Вы находитесь на странице: 1из 24

ARTE

ENSINO FUNDAMENTAL

Manual do Professor

Cláudia Carvalho Tôrres Dulce Couto
Cláudia Carvalho Tôrres
Dulce Couto
VOLUME 1 LIVRO 1
VOLUME
1
LIVRO 1

Arte volume 1

Ensino Fundamental

SUMÁRIO

Apresentação do componente curricular para o segmento ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 3 Avaliação da aprendizagem no componente curricular ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 6 Seções do livro ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 7 Distribuição dos conteúdos do componente curricular no segmento ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 8 Competências e habilidades do componente curricular para o ano �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 11 Sequência metodológica 1 ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 12 Orientações metodológicas ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 14 Sequência metodológica 2 ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 18 Orientações metodológicas ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 19 Referências�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 23 Indicação de livros paradidáticos���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 24Arte volume 1 Ensino Fundamental SUMÁRIO 2 Arte volume 1 Ensino Fundamental SUMÁRIO 2

2

ApReSentAçãO DO COMpOnente CURRICUlAR pARA O SegMentO

Manual do professor

DO COMpOnente CURRICUlAR pARA O SegMentO Manual do professor A educação através da Arte “é um

A educação através da Arte “é um movimento dialético na relação homem-mundo”. (FUSARI; FeRRAz, 1993, p�19)

professor, é com a abrangência sugerida na epígrafe que a Arte deve ser apropriada a partir dos Anos Iniciais� Sabemos que a Arte “não se esgota em uma única função ou sentido” (FUSARI; FeRRAz, 2001, p�18), mas devemos saber quais objetivos pontuarão nossa prática pedagógica� É por meio das intenções educativas que o professor orienta seu grupo de alunos no papel de espectadores ou de participantes que se relacionam com os objetos, fatos e artefatos, reagindo a eles, influenciando e sendo influenciados, formando e transformando conceitos, codificando, decodificando e produzindo sínteses particulares e sensíveis ao meio� Sabemos que é nas interações sucessivas com o objeto de estudo que se dá o conhecimento� Sendo assim, quanto mais oportunidades de contato com esse objeto tiver o aluno – levantando hipóteses, tentando prová-las, experimentando recursos diversos, interagindo com os fatos do cotidiano e procurando ampliar as redes de significado –, mais estará abrindo um leque

de possibilidades para que possa aumentar seu repertório cultural e estabelecer relações cada vez mais profundas entre a Arte e o que está ao seu redor�

O que se coloca hoje é uma escolha entre uma Arte isolada na escola e uma Arte que busque integrar e articular seus

próprios conhecimentos (fazer, apreciar e contextualizar)� Dessa forma, o conhecimento em Arte articula-se com o conhecimento por meio da Arte, problematizando e abrindo o leque de possibilidades de relação entre Arte, ensino, aluno e sociedade (MARQUeS, 1999, p� 43)� Assim, ao apropriar-se do pensamento artístico, o aluno se expressa e amplia sua leitura de mundo, desenvolvendo também seus modos de atuação sobre ele� De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais – Arte, o ensino da Arte nos anos iniciais envolve não apenas a atividade de produção artística dos alunos, mas também a compreensão do que fazem e do que os outros fazem� Sendo assim, o desenvolvimento da percepção estética, no contato com o fenômeno artístico, é visto como objeto de cultura na história humana e como conjunto de relações�

É importante que os alunos compreendam o sentido do fazer artístico, ou seja, entendam que suas experiências de desenhar,

cantar, dançar, filmar, videogravar ou dramatizar não são atividades que visam a distraí-los da “seriedade” das outras áreas�

Sabe-se que, ao fazer e conhecer arte, o aluno percorre trajetos de aprendizagem que propiciam conhecimentos específicos sobre sua relação com o mundo� Além disso, desenvolvem potencialidades (como percepção, observação, imaginação e sensibilidade) que podem contribuir para a consciência do seu lugar no mundo e para a compreensão de conteúdos das outras áreas do currículo� (BARBOSA, 2010, p�2) O ensino fundamental configura-se como um momento escolar especial na vida dos alunos, porque é nesse momento de seu desenvolvimento que eles tendem a se aproximar mais das questões do universo do adulto e tentam compreendê-las dentro de suas possibilidades� Ficam curiosos sobre temas como a dinâmica das relações sociais, as relações de trabalho, como e por quem as coisas são produzidas� (pCn,1977, p� 35)

3

Arte volume 1

Ensino Fundamental

no que se refere à Arte, o aluno pode tornar-se consciente da existência de uma produção

social concreta e observar que essa produção tem história, tanto no âmbito de sua comunidade como no da produção nacional e internacional à qual tiver acesso�

O aluno pode observar ainda que os trabalhos artísticos envolvem a aquisição de códigos e

habilidades, os quais passa a querer dominar para incorporar em seus trabalhos� tal desejo de domínio está correlacionado à nova percepção de que pode assimilar para si formas artísticas

elaboradas por pessoas ou grupos sociais, ao trilhar um caminho de trabalho artístico pessoal� esse procedimento diminui a defasagem entre o que o aluno projeta e o que quer alcançar� Assim sendo, é no final desse período que o aluno, desenvolvendo práticas de representação mediante um processo de dedicação contínua, dominará códigos construídos socialmente em Arte, sem perder seu modo de articular tais informações ou sua originalidade�

A aprendizagem em Arte acompanha o processo de desenvolvimento geral do aluno desse

período, que observa que sua participação nas atividades do cotidiano social está quase sempre associada às regularidades, aos acordos, às construções e leis que reconhece na dinâmica social da comunidade à qual pertence, pelo fato de se perceber como parte constitutiva desta� De acordo com o pnlD, no 4�º e no 5�º ano, o aluno já tem condições de emitir opiniões pró- prias a respeito das manifestações artísticas às quais tiver acesso, quer sejam elas de seu pró- prio contexto cultural, quer sejam de contextos de outras culturas� O aluno pode e quer criar suas próprias imagens partindo de uma experiência pessoal particular, de algo que viveu ou aprendeu, da escolha de um tema, de uma técnica, ou de uma influência, ou de um contato com a natureza e assim por diante� (pCn, 1997)

A Arte é fundamental para nossa memória e identidade, pois abre espaços para representação das mais variadas culturas, fomentando o respeito à diversidade, principalmente no tocante ao

4 estudo das culturas afro-brasileira e indígena brasileira� Um marco legal para a propagação da igualdade étnico-racial no Brasil é dado pela lei 10�639/2003, que altera a lei 9�394/96 de Diretrizes e Bases da educação nacional, estabelecen- do a obrigatoriedade de ensino de História e Cultura Afro-Brasileira, em consonância com a lei 11�645, que inclui

Art� 26-A� nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e privados, torna-se obrigatório o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena�

§

1º O conteúdo programático a que se refere este artigo incluirá diversos aspectos da história

e

da cultura que caracterizam a formação da população brasileira, a partir desses dois grupos

étnicos, tais como o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da

sociedade nacional, resgatando as suas contribuições nas áreas social, econômica e política, pertinentes à história do Brasil�

§ 2º Os conteúdos referentes à história e cultura afro-brasileira e dos povos indígenas brasileiros serão ministrados no âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas de educação artística e de literatura e história brasileiras� (nR)

(BRASIl� Secretaria de educação Fundamental� MeC/SeF� Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana (aqui se inclui a lei n�11�465 de 10 de março de 2008 que manda incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade também da temática indígena)� parecer Cne/Cp n� 3, de 10 de março de 2004� Disponível em: <http://portal�mec�gov�br/cne/arquivos/pdf/003� pdf>� Acesso em: 12 mar�2015�)

A intenção é de que as populações afrodescendentes e indígenas brasileiras e seus descendentes tenham sua identidade, cultura e história resgatadas e valorizadas no processo educacional, para que possamos lidar, de fato, com a nossa diversidade brasileira no que diz respeito à prática da música nas escolas, esta será conteúdo obrigatório em toda a educa- ção Básica� É o que determina a lei 11�769, de 18 de agosto de 2008� Desenvolver a sensibilidade, ampliar o repertório, tocar, ouvir, criar e entender a história da música são pontos fundamentais da coleção de Arte dos Anos Iniciais do ensino Fundamental� este livro pretende ser um indicador dos conteúdos a serem trabalhados com os alunos desta série, deixando espaço para que você, professor, possa criar também as atividades que julgar enriquecedoras desse tipo de prática� De acordo com o pnlD, o ensino-aprendizagem de Arte deve possibilitar às crianças e aos jovens a construção de conhecimentos que interajam com sua emoção, através do pensar, do fruir e do fazer arte, pois Arte, na escola, é a oportunidade de uma pessoa explorar, construir e aumentar seu conhecimento, desenvolver suas habilidades, articular e realizar trabalhos estéti- cos, além de explorar sua subjetividade (pnlD, 2014)� Apesar da ênfase aos elementos visuais, as obras apresentadas convidam o aluno a conhecer outras linguagens da Arte, tais como a música, a dança, o teatro e as artes visuais, propondo va- riadas possibilidades de aprendizagens dentro de cada linguagem e de diálogos entre elas� Dessa forma, o aluno amplia seu repertório de expressão em diferentes campos artísticos e desenvolve a capacidade de pensar, criar e fruir arte, atribuindo significados para a sua experiência estética�

A eStRUtURA DO COnteÚDO

A estrutura do conteúdo do livro está relacionada a fatos, conceitos, procedimentos e

atitudes�

Uma das características dos conteúdos conceituais é que a aprendizagem quase nunca pode ser considerada acabada, já que existe a possibilidade de ampliar ou aprofundar seu conhecimento, de fazê-la mais significativa� (zABAlA, 2002� p� 43)

