Вы находитесь на странице: 1из 6

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/285594239

Avaliação funcional como ferramenta norteadora da prática clínica

Chapter · January 2012

CITATION READS

1 1,440

3 authors, including:

Jan Luiz Leonardi


Núcleo Paradigma
32 PUBLICATIONS   26 CITATIONS   

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Prática Baseada em Evidências em Psicologia Clínica e o Desenvolvimento das Terapias Comportamentais View project

Efeitos da validação e invalidação no desempenho em corrida de atletas View project

All content following this page was uploaded by Jan Luiz Leonardi on 04 December 2015.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


Avaliação funcional como 10
ferramenta norteadora
da prática clínica
Jan Luiz Leonardi
Nicodemos Batista Borges
Fernando Albregard Cassas

ASSUNTOS DO CAPÍTULO
> Definição de avaliação funcional.
> Objetivos da avaliação funcional na clínica.
> Etapas da avaliação funcional.
> Elementos da avaliação funcional.
> Elementos “suplementares” para planejar a intervenção.

Avaliação funcional é a identificação das rela- compreensão do caso e que norteia a tomada
ções de dependência entre as respostas de um de decisões clínicas.
organismo, o contex- Uma avaliação funcional tem quatro
Avaliação funcional to em que ocorrem objetivos, a saber:
é a ferramenta
pela qual o clí- (condições antece-
nico analítico- dentes), seus efeitos 1. identificar o comportamento-alvo e as con-
-comportamental: in- no mundo (eventos dições ambientais que o mantém;
terpreta a dinâmica
consequentes) e as 2. determinar a intervenção apropriada;
de funcionamento do
cliente que o levou a operações motivado- 3. monitorar o progresso da intervenção;
procurar por terapia ras em vigor.1 Ela é a 4. auxiliar na medida do grau de eficácia e
e que determina a in- efetividade da intervenção (Follette, Nau-
tervenção apropria-
ferramenta pela qual
da para modificar as o clínico analítico- gle e Linnerooth, 1999).
relações comporta- -comportamental in-
mentais envolvidas
na queixa.
terpreta a dinâmica
de funcionamento > ETAPAS DA
do cliente, a qual o levou a procurar por tera- AVALIAÇÃO FUNCIONAL
pia, e que determina a intervenção apropria-
da para modificar as relações comportamen- A avaliação funcional de determinado com-
tais envolvidas na queixa. Em poucas pala- portamento pode ser dividida em cinco eta-
vras, é a avaliação funcional que permite a pas (Follette, Naugle e Linnerooth, 1999):
106 Borges, Cassas & Cols.

