Вы находитесь на странице: 1из 4

1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE


CENTRO DE CIEÊ NCIAS HUMANAS, LETRAS E
ARTES DEPARTAMENTO DE ANTROPOLOGIA

DISCIPLINA: DAN0016 - OFICINA II DE MÉTODOS QUALITATIVOS


PROFESSOR: ANA GRETEL ECHAZUÚ BOÖ SCHEMEIER
CURSO: CIEÊ NCIAS SOCIAIS (BACHARELADO)
SEMESTRE: 2018.1
Horário: M3456; Quartas das 8.55 aà s 12.30 hs.
Local: 2D4

EMENTA:
Apresentaçaã o de teé cnicas e meé todos especíéficos de exploraçaã o, levantamento
e anaé lise de dados qualitativos. Situaçoã es concretas em que saã o empregados.
Reflexividade, observaçaã o participante, afetaçaã o, cartografias, etnografias
documentais e etnografias multi-situadas.

OBJETIVOS:
O curso objetiva refletir e problematizar as possibilidades da pesquisa
etnograé fica e os processos de produçaã o do conhecimento antropoloé gico. Permitiraé a
discussaã o sobre a praé tica da pesquisa e os contextos da etnografia. Aleé m disso, visa
proporcionar aos alunos a experieê ncia de pesquisa etnograé fica por meio de um
exercíécio de campo, propiciando o contato com a diversidade de meé todos e teé cnicas de
pesquisa com vistas aà elaboraçaã o do trabalho monograé fico.
O programa estaé dividido em treê s unidades. Na primeira unidade, seraé discutida
a praé tica da pesquisa de campo etnograé fico a partir das conceptualizaçoã es sobre a
“observaçaã o participante”, os estudos antropoloé gicos em contextos urbanos, as
dimensoã es interpessoais da pesquisa envolvendo as ideias de distaê ncia, de familiar e de
exoé tico, bem como as relaçoã es de afetos envolvidas na pesquisa de campo. Na segunda
unidade, trabalhar-se-aé com a diversidade de procedimentos nos registros etnograé ficos,
refletindo sobre as biografias, a histoé ria de vida, a histoé ria oral, a etnografia ciberespaço, a
etnografia e educaçaã o e, por fim, apresentar os dilemas, a eé tica e a responsabilidade
implicadas no trabalho do antropoé logo. E na terceira unidade, seraé dedicada a realizaçaã o da
experieê ncia de campo dos alunos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
UNIDADE I – O TRABALHO DE CAMPO ETNOGRÁFICO
- O trabalho antropoloé gico: pesquisa e reflexividade
- Trabalho de campo e observaçaã o participante
- O familiar e o exoé tico
- Pesquisa antropoloé gica em contextos urbanos
- O afeto na pesquisa de campo

UNIDADE II – PROCEDIMENTOS E REGISTROS ETNOGRÁFICOS


- Biografia, histoé ria de vida e histoé ria oral
2

- Etnografias no ciberespaço
- Etnografias e cartografias
- O desenho como teé cnica de pesquisa
- Dilemas, eé tica e responsabilidade do antropoé logo

UNIDADE III – EXPERIÊNCIAS ETNOGRÁFICAS


Estudos de caso e reflexões

METODOLOGIA
Aulas expositivas; discussaã o pautada de textos; exibiçaã o e discussaã o de produtos
audiovisuais; seminaé rios temaé ticos.

AVALIAÇÃO
Seraé realizada uma prova escrita presencial e individual ao teé rmino da Unidade I. A
segunda avaliaçaã o consistiraé na resenha de um texto referente aà segunda unidade. A
terceira nota refere-se aà apresentaçaã o de um seminaé rio onde um grupo de
alunos ficaraé responsaé vel pela apresentaçaã o oral de um tema previamente
combinado, sendo imprescindíével a realizaçaã o de pesquisa complementar sobre a
temaé tica escolhida e os autores dos textos principais. As treê s notas teraã o o mesmo
peso. A presença, pontualidade e participaçaã o nos debates em sala de aula, exercíécios
e demais atividades pedagoé gicas complementares, comporaã o 20% da terceira nota. A
leitura dos textos eé obrigatoé ria e fundamental para um bom aproveitamento da
disciplina. Alguns textos podem ser trocados ao longo da disciplina conforme a
dinaê mica da turma.

BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA

ALBUQUERQUE, Maria Betaê nia (2009): Uma heresia epistemoloé gica: as plantas como sujeitos
de saber. Em: Revista do CES Nro. 328. Lisboa.

ATKINSON, Paul. 2013. Ethnography and Craft Knowledge. Em: Qualitative Sociology
Review, Vol. 9, N 2. Pp 56-63.

BECKER, Howard (2014[1986]): A epistemologia da pesquisa qualitativa. Em: Revista de


Estudos Empíéricos em Direito, 1 (2) (184-98).

BERKIN, Sarah (2012): Notas para construir metodologias horizontales. Em: BERKIN,
Sarah e Olaf KALTMEIER. En diaé logo, metodolgias horizontales en ciencias sociales y
culturales. Ciudad de Meé xico: Gedisa. (85-109).

BOURDIEU, Pierre. 1999. Introduçaã o a uma sociologia reflexiva. In: O Poder Simbólico. Rio
de Janeiro: Bertrand Brasil.

