You are on page 1of 48

UFRGS

LABORATORIO DE TECNOLOGIA MINERAL E AMBIENTAL

FLOTAÇÃO NA ÁREA MINERAL E AMBIENTAL


A EXPERIÊNCIA DO LTM-UFRGS

Prof. Jorge Rubio


Eng. de Minas, MSc. Elves Matiolo

www.lapes.ufrgs.br/ltm
LTM-LINHAS DE P&D

TRATAMENTO DE
MINÉRIOS

TRATAMENTO DE
EFLUENTES LÍQUIDOS
Projetos/Parcerias

• CNPq/CAPES/UFRGS/FAPERGS/FINEP
• MCT – FUNDOS
• PETROBRAS
• CODELCO/IM2-CHILE
• BUNGE
• MAGNESITA
• SIECESC
TRATAMENTO DE
MINÉRIOS

Estudo e desenvolvimento de novas técnicas


de flotação e agregação de partículas finas e
ultrafinas (< 13 µm): coluna de três
produtos (C3P); “flotação extender”;
flotação com injeção de bolhas de tamanho
controlado e o condicionamento em alta
intensidade (CAI)
Projeto flotação de finos e ultrafinos
LTM/CODELCO/IM2 (2001)

Mina de Chuquicamata – Chile


Recuperação metalúrgica de Cu em função
do tamanho de partícula
Usina de Chuquicamata

100

90 13
Recuperação Cu, %

F-UF
80

5
70

60

50
0 30 60 90 120 150 180 210

Tamanho de partícula, µm
Consenso

Os problemas na recuperação por


flotação dos F-UF estão relacionados
com o fenômendo de captura de
partículas por bolhas de ar na zona de
coleção
Projeto flotação de finos e
ultrafinos LTM/CODELCO/IM2-
principais etapas
Fase 1
Diagnóstico de alternativas à tecnologia atual (LTM – Brasil)

Fase 2
Avaliação dos melhores resultados obtidos na Fase 1
em planta piloto, 120 tpd (Chile) – Início maio 2006

Fase 3
Implementação industrial de processo (Chile)
TÉCNICAS AVALIADAS

1) Flotação com ampla distribuição de tamanho


de bolhas:
- Injeção de microbolhas de FAD;
- Injeção de bolhas de tamanho intermediário

2) Técnicas de agregação de partículas


- Extender flotation ou Flotação extensora
- Condicionamento em alta intensidade-CAI
Flotação de sulfetos de cobre e
molibdênio

Comparativo entre técnicas

EXT EXT

BI BI

CAI CAI

MB MB

STD STD

80 82 84 86 88 90 65 67 69 71 73 75 77 79
R metalúrgica de Cu, % R metalúrgica de Mo, %

R metalúrgica de Cu R metalúrgica de Mo
Flotação Extender
Recuperação metalúrgica de Cu e
Mo no intervalo das frações F-UF

100 98

Recuperação Mo, %
Recuperação Cu, %

90 86

80 74
EXT-OD 90
70 STD 62 EXT-OD 90
STD
60 50
-5 + 5 - 15 + 5 - 40 + 40 -5 + 5 - 15 + 5 - 40 + 40

Tamanho de Tamanho de
partícula, µm partícula, µm
Óleo
Água

Bomba helicoidal Manômetro Manômetro

Válvula agulha

Óleo Cisalhamento
das gotas e
geração da
emulsão
d50 = 3 µm
PPS – Planta piloto de sulfuros

Óleo Óleo

B2
B1
Planta PPS-Chuquicamata
Chile, 120 tpd

Local da instalação do Squid


Maio 2006
Squid para injeção de
emulsão Diesel-água
Aplicação da experiência no
contexto brasileiro

Bunge Fertilizantes (Fosfatos)

2004-2006
• Estudos de flotação em escala de bancada
(LTM – Porto Alegre - RS)

• Estudos de flotação em escala piloto


(Bunge – Unidade Araxá – MG)
Água de lavagem I

Água de lavagem II

Concentrado

Drenado

Alimentação

Rejeito

Ar
Companhia Vale do Rio Doce
(CVRD)
Estudos de flotação de lamas de ferro
com injeção de MB e BI

Magnesita S/A
Tratamento de ultrafinos de bauxita
gibbsítica
caulinita/gibbsita; 100% < 15 µm; 86% Al2O3
Flotação de finos de carvão

Estudos de flotação para obtenção de


carvão grau metalúrgico

Teor de enxofre < 2% e teor de matéria


inorgânica < 13%
Tratamento de efluentes
líquidos

Estudo e desenvolvimento de
novas técnicas de floculação e
flotação para tratamento e reuso
de água de minas e industriais
INOVAÇÕES

Desenvolvimento de equipamento de flotação


para o tratamento das emissões oleosas em
plataformas marítimas.

LTM - PETROBRAS
Modificação dos
desgaseificadores das
plataformas
Resultados-Refinaria Petróleo
Remoção de petróleo por Floculação-Flotação

600
Concentração de Petróleo, ppm
650 Alimentação
600 Descarga

550
500
450
400
300
350
300
250
150
200
150 75
100 16 26
8 10
50
0
A B C D

Alimentação
Resultados na Plataforma- PNA-1
Remoção de petróleo por Floculação-Flotação

Concentração de petróleo, ppm Alimentação 2000


2200

2000
Descarga

1800

1600

1400

1200 1000

1000

800

600

400 154
20 36 49
200

0
A B C

Alimentação
Drenagem ácida de minas de Carvão, DAM:
Um dos maiores problemas ambientais do
Brasil.
Rio Amarelo-Siderópolis SC.
Tratamento de DAM de carvão usando FAD

PROJETO LTM-UFRGS/AQUAFLOT/USP
IPAT-UNESC/METROPOLITANA

ETAPA I – 5-10 m3/h ü


CAPACIDADE
ETAPA II – 200 m3/h
Tratamento e Reúso de Águas DAM
Parceria USP – UNESC – Aquaflot – C.Metropolitana
LAYOUT ETE-DAM: 200 m3/h ou 125.000 m3/mês
20,2 m

Calha Parshall

18,2 m
FAD

Oleato

Desidratação
Lodo

CAL
Projeto Aquaflot-
Metropolitana-2006
REATOR GERADOR DE FLOCOS - RGF

Floculante Ar

Saída

Efluente

Partículas
Microbolhas Flocos aerados

Floculante
12.5 mm

Crescimentos dos flocos


Drenagem Ácida de Minas – DAM
(mina de carvão) tratamento por

RGF-FAD para remoção de


sólidos e íons metálicos
(principalmente Al, Zn, Fe e Mn)
Nesse caso, o
L
RGF foi
acoplado com
uma célula FAD
para alta taxa
h

> 20 m/h
d
Tratamento DAM por flotação (6-12 m3/h):
RGF-FAD vs FAD
Mina carvão (Criciúma/SC)

RGF-FAD FAD
Convencional

Taxa aplicação, m3m-2h-1 17 7


[Oleato sódio], gm-3 18 23
Turbidez residual, NTU 8,5 8,0
pH 8,5-10 8,5-10
VANTAGENS DO RGF
–Mistura em linha (fluxo pistão);
–Ausência de curto-circuitos ou zonas
mortas;

–Curto tempo de residência;


–Ausência de partes móveis;
–Pequena área requerida (“foot-print”);
–Reduzido consumo de energia elétrica e
mecânica.
AGRADECIMENTOS

• Centro de Tecnologia Mineral


(CETEM)

• À todas as instituições que


apóiam a P&D no Brasil