1. Identificação das características do cliente porque o comportamento é plástico e multi-


em uma hierarquia de importância clínica: determinado. Além disso, vale apontar tam-
levantamento das informações gerais da bém que alguma intervenção pode ocorrer
vida do cliente, tanto presentes quanto nas etapas iniciais, pois, muitas vezes, não é
passadas, o que inclui a queixa clínica e os possível interagir com o cliente sem que isso
possíveis eventos relacionados a ela. produza certa mudança. Por exemplo, algu-
2. Organização dessas características em prin- mas perguntas que o clínico faz com o intuito
cípios comportamentais: organização das de levantar informações podem, por si só, le-
informações coletadas na primeira etapa, a var ao aprimoramento do repertório de auto-
partir das leis do comportamento (apre- conhecimento do cliente.
sentadas na primeira parte deste livro), em
que são identificadas as contingências ope-
rantes e respondentes em vigor. > ELEMENTOS DA
3. Planejamento da intervenção: planejamen- AVALIAÇÃO FUNCIONAL
to de uma ou mais intervenções com o ob-
jetivo de modificar as relações comporta- Como foi apontado anteriormente, a avalia-
mentais identificadas na etapa anterior. ção funcional é o processo pelo qual o clínico
4. Implementação da intervenção: atuação clí- identifica as contingências relacionadas à
nica com o objetivo de modificar as rela- queixa do cliente, sendo que o objetivo final
ções comportamentais responsáveis pela de toda avaliação funcional é promover o pla-
queixa do cliente, que pode envolver os nejamento de uma intervenção que produza
mais variados processos (reforçamento di- a mudança comportamental desejada.
ferencial, modelação, instrução, etc.). O primeiro elemento a ser identificado
5. Avaliação dos resultados: análise dos resul- em uma avaliação funcional diz respeito às
tados que as intervenções produziram, o respostas envolvidas na queixa do cliente.
que inclui investigar se as novas relações Nesse momento, o clínico ainda não está
comportamentais se manterão no ambien- buscando pelos determinantes do compor-
te cotidiano do cliente. Se os resultados tamento-alvo, mas apenas descrevendo o
não forem satisfató- que ocorre e como ocorre. Em geral, os pro-
A avaliação funcio- rios, a avaliação fun- blemas relativos a essa parte da contingência
nal de determinado cional deve ser reini- são excessos comportamentais (lavar as mãos
comportamento
pode ser dividida em ciada. compulsivamente, por exemplo), déficits
cinco etapas: comportamentais (falta de habilidades so-
1. Identificação das É importante ciais, por exemplo) e comportamentos inter-
características do
cliente em uma
observar que as eta- ferentes (dificuldade em iniciar uma intera-
hierarquia de im- pas apresentadas aci- ção social devido à maneira de se vestir, por
portância clínica; ma são divisões didá- exemplo).
2. Organização des-
ticas que visam auxi- Em seguida, com base nos vários even-
sas característi-
cas em princípios liar o clínico a orga- tos relatados pelo cliente ou observados na
comportamentais; nizar seu trabalho. interação terapêutica,2 o clínico deve levantar
3. Planejamento da hipóteses sobre quais processos comporta-
Na prática, essas eta-
intervenção;
4. Implementação da pas ocorrem conco- mentais estão envolvidos nas respostas-alvo
intervenção; mitantemente ao lon- que compõem a queixa, que podem ser refe-
5. Avaliação dos go de todo o processo rentes a condições consequentes (reforçamen-
resultados.
de análise, sobretudo to, punição, extinção, etc.) e antecedentes
Clínica analítico-comportamental 107

(discriminação, operação motivadora, equi- de respostas – o que é designado pela literatu-


