You are on page 1of 9

TEMA OU ASSUNTO

O que leva pessoas a assumirem riscos?

OBJETIVO

Este projeto faz com que os alunos investiguem seus ascendentes e os riscos
que assumiram no passado: o que fez com que eles assumissem esses riscos?

Aborda também contextos históricos ao imergir em fluxos migratórios e eventos


do passado.

Isso fará com que os seus pequenos estimulem sua capacidade exploratória e
investigativa (curiosidade), além de adentrar em contextos culturais de sua
própria realidade.

ÁREA DO CONHECIMENTO

Selecione com um “X” a área do conhecimento que seu projeto se encaixa.


Você pode marcar mais de uma área, caso se encaixe em mais do que uma:
( X ) ÁREA DE LINGUAGENS - Língua Portuguesa, Educação Física, Arte e
Língua Estrangeira Moderna
( ) ÁREA DE MATEMÁTICA - Matemática
( ) ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA - Ciências, Física, Química e Biologia ( X
) ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS - História, Geografia, Sociologia e Filosofia

( ) ÁREA DE ENSINO RELIGIOSO - Ensino Religioso, Fundamentos do


Componente Ensino Religioso

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

Selecione as competências e habilidades que seu projeto desenvolverá nos


alunos.
Lembrando que pode ter mais de uma opção.
( X ) Análise Crítica - Permite ao aluno raciocinar efetivamente, fazer julgamentos
e tomar decisões, além de contribuir para a capacidade de resolver
problemas. ( ) Criatividade - Elaborar, refinar, analisar e avaliar ideias. Pensar
sob diferentes perspectivas uma mesma situação. Demonstrar originalidade e
inventividade. ( X ) Curiosidade - Sede de saber mais. Ter pensamento
inquisitivo, buscando de forma contínua explorar, aprender e investigar.
( X ) Comunicação - Articular pensamentos e ideias, ouvir de forma efetiva,
usar a comunicação para diferentes propósitos e em variados ambientes.
( ) Colaboração - Ser empático, flexível e estar disposto a ajudar o outro.
Demonstrar habilidade para estar em grupo respeitando a diversidade.

IDADES APLICÁVEIS

A partir dos 9 anos.

TEMPO ESTIMADO DE PREPARO (APROXIMADO)


Providenciar história para contar aos alunos na etapa inicial sobre riscos.

TEMPO ESTIMADO DE EXECUÇÃO EM SALA (APROXIMADO)

Entre 8 e 13 aulas de 50 minutos.

MATERIAL NECESSÁRIO

Lápis e borracha para escrever os textos;

Lápis de cor para os desenhos;

Canetinha ou hidrocor ponta fina para quem quiser contornar os desenhos;

Papel de carta.

SUGESTÃO BIBLIOGRÁFICA (OPCIONAL)


Emigração, imigração ou migração
http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/gramatica/emigracao-imigracao-
oumigracao.htm

Fluxos migratórios no Brasil


http://acervo.novaescola.org.br/geografia/praticapedagogica/gente-chega-
gente-sai-488822.shtml

Migração no Brasil http://educador.brasilescola.uol.com.br/estrategias-


ensino/amigracao-no-brasil.htm

Como fazer perguntas em uma entrevista jornalística


http://www.casadosfocas.com.br/como-fazer-perguntas-em-uma-
entrevistajornalistica/

METODOLOGIA E APLICAÇÃO EM SALA

Etapa 1 – Apresentação do Projeto

Tempo sugerido: 10 a 20 minutos

Converse com os seus alunos sobre como foram as férias deles. Alguém viajou
para algum lugar? Para onde? Escute as histórias e, em seguida, apresente o
projeto. Conte que nas próximas aulas será trabalhado o tema “O que leva as
pessoas a assumirem riscos? ”.

Nesta jornada, os alunos irão conhecer os passos do projeto e vão também


saber sobre sua aventura exploratória.

Etapa 2 – Iniciando o Projeto


Tempo sugerido: 20 a 40 minutos

Leve aos alunos um livro que tenha uma aventura. É importante que nesta
aventura o protagonista corra alguns riscos ao longo de sua jornada para
exemplificação do tema central do projeto.

Conte essa história aos alunos ou, caso os alunos já estejam trabalhando um
determinado livro de aventura, utilize-o para o projeto.

Peça para eles identificarem o momento em que os personagens correram


riscos e escrevam:

- Quais foram os riscos que os personagens correram?


- Por que eles tomaram a decisão de correr aquele(s) risco(s)?
- O que você faria de diferente?

Etapa 3 – Debate sobre os riscos

Tempo sugerido: 20 a 30 minutos


Agora que os alunos já refletiram sobre os riscos, é hora de debater as
respostas dadas pelos alunos. O que motivou cada aluno a pensar daquela
forma? Quais foram os riscos que os alunos correriam ou não correriam?

