Вы находитесь на странице: 1из 11

Fechando Ética.

Lei 8.906/94 – EAOAB

Regulamento geral do estatuto da advocacia e da OAB (RG)

Novo Código de Ética e Disciplina.

Quadros da OAB

Advogados (art. 8º do EAOAB)

I- Capacidade civil
II- Diploma ou certidão de graduação em direito. O novo estatuto trouxe a certidão de
graduação em direito, além do diploma. Se não houver diploma, tem que ser a certidão
de graduação + histórico escolar.
III- Título de eleitor e quitação do serviço militar, se brasileiro. Se for brasileira, só título de
eleitor. Se for estrangeiro: 8º, §2º do EAOAB: o estrangeiro quando não graduado no
Brasil. Deve fazer prova do título de graduação de outra faculdade. Tem de provar que
conhecem o direito e a língua brasileira, para tanto, devem ser aprovados no exame de
ordem.
Estrangeiro: 91/00 – um advogado estrangeiro pode abrir um escritório no Brasil e fazer
consultoria em direito francês, mas se quiser advogar nos tribunais brasileiros e advogar
no brasil, deve prestar o exame de ordem

129/08 – quem tem inscrição em Portugal, pode vir pro Brasil e se inscrever na OAB sem
fazer o exame de ordem.

IV- Ser aprovado no exame de ordem.


V- Atividade incompatível é diferente de conduta incompatível, diferente de indoneidade
moral e ainda se difere de crime infamante:
Atividade incompatível – está ligado à vida profissional. Policial militar, técnico judiciário;
Conduta incompatível – ligado à vida social, vida pessoal. A lei exige a habitualidade para
sua confirmação: ex.: art. 34, p. único. Esse advogado sofrerá uma suspensão.
Idoneidade moral – vida social, vida pessoal; mais grave; basta praticar uma vez. Caso
ocorra, haverá exclusão.
VI- Idoneidade Moral
(> Crime infamante – advogado preso fazendo tráfico de drogas, por ex. Causa um mal à
fama do advogado. Deve ter um voto de 2/3 do conselho competente.
VII- Prestar compromisso perante o conselho.

B) Estagiário:
Cursar os últimos dois anos em direito; e caso não tenha pego a carteira ainda, pode
retirar depois de sair da faculdade. Levar uma declaração de que já tenha um estágio
garantido.
Requisitos:
Capacidade civil; titulo de eleitor e quitação do serviço militar brasileiro; não exercer
atividade incompatível com a advocacia (ex.: militar do exército).
Idoneidade moral;
Prestar compromisso perante ao conselho.
A carteira de advogado deve ser retirada no Estado onde estuda e pode ser utilizada em
todo território brasileiro.

Inscrição do advogado:
A) Principal – primeira inscrição. Deve ser feita no estado em que você vai estabelecer
seu escritório profissional. Na dúvida, prevalece o domicílio civil. Pode advogar sem
limites no seu estado.
B) Suplementar – quando passar a exercer a advocacia com habitualidade. Art. 10, §2º -
mais de 05 causas em outro estado em um ano. 05 em CADA estado. Não preciso de
avisar a OAB. Na sexta causa, já deve estar com a suplementar. Os atos não serão
nulos, mas desobedecerão ao código de ética.
NÃO CONTA: Advocacia extrajudicial (parecer jurídico, processos administrativos...),
carta precatória, impetração de habeas corpus, advocacia nos tribunais superiores.

Art. 15, §5º - abrir uma filial – com os mesmos sócios. Se só um vai ficar em São
Paulo: não interessa, se abrir uma filial, TODOS os sócios devem ter a suplementar.

C) Por transferência – quando houver mudança definitiva de endereço profissional.


Transfere a principal para outro estado.

Licença: hipóteses do art. 12: não vai precisar advogar, não vai precisar votar. Depois que cessar o
motivo que gerou a licença, voltará a atuar com o MESMO número de inscrição. Só fica um tempo
afastado.

