Вы находитесь на странице: 1из 32

compreensão textual

Questões sobre Tipos e Gêneros Textuais


Manoel Neves
QUESTÃO 01
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2004) Segundo uma concepção de ensino sociointeracionista:
a) a propaganda veicula uma imagem extremamente posi@va do professor, por
isso é adequada para a sala de aula.
b) a popularidade de Pelé e seu carisma produzem de imediato um interesse pela
propaganda, o que permite ao professor aproveitar o texto para uma discussão
sobre o futebol.
c) a finalidade do texto jamais deve ser desconsiderada em sala de aula, o que
ajudaria a entender a imagem estereo@pada do professor veiculada na
propaganda.
d) a propaganda ajuda a inferir um modelo de texto e de professor para a
dissertação.
e) a propaganda, pela preponderância da função cona@va, dificulta o trabalho do
professor.
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
O trabalho com a propaganda da Fundação Civita permite perceber os papéis que
a sociedade delega ao professor. Posto isso, assinale-se a alterna@va "c".
QUESTÃO 02
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2004) Sobre o gênero textual resumo é INCORRETO afirmar que
a) é uma paráfrase mais curta do texto original.
b) pode haver resumos bem diferentes de um mesmo texto, pois cada um julga
diferentemente o que é essencial.
c) é uma a@vidade metalinguís@ca.
d) é uma seleção de elementos textuais a par@r de um interesse determinado.
e) resumir não é colar frases ou trechos do texto original.
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
Se se considerar que o resumo é uma retextualização sinté@ca de texto anterior e
que, para construir tal síntese, o locutor precisa eleger os aspectos que julga mais
relevantes do texto resumido, não se pode afirmar que o resumo seja uma
paráfrase do texto original, na medida em que o conceito de relevante é rela@vo e
que, por isso mesmo, cada resumo que se construir será perpassado pela
subje@vidade de quem elegeu os pontos essenciais do texto-base. Marque-se,
pois, a alterna@va “a”.
QUINO. Toda Mafalda. Rio de Janeiro: Mar@ns Fontes, 2000.
QUESTÃO 03
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2011) Sobre as caracterís@cas gerais da @rinha, é correto afirmar:
a) Há um predomínio tão grande das falas das personagens nos dois quadrinhos
iniciais e no úl@mo que as imagens ficam em segundo plano na fruição da @rinha
pelo leitor.
b) O humor provém não apenas do teor da pergunta final de Miguelito a Mafalda,
mas também do fato de a curiosidade ter se man@do inar@culada durante um
bom tempo.
c) O início da @rinha só faz sen@do como con@nuação de uma @rinha anterior, já
que não há qualquer menção ao fato de que Mafalda lia um livro para Miguelito.
d) Mais do que humor, o que se vê na @rinha é o estranhamento provocado por
situações incongruentes, como a mistura entre a leitura e o jogo de boliche.
e) O terceiro e o quarto quadrinhos são absolutamente dispensáveis, pois não
contêm nenhuma fala dos personagens e, assim, nenhuma nova informação.
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
A alterna@va que apresenta uma leitura per@nente da @rinha é a letra "b", pois as
imagens funcionam como elementos determinantes na leitura desse gênero, se se
considerar, por exemplo, as expressões faciais nos quadrinhos 1, 3 e 4. O primeiro
quadrinho, pode, sim, ser a situação inicial da @rinha, posto que tal gênero textual
se caracteriza por sua extrema brevidade. Não se explora o estranhamento na
@rinha, posto que, dentro da situação apresentada, há, sim, conexão, entre ler um
livro e jogar boliche [já que não se quer fazer algo, faz-se outra coisa]. Apesar de
não haver texto verbal nos quadros 3 e 4, as expressões faciais de Miguelito
indicam que algo o incomoda.
carisma s.m. (sXV cf. IVPM) 1 TEOL dom extraordinário e divino concedido a um
crente ou grupo de crentes, para o bem da comunidade 2 soc autoridade,
fascinação irresishvel exercida sobre um grupo de pessoas, supostamente
proveniente de poderes sobrenaturais 3 p.ana. conjunto de habilidades e/ou
poder de encantar, de seduzir, que faz com que um indivíduo (p. ex., um cantor,
um ator) desperte de imediato a aprovação e a simpa@a das massas 4 p.ext.,
fascínio, fascinação <A Mangueira tem um c. fora do comum> 5 infrm. Obsl. m. q.
