Вы находитесь на странице: 1из 3

Neste artigo, apresentamos um quadro computacional para a simulação de fluxo combinado e

geomecânica do reservatório.

O modelo físico é restrito à teoria de Biot sobre fluxo monofásico e poroelasticidade linear, mas é
suficientemente geral para se estender a problemas de fluxo multifásico e comportamento inelástico.

Os aspectos técnicos distintivos da nossa abordagem são: (1) a discretização espacial das equações. As
variáveis desconhecidas são a pressão, a velocidade do fluido e os deslocamentos das rochas.
Reconhecemos que essas variáveis são de natureza muito diferente e precisam ser discretizadas de
forma diferente. Propomos uma discretização do espaço de elementos finitos mistos, que é estável,
convergente, localmente conservador de massa e emprega uma única grade computacional. Para
garantir estabilidade e robustez, realizamos uma integração implícita no tempo das equações de fluxo
de fluido. (2) As estratégias para a solução do sistema acoplado. Comparamos diferentes estratégias de
solução, incluindo a abordagem totalmente acoplada, a abordagem acoplada iterativamente usual
(condicionalmente estável) e um esquema seqüencial incondicionalmente estável menos comum.
Mostramos que o último esquema corresponde a um método Jacobi de bloco modificado, que também
possui melhores propriedades de convergência. Este modelo computacional foi implementado em um
simulador de reservatório orientado a objetos, cujo design modular permite extensões e
aprimoramentos adicionais. Mostramos várias simulações numéricas representativas que ilustram a
eficácia da abordagem.

Quanto ao método numérico adotado para discretização das equações diferenciais


governantes do problema acoplado hidro-geomecânico, foi considerado no presente trabalho,
por conveniência computacional diante da estrutura do programa CODE_BRIGHT, o Método
dos Elementos Finitos com Volume de Controle (“CVFEM”) para a discretização espacial, bem
como uma aproximação conservativa em diferenças finitas para a discretização temporal. Este
método foi abordado em trabalhos como Forsyth (1990), Gottardi e Dall’Olio (1992), Olivella et
al (1995), Helmig (1997), Cordazzo et al (2004a) e Cordazzo et al (2004b), para problemas de
fluxo multifásico em meios porosos, como em casos de reservatório de petróleo e de
contaminação em lençóis freáticos. Forsyth (1990) desenvolveu o Método dos Elementos
Finitos com Volume de Controle (CVFEM) para a discretização espacial com uma matriz de
massa modificada que é multiplicada pela derivada temporal da equação de fluxo. Segundo
Cordazzo et al (2004a) o CVFEM consiste em uma técnica empregada para malhas nãoestruturadas de
elementos triangulares ou quadrilaterais, para problemas bidimensionais, e para
elementos tetraédricos e hexaédricos, para problemas tridimensionais, onde utilizam-se as
funções de forma do Método dos Elementos Finitos (MEF) utilizando volumes de controle para
a integração das equações.

Keys words:

Geomecânica Iterativamente acoplada. Conservação da massa local Elementos finitos mistos.


Reservatório de poroelasticidade de petróleo e gás. Incondicionalmente estável Divisão não drenada.

Como já visto o modelo matemático formulado a partir das equações diferenciais definidas no capítulo
anterior, resulta em um sistema de EDPs que necessita ser resolvido. Porém,
diante da complexidade do problema acoplado, torna-se necessário o emprego de métodos
numéricos para se obter a solução através de modelagem computacional. As equações numéricas
do modelo de fluxo monofásico adotado e também do modelo mecânico utilizado nos problemas
propostos serão detalhadas, com a adição do termo de acoplamento hidro-geomecânico e o esquema
numérico utilizado. Neste trabalho foi utilizado o Método dos Elementos Finitos-Galerkin
para resolver numericamente os problemas de aplicação do esquema IMPES modificado. A
ferramenta computacional adotada (processador) foi o programa de elementos finitos CODEBRIGHT
(Coupled Deformation Brine Gas and Heat Transport). Este programa é capaz de
resolver problemas termo-hidro-químico-mecânicos de maneira acoplada em meios porosos.
O método totalmente implícito (FI) é amplamente utilizado para modelagem numérica de
fluxo multifásico e transporte em meios porosos. O método FI é incondicionalmente estável,
mas isso vem ao custo de uma aproximação de baixa ordem e alto custo computacional. O
método FI implica linearização iterativa e solução de sistemas lineares totalmente acoplados
com caráter elíptico / hiperbólico misto. No entanto, em métodos que tratam separadamente
o método quase elíptico (fluxo) e hiperbólico (transporte), tais como formulações multiescala,
estratégias de solução sequencial são utilizadas para acoplar o fluxo (pressões e velocidades) e
o transporte (saturações / composições). Os esquemas seqüenciais mais comuns são:
saturação explícita de pressão implícita (IMPES)

