Вы находитесь на странице: 1из 34

28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto

Página 1

AVALIAÇÃO DA FÍSICA MODERNA, VOLUME 77, JULHO DE 2005

Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto

AI Buzdin
Instituto Universitário de França e Grupo de Teoria da Matéria Condensada, CPMOH, Universidade
Bordeaux 1, UMR 5798, CNRS, F-33405 Talence Cedex, França
Publicado 21 de setembro de 2005

O efeito de proximidade nas interfaces supercondutor-ferromagneto produz comportamento oscilatório amortecido


da função de onda de Cooper pair no meio ferromagnético. Isto é análogo ao
supercondutividade não homogênea, prevista há muito tempo por Fulde e Ferrell P. Fulde e RA Ferrell,
1964, "Supercondutividade em um forte campo de troca de spin", Phys. Rev. 135 , A550-A563, e por Larkin
e Ovchinnikov "AI Larkin e YN Ovchinnikov, 1964," Estado Inomogênico de
supercondutores ", Zh. Eksp. Teor. Fiz. 47 , 1136-1146 Sov. Phys. JETP 20 , 762-769 1965 ... e
procurados por experimentalistas de matéria condensada desde então. Este artigo oferece uma análise qualitativa da
efeito de proximidade na presença de um campo de troca e, em seguida, fornece uma descrição das propriedades
de heteroculturas de supercondutor-ferromagneto. É dada especial atenção ao golpe
dependência não-monotônica da temperatura crítica de multicamadas e bicamadas na
espessura da camada ferromagnética, bem como às condições sob as quais "" junções Josephson são
percebi. O progresso recente na preparação de sistemas híbridos de alta qualidade permitiu a
observação de muitos efeitos experimentais interessantes, que também são discutidos. Finalmente, o autor
analisa o fenômeno da supercondutividade domínio-parede e a influência da supercondutividade em
A estrutura magnética em bicamadas de supercondutor e ferromagneto.

CONTEÚDO B. Modelo de solvente de Estágio 960


VIII. Supercondutividade perto do muro de domínio 962
IX. Modificação da ordem ferromagnética por
I. Introdução 935
Supercondutividade 963
II. Limite paramagnético e explicação qualitativa do
A. Campo de troca efetivo em bicamadas finas S /963
F
Formação de fase não uniforme 937 B. Estrutura de domínio 964
A. O diagrama de fase H , T 937 C. Energia de parede de domínio negativo 965
B. Campo de troca no ferromagneto 937 D. Película ferromagnética sobre um substrato supercondutor
966
C. Por que Fulde-Ferrell-Larkin-Ovchinnikov X. Conclusões 966
Estado aparece? 938 Reconhecimentos 967
D. Fungo funcional de Ginzburg-Landau generalizado938 Apêndice 967
III. Efeito de proximidade em Ferromagnetos 939 1. Equações de Bogoliubov-de Gennes 967
A. Algumas generalidades sobre a proximidade supercondutora 2. Equações Eilenberger e Usadel para ferromagnetos
967
efeito 939 Referências 970
B. Dependência oscilatória amortecida do par Cooper
função de onda em ferromagnetos 940
C. Oscilações de densidade de estados 942 I. INTRODUÇÃO
D. Reflexão Andreev na interface S / F 943 Devido à sua natureza incompatível, singlet supercon-
IV. Temperatura de transição supercondutora oscilatória em ductividade e ordem ferromagnética não coexistem a granel
S / F Multilayers e Bilayers 944 materiais. Ginzburg 1956 primeiro formulou o problema
A. Primeira evidência experimental da anômala da convivência do magnetismo e da supercondutividade
efeito de proximidade nos sistemas S / F 944 considerando um mecanismo orbital pelo qual o supercon-
B. Descrição teórica das multicamadas S / F 945 O ductivity é suprimido a interação do supercon-
C. 0 e fases 947 parâmetro de ordem de condução com um potencial de vetor A do
D. Temperatura crítica oscilante 947 campo magnético. Após o advento da teoria BCS por
V. Supercondutor-Ferromagneto-Supercondutor Bardeen, Cooper e Schrieffer 1957, ficou claro
Junção 950 que a supercondutividade no estado singleta também poderia ser
A. Características gerais do junção 950 destruído por um mecanismo de troca. A troca
B. Teoria de junções 950 campo, em um estado magneticamente ordenado, tende a alinhar as rotações
C. Experimentos com junções 954 de Cooper em uma mesma direção, evitando assim uma
VI. Estruturas S / F complexas 955 efeito de emparelhamento. Este é o chamado efeito paramagnético
A. Sanduíches de válvula de rotação F / S / F 955 Saint-James et al. , 1969. Anderson e Suhl 1959
B. SFIF -S heterossebras e proximidade de triplet demonstrou que é improvável que o pedido ferromagnético
efeito 958 aparecem na fase supercondutora. A principal razão
VII. Espessura atômica S / F Multilayers 960 para isso é a supressão do vetor de onda zero-vetor
A. Supercondutores ferromagnéticos em camadas960 da susceptibilidade paramagnética eletrônica em

0034-6861 / 2005/773/93542 / $ 50.00 935 © 2005 The American Physical Society

Página 2
936 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

a presença de supercondutividade. Em tal situação, a cenário improvisável de superposição, improvável.


A energia para ordenação ferromagnética diminui e, Embora a coexistência da supercondutividade singlete

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 1/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
Em vez
deve de ordem
aparecer. ferromagnética,
Anderson nãochamaram
e Suhl 1959 magnifico ou com
libras,o ferromagnetismo
pode ser facilmente é muito improvável
alcançado artificialmente
este estado criptoferromagnético . F-S system / superconductor em camadas de ferromagneto /
A descoberta de 1977 de terrários de terras raras RE com tems. Devido ao efeito de proximidade descrito mais tarde, o
libras RERh 4 B 4 e REMo 6 X 8 X = S, Se; para uma re- Os pares de Cooper podem penetrar na camada F e induzir
veja, por exemplo, Maple e Fisher, 1982, desde que supercondutividade lá. Nesse caso, temos um único
a primeira evidência experimental de magnetismo e super- oportunidade de estudar as propriedades de supercondutores
condutividade que coexiste em compostos estequiométricos. elétrons sob a influência de um grande campo de câmbio.
Descobriu-se que, em muitos desses sistemas, superconduziu-Além disso, é possível estudar a interação entre
Atividade coexiste com a ordem antiferromagnética, e a supercondutividade e magnetismo em um homem controlado,
Néel temperatura T N T c , a temperatura crítica. ner, uma vez que, ao variar as espessuras da camada, mudamos a
A descoberta mais recente de supercondutividade na
forças relativas de duas ordens concorrentes. O ser-
compostos intermetálicos quaternários RENi 2 B 2 C, para um maior do condensado supercondutor sob estes
revisão, veja, por exemplo, Müller e Narozhnyi, 2001
As condições são bastante peculiares.
oferece outro exemplo de antiferromagnetismo e su-
perecutabilidade coexistente. Há muito tempo Larkin e Ovchinnikov 1964 e
Na verdade, supercondução e antiferromagnetismo Fulde e Ferrell 1964 demonstraram que, de uma forma pura
pode coexistir pacificamente porque, em média, o ex- supercondutor ferromagnético a baixa temperatura, su-
Os campos de alteração e orbital são zero às distâncias da a percondutividade pode não ser uniforme. Devido à incomunicação
ordem do tamanho do par Cooper ou coerção supercondutora paciencia de ferromagnetismo e supercondutividade é
comprimento da extensão. Ainda mais interessante, reentrantenão é fácil verificar esta previsão experimentalmente.
supercon-
A ductividade foi observada em ErRh 4 B 4 e HoMo 6 S 8 Os sistemas supercondutores / ferromagnéticos são de certa forma
Maple e Fisher, 1982. Por exemplo, ErRh 4 B 4 be- análogo ao estado superconductor não uniforme. o
vem um supercondutor abaixo T c = 8,7 K. Quando é A função de onda de Cooper pair se estende de supercondutor
arrefecido à temperatura Curie 0,8 K, um inhomo- ao comportamento ferromagnético com oscilação amortecida. este
A ordem magnética genetica aparece no supercondutor resulta em muitos novos efeitos, que discutimos nesta re-
Estado. Com o resfriamento adicional, a supercondutividade évisão:
de- oscilações espaciais da densidade eletrônica dos estados,
uma dependência
provocado pelo início de uma transição ferromagnética de primeira ordem não-monotônica da temperatura crítica
na segunda temperatura crítica T c 2 0,7 K. An- de multicamadas S / F e bicamadas na camada de ferromagneto
Outro exemplo de supercondutividade reentrante é espessura e a realização de "Josephson junc-
HoMo 6 S 8 com T c = 1,8 K, 0,74 K e T c 2 0,7 K. em sistemas S / F / S. Comportamento da válvula giratória em complexo
Conforme previsto por Anderson e Suhl 1959, um não- Estruturas S / F dá outro exemplo do interessante
A ordem magnética parece ser a temperatura Curie interação entre magnetismo e supercondutividade, um
nestes compostos. Sua presença foi confirmada por efeito que é promissor para possíveis aplicações. Nós
experiências de espalhamento de nêutrons. O período desta mag-também discutem a supercondutividade de domínio-parede localizada em
A estrutura netica é menor do que a co- Bicamadas S / F e a influência inversa da supercondução-
comprimento da herência, mas maior do que a distância interatômica.
ênfase no ferromagnetismo, que favorece a magia não uniforme
Em certo sentido, esta estrutura é a realização de uma com- estruturas neticas. Um exemplo interessante de atômico-
promessa entre supercondutividade e ferromag- As multicamadas S / F de espessura são fornecidas por camadas
Netismo: para a supercondutividade, é visto como antiferro- supercondutores gostar Sm 1,85 Ce 0,15 CuO 4 e
magnetismo, mas para o magnetismo parece
ferromagnetismo. Análise teórica, tendo em RuSr 2 GdCu 2 O 8 . Para esses sistemas, o campo de troca em
contam orbital e mecanismos de troca, bem como mag- A camada F também favorece o comportamento da fase, com um
anisotropia netica para uma revisão, ver Bulaevskii et al. , parâmetro de ordem alternada em supercondutores adjacentes
1985, revelou que a fase de coexistência é um domínio - camadas.
como estrutura com um período muito pequeno. A região em Observe que praticamente todos os efeitos interessantes relacionados a
que magnetismo e supercondutividade coexistem a interação entre supercondutividade e magnetismo
ErRh 4 B 4 e HoMo 6 S 8 são estreitos, mas em HoMo 6 Se 8 o nas estruturas S / F ocorrem na escala de camada de nanoescala
O domínio da coexistência sobrevive até T = 0 K. espessuras. A observação desses efeitos tornou-se
Os primeiros supercondutores realmente ferromagnéticos, UGepossível
2
apenas recentemente devido ao grande progresso na
Saxena et al. , 2000 e URhGe Aoki et al. , 2001, preparação de sistemas F / S híbridos de alta qualidade. O ex-
foram descobertos apenas recentemente. Aparentemente, essesprogresso
sistemas experimental e a promessa de potenciais
tem um caráter de interlocutor que permite que o coex- por sua vez estimularam um avivamento de interesse
existência de supercondutores com ferromagnetismo. Dentro-interação de supercondutividade e ferromagnetismo em
escritura, supercondutividade em URhGe Aoki et al. , 2001 heterossextros. Parece ser oportuno rever a re-
aparece abaixo de 0,3 K na fase ferromagnética, enquanto procure neste domínio e considere as perspectivas para
a temperatura Curie é = 9,5 K; Isso faz com que o pecado
trabalho.
-

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 3
937
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

II. LIMITE PARAMAGNETICO E QUALITATIVO


EXPLICAÇÃO DA FASE NONUNIFORME
FORMAÇÃO
A. O diagrama de fase H , T
Para um efeito paramagnético puro, o campo crítico de um
O supercondutor H p em T = 0 pode ser encontrado a partir de uma com-
Parison do ganho de energia E n devido ao spin eletrônico
polarização no estado normal e o supercondutor
energia de condensação E s . No estado normal, o polar-
A ionização do gás eletrônico muda sua energia na mag-
campo netico por
H2
En=-n , 1
2
FIG. 1. O diagrama de fase T , H para o supercondutor 3D.
onde n = 2 B 2 N 0 é a susceptibilidade de rotação do nor- A temperaturas abaixo de T * = 0,56 T c a transição de segundo orden
mal metal, B é o magnetão Bohr, 2 N 0 é a densidade ocorre do supercondutor normal ao não-uniforme
de estados de elétrons no nível de Fermi por dois projetos de rotação
FFLO fase. A linha negrito corresponde à transição de primeira ordem.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 2/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
e oPor
fator de elétron
outro lado, emg éum
igual a 2.
supercondutor, a polariza- no estado
linha supercondutor
representa uniforme,
a transição e os orden
do segundo pontospara o não
formam um
A ausência de energia está ausente, mas a energia de emparelhamento BCSestado
diminuisupercondutor.
2
Es=-N0 0, 2
2 e a transição de primeiro orden para o supercon-
ocorre em vez disso. O diagrama de fase para
onde 0 = 1,76 T c é o intervalo supercondutor em T = 0. supercondutores 3D tridimensionais no puro
Da condição E n = E s , encontramos o Chan- modelo de efeito paramagnético é apresentado na Fig. 1 Saint-
drasekhar 1962-Clogston 1962 limite, ou o paramag- James et al. , 1969. Até agora, não havia ambiguidade
limite netico em T = 0, provas experimentais deste estado. Note, no entanto,
que, recentemente, o supercondutor induzido pelo campo magnético -
Hp0= 0 . 3 Observou-se na dimensão quase bidimensional ou
2B líder ganico Apostas 2 FeCl 4 Uji et al. , 2001, que é
Um excelente
Observe que este campo representa a transição de fase de primeira ordem. candidato para a formação do estado FFLO
de um estado normal para um estado supercondutor. o Balicas et al. , 2001; Houzet et al. , 2002.
análise completa, Saint-James et al. , 1969 demon-
strates que em T = 0 este campo crítico é maior do que o
Transição de fase de segunda ordem II 0H= p0/2 B, e o
transição de um normal para um uniforme supercondutor B. Campo de troca no ferromagneto
O estado é de segunda ordem em T * TT c , onde T * Em um ferromagneto, uma interação de troca entre o
= 0,56 T c , H * = HT * = 0,61 0 / B = 1,05 T c / B. Contudo, elétrons e momentos magnéticos podem ser considerados como
Fulde e Ferrell 1964 e Larkin e Ovchinnikov um campo efetivo de Zeeman. No caso de mo-
FFLO 1964 previu no quadro do modelo com spin S i , localizados nos sites r i , sua interação
de efeito paramagnético puro, a aparência do não- A troca de eletrodos é descrita pela troca
estado supercondutor uniforme com uma modulação sinusoidal
Hamiltoniano
do parâmetro da ordem supercondutora no
Escala do comprimento da coerência superconduzível s . Nisso
Estado FFLO, os pares Cooper têm um impulso finito, H int = d 3 r + r Jr-riSi r, 4
em comparação com zero momentum em super- Eu
condutores. Recentemente, Casalbuoni e Nardulli 2004 re-
Observou a teoria da supercondução não homogênea Onde r é o operador de spinor dos elétrons,
atividade aplicada à matéria condensada e ao quantum = x , y , z são as matrizes de Pauli, e J r é o ex-
cromodinâmica em alta densidade e baixa temperatura. mudar integral. Abaixo da temperatura de Curie, a av-
O campo crítico da transição do segundo orden para O valor de Gots localizados S I é diferente de zero, e o
o estado FFLO aparece acima da transição de primeiro ordemA interação intercalar pode ser considerada como efetiva
entrar em um estado supercondutor uniforme Saint-James et Campo Zeeman H eff = Szi n / B J r d 3 r , onde n é o
al. , 1969. Em T = 0, é H FFLO 0 = 0.755 0 / B, enquanto que concentração de momentos localizados, e a rotação quan-
H p = 0,7 0 / B. Este estado FFLO aparece apenas no O eixo z de tização é escolhido ao longo do movimento ferromagnético.
intervalo de peratura 0 T T * , e é sensível a impurezas ment. É conveniente apresentar o campo de troca h
Tie Aslamazov, 1968. No limite sujo é suprimido, Como

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 4
938 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

h = B H eff = S i z n Jrd3r=sTh0, 5

onde s T = S i z / S iz T = 0 é a magnetiza sem dimensão -


e h 0 é o valor máximo de um campo de troca em
T = 0. O campo de troca h descreve o spin-dependente
parte da energia do elétron e da troca Hamil-
tonian 4 é então

