You are on page 1of 10

1

Aulas práticas como ferramenta auxiliar no


processo ensino/aprendizagem da disciplina
Morfologia e Anatomia de Espermatófitas

Practical classes as an auxiliary tool in the teaching/learning


process of the Morphology and Anatomy of Spermatophyta

Jorgeany Maria Bento da Silva1, Eliseu Marlônio Pereira de Lucena2

Resumo
A visão atual do ensino de Botânica ainda é o tradicional, onde a metodologia que predomina em sala de
aula é a expositiva, desestimulante para alunos e subvalorizado dentro do ensino de Ciências e Biologia.
Diante de tais constatações e na busca de alternativas que possam contribuir com a melhoria do ensino
de Botânica, é necessário que a qualidade das estratégias de ensino-aprendizagem utilizadas no ensino
superior sejam revistas, tornando-se imprescindível a aplicação de metodologias que favoreçam e
enriqueçam esse processo. O presente trabalho objetivou avaliar a eficiência do uso de aulas práticas
como ferramenta auxiliar no processo ensino-aprendizagem da disciplina Morfologia e Anatomia de
Espermatófitas, do curso de Ciências Biológicas/CCS, da Universidade Estadual do Ceará. Para isso, os
alunos dessa disciplina responderam uma mesma questão de múltipla escolha antes da aula prática e
após a aula prática, a respeito do conteúdo teórico que foi ministrado na aula anterior. Depois, as
questões foram corrigidas através de um gabarito e foram atribuídas notas de 0 a 10 para cada aluno,
antes e após cada aula prática. Finalmente, foi utilizado o software Excel 2013 para a elaboração de um
gráfico com a média aritmética da notas obtidas pelos alunos antes e após cada aula prática. Verificaram-
se os seguintes resultados: o conteúdo com tema Reprodução das Fanerógamas foi o que obteve a
média mais baixa dentre as questões resolvidas antes da aula prática (nota 1); a Anatomia da Folha
obteve médias baixas e iguais (nota 3), tanto antes, quanto depois da aula prática; as questões que
perguntavam acerca da Anatomia da Flor e sobre a Aula de Campo, obtiveram médias máximas e iguais
(nota 10), tanto antes, quanto depois da aula prática; das quatorze práticas realizadas, apenas em duas
(Morfologia da Semente e Anatomia do Fruto), a transmissão do conteúdo teórico superou ao prático.
Podemos concluir que a aula prática é uma ferramenta eficiente no processo ensino-aprendizagem da
disciplina Morfologia e Anatomia de Espermatófitas, do curso de Ciências Biológicas/CCS, da
Universidade Estadual do Ceará.
Palavras-chaves: Botânica. Iniciação a docência. Didática.

1
Monitora da Disciplina Morfologia e Anatomia de Espermatófitas e Discente do Curso de Ciências
Biológicas, Laboratório de Ecofisiologia Vegetal, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual do
Ceará
2
Doutor, Orientador e Docente do Curso de Ciências Biológicas, Laboratório de Ecofisiologia Vegetal,
Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual do Ceará
2

Abstract
The current view of the teaching of Botany is still traditional, where the methodology that predominates in
the classroom is the expositive, discouraging for students and undervalued within the teaching of Science
and Biology. In view of such findings and in the search for alternatives that may contribute to the
improvement of Botany teaching, it is necessary that the quality of teaching-learning strategies used in
higher education be reviewed, making it imperative to apply methodologies that favor and enrich this
process. The present work aimed to evaluate the efficiency of the use of practical classes as an auxiliary
tool in the teaching-learning process of the Morphology and Anatomy of Spermatophyta, of the Biological
Sciences/CCS course of the Ceara State University. For this, the students of this discipline answered the
same question of multiple choice before the practical class and after the practical class, regarding the
theoretical content that was taught in the previous class. Then the questions were corrected through a
template and grades from 0 to 10 were assigned to each student before and after each practice class.
Finally, Excel 2013 software was used to compile a graph with the arithmetic mean of the grades obtained
by the students before and after each practical class. The following results were verified: the content with
the theme Phanerogamy Reproduction was the one that obtained the lowest mean among the questions
solved before the practical class (note 1); Leaf Anatomy obtained low and equal means (note 3), both
before and after the practical class; The questions that asked about the Flower's Anatomy and the Field
Class, obtained maximum and equal means (note 10), both before and after the practical class; Of the
fourteen practices performed, only in two (Seed Morphology and Fruit Anatomy), the transmission of the
theoretical content surpassed the practical one. We can conclude that the practical class is an efficient tool
in the teaching-learning process of the Morphology and Anatomy of Spermatophyta, from the Biological
Sciences/CCS course at the Ceara State University.
Keywords: Botany. Teaching initiation. Didactics.

