Вы находитесь на странице: 1из 16

Conto Popular – Características

Ação - narrativa curta Ex.: luta do bem contra


- caráter lúdico ou moralizante o mal
Tempo - indefinido Ex.: Era uma vez...
Há muitos anos
atrás...
Espaço - impreciso Ex.: num reino distante
numa aldeia, num
palácio
Personagens - número reduzido; Ex.: rei, princesa, sapo,
- sem nome; coelho, caçador, mãe,
- personagens-tipo; filha
- com características humanas
ou sobrenaturais, pois baseiam-
se em universos imaginados e
na própria realidade.
Linguagem - com marcas do discurso oral, - predomínio do
uma vez que são transmitidos discurso direto;
oralmente; - construções frásicas
- simbólica e universal, capaz de simples, baseadas na
ser compreendida por pessoas coordenação;
de variadas épocas e lugares; - expressões populares.
por isso consegue persistir no
tempo.
Simbologia - números simbólicos; - número 3, 7;
- objetos mágicos/ sagrados. - moedas de ouro.

Exercício página 23

2. Personagens: o caçador e a donzela


(protagonistas), senhores e fidalgos
(figurantes)
Espaço: mata sombria
Tempo: noite e madrugada do dia seguinte
Narrador: não participante, de 3ª pessoa,
porque não participa na história como
personagem
Ação: o caçador encontra uma donzela; esta
pede-lhe que a leve consigo. O caçador
promete voltar no dia seguinte, mas, quando
regressa, já a donzela tinha sido levada.
Desiludido, o caçador decide pôr termo à vida.

Exercício página 24
9.
a. Falsa, porque ca/í/a é trissílabo.
b. Verdadeira
c. Verdadeira

Atenção:
Ditongo: duas vogais na mesma sílaba.
Cai/a

Hiato: duas vogais lado a lado mas em


sílabas diferentes
Ca/í/a
b. Quando uma palavra termina em vogal
e a seguinte começa por vogal, pronuncia-
se na mesma sílaba métrica.
Não/ te a/ssus/tes/ ca/va/lei/ro

10.1
Sou/ fi/lha/ de um/ rei/ c’ro/a/do
1 2 3 4 5 6 7

De u/ma/ bem/di/ta/ ra/i/nha


1 2 3 4 5 6 7

10.2. O apóstrofo serve, neste caso, para


assinalar no verso a supressão de uma
vogal, por exigência métrica.

Exercícios da página 32

1. Verdadeiro.
2. As categorias da narrativa são: ação,
tempo, espaço, personagens e
narrador.
3.

Monossílabo Dissílabo Trissílabo Polissílabo


quem Caiu Ruído Sorrateiro
Saia português razoável
leões

4.
5.Ma/nu/el
Ra/ul
Pau/lo
Ma/ti/as
Eu/gé/ni/o

6. U/ma/ can/ção/ de/ ca/va/los/ 8 sílabas gramaticais


1 2 3 4 5 6 7 7 sílabas métricas

Me/ pe/de o /Mi/guel/ que es/cre/va/ 10 sílabas gramaticais


1 2 3 4 5 6 7 7 sílabas métricas

7. O apóstrofo serve para assinalar a


supressão da vogal (a), por exigência da
métrica do poema.
10. Os contos tradicionais são
transmitidos oralmente, por isso têm
marcas do discurso oral.

11. erguer escrivão ilustrador comichão


óculos

14. Júpiter (ou Zeus) tinha muitos filhos,


como por exemplo: Ares (deus da guerra)
e Afrodite (deusa do amor).

Frases simples e complexas – Exercícios


página 276

1. Indica as frases simples e as frases


complexas.
a. A Inês e as amigas chegaram cedo
ao treino. Frase simples
b. Todos vieram e aplaudiram o
espetáculo. Frase complexa
c. Caso queiras, eu compro bilhetes
para o jogo. Frase complexa
d. No próximo domingo, às três da
tarde, passarei por tua casa. Frase
simples
e. Ler alarga os horizontes. Frase
simples
“Ler” é um verbo, mas neste caso
tem função de sujeito e não de
predicado.

