You are on page 1of 22

Direito civil LINDB Questão 1

Comente a assertiva: “A LINDB é uma lex legum”.


Direito civil LINDB Questão 1

A LINDB (antiga LICC) é o Decreto-lei nº 4.657/42.


Trata-se de uma “norma de sobredireito”. Isso quer dizer que ela é uma norma que tem por finalidade
regulamentar outras normas. Em razão disso, dizem que ela é uma “lei sobre lei” (lex legum).
Direito civil LINDB Questão 2

De acordo com o novel art. 20 da LINDB: “Nas esferas administrativa, controladora e judicial, não se decidirá
com base em valores jurídicos abstratos sem que sejam consideradas as consequências práticas da decisão”.

Qual é a justificativa dessa norma? Houve uma mitigação da normatividade dos princípios?
Direito civil LINDB Questão 2

O dispositivo proíbe “motivações decisórias vazias, apenas retóricas ou principiológicas, sem análise prévia de fatos e de impactos.
Obriga o julgador a avaliar, na motivação, a partir de elementos idôneos coligidos no processo administrativo, judicial ou de controle,
as consequências práticas de sua decisão.
Resumo:
• Não se decidirá com base em valores jurídicos abstratos sem que sejam consideradas as consequências práticas da decisão.
• Isso vale para decisões proferidas nas esferas administrativas (ex: em um PAD), controladora (ex: julgamento das contas de
um administrador público pelo TCE) e judicial (ex: em uma ação civil pública pedindo melhores condições do sistema carcerário).
O que o legislador pretendeu, portanto, foi, indiretamente, tentar tolher o ativismo judicial em matérias envolvendo implementação
de direitos. É como se o legislador introduzisse uma condicionante para a força normativa dos princípios: eles somente podem ser
utilizados para fundamentar uma decisão se o julgador considerar “as consequências práticas da decisão”. Pode-se dizer que é uma
reação retrógrada1 à força normativa dos princípios constitucionais.

1
Trata-se do efeito backlash, isto é, um tipo de superação legislativa ou reversão jurisprudencial conservadora, contrária à inclinação liberal do Poder
Judiciário.
Direito civil LINDB Questão 3

V ou F

A motivação das decisões adotadas por órgãos administrativos, controladores ou judiciais demonstrará a
necessidade e a adequação da medida imposta ou da invalidação de ato, contrato, ajuste, processo ou norma
administrativa, inclusive em face das possíveis alternativas.

O mesmo se aplica à decisão que decretar a invalidação de ato, contrato, ajuste, processo ou norma
administrativa, devendo conter suas consequências jurídicas e administrativas.
Direito civil LINDB Questão 3

V- art. 20, p. ún., e 21 da LINDB

O administrador, conselheiro ou magistrado quando for...


• impor alguma medida ou
• invalidar ato, contrato, ajuste, processo ou norma administrativa
... deverá demonstrar que a decisão tomada é necessária e a mais adequada.
... explicando, inclusive, as razões pelas quais não são cabíveis outras possíveis alternativas.
Direito civil LINDB Questão 4

Fale sobre a exigência do primado da realidade disposto no art. 22 da LINDB.


Direito civil LINDB Questão 4

Segundo esse postulado normativo, a interpretação de normas jurídicas sobre gestão pública deve
considerar as peculiaridades do caso concreto, isto é, os obstáculos e a realidade fática do gestor, as políticas
públicas acaso existentes e o direito dos administrados envolvidos.
Uma das principais teses de defesa dos administradores públicos nos processos que tramitam nos
Tribunais de Contas ou nas ações de improbidade administrativa é a de que não cumpriram determinada regra
por conta das dificuldades práticas vivenciadas, em especial quando se trata de Municípios do interior do Estado.
Alega-se, por exemplo, que não se apresentou a prestação de contas porque a internet no interior é ruim.
Argumenta-se também que não se apresentou o balanço contábil porque no Município não há contadores e
assim por diante.
Em geral, tais argumentos não são acolhidos porque os Tribunais de Contas e o Poder Judiciário
entendem que essas dificuldades são previamente conhecidas e que os administradores públicos já deveriam se
preparar para elas.
Direito civil LINDB Questão 4
Assim, o objetivo do dispositivo foi o de tentar “abrandar” essa jurisprudência pugnando que o órgão
julgador considere não apenas a literalidade das regras que o administrador tenha eventualmente violado,
mas também as dificuldades práticas que ele enfrentou e que possam justificar esse descumprimento.
Aqui é interessante que essa determinação normativa não seja utilizada, portanto, como um pretexto
para o argumento no sentido de que a realidade vence o direito… ou seja, que se as circunstâncias de
cumprimento da lei forem muito penosas, vamos questionar tal requisito, ou pior, negociar o seu cumprimento
por um regime de transição, conforme será visto nas sequências.
Uma alegação dos elaboradores do projeto foi no sentido da necessidade de se estreitar o contato dos
órgãos fiscalizadores com os órgãos fiscalizados.
Direito civil LINDB Questão 5
V ou F

