You are on page 1of 7

Instrumentação

LAB 01 - Geração de sinal elétrico proporcional


UFG-Universidade Federal de Goiás | Curso de Engenharia Mecânica

Prof. Sigeo Kitatani Júnior∗

2018, v-1.3

Resumo

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Ut purus elit, vesti-
bulum ut, placerat ac, adipiscing vitae, felis. Curabitur dictum gravida mauris.
Nam arcu libero, nonummy eget, consectetuer id, vulputate a, magna. Donec
vehicula augue eu neque. Pellentesque habitant morbi tristique senectus et
netus et malesuada fames ac turpis egestas. Mauris ut leo. Cras viverra metus
rhoncus sem. Nulla et lectus vestibulum urna fringilla ultrices. Phasellus eu
tellus sit amet tortor gravida placerat. Integer sapien est, iaculis in, pretium
quis, viverra ac, nunc. Praesent eget sem vel leo ultrices bibendum. Aenean
faucibus. Morbi dolor nulla, malesuada eu, pulvinar at, mollis ac, nulla. Curabi-
tur auctor semper nulla. Donec varius orci eget risus. Duis nibh mi, congue eu,
accumsan eleifend, sagittis quis, diam. Duis eget orci sit amet orci dignissim
rutrum.

Introdução
Nos dias atuais, dado a disseminação dos equipamentos eletrônicos, uma parcela
considerável dos sistemas estudados em instrumentação gera um sinal elétrico, de
forma que este sinal (o valor da tensão, por exemplo) seja proporcional à variável
que se pretende medir, conceito este que será explorado em algumas aulas práticas
da disciplina Instrumentação.
Por este motivo, é proposto caracterizar um sinal elétrico variável, cuja
tensão é proporcional a uma variável a ser medida. No presente caso os procedimentos
experimentais serão feitos sem muito rigor quanto à precisão do método utilizado. A
atenção principal será dada ao fato de que é possível fazer medições de, por exemplo,

B sigeojr@ufg.br |  +55 (62) 3209-6404

1
neste caso, posição angular, correlacionando-a ao nível da tensão de um sinal elétrico.
Para este propósito, será estudado, nesta aula de laboratório, o circuito divisor de
tensão.
Por outro lado, o primeiro laboratório de instrumentação tem como propósito,
vários outros objetivos secundários, podendo-se citar:

• Revisar os conceitos utilizados na disciplina Eletrônica Básica, que serão


explorados pela instrumentação, através da montagem e utilização de circuitos
elétricos/ eletrônicos básicos;
• Desenvolver/ exercitar a prática da utilização de equipamentos de laboratórios
como geradores de sinais; osciloscópios; multímetros; etc.
• Se atentar à utilização de procedimentos experimentais laboratoriais.

1 Desenvolvimento teórico
A Figura 1 apresenta um circuito elétrico composto por uma fonte de tensão e duas
resistências em série.
A partir da Lei de Ohmn, pode-se provar que
Figura 1 – Diagrama unifilar. a tensão de saída Vo é função da tensão de entrada
e da relação entre as resistências (DUNN, 2013), de
Vi forma que:
R2
Vo = · Vi . (1)
R1 R1 + R2
Vo Mantendo-se o valor de tensão da fonte e
R2 substituindo-se os valores das resistências R1 e R2 ,
a tensão de saída pode ser alterada, de acordo com
a necessidade. Alternativamente, pode-se gerar um
Fonte – Próprio autor. sinal de tensão continuamente variável, substituindo
as resistência R1 e R2 por um potenciômetro (com
resistência nominal RT = R1 + R2 ), gerando, assim,
o circuito do tipo divisor de tensão, representado na Fig. 2a.
Da mesma forma que no caso anterior (o da Fig. 1), a tensão na saída será
função da posição angular do potenciômetro (em função de R1 e R2 ), sendo que o
sinal de saída no circuito divisor de tensão poderá variar entre zero e o valor da
tensão da fonte, dado a relação

R2
Vo = · Vi . (2)
RT

Nos potenciômetros mais comuns a variação da resistência se dá por meio da


rotação de um eixo e a variação da resistência é linear, embora existam potenciômetros
com outras características, como deslocamento linear ao invés de angular, com
variação não linear da resistência, etc.

