You are on page 1of 16

Regulação da Reprodução

A reprodução é regulada por uma interacção notável entre o sistema nervoso e o sistema
Endocr-ine. Estes dois sistemas de interagir de um visor consistente do trabalho conjunto para iniciar,
coordenar e regular todas as funções reprodutoras. A fim de compreender e apreciar o papel desses dois
sistemas, devemos primeiro concentrar no controle que cada sistema exerce de forma independente.
controle neural requer: reflexos neurais • simples ou • reflexos neuroendócrinos
A responsabilidade fimdamental ofthe sistema nervoso é traduzir ou transduzem estímulos
externos em sinais neuronais que provocam uma alteração nos tecidos e órgãos reprodutores. As
principais vias de envolvimento nervoso são um simples neura l reflexo e um reflexo neuroendócrino.
Os componentes fimctional destas duas vias são neurónios sensoriais (neurónios aferentes que tomam
os sinais neurais para a medula espinhal), a espinal medula, neurónios eferentes (os nervos que saem da
medula espinal e que viajam para o tecido alvo), e os tecidos-alvo. tecidos-alvo são os órgãos que
respondem a um conjunto específico de estímulos ou hormonal.
A diferença básica entre o reflexo neural simples e o reflexo neuroendócrino é o tipo de sistema
de entrega de cada usos. Por exemplo, um reflexo neural simples emprega nervos que libertam os seus
neurotransmissores (mensageiros) directamente para o tecido-alvo. Em outras palavras, o tecido alvo é
directamente inervado por um neurónio e responde a um neurotransmissor. Em contraste, um reflexo
neuroendócrino que requer uma neuro-hormona (uma substância libertada por um neurónio) entram no
sangue e actuam sobre um tecido alvo remoto. Os neurónios que libertam neurohonnones também são
chamados de células neurossecretoras. inervação direta do tecido alvo não existe no reflexo
neuroendócrino. Em vez disso, o neuro-hormona no sangue é o mensageiro entre a célula
neurossecretora e o tecido alvo
Reflexos neural e neuroendócrino rn Reflexos causa rápidas mudanças nos tecidos-alvo
Em um reflexo neural simples, neurónios sensoriais aferentes sinapses directamente com
interneurónios da espinal medula. Estes interneurónios fazem sinapses com os neurónios aferentes que
viajar directamente para o tecido alvo. O tecido alvo responde ao neurotransmissor libertado pelo
neurónio eferente. Um neurotransmissor é uma substância de baixo peso molecular que é libertada a
partir das tenninals de nervos que causa outros nervos ao fogo ou provoca a contracção do músculo liso
que swTounds porções do trato reprodutivo. Um exemplo de um reflexo neural simples na reprodução é
da ejaculação. Um estímulo originário da glande é reconhecido pelos neurónios sensoriais. Os sinais
são depois transmitidos para a medula espinal, onde eles fazem sinapses com os neurónios aferentes
que causam uma série de contracções musculares, resultando na expulsão do sémen. Um caminho
detalhada deste evento neural será apresentado no Capítulo II. Outro exemplo de um reflexo neural
simples que os impactos do sistema reprodutivo envolve neurónios sensíveis à temperatura localizadas
no escroto. Quando a temperatura diminui escrotal, neurónios sensoriais no escroto reconhecer esta
diminuição e enviar sinais sensoriais para a medula espinhal. nervos eferentes viajar para os dartos
Tunica no escroto e liberar neurotransmissores que iniciam contTaction que eleva os testículos para
trazê-los mais perto do corpo, aquecendo-os. neurónios sensoriais no escroto reconhecer esta
diminuição e enviar sinais sensoriais para a medula espinhal. nervos eferentes viajar para os dartos
Tunica no escroto e liberar neurotransmissores que iniciam contTaction que eleva os testículos para
trazê-los mais perto do corpo, aquecendo-os. neurónios sensoriais no escroto reconhecer esta
diminuição e enviar sinais sensoriais para a medula espinhal. nervos eferentes viajar para os dartos
Tunica no escroto e liberar neurotransmissores que iniciam contTaction que eleva os testículos para
trazê-los mais perto do corpo, aquecendo-os.
O reflexo neuroendócrino é bastante semelhante a um reflexo neural simples. Este tipo de
reflexo também começa com os neurônios sensoriais. Eles fazem sinapses com interneurónios da
espinal medula. neurónios eferentes viajar a partir da sinapse da medula espinal com outros neurónios
no hipotálamo. Os neurónios hipotalâmicos libertar pequenas materiais de peso molecular a partir de
seus tenninals. Estes materiais são referidos como neuro-hormonas, porque eles são libertados para a
corrente sanguínea em vez de directamente para o tecido alvo. Neurohonnones introduzidas em
capilares viajar a um tecido alvo em outras partes do corpo. O exemplo clássico de um reflexo
neuroendócrino é o reflexo de sucção. Quando amamentação ocorre, os nervos sensoriais no teto ou do
mamilo da fêmea lactantes detectar o estímulo tátil. Estes sinais sensoriais viajar para a espinal medula
e, em seguida, para o hipotálamo onde eles fazem sinapses com outros nervos. Os neurónios
hipotalâmicos então despolarizar ( "fogo"), provocando a libertação de oxitocina fi directamente ·
tenninals nervosas om situados no lobo posterior da pituitária. Oxitocina é armazenado como um
material neurossecretora nos terminais nervososdo lobo posterior da pituitária. Quando estas células
neurossecretoras "fogo", a oxitocina é liberada, entra na corrente sanguínea, viaja para o tecido alvo
(neste caso, as células mioepiteliais da glândula mamaria) (Ver Capítulo 15) e faz com que estas células
a contrair-se, resultando na expulsão do leite a partir de o mamária um lveoli. Além disso, outras
formas de estímulos, tais como visual ou auditiva, pode causar ejecção de leite se o animal está pré-
condicionado para responder a estes estímulos. Por exemplo, a imagem ou som do recém-nascido pode
provocar uma resposta semelhante sem estimulação directa mamária. Além disso, muitas vacas leiteiras
que entram na sala de ordenha receber estímulos visuais ou auditivas antes da estimulação mammmy
real tanto pela visão ou sons do equipamento e começar a experimentar ejeção do leite antes de entrar
na sala.
O hipotálamo é uma porção complexa do cérebro que consiste em aglomerados de corpos de
células nervosas. Os aglomerados ou grupos de corpos de células nervosas são chamados núcleos
hipotalâmicos, cada um dos quais tem um nome específico. Por exemplo, grupos de núcleos
hipotalâmicos que influenciam reprodução são chamado centro do impulso e do centro da tónico.
Neurónios nestas regiões segregam hormona de libertação de gonadotropina (GnRH).
Neurónios no núcleo para ventricular (PVN) secretam oxitocina. Os núcleos hipotalâmicos cercam uma
pequena cavidade conhecido como o terceiro ventrículo, encontrada no centro do cérebro. É importante
compreender que cada núcleo do hipotálamo tem uma função diferente e é estimulada por diferentes
conjuntos de condições.
Axónios dos corpos celulares dos centros de onda e tónicas se estender para a região pedúnculo
pih1itary onde as terminações nervosas (boutons tenninal) terminar numa rede capilar sofisticado e
altamente especializado. Esta rede capilar é referido como o sistema portal hipotálamo-hipofisário. Os
boutons tenninal dos neurónios hypothaIamie libertar neuropéptidos que entram no sistema capilar
especializado no caule da pituitária. O sangue entra no sistema capilar a partir da artéria hipofisária
superior que se divide em capilares pequenos arteriais ao nível da haste hipofisária. Este sistema
permite pmtal extremamente pequenas quantidades (picogramas) de libertação de hormonas de ser
segregada para o plexo capilar (plexo portal primário) da haste hipofisária. hormonas de libertação são
então transfened imediatamente para um segundo plexo capilar no lobo anterior da pituitária, onde eles
causam células de pituitária para liberar outros dosharmónios. O sistema portal hipotálamo-hipófise é
importante porque permite que pequenas quantidades de libertação de hormonas que actuam
directamente sobre as células do lóbulo anterior da hipófise antes da GnRH dilui-se pela circulação
sistémica.
