Вы находитесь на странице: 1из 125
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO 2018
SÃO PAULO
2018

COLABORAÇÃO Edison Fernandes

COORDENAÇÃO DO PROJETO Bruno Monteiro

EDIÇÃO Rafael Brandimarti REVISÃO Erika Sá & Gabriel Miranda CAPA Fernando Barreto DIAGRAMAÇÃO Thales Mairesse

DADOS INTERNACIONAIS DE CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO (CIP)

Cutait, Beatriz Sem medo do leão [livro eletrônico]: um guia prático para declarar suas aplicações financeiras no imposto de renda / Beatriz Cutait, Juliana Megid. - São Paulo : Empiricus, 2018. 126 p.

Formato: PDF

ISBN: 978-85-92581-20-6

1. Finanças pessoais 2. Imposto de renda I. Megid, Juliana II. Título.

CDD-332.024

Índices para catálogo sistemático:

1. Finanças pessoais: Economia financeira 332.024

Empiricus, 2018 Todos os direitos reservados

EMPIRICUS RESEARCH

Pátio Victor Malzoni Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.477 – 10° andar Itaim Bibi – São Paulo/SP | CEP 04538-133

www.empiricus.com.br

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO �������������������������������������������������������������������������������������5

CAPÍTULO 1

PRIMEIROS PASSOS ����������������������������������������������������������7

CAPÍTULO 2

RENDA FIXA�������������������������������������������������������������������������� 18

CAPÍTULO 3

TESOURO DIRETO ������������������������������������������������������������26

CAPÍTULO 4

AÇÕES���������������������������������������������������������������������������������������33

CAPÍTULO 5

ALUGUEL DE AÇÕES ������������������������������������������������������45

CAPÍTULO 6

OPÇÕES DE AÇÕES ���������������������������������������������������������50

CAPÍTULO 7

ETFs��������������������������������������������������������������������������������������������56

CAPÍTULO 8

FUNDOS IMOBILIÁRIOS����������������������������������������������� 60

CAPÍTULO 9

FUNDOS DE INVESTIMENTO�������������������������������������73

CAPÍTULO 10

PREVIDÊNCIA��������������������������������������������������������������������� 80

CAPÍTULO 11

MOEDAS DIGITAIS����������������������������������������������������������� 90

CAPÍTULO 12

INVESTIMENTOS NO EXTERIOR ��������������������������� 99

CAPÍTULO 13

GCAP������������������������������������������������������������������������������������������112

GLOSSÁRIO ������������������������������������������������������������������������������������122

INTRODUÇÃO

Imposto, alíquota, Darf, burocracia, “juridiquês”.

Precisamos admitir: não é tarefa fácil encarar um pro- jeto que se disponha a traduzir para investidores pessoas físicas, de forma didática e objetiva, um universo tão com- plicado como o tributário.

A dificuldade para encontrar informações e a falta de clareza de explicações oficiais vêm, há tempos, induzindo contribuintes a cometerem erros e omissões involuntários, ano após ano, em suas declarações de Imposto de Renda.

Nós sentimos o desafio na pele ao longo da construção deste guia. E é por isso que, depois de escrevermos o livro “Você Investidor”, ficamos bastante satisfeitas de concluir esta nova missão. O resultado foi um passo a passo voltado a orientar pequenos investidores a declararem suas aplica- ções financeiras sozinhos, sem a ajuda de terceiros.

SEM MEDO DO LEÃO

INTRODUÇÃO

Encarar o Leão não é fácil, mas é possível.

Agradecemos ao advogado Edison Fernandes, do escri- tório FF Advogados, que nos assessorou ao longo da elabo- ração deste livro, dando embasamento jurídico para todas as orientações transmitidas.

Também aproveitamos para agradecer ao Carlos Ferra- ri, do NFA Advogados, e à Lisa Worcman, do Pinheiro Neto Advogados, que tiveram um papel fundamental nos capí- tulos referentes a fundos imobiliários e moedas digitais, este último um tema bastante popular desde 2017.

Este foi só o começo. Nossa pretensão inicial foi abarcar os principais tipos de investimento sobre os quais tanto fa- lamos aqui na Empiricus. Mas a ideia é destrinchar cada vez mais esse universo ainda tão enigmático para grande parte dos contribuintes brasileiros.

Sem termos técnicos, sem burocracias e com orienta- ções práticas.

Uma ótima declaração a todos!

Beatriz Cutait e Juliana Megid

CAPÍTULO 1

PRIMEIROS

PASSOS

IMPOSTO DE RENDA 2018

PRAZO PARA ENTREGA DA DECLARAÇÃO

De 1º/3 a 30/4

BASES PARA AS INFORMAÇÕES A SEREM PREENCHIDAS

Informes de rendimentos enviados por empresas e instituições financeiras

VALOR LIMITE PARA DEDUÇÃO COM CADA DEPENDENTE

R$ 2�275,08

FORMAS DE ELABORAÇÃO E DECLARAÇÃO DO IRPF

Programa Gerador da Declaração (PGD) e serviço “Meu Imposto de Renda”, disponível para disposi- tivos móveis e via página na internet

MULTA POR ATRASO

1% ao mês calendário ou fração de atraso, calculado sobre o imposto devido, com valor mínimo de R$ 165,74 e máximo de 20% do imposto devido sobre a renda

PRAZO PARA RESTITUIÇÃO

15/6 a 17/12

SITE COM INFORMAÇÕES DO IMPOSTO DE RENDA

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

CAPÍTULO 1

SEM MEDO DO LEÃO

Primeiros Passos

Ano após ano, grande parte dos brasileiros tem a obri- gação de prestar contas de suas receitas e despesas à Re- ceita Federal.

Em 2018, o prazo para a entrega da declaração come- çou no dia 1º de março e se encerra às 23h59min59s de 30 de abril. A expectativa é de que sejam entregues 28,8 milhões de declarações.

Nessa época do ano, contribuintes começam a reunir todo tipo de documento que comprove a origem dos seus recursos, assim como de seus gastos. Empresas tiveram até o dia 28 de fevereiro para entregar aos seus funcionários os comprovantes de rendimentos do ano passado.

Segundo a Receita Federal, a omissão de rendimentos é o principal motivo para os contribuintes caírem na malha fina.

Informes de empresas e gastos médicos e com depen- dentes estão sempre entre as primeiras informações reu- nidas pelos brasileiros na hora de declarar o Imposto de Renda, mas é fundamental prestar atenção em outra pen- dência: a referente às aplicações financeiras.

Para facilitar seu trabalho, é muito importante ter um controle dos seus investimentos e resgates ao longo do ano. Quanto mais organizado você for, mais fácil será o preen- chimento da declaração do Imposto de Renda.

Siga à risca os dados dos informes de rendimentos de seu banco e/ou corretora na hora da declaração.

Nos próximos capítulos, você terá um passo a passo com orientações práticas para facilitar a declaração de

CAPÍTULO 1

SEM MEDO DO LEÃO

Primeiros Passos

diferentes tipos de aplicações à Receita. Aproveite para consultar sua instituição financeira caso tenha dúvidas e acesse o site da Receita para buscar informações adicionais.

Quem é obrigado a declarar?

Todos os que se enquadrarem em alguma das catego- rias a seguir, com base em seus dados de 2017:

Renda

Ter tido rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajus- te na declaração, acima de R$ 28.559,70 em 2017;

Ter recebido rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido maior que R$ 40 mil.

Ganho de capital e operações em bolsa de valores

Ter obtido, em qualquer mês, ganho ao alienar bens ou direitos sujeitos à incidência do imposto, ou ter realizado operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;

Ter optado pela isenção do imposto sobre a renda incidente sobre o ganho de capital auferido na ven- da de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja destinado à aplicação na aquisição de imóveis residenciais localizados no Brasil, no prazo de 180 dias contados da celebração do contrato de venda.

CAPÍTULO 1

SEM MEDO DO LEÃO

Atividade rural

Primeiros Passos

Ter obtido receita bruta na atividade rural em va- lor acima de R$ 142.798,50;

Pretender compensar, no ano calendário de 2017 ou nos períodos posteriores, prejuízos de anos ca- lendários anteriores ou do próprio ano calendário de 2017.

Bens e direitos

Ter, em 31 de dezembro de 2017, posse, proprie- dade de bens ou direitos, incluindo terra nua, de va- lor superior a R$ 300 mil.

Condição de residente no Brasil

Ter passado à condição de residente no Brasil em qualquer mês do ano passado, encontrando-se nes- sa condição em 31 de dezembro de 2017.

Se você se enquadra em qualquer uma dessas catego- rias, não há saída: é preciso prestar contas ao governo.

E quem está dispensado da apresentação da declaração?

Quem não se enquadra em nenhum dos grupos de obrigatoriedade mencionados anteriormente;

Quem constar como dependente em declaração apre-

sentada por outra pessoa física, na qual tenham sido infor- mados seus rendimentos, bens e direitos, caso os possua;

CAPÍTULO 1

SEM MEDO DO LEÃO

Primeiros Passos

• Quem tiver a posse ou a propriedade de bens e di-

reitos, incluindo terra nua, quando os bens comuns forem declarados pelo cônjuge, desde que o valor total dos seus bens privativos não exceda R$ 300 mil em 31 de dezembro de 2017.

E atenção: ainda que não esteja obrigada, qualquer pessoa física pode apresentar a declaração, desde que não tenha constado em outra declaração como dependente. A situação faz sentido para aqueles que tiveram imposto so- bre a renda retido em 2017, com direito à restituição em 2018, após a apresentação de declaração.

Quem pode ser declarado como dependente?

Cônjuge ou companheiro

Companheiro com quem o contribuinte tenha fi- lho ou viva há mais de cinco anos, ou cônjuge.

Filhos e enteados

Filho ou enteado, de até 21 anos de idade, ou, em qualquer idade, quando incapacitado física ou men- talmente para o trabalho;

Filho ou enteado, de até 24 anos, se ainda estiver estudando em estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau.

Irmãos, netos e bisnetos

Irmão, neto ou bisneto, sem arrimo dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, de

CAPÍTULO 1

SEM MEDO DO LEÃO

Primeiros Passos

até 21 anos, ou em qualquer idade, quando incapa- citado física e/ou mentalmente para o trabalho;

Irmão, neto ou bisneto, sem arrimo dos pais, de até 24 anos, se ainda estiver estudando em estabele- cimento de ensino superior ou escola técnica de se- gundo grau, desde que o contribuinte tenha detido sua guarda judicial até os 21 anos.

Pais, avós e bisavós

Na Declaração de Ajuste Anual do País: pais, avós e bisavós que, em 2017, tenham recebido rendimen- tos, tributáveis ou não, de até R$ 22.847,76;

Na Declaração de Saída Definitiva dos Pais: pais, avós e bisavós que, em 2017, receberam rendimen- tos, tributáveis ou não, não superiores à soma do limite de isenção mensal de R$ 1.903,98, correspon- dente aos meses abrangidos pela declaração.

Menor pobre

Menor pobre, de até 21 anos, que o contribuinte crie e eduque, desde que detenha sua guarda judicial.

Tutelados e curatelados

Pessoa absolutamente incapaz da qual o contri- buinte seja tutor ou curador.

Também podem ser consideradas dependentes as pes- soas que, de acordo com as informações anteriormente citadas, mantiveram relação de dependência com o decla- rante, mesmo que por menos de 12 meses no ano calendá- rio de 2017, como nos casos de nascimento e falecimento.

CAPÍTULO 1

SEM MEDO DO LEÃO

Primeiros Passos

O valor da dedução anual é de R$ 2.275,08 por depen-

dente.

É importante ter em mente que, no caso de dependen- tes comuns e declarações em separado, cada titular pode deduzir os valores relativos a qualquer dos dependentes comuns, desde que cada dependente conste em apenas uma declaração.

A Receita exige que se informe o número de inscrição

no CPF de dependentes relacionados na declaração com oito anos ou mais, completados até 31/12/2017.

Os rendimentos, bens e direitos dos dependentes devem ser relacionados na declaração em que constem como dependentes.

Declaração em conjunto

Só são considerados declarantes em conjunto os côn- juges, companheiros ou dependentes cujos rendimentos sujeitos ao ajuste anual estejam sendo oferecidos à tribu- tação na declaração apresentada pelo contribuinte titular. Nesses casos, não é necessário apresentar outra declaração em separado.

