMMERMANN, 2008).
Substâncias antioxidantes possuem a capacidade de bloquear ou
interromper as reações de oxidação, doando elétrons para os radicais livres,
inativando os danos oxidativos e consequentemente protegendo o DNA e o RNA
das células, também reforçando a defesa antioxidante já existente e combatendo
o envelhecimento cutâneo (HARRIS, 2005).
Os antioxidantes podem ser classificados como enzimáticos, estando
presentes no organismo e participando da defesa antioxidante como o
superóxido dismutase, catalase, glutationa peroxidase e gludiona redutase
(KORB, 2011).
Os antioxidantes não enzimáticos, que dependem de uma dieta rica em
componentes antioxidantes, os quais são encontrados nos carotenoides,
vitamina C, vitamina E, compostos fenólicos (flavonoides e ácidos fenólicos),
capazes de prevenir o dano oxidativo por interações diretas e indiretas
compartilhando uma peculiaridade química semelhante que as permitem doar
um elétron ao radical oxigênio. Agindo desse modo, a substância antioxidante
pode captar o radical e prevenir o ataque do alvo biológico que ele busca destruir
(HIRATA et al, 2004).

Estratégias de defesa antioxidante utilizada em Nutricosméticos


Vitamina C
O ácido ascórbico ou vitamina C é um poderoso antioxidante, capaz de
aumentar a resistência do organismo às infecções e proteger a pele contra a

5
ação dos radicais livres. A deficiência da ingestão de vitamina C normalmente
resulta da falta de ingestão de frutas e vegetais fontes da vitamina (SEGURA,
?).
O ácido ascórbico, dentre suas várias funções, aumenta a firmeza e
elasticidade através da formação das fibras colágenas existentes em
praticamente todos os tecidos do corpo humano, principalmente na derme
(SANTOS, 2013).
Tem efeito clareador e regenera a vitamina E, protege a pele da ação dos
raios ultravioletas neutralizando os radicais livres, preservando a estrutura dos
fibroblastos e atuando intensamente no tratamento de inflamações, pois impede
a produção do ácido araquidônico que é uma substância pró-inflamatória
causadora das rugas, além de reduzir a síntese de melanina através da inibição
da tirosinase (TESTON, 2010).

Vitamina E
A vitamina E é o maior antioxidante lipossolúvel presente no sangue e em
membranas celulares e age sinergicamente com outros antioxidantes na célula,
para proteção da injúria oxidativa. É um antioxidante carreador de radicais livres
para reduzir o estresse oxidativo (ZIMMERMANN, 2008).
É basicamente um antioxidante de lipídeos insaturados doando elétrons
diretamente para os radicais livres, estabilizando as membranas biológicas,
retardando tanto a formação dos radicais livres como a oxidação de lipídeos,
protegendo as lipoproteínas da parede celular, reduzindo em peles envelhecidas
as rugas (TESTON, 2010).

Flavonoides
Flavonoides pertencem a um largo grupo de compostos polifenólicos que
são encontrados em frutas, hortaliças, cafés, chás, chocolates, vinhos e sucos
de uva. O consumo de alimentos ricos em flavonoides está associado com a
redução do risco de várias doenças crônicas, sendo que o efeito protetor desses
alimentos é devido, em parte, às suas propriedades antioxidantes e à sua
capacidade em reduzir o estresse oxidativo (ZIMMERMANN, 2008).
Quando aplicados topicamente conseguem prevenir a penetração da
radiação na pele, sendo eficazes a evitar a absorção de todo o espectro UVB,

6
parte do UVA e UVC. São considerados fotoprotetores, e consequentemente
reduzem a inflamação, previnem o estresse oxidativo e o dano de moléculas ao
DNA por irradiação cutânea com UV. A elevada capacidade antioxidante destes
compostos faz com que sejam úteis na prevenção de doenças relacionadas com
estresse oxidativo, nomeadamente fotoenvelhecimento (FONTES, 2013).
Dentre os polifenóis, os flavonoides são os antioxidantes mais potentes
devido à estrutura química, sendo eficientes supressores de radical hidroxila e
radical peroxila (ANUNCIATO, 2011).

