Вы находитесь на странице: 1из 8

ARTIGO: AVALIAÇÃO FUNCIONAL

INTRODUÇÃO

Hipócrates, o pai da medicina, que viveu na Grécia há 2400 anos atrás, afirmava que as
doenças originavam-se da natureza e por ela poderiam ser curadas, através de um equilíbrio
com o meio ambiente, os alimentos ingeridos e com a paz de espírito.

A alimentação é um dos fatores comportamentais que mais influencia a nossa qualidade de


vida. Um dos hábitos mais arraigados do ser humano é sem dúvida, o hábito alimentar, que
pode ser influenciado por crenças e modismos, muitas vezes sem respaldos
científicos atualizados.

Nos últimos 30 ou 40 anos, nossos hábitos sofreram grandes transformações. Nos


alimentamos de forma diferente, respiramos um ar diferente, estamos em contato com
substâncias sintéticas que nem existiam até então. Nos movimentamos cada vez menos e
ainda somos obrigados a absorver cada vez mais informações e a lidar com emoções e desafios
constantes no nosso dia a dia. Nosso sistema digestivo e neurológico, em conjunto com o
sistema imunológico, estão em sobrecarga.

Todas essas mudanças foram rápidas demais para o tempo que o nosso organismo precisaria
para se adequar a estes novos costumes. Podemos amenizar alguns fatores ambientais e/ou
emocionais porém sempre com várias limitações. Devemos, então, interferir nos hábitos e
processos alimentares para efetivamente nutrir a célula, inclusive, dando suporte para os
fatores que pouco podemos interferir.

A qualidade da nossa alimentação tem nos causado problemas funcionais pois, diversas vezes,
temos que lidar com excessos de substâncias estranhas, ao mesmo tempo que sofremos com a
insuficiência de nutrientes essenciais para executar nossas funções orgânicas, inclusive de
defesa, gerando desequilíbrios físicos, mentais e emocionais.

A evolução da ciência da Nutrição nos mostra, cada vez mais, como os nutrientes, presentes
naturalmente nos alimentos, formam nossas células e nos fazem funcionar em todos os níveis.
Com base em mais estes conhecimentos, somando a alimentação adequada, a inclusão
freqüente de alimentos funcionais e quando necessária a suplementação nutricional,
conseguiremos efetivamente nutrir a célula e deixar que ela, naturalmente, execute suas
funções, prevenido doenças e promovendo saúde, que é o nosso maior objetivo.

Existem certos conceitos que já se perderam em função do tempo e de informações


conflitantes, que nos atropelam no dia a dia e muito mais nos confundem do que nos
esclarecem quanto às boas regras da alimentação.

Hoje em dia os tratamentos de saúde são mais voltados para os sintomas ( doenças ) do que
para as suas causas, sejam elas alimentares, hereditárias, ambientais, iatrogênicas etc. Vários
fatores, em conjunto ou isoladamente, podem estar causando os sintomas da doença, e se as
causas básicas não forem detectadas, o paciente vai apenas amenizar temporariamente os
sintomas e, às vezes, até trocar de sintoma, porém, não resolverá o problema. São os
tratamentos voltados para a doença e não para o indivíduo que a desenvolveu.
NUTRIÇÃO CLÍNICA FUNCIONAL

Os nutrientes presentes nos alimentos são a fonte natural de matéria prima para a formação,
manutenção e reestruturação celular.

Sob o aspecto celular, o que somos hoje não é o que fomos há 1 ano atrás e nem o que
seremos daqui há um ano. Nosso organismo é formado por 100.000.000.000.000 (cem
trilhões) de células e destas, 50 milhões são substituídas diariamente4, conseqüentemente a
matéria prima que fornecemos para esta formação celular é determinante do resultado que
teremos. Cada célula do organismo precisa de, pelo menos, 45 nutrientes conhecidos para
desempenhar sua função.

