Вы находитесь на странице: 1из 49

ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO

PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA


EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO
EQUIPAMENTOS - 1a Parte

1. EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM

1.2 CLASSIFICAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

a) Unidades de tração (tratores);

b) Unidades escavo-empurradoras;

c) Unidades escavo-transportadoras;

d) Unidades escavo-carregadoras;

e) Unidades aplainadoras;

f) Unidades de transporte; e

g) Unidades compactadoras.

1.2.1 UNIDADES DE TRAÇÃO OU TRATORES


A unidade de tração (trator) é a máquina básica da terraplenagem, pois todos os
equipamentos à nossa disposição, para executá-la, são tratores devidamente
modificados ou adaptados a realizar as operações básicas de terraplenagem.

Chama-se trator a unidade autônoma que executa a tração ou empurra outras


máquinas e, quando equipados com implementos especiais, elaboram as mais
diversas tarefas.

Conforme se locomovam sobre pneumáticos ou esteiras, as unidades tratoras


recebem as designações, respectivamente, de tratores de pneus ou tratores de
esteiras.

As esteiras de um trator são compostas por placas de aço articuladas, equipadas


com saliências que penetram no terreno, aumentando a aderência do equipamento.
As esteiras permitem a transmissão ao terreno de suporte de pressões bastante
baixas, o que viabiliza a locomoção do equipamento sobre materiais de baixa
capacidade de sustentação.

1
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Trator de esteiras

Por outro lado, os tratores equipados com rodas pneumáticas aplicam


ao terreno pressões maiores e não possuem a mesma aderência ao
terreno quando comparado com as esteiras.

Trator de pneus
As condições particulares inerentes a cada aplicação definirão acerca da
adequabilidade de utilização dos dois tipos de unidades tratoras.

Como regra geral, os tratores de pneus apresentam vantagens


decorrentes de sua maior velocidade (até 70 km/h), o que favorece seu

2
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO
emprego a distâncias mais longas, pela redução do tempo de ciclo e, em
consequência, pelo aumento da produção.
Vejam um vídeo acerca do trator de pneus:

Trator de pneus executando gradeamento (homogeneização) Clique no

link:

http://www.youtube.com/watch?v=3Xcj7xaYsRw
Em outros aspectos, todavia, o trator de pneus apresenta-se em
desvantagem em relação ao de esteiras.

Os tratores de esteiras desempenham melhor suas atividades quando


atuando em terrenos com forte declividade ou com baixa capacidade de
suporte, pela sua melhor aderência e flutuação.

Realmente, a maior desvantagem do trator de esteiras é quanto sua


baixa velocidade, atingindo no 10 km/h. Esta condicionante de
velocidade limita o emprego dos tratores de esteiras a distâncias
moderadas.

Agora, assistam um vídeo sobre o trator de esteiras:

Trator de esteira executando escavação

Clique no link:

http://www.youtube.com/watch?v=Bb4pHIf45r0

1.2.1.1 CARACTERÍSTICAS DOS TRATORES

Essas máquinas possuem certas características em comum que devem


ser definidas:

a) Esforço Trator: É a força que o trator possui na barra de tração (no


caso de esteiras) ou nas rodas motrizes (no caso de tratores de rodas)
para executar as funções de rebocar ou de empurrar outros
equipamentos ou implementos;
Trator de esteiras = esforço trator elevado

Trator de pneus = esforço trator elevado (limitado pela aderência)

b) Velocidade: É a velocidade de deslocamento da máquina que depende,


sobretudo, do dispositivo de montagem, sobre esteiras ou sobre rodas;

3
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO
Trator de esteiras = baixa (< 10 Km/h)

Trator de pneus = alta (< 70 Km/h)

c) Aderência: É a maior ou menor capacidade do trator de deslocar- se


sobre os diversos terrenos ou superfícies revestidas, sem haver o
patinamento da esteira (ou dos pneus) sobre o solo (ou revestimento)
que o suporta;

Trator de esteiras = boa

Trator de pneus = sofrível

d) Flutuação: É a característica que permite ao trator deslocar-se sobre


terrenos de baixa capacidade de suporte*, sem haver o afundamento
excessivo da esteira, ou dos pneus, na superfície que o sustenta;

*terrenos com pouca resistência, tais como: solos saturados e solos


moles, por exemplo.

Trator de esteiras = boa Trator de

pneus = regular a má
e) Balanceamento: É a qualidade que deve possuir o trator,
proveniente de uma boa distribuição de massas e de um centro de
gravidade a pequena altura do chão, dando-lhe boas condições de
equilíbrio, sob as mais variadas condições de trabalho.

Trator de esteiras = bom Trator de pneus = bom

4
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO
1.2.1.2 COMPARATIVO DOS TIPOS DE TRATORES

ESTEIRAS PNEUMÁTICO

- Esforço trator elevado. • Topografia favorável.

- Rampas de grande • Terreno com boas condições de


declividade. suporte.

-Terrenos com topografia • Terreno com boas condições de


Acidentada. aderência.

- Terrenos de baixa capacidade • Velocidade elevada,


de suporte. significando maior produção.

1.3.1 UNIDADES ESCAVO-EMPURRADORAS

Os tratores quando implementados com uma lâmina frontal recebem a


designação de "unidades escavo-empurradoras".

Sendo assim, o equipamento passa a se chamar trator de esteiras (ou


de pneus) com lâmina. Essas lâminas são acionadas por comando
hidráulico são aplicadas em tarefas combinadas de escavar e empurrar
o material terroso.

5
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Conforme as mobilidades da lâmina distinguem-se dois tipos básicos de


unidades escavo-empurradoras, a saber:
• "Bulldozer": equipamento no qual a lâmina é posicionada
perpendicularmente ao eixo longitudinal do trator, podendo apresentar
apenas movimentos ascendentes e descendentes. Este sistema permite
somente a escavação e o transporte para a frente. Caso se deseje

transporte lateral com esse tipo de equipamento, haverá necessidade de


combinar movimentos.

a) Bulldozer (Vis ta lateral)

• "Angledozer" ou "trator com lâmina angulável": neste equipamento,


além dos movimentos permitidos no bulldozer.

b) Angledozer (Píantol)

São possíveis deslocamentos da lâmina no entorno de seu eixo vertical.


