Вы находитесь на странице: 1из 4

Sant ' Anna Schaffer e as almas do purgatório

Nestes sonhos sobre o purgatório, a Anna vê as pobres almas sofrer assustadoramente porque
compreendem até ao fundo o quanto mal se fizeram não amando em plenitude o Senhor. A
separação do infinito bem por sua própria culpa é o máximo das dores destas pobres almas. Elas
sofrem um ardente fogo de saudade rumo ao eterno amor.

No Purgatório também há almas "esquecidas", porque se pensa que já estão no céu e ninguém
faz mais, para elas, das orações de sufrágio. Infelizmente muitos acreditam que o purgatório é
uma simples passagem quase indolor, mas a saudade desse Deus vi no momento do julgamento
não pode deixar de queimar. Deus é santíssimo e só se a alma for Santíssima pode ficar na frente
dele. E porque Deus também é justo, toda dívida deve ser paga "... até o último centavo " (CF.:
MT 18,34), como diz Jesus em uma parábola. Nota 15-Lembre-se que a existência do purgatório
é verdade de fé, não acreditando na qual nos se da comunidade cristã.

É tão importante rezar por estas pobres almas, que a igreja as lembra todas ao Senhor em cada
santa missa que é celebrada. Por conseguinte, é bom que também na nossa oração pessoal nos
lembremos deles. Um dia serão outros a lembrar-se de nós nas suas orações.

Para aprofundar este assunto, recomenda-se a leitura de "orações para as pobres almas" (pág.
36) de d. Silvio dellandrea. - para encomendas contactar: D. Enzo boninsegna - rua marianas, 5-
37134 Verona - tel. 04518201679.

O amor de Jesus pelas pobres almas

Das quatro às seis da sexta-feira, 19 de abril de 1918, sonhei estar na igreja. Ajoelhada diante
do altar maior, em adoração de Jesus Eucaristia, rezei por muito tempo. De repente tornou-se
tudo brilhante e vi aquele coração que tanto amou os homens envolto num esplendor
indescritível: Dele saíam uns raios de fogo. Continuei orando para recomendar a Jesus muitas
almas. Cada vez que rezava por uma alma (conhecida como desconhecida), saía do sagrado
coração um raio que atingia precisamente essa alma, que eu também naquele momento podia
ver. No sonho rezava dizendo: " Jesus meu, misericórdia!". de repente me encontrei rodeada de
tantas almas; pareciam todas abandonadas e me diziam: ' também para mim! " e eram muitas,
tantas que não conseguia vê-las todas e senti uma grande angústia e continuava a repetir: "
Jesus meu, misericórdia!". cada vez saía do tabernáculo uma torrente de luz que parecia iluminar
toda a terra; então eu acordei .

" Santíssimo coração de Jesus, rei e centro de todos os corações, tende piedade de nós."

Uma alma luminosa

Em 22 de julho de 1918, fiz este sonho sobre as pobres almas.

Pareceu-me ir visitar uma mulher muito doente, e ela disse-me que tinha de atravessar mais seis
e depois parar na sétima. Fiz o que ele me disse: atravessei seis quartos e quando cheguei à
sétima, encontrei-me em frente a uma porta de vidro através da qual vi que havia muitas
pessoas lá.

Fiquei com uma grande angústia e pensei: " Certamente estas são das pobres almas ". porém,
sem hesitar abri a porta e gritei: " meu Jesus, misericórdia por todas vós!" e todas me
agradeceram com grande gratidão.

De todas aquelas pessoas, uma rapariga muito jovem começou a falar comigo. No seu chefe e
nas suas bochechas havia um brilho vivo e claro, o que não reparei nas outras que, pelo
contrário, tinham um aspecto muito sofredor. Essa menina cheia de luz me disse que de viva
tinha pertencia à nobreza e que ainda estava a seus pecados, especialmente os da língua e da
vaidade (estava orgulhosa de sua beleza). Depois pegou na minha mão direita e manteve-a
diante da sua boca para me fazer sentir que calor tinha que suportar por esses pecados: dos
seus dentes saía um tal calor que, no sonho, pensei que os ossos da mão também me tinham
queimado. Fiquei com medo, e por isso continuei a recitar umas giaculatorie. Perguntei-lhe se
com orações do tipo "Jesus meu, misericórdia" podia trazer-lhes um pouco de alívio. Respondeu-
me que, no mesmo instante em que, por parte de um coração arrependido, eram recitadas para
eles, elas sentiam um grande conforto e alívio.

Então eu rezei muito assim, e todas aquelas almas começaram a chorar, excepto a luz.

Então ela agarrou-me pela mão, levou-me à janela e disse: "Vês, aqui fora está o mundo e o
mundo, cego, não pensa o quão duro terá de ser tudo paguei". olhando para fora vi tanta gente
que passava.