Manual do professor

A aprendizagem de um fato se dá pela tradução literal ou quase próxima ao literal� no entanto,

não se trata de uma tradução mecânica�

O aluno precisa compreender o fato relacionando-o a um conceito� por exemplo, a condição da

mulher varia dependendo dos valores culturais do contexto em que está situada� O conhecimento dos “valores” em diferentes culturas é que auxilia a compreensão do fato pelo aluno� para aprender um conceito, é preciso que o aluno compreenda seu significado� por exemplo, o conceito de que fazer arte é um percurso construído ao longo da vida e de que ele já está fazendo parte desse processo� Os conceitos são construídos progressivamente, e o aluno elabora significados mais complexos a cada etapa� para isso, é necessário que ele tenha como garantia atividades e momentos que o levem a argumentar e aplicar esses conceitos em determinados contextos�

Um conteúdo procedimental – que inclui entre outras coisas as regras, as técnicas, os métodos, as destrezas ou habilidades, as estratégias, os procedimentos – é um conjunto de ações ordenadas e com um fim, quer dizer, dirigidas para a realização de um objetivo� São conteúdos procedimentais: ler, desenhar, observar, calcular, classificar, traduzir, recortar, saltar, inferir, espetar, etc� (zABAlA, 2002, p� 43�)

para a aprendizagem de um procedimento, é importante que o “fazer” não seja feito de forma mecânica� levar o aprendiz a refletir sobre as estratégias que utilizou para realizar determinada

atividade e os resultados obtidos é imprescindível para que ele possa ter consciência e domínio de suas ações�

A aprendizagem de um procedimento se dá no âmbito do “fazer”� O aluno deve dominar procedi-

mentos, para, por exemplo, saber utilizar materiais adequados à sua intenção� na aprendizagem de procedimentos, o professor precisa estar atento para fazer intervenções conforme a complexidade do trabalho e a necessidade pessoal de cada aluno� Os alunos devem, paulatinamente, adquirir autonomia para encontrar soluções baseadas nos conhecimentos que vão adquirindo ao longo do “fazer”� Diferenciar os contextos de aplicação dos procedimentos é essencial para que o aprendiz possa transferir seu conhecimento a outras situações de aprendizagem� Os conteúdos atitudinais são aprendidos por meio do convívio� Fazem parte desse conteúdo as atitudes, as normas e os valores� Antoni zabala, em seu livro A Prática Educativa, considera os “valores” como “princípios que per- mitem às pessoas emitir juízo sobre as condutas e seus sentidos”; “as atitudes dizem respeito a como cada pessoa realiza sua conduta de acordo com valores determinados”; e normas indicam “padrões ou regras de comportamento que devemos seguir em determinadas situações”� transportando o conceito de conteúdo atitudinal para o ensino de Arte, podemos traduzi-lo (de acordo com algumas citações dos Parâmetros Curriculares Nacionais) como

respeito às produções individuais e grupais;

reconhecimento da importância de frequentar espaços culturais;

atenção e respeito às obras e aos monumentos do patrimônio cultural, bem como sua valori- zação (retirado dos Parâmetros Curriculares Nacionais – Arte);

cooperação com os encaminhamentos propostos nas aulas de Arte;

desenvolvimento de atitudes em relação à tomada de decisões com relação às produções pessoais;

autonomia na manifestação pessoal para fazer e apreciar as artes;

reconhecimento dos obstáculos e desacertos como aspectos integrantes do seu processo criador�

existe ainda no livro a “dimensão cultural”, que se dá no âmbito da aplicação dos conteúdos

na vida prática� essa dimensão se apresenta para os anos iniciais, quando a atividade sugere um enriquecimento no repertório artístico cultural, motivando o aluno a frequentar espaços de Arte,

e propicia formas de reconhecimento da Arte, amplia o conhecimento e fomenta a preservação da memória� na coleção de Arte, três eixos foram articulados, ao mesmo tempo que mantêm seus espaços próprios: conhecer, fazer e apreciar�

Conhecer Arte relaciona-se à nutrição estética, situando os produtos artísticos como resulta-

do social e histórico� esse eixo refere-se também ao domínio reflexivo, que pode ser pessoal e ao mesmo tempo socializado, para que o aluno possa perceber que não aprende sozinho, e sim em contextos de interação� Ao socializar o conhecimento, favorecemos o saber pensar a Arte em vez de acumular conhecimento� O conhecer exige reflexão, contextualização, relacionamento de informação

e leitura significativa do objeto artístico�

Fazer Arte refere-se à produção artística associada ao conjunto de informações que se relacio- nam a essa atividade� O ato de fazer, de produzir em Arte, é realizado por meio de experimentações e uso das linguagens artísticas, relacionadas à aprendizagem no eixo do conhecer Arte�

5

Apreciar Arte está no âmbito da recepção, incluindo-se percepção, decodificação, interpretação, fruição de Arte e do universo a ela relacionado� A apreciação abrange não só a produção histórico- -social, mas também a produção artística do aluno e a de seus colegas� Inclui a identificação das qualidades estéticas e dos significados artísticos no cotidiano, nas mídias, na indústria cultural e nas práticas populares�

Arte volume 1

Ensino Fundamental

Avaliação da aprendizagem no componente curricularArte volume 1 Ensino Fundamental 6 De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais/Arte – Anos Iniciais, Arte volume 1 Ensino Fundamental 6 De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais/Arte – Anos Iniciais,

6

De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais/Arte – Anos Iniciais, entre outros aspectos, avaliar Arte nos anos iniciais implica saber o que é relevante que o aluno saiba praticar nesta área do conhecimento� O fazer arte é um eficaz instrumento de avaliação, desde que apoiado pelos conteúdos próprios da disciplina�

na coleção de Arte, a avaliação da aprendizagem se dá por meio das atividades procedimen- tais, conceituais e atitudinais� O aluno será preparado para desenvolver a estética do olhar e do fazer, a construção de significados, o ser e conviver em grupo� Com base nessa premissa, será necessário avaliarmos se ele é capaz de transformar ideias em trabalhos artísticos, articulando poéticas pessoais ao conhecimento construído, se faz a elaboração pessoal dos conteúdos tra- balhados e se respeita a produção individual e coletiva, interage, coopera e contribui com ideias e ações positivas na construção de trabalhos em grupo�

O professor poderá criar, em qualquer momento, instrumentos que o orientem na aprendiza- gem dos conteúdos, tais como:

montagem de exposição;

elaboração de textos individuais ou coletivos;

painéis com frases construídas pelos alunos, evidenciando a construção do conhecimen- to em relação ao conteúdo conceitual;

palavras cruzadas;

autoavaliação�

tomamos, como referências para avaliação em Arte, alguns critérios norteadores propostos pelos pCn:

Criar formas artísticas demonstrando algum tipo de capacidade ou habilidade. Com este cri-

tério, pretende-se avaliar se o aluno produz formas no espaço bi e tridimensional e desenvol- ve um percurso de criação individual ou coletivo articulando percepção, imaginação, emoções

e ideias, na experimentação com materiais e suportes, e sabendo utilizar técnicas e procedi- mentos mostrando empenho em superar-se� O professor poderá observar se o aluno busca aperfeiçoar seus conhecimentos apesar de suas dificuldades e se valoriza suas conquistas�

Estabelecer relações com o trabalho de arte produzido por si e por outras pessoas sem dis- criminações estéticas, artísticas, étnicas e de gênero. Com este critério, pretende-se avaliar se o aluno sabe identificar o valor e gosto em relação às imagens produzidas por si mesmo, pelos colegas e por outros e argumentar sobre elas respeitando o processo de criação pes- soal e social, ao mesmo tempo em que participa cooperativamente na relação de trabalho com colegas, professores e outros grupos�

Reconhecer e apreciar vários trabalhos e objetos de arte por meio das próprias emo- ções, reflexões e dos conhecimentos. Com este critério, pretende-se avaliar se o aluno conhece, sabe relacionar e apreciar com curiosidade e respeito vários trabalhos e objetos de arte – na sua dimensão material e de significação –, criados por distintos produtores, conhecendo sua história, usos e costumes, incluindo a variedade das diferentes regiões e grupos étnicos, observando contrastes e semelhanças�

Valorizar as fontes de documentação, preservação e acervo da produção artística� Com este critério, pretende-se avaliar se o aluno valoriza, respeita e reconhece o direito à preservação da própria cultura e das demais e se percebe a necessidade da existência de fontes de docu- mentação, espaços de cuidados e acervo de trabalhos e objetos artísticos em diferentes am-

bientes (museus, galerias, oficinas de produtores de arte, bibliotecas, midiatecas, videotecas)

e a importância de frequentá-los�

SeçÕeS DO lIVRO

Manual do professor

SeçÕeS DO lIVRO Manual do professor ENCONTRO COM A Arte esta seção se dedica ao levantamento
ENCONTRO

ENCONTRO

ENCONTRO COM A Arte
ENCONTRO COM A Arte
COM A Arte

COM A Arte

esta seção se dedica ao levantamento do conhecimento dos alunos acerca do conteúdo, considerando o que conhecem, o que já experimentaram e também o que não conhecem, contextuali- zando e problematizando uma visão sobre o mundo da arte por meio de um trabalho prático�

PORTAL DA ARTE:

PORTAL DA ARTE:

PORTAL DA ARTE: POntO de Referência
PORTAL DA ARTE: POntO de Referência
POntO de Referência

POntO de Referência

esta seção apresenta o conteúdo conceitual de forma dialo- gada, por meio de textos e imagens que contextualizarão todo o conteúdo procedimental relativo ao fazer artístico�

LABIRINTOS

dA Arte

esta seção apresenta atividades para o aluno iniciar a aplica- ção do conhecimento� poderá apresentar atividades de recortes, fichas, colagens, jogos, análise de questões objetivas ou registros escritos coletivamente� Representa a primeira atividade de apli- cação dos conceitos�

REFAZENDO

REFAZENDO

REFAZENDO O PeRCURSO: Síntese
REFAZENDO O PeRCURSO: Síntese
O PeRCURSO: Síntese

O PeRCURSO: Síntese

esta seção representa a conclusão e sistematização de con- ceitos construídos com elaboração coletiva ou individual� As ati- vidades podem ser diversificadas, tais como caça-palavras, pala- vras cruzadas ou outros jogos�

OUTRAS

OUTRAS

OUTRAS JAneLAS
OUTRAS JAneLAS
JAneLAS

JAneLAS

esta é uma seção que traz sugestões, indicação de livros, CDs, filmes, entrevistas, documentários, sites oficiais de artistas e mu- seus para que o aluno possa ampliar o conhecimento dos assun- tos tratados em cada capítulo�

7

Arte volume 1

Ensino Fundamental

Distribuição dos conteúdos do componente curricular no segmentoArte volume 1 Ensino Fundamental O livro está organizado em uma unidade por semestre, com dois Arte volume 1 Ensino Fundamental O livro está organizado em uma unidade por semestre, com dois

O livro está organizado em uma unidade por semestre, com dois capítulos� Cada unidade apresenta um artista diferente� O ponto de partida do livro está ancorado nos elementos de linguagem da arte visual, como ponto, linha, textura, cor, volume, entre outros trazidos pelo repertório do artista�

8

Volume 1 - Anos InIcIAIs

A InTensIDADe DA coR nA ARTe

lIVRo 1

lIVRo 2

unIDADe 1: A coR nA ARTe

unIDADe 2: HARmonIA DAs coRes

capítulo 1: As cores no quintal de Aldemir martins

capítulo 3: matisse, o mestre das cores

História contextualizada da Arte: Primitivismo e expressionismo

História contextualizada da Arte: Fauvismo

Aldemir martins – vida e obra

leitura de imagem

leitura de imagens

A expressividade da cor

As cores na pintura

matisse: Vida e obra

Diálogo entre música, teatro e dança

capítulo 4: Harmonia das cores

capítulo 2: Formação das cores

cores quentes e cores frias

cores primárias

As cores na cultura brasileira

cores secundárias

A cor na arte contemporânea

círculo das cores

Vídeo; diálogo entre o corpo, a música e a cor

As cores na arte indígena brasileira

Dança: expressão de uma cultura (indígena)

outros artistas e as cores do Brasil

os sons na arte africana

Manual do professor

 

Volume 2

lIVRo 1

lIVRo 2

unIDADe 1: A lInHA nA ARTe

unIDADe 2: A eXPRessIVIDADe Do TRAÇo

capítulo 1: As linhas de Paul Klee

 

História contextualizada da arte: expressionismo

capítulo 3: os traços de Tarsila do Amaral

leitura de imagens

História contextualizada da arte: modernismo

os tipos de linha

leitura de imagem

Relação entre a linha, o movimento e a dança

Tipos de traços

capítulo 2: composição com linhas

capítulo 4: composição com traços

organização das linhas no espaço

Formação do desenho

As linhas na arte dos povos africanos

Diálogo entre traços e dança

A linha na arte indígena brasileira

Traços brasileiros na música

Grafismos na Arte

Traço e representação da cultura africana e indígena

Arte contemporânea e intervenção visual

o teatro como forma de expressão

A visualidade da linha na fotografia

expressão da brasilidade no desenho

Diálogo entre pintura, linha e música

9

 

Volume 3

lIVRo 1

lIVRo 2

unIDADe 1: As FoRmAs nA ARTe

unIDADe 2: FoRmA e DImensÃo

capítulo 1: Pablo Picasso: um artista da forma

capítulo 3: As formas de Portinari

História contextualizada da arte: cubismo

História contextualizada da arte: modernismo

leitura de imagens

leitura de imagem

A diversidade das formas da arte africana

Tipos de traços

capítulo 2: o mundo das formas

capítulo 4: As dimensões da forma

simetria e assimetria

Bidimensional

simplificação da forma

Tridimensional

Arte volume 1

Ensino Fundamental

 

o equilíbrio das formas

Geometrização das formas na arte

As formas da África no Brasil

materiais e suportes para desenho e escultura

A forma aplicada na arte contemporânea

A visualidade da linha na fotografia

o teatro e as formas como cenário

maquiagem: diálogo entre teatro e formas

A dança e a dimensão do espaço

10

 

Volume 4

lIVRo 1

lIVRo 2

unIDADe 1: o Volume nA ARTe

unIDADe 2: FoRmA e DImensÃo

capítulo 1: o claro e o escuro de leonardo da Vinci

 

História contextualizada da arte: Renascimento

capítulo 3: o volume na obra de Diego Rivera

leitura de imagens

História contextualizada da arte: Arte mural

Volume

leitura de imagem

Fotografia: a arte de retratar pessoas

A diversidade de volume na arte muralista

capítulo 2: o desenho e o volume

capítulo 4: o volume na Arte

Textura tátil

o volume no espaço bi e tridimensional

Textura visual

materiais e suportes

sombras

claro e escuro

escala tonal

Produção de texturas

Artistas da luz e da sombra

A cultura indígena e africana nas Américas

Teatro: diálogo entre desenho, volume e figurino

o espaço da dança nas culturas

música instrumental: a arte de criar sons

Manual do professor

Competências e habilidades do componente curricular para o anoManual do professor competência 1: Artes Visuais - Conhecer e compreender produções artísticas de desenho, pintura Manual do professor competência 1: Artes Visuais - Conhecer e compreender produções artísticas de desenho, pintura

competência 1:

Artes Visuais - Conhecer e compreender produções artísticas de desenho, pintura e escultura dentro de seu contexto histórico�

Habilidades

„ Conhecer desenhos, pinturas e esculturas de diferentes estilos artísticos�

„ Reconhecer técnicas e materiais utilizados no desenho, na pintura e na escultura�

„ produzir trabalhos artísticos de desenho, pintura e escultura�

„ Aprender a ler e a analisar uma obra de arte de desenho, pintura e escultura, relacionando com a história da arte, com os conceitos e as finalidades da Arte�

„ Compreender e analisar as relações entre desenho, pintura e escultura e as outras linguagens artísticas�

competência 2:

Música - Conhecer e compreender produções artísticas musicais instrumentais e vocais dentro de seu contexto histórico�

Habilidades

„ Desenvolver a capacidade de apreciar a produção artística musical com senso crítico e estético�

„ Desenvolver a percepção auditiva e a memória musical, criando, interpretando e apre- ciando a música�

competência 3:

Artes gráficas - Conhecer e compreender produções artísticas de artes gráficas dentro de seu contexto histórico�

Habilidades

„ Reconhecer técnicas e materiais utilizados nas artes gráficas�

„ produzir trabalhos artísticos de gravura�

„ produzir trabalhos artísticos de impressão com experiência de materiais diferentes, principalmente materiais reaproveitados�

„ Articular conhecimentos de elementos de linguagem visual na construção do desenho e da gravura�

„ Relacionar a sua própria produção artística de gravura com o seu desenvolvimento individual através de análise e reflexão�

competência 4:

Dança - Conhecer e compreender produções artísticas de dança dentro de seu contexto histórico�

Habilidades

„ produzir trabalhos artísticos de dança�

„ Reconhecer técnicas de concepção de dança�

„ Articular conhecimentos de coordenação corporal, de espaço individual e global, da qua- lidade do movimento e da relação estabelecida em grupo; desenvolver a percepção da intertextualidade entre a dança e a música�

„ Relacionar e discutir as produções artísticas de dança e as produções contemporâneas, locais e de diversas culturas�

„ Situar e compreender as relações entre corpo, dança e sociedade no contexto do diálogo que se estabelece entre a tradição e a sociedade contemporânea�

competência 5:

Teatro - Conhecer e compreender o teatro em suas dimensões artística, estética, histórica, social e antropológica�

Habilidades

„ produzir trabalhos artísticos teatrais�

„ Reconhecer elementos de concepção de teatro�

„ Articular conhecimentos de expressão corporal�

„ Improvisar com elementos da linguagem teatral�

„ Conhecer os diversos elementos cênicos�

„ Conhecer a construção e a interpretação do personagem�

11

competência 6:

Arte volume 1

Ensino Fundamental

Artes audiovisuais – Conhecer e compreender produções artísticas em artes audiovisuais dentro do seu contexto histórico

Habilidades

„ produzir trabalhos artísticos relacionados às artes audiovisuais�

„ Conhecer e articular os elementos da linguagem audiovisual�

„ Valorizar a produção artística das artes audiovisuais como forma de expressão sociocultural�

„ Relacionar a sua própria produção artística de artes audiovisuais com o seu desenvolvi- mento individual através de análise e reflexão�

„ Desenvolver a capacidade de apreciar a produção artística das artes audiovisuais com senso crítico e estético�

Sequência metodológica 1das artes audiovisuais com senso crítico e estético� 12 Unidade 1 – A cor na arte das artes audiovisuais com senso crítico e estético� 12 Unidade 1 – A cor na arte

12

Unidade 1 – A cor na arte Capítulo 1 – As cores no quintal de Aldemir Martins

TemPo PReVIsTo: 12 semAnAs

HABIlIDADes esPecÍFIcAs

caracterizar o trabalho de Aldemir martins.

Reconhecer características do expressionismo e do Primitivismo.

Reconhecer a importância e a função da cor na composição de imagens.

experimentar as cores e descobrir sua maneira pessoal de utilizá-las.

TeRmos/conceITos FunDAmenTAIs:

9

cor primária, cor secundária,

9

combinação de cores,

9

artes gráficas,

9

música e teatro.

