Вы находитесь на странице: 1из 5

O

 povo  escala  o  monumento:    


uma  arqueologia  da  ex-­‐capital  da  República  
Vera  Lins  
 
25  de  outubro  de  2000  
 
Pulicado  em:    
http://www.casaruibarbosa.gov.br/dados/DOC/literatura/gonzaga_duque/ar
quivosliterarios_gonzagaDuque.htm  
 
  Há   algum   tempo   trabalhei   com   o   diário   de   um   escritor   carioca,  
Gonzaga   Duque1.   Pensei   em   contar   aqui   um   de   seus   episódios,   pois   me  
parece   que     ler   suas   anotações   entre   1900   e   1904   é   fazer   uma   certa  
arqueologia   da   cidade.   A   estória   que   conta   gira   em   torno   de   um   monumento  
que  ainda  existe,  mas  acho  que  poucos  sabem  como  foi  parar  na  praça  onde  
está   hoje.     São   duas   versões,   uma,   oficial,   outra,   a   contada   no   diário   desse  
escritor  ligado  ao  movimento  simbolista,  autor  de  um  romance,  vários  contos  
e   artigos   na   imprensa,       crítico   de   artes   plásticas,   que   ainda   tem   um   livro  
didático  de  história  chamado  Revoluções  brasileiras2.  
Na   Revista   Kosmos,     que   circulou   entre   1904   e   1909,   Gonzaga   Duque  
tem   vários   artigos   sobre   a   cidade,   como   “Cantos   de   arte   na   cidade”,     “O  
Cabaré   de   Ivone”   ou   “A   queda   dos   muros”,   que   são   como   que   lugares   de  
memória   ou     mostram   também,   como   o   primeiro,   uma   concepção   de  
urbanismo   diferente,   menos   a   de     um   arquiteto   moderno,   mais   a   de   um  
pintor,   porque   mais   próxima,   sem   prancheta,   régua   e   compasso,   mais  
corporal,   de   alguém   que   pensa   a   cidade   andando   por   suas   ruas.   Ou   talvez  
próximo   de   um   arquiteto   como   Camilo   Sitte   cujo   livro,   A   construção   das  
cidades   segundo   seus   princípios   artísticos,   de   1889,   foi   reeditado3   e   está  
sendo   relido   também   na   Áustria4Q   Enquanto   Adolph   Loos,   funcionalista,  
tirava  os  ornamentos  das  fachadas  de  Viena,  Sitte  era  contra  a  via  expressa,  
lutava   por   praças   e   por   um   espaço   urbano   como   representação   espacial   de  
pensamento  e  poesia.  

1
Lins, Vera . A estratégia do franco-atirador. Rio: Tempo brasileiro, 1991.
2
Gonzaga Duque. Revoluções brasileiras. Org. Francisco Foot Hardman e Vera Lins. São Paulo: Unesp,
Fapesp, Giordano, 1998.
3
Sitte, Camillo. A construção das cidades segundo seus princípios artísticos. São Paulo: Editora Ática, 1992.
4
Wieser, Christoph. “Die Wahrnehmungsweise der stadt. Ein neuer Bilck auf Camillo Sittes, “Der Städtebau
nach seinen künstlerischen Gründsätzen”. Revista Parnass, 20. Jahrgang, März/April, Heft 1/2000.
 Este   episódio   que   Gonzaga   Duque   conta   em   seu   diário   é   parte   das  
festas  comemorativas  do  quarto  centenário  do  Descobrimento,  uma  estória  
que   faz   exatamente   cem   anos.   Para   as   comemorações   foi   planejado   um  
espetáculo   que   alimentasse   esperanças   e   ilusões   otimistas   com   imagens  
coloridas   de   progresso   e   harmonia.   O   que   no   entanto   provocava   profundo  
mal-­‐estar   em   consciências   mais   agudas,   pois   os   sonhos   republicanos   mais  
radicais   tinham   sido   traídos   pela   oligarquia   cafeeira.     O   espetáculo  
nacionalista-­‐ufanista   que   se   promovia   tentava   neutralizar   dissidências,  
agitações   sociais,   tudo   que   resistisse   a   uma   modernização   autoritária   e  
violenta,  apelando    para  o  modelo  que  vai  vigorar  em  todo  o  século:  colocar  
o  povo  na  rua,  mas  sob  controle,  carregando  alegorias  carnavalescas.    
Como   programa   das   comemorações   eram   propostas   a   reprodução  
histórica   da   Primeira   Missa;   um   panorama   por   Victor   Meirelles   da   região  
onde   Cabral   aportou,   paradas,   uma   exposição   nacional,   publicações,   uma  
ópera   nacional   comemorativa,   construção   de   monumentos,   espetáculos  
gratuitos   e   fogos   de   artifício.   Eficientes,   os   membros   da   Associação  
organizadora    realizaram  quase  tudo  que  haviam  programado  e  publicaram  o  
livro   do   Centenário   que     relata   o   empreendimento   e   faz   um   balanço   da  
cultura   nacional   em   1900   com   Coelho   Neto   tratando   das   Belas-­‐Artes;   José  
Veríssimo,  da  Instrução  e  Imprensa;  Sílvio  Romero,  da  Literatura.  Olavo  Bilac  
compõe   uma   Cantata   Brasil   com   todos   os   clichês   dos   hinos   patrióticos,  
exaltando  a  beleza  da  terra  e  o  céu  de  anil.  Ainda  na  atmosfera  heróica  das  
comemorações,  o  Conde  Afonso  Celso  publica  Porque  me  ufano  do  meu  país,  
em  1901.    
O   4º   Centenário   ajudava   a   promover   mercadorias.   Pelas   primeiras  
páginas   do   Jornal   do   Commércio,   da   primeira   semana   de   maio   de   1900,  
pode-­‐se   acompanhar   tanto   o   discurso   que   dava   o   tom   das   comemorações,  
como   as   reviravoltas   que   promoveram   na   cidade   com   obras   e   tropas   nas  
ruas,   com   desfiles   e   inaugurações,   tentando   criar   um   clima   de   diversão,  
euforia   e   deslumbramento.   No   dia   3,   o   jornal   vende   umas   edição     especial  
dedicada   ao   4ºCentenário,   que   se   torna   artigo   de   luxo.   No   dia   6,   noticia   o  
Cortejo  Cívico  que  passou  pelo  monumento  a  Cabral  com  carros  dos  clubes  
Fenianos,   dos   Tenentes   do   Diabo   e   da   Escola   Politecnica   que   levava   uma  
pequena  locomotiva  Baldwin.  
Parte   importante   dos   festejos   foi   a   inauguração   do   monumento   a  
Cabral,  único  vestígio  hoje  de  tudo  o  que  foi  construído  para  o  4º  Centenário.  
Um   dia   depois   do   acontecimento,   Gonzaga   Duque   anota   a   cena   no   diário   em  
traços   rápidos   e   sintéticos.   Sensível   ao   espaço   político   da   rua,   conta   como   se  
mistura  à  multidão  que  se  encaminha  para  a  Praça  da  Glória  .    
 
7   de   maio   –   Bem   castigado   eu   fui!   Saí,   fizemos   um   grande   passeio   a   pé  
porque   os   bondes   deixavam-­‐nos   na   Praça   José   de   Alencar   e   nós  
tínhamos   de   alcançar   a   praça   da   Glória   sem   outra   condução   que   não  
fosse  as  nossas  pernas.  Enfio  o  meu  braço  no  de  Júlia  e  seguimos.  Duas  
fileiras  de  povo  descem  rua  abaixo,  pelos  passeios.  No  centro  das  ruas  
estão   estendidos   os   batalhões,   desde   a   praça   Duque   de   Caxias   até   a  
Glória.    
 
 
O   monumento,   esculpido   por   Rodolfo   Bernardelli,   em   Paris,   fora  
trazido  em  partes,  de  navio.  Além  da  figura  de  Cabral    de  três  metros  e  meio,  
estão   sobre   um   rochedo   Frei   Henrique   e   Pero   Vaz   de   Caminha.   A   bandeira  
que   Cabral   finca   ao   solo   pesa   600   quilos.   Sob   o   sol   tropical   e   cercado   de  
gente   Gonzaga   Duque   olha   o   que   acontece.   As   autoridades,   Presidente   da  
República,   Embaixador   português   e   o   Barão   de   Ramiz,     da   Associação  
organizadora  das  comemorações,  estão  ali  para  inaugurar  o  monumento  e  a  
coisa   enguiça,   puxam   as   cordas   que   prendem   o   pano   que   cobre   o  
monumento,  mas  estas  não  funcionam.    Nas  palavras  do  escritor:  
 
Chegamos   no   momento   em   que   os   cordões   do   véu   que   cobre   o  
monumento   são   entregues   ao   Presidente   da   República   e   ao  
Embaixador   Português.   O   Barão   de   Ramiz,   vice-­‐presidente   da  
Associação   dos   festejos   aproximava-­‐se   da   base   do   monumento   e  
levantando   o   braço   entoa   a   frase   convencionada:   Viva   a   Pátria  
Brasileira!  As  duas  autoridades  puxam  os  cordões  e  ...  nada!  Sacodem-­‐
nos  com  mais  força  ...  Nada!  Há  um  burburinho  na  multidão.  As  duas  
autoridades  cruzam  os  olhos  desconfiadamente  e  esperam  que  o  barão  
arranje   as   coisas   de   modo   a   não   fazerem   figuras   de   ...   estica   cordas!  
Mas  o  barão  por  sua  vez  não  sabe  como  se  arranjar,  o  Dr.  Frontin  anda  
a   cochichar   por   aqui   e   por   ali,   também   atrapalhado.   Até   que   enfim  
surgem   dois   populares,   um   branco   e   um   preto,   que   caminham   pelo  
pedestal.  Mas  o  negro  é  mais  ágil,  grimpa-­‐se  com  facilidade,  alcança  o  
ombro  de  frei  Henrique.  E  aí  pára,  ou  por  falta  de  fôlego  ou  por  temor  
de  ir  acima.  A  multidão  bate  palmas,  excitando-­‐o  com  humor  e  ele  já  
vai  pelo  Pedr’Álvares.  Agarra-­‐se  à  bandeira  do  descobridor,  aproxima-­‐
se  do  ápice  da  bandeira,  mete  mão  ao  laço  corrediço  que  acabava  de  
pregar   tão   grande   peça   às   autoridades,   puxa-­‐o,   repuxa-­‐o,   dá-­‐lhe  
safanões   e   ...   Bravô!   Hurrah!   gritam   todos   numa   trovoada   e   aplausos  –  
o   véu   desaba,   ao   som   dos   hinos,   estalar   de   foguetes,   guinchos   de  
lanchas,  repiques  de  sinos  e  salvas  de  artilharia.  Uma  inferneira!  
 