INTRODUÇÃO
O programa de monitoria da disciplina de Morfologia e Anatomia das
Espermatófitas constitui-se como um espaço que permite a troca de
conhecimentos entre os monitores e os demais estudantes (PAULETTI et al.,
2013).
A aprendizagem significativa acontece quando a nova informação é
fixada em conceitos relevantes preexistentes na estrutura cognitiva do aluno
(LIMA et al., 2016), a monitoria funciona como uma ponte entre essa nova
informação e os conceitos preexistentes do aluno de graduação.
Durante as aulas práticas os alunos têm um contato direto com o
material biológico e são estimulados a fazerem desenhos do material
predisposto nas bancadas ou no microscópio. A aula prática é realizada com o
auxilio do monitor da disciplina, sendo supervisionado pelo professor
orientador. Neste sentido, a aula prática aproxima o aluno do que foi visto em
aulas teóricas (LIMA et al., 2016).
3

O ensino de Botânica, na época atual, tem sido motivo de muita


preocupação por estudiosos, isso se dá pelo pouco interesse dos alunos pela
matéria (MENEZES et al., 2008). Alguns assuntos minitrados durante as aulas
fogem do contexto dos discente, portanto, quando os assuntos são
relacionados a fatos do cotidiano, os alunos conseguem compreender melhor.
É relevante o levantamento de novos critérios para a prática desse ensino,
metodologias que tornem os alunos participantes ativos da formação do seu
próprio conhecimento (PIUS; ROSA; PRIMON, 2008). Para a maioria dos
estudantes a disciplina de Botânica é pouco atrativa, pela nomenclatura
cientifica e termos complexos (SILVA; SANO, 2011).
De acordo com Pessin e Nascimento (2010) as aulas práticas
relacionadas aos assuntos de botânica reforçam a aprendizagem dos alunos.
Tanto os docentes como os discentes, consideram a presença de aulas
práticas importantes para o progresso de ensino-aprendizagem (LIMA;
GARCIA, 2011). Através de estudos foi constatado que alunos submetidos a
aulas práticas obtiveram maior número de acertos referente ao conteúdo
estudado, ao contrário dos alunos que apenas participaram de aulas teóricas
(PRIGOL; GIANNOTTI, 2008).
Como formadores de opiniões, sabemos das dificuldades dos alunos
quanto aos assuntos de biologia, especialmente aos conteúdos de botânica,
portanto, a elaboração de métodos didáticos tornam as aulas teóricas mais
atrativa e esclarecedoras (ARRAIS; SOUSA; MASRUA, 2014). Quando
métodos didáticos de ensino são devidamente planejados e executados, o
objetivo ultrapassa as expectativas dos professores (ABDALLA; MORAES,
2014).
Sabendo que o estudo de anatomia vegetal é constituído de estruturas
celulares microscópicas, os alunos encontram dificuldade nessa prática e uma
alternativa viável para análises de estruturas vegetais microscópicas é a
criação de modelos didáticos anatômicos (FARIA, 2013). Durante qualquer
processo de aprendizagem é necessário que o professor se mostre capacitado
e se disponha de meios que contribuem com o ensino (NASCIMENTO, 2014).
A monitoria executa um importante papel na construção do processo de ensino
e aprendizagem (SOUSA JÚNIOR et al., 2008).
4

Sendo assim, a presente pesquisa objetivou avaliar a eficiência do uso


de aulas práticas como ferramenta auxiliar no processo ensino-aprendizagem
da disciplina Morfologia e Anatomia de Espermatófitas, do curso de Ciências
Biológicas/CCS, da Universidade Estadual do Ceará.