Manual do professor

semana

conteúdo

estratégias de ensino

   

leitura da carta de abertura da unidade.

leitura de imagem e comentário.

1.ª e 2.ª

entrando no mundo das cores

montagem do galo com colagem de penas utilizando a página do anexo do livro do aluno para recortes.

comentário sobre a forma como os alunos utilizaram para combinar as cores das penas como estratégia para o levantamento do conhecimento do aluno sobre cores.

 

Aldemir martins: um artista da cor

exploração da temática nas pinturas de Aldemir martins por meio da leitura de imagens e texto com explicação dialogada.

3.ª

A cor na pintura

levantamento das experiências pessoais com quintais e animais.

Aplicação do conhecimento por meio de desenho e pintura.

labirintos da Arte

 

Diálogos com a música

 

Hora do teatro

Apresentação de músicas da obra Os Saltimbancos dialogando com a temática de Aldemir martins.

criação de uma máscara e utilização de uma das formas de combinar cores, apresentadas no círculo das cores.

4.ª e 5.ª

criação de máscaras

Apresentação de uma encenação com as máscaras, podendo ser um minimusical.

labirintos da Arte

Recorte de dedoches de animais e criação de diálogos.

Apresentação de uma encenação.

Dedoches

 

Janelas para a Arte

 

6.ª

Análise da obra Macunaíma

Janela 1: As cores do meu céu

leitura de imagem com destaque de algumas partes da pintura, abrindo-se em janelas.

laboratório criativo: montagem de um céu, referente à janela 1, com a técnica de recorte e colagem.

 

leitura de imagem

 

7.ª e 8.ª

Janela 2: As cores no doce sabor das frutas

leitura de imagem.

laboratório criativo: desenho e pintura de um arranjo de frutas e observação de suas cores.

 

leitura de imagem

leitura de imagem.

9.ª e 10.ª

Janela 3: Aves voadoras

laboratório criativo: montagem de uma ave tridimensional colorida com as cores primárias e criação de uma ambientação.

 

leitura de imagem

leitura de imagem.

11.ª e 12.ª

Janela 4: os animais do meu quintal

laboratório criativo: modelagem de animais domésticos e montagem de um quintal com elementos de recorte do livro do aluno, para criar ambientação.

13

Arte volume 1

Ensino Fundamental

14

oRIenTAÇÕes meToDolÓGIcAs

UNIDADE 1 - A COR NA ARTE Capítulo 1 - As cores no quintal de Aldemir Martins Professor, a cor é o elemento formal da arte que será explorado neste livro. com base na imagem de abertura do capítulo, incentive os alunos a falarem sobre as suas experiências com co-

res, relatarem suas cores preferidas e também como as enxergam na natureza, nos objetos, na arquitetura, etc. Aldemir martins é o artista que contextualizará todo o trabalho do livro. Parale- lamente, serão apresentadas ao aluno imagens de obras de arte de outros artistas, traçando um paralelo entre eles. no contexto da história da arte, será abordado o expressionismo em relação

à forma de utilização das cores e o Primitivismo, além das cores, a simplificação da forma. utilize, sempre que possível, outras imagens do seu acervo ou do aluno, para enriquecer o percurso do ensino/aprendizagem.

Entrando no mundo das cores - (Encontro com a Arte) Iniciamos o livro pedindo ao aluno que complete a imagem de um galo que está em preto e branco. ele deverá recortar as penas do galo nas páginas de recorte do próprio livro, completar parte do desenho e, após isso, continuar utilizando cores que ele considere que combinam com aquelas que estão nas penas que ele recortou e colou.

ANExO 1 Professor, sendo esta uma atividade de levantamento do conhecimento prévio, será importante você estimular respostas à proposta da página. o aluno deverá pensar e responder como fez para combinar o restante das cores no galo assim como o que já sabe sobre as cores. essa discussão lhe dará um caminho a seguir, visto que a cor é o tema de estudo, muito lhe adiantará saber o que os alunos já trazem em suas bagagens de conhecimento. mesmo que eles não falem “cores primárias” e “secundárias” ou qualquer outro grupo de cores, ainda assim será possível perceber se, nas respostas que eles darão, estão embutidos esses conhecimentos. Para tanto, valide as respostas que considere como oportunidade para abordar o assunto e/ou ampliar o conhecimento da turma já indicando como trabalharemos no livro com a cor.

Aldemir Martins: um artista da cor - (Portal da Arte: Ponto de Referência) leve os alunos a deixarem seus registros no espaço reservado na página. Por meio de seus trabalhos, abordaremos o elemento cor. leia para a turma as informações sobre o artista dando ênfase ao aspecto autodidata da sua obra. outro importante foco está na

temática de Aldemir que sempre buscava os temas partindo da sua vivência e do seu olhar para as coisas simples da vida. A obra de Aldemir martins tem por isso um caráter ingênuo e remete

à iconografia infantil.

explore nas imagens do livro os temas que remetem ao Brasil, as cores nas imagens, os suportes e fomente respostas às perguntas colocadas no livro. explore as imagens das páginas, observando os temas, as cores e as formas.

A cor na pintura (Portal da Arte: Ponto de Referência) Ampliando o olhar a partir de Aldemir martins, vamos agora enriquecer o repertório imagético do aluno apresentando-lhe outros artistas que, independentemente da época, expressaram algum aspecto do Brasil em seus trabalhos com o uso de cores vibrantes, alegres, expressivas. explore a temática de cada imagem perguntando se os alunos conhecem algumas das manifestações culturais apresentadas, ou da paisagem. onde viram, se já participaram de alguma, se

sabem onde acontece. Deixe o olhar passear pelas imagens para serem degustadas esteticamente. Trace um paralelo entre as imagens e a obra de Aldemir martins. Todas elas apresentam situações que fizeram parte da realidade de quem as produziu ou são encantamentos particulares que o artista tem por determinada manifestação cultural ou da natureza.

A cultura não pode ser confundida com eventos isolados, que se bastem em si mesmos. muito menos pode ser reduzida a mero entretenimento ou restrita às Belas–Artes. cultura é um pou-

co disso tudo, mas também as referências históricas, costumes, condutas, desejos e reflexões. evidentemente, o evento artístico, como concretização de um processo, tem um papel importante e, muitas vezes, é nesses acontecimentos que as pessoas tomam contato, pela primeira vez, com determinadas obras de arte; e são tocadas por elas.

Professor, reflita com os alunos a respeito de como apreenderam a obra de Aldemir martins. leve-os a comparar as obras de diferentes artistas em relação à temática do cotidiano, da cultu- ra brasileira, seus traços e a forma autônoma como Aldemir martins usava as cores. não esperamos que o aluno tenha esse vocabulário, mas é nossa expectativa que o trabalho desenvolvido dê a ele uma qualidade de resposta que demonstre sua percepção e seu envolvi- mento com o conteúdo. Também é papel da arte estabelecer um comportamento mental que leve os alunos a comparar coisas, a passar do estado das ideias para o estado da comunicação, a formular conceitos e a descobrir como se comunicam esses conceitos. cabe agora contextualizar essas pinturas dentro da história da arte, com o Primitivismo, que é também conhecido como arte naif.

A arte naif é uma criação artística instintiva e espontânea realizada por pintores autodidatas que representam suas experiências de vida. Podemos dizer que, desde o início dos tempos, quan-

do o homem sentiu a necessidade de criar algo com o único intuito de se deleitar, surgiu a arte naif; assim sendo, ela encontra-se presente ao longo da história da humanidade, pelas mãos de indivíduos que, alheios aos movimentos artísticos, sociais e culturais de sua época, criam unicamente movidos por suas emoções. A denominação “arte naif” (aplicada para designar um grupo de pintores) como utilizamos atualmente, surgiu no fim do século XIX, com a aparição do pintor francês Henri Rousseau, no “salão dos Independentes”, em Paris. Atualmente, podemos dizer

que o Brasil é um dos grandes representantes da arte naif mundial. Por ser um país de imensos contrastes, com uma cultura resultante do amálgama de inúmeras outras (a africana, a europeia

Manual do professor

e a indígena), ele é um canteiro fértil para o surgimento e desenvolvimento dessa forma de expressão artística. Apesar desse imenso potencial, somente na década de 1950, o Brasil começou a

dar

atenção a esse grupo de artistas, com as primeiras exposições de Heitor dos Prazeres, cardosinho, silvia de leon charleo e José Antonio da silva. Depois desse início, as décadas de 60 e 70

vão

conhecer uma verdadeira explosão de pintores naifs brasileiros, tais como: Ivonaldo, Isabel de Jesus, Gerson Alves de souza, elza o. s., crisaldo de moraes, José sabóia e muitos outros que,

juntamente com seus predecessores, estão presentes em nosso acervo. A arte naif é simples, pura, autêntica e não exige prévios conhecimentos intelectuais e artísticos para ser compreendida, chega direto ao nosso coração e toca nossa alma sem subterfúgios, somente ultrapassando o filtro de nossas emoções. A Galeria Jacques Ardies convida-o a se deixar contagiar por esse mundo de luzes, cores e alegria oferecido por seus artistas. Professor, se possível, visite o site do museu de arte naif sugerido na bibliografia com os alunos para que eles possam conhecer mais pinturas e seus detalhes. Após isso, proponha um dese- nho ou pintura partindo de temas do cotidiano e desenvolva-o, colocando o prazer e a simplicidade acima de tudo. É claro que não devemos perder de vista a questão estética, pois, mesmo em se tratando de uma arte espontânea, estamos tratando-a como Arte.

Diálogos com a música em relação ao disco Os Saltimbancos, cujo repertório nos apresenta a história de uma gata, e sendo esta uma das temáticas de Aldemir martins, sugerimos que você consiga entre os alunos o

cD ou baixe da Internet essa canção para que eles possam fazer a apreciação da letra e cantar.