Esta lâmina permite que, com o trator se deslocando normalmente, o
material escavado seja depositado lateralmente, formando uma "leira"
contínua e paralela ao sentido de translação.
A execução de compensações laterais, para seções mistas, é facilitada
pelo emprego deste tipo de equipamento. Em algumas unidades, as
lâminas podem apresentar, ainda, outros movimentos, como a variação
do ângulo de ataque ao solo ("tip- dozer") ou a inclinação em torno do
eixo longitudinal do trator ("tilt-dozer").

6
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO
c) Tilt-dozer (Visto frontal}

Dentre as tarefas de terraplenagem usualmente desenvolvidas pelos


tratores de lâminas, destacam-se:
 Desmatamento, destocamento e limpeza de terreno;

 Construção de caminhos de serviço;

 Escavação e transporte de pequenos volumes a distâncias


inferiores a 50 m;

 Desbaste transversal do terreno, próximo ao "off-set", para


permitir o deslocamento longitudinal dos equipamentos de
pneus, em locais com forte inclinação lateral; Suavização da
declividade do terreno nos pontos de passagem corte/aterro,
para facilitar o desempenho dos "scrapers";

 Espalhamento, no aterro, do material depositado por unidades


transportadoras, preparando campo para atuação dos
equipamentos de compactação;

 Como unidade empurradora ("pusher"), para auxiliar a


operação de carregamento dos "scrapers";

 Execução de compensações laterais, nas seções em meia-


encosta.

7
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Com relação aos equipamentos de movimentação de terra e de


escavação, indispensáveis em obras de terraplenagem, julgue os itens a
seguir.

1 - (IBRAM 2009 - CESPE) O trator de lâmina do tipo anglodozer


(angulável ou oblíqua) utiliza lâmina dianteira para movimentação de
terra que só possui movimentação ascendente e descendente em relação
ao plano horizontal.

Pessoal, isto está errado! O trator de lâmina do tipo angledozer, são os que
permitem os deslocamentos da lâmina no entorno de seu eixo vertical. Veja a
figura:

8
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Angledozer

Os tratores que possuem movimentação apenas ascendente e descendente em


relação ao plano horizontal é o bulldozer.

Gabarito: Errada

2 - (PETROBRÁS 2007 - CESPE) O buldôzer é um equipamento que pode


efetuar escavação e transporte de terra. O transporte da terra é feito em
linha reta, com a lâmina em posição normal à direção de deslocamento
do equipamento.

Exatamente! O bulldozer (ou buldôzer) faz escavação e transporte de terra. Este


transporte é feito em linha reta mesmo. Caso se deseje transporte lateral com
esse tipo de equipamento, haverá necessidade de combinar movimentos.

Assim, no caso de transporte lateral, são necessárias as duas operações (1) e (2)
apresentadas na Figura abaixo:

Gabarito: Certa

Existem, ainda, implementos que podem ser acoplados aos tratores, de


sorte que estes possam desempenhar outras atividades. Dentre estes,
destacam-se pela sua importância os escarificadores ou "rippers",
montados na parte traseira dos tratores. Este implemento é constituído
por um dente ou conjunto de dentes bastante reforçado, o qual, movido
por controle hidráulico, penetra em materiais compactos (2a categoria)

9
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO
rompendo-os e permitindo o posterior transporte com lâmina comum ou
"scrapers".

1.3.1.1 TIPOS DE LÂMINAS E ACESSÓRIOS:

- PLACAS PARA PUSHER: é uma lâmina bastante reforçada, usada para


empurrar o "scraper" durante a operação de carga. Sua função principal
não é a de movimentar terras, mas sim auxiliar outros equipamentos no
aumento do seu esforço de tração.

- ESCARIFICADOR ou RIPPER: Como já vimos, são "dentes"


cortantes, instalados na parte traseira do trator, usados para romper
solos compactos ou para aumentar a eficiência do implemento das
lâminas de carga.

10
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

1.4.1 UNIDADES ESCAVO-TRANSPORTADORAS

Estas unidades de terraplenagem executam as seguintes atividades:


escavação, carga, transporte e descarga de materiais de consistência
média a distâncias médias.

Pessoal, o mais importante de vocês saberem acerca das unidades


escavo-transportadoras, é que estas executam 4 operações:
escavação, carga, transporte e descarga.

Basicamente, há dois tipos de unidades escavo-transportadoras: o


"scraper" rebocado e o "motoscraper". O funcionamento de ambos é,
em grande parte, similar.

O "scraper" rebocado é uma unidade tracionada por uma unidade


tratora, composta por uma caçamba montada sobre dois eixos
equipados com pneumáticos. O acionamento dos comandos é feito por
sistema de cabos e polias.

Scraper rebocável

11
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO
Vídeo Complementar:

Trator de pneus puxando dois scrapers rebocáveis ao mesmo tempo

Clique no link:

http: //www.youtu be.com/watch?v=bHLHhAgrYtA

Já no "motoscraper" a caçamba dispõe de um único eixo de


pneumáticos, apoiando-se diretamente na unidade tratora, que poderá
ser um trator rebocador de um único eixo (mais comum) ou de dois
eixos de pneumáticos.

Esse equipamento possui um bom desempenho e produção em


distâncias pequenas de transporte, que variam entre 200 e 500 metros.

Motoscraper

12
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Existem três tipos de motoscrapers: o convencional, o autocarregável e


o push-pull.

O tipo convencional, apesar de ter motor próprio para a tração, na


ocasião do carregamento necessita de uma força adicional que lhe é
dada por um pusher, que tanto pode ser um trator de esteiras como um
trator de pneus pesado.

Caso contrário, o moto-scraper não consegue realizar a escavação num


tempo razoável, além de poder sofrer dificuldade na tração e até mesmo
a paralisação do motor por falta de torque.