A maneira como os nutrientes tornam-se parte integrante do nosso organismo e contribuem


para o seu funcionamento depende dos processos bioquímicos e fisiológicos que determinam
suas ações.

A simples ingestão do alimento não garante que seus nutrientes estarão biodisponíveis, isto é,
que estes nutrientes possam estar disponíveis para serem utilizados pelas células. Para que
isso realmente ocorra, é fundamental que além de uma quantidade e qualidade ideal de
"matéria prima", também existam condições químicas e fisiológicas ideais para o alimento ser
quebrado, os nutrientes resultantes dessa quebra serem absorvidos, transportados, e
utilizados pelas células do organismo. Também é necessário, que os produtos resultantes
deste processo, que não serão utilizados pelo organismo, consigam ser excretados, assim
como as substâncias tóxicas que possam ter sido ingeridas junto aos alimentos.

Se uma dessas etapas do metabolismo não funcionar direito, mesmo com uma alimentação
adequada, o organismo apresentará carências nutricionais e, conseqüentemente,
funcionais. Pois, na medida em que faltar matéria prima para o organismo, algumas das suas
funções serão prejudicadas. A utilização do alimento pelo organismo depende de um processo
que envolve:

Ingestão, Digestão, Absorção, Transporte, Utilização e Excreção.

PRINCÍPIOS DA NUTRIÇÃO FUNCIONAL:

- Individualidade bioquímica

Tratamento centrado no paciente e não na doença

Equilíbrio nutricional & Biodisponibilidade dos nutrientes

Interferência de fatores externos na saúde orgânica

Saúde como vitalidade positiva e não simplesmente como ausência de doenças: Equilíbrio
Físico, Mental e Emocional
ANAMNESE FUNCIONAL:

Didaticamente, a anamnese será apresentada em tópicos e as questões levantadas, embora


sejam comuns a vários tópicos, serão feitas uma só vez e analisadas em conjunto para os fins
necessários.

Individualidade Bioquímica

Segundo o Dr Roger j. Williams, Ph.D., individualidade bioquímica é:

“Um conjunto único de fatores genéticos de um indivíduo que controla seu metabolismo, suas
necessidades nutricionais e suas sensibilidades ambientais”6.

Essa individualidade bioquímica irá nortear uma terapia para cada paciente, e a relação
nutricionista/paciente é essencial e determinante para detectar e atuar efetivamente nos
processos que estão desequilibrando o paciente em questão.

A anamnese funcional é uma ferramenta utilizada para avaliar todos os processos que
determinam e que influenciam o quadro atual do paciente.

Tratamento centrado no paciente e não na doença

A hereditariedade é importante na história do indivíduo, porém, a expressão de um gene


depende 70% a 75% da influência do meio ambiente, sendo determinada, portanto, pelo
fenótipo. Segundo o Dr Jeffrey S. Bland, Ph.D., autor do livro Genetic Nutritioneering: as
interferências ambientais, nutricionais e comportamentais modificam a expressão de um
gene2.

O levantamento da história familiar de morbidades e longevidade, da história pessoal de


patologias e medicamentos utilizados freqüentemente, da exposição ao ambiente e tipo de
trabalho do indivíduo, dos seus hábitos alimentares, sinais e sintomas clínicos (desenvolvidos
no passado e atualmente), hábitos de vida (fumo, sono, drogas...), atividade física e estresse
mental e ou emocional dão uma característica individual aos sintomas desenvolvidos por este
paciente e nos orientam a tratar as causas destes sintomas.

Equilíbrio nutricional & Biodisponibilidade dos nutrientes

Ingestão, Digestão, Absorção, Transporte, Utilização e Excreção.

Alimento não é caloria, é matéria prima que também fornece energia. A quantidade e a
qualidade da composição da nossa alimentação, assim como a biodisponibilidade dos
nutrientes, determinam o funcionamento adequado do organismo em todos os níveis.
Os nutrientes agem em conjunto, sendo que, um depende da presença do outro para que a
sua ação seja efetiva. Portanto, o que pode desequilibrar a alimentação são os excessos e/ou
as carências nutricionais.

