You are on page 1of 10

Land Lousã » BaseCamp: dicas de utilização http://www.landlousa.com/2012/09/basecamp-di...

Siga-nos no facebook

Blog
Acerca
Contactos
Links

Navigate to...

BaseCamp: dicas de utilização

Apesar de ter sido lançado no início de 2009 (mais concretamente a 14 de Janeiro), portanto, há três anos, o BaseCamp ainda consegue
apresentar-se como uma aplicação opressiva para aqueles utilizadores mais habituados ao MapSource, quer no que toca a conceitos
como ao modo como gere os ficheiros de dados. E, devo confessar, que também eu próprio também me incluí durante algum tempo nesse
grupo de utilizadores.

Como espero demonstrar mais à frente o BaseCamp não pode ser visto como o MapSource sob um novo nome ou uma simples
atualização. Aparentemente semelhantes, são diferentes em muitos (e importantes) aspetos, o que só aumenta a frustração dos
utilizadores mais experientes em Mapsource.

O BaseCamp hoje.

A ferramenta BaseCamp oferece ao utilizador todo um conjunto de facilidades na manipulação de mapas e organização de dados.

Assim, o BaseCamp permite aos utilizadores representar os mapas a 2 e 3 dimensões (respetivamente, 2D e 3D), incluindo perfis de
elevação, bem como rodar o mapa em qualquer direção, sem estar sempre confinado à orientação Norte.

O modo de representação em 3D está, no entanto, limitado a placas gráficas com suporte para a API OpenGl (Open Graphics Library).

As rotas (routes), trajetos (tracks) e pontos de interesse (waypoints), por seu lado, são armazenados na “Biblioteca”, e organizados em
listas / pastas. Esta forma de gestão da informação, que podemos encontrar paralelo no software iTunes, apresenta a ferramenta ao
utilizador como um “contentor” das suas atividades, capaz de as gerir e de as partilhar (agora, através da nova plataforma Garmin
Adventures).

Como veremos mais à frente, este último ponto apresenta grandes vantagens sobre o MapSource, não apenas do ponto de vista de
organização da informação a representar na cartografia, mas também no que toca à criação de ficheiros de salvaguarda (utilizáveis em
operações de backup e restore).

Atualmente, o BaseCamp é a única ferramenta de criação e gestão de rotas, trajetos e pontos de interesse que possui um
desenvolvimento activo por parte da Garmin (à data, versão 4.0.1.0.). E se o quisermos comparar com o Mapsource, cujo
desenvolvimento terminou em 2010 com a versão 6.16.3, as vantagens a enumerar (descontando as já atrás apresentadas) são grandes e
concerteza devem ajudar-nos a mudar:

Impressão “decente”;
Acesso direto aos mapas instalados nos dispositivos GPS;
Capacidade de sincronização com dispositivos GPS,
Georreferenciar de fotografias;
Suporte de Birdseye Imagery (imagens de satélite de alta resolução);
Perfis de personalização das rotas.

Não obstante possuir requisitos de instalação e execução mais “pesados”, o tipo de arquiteturas tecnológicas utilizadas internamente
(em MS Windows baseia-se na plataforma de desenvolvimento .NET) permitem-lhe gerir de modo muito mais eficiente os recursos
(fundamentalmente, memória RAM e  memória virtual a paginar em disco rígido) dos equipamentos. Basta carregarmos um mapa mais
pesado (possuidor de DEM, por exemplo) e com o nível de detalhe mais elevado, numa máquina algo limitada em memória (do tipo1/2 Gb
de RAM). Verificamos rapidamente que, face ao MapSource, as diferenças de fluidez na deslocação/ampliação do referido mapa, ou o
carregamento/visualização de ficheiros de dados são substanciais, para além de que não consome com o tempo todos os recursos
(memória/processador) da máquina.