O lobo posterior da pituitmy está organizado de maneira bem diferente a partir do lobo anterior.
Os neurónios de certos núcleos hipotalâmicos estender directamente para o lobo posterior da pituitária,
onde o neuro-hormona é libertada para um plexo capilar arteriovenosa simples. Por exemplo, corpos
celulares no núcleo paraventricular sintetizar oxitocina que é transportado para baixo do axon aos
tem1inals no lobo posterior. Se o neurônio é estimulado, a oxitocina é liberada no sangue.
Endocrine de controlo é geralmente mais lento, mas mais duradouro do que o controle
neural
Em contraste com a regulação neural, o sistema endócrino depende de hormônios para provocar
respostas. A hormona é uma substância produzida por uma glândula que actua sobre um tecido remoto
(o tecido alvo) para provocar uma mudança no tecido alvo. Estas mudanças envolvem alterações no
metabolismo, a actividade sintética e actividade secretmy. Extremamente pequenas quantidades de um
honnone pode causar dramáticas respostas fisiológicas. Dosharmónios agir em níveis de sangue que
variam de nanogramas para picogramas por ml de sangue. A capacidade para medir quantidades
extremamente pequenas de hormonas provocou uma explosão de conhecimento sobre as quantidades,
os padrões de secreção e os papéis de hom1ones em que se referem a processos reprodutivos.
Hormônios são caracterizados como tendo meia-vida relativamente curtos. meia-vida Honnonal
é definido como o tempo necessário para uma metade de um hom1one a desaparecer a partir do sangue
ou a partir do corpo. Curtas meias-vidas são importantes porque uma vez que o hormônio é secretado e
liberada no sangue e provoca uma resposta, que é degradada para que não ocorram mais respostas.
Deve-se ressaltar, no entanto, quando os hormônios são continuamente produzidos (como progesterona
durante a gravidez), a sua acção continua porcontanto que a hormona está presente. Em comparação
com o controlo neuronal, controle hormonal é mais lenta e tem durações de minutos, horas ou mesmo
dias.
Feedback positivo e negativo são os principais "controladores" de hormônios reprodutivos
Agora que você entender a anatomia básica e regulação neural do sistema reprodutivo, devem
ser descritos os mecanismos fundamentais que controlam a secreção de hormônios reprodutivos. Estes
mecanismos são referidos feedback positivo e feedback negativo Os princípios de controle de feedback
positivo e negativo é um dos conceitos mais importantes para entender. Quase todos os ftmctions
reprodutivos são controlados por estes dois mecanismos.
feedback positivo e negativo controlar a secreção de GnRI-1, que em sua vez controla a
secreção do FSH e LH gonadotrofinas. Para efeitos da discussão aqui, vamos usar progesterona que
causa forte feedback negativo ao nível do hipotálamo. A progesterona inibe fortemente os neurónios da
GnRH e, por conseguinte, quando a progesterona é alta, neurónios GnRH secretam apenas níveis basais
de GNRH. Tal secreção basal em simultâneo um certo desenvolvimento folicular não irá permitir o
desenvolvimento folicular suficiente para a secreção de níveis elevados de estradiol. Portanto, as
mulheres sob a influência da progesterona (ou metade do ciclo grávida) não fazer ciclo para o período
de tempo que a progesterona é alta.
Em contraste directo com realimentação negativa, o feedback positivo activa os neurónios
GnRH no hipotálamo. A fêmea contém um centro de onda que é responsável pela secreção de grandes
quantidades de GnRH que induzem a ovulação. O centro de aumento não irá liberar grandes
quantidades de GnRH até que haja um feedback positivo por estradiol. Por exemplo, quando o estradiol
atinge um certo nível alto (um nível limiar), o centro de onda será estimulada positivamente e irá
libertar grandes quantidades ofGnRH que causam a libertação de grandes quantidades de LH que
estimulam a ovulação.
É importante reconhecer que o feedback positivo e feedback negativo são controles
independentes dentro do animal que exercem dois resultados distintos. endocrinologistas reprodutivos
acho que o hipotálamo tem diferentes sensibilidades a feedback positivo e negativo de esteróides
sexuais. Por exemplo, o centro tónico em ambos os sexos masculino e feminino é acreditado para
responder principalmente ao feedback negativo. Enquanto progesterona na mulher exerce um forte
feedback negativo em ambos os surtos e os centros de tônico, na maior parte exerce o seu efeito sobre o
centro da tônica. Em outras palavras, o centro de tónico é bastante sensível ao feedback negativo. Em
contraste, o centro de onda responde principalmente ao feedback positivo de estradiol. Portanto, o
centro de onda é muito sensível ao feedback positivo. As razões que estes dois componentes do
hipotálamo diferem em relação às suas sensibilidades de feedback positivo e negativo é o tema de
pesquisa atual. Os investigadores estão a tentar definir como esses diferentes subconjuntos de
neurônios são regulados por dois controles diferentes.
Durante a última década, uma nova classe de neuropeptídeos emergiu como os possíveis
"guardiões" para a liberação de GnRH. Estes neuropéptidos são chamados kisspeptins e que são
segregadas por neurónios hipotalâmicos nas periventriculares, pré-óptica e arqueadas núcleos.
neurónios kisspeptin enviar aborizations dendríticas em núcleos hipotalâmicos onde os corpos celulares
de GnRH são abundantes. Esta é uma evidência anatômica que kisspeptin parece agir diretamente sobre
os neurônios GnRH para estimular a secreção de GnRH. Kisspeptin é agora reconhecido como um
importante regulador da diferenciação sexual do cérebro, o início da puberdade e regulação adulto de
secreção de gonadotropina por esteróides das gónadas, especialmente no que se refere à criação de
animais sazonal.
A fim de uma hormona para causar uma resposta, ele deve primeiro interagir especificamente
com o tecido alvo. As células do tecido do alvo deve ter receptores que se ligam a hormona. A ligação
do honnone com o seu receptor específico inicia uma série de reacções bioquímicas intracelulares.
Regulação hormonal de uma reacção bioquímica é geralmente ligada a actividade de secreção da célula
alvo. Quando exposto a uma hormona, a célula alvo sintetiza substâncias que não são secretadas, a
menos que a hormona está presente. Por exemplo, o estradiol (secretado pelo ovário), faz com que as
células do colo do útero para secretam muco. esta mudançaé causada por uma série de vias bioquímicas
ou sintéticas no interior das células do colo do útero. Os passos nesses processos serão detalhados mais
adiante neste capítulo.
Origem do tecido constitui um método de classificação hormonal
hormonas hipotalâmicas são produzidos pelos neurónios no hipotálamo. Uma das suas funções
é fazer com que a liberação de outros hom1ones do lobo anterior da piruitary. O horn1one libertando
primário de reprodução é gonadotropina hormona (GnRH). Os neuropeptídeos de origem hipotalâmica
são muito pequenas moléculas consistindo geralmente ofless de vinte aminoácidos. Estes pequenos
péptidos são sintetizados e libertados a partir de neurónios do hipotálamo. O neuropeptídeo mais
importante que regem a reprodução é GnRI-I. A sequência de aminoácidos para a GnRH, um
decapéptido, é mostrado na Figura 5-6. O peso molecular de GnRH é somente eu, 183.
hormonas pituitárias são libertados para o sangue fi · om os lóbulos anterior e posterior do
pituitmy. As hormonas reprodutivas primárias a partir do lobo anterior são hormona folículo-
estimulante (FSH), hormona luteinizante (LH) e a de prolactina. Oxitocina é a hormona principal
reprodutivo sintetizado por nervos no hipotálamo, armazenada e libertada a partir do lobo posterior.
hormonas gonadais originam a partir das gónadas e função do lamus hypotha, lobo anterior da
pituitária e em tecidos do tracto reprodutor afectar. os Honn gonadal também iniciar o desenvolvimento
de características sexuais secundárias que causam "masculinidade" ou "feminilidade". Na fêmea, a
ovário segrega estrogénios, progesterona, inibina, alguma testosterona, oxitocina e relaxina. No
homem, os testículos segregam testosterona e outros androgénios, estrogénios e inibina.