Como os nutrientes, em geral, agem em conjunto, a carência de qualquer nutriente essencial,


mesmo aquele necessário em quantidades irrisórias, pode determinar a alteração do equilíbrio
geral do organismo. É o que diz a “lei do mínimo”: o nutriente que está em menor quantidade,
proporcionalmente, determina o desempenho total do organismo6.

Ingestão: O que, quando, como, quanto e com o que comer.

Avaliar a qualidade e a quantidade dos alimentos ingeridos, intervalo entre as refeições, a


frequência de consumo, monotonias alimentares, combinações, preferências, aversões e
ingestão hídrica, nos darão indicadores do equilíbrio nutricional (excessos e/ou carências de
nutrientes). Permitirão, também, a avaliação da ingestão freqüente de substâncias químicas,
agrotóxicos, nicotina, poluentes ambientais, metais pesados; excesso de cafeína, açúcar
refinado, álcool, estresse oxidativo ( falta de matéria prima antioxidante e excesso de
oxidantes); consumo freqüente de alergenos alimentares e facilitadores de endotoxinas (por
ex. intestinais, como nitrosaminas). Todas estas substâncias poderão desencadear o
aparecimento de mediadores como: eicosanóides, citocinas, histaminas (e outros autacóides),
espécies reativas de oxigênio e nitrogênio (EROs e ERNs), assim como desequilíbrios na
formação e na ação de hormônios, neuropeptídeos e neurotransmissores, promovendo
desequilíbrios orgânicos que podem se traduzir em condições clínicas patológicas.

Nas ultimas décadas, houve um aumento da oferta da variedade de alimentos, porém, com
uma redução na qualidade nutricional destes, causadas por vários fatores cujos principais são:

-Empobrecimento da quantidade de nutrientes do solo;

-Forte presença de produtos químicos nas lavouras;

-Contaminação das águas, tanto para irrigação quanto para o consumo;

-Perda nutricional causada por armazenamento, transporte e manuseio impróprios;

-Perda de nutrientes e contaminação química causadas pela industrialização dos alimentos;

Em paralelo, nosso organismo sofreu modificações neste período, passando a exigir uma maior
quantidade de nutrientes para lidar com os desequilíbrios gerados por situações como:

-Poluição ambiental;

-Estresse físico e emocional;

-Maior consumo de alimentos com fatores antinutricionais;

-Maior consumo de alimentos industrializados.


Atualmente, existem mais de 2000 substâncias químicas sendo utilizadas nos alimentos
industrializados. Estas substâncias podem causar reações adversas no nosso organismo,
principalmente se consumidas com freqüência.

Estes aditivos são classificados pelas seguintes funções: acidulantes, antioxidantes,


antiumectantes, aromatizantes, conservantes, corantes, estabilizantes, espessantes,
umectantes e uma grande utilização de Glutamato Monossódico para realçar o sabor dos
alimentos.

Digestão:

Avaliar os fatores que podem interferir na quebra dos alimentos, como por exemplo: a
mastigação; o meio ácido gástrico (diminuição da produção e/ou diluição do ácido clorídrico,
ou utilização de medicamentos como omeprazol que inibe a produção de ácido clorídrico);
produção e ação adequada das enzimas digestivas (salivares, gástricas, intestinais e
pancreáticas) e do ácido bilear, bicarbonato; e estresse (aumento de liberação de adrenalina).

Sintomas como: flatulência, erutação, azia, queimação, sensação de “empachamento”,


estufamento, “digestão parada”, dores e inchaços abdominais indicam uma má digestão dos
alimentos. O entendimento dos fatores que estão causando este processo determinará o
tratamento.

