You are on page 1of 3

2º Trabalho de Direito Constitucional

Aluna: Gracielle de Souza Pinheiro

 ADI 3461/ES – 22/05/2014: trata-se de ação de inconstitucionalidade como pedido de medida


cautelar, proposta pelo Procurador Geral da República, tendo como relator o Ministro Gilmar
Mendes, imputando contra o artigo 1º da Lei nº 7.456 de 12 de março de 2003 do Estado de
Espirito Santo, norma que estabelece como subsidio mensal pago ao deputado Estadual o
valor correspondente a 75% do subsidio mensal pago a deputado federal. Vez que tal norma
viola o princípio da autonomia dos entes federativos, vindo a existir uma grande afronta a
constituição. JULGADA PROCEDENTE

 ADI 4587/GO – 22/05/14: é uma ação direta de inconstitucionalidade artigo, 145 parágrafos
5º do regime interno da assembleia legislativa do Estado de Goiás, tendo como relator
Ministro Ricardo Lewandowski. Tal ADI dispõe sobre o pagamento de parlamentares por
participação em sessão extraordinária. Incumbe salientar que tal pagamento afronta a
constituição federal, que veda a pagamento de parcela indenizatória em na convocação de
sessões extraordinárias. JULGADA PROCEDENTE

 ADI 4203/RJ – 30/10/14 e ADI 4232/RJ – 18/05/09: tais ações indiretas de


inconstitucionalidade, trata-se da inconstitucionalidade da lei nº 5.388/99 que determina a
apresentação de declaração de bens à assemblei legislativa para agentes públicos estaduais.
Obrigava que alguns agentes públicos, Ex: juízes, delegado, declara-se anualmente uma
declaração de bens ao Poder Legislativo. Declarou inconstitucional por não ter competência
para fazer essa fiscalização não tendo previsão na constituição. Os ministros consideram quem
somente fosse valido aos servidores do próprio poder legislativo, por se tratar de uma norma
de controle administrativo de controle interno. A primeiro foi PARCIALMENTE
PROCEDENTE

 MANDADO DE SEGURANÇA 34.327/ DF – 08/09/16: Relator Roberto Barroso. Processo


de cassação de mandato parlamentar e autocontenção do poder judiciário, quebra de decoro
parlamentar. O impetrante é Eduardo Cunha entro com mandado de segurança sobre ao
mandado de cassação que sofria o STF. Dado tal requerimento, ficou posto que o supremo
Tribunal Federal somente deve interferir em procedimentos legislativos para assegurar o
cumprimento da Constituição, tais como proteger direitos fundamentais resguardar os
pressupostos de funcionamento da democracia e das instituições republicas. O STF entendeu
que nem uma dessas situações estava presente, optando pela técnica da autocontenção que é
o oposto do ativismo judicial, no alto contenção o poder judiciário deixa de atuar. DENEGOU
A SEGUNRANÇA.

 Ação penal 694/ MT - 02/0517 e ação penal 863/SP - 23/05/17: refere-se a perda do
mandato. Dispõe quando a condenação do deputado federal ou senador ultrapassar 120 dias
em regime fechado, a perda do mandado é consequência lógica. Neste caso caberá a câmara
e ao senado declara a perda do mandato nos termos do artigo 55 parágrafo terceiro. No regime
aberto as mesas ira deliberar se perde ou não o mandato, nos termos do artigo 55 parágrafo
segundo. Fechado será automático a perda.

 ADI 4627/DF e ADI 4350/DF – 23/10/14: tais ação indiretas de inconstitucionalidade tiveram
grandes repercussões gerais. A mediadas provisórias trata da analise dos requisitos
constitucionais de relevância e urgência do DPVAT. Não é papel do poder judicial analisar a
relevância e urgência da medida provisório somente quando se tiver notório abuso de direito.
JULGADO IMPROCEDENTE

 Iniciativa de lei: Recurso Extraordinário 239458/SP – 11/12/14: relatora Ministra Carmen


Lúcia, tal ADI trata de inconstitucionalidade de lei municipal de São Paulo de iniciativa
parlamentar que concede isenção de tarifas municipais. Viola o princípio da harmonia dos
poderes. Um interfere na competência do outro. DENEGOU A SEGURANÇA.

 Iniciativa de Lei: Recuso extraordinário 305470/SP – 18/10/16: relatora Ministra Ellen


Gracie, tem como iniciativa parlamentar a vedação de realização de eventos em imóveis do
município, patrocinados por bebidas alcoólicas e cigarros com a utilização da respectiva
propaganda. Deve-se deixar claro que não invadiu esfera de atribuição própria do Poder
Executivo, porquanto a competência do Prefeito de exercer a administração dos bens imóveis
do Município não impede que o Poder Legislativo imponha limitações à realização de eventos
nesses locais, até porque tal atuação não se confunde com a administração exercida pelo
Prefeito sobre o patrimônio municipal. O município pode estabelecer, pode regular o interesse
público é municipal. JULGADO IMPROCEDENTE
 Emenda parlamentar: ADI 2910/RS – 20/04/16: requisitos para emenda parlamentar a
projetos de lei de outros poderes. Iniciativa de lei de poder judiciário e parlamentar cabe
emenda, desde que cumpra os requisitos: I- guardem pertinência temática com a proposta
original, ou seja trata do mesmo assunto. II- Não acorrentem aumento de despesas.