Este desenvolvimento do BaseCamp tem ainda a vantagem de ser multiplataforma, o que alarga substancialmente a comunidade de
utilizadores. Para já estão abrangidos os sistemas operativos MS Windows e Mac OS, perfilando-se para um futuro próximo (a acreditar
nos fóruns de desenvolvimento do próprio fabricante) uma versão para dispositivos móveis (smartphones e tablets com iOS).

A utilização de perfis de atividade.

A diversificação do Mercado de dispositivos GPS, constatável quer ao nível de funcionalidades como de serviços fornecidos, a par do
alargamento do espectro de consumidores e das suas atividades terrestres, conduziram a Garmin a novos conceitos e abordagens quanto
à questão do denominado “planeamento de viagem”. Já em 2010 e durante as fases beta (que antecederam o lançamento), a Garmin
propunha-se através do BaseCamp desenvolver uma maior afinidade:

Do utilizador com o dispositivo GPS;


Da aplicação com o tipo de atividade (walk-up and use).

O conceito de perfil de atividade é um destes exemplos. Está disponível não apenas para o BaseCamp, mas também nos dispositivos GPS

1 of 10 14/05/2018 20:47
Land Lousã » BaseCamp: dicas de utilização http://www.landlousa.com/2012/09/basecamp-di...

mais recentes (caso dos modelos Montana ou GPSMAP, que as designam como “profiles”).

A primeira questão que nos “assalta” será, com certeza, a seguinte: em que é que estas atividades me podem ser úteis? Muito simples,
todo o trabalho de preparação de uma viagem, expedição ou passeio deve partir do tipo de atividades que nelas estarão envolvidas.

Por omissão, o BaseCamp define 11 das atividades terrestres mais comuns. Cada uma contém parametrizações específicas quanto ao
modo de visualização do(s) mapa(s) e algoritmo de cálculo de rotas. Todas elas são passíveis de afinações por parte do utilizador. Mais,
um utilizador pode mesmo criar o seu próprio perfil de atividade.

Assim, posso perfeitamente parametrizar o BaseCamp de modo a que quando estou a planear uma atividade do tipo “Automotivo” ou
Motociclismo” não sejam visualizadas as curvas de nível de um mapa do tipo Topo. Ao passo, que se alterar para a atividade
“Caminhada”, as mesmas passam a estar visíveis.

2 of 10 14/05/2018 20:47
Land Lousã » BaseCamp: dicas de utilização http://www.landlousa.com/2012/09/basecamp-di...

E, quantos de nós até agora não partilharam já uma mesma rota, tendo os dispositivos GPS apresentado diferenças significativas na
forma do cálculo?

Editar um perfil de atividade afeta as rotas e, por consequência, as suas propriedades internas. Agora, e devido a esta funcionalidade,
uma rota é, não apenas exportada com os pontos de passagem que a compõem, mas também com as preferências utilizadas para o seu
cálculo (e, à partida, importadas a partir de um perfil de atividade, ou definidas diretamente). Trata-se, de facto, de um dado importante
que vem obviar às inconsistências no cálculo da rota por parte dos dispositivos GPS mais recentes, uma vez que também eles incorporam
perfis.

3 of 10 14/05/2018 20:47
Land Lousã » BaseCamp: dicas de utilização http://www.landlousa.com/2012/09/basecamp-di...

Organizar informação (em listas e pastas).

Ao abrirmos o BaseCamp, e tendo o dispositivo GPS ligado ao PC, verificamos rapidamente que podemos trabalhar diretamente com
informação residente em três locais:

Biblioteca, que armazena os dados criados pelo utilizador sob a pasta “Minha coleção”.
Dispositivos (Memória Interna). Como exemplo, está ligado um GPSMap 60csx.O BaseCamp irá listar o ID da unidade, permitir
visualizar os mapas pré-carregados na memória interna do dispositivo (dado nem sempre claro para o utilizador, pois, o mapa pode
existir mas estar “escondido”: http://landlousa.wordpress.com/2012/01/23/dicas-soltas-aceder-directamente-aos-mapas-do-
dispositivo-gps-basecamp-1/), bem como os objetos do tipo rota, trajeto ou pontos.
Dispositivos (Cartão de Memória). Os dispositivos GPS mais recentes dispõem quase todos eles de suporte para cartões de memória
(na sua esmagadora maioria microSD). Daí a visualização da pasta “Dados do usuário”.