H int = d3r+rhz r. 6

Se também quisermos ter em conta o Zeeman apropriado


campo de magnetização M , então substitua h na Eq. 6 por
h +4 M B. O leitor é advertido que, em princípio, se o
FIG. 2. Banda de energia do supercondutor 1D perto do Fermi
A integral de troca é negativa, o campo de troca será energia. Devido ao Zeeman dividir a energia da eletronica
na direção oposta aos momentos magnéticos e Troncos com orientação de rotação ao longo do campo magnético ↑ de-
o efeito de compensação Jaccarino-Peter Jaccarino e vincos, linha pontilhada, enquanto a energia dos elétrons com o
Peter, 1962 é possível. No entanto, em ferromagnetic met- Orientação de rotação inversa ↓ aumenta, linha pontilhada. A divisão-
Além disso, a contribuição da indução magnética para o O ting do Fermi momenta é ± k F , onde k F = B H / v F. o
spin splitting é várias ordens de grandeza menores do que Cooper pair compreende um elétron com spin ↑ e momen-
o da interação de intercâmbio e pode ser negligenciado. tum k F + k F e outro elétron com spin ↓ e momen-
No caso do Ruderman-Kittel-Kasuya-Yosida tum- k F + k F. O momento resultante do par Cooper é
Mecanismo RKKY do pedido ferromagnético, o diferente de zero: k + K F F + - F + K 0.
KF2=Fk
Temperatura Curie h 20 / E F e em todos os sistemas reais o
campo de troca h 0 , T c . Isso explica isso para o single A modulação espacial da ordem supercondutora pa-
supercondutividade e ferromagnetismo para coexistir rameter tem um vetor de onda 2 k F resultante. Tal explicação
As condições exigidas são muito rigorosas. Na verdade, se Nação apresenta como um supercondutor não uniforme
T c o campo de troca em um ferromagnet h T c , que formas de estado na presença do campo que atua em elétron
excede fortemente o limite paramagnético. No outro gira e, ao mesmo tempo, demonstra a ausência
mão, se T c então, em vez da transição ferromagnética de um limite paramagnético em T → 0 para o supercon-
aparece um pedido magnético não homogêneo ductor Buzdin e Polonskii, 1987. Para 3D Larkin e
Maple e Fisher, 1982; Bulaevskii et al. , 1985. O Ovchinnikov, 1964; Fulde e Ferrell, 1964 ou 2D Bu-
grande valor do campo de troca em um ferromagneto per- laevskii, 1973 supercondutores, não é possível
mace-nos para se concentrar no efeito paramagnético e escolha o vetor de onda única k F que compensa
negligencie o orbital. Observe que bem abaixo do Curie o Zeeman se separando para todos os elétrons na região de Fermi

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 3/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
temperatura
as redes são da indução
ordem demagnética 4 M em ferromag-
vários kOe. face, como
o limite k F depende
magnético da direçãoNo
é preservado. deentanto,
v F , e o para-
o campo crítico
Para um estado não uniforme em T = 0 é sempre superior a um
C. Por que o estado Fulde-Ferrell-Larkin-Ovchinnikov uniforme um. Quando T B H , a temperatura finita, o
aparecer? manchas da função de distribuição de elétrons perto da
A energia de Fermi diminui a diferença de energia.
Qual é a origem física do supercondutor estados não uniformes e uniformes. De microscopi-
Modulação de parâmetro de ordem no estado FFLO? A ap cálculos, em TT * = 0,56 T c, o supercon-
aparência de modulação na ordem supercondutora A fase de duplicação é sempre favorável a Saint-James et al. ,
O parâmetro está relacionado à divisão da eletronica da Zeeman.
1969.
nível de tron em um campo magnético que atua em elétron
rotaciona. Para demonstrar isso, consideramos o caso mais simples
do supercondutor 1D. D. Fungo funcional de Ginzburg-Landau generalizado
Na ausência do campo, um par Cooper é formado por
dois elétrons com momentos opostos + k F e - k F e Qualitativamente, a formação da FFLO e a
rotações opostas ↑ e ↓ , respectivamente. O resultado efeito de proximidade nos sistemas S / F pode ser descrito no
O momento do par Cooper será k F + - k F = 0. Un- quadro da generalizada Ginzburg-Landau expan-
Um campo magnético, por causa da divisão de Zeeman, o . Lembre-se primeiro do padrão Ginzburg-Landau
Momento Fermi do elétron com rotação ↑ mudará Ver funcional, por exemplo, de Gennes, 1966a,
de k F para k 1 = k F + k F , onde k F = B H / v F e v F é
a velocidade de Fermi. Da mesma forma, o impulso de Fermi de um F=a2+ 2+b 4, 7
2
O elétron com rotação ↓ mudará de - k F para k 2 = - k F
+ k F veja a Fig. 2. Então, o momento resultante da onde é o parâmetro de ordem supercondutor e o
Cooper pair será k 1 + k 2 = 2 k F 0, o que implica que o coeficiente a desaparece à temperatura de transição T c .

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 5
939
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

Na TT c , o coeficiente a é negativo eo mínimo temperatura de montagem no estado FFLO não uniforme


de F na Eq. 7 ocorre para um supercondutor uniforme T ci H com o coeficiente a dado por
estado com 2 = - a / b . Se considerarmos também o paramag- 2
efeito magnético do campo magnético, todos os coeficientes em a = T ci - T cu = . 11
Eq. 7 dependerá da energia do Zeeman split- 2
ting B H , ou seja, um campo de troca h no ferromagneto. Esta temperatura é superior à temperatura crítica
Observe que negligenciamos o efeito orbital, então não existe T cu do estado uniforme. Portanto, a aparência de
potencial de vetor A na Eq. 7. Para levar em consideração o um estado FFLO pode simplesmente ser interpretado como um sinal
efeito orbital no funcional Ginzburg-Landau, nós Mudança do termo gradiente no Ginzburg-Landau
pode substituir o gradiente por sua forma invariante de calibrefuncional. Uma análise mais detalhada do estado FFLO
→ -2 ie / c A. O efeito orbital geralmente é muito mais usando o generalizado Ginzburg-Landau funcional
importante para a destruição da supercondução do que a mostra que não é um exponencial, mas um one-
paramagnético. Isso explica por que no padrão modulação sinusoidal dimensional da ordem param
Teoria de Ginzburg-Landau não há necessidade de entrar em Eter que dá a energia mínima Buzdin e
conta a dependência de campo e temperatura da Kachkachi, 1997; Houzet et al. , De fato, o gener-
coeficientes e b . No entanto, quando o paramagnético Alzheimer Ginzburg-Landau funcional descreve um novo tipo
o efeito torna-se predominante, essa aproximação falha. de supercondutores com propriedades muito diferentes, e
Quais são as consequências? Se fosse simplesmente um renormal- A teoria da supercondutividade deve ser refeita no
ização dos coeficientes na função Ginzburg-Landau com base neste funcional. O efeito orbital no genero
As propriedades supercondutoras gerais das O funcional Ginzburg-Landau funcional pode ser introduzido
o sistema seria basicamente o mesmo. No entanto, qualita- com o procedimento usual de calibração-invariante →
uma nova física nova emerge devido ao fato de que o coef- -2 ie / c A. A expressão resultante para o supercon-
ficient muda seu sinal no ponto H * , T * do A corrente de duplicação é diferente da usual e a
diagrama de fase; veja a Fig. 1. Um sinal negativo de significa O campo crítico corresponde a soluções de nível Landau mais elevadas.
que o mínimo do funcional não corresponde assim como novos tipos de redes de vórtices podem existir
para um estado uniforme e uma variação espacial da ordem Houzet e Buzdin, 2000, 2001.
O parâmetro diminui a energia do sistema. Para de-
escriba essa situação, é necessário adicionar um
ordem do termo derivado na expansão 7, e o gen- III. EFEITO DE PROXIMIDADE EM FERROMAGNETS
A expansão de Ginzburg-Landau eliminada será
A. Algumas generalidades sobre a proximidade supercondutora
H,T efeito
FG=aH,T 2 + H , T 2 + 2 2
2
O contato de materiais com diferentes tipos de
bH,T 4. dering modifica suas propriedades perto da interface. Dentro
+ 8
2 O caso de uma interface supercondutor-normal-metal,
os pares de Cooper podem penetrar no metal normal em
A temperatura crítica da transição de fase de segunda ordem alguma distância. Se o movimento do elétron for difusivo, isso
em um estado supercondutor pode ser encontrado a partir de A distância é proporcional ao comprimento da difusão térmica
resolvendo a equação linear para o supercondutor ou-
escala L T D / T , onde D é a constante de difusão. Dentro
parâmetro der: O caso de um metal normal puro é o correspondente
a distância sensorial é T v F / T. Portanto, supercondução-
a- + 2 = 0. 9 As propriedades inglesas podem ser induzidas no metal normal,
2
e esse fenômeno é chamado de efeito de proximidade . Si-
Se buscamos uma solução não uniforme = 0 exp i q · r, o multaneamente o vazamento dos pares de Cooper enfraquece
A temperatura crítica correspondente depende da onda a supercondutividade perto da interface com um normal
vetor q e é dado por metal. Esse efeito é chamado de efeito de proximidade inversa ,
e resulta em uma diminuição da transição supercondutora
temperatura de temperatura em uma fina camada supercondutora em
a=-q2- q4. 10
2 tate com um metal normal. Se a espessura de um supercon-
A camada de duplicação é menor que a crítica, a proximidade
Observe que o coeficiente a é dado por a = T - T cu H , efeito suprime totalmente a transição supercondutora.
onde T cu H é a temperatura crítica da transição Todos esses fenômenos e experiências experimentais e anteriores,
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 4/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
no estadonasupercondutor
O termo uniforme.
funcionalidade O gradiente é geralmente Os
de Ginzburg-Landau trabalhos de hierarquia sobre o efeito de proximidade foram revisados por
posi-
Deutscher e de Gennes 1969.
tiva 0 e a temperatura de transição mais alta ocorre Observe que o efeito de proximidade é um fenômeno bastante geral.
em T cu H ; Isto é realizado para o estado uniforme com q nomenon não limitado pela fase supercondutora
= 0. No entanto, no caso 0, o máximo crítico Sition. Por exemplo, no caso do magnetismo de superfície
a temperatura corresponde ao valor finito da White e Geballe, 1979, a temperatura crítica na
vetor de modulação q2 0= - / e os correspondentes trans- A superfície pode ser maior do que a maior. Como resultado, o

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 6
940 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

A transição magnética na superfície induz a magneti-


Zation nas proximidades. Por outro lado, o volume significa
afeta significativamente as características de transição de superfície.
No entanto, uma característica única da supercondução -
efeito de proximidade é a reflexão de Andreev revelada em
o nível microscópico. Andreev 1964 demonstrou
como os estados de um único elétron do metal normal são con-
verted em pares de Cooper e também explicou o trans-
formação na interface do dissipador elétrico
atual na supercorrente sem dissipação. Uma
tron com uma energia abaixo do espaço supercondutor é
refletido na interface como um buraco. O correspondente
a carga 2e é transferida para o par Cooper que ap
peras no lado supercondutor da interface. o
A manifestação desta transferência de carga dupla é a de
contato perfeito a condutância de subjacamento parece ser
duas vezes a condutância de estado normal. O trabalho clássico
por Blonder, Tinkham e Klapwijk 1982 dá o de-
teneis a teoria desse fenômeno.
A reflexão de Andreev desempenha um papel primordial para a sub-
parado de quantum propriedades de transporte de
FIG. 3. Comportamento esquemático da ordem supercondutora pa-
sistemas supercondutores de metal normal. A interação rameter perto de um metal supercondutor-normal e b
entre a reflexão de Andreev eo efeito de proximidade interfaces supercondutor-ferromagneto. A continuidade do
foi revisado pela Pannetier e Courtois 2000. O O parâmetro de pedido na interface implica a ausência do
O leitor pode encontrar uma descrição detalhada do Andreev barreira potencial. No caso geral na interface, o salto
Reflexão em junções normais-metal-supercondutor us- do parâmetro de ordem supercondutora ocorre.
Teoria da dispersão na revisão de Beenakker 1997.
Uma revisão recente da Deutscher 2005 é dedicada à
Espectroscopia de reflexão Andreev dos supercondutores. H , diagrama de fase T ; caso contrário, o microscópico
A teoria deve ser usada. Esta descrição corresponde a um
Ferromagneto muito fraco com um ex-
B. Dependência oscilatória amortecida do par Cooper mudar campo h
função de onda em ferromagnetos B H * = 1,05 T c , que não é realista
desde h T c . No entanto, discutimos este caso para obter um pré-
A física dos oscilantes Cooper pair wave func- compreensão liminar do fenômeno. Nós abordamos
em um ferromagneto é semelhante à física do a questão do efeito de proximidade para um ferro-
modulação de parâmetros de ordem supercondutores no Ímã descrito pelo Ginzburg-Landau generalizado
Estado FFLO - veja Sec. II.C. Uma imagem qualitativa disso funcional 8. Mais precisamente, consideramos a decadência de
O efeito foi fornecido por Demler, Arnold e Beas- o parâmetro da ordem na fase normal, ou seja, em T
Lei 1997. Quando um supercondutor está em contato com um T ci assumindo que o nosso sistema está em contato com outro
metal normal, os pares de Cooper penetram através do supercondutor com maior temperatura crítica, e
Terface a alguma distância dentro do metal. Um par de Coopero eixo x é escolhido perpendicular à interface ver
em um superconductor consiste em dois elétrons com oposição Fig. 3.
rotações do site e momentos. Em um ferromagneto, o up-spin A supercondução induzida é fraca e, para lidar
elétron, definiu a orientação de rotação ao longo do ex- com isso, usamos a equação linearizada para a ordem pa-
mudar campo, diminui sua energia por h , enquanto o down- o ponto 9, que para a nossa geometria é
A energia de elétron de rotação aumenta pelo mesmo valor. Para 2 4
compensar esta variação de energia, o elétron de alta rotação a- 12
x 2 + 2 x 4 = 0.
aumenta sua energia cinética, enquanto o elétron de baixa rotação
diminui sua energia cinética. Como resultado, o par Cooper As soluções desta equação na fase normal são
adquire um momento de centro de massa 2 k F = 2 h / v F , dado por = 0 exp kx , com um vetor de onda complexo k
o que implica a modulação do parâmetro da ordem = k 1 + ik 2 , e
com período v F / h . A direção da modulação
o vetor de onda deve ser perpendicular à interface, be- T - T ci
k 21 = 1+ - 1, 13
porque apenas essa orientação fornece uma ordem uniforme 2 T ci - T cu
parâmetro no supercondutor.
Para ter uma idéia do efeito de proximidade na estrutura S / F T - T ci
podemos também começar a partir de uma descrição baseada no k 22 = 1+ 1+ . 14
2 T ci - T cu
Ginzburg-Landau generalizado funcional.
A aproximação é adequada para uma pequena modulação de onda-vetor
Se escolhermos o indicador com o parâmetro de ordem real em
caso de emergência, ou seja, na vizinhança do ponto H * , T * doo supercondutor, então a solução para a decadência

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 7
941
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

Parâmetro de ordem no ferromagneto também é real, TABELA I. Escalas de comprimento característico do efeito de proximidade S / F.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 5/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
x = i k 1 x exp- cos k 2 x, 15 Duração da difusão térmica L T
D
2T
onde a escolha da raiz para k é a condição k 1
0. O decadência do parâmetro da ordem é então acompanhado
Observado por sua oscilação Fig. 3b, que é uma característica Coerência supercondutora v Fs
do efeito de proximidade para o sistema considerado. Ap- comprimento s em limite puro
2Tc
progredindo a temperatura crítica T ci a onda decadente
o vetor desaparece k 1 → 0, enquanto o vetor de onda oscilante Ds
k 2 aborda o vetor de onda FFLO, k 2 → /, e um no limite sujo
2Tc
A fase FFLO emerge. Comparemos esse comportamento com
o efeito de proximidade padrão Deutscher e de
Gennes, 1969, descrito pelo Ginzburg- Correlação supercondutora v Ff
decadência 1 f em um em limite puro
Equação de Landau para o parâmetro da ordem, 2T
ferromagneto
Df
2 f= no limite sujo
h
a- 16
x 2 = 0,
Correlação supercondutora v Ff
com 0. Aqui T c simplesmente coincide com T cu , e o comprimento oscilante 2 f em um 2 h em limite puro
a solução de decaimento é = 0 exp- x / T , onde o co- ferromagneto
Df
comprimento da herência/ T a Fig.
= 3a. Essa análise simples f= no limite sujo
h
sis fornece evidências para a aparência do pedido
oscilações de divisão na presença de um campo de troca.
Esta é uma diferença fundamental entre a proximidade
efeito nos sistemas S / F e S / N, e está na origem de
características peculiares das heterossebras S / F.
Df 2Ff
Em ferromagnetos reais, o campo de câmbio é grande ih sgn F f - 18
em comparação com a temperatura e a energia supercondutor 2 x 2 = 0,
escalas, e, como tal, os gradientes do supercondutor onde D f é o coeficiente de difusão no ferromagneto.
As variações do parâmetro do pedido também são grandes e não Parapodem ser
a geometria na Fig. 3 e 0, a solução de decomposição
tratado com a função generalizada de Ginzburg-Landau
Ação para F f é
tional. Para descrever a situação experimental relevante
precisamos usar uma abordagem microscópica. A maioria dos i+1
esquema venient Vejo a Apêndice é a Ffx, 0 = A exp - x, 19
As equações de Bogoliubov-de Gennes ou as funções de Green f
usando o quasiclásico Eilenberger 1968 ou Us- onde f = D f / h é o comprimento característico do super-
equações do adel 1970. realizando decomposição de correlação com oscilações no F
Nos sistemas S / F se a dispersão de elétrons for livre Veja a Tabela I. Como resultado da condição h T c ,
O caminho l é pequeno, a abordagem mais natural é usar o Esse comprimento é muito menor que o co-
As equações Usadel para as funções do Green foram em média comprimento da herência s = D s / 2 T c , sou . Aseja, f
constante A
sobre a superfície de Fermi, veja o Apêndice. Linearizado é determinado pelas condições de contorno no S / F in-
sobre o potencial de duplax , a equação Usadel para o Terface. Por exemplo, no caso de uma baixa resistividade de um
função anômala F x , dependendo apenas de um co- ferromagneto, na primeira aproximação, a função anômala
ordate x é em um supercondutor F s é independente do coor-
dinate e similar à ausência do ferromagneto,
D 2 ou seja, F s = /2 + 2 . Se, além disso, a interface é trans-
+ ih sgn - = x, 17 pai então a continuidade da função F no F / S
2 x 2F x ,
o limite dá A = / 2 + 2 . Para 0, temos
F f x , 0 = F*f x , 0. Em um ferromagneto, o papel de
onde = 2 n +1 T são as frequências de Matsubara, e
A função de onda de Cooper pair é tocada por então de-
D=1 Cays as
3 v F l é o coeficiente de difusão. Na região F, nós
pode negligenciar as frequências de Matsubara em relação ao
grande campo de câmbio h T c o potencial de emparelhamento é x x
ausente e assumimos que a constante de acoplamento BCS Fx, exp - cos . 20
é zero lá. Isso resulta em uma forma muito simples de f f
Equação Usadel para a função anômala F f na Recuperamos o comportamento oscilante amortecedor do or-
ferromagneto parâmetro 15; veja a Fig. 3b. A conclusão que obtemos