METODOLOGIA
A pesquisa foi desenvolvida envolvendo os alunos da disciplina de
Morfologia e Anatomia de Espermatófitas, que é ofertada no 4º semestre do
curso de licenciatura em Ciências Biológicas/CCS, da Universidade Estadual
do Ceará–UECE. Tal disciplina possui seis créditos, totalizando 102 horas/aula.
As aulas são teóricas e práticas, sendo as teóricas realizadas em sala de aula,
enquanto as práticas são realizadas no Laboratório de Botânica (LABOTAN),
após as aulas teóricas de cada assunto, o qual possui microscópios ópticos e
lupas estereoscópicas, a fim de visualizar as estruturas morfológicas e
anatômicas vegetais, respectivamente, durante as aulas práticas.
A presente pesquisa foi realizada com dez estudantes, devidamente
matriculados na supracitada disciplina, no semestre de 2016.2, durante 14
aulas práticas: morfologia da raiz, morfologia do caule, morfologia da folha,
morfologia da flor, morfologia da semente, morfologia do fruto, reprodução das
fanerógamas, anatomia da folha, anatomia da raiz, anatomia do caule,
anatomia da flor, anatomia da semente, anatomia do fruto e aula de campo.
Inicialmente foi elaborado um banco de questões de múltipla escolha, de
tal forma, que para cada assunto a ser abordado na prática, foi elaborado seis
questões. Para a elaboração destas questões, utilizou-se como base o
fundamento teórico de um PDF de aula prática que é disponibilizado via email
pela monitoria, antes da aula prática, o qual retrata uma revisão do que foi visto
na aula teórica, sobre determinado assunto. O material teórico disponível no
PDF contém a base teórica da aula, imagens que servem como exemplo,
procedimento metodológico da prática, estudo dirigido e pesquisa, que devem
ser respondidos e anexados ao relatório da aula. Portanto, vale salientar que
para o aluno que assistiu a aula teórica ou fez uma leitura previa do PDF de
aula prática, teoricamente, é plenamente possível responder as questões que
estão sendo aplicadas.
5

A fim de mensurar a eficiência das aulas práticas como ferramenta


auxiliar no processo ensino-aprendizagem da disciplina Morfologia e Anatomia
de Espermatófitas, antes da aula prática e após a aula prática, aplicou-se uma
mesma questão de múltipla escolha aos discentes, a respeito do conteúdo
teórico que foi ministrado na aula anterior. A questão aplicada foi escolhida ao
acaso através de sorteio no supracitado banco de questões.
Depois, as questões são corrigidas através de um gabarito e são
atribuídas notas de 0 a 10 para cada aluno, antes e após cada aula prática.
Finalmente, foi utilizado o software Excel 2013 para a elaboração de um gráfico
com a média aritmética da notas obtidas pelos alunos antes e após cada aula
prática.

RESULTADOS E DISCUSSÃO
As questões que foram aplicadas no laboratório antes e depois da aula
prática, serve como base para saber qual a dificuldade enfrentada pelos
alunos. Um exemplo disso pode ser verificado na Figura 1, onde o conteúdo
com tema Reprodução das Fanerógamas foi o que obteve a média mais baixa
dentre as questões resolvidas antes da aula prática (nota 1), indicando que
ministrar este assunto apenas com aula teórica, tona-o muito abstrato. Já a
questão que perguntava sobre a Anatomia da Folha obteve médias baixas e
iguais (nota 3), tanto antes, quanto depois da aula prática, portanto, é
necessário uma melhoria de como é abordado na prática, a fim de obter um
maior aprendizado. Por outro lado, as questões que perguntavam acerca da
Anatomia da Flor e sobre a Aula de Campo, obtiveram médias máximas e
iguais (nota 10), tanto antes, quanto depois da aula prática, sendo assim, neste
caso a transmissão do conhecimento teórico se igualou ao prático. Por fim,
observamos que das quatorze práticas realizadas, apenas em duas (Morfologia
da Semente e Anatomia do Fruto), a transmissão do conteúdo teórico superou
ao prático.
6