valência de estímulos, etc.). Para isso, o pro- ra de análise molecular (Andery, 2010). Toda-
fissional precisa identificar regularidades en- via, o clínico deve ampliar a avaliação funcio-
tre as diversas experi- nal englobando ou-
O profissional preci- O clínico deve
ências narradas pelo tros aspectos que ampliar a avaliação
sa identificar regu-
laridades entre as
cliente ou vivencia- favorecem o planeja- funcional engloban-
diversas experiên- das na interação tera- mento da interven- do outros aspectos
cias narradas pelo que favorecem o
pêutica, sendo que, ção, como o históri-
cliente ou vivencia- planejamento da
das na interação
quando possível, es- co de desenvolvi- intervenção, como
terapêutica. sas relações identifi- mento do problema, o histórico de
cadas devem ser tes- a história de vida do desenvolvimento do
problema, a história
tadas, confirmando ou não suas existências. cliente não direta- de vida do cliente
Algumas perguntas favorecem o levan- mente relacionada à não diretamente
tamento de informações sobre as consequên- queixa e a análise relacionada à queixa
e a análise molar do
cias produzidas por determinada resposta, molar do funciona- funcionamento do
tais como “O que acontece quando você faz mento do cliente. cliente.
isso?”; “Se você não o fizesse, o que acontece-
Histórico de desenvolvimento do comportamento-
ria?”; “Como você se sente depois que age
-alvo: consiste no levantamento de informa-
desta maneira?”. Outras perguntas contri-
ções sobre o desenvolvimento do problema, o
buem para a coleta de dados sobre os antece-
que permite ao clínico entender a constitui-
dentes, tais como “Quando você se comporta
ção da queixa e verificar as possíveis estraté-
assim?”; “O que você acha que te leva a agir
gias que já foram utilizadas e seus respectivos
(ou pensar) assim?”; “Como você estava se
resultados.
sentindo antes de fazer isso?”.
Outros recursos podem ser utilizados História de vida do cliente não diretamente re-
além de fazer perguntas, como a observação lacionada à queixa: trata-se da coleta de dados
direta da interação terapêutica e a regularida- (mesmo que breve) acerca da história de vida
de (ou sua ausência) no discurso do cliente. do cliente, o que inclui seu desenvolvimento
Cabe ao clínico usar diferentes estratégias infantil, adolescência, relações familiares, re-
para levantar as informações necessárias para lações sociais e culturais, estudo, trabalho,
a formulação da avaliação funcional. hobbies, etc. A identificação dos recursos exis-
É essencial destacar que todo o clínico tentes na vida do cliente pode ser útil para o
deve ser versado nos aspectos filosóficos, teó- planejamento da intervenção.
ricos e empíricos da análise do comporta- Análise molar do funcionamento do cliente: con-
mento. É esse conhecimento que orienta o te- siste na avaliação dos impactos que o problema
rapeuta a formular perguntas, criar hipóteses clínico está causando no funcionamento glo-
e elaborar uma intervenção bem-sucedida. bal do cliente. Para o clínico abranger essa am-
plitude de análise, ele não deve se limitar às
questões tradicionais como “Quais são as res-
> ELEMENTOS “SUPLEMENTARES” postas que fazem parte da classe?”, “Em que
PARA PLANEJAR A INTERVENÇÃO contexto elas acontecem?”, “Quais são suas
consequências?”, “Com que frequência ocor-
Em geral, a ênfase da avaliação funcional re- rem?”, etc. Apesar da enorme importância de
cai sobre o efeito específico e momentâneo de tais questões, é fundamental incluir perguntas
variáveis ambientais sobre determinada classe como “De que forma as pessoas reagem aos
108 Borges, Cassas & Cols.

comportamentos do cliente, atualmente?”; “O de conduzir a avaliação funcional ao longo de


que aconteceria se estes comportamentos mu- todo este processo e apresentar os elementos
dassem?”; “O ambiente cotidiano do cliente que a compõem. Nos demais capítulos desta
pode prover conse- seção do livro, o leitor poderá encontrar vários
Todo indivíduo
possui um repertório quências reforçadoras outros aspectos que merecem a atenção do clí-
comportamental para seu novo respon- nico analítico-comportamental.
vasto em que a alte- der?”, etc. (Borges,
ração de uma única
classe de repostas 2009). Todo indiví-
pode afetar todo o duo possui um reper- > NOTAS
sistema em diferen- tório comportamen-
tes graus, sendo 1. Há um longo debate sobre o termo mais apropriado
papel do clínico
tal vasto em que a al-
a empregar para se referir ao processo de identifica-
analisar os efeitos teração de uma única ção das relações de dependência entre uma classe de
de cada mudança a classe de respostas respostas, os estímulos antecedentes e consequentes
curto, médio e longo
prazos.
pode afetar todo o e as operações motivadoras. Alguns termos propos-
sistema em diferentes tos na literatura incluem análise funcional, avalia-
ção funcional, avaliação comportamental e análise
graus, sendo o papel do clínico analisar os efei- de contingências. Além disso, não há consenso
tos de cada mudança a curto, médio e longo sobre as práticas que esses termos representam (cf.
prazos. Neno, 2003; Sturmey, 1996; Ulian, 2007).
2. Um maior aprofundamento de como fazer isso
encontra-se nos demais capítulos desta seção do
livro.
> CONSIDERAÇÕES FINAIS

O clínico analítico-comportamental analisa


os comportamentos funcionalmente, ou seja,
> REFERÊNCIAS
examina como as relações entre o cliente e seu American Psychiatric Association. (2002). Manual diagnós-
ambiente se constituíram e se mantêm. Desse tico e estatístico de transtornos mentais (4. ed., texto revisado).
modo, o clínico compreende os comporta- Porto Alegre: Artmed.
mentos-alvo sem emitir julgamentos de valor Andery, M. A. P. A. (2010). Métodos de pesquisa em aná-
lise do comportamento. Psicologia USP, 21(2), 3133-42.
e sem recorrer a explicações metafísicas, pois Borges, N. B. (2009). Terapia analítico-comportamental:
entende que aqueles comportamentos foram Da teoria à prática clínica. In R. Wielenska (Org.), Sobre
selecionados na história de vida do cliente. comportamento e cognição (vol. 24, pp. 231-239). Santo
André: ESETec.
O planejamento e implantação da in-
Carr, E. G., Langdon, N. A., & Yarbrough, S. C. (1999).
tervenção são passos que sucedem à avaliação Hypothesis-based intervention for severe problem behavior.
funcional inicial. Não é aconselhável fazer In A. C. Repp, & R. H. Horner (Orgs.), Functional analysis
of problem behavior: From effective assessment to effective sup-
qualquer intervenção sem que a primeira eta- port (pp. 9-31). Belmont: Wadsworth.
pa seja elaborada, sob pena de fracasso do Catania, A. C. (1999). Aprendizagem: Comportamento, lin-
processo terapêutico. A intervenção só deve guagem e cognição (4. ed.). Porto Alegre: Artmed.
ocorrer quando se conhecer sobre qual(is) Cavalcante, S. N., & Tourinho, E. Z. (1998). Classificação
e diagnóstico na clínica: Possibilidades de um modelo
pedaço(s) da contingência será necessário in- analítico-comportamental. Psicologia: teoria e pesquisa,
tervir – operação motivadora, estímulo dis- 14(2), 139-147.
criminativo, classe de respostas, reforçador, Follette, W. C., Naugle, A. E., & Linnerooth, P. J. (1999).
etc. –, ou seja, quando o clínico souber qual é Functional alternatives to traditional assessment and diag-
nosis. In M. J. Dougher (Org.), Clinical behavior analysis
o “problema” que ocorre. (pp. 99-125). Reno: Context Press.
Este capítulo teve como objetivo explici- Leonardi, J. L., Rubano, D. R., & Assis, F. R. P. (2010).
tar as etapas do processo clínico, a importância Subsídios da análise do comportamento para avaliação de
Clínica analítico-comportamental 109

diagnóstico e tratamento do transtorno do déficit de aten- Skinner, B. F. (1977). Why I am not a cognitive psycholo-
ção e hiperatividadde (TDAH) no âmbito escolar. In Con- gist. Behaviorism, 5(2), 1-10.
selho Regional de Psicologia de São Paulo, & Grupo Inte- Sturmey, P. (1996). Functional analysis in clinical psychology.
rinstitucional Queixa Escolar (Orgs.), Medicalização de Chichester: John Wiley & Sons.
crianças e adolescentes: Conflitos silenciados pela redução de
questões sociais a doenças de indivíduos (pp. 111-130). São Sturmey, P. (2008). Behavioral case formulation and inter-
Paulo: Casa do Psicólogo. vention: A functional analytic approach. Chichester: John
Wiley & Sons.
Neno, S. (2003). Análise funcional: Definição e aplicação
na terapia analítico-comportamental. Revista Brasileira de Sturmey, P., Ward-Horner, J., Marroquin, M., & Doran, E.
Terapia Comportamental e Cognitiva, 5(2), 151-65. (2007). Structural and functional approaches to psychopa-
thology and case formulation. In P. Sturmey (Org.), Func-
Sidman, M. (1960). Normal sources of pathological beha- tional analysis in clinical treatment (pp. 1-21). Burlington:
vior. Science, 132, 61-68. Academic Press.
Skinner, B. F. (1965). Science and human behavior. New Ulian, A. L. A. O. (2007). Uma sistematização da prática do
York: Free Press. (Trabalho original publicado em 1953) terapeuta analíticocomportamental: Subsídios para a forma-
Skinner, B. F. (1976). About behaviorism. New York: Vin- ção. Dissertação de mestrado não publicada, Universidade
tage Books. (Trabalho original publicado em 1974) de São Paulo, São Paulo.

View publication stats