A aproximação desenvolvida para gerir esta informação é completamente diferente daquela utilizada pelo MapSource. Assim, o
MapSource é uma aplicação centrada em ficheiros (ou se quisermos, em documentos), bem expresso na existência de um tradicional
menu “Ficheiro”, e que requer por parte do utilizador que a organização da informação seja totalmente levada a cabo fora da aplicação.
Ao invés, o BaseCamp, gere a informação como se integrasse uma base de dados, pelo que aquela deverá (ou, pelo menos, poderá) ser
organizada no interior da própria aplicação.

Os dados são automaticamente armazenados e as alterações registadas, colocando-nos à partida “a salvo” de um inesperado
encerramento (shutdown).

4 of 10 14/05/2018 20:47
Land Lousã » BaseCamp: dicas de utilização http://www.landlousa.com/2012/09/basecamp-di...

Sob a pasta “Minha coleção”, na raiz, é possível, depois, organizar os dados em novas pastas e/ou listas. A designação destas últimas
deverá ter base o evento ou atividade a desenvolver. E, dado que estamos a lidar, para todos os efeitos, com algo próximo do de uma base
de dados, as listas devem ser consideradas como entidades lógicas de agregação dos dados (daí um paralelo em base de dados com o
conceito de view ou consulta) e não físicas: uma lista não contém dados, contém antes apontadores para dados que residem sob a pasta
de raiz “Minha coleção”.

Este conceito é muito importante, pois, só assim percebemos o facto de, à partida, os objetos serem partilhados por listas e não
duplicados: as alterações operadas sob um trajeto a partir de uma hipotética lista “A” estão necessariamente refletidas quando lhe
acedemos a partir da lista “B”.

Testemos os conceitos num caso prático: expedições, todo-o-terreno, Marrocos, os guias do Gandini e os guias do Chris Scott (ok, os
suspeitos do costume!). No BaseCamp, procuro, por norma, organizar a informação por fontes e, nestas, por tipo de evento e data.

Uma estrutura como a que imagem anterior exibe permite-me segmentar a informação a exibir num mapa e, estando a preparar uma
nova expedição, reaproveitar ou combinar mais facilmente os “segmentos” que mais me convêm. Assim, bastará arrastar, por exemplo, a
pista que liga Dakhla à Duna Branca e realizada em 2012 pela Land Lousã para a lista da expedição em preparação, combiná-la depois
com os pontos do tomo VI do Gandini, referentes ao trajeto que liga Tichla a Aoucerd, ou ainda os pontos referentes ao trajeto MW6 do
Chris Scott, que liga Smara a Assa.

Novos pontos de interesse, rotas ou trajetos? O utilizador dispõe sempre da possibilidade para os criar direta e autonomamente, ficando
automaticamente associados à lista.

5 of 10 14/05/2018 20:47
Land Lousã » BaseCamp: dicas de utilização http://www.landlousa.com/2012/09/basecamp-di...

A lista que agora concentra os dados a utilizar na nova expedição é facilmente instalada no dispositivo GPS. Basta arrastar e largar
(operação de drag and drop). E, se pretendermos enviá-la a um amigo, como um ficheiro autónomo (nos formatos GPX ou GDB),
seleciona-se primeiro a lista, posicionando o ponteiro do rato sobre a mesma e premindo o botão esquerdo, acede-se de seguida ao menu
“Arquivo” e finalmente ao comando “Exportar”.