Formas de elaboração e declaração do IRPF

Programa de computador: por meio da funcionalida-

de “Entregar Declaração” do Programa Gerador da Decla-

CAPÍTULO 1

SEM MEDO DO LEÃO

Primeiros Passos

• Aplicativo para dispositivo móvel: por meio da uti-

lização do serviço “Meu Imposto de Renda”, no aplicativo Meu Imposto de Renda, acessível via dispositivos móveis, como tablets e smartphones;

Página na internet: mediante acesso ao serviço “Meu

Imposto de Renda”, disponível no Centro Virtual de Aten- dimento (e-CAC) do site da Receita, acessado com o uso de certificado digital. O serviço tem algumas limitações, que podem ser consultadas no site do Fisco.

Para a transmissão da declaração pelo PGD, não é mais necessário instalar o programa de transmissão Receitanet, já que essa funcionalidade agora está integrada ao IRPF 2018.

Prazos

Preste atenção ao prazo de declaração, que se encerra no último dia de abril. A multa por atraso na entrega será de 1% ao mês calendário ou fração de atraso, calculado so- bre o imposto devido, com valor mínimo de R$ 165,74 e máximo de 20% do imposto devido sobre a renda.

Cometeu algum erro ou se esqueceu de colocar alguma informação? Calma, que é possível corrigir.

Você pode apresentar uma declaração retificadora a qualquer momento dentro de um período de cinco anos. A entrega fora do prazo deve ser apresentada pela internet, por meio do PGD IRPF 2018 ou do serviço “Retificação on- line”, ou em mídia removível, nas unidades da Receita, a partir do dia 2 de maio.

CAPÍTULO 1

SEM MEDO DO LEÃO

Pagamento e restituição

Primeiros Passos

Aqueles com direito a restituições poderão ficar felizes

a partir de 15 de junho, quando a Receita começa a efetuar

os pagamentos.

As restituições são realizadas por ordem de entrega, le-

vando em consideração, também, que terão prioridade os

contribuintes com idade igual ou superior a 60 anos, com

prioridade especial aqueles maiores de 80 anos, contri-

buintes portadores de deficiência física ou mental, porta-

dores de moléstias graves e contribuintes cuja maior fonte

de renda seja o magistério.

A restituição será efetuada em sete lotes, entre junho e

dezembro de 2018.

1º lote – 15 de junho;

2º lote – 16 de julho;

3º lote – 15 de agosto;

4º lote – 17 de setembro;

5º lote – 15 de outubro;

6º lote – 16 de novembro;

7º lote – 17 de dezembro.

Aqueles sem razões para comemorar, com contas a pa-

gar ao governo, poderão parcelar o valor devido em até

oito vezes, mensais e sucessivas. Nenhuma cota deve ser

inferior a R$ 50.

O contribuinte poderá acompanhar, no portal do e-CAC,

o processamento da sua declaração.

CAPÍTULO 1

SEM MEDO DO LEÃO

Formas de tributação

Primeiros Passos

No momento da declaração, o programa já indica qual a melhor forma de tributação para seus rendimentos.

A pessoa física pode optar pelo desconto simplificado,

correspondente à dedução de 20% do valor dos rendimen- tos tributáveis, limitado a R$ 16.754,34.

Se a soma total das deduções superar esse valor, o ideal

é aderir à declaração completa, em que é possível deduzir

despesas médicas, com educação (com limite individual de R$ 3.561,50 por ano) e com dependentes (no valor de até R$ 2.275,08 por dependente), dentre outros.

Novidades em 2018

A Receita passou a exigir informações adicionais refe-

rentes a alguns tipos de bens. Foi o caso dos imóveis, em re-

lação aos quais é necessário agora preencher dados como

a data de aquisição, endereço, a área do imóvel e registros de inscrição no órgão público e no Cartório de Imóveis.

Em relação a contas correntes e aplicações financeiras, passou a ser exigido informar o CNPJ da instituição financeira.

Também se tornou obrigatório informar o CPF de de- pendentes e alimentandos com oito anos ou mais, comple- tados até o fim de 2017.

Além disso, a declaração pode ser entregue sem a ne- cessidade de instalação do Receitanet, programa que, con- forme já informado, foi incorporado ao PGD IRPF 2018.

CAPÍTULO 1

SEM MEDO DO LEÃO

Primeiros Passos

E passou a ser possível imprimir o Documento de Ar- recadação de Receitas Federais (Darf) de todas as cotas do imposto a pagar, calculando os valores de juros Selic para o respectivo vencimento.

CAPÍTULO 2

RENDA FIXA

Categoria de investimento mais popular entre os brasi- leiros, a renda fixa deve marcar forte presença nas decla- rações dos investidores em 2018.

Sem sequer contar os fundos de investimento (muitos dos quais também entram na classificação dos produtos mais conservadores), nada menos que 65% das aplicações financeiras de pessoas físicas estavam concentradas em ativos de renda fixa em dezembro de 2017.

DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DO VAREJO

31,16% /ETF Renda Fixa 26,06%
31,16%
/ETF
Renda Fixa
26,06%

0,59%

Poupança

39,20%

COE

0,54%

Fundos de Investimento

Fundos Estruturados

Renda Variável

2,44%

Fonte: Anbima – dezembro de 2017

CAPÍTULO 2

SEM MEDO DO LEÃO

renda fixa

Os dados fazem parte de levantamento da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) e englobam, principalmente, produtos bancários, debêntures e títulos públicos.

Neste capítulo, o foco estará na declaração de produtos de renda fixa no Brasil, com exceção de títulos públicos e fundos de investimento, que terão capítulos exclusivos.

Entram nesta categoria, portanto, investimentos como poupança, Certificados de Depósitos Bancários (CDBs), Le- tras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio (LCIs e LCAs), Certificados de Recebíveis Imobiliários e do Agronegócio (CRIs e CRAs), Recibos de Depósito Bancário (RDBs), debên- tures e Certificados de Operações Estruturadas (COEs).

Na renda fixa, os títulos podem ser isentos (imposto zero) — caso da poupança, das LCIs, LCAs, CRIs, CRAs e debêntu- res de infraestrutura — ou ter retenção exclusiva na fonte.

Portanto, não há necessidade de o contribuinte efetuar qualquer cálculo ou recolhimento específico a título desse imposto. Mas é fundamental informar os investimentos à Receita em qualquer caso.

É importante apresentar a declaração com informações individualizadas, por título e por banco/corretora, para fa- cilitar a identificação dos rendimentos e do imposto retido na fonte.

Antes de demonstrarmos como preencher sua declara- ção, vale relembrar quais tributos recaem sobre as aplica- ções de renda fixa.

CAPÍTULO 2

SEM MEDO DO LEÃO

Imposto de Renda

renda fixa

Os rendimentos de produtos de renda fixa são tributados de acordo com uma alíquota regressiva, que diminui à me- dida que o prazo de permanência no investimento aumenta.

TABELA REGRESSIVA DE RENDA FIXA

RESGATE

ALÍQUOTA

Em até 180 dias

22,5%

De 181 até 360 dias

20%

De 361 dias até 720 dias

17,5%

Acima de 720 dias

15%

IOF

Resgates no curtíssimo prazo (em período inferior a 30 dias) ainda estão sujeitos a cobrança de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre os rendimentos, igual- mente com base em uma tabela de alíquota decrescente.

Nº DE DIAS

ALÍQUOTA

 

1 96%

 

2 93%

 

3 90%

 

4 86%

 

5 83%

Nº DE DIAS

ALÍQUOTA

 

6 80%

 

7 76%

 

8 73%

 

9 70%

 

10 66%

CAPÍTULO 2

SEM MEDO DO LEÃO

Nº DE DIAS

ALÍQUOTA

 

11 63%

 

12 60%

 

13 56%

 

14 53%

 

15 50%

 

16 46%

 

17 43%

 

18 40%

 

19 36%

 

20 33%

Declaração

Nº DE DIAS

ALÍQUOTA

 

21 30%

 

22 26%

 

23 23%

 

24 20%

 

25 16%

 

26 13%

 

27 10%

 

28 6%

 

29 3%

 

30 0%

renda fixa

O processo de declaração de investimentos de renda fixa é simples.

De forma resumida, quem tiver valores investidos em ativos dessa categoria no dia 31/12/2017, deverá informá- -los na ficha “Bens e Direitos”. E se, ao longo de 2017, você recebeu algum tipo de rendimento ou teve ganho de capi- tal resultante do vencimento ou da venda antecipada dos ativos, também deverá declará-los, mas como rendimen- tos. São duas etapas distintas, portanto.

CAPÍTULO 2

SEM MEDO DO LEÃO

renda fixa

Como declarar o saldo do investimento?

Para fins de registro da posição de títulos de renda fixa, você deve recorrer à ficha “Bens e Direitos” e selecionar o código “45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)”, que vale para o registro dos seguintes ativos:

Títulos bancários (com exceção da caderneta), como CDBs, RDBs, LCIs e LCAs;

Títulos emitidos por empresas, como debêntures;

CRIs e CRAs;

COEs.

Na sequência, adicione a localização “105 – Brasil” e o CNPJ da instituição responsável por emitir o ativo. Na li- nha “Discriminação”, informe o tipo e o vencimento do in- vestimento que está sendo declarado, o nome do emissor e o nome, o CNPJ e a conta referentes à intermediadora (banco ou corretora pela qual você investiu). Caso haja um cotitular, informe ainda seu nome e CPF.

Caso haja um cotitular, informe ainda seu nome e CPF. Já os valores aplicados em cadernetas

Já os valores aplicados em cadernetas de poupança de- vem ser incluídos no código “41 – Caderneta de poupança”.

CAPÍTULO 2

SEM MEDO DO LEÃO

renda fixa

Em seguida, você deverá informar o CNPJ do banco e, na descrição, o nome da instituição (caso seja uma conta conjunta, coloque o nome e o CPF do cotitular). A seguir, in- forme o número da agência e conta. No último campo, DV é a sigla para “Dígito Verificador”, isto é, o último número da sua conta corrente.

isto é, o último número da sua conta corrente. Por fim, você deverá preencher os campos

Por fim, você deverá preencher os campos de Situação nos dias 31 de dezembro do ano calendário da declaração (no caso, 2017) e do ano calendário anterior (2016). Essas informações, referentes aos saldos investidos, estarão dis- poníveis no informe de rendimentos enviado por sua ins- tituição financeira.

Caso você tenha importado os dados da declaração anterior, só será necessário inserir as informações relati- vas a 2017.

CAPÍTULO 2

renda fixa

Como declarar os rendimentos?

Toda vez que obtiver rendimento com os títulos por conta do vencimento do mesmo, de resgate antecipado ou de distribuição de juros/cupons, você deverá declarar à Re- ceita os valores líquidos, que também constarão no infor- me de rendimentos.

Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/ Definitiva

Rendimentos com CDBs, debêntures, RDBs e COEs são tributados exclusivamente na fonte. Para esses casos, sele- cione, portanto, a ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva” e, na sequência, “Tipo de Rendimen- to”, o código “6 – Rendimentos de aplicações financeiras”.

Por fim, preencha as linhas seguintes com as informa- ções necessárias, como o nome e o CNPJ da fonte pagadora (no caso, a corretora ou o banco que ofertou o título) e o valor do rendimento líquido.

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 2

SEM MEDO DO LEÃO

renda fixa

Rendimentos Isentos e Não Tributáveis

Os rendimentos de aplicações como caderneta de pou- pança, LCIs, LCAs, CRIs, CRAs e debêntures de infraestru- tura, por sua vez, são isentos de tributação. Por isso, os dados devem ser inseridos na ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”.

Em “Tipo de Rendimento”, selecione o código “12 – Ren- dimentos de cadernetas de poupança, letras hipotecárias, letras de crédito do agronegócio e imobiliário (LCAs e LCIs) e certificados de recebíveis do agronegócio e imobiliários (CRAs e CRIs)”.

e imobiliário (LCAs e LCIs) e certificados de recebíveis do agronegócio e imobiliários (CRAs e CRIs)”.

CAPÍTULO 3

TESOURO

DIRETO

A criação do Tesouro Direto, em 2002, e sua crescente divulgação entre os investidores brasileiros desde então têm proporcionado, ano após ano, um aumento no número de pessoas físicas que compram e vendem os títulos públicos.

Também pudera. Em um país com apelo histórico de renda fixa, nada mais natural do que assistir à populari- zação de um programa que permite aplicações de valores baixos, a partir de R$ 30, e que conta com liquidez diária e negociação 100% digital.

Em dezembro de 2017, havia um total de 1.832.784 investidores cadastrados no Tesouro Direto, dos quais 565.758 eram ativos, ou seja, efetivamente com títulos em carteira.