Motoscraper auxiliado por um trator de esteiras (pusher)

O motoscraper autocarregável procura suprir essa necessidade de


auxílio do trator de esteiras em algumas condições de trabalho. Esse
tipo de moto-scraper possui uma força motriz também no scraper,
propiciando uma maior força de escavação ao equipamento com a
utilização de dois motores.

13
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Motoscraper auto rebocável com motor traseiro e tração nas quatro rodas

Já o moto-scraper "push-pull" (empurra-puxa) consiste no encaixe de dois


moto-scrapers que se ajudam mutuamente na operação de escavação e carga,
sem a necessidade de outro equipamento auxiliar.

Push-pull

Vídeo Complementar:

Motoscraper com pusher (trator de esteira) Clique no link:

http://www.youtube.com/watch?v=cFQAh1p36no

Julgue os próximos itens, relativos a equipamentos e serviços de


terraplenagem e compactação de aterros.

3 - (PETROBRÁS 2007 - CESPE) O escrêiper, ou motor-scraper, é


utilizado na compactação de aterros argilosos.

Pessoal, tanto o escreiper (ou scraper) quanto o motoscraper fazem os


mesmos serviços de escavação e transporte, só que este último possui um
motor próprio para a tração, na ocasião do carregamento necessita de uma
força adicional que lhe é dada por um "pusher" (trator de lâmina), mas o
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

transporte o motoscraper faz sozinho.

São equipamentos de grande produção em distâncias pequenas, que vão de


cem a mil metros, apresentando melhores desempenhos em distâncias entre
200 e 500 metros.

Não são utilizados na compactação de aterros!


Gabarito: Errada
1.5.1 UNIDADES ESCAVO-CARREGADORAS

Esta classe compreende aqueles equipamentos que executam operação


de escavação e carga do material escavado sobre outro equipamento,
este último participando nas tarefas de transporte e descarga.

As unidades escavo-carregadoras são representadas pelas


carregadeiras, escavadeiras e retroescavadeiras.

a) Carregadeiras

Normalmente conhecidas como pás-carregadeiras, estas máquinas são


montadas sobre esteiras ou rodas com pneumáticos, possuindo uma
caçamba frontal acionada por braços de comando hidráulicos.

Pá Carregadeira sobre rodas


As máquinas montadas sobre esteiras têm um deslocamento mais
lento do que as montadas sobre pneus. As pás-carregadeiras são
utilizadas na operação de carregamento de material solto ou em
pequenas escavações em materiais de pouca resistência. Sua
ferramenta de trabalho é uma caçamba, que apresenta um movimento
basculante para frente, a fim de atacar o material, encher-se do
mesmo e depois descarregá-lo sobre o caminhão basculante.

15
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS:TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Carregadeira sobre esteiras

Normalmente, nas operações de terraplenagem em que são


empregadas as carregadeiras, a escavação do material é realizada pelo
trator de esteiras, e o carregamento, pela carregadeira.

Video Complementar:
Pá carregadeira sobre rodas executando carga de material solto
Clique no link:
https://www.youtube.com/watch?v=HXep5YBwmiU&feature=fvwrel

Pessoal, há também uma minicarregadeira chamada de bob-cat. É um


equipamento de pequeno porte e capacidade, tendo grande
versatilidade. Está montado sobre pneus e pesa aproximadamente 3
toneladas, sendo, ideal para trabalhos em espaços reduzidos, utilizada
para transporte interno de materiais, carregamento de caminhões,
limpeza de terrenos, etc.

16
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS:TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Bob-cat

b) Escavadeiras
As escavadeiras ou (escavadeiras hidráulicas) são equipamentos
constituídos por uma infraestrutura, em geral apoiada sobre esteiras,
que suporta conjunto superior que pode girar em torno de seu eixo
vertical. Assim, a escavadeira realiza as mesmas operações que a
carregadeira (escavação e carga), porém com uma produtividade
muito superior.

As escavadeiras trabalham estacionadas, cabendo à sua superestrutura


a movimentação necessária à carga e descarga do material.

Atualmente, é um dos equipamentos mais utilizados em obras de


terraplenagem, substituem com grandes vantagens o trator de esteiras
(escavação) e as pás carregadeiras (carga), num único ciclo de
operação.

Além disso, a combinação dessas máquinas com o uso de caminhões


basculantes, mostram-se, na maioria das vezes, vantagens em relação
a utilização dos motoscrapers (lembram? Os motoscrapers só são
econômicos em transportes de 200 a 500 m).
O deslocamento longitudinal das escavadeiras, por ser muito lento, fica
restrito ao âmbito de seu local de trabalho, sendo requerido o emprego
de carretas para transporte destas máquinas a distâncias maiores.

Video Complementar: Escavadeira hidráulica escavando e

carregando caminhões Clique no link:

http://www.youtube.com/watch?v=BLIoBfxJoTo

São utilizadas, também, na abertura de valas; na regularização de rios


e canais; como guindastes; e outras aplicações.

17
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS:TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO
As escavadeiras podem ser equipadas com shovel (colher), com drag-
line, com clamshell (concha), com equipamento retro, com guindaste,
além de outros implementos.
As escavadeiras podem apresentar os seguintes tipos de lança:

• a pá-frontal, ou "shovel"

Equipadas com shovel, atacam os cortes altos, sendo este seu emprego
específico em terraplenagem. Portanto, as pás do tipo "shovel"
destinam-se a escavar taludes situados acima do nível em que a
máquina se situa.

Video Complementar:

Escavadeira shovel carregando caminhão

Clique no link:

http://www.youtube.com/watch?v=hZiC3L-ELZ0

18
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS:TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO
• a escavadeiras com caçamba de arrasto, ou "drag-line"

A escavadeira com "drag-line" é utilizada na escavação de terrenos


pouco consistentes e situada abaixo do nível em que se encontra a
máquina.

Os principais usos desse equipamento são:

a) Remoção de solos moles, com excesso de umidade e com presença


de matéria orgânica.