Você encontrará essa canção no link a seguir, disponível em <http://www.radio.uol.com.br/#/letras-e-musicas/os-saltimbancos/historia-de-uma-gata/1686123>, acessado em: 20 abr. 2014. explore a letra, extraindo o significado e levando os alunos a caminharem na evolução da história. uma gata que é tratada com todo mimo resolve sair em busca de aventuras. Peça aos alunos que contem o que eles sabem sobre os hábitos dos gatos, explore as características e posturas físicas do bichinho de estimação. Incentive-os a contar suas experiências com esse animalzinho e cante com eles a canção. caso tenha tempo disponível, você poderá criar uma máscara de gato com eles e deixá-los imitar gatos, ou mesmo criar um minimusical com essa canção, para uma rápida apresentação, ou mesmo como parte de algum evento de sua escola. Tudo isso permitirá que ele acesse experiências já vividas e consiga posteriormente colocá-las em trabalhos artísticos ou de outra natureza.

Síntese do disco em relação à obra por completo, são apresentados quatro bichos que abandonam seus donos por causa dos maus-tratos: o jumento que não aguenta mais carregar tanto peso sem recom- pensa alguma, o cachorro que está muito velho para guardar a casa, a galinha que não consegue mais botar ovos e a gata que está cansada de servir como companhia de luxo de sua patroa. eles se juntam e partem para a cidade em busca do sonho de se tornarem artistas. na verdade, deixam pra trás a opressão que sofrem de seus “patrões” e partem em busca da liberdade. Disponível em: <http://mrzieg.com/2013/05/especial-chico-buarque-os-saltimbancos/>. Acesso em: 20 dez. 2013. sugestão: Para ampliar ainda mais o trabalho com Os Saltimbancos e conduzir o aluno ao mundo da imaginação, estimular a criatividade, quebrar bloqueios, desenvolver a expressão verbal

e corporal, descobrindo sua própria essência por meio das artes, convide o professor de educação Física para montar com você e as crianças um minimusical dos saltimbancos. ele poderá tra- balhar o ritmo e a movimentação observando as possibilidades da corporeidade dos alunos. Pode ser apresentado na escola para outras turmas ou quem sabe convidar os pais para assistirem à encenação. criem máscaras de gatos e de outros animais para caracterizá-los. Pode-se também utilizar maquiagem.

Hora do teatro criação de máscaras em nossa proposta existe a intenção de promover constantes diálogos entre as linguagens. Ainda atrelados à temática do artista em estudo, o teatro entra em cena para dialogar com o con- teúdo. As máscaras, símbolos do teatro, passam agora o ocupar o cenário do livro.

ANExO 2 cada aluno deverá criar a sua máscara, orientado pelo modelo colocado no livro e pelos passos descritos. Para colocar o elástico, faça o furinho para o aluno. o bico é de fácil colocação, bastando dobrá-lo e encaixá-lo no furo da boca. mesmo com toda ludicidade, há também a intenção de que o aluno aplique as propostas de combinação de cores sugeridas na página anterior. ele deverá escolher uma das formas apontadas para colorir a máscara. Pode inclusive utilizar as duas formas sugeridas. Professor, uma atividade divertida para se fazer com as máscaras é o coral dos animais. escolha uma canção de melodia fácil. Por exemplo, “Atirei o pau no gato”.

Divida a turma em grupos de sons: piu-piu, có-có, glu-glu, entre outros. mesmo que não se conheçam exatamente as sílabas dedicadas aos sons de algumas aves, peça aos alunos que criem

um som para as araras, para os urubus, etc. Guiados pela melodia da canção escolhida, você aponta para os grupos de galinhas que devem iniciar cantando a canção. Porém, em vez de cantarem com as palavras, vão cantar com os

sons no momento em que você, professor, apontar para determinado grupo.

15

Arte volume 1

Ensino Fundamental

16

exemplo:

au auauauauauau au au piupiu piupiu piu piu

có cócó có có gluglu glu glu glu piupiupiu piu piu au auau au auau có có cócó có Todos juntos

Atirei o pau no gato to to mas o ga to to

não mor reu reu dona chi ca ca admirou se se do berro do berro que o gato deu miau!

Dedoches - (labirintos da Arte)

ANExO 3 Proporcione um momento lúdico para que os alunos representem os personagens do musical Os Saltimbancos.

Janelas para a Arte - (Refazendo o Percurso: Síntese) Análise da obra Macunaíma Professor, consideramos esta seção o ponto alto do livro. Trabalharemos com uma imagem do artista que apresenta muitos detalhes para serem analisados. A princípio, a leitura se dará no âmbito da totalidade e, em seguida, janelas serão destacadas para que os alunos apreciem os detalhes para os quais desejamos que estejam voltadas as atenções dentro do tema trabalhado. Para cada janela aberta será proposta uma atividade que dialogará com outras linguagens da arte, como atividades de expressão corporal, teatro, música, literatura, entre outras. nestas páginas, apresentamos a obra Macunaíma, que Aldemir martins fez a partir da leitura do livro com o título Macunaíma, de mario de Andrade.

curiosidade sobre a obra literária: A personagem principal, que tem o mesmo nome do título do livro, é um índio que representa o povo brasileiro, mostrando a atração pela cidade grande de são Paulo e pela máquina. A frase característica da personagem é “Ai, que preguiça!”.

A obra escrita procura representar o multiculturalismo brasileiro evidenciando mitos indígenas, lendas, provérbios do povo brasileiro e registrando alguns aspectos do folclore do país até então

pouco conhecidos.

Algumas perguntas que você pode fazer para conduzir a leitura da imagem:

- onde está macunaíma na imagem?

- Quais frutas aparecem na imagem?

- Quais animais você reconhece na imagem?

- o que você pode dizer sobre as cores que Aldemir utilizou nesta pintura?

- onde parece se passar esta cena? em um quintal, em uma floresta?

Professor, para cada janela que foi aberta na leitura da imagem de Macunaíma, indicaremos uma atividade artística relacionada aos elementos da análise. Faremos separadamente uma a uma. Algumas atividades serão destacadas para montagem de uma exposição na sala de aula, na escola, ou para levar para casa. Aliás, esta é uma preocupação que devemos ter em relação à produ- ção da criança: para ela, o sentido está no momento em que finaliza a sua criação e que todos os sentimentos ainda estão envolvidos. Guardar todos os trabalhos para serem devolvidos no final do semestre pode não ter mais sentido para o aluno. Para tanto, desenvolvemos molduras nas páginas de recorte do livro para que ele escolha uma moldura para ser utilizada em cada trabalho. ele deverá recortar e colar nas bordas da folha, antes mesmo de iniciar o trabalho, para que seja possível uma melhor visualização do espaço que ele terá para trabalhar.

Janela 1 - As cores do meu céu

ANExO 4 nesta primeira atividade, é nossa intenção que o aluno trabalhe com a técnica de recorte e colagem. Antes de iniciarem o “fazer artístico”, mostre-lhes a janela 1 e peça que observem mais uma vez os elementos que estão presentes no céu de Aldemir martins. explore com eles outros elementos que se fazem presentes no céu e também nos ares em diferentes festas, comemorações e estações do ano: festa junina, ano-novo, carnaval, festas religiosas, verão, primavera, inverno, outono. Também explore as estrelas, cometas, astros, balões, serpentinas, confetes, bandeirinhas, borboletas, pernilongos, aves diurnas e noturnas, entre outros seres e elementos. no livro, eles deverão colar os elementos que desejarem de acordo com o céu que cada um planeja criar. Porém, antes, eles deverão ter bem definido o período do dia que eles querem represen-

tar: manhã, tarde, pôr do sol, aurora

como seres imaginários ou quaisquer outros elementos que ajudem a dar identidade ao seu projeto de céu brasileiro.

o aluno deverá buscar na página 63 do livro elementos para compor a sua imagem de céu e criar outros que porventura não tenha, mas que ele deseja incluir,

Manual do professor

Professor, aproveite este momento para trabalhar a composição, ensinando-os a observar a utilização do espaço na página. Para isso, antes de fazerem a colagem, peça-lhes que, primeiramente, façam a colocação dos itens pelo espaço disponível para que, depois que juntos vocês analisarem a disposição, ele faça a colagem. existem muitas maneiras diferentes de colar utilizando o espaço. nem tudo precisa estar com as mesmas distâncias, distribuído na folha. eles podem estar em forma de caracol, formando on- das, colados de forma linear, simétrica ou assimétrica. Depende da intenção de cada colagem.

ANExO 10 - O aluno deverá emoldurar a colagem utilizando as molduras disponibilizadas. Janela 2 - As cores no doce sabor das frutas

Aldemir martins, por não ter frequentado nenhum ambiente acadêmico, acabou por escolher a sua temática partindo da observação das manifestações populares e da natureza que o rodeava. As frutas fazem parte dos quintais por onde passou e viveu no Brasil. será interessante fazer algumas perguntas aos alunos:

- Quais árvores vocês já viram carregadas de frutas?

- Já subiram em alguma árvore para colher uma fruta. Qual?

- De quais frutas você gosta?

- Quais são as frutas típicas do Brasil?

com base nessa dessa conversa, os alunos deverão escolher se farão uma composição de frutas preferidas, ou de frutas que são tipicamente tropicais, ou ainda que tenham determinadas cores ou sabores (doce, azedo, ácido). outra sugestão é trabalhar o desenho de observação. Peça aos alunos que tragam uma fruta de casa e arranje-as em uma fruteira em cima de uma mesa, pedindo a eles que façam o desenho partindo da observação das formas das frutas. Professor, será muito importante comparar as diferentes tonalidades de cores e manchas presentes na mesma fruta. Você poderá partir algumas para o desenho de observação, para que sejam analisadas estas nuances. De acordo com os materiais disponíveis em seu acervo, escolha uma técnica para dar cor ao trabalho: aguada, aquarela, desenho lavado, nanquim, etc. o trabalho será executado na página 25 do livro do aluno.