I- Assim o requerer, por motivo justificado.


II- Passar a exercer, em caráter temporário, atividade incompatível com o exercício da
advocacia (ex.: policial militar, prefeito...), pede licenciamento, pois são mandados
seletivos ou cargos de confiança. Se eu fizer um concurso público, de caráter definitivo,
devo pedir o cancelamento.
III- Sofrer doença mental curável.

Cancelamento: não é mais advogado. Quando voltar a advogar, vai voltar com o mesmo número de
inscrição. Ninguém mais ocupa aquele número da OAB.

Art. 11.:

I- Assim o requerer.
II- sofrer penalidade de exclusão
III- falecer
IV- Passar a exercer em caráter definitivo atividade incompatível com a advocacia
V- Perder qualquer um dos requisitos necessários para inscrição.

Impedimento e incompatibilidade:

Impedimento – é a proibição parcial do exercício da advocacia. Art. 30, EOAB.

Incompatibilidade – proibição total do exercício da advocacia. Pode ter caráter definitivo que vai
gerar o cancelamento ou caráter temporário que vai gerar a licença. Art. 28, EOAB.

I-VII – cargos públicos (executivo, judiciário, MP)


VIII- Ocupantes de funções de direção e gerência em instituições financeiras, INCLUSIVE
PRIVADAS.

Art. 30: impedidos –

I- Servidores públicos que não estão artigo 28, menos contra quem os remunera.
II- Membros do poder legislativo, menos contra ou a favor da advocacia pública.

________________

Art. 9º do RG – todos os advogados públicos devem ter carteira da OAB.

Inquérito Policial – sigiloso. Ou seja, qualquer do povo, não pode ter acesso ao inquérito.

Essa sigilosidade, não alcança os advogados, juízes e membros do MP.

Interceptação telefônica -> serão inseridos aos autos, documentação sigilosa -> somente advogado
com procuração poderá tirar cópia.

§11 – caso tenha alguma diligência em andamento, que comprometa a investigação, não pode o
advogado ter acesso.

§12 – Impedir o acesso do advogado com o intuito de prejudicar a defesa (tirar peças, fornecer autos
incompletos) – responsabilização criminal e funcional por abuso de autoridade – CRIME DE ABUSO
DE AUTORIDADE.

XV E XVI – é direito do advogado ter vista dos processos judiciais ou administrativos, de qualquer
natureza, em cartório ou na repartição competente, ou retirá-los pelos prazos legais.

XVI – retirar os autos findos, mesmo sem procuração, pelo prazo de dez dias.

º, §^ - exceções – art. º - não se aplica o disposto nos artigos XV e XVI:

1) Aos autos sob segredo de justiça.


2) Documentos originais de difícil restauração ou ocorrer circunstância relevante que justifique
a permanência dos autos no cartório, reconhecida por despacho motivado, proferido de
ofício, mediante representação ou a requerimento da parte interessada.
3) Até o encerramento do processo, ao advogado que houver deixado de devolver os
respectivos autos no prazo legal, e só o fizer depois de intimado;

Desagravo público:

Arts. 18 e 19 do RG.

Quando advogados são ofendidos por agentes públicos, jornalistas, apresentadores de TV


publicamente.

Qualquer pessoa pode comunicar a OAB, ou até mesmo de ofício, a OAB pode instaurar um processo.
Durante esse processo, serão realizadas diligências, em que a OAB vai investigar em quais
circuntâncias ocorreram essas ofensas, pois se houver caráter:

 Pessoal
 Religioso
 Doutrinário
 Político
A OAB não vai se meter.

O ofensor tem o direito de se defender. Ao final, caso opte pelo desagravo público (será marcada
uma solenidade, em que a OAB divulgará, para prestar solidariedade ao advogado ofendido. O
presidente da OAB vai ler uma nota, publicada na imprensa e encaminhada ao ofensor. Podendo,
ainda, representar ao ofensor).