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 8
942 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

A aproximação microscópica é a do sujo texto, os cálculos da energia livre das estruturas S / F


Limite a escala para a oscilação e decadência da Coo- no âmbito do padrão Ginzburg-Landau
A função de onda por par em um ferromagneto é a mesma. Ryazanov funcional, Oboznov, Rusanov, et al. , 2001;
No caso de um ferromagneto limpo, o oscil- Ryazanov, Oboznov, Veretennikov, Rusanov, et al. , 2001
Comportamento de cura da função de onda do par de Cooper re- não pode ser justificado. De fato, negligenciando o gradiente mais alto
alimentação, embora a uma temperatura zero o amortecimentotermos
seja não-
na função de Ginzburg-Landau implicam que
exponencial e muito mais fraco 1 / x . Na verdade, o o parâmetro da ordem deve ser maior do que a correlação
solução decadente da equação de Eilenberger no comprimento. No ferromagneto, o comprimento de correlação é f
Limite limpo veja o Apêndice, Sec. 2 é = D f / h no limite sujo e f 0 = v Ff / h no limite de limpeza.
Vemos que os comprimentos característicos da ordem -
2 + ih x A variação de parâmetros em um ferromagneto é semelhante. Lá-
fx , exp - , 21
v Ff cos em termos de gradiente superior no Ginzburg-Landau
funcional será da mesma ordem de grandeza que
Onde é o ângulo entre o eixo x e o Fermi
termos com a primeira derivada.
velocidade em um ferromagneto, e v Ff é o seu módulo. Depois de
com uma média acima do ângulo e somando o Mat-
frequências subarcas nós obtemos C. Oscilações de densidade de estados

1 x x A supercondutividade cria uma lacuna no den-


fx , sin d exp - pecado . Estados Unidos perto da energia de Fermi E F , ou seja, o
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 6/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
0 x 1f 2f DOS é zero para energia E no intervalo E F - E
22 E F +. É natural que a supercondutividade induzida
nas estruturas S / N diminui DOS na E F perto da inter-
Aqui, o comprimento da decaimento é 1 f = v Ff / 2 T e oscilantes
cara. Estudos experimentais detalhados deste fenômeno
O comprimento é 2 f = v Ff / 2 h ver Tabela I. A baixa temperatura foram realizados por Moussy et al. 2001. O
1 f → 0 e a função de onda de Cooper pairar decai lentamente dependência oscilatória amortecida da onda de Cooper pair
1 / x sen x / 2 f . Uma diferença importante com o prox- função em um ferromagneto sugere que um comportamento semelhante
O efeito de imitação no metal normal é a presença de curto- pode ser esperado para a variação DOS devido ao prox-
oscilações variadas do parâmetro da ordem com o efeito imitativo. Na verdade, o DOS N , onde = E - E F é
período independente de temperatura 2 2 f . Em contraste com a energia calculada a partir da energia de Fermi é diretamente
o limite sujo em um ferromagneto limpo, a característica relacionado à função normal do Green no ferromag-
comprimentos da deterioração das correções supercondutoras net e Gfx, Abrikosov et al. , 1975,
as oscilações não são as mesmas. Halterman e Valls
2001 realizado estudos de ferromagnet- N f = N 0Re G f x , → i , 23
interfaces superconductor usando o autocontrole nu- onde N 0 é o DOS do metal ferromagnético. Dentro
Solução merica de Bogoliubov-de-microscopia
o limite sujo que toma a relação entre o nor-
Equações de Gennes. Eles observaram claramente o amortecedor 2 + F2f = 1
comportamento oscilatório da função de onda de Cooper pair mal e anômalas funções de Green G f
Usadel, 1970 para dentroconta e usando F f
o tipo 1 / x sen x / 2 f .
2 + 2 exp- i + 1 / f x , obtemos diretamente o
Concluímos que, em baixas temperaturas, a proximidade = /
O efeito em metais de ferromagnet limpos é longo. Em DOS na energia de Fermi = 0 em um ferromagneto Buz-
por outro lado, no limite sujo o uso do Usadel din, 2000 na distância x f,
equações dá uma decadência exponencial de. Isso é devido ao 1 2x 2x
o fato de que as equações Usadel são obtidas por Nf =0N01- exp - cos . 24
2 f f
envelhecimento sobre as configurações de impurezas. Zyuzin et al.
2003 apontou que às distâncias x f o anômalo Este simples cálculo implica T c . Com certeza
A função verde F , bem como a função de onda do par Cooper, O DOS na energia de Fermi pode ser maior do que
A ção tem um sinal aleatório específico da amostra, enquanto na ausência de supercondutores. Isso está em contradição
a modulação
Lus não se deteriora exponencialmente. Isso leva a com o efeito de proximidade nos sistemas S / N. Tal ser-
efeito de proximidade no ferromagneto sujo havior foi observado experimentalmente por Kontos et
limite a distâncias x f . O uso das equações Usadel al. 2001 em medidas do DOS com tunelamento plano
a tais distâncias pode ser enganosa. No entanto, de um espectroscopia em junções Al / Al 2 O 3 / PdNi / Nb; veja a Fig.
ponto de vista prático o intervalo de interesse é x 5 f , 4.
porque em distâncias maiores é difícil observar o Para uma espessura da camada PdNi de 50 Å, o termo cos2 x / f
fenômenos oscilantes na experiência. Nessa faixa, o na Eq. 24 é positivo e o DOS diminui dentro do
O uso da equação Usadel é adequado. O hiato é devido ao efeito de proximidade. No entanto, para um PdNi
O comprimento característico da supercondução induzida espessura da camada de 75 Å, o signo cos2 x / f muda de sinal
A variação de atividade em um ferromagneto é pequena em comparação e o DOS torna-secom maior que o seu efeito normal
o comprimento supercondutor, o que implica o uso de valor. Essa inversão do DOS nos permite estimar
a teoria microscópica da supercondutividade para de- f para a liga PdNi usada por Kontos et al. 2001 como
escreva o efeito de proximidade nas estruturas S / F. Neste con- 60 Å.

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 9
943
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

M=iBN0T Gfx,h-Gfx,-h. 25

Supondo a baixa resistividade de um ferromagneto na


limite sujo a temperaturas próximas a T c , o mo-
ment is
2 2x 2x
M=-BN0 exp - pecado . 26
2Tc f f
Note que o momento magnético do elétron total em um fer-
o romagnet é
M=M+BN0h. 27
O momento magnético local oscila como o DOS,
e em algumas regiões M pode ser maior do que na ab-
Sondagem da supercondutividade. O efeito de proximidade também
FIG. 4. Medições da condutância diferencial da Kon- reduz o momento magnético local em um supercondutor
tos et al. 2001 para duas junções Al / Al 2 O 3 / PdNi / Nb comperto
dois da interface S / F a uma distância da ordem de su-
diferentes espessuras 50 e 75 Â do PdNi ferromagnético comprimento de coerência perconducente s .
camada. Uma camada de alumínio de 1500 graus de espessura foi O evaporada
magnetismo eminduzido
SiO pela proximidade foi estudado usando o
e depois rapidamente oxidado para produzir uma barreira do túnel Al 2 O 3 .
Equações de Usadel de Krivoruchko e Koshina 2002
As áreas de junção do túnel foram definidas pela evaporação de 500 Â de
SiO através de máscaras. Uma camada fina de PdNi foi depositadae Bergeret
e entãoet al. 2004a, 2004b. Cálculo numérico
apoiado por uma camada Nb. de Krivoruchko e Koshina 2002 revelaram a
comportamento oscilatório amortecido do mo-
em um supercondutor na escala s com positivo
Atualmente, existe apenas um trabalho experimental sobre magnetização na interface. Por outro lado, Berg-
o DOS em sistemas S / F, enquanto vários documentos teóricos eret et al. 2004a argumentou que o movimento magnético induzido
trate este assunto com mais detalhes. Em uma série de papéis Um supercondutor deve ser negativo. Isso é re-
Halterman e Valls 2001, 2002, 2003 realizaram ex- para os pares de Cooper localizados no espaço que um
estudos teóricos intensivos sobre o comportamento DOS localOem elétron do par está no supercondutor, enquanto o
Sistemas S / F em um limite limpo usando o auto-consistente outro está no ferromagneto. A direção ao longo da
Abordagem Bogoliubov-de Gennes. Eles calcularam o O momento magnético é favorecido para o elétron no fer-
DOS em ambas as regiões S e F e levou romagnet que faz girar o outro elétron
o supercondutor antiparalelo.
contam a falta de correspondência da onda-vetor de Fermi, a barra interfacial,
tamanho e tamanho da amostra. Os cálculos microscópicos do mo-
no limite puro usando o Bogoliubov-de Gennes
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 7/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
Fazio econsistentes
cálculos Lucheroni 1999 realizaram
do DOS local emauto-
um sistema S / F equações Halterman e Valls, 2004a também revelaram
o comportamento oscilatório amortecido do local magnético
usando a equação Usadel. Difusão de impurezas no DOS momento, mas na escala de comprimento atômico. No quasiclas-
as oscilações foram estudadas por Baladié e Buzdin
oscilações de aproximação sica do movimento magnético local.
2001 e Bergeret et al. 2002. Conclui-se que desaparecem no limite limpo, semelhante ao caso de
as oscilações desaparecem no limite limpo. Aqui, o cálculo Oscilações do DOS. A magnitude da proximidade
das oscilações do DOS feitas na re- O momento magnético reduzido é muito pequeno, e no presente
Gime para o filme ferromagnético no topo do super- Não há provas em experimentos.
condutor Zareyan et al. , 2001, 2002 dependem essencialmente
nas condições de fronteira no ferromagneto-vácuo
interface. Sun et al. 2002 usou a versão quasiclásica D. Reflexão Andreev na interface S / F
das equações de Bogoliubov-de Gennes para numericamente Os efeitos de rotação desempenham um papel importante no Andreev
calculando o DOS no sistema S / F com um semi- reflexão na interface S / F. Um incidente de spin-up elec-
Ferromagneto infinito. Eles obtiveram no limite limpo tron em um ferromagneto é refletido pela interface como um
oscilações do DOS e apresentou um ajuste quantitativo buraco de spin-down, e, como resultado, um par de
dos dados experimentais de Kontos et al. 2001. Aston- Trons com rotações opostas aparece em um supercondutor.
em outra abordagem quasi-clássica usando Eilen- Portanto, tanto as bandas spin-up como spin-down de
as oscilações das equações de berger do DOS estão ausentes para
Os elétrons em um ferromagneto estão envolvidos neste processo.
um elétron infinito significa caminho livre Baladié e Buzdin, de Jong e Beenakker 1995 foram os primeiros a demonstrar
2001; Bergeret et al. , 2002. ponha a influência principal da polarização de rotação em um ferro-
Oscilações do DOS em ferromagnetos sugerem oscil- Ímã na condutância subgap da interface S / F.
comportamento latório do momento magnético local do Em metais totalmente polarizados por rotação, todos os transportadores têm o mesmo
elétrons. O momento magnético correspondente induziu Giro e a reflexão Andreev é totalmente suprimida. Dentro
pelo efeito de proximidade pode ser escrito como geral, com um aumento da polarização de rotação, o

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 10
944 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

A condutância de subjugamento cai do dobro do estado normal Flecção em nanocontactos F / S e analisou o spin polar-
valor de condutância para um pequeno valor altamente polarizado
calculada a partir de condutas e tunelagens
metais. Seguindo de Jong e Beenakker 1995, observações.
Uma imagem intuitiva simples da condutância Observe que uma polarização de rotação elevada foi medida em
através de um contato balístico S / F. Usando a dispersão Películas de CrO 2 P = 90% e nas películas de La 0.7 Sr 0.3 MnO 3 P
canais que são sub-bandas que atravessam o Fermi = 78% Soulen et al. , 1998. O tunelamento giratório polarizado
nível, a condutância em T = 0 de um ferromagneto-normal- Não existem dados para esses sistemas.
O contato de metal é dado pela fórmula de Landauer Outro efeito interessante relacionado ao Andreev cruzado
O reflexo foi previsto por Deutsher e Feinberg
e2 2000 veja também Yamashita, Takahashi e Maekawa
G FN = N. 28 2003, Yamashita et al. 2003, e Deutscher 2004.
h
A corrente elétrica entre dois cabos ferromagnéticos
O número total de canais de dispersão N é a soma Ligado ao supercondutor depende fortemente da
do spin-se N ↑ e girar para baixo N ↓ canais N = N ↑ orientação relativa da magnetização nestas pistas.
+ N ↓ , e a polarização de rotação dá N N↑ ↓ . Para o caso de Se assumirmos que os cabos estão totalmente polarizados, então o
o superconductor em contato com o não-polarizado O elétron que vem de uma ligação não pode experimentar An-
Metal todos os elétrons são refletidos como buracos, o que duplica
Dreev reflexão na mesma liderança. No entanto, essa reflexão
o número de canais de dispersão e a condutância é possível na segunda liderança, desde que a polarização
em si. Para o metal polarizado por rotação onde N ↑N ↓ , tudo a posição é oposta, e a distância entre as pistas é
os elétrons de spin-down são refletidos como orifícios de rotação.
menorComo-
do que o comprimento de coerência supercondutor. o
nunca, apenas N ↓ / N1 ↑dos elétrons spin-up pode ser An- A resistência magnética entre as pistas será alta para par-
Dreev refletiu. A condutância de subgap do S / F con- orientação allel e baixa para orientação antiparalela.
o tato é então
IV. TRANSICION DE SUPERCONDIDAÇÃO OSCILATÓRIA
e2 N↓ e2 TEMPERATURA EM S / F MULTICOOIS E BILAYERS
G FS = 2N↓+2N↑ =4 N↓. 29
h N↑ h
A. Primeira evidência experimental da anômala
Comparando esta expressão com a Eq. 28 vemos isso efeito de proximidade nos sistemas S / F
G FS / G FN = 4 N ↑ / N ↓ + N ↑2 e G FS = 0 para o full-
Ferromagneto polarizado com N ↓ = 0. Se a polarização de rotaçãoO comportamento
for oscilatório amortecido da supercondução -
definido como P = N ↑ - N ↓ / N ↓ + N ↑ , então a supressão O parâmetro de ordem de compra em ferromagnetos pode produzir com-
efeitos de mensurabilidade entre o período da ordem -
da condutância de polarização zero normalizada dá o valor
oscilação dos parâmetros f e a espessura de um F
de P :
camada. Isso resulta em um superconductor não-monotônico
dependendo da temperatura de transição na camada F
G FS ness em multicamadas S / F. Na verdade, para uma espessura de camada F
= 21 - P . 30
G FN menor do que f , a função de onda do par na camada F
Medições experimentais subseqüentes de spin polar- muda pouco e o parâmetro da ordem supercondutora
com reflexão de Andreev Soulen et al. , 1998; Acima- nas camadas S adjacentes deve ser o mesmo. A fase
adhyay et al. , 1998 confirmou plenamente a eficiência deste diferença entre os parâmetros da ordem supercondutora
Método para testar ferromagnetos. Andreev ponto-contato Eters in the S layers está ausente e chamamos este estado o
A espectroscopia permite medir a polarização Fase "0". Por outro lado, se a espessura da camada F
em uma gama muito mais ampla de materiais Zutic, Fabian, torna-se f , a função de onda do par pode cruzar zero em
e Das Sarma, 2004 em comparação com spin-polarized o centro da camada F com um sinal oposto ou mudança
tunelamento eletrônico Meservey e Tedrow, 1994. da fase do parâmetro de ordem superconduzível em
No entanto, a interpretação da reflexão Andreev as camadas S adjacentes, que chamamos de fase "". A
dados sobre a condutância das interfaces S / F e com- o aumento da espessura da camada F pode provocar subseqüências
Parison da polarização de rotação com dados de tunelamento pode
transições de 0 para fases que se sobrepõem
ser complicado por efeitos de estrutura de banda Mazin, 1999.sobre o efeito de compatibilidade e resultar em um não-
Zutic e Das Sarma 1999 e Zutic and Valls 1999, dependência monotônica da temperatura crítica em
2000 generalizou a análise teórica de Blonder, a espessura da camada F. Para as bicamadas S / F, a transi-
Tinkham e Klapwijk 1982 para o caso do S / F entre 0 e as fases são impossíveis; a com-
interface. Um resultado interessante é que, na ausência de efeito mensurabilidade entre f espessura da camada e F
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 8/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
a barreira de potencial na interface S / F, o spin polar- conduz, no entanto, a uma dependência não-monetática de T c
aumenta a condutância de subgap. A condição na espessura da camada F.
da transparência perfeita da interface é v F ↑ v F ↓ = v s 2, A dependência predisposta do tipo oscilatório da
onde v F ↑ e v F ↓ são as velocidades Fermi para duas rotações temperatura crítica Buzdin e Kuprianov, 1990; Ra-
polarizações em um ferromagneto, e v s é o Fermi ve- dovic et al. , 1991 foi posteriormente observado experimen-
locação em um supercondutor. Vodopyanov e Tagirov contagem em Nb / Gd Jiang et al. , 1995, Nb / CuMn Mercaldo
2003a propôs uma teoria quasiclásica de Andreev re- et al., 1996, e Nb / Co e V / Co Obi et al. , 1999