Apresentando tais características, esses solos demonstram baixa


capacidade de suporte à ação de cargas e impede o tráfego de
qualquer equipamento, inclusive o trator de esteiras. Assim, só podem
ser retirados com auxílio de uma escavadeira com "drag-line" que
pode escavar à distância e até a profundidade de alguns metros.

b) Abertura de valas de grandes dimensões e desde que não haja


escoramento, usando-se os taludes com o caimento conveniente.

c) Abertura de canais de drenagem, corta rios, limpeza de cursos


d'água, etc.

Embora as escavadeiras possuam esteiras com sapatas bastante


largas, conduzindo a pressões mínimas sobre o solo, quando a
capacidade suporte é muito baixa, somos obrigados a executar a
"estiva", ou seja, a colocação de madeira roliça na forma de um
estrado e com o objetivo de aumentar a área de distribuição da carga.

19
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Drag-line

Video Complementar:

Drag-line

Clique no link:
https://www.youtube.com/watch?v=UOtSZTMHrjk&feature=related

• a retro-escavadeira, ou "back-shovel".

A retro-escavadeira é um equipamento similar ao "shovel",


diferenciando-se pelo fato de que a caçamba trabalha invertida, ou
seja: voltada para baixo. Destina-se à operação abaixo do nível do seu
plano de apoio, garantindo boa precisão nas dimensões da vala
escavada. As máquinas modernas são acionadas hidraulicamente.

20
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Retro-escavadeira

As retro-escavadeiras são comumente utilizadas em escavações de


serviços de valas.

Video Complementar:

Clique no link:
https://www.youtube.com/watch?v=jyIdLKQ5zOU

• a escavadeira com caçamba de mandíbulas, ou "clam-shell";

No caso das escavadeiras do tipo "clam-shell" (mandíbula), a remoção


do material avança verticalmente e em profundidade.

O "clam-shell" presta-se à abertura de valas de dimensões restritas.

Por ser um implemento fechado nos quatro lados, o "clamshell" é


propriado para a escavação dentro d'água.

21
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Video Complementar: Clam-shell Clique no link:

http://www.youtube.com/watch?v=cOClO-zYWV0

Questão:

4 - (SEAPA-DF/2009 - CESPE) Para a remoção de solos orgânicos, turfa


ou similares, inclusive execução de corta-rios, é recomendado o emprego
de escavadeiras do tipo dragline, complementado por outros
equipamentos.

Pessoal, esse item foi retirado da Especificação de Serviço DNER-ES 280/97 -


Terraplenagem - cortes:

"5.2.2 A seleção do equipamento obedecerá às indicações seguintes:

c) remoção de solos orgânicos, turfa ou similares, inclusive execução de corta-


rios, com emprego de escavadeiras, do tipo"dragline", complementado por outros
equipamentos citados nas alíneas anteriores."

22
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Essa especificação de serviços foi substituída pela DNIT 106/2009 - ES -


Terraplenagem - cortes, que traz o seguinte:

"5.2.2 A seleção do equipamento obedecerá às indicações seguintes:

c) Remoção de solos orgânicos, turfa ou similares, inclusive execução de corta-


rios, utilizam-se retroescavadeiras e escavadeiras com implementos adequados,
e complementados por outros equipamentos citados nas alíneas anteriores."

Essa alteração não invalida o item, já que para os serviços citados a drag-line
continua sendo o equipamento preferencial, principalmente se o solo estiver
bastante saturado. Mas outros equipamentos podem ser utilizados nessas
operações, tais como: escavadeira hidráulica e escavadeira do tipo "clam-shel".

Aliás, as escavadeiras com clam-shell destinam-se às mesmas tarefas indicadas


para a drag-line.

Apresenta, entretanto, a desvantagem de possuir um raio de ação reduzido, se


comparado com a drag-line o que limita o seu emprego. É muito empregada na
escavação em valas escoradas, paredes diafragmas, por exemplo.

Gabarito: Certa

1.6.1 UNIDADES APLAINADORAS

As unidades aplainadoras, ou motoniveladoras, são equipamentos


dedicados essencialmente a operações de acabamento final da área
terraplenada, isto é, as operações para conformar o terreno aos greides
finais de projeto.

As diversas posições da lâmina permitem uma grande variedade de


serviço tais como raspagem, espalhamento e taludamento.

23
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

As motoniveladoras são utilizadas, principalmente, nos serviços de


regularização e conformação das camadas de terraplenagem e de
pavimentação

Dentre as inúmeras aplicações destes equipamentos, destacam-se as


seguintes:

1. Remoção de vegetação leve e de camada vegetal;

2. Construção de valas;

3. Espalhamento de materiais empilhados ou dispostos em cordões;


4. Mistura, na pista, de dois ou mais materiais previamente
pulverizados (atividades em geral de pavimentação);
5. Acabamento da plataforma de terraplenagem (ou também de
camadas granulares de pavimentos), mediante ação cuidadosa da lâmina
trabalhando em corte;

24
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Acabamento de taludes, mediante posicionamento lateral de lâmina.

Video Complementar:

Motoniveladora executando rampa

Clique no link:

http://www.youtube.com/watch?v=q7DPVSeJgE8

Motoniveladora em trabalho de terraplenagem

Clique no link:

http://www.youtube.com/watch?v=XTScm0bkLIY

1.7.1 UNIDADES TRANSPORTADORAS

As unidades transportadoras são utilizadas em operações de


terraplenagem, quando as distâncias de transporte são elevadas a ponto
de tornar anti-econômico o emprego de "moto-scrapers". Executam
apenas operações de transporte e descarga, devendo o seu
carregamento se dar pela ação de unidades escavo-carregadoras.

As unidades transportadoras mais frequentemente empregadas, nos


serviços de terraplenagem são:

• o caminhão basculante;

25
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

• os caminhões "fora-de-estrada";
• o caminhão pipa (caminhão tanque); e

• os caminhões comboio de lubrificação.

Caminhões basculantes - São equipamentos destinados ao transporte de


solos e pedras. A caçamba basculante é feita de chapas de aço. Existem
caçambas próprias para transportes comuns e caçambas para o
transporte de pedras, mais reforçadas. Quando não se dispuser de
caçambas de pedras, e for necessário transportá-las, as caçambas
comuns devem ser reforçadas internamente com cantoneira de aço em
posições apropriadas, para evitar o contato direto das pedras com a
chapa do fundo.