As hormonas também são segregadas pelo útero e placenta. Estes são responsáveis pelo governo
ciclicidade e manutenção da gravidez. Um exemplo de um horn1one uterino é a prostaglandina F2a
(PGF2a). hom10nes placenta incluem a progesterona, estrogénios, gonadotropina coriónica equina
(eCG) e gonadotrofina coriónica humana (hCG).
Investigação pelos fisiologistas reprodutivos na Universidade de Auburn e Rutgers University
sugere que a glândula mamaria podem também servir como uma fonte de factores biologicamente
activos importantes para o desenvolvimento neonatal. Estes pesquisadores definiram entrega de fatores
bioativos de mãe para filho, como consequência específico de enfermagem eo consumo de colostro
(primeiro leite) como "sinalização lactocrine". sinalização Lactocrine difere endócrino sinalização em
que os factores bioactivos vindas do leite, fornecidos por força da lactação, são transportados em
colostro / leite (não sangue) e absorvido para a circulação neonatal onde actuam em tecidos-alvo.
Lactocrine transmissão de relaxina e os seus efeitos sobre o desenvolvimento do tracto reprodutor
feminino neonatal é um exemplo deste mecanismo.
Modo de ação é um outro método de Hormonal Classification
Neuro-hormonas são sintetizadas por neurónios e são lançados directamente para a corrente
sanguínea de modo que eles podem causar uma resposta nos tecidos-alvo em qualquer outro local no
corpo. Uma neuro-hormona pode actuar em qualquer número de tecidos, desde que o tecido tem
receptores celulares para a neuro-hormona. Um exemplo é a oxitocina que é sintetizada por neurónios
hipotalâmicos, armazenado e libertado pelo lobo posterior da pituitária.
hormonas de libertação também são sintetizados pelos neurónios no hipotálamo e causa
libertação de outras hormonas do lóbulo anterior da hipófise. Eles também podem ser classificados
como neuro-hormonas, porque eles são sintetizados e libertados pelos neurónios. Um exemplo é
gonadotropina hom1one (GnRH), que controla a libertação ofFSH e LL-1 a partir do lobo anterior da
pituitária.
As gonadotrofinas são hom10nes sintetizadas e segregadas por células especializadas no lóbulo
anterior da glândula pituitária chamados gonadotrofos. O "tropina" sufixo significa ter uma afinidade
para ou para alimentar. Assim, estas hormonas têm uma influência estimuladora sobre as gónadas (do
ovio e do testículo). As gonadotrofinas são hormona estimulante dos folículos (FSH) e hormona
luteinizante (LH). hormona luteinizante é responsável por causar a ovulação e estimular o corpo lúteo
(CL) a secretarprogesterona. hormona luteinizante provoca a secreção de testosterona no macho.
Folículo estimulante hom1one provoca o crescimento folicular no ovário da fêmea. Ele estimula as
células de Sertoli no masculino e é provavelmente um "jogador-chave" no governo espermatogênese.
promotores sexuais (estrogénios, progesterona, testosterona) são secretadas pelas gónadas de
tanto o macho e a fêmea para estimular o tracto reprodutivo, para regular a função do hipotálamo e no
lóbulo anterior da piruitary e para regular o comportamento reprodutivo. Esses hormônios também
causar o desenvolvimento de características sexuais secundárias. Os promotores sexuais são a força
motriz para toda a função reprodutiva.
gonadotrofina coriônica humana (hCG) e gonadotrofina coriônica eqüina (eCG) são secretados
pelo embrião precoce (concepto). Esses hormônios da placenta causar estimulação do ovário materno.
hormonas de manutenção da gravidez estão em altas concentrações durante os períodos de
gravidez. Eles são responsáveis pela manutenção da gravidez (por exemplo, a progesterona) e, em
alguns casos, ajudar a mulher na sua capacidade de lactação. lactogênio placentária promove o
desenvolvimento da glândula mammmy da barragem e é, portanto, lactogênica.
hormonas metabólicas gerais promover metabólica bem-estar. Tais dosharmónios são tiroxina a
partir da glândula tiróide, os corticóides supra-renais a partir do córtex adrenal e hormona de
crescimento (somatotropina) a partir do lobo anterior da pituitária. Tiroxina regula a taxa metabólica do
animal. Os corticóides supra-renais executar uma série de funções que vão desde o metabolismo
mineral para regulação de respostas inflamatórias. hom1one crescimento ajuda a regular o crescimento,
lactação e metabolismo de proteínas. Estes dosharmónios metabólicas gerais são todos necessários para
a reprodução ideal. No entanto, eles são considerados para exercer uma indireta ao invés de um efeito
direto sobre fi.mction reprodutiva.
hormonas luteolíticos causar destrucção do corpo lúteo. O sufixo "litica" é um derivado da
palavra de lise. Lise significa decomposição, desintegração ou dissolução. hormonas luteolíticos,
portanto, fazer com que o corpo lúteo pare de funcionar. O principal hormônio luteolítico é a
prostaglandina F2a (PGF2a) · Como você verá no Capítulo 9, PGF2a provoca uma diminuição da
secreção de progesterona pelo corpo lúteo.
As feromonas são uma outra classe de substâncias que causam efeitos remotos
Além de moléculas que são transportados pelo sangue, uma outra classe de materiais que existe
directamente influencia processos reprodutivos. Estes materiais são chamados feromônios. As
feromonas são substâncias secre ~ ed para o exterior do corpo. Eles são geralmente volátil e são
detectados pelo sistema olfactivo (e talvez o órgão vomeronasal) por membros da mesma espécie.
Feromônios causar respostas comportamentais ou fisiológicas específicas por parte do percipiente.
Pheromones conhecidos por influenciar o início da puberdade, os offemales tdentrfication em estro por
os machos e outros traços comportamentais.
glândulas endócrinas são compostas por muitas células que sintetizam e segregam
dosharmónios específicos. Estas moléculas hmmone entram no sangue e são transportados para todas
as células do corpo. Apesar do facto de que todas as células do corpo está exposta à hormona, apenas
algumas células com receptores específicos são capazes de responder à hormona. Os tecidos que
contêm essas células são chamados tecidos alvo. Por exemplo, se a responsabilidade de um hormona é
para fazer com que o colo do útero para sintetizar muco, outros órgãos tais como o fígado, o rim ou
pâncreas não secretam muco em resposta ao honnone. Nenhuma ação Bin ding hormonal exige a
presença de receptores específicos em células-alvo.
tecidos alvo são distinguidos de outros tecidos, porque as suas células contêm moléculas
específicas que se ligam a uma hormona específica. Estas moléculas específicos localizados nas células
de tecidos-alvo são conhecidos como receptores de hormonas (ver a Figura 5-11). Receptores possuem
uma afinidade específica (grau de atracção) para um honnone específica e, portanto, ligar-se-lo. Uma
vez que o receptor no tecido alvo se ligou a hormona, otecido alvo começa a perfonn um novo
ftmction. Muitas vezes, o tecido alvo segrega uma outra hormona que age sobre um outro tecido em
outras partes do corpo.
Receptores para hormonas proteicas são uma parte integrante da membrana plasmática da célula
alvo. Eles contêm TLU · regiões distintas ee. Estas regiões são referidas como domínios de receptores.