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 11
945
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

multicamadas, bem como em bicamadas Nb / Ni Sidorenko et


al., 2003, Trilayers Fe / V / Fe Garifullin et al. , 2002,
Fe / Nb / Fe Mühge et al. , 1996, camadas Nb / Fe / Cu
Vélez et al. , 1999, e Fe / Pb / Fe Lazar et al. , 2000.
A forte influência do par de ferromagnetos
e a escala nanoscópica do período de oscilação compli-
cate a observação desse efeito. Avanços em filme fino
As técnicas de processamento foram cruciais para o estudo desta
fenômeno. As primeiras indicações sobre o não-monotônico
A variação de T c em relação à espessura da camada F foi obtida
por Wong et al. 1986 para superlattices V / Fe. Contudo,
em experiências subseqüentes de Koorevaar et al. 1994, não
O comportamento oscilatório de T c foi encontrado, enquanto recentes
por Garifullin et al. 2002 do supercondutor
As propriedades dos trilavantes Fe / V / Fe revelaram o reentrante
T c comportamento em função da espessura da camada F. Bour-
geois e Dynes 2002 estudaram amorfa Pb / Ni bi-
camada de filmes termo-condensados e observou apenas um
efeito de desespero monotônico com um aumento do Ni FIG. 5. Dados experimentais de Jiang et al. 1995 no oscilla-
espessura da camada. No trabalho de Sidorenko et al. 2003, a ção da temperatura crítica das multicamadas Nb / Gd vs espessura-
A análise comparativa das preparações da amostra foi feita ness de Gd camada d G para duas espessuras diferentes de camadas Nb:
a d Nb = 600 Å e b d Nb = 500 Å. A linha tracejada em um é um ajuste por
e concluiu que a epitaxia do feixe molecular cresceu
a teoria de Radovic et al. 1991.
as amostras não revelam oscilações T c , enquanto que magne-
As amostras de sputtering são feitas. Essa diferença é atribuída
para a aparência de uma interferência magneticamente "morta"
camada na interface S / F que desempenha um papel importante
para as amostras cultivadas com epitaxia de feixe molecular. o
ferromagnetos de metal de transição, como Fe, têm um
caráter fortemente itinerante do momento magnético
que é muito sensível à coordenação local. Em fino
Camadas de Fe, o magnetismo pode diminuir fortemente e
até desaparecer. A melhor escolha é usar as terras raras
metal ferromagnético com momentos magnéticos localizados.
Isso foi feito por Jiang et al. 1995, que preparou
magnetron sputtered Nb / Gd multicamadas, o que claramente
revelou as oscilações T c ; veja a Fig. 5.
Na Fig. 5, as curvas mostram um pronunciado não-monotônico
dependência de T c na espessura da camada de Gd. Um in-
vinco de T c implica a transição de fase para o 0
a Estágio. Note que experiências anteriores sobre o mo-
amostras de Nb / Gd amostradas por epitaxia de feixe lecular Strunk et
al., 1994 revelou uma diminuição gradual de T c com increa-
Espessura da camada Gd. Uma análise abrangente de
A qualidade da amostra foi feita por Chien e Reich
1999. Aarts et al. 1997 estudou em detalhes a proximidade
efeito em um sistema que consiste no V supercondutor
e ligas ferromagnéticas V 1- x Fe x e interface usada
transparência para entender os mecanismos de par
nism.

FIG. 6. S / F multicamada. O eixo x é escolhido perpendicular a


B. Descrição teórica das multicamadas S / F os planos das camadas S e F com os espessores 2 d s e
Para fornecer uma descrição teórica de um nonmono- 2 d f , respectivamente. a curva x representa esquematicamente
o comportamento da função de onda Pair Cooper na fase 0.
dependência tônica de T c , consideramos o S / F multilayer-
Devido à simetria, o derivado de e F é zero no
com uma espessura da camada F 2 d f e a S centros das camadas S e F. O caso da fase 0 é equiva-
camada 2 d s ; veja a Fig. 6. emprestado ao bicamada S / F com as espessuras de camada S e F d s e
O eixo x é escolhido perpendicular às camadas com d f , respectivamente. b A função de onda de Cooper pair na
x = 0 no centro da camada S. A correção de 0 A fase desaparece no centro das camadas F e x é anti-
responde ao mesmo parâmetro de ordem supercondutor simétrico em direção ao centro da camada F.

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 12
946 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

assine todas as camadas S Fig. 6a enquanto estiver


faseno
o Ff

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 9/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
sinal
As do parâmetro
camadas de ordem
S são opostas supercondutor
à Fig. 6b. No casoem
deadjacentes
um S / F bi- F s 0 = F f 0 - nB x x =, 0 32
camada, a função anômala de Green F x tem zero de- onde f
rivado no limite com vácuo; veja a Eq. 32 be- s é a condutividade da camada F da camada S
acima de T c . O parâmetro B caracteriza a interface
baixo. Aqui, a função F x está na fase 0 no transparência T = 1/1 + B e está relacionado ao S / F
centros das camadas S e F. Como resultado, o supercon- Resistência do limite por unidade de área R b através de B = R bf / n
características de ducto de uma bicamada S / F com espessura Kupriyanov
ds e Lukichev, 1988. Em analogia com a
e d f das camadas S e F, respectivamente, são equivalentes
comprimento de coerência supercondutor s = D s / 2 T c ,
ao da multicamada S / F com espessura de camada dupla
troduzir o comprimento de coerência normal-metal n
2dse2df.
= D f / 2 T c . As condições de contorno correspondem à
A abordagem baseada no Eilenberger quasiclásico
Interface S / F x = 0 e a direção positiva do eixo x
1968 ou Usadel 1970 é muito conveniente para
escolhido ao longo do exterior normal para a superfície S, ou seja, o
lidar com os sistemas S / F, consulte o Apêndice, Sec. 2. Na verdade,
é muito mais simples que o microscópico completo O eixo x é direcionado do metal S para o F. Vale a pena
Teoria, não precisa de um conhecimento detalhado de todos osobservando que as condições de fronteira para o Usadel
as equações Kupriyanov e Lukichev, 1988 eram ob-
características dos metais S e F, e é aplicável
para balanças maiores do que a atômica. Como tal, deve para interfaces superconductor-metal normal, e
trabalhe para espessuras das camadas no intervalo sua aplicabilidade para interfaces S / F é justificada, desde que
que o campo de troca no ferromagneto é muito
20-200 Å, que é de interesse primário para os sistemas S / F.
menor do que a energia de Fermi, ou seja, H E F . Para um ferro-
No limite sujo, se o tempo de espalhamento elástico eletrônico
ímã com momentos localizados, como Gd, este condi-
= l / v f é pequeno, mais precisamente T1 ce h 1, o
sempre é cumprida, enquanto se torna mais rigorosa
O uso das equações Usadel é justificado. O segundo con-
para metais de transição e violados para meio metais. Ré-
Entretanto, é muito mais restritivo devido a uma grande
por centenário, Vodopyanov e Tagirov 2003b obtiveram a
valor do campo de troca h T c . O Usadel equa- condições de fronteira para as equações de Eilenberger em
As negociações tratam apenas das funções do verde Gex , o caso de um ferromagneto forte. Eles os usaram para
F x , média sobre a superfície de Fermi. Além disso, para estudar a temperatura crítica de uma bicamada S / F quando o
calcular a temperatura crítica da segunda ordem O ferromagneto está no limite limpo. No entanto, a im
transição percutadora nos sistemas S / F, considere apenas questão importante sobre as condições de fronteira para nós -
o limite do pequeno parâmetro de ordem supercondutora equações de ante no supercondutor-ferromag-
→ 0 nas equações Usadel. Essa linearização per-
A interface da rede ainda está aberta.
mits us set set G = sgn e na forma linearizada sobre Fornecido as soluções das equações Usadel na F
, a equação Usadel para a função anômala F s in e as camadas S são conhecidas, a temperatura crítica* Tpode c
A região S é escrita como pode ser encontrado a partir da equação de auto-consistência para o par
potencial x em uma camada supercondutora,
Ds 2 x=Tc * F s x ,, 33
- x, 31
2 x 2F s =
onde é BCS acoplamento constante na camada S, enquanto em
A camada F é suposto ser igual a zero. Essa equação
onde D s é o coeficiente de difusão na camada S. No A escrita é mais convenientemente escrita da seguinte forma:
Região F, o campo de troca está presente enquanto o emparelhamento
potencial está ausente, e o correspondente Usadel T *c x
x ln +Tc* -Fsx, = 0, 34
equação para a função anômala F f é a Eq. 18. Tc
As equações para F s e F f devem ser complementadas por
as condições de fronteira. No supercondutor-vácuo onde T c é a temperatura de transição do super-
interface, a condição de limite é simplesmente uma camada de condução na ausência do efeito de proximidade.
rivação da função anômala de Green, que im- As equações Usadel fornecem uma boa base para o
Indica a ausência da corrente supercondutora solução numérica completa do problema da transição
através da interface. As condições gerais das fronteiras temperatura de S / F superlattices. Em primeiro lugar,
para as equações de Usadel no supercondutor-normal Foi obtido um sistema S / F sem inter-
interface de metal foi derivada por Kupriyanov e barreira facial por Radovic et al. 1988, 1991, usando o
Lukichev 1988 e perto da temperatura crítica que eles Método de transformação de Fourier, e este caso foi tratado
ler analiticamente por Buzdin e Kuprianov 1990 e Buzdin
et al. 1992. O papel da transparência da interface S / F
foi elucidado por Proshin e Khusainov 1997
Fs Para mais referências, veja também a revisão de Tagirov
f Ff
= , 1998 e Izyumov et al. 2002.Recentemente, Fominov et
x x
x=0 s x=0 al. 2002 realizou uma análise detalhada do nonmono-

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 13
947
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

Dependência de temperatura crítica tônica das bicamadas S / F para i+1


transparência de interface arbitrária e comparou a re- Tanh df
resultados de diferentes aproximações com números exatos numéricos D s
f i + 1 f
-1 0 = ,
cálculos. s0 2dss f i+1 i+1
Abaixo, ilustramos a aparência de um nonmono- 1 + n B tanh d f

temperatura de transição supercondutora tônica f f


Dence para o caso de uma fina camada S, que tem um simples 40
solução analítica. Mais precisamente, consideramos o caso
e não depende das frequências de Matsubara.
d s s , o que implica que variações do supercon-
parâmetro de ordem de condução e funções anormais do Green Para um negativo nós temos -1 s ,0 0 = s , 0-1 0*.
A quantidade na camada S é pequena. Podemos escrever o seguinteAgora, vamos abordar o caso do Estágio. O único
expansão até a x 2 -order prazo para F s na camada S A diferença é que devemos escolher o assimétrico so-
centrado em x = 0: lução para F f x ,
i+1
Ffx, 0 = B sinh x-ds-df , 41
Fsx, =F01- x2, 35 f
2
e os correspondentes parâmetros de par-break s , -1 é
onde F 0 é o valor da função anômala do Green dado por

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 10/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
no centro da camada S, e o linear sobre x -1
s, 0 = s , -1 0*
O termo está ausente devido à simetria do problema em
ambos 0 e verifique a Fig. 4. Usando o formulário 35 de F s em i+1
a equação 31 da Usadel, encontramos prontamente coth df
D s fi + 1 f
= .
2ds s f i+1 i+1
F0= 36 1+ df
+ s -1 , n B coth
f f
onde apresentamos o complexo par 42
parâmetro s -1 = D s / 2 e, na primeira aproximação Verificamos que, em todos os casos, o par de parâmetros-1de ruptura s
sobre d s / s 1, o par potencial pode ser considerado comoé complexo e depende apenas do sinal do Matsub-
espacialmente independente. O parâmetro par-breaking -1 s ara freqüência e não seu valor. Como resultado, usando o
está diretamente relacionado ao derivado logarítmico da F s em equação de auto-consistência 34, obtemos o seguinte
x=ds, expressão para a temperatura crítica T c * do S / F
multicamada:
Fsds 2 d ss-1
-ds =- . 37 T *c 1 1 1
Fsds Ds ln = - Re + , 43
Tc 2 2 2 T c* s
As condições de limite 32 nos permitem calcular
o parâmetro s -1 , desde que o anormal Green Onde é a função digamma, e a
A função na camada F é conhecida: parâmetro s −1 is given by Eqs. 40 and 42 for the 0 and
phases, respectively. Expression 43 for T c * reminds
Ds f Ffds/Ffds one of the corresponding formula for the critical tem-
-1 = - . 38 perature of a superconductor with magnetic impurities
s 2 d s s1 − f B F f d s / F f d s Abrikosov and Gor'kov, 1960, though the magnetic
scattering time s is complex in our system. If the critical
temperature variation is small T c − T* c/ T c 1, the
critical temperature shift 43 may be simplified,
C. 0 and fases
T c − T*c
The solution of the Usadel equation 18 in the F layer = Re s −1 . 44
Tc 4Tc
is straightforward but different for the 0 and fases.
Let us start first with a 0 phase. In such a case see Fig.
6a , we take as a solution for F f x at 0 in the in-
terval d s xd s +2 d f the function symmetrical relative D. Oscillating critical temperature
to the plane x = d s + d f , ie, To illustrate the oscillatory behavior of the critical
temperatura, consideramos o caso de um S / F transparente
i+1 interface B = 0. As temperaturas críticas T c * 0 eT c *
Ffx, 0 = A cosh x-ds-df . 39
f para o 0 e fases, respectivamente, são

Portanto, o parâmetro par-breaking s 0 -1 para o 0 T c - T *c 0 sinh2 y - sin2 y


= , 45
fase em 0é Tc 4 T c 0 cosh2 y + cos2 y

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 14
948 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

FIG. 7. The dependence of the critical temperature on the


thickness of the F layer for the 0 phase solid line and the
phase dotted line for the transparent S/F interface. Observe que
the highest transition temperature *T corresponds
c
to the low-
est point. The dimensionless thickness of the F layer 2 y
=2 d f / f and the first transition from the 0 to the phase occurs
at 2 d f =2.36 f . The parameter is 0 =2 d s f / Dss / f .

T c - T *c sinh2 y + sin2 y
= , 46
Tc 4 T c 0 cosh2 y - cos2 y

onde 0 -1 = D s / 2 d sf f / s and 2 y =2 d f / f is the dimen-


sionless F layer thickness. The critical temperature
variation versus the F layer thickness is presented in Fig.
7.
We see that for small F layer thickness, the 0 phase
has a higher transition temperature. The first crossing of FIG. 8. The critical temperature of the 0 phase solid line and
the curves T c*0 y and T c * y occurs at 2 y c 2.36 and in a phase dashed line as a function of the dimensionless
the thickness range 2.36 f 2 d f 5.5 f , the phase has a espessura da camada F 2 y = 2 d f / f para diferentes interfaces S / F

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 11/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
higher critical temperature. The oscillations of the criti- barreiras~~0 =
rameter = B4 nT/ cf 2. adOsfpar
/D de sduplas sem par
cal temperature rapidly decay with an increase of y , and s / f = 21. b O adimensional
it is not realistic to observe in experiment more than two parâmetro par-parting ~ 0 = 20,05.
periods of oscillations.
In general, the F-layer thickness dependence of the The oscillations of the critical temperature are most
critical temperature 43 may be written for the 0 phase
pronounced for the transparent interface ˜ =0, and they
in the following form convenient for numerical calcula-
ções: rapidly decrease with an increase of the boundary bar-
rier; at ˜ 2 the oscillations are hardly observable. Nota
T *0
c 1 1 2Tc that, for certain values of the parameters ˜ 0 and ˜ , the
ln = − Re + T *0 d f dependence may show the infinite derivative,
Tc 2 2 T *0
c ˜0 c

which indicates a superconducting transition from the


second-order to the first-order one. This question was
1 studied in detail by Tollis 2004. The increase of the
, 47
1−i boundary barrier not only decreases the amplitude of
˜+ coth 1 + iy
2 the critical temperature oscillations, but it also decreases
the critical thickness of F layer y c , corresponding to the
where the dimensionless parameter ˜ 0 −1 =1/4 T c 0 and 0- phase transition. The limit ˜ = B n / f 1 is a
˜ = B n / f . The corresponding formula for the critical rather special one. In such a case the S/F interface bar-
temperature for the phase is simply obtained from Eq. rier becomes a tunnel barrier, and the critical thickness
47 by the substitution coth → tanh. y c may be much smaller than 1. Indeed, if the critical
In Fig. 8, we present examples of the thickness depen-
temperature variation is small more precisely, if ˜ 0
dence on the critical temperature for S/F multilayers at
different interface transparencies. 1, the condition Re s ,0 −1 =Re s , -1 is realized at