CAPÍTULO 3

SEM MEDO DO LEÃO

Tesouro direTo

Investidores Cadastrados Investidores Ativos 600�000 1�800�000 1.832.784 550�000 1�600�000 500�000
Investidores Cadastrados
Investidores Ativos
600�000
1�800�000
1.832.784
550�000
1�600�000
500�000
1�400�000
450�000
1�200�000
565.758
400�000
1�000�000
350�000
800�000
300�000
600�000
250�000
400�000
200�000
200�000
150�000
100�000
2T
3T
4T
1T
2T
3T
4T
1T
2T
3T
4T
1T
2T
3T
4T
2014 2015
2016
2017
Investidores Cadastrados
Investidores Ativos

Fonte: Tesouro Direto – dezembro de 2017

Ainda que o número de pessoas cadastradas tenha au- mentado quase 18 vezes em dez anos, muito investidor não tem o menor conhecimento acerca dos tributos que recaem sobre o Tesouro Direto, muito menos sobre como declarar as aplicações e os rendimentos em seu Imposto de Renda.

Então, vamos começar pelo básico.

Tributação dos títulos públicos

Como você deve se lembrar, títulos públicos são ativos de renda fixa voltados principalmente para o financiamen- to da dívida pública federal. Na prática, ao comprar esses papéis, você empresta dinheiro para o governo brasileiro em troca do direito de receber no futuro uma remunera- ção proporcional pelo empréstimo.

CAPÍTULO 3

SEM MEDO DO LEÃO

Tesouro direTo

Dessa forma, o investimento no Tesouro Direto se en- quadra na categoria renda fixa também para fins tributá- rios. Os rendimentos são tributados de acordo com a tabela regressiva de renda fixa, cuja alíquota varia de acordo com o prazo de permanência com o papel.

TABELA REGRESSIVA DE RENDA FIXA

RESGATE

ALÍQUOTA

Em até 180 dias

22,5%

De 181 até 360 dias

20%

De 361 dias até 720 dias

17,5%

Acima de 720 dias

15%

No caso de operações de curtíssimo prazo (inferiores

a 30 dias), os títulos públicos também estão sujeitos à co- brança do IOF, com uma alíquota regressiva que começa em 96% e zera no trigésimo dia.

Declaração

O primeiro ponto importante a ter em mente é que, no Tesouro Direto, o imposto é retido na fonte, ou seja, o investidor não precisa se preocupar com o recolhimento dos tributos.

Mas é fundamental informar à Receita o valor investido ao fim de 2017 e/ou os rendimentos, em caso de venda an- tecipada, de pagamento de juros ou vencimento de títulos.

E lembre-se de separar as informações por agente de cus-

tódia (banco ou corretora).

CAPÍTULO 3

SEM MEDO DO LEÃO

Tesouro direTo

Como declarar o saldo do investimento?

Para fins de registro da sua posição na declaração de Imposto de Renda, os títulos públicos devem ser inseridos no campo “Bens e Direitos”.

Selecione o código “45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)”, a localização “105 – Brasil” e o CNPJ do agente de custódia.

A linha de discriminação deve ser preenchida com informações como o tipo e o vencimento do título, assim como o nome do agente de custódia. Você pode declarar todos os títulos públicos em uma única ficha.

declarar todos os títulos públicos em uma única ficha. Na sequência, você deve preencher os campos

Na sequência, você deve preencher os campos de Situ- ação nos dias 31 de dezembro de 2016 e de 2017 com os valores de aquisição, ou seja, o valor originalmente inves- tido. Se você tiver feito novas compras em 2017, o novo montante deverá se somar ao do ano anterior.

No exemplo a seguir, o campo “Situação em 31/12/2016 (R$)” foi preenchido com valor equivalente a zero, dada a ausência de investimentos no Tesouro Direto naquele ano.

CAPÍTULO 3

SEM MEDO DO LEÃO

Tesouro direTo

CAPÍTULO 3 SEM MEDO DO LEÃO Tesouro direTo Lembre-se de que os saldos constam de seu

Lembre-se de que os saldos constam de seu informe de rendimentos, isto é, não é preciso calculá-los.

Como declarar os rendimentos?

Quando houver venda antecipada do título, pagamento de juros semestrais ou vencimento do papel, você deve in- formar os rendimentos à Receita, no campo “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”, já que os im- postos do Tesouro Direto são retidos na fonte.

Em seguida, selecione o “Tipo de Rendimento” com o código “06 – Rendimento de aplicações financeiras”.

Preencha ainda as abas “Tipo de Beneficiário” (se for um dependente, será necessário informar o respectivo CPF), o nome e o CNPJ da fonte pagadora (instituição finan- ceira pela qual você investe no Tesouro Direto) e o valor do rendimento líquido auferido no ano calendário.

Os valores dos rendimentos também constam de seu in- forme, não é preciso calculá-los.

Mas atenção: se investir em títulos públicos por meio de mais de uma instituição, você deve preencher fichas sepa- radas para declarar os ganhos.

CAPÍTULO 3

SEM MEDO DO LEÃO

Tesouro direTo

CAPÍTULO 3 SEM MEDO DO LEÃO Tesouro direTo Onde encontrar os valores investidos e os rendimentos

Onde encontrar os valores investidos e os rendimentos pagos pelo Tesouro Direto?

Todas as informações necessárias para o preenchimen- to de sua declaração de Imposto de Renda estão disponíveis em seu informe de rendimentos, enviado pelo seu banco ou por sua corretora, assim como no extrato do Tesouro Direto, disponível no Portal do Investidor.

Para acessar o Portal do Investidor, clique aqui e faça seu login utilizando seu CPF e a senha cadastrada. Em se- guida, clique na aba “Consultar” e depois em “Extrato Con- solidado”. Você deve considerar sua posição do último mês do ano calendário — neste caso, dezembro de 2017.

CAPÍTULO 3

SEM MEDO DO LEÃO

Tesouro direTo

CAPÍTULO 3 SEM MEDO DO LEÃO Tesouro direTo Pelo extrato, você tem acesso à sua posição

Pelo extrato, você tem acesso à sua posição consolida- da no período selecionado por tipo de título. Se você tiver comprado o mesmo papel em momentos diferentes, pode consultar as informações referentes a cada um deles cli- cando na lupa da coluna “Extrato analítico”.

Vale lembrar que o valor total investido é o que deve constar do campo “Bens e Direitos”.

CAPÍTULO 4

AÇÕES

Com mais de 600 mil contas de investidores pesso- as físicas, a Bolsa segue em seu trabalho de populariza- ção no Brasil em meio a uma participação ainda restri- ta, mesmo que em maior evidência no atual cenário de juros baixos.

Muitos podem pensar que a atuação no mercado de renda variável é essencialmente calcada em operações de compra e venda de ações e no embolso de dividendos periódicos. Mas é preciso ir além.

Mais do que isso, é fundamental tratar de um dos prin- cipais tabus para os investidores ainda em 2018: a tribu- tação e a declaração das aplicações no Imposto de Renda.

Cabe a todo contribuinte reportar ao Fisco todas as ope- rações com ações feitas ao longo de um ano calendário, assim como os saldos dos investimentos, mesmo que eles tenham permanecido um ano inteiro sem alterações.

CAPÍTULO 4

SEM MEDO DO LEÃO

ações

E é responsabilidade do investidor, e não da empresa

ou de seu banco ou corretora, o recolhimento de impostos devidos sempre que necessário.

Para ajudar você nessa tarefa, este capítulo tem como propósito abordar o processo de declaração de suas ações e dos ganhos com elas em 2017.

Tributação de ações

e dos ganhos com elas em 2017. Tributação de ações Ganho de capital O rendimento referente

Ganho de capital

O rendimento referente a ganhos de capital, isto é, quando há lucro em uma operação de compra e venda nos mercados à vista, a termo, de opções ou futuros, é sempre tributado em 15%. Mas há um benefício a ser lembrado pelo investidor: toda venda de ações (repare que é valor de venda, não de lucro) de até R$ 20 mil ao mês está isenta de cobrança de Imposto de Renda.

A exceção fica com as vendas de cotas de fundos imo-

biliários (tema sobre o qual falaremos no capítulo 8) e de

ações na modalidade day trade (quando um investimento em um determinado ativo é iniciado e encerrado no mes- mo dia), cujos rendimentos são tributados em 20% e não estão abrangidos pela isenção de IR nas vendas mensais de até R$ 20 mil.

ATENÇÃO: na renda variável, a responsabilidade de recolhimento do IR é do investidor. Os impostos podem ser calculados por meio do Programa de Apuração dos

CAPÍTULO 4

SEM MEDO DO LEÃO

ações

Ganhos de Capital (GCAP) * ou com ajuda de outras fer- ramentas, conforme desejar. O pagamento do imposto se dá via Darf, sempre até o último dia útil do mês seguinte

à operação.

Há apenas uma pequena parte do tributo que é retida diretamente na fonte — o chamado “dedo-duro”, que serve

para alertar a Receita de que está ocorrendo uma operação

a ser tributada. A alíquota desse imposto é de 0,005% sobre

os rendimentos em operações comuns e de 1% em day trade. Ao recolher os impostos, o investidor pode descontar o valor já retido na fonte, desde que ele seja maior do que R$ 1.

Além disso, lembre-se de que perdas e ganhos realiza- dos nos mercados à vista, a termo, futuro e de opções são livremente compensáveis entre si. Ou seja, se em um deter- minado mês você tiver prejuízo, pode compensá-lo com o ganho apurado nos meses subsequentes, com a possibilida- de de pagar, portanto, menos imposto. A compensação ain- da se estende para anos posteriores. Já perdas realizadas em operações do tipo day trade só podem ser compensadas com ganhos realizados em operações da mesma espécie, isto é, novamente em day trade.

da mesma espécie, isto é, novamente em day trade. Cálculo do Imposto Na apuração do lucro

Cálculo do Imposto

Na apuração do lucro líquido, você deve descontar to- dos os custos operacionais (como as taxas de custódia, de corretagem e emolumentos) e também o “dedo-duro”, que é a parte do imposto que já foi cobrada na fonte na venda do ativo.

*Ver capítulo 13.

CAPÍTULO 4

SEM MEDO DO LEÃO

ações

Para que fique bem claro, suponha que um investidor tenha comprado algumas ações da empresa ABC pelo valor total de R$ 150 mil e que, após algum tempo, as tenha ven- dido por R$ 200 mil. Imagine que os custos operacionais te- nham sido equivalentes a R$ 100 e o “dedo-duro”, a R$ 2,49.

Para calcular o imposto a ser pago, é necessário apurar o lucro líquido dessa venda.

LUCRO LÍQUIDO

=

(PREÇO DE VENDA – PREÇO DE AQUISIÇÃO)

DESPESAS
DESPESAS

LUCRO LÍQUIDO

=

R$ 200 MIL – R$ 150 MIL

R$ 100
R$ 100

LUCRO LÍQUIDO

=

R$ 49.900

O imposto a pagar seria de:

VALOR A PAGAR

=

VALOR A PAGAR

=

VALOR A PAGAR

=

LUCRO LÍQUIDO

R$ 49.900

x

x

ALÍQUOTA DO

IMPOSTO DE RENDA

15%

R$ 7.485

Como o “dedo-duro”, já retido na fonte, foi de R$ 2,49 (portanto, maior do que R$ 1), você poderá abatê-lo do Im- posto de Renda.

O valor total a ser pago será, desta forma, R$ 7.482,51.

CAPÍTULO 4

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 4 SEM MEDO DO LEÃO Proventos ações Além de ganhar com a compra e a

Proventos

ações

Além de ganhar com a compra e a venda de ações, o investidor pode ter lucro por meio do recebimento de proventos, que podem ser distribuídos de duas formas, não excludentes:

1) Por meio de dividendos, que são isentos de cobrança de Imposto de Renda para pessoas físicas; e/ou 2) Por meio de Juros sobre Capital Próprio (JCP), tribu- tados em 15%, e com imposto retido na fonte.

Em ambos os casos, o investidor não precisa se preo- cupar com o cálculo do imposto, mas, ainda assim, deve informar seus ganhos à Receita.

Declaração

Se você encerrou 2017 com alguma posição em ações ou se teve algum rendimento a partir da venda ou do re- cebimento de proventos (ainda que isentos), deverá infor- mar todos os dados à Receita.

Como declarar o saldo do investimento?

O primeiro passo deve ser informar o saldo detido em ações pelo valor de aquisição, ou seja, o valor pago na data de compra.

Para isso, selecione a ficha “Bens e Diretos” e inclua um novo item. Insira o código “31 – Ações (inclusive as pro- venientes de linha telefônica)”, a localização e o CNPJ da

CAPÍTULO 4

ações

empresa que emitiu o ativo. Complete a descrição com informações como o nome da companhia, o tipo da ação (se ordinária, preferencial ou unit, entre outros), a quan- tidade de ações detidas e a corretora pela qual a operação foi realizada.

