Вы находитесь на странице: 1из 2

FACULDADE DE EDUCAÇÃO SANTA TEREZINHA

CURSO DE DIREITO
IMPERATRIZ-MA Data:
DISCIPLINA: Direito Administrativo II
PROFESSOR: Jagno Nepomuceno
ALUNO(A) ANTONIO FÁBIO LIMA MELO / ALEX MAGALHÃES

ESTUDO DE CASO – JURISPRUDÊNCIA

1) O que seria o chamado “vandalismo estatal”, em sede de desafetação de bem


público, citado no Resp. 1.135.807, STJ de relatoria do Min. Herman Benjamin?

R O “vandalismo estatal’’ no caso em tela, foi assim definido pois, a desafetação de bem
público de uso comum não se insere no âmbito da discricionariedade do administrador público
e, notadamente, só se justifica em circunstâncias excepcionais, ampla e devidamente
demonstradas, , pois a dominialidade pública encontra, ou deveria encontrar, no Estado, o seu
primeiro, maior e mais combativo protetor. Por outro lado, é ilegítimo, para não dizer imoral
ou ímprobo, à Administração, sob o argumento do "estado de abandono" das áreas públicas,
pretender motivar o seu aniquilamento absoluto, por meio de desafetação.

2) Com relação ao citado recurso especial, poderia o MP pleitear junto ao poder


judiciário que o Estado seja obrigado compensar espaço verde urbano suprimido?

r Não, pois o recorrido do citado recurso especial é o Município e não o Estado,


sendo assim o MP poderia contra o Município ingressar com Ação Civil Pública
visando compensação pelo espaço verde urbano suprimido, de igual ou maior área, no
mesmo bairro em que se localizava a praça desafetada.

2) Conforme entendimento proferido no RMS 21.778/DF, STF, é possível a venda


de imóveis pertencentes ao complexo de hospital das forças armadas?
Contextualize e justifique.

A Lei n. 8.068/90 reconheceu à viúva do servidor público falecido


– inclusive ao cônjuge supérstite do servidor militar que atuava
perante o E.M.F.A. – a condição jurídica de legítimo ocupante do
imóvel funcional, possibilitando-lhe, desse modo, e desde que
satisfeitos os requisitos fixados pela Lei n. 8.025/90, a aquisição
preferencial dessa unidade imobiliária.

4) A teor da decisão proferida no RMS 28084/GO, STJ, possui interesse de agir Estado
que alega quebra inconstitucional da ordem cronológica no pagamento de
precatórios?Justifique.
5)Conforme decisão no Resp 425.416/DF, STJ, qual a conseqüência jurídica para quem
o ocupa irregularmente bem público?
6) Procedimento de demarcação de terreno de marinha atinge direito de propriedade de
particular, eventualmente, ocupantes dos citado terrenos?(Ref.Resp 1.185.637/RS, STJ).
7) Conforme decisão no AgRg-Resp1.302.118, STJ, é possível indenização de
benfeitorias construídas em imóvel situado nas margens de rios navegáveis (bem da
união)?