A configuração de receptor LH consiste de um domínio extracelular de, um domínio transmembranar e
um domínio intracelular.
O domínio extracelular tem um sítio específico que se liga à hormona específica. Quando este
local é ocupada, o domínio transmembranar muda a sua configuração activa e outras proteínas de
membrana conhecidas como proteínas-G. O número de transmembrana "loops" podem variar como
uma função do tipo de receptor. A função do domínio intracelular do receptor não é clara.
Passos de Ação para a proteína HorMones Passo 1 - Hormone-Receptor Binding. Os dif
hormonaisvocêses do sangue para o compartimento intersticial e se liga a um receptor de membrana
que é específico para a hormona. A ligação ocorre na superfície das células alvo. Em geral, os
receptores para as gonadotrofinas são esparsamente distribuídos na superfície das células alvo. Na
verdade, apenas 2.000 a 20.000 receptores de LH ou de FSH estão presentes por célula folículo.
Hormonereceptor de ligação pensa-se ser provocada por uma configuração geométrica específica do
receptor que "encaixa" a configuração geométrica do honnone. A ligação ao receptor da hormona de
montagem é muito parecido com duas peças adjacentes de um quebra-cabeças. A afinidade da ligação
da hormona-receptor varia entre hormonas.
Passo 2 -Adenyl comeram Ciclase de activação. O complexo hormona-receptor activa uma
enzima ligada à membrana conhecida como adenylat e ciclase e ligadas à membrana proteínas-G.
Quando o complexo do receptor de honnone é fonned, a proteína G é transformado de uma forma que
activa a adenilato-ciclase (Ver Figura 5-13). O Fonn activo desta enzima converte ATP em AMP clico
(cAMP) no interior do citoplasma da célula. O AMP cíclico foi tenned o "segundo mensageiro" na via
de AMPc porque deve estar presente antes de mais eventos "a jusante" pode ocorrer. O mensageiro
principal é o próprio honnone.
Etapa 3- proteína quinase. AMP cíclico ativa uma família de enzimas de controle localizados no
citoplasma chamado proteínas quinases. Estas cinases de proteína são responsáveis pela activação de
enzimas no citoplasma que convertem substratos em produtos. As proteína-quinases consistem numa
reguladora e uma subunidade catalítica. A subunidade reguladora liga de cAMP e esta ligação causas
activação da subunidade catalítica que inicia a conversão de substratos existentes aos novos produtos.
Passo 4 - Síntese de novos produtos. Os produtos fabricados pela célula são gêneros lly
secretadas e esses produtos de secreção têm funções específicas que melhoram processos reprodutivos.
Por exemplo, as gonadotropinas (FSH e LH) se ligam a células do folículo do ovário, que resulta na
síntese de um novo produto, o estradiol. Quando os esteróides são sintetizados, eles não são
activamente segregada, simplesmente difundem-se através da membrana do plasma para dentro dos
espaços intersticiais e para o sangue.
Até recentemente, pensava-se que os hormônios esteróides agiram exclusivamente através de
receptores nucleares para produzir uma resposta nas células-alvo. A pesquisa mostrou que, em adição
aos receptores nucleares, dosharmónios esteróides também se ligam a receptores de membrana oftar ·
obter células. Há uma diferença funcional entre a ligação ao receptor de membrana e de ligação ao
receptor nuclear. causas de ligação "lento" respostas (horas ou dias) que exigem um envolvimento da
transcrição, seguido por síntese do produto e a secreção pela célula alvo do receptor nuclear. Por
exemplo, um tecido alvo para o estradiol na fêmea é o colo do útero. Quando o estradiol se liga aos
receptores nucleares das células cervicais, que promove a síntese e secreção de muco cervical. Este
processo exige vários dias.
Esteróide de ligação a receptores de membrana hormona tipicamente resulta em respostas
"rápidos" (segundos a minutos). O miométrio tem receptores de membrana de estradiol. Quando
estrogios se ligam a estes receptoreseles causam alterações permeabilitity nos canais de cálcio no
músculo liso miometrial, causando um aumento da motilidade (contracção) do miométrio.
Passos de Ação para esteróides Hormônios: Receptores de Membrana ( "resposta rápida")
Embora diversas variações nas vias bioquímicas após a ligação aos receptores de membrana são
conhecidos, para esta finalidade, vamos utilizar a via tal como descrito para hormonas proteicas (Ver
Figura 5-1 4). Passo 1- O esteróide Ligao a Receptores de Membrana Passo 2- Adenilato Ciclase
Activação Passo 3- proteína quinase Passo 4- Alterações em Ca ++ permeabilidade canal.
Passos de Ação para esteróides Hormônios: N uclear receptores ( "Resposta Lenta")
Passo 1 - Esteróide de transporte. Os hormônios esteróides são transportados no sangue por um
sistema complexo. Os esteróides não são solúveis em água e, portanto, não pode ser transportado como
moléculas livres. Por conseguinte, devem juntar-se a moléculas que são solúveis água. Esteróides se
ligam a uma variedade de proteínas do plasma de uma maneira não específica althrough alguns
esteróides têm proteínas transportadoras específicas. Estas proteínas de transporte carregam os
esteróides do sangue e do fluido intersticial para membranas celulares de todas as células. A ligação de
esteróides para proteínas do plasma tende a aumentar a sua meia-vida.
Passo 2 - Movimento Through da membrana celular e no citoplasma. Quando o complexo de
proteína steroidcarrier viaja para dentro do interstício e entra em contacto com células alvo, o esteróide
a partir dissocia a proteína transportadora e difunde-se através da membrana de plasma, porque eles são
solubile lipídica. Após a molécula esteróide entra na célula, que se difunde através do citoplasma e no
núcleo.
Passo 3 - binding de esteróide para Nuclear · Receptor. Se a célula é uma célula-alvo, o
esteróide se liga a um receptor nuclear específico. A ligação de esteróide do receptor é similar à ligação
em que o esteróide deve "encaixar" o receptor de proteína-receptor. O complexo esteróide-receptor é
referido como um factor de transcrição e inicia a síntese de RNA mensageiro dirigida por ADN
(transcrição).
Passo 4 - S ARNminthesis e síntese da proteína. O ARNm sintetizada de novo sai do núcleo e
anexa aos ribossomas, onde dirige a síntese de proteínas específicas que irão melhorar o processo
reprodutivo. Alguns exemplos de síntese steroiddirected são: I) o muco do colo do útero durante o
estro; 2) secreções das glândulas uterinas uterinos; e 3) os componentes semina l de plasma a partir das
glândulas sexuais acessórias no macho.
A actividade fisiológica de um horn1one depende de vários factores, incluindo padrão e a
duração da secreção honnone, meia-vida da hormona, a densidade do receptor e receptor-hom1one afi
nidade. Estes fatores determinam a magnitude e duração de ação da dosharmónios. Em geral,
dosharmónios são secretados em três tipos de padrões. Um tipo é a secreção episódica que geralmente
está associado comhormônios sob controle nervoso. Quando os nervos no hipotálamo "fogo",
neuropéptidos são libertado numa explosão súbita (episódio) e, portanto, hormonas do lóbulo anterior
da hipófise tendem a ser libertado de uma maneira episódica bem. Um padrão típico de libertação
episódica é mostrado na Figura 5-15. Organização dos episódios em um padrão previsível é referido
como Etion pulsátil secr. secreção pulsátil é necessária para um animal para ter um nonnal ciclo estral.