EPILEPSIA. ETIM. gr. Khárisma, atos ‘graça; favor, benepcio’ pelo lat. Charīsma, ǎ@s
‘dom da natureza, graça divina’. SIN/VAR ver sinonímia de epilepsia.
Dicionário Houaiss da língua portuguesa, 2004.
CARISMA. TAMBÉM CHAMADO DE “magne@smo pessoal”, o carisma é um dom
que algumas pessoas têm de agradar à primeira vista, e sem ter de se esforçar
para conseguir isso. A palavra veio do grego kharis, “graça”. Na Ave-Maria, a
expressão “cheia de graça” se traduz, literalmente, como “carismá@ca”.
GEHRINGER, Max. Não espere seu chefe inves@r em você. Revista Época, 2 de julho de 2007.
QUESTÃO 04
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2007) No verbete do Houaiss, cada uma das acepções enumeradas
a) pode ser lida e interpretada isoladamente, posto que elas não formam uma
prosa conhnua.
b) corresponde, em relação à acepção que a antecede, a um patamar mais
elevado de abstração devido ao grau de complexidade que hierarquiza as áreas do
conhecimento.
c) contém especificidades relacionadas a usos e origens, razão pela qual se pode
dizer que, do ponto de vista semân@co, não mantém vínculo com as outras.
d) permite ao leitor situar-se em relação ao específico processo semân@co que a
teria gerado e à específica área do conhecimento a que ela se aplica.
e) foi elaborada por meio de uma par@cular técnica de definição: no verbete,
sucedem-se as definições icônica, nega@va, por sinonímia, por extensão e por
analogia.
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
Não há relação entre uma acepção e a anterior; não há, no verbete de dicionário
especificidade de uso, na medida em que o vocábulo ali representado o é sob uma
perspec@va idealista; o verbete de dicionário não permite ao leitor se situar em
relação ao processo de produção de sen@do e à área específica do conhecimento
à qual o vocábulo se refere, muito pelo contrário, é a par@r da leitura do texto e
do conhecimento prévio [inferências] que o leitor faz a seleção da acepção mais
adequada ao uso; não há definição icônica e nega@va no verbete de dicionário -
trata-se de um texto exposi@vo, no qual se usam sequências conceituais,
sinonímicas, analogias e exemplos. Assinale-se, pois, a alterna@va "a".
QUESTÃO 05
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2007) Ainda quanto ao dicionário, constata-se no verbete escolhido a
presença dos seguintes itens comuns para esse @po de palavra:
a) ícone, que descreve visualmente o elemento definido.
b) variantes de pronúncia e/ou grafia.
c) entrada, classe grama@cal, categoria flexional de gênero.
d) fontes de que se extraíram definições e abonações.
e) número cardinal adjungido à entrada, indicando que ela está em relação de
homonímia com outra(s).
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
A alterna@va que apresenta os elementos cons@tu@vos do verbete de dicionário,
tal qual transcrito no texto 01, é a alterna@va "c".
QUESTÃO 06
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2007) É correto afirmar que, no texto publicado na Revista Época, se
nota
o caráter desconhnuo dos componentes da definição, tal como ocorre entre as
acepções constantes do verbete do Houaiss.
a estrita referência aos dados rela@vos à e@mologia da palavra, minuciosamente
descritos.
perfeita correspondência com o verbete do Houaiss no que diz respeito à
apresentação das informações acerca da origem grega de carismá@co.
lacuna rela@va ao estabelecimento tradicional de equivalências semân@cas com
outras palavras ou expressões que parafraseiam os sen@dos do termo descrito.
aproveitamento do gênero textual "verbete", com seleção das acepções
consideradas pelo autor como mais úteis ao específico universo a que se refere
sua coluna semanal.
