Вы находитесь на странице: 1из 11

CURSO FOCUS ECONOMIA PARA POLÍCIA FEDERAL

TEORIA DA FIRMA PROF. ALEX MENDES

A tríade dos problemas centrais e seu inter

relacionamento:

O que produzir e em que quantidade?

Como os bens devem ser produzidos?

Para quem os bens são produzidos?

24/08/2017

Introdução

A teoria da firma trata das seguintes questões:

O modo pelo qual uma firma toma decisões de produção minimizadoras de custo

O modo pelo qual os custos de produção variam com o nível de produção

Características da oferta de mercado

Problemas das atividades produtivas em geral

OS INSUMOS

Os insumos, também denominados fatores de produção ou recursos produtivos, são todos os bens ou serviços utilizados em um processo para a produção de outros bens ou serviços.

Entre os insumos temos:

• Terra

• Capital

• Trabalho

• Capacidade empresarial

• Capacidade Tecnológica

Funçao de Produção:

Indica o maior nível de produção que uma firma pode atingir para cada possível combinação de insumos, dado o estado da tecnologia. Mostra o que é tecnicamente viável quando a firma opera de forma eficiente.

Função de Produção

Supõe-se que foi atendida a eficiência técnica (máxima produção possível, em dados níveis de mão-de-obra, capital e tecnologia).

Função de Produção

=
=

Função Oferta

Função Oferta = Relaciona a produção com os preços dos fatores de produção. Função Produção = Relaciona a produção com as quantidades físicas dos fatores de produção.

24/08/2017

Função de Produção Q = F(insumos) É a relação técnica entre a quantidade física de
Função de Produção
Q = F(insumos)
É a relação técnica entre a quantidade física de fatores de
produção e a quantidade física do produto em determinado
período de tempo.
Quantidade do produto = f (quantidade dos fatores de produção)
q =
f
(L,
K,
T,
Te, etc)
área
quantidade
mão-de-obra
capital físico
tecnologia/t
cultivada/t
produzida/t
utilizada/t
utilizado/t

Produção

Conceitos de Produto Total, Produto Médio e Produto Marginal.

Produto Total (PT) É a quantidade total produzida, em determinado período de tempo.

PT = q

Produto Médio É a relação entre o nível do produto e a quantidade do fator de produção, em determinado período de tempo.

da mão-de-obra

PMeL = PT/L

do capital

PMe K = PT/K

Produto Marginal – É a variação do produto, dada uma variação de uma unidade na
Produto Marginal – É a variação do produto, dada uma variação
de uma unidade na quantidade de fator de produção, em determinado
período de tempo.
da mão-de-obra
PMgL =
PT /
L
=
q /
L
do capital
PMg K =
PT /
K
=
q /
K
D C B A L 23 4 8 M L
D
C
B
A
L
23
4 8
M
L

112

60

q/L

30

20

10

q

Graficamente

Produto Total
Produto Total

Acima de 8 unidades de mão de obra os volumes de produção não

são tecnicamente eficientes.

Produto Médio
Produto Médio
Produto Marginal
Produto Marginal

24/08/2017

Produto Médio e Produto Marginal q = Quantidade de Produto; q = f (L, K)
Produto Médio e Produto Marginal
q
= Quantidade de Produto;
q = f (L, K)
L
= Mão de Obra ‐ Variável
K
= Capital ‐ Fixo

Mão de

Capital

Produto Total

Produto Médio

Produto Marginal

Obra (L)

(K)

(q)

(q/L)

(q/L)

 

0 10

0

 

1 10

10

10

10

 

2 10

30

15

20

 

3 10

60

20

30

 

4 10

80

20

20

 

5 10

95

19

15

 

6 10

108

18

13

 

7 10

112

16

4

 

8 10

112

14

0

 

9 10

108

12

4

10

10

100

10

8

D C B A L 23 4 8 M L
D
C
B
A
L
23
4
8
M
L

112

60

q/L

30

20

10

q

Graficamente

Produto Total
Produto Total

“RENDIMENTOS CRESCENTES”

PT está aumentando a uma taxa crescente;

Produto Médio
Produto Médio
Produto Marginal
Produto Marginal
D C B A L 23 4 8 M L
D
C
B
A
L
23
4
8
M
L

112

60

q/L

30

20

10

q

Graficamente

Produto Total
Produto Total

Ponto de Rendimento Marginal Máximo

Produto Médio
Produto Médio
Produto Marginal
Produto Marginal
D C B A L 23 4 8 M L
D
C
B
A
L
23
4 8
M
L