Janela 3 - Aves voadoras nesta atividade, a nossa intenção é criar uma oportunidade para o aluno trabalhar as cores primárias e, ao mesmo tempo, envolver-se com a temática de Aldemir martins. ele deverá recortar o molde da ave, montar e utilizar as cores primárias para dar cor a ela.

ANExO 5 Professor, será interessante criar uma instalação com estas aves na sala de aula assim como é proposto no livro do aluno. caso queira, ainda poderá dependurá-las pelos corredores da escola, criando uma ambientação com galhos e folhagens artificiais ou naturais desde que não sejam arrancadas plantas para esta finalidade. caso na sua escola haja vasos com plantas grandes, as aves poderão ficar dependuradas no teto em direção a elas ou mesmo apoiadas nas próprias plantas. Depois de retiradas as aves do local onde foram dependuradas, o aluno deverá colar na página 27 do livro, para que fique registrada a atividade.

Janela 4 - Os animais do meu quintal Agora, trabalhando o universo dos quintais, o aluno deverá criar, depois de todas as análises sobre quintais feitas ao longo do livro, o seu próprio quintal real ou imaginário. Dando ênfase à modelagem, individualmente cada aluno deverá modelar os animais que estariam em seu quintal. A massa pode ser comprada pronta ou pode ser feita com os alunos. Dependendo do tempo disponível, feita por você e entregue a eles para trabalhar. Papel machê, massa de biscuit ou porcelana fria, argila, entre outras de fácil plasticidade, deverão dar formas aos mais diferentes animais.

ANExO 6 na página 29 do livro do aluno, está reservada uma folha que servirá para ser o chão do quintal e, na página 67 (de recorte), o aluno encontrará elementos para compor o seu quintal. Todos esses elementos têm uma linha pontilhada para que o aluno, após recortar, possa dobrar na marca e colocá-los em pé, na forma tridimensional. Basta que o aluno faça o colorido nos elementos que ele quiser utilizar em seu quintal, recorte e dobre a base e cole para que ele fique como se fosse elemento de uma maquete. Faça uma exposição dos trabalhos, utilizando, como suporte para os quintais criados, as mesas ou bases de papelão rígido.

outras janelas - Professor, incentive os alunos a visitarem os endereços eletrônicos sugeridos nesta seção juntamente com a família, ou proporcione um momento para que você possa explorar as sugestões de enriquecimento apresentadas para o aluno, incluindo, se possível, a exploração dos livros, incentivando a leitura.

17

Arte volume 1

Ensino Fundamental

18

Sequência metodológica 2Arte volume 1 Ensino Fundamental 18 Capítulo 2 – A formação das cores TemPo PReVIsTo: 10 Arte volume 1 Ensino Fundamental 18 Capítulo 2 – A formação das cores TemPo PReVIsTo: 10

Capítulo 2 – A formação das cores

TemPo PReVIsTo: 10 semAnAs

 

HABIlIDADes esPecÍFIcAs

 

compreender a formação das cores, diferenciando cores primárias e secundárias.

classificar os grupos de cores primárias e secundárias.

 

Reconhecer a importância e a função da cor na composição em obras de arte.

experimentar as cores e descobrir a relação entre elas nos trabalhos produzidos.

saber relacionar o conteúdo estudado com as produções artísticas.

TeRmos/conceITos FunDAmenTAIs:

 

9

cor primária

9

cor secundária

9

combinação de cores

 

9

artes gráficas

9

música e teatro

semana

conteúdo

estratégias de ensino

 

A FORMAçãO DAS COReS

levantamento do conhecimento prévio por meio de perguntas.

Cores primárias

colagem de elementos de acordo com a cidade do aluno.

13.ª 14.ª

Cores secundárias

Introdução às cores primárias e secundárias por meio de exercício de mistura de pigmentos com lápis de cor.

Mistura de cores

Desenho com as cores secundárias.

   

Apresentação do círculo das cores e análise dialogada sobre a posição das cores primárias e secundárias.

 

15.ª

Círculo das cores

Atividade de aplicação de grupos diferentes de cores.

Manual do professor

   

As cores na estamparia

 

16.ª e 17.ª

estampa com cores

leitura de texto feita pelo professor e dialogada com a turma, sobre estamparia.

As cores na Arte Indígena

criação de estampas com materiais diversos sobre papel.

 

Como fazer estamparia

   

exploração da utilização das cores na Arte.

 

Cores por toda parte

leitura de texto.

A arte no cotidiano

18.ª e 19.ª

As cores e os sons que vêm da África

leitura de imagens.

Abordagem sobre o grupo musical.

Apresentação de instrumentos musicais de origem africana.

20.ª

Refazendo o percurso

criação de um desenho utilizando distintamente as cores primárias e as cores secundárias.

oRIenTAÇÕes meToDolÓGIcAs

 

Capítulo 2 - A FORMAÇÃO DAS CORES

Cores e lugares (Encontro com a Arte) e por falar em quintais, como é a cidade em que você mora? Há muita área verde, casas com quintais, animais e árvores? ou é uma cidade diferente daquela da infância do artista? Deixe que os alunos falem de suas experiências em quintais de casas, de sítios, chácaras ou outra forma de contato com animais domésticos, sejam eles de estimação ou não. Amplie a discussão explorando a importância de um quintal para convívio, brincadeiras, contato com a natureza e mesmo para auxílio no sustento e na garantia da segurança alimentar das famí- lias. Ressalte a importância dos quintais. os alunos deverão refletir sobre a cidade em que moram, enumerando os elementos que nela podem ser encontrados. Isto é, os elementos que dão identidade a ela. Para este estabelecimento de relação, foram colocados alguns desenhos em preto e branco nas páginas do anexo. os alunos deverão recortar os elementos que aparecem com frequência na sua cidade e fazerem um colorido que reflita a cor da cidade deles.

ANExO 7 Professor, dependendo do tempo disponível, esta atividade pode ser feita em casa, para que o aluno tenha mais tempo de recortar e montar o cenário adequadamente. ele poderá incluir, com desenhos feitos a mão livre, outros elementos que não apareceram na página de recorte. não há necessidade de fazer uma montagem com perspectiva. As informações seguintes servirão para você explorar outros aspectos da vida e obra do artista:

“Aldemir martins é um dos artistas mais populares do Brasil. com uma obra de um expressionismo lírico e de cores fortes, e com temas tradicionalmente nordestinos ou saídos da natureza – animais, flores – é um artista extremamente versátil. Além de pintor, desenhista e gravador, Aldemir já criou estamparia para tecido, desenhos para azulejos e papel de parede, outdoors, cenários para teatro e para TV, ilustrou livros, pratos, copos, e ainda embalagens de sorvete, que venderam mais de oito milhões de unidades. em 1959, Aldemir parte para uma viagem à europa graças ao Prêmio Viagem ao exterior que recebe no salão nacional de Arte moderna; nesse período, sua obra começa a sofrer uma sensível transformação temática e expressiva. os temas inspirados na mítica nordestina – cangaceiros, rendeiras, sempre com um ar áspero, demonstrando a dureza da vida no sertão – dão lugar aos ani- mais, em especial aos gatos, aos nus e às marinhas; as cores ainda são cruas e chapadas, mas a expressão da linha passa a ser mais estilizada. o contato com a europa faz com que Aldemir rompa um pouco com o rigor geométrico e comece a experimentar com as cores, chegando a ser considerado tachista – tudo isso sem jamais abandonar o figurativismo. A partir de 80, os temas passam a ser mais universais, menos nordestinos – flores, frutas e mulheres. As cores são mais fortes, mais alegres, mas sempre em grandes ”chapadas”.

Disponível em: <http://www.macvirtual.usp.br/mac/templates/projetos/seculoxx/modulo2/modernidade/espraiamento/ceara/aldemir/index.html>. Acesso em: fev.2015.

Cores primárias (Portal da Arte: Ponto de Referência) As cores primárias são assim chamadas porque, a partir delas, são formadas todas as outras que existem, e por não fazerem parte delas nenhuma outra cor. As cores secundárias são assim chamadas por surgirem da mistura de cores primárias. É provável que um ou outro aluno saiba disso. Vale ressaltar que não trataremos de cor luz, neste livro. somente de cor pigmento.

19

Arte volume 1

Ensino Fundamental

20

em toda a coleção, trabalharemos corretamente as cores primárias. muitas vezes, os alunos chegam com a informação de que a cor vermelha é primária, mas o correto é magenta. o magenta é o antigo lápis de cor bonina, uma espécie de vermelho rosado. Vale ressaltar junto aos alunos que, em alguns livros, vamos encontrar a cor magenta como cor primária no lugar do vermelho e o azul como azul ciano.

Cores secundárias não é esperado que os alunos saibam de início a combinação de misturas para formação das cores secundárias. Queremos que eles explicitem suas hipóteses, seus conhecimentos prévios, para que você, professor, ao perceber o que eles registram, possa tomar decisões sobre como encaminhar suas propostas de intervenção. Por exemplo, se a turma já domina o conceito de cores secundá- rias, certamente passará mais rápido por esta atividade. não acontecerá o mesmo se eles desconhecerem totalmente a origem das cores secundárias.

Mistura de cores - (Labirintos da Arte) Distribua folhas de papel em branco e peça que, em duplas, eles trabalhem fazendo experiências com duas cores primárias. só depois de obtidas as cores secundárias, é que deverão registrá-las no livro do aluno mostrando como são formadas. evitamos neste primeiro momento o uso de tinta, pois dependerá de uma quantidade exata de cores primárias para que se chegue ao tom ideal das cores secundárias.

com o lápis de cor o resultado é mais fiel.