Todos os dias pratico ginástica e faço


natação duas vezes por semana.

6. 2. Os pescadores regressarão:
Oração subordinante
antes que anoiteça: oração subordinada
adverbial temporal

6.3. presente do conjuntivo

TPC: 7, 8, 9
Os pescadores regressarão quando
anoitecer.

7. Acendo logo a lareira – oração


subordinante
quando começa o frio : oração
subordinada adverbial temporal

8. A tempestade derrubou a árvore :


oração subordinante
Que (árvore)estava em frente a minha
casa: oração subordinada adjetiva relativa

b. Por favor, chega-me a roupa: oração


subordinante
que (roupa)está nesse armário: oração
subordinada adjetiva relativa

c. O cão não tinha coleira: oração


subordinante
que (cão) encontrei na rua: oração
subordinada adjetiva relativa
8. Fiz um teste de Matemática que era
facílimo.

Caderno de atividades página 72

1.
a. Naquele dia, ele chegou uma hora mais
tarde ao emprego. Frase simples
b. Não gosto que saias sozinho à noite,
pois é perigoso. Frase complexa
Quando a encomenda chegar, avisa-me,
por favor. Frase complexa
Ele apareceu em casa da minha irmã com
um presente. Frase simples
A Antónia tem feito diariamente os
exercícios respiratórios. Frase simples
Tenho chorado muito desde que ele
partiu. Frase complexa.
1. Divide as frases em orações e
classifica as orações.

a. Ele não só lava a casa como aspira o


automóvel. Orações coordenadas
copulativas (adição)
b. Tenho acordado cedo, mas não me
sinto cansado.
Tenho acordado cedo: oração
coordenada
Mas não me sinto cansado: oração
coordenada adversativa (contraste)
c. Estou feliz, porque a vida tem
corrido tranquilamente.
Estou feliz: oração subordinante
Porque a vida tem corrido
tranquilamente: oração
subordinada adverbial causal
d. Mal encontres as chaves, avisa-me!
Mal encontres as chaves: oração
subordinada adverbial temporal
avisa-me: oração subordinante

e. Deve estar em casa, pois as luzes


estão acesas.
Deve estar em casa: oração coordenada
pois as luzes estão acesas: oração coordenada
explicativa

Caracterização da personagem Ladino

Caracterizaç Caracterização indireta


ão direta
“manhoso” (l.1) - Cauteloso, precavido, cuidadoso,
“matulão” (l.5) porque levava a sua vida com
“anediado” (l.98) muita cautela. De tal modo que,
“farsante” (l.92) da sua geração, era o único ainda
“safado” (l.94) vivo .
“solteirão - Medroso e preguiçoso, porque já
impenitente” em pequenino se recusava a sair
(l.84) do ninho.
“velho raposão” - Teimoso, porque, apesar da
(l.110) insistência da mãe e das bicadas
do pai, não saía do ninho.
- Guloso e egoísta, pois não revela
a Cacilda como ir ao galinheiro
comer os restos.
- Namoradeiro, pois gostava de
todo o tipo de “mulheres”.
- Irresponsável, porque não
assumia os filhos.
1. O pardal comia o milho alegremente.
O milho era comido pelo pardal alegremente.

2. Os alunos farão o trabalho.


O trabalho será feito pelos alunos.

3. Daqui a 2 anos, eu terei concluído o meu curso.


Daqui a 2 anos, o meu curso terá sido concluído por
mim.

4. Assaltaram a casa dos meus avós.


A casa dos meus avós foi assaltada.

2. A história é contada do ponto de vista do


narrador, que é também personagem da história
e chama-se Carlos.

3. 3.1. primeira parte: da linha 1 à 4 (“Agora”)


Segunda parte: da linha 5 à 53 (“Lembro-me
muito bem”)
Terceira parte: da linha 54 à 130 (“Passaram
anos… Voltei homem”)
3.2. 1ª parte: presente, pois o narrador conta
factos do presente
2ª parte: pretérito imperfeito, pois o narrador
narra episódios que aconteciam
frequentemente.
Pretérito perfeito, quando o narrador relata
um episódio que só aconteceu uma vez “Uma
noite Mestre Finezas morreu logo no primeiro
ato.”.
3ª parte: presente, pois o narrador volta ao
momento presente.