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 15
949
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

diferença de fase 0 0 é esperado na camada F de espessura -


ness perto dcf . Os cálculos numéricos de Radovic et al.
1991 revelou a presença de uma fase intermediária.
No entanto, a largura relativa da sua existência pertocde erad f
muito pequeno - em torno de vários por cento apenas. No outro
A mão, os cálculos analíticos mostram que, para os finos S
estados de camada sem corrente correspondente ao alto-
Est T*c só são possíveis para a diferença de fase 0 ou.
Além disso, em cruzamentos S / F / S transições entre 0 e
Os estados são descontínuos - veja a discussão no próximo
seção. A região estreita da fase 0 obtida
com cálculos numéricos Radovic et al. , 1991 é sim-
relacionado com sua precisão de 1%, e a largura deste
A região pode diminuir com um aumento da precisão.
No entanto, existe outro mecanismo de realização
FIG. 9. Variação da temperatura crítica do ção da fase 0 devido às flutuações da espessura-
Nb / Cu 0,43 Ni 0,57 bicamada com a espessura da camada F Ryazanov et camada F. Nesse caso, perto da camada crítica F
ness da
al., 2003. O ajuste teórico Fominov et al. , 2002 dá uma espessura dcf regiões do 0 e as fases coexistiriam.
valor do campo de troca h 130 K e uma transparência da interface
Se as dimensões características dessas regiões forem
parâmetro B 0,3. menor do que o comprimento Josephson na estrutura S / F,
então a diferença de fase média seria diferente
3 1/3 de 0 e Buzdin e Koshelev, 2003.
d cf = f , 48 As equações quantitativas de Eilenberger e Usadel
2 ~
não são adequados para o tratamento de ferromagnetos fortes com
e a transição de fase 0 agora está relacionada ao tunelamento h E F porque o período da função verde oscilla-
através da camada F. Este resultado é muito diferente de torna-se comparável à distância interatômica.
baixa transparência da interface, quando ocorre a transição Por outro lado, a abordagem baseada no
devido às oscilações espaciais dos anormais Green's As equações de Bogoliubov-de Gennes no limite limpo são
função. É difícil observar a baixa transparência universal. Halterman e Valls 2003, 2004a aplicaram
regime da transição 0 com temperatura crítica para estudar as propriedades das multicamadas S / F limpas, em baixa
Medições devido ao fato de que em ~ 1 o T c *df temperatura. Eles obtiveram o espectro de excitação
as oscilações tornam-se muito pequenas. Por outro lado, através da solução numérica do auto-consistente
As garantias da corrente crítica nas junções S / F / S podem Equações de Bogoliubov-de Gennes e discutiu o in-
seja adequado para revelar a transição 0 - neste regime fluência da barreira de interface e energia de Fermi mis-
veja a próxima seção. coincidir com a densidade local dos estados. Comparando o
erga do
É interessante notar que, com uma pequena espessura de camada F0e fases Halterman e Valls
d f f a temperatura crítica diminui com uma in- confirmou a existência das transições de fase com uma
o limite da barreira da interface proporcionou a condição aumento da espessura da camada F. É interessante que a
~ D f / f 1 é cumprido; veja a Fig. 8. Tal contraintida A densidade local de estados é bastante diferente no 0 e
fases, e suas medidas poderiam nos permitir rastrear
O comportamento positivo pode ser explicado da seguinte maneira.
A baixa penetração da barreira evita o rápido a transição de 0. Em trabalhos mais recentes, Halterman e
retorno do par de Cooper da fina camada F. Lá- Valls 2004b mostrou que o parâmetro de ordem diferente
as configurações
Em primeiro lugar, o casal Cooper permanece por um tempo relativamente longopodem
em corresponder à energia local
a camada F antes de voltar para a camada S. Como um resultado,mínimos em heterossebras S / F.
O papel de troca de par do campo de troca na F Cálculos do espectro de energia no sistema S / F / S
A camada parece ser fortemente aprimorada. no 0 e fases usando Eilenberger equa-
Os casos de bicamadas S / F ou Trilayers F / S / F com paralelismo
foram realizadas por Dobrosavljevic-Grujic, Zikic,
A magnetização de lel é equivalente ao caso de 0 fases para e Radovic 2000 para s- wave e d -wave superconduc-
multicamadas com espessura de camadas duplas F e cor- Zikic et al. , 1999. Os grandes picos da densidade
respondendo T* c , d0 f A dependência revela um pouco fraco dos estados foram atribuídos aos estados vinculados com spin-split
comportamento não-monotônico para a transparência finita daaparecendo devido à reflexão de Andreev no ferromag-

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 12/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
Interface S / F, veja a Fig. 8. Comparação da experiência barreira netica.
dados de Ryazanov et al. 2003 para o período crítico Em uma análise anterior, a órbita de rotação e a magnética
Peratura da bicamada Nb / Cu 0,43 Ni 0,57 versus a espessura a dispersão foi ignorada. Demler, Arnold e Beasley
da camada ferromagnética com ajuste teórico Fomi- 1997 estudou teoricamente a influência do spin-
nov et al. , 2002 é apresentado na figura 9. dispersão de órbitas nas propriedades dos sistemas S / F e
Agora, possamos abordar a seguinte pergunta: é pos- demonstrou que é bastante nocivo para a observação
é possível ter uma transição para um estado com a fase de efeitos oscilatórios. Um efeito semelhante é produzido por
diferença diferente de 0 e? Por exemplo, um estado com espalhamento magnético que até certo ponto é sempre

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 16
950 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

presente em sistemas S / F devido à não-hidroometria de


as camadas F e pode ser bastante grande quando a mag-
A liga neica é usada como a camada F. Cálculos do
temperatura crítica das multicamadas S / F na pres-
A presença de dispersão magnética foi realizada pela primeira vez por Ta-
girov 1998. No formalismo apresentado nesta seção, ele
é muito fácil ter em conta a difusão magnética
com o tempo de dispersão do spin-flip m -substituir o ex-
mude o campo h na equação de Usadel linearizada 17 por
h - i sgn -1 . Esta renormalização conduz a uma diminuição
m
do comprimento de amortecimento e um aumento da oscilaçãoFIG. 10. Geometria da junção S / F / S. A espessura do
período, o que torna o T c * d f oscilações menos pro- As camadas ferromagnéticas são 2 d f e ambas as interfaces S / F têm a
anunciou Tagirov, 1998. mesmas transparências, dada pelo coeficiente de B .

V. SUPERCONDUCTOR-FERROMAGNET- A espessura característica da camada F correspondente


SUPERCONDUTOR JUNÇÃO para a transição do 0 para o fase é f = D f / h ,
e é bastante pequeno 10-50 Å em ferromagnetos típicos
A. Características gerais do junção devido ao grande valor do campo de troca h
Uma junção Josephson em equilíbrio geralmente tem uma 1000 K. Verificação experimental da acoplamento
diferença de fase zero entre dois supercondutores. na junção S / F / S não foi fácil, devido ao controle da
A energia E da junção Josephson pode ser escrita F espessura da camada. Finalmente, a primeira evidência experimental
como ver, por exemplo, de Gennes, 1966a para a junção foi obtida por Ryazanov, Obozhov,
Rusanov, et al. 2001a para a junção de Josephson com um
camada intermediária fracamente ferromagnética de uma liga Cu x Ni 1- x .
E = 0 eu1c - cos , 49
2c Essa escolha da camada F nos permitiu ter uma
Ferromagneto com um campo de troca relativamente fraco h
onde eu c é a corrente crítica de Josephson, e a 100-500 K e, portanto, um comprimento de f relativamente grande .
relação de fase actual é que s =2e/E/ = I c sin.
Para a situação padrão, a constante I c 0eo
a energia mínima de uma junção Josephson é alcançada em B. Teoria de junções
= 0. No entanto, conforme demonstrado na seção anterior
em transdutores multicamadas S / F parapode o ocorrer uma fase. A análise quantitativa completa do S / F / S junc-
Isso significa que, para a junção Josephson S / F / S com é bastante complicado, porque o ferromagnético
a mesma espessura da camada F que corresponde a camada pode modificar a supercondutividade perto do S / F inter-
a fase no sistema multicamadas o equilíbrio cara. Além disso, a transparência do limite e
diferença de fase seria, e é natural chamar tron significa caminho livre, bem como magnético e spin-orbit
uma junção tão junção. Para o junção, o dispersão, são parâmetros importantes que afetam a crítica.
constante I c na Eq. 49 é negativo e a transição corrente atual.
do 0 ao Estado resulta em uma mudança de sinal daIntroduzir a física de acoplamento, concentramos
corrente crítica, embora medida experimentalmente trate na abordagem com base na equação Usadel e
A corrente crítica é sempre positiva e igual a I c . o considere a junção S / F / S com uma camada F de espessura
As junções S / F / S revelam o comportamento não-monotônico 2 ddaf veja Fig. 10 e interfaces S / F idênticas. No caso
corrente crítica em função da espessura da camada F. de pequena condutividade da camada F ou pequena interface
O desaparecimento da corrente crítica indica a transição transparência fs / sf max1, B usamos limites rígidos-
do 0 ao Estado. condições de Golubov et al. , 2004 com F s - d f
2 + Kulik
= e - i / 2 /vez por
O acoplamento negativo de Josephson foi observado pela primeira 2 eF s d f =e i / 2 / 2+2.
1965, que discutiu o túnel giratório através de um A solução da Eq. 18 em um ferromagneto satisfatório
Isolador com impurezas magnéticas. Bulaevskii et al. as condições de contorno correspondentes são
1977 apresentou argumentos que, sob certos condi- cos / 2cosh kx
tais túnel giratório podem dominar o tun- Fx=
2 + 2 cosh kd f + k B n sinh kd f
neling e levar a uma -junção. Até agora não existe
evidência experimental da acoplamento no Joseph- eu sinto / 2sinh kx
junções de crianças com impurezas magnéticas. No outro + , 50
sinh kd f + k B n cosh kd f
mão, Buzdin et al. 1982 mostrou que no balístico
Onde
O link fraco S / F / S I c exibe oscilações amortecidas como um func- a complexo onda vetor k
ção da espessura da camada F e seu campo de troca. = 2 + i sgn h / D f . Esta solução descreve o F x
Mais tarde, Buzdin e Kuprianov 1991 demonstraram que comportamento perto da temperatura crítica. Observe que, em
Estas oscilações permanecem no regime difusivo e a princípio, a temperatura arbitrária, o condiço de fronteira
O acoplamento é uma propriedade inerente das junções S / Fsão/ S.diferentes da Eq. 32; veja, por exemplo, Gol-

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 17
951
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

ubov et al. 2004. No entanto, no limite de baixa S / F inter-

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 13/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
enfrentar a transparência
B 1, quando a amplitude do F
A função na camada F é pequena, usamos o linearizado
Usual 18 em todas as temperaturas. O único
modificação nas condições de contorno 32 é que F s
deve ser substituído por F s / G s e B por B / G s , onde
a função normal do Green em eleições supercondutoras
trode é G s = / 2 + 2 . Levando essa renormalização para
conta na forma explícita da Eq. 50, usamos o fol-
fórmula baixa para a supercorrente:

d
Eu s = ieN 0 D f TS F F~ - F ~Fd , 51
- dx dx

onde F~ x , h = F * x , - h , S é a área do cross sec-


ção da junção, e N 0 é a densidade eletrônica de FIG. 11. Corrente crítica da junção S / F / S Josephson perto
estado para uma projeção de uma única rotação. A expressão 51
T c dá
emafunção da espessura sem dimensão da camada F
Dependência de fase atual sinusoidal usual I s 2 y = 2 d f / f . Não existem barreiras nas interfaces S B/ F= 0,
= Eu c pecado
com a corrente crítica Buzdin, 2003: R n é a resistência da junção, e V 0 = 2 /2 eT c .

2 2 k / cosh2 kd f
I c = eSN 0 D f T , I c R n = 64 2 F 2 y exp- 2 y sin 2 y + ,
2tanh2 kd f 1 + 2 k 2 + 2 k e T 4
-
52 54
com
Onde = B n / G s . A expressão 52 pode ser geral -
ized para ter em conta a interface diferente trans-
parênteses 2 F
B 1 , B 2 1 um posso substituto
T
=T
+ 2+ + 2
, 55
→ B 1B 2 2 e2→ B 1 +B 2 0
n /G s n / G s . Perto de T c
e no caso da interface transparente B → 0 Buzdin Onde = 2 + 2 eF /T / 128 / T c em T
e Kuprianov, 1991,
T c enquanto a baixa temperatura TT c , F / T 0,071.
Note-se que, no limite limpa h 1, a espessura de-
2 k
I c = eSN 0 D f Ré A pendência da corrente crítica é muito diferente. Buzdin
2Tc sinh2 kd f et al., 1982 e perto de T c é
V0 cos2 y sinh2 y + sin2 y cosh2 y 2 sin4 hd f / v F
= 4y , 53
Rn cosh4 y - cos4 y IcRn= , 56
4e 4 hd f / v F
onde 2 y = 2 d f / f é a espessura da camada F sem dimensões, ou seja, a corrente crítica diminui 1 / d f e não expo-
R n = 2 d f / f S é a resistência da junção f Nentialmente, como no caso do limite sujo. Em geral, no
= 2 e 2 N 0 D f é a condutividade da camada F e V 0 Limite limpo o efeito de proximidade S / F não é exponencial,
= 2 /4 eT c . mas um poder-lei.
A dependência I c R n / V 0 vs 2 y é apresentada na Fig. 11. A expressão 56 foi obtida usando o Eilenberger
O primeiro desaparecimento da corrente crítica indica o trans-equações. No caso de um ferromagneto forte h E F ,
do 0 ao Estado. Ocorre a 2 y c 2.36 os períodos de oscilação das funções do Green estão em
que é exatamente o valor crítico da espessura da camada F a ordem da distância interatômica, e essa abordagem
no sistema multicamada S / F correspondente ao não funciona mais. Usando o Bogoliubov-de Gennes
Transição de estado inicial, ou seja, para a condição * 0 = *T
Tcem
c equações, Cayssol e Montambaux 2004 demon-
Eqs. 45. A descrição teórica do S / F / S junc- que o resultado quasiclásico 56, onde o único
com transparências de interface arbitrárias perto da parâmetro relevante para as oscilações de corrente crítica é
A temperatura crítica foi proposta por Buzdin e Bal- hd f / v F , não é aplicável aos ferromagnetos fortes.
adié 2003. Isso está relacionado a um aumento na supressão do An-
À baixa temperatura ou baixa barreira S / F a amplitude Dreev canais de reflexão com um aumento do ex-
da função anômala de Green F f x não é pequena e mudar energia.
precisamos usar o Usadel completo não-linearizado Usando as equações de Bogoliubov-de Gennes Radovic
equação. No grande limite de espessura da camada Ff de f et al. 2003 estudou o caso geral do S / F / S balístico
B = 0, uma solução analítica foi obtida por Buzdin junção para um campo de troca forte, arbitrária
e Kuprianov 1991, e a corrente crítica é transparência e falta de correspondência de onda-vetor de Fermi. o

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Page 18
952 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

O recurso característico dessa junção balística é o


Oscilações geométricas de curto período da supercorrente
em função de d f devido à transmissão de quase partículas
ressonâncias. No caso do ferromagneto forte, o
O período de 0- oscilações torna-se comparável com o
período de oscilações geométricas e sua interação
fornece dependências especiais de I c d f . Radovic et al.
2003 também demonstrou que a relaç~ao em fase
A comunicação pode se desviar fortemente da simples sinusoidal
um, e estudou como isso depende dos parâmetros de junção
Eters. Embora a variação de temperatura de I c seja geralmente uma
cárie monotônica com aumento da temperatura, perto da
espessura crítica d f correspondente à transição 0,
uma dependência não monotónico I c na temperatura foi ob-
Tained. Radovic et al. 2001 mostrou que a baixa temperatura
A anharmonicidade multimodo característica da
A relação atual-fase em junções S / F / S limpas implica

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 14/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
a coexistência de estáveis e metastais 0 e estados.
Como conseqüência, a coexistência de números inteiros e meio- FIG. 12. Dependências de temperatura da espessura crítica
configuração flixóide inteira de uma quantidade supercondutora 2 dc fda camada F, correspondente ao crossover do 0 para
O dispositivo de interferência de tensão SQUID foi previsto. Nota a Fase no limite da transparência do limite muito pequeno
que para os ferromagnetos fortes os detalhes do elétron para diferentes valores do campo de troca.
bandas de energia tornam-se importantes para a descrição de
as propriedades da junção S / F / S.
eN 0 SD f 2 1 h
O vínculo fraco entre os supercondutores de d- wps pode Eu c = f +i
também produzem efeito de mudança para uma revisão, veja, para 4 B2 d fn2 h 2 2T
exemplo, Van Harlingen, 1995. A situação do Jo-
1 2Tf 2
acoplamento de Sephson em um link ferromagnético fraco entre - +i + cc +
D- supercondutores foram estudados no limite limpo 2 2 T Bndf
teoricamente por Radovic et al. 1999.
4 d 2f
É interessante notar que, no limite kd 1 ou seja, Tanh . 58
d f f as oscilações da função anômala no 2 + 2 3/2 - 3 2 2T
0 f
A camada F está ausente, mas como já foi observado anteriormente,
para baixa transparência da barreira B 1 o crítico Começamos com uma análise da I c sobre a d f dependência em
Atual, porém, pode mudar seu sinal. Na verdade, neste o limite de muito grande B mais precisamente, quando B
limite, a expressão para a leitura crítica 52 leituras h / T c . Nesse caso, negligenciamos o termo proporcional
para 1 / B nos parênteses da Eq. 58, e então obtenha isso
em T → 0 a transição para o ocorre fase I c
22 1 1 2df 2 muda seu sinal em
I c = eN 0 D f TS
2 + 2 2 2 2d fk 2 - 3 20 h
- Bn d cf ln . 59
f h 0
1
- . 57 A condição d f f está satisfeito. Para transição de fronteira baixa
Bndfk4 2+ 2 paridades, a fórmula obtida por Buzdin e Baladié
2003 perto da temperatura crítica no limite T c / h
→ 0 também revela o cruzamento entre 0 e
Geralmente do experimento, a temperatura de Curie do Estágio. Por outro lado, nenhuma transição para o Estágio
O ferromagneto é maior que a crítica supercondutora. foi obtido na análise do sistema S / F / S por Gol-
temperatura térmica T c . Para o mecanismo RKKY de ferro- ubov et al. 2002b, que está relacionado à aproximação
transição magnética h 2 / E F e como resultado o ex- para a função anômala em ferromagnetos quando apenas
alterar o campo h parece ser muito maior do que o o primeiro termo na expansão do gradiente foi re-
temperatura crítica supercondutora T c . Para itinerante Tained.
Ferromagnetismo, o campo de troca é geralmente É interessante notar que a camada F crítica é espessa,
vezes superior à temperatura Curie e ao limite ness d cf , quando a transição do 0 para fase oc-
h T c também detém. Levando isso em conta e realizando curs, depende da temperatura. O correspondente
O somatório das frequências de Matsubara do As dependências de temperatura são apresentadas na Fig. 12 para
dois primeiros termos nos parênteses da Eq. 57, finalmente diferentes valores das relações T c / h . Vemos quecdT fde-
Obter Buzdin, 2003 aumenta quando a temperatura diminui. Isso é muito