Circulo das cores (Portal da Arte: Ponto de Referência) Professor, não é nossa intenção explorar com o aluno todas as possibilidades e leitura que o círculo das cores possibilita. Queremos agora apresentar a eles o círculo das cores e a sua organiza- ção formal. esta página do livro se configura como mais um conteúdo conceitual em que damos início à aprendizagem da leitura das cores no círculo. ele deverá ser capaz de compreender que uma cor secundária está sempre entre as duas cores primárias que lhe deram origem. Ainda sem falar em cores análogas ou complementares, damos início à combinação de cores apontando a ele dois caminhos: o das cores que estão lado a lado (análogas) e as que estão de frente uma para outra (complementares).

As cores na estamparia

Estampa com cores Flores permeiam a obra de Aldemir martins. leve os alunos a observarem as flores que aparecem na página 39 do livro do aluno. são flores que aparecem em diferentes pinturas do artista. Aproveitando este tema, a ênfase do fazer artístico agora será dada às artes gráficas. nesta etapa, ainda não trataremos de todos os processos da gravura, mas iniciaremos pela exploração de materiais, a entintagem e impressão. explore com os alunos os tipos de carimbos artesanais que estão no livro, dando ênfase ao material. Depois mostre como as estampas estão presentes em grande parte das peças e objetos que usamos. sugerimos que o carimbo (matriz) seja feito com bandejas recicladas de isopor (usadas para frios) ou, ainda, papelão grosso, barbante, que devem ser, depois de recortadas as formas, colados em suportes rígidos, como tampas plásticas ou de metal, madeira, rolha, etc. sugerimos que eles possam carimbar livremente em páginas de jornal, até que tenham compreendido a força que de- vem colocar ao imprimir e a quantidade de tinta que deve ser utilizada. A ideia é que as páginas em branco para testes, colocadas na sequência do livro do aluno, sejam todas carimbadas até que eles acertem a forma correta de pressionar o carimbo. lembre-os de esperar a secagem das impressões antes de virarem a página ou de fecharem o livro! eles podem carimbar formando flores em uma jarra, em um jardim, em um buquê ou mesmo soltas.

observe com os alunos a página sobre as cores utilizadas pelos indígenas para decorarem seus objetos. o homem branco se apropriou de suas cores e de seus grafismos criando estampas em roupa, mochila, chinelo, entre outros. Peça que o aluno observe em casa e em todos os lugares como esses grafismos possivelmente aparecem em alguns pertences. caso haja tempo disponível, criem estampas coletivas com grafismos. sobre um papel grande que caiba os alunos em volta, coloque fita crepe fazendo o grafismo que desejarem. utilizando peda- ços pequenos de esponja, embebidos em tinta, as crianças devem batê-la por cima de todo o papel. Depois de seco, retirar a fita crepe delicadamente e os espaços sem cor deixarão o grafismo mais evidente.

Cores em toda parte Professor, explore com os alunos, nesta página, as possibilidades do uso da cor na arte, além da pintura. este conteúdo será trabalhado de uma maneira mais ampla e sob outros pontos de vista, verificando como a cor dialoga com outros artistas e outras linguagens da arte. Antes mesmo de abrir o livro, discuta a questão: Quais são as outras formas nas quais os artistas podem empregar as cores sem ser na pintura? na abertura, levaremos o aluno a refletir sobre o emprego da cor na arte. A pintura para os alunos é um campo certo, mas as respostas dependerão do que ele considera como arte. explore com eles as imagens apresentadas na página, levantando com a turma outros exemplos, considerando técnicas diferentes. Professor, o painel pintado por Aldemir martins mostrado na sequência, no livro do aluno, merece destaque. leia a seguir as informações sobre ele para enriquecer a leitura da imagem.

Manual do professor

A obra de arte expressa um momento da realidade sentimental do artista, prestando homenagem às

A obra de arte expressa um momento da realidade sentimental do artista, prestando homenagem às pessoas que saem de seus locais de origem para construírem a “cidade de pedra”� Homenagem às pessoas que lutam pelo crescimento social, aos homens que enfrentam a modernidade sem se esquecerem de suas infâncias bucólicas� Através de imagens criadas para formar o grande mural em cerâmica (vitrificada, queimada em alta temperatura), o artista destaca a integração entre o campo e a cidade, criando momentos de saudade para os que já con- viveram com plantações, com o barro vermelho, com a casinha simples, até chegar à construção da “cidade de pedra”, vivendo a evolução, aproximando-se do futuro� este painel pertence ao acervo da Companhia do Metropolitano de São paulo – Metrô, e está localizado na estação tatuapé�

Disponível em: <http://www.monumentos.art.br/monumento/interrelacao_entre_o_campo_e_a_cidade>. Acesso em: 15 jan. 2014.

ANExO 8 Professor, trabalhe em grupo com seis alunos cada. cada grupo deverá pintar uma das partes da imagem do peixe dividida em seis partes. Primeiramente, pintarão a primeira parte. Depois tro- carão o livro com o colega ao lado. ele deverá pintar a segunda parte da imagem em seu livro e depois pintará a segunda do livro de um outro colega. só depois que o livro passar por seis colegas, a imagem estará toda pintada. obs.: Poderão ser utilizados tinta guache, aquarela ou lápis de cor. outra ideia é que cada aluno pinte o peixe por inteiro e, depois de recortadas as partes, trocar cinco partes com colegas para montar um novo peixe que poderá ser exposto como um grande painel.

A arte de Aldemir martins é extremamente nacional; a falta de uma formação acadêmica fez com que ele desenvolvesse um estilo único e de fácil interpretação popular. Talvez tenha sido isso que o tornou um artista de grande aceitação. A grande circulação de sua obra em produtos industrializados rendeu ao artista a acusação de ser ”comercial”, mas, existe outro grupo de pessoas que defende a ideia de que dessa forma ele e outros artistas que fazem o mesmo contribuem para a democratização da arte, mesmo que não seja esta a intenção. conviver com obras culturais e artísticas, ter acesso aos bens culturais produzidos pela humanidade em seu processo histórico, contribui com o desenvolvimento de habilidades de apreciação que requer: observação, sensibilidade, percepção de linguagens artísticas, leitura imagética, entre outras. uma forma de aproximar as pessoas da arte, o objeto industrializado se torna atraente e passa a ter um valor maior do que propriamente aquilo que se está vendendo.

Romero Brito disse em entrevista: “Acredito que a arte deve fazer parte do dia a dia das pessoas. A arte pode inspirar, pode fazer com que as pessoas cresçam. É super legal saber que minha arte está na casa de pessoas importantes, que têm opinião, mas é muito importante também que minha arte possa fazer parte da vida de pessoas comuns. Há pessoas que não fazem parte dos grandes acontecimentos do mundo, mas que podem, de alguma maneira, se inspirar.” entrevista com Romero Brito para a revista Época, em 20/02/2009.

uma ideia interessante é pedir que os alunos procurem em casa algum objeto que tenha o trabalho estampado de algum artista. Por exemplo: porta-copos, camiseta, copo, capa de caderno, jogo americano, latinhas, etc. Você pode montar com a turma uma exposição na sala de aula ou apenas mostrar como a arte fica acessível às pessoas dessa forma. Agora, falando sobre o colecionador de arte, este adquire obras de arte por diferentes motivos. como investimento, como hobby, status social. A ascensão da nova classe média abriu portas para bens de consumo – o que inclui a arte, no contexto da in- dústria cultural. com isso, a mania do colecionismo tem atingido públicos novos que fogem aos padrões esperados – entre eles os jovens. mas estes colecionadores pagam um alto valor por peça desejada. os copos de Aldemir martins serviram para compor as coleções das pessoas que não podem pagar o preço de uma obra original ou pelas pessoas que acham “cult” ter obras estampadas em objetos pessoais ou de uso caseiro.

ANExO 9 Professor, pergunte aos alunos se eles têm coleções e o que os levam a fazer uma coleção. sugerimos no livro que os alunos façam um copo assim como Aldemir martins. com o desenho por dentro do copo, eles podem utilizar tinta relevo, tinta para artesanato ou ainda fazer a pintura e colocar dentro do copo. caso você prefira, faça uma pintura em outro objeto seguindo aqueles que os alunos provavelmente tenham levado para a sala de aula.

Pintura desbotada molhe um cotonete no álcool ou água sanitária e desenhe sobre um papel de seda. Dica: utilize papéis com cores fortes para um melhor resultado. não deixe as crianças sozinhas manipulando álcool ou água sanitária.

Pintura com papel crepom corte em pedaços o rolo de papel crepom, umedeça na água e pressione na folha branca. Dica: Deixe pouca água à disposição dos alunos e escolha cores fortes, para melhor resultado.

21

Arte volume 1

Ensino Fundamental

22

Barbante com tinta mergulhe um pedaço médio de barbante na tinta guache e depois coloque na folha branca. espere um pouquinho e tire o barbante.

Pintura com peneira coloque a peneira sobre o papel, pinte com guache por cima, depois tire a peneira e veja o resultado.

Pintura espelhada Pinte com cola colorida ou tinta guache, dobre a folha ao meio e abra novamente. Você verá que a pintura ficará igual dos dois lados da folha.

Pintura secreta Desenhe com giz de cera branco, ou vela, na folha branca e depois passe tinta guache com uma cor forte por cima. o desenho aparecerá na pintura

Pintura antiga Faça um café bem forte, molhe um pedaço de algodão no café e pressione sobre a folha branca. Repita a atividade até que cubra todo o papel e depois deixe secar. com esta técnica, você pode simular um pergaminho antigo ou fazer um mural histórico.

Pintura espirrada molhe uma bolinha de tênis na tinta e jogue em um papel grande posicionado no chão.