Nos campos “Situação em 31/12/2016 (R$)” e “Situação em 31/12/2017 (R$)”, informe o valor aplicado no ativo em cada uma das datas, pelo valor de aquisição. O saldo re- presenta a quantidade de ações detidas multiplicado pelo valor pago por elas. Portanto, se você não adquiriu nem vendeu ações ao longo de 2017, o valor deverá se repetir.

Todos esses dados deverão estar presentes em seu in- forme de rendimentos, enviado pela instituição financeira e/ou empresa emissora do ativo. Se não encontrar todas as informações necessárias, vale entrar em contato com o departamento de relações com investidores da empresa e conferir seu extrato na B3, por meio do Canal Eletrônico do Investidor (CEI).

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 4

ações

Vale ressaltar que ações compradas em ofertas públicas iniciais de ações (IPOs) também devem ser informadas. Os dados deverão estar presentes no seu informe de rendi- mentos ou no boletim enviado pela companhia.

Nossa orientação é que os investidores preencham uma ficha para cada tipo de ação (ON, PN ou unit) e cada empre- sa, com todos os dados separados.

Como declarar os rendimentos (ganhos de capital)?

Os ganhos de capital podem ser tributados de duas maneiras:

1) Quando as vendas superarem R$ 20 mil em um mês

Nesse caso, os lucros serão tributados em 15%.

Insira as informações uma a uma, na ficha “Operações Comuns/Day-Trade”, dentro da aba “Renda Variável”. Em seguida, indique o lucro ou prejuízo nos meses em que houve venda de ações, na linha “Mercado à vista – ações”.

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 4

SEM MEDO DO LEÃO

ações

2) Quando as vendas forem inferiores a R$ 20 mil no mês

Se o valor alienado em ações for inferior a R$ 20 mil no mês, você estará livre de pagar imposto. Por isso, deve declarar os rendimentos na aba “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”.

Em "Tipo de Rendimento", selecione o código “20 – Ga- nhos líquidos em operações no mercado à vista de ações negociadas em bolsas de valores nas alienações realizadas até R$ 20.000,00 em cada mês, para o conjunto de ações”. Em seguida, selecione o tipo de beneficiário e o valor do ganho líquido.

o tipo de beneficiário e o valor do ganho líquido. Lembre-se de que as operações day

Lembre-se de que as operações day trade não estão abrangidas pela isenção para a faixa de até R$ 20 mil.

ATENÇÃO: para apurar o rendimento obtido com a venda de determinada quantidade de ações adquiridas em diferentes datas e com preços de compra distintos, calcu- le o custo médio de aquisição. Esse preço médio pode ser obtido a partir dos custos de aquisição, ponderados pelas quantidades compradas.

Por exemplo, se um investidor comprou, em um primei- ro momento, 100 ações por R$ 10 cada e, em uma segunda

CAPÍTULO 4

ações

etapa, outros 200 papéis desse mesmo ativo, pelo valor de

R$ 12 cada, o custo médio de aquisição seria igual a:

(R$ 10,00 x 100) + (R$ 12,00 x 2,00)

(100 + 200)

R$ 3.400

=

300

=

R$ 11,33 por ação

Portanto, se o investidor se desfizesse de parte dessas

ações, o preço médio de aquisição seria de R$ 11,33 cada.

Como declarar os rendimentos (proventos distribuídos por ações)?

• Dividendos

Os dividendos são isentos de cobrança de Imposto de

Renda para os investidores pessoas físicas. Dessa forma,

para declará-los, selecione a ficha “Rendimentos Isentos

e Não Tributáveis” e insira o código “09 – Lucros e divi-

dendos recebidos”.

Na sequência, complete os campos com o tipo de bene- ficiário, o CNPJ e o nome da fonte pagadora (a empresa que emitiu a ação) e o valor do rendimento.

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 4

SEM MEDO DO LEÃO

ações

• Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Os Juros sobre Capital Próprio (JCP), por sua vez, são tributados a uma alíquota de 15%, retida na fonte. Para de- clará-los, selecione a ficha “Rendimentos Sujeitos à Tribu- tação Exclusiva/Definitiva” e escolha o código “10 – Juros sobre Capital Próprio”.

Em seguida, complete os campos com o tipo de beneficiá- rio, o CNPJ e o nome da fonte pagadora (a empresa que emi- tiu a ação) e o valor do rendimento, já descontado o Imposto de Renda, conforme o próprio informe de rendimentos.

Casos particulares

Fusões, conversões de ações e bonificações dadas por empresas são alguns dos eventos que podem ser anuncia- dos por uma companhia e que afetam a declaração dos seus impostos.

Confira a seguir o passo a passo para cada situação, lembrando que, de forma geral, toda apuração de ganho de capital com ações deve ser feita com base no seu custo médio de aquisição.

deve ser feita com base no seu custo médio de aquisição. Conversão Dois casos que chamaram

Conversão

Dois casos que chamaram atenção no ano de 2017 fo- ram os de conversões de ações das companhias Vale e Sanepar. No episódio da Vale, os acionistas preferenciais “classe A” receberam o direito de migrar para os papéis ordinários, enquanto, na Sanepar, os investidores tiveram a opção de migrar de ações ordinárias/preferenciais para

CAPÍTULO 4

SEM MEDO DO LEÃO

ações

units, compostas por uma ação ordinária (SAPR3) e quatro preferenciais (SAPR4).

Para fins de declaração, considerando que não houve impacto no valor de aquisição de cada ação, o advogado Roberto Justo, sócio do Choaib, Paiva e Justo Advogados As- sociados, explicou à Empiricus, na época, que a descrição do ativo deveria ser alterada na DIRPF feita em 2018, para refletir a nova quantidade detida por investidor.

No caso de Sanepar, Justo pontuou: “Se determinado investidor tivesse, até 31/12/2016, dez ações ordinárias da companhia adquiridas a um preço X, e 40 papéis preferen- ciais adquiridos a um preço Y, ele deveria zerar o valor desses bens em 31/12/2017, adicionando à sua descrição a conversão em units. Cabe ainda incluir uma nova linha na ficha “Bens e Direitos” para a nova quantidade detida de units, cujo valor de aquisição será dado pela adição dos valores X e Y”.

aquisição será dado pela adição dos valores X e Y”. Desdobramento Outra particularidade que merece destaque

Desdobramento

Outra particularidade que merece destaque é a de des- dobramento de ações. Um exemplo prático: em setembro de 2017, o Magazine Luiza aprovou o desdobramento das ações na proporção de 1 para 8. Os papéis, que antes cus- tavam R$ 621,79, passaram a ser negociados pelo preço de R$ 77,72 (621,79 ÷ 8). Em consequência, o número de ações em negociação aumentou oito vezes.

Para fins de declaração no Imposto de Renda, o investi- dor deve considerar o mesmo valor total de aquisição das ações, alterando somente a quantidade de ações detidas.

CAPÍTULO 4

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 4 SEM MEDO DO LEÃO Fusão ações O custo de aquisição também não é alterado

Fusão

ações

O custo de aquisição também não é alterado em episó-

dios de fusão. Se você fez um investimento de R$ 1 milhão na empresa A e ela se fundiu com a empresa B, você passa a ser acionista da empresa B, mas o seu custo de aquisição não muda, continua a ser R$ 1 milhão.

  Subscrição e bonificação 

Por fim, acionistas que receberem direitos de subscri- ção e/ou bonificação de uma empresa devem apenas atua- lizar o saldo detido na ficha “Bens e Direitos”, acrescentan- do eventualmente o valor referente à operação.

No caso dos direitos de subscrição, o titular que optar por sua venda deverá declarar o ganho de capital como rendimento. O lucro apurado, nesse caso, equivale ao valor de venda do direito de subscrição, já que o custo de aquisi- ção foi igual a zero.

O advogado Edison Fernandes, do FF Advogados, enten-

de que as transações com direito de subscrição não estão abrangidas pela isenção do IR, para vendas mensais de até R$ 20 mil. Assim, os direitos devem ser tributados em 15%, com o recolhimento feito pelo contribuinte.

CAPÍTULO 5

ALUGUEL DE AÇÕES

Alugar ações é uma alternativa que pode ser vantajosa, tanto para quem tem uma ação e não pretende movimen- tá-la no curto prazo quanto para um investidor interessa- do em ganhar com uma arbitragem com o papel.

Uma das estratégias que envolve o uso do aluguel de uma ação é intitulada Long & Short. Ela consiste em uma operação casada, na qual o investidor busca retornos pela diferença de performances entre duas ações. Ele espera que a ponta comprada (chamada de long) tenha oscilações em seus preços mais favoráveis do que a ponta vendida (chamada de short).

Na prática, a estratégia se baseia na compra de uma ação cuja expectativa é de valorização para posterior ven- da, e na venda de outro papel, cuja expectativa seja de que- da. Para implementar a segunda parte, aluga-se a ação de um chamado “doador”, vende-se e recompra-se a mesma

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 5 aluguel de ações

posteriormente, por um preço mais baixo, para a devolu- ção ao verdadeiro dono do papel.

Há, portanto, três cenários possíveis para se obter lucro com a operação:

1º) A posição long se valorizar e a short se desvalorizar;

2º) As duas ações se valorizarem, mas a posição long se valorizar mais;

3º) As duas ações se desvalorizarem, mas a posição long se desvalorizar menos.

Para implementar a ponta vendida da estratégia, é pre- ciso que o “tomador” (investidor que pretende pegar em- prestadas as ações para vendê-las) alugue os papéis de um doador. Para isso, será paga uma taxa de aluguel, anual, pro rata ao período do contrato e acertada no início.

Para fins de declaração do Imposto de Renda, há mui- tas dúvidas sobre como informar as operações à Receita Federal. Edison Fernandes ressalta que não há um posicio- namento definitivo do Fisco quanto às operações do tipo Long & Short. Na visão dele, por se tratarem de estratégias de investimento, e não de um “papel” em si, as transações devem ser informadas de maneira segregada — uma ope- ração de venda descoberta e outra de compra de determi- nada ação —, com tributações distintas.

Sendo assim, a isenção tributária para o valor de até R$ 20 mil ao mês aplica-se somente para as vendas.

SEM MEDO DO LEÃO

SEM MEDO DO LEÃO Venda a descoberto (ponta short) CAPÍTULO 5 aluguel de ações Para realizar

Venda a descoberto (ponta short)

CAPÍTULO 5 aluguel de ações

Para realizar uma venda a descoberto, o investidor alu- ga determinada ação, a vende e a recompra por um preço mais baixo, para a devolução ao verdadeiro dono do papel, embolsando a diferença de preço.

Para fins de declaração, a apuração do lucro líquido é bem parecida com a de uma operação em renda variável, com a particularidade de o investidor também contar com a possibilidade de descontar o valor gasto com o aluguel do papel para calcular o imposto a pagar.

LUCRO

LÍQUIDO

=

VALOR

DE VENDA

VALOR

DE AQUISIÇÃO

CUSTOS

OPERACIONAIS

(incluindo a taxa do aluguel)

A alíquota que recai sobre o lucro apurado é de 15%

para operações comuns e de 20% em casos de day trade, com o recolhimento via Darf até o último dia útil do mês seguinte à operação.

A declaração no Imposto de Renda pelo tomador deve

ser realizada da seguinte maneira:

Dívidas e Ônus Reais

Em 31/12/2017, caso o tomador ainda tenha posições em aberto com aluguéis de ações, a dívida contraída em função do empréstimo de ações deverá ser declarada na ficha “Dívidas e Ônus Reais”.

CAPÍTULO 5 aluguel de ações

CAPÍTULO 5 aluguel de ações Em seguida, o tomador deve selecionar o código “16 – Outras

Em seguida, o tomador deve selecionar o código “16 – Outras dívidas e ônus reais” e discriminar o ativo, com um detalhamento das ações emprestadas (nome e tipo do papel) e as quantidades alugadas, assim como as taxas de compra, o nome e o CNPJ da instituição na qual a operação foi realizada.

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 5 aluguel de ações

Nos campos referentes às situações em 31/12/2016 e 31/12/2017, indique os valores pagos pelo aluguel das ações em cada uma das datas e, em “Valor Pago em 2017 (R$)”, informe o montante já quitado ao longo do ano passado.

Repita o procedimento para cada ação alugada.

Como declarar os rendimentos?

Tanto o titular de uma ação emprestada quanto o to- mador devem declarar os rendimentos obtidos a partir da operação.

No caso do tomador, os ganhos deverão ser declarados da mesma forma como os de venda de ações, com o be- nefício de ser possível abater o custo com o aluguel para cálculo do imposto a pagar.