2
Figura 2 – Geração de sinal variável: (a) Circuito divisor de tensão; (b) Detalhe interno
do potenciômetro.

R
1 1 2

R1
2

1 2 3
3 3 RT

(a) (b)

Fonte – Próprio autor.

Para o caso ilustrado na Figura 2b, em que a variação da resistência é feita


por meio da rotação do eixo central, supondo que a variação da resistência é linear e
admitindo que o contato intermediário do potenciômetro esteja exatamente no meio
da resistência, a tensão de saída do circuito divisor é dada por:

1/2 · RT 1
Vo = = , (3)
RT 2
ou seja, independentemente do valor nominal do potenciômetro, uma vez que a
tensão de entrada depende da razão entre R2 e RT , a tensão de saída será metade da
tensão da fonte quando os diferentes potenciômetros utilizados estiverem na posição
R1 = R2 . Da mesma forma, para outas posições, será uma fração (R2 /RT ) da tensão
de entrada Vi , independentemente de RT .

2 Procedimentos experimentais
A seguir é apresentada uma lista de procedimentos com as informações necessárias
para a execução da aula de laboratório.

1. Para demonstrar as relações estabelecidas no resumo teórico, deve-se


montar um dispositivo para medição de posição angular, que gera um
sinal de tensão, a partir do circuito divisor de tensão anteriormente
discutido, fazendo-se o uso dos materiais fornecidos no laboratório;

2. Utilizando um gerador de sinal, alimentar o circuito montado no item


anterior com uma tensão pico a pico Vi = 5,0 V e frequência 100 Hz.

3. Faça uso de um osciloscópio para medir: no canal A a tensão Vi ; no


canal B a tensão Vo .

3
Tabela 1 – Resultados de medição

Vi Vo
Posição (°)
Vpp (V) VRM S (V) Freq. (Hz) Vpp (V) Freq. (Hz)

Fonte – Próprio autor.

4. Varie a posição angular e meça os parâmetros dos sinais A e B para


preencher a tabela abaixo. Deverão ser medidos ao menos 5 (cinco)
pontos variando-se a posição angular do eixo do potenciômetro.
5. Compare os valores obtidos de Vi e Vo . Qual a diferença entre os sinal
na entrada e na saída do circuito?
6. Meça a resistência RT do potenciômetro e o valor máximo de desvio
angular. A partir destes valores, calcule a relação:
RT
S= . (Ω/o ) (4)
θmax

7. Apresente um gráfico mostrando a tensão de saída em função da posição


angular do potenciômetro, comparando os resultados medidos em laboratório
e o correspondente valor teórico esperado, estimado a partir da Eq.4.
8. Apresente as dificuldades encontradas para correlacionar a posição
angular e o sinal de tensão.
9. A partir dos seus resultados (organizados na Tab. 1) em conjunto com
o valor calculado pela Eq. 4, verifique se as relações teóricas estabelecidas
no resumo teórico são válidas. Justifique a sua resposta

3 Exercícios de fixação
A seguir são apresentados exercícios para fixação dos conceitos desenvolvidos em
sala de aula.

4
Questão 3.1 Qual a diferença entre sinal elétrico de corrente alternada (AC) e de
corrente contínua (CC)?
Questão 3.2 Qual a potência dissipada em uma carga resistiva de 68 Ω quando
uma onda senoidal de 110V (pico a pico) é aplicada à resistência?
Questão 3.3 A Figura 3a apresenta um circuito composto com uma combinação de
resistências em série e paralelo, submetidas a uma diferença de potencial, fornecida
pela fonte de tensão Vi . Para esta situação, considere que R1 = 10Ω; R2 = 10Ω;
R3 = 10Ω; R4 = 20Ω; R5 = 20Ω e que Vi = 10V. Fazendo uso da lei de Ohm, calcule:

a) O valor da resistência equivalente do b) O valor da corrente que é fornecida


circuito. pela fonte de tensão.

c) A queda de tensão em cada uma das d) O valor da corrente sobre R1 , R2 e


resistências. R4 .