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
No texto 02, o locutor vale-se da intertextualidade intergêneros, por intermédio
da apropriação do gênero verbete de dicionário para construir um texto
argumenta@vo curto [ar@go de opinião]. Marque-se, pois, a alterna@va "e".
QUESTÃO 07
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2007) Encontra apoio em Gêneros textuais e ensino, na noção bakh@niana
de gênero e em preceitos do interacionismo sociodiscursivo a seguinte afirmação:
a) O gênero “verbete” encontra sua função social privilegiada no âmbito dos
dicionários. Em outros contextos, como revistas ou enciclopédias, oferece descrição
redundante do léxico da língua, o que o torna dispensável.
b) Textos como o de Gehringer sugerem a mobilização, entre outras, da habilidade de
efetuar associações e sínteses, o que os torna potencialmente úteis para o
desenvolvimento de estratégias de leitura e escrita na escola.
c) Verbetes publicados em revistas comprometem os processos de apropriação da
norma culta, pois levam informalidade e incorreção a um dos úl@mos gêneros textuais
que primam pela preservação dessa variedade da língua.
d) Textos como o da revista res@tuem ao verbete a propriedade de explicitação de
nexos coesivos, inteiramente ausente no verbete do dicionário, já que neste não há
nenhum encadeamento formal ou semân@co na enumeração das acepções e na
listagem das áreas de conhecimento.
e) Considerando que o escrevente sempre desenha um leitor para o seu texto e que é a
revista um dos bens culturais que o professor costuma adquirir, os verbetes veiculados
por periódicos são mais adequados às aulas de Português do que os do dicionário.
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
Da mesma forma que o texto 02 apropriou-se da estrutura do verbete de
dicionário para construir um ar@go de opinião, outros gêneros podem dialogar
intertextualmente com o verbete para atender às suas intencionalidades
discursivas. Nexos coesivos não são elementos cons@tu@vos dos blocos
semân@cos que ar@culam os verbetes de dicionário. Sendo assim, assinale-se a
alterna@va "b".
QUESTÃO 08
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2007) O uso produ@vo de um dicionário pressupõe o conhecimento
prévio:
a) da grafia correta da palavra, pois o menor equívoco ortográfico, considerada a
ordenação alfabé@ca dessas obras, remeterá o leitor a homógrafos.
b) de certos processos morfológicos (como derivação, composição, flexão), que
permitem, por exemplo, deduzir o significado de “carismá@ca” a par@r do de
carisma.
c) da acepção buscada, pois uma mesma palavra pode fazer referência a
realidades totalmente dis@ntas, como é o caso de “manga” (parte de um item do
vestuário e fruta).
d) do sen@do que a palavra possui no contexto de ocorrência, na medida em que a
consulta interfere no necessário processo cria@vo de elaboração de hipóteses
sobre a relação existente entre expressão e conteúdo.
e) da função sintá@ca específica em que se considera a palavra, já que os
significados dos itens lexicais se alteram em decorrência do lugar que ocupam na
frase.
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
Nem sempre a palavra buscada no dicionário está transcrita tal qual o leitor a vê
no dicionário. Sendo assim, tal suporte requer o uso de inferências que requerem
a habilidade discursiva de percepção de processos morfológicos. Assinale-se, pois,
a alterna@va "b".
Este Collegio des@nado á educação de meninos e collocado n’um dos melhores
predios d’esta cidade acha-se aberto á disposição dos srs. pais de familia, que
quizerem honrar-nos com sua confiança.
Os internos moram no Collegio e pagam por trimestre adiantados R90$000.
Os meio-pensionistas, que deverão entrar para o Collegio ás nove e meia horas da
manhã e sahir ás sete da noite, pagarão por mez adiantados 20$000.
Os externos de estudos superiores pagarão por mez adiantados 10$000, e deverão
entrar para o Collegio ás nove e meia da manhã e sahir ás tres da tarde.