12
10 10 10 10 10 10
10
8 8
8 7 7
6 6 6 6 6 6 6 6
6 5 5 5 5
4 4
4 3 33

2 1

Média Antes Média Depois

Figura 1. Média aritmética da notas obtidas pelos alunos antes e após cada
aula prática.
Valor equivalente de zero a dez. As barras azuis representam as médias antes
da aula prática e as barras laranjas representam as médias depois da aula
prática.

Esses dados servem como base fundamental para o professor e para os


monitores, pois com esses resultados já se pode formular maneiras que façam
os alunos terem um melhor aproveitamento do assunto, no que diz respeito às
médias baixas.
Nesta pesquisa, evidenciou-se a importância do monitor de disciplinas
acadêmica e aulas práticas, devido ao resultado do supracitado trabalho. As
questões que foram feitas e respondidas pelos alunos, servirão como
instrumento avaliativo no que diz respeito ao nível de conhecimento dos
alunos. O total de alunos do curso de Ciências Biológica/CCS, da Universidade
Estadual do Ceará, que se matricularam no semestre de 2016.2 na disciplina
de Morfologia e Anatomia das Espermatófitas, foram de 10 (dez). No entanto,
no fim do semestre, apenas um estudante havia trancado a matrícula.
Muitos trabalhos já foram desenvolvidos acerca da importância da
monitoria acadêmica em diversas disciplinas, onde concluíram que a monitoria
acadêmica é de fundamental importância, pois Silva et al. (2016) constataram
7

em sua pesquisa que a monitoria da disciplina Botânica Criptogâmica foi de


suma importância aos discentes que dela usufruíram, possibilitando aos
mesmos um suporte extraclasse, onde puderam sanar suas dúvidas, ao
mesmo tempo em que podiam construir seu conhecimento junto aos monitores,
que mesmo estando mais adiantados no curso, encontravam-se na mesma
condição de estudante. Tal situação proporcionou trocas de conhecimento e
enriquecimento intelectual para ambas as partes.
Neste mesmo sentido, Lima et al. (2016) relatam que a atuação dos
monitores como facilitadores no processo de aprendizagem da botânica
estrutural é relevante, além de introduzi-los no processo de formação à
docência.
Os resultados de Guerra et al. (2012) também corroboram com esta
pesquisa, pois eles afirmam que o projeto de monitoria em um curso de
Licenciatura se faz extremamente útil no desenrolar das atividades
acadêmicas, sendo, portanto, uma prática pedagógica de retenção de
resultados qualitativos. A partir destas cogitações, entendemos que a monitoria
apresentou contribuições significativas para todos os sujeitos envolvidos
(estudantes monitores, estudantes matriculados na disciplina e o próprio
professor), na promoção da melhoria do processo ensino-aprendizagem em
Biologia III, por meio do atendimento aos estudantes pelo monitor (GUERRA et
al., 2012).
Historicamente pode-se constatar o crescimento da figura da monitoria
no cenário educacional. A Lei nº 5.540/68 fixou normas de funcionamento do
ensino superior e instituiu a monitoria acadêmica, dizendo, em seu art. 41 que
as universidades criarão as atividades de monitoria para os alunos de
graduação (BRASIL, 1968). A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional
– LDB (Lei nº 9.394/96) trouxe em seu art. 84 que: os discentes da educação
superior poderão ser aproveitados em tarefas de ensino e pesquisa pelas
respectivas instituições, exercendo funções de monitoria, de acordo com seu
rendimento e seu plano de estudos (BRASIL, 1996).
Os alunos de graduação precisam ter o melhor aproveitamento possível
nas disciplinas estudadas e aprofundar seus estudos, pois seus conhecimentos
serão a chave para as portas do mercado de trabalho. O Programa de
Monitoria, que outrora tinha caráter complementar, agora assume uma posição
8