As cores na arte de outras culturas (Portal da Arte: Ponto de referência) Os ritmos que vêm da África

Professor, discuta com os alunos a importância de valorizar a nossa cultura e as nossas raízes. sabemos da influência africana em nosso vocabulário, de gingados e ritmos, e estes devem ser explorados e valorizados sempre que possível no percurso do trabalho. explore o timbal como instrumento de percussão. o nome da banda Timbalada é inspirado nesse instrumento de percussão, que nasceu na Bahia e é usado pelo grupo musical. contagia a todos

que ouvem o seu som. Instrumento em corpo de madeira, reforçada internamente por outra camada de madeira, e, na boca superior, possui um cinturão de aço. Tem oito tarraxas de afinação, ferra- gem cromada e uma pele especialmente desenvolvida para ele. os outros; instrumentos utilizados na banda, em sua maior parte, são trazidos pelos africanos para a nossa cultura.

explore os instrumentos utilizados para a formação da banda, todos eles trazidos pelos africanos para a nossa cultura:

Tambores – são os principais instrumentos musicais africanos. existem dos mais variados formatos, tamanhos e elementos decorativos. É um objeto musical de percussão, é oco e feito de bambu ou madeira. Além de sua utilização nos eventos festivos, os tambores eram uma forma de comunicação entre comunidades distantes, em razão de sua forte potência sonora. surdo - de origem africana, mais precisamente no senegal, foi trazido para o Brasil pelos negros africanos que vieram trabalhar na lavoura de cana. Repique - é um tambor pequeno, que possui pele dos dois lados e é tocado com duas baquetas. ele fica dependurado para que o som ressoe e contraste com o som dos tambores. saiba mais detalhes em: http://www.factsreports.revues.org/1361.

Refazendo o percurso: Síntese nesta atividade final de verificação de conceitos, o aluno deverá ser capaz de saber utilizar as cores primárias e secundárias, separadamente em dois planos. Primeiramente, remeta a temática ao trabalho de Aldemir martins. em seguida, explore a composição de pegadas de animais na página em que estão as músicas. no livro estão disponibilizadas duas páginas com um caminho. cada aluno deverá escolher uma pegada do bicho que mais o atrai e reproduzi-la em um dos caminhos, colorindo somente com cores primárias, e, na segunda pági- na, outra pegada de outro bicho diferente, criando o caminho e colorindo com cores secundárias. o aluno ainda poderá compor a página incluindo algo que o bicho “encontraria” no seu caminho.

Outras janelas Para saber mais Incentive os alunos a continuarem aprendendo e aprofundando o conhecimento visitando os sites indicados, motivando-os para a leitura e troca de experiências.

Manual do professor

ReferênciasManual do professor BARBOSA, Ana Mae� A abordagem triangular no ensino das artes e culturas visuais Manual do professor BARBOSA, Ana Mae� A abordagem triangular no ensino das artes e culturas visuais

BARBOSA, Ana Mae� A abordagem triangular no ensino das artes e culturas visuais� São paulo:

Cortez, 2010�

BRASIl� Secretaria de educação Fundamental� Parâmetros Curriculares Nacionais Arte / Secre- taria de educação Fundamental� – Brasília: MeC/SeF, 1997� Disponível em: <http://portal�mec� gov�br/seb/arquivos/pdf/livro06�pdf>� Acesso em: mar� 2015�

BRASIl� Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional� lei n� 9�394, de 20 de dezembro de 1996�

BRASIl� lei n� 10�639 de 09 de janeiro de 2003� Inclui a obrigatoriedade da temática – História e Cultura Afro-Brasileira no currículo oficial da rede de ensino� Diário Oficial da União, Brasília, 2003� Disponível em: <http://www�planalto�gov�br/ccivil_03/leis/2003/l10�639�htm>� Acesso em:

mar� 2015�

BRASIl� Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (aqui se inclui a lei n� 11�465 de 10 de março de 2008 que manda incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade também da temática Indígena) parecer Cne/Cp n� 3, de 10 de março de 2004� Disponível em: <http://portal� mec�gov�br/cne/arquivos/pdf/003�pdf>� Acesso em: mar� 2015�

BRASIl� Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 anos. Disponível em:

<http://portal�mec�gov�br/index�php?option=com_content&id=12992:diretrizes-para-a-educacao

-basica>� Acesso em: abr� 2015�

BRASIl� Ministério da educação� Parâmetros Curriculares Nacionais terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros Curriculares nacionais� Brasília: Secretaria de ensino Fundamental/MeC/UneSCO/pnUD, v�1, 1998 a�

CABRAl, Rozenei M� W; SCHRAMM, Marilene de l� K� (Org�)� Arte e o ensino da arte� Blumenau: nova letra, 2004�

FeRRAz, Maria Heloísa C� de t�; FUSARI Maria F� de Rezende� Metodologia do Ensino da Arte� São paulo: Cortez, 1999�

FeRRAz, Maria Heloísa C� de t�; FUSARI Maria F� de Rezende� Arte na educação escolar� São paulo: Cortez, 1992�

gUeRRA, M� teresinha; MARtInS, Mirian Celeste; pICOSQUe, gisa� Didática do ensino de arte – A língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer arte� São paulo: FtD, 1998�

gUIMARãeS, luciano� A cor como informação: a construção biofísica, linguística e cultural da simbologia das cores� São paulo: Annablume, 2000�

HARRISOn, Charles et al� Primitivismo, Cubismo, Abstração: começo do século XX� São paulo:

Cosac naify, 1998�

HenSCHKe , l� et al. Em sintonia com a música� porto Alegre: Moderna, 2006�

JAnSOn, H�g� História Geral da Arte� São paulo: Martins Fontes, 1989�

KRAUS, R� Caminhos da Arte Moderna� São paulo: Martins Fontes, 1998�

KInDeRSleY, Dorling� Música para crianças� São paulo: publifolhinha, 2011�

MARQUeS, Isabel A� Linguagem da arte: arte e ensino� São paulo: Digitexto, 2010�

MARQUeS, Isabel A� Ensino de dança hoje: textos e contextos� 1� ed� São paulo: Cortez, 1999�

MARtInS, Mirian Celeste; pICOSQUe, gisa; gUeRRA, M� terezinha telles� A língua do mundo:

poetizar, fruir e conhecer arte� São paulo: FtD, 1998�

ORMezzAnO, graciela (Org�)� Questões das artes visuais� passo Fundo: UpF, 2004� (Série Jornadas)�

peDROSA, Israel� Da cor à cor inexistente� Rio de Janeiro: ed� léo Cristiano, 2002�

pIllOttO, Silvia S� D� (Org�)� Processos curriculares em arte: da universidade ao ensino básico� Joinville: ed� Univille, 2005�

ReVeRBel, Olga garcia� Jogos teatrais na escola: atividades globais de expressão� São paulo:

Scipione, 2009�

SAlzSteIn, Sônia; ROelS JR�, Reynaldo (Org�)� O moderno e o contemporâneo na arte brasileira:

coleção gilberto Chateaubriand MAM-RJ� São paulo: Masp, 1998�

SCHAFeR, R� Murray� O ouvido pensante� São paulo: Universidade estadual paulista, 1991�

SpOlIn, Viola� Jogos teatrais: o fichário de Viola Spolin� tradução de Indrid Dormi em Koudela� São paulo: perspectiva, 2008�

StRICKlAnD, Carol� Arte Comentada: da pré-história ao pós-moderno� Rio de Janeiro: ediouro,

1999�

tAtIt, Ana; MACHADO, Maria Sílvia� 300 Propostas de Artes Visuais� São paulo: loyola, 2003�

zABAlA, Antoni� A Prática Educativa – Como ensinar� porto Alegre: Artmed, 1998�

Sites

<http://www�museunaif�com�br>� Apresenta imagens de pinturas primitivistas assim como dados de artistas�

<http://www�museus�gov�br/wp-content/uploads/2011/05/gmb_extintos�pdf>�

O guia dos Museus Brasileiros foi elaborado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/Ministé- rio da Cultura) e traz dados, como ano de criação, situação atual, endereço, horário de funciona- mento, tipologia de acervo, acessibilidade, infraestrutura para recebimento�

23

Arte volume 1

Ensino Fundamental

24

<http://www�museudoindio�gov�br/educativo/sites-interessantes>�

O Museu do Índio, da Fundação nacional do Índio – Funai, tem como objetivo contribuir para maior conscientização sobre a contemporaneidade e a importância das culturas indígenas� Como instituição de preservação e promoção do patrimônio cultural indígena, empenha-se em divulgar a diversidade existente e histórica entre centenas de grupos indígenas brasileiros�

MARtInS, Aldemir� Disponível em: <http://www�art-bonobo�com/>�

<http://www�art-bonobo�com/artes/aldemirmartins/welcome�html>� Acesso em: 13 abr� 2015�

enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais� Disponível em: <www�itaucultural�com�br>� Acesso em: 14 abr� 2015�

FUnAI� Sons Indígenas� Disponível em: <http://www�funai�gov�br/index�php/indios-no-brasil/ sons-indigenas>� Acesso em: 14 abr� 2015�

 

InDIcAÇÃo De lIVRos PARADIDÁTIcos

lIVRo 1

AuToR

eDIToRA e eDIÇÃo

Bicho de artista Uma cor, duas cores, todas elas Aldemir Martins: no lápis da vida não tem borracha Cores das cores

Katia canton lalau , laura Beatriz Rubens matuck; nilson moulin Arthur nestrovski

cosac & naify, 2004 companhia das letrinhas, 1997. callis, 1998. cosac naify, 2006

lIVRo 2

AuToR

eDIToRA e eDIÇÃo

Cores da cores Flicts

Arthur nestrovski

cosac naify, 2006 melhoramentos, 1984

Ziraldo