Вы находитесь на странице: 1из 5

COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III

3ª SÉRIE – MATEMÁTICA I – PROF. WALTER TADEU

www.professorwaltertadeu.mat.br
Polinômios e Operações – (CP2 – Campus Realengo II) - 2013 - GABARITO
1. O resto da divisão de P(x) = ax3 – 2x + 1 por Q(x) = x – 3 é 4. Nessas condições, o valor de a é:
a) 1/3 b) 1/2 c) 2/3 d) 3/2 e) 7
Solução. Pelo teorema do resto, P(3) = 4. Substituindo, temos:

P(3)  a(3)3  2.(3) 1 91


  27a  6 1 4  27a  9  a   .

P(3)  4 27 3
2. A divisão do polinômio p(x) = x5 – 2x4 – x + m por q(x) = x – 1 é exata. O valor de m é:
a) – 2 b) – 1 c) 0 d) 1 e) 2
Solução. Pelo teorema do resto, P(1) = 0, pois a divisão é exata. Substituindo, temos:

P(1)  (1)5  2.(1)4  (1)  m


  1 2  1 m  0  2  m  0  m  2 .
P(1)  0
3. Sejam P(x) = 2x3 – 2x2 – x + 1 e Q(x) = x – a dois polinômios com valores de x em IR. Um valor de a
para que o polinômio P(x) seja divisível por Q(x) é:
a) 1 b) – 2 c) – 1/2 d) 2 e) 3
n 1
Solução. Dado um polinômio P( x )  a n x  a n1x  ...  a 0 , se a soma dos coeficientes for nula,
n

então P(1) é raiz e P(x) é divisível por (x – 1).


n 1
Basta ver que P(1)  a n (1)  a n1 (1)  ...  a 0  a n  a n1  ...  a 0 .
n

Se P(1) = 0, então a soma dos coeficientes será nula. No caso da questão, temos:
P(1)  2.(1) 3  2.(1) 2  (1)  1  2  2  1  1  0 . Logo, um valor para a será 1.

4. Se o polinômio x3 + px2 + q é divisível pelo polinômio x2 – 6x + 5, então p + q vale:


a) – 1 b) 3 c) 5 d) – 4 e) 10
Solução 1. Efetuando a divisão e igualando o resto à zero, temos:

x3 + px2 + 0x + q x2 – 6x + 5
– x3 + 6x2 – 5x x + (p + 6)
2
(p + 6)x – 5x + q
– (p + 6)x2 + 6(p + 6)x – 5(p + 6)
(– 5 + 6p + 36)x + q – 5p – 30 Resto.

 31
i)  5  6p  36  0  6p  31  p   6 31 25 6
Resto = 0.   p  q       1 .
i ) q  5p  30  0  q  5.  31  30   155  180  25 6 6 6
  6 6 6
Solução 2. Observe que x2 – 6x + 5 = (x – 1).(x – 5). Logo, x3 + px2 + q é divisível por x – 1 e x – 5.
Pelo teorema do resto, vem: (1) 3  p(1) 2  q  0  1  p  q  0  p  q  1 .

5. Um polinômio é tal que P(1) = 4. O quociente da divisão de P(x) por (x – 1) é dividido por (x – 2) e
obtém-se resto 3. Qual o resto da divisão de P(x) por (x – 1).(x – 2)?
Solução. Considere q(x) o quociente de P(x) por (x – 1). Temos: P(x) = (x – 1).q(x) + r.
Como P(1) = 4, r = 4. Na divisão de q(x) por (x – 2), temos resto 3. Logo, q(x) = (x – 2).q’(x) + 3.
Substituindo em P(x), vem: P(x) = (x – 1).[ (x – 2).q’(x) + 3] + 4 = (x – 1).(x – 2).q’(x) + 3. (x – 1) + 4.
P(x) = (x – 1). x – 2).q’(x) + 3x – 3 + 4 => P(x) = (x – 1).(x – 2).q’(x) + 3x + 1. Resto = 3x + 1.
6. Qual o valor de m para que o polinômio x3 + 2x2 – 3x + m ao ser dividido por x + 1, deixe resto 3?
Solução 1. Pelo teorema do resto, P(– 1) deve ser igual a 3. Substituindo, temos:

P( )1  ( )1 3  2.( )1 2  3( )1  m


  1 2  3  m  3  4  m  3  m  3  4  1.
P( )1  3
Solução 2. Utilizando o dispositivo de Briot-Ruffini, temos:
–1 1 2 –3 m
1 1 –4 4+m
Como o resto deve ser 3, temos: 4 + m = 3 => m = 3 – 4 = – 1.