112

60

q/L

30

20

10

q

Graficamente

Produto Total
Produto Total

Ponto de Produto Total Máximo

Produto Médio
Produto Médio
Produto Marginal
Produto Marginal

24/08/2017

D C B A L 23 4 8 M L
D
C
B
A
L
23 4
8
M
L

112

60

q/L

30

20

10

q

Graficamente

Produto Total
Produto Total

”RENDIMENTOS

DECRESCENTES”

PT está crescendo a uma taxa decrescente

Produto Médio
Produto Médio
Produto Marginal
Produto Marginal
D C Produto Total B A L 23 4 8 M Produto Médio Produto Marginal
D
C
Produto Total
B
A
L
23
4
8
M
Produto Médio
Produto Marginal
L

112

60

q/L

30

20

10

q

Graficamente

”RENDIMENTOS

NEGATIVOS”

PT está diminuindo

Produção

Produção Total PT Máximo 20 15 10 5 0 123456789 Fator de Produção (N) Produtividade
Produção Total
PT Máximo
20
15
10
5
0
123456789
Fator de Produção (N)
Produtividade Média (PMe)
e Marginal
(PMg)
PMg = ZERO
6,0
4,0
2,0
0,0
12345678
-2,0
-4,0
Fator de Produção (N)
Prod. Média
Prod. Marginal
PMe e PMg
PT

17

A função de produção com apenas 1 insumo variável – Curto Prazo

A função de produção com apenas 1 insumo variável – Curto Prazo

24/08/2017

Curto e Longo prazos

Curto prazo –O curto prazo se refere a um período de tempo em que pelo menos um insumo é fixo

Longo prazo –O longo prazo é o período de tempo em que todos os insumos podem variar

Lei dos Rendimentos Decrescentes

A lei dos rendimentos decrescentes informa que

à medida que aumenta o uso de um determinado

insumo (mantendo-se fixos os demais insumos),

chega-se a um ponto em que a produção adicional

obtida, eventualmente, decrescerá.

Produção no Longo Prazo

Significa de igual quantidade.

Isoquanta de Produção

Significa de igual quantidade. Isoquanta de Produção Isoquantas – são curvas que apresentam todas as

Isoquantas – são curvas que apresentam todas as possíveis combinação de insumos que resultam no mesmo nível de produção.

21

Capital

Isoquantas

q = f (X 1 , X 2 )

Mão de Obra

       

12345

 

1

20

40

55

65

75

2

40

60

75

85

90

3

55

75

90

100

105

4

65

85

100

110

115

5

75

90

105

115

120

Exemplo : 2 unidades de mão de obra por ano e 3 unidades de capital por ano resultam em 75 unidades de produto por ano

Existem outras formas de obter 75 unidades de produto por ano!

24/08/2017

Isoquantas

São decrescentes da esquerda para a direita

Possuem inclinação negativa

Duas isoquantas não podem se cruzar

A isoquanta é convexa com relação à origem.

Família de isoquantas ou mapa de produção
Família de isoquantas
ou mapa de produção

Capital por ano

5

4

3

2

1

A escolha de uma isoquanta, corresponde à escolha que o fornecedor deseja produzir, dependendo dos
A escolha de uma isoquanta,
corresponde à escolha que o
fornecedor deseja produzir,
dependendo dos custos de
produção e da demanda pelo
produto.
Q 3 = 90
Q 2 = 75
Q 1 = 55
12 3
Mão de Obra por ano

Produção

Rendimentos de escala ou economia de escala

Análise das vantagens e desvantagens que a empresa tem, a longo prazo, em aumentar sua dimensão, seu tamanho, demandando mais fatores de produção.

Rendimentos crescentes de escala

Rendimentos decrescentes de escala

Rendimentos constantes de escala

25

Rendimentos decrescentes de escala

Ocorre quando todos os fatores de produção crescem numa mesma proporção, e a produção cresce numa proporção menor. Ex.:

10% na qte. de mão-de-obra 10% na qte. de capital

Ex.: 10% na qte. de mão-de-obra 10% na qte. de capital A produção aumenta em 5%.

A produção aumenta em 5%.

Motivo provável: A expansão de uma empresa pode provocar uma dificuldade de comunicação entre a direção e as linhas de montagem.

24/08/2017

Rendimentos crescentes de escala

Se todos os fatores de produção crescerem numa mesma proporção, a produção cresce numa proporção maior. Ex.:

10% na qte. de mão-de-obra 10% na qte. de capital
10% na qte. de mão-de-obra
10% na qte. de capital
A produção aumenta em mais de 10%
A produção aumenta
em mais de 10%

Devido à : Indivisibilidade na produção Divisão do trabalho

à : Indivisibilidade na produção Divisão do trabalho Operações de pesquisa e marketing Facilidades de

Operações de pesquisa e marketing Facilidades de empréstimos, etc.