importante também na formação pedagógica do estudante, sendo fundamental


para seu enriquecimento intelectual (AZEVEDO FILHO, 2013).
O monitor é o discente de graduação, responsável para realizar
atividades relacionadas ao campo técnico e didático junto à disciplina. O
projeto de monitoria permite ao aluno a experiência da vida docente acadêmica
gerando a interação dos alunos monitores com estudantes de períodos menos
avançados. Assim como, possibilitar ao estudante o envolvimento em diversas
funções desde a organização da ementa da disciplina, capacitando-o em
atividades didáticas (NANNI, 2004).

CONCLUSÕES
Conclui-se que ao realizar exercícios que avaliam o nível de
conhecimento de alunos da graduação, o professor orientador e o(s)
monitor(es) podem utilizar-se desse instrumento avaliativo para elaboração das
aulas práticas. Tendo como pressuposto uma base teórica, os resultados não
foram negativos, porém houveram casos em que um conteúdo se sobressaiu a
outro, com média muito baixa.
Por outro lado, algumas questões obtiveram resultados de médias
máximas tanto antes, quanto depois das aulas práticas. Isso se deve ao fato de
que os alunos assimilaram alguns conteúdos com menos dificuldade do que
em outros.
Esses dados servirão para informar em quais conteúdos os alunos
tiveram mais dificuldade. Sendo assim, o(s) monitor(es) e o professor
orientador poderão desenvolver outros métodos e/ou ferramentas didáticas que
ajudarão na absorção do conteúdo para os alunos.
Constatou-se que a aula prática, é uma ferramenta eficiente no processo
ensino-aprendizagem da disciplina Morfologia e Anatomia de Espermatófitas,
do curso de Ciências Biológicas/CCS, da Universidade Estadual do Ceará.

REFERÊNCIAS
ARRAIS, M. G. M; SOUSA, G. M.; MASRUA, M. L. A. O Ensino de botânica:
investigando dificuldades na prática docente. Revista da Associação
Brasileira de Ensino de Biologia, n. 7, p. 5409–5418, 2014.
9

AZEVEDO FILHO, A. C.; MACHADO,M. R.; LIMA, C. R. P.; LIMA, S. J. P. A


importância da monitoria no processo de ensino-aprendizagem: uma
análise do desempenho dos alunos da graduação em ciências contábeis da
UFPB nos períodos 2012.2 e 2013.1. João Pessoa: UFPB, 2013. 5 p.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB. Lei N.º


9.394/1996.

BRASIL. Senado Federal, Lei Federal n.º 5540, de 28 de novembro de 1968.


Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-5540-28-
novembro-1968-359201-normaatualizada-pl.pdf>. Acesso em: 23 ago. 2017.

FARIA, D. P.; COSTA, N. P. A monitoria como ferramenta auxiliar no


processo ensino/ aprendizagem na disciplina de biologia celular. Areia:
UFPB, 2012. 6 p.

FARIAS, F. S.; RESENDE, A. A.; VIANNA, L. C.; ISAIAS, R. S.; ANETTI, N. N.


S.; BRAGA, C. E.; TEIXEIRA, A. B. Ensino inclusivo de anatomia vegetal a
partir do uso de modelos tridimensionais. In: CONGRESSO NACIONAL DE
BOTÂNICA, 64., 2013, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFBH/SBB,
2013. 1 CD-ROM.

GUERRA, L. S.; SÁ, G. C. S.; BARBOSA, V. S. Contribuições didático-


pedagógicas da monitoria em biologia na valorização da vegetação da
Caatinga. Campina Grande: UFCG, 2012. 4 p.