Já no caso do titular, os rendimentos gerados pelo alu- guel de seus papéis serão tributados na fonte, sob uma alí- quota progressiva. O investidor não precisa, portanto, se preocupar com o recolhimento do tributo, mas é obrigado a reportar os ganhos ao Fisco, na ficha “Rendimentos sujei- tos à tributação Exclusiva/Definitiva”.

Em “Tipos de Rendimento”, utilize o código “06 – Rendi- mentos de aplicações financeiras” e informe o CNPJ e o nome da corretora, seguidos do valor recebido como rendimento.

CAPÍTULO 6

OPÇÕES DE AÇÕES

Para fins tributários, as opções de ações devem ser vis- tas como uma só operação, com três etapas:

1ª) Compra ou venda da opção e pagamento ou recebi- mento do prêmio; 2ª) Exercício (ou não) da opção; 3ª) Finalização da operação, com eventual compra ou venda da ação.

Suponha que um investidor seja o titular (comprador) de uma opção de compra (call) de uma ação X.

Na primeira etapa, o investidor adquire a opção, pagan- do um prêmio para o seu lançador. Nesse momento, a op- ção já se torna um “Bem ou Direito” do titular.

Depois, suponha que o preço da ação X suba e, portan- to, o investidor opte por exercer o seu direito de compra por um preço menor que o valor de mercado.

CAPÍTULO 6 oPções de ações

Na terceira etapa, o investidor vende as ações adquiri- das originalmente por meio da call, obtendo um ganho de capital, isto é, um rendimento.

Como declarar o saldo do investimento?

As opções que estavam em carteira no dia 31/12/2017 — independentemente da posição do investidor, se titular ou lançador — devem ser declaradas no Imposto de Renda.

O saldo deve ser inserido na aba “Bens e Direitos”, sob o código “47 – Mercados futuros, de opções e a termo”. O contribuinte deve informar ainda a localização e discrimi- nar o ativo.

O advogado Edison Fernandes ressalta que, quanto mais informações você colocar com relação à opção, me- lhor. Vale mencionar se você a comprou ou a vendeu, se foi de compra (call) ou de venda (put), o preço de aquisição ou venda (prêmio), o strike, o ativo-objeto (ação), a quanti- dade de opções negociadas e o nome e o CNPJ da corretora pela qual a operação foi realizada.

O exemplo a seguir ilustra a declaração de um titular de uma opção de compra de ações.

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 6 oPções de ações

Nos campos “Situação em 31/12/2016 (R$)” e “Situação em 31/12/2017 (R$)”, o investidor (tanto o titular quanto o lançador) deve sempre inserir o valor correspondente ao prêmio da opção multiplicado pela quantidade de opções compradas ou vendidas.

Suponha que o investidor do exemplo anterior tenha vendido 200 opções de compra (calls) por R$ 0,50 cada. Se tanto o titular quanto o lançador estivessem com as opções “em aberto” no dia 31/12/2017, ambos deveriam declarar as mesmas posições em “Bens e Direitos”, só alterando a descrição no campo “Discriminação”. Nesse caso, a “Situ- ação” em 31/12/2017 seria igual a R$ 100 (200 x R$ 0,50).

Como declarar os rendimentos?

Rendimentos ou prejuízos só serão declarados quando a operação for finalizada.

só serão declarados quando a operação for finalizada. Cálculo do imposto Por via de regra, se

Cálculo do imposto

Por via de regra, se houver ganho líquido com a compra ou venda de opções de ações, os rendimentos serão tributa- dos em 15%. É possível, ainda, compensar livremente pre- juízos com os ganhos nos meses subsequentes.

Antes de realizar o cálculo do Imposto de Renda, é ne- cessário apurar o lucro líquido, que pode ser resultado de três tipos de operações:

Negociação de opção;

Exercício de opção;

Não exercício de opção.

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 6 oPções de ações

Em todos os casos, você pode descontar os custos opera- cionais envolvidos, como taxa de custódia, de corretagem e emolumentos, e o dedo-duro, imposto retido na fonte.

• Negociação de opção

Quando o investidor se desfaz de uma opção, sem exer- cê-la ou sem mantê-la até o vencimento, o ganho ou o pre- juízo líquido é apurado da mesma forma que em ações:

LUCRO

LÍQUIDO

=

VALOR

DE VENDA

• Exercício de opção

VALOR

DE AQUISIÇÃO

CUSTOS

OPERACIONAIS

Já quando um investidor pessoa física exerce a opção, a base de cálculo varia se for uma call ou uma put. Além dis- so, existem sempre duas partes que podem apurar ganhos líquidos: quem compra a opção, tendo o direito de com- prar/vender o ativo subjacente (titular); e quem a vende, assumindo a obrigação de vender/comprar o ativo subja- cente (lançador).

A tributação é feita da seguinte maneira, segundo o ad- vogado Ricardo Lacaz Martins, do escritório Lacaz Martins, Pereira Neto, Gurevich & Schoueri Advogados:

Call/titular: quem exerce uma opção de compra deve tributar a diferença positiva entre o valor da venda à vista do ativo na data do exercício da opção e o preço de exercício da opção, acrescido do valor do prêmio;

Put/titular: quem exerce uma opção de venda deve tributar a diferença positiva entre o preço de

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 6 oPções de ações

exercício da opção e o valor da compra à vista do ativo, acrescido do valor do prêmio;

Call/lançador: quem assume a obrigação de com- pra deve tributar a diferença positiva entre o preço de exercício da opção, acrescido do valor do prêmio, e o custo de aquisição do ativo-objeto do exercício da opção;

Put/lançador: quem assume a obrigação de venda deve tributar a diferença positiva entre o preço da venda à vista do ativo na data do exercício da opção, acrescido do valor do prêmio, e o preço de exercício da opção.

• Não exercício da opção (“virar pó”)

Se você comprar uma opção e não a exercer na data do vencimento, considera-se que foi tida uma perda em renda variável e, portanto, é possível usá-la para se compensar os ganhos futuros em opções.

Já o lançador deve declarar o valor do prêmio como rendimento, tributado sob a alíquota de 15%.

Declaração

Para calcular o imposto a pagar a cada operação encer- rada, o contribuinte pode utilizar o programa GCAP, esco- lhendo como espécie de participação a opção “Outras”. Na sequência, o investidor pode dispor dos valores a pagar calculados pelo GCAP para preencher o Darf e realizar o pagamento do tributo sempre até o último dia útil do mês seguinte à venda.

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 6 oPções de ações

Insira os lucros ou prejuízos consolidados a partir de opções de ações, mês a mês, na DIRPF. Para tanto, clique na aba “Renda Variável” e, em seguida, em “Operações Co- muns/Day Trade”. Na sequência, indique o lucro ou o pre- juízo nos meses em que houve venda de opções de ações, no box “Mercado Opções”, na coluna “Operações Comuns” da linha “Mercado opções – ações”.

Comuns” da linha “Mercado opções – ações”. Em ambos os casos, os rendimentos serão apresenta -

Em ambos os casos, os rendimentos serão apresenta- dos automaticamente na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”, na aba “Totais”, linha “5. Ganhos líquidos em renda variável (bolsa de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhados e fundos de inves- timento imobiliário)”.

Lembre-se de que a venda de ações realizada dentro do exercício de opções não é beneficiada pela isenção tributá- ria aplicada sobre vendas de até R$ 20 mil ao mês.

CAPÍTULO 7

ETFs

Sigla em inglês para “Exchange Traded Funds”, ETFs são ativos de renda variável que atuam como fundos de investimento passivos, com o objetivo de replicar o com- portamento de determinado índice de mercado, como o Ibovespa.

O produto pode ser comprado e vendido em bolsa por qualquer investidor e é uma das alternativas buscadas principalmente (mas não apenas) por aqueles que estão ingressando no mercado acionário.

Como suas cotas são negociadas no mercado exatamen- te como as ações, a forma de tributação é bastante seme- lhante à destas.

Os ganhos de capital gerados pela venda de ETFs são tributados em 15%, e a responsabilidade pelo recolhimen- to do imposto é do investidor. Os fundos de índices ain-

CAPÍTULO 7

SEM MEDO DO LEÃO

eTfs

da estão sujeitos aos mesmos encargos que incidem sobre operações em bolsa: taxas de corretagem e de custódia da corretora, além dos emolumentos, também com a incidên- cia do “dedo-duro”.

Há, contudo, uma diferença importante: ETFs não con- tam com isenção de IR no caso de vendas no valor de até R$ 20 mil por mês.

Como declarar o saldo do investimento?

Na declaração do Imposto de Renda, você deve des- crever seu investimento em ETFs na aba “Bens e Direi- tos”, sob o código “74 – Fundo de ações, fundos mútuos de privatização, fundos de investimento de índice de merca- do”. Em seguida, selecione a localização e o CNPJ da ad- ministradora.

No campo “Discriminação”, informe o nome do ETF (por exemplo, iShares Ibovespa – BOVA11), o número de cotas detidas e a corretora pela qual você realizou as operações.

Finalmente, em “Situação em 31/12/2016 (R$)” e “Situ- ação em 31/12/2017 (R$)”, informe o saldo do seu investi- mento pelo valor de aquisição, em cada uma das respecti- vas datas. As informações devem estar disponíveis em seu informe de rendimentos, enviado por sua corretora.

CAPÍTULO 7

SEM MEDO DO LEÃO

eTfs

CAPÍTULO 7 SEM MEDO DO LEÃO eTfs Repita o processo separadamente para cada tipo de ETF

Repita o processo separadamente para cada tipo de ETF detido.

Como declarar os rendimentos?

Para calcular o imposto a pagar a cada operação encer- rada, o contribuinte pode utilizar o programa GCAP, esco- lhendo como espécie de participação a opção “Quotas”. Em seguida, o investidor pode utilizar os valores calculados pelo GCAP para emitir o Darf e realizar o pagamento do tributo sempre até o último dia útil do mês seguinte a ope- ração.

Em seguida, insira os dados referentes a ETFs, um a um, na DIRPF. Para tanto, clique em “Operações Comuns/Day Trade”, na aba “Renda Variável”, e indique o lucro ou o prejuízo nos meses em que houve venda de ETFs na linha “Mercado à vista – ações”.

Em ambos os casos, a linha “Ganhos de capital na alienação de bens e/ou direitos”, da ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”, será preenchi- da automaticamente.

CAPÍTULO 7

SEM MEDO DO LEÃO

eTfs

CAPÍTULO 7 SEM MEDO DO LEÃO eTfs Lembre-se de que perdas e ganhos com ETFs podem

Lembre-se de que perdas e ganhos com ETFs podem ser compensados com operações do mesmo tipo e também com operações de ações.

Vale ainda ressaltar que ETFs não distribuem proven- tos, como ocorre com as ações. Dessa forma, o contribuinte só precisa declarar o saldo detido e os rendimentos com ganho de capital na venda dos ativos.

CAPÍTULO 8

FUNDOS

IMOBILIÁRIOS

Os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) são ativos de renda variável que podem, assim como as ações, ser negociados em ambiente de bolsa de valores. Por isso, são muitas as similaridades no que diz respeito à tributação e à declaração no Imposto de Renda.

Os FIIs são fundos necessariamente fechados, ou seja, não é permitido o resgate de cotas como nos fundos abertos. Eles podem ser restritos a um grupo determinado de investidores ou ter suas cotas negociadas em mercados regulamentados (bolsa e mercado de balcão organizado), disponíveis a qualquer investidor. Este capítulo se des- tina à declaração dos FIIs com cotas negociadas em mer- cados regulamentados.

Da mesma maneira que as empresas pagam dividendos aos seus acionistas, os FIIs são obrigados a distribuir pelo menos 95% dos lucros auferidos, apurados segundo

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

o regime de caixa, com base em balanço ou balancete semestral, encerrado em 30 de junho e 31 de dezembro de cada ano.

Na prática, esse regime contábil reconhece as receitas e despesas apenas quando elas efetivamente entram no cai- xa da empresa. Logo, os rendimentos só são distribuídos pelos fundos imobiliários quando os aluguéis, por exem- plo, são efetivamente pagos.

A grande atratividade dos FIIs reside justamente na isenção tributária sobre os rendimentos distribuídos para investidores pessoas físicas (residentes ou não residentes), desde que sejam atendidas três condições:

As cotas do FII em questão devem ser negociadas ex-

clusivamente na Bolsa de Valores ou no mercado de balcão organizado * ;

O FII deve ter, no mínimo, 50 cotistas (entre pessoas físicas, jurídicas e/ou institucionais);

• O cotista em questão deve deter menos de 10% do to-

tal de cotas do FII ou receber rendimento inferior a 10% dos rendimentos auferidos pelo fundo. O investidor que detiver mais do que 10% será isento até esse limite, e a tri- butação incidirá apenas sobre os rendimentos inerentes às cotas que estiverem acima do referido percentual.