 Ocorrerá no conselho seccional do estado onde ocorreu a ofensa.


 Se for ofendido numa comarca do interior, será feito na subseção, com representantes do
conselho.
 Pode ser, ainda, realizado pelo conselho federal, quando forem ofendidos: presidente de
conselho seccional, conselheiro federal ou advogado que for ofendido com repercussão
nacional. Realizado e organizado no CF: no caso de ofensa a conselheiro federal.

!!!!!!! Ex.: Se o presidente do conselho seccional do RJ foi ofendido no exercício da profissão: o


Conselho Federal organizará o desagravo público. Mas ele foi ofendido no RJ... será realizado no RJ,
mas será organizado pelo Cons. Federal.

XVIII – usar os símbolos privativos da profissão de advogado.

XIX – recursar-se a depor como testemunha em processo no qual funcionou ou deva funcionar, em
fato (...) mesmo quando autorizado ou solicitado pelo constituinte (...).

ATRASO DE AUDIÊNCIA

Se o juiz estiver no local, não pode se retirar na hora da audiência.

Se o juiz não estiver, pode se retirar depois de meia hora de atraso.

NA JT DO TRABALHO > pode se retirar após 15 min de atraso, caso o juiz não se encontre no local.

XXI – assistir o seu cliente investigado, durante a apuração de infrações, sob pena de NULIDADE
ABSOLUTA.

Obs. 1: o advogado somente poderá ser PRESO EM FLAGRANTE, por motivo de EXERCÍCIO DA
PROFISSÃO, em caso de CRIME INAFIANÇÁVEL.

Obs. 2: O Poder Judiciário e o Poder Executivo, devem instalar, em todos os juizados, fóruns,
tribunais, delegacias de polícia e presídios, salas especiais permanentes para os advogados, com USO
assegurado à OAB.

Obs.3: Imunidade profissional do advogado:

O advogado tem imunidade profissional, não constituindo injuria, difamação puníveis qualquer
manifestação de sua parte, no exercício de sua atividade, em juízo ou fora dele. Se cometer excessos,
será punido disciplinarmente pela OAB.

Direitos da advogada gestante/lactante/adotante.

I- Gestante:
A) Entrada em tribunais sem ser submetida a detectores de metais e aparelhos de raios X.
B) Reserva de vaga em garagens dos fóruns dos tribunais.
II- Lactante, adotante ou que der à luz: acesso a creche, onde houver, ou a local adequado
ao atendimento das necessidades do bebê.
III- Gestante, lactante, adotante ou que der à luz: preferencia na ordem das sustentações
orais e das audiências a serem realizadas a cada dia, mediante comprovação de sua
condição.
IV- Adotante ou que der à luz: suspensão de prazos processuais quando for a única patrona
da causa, devendo informar ao cliente por escrito.

§3º adotante ou que der à luz – prazo de 30 dias.

ATOS PRIVATIVOS DE ADVOCACIA

a) Atos judiciais

a.1) ius postulandi

a.2) exceções

Art. 1º - são atividades privativas de advocacia.

I- Atos judiciais – a postulação a órgão do poder judiciário e aos juizados especiais.


II- Atos extrajudiciais – as atividades de consultoria (eventual), assessoria e direção jurídicas
(tem que ser advogado/gerência jurídica: art. 7º, RG – também é ato privativo da
advocacia).

Obs.: o “qualquer órgão” do inciso primeiro foi declarado inconstitucional, pois em alguns órgãos a
parte pode entrar com ação sozinha.

§2º - os atos e contratos constitutivos de pessoas jurídicas, sob pena de nulidade, só podem ser
admitidos a registro, nos órgãos competentes, quando visados por advogados. ENTÃO, PARA DAR
VISTO EM CONTRATOS E ATOS CONSTITUTIVOS DE EMPRESAS, só o advogado pode.