Gonzaga  Duque  ironiza  a  cena  com  um  olhar  pessoal  e  crítico,  mostra  
as   autoridades   incompetentes   e   desamparadas   na   sua   burrice   autoritária   e  
contrapõe   a   elas   os   ágeis   marginalizados   que,   rápida   e   espontaneamente,  
resolvem  a  questão.  Ao  contar  que  um  negro  escala  o  monumento,    cria  uma  
cena   em   que   se   coloca   no   topo   o   que   a   ordem   republicana   recalcava:   o  
trabalho  escravo  que  atrapalhava  o  ideário  liberal  e  a  população  pobre  que  
precisava  ficar  de  fora  para  a  cidade  se  assemelhar  a  Paris.    
 
Consultando  os  livros  do  Centenário,  tem-­‐se  a  versão  oficial  que  fala  do  
incidente  numa  linguagem  pretensiosa,    neutralizadora    de  sua  força.  Tocam-­‐
se  os  limites  do  melodrama.    
 
Foi  nesta  aflitiva  conjuntura  que  da  multidão  surgiu  um  homem.  Com  
espanto   de   todos   ele   subiu   ao   plano   em   que   os   representantes   dos  
povos  português  e  brasileiro  se  colocaram.  
 
A  atitude  do  homem  era  resoluta.  Ofereceu-­‐se  para  subir,  e,  logo  que  
sua  proposta  foi  aceita,  começou  a  galgar    monumento.  
 
Já   sobre   o   rochedo   de   bronze,   que   representa   a   terra   brasileira,   teve  
um  gesto  de  desânimo.  O  povo  aclamou-­‐o,  e  o  ignorado,  o  alvejado  por  
olhares   da   multidão   sentiu   na   salva   formidável   de   palmas   que   o  
vitoriava   o   maior   estímulo.   Lépido   e   admirável,   afrontando   a   morte,  
venceu   toda   a   extensão   do   corpo   da   estátua,   sustentando-­‐se   nos  
músculos  possantes,  subiu  pela  haste  da  bandeira  que  Cabral  desfralda  
e,   a   um   movimento   violento,   a   cortina   caiu.   Nesse   momento,   a  
multidão   em   delirante   entusiasmo   soltou   dois   brados   de   ovação,   um  
ao  monumento,  e  outro  ao  herói  que  descobriu  Cabral...  
 
Nesta   versão   omitem   que   era   negro   o   que   escalou   o   monumento,   o  
outro,   transformam-­‐no   num   ex-­‐soldado.   Ambos   são   recompensados  
pelo   que   é   considerado   como   uma   boa   ação,   que   assim   perde   em  
espontaneidade  o  que  ganha  em  obediência.  
 
Chama-­‐se   o   homem,   a   quem   se   deveu   a   feliz   e   pronta   solução   deste  
incidente,     Martim   Francisco   de   Paula;   foi   praça   do   7º   batalhão   de  
infantaria  e  é  natural  do  Ceará.    
A   Associação   do   Centenário   gratificou-­‐o   logo   com   100$,   dando   20$   a  
outro  homem  do  povo  que  o  auxiliara.  
 
   
Mas   o   diário   do   escritor   carioca   pode   contar   uma   outra   história,   em  
que  se  constrói  a  alegoria  inversa  à  locomotiva  em  cima  do  carro  no  Cortejo  
Cívico,   o   negro   no   topo   do   monumento   a   Cabral.   Na   sua   concepção   a  
modernidade   inclui,   acolhe   o   espontâneo,   o   outro,   com   suas   questões   e  
desafios.    
E,   ainda,   por   algum   tempo,   na   memória   da   cidade   ficou   a   estória   de  
Álvaro  1500,  que,  ele  mesmo,  contínuo  do  Senado,  contava,  e    se  espalhava  
nas  rodas  de  intelectuais  do  centro.5  

5
Segundo relato do Dr. Francisco Assis Barbosa, o rapaz negro ficou conhecido como Álvaro 1500 e, em
1945, trabalhando como contínuo no Senado, durante a 3ª Assembléia Constituinte, contava sua história aos
intelectuais que se reuniam no centro da cidade.

Похожие интересы