Na pré-puberdade e em lactação não cíclico animais são caracterizadas por secreção episódica (padrão
imprevisível) de dosharmónios. Um segundo tipo de secreção é um basal (tónico) padrão. Aqui, o
horn1one permanece baixa, mas oscila com pulsos de baixa amplitude. Um exemplo de um padrão
basal seria GnRI-1 secreção do centro da tónico no hipotálamo. Sustentada é um terceiro tipo de padrão
hormonal ou perfil. Neste tipo, o honnone permanece elevada, mas de um modo relativamente estável,
estável durante um longo período de tempo (dias a semanas). Esteróides tendem a ser segregada numa
forma mais estável porque as glândulas que segregam os esteróides são ge nerally produzi-los
continuamente, em vez de como uma função da actividade neuronal (que provoca uma
pulsátillançamento). Alta de progesterona durante a gravidez ou diestro é um exemplo de um padrão de
secreção sustentada honnone.
Meia-vida de um hormônio determina o tempo que ele vai agir
potência hormonal é influenciada por: recdensidade eptor e afinidade para o receptor da hormona.
Ciclo Estral
Do ciclo estral
Após a puberdade, a fêmea entra em um período de ciclo de reprodução, que continua durante a
maior parte de sua vida. ciclo estral consistem de uma série de eventos reprodutivos previsíveis início
no estro (calor) e terminando no estro subseqüente. Eles continuam ao longo da vida da fêmea adulta e
são interrompidos pela gravidez, enfermagem e pela estação do ano em algumas espécies. Ciclicidade
também podem cessar se a nutrição é inadequada ou condições ambientais são extraordinariamente
estressante. condições patológicas do tracto reprodutor, tais como a infecção uterina, Jutea corpora
persistente ou um feto mumificado também pode causar anestro (um período quando pára ciclicidade).
ciclo estral fornecer fêmeas com repetidas oportunidades de copular e engravidar. receptividade sexual
e cópula são os eventos comportamentais primárias que ocorrem durante o estro. Cópula geralmente
ocorre antes da ovulação. Se a concepção (gravidez) não ocorre, um outro ciclo estral começa,
fornecendo a fêmea com uma outra oportunidade para acasalar e engravidar. Quando ocorre a gravidez,
a fêmea entra num período de anestro que termina após o parto (parto), involução uterina (aquisição
ofnom1al tamanho uterino e função) e lactação.
Terminologia Descrevendo Reprodutiva ciclicidade pode ser confuso
As palavras usadas para descrever o ciclo estral são escritas da mesma forma, mas têm
significados sutilmente diferentes. O uso adequado dos estro palavras e estral deve ser entendido para
evitar confusão. A palavra estro é um substantivo, enquanto estral é um adjetivo. Estro e estro são as
ortografias preferenciais da literatura britânica e europeia. Estrual é também um adjectivo e é utilizado
para identificar uma condição relacionada ao estro. Por exemplo, uma fêmea estrual é uma fêmea no
cio. Um ciclo estral é o período entre um estro e o próximo. Estro é o período de receptividade sexual.
Estro é comumente referido como calor. O termo estro (cio) originado de uma palavra grega que
significa "gadfly, picada ou frenesi". Esta palavra (estro) foi utilizado para descrever uma família de
insectos que picam parasitárias (Oestridae). Estes insectos causada gado stampede com as suas caudas
agitando no ar como o insecto zumbido em torno deles. O comportamento que ocorre em fêmeas em
estro foi considerada semelhante à observada durante estes ataques de insectos. Assim, os estro prazo
ou estro foi aplicada ao período de receptividade sexual em fêmeas de mamíferos. Outro termo comum
usado para descrever um padrão reprodutivo é temporada. Este refere-se a vários ciclos estrais que
podem ocorrer durante uma determinada época do ano. Por exemplo, uma égua "que entram em
temporada" começa a mostrar ciclicidade e sinais visíveis de estro. Ela vai ciclos de vários durante sua
"estação". o termo estro ou cio foi aplicada ao período de receptividade sexual em fêmeas de
mamíferos. Outro termo comum usado para descrever um padrão reprodutivo é temporada. Este refere-
se a vários ciclos estrais que podem ocorrer durante uma determinada época do ano. Por exemplo, uma
égua "que entram em temporada" começa a mostrar ciclicidade e sinais visíveis de estro. Ela vai ciclos
de vários durante sua "estação". o termo estro ou cio foi aplicada ao período de receptividade sexual em
fêmeas de mamíferos. Outro termo comum usado para descrever um padrão reprodutivo é temporada.
Este refere-se a vários ciclos estrais que podem ocorrer durante uma determinada época do ano. Por
exemplo, uma égua "que entram em temporada" começa a mostrar ciclicidade e sinais visíveis de estro.
Ela vai ciclos de vários durante sua "estação".
ciclo estral são categorizados de acordo com a freqüência de ocorrência ao longo do ano. Estas
classificações são polyestrus, sazonalmente polyestrus e monoestrus (ver figura 7-1). fêmeas
polyestrous, como bovinos, suínos e roedores, são caracterizados como tendo uma distribuição
uniforme do ciclo estral durante todo o ano. fêmeas polyestrous pode engravidar durante todo o ano
sem considerar a temporada. fêmeas sazonal polyestrous (ovelhas, cabras, éguas, veados e alces) de
exibição "clusters" de ciclo estral que ocorrem apenas durante uma determinada época do ano. Por
exemplo, ovinos e caprinos são criadores de dia curto, porque eles começam a andar de bicicleta como
a duração do dia diminui no outono. Em contraste, a égua é um criador longo dia porque ela inicia
ciclicidade como comprimento dia aumenta na primavera. fêmeas monoéstrico são definidos como
tendo apenas um ciclo por ano. Cães, raposas, lobos e ursos são animais que são caracterizados como
tendo um único ciclo estral por ano. canídeos domésticos geralmente têm três ciclos estrais a cada dois
anos, mas eles são geralmente classificados comomonoestrus. Em geral, as fêmeas monoéstrico têm
períodos de cio que duram vários dias. um tal período prolongado de estro aumenta a probabilidade de
que o acasalamento e a gravidez pode ocorrer.
Do ciclo estral consiste em duas fases principais
O ciclo estral podem ser divididos em duas fases distintas que são nomeados após o struchrre
dominante presente no ovaty durante cada fase do ciclo. Estas divisões Ofthe ciclo estral são a fase
folicular e a fase lútea. A fase folicular é o período a partir da regressão do corpo lúteo a ovulação. Em
geral, a fase folicular é relativamente curto, que abrange cerca de 20% do ciclo estral. Durante a fase
folicular, o st ovário primárioruturas são grandes folículos em crescimento que secretam o hormônio
reprodutivo primário, estradiol.
Durante a fase folicular: • grandes folículos antrais = o primário do ovário estrutura • estradiol
(secretado por folículos) = a hormona primmy
A fase lútea é o período de ovulação até a regressão do corpo lúteo. A fase lútea é muito mais tempo do
que a fase folicular e, na maioria dos mamíferos, ocupa cerca de 80% do ciclo estral. Durante esta fase,
os struchtres ovarianos dominantes são a corpos lúteos (CL) e a hormona reprodutiva primário é a
progesterona. Mesmo que a fase lútea é dominada pela progesterona do CL, folículos continuam a
crescer e regredir durante esta fase, mas eles não produzem altas concentrações de estradiol.
Do ciclo estral também pode ser dividido em quatro etapas
As quatro fases do ciclo estral são proestro, estro, metaestro e diestro. Cada uma destas fases é
uma subdivisão das fases folicular e luteal do ciclo. Por exemplo, a fase folicular inclui proestro e estro.
A fase lútea inclui metaestro e diestro.
A fase folicular começa após a luteólise que provoca a diminuição da progesterona. As
gonadotrofinas (FSH e LH), por conseguinte, são secretados que causam folículos para secretar o
estradiol (E2). A fase folicular dominada por estradiol segregado pelos folículos do ovário. A fase
folicular termina na ovulação. Estro é designado como dia 0.
A fase lútea começa após a ovulação e inclui o desenvolvimento de corpos lúteos que segregam
progesterona (P4). A fase lútea também inclui luteólise que é acompanhada por uma queda rápida de
progesterona. Luteólise é provocada pela prostaglandina F2u.