Questão 3.4 A Figura 3b mostra um circuito com resistências submetidas a uma


fonte de corrente. Admitindo os mesmo valores de resistência da Questão 3.3 e que a
fonte de corrente fornece a corrente nominal ai = 1, 75 A, calcule:

a) O valor de tensão sobre a fonte; b) O valor da corrente sobre R1 , R2 e


R4 .

Figura 3 – Circuito divisor de tensão: (a) Com fonte de tensão; (b) Com fonte de
corrente.

R2 R4 R2 R4
Vi ai
R1 R1

R3 R5 R3 R5

(a) (b)

Fonte – Próprio autor.

4 Elaboração de relatório técnico


Após todas as aulas práticas será cobrado um relatório técnico. Neste relatório
cada grupo deverá apresentar:

5
• Uma seção de introdução, contendo um resumo a respeito do conteúdo do
relatório. Neste capítulo deverá apresentar os objetivos (principais e secundários)
da aula prática, bem como outras informações gerais.

• Uma seção de metodologia, onde irá apresentar um resumo teórico para


justificar a metodologia utilizada - deverá apresentar, de forma sucinta, equações
e definições que justificarão os materiais e métodos utilizados para se chegar aos
objetivos apontados na introdução; descrever os materiais e equipamentos
utilizados na aula prática; descrever os procedimentos utilizados para a execução
da aula prática.

• Uma seção de resultados e discussões, onde serão apresentadas os dados


obtidos em laboratório. Estes dados deverão ser organizados na forma de
gráficos e tabelas, seguidos ou precedidos de comentários e/ ou explicações
- os resultados apresentados sem comentários e/ ou explicações deverão ser
apresentados na forma de apêndice. Em havendo a necessidade de manipular
os resultados obtidos para se gerar um gráfico, tabela, etc., com o intuito de se
explorar os resultados, pode-se apresentar equações no capítulo de resultados.

• Uma seção de conclusões deve ser apresentada, contendo as conclusões finais


a respeito do trabalho. Nesta seção apresentados conteúdos como comentários
a respeito do cumprimento ou não dos objetivos propostos; apontamento
de justificativas e observações a respeito de desvios entre teoria e prática;
elaboração de hipóteses para efeitos observados na prática e que não eram
esperados/ previstos pela teoria; depoimentos a respeito da importância das
atividades propostas; etc.

• Na seção Apêndice serão apresentados os conteúdos desenvolvidos pelos auto-


res, necessários para complementar a argumentação apesentada no documento,
porém, que não sejam imprescindíveis. Nesta seção serão apresentadas as
resoluções dos exercícios propostos na seção 3 deste roteiro.

• Observações: Não é necessário o desenvolvimento de textos extensos, apre-


sentando detalhes a respeito da teoria tratada no laboratório. Entretanto,
deve-se primar pelo desenvolvimento de um relatório bem estruturado, do
ponto de vista da lógica, assim como bem redigido, fazendo uso correto de
normas ortográficas, normas técnicas de estruturação do relatório - citações,
referências cruzadas, etc.

Direitos autorais - de reprodução e publicação


É proibida a reprodução/ publicação deste texto, bem como de parte
do mesmo sem autorização prévia.

6
Referências

DUNN, W. C. Fundamentos de instrumentação industrial e controle de processos.


Tradução Fernando Lessa Rofoli. 1. ed. Porto Alegre: [s.n.], 2013. 326 p., 25 cm.
ISBN 978-85-8260-091-7. Citado na página 2.

SEGUNDO, A. K. R.; RODRIGUES, C. L. C. In: . Eletricidade em CA. Ouro


Preto: Instituto Federal de Minas Gerais - CEAD, 2015. p. 127. Disponível em:
<hhttp://estudio01.proj.ufsm.br/cadernos/ifmg/tecnico_eletroeletronica/arte_
eletricidade_ca.pdf>. Acesso em: 26/03/2016. Nenhuma citação no texto.