Os caminhões basculantes são usados com maior eficiência quando as


distâncias de transporte são grandes, isto é, quando são superiores a
1000 m, preferencialmente superiores a 5 km.
Geralmente são carregados por carregadeiras mecânicas ou
escavadeiras. Podem, ainda, ser carregados manualmente, porém com
pouca eficiência. A descarga verifica-se automaticamente pelo fundo,
mediante a elevação da parte dianteira de caçamba, efetuada por
macacos hidráulicos.

Caminhão basculante

Caminhões fora-de-estrada - São caminhões de construção reforçada,


que se destinam a trabalhos muito pesados e em condições muito
severas. São utilizados, principalmente, para o transporte de pedras.
Têm suspensão muito dura.

26
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Caminhão fora-de-estrada

Caminhões pipa - Também conhecidos como caminhão tanque. São


usados no umedecimento dos solos, visando sua compactação. A
liberação da água é feita através de um registro colocado na parte
traseira para abrir e fechar a sua passagem.

Caminhão pipa

Caminhões comboios de lubrificação - São caminhões onde é adaptada


uma carroceria especialmente construída para os serviços de
abastecimento de combustível e lubrificação, onde são instalados:
reservatório para óleo diesel; compressor de ar; mangueiras; tambores
de lubrificantes; e tambores de graxa. Destinam-se ao abastecimento de
combustível e à troca de lubrificantes e filtros das máquinas no campo.
Evita-se, assim, que máquinas pesadas e lentas realizem grandes
deslocamentos para o abastecimento e manutenção.

27
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Caminhão comboio de lubrificação

1.8.1 UNIDADES COMPACTADORAS

Estes equipamentos objetivam adensar os solos distribuídos nos aterros,


ou seja, efetuam a operação denominada compactação.

Como esses materiais variam nas suas características, os compactadores


apresentam diferenças entre si, para melhor atender às exigências da
compactação de cada tipo de material. Estes equipamentos são
chamados de rolo compactador.

Existem os rolos pé de carneiro, os rolos de pneus e os rolos lisos. Os


primeiros e os últimos podem ser estáticos ou vibratórios. Os rolos de
pneus podem ser de pressão constante ou de pressão variável.

Rolo pé-de-carneiro

Os rolos pé-de-carneiro consistem de um tambor equipado com


saliências denominadas "patas". Estas saliências penetram na camada
de solo no início da compactação, conduzindo a um processo de
adensamento de "baixo para cima", até que, quando completada a
compactação, praticamente não há penetração das patas na camada.

A grande aplicação dos rolos pé-de-carneiro se dá frente a solos finos e


coesivos, siltosos ou argilosos.

28
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Rolo pé-de-carneiro

Rolo vibratório

Nos solos não coesivos, isto é, que disponham de baixas porcentagens de


argila (solos arenosos), os rolos pé-de-carneiro mostram-se totalmente
inadequados para efetuar a compactação, pois apenas conseguem
revolver o terreno, sem nenhum adensamento.

Os rolos lisos vibratórios, por outro lado, aplicam-se à compactação de


solos não coesivos. Verificou-se, também, experimentalmente, que os
rolos lisos vibratórios têm maior rendimento a baixas velocidades de
deslocamento, pois a compactação depende do tempo total em que as
oscilações são aplicadas sobre a superfície.

Pela inexistência das patas, o rolo liso possui uma menor superfície de
contato com o solo, e assim, a compactação não se torna possível em
camadas muito espessas.

Rolo liso vibratório

29
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Rolo pneumático

Os rolos pneumáticos são constituídos por uma plataforma metálica,


apoiada em dois eixos com pneumáticos. O número de pneumáticos
em cada eixo é variável, com um mínimo de três, até seis ou mais.

Este equipamento compactador é dos mais versáteis, sendo aplicável


a uma ampla gama de solos, desde os finos e coesivos até os de
granulação grosseira e pouco plásticos. Aplicam-se igualmente a
serviços de pavimentação.

O adensamento dos solos, no caso dos rolos pneumáticos, depende da


pressão de contato entre os pneus e o terreno.

De modo geral, quanto maior for a pressão, maior facilidade há na


obtenção de densidades elevadas. Todavia, há uma limitação imposta
pela própria resistência oferecida pela camada.

Rolo pneumático

Videos complementares:

Rolo pé-de-carneiro operando Clique no link:

http://www.youtube.com/watch?v=ByaXfa93QIE

Rolo pneumático em serviço de pavimentação

Clique no link:

http://www.youtube.com/watch?v=DTQ8YaUlEc0

30
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Questão
5 - (CODEPA 2006 - CESPE) Rolos vibratórios são indicados para
compactação de solos granulares.

Exatamente. Esta é aplicação dos rolos vibratórios.

Rolos vibratórios => solos não coesivos (areias)

Rolos pé-de-carneiro => solos coesivos (argilas e siltes)

Gabarito: Certa
1.9.1 Grades de Disco

• Grades de discos e pulvimisturadores: equipamentos que objetivam


homogeneizar ou baixar o teor de umidade dos solos, previamente à
compactação, para que esta se dê nas condições ótimas definidas no
ensaio de compactação pertinente;

Questões:

6 - (PF 2002 - CESPE) Caminhões fora-de-estrada não são indicados


para a execução de obras como a da barragem considerada, pois as
vibrações que eles provocam no terreno podem desestabilizar a
barragem.

Os caminhões do tipo "fora-de-estrada" são basculantes de grande porte,


utilizados para serviços pesados. Pelo seu alto custo de aquisição, tem utilização

31
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

restrita a obras em que os volumes a movimentar são muito grandes, tais como:
barragens e minerações.

O item afirma que esses equipamentos podem desestabilizar a barragem. Isso


está totalmente errado, pois um dos principais empregos dos caminhões "fora-
de-estrada" é o transporte de materiais necessários às barragens.