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Page 19
953
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

FIG. 13. Dependências de temperatura não-monotônica do nor-


atualizou a corrente crítica para o baixo limite de transparência. Curva 1,
h / T c = 10 e 2 d f / f = 0,84; curva 2, h / T c = 40 e 2 d f / f = 0,5;
curva 3, h / T c = 100 e 2 d f / f = 0,43.
FIG. 14. Corrente crítica I c como função da temperatura para
Cu 0,48 Ni 0,52 junções com espessuras de camada diferentes de F 2 d F . Em
característica geral e é verdade também para o subsequente a espessura da camada F de 27 nm a temperatura medi-
0- transições que ocorrem com uma maior espessura de camada F.
transição entre 0 e ocorre fase. Adaptado
Para uma variedade de espessuras de camada F, a transição de Ryazanov, Oboznov, Rusanov, et al. , 2001.
do 0 ao fase é possível quando a temperatura
é baixado.
Ponto romagna. Eles demonstraram que a junção
Para o caso em que 1 B h/Tc,o termos de função
também é possível neste caso. Usando o Bogoliubov-de
na Eq. 58 pode ser negligenciado, e em T = T c o crítico
Gennes approach, Tanaka e Kashiwaya 1997 ana-
espessura d cf é
dois supercondutores lisados por um -funcional
1/3 barreira com a altura dependente da orientação de rotação.
f 3 f
d cf T = T c = , 60 Semelhante ao caso das multicamadas S / F, discutimos o
2 Bn existência da junção S / F / S com equilíbrio arbitrário
diferença de fase do rium 0 . Naturalmente, a forma da Eq. 49
enquanto em T → 0 a espessura crítica é menor d f c T = 0 pois a energia da junção dá os mínimos a = 0
=f/26f/ 1/3 . A espessura crítica da camada F, e = só. Uma expressão mais geral para o
Bn
dado pela Eq. 60, naturalmente, coincide com a correlação A energia Josephson-junction leva em consideração a maior-
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 15/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
expressão correspondente 48 obtida para multicamadas S / F em Termos de ordem sobre a corrente crítica que leva ao
o limite h T c . Exemplos de diferentes não-monotônicos aparência de harmônicos superiores no atual-
Dependências de I c T para limite de transparência de baixa barreira
relação de fase. Até o segundo harmônico, o
B h / T c são apresentados na Fig. 13. De fato, no limite de ergy is
baixa transparência de barreira e fina camada F, supercondução-
Túnel de elétrons através de um pedido ferromagnéticamente Eu 2
E = 0 eu1c - cos - 0 cos 2, 61
átomos. A situação é uma reminiscência do tunelamento 2c 2c 2
através de impurezas magnéticas, consideradas por Kulik 1965
e a corrente é
e Bulaevskii et al. 1977. Mais relevante é a analogia
com o mecanismo de realização da fase devido a j = I c sen + I 2 sin 2. 62
o tunelamento através de uma camada ferromagnética no
estrutura multicamada atômica S / F, que é considerada em Se o sinal do segundo termo harmônico for negativo
Sec. VII. Eu 2 0, então a transição do 0 para fase será
Fogelström 2000 considerou a camada ferromagnética seja contínuo, e a junção 0 torna-se possível.
como uma barreira parcialmente transparente com transmissãoEm geral, o 0 junção pode existir se j 0 = 0
e
pendente de projeções de rotação. Este trabalho pode ser considerado j/ 0 0. Cálculos da fase atual
como um desenvolvimento adicional do Bulaevskii et al. relacionamentos para diferentes tipos de junções S / F / S
Abordagem de 1977. Os Estados vinculados de Andreev aparecem Radovic et al. , 2003;Golubov et al. , 2004; Cayssol e
perto da interface spin-active dentro da supercondução - Montambaux, 2005 mostram que j / 0 e, portanto,
O espaço livre é ajustável com as propriedades magnéticas daa transição entre 0 e estados aparecem
interface. Isso pode resultar na troca da junção descontínua.
do 0 ao indique mudando a transmissão A presença de harmônicas mais altas no j relação-
Características da interface. Esta abordagem também foi navio evita o desaparecimento da corrente crítica no
Andersson, Cuevas e Fogelström 2002 para transição do 0 para Estado. Este é sempre o caso
estudar o acoplamento de dois supercondutores através de umquando
fer- a transição ocorre a baixa temperatura. Theoret-

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 20
954 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

FIG. 15. Corrente crítica I c em T = 4.2 K de Cu 0.47 Ni 0.53 junções FIG. 16. Os pontos experimentais correspondem a uma corrente crítica
em função da espessura da camada F Ryazanov et al. , 2005. medidas, de Kontos et al. 2002, contra a camada PdNi,
Duas transições de 0 são reveladas. O ajuste teórico corre- ness. A curva teórica é o ajuste de Buzdin e Baladié
responde à Eq. A9 no Apêndice, Sec. 2, tendo em conta 2003. Os parâmetros de ajuste são f 30 Å e 2 / eT c
a presença de dispersão magnética com = 1 / s h = 1,33 e 110 V.
f = 2,4 nm. A inserção mostra a temperatura mediada 0-
transição para uma espessura de camada F de 11 nm.
com a espessura da camada F. De fato, as cinco ordens de
Estudos científicos de junções S / F / S limpas em TT c BuzdinAetmudança de magnitude da corrente crítica foi observada em
al., 1982; Chtchelkatchev et al. , 2001; Radovic et al. , o intervalo de espessura 12-26 nm. Uma explicação natural
2003 confirma esta conclusão. Para uma dependência de espessura tão forte é o magnético
Zyuzin e Spivak 2000 argumentaram que o meso- efeito de dispersão que é inerente ao ferromagnético al-
flutuações escopicas da corrente crítica podem produzir Leais. A presença de espalhamento magnético em Cu x Ni 1- x
a / 2 junção Josephson supercondutora. Tal As junções S / F / S de liga também foram observadas por Sellier et al.
situação é possível quando a espessura da camada F é 2003. O espalhamento magnético fortalece uma diminuição da
c . As variações espaciais da camada F levam a um corrente crítica com um aumento da espessura da camada F,
perto de 2 d f
segundo termo harmônico na Eq. 62 com I 2 0 Buzdin e, ao mesmo tempo, aumenta o período de I c 2 d f
e Koshelev, 2003, e assim a junção 0 torna-se oscilações. Uma expressão geral para o I c 2 d f dep
c Dens, levando em conta a dispersão magnética, é dado
possível às 2 d f 2 d f .
no Apêndice, Sec. 2, Eq. A9. Tentativas de descrever
os dados experimentais de Ryazanov et al. 2004 no
C. Experimentos comjunções Eu c 2 d f dependência com esta expressão forneceu sugestões
sobre a existência de outro mínimo I c 2 d f em um menor
A dependência de temperatura da espessura crítica Espessura da camada F em torno de 10 nm. Experiências muito recentes
d cf está na origem da dependência de temperatura do com junções com espessura de camada F até 7 nm
corrente crítica eu c T observada por Riazanov, Oboznov, confirmaram esta previsão Ryazanov et al. , 2005;
Rusanov, et al. 2001, veja a Fig. 14. Com temperaturas decrescentes veja a Fig. 15. A existência da primeira transição de 0 em
Peratura para espessuras específicas da camada F ao redor 2 d f 11 nm significa que transições relatadas anteriormente
27 nm, um máximo de I c é seguido por um de- nas junções Cu x Ni 1- x foram realmente as transições de
vinte a zero, depois disso eu acrescento ainda. a para 0 fase e não, como foi assumido, do 0 ao
Esta foi a primeira confirmação experimental inequívoca Estágio. Isso significa que agora também é possível fab-
A transição de 0- através de uma medida de corrente crítica - Ricate the junções com um 10 4 vezes superior crítico
. Ryazanov, Oboznov, Rusanov, et al. 2001 ex- atual. Note-se que as primeiras medidas Frolov et al. ,
explicaram seus resultados com um pequeno campo de câmbio2004 h T da
c . relação de fase atual na junção S / F / S

A liga Cu x Ni 1- x usada em seus experimentos tem um Curie com a camada Cu 0.47 Ni 0.53 F não forneceu evidência do
temperatura 20-30 K e o campo de troca deve segundo harmônico no j relacionamento no 0-tran
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 16/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
seja superior a 100 K. Em consequência, a camada F é espessa,Sition. Essas medidas foram realizadas usando o
ness estava na faixa d f c 0 d f d cf T c , que fornece junção com uma espessura de camada F em torno de 22 nm, ou seja, perto
a forte dependência de temperatura não monetotônica de I c . o segundo mínimo no I c 2 d f dependência. o
Além disso, a estimativa experimental de f 10 nm também é uma corrente crítica muito maior perto do primeiro mínimo em
grande para o valor esperado do campo de troca. 2 d f 11 nm podem ser úteis para uma pesquisa de
Estudos sistemáticos recentes da corrente crítica em o segundo harmônico.
junções com a liga Cu x Ni 1- x como uma camada F Ryazanov Os resultados de Ryazanov, Oboznov, Rusanov, et al.
et al., 2004 revelaram uma variação muito forte de I c 2001 sobre o cruzamento induzido por temperatura entre 0

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 21
955
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

e Os estados foram confirmados recentemente nos experimentos


de Sellier et al. 2003. Kontos et al. 2002 observou
oscilações amortecidas da corrente crítica como função
da espessura da camada F em Nb / Al / Al 2 O 3 / PdNi / Nb junc-
ções. As correntes críticas medidas com o teórico
Buzdin e Baladié, em 2003, são apresentados na figura 16.
Blum et al. 2002 relatou as fortes oscilações do
corrente crítica com a espessura da camada F em
Nb / Cu / Ni / Cu / Nb junções.
Bulaevskii et al. 1977 apontou que a junção
incorporado em um anel supercondutor geraria
Comeram uma corrente espontânea e um correspondente magnético
o fluxo seria metade do fluxo quantum 0 . A aparência de
a corrente espontânea está relacionada ao fato de que a
estado fundamental doa junção corresponde à fase
diferença e essa diferença de fase gerará uma
supercorrente no anel que curto-circuito o junc-
ção. Naturalmente, a corrente espontânea é gerada se
há um número ímpar de junções no ringue.
Isto foi explorado de maneira elegante por Ryazanov,
Oboznov, Veretennikov e Rusanov 2001 para fornecer
Prova inequívoca da transição de fase. Ryazanov,
Oboznov, Veretennikov e Rusanov 2001 observaram
o deslocamento de meio período do campo magnético externo
pendência da corrente crítica de transporte em triangulares
Arrays S / F / S. A espessura da camada F das junções S / F / S
foi escolhido de tal forma que a alta temperatura as junções
eram as junções usuais de 0, e transformadas na
junções com uma diminuição da temperatura Ryazanov,
Oboznov, Rusanov, et al. , 2001.
Guichard et al. Em 2003, realizou-
experimentos sensíveis usando dc SQUID com um junc-
ção. A corrente total que eu flui através do SQUID é
a soma das correntes I a e I b que atravessam os dois
junções, I = I a + I b . Se as junções tiverem a mesma
Correntes calóricas eu c e ambos são 0 junções, então eu um
= I c peca um e I b = I c sin b , onde a e b são o
diferenças de fase entre as junções. Negligenciando o in-
FIG. 17. Experimentos de Guichard et al. 2003 sobre a difracção
ductância do laço do SQUID, a fase é diferente padrão de SQUID com 0 e junções. Não há
Ences satisfazem a relação habitual Barone e Paterno, Mudança do padrão entre 0-0 e - SQUIDs. A 0 /2
1982 a - b = 2 / 0 , onde é o fluxo do exter- A mudança é observada entre 0- e 0-0 ou - SQUIDs. O 0
campo magnético nal através do loop do SQUID. o e as junções foram obtidas variando a camada de PdNi de espessura -
A máxima corrente crítica do SQUID é o máximo de I ness.
= 2 I c cos / 0 . Quando uma das junções nos deixa dizer
béo junção com a mesma corrente crítica, a evidência da corrente espontânea induzida pela
corrente que flui através dele é que eu b = - I c pecar b = I c pecar
junção.
b

+. Portanto, a máxima corrente crítica do


SQUID neste caso é I max = 2 I c cos / 0 + / 2, e
o padrão de difração é deslocado pela metade de um fluxo quântico. VI. ESTRUTURAS COMPLEXAS S / F
Se ambas as junções são junções, a difração A. Sanduíches de válvula de rotação F / S / F
tern é idêntico ao padrão de difracção do SQUID
com duas junções de 0. Ou seja, isso foi observado em ex- O forte efeito de proximidade em supercondutores -
por Guichard et al. 2003 com SQUID contém- estruturas metálicas de ferromagneto poderiam levar ao phe-
uniões com camadas ferromagnéticas PdNi; veja a Fig. 17. nomenon de supercondução dependente da orientação de rotação -
Recentemente, Bauer et al. 2004 medido com micro- ity em sanduíches de válvula de rotação F / S / F. Tal comportamento foi
Hall sensorio da magnetização de uma superconcentração mesoscópica previsto por Buzdin et al. 1999 e Tagirov 1999 e
loop de dupla contendo um PdNi ferromagnético junc- Observado recentemente em experimento por Gu et al. 2002.
ção. Essas medidas também forneceram uma Note-se que Gennes 1966b considerou teoricamente um

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 22
956 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 17/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
Para
sider thefornecer
case d suma sdescrição teórica simples, con-
com apenas duas orientações do
Momentos ferromagnéticos: paralelos e antiparalelos. Para
orientações arbitrárias que o momento ferromagnético precisa
a introdução de componentes de triplete do anômalo
Funções de Green. A primeira tentativa de tal análise
foi feita por Baladié et al. 2001, mas usando uma incomunicação
forma completa da equação de Usadel. O equilíbrio correto
As culções para este caso foram realizadas por Bergeret et al.
2003, Fominov, Golubov e Kupriyanov 2003a, e
Volkov et al. 2003.
Na verdade, precisamos apenas analisar o caso do anti-
orientação paralela de momentos ferromagnéticos porque
O caso de orientação paralela é equivalente à fase 0
em uma estrutura multicamada S / F Sec. IV com o F lay-
duas vezes mais finas do que em um sanduíche F / S / F. Em outro
FIG. 18. Observação anterior de Deutscher e Meunier 1969 palavras, a nossa escolha de notação permite o paralelo orien-
do efeito da válvula de giro em filme entre FeNi oxidado e para corresponder à temperatura crítica para
Camadas de Ni. As medidas resistivas da temperatura crítica a fase 0 da Sec. IV. Para analisar o antiparalelo
caso de orientação, seguimos a abordagem usada na Sec. IV,
são apresentados em campo zero: linha tracejada, após a aplicação
mas precisamos manter o termo linear sobre x no ex-
do campo 1-T paralelo às camadas ferromagnéticas; linha sólida,
após a aplicação do campo -1-T e posteriormente + 0,03-T Pansão da função anômala de Green na camada S
campo para retornar a magnetização da camada de FeNi. na Eq. 35,

Fsx, =F01+ x- x2. 63


sistema consistindo de uma fina camada S entre dois ferro- 2
isoladores magnéticos. Ele argumentou que a orientação paralela
Com a ajuda da equação Usadel 31, encontramos que
A ionização dos momentos magnéticos é mais prejudicial para o super-
F 0 tem a forma 36 com o parâmetro par-breaking
condutividade por causa da presença do não-zero -1 determinado por
campo de troca médio agindo na superfície do su- s
perconductor. Esta previsão foi confirmada em ex- 4 d ss-1 Fs-ds Fsds ds Fsds
periment por Hauser 1969 em In film swwiched be- =2ds - -
Ds Fs-ds Fsds 2 Fsds
entre dois filmes de Fe 3 O 4 e por Deutscher e Meunier
1969 em um filme entre camadas de FeNi e Ni oxidadas; Fs-ds 2
veja a Fig. 18. Curiosamente, os experimentos de Deutscher e + . 64
Fs-ds
Meunier 1969 corresponde mais de perto ao caso de
sanduíches F / S / F metálicos, como esses autores relatam Suponhamos que o campo de troca seja positivo + h em
baixa resistência à interface. a camada F direita e, em seguida, para dxds +s temos
df
Considerar o efeito de orientação de spin em metal i+1
F / S / F sandes usamos as notações análogas a isso Ffx, 0 = A cosh x-ds-df , 65
de Sec. IV. Mais precisamente, ter uma conexão direta f
com a fórmula correspondente da Sec. IV, assumimos enquanto para a camada F esquerda, o campo de troca é negativo
que a espessura da camada F é d f e a espessura da camada S e para - d s - d f x - d s temos
é 2 d s ; veja a Fig. 19.
1 - eu
Ffx, 0 = B cosh x-ds-df . 66
f
Levando em consideração a forma explícita de F f x e a
condições de limite 32, encontramos o antiparalelo
caso de alinhamento F s d s / F s d s = - F s - d s / F s -*des
o parâmetro par-breaking para este caso s -1 = s-1, APpode
ser escrito como
Ds Fsds Ds Fsds 2
-1
s , AP - 2 d sRé F s d s + 2 Eu estou
Fsds
. 67

O segundo termo no lado direito da Eq. 67 é


importante no limite de pequenas d f e vamos omiti-lo
mais distante. As condições de contorno 32 nos permitem cal-
FIG. 19. Geometria do sanduíche F / S / F. A espessura de Culte o parâmetro -1 , desde que anômalo
s
a camada S é 2 d s e duas camadas F têm espessuras idênticas A
d f função
. Green na camada F é conhecida. Para o paralelo

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Page 23
957
AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 18/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto

FIG. 20. Influência do parâmetro de transparência da interface S / Fn~/ f= Bno T c * vs d f dependência Baladié e Buzdin,
2003. A espessura da camada F é normalizada por f . O parâmetro de par-pardão sem dimensões ~ 0 = 4 T c 2 d sf / Ds /s f é
escolhido constante e igual a 4. A linha contínua corresponde ao caso antiparalelo e a linha tracejada ao caso paralelo. 1
pode distinguir quatro tipos característicos de comportamento: uma decaimento fracamente não-monotônico * , b comportamento para umpara
reentrante valor finito T c
a orientação paralela e c e d decaimento monotônico para* T= 0c com d ou sem c mudar para uma transição de primeiro ordem no
caso paralelo. Em d, a linha pontilhada representa esquematicamente a linha de transição de primeiro orden.