7. Calcular a, b e c para que os polinômios P(x) = (a – 1)x3 + bx + c – 3 e Q(x) = x3 + (2 – b)x + 5 sejam


idênticos.
Solução. Polinômios idênticos são os polinômios onde os coeficientes dos termos de mesmo grau
são iguais.

a11 a 11 2
 
P(x) Q(x) b  2x  b  2b  2b  2b 1 a  2;b 1;c  8 .

c 3  5 c3  5 c 35 8
 
8. (PUC) Estudar o grau do polinômio P(x) na indeterminada x por:
P(x) = (2a2 + a – 3)x3 + (a2 – 1)x2 + (a + 1)x – 3, (a  IR).
Solução. Analisando os caso, temos:
i) Para que o grau de P(x) seja 3, o coeficiente do termo x 3 deverá ser diferente de zero.

a1  1
 1  (1) 2
 4 .( 2 ).( 3 )  1 1 24  1 5 
2a  a  3  0  a 
2
   6 3.
2.(2) 4 4 a2    
 4 2
3
Logo, P(x) é de grau 3, se a  1 e a   .
2
ii) Para que o grau de P(x) seja 2, o coeficiente do termo x 2 deverá ser diferente de zero e o
coeficiente de x3 deverá ser nulo: a 2  1  0  (a  1).(a  1)  0  a  1 e a  1 .

2
Como é necessário que o coeficiente de x3 seja nulo, se a   , P(x) será de grau 2.
3

iii) Para que o grau de P(x) seja 1, o coeficiente do termo x deverá ser diferente de zero e os
coeficiente de x2 e de x3 deverão ser nulos: a  1  0  a  1 . Logo a = 1, anula os termos de 2º e
3º graus, ficando P(x) com grau 1.
1 a b
9. (PUC) Os valores das constantes reais a e b para os quais   , x ≠ 2 e x ≠ 3,
x  5x  6 x  2 x  3
2

são tais que o produto a.b vale:


a) – 2 b) – 1 c) 0 d) 1 e) 2
2
Solução. Como x – 5x + 6 = (x – 2).(x – 3), igualando os denominadores, temos:

1 a(x  3)  b(x  2) 1 ax  3a  bx  2b
   2 
x  5 x  6 x  5x  6 x  5 x  6 x  5 x  6
2 2 2

(a  b)x  3a  2b 0x  1 a  b  0  a  b .
 2  2   3(b)  2b  1  3b  2b  1  b  1
x  5x  6 x  5x  6  3a  2b  1
Logo, a  b  a. Pr oduto (a.b)  (1).(1)  1
10. Utilizando o algoritmo da divisão, efetue:
a) [D(x) = 4x5 – 2x3 + x2 + 2] ÷ [d(x) = 2x3 + 1] b) [D(x) = 2x3 – 3x2 + 1] ÷ [d(x) = x2 – x + 2]

Solução. Utilizando o método da Chave, temos:

a) Completando com o coeficiente zero os termos inexistentes, temos:

4x5 + 0x4 – 2x3 + x2 + 0x +2 2x3 + 0x2 + 0x + 1


5 4 3 2
– 4x – 0x – 0x – 2x 2x2 – 1
– 2x3 – x2 + 0x + 2
2x3 + 0x2 + 0x + 1
– x2 + 0x + 3
Q(x) = 2x2 – 1; Resto = – x2 + 3.

b) Completando com o coeficiente zero os termos inexistentes, temos:

2x3 – 3x2 + 0x + 1 x2 – x + 2
–2x3 + 2x2 – 4x 2x – 1
2
– x – 4x + 1
– x2 – x + 2
– 5x + 3

Q(x) = 2x – 1; Resto = – 5x + 3.