Gabarito: Errada

7 - (Técnico em Estradas IF-PI 2012) Na execução de qualquer serviço


de terraplenagem, há necessidade do emprego de vários equipamentos
específicos, tais como: unidades tratoras, unidades escavo-
transportadoras, unidades escavo-carregadoras, unidades aplainadoras
e unidades escavo-empurradoras. De acordo com o que segue, são
consideradas unidades escavo-empurradoras e escavo- carregadoras:

I BULLDOZER, trator com lâmina angulável.

II Escavadeira hidráulica e carregadeira

III Trator com lâmina frontal e motoscraper.

IV Escavadeira hidráulica e motoniveladora

V Motoniveladora e BULLDOZER

A) I e V
B) I e II
C) III e I
D) IV e II
E) II e III

A questão quer saber quais são os equipamentos que são considerados unidades

32
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

escavo-empurradoras e escavo carregadoras.

Vejamos:

Bulldozer => unidade escavo-empurradora


Escavadeira hidráulica => unidade escavo-carregadora

Carregadeira => unidade escavo-carregadora

Trator com lâmina frontal => unidade escavo-empurradora Moto


scraper => unidade escavo-transportadora Motoniveladora =>
unidade aplainadora Portanto, as únicas opções que encaixam são
I e a II.
Gabarito: letra B

Vários fatores influenciam a seleção dos equipamentos de


terraplenagem. Considerando esses fatores, julgue as assertivas abaixo:

8 - (Técnico Estradas COPERVE 2009) As máquinas sobre pneus são


ideais para operações em solos de baixa capacidade de suporte.

Vimos que é o contrário! As máquinas de esteira é que são ideias para operações
em solos de baixa capacidade de suporte, pois distribuem melhor o peso do
equipamento sobre o solo.

Gabarito: Errada

9 - (Técnico Estradas COPERVE 2009) As escavadeiras não devem ser


usadas para a remoção de solo argiloso, com matéria orgânica, muito
úmido e com baixíssima capacidade de suporte.

Errado, não é pessoal! As escavadeiras podem sim ser utilizadas para escavação
de solo argiloso, com matéria orgânica, muito úmido e com baixíssima
capacidade de suporte.

Gabarito: Errada

10 - (Técnico Estradas COPERVE 2009) Terreno com topografia


acidentada pode inviabilizar o uso de alguns equipamentos.
Correto! Estudamos que os equipamentos com pneus tem limitações quanto a
topografia do terreno. Não são ideais para terrenos muito inclinados.

Gabarito: Certa

11 - (Técnico Estradas COPERVE 2009) A frequência e/ou intensidade


das chuvas podem paralisar as operações de terraplenagem.

É isso mesmo! Se o solo ficar muito encharcado, alguns equipamentos terão

33
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

dificuldade de realizar as suas operações e a execução dos serviços terá uma


produtividade muito baixa.

Além disso, solos muito úmidos não devem ser empregados na execução de
determinados serviços, como os aterros (veremos isso nas próximas aulas).

Gabarito: Certa

12 - (Técnico Estradas - COPERVE 2009) A distância de transporte não


é um dos principais fatores para a escolha dos equipamentos de
terraplenagem.

Para distâncias muito curtas, até 50 m, deve-se utilizar o trator de esteiras para
deslocar o material.

Além disso, os motoscraipers são viáveis em distâncias médias, de 200 m a 500


m.

Portanto, a distência de transporte influi sim na escolha dos equipamentos de


terraplenagem.

Gabarito: Errada

13 - (DNIT 2006 - FJPF) O scraper rebocado e o scraper automotriz


são considerados unidades:

a) de tração (tratores)

b) escavo-empurradoras

c) escavo-transportadoras
d) escavo-carregadoras

e) aplainadoras

O scraper rebocado e o scraper automotriz são considerados unidades escavo-


transportadoras.

Gabarito: letra C

14 - (DNIT 2006 - FJPF) Das características abaixo, a que se mostra


verdadeira para o trator de esteiras, na maioria das suas aplicações, é:

a) esforço trator limitado pela aderência

b) flutuação regular ou má

c) balanceamento ruim

34
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

d) aderência sofrível

e) flutuação boa

Conforme vimos nas explicações iniciais da aula:

Esforço trator:

Trator de esteiras = esforço trator elevado


Trator de pneus = esforço trator elevado (limitado pela aderência)
Velocidade:

Trator de esteiras = baixa (< 10 Km/h)

Trator de pneus = alta (< 70 Km/h)


Aderência:

Trator de esteiras = boa

Trator de pneus = sofrível

Flutuação:

Trator de esteiras = boa Trator de

pneus = regular a má

Balanceamento:

Trator de esteiras = bom Trator de

pneus = bom

Portanto, a alternativa correta é a letra E.

Gabarito: letra E

2. EQUIPAMENTOS DE PAVIMENTAÇÃO

2.1 USINAS DE SOLOS


Muitas vezes não conseguimos encontrar nas proximidades da obra,
solos que atendam às necessidades das especificações das diversas
camadas do projeto. Para isso, é necessário "melhorar" as características
dos solos escavados, misturando com outros materiais (cimento ou cal,
por exemplo).

Estas misturas podem ocorrer no local dos serviços ("na pista") ou em


usinas de solos. Independente de condições ou exigências técnicas, a

35
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

mistura no local que leva a um produto de qualidade inferior em relação


às misturas usinadas é admitida quando o volume a executar não
justifica o investimento em uma usina.

A usina de solo destina-se a homogeneizar, em planta fixa, a mistura de


dois ou mais solos, de solos e agregados, dos agregados provenientes de
britagem entre si e de solos ou agregados com aglomerantes ou ligantes
betuminosos.

Os materiais resultantes desta mistura serão constituintes das camadas


do pavimento, conforme determinação do projeto geotécnico.

Com a utilização da usina, a uniformidade da mistura é praticamente


perfeita, desde que se mantenha estreita vigilância nas saídas de
materiais dos silos, evitando variações que possam afetar aquela
uniformidade.

