Вы находитесь на странице: 1из 2

A ASCENSÃO DO SENHOR - Missão de Deus e a Igreja

A ASCENSÃO DE NOSSO SENHOR


“O Evangelho segundo São Lucas 24. 44-53”

A Missão de Deus e a Igreja

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo!

Perguntar pela “missão” de um grupo, organização ou empresa é mexer com a essência da coisa.
Afinal, ao se definir a “missão” de algo, está se respondendo qual é o seu fundamento. Desse modo,
quando falamos de “missão” na Igreja, precisamos levantar a seguinte questão: qual é o fundamento e
essência que dá sentido para mantermos nossas portas abertas?
O Evangelho para este dia especial em que celebramos a Ascensão de nosso SENHOR fornece
algumas explicações importantes para tratarmos adequadamente a temática “missão”.

Iniciamos nossa reflexão pelo que é básico: O que é “missão” para a Igreja? Provavelmente, as
primeiras respostas para esta questão estariam relacionadas com aquilo que fazemos, por exemplo:
entrega de folhetos, abordagens na rua, contato de casa em casa, eventos públicos e populares, ação
social, etc. Será que estes exemplos, realmente definem o que é a “missão” na Igreja?
Antes de mergulharmos no texto, duas coisas precisam ser esclarecidas: 1) todas estas atitudes e
exemplos citados são belos, louváveis e de grande valor. E todas estas coisas podem ser incentivas e
realizadas, pois, de certa forma, fazem parte da “missão”. 2) No entanto, não podemos definir estas ações
como sendo a “missão” para a Igreja; pois, como vimos, “missão” tem a ver com a essência e o
fundamento de algo. Portanto, se nós dissermos que a “missão” na Igreja é aquilo que nós estamos
desenvolvendo, planejando e realizando, então, precisamos admitir que a essência e o fundamento da
Igreja somos nós. Será que é isso?

Jesus, segundo São Lucas 24.44, diz: “na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos, tudo o que
está escrito é sobre mim”; ou seja, o centro das Sagradas Escrituras é Cristo – ele é a essência e o
fundamento – inclusive da Igreja, pois esta aceita e reconhece as Escrituras como Palavra de Deus.
Sendo assim, “missão” na Igreja está muito mais relacionado com o que Deus fez e faz do que com a
gente. De uma forma simples, a “missão” não é nossa, a “missão” é de Deus! Isto significa que a Igreja
como tal, não possui uma “missão” própria; na verdade, ela participa, está inserida, e é usada como um
instrumento da Missão de Deus.
Sabendo disso, perguntamos: Afinal, então, que é a Missão de Deus? E a resposta, conforme o
Evangelho de hoje é Deus vindo ao encontro do ser humano e lhe “abrindo o entendimento para
compreender as Escrituras” (São Lucas 24.45), a fim de que este ser humano seja resgatado pela Obra
Redentora de Cristo que “padeceu e ressuscitou dentre os mortos” (São Lucas 24.46) – esta é a Missão
de Deus!
Agora, também podemos perguntar: E a Igreja, e nós, onde ficamos nisso? Em primeiro lugar,
precisamos saber e reconhecer que nós somos alvo da Missão de Deus. Pelo poder do Espírito Santo,
nosso entendimento é aberto para as Escrituras, para confiarmos na Obra de Cristo. Em outras palavras,
a Igreja só é Igreja porque Deus foi missionário para com ela. Por causa disso, agora que fomos
chamados, iluminados e congregados pela ação do SENHOR, reconhecemos quão grandiosa é a Missão
de Deus, e como ela foi e continua sendo maravilhosa em nossas vidas; nós, como Igreja, pregamos,
anunciamos e confessamos “o arrependimento para a remissão dos pecados” (São Lucas 24.47), ou seja,
“somos testemunhas” (São Lucas 24.48) da Missão de Deus – testemunhas de um Deus que leva ao
arrependimento, através do reconhecimento do pecado e absolve através do seu perdão. Os discípulos
de Jesus entenderam isso e mais adiante disseram: “nós não podemos deixar de falar das coisas que
vimos e ouvimos” (Atos dos Apóstolos 4.20).

Com esta perspectiva da Missão de Deus, podemos agora olhar para a nossa Igreja e questionar:
nossa Igreja é uma Igreja missionária? Absolutamente sim! Não que ela seja a autora da Missão, mas
porque Deus está agindo missionariamente nela e através dela. Como enxergamos isso, na prática? Ali
onde Cristo é o centro – a essência e o fundamento – está ocorrendo a Missão de Deus; ali onde o
SENHOR está levando pessoas ao arrependimento e efetivamente dando o seu perdão, está
acontecendo a Missão de Deus. Visualmente, enxergamos esta Missão de Deus no Batismo, na
Confissão e Absolvição, na Proclamação da Palavra e na Ceia do SENHOR. Portanto, enquanto a Igreja
possuir como essência e fundamento a Palavra e os Sacramentos – isto é, o próprio Cristo – ela será
uma Igreja missionária e terá o que testemunhar, pois a Missão de Deus está acontecendo nela.
Não temos uma “missão” própria, como às vezes achamos. Mas, temos o privilégio de fazer parte
da Missão de Deus, e assim como os discípulos, após a Ascensão do SENHOR, testemunhar esta Missão
“com grande júbilo” (São Lucas 44.52). E para isso, podemos usar diversas oportunidades e ferramentas
que o SENHOR nos permitir; mas, nunca esquecendo ou deixando em segundo plano o que é essencial
e fundamental. Sobre isso, o Dr. Klaus D. Schulz, diz:
“O testemunho do cristão está intimamente ligado à sua espiritualidade. Porém, entendam bem, a
verdadeira espiritualidade tem o seu início no Batismo. Ali, Deus nos alcança missionariamente, e nos faz
nascer de novo. Depois, continuamos sendo alimentados na Palavra e na Ceia do SENHOR. São nestes
Meios da Graça que recebemos a Cristo, e dele provém a verdadeira espiritualidade para sermos suas
fiéis testemunhas”.

Complementando, o Dr. Naomi Mazaki, afirma:


“Assim, a Missão de Deus busca reunir pessoas ao redor da Fonte Batismal, do Púlpito e da Mesa
com a Ceia do SENHOR. Pois são nestes Meios que efetivamente ocorre arrependimento e perdão dos
pecados”.

Uma última palavra: onde e como a Igreja pode dar o maior e melhor testemunho? O maior e
melhor testemunho da Igreja acontece aqui no Altar! Conforme I Coríntios 11.26, todas as vezes que
participamos da Ceia do SENHOR, estamos “anunciando – testemunhando – a morte do SENHOR até
que ele venha”.
Igreja Missionária é uma Igreja Testemunha de um Deus missionário – onde a Palavra é pregada
puramente, onde pessoas são trazidas ao Batismo, confessam os seus pecados e recebem o perdão; e
assim, anunciam esta Missão – a Obra do SENHOR – até que ele venha.
Isto é Missão de Deus! E nós “louvamos a Deus” (São Lucas 24.53) e o agradecemos por termos o
privilégio de testemunharmos em nós e ao nosso redor esta Missão! Deus abençoe o nosso testemunhar!

Amém!

Rev. Helvécio José Batista Júnior


Ministro do SENHOR nas Igrejas Luteranas “Bom Pastor” e Cristo Rei” em Cariacica/ES
No dia da Ascensão de nosso SENHOR, 2017 AD

Похожие интересы