Proestrus é o período imediatamente anterior Estrus
Proestro começa quando progesterona diminui como resultado um ofluteolysis (destruição do
corpo lúteo) e termina no início do estro. Proestro dura de 2 a 5 dias, dependendo da espécie e é
caracterizada por uma transição importante endócrino, a partir de um período de dominância de
progesterona a um período de dominância de estradiol (ver Figura 7-3). As gonadotrofinas hipófise,
FSH e LH, são os principais hormônios responsável por esta transição. É durante proestro que folículos
antrais madura para a ovulação e do sistema reprodutivo feminino se prepara para o início do estro e
acasalamento.
Estro é o período durante o qual a fêmea Permite Cópula
O estro é o estágio mais reconhecível do ciclo estral, porque se caracteriza por sintomas
comportamentais visíveis tais como a receptividade sexual e acasalamento. O estradiol é o honnone
dominante durante esta fase do ciclo estral. Estradiol não só induz alterações comportamentais
profundas, mas provoca grandes mudanças fisiológicas no trato reprodutivo. Quando uma mulher entra
cio, ela faz isso de forma gradual e não é sexualmente receptiva em primeiro lugar. Ela pode apresentar
características comportamentais que são indicativos do seu aproximando receptividade sexual.
Proestro = Formação de folículos ovulatórios + secreção de E2
Estro = receptividade sexual + pico secreção de E2
Metaestro = CLformation + início da secreção P4
Diestro = secreção lútea Sustentada de P4
Proestro é caracterizada por um aumento significativo nos níveis de estradiol (E2) secretado por
maturação de folículos.
Walcance galinha estradiol es um Certa em nível, a fêmea mostra estro comportamental e, em seguida,
ovula.
Após a ovulação, células do igo exer são transformados em células lútea que formam o corpo lúteo
(CL) durante metaestro.
Diestro é caracterizada por uma CL totalmente funcional e alta progesterona (P4).
Estes incluem o aumento da locomoção, fonação (expressão vocal), nervosismo e tentativas
para montar outros animais. No entanto, durante este período inicial, ela não aceitará o macho para o
acasalamento. Como o período do cio avança, o mesmo acontece com a disposição da mulher para
aceitar o macho para o acasalamento. Esta disposição é referido estro como em pé. É durante o tempo
do cio que a fêmea exibe uma postura de acasalamento característica conhecida como lordose, assim
chamado por causa de um arqueamento característica das costas na preparação para o acasalamento.
Estando comportamento (lordose) é facilmente observado e utilizado como uma ferramenta de
diagnóstico para identificar o momento adequado para inseminar a fêmea artificialmente ou expô-la ao
macho reprodução. A duração média do estro é característica para cada espécie. Contudo, o intervalo na
duração do estro pode ser bastante grande, mesmo dentro de cada espécie. Compreender e apreciar a
magnitude dessas faixas é importante porque permite prever eventos cíclicos com um grau de precisão.
Metaestro é a transição de Estradiol Domínio de progesterona Domínio
Metaestro é o período entre a ovulação e a formação de corpora funcional lute um. Durante
metaestro precoce tanto de estradiol e progesterona são relativamente baixos. O folículo recém-ovulado
sofre remodelação celular e estrutural, resultando na fonnation de uma glândula endócrina intraovárica
chamado corpo lúteo. Esta transformação celular é chamado de luteinização (ver Capítulo 9). secreção
de progesterona começa em metaestro e é detectável logo após a ovulação. No entanto, dois a cinco
dias são geralmente necessária após a ovulação antes do corpo lúteo recém espalharam produzir
quantidades significativas de progesterona.
Diestro é o período de Função lútea Máxima
Diestro é a fase mais longa do ciclo estral e é o período de tempo em que o corpo lúteo é
totalmente funcional e a secreção de progesterona é elevada.
lt termina quando o corpo lúteo é destruído (luteólise). Alta progesterona solicita o útero para
preparar um ambiente adequado para o desenvolvimento do embrião precoce e eventual fixação dos
concephis para o endométrio. Diestro geralmente dura cerca de I 0 a 14 dias na maioria dos grandes
mamíferos. A duração do diestro está directamente relacionada com o período de tempo que o corpo
lúteo permanece funcional (ou seja, segrega progesterona). As fêmeas em diestro não exibem
comportamento estral.
Do ciclo estral da cadela e Rainha varia de padrões anteriormente descritos
O ciclo estral da cadela interno tem uma sequência de fase diferente do que outros mamíferos.
O ciclo consiste de anestro, proestro, estro e diestro. Anestro geralmente dura cerca de 20 semanas na
cadela não grávidas. A longa anestro (5 meses) faz com que a cadela para exibir dois períodos estral em
três anos. No entanto, canídeos selvagens (lobo, chacal, dingo australiano) exibir apenas um período de
cio por ano e esses períodos são geralmente sazonal. O início do proestro é geralmente considerado
como o início do ciclo estral. A queda no FSH no sangue que ocorre durante o proestro é
presumivelmente devido ao feedback negativo sobre FSH por Inibina secretado a partir de folículos em
desenvolvimento. A cadela se tornareceptiva ao macho durante diminuindo estradiol e concentrações
crescentes de progesterona. A ovulação ocorre 2-3 dias após o pico de LH. A fertilização ocorre
geralmente 48-72 horas após a ovulação. Este atraso entre a ovulação e fertilização permite
superfecundação a ocorrer com freqüência em canídeos. Superfecundação ocorre quando múltiplas
ovulações múltiplas produzir oócitos durante um único período de estro que são fertilizados por
espermatozdes de diferentes machos. Portanto, cadelas que estão autorizados a "vaguear livre" durante
o estro têm uma elevada probabilidade de entregar ninhadas com várias raças de cachorros.
Tele cadela não tem uma metaestro definido como em outras espécies. O desenvolvimento
inicial ofluteal tecido ocorre durante o estro logo após a ovulação como em outros mamíferos. No
rainha, as fases do ciclo estral incluem proestro, estro, pós-estro, diestro e anestro. Há pouca evidência
para a sazonalidade em rainhas e eles tendem a ser polyestrus. No entanto, à medida que aumenta o
comprimento de fotoperíodo, de estro aumenta. Felinos são induzidas ovuladoras e a cópula é
necessária para a indução do aumento repentino de LH.
Proestro é um termo usado para descrever um período interestro que fo llows estro de uma
rainha que não tenha sido induzida a ovular por cópula. Em rainhas que não copulavam, não ocorre a
ovulação e nenhum Fonn corpo lúteo. Portanto, nem metaestro (CL fonnation) nem diestro ocorre.
Como em ovuladoras mais induzidas, seria apropriado considerar que a fêmea permaneceria em uma
fase folicular constante até que ocorra a cópula. Após a cópula a fêmea ovula e só então fazer corpo
lúteo fom1. Neste contexto ovuladoras induzidas constirute um Fonn especial do ciclo estral que não
têm uma fase lútea verdadeiro.
Anestro significa "Sem Estrus (Heat)"
Anestro é uma condição quando a fêmea não apresenta ciclo estral. Durante anestro os ovários
são relativamente inativo e nem folículos ovulatórios nem corpo lúteo funcional estão presentes.
Anestro é o resultado de insuficiente GNRH libertar do hipotálamo para estimular e manter a secreção
de gonadotropina pela piruitary.