Se o fundo e o cotista não atenderem a esses pré-requi- sitos, os rendimentos serão tributados a uma alíquota de 20%, com retenção na fonte.

Não é à toa que os investidores pessoas físicas têm ex- pressiva participação no mercado, superando, atualmente,

*FIIs destinados ao público em geral são geralmente negociados em bolsa.

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

o número de cem mil investidores titulares de cotas de FIIs negociados em Bolsa de Valores.

NÚMERO DE INVESTIDORES DE FIIs

Variação no número de investidores em relação ao mês anterior: 7,69%

Nº de Investidores Milhares 120 125.785 100 80 60 40 20 2010 2011 2012 2013
Nº de Investidores Milhares
120
125.785
100
80
60
40
20
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017

Fonte: B3 – Janeiro de 2018

PARTICIPAÇÃO POR TIPO DE INVESTIDOR IF 2,20% II PF 12,08% 84,93% NR 0,07% OT 0,72%
PARTICIPAÇÃO POR TIPO DE INVESTIDOR
IF
2,20%
II
PF
12,08%
84,93%
NR
0,07%
OT
0,72%
PF - Pessoa Física
II - Investidores Institucionais
OT - Outros
IF - Instituições Financeiras
NR - Não Residentes

Fonte: B3 – Janeiro de 2018

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

VOLUME ESTOQUE/DEPOSITADO IF 1,36% II PF 16,31% 78,36% NR 3,06% OT 0,91% PF - Pessoa
VOLUME ESTOQUE/DEPOSITADO
IF
1,36%
II
PF
16,31%
78,36%
NR
3,06%
OT
0,91%
PF - Pessoa Física
II - Investidores Institucionais
OT - Outros
IF - Instituições Financeiras
NR - Não Residentes

Fonte: B3 – Janeiro de 2018

Além dos rendimentos distribuídos periodicamente, os investidores de FIIs podem obter lucro a partir da venda das cotas em bolsa por valores maiores que os de compra. Mas o chamado “ganho de capital” não passa despercebido pelo Leão, e é tributado à alíquota de 20%.

E, diferentemente de outros fundos de investimento, em que os impostos são retidos na fonte, nos fundos imobi- liários cabe ao próprio investidor a responsabilidade de re- colher os impostos toda vez que vender as cotas com lucro.

A seguir, explicaremos como funciona a tributação e a declaração no Imposto de Renda de cada um dos tipos de ganho proporcionados pelos FIIs aos investidores pessoas físicas.

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

Tributação dos Fundos Imobiliários

fundos imobiliários Tributação dos Fundos Imobiliários Ganho de capital Conforme já mencionamos, toda vez que um

Ganho de capital

Conforme já mencionamos, toda vez que um investidor obtém lucro com a compra e venda das cotas de um FII, os ganhos de capital são tributados em 20% sobre o que exce- der o valor do custo de aquisição das cotas. O imposto não é retido na fonte e deve ser pago pelo próprio investidor. O recolhimento deve ser feito via Darf — código 6015 (para pessoa física) — até o último dia útil do mês subsequente ao da venda.

Dessa forma, se você teve ganho a partir da venda de cotas de um FII no dia 18 de janeiro, por exemplo, terá que gerar e preencher o Darf e pagar o imposto de 20% exclu- sivamente sobre o lucro até o último dia útil de fevereiro do mesmo ano.

Os cotistas podem abater eventuais prejuízos experi- mentados em meses anteriores com fundos imobiliários para reduzir a base do imposto a ser pago na eventuali- dade de ganho de capital em meses subsequentes, mas, di- ferentemente do que ocorre com as ações, não há isenção tributária para vendas de até R$ 20 mil de cotas ao mês.

Cálculo do imposto

Para apurar o lucro líquido obtido com a venda de cotas de FIIs, você pode descontar todos os custos operacionais (como as taxas de custódia, de corretagem e emolumentos) e também abater o chamado “dedo-duro”, que nada mais é do que uma parte do Imposto de Renda que é retida na fonte, a uma alíquota de 0,005%, no momento da operação de venda.

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

Esse imposto serve para alertar o Leão de que foi re- alizada uma operação tributada. O “dedo-duro” pode ser compensado no momento da declaração, desde que o valor da retenção do imposto tenha sido superior a R$ 1.

Para que fique bem claro, suponha que um investidor tenha comprado algumas cotas de um determinado FII pelo valor total de R$ 100 mil e que, após algum tempo, as tenha vendido por R$ 130 mil. Imagine também que esse investidor tenha gastado R$ 105 com custos operacionais e que tenha sido retido um imposto na fonte (“dedo-duro”) no valor de R$ 0,30.

Para calcular o imposto a ser pago, será necessário, em primeiro lugar, apurar o lucro líquido.

LUCRO LÍQUIDO

=

(PREÇO DE VENDA – CUSTO DE AQUISIÇÃO)

DESPESAS
DESPESAS

R$ 29.895,00

=

(R$ 130.000,00 – R$ 100.000,00)

R$ 105,00
R$ 105,00

O

imposto

que

R$ 5.979,00.

VALOR A PAGAR DE IMPOSTO

R$ 5.979,00

=

=

você

pagaria

seria,

portanto,

de

20% DE ALÍQUOTA DE

IMPOSTO DE RENDA

20%

x

x

LUCRO LÍQUIDO

R$ 29.895,00

Como o imposto retido na fonte (“dedo-duro”) foi me- nor do que R$ 1, ele não é abatido.

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

Mas esse exemplo foi simples. Vamos para um mais comple- xo, com mais de uma compra de cotas, com valores diferentes. Nesse caso, você deve calcular o custo médio ponderado por cota e multiplicá-lo pelo número de cotas detidas.

Suponha que você tenha comprado 30 cotas do fundo imobiliário “ABCD11” por R$ 10 e, posteriormente, 70 co- tas do mesmo fundo por R$ 7,50, totalizando cem cotas. O seu custo médio ponderado por cota será apurado da se- guinte maneira:

CUSTO MÉDIO

POR COTA

R$ 8,25

=

=

(PROPORÇÃO DE COTAS

x

PREÇO POR COTA)

(30% X R$ 10,00)

+

+

(PROPORÇÃO DE COTAS

x

PREÇO POR COTA)

(70% X R$ 7,50)

Se decidir vender dez cotas desse fundo pelo valor de R$ 12 cada, seu lucro líquido será:

LUCRO = LÍQUIDO LUCRO = LÍQUIDO
LUCRO
=
LÍQUIDO
LUCRO
=
LÍQUIDO

(QUANTIDADE DE COTAS À VENDA

x

PREÇO DE VENDA)

(10 X R$ 12,00)

(QUANTIDADE DE COTAS À VENDA

x

CUSTO MÉDIO

POR COTA)

- -

- (10 X R$ 8,25)

-

CUSTOS

OPERACIONAIS

CUSTOS

OPERACIONAIS

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

Como declarar o saldo do investimento?

A primeira etapa da declaração dos fundos imobiliários no Imposto de Renda corresponde ao informe do saldo deti- do. Você deverá selecionar a ficha “Bens e Direitos” e incluir um novo item. Insira o código “73 – Fundos de Investimento Imobiliário”, sua localização e o CNPJ da administradora do FII. Complete a descrição com informações importantes do seu fundo, como o nome completo e seu CNPJ, o nome da administradora e a quantidade de cotas detidas.

o nome da administradora e a quantidade de cotas detidas. Nos campos “Situação em 31/12/2016 (R$)”

Nos campos “Situação em 31/12/2016 (R$)” e “Situação em 31/12/2017 (R$)”, você deverá informar o total inves- tido em fundos imobiliários no fim de cada ano calendá- rio. Essas informações estarão disponíveis em seu informe de rendimentos.

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

O saldo representa o número de cotas detidas mul- tiplicado pelo valor pago por elas. Portanto, se você não adquiriu ou não vendeu cotas ao longo de 2017, o total será mantido.

Como declarar os rendimentos (ganhos de capital)?

O lucro gerado a partir da venda das cotas, ou seja, o ganho de capital, deve ser declarado na aba “Operações Fundos Invest. Imob.”, na ficha “Renda Variável”.

Fundos Invest. Imob.”, na ficha “Renda Variável”. Você será direcionado para a seguinte página, que vai

Você será direcionado para a seguinte página, que vai mostrar os dados preenchidos em Darfs anteriores:

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

SEM MEDO DO LEÃO CAPÍTULO 8 fundos imobiliários Na coluna “Resultado líquido do mês”, o contribuinte

Na coluna “Resultado líquido do mês”, o contribuinte precisará lançar os lucros e prejuízos que obteve em cada mês (que são os mesmos valores que foram preenchidos em seu Darf).

Em “Resultado negativo até o mês anterior”, o investi- dor precisará informar o resultado negativo acumulado até o mês anterior, fundamental para compensações com eventuais lucros futuros.

Em “Imposto retido no mês”, ele deverá inserir os va- lores dos impostos retidos na fonte (“dedo-duro”) do mês em questão.

Em “Imposto Pago”, deverá informar os valores dos im- postos pagos por mês.

Pronto! Preenchidos os valores, a ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva” será automati- camente completada. Para conferir, selecione a ficha e cli- que em “Totais”.

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

SEM MEDO DO LEÃO CAPÍTULO 8 fundos imobiliários Os rendimentos serão adicionados automaticamente à linha “5

Os rendimentos serão adicionados automaticamente à linha “5 – Ganhos líquidos em renda variável (bolsa de va- lores, de mercadorias de futuros e assemelhados e fundos de investimento imobiliário)”.

Amortização

Há um segundo tipo de operação financeira a ser in- formado em sua declaração do IR: as amortizações. Todo pagamento referente à devolução do capital investido ini- cialmente em um fundo imobiliário, seja por conta do tér- mino do prazo do fundo, seja pela liquidação de ativos, é chamado de amortização.

Esse tipo de pagamento é realizado de forma uniforme pelo fundo, a todos os cotistas, e responde por uma parce- la do valor de suas cotas sem uma redução do número de cotas emitidas.

Imagine que um investidor tenha comprado 50 cotas de determinado fundo pelo preço de R$ 10 cada e, em seguida, tenha recebido uma amortização de R$ 1 por cota. O novo

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

preço médio por cota será de R$ 9, porém ele seguirá com as mesmas 50 cotas.

As amortizações são tributadas em 20% para as pessoas físicas, com imposto retido na fonte, sob a responsabilidade de recolhimento por parte do administrador do fundo.

Essas operações podem ser identificadas de diferentes maneiras em seu informe de rendimentos, constando, em alguns casos, apenas como “observação”.

Para declarar os valores, utilize a aba “Rendimentos Su- jeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva” e clique em “Novo”.

Na sequência, selecione o código “06 – Rendimentos de aplicações financeiras” e preencha o primeiro campo com “Titular”, seu CPF e seu nome em “Beneficiário”. Em segui- da, insira o CNPJ e o nome da fonte pagadora (administra- dora do fundo), além do valor líquido pago.

Caso tenha outras amortizações para declarar, repita o procedimento.

Como declarar os rendimentos isentos?

Apesar de os rendimentos distribuídos pelos fundos serem isentos de Imposto de Renda para pessoa física, é fundamental informá-los à Receita.

Para declarar os ganhos com renda, selecione a ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” e clique em “Novo”. Em “Tipo de Rendimento”, escolha o código “09 – Lucros e dividendos recebidos”.

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 8 fundos imobiliários

Você deve preencher as lacunas com o tipo de beneficiá- rio (titular ou dependente), CNPJ e nome da fonte pagadora (administradora) e o valor do rendimento líquido.

- rio (titular ou dependente), CNPJ e nome da fonte pagadora (administradora) e o valor do

CAPÍTULO 9

FUNDOS DE INVESTIMENTO

Modalidade financeira mais abrangente, os fundos de investimento possibilitam aos cotistas aplicarem em qual- quer tipo de ativo — títulos públicos ou privados, ações, derivativos, moedas, dentre outros —, no Brasil ou no exte- rior, com uma grande vantagem: não é preciso se preocu- par com a administração da sua carteira.

Cabe a um gestor tomar as decisões sobre a distribuição do portfólio, escolhendo os melhores momentos para com- prar e/ou vender ativos, de acordo com sua própria análise do mercado.

Não à toa, os fundos de investimento são uma das modalidades mais populares de investimento entre as pessoas físicas. Dados da Anbima de dezembro de 2017 revelam que 31,16% do saldo investido pelo varejo estava concentrado na categoria (especialmente em renda fixa).