Os externos do curso primario, que devem entrar e sahir ás mesmas horas,
pagarão por mez adiantados rs. 7$000.
Ensinam-se todos os preparatorios exigidos nas Academias de Direito.
Ensina-se tambem o allemão, desde que haja numero sufficiente para abrir-se
uma classe.
Ensina-se igualmente musica e dansa mediante a quan@a de 3$000 mensaes.
Os alumnos devem trazer, na occasião em que entrarem para o Collegio, os
objectos seguintes: cama, colchão, travesseiro, um jarro, uma bacia para rosto,
outra para banhos, um ourinol, a roupa necessaria, não só para uso do Collegio
como tambem um parelho mais fino para os dias em que tenham de ir assis@r á
qualquer fes@vidade religiosa ou sahir á passeio.
Cas@gos physicos só serão applicados em caso gravissimo, que possa trazer a
desmoralisação para o Estabelecimento.
Os exames principiarão á 22 de Dezembro, e terminar-se-hão á 24 do mesmo mez.
As férias entram no dia 25 de Dezembro e expiram no dia 25 de Janeiro.
O director tendo feito uma boa acquisição de professores illustrados para
leccionar em seu Collegio, pretende, (uma vez que tenha apoio dos srs. pais)
montar seu Estabelecimento de modo que quando não seja de primeira ordem, ao
menos seja um dos melhores da Provincia, para onde os srs. pais de família não só
d’este municipio como das localidades visinhas possam trazer seus filhos para
educarem-se sem grande dispendio e tendo-os mais perto de suas vistas.
Rio-Claro, 1o. de Janeiro de 1875.
O director,
José Gonçalves de Souza
A província de São Paulo. Annúncios. 4 jan. 1875.
QUESTÃO 09
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2007) Levando em conta a possibilidade de adquirir informações de um
contexto histórico-social a par@r de um texto, é correto dizer, com base no
anúncio, que
a) os pais de família de Rio Claro aceitavam com naturalidade o fato de que seus
filhos pudessem ser subme@dos a arbitrários cas@gos psicos no ambiente escolar.
b) as Academias de Direito de Rio Claro aplicavam rigorosos testes de ingresso,
mo@vo para a instrução específica em cursos preparatórios.
c) o aprendizado do alemão pelos jovens daquela época era exigência dos pais da
classe média rural paulista.
d) as roupas a serem usadas no interior do Atheneo não precisavam ser muito
sofis@cadas, mas se recomendava maior elegância em fes@vidades religiosas e em
passeios.
e) o Atheneo Rio-Clarense funcionava em prédio de condições precárias: faltavam
móveis e utensílios então considerados básicos em uma sala de aula.
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
Dado que o texto informa que os cas@gos psicos só seriam aplicados em caso
gravíssimo, entende-se que tal prá@ca não era usual. O texto iguala [por
intermédio do paralelismo sintá@co] a preparação para a Academia de Direito às
aulas de dança e de música. Ademais, apenas um parágrafo fala de tal
preparatório, o que permite inferir que não se trata de algo que mereça tanta
atenção. Não há índice de que o alemão seja tão relevante para a classe média
rural paulista, posto que há apenas uma su@l menção a tal elemento. Os móveis e
utensílios solicitados dos alunos não se des@navam a uso na sala de aula, mas para
a instalação do aluno no pensionato da escola. Assinale-se, pois, a alterna@va “d”.
Rodolfo Ilari e Renato Basso, em O português da gente, afirmam que:
Além de nos trazerem importantes informações históricas sobre a época em que
foram escritos, anúncios como esses nos dão também muitas informações sobre a
língua da época [...].