OBS.: Pode cair em direito de empresa: a LC 123/06 – art. 9º, §2º - não se aplica quando se tratar de
microempresa ou empresa de pequeno porte, pois são formulários já padronizados.

§3º - é vedada a divulgação da advocacia junto de outra atividade; Posso exercer duas profissões,
mas em locais diferentes, muito menos colocar em placas.

ATOS DOS ESTAGIÁRIOS

Art. 29 do RG – os atos de advocacia, previstos no art. 1º do Estatuto, podem ser subscritos por
estagiário inscrito na OAB, EM CONJUNTO COM O ADVOGADO OU DEFENSOR PÚBLICO!!!!

§1º e 2º: o estagiário inscrito na OAB pode praticar, isoladamente, os seguintes atos, sob a
responsabilidade do advogado:

I- Retirar e devolver os autos no cartório. Assinando a respectiva carga;


II- Obter junto aos escrivães e chefes de secretarias, certidões de peças ou autos de
processos em curso ou findos.
III- Assinar petições de juntada de documentos a processos judiciais ou administrativos.

§2º - para o exercício de atos extrajudiciais, o estagiário pode comparecer ISOLADAMENTE quando
receber autorização ou substabelecimento do advogado.
ATOS NULOS

São nulos os atos privativos de advogado praticados por PESSOA NÃO INSCRITA NA OAB, sem
prejuízo das sanções civis, penais e administrativas.

§ único – são também nulos os atos praticados por advogado impedido, no âmbito do impedimento,
suspenso, licenciado ou que passar a exercer atividade incompatível com a advocacia. ---- o
advogado impedido que atuar contra o órgão que lhe remunera, terá os atos nulos.

8- RESPONSABILIDADE FUNCIONAL DO ADVOGADO – pode vir a ser responsabilidade em três áreas:

a) Responsabilidade civil – pode vir a causar prejuízo ao seu cliente ou a terceiros por uma
ação, omissão, dolo ou culpa.
b) Responsabilidade penal – pode praticar crimes ou contravenções; lembrar que o advogado é
imune em relação a injúria e difamação.
- violação do sigilo profissional
- retenção abusiva dos autos
- patrocínio infiel
- tergiversação (mudar de lado) e patrocínio simultâneo (advogar para as duas partes).

Obs.: Lide temerária: não é crime. Quando o advogado altera a verdade dos fatos ao propor
uma ação.

c) Responsabilidade disciplinar – pode violar normas do estatuto, norma de éticas, em que será
punido e processado pela OAB.
 Infrações e sanções disciplinares (art. 34 a 41 do EAOAB):
Art. 34:
I-XVI -> LEVES -> CENSURA (multa) – Obs.: caso o advogado tenha alguma atenuante do art.
40 do EAOAB, o estatuto converterá em alguma advertência.

XVII – XXV -> GRAVES -> SUSPENSÃO (multa) – impossibilita o advogado de advogar no Brasil
todo pelo prazo, em regra, de 30 dias a 12 meses.
Três caso que poderá ser aplicado por prazo indeterminado:
Quando o advogado deixa de pagar a OAB
Quando o advogado deixa de prestar contas ao cliente
Quando houver inépcia profissional (ficará suspenso até apresentar novas provas de
habilitação).

Obs.: A MULTA É UMA SANÇÃO ACESSÓRIA. POIS VEM ACOMPANHANDO A CENSURA OU A


SUSPENSÃO, varia de 1 a 10 anuidades.

XXVI – XXVIII -> GRAVÍSSIMAS -> EXCLUSÃO

XXIX -> LEVE – típica do estagiário (fazer mais do que ele pode).

Nos termos do art. 35 do EAOAB – são as sanções disciplinares.


Reabilitação criminal – antes de conseguir a reabilitação pela OAB, se o advogado praticou
algum crime, deve pedir no juízo que deu a CONDENAÇÃO. Após a criminal, vai à OAB e pede
a disciplinar.
A reabilitação criminal é pressuposto da disciplinar.