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 9 fundos de invesTimenTo

Um dos grandes apelos dos fundos reside justamente no fato de toda a parte burocrática ficar a cargo dos ges- tores e dos administradores, o que inclui as tributações. Logo, os cotistas de fundos de investimentos não precisam, portanto, se preocupar com o recolhimento dos impostos, sempre retidos na fonte, com exceção dos fundos imobiliá- rios, sobre os quais já falamos no capítulo anterior.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) classifica os fundos de investimento em quatro classes: renda fixa, ações, multimercados e cambial. A tributação varia confor- me o tipo do fundo.

Comecemos pela categoria de ações, que corresponde ao caso mais simples.

categoria de ações, que corresponde ao caso mais simples. Fundos de ações Este tipo de fundo

Fundos de ações

Este tipo de fundo é aquele que investe pelo menos 67% do patrimônio em ações ou em aplicações relacionadas, como BDRs, bônus ou recibos de subscrição, cotas de fun- dos de ações e ETFs.

A tributação sempre ocorre no resgate, a uma alíquota de 15% sobre os rendimentos, assim como acontece com as ações.

  Fundos de renda fixa, multimercados e cambiais

Os outros fundos, das categorias renda fixa (que devem ter, pelo menos, 80% do patrimônio alocado em ativos relacionados à renda fixa, como títulos públicos e privados), cambiais (com, no mínimo, 80% da carteira aplicada em ativos relacionados, direta ou indiretamente,

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 9 fundos de invesTimenTo

a moeda estrangeira) e multimercados (sem compromisso

de se concentrar em nenhuma classe de ativo) têm uma tributação diferente.

Eles se dividem em dois tipos:

longo prazo.

os de

curto e

os de

Os de curto prazo, representados essencialmente por fundos do tipo DI e que recebem o sufixo “Curto Prazo” em seu nome, são aqueles com uma carteira de títulos com pra- zo médio (a chamada duration) igual ou inferior a 365 dias.

Já os fundos de longo prazo, que respondem pela maio- ria do mercado, são aqueles com carteiras de títulos com prazo médio superior a 365 dias.

Para você, investidor, o que precisa ficar claro é que

essas definições constam na descrição de cada fundo e que

a tributação diminui conforme o tempo aumenta, desde a

aplicação até o resgate, com um imposto mínimo de 20%, no caso dos fundos de curto prazo, e de 15%, para os de longo prazo. Veja na tabela a seguir:

 

TRIBUTAÇÃO - CLASSIFICAÇÃO

RESGATE

ALÍQUOTA PARA FUNDOS DE CURTO PRAZO

ALÍQUOTA PARA FUNDOS DE LONGO PRAZO

Até 180 dias (6 meses)

22,5%

22,5%

De 181 a 360 dias (6 meses a 1 ano)

20%

20%

De 361 a 720 dias (1 ano a 2 anos)

20%

17,5%

Acima de 720 dias (mais de 2 anos)

20%

15%

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 9 fundos de invesTimenTo

Fundos de renda fixa, multimercados e cambiais tam- bém estão sujeitos à cobrança de IOF — quando há resgate em menos de 30 dias após o investimento.

Por fim, é fundamental ter em mente que uma parte dos fundos de investimento conta ainda com uma singula- ridade em relação a outras aplicações: o sistema de tribu- tação de come-cotas.

O que é o come-cotas?

O come-cotas é uma cobrança antecipada do fundo re- ferente ao Imposto de Renda. Ele toma uma parte das co- tas que representam a rentabilidade no semestre, ou seja, ele “come” uma parte dos rendimentos de fundos de renda fixa, multimercados e cambiais duas vezes por ano (no últi- mo dia útil de maio e de novembro), reduzindo, portanto, o potencial de retorno. Dessa forma, o investidor é tributado antes mesmo de resgatar sua aplicação.

Por meio do come-cotas, é cobrada a alíquota mínima à qual seu fundo está exposto, que varia conforme sua classi- ficação: de curto ou longo prazo. Fundos de curto prazo es- tão sujeitos a uma antecipação de imposto de 20%, enquan- to os de longo prazo, a um come-cotas equivalente a 15%.

Exceções

Dentro do universo dos fundos, existem exceções tribu- tárias, como no caso de debêntures de infraestrutura, com isenção de Imposto de Renda para pessoa física. Os fundos de previdência, sobre os quais falaremos no capítulo 10,

SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 9 fundos de invesTimenTo

não estão sujeitos ao come-cotas e têm condições particu- lares de tributação.

Confira na tabela a seguir um resumo do modelo de tri- butação de cada tipo de fundo.

TIPO DE FUNDO

MODELO DE TRIBUTAÇÃO

FUNDOS DI

Come-cotas

FUNDOS DE CRÉDITO PRIVADO

Come-cotas

FUNDOS DE DEBÊNTURES ISENTAS

Sem tributação

FUNDOS MULTIMERCADOS

Come-cotas

FUNDOS DE AÇÕES

Tributação fixa no saque

FUNDOS DE PREVIDÊNCIA

Tributação variável no saque, mas sem come-cotas

FUNDOS DE CÂMBIO E OURO

Come-cotas

Declaração

Embora a tributação dos fundos pareça complicada à primeira vista, lembre-se de que as informações a serem declaradas constarão nos informes de rendimentos entre- gues por seu banco, sua corretora ou pela administradora do fundo.

Para conferir a classificação do seu fundo, acesse o re- gulamento ou a lâmina do produto.

Como o imposto é tributado na fonte, caberá a você ape- nas informar à Receita o saldo investido ao fim do ano e eventuais rendimentos obtidos.

CAPÍTULO 9 fundos de invesTimenTo

Como declarar o saldo do investimento?

Para fins de registro da posição de fundos de investimento, você deve recorrer à ficha “Bens e Direitos”

e clicar em “Novo”. O código a ser selecionado depende do tipo do fundo:

71 – Fundo de Curto Prazo (para fundos de renda fixa, multimercados e cambiais de curto prazo);

72 – Fundo de Longo Prazo e Fundo de Investimento

em Direitos Creditórios (FIDC) (para fundos de renda fixa,

multimercados e cambiais de longo prazo, além de FIDCs);

74 – Fundo de ações, fundos mútuos de privatização,

fundos de investimento em empresas emergentes, fundos de investimento em participação e fundos de investimen- to de índices de mercado (para fundos de ações, Fundos

Mútuos de Privatização (FMP), da Vale ou Petrobras, FIPs

e ETFs).

Na sequência, adicione a localização “105 – Brasil” e o CNPJ da administradora do fundo. Na linha “Discrimina- ção”, detalhe o investimento com o nome e o CNPJ do fundo, o nome do administrador e a quantidade de cotas detidas.

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 9 fundos de invesTimenTo

Em seguida, adicione o total investido ao fim de cada ano nos campos “Situação em 31/12/2016 (R$)” e “Situação em 31/12/2017 (R$)”, com base nos valores disponíveis no infor- me de rendimentos enviado por sua instituição financeira.

Rendimentos

Se você teve algum tipo de rendimento com os fundos de investimento ao longo do ano, também deverá declará- -los individualmente (separados por fundo) à Receita.

Para tanto, acesse a ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva” e clique em “Novo”. Em seguida, selecione o código “06 – Rendimentos de aplica- ções financeiras”.

Preencha os campos com as informações necessárias, como o tipo de beneficiário (você ou seu dependente), nome e CNPJ da fonte pagadora (no caso, o administrador do fundo) e o valor do rendimento líquido (que também constará no informe).

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 10

PREVIDÊNCIA

Desde bem cedo, boa parte dos brasileiros escuta os mais velhos apontarem para a necessidade de se contri- buir para um plano de previdência privada, para evitar uma dependência inglória do governo.

Não é à toa que os aportes nos planos de previdência complementar aberta crescem ano a ano. De acordo com

a

FenaPrevi (Federação Nacional de Previdência Privada

e

Vida), entidade que representa 67 seguradoras e entida-

des abertas de previdência complementar no país, o setor encerrou 2017 com um total de R$ 756 bilhões em ativos administrados, valor 17,6% superior ao de 2016.

No ano passado, havia 13,3 milhões de pessoas com pla- nos de previdência, das quais 10,2 milhões eram titulares de planos individuais (incluindo planos para menores) e 3,1 milhões estavam inseridas em planos coletivos contratados por empresas, em favor de seus empregados e dirigentes,

CAPÍTULO 10

SEM MEDO DO LEÃO

Previdência

ou por sindicatos e associações de classe, para adesão de seus associados.

Ainda que a escolha do plano de previdência seja im- prescindível para a tomada de decisão do investidor, tam- bém é fundamental se atentar ao regime de tributação e à modalidade — PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) ou VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre).

Por isso, este capítulo tem como propósito apresentar um passo a passo para você seguir na hora de declarar seu plano de previdência e eventuais rendimentos obtidos com ele. Lembre-se: ainda que não tenha feito nenhum resgate, você precisa informar o saldo aplicado ou novos aportes em seu plano todos os anos.

O ritual é igual ao da maior parte das aplicações finan- ceiras. As informações necessárias para o preenchimento de seu Imposto de Renda constam nos informes de rendimento enviados por seu banco, sua corretora ou seguradora.

Regimes de tributação: progressivo x re- gressivo

Existem dois regimes de tributação disponíveis para a escolha do investidor: o progressivo, também conhecido como “compensável”, e o regressivo, também chamado de “definitivo”.

No regime progressivo, a alíquota do Imposto de Renda, que varia de zero a 27,5%, aumenta conforme o valor resgatado ou pago em forma de renda cresce (ver tabelas na próxima página). Há sempre tributação na fonte de 15% em casos de resgate, equivalente a uma antecipação ao valor devido na declaração de ajuste anual, e há a possibilidade

CAPÍTULO 10

SEM MEDO DO LEÃO

Previdência

de cobrança de um valor adicional no momento de acerto de contas com a Receita.

   

PARCELA A

BASE DE CÁLCULO ANUAL

ALÍQUOTA

DEDUZIR EM

IMPOSTO

ATÉ R$ 22.847,76

ISENTO

ISENTO

DE R$ 22.847,77 ATÉ R$ 33.919,80

7,5%

R$ 1�713,58

DE R$ 33.919,81 ATÉ R$ 45.012,60

15%

R$ 4�257,57

DE R$ 45.012,61 ATÉ R$ 55.976,16

22,5%

R$ 7�633,51

ACIMA DE R$ 55.976,16

27,5%

R$ 10�432,32

Casos de recebimento de renda também estão sujeitos à tributação na fonte, seguindo a tabela mensal do Imposto de Renda.

   

PARCELA A

BASE DE CÁLCULO MENSAL

ALÍQUOTA

DEDUZIR EM

IMPOSTO

ATÉ R$ 1.903,98

ISENTO

ISENTO

DE R$ 1.903,99 ATÉ R$ 2.826,65

7,5%

R$ 142,80

DE R$ 2.826,66 ATÉ R$ 3.751,05

15%

R$ 354,80

DE R$ 3.751,06 ATÉ R$ 4.664,68

22,5%

R$ 636,13

ACIMA DE R$ 4.664,68

27,5%

R$ 869,36

Já na tributação regressiva, prazos maiores de inves- timento são contemplados com alíquotas mais baixas de IR — começando no patamar de 35% e diminuindo a cada

CAPÍTULO 10

SEM MEDO DO LEÃO

Previdência

dois anos, até o mínimo de 10% para um prazo acima de dez anos.

REGIME TRIBUTÁRIO REGRESSIVO

PRAZO DE ACUMULAÇÃO DOS RECURSOS

ALÍQUOTA DE IR NA FONTE

Até 2 anos

35%

De 2 até 4 anos

30%

De 4 até 6 anos

25%

De 6 até 8 anos

20%

De 8 até 10 anos

15%

Acima de 10 anos

10%

Tanto no caso de resgate quanto no de recebimento em forma de renda, a tributação é exclusiva na fonte, ou seja, não há ajuste na declaração anual de Imposto de Renda, sem imposto a pagar ou a restituir.

Cada nova contribuição feita tem seu próprio prazo de acumulação, mas vale lembrar da regra do “primeiro que entra é o primeiro que sai”, ou seja, em resgates parciais, os primeiros recursos a serem resgatados são os deposita- dos há mais tempo e, portanto, com alíquotas menores de Imposto de Renda.

PGBL x VGBL

Conforme já mencionamos, o investidor brasileiro pode optar entre dois tipos de modalidade de previdência: PGBL ou VGBL.