Etapa 4 – Identificando sua aventura e seus riscos (para casa)

Tempo Sugerido: 10 a 20 minutos (explicação em sala)


Agora é a vez de os alunos criarem a história de suas aventuras e identificar os
riscos presentes.
Explique aos alunos que a carta deverá ser baseada na história de um membro da
família do autor, que tenha escolhido realizar algum movimento de migração,

ou seja, tenha se deslocado de um estado para outro, ou tenha se deslocado de


um país para outro (ex: Avô que nasceu na Bahia e foi morar em São Paulo).

Peça que entrevistem essa pessoa e descubram as seguintes questões:

- Por que essa pessoa fez essa migração?


- Como foi que ocorreu?
- Quais riscos essa pessoa assumiu ao fazer essa migração?
- Quais são as razões que outras pessoas fizeram a mesma migração?
- O que é assumir risco?
- Por que algumas pessoas assumem riscos e outras não?

Peça para fazerem esse processo exploratório e retornar com as respostas até
a aula seguinte (ou um tempo determinado pelo docente).

Como referencial para a entrevista, veja a sugestão bibliográfica do projeto.

Quando os alunos entrevistarem seus parentes aventureiros, passarão a


conhecer um pouco mais de suas histórias. Isso fará com que os alunos se
empolguem em aprender, além de engajar seus parentes nesse processo
exploratório. Além disso, entenderão perifericamente sobre fluxos migratórios.

Etapa 5: Debate sobre o risco

Tempo Sugerido: 20 a 40 minutos


Após os alunos investigarem os riscos assumidos por seu parente aventureiro,
abra um debate com seus alunos em um semicírculo:

- O que é risco?
- O que motiva as pessoas a assumirem riscos?
- É bom ou ruim assumir riscos? Por quê?
- Alguém tem um exemplo quando assumir risco foi bom? E quando foi ruim?
- Quais riscos vocês (alunos) já correram?

Neste momento é importante que os alunos tenham claro o que significa


assumir riscos, saibam exemplos de riscos e tenham consciência de calcular
quando se deve ou não assumir um risco.

Não se esqueça de mencionar riscos que os alunos não devem assumir (por ex:
atravessar a rua com o sinal vermelho para pedestres).

Etapa 6 – Escrevendo uma carta!

Tempo sugerido: 50 minutos


Este é o momento de os alunos relatarem suas impressões das histórias e
aventuras de seu parente aventureiro.

Distribua a cada aluno a folha de texto.

Os alunos relatarão em suas cartas sobre risco, a história de seu parente


aventureiro. A carta deve ser destinada a um amigo querido.

Uma estrutura sugerida para redigir a carta é:

Local e data: Rio de janeiro, 21 de fevereiro de 2018


Saudação: Querido (Fulano),

* Introdução – Quem é o parente aventureiro? Por que quis contar essa história
ao amigo
* Desenvolvimento - Por que essa pessoa fez essa migração? Como foi esse
processo de migração? Quais riscos essa pessoa assumiu ao seu mudar?
* Conclusão - Como essa pessoa se sente hoje? Valeu a pena correr o risco?
* Despedida.
Caso seus alunos ainda não escrevam, é possível que você, docente, seja a
escriba da história. Importante é a história ser autêntica, individual e expressar
os reais sentimentos daquele aluno.

Etapa 7 – Trocando e corrigindo as cartas

Tempo sugerido: 3 a 6 aulas de 50 minutos


Agora que todos os alunos já têm suas cartas escritas, cada aluno trocará a sua
com a do colega escolhido. Em seguida, deverão corrigir a carta uns dos outros.

Ao final, peça para destrocarem as cartas e a reescreverem num papel bem


bonito. A carta poderá ser colocada num envelope. Isso será bem bacana para
os pequenos sentirem que estão fazendo algo especial.

Etapa 8 – Entrega das cartas

Tempo Sugerido: 20 a 40 minutos


Com duas versões finais das cartas, os alunos podem trocar entre si e cada um
fica com a sua carta corrigida pelo colega e com a carta final recebida do colega.

Etapa 9 – Reflexão

Tempo estimado: 10 a 20 minutos


Após a entrega das cartas, sugira aos alunos uma reflexão individual e uma
discussão coletiva, pensando no projeto do início ao seu fim. Como foi? Valeu
a pena? O que ficou de aprendizado?

Peça aos alunos sugestões de próximos projetos. Ouvi-los é ter a certeza de


um grande engajamento.
Já pensou em ver o resultado desse
projeto num livro escrito pelo seu próprio
aluno?
Nós podemos realizar esse sonho =D
A Estante Mágica está presente em mais de 2000
escolas por todo país e já transformou mais de
200.000 alunos em autores!
Clique aqui e saiba como transformar seus
pequenos em estrelas literárias: