Вы находитесь на странице: 1из 6

Leitura e Produção de

Textos Acadêmicos

Aula 02: O discurso acadêmico: características e normas

Tópico 01: A Linguagem Técnico-Científica

http://cibele.files.wordpress.com/2008/06/lapis5.jpg?w=124

Como vimos na aula 1, o conhecimento científico surge dos diferentes modos de


produção do conhecimento e do uso que se faz dele, de modo que o avanço da
ciência depende da circulação e do uso efetivo das ideias, posto que a informação
constitui, ao mesmo tempo, insumo e produto de toda atividade científica. Segundo
Barrass (1986, p. 27), “a ciência é um esforço incessante no qual o fim de uma
investigação pode transformar-se no início de outra.” Assim, para o autor, os
cientistas devem escrever, para que suas descobertas sejam difundidas.

Vemos, portanto, que a finalidade última de qualquer atividade científica não é somente
exprimir ideias, mas comunicá-las. Por esta razão, é possível assumir que escrever trabalhos acadêmico-
científicos é uma decorrência natural do estudo e da pesquisa. Entendemos também que a produção do
texto acadêmico requer procedimentos de duas ordens: uma relacionada à atividade reflexiva e
indagativa — verdades ou falsidades — acerca da temática escolhida e uma outra correspondente aos
processos organizacionais e técnicos para a elaboração e a apresentação desses trabalhos.

Os dois procedimentos exigem aprendizado, pois a prática de escrever textos acadêmicos


ocorre na interação verbal entre pessoas organizadas socialmente, na chamada comunidade científica.
Segundo Carioca (s/d, p. 825), a comunicação acadêmica só se realiza porque “está firmada nos
parâmetros normatizados por sua comunidade discursiva no que diz respeito à produção de gêneros
textuais e à produção da linguagem própria convencionada para seu domínio”. Desse modo, conforme a
autora, a redação acadêmica é enunciada por meio dos mais diversos gêneros acadêmicos, como por
exemplo: resumos, resenhas, ensaios, relatórios, artigos científicos, informes científicos,
monografias, dissertações, teses etc., cujas regras de construção constam em inúmeros manuais de
metodologia científica que explicam como deve ser a linguagem, a formatação e quais as partes
componentes típicas dos textos acadêmicos.

Considerando, entretanto, que a eficiência na transferência da informação depende de fatores


relativos à “linguagem” entre o autor e o leitor do texto, o estilo, a estrutura e a apresentação formal de
trabalhos científicos exigem a adoção de normas que permitam atingir tal eficiência. O estilo1 da redação
utilizada em trabalhos científicos é chamado técnico-científico.

A título de ilustração, apresentamos o quadro 1, abaixo, baseado em Viegas (1999, p. 170),


que mostra esquematicamente algumas diferenças entre a linguagem literária e a linguagem científica.

QUADRO 1 – Linguagem literária e linguagem científica em função do conteúdo, do estilo e da forma de


conquistar o leitor.

1
“diferindo do utilizado em outros tipos de composição, como a literária, a jornalística, a publicitária” (UFPR, 2000, p.1).
1
Leitura e Produção de
Textos Acadêmicos

Com características e normas específicas, conforme se constata no quadro acima, o estilo da


redação científica possui certos princípios básicos, universais, ou seja, considera-se como formulação
científica mais apropriada aquela que, além de correta, seja simples, clara, precisa e concisa. Como alerta
Viegas (1999, p. 170), no discurso científico, “busca-se a objetividade, a isenção do autor, sua fidelidade
ao fato, a descrição pura e simples, a neutralidade, sem posicionamentos subjetivos, ideológicos ou
éticos.” Ao longo do tempo, os cientistas – uns mais, outros menos – procuram orientar-se segundo esses
princípios.

QUADRO 2 – Descrição dos princípios básicos da redação técnico-científica, de acordo com Bastos et
al. (2000).

2
Leitura e Produção de
Textos Acadêmicos

Linguagem científica segundo alguns autores


• Marconi Lakatos

Segundo Marconi Lakatos (2003, p. 250), a linguagem científica deve “ser a mais didática possível.
Requer linguagem perfeita em relação às regras gramaticais, evitando não só o vocabulário popular,
vulgar, mas também o pomposo. Se uma das finalidades é a objetividade, o trabalho científico deve ter
caráter impessoal”.

• Viegas

Viegas (1999, p. 171) afirma que, no texto acadêmico, “busca-se, antes, a objetividade e a isenção do
autor, bem como sua fidelidade ao fato, a descrição pura e simples, a neutralidade, sem posicionamentos
subjetivos, ideológicos ou éticos.”

• Carioca

No interior do discurso acadêmico, conforme Carioca (s/d), há uma bipartição discursiva que classifica o
discurso científico – ou especializado – (DC) e o discurso de divulgação científica – também chamado de
vulgarização ou popularização da ciência – (DDC). Essa bipartição reflete a necessidade de nos
preocuparmos com a divulgação da ciência e com o debate sobre o impacto da ciência na sociedade.

• Barrass

Barrass (1986) defende a necessidade de se empreender a divulgação científica. Para este autor, sem essa
divulgação, não deveremos nos surpreender se a ciência e a tecnologia permanecerem um livro fechado,
inacessível a muitas pessoas educadas, se o povo não confiar no cientista, se não se der valor à
interdependência entre a ciência pura e aplicada, ou se as pessoas esperarem demais da ciência.

Linguagem científica e terminologia


Para Carioca (s/d), quando o texto se destina a especialistas, o discurso é construído com
termos técnicos e a linguagem é de difícil acesso e compreensão, como se restringisse seu campo de
atuação apenas a um grupo que compartilha esses termos e esse tipo de discurso. O uso de termos
técnicos (terminologia2), entretanto, é necessário para tornar a comunicação mais eficiente, porque
favorece o uso uniforme de um termo que designa um mesmo conceito.

O uso de termos técnicos evita mal-entendidos, resultantes do emprego incorreto de termos de


uso comum. Quanto mais pessoas tenham acesso a uma terminologia uniforme, menos problemas de
comunicação surgirão. Por ser uma grande linguagem de especialidade3, cujo uso fica restrito aos
especialistas, na comunicação sem ambiguidade em uma área particular do conhecimento diferente da
língua comum, que é a que usamos no dia-a-dia, a terminologia frequentemente é associada a uma
linguagem difícil, empolada, sendo até objeto de piadas, como a mensagem apresentada abaixo, que
circula anonimamente na Internet.

TENTE ADIVINHAR O QUE ESTÁ SENDO DESCRITO PELOS ESTUDANTES DOS VÁRIOS
NÍVEIS DE ENSINO.

2
http://www.termiumplus.gc.ca/didacticiel_tutorial/portugues/glossaire/terminologia_p.html
3
Assim, o significado mais comum de terminologia é 'conjunto dos termos especializados próprios de uma ciência, de uma
técnica, de um autor ou de um grupo social determinado' como, por exemplo, a terminologia da Medicina, da Lingüística, da
Literatura ou a terminologia da Informática.
3
Leitura e Produção de
Textos Acadêmicos

Arte de escrever
• Mestrado

A sacarose extraída da cana de açúcar, que ainda não tenha passado pelo processo de purificação e refino,
apresentando-se sob a forma de pequenos sólidos tronco-piramidais de base retangular, impressiona
agradavelmente o paladar, lembrando a sensação provocada pela mesma sacarose produzida pelas abelhas
em um peculiar líquido espesso e nutritivo. Entretanto, não altera suas dimensões lineares ou suas
proporções quando submetida a uma tensão axial em consequência da aplicação de compressões
equivalentes e opostas.

• Graduação

O açúcar, quando ainda não submetido à refinação, e apresentando-se em blocos sólidos de pequenas
dimensões e forma tronco-piramidal, tem sabor deleitável da secreção alimentar das abelhas; todavia não
muda suas proporções quando sujeito à compressão.

• Ensino Médio

Açúcar não refinado, sob a forma de pequenos blocos, tem o sabor agradável do mel, porém não muda de
forma quando pressionado.

• Ensino Fundamental

Açúcar mascavo em tijolinhos tem o sabor adocicado, mas não é macio ou flexível.

• Linguagem Popular

Rapadura é doce, mas não é mole, não!!!

No tocante à estrutura global de enunciação do discurso acadêmico, Carioca (s/d, p. 826)


ressalta que essa estrutura está fundamentada nas convenções instituídas pela comunidade científica, com
características bastante específicas e conservadoras que especificam os seguintes atributos:
impessoalidade, objetividade, clareza, precisão, coerência, concisão e simplicidade. Assim, o discurso
acadêmico se caracteriza, segundo a autora, pela utilização sistemática de estratégias textual-discursivas
de construção de sentido envolvendo, em sua constituição, citações e paráfrases4. A autora ressalva, no
entanto, que a liberdade de utilização desses recursos no discurso acadêmico não é ilimitada, mas regida
por suas normas e construída a partir de certos procedimentos institucionais.

Outra característica que a autora destaca no discurso acadêmico é a argumentatividade,


indispensável para a demonstração e validação de teses (ideias) em gêneros textuais que configuram
partes distintas dos textos acadêmicos, tais como: pressupostos teóricos, procedimentos metodológicos,
bibliografia, introdução, resultados das análises, resumo ou abstract, índice, sumário, conclusões, quadro
teórico, revisão da literatura, considerações finais, discussão dos resultados, introdução, anexos,
referências bibliográficas, fundamentação teórica, objetivos, etc.

Carioca (s/d) levanta ainda, com base em outros autores, um impasse dicotômico em relação à
submissão às normas do discurso acadêmico. Segundo ela, se tais regras são seguidas ipsis literis corre-se
o “risco de se cair na simples transmissão de modelos de texto que levam à reprodução de modelos
naturalizados, sem a criticidade necessária à formação de sujeitos com uma relativa autonomia e arbítrio”

4
Citações em que o texto original é recriado, mas há a reprodução fiel de suas ideias
4
Leitura e Produção de
Textos Acadêmicos

(MOTTA-ROTH, 2006, p. 4 apud CARIOCA, s/d, p. 834); já se não são seguidas, adverte sobre o risco
de se ter o “texto rejeitado por não atender às normas que vigoram nessa comunidade científica”
(MACHADO; LOUSADA; ABREU-TARDELLI , 2005, p. 13 apud CARIOCA, s/d, p. 834).

Considerando, entretanto, que a eficiência na transferência da informação depende de fatores


relativos à “linguagem” entre o autor e o leitor do texto, a estrutura e a apresentação formal de trabalhos
científicos exigem a adoção de normas que permitam atingir tal eficiência.

Observação

A forma de apresentação e os procedimentos adotados em trabalhos acadêmico-


científicos são regulados por normas técnicas institucionalizadas pela Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que serão discutidas no próximo tópico.

Olhando de Perto

http://www.ucb.br/prg/comsocial/cceh/textos_comunidade.htm

http://rle.ucpel.tche.br/php/edicoes/v5n2/d_desiree.pdf

Pavel: Curso Interativo de Terminologia. Disponível em:


http://www.termiumplus.gc.ca/didacticiel_tutorial/portugues/lecon1/indexe_p.html

Multimídia

Vídeo: exemplo de apresentação de trabalho científico em congresso. É interessante


observar como essa situação pode deixar nervosos aqueles que estão iniciando a vida
acadêmica. Não se assuste! Como quase tudo que fazemos depende de prática,
apresentar uma “comunicação oral” pode vir a ser uma atividade corriqueira em sua
prática profissional.

http://www.youtube.com/watch?v=xFnAIjH-Cf0

Referências
BARRASS, R. Os cientistas precisam escrever: guia de redação para cientistas, engenheiros e
estudantes. 2. ed. São Paulo: T. A. Queiroz, 1986.
BASTOS, L. et al. Manual para elaboração de projetos e relatórios de pesquisa, teses, dissertações e
monografias. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.
CARIOCA, C. R. A. Caracterização do discurso acadêmico baseada na convergência da Lingüística
Textual com a Análise do Discurso. Disponível em:
http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/cd/Port/36.pdf. Acesso em: 03 mar. 2008.
MARCONI, M. A. de; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo:
Atlas, 2003.
MACHADO, A. R.; LOUSADA, E.; ABREU-TARDELLI, L. S. O resumo escolar: uma proposta de
ensino do gênero. Signum: estudos da linguagem, Universidade Estadual de Londrina. PR, n.8 (1), p.
89-101, jun. 2005.

5
Leitura e Produção de
Textos Acadêmicos

MOTTA-ROTH, D. Questões de metodologia em análise de gêneros. In: KARWOSKI, A. M.;


GAYDECZKA, B.; BRITO, K. S. (Org.) Gêneros Textuais: Reflexões e Ensino. 2. ed. Rio de Janeiro:
Lucerna,2006.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Biblioteca Central. Normas para apresentação de
trabalhos científicos. Curitiba: Ed. UFPR, 2000. pt. 8: Redação e editoração.
VIEGAS, W. Fundamentos de Metodologia Científica. Brasília: Editora da UNB, 1999.