Absorção:

É necessário avaliar os fatores que poderão interferir na absorção dos nutrientes ingeridos,
como por exemplo:

- Mastigação. A quebra e digestão dos alimentos começa na boca, e só haverá absorção


adequada com mastigação adequada. A boa mastigação estimula a continuidade da digestão
no estômago (que não tem “dentes”), pois os alimentos chegam mais fracionados e facilitam a
ação das enzimas gástricas.

- A ingestão de líquidos com a refeição e na primeira hora após a mesma, além de “empurrar”
o alimento, causa uma diluição do meio ácido gástrico necessário para a ação das enzimas
digestivas, absorção dos nutrientes e destruição de bactérias nocivas ao nosso organismo.

- Comer rápido, estressado ou nervoso, por exemplo, aumenta a liberação de adrenalina que
prepara o organismo para “lutar ou fugir”, desviando o sangue para as extremidades do corpo
e inibindo a digestão e conseqüentemente a absorção dos nutrientes.

- A ingestão de drogas que interferem na absorção dos nutrientes e/ou aumentam sua
excreção.

- A presença de fungos e parasitas pode causar inflamações e infecções intestinais que


geram transtornos de absorção1.
- O equilíbrio entre as boas e más bactérias do sistema digestório, que evita a disbiose
intestinal, é necessário para a saúde orgânica funcional. A boa flora intestinal é importante
para: aumentar a absorção dos nutrientes; ativar o sistema imunológico; combater as más
bactérias (por competição e por produção de antibióticos naturais); manter integridade da
parede intestinal; produzir vitaminas como vit K, vit B12, vit B5, Vit B6, ácido fólico e biotina;
produzir ácidos graxos de cadeia curta; melhorar o processo digestivo; combater a
Helicobacter pylori; promover uma ação anti-cancerígena; regular o colesterol e auxíliar o
tratamento de alergias alimentares.

- A manutenção da integridade da parede intestinal é fundamental para a seleção natural


dos nutrientes que serão absorvidos, e para a inibição da absorção de macromoléculas
estranhas ao organismo. Esta integridade da mucosa intestinal é necessária também para a
produção de várias substâncias, feita pelos enterócitos, como: enzimas digestivas, hormônios e
vários neurotransmissores, inclusive serotonina, que conferem ao intestino a condição de
“segundo cérebro”. O intestino é o único órgão que contém um sistema nervoso capaz de
medir reflexos na total ausência de informações do cérebro ou da medula espinhal. O número
de neurônios neste sistema entérico é de cerca de 100 milhões, quase o mesmo que em toda
medula espinhal4.

A integridade funcional do intestino também é fundamental para o sistema imunólogico, pois


componentes da mucosa intestinal como IgA secretora, tecido linfóide intestinal (GALT) e
células efetoras como macrófagos, mastócitos e linfócitos (¼ das células do intestino)5 atuarão
intensamente no combate às substâncias estranhas ao organismo, inclusive alimentos mal
digeridos. O intestino é um dos principais órgãos que atuam na detoxificação do organismo3. É
também o sistema que mais está exposto ao meio ambiente (250m2)4 e, portanto, é mais
sensível às substâncias agressivas, além de ser dotado de uma enorme capacidade de
selecionar os nutrientes necessários ao funcionamento do organismo e impedir a absorção dos
seus agressores. Daí a importância da integridade fisiológica e funcional deste sistema.

Portanto, sem saúde intestinal não existe equilíbrio funcional.

Transporte

A carência proteica (comum em vegetarianos restritos ou em algumas cirurgias da obesidade)


pode facilitar a diminuição de proteínas transportadoras e, mesmo se houver uma ingestão
adequada de vitaminas e minerais, estas não serão transportadas até a célula.