Economia de escala técnica Eco. de escala pecuniária

Rendimentos decrescentes de escala Lei dos rendimentos decrescentes Algum fator de produção é fixo (curto

Rendimentos decrescentes de escala

Rendimentos decrescentes de escala Lei dos rendimentos decrescentes Algum fator de produção é fixo (curto prazo)

Lei dos rendimentos decrescentes

Algum fator de produção é fixo (curto prazo)

Não há fator de produção fixo (longo prazo)

Rendimentos constantes de escala

Se todos os fatores de produção crescerem numa mesma proporção, a produção cresce na mesma proporção. A produtividade média dos fatores de produção são constantes.

Taxa Marginal de Substituição Técnica

Mede a variação na quantidade de capital dividida ela variação na quantidade de trabalho ao longo de uma mesma isoquanta.

Propriedades:

Negativa

Decrescente

O isocusto

– A figura geométrica representativa dos custos de produção de uma empresa. – CT = rK + wL

O isocusto – A figura geométrica representativa dos custos de produção de uma empresa. – CT

24/08/2017

Taxa Marginal de Substituição Técnica

TMST KL = K/L

Isocusto

Linha de isocusto: todas as combinações de dois insumos, como capital e mão de obra, que tenham o mesmo custo total.

24/08/2017 RELAÇÕES ENTRE ISOQUANTAS E ISOCUSTOS → No nível máximo de produção possível, a isocusto
24/08/2017 RELAÇÕES ENTRE ISOQUANTAS E ISOCUSTOS → No nível máximo de produção possível, a isocusto

24/08/2017

RELAÇÕES ENTRE ISOQUANTAS E ISOCUSTOS

No nível máximo de produção possível, a isocusto

é tangente à isoquanta.

A taxa marginal de substituição técnica entre

capital e trabalho, que é representada pela

inclinação da isoquanta, é igual a relação entre as

remunerações do trabalho e do capital, que é

representada pela inclinação de isocusto

Escolhendo a combinação de capital e mão de obra que minimiza os custos

Escolhendo capital e mão de obra de modo a minimizar ocusto total.
Escolhendo capital e mão
de obra de modo a
minimizar ocusto total.
de capital e mão de obra que minimiza os custos Escolhendo capital e mão de obra

Escolhendo a combinação de capital e mão de obra que minimiza os custos

Diferentes coeficientes de preço de insumos levam a diferentes escolhas de insumos

Mudar o preço dos insumos afeta a escolha de insumos que minimizam os custos.

levam a diferentes escolhas de insumos Mudar o preço dos insumos afeta a escolha de insumos

2. Ano: 2010Banca: CESPE

Economia da produção pode ser entendida como o estudo de tecnologias, produtividade, rendimentos produtivos e custos. Com relação a esse assunto, julgue o item que se segue.

Em uma firma com rendimentos de escala crescentes, se as quantidades de todos os insumos forem dobradas, então a produção mais do que dobrará. Em uma firma com economia de escala, para se dobrar a produção, não é preciso dobrar os custos.

24/08/2017

1. Ano: 2014 Banca: CESPE Órgão: Polícia Federal Prova: Agente de Polícia Federal

Tendo em vista que o consumidor, muitas vezes de forma inconsciente, obedece a determinadas regras de comportamento em sua atuação no mercado, julgue o item que segue.

O conjunto de todas as combinações possíveis entre dois insumos capazes de produzir uma mesma quantidade de produto é denominado isoquanta.

3. Ano: 2009 Banca: CESPE

Com relação à aplicação dos conceitos básicos de microeconomia, julgue os itens subsequentes.

Uma das características das isoquantas na teoria da produção é que elas devem ser curvas côncavas em relação à origem dos eixos cartesianos.

24/08/2017

4. Ano: 2016 Banca: CESPE

A partir desses dados, julgue o item que se segue.

As

isoquantas apresentadas representam o capital

Considere uma função de produção que utilize

e

o trabalho como substitutos perfeitos na

capital (K) e trabalho (L), estando as isoquantas dessa produção (Q) descritas na figura apresentada.

produção.

(Q) descritas na figura apresentada. produção. 5. Ano: 2016 Banca: CESPE   Gabarito A respeito de

5. Ano: 2016 Banca: CESPE

 

Gabarito

A respeito de aspectos da teoria do consumidor, produtividades média e marginal e estruturas de mercado, julgue o item seguinte.

1. V

2. V

3. F

 

4. V

A taxa marginal de substituição técnica em cada ponto da isoquanta corresponde à quantidade de capital que pode ser substituída por determinada quantidade de trabalho com o objetivo de aumentar a produção.

5. F