11. (CESGRANRIO) O polinômio x3 + px + q é divisível por x2 + 2x + 5. Os valores de p e q são


respectivamente:
a) 2 e 5 b) 5 e 2 c) 1 e 5 d) 1 e -10 e) 3 e 6
Solução. Efetuando a divisão e igualando o resto à zero, temos:

x3 + 0x2 + px + q x2 + 2x + 5
– x3 – 2x2 – 5x x–2
2
– 2x + (p – 5)x + q
2x2 + 4x + 10
(p – 5 + 4)x + q + 10 Resto.

i) p  5  4  0  p  1  0  p  1
Resto = 0.
 .

ii) q  10  0  q  10
12. Determine o polinômio P(x) que satisfaz à igualdade (3x + 2).P(x) = 3x3 + x2 - 6x - 2 + P(x)
Solução. Resolvendo, temos:
(3 x  2).P( x )  3x 3  x 2  6x  2  P( x )  (3x  2).P( x )  P( x )  3x 3  x 2  6x  2 
3x 3  x 2  6x  2
 P( x ).(3x  2  1)  3x 3  x 2  6x  2  P( x ).(3 x  1)  3 x 3  x 2  6x  2  P( x ) 
3x  1
.
Efetuando a divisão, temos:

3x3 + x2 – 6x – 2 3x + 1
– 3x3 – x2 x2 – 2
– 6x – 2
6x + 2
0 Resto.

O polinômio é P(x) = x2 – 2.

13. (PUC) O resto da divisão do polinômio P(x) = x4 - 2x3 + x2 - x + 1 por x + 1 é igual a :


a) 3 b) 4 c) 7 d) 5 e) 6
Solução. Utilizando o teorema do resto, temos:
Re sto  P( 1)  ( 1) 4  2.( 1) 3  ( 1) 2  ( 1)  1  1  2  1  1  1  6 .

14. (IBMEC) O resto da divisão de um polinômio P(x) por (x – 2)2 é 3x + 7. Assim, o resto da divisão de
P(x) por x – 2 é igual a:
a) 22 b) 19 c) 16 d) 15 e) 13
Solução. Expressando P(x), temos:
P(x) = (x – 2)2.q(x) + 3x + 7 = (x – 2).[(x – 2).q(x)] + 3x + 7. Considerando q’(x) = [(x – 2).q(x)], temos:
P(x) = (x – 2).q’(x) + 3x + 7. Pelo teorema do resto, calculamos P(2).
Resto da divisão de P(x) por (x – 2) = P(2) = (2 – 2).q’(2) + 3.(2) + 7 = 0 + 6 + 7 = 13. Logo, resto = 13.

15) Um polinômio P(x) quando dividido por x + 2 deixa resto 5, quando dividido por x - 2 deixa resto
13 e quando dividido por x2 - 4 deixa um resto R(x). Encontre o valor de R(x) no ponto x = 1.
Solução. Quando dividimos P(x) por x2 – 4 (grau 2), o resto poderá ser constante ou de grau 1.
Logo, representamos o resto como R(x) = ax + b. Temos:
i) Se P(x) deixou resto 5 na divisão por (x + 2), então P(– 2) = 5.
ii) Se P(x) deixou resto 13 na divisão por (x – 2), então P(2) = 13.
Expressando a divisão de P(x) por x2 – 4, temos:
 
P(x)  x2  4 .q(x)  ax  b
P(2)  (2)  4.q(2)  a(2)  b  2a  b
2

  2a  b  5
P(2)  5  2a  b  5
i)     2b  18 
 
P(2)  2  4 .q(2)  a(2)  b  2a  b
2
 2a  b  13
2a  b  13
P(2)  13
.


18
 b   9. Logo 2a  9  13  2a  4  a  2
2
i)i R(x)  2x  9  R( )1  2( )1  9  2  9  11
R(x) no ponto x = 1 vale R(1) = 11.