Neste sistema de equações a equação (3.39) permite desacoplar ao sistema e facilitar


o calculo computacional e resolve-se em um mesmo passo ambos sistemas mais
separadamente, esta equação (3.39) descacopla do sistema as equações (3.34) e (3.35),
devido a seguinte
substituição e
Modelagem acoplado hidro-mecânico em elementos finitos da estabilidade de
poços de petróleo via esquema sequencial-implícito.
Neste trabalho, apresentamos o esquema numérico sequencial-implícito via elementos finitos para avaliar
a estabilidade de poços de petróleo em sistemas acoplados entre o fluxo e o mecânico. Para o
desacoplamento dos sistemas acoplados se faz uma substituição em um termo das equações do problema
mecânico. Quanto ao método numérico adotado para discretização das equações diferenciais governantes
do problema acoplado hidro-geomecânico, foi considerado, por conveniência computacional diante da
estrutura do programa CODE_BRIGHT, o Método dos Elementos Finitos com Volume de Controle
(“CVFEM”) para a discretização espacial, bem como uma aproximação conservativa em diferenças
finitas para a discretização temporal, para o cálculo do multiplicado plástico no modelo de Drucker
Praguer foi utilizado o algoritmo IMPES modificado.

Neste trabalho foi utilizado o Método dos Elementos Finitos-Galerkin para resolver numericamente os
problemas. A ferramenta computacional adotada (processador) foi o programa de elementos finitos
CODEBRIGHT (Coupled Deformation Brine Gas and Heat Transport)

Palavras chaves: Modelagem Hidro-Mecânica. Elementos Finitos. Sequencial-implícito.


Estabilidades de Poços.

Resumo verdadeiro em português

Título: Modelagem acoplado hidro-mecânico em elementos finitos da estabilidade de poços de


petróleo via esquema sequencial-implícito.

Neste trabalho, apresentamos o esquema numérico sequencial-implícito via elementos finitos


para a o estudo da estabilidade de poços de petróleo em sistemas acoplados entre os
problemas de fluxo e mecânico. Para o desacoplamento dos sistemas utilizou-se o
procedimento fixed-stress split. Quanto ao método numérico adotado para discretização das
equações diferenciais governantes do problema acoplado hidro-geomecânico, foi considerado,
por conveniência computacional, o Método dos Elementos Finitos com Volume de Controle
devido ao programa para a simulação numérica CODE_ BRIGHT, para a discretização espacial,
bem como uma aproximação conservativa em diferenças finitas para a discretização temporal,
o modelo constitutivo usado foi o modelo constitutivo elastoplastico de Drucker praguer
dentro do cálculo do multiplicador plástico de dito modelo foi utilizado o algoritmo IMPLEX
modificado. A avaliação da estabilidade de poços horizontais mediante a modelagem acoplada
hidromecânica em meio elastoplástico para o comportamento tensão-deformação do material
colabora para um melhor entendimento do processo do breakout induzido na perfuração.

Mejor em inglês version

In this work, we present the sequencial-implicit numerical scheme via finite elements for the
study of the stability of oil wells in systems coupled. For the decoupling of the systems, the
fixed-stress split procedure was used. As for the numerical method adopted for discretization
of the governing differential equations of the hydro-geomechanical coupled problem, it was
considered, for computational convenience, the Finite Element Method with Control Volume
due to the program for numerical simulation CODE_ BRIGHT, for spatial discretization as well
as a conservative approximation in finite differences for time discretization, the constitutive
model used to be the elastoplastic constitutive model of Drucker to calculate within the
calculation of the plastic multiplier of said model the modified IMPLEX algorithm was used. The
evaluation of the stability of horizontal wells through hydromechanical coupled modeling in
elastoplastic medium for the tension-deformation behavior of the material contributes to a
better understanding of the breakout induced processes in the drilling.