Na aplicação de sanções, serão consideradas a natureza e a gravidade da infração cometida, os danos que dela
provierem para a administração pública, as circunstâncias agravantes ou atenuantes e os antecedentes do
agente.
As sanções aplicadas ao agente serão levadas em conta na dosimetria das demais sanções de mesma natureza e
relativas ao mesmo fato.
A decisão administrativa, controladora ou judicial que estabelecer interpretação ou orientação nova sobre norma
de conteúdo indeterminado, impondo novo dever ou novo condicionamento de direito, deverá prever regime de
transição quando indispensável para que o novo dever ou condicionamento de direito seja cumprido de modo
proporcional, equânime e eficiente e sem prejuízo aos interesses gerais.
Direito civil LINDB Questão 5

V – arts. 22 e 23
O art.23, que trata do regime de transição, se assemelha a uma modulação de efeitos da decisão, semelhante ao
disposto no art. 927, §3º do CPC:

Art. 927 (...)


§ 3º Na hipótese de alteração de jurisprudência dominante do Supremo Tribunal Federal e dos tribunais
superiores ou daquela oriunda de julgamento de casos repetitivos, pode haver modulação dos efeitos da
alteração no interesse social e no da segurança jurídica.
Direito civil LINDB Questão 5

Comente o art. 24 da LINDB:

Art. 24. A revisão, nas esferas administrativa, controladora ou judicial, quanto à validade de ato, contrato, ajuste,
processo ou norma administrativa cuja produção já se houver completado levará em conta as orientações gerais
da época, sendo vedado que, com base em mudança posterior de orientação geral, se declarem inválidas
situações plenamente constituídas.
Parágrafo único. Consideram-se orientações gerais as interpretações e especificações contidas em atos públicos
de caráter geral ou em jurisprudência judicial ou administrativa majoritária, e ainda as adotadas por prática
administrativa reiterada e de amplo conhecimento público.
Direito civil LINDB Questão 5

Essa norma pretende condicionar a decisão prolatada aos entendimentos esposados quando da instauração do
processo no qual será prolatada à decisão, e não à data em que esta será proferida.

O Ministério Público Federal, em Nota Técnica, afirma que se trata de previsão perigosa porque amplia muito a possibilidade de
“convalidação” dos atos viciados, não fazendo qualquer ressalva quanto a ilegalidades graves:
“O dispositivo, a rigor, traz mais justificativas abertas para eventual convalidação de ato ou de contrato inexistentes ou nulos. De
fato, os atos anuláveis, convalidados, seriam até aceitáveis. O dispositivo, no entanto, abre espaço para que, considerando a
passagem do tempo, a estabilidade das relações, a “orientação geral” que não foi à época contestada, o ato inexistente ou o ato
nulo se tornem válidos. Assim, esses atos não seriam mais considerados inexistentes ou nulos com efeitos ex tunc. Esse tipo de
conduta/previsão, no entanto, fere os princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.
Importante relembrar que a validação do ato administrativo depende da verificação contrastada entre ele e a ordem jurídica, sendo
que descompasso constatado deve possibilitar a reposição ao estado de legalidade.”
Direito civil LINDB Questão 6