Caso o utilizador opte por enviar a lista para o cartão de memória do dispositivo GPS, é criada, caso não exista, uma pasta de nome
”GPX”, sob a pasta de raiz “garmin”. Naquela, serão colocados tantos ficheiros quantos os tipos de objetos exportados:

Route.gpx;
Track.gpx;
Waypoints.gpx.

Com o tempo e o natural crescimento dos dados é perfeitamente possível que o utilizador perca a noção onde aqueles são utilizados ou
qual a sua origem. Tais dependências de objeto podem ser obtidas a qualquer momento: basta abri-lo e aceder ao separador
“Referências”.

6 of 10 14/05/2018 20:47
Land Lousã » BaseCamp: dicas de utilização http://www.landlousa.com/2012/09/basecamp-di...

Os utilizadores de BaseCamp sobre Mac OS dispõem, nesta matéria, de uma outra funcionalidade, face aos utilizadores das plataformas
MS Windows: a existência de “smart lists”. Tratam-se, na verdade, de filtros aplicados a tipos de objetos ou a objetos que partilham
características (por exemplo, pontos referentes a postos de combustível ou a parques de campismo), e que são atualizados
automaticamente sempre que o utilizador insere nova informação no BaseCamp.

Operações de salvaguarda e restauro (backup e restore) da informação.

Um dos aspetos-chave em qualquer aplicação reside na sua capacidade para armazenar corretamente os dados que gere.

O Basecamp, neste domínio, oferece ao utilizador as seguintes operações:

Copiar os dados do dispositivo (memória interna/cartão de memória) para a Biblioteca do BaseCamp;


Enviar dados da Biblioteca do BaseCamp para o dispositivo (memória interna/cartão de memória);
Exportar dados selecionados da Biblioteca para um ficheiro no Computador (nos formatos GPX ou GDB);
Importar dados de um ficheiro no Computador para a Biblioteca do BaseCamp;
Criar um cópia de segurança da base de dados do BaseCamp (menu “Arquivo” > comando “backup”);
Restauro da base de dados do BaseCamp a partir de uma cópia de segurança (menu “Arquivo” > comando “restaurar”).

As cópias de segurança (.backup) são na realidade ficheiros compactados (formato ZIP) das pastas onde se localiza a base de dados:

Em plataformas MS Windows 7 e 8:
C:\Utilizadores\{user id}\AppData\Roaming\Garmin\BaseCamp\Database
Em plataformas MS Windows XP:
C:\Document and Settings\{User ID}\Application Data\GARMIN\BaseCamp\Database

Se modificarmos a extensão da cópia de segurança de “.backup” para “.zip” é possível inspecionarmos o seu conteúdo e procedermos ao
restauro de forma manual

7 of 10 14/05/2018 20:47
Land Lousã » BaseCamp: dicas de utilização http://www.landlousa.com/2012/09/basecamp-di...

O que evitar quando se começa a utilizar BaseCamp.

Aqui estão algumas sugestões sobre o que não fazer logo que se começa a trabalhar com o BaseCamp. Devo dizer que têm por base
erros próprios:

Não importe todas as rotas criadas em MapSource, só porque é fácil fazê-lo. É sempre preferível redesenhar uma rota de raiz no
BaseCamp ou importá-la de forma discreta e à medida das necessidades, de modo a ser trabalhada. Uma rota importada do
MapSource não contém qualquer informação interna sobre os perfis de atividade que servem de base ao seu cálculo, uma vez
exportada para os dispositivos GPS. Aliás, este é mesmo um dos problemas mais reportados nos foruns por quem começa a
trabalhar com o BaseCamp.
Não ligue o dispositivo GPS e importe toda a informação para o BaseCamp. Agora é possível aceder diretamente ao dispostivo
como uma fonte de dados (mapas, trajetos, rotas e pontos). Basta arrastar os objectos necessários ao trabalho. Tal operação pode
até constituir uma forma simples e primitiva de realizar um backup à informação do dispositivo.
Não instale demasiados mapas no dispositivo GPS, pois, não apenas piora o seu desempenho como pode ainda exceder a sua
capacidade. Sempre que pretendemos instalar mapas com os pontos, rotas e trajetos de uma atividade, o BaseCamp executa uma
aplicação autónoma: o MapInstall. Esta aplicação tem um funcionamento  muito idêntico ao da “ferramenta de mapa” do
MapSource. Assim, à medida que selecionamos segmentos de um mapa, o MapInstall vai marcando graficamente a área a
transferir. O problema que se coloca aqui é que o MapInstall permite instalar tantos segmentos quanta a memória disponível no
dispositivo, mesmo que estes ultrapassam o limite de segmentos que cada dispositivo possui internamente. Por exemplo, um Garmin
Montana 650 tem um limite interno de 4000 segmentos. Se o excedermos, aquele que possuir uma prioridade mais baixa não será
visualizado, sem que o utilizador receba qualquer notificação.

8 of 10 14/05/2018 20:47
Land Lousã » BaseCamp: dicas de utilização http://www.landlousa.com/2012/09/basecamp-di...

Em jeito de conclusão, vale a pena o esforço de adaptação ao BaseCamp? Devo mudar do MapSource para o BaseCamp?

Parece que sim e as razões mais válidas são, em meu entender, estas:

É a uma única aplicação de planeamento de atividades de outdoor com desenvolvimento e manutenção asseguradas pela Garmin, o
que lhe garante no futuro estabilidade sobre alterações em ambientes de sistemas operativos e correções de erros críticos;
Exibe uma maior afinidade com o software  e as formas de trabalho dos dispositivos GPS mais atuais;
Os dados são geridos de forma centralizada e integrada, no seio da própria aplicação, e não necessitam de gestões complementares
de ficheiros;
Lida, de igual modo, com vários formatos de dados;
Assegura o armazenamento automático dos dados inseridos e/ou editados pelo utilizador;
Tem a capacidade de aceder e gerir um dispositivo GPS como uma fonte de dados, similar à sua “Biblioteca”.

Partilha

   

e 09/22/2012
f joaocarloscardoso
4 Blog
JBaseCamp, CARTOGRAFIA, MAPSOURCE

e 09/22/2012
f joaocarloscardoso
4 Blog
JBaseCamp, CARTOGRAFIA, MAPSOURCE
b 2 Comments

Share
Twitter
Facebook
Google+

Rio Arunce »»» Rio Ceira »»» Rio Unhais »»» Rio Zêzere »»» Rio Ocreza »»» Rio Tejo
Nova versão do tomo 4 dos guias Gandini

Search Site

Recent Postsr
Popular Postsj
Popular TagsJ
Commentsb

Travessia da Lousã a Salamanca 2018

2 de Maio de 2018 - 0 Comments

Novidades Garmin – Topo Portugal V6 Light e Garmin Express

9 of 10 14/05/2018 20:47
Land Lousã » BaseCamp: dicas de utilização http://www.landlousa.com/2012/09/basecamp-di...

27 de Abril de 2018 - 1 Comment

Vasco Lima – Sempre Presente – 10 anos de enorme SAUDADE

26 de Abril de 2018 - 0 Comments

Hotel Restaurant Palmier – N31 06.937 W5 09.919

21 de Abril de 2018 - 0 Comments

Camping Atlas View – N31 00.858 W7 06.262

21 de Abril de 2018 - 0 Comments

Meta
Registar
Iniciar sessão
RSS dos artigos
Feed RSS dos comentários
WordPress.org

Arquivos

Arquivos Seleccionar mês

RSS - Artigos

RSS - Comentários

Blog
Acerca
Contactos
Links

© 2018 Land Lousã | Só os duros é que penetram


Follow

Follow Land Lousã

Get every new post on this blog delivered to your Inbox.

Join other followers:

Enter email address

Sign me up!

10 of 10 14/05/2018 20:47