You are on page 1of 2

FASE ORAL

É o período onde as satisfações são de natureza oral. Os principais órgãos de obtenção são, a
boca, os lábios e a língua. Por esse motivo crianças até por volta dos 18 meses levam muitas
coisas a boca. Toda a sua sensibilidade, sexualidade está localizado na boca. Piaget diz que
nesse período é o início do desenvolvimento do ego, onde a criança passa a perceber que seu
corpo não faz parte do ambiente e reconhece o limite do seu corpo.

FASE ANAL

Nessa fase o interesso pelo oral continua, porém com o crescimento as novidades vão se
atenuando. O foco da energia se desloca da boca para a região do ânus. É onde a criança
conhece melhor seu corpo, e os movimentos intestinais são prazerosos. Nessa fase é preciso se
atentar ao equilíbrio no que diz respeito a maneira como a criança é conduzida/estimulada,
pois influenciará positiva ou negativamente em sua vida. Nesse período as crianças
desenvolvem o maior controle do seu corpo, explorando muito mais o ambiente. De acordo
com Freud, o desenvolvimento dessa fase dependerá das experiências que os sujeitos tiveram
nas relações com os pais, professores, cuidadores, através da resolução de conflito.

DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA DE PIAGET

Piaget nos traz uma teoria de dupla perspectiva: estruturalista e genética. Ele busca explicar
como se dá o desenvolvimento cognitivo. O homem pensa e age para satisfazer uma
necessidade, para adaptar-se as novas situações do mundo que o cerca. Piaget idealiza
estágios de desenvolvimento cognitivo entendido por quatro fases de transição. O
desenvolvimento prossegue a partir do que foi feito em estágios anteriores. E com as transições
que acontecem começa um outro período de desenvolvimento.

DESENVOLVIMENTO SENSORIO-MOTOR

Nele os bebês começam a aprender por meio da observação sensorial e adquire controle de
suas funções motoras, a partir de atividades, exploração e manipulação do ambiente. A
Biologia e a Experiência unem-se para produzir o comportamento aprendido. É importante que
a criança receba estímulo visual, tátil, auditiva, com essas estimulações o desenvolvimento da
criança será melhor. Nesse estágio o bebê diferencia o que lhe pertence e o que é do mundo.

A revolução da palavra.
A interação da criança com o entorno social se dá com o desenvolvimento da
linguagem, é assim que permite se apropriar e internalizar o mundo.
A criança vai pra escola não somente pra ser cuidada e protegida, mas também para
que seja garantida sua socialização, sua descoberta de si e do mundo e para que
desenvolva sua autonomia.
Boa parte do que acontece entre os 2 e 7anos gira em torno da linguagem, tais como
suas primeiras experiências de socialização envolvendo a interação com outras
crianças.
Historicamente a criança , de ser incapaz ,passa a ser vista como possuidora de
condições de compreender o mundo a partir do momento que desenvolve a fala.
A linguagem e a mediação com o mundo da cultura
De acordo com Vigotski (2001), a linguagem como um sistema simbólico tem papel
primordial, pois a relação do ser humano com o mundo e consigo mesmo é mediada
por sistemas simbólicos elaborados. A linguagem funciona como um sistema de
mediação simiótica nas relações do homem com a cultura.

Período pré-escolar
Como aponta Vigotski (1996), na primeira infância, a linguagem representa a linha
central do desenvolvimento da criança ,pois a consciência se move no plano de algo
imbuído do sentido.

Desenvolvimento Cognitivo de Piaget- Pré Operacional


O grande avanço desse estágio é o desenvolvimento da capacidade simbólica. Nesse
período a criança utiliza-se da capacidade simbólica, de maneira a substituir um objeto
ou um acontecimento por sua representação mental.

Infância Escolarizada
A prática está antiga de contar histórias, atualmente, recebe novos meios de ser
realizada. Entra em cena a televisão, o computador, o cinema, etc...Embora sejam
meios importantes não dão conta de proporcionar a experimentação dos mesmo
sentimentos de quando uma história é contada presencialmente e com a presença de
outras crianças. Em suma, é importante que pais e professores estimulem sempre o
hábito pela leitura.