36
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

As usinas devem ser instaladas, preferencialmente, próximas aos locais


da escavação dos solos, o que reduz os custos, principalmente os de
transporte, a um mínimo bastante desejável.

As principais peças que compõem a usina - bem como o processo


executivo correspondente, descrevem-se da seguinte maneira:
Silos de solos - São os depósitos destinados a receber os materiais a
serem utilizados na mistura e descarregá-los nas correias
transportadoras, nas proporções estabelecidas no projeto.

Silo de solos
Correias transportadoras - Geralmente, utiliza-se uma única correia
transportadora, que passa sob os portões de saída dos silos de solos,
com inclinação suficiente para despejar os materiais no misturador em
altura conveniente, para que o carregamento dos caminhões se faça por
gravidade.

Depósito de água - Deve fornecer a água necessária para se atingir o teor


ótimo de umidade. Os depósitos são enchidos por caminhões tanques ou
por bombeamento de alguma fonte d'água.

Misturador - Geralmente é constituído por dois eixos dotados de pás, tipo


pig-mill. Os eixos giram em sentido contrário, jogando os materiais
contra as paredes. É conveniente que, inicialmente, seja feita apenas a
mistura com os solos; após a homogeneização dessa mistura "seca",
adiciona-se a água de acordo com a proporção prevista.

37
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

No caso de misturadores do tipo contínuo, a água é adicionada


continuamente, pois o tempo de mistura é limitado pela passagem dos
materiais pelas palhetas do eixo misturador.

A mistura de solos, assim usinada é descarregada em caminhão


basculante e transportada para a pista.

Como foi escrito acima o misturador tipo pug-mill pode ser usado para a
homogeneização do solo com cimento, brita graduada com cimento, solo
com cal até a execução do pré-misturado a frio.

Esquema de uma usina de solo-cimento

Vídeos Complementares:

Usina de solos - Carga e transporte na correia

38
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Clique no link:
http://www.youtube.com/watch?v=d3gHLh2Uh2U&feature=related

Usina de solos - Carregamento dos caminhões Clique no link:

http://www.youtube.com/watch?v= wfewkRGgKQ

2.2. USINAS DE ASFALTO

A obtenção de uma mistura asfáltica envolve a associação de agregado


com ligante asfáltico em proporções pré-determinadas no projeto de
dosagem para produzir uma massa homogênea de acordo com
especificações e critérios adotados.

O concreto betuminoso usinado a quente ou concreto asfáltico, assim


como as demais misturas betuminosas para as quais se exige um
controle de dosagem e homogeneização bastante efetivo, são produzidos
em usinas próprias, cujo desenvolvimento tecnológico vem apresentando
melhorias substanciais, a cada ano que passa.

São dois os tipos básicos de usinas a considerar:

- usinas gravimétricas ou descontínuas; e

- usinas volumétricas ou contínuas.

As primeiras, as gravimétricas, como o nome indica, são de


funcionamento por traços misturados em porções previamente dosadas,
tipo betoneiras, enquanto as usinas volumétricas apresentam
funcionamento contínuo.

39
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Usina asfáltica volumétrica ou contínua

Além desses dois tipos há também as Usinas TSM - Tambor - Secador -


Misturador (Drum-Mixer).

2.2.1 USINAS GRAVIMÉTRICAS E VOLUMÉTRICAS

As usinas de asfalto são constituídas por diversos componentes que


estudaremos a seguir. Este conteúdo acaba sendo muito massante,
portanto a intenção não é que vocês decorem os detalhes de cada um
destes elementos, e sim, que vocês se familiarizem com eles. Ou seja,
que saibam reconhecê-los e para que servem.

40
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

São constituídas de:

SILOS FRIOS

Os silos frios são construídos com chapas metálicas em forma de


tronco de pirâmide invertido e destinam-se a receber os agregados
naturais e artificiais que vão ser utilizados no preparo do concreto
asfáltico.

Na parte inferior destes silos localizam-se os chamados alimentadores


frios, que permitem regular o fluxo do agregado, na quantidade
definida para a mistura.

Silos frios

Os silos frios devem ter depósitos para três tipos de materiais no


mínimo.

Os agregados são descarregados nos silos frios, por meio de pás


carregadeiras ou diretamente dos caminhões basculantes. É
conveniente, por outro lado, que durante a operação, os níveis de
agregados nos silos sejam mantidos, sempre que possível, constantes,
a fim de que as condições de densidade dos agregados no fundo do silo
se mantenham uniforme durante a operação da usina.

A qualidade da mistura e a uniformidade da produção depende


grandemente da alimentação dos silos frios e do isolamento de cada
agregado nos depósitos.

CORREIAS TRANSPORTADORAS

41
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Correias transportadoras de agregados para o secador


ELEVADOR FRIO

A função da correia transportadora é conduzir os agregados


provenientes dos alimentadores, para a base do elevador frio.

É normalmente constituído por transportador de correia ou de caçamba


e tem por finalidade elevar a mistura de agregados transportada pela
correia dos silos frios para o secador.

SECADOR

A função do secador é, através do aquecimento dos agregados até a


temperatura especificada para a mistura, promover a remoção da água
contida neles.

Consiste o secador de um longo cilindro de aço assente sobre roletes,


através de dois anéis metálicos externos.

42
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Secador de agregados com ventilador de


exaustão

Esquema de um secador SISTEMA COLETOR DE PÓ

São instalados sistemas coletores de pó nas usinas, a fim de reduzir os


inconvenientes que resultariam do lançamento do pó na atmosfera,
bem como para possibilitar a recuperação de uma parcela dos finos que
são retirados dos agregados no secador. O sistema coletor é
constituído fundamentalmente por uma tubulação na qual são
instalados, pela ordem, uma ventoinha e um ciclone.

43
Sistema de coletores de pó

ELEVADOR QUENTE

O elevador quente é constituído por caçambas acopladas a correntes


para a elevação da mistura quente dos agregados saídos do secador. É
recoberto por uma estrutura metálica de seção retangular à qual se
conecta com a estrutura da peneira e dos silos. É de todo conveniente,
instalar-se um pirômetro na estrutura do elevador do material quente
para poder-se, melhor e mais rapidamente, regular a chama do
maçarico.