O início dos Sazonal ciclicidade é semelhante ao início da puberdade
anestro sazonal é caracterizada por uma redução da frequência de secreção de GnRH
hipotálamo (como na fêmea pré-púberes). Antes da época de reprodução podem começar, o hipotálamo
deve ser capaz de secretar quantidades suficientes de GnRH para provocar uma resposta por parte do
lobo anterior da piruitary. A libertação de FSH e LH a níveis capazes de manter o desenvolvimento
folicular e fazendo com que a ovulação é necessária.
reprodutores sazonais podem ser categorizados como criadores longo dia ou criadores de dia
curto. A égua é caracterizado como um reprodutor de dia longo, porque medida que o comprimento dia
aumentos na primavera a égua começa a ciclo. Durante os curtos dias dos meses de inverno, a égua é
anestms. criadores de curto-dia são animais que começam a andar de bicicleta durante os dias mais
curtos de queda. Animais como ovelhas, veados, alces e cabras são categorizados como criadores de dia
curto. A duração da época de reprodução varia entre e dentro das espécies. Por exemplo, em carneiros,
a raça Merino tem um período de ciclicidade que varia de 200 a 260 dias, enquanto raças blackface têm
períodos mais curtos de ciclicidade que variam de 100 a 140 dias.
Os dois fatores principais que influenciam o início da estação de monta são fotoperíodo e
temperahtre. Fotoperíodo é, de longe o mais importante. É bem sabido que a manipulação artificial do
fotoperíodo pode alterar a ciclicidade do criador sazonal.
A grande questão que deve ser respondida, a fim de compreender a influência da duração do dia
no início da atividade reprodutiva é: "Como é fotoperíodo traduzido em um sinal fisiológico?"
Durante longos fotoperíodos, a retina do olho é estimulado pela luz. Isto resulta em excitação
tónico elevada de neurónios retinais. Esta excitação é transmitido por um tracto do nervo a uma área
específica do hipotálamo conhecido como o núcleo supraquiasmático. A partir do núcleo
supraquiasmático um segundo troço do nervo viaja para o gânglio cervical superior. Os neurónios pré-
sinápticos sinapse com inibidoraneurónios que convertem um sinal de excitação em em uma resposta
inibidora. Como resultado, as fibras adrenérgicas pós-sinápticos são inibidas e reduzem a sua secreção
de norepinefrina. Reduzido resulta da norepinefrina na secreção de melatonina baixo a partir da
glândula pineal. Resultados da melatonina baixa em excitação de neurónios RFRP e eles aumentam a
secreção de seu neurotransmissor, RFRP-3. O RFRP nelu · sobre o nome é derivado a partir do
seguinte: a) a designação 'RF' refere-se a 'proteínas relacionadas amida' que são pequenos péptidos
segregados pelos neurónios; b) o segundo "R" refere-se para o aminoácido arginina e c) a segunda "P"
refere-se para o aminoácido fenilalanina. A molécula de amida de RF tem Reprodutiva Ciclicidade 151
um ~ rg-pl ~ 2 no terminal C e é provavelmente I 0 ACTDs munição mlength. Elevada RFRP-3 tem
diferentes FEITOS ~ a curto e longo dia criador. Por exemplo, 111 o criador de dia longo, RFRP-3
estimula agrupamentos de neurónios kisspeptin no hipotálamo e que segregam elevados níveis de
kisspeptin-1 0. Pensa-se que kisspeptin-10 actua directamente sobre os neurónios GnR.II para estimular
a secreção ofFSH e LH. Como como consequência, a fêmea de dia longo começa a ciclo. No dia curto-
criador, neurónios kisspeptin são pensados para ser inibido por RFRP-3 e assim kisspeptin-10 secreção
é reduzido e os neurónios de GnRH não estimulam a libertao de FSH e L II neurónios para estimular a
secreção ofFSH e LH. Como como consequência, a fêmea de dia longo começa a ciclo. No dia curto-
criador, neurónios kisspeptin são pensados para ser inibido por RFRP-3 e assim kisspeptin-10 secreção
é reduzido e os neurónios de GnRH não estimulam a libertao de FSH e L II neurónios para estimular a
secreção ofFSH e LH. Como como consequência, a fêmea de dia longo começa a ciclo. No dia curto-
criador, neurónios kisspeptin são pensados para ser inibido por RFRP-3 e assim kisspeptin-10 secreção
é reduzido e os neurónios de GnRH não estimulam a libertao de FSH e LH.
Em resumo, pensou-se que a razão fundamental que as diferenças entre os criadores sazonais
existe (de dia curto contra longo dia) está relacionada com diferenças genéticas na capacidade de
resposta de certos grupos de neurónios kisspeptin para RFRP-3. Quando dias são, aumentos de
melatonina curtas, que por sua vez diminui a inibição RFRP-3 em neurónios kisspeptin. Em fêmeas
reprodutoras de dia curto, este sinal eleva os níveis de GnRH e, assim, FSH e LH para iniciar
ciclicidade. Por outro lado, estas condições (alta de melatonina durante a dias curtos) o sinal de dia
longo reprodução feminina para reduzir os níveis da GnRH, e assim baixo FSH e LH termina
ciclicidade.
Lactational Anestro Impede uma nova gravidez Antes jovens weaned
Quase todas as fêmeas de mamíferos amamentar seus filhotes experiência anestro lactacional
que dura por períodos variáveis de tempo. A égua eo alpaca são exceções e não experimentam anestro
lactational. Ambos começam ciclismo logo após o parto. Ciclicidade é completamente suprimida
durante a lactação na porca. Ao desmame ocorre, a porca irá exibir estro e ovular dentro de 4 a 8 dias.
No vaca amamentados, ciclicidade é atrasado por tanto quanto 60 dias após o parto. A duração do
anestro lactação é influenciada pelo grau de sucção na vaca. No entanto, amamentação por si só não
parece ser importante quando a freqüência é maior do que duas sessões de amamentação por dia.
sessões de amamentação de dois ou menos por dia promover o retorno à ciclicidade, enquanto mais de
duas sessões por dia tendem a causar anestro pós-parto. Há um limite de cerca de duas sessões por dia.
Maior do que duas sessões de amamentação provoca anestro. Se menos de dois por dia, a vaca vai
voltar a ciclicidade. Ele parece não importa se há 3 ou 20 sessões de amamentação por dia. Em outras
palavras, o efeito da amamentação não opera em um continuum, mas sim de uma forma limiar.
estimulação Mammmy não é totalmente responsável por anestro lactacional.
Tem sido largamente aceite que repetida estimulação sensorial da teta durante amamentando
causas inibição de libertação de gonadotropina a partir do lobo anterior da pituitária no fêmea pós-
parto. resultados da investigação de TexasA & M University Research Center, em Beeville, indicam
que este conceito de longa data é provavelmente incorreta. De facto, os dados indicam que a
estimulação neural directa da glândula mamaria não inibe a libertação de gonadotropina na vaca.
Durante o tempo de intensa sucção, LH no sangue é muito baixo. Quando lactentes é subitamente
tenninated (desmame aguda), aumentou episódios ofLH ocorrem dentro de 2 a 3 dias após a remoção
de vitelo e o pós-parto fêmea retoma ciclicidade.
A resposta para a vaca intacta mostrado na Figura 7-9 implica que a estimulação mamaria é a
causa da inibição da GnRH, resultando em níveis de LH basais durante o período de amamentação. No
entanto, quando as vacas foram sujeitos a desnervação completar mamário (transecção das vias
nervosas que abastecem a glândula mamária), a resposta de LH no sangue foi idêntico ao da vaca
intacta. Transecção de todosos nervos para a glândula mamaria seria esperado para remover
imediatamente qualquer inibição no hipotálamo provocada por manmmarestimulação y. No entanto,
como você pode ver através da comparação da direita e painéis esquerdo da Figura 7-9, não houve
diferença entre as mulheres amamentou com vias neurais intactas para a glândula mamária quando
comparado às fêmeas amamentaram com marnmmy seccionado vias neurais. Claramente, se
amamentando sozinho impedido o hipotálamo de secretoras GNRH, Elevações, em seguida, as fêmeas
em que nervos que suprem a glândula manmmry foram seccionado teria apressaram de LH seguintes ao
parto. Uma vez que isto não ocorrer, a interpretação é que outros do que a estimulação da teta factores
são responsáveis pela inibição da GnRH durante o período pós-parto. Estes factores podem ser 1)
encontro visual com a prole, 2) encontro olfactivo com a prole, 3) encontro auditivo com a prole ou
todos os acima.