QUESTÃO 10
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2007) Uma análise da linguagem do anúncio do Atheneo que corrobora
essa afirmação é a seguinte:
a) O vocabulário do século XIX, apesar de não ser incompreensível no século XXI,
apresenta algumas especificidades, ou porque se empregavam palavras ainda hoje
comuns em acepções dis@ntas (v. collocado, linha 1), ou porque se u@lizavam itens de
improvável ocorrência em textos atuais (v. ourinol, linha 18).
b) Apesar de não haver diferenças em relação à ordem sintá@ca atualmente impressa aos
termos de uma oração, notam-se inusitados deslizes de concordância no texto oitocen@sta,
como em pagarão por mez adiantados 20$000 e em nove e meia horas da manhã.
c) O uso enclí@co do pronome pessoal em terminar-se-hão cons@tui marca
caracterís@ca da Língua Portuguesa do final do século XIX, expurgada até mesmo dos
registros mais formais da modalidade escrita do Português do Brasil do século XXI.
d) Diferenças entre a ortografia daquele século e a atual atestam que a pronúncia de certas palavras
era diferente, seja no que diz respeito à quan@dade de segmentos fônicos, seja no que se refere à
tonicidade das sílabas; é o caso de applicados, illustrados, dansa, musica, tambem, por exemplo.
e) As frases Ensina-se também o allemão e Ensinam-se todos os preparatórios ilustram
uma permanência: no século XIX e no atual, elas superficializam diferentes
organizações sintá@cas subjacentes, por tratar-se, em um caso, de construção passiva
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
O único comentário que traz uma informação correta concernente ao texto em
análise é o transcrito na alterna@va “a”.
QUESTÃO 11
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2007) A consideração dos padrões ortográficos que hoje empregamos e dos
presentes no texto permite concluir:
a) Os padrões ortográficos ilustram a diferença existente entre alfabe@zação e
escolarização: hoje, os cidadãos escolarizados são também alfabe@zados, mas, no
século XIX, a ausência de um conjunto claro de regras ortográficas impedia as escolas
de oferecer plena alfabe@zação.
b) A ortografia tem suas regras situadas entre aquelas que cons@tuem a gramá@ca, no
sen@do chomskiano, da língua, na medida em que organizam observações sobre fatos,
sem qualquer conotação valora@va.
c) A ortografia é uma norma, uma convenção social. Se é verdade que pode haver
regras orientando a forma como se convencionou escrever certas correspondências
letra-som, essas regras são sempre arbitrárias, o que significa dizer que não têm em si
um sen@do de necessidade.
d) As normas ortográficas, ao longo da história, tendem a se tornar mais lógicas e
simples (como atesta, por exemplo, a eliminação de dígrafos da ortografia atual),
garan@ndo, paula@na e integralmente, a correspondência letra-som.
e) O padrão ortográfico nacional passou, ao longo de dois séculos, por um processo de
involução que o distanciou de precisos parâmetros foné@cos e o aproximou de
arbitrárias jus@fica@vas e@mológicas.
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
A única alterna@va que traz um comentário correto e per@nente a respeito da
ortografia do texto é a letra “c˜.
QUESTÃO 12
questões sobre tipos e gêneros textuais
(FCChagas-2007) Ilari e Basso (2006) observam que, assim como mudam os
contextos e as línguas, as caracterís@cas hpicas de um gênero textual podem ser
alteradas ao longo da história. Ainda que possa não se manifestar em textos atuais
produzidos com a mesma finalidade, é marcante no anúncio do Atheneo Rio-
Clarence:
a) a presença de traços de es@lo que também podem ser encontrados em textos
denominados "cartas".
b) a antecipação de traços que se tornariam inerentes às peças publicitárias, como
o caráter sinté@co dos textos.
c) a exploração da função poé@ca da linguagem por meio de recursos como o
paralelismo sintá@co e a listagem caó@ca de substan@vos, que nele produzem
singular efeito esté@co.
d) o privilégio à apresentação de dados obje@vos, como custos e condições de
pagamento, que relega a segundo plano os que dependem de avaliação, como
instalações psicas e qualidade de ensino.
e) a proposta de uma ação para o enunciatário: optar por alto dispêndio com
afastamento, ou por baixo dispêndio com proximidade.
SOLUÇÃO COMENTADA
questões sobre tipos e gêneros textuais
O anúncio se aproxima de uma modalidade da carta argumenta@va – a carta do
leitor, gênero em que apresenta uma informação/produto/serviço/ação a um
público amplo.