Metais
Os metais têm funções específicas na pele, funcionando principalmente
como co-fatores na atividade de metaloenzimas (SANTOS, 2011).
O zinco é um mineral antioxidante, associado a proteínas antioxidantes
(superóxido dismutase e metalotioneína), que atua nos mecanismos celulares
de defesa contra os radicais livres. O zinco é capaz de prevenir a peroxidação
lipídica devido a capacidade de estabilizar membranas estruturais e de proteger
células (ZIMMERMANN, 2008).
O zinco e cobre também são considerados importantes tendo em vista
suas atuações sobre os tecidos cutâneos. O zinco estimula a produção de
citocinas de baixo poder pró-inflamatório, inibe a proliferação de histamina, reduz
alterações no DNA das células pelos raios ultravioletas. O cobre é componente
essencial de diversas metaloenzimas, incluindo citromo-oxidase, lisil-oxidase
(fundamental para a formação do tecido conjuntivo), superóxido dismutase e
tirosinase, tendo, portanto, além de outras funções, ação pigmentadora dos
tecidos (KORB, 2011).
O selênio é um protetor contra o aumento da sensibilidade dos fibroblastos
humanos aos raios UVA. Acelera a atividade da glutationa peroxidase e provoca
o aumento da concentração desta enzima. No envelhecimento cutâneo, tem
papel preventivo em certos danos celulares epidérmicos fotoinduzidos e em caso
de antecedente de carcinoma cutâneo (RIGANO, 2010).

Ácidos graxos essenciais


Os ácidos graxos são classificados como ácidos graxos saturados, ácidos
graxos monoinsaturados e ácidos graxos poli-insaturados. As duas principais

7
classes de ácidos graxos poli-insaturados são o ômega-6 (ácido linoleico) e o
ômega-3 (ácido linolênico). As funções desempenhadas por essas moléculas na
pele incluem a manutenção da permeabilidade de barreira do estrato córneo,
maturação e diferenciação do estrato córneo, formação e secreção de corpos
lamelares, promoção da cicatrização de feridas (ANUNCIATO, 2011).
A vitamina E, sendo lipossolúvel, é transportada em lipoproteínas
plasmáticas e sofre participação para o interior das membranas e locais de
armazenamento de gorduras, onde apresenta único papel de proteger os ácidos
graxos poli-insaturados da oxidação (SANTOS, 2013).

Carotenoides
Os carotenoides têm entre suas funções a capacidade de inibir a oxidação
dos compostos pelos peróxidos devido a seu caráter hidrofóbico, protegendo os
sistemas biológicos contra os danos dos radicais livres. Os principais
carotenoides presentes na composição de nutricosméticos são o betacaroteno,
licopeno, zeaxantina e luteína (KORB, 2011).
O licopeno é um antioxidante que ajuda a eliminar os radicais livres
formados no interior das células, protegendo-as contra a produção de danos
oxidativos. Poderoso antioxidante natural que reduz doenças degenerativas e
problemas cutâneos devido à radiação ultravioleta (PITS, 2011).
O betacaroteno age sobre as células imunocompetentes, aumentando os
linfócitos T e as células natural killers. A partir dessas propriedades, é possível
que o betacaroteno tenha uma atividade antienvelhecimento. Além disso,
apresenta propriedades antioxidantes “sequestrando” espécies reativas de
oxigênio e auxilia na proteção contra o eritema induzido pela radiação ultravioleta
(SANTOS, 2013).
A luteína e zeaxantina são substâncias responsáveis pela cor de peixes,
aves, flores e alimentos. Estas substâncias são denominadas de xantofilas por
possuírem ligações duplas conjugadas, as quais lhes confere ação antioxidante
(DRAELOS, 2010).

8
METODOLOGIA
Foi realizada uma pesquisa bibliográfica com publicações entre os anos
2003 a 2013, por meio do site Sciello e Google Acadêmico para consulta de
artigos, e também a consulta de livros. Palavras-chaves: nutricosméticos,
envelhecimento cutâneo, estresse oxidativo.

DISCUSSÃO
A preocupação em retardar o envelhecimento da pele, e os sinais da idade
estão crescendo cada vez mais. Os nutricosméticos são suplementos
nutricionais que apresentam em sua composição substâncias antioxidantes, as
quais são capazes de frear a ação dos radicais livres auxiliando no combate dos
principais causadores do fotoenvelhecimento (CABRAL,?).
Para exercer efeitos nas camadas vivas mais profundas da pele, é
necessário que os ativos penetrem na barreira do estrato córneo e alcancem o
tecido-alvo numa concentração suficiente para serem efetivos. O grande desafio
é fazer formulações tópicas que consigam atingir a absorção percutânea das
formas ativas e manter a atividade antioxidante (DRAELOS, 2005).
Korb (2011) observou que os nutricosméticos que tem como apelo a
prevenção e o controle do envelhecimento da pele, possuem na sua composição
substâncias antioxidantes que comprovadamente, são essenciais no combate
aos radicais livres, principais responsáveis pelos sinais do envelhecimento
cutâneo.
A partir de uma pesquisa no mercado nacional de nutricosméticos anti
aging, foi possível detectar a presença dos seguintes produtos Innéov Fermeté
(parceria das marcas L’Oréal e Nestlé), Imedeen Radiant Complexion
(Laboratórios Pfizer) e Time Rescue (Laboratórios Nutricé).
Com a análise da composição destes nutricosméticos (tabela 1) foi
possível observar que os produtos têm como apelo a proteção da pele contra o
envelhecimento, a partir dos efeitos dos antioxidantes das substâncias que
fazem parte de suas composições.