Sabe-se também agora que o próprio bezerro da vaca é importante para a manutenção de anestro
pós-parto. Se próprios Calfis de uma vaca substituído com um alienígena (vitela não relacionada) a
secreção de LH e aumenta dramaticamente a actividade do ovário em breve se segue, mesmo que o
bezerro estrangeiro é pennitted para sugar. O papel preciso da identidade de vitelo no controlo do
sistema nervoso central de libertação de gonadotropina tem ainda de ser completamente explicados.
Independentemente disso, parece que a manutenção de anestro pós-parto é uma combinação de
estímulos sensoriais para a barragem aparentemente envolvendo visão, audição e olfato. Em vacas
leiteiras, bezerros são removidos a partir da barragem muito breve (horas e alguns dias) após
partmition. O fato de que as vacas leiteiras não experimentam anestro lactacional sugere que a presença
do bezerro contribui para essa supressão da reprodução em vacas de corte.
A cadela não tem anestro lactacional porque o anestro que ocorre normalmente durante o ciclo
dura cerca de 4-5 meses na presença ou ausência de lactação. Você deve se lembrar da figura 7-4 que a
cadela tem elevado significativamente progesterona seguinte estro. Esta progesterona elevada é
suficientemente longo para apoiar e manter a gravidez. Seguindo o parto e durante o aleitamento, a
cadela entra num período de anestro que é independente da lactação. Neste contexto, anestro
lactacional não existe na cadela. Muitas rainhas exibir estro e ovular sete a dez dias após o parto (ver
Figura 7-5). Algumas dessas rainhas serão criados e conceber durante o tempo que eles estão em
lactação. Outros rainhas não vai conceber neste primeiro estro pós-parto. A maioria dos fisiologistas
reprodutivos concorda que a rainha pode ter algum anestro lactacional, mas não é uniforme. Em
algumas rainhas, anestro lactacional parece existir até cerca de duas a três semanas após o desmame.
experimentos críticos que descrevem o impacto da lactação, sucção, e a presença do neonato não foram
realizados na cadela ou a rainha. A compreensão dos mecanismos oflactational anestro pode permitir o
desenvolvimento de técnicas que suprimem reprodução nestas espécies. Tal supressão é importante,
pois muitas gravidezes nestas espécies de animais de estimação não são desejados por donos de
animais. e a presença do recém-nascido não foram realizados na cadela ou a rainha. A compreensão dos
mecanismos oflactational anestro pode permitir o desenvolvimento de técnicas que suprimem
reprodução nestas espécies. Tal supressão é importante, pois muitas gravidezes nestas espécies de
animais de estimação não são desejados por donos de animais. e a presença do recém-nascido não
foram realizados na cadela ou a rainha. A compreensão dos mecanismos oflactational anestro pode
permitir o desenvolvimento de técnicas que suprimem reprodução nestas espécies. Tal supressão é
importante, pois muitas gravidezes nestas espécies de animais de estimação não são desejados por
donos de animais.
As fêmeas que consomem baixas quantidades de energia ou proteína, muitas vezes têm
sustentado períodos de anestms. anestro nutricional é caracterizada por uma ausência de impulsos de
GnRH pelo hipotálamo, secreção inadequada de gonadotropinas e ovários inactivos. Nas fêmeas
lactantes, nutrição inadequada irá prolongar a duração da anestms lactational. Isto é particularmente
verdadeiro em fêmeas primíparas (aqueles que têm dado à luz pela primeira vez), onde a ingestão
dietética restrito é agravada com as necessidades energéticas de lactação e crescimento. A fêmea
primíparas representa um dos mais difíceis de gerir do ponto de vista reprodutivo desde que o
crescimento e lactação impor duas demandas de energia fortes. Fornecendo novilhas lactantes firstcalf
com uma nutrição ideal não pode ser subestimada. Durante o início da lactação em vacas dai1y, as
demandas metabólicas para produção de leite são muitas vezes tão grande que a fêmea não pode
consumir energia da dieta suficiente para atender às suas necessidades metabólicas. Este balanço
energético negativo é muitas vezes relacionada com a ciclicidade postparhun atraso (anestro
nutricional). Nas fêmeas de ciclismo não lactantes, períodos prolongados de nutrição inadequada
também irá causar anestro. No entanto, a desnutrição deve ser grave e deve ocorrer por um período
prolongado de ciclicidade cessar por completo. fêmeas em anestro nutricionalmente responder a uma
nutrição adequada ao retomar do ciclo estral. No entanto, a desnutrição deve ser grave e deve ocorrer
por um período prolongado de ciclicidade cessar por completo. fêmeas em anestro nutricionalmente
responder a uma nutrição adequada ao retomar do ciclo estral. No entanto, a desnutrição deve ser grave
e deve ocorrer por um período prolongado de ciclicidade cessar por completo. fêmeas em anestro
nutricionalmente responder a uma nutrição adequada ao retomar do ciclo estral.
No ciclo menstrual, a fase folicular ocupa uma metade do ciclo, enquanto que em espécies com
um ciclo estral que ocupa apenas 20% ou Jess do ciclo. Durante a fase folicular, os folículos crescer e
desenvolver a produção de altos níveis de estradiol causando um pico de LH que provoca uma
ovulação espontânea em mulheres. A principal diferença é que ocorre a ovulação no meio do ciclo
(cerca de 14 dias), em vez de no início do ciclo. O ciclo menstrual começa com o início da menstruação
porque era um componente observável como estro comportamental no ciclo estral. Menstruação dura
entre 2 e 5 dias. Após descamação do endométrio há um aumento gradual da GnRH que provoca a
liberação de FSH e LH. Como você pode ver na Figura 7-10,
As fases proliferativas e secretoras do ciclo referem-se às alterações na espessura do
endométrio. No início da fase proliferativa, os sloughs endométrio (menstruação) e, em seguida,
começa a aumentar de espessura em resposta ao estradiol (ver figura 7-1 0). Durante a fase secretora,
progesterona aumenta dramaticamente (tal como o estradiol). Ambos são secretadas pelo corpo lúteo.
Sob a influência da progesterona e estradiol no endométrio começa a proliferar e aumentar a sua
thiclmess máximo. Esta proliferação prepara o endométrio para a atividade secretora que fornece um
ambiente ideal para o embrião se a concepção ocorre após a ovulação. A Figura 7-10 mostra o perfil de
endócrino durante o ciclo menstrual e refere-se esta à fase proliferativa e secretora do ciclo. Para
comparação,
Uma pergunta que é invariavelmente feita é "Por que a maioria das espécies evoluíram com
períodos definitivos de receptividade sexual e a fêmea humana não tem?" Embora nunca foram
conduzidos experimentos para descobrir as razões para esta discrepância, uma teoria proeminente
explicar esta falta de determinados períodos de receptividade sexual é apresentada abaixo. Pensa-se que
uma vez durante a evolução dos primatas não havia uma quantidade significativa de competição para o
direito de acasalar com a fêmea. Acredita-se durante este período evolutiva houve períodos de
receptividade sexual entre primatas. Mas, porque os homens passaram algum tempo indevida
competindo pela opporhmity copular com fêmeas sexualmente receptivas o papel do sexo masculino e
feminino na coleta de alimentos foi comprometida. Lutando pelo direito de copular foi uma grande
distração. Grupos de mulheres que apresentaram receptividade sexual mais generalizada criou uma
situação em que os machos não gastar tanto tempo competindo pela opporhmity copular porque a
cópula pode ocorrer ao longo de um período de tempo mais amplo, permitindo assim mais
oportunidades para procurar comida e abrigo. Isto provou ser benéfico e receptividade sexual
gradualmente contínua evoluiu.