Utilização

É muito comum pensarmos em carência de cálcio quando se trata de osteoporose. Porém,


muitas vezes, o que realmente ocorre é uma falta de utilização do mesmo, gerada pela
carência dos nutrientes que agem em conjunto com o cálcio e são necessários para a fixação
do mesmo no osso. Apesar de haver uma quantidade suficiente de cálcio, e as vezes até em
excesso, ele não consegue ser utilizado pelo osso e ainda pode ser acumulado em tecidos
moles ou até mesmo formar cálculos. Portanto, através da avaliação de hábitos alimentares e
de todos os fatores já comentados teremos maior probabilidade de tratarmos as causas do
problema e, no caso do exemplo acima, evitar que o paciente seja tratado apenas com uma
suplementação de cálcio e vitamina D, que mais prejudicam do que resolvem o processo.

Excreção

Os produtos resultantes do metabolismo, que não serão utilizados pelo organismo e/ou
qualquer substância que possa causar danos orgânicos (xenobióticos), sejam elas originadas
externamente ou internamente, precisam ser excretados. Além da avaliação de uma excreção
adequada via urinária, fecal, trato respiratório e pele, também é determinante a integridade
dos órgãos de detoxificação, principalmente, do fígado e do intestino.

A detoxificação é o processo biológico pelo qual o organismo transforma xenobióticos,


originários de fontes externas ou internas, em substâncias que possam ser excretadas. Embora
a detoxificação possa ser feita em todos os tecidos e órgãos, o principal deles é o fígado2,
seguido pelo intestino.

Existem vários nutrientes que dão suporte à detoxificação. Quanto mais substâncias estranhas
ao organismo forem absorvidas, e quanto menos houver suporte nutricional adequado,
maiores as possibilidades de intoxicação orgânica e conseqüentes desequilíbrios funcionais.

Interferência de fatores externos na saúde orgânica

O meio no qual o indivíduo vive, a poluição ambiental, o estresse (físico, mental e emocional),
o tipo de trabalho exercido por ele, a exposição regular à metais tóxicos (chumbo, mercúrio e
cádmio por exemplo), entre outros fatores, precisam ser analisados, pois irão interagir com o
organismo e influenciar o seu funcionamento. A individualidade bioquímica faz com que as
reações orgânicas, diante dos mesmos fatores, sejam diferentes de uma pessoa para a outra e
até para a mesma pessoa em momentos diferentes.

Saúde como vitalidade positiva e não simplesmente como ausência de doenças: Equilíbrio
Físico, Mental e Emocional

A análise de sinais e sintomas físicos (intestino preso/diarréia, azia, dor de cabeça, cansaço,
dores musculares, queda de cabelo, língua branca, aftas, infecções recorrentes etc), mentais
(falta de concentração, de memória, hiperatividade mental etc) e emocionais (ansiedade,
depressão, irritabilidade etc), aliada a todos os outros fatores analisados nos permitirão
entender melhor as causas e as interrelações entre as mesmas. A partir desta avaliação,
conscientizar o paciente e orientá-lo de maneira efetiva para uma mudança no processo que
determinará os resultados, tratando os problemas já existentes, promovendo a saúde integral
e previnindo doenças, otimizando o seu potencial genético.
Referência Bibliográfica

1- BAKER, S.M. Detoxification and Healing: The Key to Optimal Health. New Canaan: Keats
Publishing, 1997.

2- BLAND, Jeffrey. S. Genetic Nutritioneering. Illinois: Keats Publishing, 1999.

3- HAAS, E. M. The Detox Diet: A How-to & When-to Guide for Cleansing the Body. Berkeley:
Celestial Arts, 1996.

4- GUYTON, A.C., HALL, J.E. Fisiologia Humana e Mecanismos das Doenças.Rio de Janeiro:
Editora Guanabara Koogan S.A, 1997.

5- Matricardi PM. Infections preventing atopy: facts and new questions. Allergy 1997;52:879-
882.

6- WILLIAMS, Roger John. Biochemical Individuality: The Basis for the Genetotrophic Concept.

Похожие интересы