9
TABELA 1: COMPARAÇÃO NUTRICOSMÉTICOS

Nutricosmético Ingrediente Função


IF Lacto-Licopeno Antioxidante
IF Extrato de soja Antioxidante
IF, IRC, TRN Vitamina C Antioxidante
IRC Proteína Marinha Produção de colágeno
IRC Zinco Antioxidante
TRN Luteína Antioxidante
TRN Licopeno Antioxidante
TRN Betacaroteno Antioxidante
TRN Zeaxantina Antioxidante
TRN Vitamina E Antioxidante
*Dados divulgados pelas empresas Innéov, Pfizer e Nutricé.
Legenda:
IF: Innéov Fermeté
IRC: Imedeen Radiant Complexion
TRN: Time Rescue Nutricé Laboratoires

Os antioxidantes que fazem parte dos produtos analisados incluem


vitamina C e E, carotenoides, polifenóis, metais e ácidos graxos ômega 3. Dentre
os principais ingredientes divulgados pelas empresas, foi possível observar o
predomínio de antioxidantes, ficando em evidência em todos os produtos a
Vitamina C.
Suplementação de antioxidantes por via oral, entre eles a vitamina C, na
fórmula de cápsulas, são consideradas potentes sequestradoras de radicais
livres. A utilização da vitamina C tem despertado interesse devido às funções
fisiológicas atribuídas a essa substância, consideradas como auxiliares na
manutenção de uma pele jovem e saudável e na melhoria das características
gerais da pele, atuando assim como um antioxidante aliado na prevenção do
envelhecimento (CAYE, 2008).
Como a vitamina E oxidada é regenerada pela vitamina C, tem-se
verificado a junção destas duas vitaminas na composição de várias formulações,
pois este efeito sinergético existente entre elas vai potenciar a eficácia da
formulação em si (FONTES, 2013).
Ressalta-se ainda, a presença de aminoácidos (Proteína Marinha -
Imedeen Radiant Complexion) e atribui-se a estes a melhora na hidratação
cutânea, responsável pela sustentação da derme. Quando administrados por via
oral, estes produtos prometem prevenir flacidez e o ressecamento demasiado da
pele (CABRAL,?).

10
Os carotenoides são antioxidantes que atuam diminuindo os efeitos
danosos dos radicais livres, resultando em melhorias na densidade, hidratação
e elasticidade da pele (auxiliando na prevenção de envelhecimento precoce),
além de ter ação fotoprotetora (DRAELOS, 2010).

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os nutricosméticos surgem como uma alternativa de complementação de
nutrição. Para que haja bons resultados é importante associar atividade física e
uma rotina básica de cuidados com a pele, como higienização, hidratação e
fotoproteção. Cabe destacar que os antioxidantes também estão presentes nos
alimentos, evidenciando assim a importância da alimentação correta e
balanceada para auxiliar no combate dos radicais livres que causam o
envelhecimento.
Pela análise das composições constata-se que a maioria dos
componentes são substâncias antioxidantes, as quais são capazes de bloquear
a ação dos radicais livres no organismo humano, prevenindo os sinais de
envelhecimento cutâneo, e protegendo a pele dos efeitos nocivos da radiação
solar, já que as mesmas geram os radicais livres.
Em contato com a empresa do nutricosmético Innéov Fermeté, o qual
surgiu da junção entre as marcas L’Oréal e Nestlé, informaram o encerramento
das atividades durante o primeiro trimestre de 2015. A marca não atingiu o
desenvolvimento esperado para ambos os parceiros. O fim da comercialização
será progressivo, ressaltando que a descontinuação não está de forma alguma
relacionada à eficácia ou questões de segurança. Frisam que os produtos Innéov
demostraram ao longo do tempo eficácia através de estudos clínicos rigorosos.
Apesar de serem considerados suplementos alimentares, alguns
componentes dos nutricosméticos podem causar toxicidade se não forem
utilizados na dosagem correta. Deve tomar cuidados em relação à dose, tempo
de uso, efeitos colaterais e interações com outros medicamentos. Essa
alternativa de suplementação deve ser realizada com acompanhamento de
profissional capacitado, como o Tecnólogo em Estética e Cosmética.

11
REFERÊNCIAS

ANUNCIATO, T. P. Nutricosméticos. Universidade de São Paulo, Faculdade


de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto. Dissertação de Mestrado,2011.

BRANDÃO, D. Nutricosméticos na beleza. Revista Estética Viva, Mar/Abr


2010.