BOURDIEU, Pierre. 2005. A ilusaã o biograé fica. In: Razões práticas: Sobre a teoria da açaã o 7. ed.
Campinas: Papirus.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 1998. O trabalho do antropoé logo: olhar, ouvir, escrever. In: O
trabalho do antropólogo. Brasíélia: Paralelo 15; Saã o Paulo: Editora da UNESP, p. 17-35

CARVALHO, Joseé Jorge de. O olhar etnograé fico e a voz subalterna. Horizontes
antropoloé gicos, Vol7, Nro 15. 2001. Em: http://www.scielo.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S0104-71832001000100005

CSORDAS, Michael. Modos somaé ticos de atencioé n. Em: CITRO, Silvia (org). Cuerpos
3

plurales - Antropologíéa de y desde los cuerpos. Pp. 83-104. Buenos Aires: Biblos; 2011.

DURHAM, Eunice R. 1986. A pesquisa antropoloé gica com populaçoã es urbanas: problemas e
perspectivas. In: CARDOSO, Ruth C. L. (org.) A Aventura Antropológica. Teoria e Pesquisa. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, p. 17-37.

EVANS-PRITCHARD, E. E. 2005. Algumas reminisceê ncias e reflexoã es sobre o trabalho de


campo. Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., p. 243-
25

ECHAZUÚ BOSCHEMEIER, Ana Gretel et al. Feminizing the Canon: Classics in Anthropology from
the Perspective of Female Authors. 2017. Em: https://www.teachinganthropology.org/resources/

FAVRET-SAADA, Jeanne. 2005. Ser Afetado. Cadernos de Campo, n. 13, p. 155-161. GOLDMAN,
Maé rcio. 2005. Jeanne Favret-Saada, os afetos, a etnografia. Cadernos de Campo, n. 13, p.149•153.

FONSECA, Claudia. 2010. Queé eé tica? Que cieê ncia? Que sociedade?. Em: FLEISCHER, Soraya e
Patrice SCHUCH; EÚ tica e regulamentaçaã o na pesquisa antropoloé gica. Brasíélia: UNB/Letras livres.
pp 39-70.

FONSECA, Claudia. O anonimato e o texto antropoloé gico: Dilemas eé ticos e políéticos da etnografia
‘em casa’. Teoria e cultura, 2(1), 2008, p. 39-53.

HARAWAY, Donna (1995 [1986]): Saberes localizados: a questaã o da cieê ncia para o feminismo
e o privileé gio da perspectiva parcial. Em: Cadernos Pagu. 5 (7-41).

LEWGOY, Bernardo. A invençaã o da (ciber)cultura: Virtualizaçaã o, aura e praé ticas etnograé ficas
poé s-tradicionais no ciberespaço. Civitas, Porto Alegre, v. 9, n. 2, p. 185-196, maio-ago. 2009.

LIMA, Izaíéra Thalita da Silva. 2014. Índios digit@is: ciberativismo e elaboraçoã es indíégenas na internet a
partir dos portais Indios online e Indio Educa. Dissertaçaã o (Mestrado em Cieê ncias Sociais e
Humanas), Mossoroé . (Introduçaã o e Capíétulo 4).

MALINOWSKI, B. Objetivo, meé todo e alcance desta pesquisa. In: Desvendando máscaras sociais. 2.
ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora, 1980.

PACHECO, Gustavo de Britto Freire. Brinquedo de cura: um estudo sobre a pajelança


maranhense. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro,
2004.

PEIRANO, Mariza. 2008. Etnografia ou a teoria vivida. Revista Ponto Urbe, 2(2), USP, p.110.
http://n-a-u.org/pontourbe02/Peirano.html

RABELO, Miriam. 2011. Estudar a religiaã o a partir do corpo: algumas questoã es teoé rico-
metodoloé gicas. Caderno CRH Vol 24 N 61, pp 15-28.

SANTOS, Boaventura de Sousa (2009): Maé s allaé del pensamiento abismal: de las líéneas globales a
uma ecologíéa de saberes. Em: OLIVEÚ , Leoé n. Pluralismo Epistemoloé gico. La Paz: Muela del Diablo
Editores.

SOUZA MINAYO, Maria Cecilia. Pesquisa social: teoria, meé todo e criatividade.
https://cld.pt/dl/download/9ce6538a-bcad-4766-b430-25bfa307cbf4/Livro%20Minayo.pdf

SILVA, Kelly C. da. 2007. O poder do campo e o seu campo de poder. In: BONETTI, Alinne;
FLEISCHER, Soraya (orgs). Entre saias justas e jogos de cintura. Florianoé polis: Ed. Mulheres;
Santa Cruz do Sul: EDUNISC.
4

VELHO, Gilberto. 1981. Observando o familiar. In: Individualismo e cultura: notas para uma
antropologia da sociedade contemporaê nea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 121-132.

VELSEN, Van. 1967. “A anaé lise situacional e o meé todo de estudo de caso detalhado”. In: FELDMAN-
BIANCO, BELA (org.). Antropologia das sociedades contemporaê neas - Meé todos. Saã o Paulo: UNESP,
2010, pp. 437-468.

VIANNA CABRAL, Ana Lué cia et al. Itineraé rios terapeê uticos: estado da arte da produçaã o cientíéfica
no Brasil. Em: Cieê ncia & Saué de Coletiva, 16(11):4433-4442, 2011.

WEBER, Florence. A entrevista, a pesquisa e o íéntimo, ou por que censurar seu diaé rio de campo?
Horizontes. Antropológicos, 2009,15(32), p. 157-170

Похожие интересы