V ou F

Para eliminar irregularidade, incerteza jurídica ou situação contenciosa na aplicação do direito público, inclusive
no caso de expedição de licença, a autoridade administrativa poderá, após oitiva do órgão jurídico e, quando for
o caso, após realização de consulta pública, e presentes razões de relevante interesse geral, celebrar
compromisso com os interessados, observada a legislação aplicável, o qual só produzirá efeitos a partir de sua
publicação oficial.
O compromisso buscará solução jurídica proporcional, equânime, eficiente e compatível com os interesses gerais;
não poderá conferir desoneração permanente de dever ou condicionamento de direito reconhecidos por
orientação geral; e deverá prever com clareza as obrigações das partes, o prazo para seu cumprimento e as
sanções aplicáveis em caso de descumprimento.
Direito civil LINDB Questão 6

V – art. 26
Direito civil LINDB Questão 7

V ou F

A decisão do processo, nas esferas administrativa, controladora ou judicial, poderá impor compensação por
benefícios indevidos ou prejuízos anormais ou injustos resultantes do processo ou da conduta dos envolvidos.
A decisão sobre a compensação será motivada, ouvidas previamente as partes sobre seu cabimento, sua forma
e, se for o caso, seu valor.
Para prevenir ou regular a compensação, poderá ser celebrado compromisso processual entre os envolvidos.
Direito civil LINDB Questão 7

V – art. 27
Direito civil LINDB Questão 8

Comente o art. 28 da LINDB: “O agente público responderá pessoalmente por suas decisões ou opiniões técnicas
em caso de dolo ou erro grosseiro”.
Direito civil LINDB Questão 8

Segundo a Sociedade Brasileira de Direito Público, “o art. 28 quer dar a segurança necessária para que o agente
público possa desempenhar suas funções. Por isso afirma que ele só responderá pessoalmente por suas decisões
ou opiniões em caso de dolo ou erro grosseiro (o que inclui situações de negligência grave, imprudência grave ou
imperícia grave) (...)”.
Nada obstante, o art. 37, §6º da Constituição prevê a possibilidade de responsabilização do agente público em
caso de dolo OU culpa, não há necessidade de erro grosseiro.
Este dispositivo se afasta da regra constitucional em dois pontos:
1º) Para que o agente público responda, o art. 28 exige que ele tenha agido com dolo ou erro grosseiro. Ocorre
que a CF/88 se contenta com dolo ou culpa.
A doutrina divide a culpa em três subespécies: culpa grave, leve e levíssima.
Direito civil LINDB Questão 8
O erro grosseiro é sinônimo de culpa grave. Assim, é como se o art. 28 dissesse: o agente público somente
responde em caso de dolo ou culpa grave. Há ainda uma outra observação: alguns autores afirmam que a culpa
grave é equiparada ao dolo.

2º) O art. 37, § 6º da CF/88 exige que a responsabilidade civil do agente público ocorra de forma regressiva. O
art. 28, por seu turno, não é explícito nesse sentido, devendo, no entanto, ser interpretada a responsabilidade
como sendo regressiva por força da Constituição e daquilo que a jurisprudência denomina de teoria da dupla
garantia:
A vítima somente poderá ajuizar a ação contra o Estado (Poder Público). Se este for condenado, poderá
acionar o servidor que causou o dano em caso de dolo ou culpa. O ofendido não poderá propor a
demanda diretamente contra o agente público. Essa posição foi denominada de tese da dupla garantia.
STF. 1ª Turma. RE 327904, Rel. Min. Carlos Britto, julgado em 15/08/2006.
STF. 1ª Turma. RE 593525 AgR-segundo, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 09/08/2016.
Direito civil LINDB Questão 9

V ou F

Em qualquer órgão ou Poder, a edição de atos normativos por autoridade administrativa, salvo os de mera
organização interna, poderá ser precedida de consulta pública para manifestação de interessados,
preferencialmente por meio eletrônico, a qual será considerada na decisão.
A convocação conterá a minuta do ato normativo e fixará o prazo e demais condições da consulta pública,
observadas as normas legais e regulamentares específicas, se houver.
As autoridades públicas devem atuar para aumentar a segurança jurídica na aplicação das normas, inclusive por
meio de regulamentos, súmulas administrativas e respostas a consultas.
Os instrumentos previstos no caput deste artigo terão caráter vinculante em relação ao órgão ou entidade a que
se destinam, até ulterior revisão.
Direito civil LINDB Questão 9

V – arts. 29 e 30