Alinhamento dos momentos ferromagnéticos é s , P-1 = s-1 , 0, T AP


c 1 1 1
onde s , 0 -1 é dado pela Eq. 40, enquanto para o antiparalelo ln = - + Re . 70
Tc 2 2 2 T c AP s 0
alinhamento é
-1 = Re s ,-1
0 = Re sP -1 . 68
s , AP Os diferentes tipos de curvas T c d f são apresentados na Fig.
20.
Como resultado, obtemos a seguinte fórmula simples para
Vemos que a transparência da interface é importante
a temperatura crítica T c P com orientação paralela e
fator, controlando o efeito da válvula de rotação na estrutura F / S / F
T AP
c com orientação antiparalela:
Tures. É interessante notar que uma condição ótima
para a observação deste efeito no caso da não-
T Pc 1 1 1 transparência de interface insignificante é a escolha d f
ln = - Re + , 69
Tc 2 2 2 T cP s 0 0.1-0.4 f .

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 24
958 AI Buzdin: Efeitos de proximidade nas heterossindústrias de supercondutores e ferromagnetos

trabalho de Yamashita, Takahashi e Maekawa 2003.


Esse comportamento está relacionado com a transmissão maior para
a corrente de tunelamento normal nesta orientação. O cal-
culções também revelaram o desaparecimento periódico de An-
Dreev reflexão sobre as energias acima da supercondução -
gap.
O caso de isolar F camadas de Gennes, 1966b
corresponde ao momento em que os elétrons supercondutores se sentem
o campo de troca na superfície da camada S. Nós de-
escreva este caso tomando o limite d f → 0 com -1
s0
= Ih â ~ / d s , onde â ~ é a distância interatómica, que de-
escreve a região perto da interface S / F onde o ex-
alterar a interação descrita pelo campo de troca h
com rotação de elétrons ocorre. Na verdade, simplesmente significa
que, para o caso de orientação paralela, o supercon-
ductor está sob a influência de uma troca média
FIG. 21. The calculated dependence of the superconducting
transition temperature vs inverse reduced half thickness d * / dcampo
s h~ = ha~ / d s , enquanto que para a orientação antiparalela
of the superconducting layer for parallel and antiparallel align-este campo está ausente. Análise teórica cuidadosa de um sistema
ments for the transparent interface B =0 and thick ferro- consistindo no filme superconduzido intercalado
magnetic layer d f f . The effective length is d * entre dois isoladores semicondutores ferromagnéticos
= f / s D s / 4 T c h / D f 1/2 . com magnetização orientada diferente foi realizada por
Kulic e Endres 2000 para singlet e triplet su-
casos de percondutividade. No caso de um triplete supercon-
No caso de a espessura da camada F exceder f , o ductividade, a temperatura crítica depende não só de
A temperatura crítica negligentemente depende de d f . O casothe relative orientation of the magnetization but also on
para a interface transparente S / F B = 0 foi considerado its absolute orientation.
por Buzdin et al. 1999, e temperaturas críticas para par-
allel e antiparalinos são apresentados na figura 21.
A transparência da interface finita diminui o spin-
B. SFIF -S heterostructures and triplet proximity effect
valve effect, and for ˜ B 5 the dependence of critical
temperatures on the mutual orientation of ferromag- Many theoretical works were devoted to the analysis
netic moments is hardly observed. of more complex S/F systems. Proshin et al. 2001 see
The thermodynamic characteristics of F/S/F systems also Izyumov et al. , 2002 studied the critical tempera-
were studied theoretically by Baladié and Buzdin 2003 ture of S/F multilayers with alternating magnetization of
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 19/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
and Tollis
noted that 2004 using the Usadelalways
the superconductivity formalism and itgapless.
remains was adjacent F layers. Izyumov et al. 2000, 2002 also pro-
posed the 3D LOFF state in F/S contacts. No entanto, isso
Bagrets et al. 2003 developed a microscopic theory conclusion was based on controversial boundary condi-
with F/S/F systems based on the direct solution of the tions, corresponding to different in-plane 2D wave vec-
Gor'kov equations for the normal and anomalous tors on both sides of the contact—see the Comment by
Green's functions. The main mechanism of the electron Fominov, Kupriyanov, and Feigelman 2003 and the Re-
scattering in F layers was assumed to be of the s - d type. ply of Khusainov and Proshin 2003.
The results of this microscopical analysis were in accor- Koshina and Krivoruchko 2001 see also Golubov et
dance with the quasiclassical approach and provided a al. , 2002a studied the Josephson current of two proxim-
reasonable quantitative description of the experimental ity S/F bilayers separated by an insulating I barrier and
data of Obi et al. 1999 on the T c d f dependence in demonstrated that in such S/FIF/S contacts the phase
Nb/Co multilayers. may appear even at very small F layer thickness smaller
Krunavakarn et al. 2004 generalized the approach of than f . The -phase transition in this case is related to
Fominov et al. 2002 to perform exact numerical calcu- a rotation of /2 with the anomalous Green's function F
lations of the nonmonotonic critical temperature in on the S/F boundary in addition to a jump of its modu-
F/S/F sandwiches. They demonstrated also that the lus. To demonstrate this we consider a thin F layer of
Takahashi-Tachiki 1986 theory of the proximity effect thickness d f s in contact with a superconductor. If x
is equivalent to the approach using the Usadel equa- =0 corresponds to the S/F interface, and x = d f is the
ções. outer surface of the F layer, then the solution of the
Bozovic and Radovic 2002 studied theoretically the
linearized Usadel equation in the ferromagnet is
coherent transport current through F/S/F double-barrier
junctions. The exchange field and the interface barrier
reduce Andreev reflection due to the enhancement of i+1
Ffx, 0 = A cosh x−df . 71
the normal reflection. Interestingly, the conductance is f
sempre maior para o alinhamento paralelo do ferromag-
momentos neticos. Uma conclusão semelhante foi obtida em Using the boundary condition 32 we obtain

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, nº 3, julho de 2005

Página 25
AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures 959

F s 0, 0 let order parameter would be equal to zero, unlike the


Ffx, 0 F f 0, 0= 72 superfluidity in 3 He, for example. In general, the triplet
1 + 2 i B n d f / f2 .
components of the anomalous Green's function always
No caso da baixa transparência da interface B n d f / f 2 1, appear in the description of the singlet superconductiv-
o salto da fase da função F na interface ity in the rotation of space the exchange field. For ex-
é aproximadamente igual a - / 2: ample, they were introduced by Bulaevskii et al. 1980
in the theory of coexistence of superconductivity with
2 helicoidal magnetic order. An important finding of Berg-
F f 0, 0 F s 0, 0exp − i f . 73
2 eret et al. 2001b and Kadigrobov et al. 2001 was the
Bndf demonstration that the triplet component is insensitive
Koshina and Krivoruchko 2001 and Golubov et al. to the pair breaking by the exchange field. Therefore its
2002a argued that at each S/F interface in the S/FIF/S characteristic decay length is the same as in the normal
contact a phase jump − /2 occurs, and the total phase metal, ie, T , d = D f /2 T long-range proximity effect
jump in an equilibrium state would be . could explain the experiments on S/F mesoscopic struc-
Kulic and Kulic 2001 calculated the Josephson cur- tures Giroud et al. , 1998; Petrashov et al. , 1999, where a
rent between two superconductors with a helicoidal considerable increase of the conductance below the su-
magnetic structure. They found that the critical current perconducting critical temperature was observed at dis-
depends on the relative orientation of the magnetic tances much larger than f .
moments on the banks of contact In their subsequent works Bergeret et al. 2003 and
Volkov et al. 2003 studied the manifestation of this
I c = I c 0 1 − R ± cos , 74 triplet component in S/F multilayered structures. o
where R − R + corresponds to the same opposite helic- most striking effect is the dependence of the critical cur-
ity of the magnetization in the banks. Dependendo do rent in multilayered S/F structures on the relative orien-
tation of the ferromagnetic moments. For the collinear
parameters of the helicoidal ordering, the value of R ±
orientation, the triplet component is absent, and pro-
may be either smaller or larger than 1. If R ± 1, then I c
vided the thickness of the ferromagnetic layer d f f , the
may be negative for some misorientation angles , which
critical current is exponentially small. No outro
provides evidence of the Estágio. Interestingly, by tun-
hand, if the orientation of the magnetic moments is non-
ing the magnetic phase , it is possible to provoke a
collinear then the triplet component of the supercon-
switch between the 0 and Estágio. As seen from Eq.
74, the critical current of the Josephson junction is ducting condensate appears. Its decay length T , d is
maximal for the antiparallel orientation = do much larger than f , and this triplet component provides
magnetizations in the banks. the coupling between the adjacent superconducting lay-
Bergeret et al. 2001a studied the Josephson current ers. When the F layer thicknesses are in the interval
between two S/F bilayers and pointed out the enhance- T , d d f f , this coupling then occurs to be strong. Como um
ment of the critical current for ferromagnetic moments result, the critical current is maximal for the perpendicu-
aligned antiparallel. They demonstrated that at low tem- lar orientation of the adjacent ferromagnetic moments,
peratures the critical current in a S/FIF/S junction be- and it may significantly exceed the critical current for
comes larger than in the absence of the exchange field parallel orientation. Due to the mesoscopic fluctuations
ie, if the ferromagnetic layers are replaced by normal- Zyuzin et al. , 2003, the decay of the critical current for
metal layers with h =0. In more detail taking into ac- the magnetic moments oriented collinearly is not expo-
count different transparency of S/F interfaces and differ- nential. Nevertheless, for this orientation it would be
ent orientations of the magnetization in the banks, very small, and this does not change the main conclusion
estes junctions were studied theoretically de of the long-range triplet proximity effect. A lot of inter-
Krivoruchko and Koshina 2001, Chtchelkatchev et al. esting physics emerges in the case of S/F systems with
2002, Golubov et al. 2002a, and Li et al. 2002. genuine triplet superconductors. For example, the prox-
Blanter and Hekking 2004 used the Eilenberger and imity effect depends on the mutual orientation of the
Usadel equations to calculate the current-phase relation magnetic moments of the Cooper pairs and ferromag-
of the Josephson junction with the composite F layer, nets.
consisting of two ferromagnets with opposite magnetiza- The long-range triplet proximity effect was predicted
ções. to exist in the dirty limit. An interesting problem is how

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 20/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
Bergeret
analyzed et al.the
using 2001b andequations
Usadel Kadigrobov et al. 2001effect
the proximity it evolves in the
characteristic clean
decay limit.for
length In the
thisanomalous
regime there is no
Green’s
in S/F structures with local inhomogeneity of the function in a ferromagnet see Eqs. 21 and 22 , and
magnetization. They obtained the conclusion that the angular behavior of the critical current in S/F multi-
varying the space magnetization generates the triplet layers may be quite different. If, for example, we apply
component of the anomalous Green's function the Eilenberger equations for the description of a clean
↑ ↑ which penetrates in the ferromagnet at dis- S/F/F /S structure with antiparallel ferromagnetic lay-
tances much larger than f . It is not, however, the triplet ers with equal thicknesses, the exchange field is com-
superconductivity itself because the corresponding trip- pletely eliminated Blanter and Hekking, 2004. There-

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Página 26
960 AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures

fore, the critical current will be the same as for the Tokunaga et al. , 2001. In addition, in an external mag-
nonmagnetic interlayers. Here it is difficult to believe netic field the ferromagnetic component grows rapidly at
that for the perpendicular orientation of the magnetic the expense of the antiferromagnetic one.
moments the critical current could be even higher. o Due to the progress of multilayer preparation meth-
microscopical calculations using the Bogoliubov–de ods, the fabrication of artificial atomic-scale S/F super-
Gennes equations of the properties of S/F multilayers lattices has become possible. An important example is
with noncollinear orientation of the magnetic moments the YBa 2 Cu 3 O 7 /La 2/3 Ca 1/3 MnO 3 superlattice Sefrioui
would be of interest. et al. , 2003; Holden et al. , 2004. The manganite half me-
Barash et al. 2002 studied the Josephson current in tallic compound La 2/3 Ca 1/3 MnO 3 LCMO exhibits co-
S-FIF-S junctions in the clean limit within the quasiclas- lossal magnetoresistance and its Curie temperature is
sical theory of superconductivity, based on the so-called =240 K. The cuprate high- T c superconductor
Ricatti parametrization Schopol and Maki, 1995. They YBa 2 Cu 3 O 7 YBaCuO with T c =92 K has a similar lat-
obtained the nonmonotonic dependences of the critical tice constant as LCMO allows us to prepare the high-
current on the misorientation angle of the ferromagnetic quality YBaCuO/LCMO superlattices with different F
moments. However, even for a rather high transparency and S layer thickness ratios. The proximity effect in
of the I barrier D =0.8, the maximum critical current these superlattices occurs to be long ranged. For a fixed
occurred for the magnetic moments oriented antiparal- superconducting layer thickness, the critical temperature
lel. is dependent on the LCMO layer thickness in the 100-
nm range Sefrioui et al. , 2003; Peña et al. , 2004. This is
unusual because the YBaCuO and LCMO are strongly
VII. ATOMIC THICKNESS S/F MULTILAYERS anisotropic layered systems with small coherence length
in a direction perpendicular to the layers 0.1–0.3 nm.
A. Layered ferromagnetic superconductors A somewhat similar giant proximity effect has been re-
cently reported in nonmagnetic trilayer junctions
In this section, we consider an atomic-scale multilayer La 1.85 Sr 0.15 CuO 4 /La 2 CuO 4+ d /La 1.85 Sr 0.15 CuO Bozovic
4
F/S system, where the superconducting S and ferro- et al. , 2004 and in superconductor-antiferromagnet
magnetic F layers alternate. When the electron trans- YBa 2 Cu 3 O 7 /La 0.45 Ca 0.55 MnO 3 superlattices Pang et al. ,
fer integral between the S and F layers is small, super- 2004. The observed giant proximity effect defies the
conductivity can coexist with ferromagnetism in conventional explanations. Bozovic et al. 2004 sug-
adjacent layers. Andreev et al. 1991 demonstrated that gested that it may be related to resonant tunneling, but
the exchange field in F layers favors the -phase behav- at the moment the question about the nature of this
ior of superconductivity, when the superconducting or- effect is open.
der parameter alternates its sign on the adjacent S lay-
ers.
Nowadays several types of layered compounds, where B. Exactly solvable model of the Estágio
superconducting and magnetic layers alternate, are
Let us consider the exactly solvable model Andreev
known. For example, in Sm 1.85 Ce 0.15 CuO 4 Sumarlin et
et al. , 1991 of alternating superconducting and ferro-
al. , 1992, which reveals superconductivity at T c
magnetic atomic metallic layers. For simplicity, we as-
=23.5 K, the superconducting layers are separated by sume that the electron's motion inside the F and S layers
two ferromagnetic layers with magnetic moments ori-
is described by the same energy spectrum p . Três
ented oppositely and the Néel temperature is T N
basic parameters characterize the system: t is the trans-
=5.9 K. Several years ago, a new class of magnetic su-
fer energy between the F and S layers, is the Cooper
perconductors based on the layered perovskite rutheno-
pairing constant which is assumed to be nonzero in S
cuprate compound RuSr 2 GdCu 2 O 8 comprising CuO 2 bi-
layers only, and h is the constant exchange field in the F
layers and RuO 2 monolayers were synthesized see, for
camadas. The Hamiltonian of the system can be written as
example, McLaughlin et al. , 1999, and references cited
há. In RuSr 2 GdCu 2 O 8 , the magnetic transition oc- H= p a †ni p a ni p + H int1 + H int2
curs at T M 130–140 K and superconductivity appears p,n,i,
at T c 30–50 K. Recent measurements of the interlayer
+ ta ni† p a n ,− i , p + a †n +1,− i , p a ni p + Hc,
current in small-sized RuSr 2 GdCu 8 single crystals
showed the intrinsic Josephson effect Nachtrab et al. ,
g
2004. Apparently, it is a weak ferromagnetic order H int1 = a†n 1 p 1 a†n ,1,− − p 1
which occurs in this compound. Although magnetization 2p 1 , p 2 , n ,

measurements provide evidence of a small ferromag-


a n ,1,− − p 2 a n 1 p 2 ,
netic component, the neutron-diffraction data on
RuSr 2 GdCu 2 O 8 Lynn et al. , 2000 revealed the domi-
nant antiferromagnetic ordering in all three directions. H int2 = − h a†n ,−1, p a n ,−1, p , 75
Later, the presence of a ferromagnetic in-plane compo- p,n,
nent of about 0.1–0.3 B has been confirmed by neu- where a †ni is the creation operator of an electron with
tron scattering em isostructural RuSr 2 YCu 2 O 8 spin in the n th elementary cell and momentum p in

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Página 27
AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures 961