LIMA, D. B.; GRACIA, R. N. Uma investigação sobre a importância das aulas


práticas de Biologia no Ensino Médio. Cadernos do Aplicação, v. 24, n. 1, p.
202–224, 2011.

LIMA, E. F.; LOPES, J. B. A. C.; CARNEIRO, M. K. B.; COSTA, V. A. S.;


SOARES; A. A. O papel do monitor no ensino e aprendizagem da botânica
estrutural. In: VI ENCONTRO DE MONITORIA DE PROJETOS DA
GRADUAÇÃO, 6., 2016, . Anais... : , 2016.

MENEZES, L. C.; SOUZA, V. C.; NICOMEDES, M. P.; SILVA, N. A.; QUIRINO,


M. R.; OLIVEIRA, A. G.; RONELLI, R.; ANDRADE, D.; SANTOS, B. A. C.
Iniciativas para o aprendizado de botânica no ensino médio. In: Encontro de
iniciação à docência da UFPB, 11., 2008, João Pessoa. Anais... João Pessoa:
UFPB, 2008. p. 1-5.
10

NASCIMENTO, B. M. Propostas pedagógicas para o ensino de Botânica


nas aulas de Ciências: diminuindo entraves. 2014. 84 f. Monografia
(Graduação em Licenciatura Plena em Ciências Biológicas)-Universidade
Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

PAULETTI, J.; LUFT, I. C. M.; VOLTOLINI, C. H. Monitoria de botânica: espaço


de ensino e aprendizagem do curso de licenciatura em ciências
biológicas/UFFS - Campus Realeza. In: Seminário de Ensino, Pesquisa e
Extensão da UFFS, 3., 2013, Realeza. Anais... Realeza: UFFS, 2013.

PESSIN, L. R.; NASCIMENTO, M. T. A importância das aulas práticas no


ensino de botânica, a parte do processo ensino-aprendizagem em aulas e
atividades teórico-práticas. CONGRESSO FLUMINENSE DE INICIAÇÃO
CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA, 2., 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de
Janeiro: UENF/IFF/UFF, 2010.

PIUS, F. R.; ROSA, E. J.; PRIMON, C. S. F. Ensino de Biologia. In: JORNADA


DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA UNIBAN, 1., 2008, São
Paulo. Anais... São Paulo: UNIBAN, 2008.
PRIGOL, S.; GIANNOTTI, S. M. A importância da utilização de práticas no
processo de ensino-aprendizagem de ciências naturais enfocando a morfologia
da flor. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 1., SEMANA DE
PEDAGOGIA, 20., 2008, Cascavel. Anais... Cascavel: Universidade Estadual
do Oeste do Paraná, 2008. 14 f.

SILVA, J. R. S.; SANO, P. T. O ensino de botânica na visão dos estudantes de


Ciências Biológicas. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em
Ciência, 8., Congreso Internacional de Investigación en Enseñanza de las
Ciencias, 1., 2011, Campinas. Anais... Campinas: UNICAMP, 2011. Disponível
em: <http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R1021-1.pdf>. Acesso
em: 22 set. 2016.

SILVA, M. O.; SILVA, C. F.; SILVA, J. V. F.; SILVA, N. C. A monitoria como


instrumento facilitador do ensino aprendizagem na disciplina botânica
criptogâmica: concepções de estudantes. In: CONGRESSO NACIONAL DA
EDUCAÇÃO, 3., 2016, Natal. Anais... Natal: UERN, 2016.

SOUSA JÚNIOR, J. A.; SILVA, A. L.; MAGNO, A.; SANTOS, M. B. H.;


BARBOSA, J. A. Importância do monitor no ensino de quimíca orgânica na
busca da formação do profissional das ciênicias agrárias. In: ENCONTRO DE
INICIAÇÃO À DOCÊNCIA DA UFPB, 11., 2008, João Pessoa. Anais... João
Pessoa: UFPB, 2008.