CAPÍTULO 10

SEM MEDO DO LEÃO

Previdência

De forma resumida, há duas diferenças principais. A primeira delas é que, enquanto no PGBL a tributação inci- de sobre o valor total resgatado, no VGBL o imposto recai exclusivamente sobre os rendimentos.

O segundo ponto diz respeito ao incentivo fiscal. O PGBL possibilita ao investidor a dedução de até 12% do rendimento tributável incluído na base de cálculo do im- posto sobre a renda na declaração.

Considerando-se uma renda bruta de R$ 100 mil no ano, por exemplo, contribuições de até R$ 12 mil podem ser aba- tidas da base para efeito de IR. Dessa forma, o imposto a ser pago vai recair apenas sobre os R$ 88 mil remanescentes.

Não há deduções para planos do tipo VGBL.

Em linhas gerais, dizemos que planos PGBL fazem mais sentido para quem faz a declaração completa do IR, en- quanto os VGBL são mais adequados para investidores que optam pelo modelo simplificado, portanto, sem muitas des- pesas para deduzir.

Como declarar o saldo do investimento?

- pesas para deduzir. Como declarar o saldo do investimento? VGBL Para fins de registro da

VGBL

Para fins de registro da posição, isto é, de declaração do total aplicado em seu plano de previdência do tipo VGBL, você deve recorrer à ficha “Bens e Direitos” e clicar em “Novo”.

Coloque o CNPJ do seu plano e, no campo “Discrimi- nação”, insira o nome do mesmo, conforme indicado no

CAPÍTULO 10

SEM MEDO DO LEÃO

Previdência

informe de rendimentos, assim como o nome e o CPF do titular, para que fique claro se a previdência é sua ou de algum dependente.

Depois, preencha os campos “Situação em 31/12/2016 (R$)” e “Situação em 31/12/2017 (R$)” com os investimentos acumulados até cada data, novamente seguindo as informa- ções do informe fornecido por sua instituição financeira. Nesse caso, os valores são atualizados apenas conforme as contribuições e os saques; rendimentos não entram na conta.

e os saques; rendimentos não entram na conta. Repita o processo para cada plano VGBL detido.

Repita o processo para cada plano VGBL detido.

na conta. Repita o processo para cada plano VGBL detido. PGBL No caso do PGBL, o

PGBL

No caso do PGBL, o processo é um pouco diferente.

Acesse a ficha “Pagamentos Efetuados” e clique em “Novo” para declarar todos os aportes feitos em 2017. Em se- guida, selecione o código “36 – Previdência Complementar”.

CAPÍTULO 10

SEM MEDO DO LEÃO

Previdência

CAPÍTULO 10 SEM MEDO DO LEÃO Previdência O primeiro passo é selecionar se a previdência é

O primeiro passo é selecionar se a previdência é sua (titular) ou se pertence a um dependente. Na sequência, coloque o CNPJ e o nome da entidade de previdência e, por fim, insira o valor total dos aportes feitos no plano ao longo de 2017. Atenção: aqui não devem ser incluídos os rendi- mentos, apenas o valor que você investiu no plano.

Da mesma forma que ocorre com o VGBL, lembre-se de declarar cada uma de suas previdências PGBL sepa- radamente, incluindo as que estão em nome dos seus dependentes.

Por conta da possibilidade de dedução de até 12% da ren- da bruta da base de cálculo do Imposto de Renda oferecida pelos planos do tipo PGBL, ao declarar suas contribuições, o sistema automaticamente vai abater o imposto a pagar.

Importante: se não houve contribuições ou resgates em 2017, o PGBL não deve ser informado em nenhuma ficha da declaração do Imposto de Renda 2018.

CAPÍTULO 10

Resgates VGBL e PGBL

Previdência

O procedimento para declaração de resgates é o mesmo para as duas modalidades de previdência, com uma variação conforme o regime tributário definido: regressivo ou progressivo.

Vale lembrar que, no VGBL, o imposto recai apenas so- bre os rendimentos, ao passo que, no PGBL, todo o valor investido (principal e juros) é tributado.

todo o valor investido (principal e juros) é tributado. Resgates no regime progressivo Se você decidir

Resgates no regime progressivo

Se você decidir resgatar uma parte ou a totalidade do investimento em seu plano de previdência com tributação progressiva, ou estiver na fase de saques, deverá recorrer à aba “Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Jurí- dica”. Depois, clique em “Novo”.

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 10

Previdência

Preencha as células “CPF/CNPJ da fonte pagadora” e

“Nome da fonte pagadora” com os dados da instituição fi-

nanceira, conforme descrito em seu informe de rendimentos.

O mesmo deve ser feito com os campos “Rendimentos

recebidos de pessoa jurídica” e “Imposto retido na fonte”. Toda vez que você saca algum recurso nesse caso, é cobra- do um imposto de 15% diretamente na fonte. Dependendo de sua faixa de renda, pode ser cobrado um valor adicional no momento da declaração.

ser cobrado um valor adicional no momento da declaração. Resgates no regime regressivo Já se você

Resgates no regime regressivo

Já se você decidir resgatar uma parte ou a totalidade do

investimento em seu plano de previdência com tributação regressiva, ou estiver na fase de saques, deverá recorrer à aba “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definiti- va”. Depois, clique em “Novo”.

No campo “Tipo de Rendimento”, selecione o código “12 – Outros”.

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 10

SEM MEDO DO LEÃO

Previdência

Em “Tipo de beneficiário”, selecione o titular (você mes- mo) ou o dependente. Caso a opção seja pelo segundo caso, coloque o CPF e o nome do dependente.

Preencha os dois campos seguidos com o CNPJ e o nome da fonte pagadora da previdência.

Em “Descrição”, escreva o nome do plano de previdên- cia e, por fim, insira o valor do rendimento. Lembre-se de que, na tributação regressiva, a alíquota do Imposto de Renda, que é retido na fonte, começa em 35% e chega a 10% após dez anos de aplicação.

CAPÍTULO 11

MOEDAS

DIGITAIS

Em 2017, só deu elas: as moedas digitais. Em um ano de disparada do bitcoin, cujo preço aumentou nada menos que 17 vezes, foram muitos os brasileiros que ingressaram no mercado sem nunca ter investido em nenhum outro ativo.

EVOLUÇÃO DO PREÇO DO BITCOIN (EM US$) EM 2017

20�000

18�000

16�000

14�000

12�000

10�000

8�000

6�000

4�000

2�000

US$ 18.674,47 em 18/12/2017
US$ 18.674,47 em 18/12/2017

CAPÍTULO 11

SEM MEDO DO LEÃO

moedas digiTais

Além de despertar uma preocupação natural, de super- -alocação em ativos de alto risco, o ritmo intenso de nego- ciação das criptomoedas levantou outra questão relevante:

como os investidores declaram seus ganhos após a venda desses ativos?

Embora as moedas virtuais não sejam regulamentadas, elas são consideradas um tipo de ativo financeiro pela le- gislação brasileira e, portanto, devem ser declaradas em seu Imposto de Renda. Mais do que isso: toda venda (com lucro) maior do que R$ 35 mil em um determinado mês so- fre tributação a uma alíquota de 15% sobre os rendimentos.

O fato é que a modalidade de investimento é tão recen- te que, até 2017, a Receita Federal só contava com duas respostas em seu tradicional Perguntão, o que deixou mui- tas questões em aberto para a declaração deste ano, dadas as particularidades em relação a outros ativos, a começar pela origem das informações.

Onde encontrar as informações de base para a declaração do IR?

Diferentemente de outras aplicações financeiras, que têm como base para a declaração os informes de rendi- mentos entregues pelas instituições financeiras, no caso das criptomoedas, cabe ao investidor a responsabilidade de registrar suas movimentações.

Isso porque as exchanges — como são chamadas as corretoras de moedas digitais, que oferecem serviços de negociação, pós-negociação e custódia de ativos virtuais —

CAPÍTULO 11

SEM MEDO DO LEÃO

moedas digiTais

ainda não são obrigadas a enviar aos clientes um informe de rendimentos, por serem entidades não regulamentadas.

Por isso, o recomendado é ter registradas todas as tran- sações realizadas, anotando os preços e as quantidades de cada ativo. Além disso, é fundamental guardar todo tipo de documentação que demostre que você realizou deter- minada compra ou venda de moeda digital, como ordens de aquisições e de venda; comprovantes de transferências de criptomoedas entre corretoras; de valores recebidos com a “mineração”; de recebimento de valor relativo a criptomoedas pelo banco, quando houver sua conversão em reais; e de pagamento dos respectivos impostos, quan- do incidentes, dentre outros.

respectivos impostos, quan - do incidentes, dentre outros.   Cotação não oficial Uma particularidade desse

  Cotação não oficial

Uma particularidade desse mercado diz respeito aos valores de negociação. Criptomoedas não têm uma cota- ção oficial. Por isso, você deve utilizar os preços e as quan- tidades registrados em sua exchange.

É possível conferir essas informações em seu extrato de operações da exchange, como no exemplo abaixo, prove- niente do Mercado Bitcoin:

como no exemplo abaixo, prove - niente do Mercado Bitcoin: A quantidade da quarta coluna já

A quantidade da quarta coluna já considera o valor lí- quido, isto é, desconta custos com transação e comissão.

CAPÍTULO 11

SEM MEDO DO LEÃO

Quais são as regras?

moedas digiTais

Como já mencionamos, são poucas as informações oficiais referentes à declaração das moedas virtuais no Imposto de Renda. Em 2017, o Manual de Perguntas e Respostas para Pessoa Física da Receita, o Perguntão, esclareceu algumas poucas questões sobre as quais falaremos a seguir.

De uma forma geral, o processo de declaração e tribu- tação das moedas é parecido com o de ações, já que ambos são considerados ativos de renda variável. Você precisa realizar o recolhimento de imposto, via Darf, até o último dia útil do mês seguinte à venda.

Os rendimentos obtidos com as moedas digitais tam- bém são tributados a uma alíquota de 15%, mas são mais favorecidas que ações quanto ao limite de isenção — no mercado acionário, o investidor fica isento do Imposto de Renda se o valor vendido por mês for inferior a R$ 20 mil; no caso das criptomoedas, tal limite sobe para R$ 35 mil.

Declaração

Se no dia 31/12/2017 você detinha alguma criptomoeda (como bitcoin, litecoin, bitcoin cash, bitcoin gold, ether etc.) em seu nome, deverá registrar a posição na ficha “Bens e Direitos”. E se, ao longo de 2017, você teve algum ganho de capital resultante da venda desses ativos, deverá declará- -lo como rendimento, após o recolhimento de imposto feito a cada venda, por meio do GCAP.

Apesar de não haver indicação clara sobre o assunto, a advogada Lisa Worcman, consultora do escritório Pinheiro Neto Advogados, entende que cada moeda virtual deve ser

CAPÍTULO 11

moedas digiTais

vista como um papel diferente. Dessa forma, o ideal é de- clará-las individualmente.

Como declarar o saldo do investimento?

Para fins de registro da posição em bitcoin, litecoin, bit- coin cash ou bitcoin gold, clique na aba “Bens e Direitos” e selecione o código “99 – Outros bens e direitos”. Em segui- da, você deverá inserir a localização “105 – Brasil”.

Na “Discriminação”, insira a criptomoeda que está em seu nome, o preço de aquisição, a quantidade e o nome e CNPJ da instituição (no caso, da exchange pela qual você investiu).

(no caso, da exchange pela qual você investiu). No box referente à situação, você deverá informar

No box referente à situação, você deverá informar o valor de aquisição das moedas, como no exemplo a seguir.

SEM MEDO DO LEÃO
SEM MEDO DO LEÃO

CAPÍTULO 11

SEM MEDO DO LEÃO

moedas digiTais

Como declarar os rendimentos?

Como já mencionado, o investidor é responsável pelo recolhimento do imposto sobre a venda de criptomoedas. Dessa forma, ele tem até o último dia útil do mês seguinte ao de cada transação para recolher o imposto via Darf e deve importar os dados do Programa de Apuração dos Ga- nhos de Capital posteriormente em sua DIRPF.

Basta clicar em “Importações” no campo superior es- querdo e, em seguida, selecionar a opção “Ganhos de Ca- pital 2017”.

selecionar a opção “Ganhos de Ca - pital 2017”. Declaração de criptomoedas adquiridas no exterior por

Declaração de criptomoedas adquiridas no exterior por meio de conversão de bitcoins

Ainda que os bitcoins sejam a criptomoeda mais popu- lar, esse universo está em franco crescimento, com a oferta de outras moedas digitais, como ether, theter, ripple e dash, por exchanges no exterior. Nesses casos, o mais comum é que investidores comprem bitcoins em uma exchange no