4. Na sua infância, o narrador sentia medo e


admiração por mestre Finezas. No presente,
sente pena, admiração, ternura e tristeza.
5. Comparação.
5.1. Através da comparação do Mestre a uma
aranha, o narrador revela o medo que sentia por
ele.
6.1. “Isto” refere-se ao violino.
6.2. O violino representa para Finezas a sua
ligação a um passado glorioso em que a sua arte
era apreciada.
6.3. Os sinais de pontuação sugerem o tom
emocionado e também que fica algo por dizer.

7.Ambos se sentem derrotados, frustrados, pois


tinham sonhos que não conseguiram cumprir.
Além disso, Carlinhos sente indiferença pelas
pessoas da vila e Mestre Finezas acha que essas
pessoas são insensíveis, que não compreendem a
arte e que só pensam em trabalhar. Assim sendo,
ambos se sentem deslocados naquele lugar.
Correção do teste

2. Este texto é um conto popular, pois é uma


narrativa curta, o tempo e o espaço são
indefinidos, as personagens não têm nome
próprio (o sapateiro, a mulher, o ricaço) e
apresenta uma moral (O dinheiro não traz
felicidade).
3. O sapateiro era alegre (“todo o santíssimo dia
cantava”, “tocava os seus batuques muito
contente), pobre (“tinha muitos filhos, que
andavam rotinhos pela rua”) e sensato, pois
preferiu devolver o dinheiro e voltar a ser feliz.
4. O narrador não participa na ação como
personagem, por isso é um narrador não
participante de 3ª pessoa. Veja-se o exemplo
“Havia um sapateiro que trabalhava…”.
5. Este conto ensina-nos que o dinheiro não traz
necessariamente felicidade.
Grupo II

1.a O dinheiro tinha sido abraçado pela mulher com


pena.
b. O livro será comprado por mim.

2. a Naquele tempo, as crianças ofereciam flores à


professora.
A mãe faria a tarte.

3. Como gostei do livro: oração subordinada causal


Fui ver o filme: oração subordinante
Sempre que vou à praia: oração subordinada
temporal
Encontro o meu primo: oração subordinante

Ele é meu amigo: oração coordenada


Logo merece a minha confiança: oração coordenada
conclusiva

Gostou do filme de terror: oração coordenada


Mas não sentiu medo: oração coordenada
adversativa

4. António, Mário
Raul Adélia

Comentário ao livro “História de uma gaivota e


do gato que a ensinou a voar”

Tópicos:

Introdução:
- Apresentação do título e do nome do autor;
- Opinião geral.

Desenvolvimento:
- Síntese da ação;
- Aspetos (episódios, personagens), de que
mais/menos gostei e justificar;
- Referir as críticas feitas aos humanos.
Conclusão:
- Lição/lições que podemos tirar desta história.

Teste de março

Leitura
Texto informativo para interpretar

Educação Literária
- Questionário sobre a obra “História de uma
gaivota e do gato que a ensinou a voar”.

- Excerto da mesma obra com perguntas de


interpretação acerca deste excerto (categorias da
narrativa: tempo, espaço, personagem, narrador,
ação; recursos expressivos…)

Gramática
Classes de palavras: nome, adjetivo, verbo,
advérbio, conjunção
Funções sintáticas: sujeito, predicado,
complemento direto, complemento indireto,
complemento oblíquo
Orações coordenadas e subordinadas
Frase ativa e frase passiva

Escrita
Comentário a partir de tópicos sobre a obra
estudada em aula.
Capítulo décimo primeiro – segunda parte

6. Ditosa está eufórica por ter conseguido voar; o poeta


sente-se realizado/aliviado por ter ajudado a gaivota a
concretizar o seu sonho; Zorbas estava comovido.
7.1. Poderão associar-se a estas características a
bondade, a lealdade e a honra, mas também o respeito
pela natureza e pela diversidade.