Вы находитесь на странице: 1из 1

Inflamação por farpa.

A resposta celular na inflamação aguda é mediada por neutrófilos, basófilos, mastócitos,


eosinófilos, macrófagos, células dendríticas e epiteliais.

Assim que ocorre a lesão, as plaquetas liberam proteínas do complemento e os


mastócitos degranulam liberando histamina e serotonina, fatores que medeiam a
vasodilatação e o aumento da permeabilidade. Os neutrófilos são os primeiros a
responder à lesão inflamatória e sua migração para o local é induzida por quimiocinas
(IL-8). Estes neutrófilos fagocitam os patógenos e liberam mediadores que contribuem
na resposta inflamatória, sendo os mais importantes as quimiocinas que atraem os
macrófagos para o local de inflamação. Os macrófagos, ao serem ativados, apresentam
fagocitose aumentada e liberação aumentada de mediadores (prostaglandinas e
leucotrienos) e citocinas (IL-1, IL-6 e TNF-α). São as citocinas produzidas pelos
macrófagos que atraem os leucócitos.

Mecanismos efetores de resposta imune humoral

Os antígenos do microrganismo invasor reagem com anticorpos da superfície dos


linfócitos, ativando essas células. Esses linfócitos ativados proliferam e se diferenciam
em células da memória imunitária e em plasmócitos, secretores de anticorpos para
neutralizar o microrganismo.

 Imunidade humoral ou adquirida, que depende de glicoproteínas


circulantes no sangue e outros líquidos, chamadas anticorpos. Os
anticorpos neutralizam as moléculas estranhas e participam da
destruição das células que contem essas moléculas. São produzidos
pelos plasmócitos, células originadas dos linfócitos B, ou células B.

Mecanismos efetores de resposta imune celular

Linfócitos T citotóxicos (citoliticos) são ativados pelo contato com uma célula que
apresenta na superfície antígenos virais em complexos com moléculas MHC I. Essa
ativação leva a produção de células T citotóxicas da memória imunitária e ao
aparecimento de linfócitos T citotóxicos produtores de perforinas, que rompem a
membrana plasmática das células infectadas pelo vírus, pois eles só podem viver no
interior das células.

 Imunidade celular (inata) células imuno competentes (células com


capacidade de resposta imunitária) reagem e matam células que exibem
na superfície moléculas estranhas, como bactérias, células
transplantadas, células malignas (cancerosa) e células infectadas por
vírus.

Todos os linfócito se originam da medula óssea, mais os linfócitos T completam sua


maturação no timo, enquanto os linfócitos B saem da medula já como células maduras.

Timo e a medula óssea são chamados de órgãos linfáticos centrais.

Levados pela ninfa e pelo sangue, os linfócitos migram para os órgãos linfáticos centrais
para os órgãos linfáticos periféricos (baço, linfonodos, nódulos linfáticos isolados,
tonsilas, apêndice, placas de peyer do íleo.) onde proliferam e completam a
diferenciação.

Células dendríticas: elas capturam bactérias e as detroi, pega uma parte da membrana
da célula destruída e cla nela, depois se transforma em células Tnaive, o linfócito T é
ativado e se divide em linfócito T de memoria e linfócito T inativo.

Elas se originam de células percursoras provenientes da medula óssea. São


encontradas em muitos órgãos. As da pele recebe o nome de células Langerhans. São
consideradas células imunoestimuladoras, pois além de apresentarem os antígenos da
células T, elas são capazes de estimular células T que ainda não entraram em contato
com nenhum antígeno.

NK: células natural Killer: os linfócitos NK derivam diretamente da medula óssea e atuam
na resposta imunitária celular, matando as células infectadas.