Obs.:

 Caso ocorra algum equívoco por parte dos magistrados, é autorizado que o advogado use da
palavra “pela ordem” para interromper o julgamento.

9) SOCIEDADE DE ADVOGADOS.

1) ADVOGADO PROFISSIONAL LIBERAL AUTÔNOMO – pessoa física.

2) ADVOGADO SÓCIO – SOCIEDADE DE ADVOGADOS

3) ADVOGADO TITULAR DE SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA (OU UNIPESSOAL DE ADVOCACIA


OU UNISSUBJETIVA) – pessoa jurídica.

4) ADVOGADO PÚBLICO – são obrigados a ter OAB, pagar anuidade, podem ser conselheiros ou
presidentes da OAB.

5) ADVOGADO EMPREGADO – art. 23 a 21 do Estatuto.

6) ADVOGADO ASSOCIADO – art. 39 e 40, RG – escritório de advocacia cível; 5 advogados sócios,


podem ter 5 advogados empregados. Nenhum é criminalista, assim, manda causa criminal para outro
advogado. Quando o advogado indica para outro e recebe porcentagem, é considerado infração.
Para isso, deve ter um contrato de advogado associado, apresentado à OAB, estabelecendo o
percentual que vai para o associado e para escritório.

Portanto, é possível um advogado se associar a uma sociedade, sem vínculo empregatício, com
participação nos resultados = advogado associado.

9.1) Natureza jurídica – sociedade SIMPLES (art. 15)

9.2) Personalidade jurídica – para que adquira personalidade jurídica, deve ser feito o registro dos
seus atos constitutivos no conselho seccional da OAB. Não é feita em junta comercial ou de registro
de pessoa jurídica.

9.3) Denominação – deverá vir constando no contrato social, o nome (pode ser abreviado – prenome
e sobrenome) de PELO MENOS UM SÓCIO responsável pela sociedade + expressão que indique a
finalidade daquela sociedade (s/s (sociedade simples pode).

Obs.: se o nome da sociedade é de uma pessoa que veio a falecer, DEVE ESTAR PREVISTO NO
CONTRATO que pode continuar o nome da sociedade após a morte da pessoa.

Obs.2: o nome da sociedade é de uma pessoa que virou JUÍZA, deve tirar o nome, pois o caráter é
definitivo.

Ou o nome da sociedade é de uma pessoa que virou PREFEITO da cidade, não precisa tirar o nome,
pois o caráter é temporário.

Obs.3: não pode colocar NOME FANTASIA; atentar-se ao sobrenome da pessoa, pois aí pode ser o
nome da pessoa e não nome fantasia. Não pode usar símbolos que fogem da imagem da advocacia.
Obs. 4: quando for uma sociedade individual (unipessoal, unisubjetiva): deve ser assim – Fulano de
Tal, sociedade individual de advocacia.

9.4) Outras considerações:

* A procuração não pode ser feita à sociedade. Deve ter o nome dos advogados individualmente.

* Os advogados do mesmo escritório não podem advogar para autor e réu do mesmo processo.

* As intimações podem ser feitas em nome da pessoa jurídica? Sim

* Só posso ser sócio de um escritório por estado.

* Quando se abre uma filial, todos os sócios devem ter inscrição suplementar. Mas posso advogar
como pessoa física, posso ser empregado de uma empresa.

Art. 17 do EAOAB.

Além da sociedade, o sócio e o titular da sociedade individual de advocacia respondem SUBSIDIÁRIA


E ILIMITADAMENTE pelos danos causados aos clientes por ação ou omissão no exercício da
advocacia.

ADVOGADO EMPREGADO

Art. 18 ao 21 EAOAB

18- O advogado empregado é aquele que preenche os vínculos caracterizadores do vínculo


empregatício. Porém, não retira a isenção técnica nem reduz a independência profissional inerente à
advocacia. Não é o patrão que diz a ação que vai entrar, o prazo para interpor recurso...

§ único – o advogado empregado não está obrigado à prestação de serviços profissionais de


interesse pessoal dos empregadores, fora da relação de emprego. Ex.: entrar com uma ação para um
empregado da empresa em que trabalha.

Art. 19 – o salário mínimo profissional será fixado em SENTENÇA NORMATIVA, salvo se ajustado em
acordo ou convenção coletiva de trabalho. NUNCA POR LEI!!!!!!

Art. 20 – a jornada de trabalho do advogado empregado, no exercício da profissão, não poderá


exceder a duração de QUATRO HORAS CONTÍNUAS e VINTE HORAS SEMANAIS. Salvo em acordo, ou
convenção coletiva, ou em caso de dedicação exclusiva (passa a ser de OITO HORAS POR DIA, e é
firmada no próprio contrato individual de trabalho).

Hora extra: 100% OU MAIS, não pode ser menos!!!

Quando o advogado trabalha a noite: no período das VINTE HORAS de um dia até às CINCO HORAS
do dia seguinte serão remuneradas com adicional noturno. (20h até 5h – 25%)

Art. 21 – empresa + advogados empregados = os honorários sucumbenciais são aqueles pagos pela
parte vencida, ao advogado da parte vencedora -> nesse caso, os empresários não são advogados ->
assim, os advogados empregados recebem os honorários.

§único: sociedade de advogados + advogados empregados = os donos do escritório são advogados ->
os honorários sucumbenciais serão partilhados entre empregadores (sociedade de advogados) e
empregados.
OBS.: Por se tratar de direito disponível, pode ser combinado entre eles. Pode ir só para o patrão, ou
que o dinheiro vá para um fundo especial e revertido em benefício dos advogados.

REGRA:

§1º Tempo de trabalho: o tempo em que o advogado estiver à disposição do empregador,


aguardando ou executando ordens, além da alimentação...

----

HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

Contraprestação recebida pelo advogado em razão do seu serviço profissional.

É proibido advogar de graça, com exceção de:

Advocacia pró bono – gratuita, eventual e voluntária.

Art. 22, §5º - as seguintes regras não se aplicam quando o advogado for defender outro no tribunal
de ética.

3 tipos de honorários:

a) Pactuados ou convencionado – o advogado e o cliente combinam, acordam um valor. Esse


valor pode ser feito de forma verbal ou por escrito, mediante contrato de honorários
advocatícios.
b) Arbitrados judicialmente – advogado dativo – o juiz vai determinar quanto o Estado vai pagar
àquele advogado. É utilizado também quando não tem combinação nenhuma, pode pedir ao
juiz que arbitre.
c) Sucumbenciais – aqueles pagos pela parte vencida. A parte que perdeu o processo, além de
pagar as custas, tem que pagar ao advogado da parte contrária.

 Pacto (ou cláusula) quota litis - quando o cliente não tem dinheiro para pagar e pode pagar
com UM BEM. É importante que se tenha um contrato por escrito – deve constar um valor,
dizendo que tal valor pode ser pago com tal bem especificado. O bem deve ser proporcional
ao valor.
 Quanto às formas judiciais de cobrança: quando faço um contrato por escrito, é um título
executivo extrajudicial. É uma EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA.
 Quanto contrato por forma verbal, ação de conhecimento.
 Elementos éticos para estipulação:
Art. 49
Tabela mínima – o advogado não pode cobrar abaixo do mínimo. Acima do mínimo, o
advogado varia de acordo com os elementos do art. 49. Quanto mais o cliente procura, mais
descontos pode fazer.
 Prescrição: a ação de honorários prescreve em 5 anos, do vencimento do contrato – se
houver, ou do trânsito em julgado da decisão que os fixar, do último ato extrajudicial (ex.: fiz
10 pareces jurídicos, conto do último/a partir da renúncia ou revogação/a partir da transação
do cliente com a outra parte)

-------
Órgãos da OAB

A OAB é formada por 4 órgãos:

a) Conselho federal (art. 51 a 55, EAOAB – arts. 62 a 104, RG)


Sede: capital do país
Composição: art. 51 – são conselheiros federais:
Conselheiros federais:
I- Os integrantes das delegações de cada UF. Cada estado manda 3 integrantes.
II- Ex-presidentes do conselho federal, na qualidade de membros honorários vitalícios.

O presidente do conselho federal é nacional. Quando deixa de ser presidente, continua membro
honorário vitalício.

É um órgão julgador. Cada delegação (3 integrantes) tem direito a 1 voto. Os 3 vão se reunir, o voto é
tomado pela decisão da maioria (2x1).

Se no dia da votação foram só DOIS, para que essa delegação possa votar, tem que dar 2x0. Se der
empate, o voto daquela delegação NÃO SERÁ COMPUTADO. Caso a delegação tenha INTERESSE
naquele assunto, não vota.

Os EX-PRESIDENTES só têm direito a voz, em regra. MAS, os antigos que tinham o direito de voto,
mantém o direito adquirido.

O PRESIDENTE SÓ VOTA depois de todos votarem, só vota se for preciso. VOTO DE MINERVA.

Competências: Art. 54, EAOAB.


O CF como órgão supremo é quem vai julgar os recursos da OAB. Representará a advocacia
brasileira em congressos.
Poderá criar os conselhos seccionais.
Propor ação direta e inconstitucionalidade, adpf, arguição de descumprimento de preceito
fundamental.
Pode intervir nos conselhos seccionais
Fazer a lista sêxtupla – preenchimento da vaga do quinto constitucional.

b) Conselhos seccionais (art. 56 a 59, EAOAB – art. 105 a 114, RG)


c) Subseções (art. 60 e 61, EAOAB; arts. 115 a 120, RG)
d) Caixa de assistência (arts. 62, EAOAB; arts. 121 a 129 RG)
CORREÇÃO DO SIMULADO – ética

1- O advogado não pode atuar ao mesmo tempo como advogado e preposto. Art. 25, CED +
ART. 3º do regulamento geral.
2- Se o advogado tornou-se prefeito: passou a exercer atividade incompatível temporário,
tendo que ser licenciado da OAB.
O licenciamento do sócio NÃO ALTERA A SUA CONSTITUIÇÃO. Apenas deve ser averbado,
junto ao conselho seccional, averba no momento da posse.
3- A razão social da sociedade pretendida, basta que tenha pelo menos o nome e o sobrenome
de UM dos sócios.
4- Os sócios respondem SUBSIDIÁRIA E ILIMITADAMENTE pelos danos causados.
5- O licenciamento de um dos sócios em caráter temporário DEVE ser averbado no registro da
sociedade.
6- O advogado tem direito de ser recolhido preso, ANTES DE SENTENÇA TRANSITADA EM
JULGADO, em sala de Estado maior e somente na sua falta, em prisão domiciliar.
7- Não precisa de representante da OAB se não for crime do exercício da profissão.
8- O sigilo profissional É de ordem pública.
9- Diretoria do conselho federal – vota através de votação indireta.
10- Honorário de sucumbência quem fixa é o juiz, não por meio de tabela. Ação de cobrança de
honorários prescrevem em 5 anos. Advogada por dispor dos honorários de sucumbência.
Os honorários de sucumbência não são considerados para efeitos trabalhistas ou
previdenciários. Art. 14 RG.
11- Servidor público estadual não pode advogar contra fazenda pública que o remunera. Ex.:
professor de uma escola estadual. Art. 28, III e VIV, art. 30, I e art. 4º EAOAB.
12- Passou não pode constituir visto em atos em constitutivos de pessoas jurídicas. Art. 2º,
§único, RGEOAB.
13- Passou a desconfiar da advogada – deve externar usa impressão, e não se dissipando as
duvidas existentes, promova, em seguida o substabelecimento para outro. Art. 10, NCED