Elevador quente
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

DISPOSITIVO DE PENEIRAMENTO

Os agregados aquecidos, provenientes do secador e transportados pelo


elevador quente, são introduzidos num dispositivo de peneiramento onde
são separados em duas ou mais frações granulométricas. Não é
recomendável a utilização de usinas que não possuam, sequer,
dispositivo de peneiramento, sendo o agregado, aquecido e armazenado
num único silo.

Os dispositivos de peneiramento empregados são do tipo vibratório.

SILOS QUENTES
Os silos quentes, como sugere a própria denominação, são destinados a
receber os agregados aquecidos provenientes do peneiramento, nas
usinas descontínuas, e do secador, nas usinas contínuas. O número de
silos quente que a usina dispõe condiciona o número de frações em que
será dividida a mistura de agregados. Devem ter capacidade total de, no
mínimo, três vezes a capacidade do misturador.
Portas de acesso
Roda dentada

Plataforma superior

Caçambas
elevatórias
Peneiras
Correia

Plataforma de trabalho

Caminho de serviço
inclinado

Indicadores de
silos cheios
Elevador quente
Silos quentes

Módulo de
extensão
dos silos

Esquema da unidade de peneiramento de uma usina gravimétrica


(descontínua)

INTRODUÇÃO DO FÍLER

45
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

O filer é um material muito fino (por exemplo, o cimento) que também


faz parte da composição do concreto betuminoso. O fíler é o único
material componente da mistura asfáltica que não é aquecido. Ele é
estocado em galpões, perto do misturador, e pesado à parte, sendo
transportado por um elevador e descarregado diretamente no
misturador por intermédio de um parafuso sem fim, seja para as usinas
contínuas, seja para as usinas descontínuas.

BALANÇA

Nas usinas descontínuas, o estágio final da dosagem dos agregados é


efetuado sob a forma de pesadas cumulativas em uma balança. Sobre
esta, acham-se localizadas diretamente, como já se viu, as comportas
dos silos quentes.

MISTURADOR - INTRODUÇÃO DO LIGANTE

Os agregados aquecidos e convenientemente proporcionados na balança,


no caso das usinas descontínuas, ou provenientes dos portões dos silos
quentes, no caso das usinas contínuas, são introduzidos no misturador.

O misturador consiste essencialmente de uma caixa térmica de fundo


curvo, com comporta para descarga operada pneumaticamente, com dois
eixos horizontais, paralelos, providos de braços com palhetas reversíveis
e substituíveis e animados de movimento de rotação quando em
operação.

Esquema de tambor secador-misturador de fluxo paralelo em usina


contínua

DEPÓSITOS

Os depósitos do ligante são tanques que deverão ser capazes de aquecê-


lo, sob controle, às temperaturas determinadas nas especificações. O
aquecimento deverá ser feito por meio de serpentina e vapor,

46
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

eletricidade ou outro meio, desde que não haja contato da chama com o
tanque. Até uma fornalha com abóbada de tijolo refratário pode ser
utilizada.

Um sistema de bombas para circulação do ligante no depósito, deve ser


instalado.

Tanques horizontais para armazenamento com aquecimento de ligantes


asfálticos de uma usina gravimétrica.

2.2.2. USINA - TAMBOR SECADOR MISTURADOR - TSM - DRUM MIXER

Neste tipo de usina, a grande alteração, em relação às gravimétricas, é a


eliminação das peneiras, silos quentes, e principalmente do misturador,
já que o tambor do secador também faz a função de misturador.

A mistura de agregados e betume é processada dentro de um tambor


giratório.

Este tipo de usina, que teve sua aplicação iniciada na França na metade
da década de quarenta, só após a crise do petróleo, na década de setenta
ela passou a ter uma grande demanda, principalmente nos Estados
Unidos e na França, diante da racionalização do consumo de combustível
e da necessidade de rejuvenescimento das camadas asfálticas do
pavimento.

Como foi classificada, a TSM é uma usina contínua, consequentemente, a


sua calibração é feita através das alturas das comportas dos silos frios,
como descrito anteriormente.

47
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

As usinas TSM têm hoje grande emprego pelas vantagens que


apresentam, como economia de combustível, de ligante e de finos, maior
homogeneidade da mistura do ligante com os agregados e redução nos
investimentos para proteção do meio ambiente.

Usina asfáltica TSM

Além dos tipos de usinas supra citados, há, também, as usinas do tipo
móveis. As usinas do tipo móvel são montadas sobre um chassi único e
devido à sua funcionalidade podem ser colocadas em operação em
poucas horas.

Usina do tipo móvel

Video Complementar:

Usina de asfalto

48
ECV-152 ESTRADAS E PAVIMENTAÇÃO
PROFª. GLEDSA ALVES VIEIRA
EQUIPAMENTOS: TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO

Clique no link:
http: //www.youtube.com/watch?v=AntNGivJRm0

15 - (Infraero 2011 - FCC) Na pavimentação urbana e rodoviária, um


dos tipos de estruturas de pavimento mais comuns são as de
revestimentos asfálticos.

Novas tecnologias têm sido utilizadas para a obtenção de misturas


asfálticas com desempenho superior à mistura convencional, largamente
conhecida como CBUQ, que significa:

(A) Concreto Betuminoso Qualificado.


(b) Camada Betuminosa Usinada a Quente.
(c) Compactação Betuminosa a Quente.
(d) Concreto Betuminoso Usinado a Quente.
(e) Camada Bem Usinada a Quente.
Pessoal, o CBUQ é o mais nobre dos revestimentos asfálticos.

Pode ser definido como o revestimento flexível resultante da mistura a quente,


em usina apropriada, de agregado mineral graduado, material de enchimento
(filler) e material betuminoso, espalhado e comprimido a quente.

Suas siglas significam Concreto Betuminoso Usinado a Quente.

Gabarito: letra D

Fim da 1a Parte
Pausa para um descanso!!!

49

Похожие интересы