CABRAL, A. C.; BENATTI S.; FRANÇA A. J. O benefício do uso de


Nutricosméticos em tratamentos estéticos associados ao uso de produtos
cosméticos. Universidade do Vale do Itajaí, Curso de Cosmetologia e Estética,.
Disponível em: http://siaibib01.univali.br/biblioteca/php/index.
php?codObra=0&codAcervo=203644&posicao_atual=21&posicao_maxima=20
&tipo=bd&codBib=0&codMat=&flag=&desc=&titulo=Publica%E7%F5es%20On-
Line&contador=0&parcial=&letra=B&lista=E.

CAYE, M.T. RODRIGUES, S. Utilização da Vitamina C nas alterações


estéticas do envelhecimento cutâneo.. Universidade do Vale do Itajaí,
Trabalho de Conclusão de Curso em Tecnologia em Cosmetologia e Estética,
2008.
DRAELOS, Z. D. Cosmecêuticos. Editora: Elsevier, 2005.

DRAELOS, Z. D. Nutrition and enhancing youthful- appearing skin. Clinics in


Dermatology 2010. 28, 400-408.

FIGUEIREDO, F. Beleza de dentro para fora: conheça os nutricosméticos,


uma nova categoria de produtos destinados à beleza. Revista Mundo Verde.
Ano 4, Ed. 8, 2011.

FONTES, I. J. G. Antioxidantes como substâncias cosmetologicamente


activas. Universidade Lusófona de Humanidades e tecnologias, Dissertação de
Mestrado, 2013.

GUIRRO, E. C. de O. Fisioterapia dermato-funcional: fundamentos,


recursos e patologias. 3ed Barueri, SP: Manole, 2004.
HARRIS, M. I. N. C. Pele: estrutura, propriedades e envelhecimento. 2 ed.
São Paulo,:Editora Senac, 2005.

HIRATA, L.L et. al. Radicais livres e o envelhecimento cutâneo. Acta Farm.
Bonaerense, v. 23, n.3, p. 419-424, jun 2004.

KORB, I. R.; PAIZ, S. Descrição de nutricosméticos com ênfase no


envelhecimento cutâneo. Universidade do Vale do Itajaí. Trabalho de
Conclusão de Curso, 2011.
LEITE, H., SARNI, R. S. Radicais livres, antioxidantes e nutrição. Disponível
em: http://www.grannutrille.com.br/arquivos/mod5/mod5_29.pdf. Acesso em:
15/03/2015.

12
MAIO, M. Tratado de Medicina Estética. 2º edição, vol III. São Paulo: editora
Rocca, 2011.

MICHALUN, M. V.; MICHALUN, N. Dicionário de ingredientes para Cosmética


da pele. 3º edição. São Paulo: Senac, 2010.

PITS, E., SILVA, K. T. Nutricosméticos e seus benefícios no envelhecimento


cutâneo. Universidade do Vale do Itajaí. Trabalho de Conclusão de Curso, 2011

RIGANO, L.; DISTANTE, F. Antioxidantes na prevenção do envelhecimento


cutâneo. Cosmetics & Toiletries, v. 22, p. 42- 46 mar/abr. 2010

SANTOS, J. L. M. dos. Novas abordagens terapêuticas no combate ao


envelhecimento cutâneo. Universidade Fernando Pessoa, Dissertação de
mestrado. 2011.

SANTOS, M. P. dos; OLIVEIRA, N. R. F. Ação das vitaminas antioxidantes na


prevenção do envelhecimento cutâneo. UNIJUÍ, Trabalho de conclusão de
curso Nutrição, 2013.

SEGURA, C. L. Vitamina C no combate ao envelhecimento cutâneo. Unifil,


Disponível em: http://www.unifil.br/portal/arquivos/publicacoes/paginas/
2011/7/350_ 444_publipg.pdf. Acesso em: 01/04/2015.

SHNEIDER, A. P. Nutrição Estética. Editora: Atheneu. Cap. 10, p.131. São


Paulo, 2009.

SUZUKI, V. Nutricosméticos: um tratamento que reflete a beleza interior.


2012. Disponível em: http://hospitalsantarosa.com.br/mobile/mostrar_noticias.
asp?id =4364&opcao=noticias Acesso em: 21/03/2015.

TESTON, A. P.; NARDINO, D. Envelhecimento cutâneo: teoria dos radicias


livres e tratamentos visando a prevenção e o rejuvenescimento. Trabalho
conclusão de curso Farmácia, UNINGÁ,2010.

ZIMMERMANN, A. M., KIRSTEN, V. R. Alimentos com função antioxidante


em doenças crônicas: uma abordagem clínica. Disponível em:
<http://sites.unifra.br/portals/36/csaude/2008/05.pdf> Acesso em 15/03/2015.

13

Похожие интересы