A alma toda brilhante sentou-se ao lado de uma mesa de café; as outras, em vez disso, não se
afastaram do seu lugar. Ao vê-la triste, pedi-lhe que me dissesse se ainda havia alguma coisa
que não era boa para ela, por isso teria rezado com mais diligência. Disse-lhe também: "Se
preferes escrever, escreve o que te falta" e coloca-lhe um papel com um lápis. Ela começou a
escrever; na primeira linha estava escrito: "preciso de uma missa"; infelizmente não consegui
ler o resto e nem mesmo o seu nome. No entanto, tudo estava muito bem escrito, com uma
caligrafia muito bonita.

Uma multidão de outras almas

Quando as outras viram isto, começaram a pedir para fazer a mesma coisa, por isso disse-lhes:
"escrevam também tudo o que vos falta" e dei-lhes folha e lápis. Infelizmente, não pude ler nada
do que tinham escrito, porque os papéis eram todos cinzentos. Enquanto estas pobres almas
escreviam um monte de coisas, eu continuava a recitar giaculatorie para eles e disse: "para cada
uma de vocês que estão aqui ofereço uma santa comunhão" e no mesmo instante começaram
a agradecer e a chorar. Depois disseram que a santa comunhão, a santa missa e o precioso
sangue de Jesus eram para eles de infinito conforto e alívio. Então, no sonho, pensei que tinha
ficado naquele lugar o tempo suficiente e que estava na hora de ir embora.

Um rapaz de anos.
Enquanto olhava à minha volta, vi-o sentado num canto, um rapaz com cerca de anos. Segurava
um Rosário e chorava amargamente. Fui ter com ele e disse-lhe: "não me vou esquecer de ti, e
farei por ti tudo o que farei pelas outras". ficou muito satisfeito e me agradeceu.

Então a alma toda brilhante me pegou pela mão e me disse: " agora são as doze " e eu ripetei: "
O Senhor Jesus tenha misericórdia por todas vocês; não vos esquecerei!" e por isso fui embora.
Mas não eram as, mas as da manhã.

" meu Jesus, misericórdia por todas as pobres almas do purgatório."

A criança de doze anos

No dia 21 de outubro de 1918, sonhei com um rapaz de 21 anos que morreu há pouco tempo.
Embora tão jovem, ele também estava no purgatório.

Disse-me que estava a sofrer muito a sede e pediu-me para rezar por ele, porque tinha um calor
terrível.

A donzela de oberdolling

Em 12 de Janeiro de 1919, sonhei que uma rapariga, entre os 12 e os 1919 anos, vinha ao meu
quarto. Quando me tirou a mão para me despedir, senti-a completamente gelada e perguntei-
lhe: " és tão fria porque és um espírito?" e ela respondeu-me: " Sim, e foi por isso que vim ter
contigo, para te dizer: " Reza por mim; ninguém faz isso há muito tempo, porque todos me
acreditam agora na visão beatifica de Deus, enquanto em vez disso ainda estou sofrendo no
purgatório ". então perguntei-lhe de onde ela estava e ela me respondeu que era de oberdolling.
Por isso, as-as de regressar aos seus parentes: "Talvez eles também retomem a rezar por ti".

Aquela pobre rapariga foi, tal como lhe disse pelos seus familiares, mas passou uma hora bateu-
me novamente à minha porta e disse-me chorando: " os meus parentes não rezaram por mim "
e continuou: " Quando morri, tive como poderoso advogada a Santíssima Virgem Mas também
a padroeira de que trouxe o nome e outra santa vieram em minha ajuda ". disse-me também o
nome das suas protectoras, mas quando acordei, já não conseguia lembrar-me deles. Disse-lhe:
" Não te preocupes, vou rezar muito por ti ", e ela acrescentou: " a minha padroeira já me tinha
previsto tudo isto: Graças a ela, eu sei antecipadamente os conforte que receberei ".

Encontrei-me no purgatório e vi alguns conhecidos.

No dia 1919 de março de 1919, sonhei três vezes com o purgatório, e todas as vezes entre
aquelas almas, reconheci os conhecidos.

No Sábado, 29 de novembro de 1919, sonhei que estava no purgatório e vi as almas a sofrer de


forma indescritível. Não é possível descrever todo o sofrimento destas pobres almas! Também
vi alguns conhecidos, mortos há muitos anos, que sofriam muito.
Meu sofrimento é como fresco orvalho

Em 25 de julho de 1920, sonhei com uma mulher que tinha conhecido e que já tinha morrido há
muitos anos; ela ainda estava no purgatório e mostrava sofrer de forma indescritível. Ao vê-la
assim disse-lhe: " por mais que eu tenha sofrido muito até agora, o meu padecer não é nada
comparado com o teu: é como fresco orvalho!" aquela mulher recomendou-me tanto: " Reza
por mim ".

Do Livro:

(Anna Schaffer o misterioso caderno dos sonhos)