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 21/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
layer i , where i =1 for the S layer and i =−1 for the F
layer, and g is the pairing constant. An important advan-
tage of this model is that the quasiparticle Green's func-
tions can be calculated exactly and a complete analysis
of the superconducting characteristic is possible. Assum-
ing that the order parameter changes from cell to cell in
the form n = e ikn , the self-consistency equation for
the order parameter reads
2 dq
1=− T c * d
- 0 2
˜+˜− FIG. 22. The T , h phase diagram of the atomic S/F multilayer
, 76 in the limit of the small transfer integral t T c .
˜+˜− 2− 2 2
−˜−−Tq+k +˜+−Tq
where = gN 0 and ± = i ± p , ˜ ± = ± + h . The quasi- As a result, if the exchange field is in the interval
momentum q is perpendicular to the direction of the h c 0 h 3.77 T c , the 0- transition may be easily ob-
layers, and T q =2 t cos q /2 e iq /2 . In the limit of a small served with decreasing temperature due to the non-
transfer integral t T c , where T c is the bare mean-field monotonic behavior of the Josephson plasma frequency
critical temperature of the S layer in the absence of cou- and the parallel London penetration Houzet et al. ,
pling t =0, we arrive at the following equation for the 2001. However, a typical value of the exchange field is
critical temperature T c* : rather high and more probable is h T c , and the system
will be in the phase at any temperature. Isso é con-
T *c 4
ln = − T c* t 2 sistent with the recent experiments of Nachtrab et al.
Tc 42+h2 2004 on RuSr 2 GdCu 2 O 8 presenting no evidence of su-
perconducting planes decoupling with temperature. Dentro
12 4 − 7 2 h 2 − h 4
+ T c t 4 cos k 77 RuSr 2 GdCu 2 O 8 , the superconducting pairing is probably
3 2+h242+h22.
of the d -wave type. This case was analyzed theoretically
The critical temperature T c * is close to the bare critical by Prokic and Dobrosavljevic-Grujic 1999, and the sce-
temperature T c and from Eq. 77, for h =0, the maximal nario of the -phase appearance is similar to the s -wave
superconductivity. Calculations of the electronic density
T *c corresponds to k =0, ie, the superconducting order of states by Prokic and Dobrosavljevic-Grujic 1999 and
parameter is the same at all layers. Vale a pena notar Prokic et al. 1999 revealed some changes inherent to
that as the exchange field on the F layers grows, tunnel-
ing becomes energetically more costly, so the leading the 0- transition, but the experimental identification of
a phase in atomic-scale S/F superlattices is an ex-
second-order term in t falls as 1/ h 2 for large h and the
tremely difficult task. In principle, if the superlattice
critical temperature increases. This is related to the fact
consists of an even number of superconducting layers,
that, due to the decrease of the coupling, the effective
then the phase of the order parameter will differ by ,
exchange field induced on the S layers decreases with an
and the entire system will function as a Josephson
increase of h . For h T c , the coefficient of the cos k
* corre- junção. The spontaneous current in a superconducting
term has a negative sign and the maximal T c
loop containing such a junction was observed with an
sponds to k = , and the transition occurs with the experiment analogous to the one made by Bauer et al.
phase with an alternating order parameter n = −1 n . 2004.
Numerical calculations Andreev et al. , 1991 give for The model 75 permits us to analyze the transition
the critical value of the exchange field at which k from the quasi-2D to 3D system with an increase of the
changes from 0 to h c =3.77 T c , and the complete h , T transfer intergral t . At t T c , instead of the phase, the
phase diagram is presented in Fig. 22. LOFF state with modulation along the superconducting
At T =0 the transition to the phase occurs at h c 0 layers appears and the system becomes analogous to the
=0.87 T c . The analysis of Prokic et al. 1999 and Houzet 3D superconductor in a uniform exchange field Houzet
et al. 2001 shows that the perpendicular critical current and Buzdin, 2002.
vanishes at the transition from the 0 to the phase and Buzdin and Daumens 2003 considered the spin-valve
the Josephson coupled superconducting planes are de- effect in the F/S/F structure consisting of three atomic
acoplado. Strictly speaking, the critical current vanishes layers and described by the model 75. Analogous to
only in the t 4 approximation; see Eq. 77. The term the F/S/F spin-valve sandwiches see Sec. VI, the critical
t 8 gives the contribution t 8 cos 2 k , and the critical temperature is maximal for the antiparallel orientation
current at the transition to the phase will decrease to a of the ferromagnetic moments. However, at low tem-
small value I c t / T c 8 . Note that the sign of the second perature, the situation is inversed. Namely, the super-
harmonic in the j relation generated by this t 8 term conducting gap occurs to be larger for the parallel ori-
is positive, and therefore the transition from the 0 to the entation do ferromagnetic moments. este
phase is discontinuous. counterintuitive result of the inversion of the proximity

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Página 28
962 AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures

effect may be understood by the example of the ferro- 40 will be also of the order s / w 2 . From Eqs. 40
magnetic half metal. Indeed at T =0, the disappearance and 43 we obtain the following estimate of the local
of the Cooper pair in a S layer means that two electrons increase of the critical temperature:
with opposite spin must exit. If the neighboring F layers
of half metals are parallel, then, for one spin orientation, T cw − T*c
they are both insulators and the electron with this spin s/w2, 78
T *c
orientation cannot enter it. This results in the impossi-
bility of the pair destruction. On the other hand, for the which is of the same order of magnitude as the effect
antiparallel orientation of the F layers, in the electron- observed on the Ni 0.80 Fe 0.20 /Nb bilayers. Keeping in
spin orientation there is an adjacent normal layer and a mind the temperature dependence of the superconduct-
Cooper pair can leave the S layer. Such behavior con- ing coherence length T * / T − T *c , we see that
trasts with the diffusive model prediction Baladié and sTc
the condition for domain-wall superconductivity is
Buzdin, 2003; Tollis, 2004 but is in accordance with the T cw w .
T =0 results obtained with the multiterminal model for In the case of a very thin domain wall, the variation of
S/F hybrid structures Apinyan and Mélin, 2002. Appar- the exchange field is steplike and the local suppression
ently, it is a special property of the clean limit of the of the pair-breaking parameter occurs at a small distance
atomic-layer S/F model, and it disappears in the case of
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 22/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
several consecutive S layers per unit cell Mélin and of order fthe enhancement
sembles s near the domain
of wall.
the superconducting
The situation re- pair-
Feinberg, 2004. ing near the twin planes Khlyustikov and Buzdin, 1987.
The variation of the pair breaking occurring over a dis-
VIII. SUPERCONDUCTIVITY NEAR THE DOMAIN WALL tance f induces a superconducting order parameter over
a distance T cw near the domain wall and the effective
In the previous discussion of the properties of S/F het- relative decrease of the pair-breaking parameter will be
erostructures, we have implicitly assumed that the ferro- of the order of f / T cw . Therefore, if the shift of the
magnet has uniform magnetization, ie, there are no do- critical temperature of the S/F bilayer is comparable
alimentação. In practice the domains appear in ferromagnets with T c , ie, T c − T *c / T c 1, the critical temperature T cw
quite easily and special conditions are usually needed to of the superconductivity, localized near the domain wall,
obtain the single domain ferromagnet. In the standard may be estimated from the condition T cw − T c * / T *c
situation, the size of the domains is much larger than the f / T cw . As a result we have
superconducting coherence length, f s , and therefore
the Cooper pair will sample the uniform exchange field. T cw − T*c
However, for the S/F proximity effect near the domain 2, 79
T *c f/s
wall a special situation occurs, where the magnetic mo-
ments and the exchange field rotate. The Cooper pairs which is around 1–5 % for typical values of f and s . UMA
feel the exchange field averaged over the superconduct- small width of the domain walls is expected in the ex-
ing coherence length. Naturally, such an averaged field periments of Kinsey, Burnell, and Blamire 2001 on the
will be smaller near the domain wall, which leads to a critical current measurements of Nb/Co bilayers. o
local decrease of the pair-breaking parameter. Como são- domain walls occurred to be responsible for the critical
sult, we may expect that superconductivity would be current enhancement below T c * =5.24±0.05 K. In the
more robust near the domain wall. In particular, the presence of domains walls the nonzero critical current
critical temperature T cw for the superconductivity local- has been observed at 5.4±0.05 K, slightly above T c * .
ized near the domain wall would be higher than that of
It is worth noting that the effect of increasing the criti-
the uniform S/F bilayer T c * . For bulk ferromagnetic su- cal temperature in the vicinity of a domain wall is weak
perconductors, the critical temperature of the supercon- for very large and very thin domain walls. The optimum
ductivity localized near the domain wall was calculated thickness, when the effect may be relatively strong, is
by Buzdin et al. 1984. The experimental results of the W s.
domain-wall superconductivity in Ni 0.80 Fe 0.20 /Nb bilay- In the case of a perpendicular easy axis the branching
ers with Nb thickness around 20 nm were observed by of the domains occurs near the surface of magnetic film.
Rusanov et al. 2004. The Néel-type domain walls in If the scale of this branching is smaller than the super-
Permalloy Ni 0.80 Fe 0.20 are responsible for the local in- conducting coherence length, the effective exchange
crease of the critical temperature around 10 mK. o field is averaged, and the pair-breaking parameter will
width of the domain walls w in Permalloy films used by be strongly decreased. This mechanism has been pro-
Rusanov et al. 2004 is rather large, w 0.5 m, ie, posed by Buzdin 1985 to explain superconductivity at
much larger than the superconducting coherence length low temperature in reentrant ferromagnetic supercon-
of niobium. The rotation angle of the exchange field at ductors. A similar effect takes place in S/F bilayers and
the distance s is estimated as s / w , and the averaged in such a case the superconductivity would be extremely
exchange field h av is smaller than the field h distant from sensitive to the domain structure. A rather weak mag-
the domain wall: h − h av / h s / w 2 . Therefore, a rela- netic field would suffice to modify the branching of do-
tive decrease of the pair-breaking parameter s −1 in Eq. mains and suppress superconductivity.

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Página 29
AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures 963

Up to now we have concentrated on the interplay be-


tween superconductivity and ferromagnetism causing
the passing of electrons across the S/F interface known
as the proximity effect. However, if the magnetic field
created by the ferromagnet penetrates into a supercon-
ductor, it switches on the orbital mechanism of super-
conductivity and the magnetic interaction. A situação
when superconductivity and the magnetic interaction oc-
curs is only when the ferromagnet is an insulator, or the
buffer oxide layer separates the superconductor and the
ferromagnet. Hybrid S/F systems were studied in con-
nection with controlled flux pinning. Melhoramento de
the critical current was observed experimentally for su-
perconducting films with arrays of submicron magnetic
dots and antidotes see, for example, Van Bael, Raedts,
et al. 2002 and Van Bael, Van Look, et al. 2002 and
references cited therein, and for S/F bilayers with a do-
main structure in ferromagnetic films García-Santiago
et al. , 2000. A theory of vortex structures and pinning in
S/F systems at rather low magnetic field has been elabo- FIG. 23. S/F bilayer with domain structure in the ferromag-
rated on by Lyuksyutov and Pokrovsky 1998, Bula- netic layer. The period D of the domain structure D =2/ Q
evskii et al. 2000, Erdin et al. 2002, and Milosevic et is smaller than the superconducting coherence length s .
al. 2002a. This subject is discussed in detail in the re-
cent review by Lyuksyutov and Pokrovsky 2005.
Nucleation of superconductivity with the domain IX. MODIFICATION OF FERROMAGNETIC ORDER BY
structure was theoretically studied by Aladyshkin et al. SUPERCONDUCTIVITY
2003 and Buzdin and Melnikov 2003 in the case of
A. Effective exchange field in thin S/F bilayers
magnetic film with perpendicular anisotropy. The condi-
tions for a superconductivity are more favorable near
The influence of ferromagnetism on superconductivity
the domain walls. Recently domain-wall superconductiv-
is strong, and it leads to many experimentally observed
ity was revealed in an experiment by Yang et al. 2004.
consequences. Is the inverse also true? In other words,
They deposited on the single-crystal ferromagnetic
can superconductivity affect or even destroy ferromag-
BaFe 12 O 19 substrate a 10-nm Si buffer layer and then a
netism? To address this equation, we start by comparing
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 23/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
50-nm Nb film. The strong magnetic anisotropy of the characteristic energy scales for superconducting and
BaFe 12 O 19 assures that its magnetization is perpendicu-
magnetic transitions. The energy gain per atom at the
lar to the Nb film. The very characteristic RT depen-
magnetic transition is of the order of the Curie tempera-
dences and pronounced hysteresis effects were found in
ture . On the other hand, the condensation energy per
resistance measurements in an applied field.
A different situation occurs if the magnetization of electron at the superconducting transition Eq. 2 is
the F layer lies in the plane parallel magnetic anisot- much smaller than T c , and it is only about TcTc/EF
ropy. Then any type of domain walls will be a source of T c . Usually the Curie temperature is higher than T c
the magnetic field for the adjacent S layer, and the do- and ferromagnetism appears to be much more robust
main wall locally weakens superconductivity. This idea compared with superconductivity. Therefore supercon-
was proposed by Sonin 1988 in a S layer to create a ductivity can hardly destroy the ferromagnetism, but it
superconducting weak link Josephson junction at- may, nevertheless, modify it, if such modification does
tached to the domain wall. not cost too much energy. As an example consider bulk
Lange et al. 2003 used a nanoengineered lattice of ferromagnetic superconductors ErRh 4 B 4 , HoMo 6 S 8 , and
magnetic dots on superconducting films for field-induced HoMo 6 Se 8 , where, in the superconducting phase, ferro-
superconductivity. An applied external magnetic field magnetism is transformed into a domain phase with the
provided the compensation of the magnetic field of the domain size smaller than the superconducting coherence
dots and increased the critical temperature. The idea of length s Maple and Fisher, 1982; Bulaevskii et al. ,
such a compensation effect was proposed a long time 1985. A similar effect was predicted by Buzdin and Bu-
ago by Ginzburg 1956 for ferromagnetic superconduct- laevskii 1988 for a thin ferromagnetic film on a super-
ors. conductor. To illustrate this effect, we consider the S/F
The analysis of superconducting states appearing near bilayer with the S layer thickness d s smaller than the
the magnetic dots when the upper critical field depends superconducting coherence length s and the F layer
on the angular momentum of the superconducting thickness d f f d s ; see Fig. 23.
nucleus wave function was done by Cheng and Fertig In the case of a transparent S/F interface, the pair-
1999 and Milosevic et al. 2002b. breaking parameter is given by Eq. 40, and

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Page 30
964 AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures

D sd f f effective field may be introduced in the framework of


-1 0 = ih , 80 the Eilenberger equations.
s ,0 D fd s s

which means that the effective exchange field in the su-


B. Domain structure
perconductor is h˜ hd f / d s D s / D f f / s . The condi-
tion of a transparent interface implies that the Fermi In the case of the uniform ferromagnetic ordering in
momenta are equal in both materials and this permits us the F layer, superconductivity can exist only if h˜ does not
to write the effective field as
exceed the paramagnetic limit: h˜ 1.24 T c . Isso significa
h˜ = hd f / d s v Fs / v Ff , 81 that the thickness of the F layer must be extremely small
d f T c / hd s ; even for d s s , taking T c 10 K and h
where v Fs and v Ff are the Fermi velocities in S and F 5000 K, the maximum thickness of the F layer is only
camadas, respectivamente. Note, however, that for strong ferro- around 1 nm. However, ferromagnetic superconductors
magnets the condition for perfect transparency of the Maple and Fisher, 1982; Bulaevskii et al. , 1985 provide
interface is different, v F↑ v F↓ = v2s , where v F↑ and v F↓ are an example of domain coexistence phases with an ex-
the Fermi velocities for two spin polarizations in a fer- change field larger than the paramagnetic limit.
romagnet Zutic and Valls, 1999; Zutic et al. , 2004. We apply the theory of magnetic superconductors
In fact, in the case considered of thin F and S layers Bulaevskii et al. , 1985 to the description of the domain
the situation is analogous to magnetic superconductors structure with wave vector Q −1 in the S/F bilayer; Vejo
s
with an effective exchange field h˜ , which may also de- Fig. 23. The pair-breaking parameter associated with the
pend on the coordinates y , z in the plane of bilayer. Deixei domain structure is s -1 h˜ 2 / vQ Bulaevskii et al. , 1985,
us demonstrate this important point. Keeping in mind where v = v Fs is the Fermi velocity in the S layer. Deixe-nos
the domain structure see Fig. 23, where the exchange write the domain-wall energy per unit area as / a 2 ,
field depends only on the z coordinate, we may write the where a is the interatomic distance. The domain-wall
Usadel equations in the F and S layers, energy in the F film per unit length of the wall will be
d f / a 2 . Note that we consider the case of relatively
Df 2 2 2
- GF + small domain-wall thickness w Q −1 s and constant ,
2 z2F−F x2G+ z2G where the domain-wall energy is of the order of Curie
+ + ih z F = 0, 82 temperatura for an atomic thickness domain wall but
may be smaller for thicker domain walls. The change of
2 2 2 2 the superconducting condensation energy density due to
Ds the pair-breaking effect of the domain structure is of the
- G +F
2 x2F+ z2F−F x2G+ z2G order of N 0 2 / s . Therefore, the density per unit
=G. 83 area of the energy E DS related to the domain structure
reads
Now let us perform the averaging procedure by integrat-
ing these equations over x . Due to the small thickness of h˜ 2 Q
E DS N 0 d s +df 85
the F and S layers, the Green's functions G and F vary vQ a2.
little with x and may be considered as constants. o
Its minimum is reached at
integration of the terms with the second derivatives on x
will generate F / x and G / x terms taken at the inter- d s N 0 a 2 h˜ 2 1 d s h˜ 2
rostos. At the interfaces with vacuum these derivatives Q2= , 86
df v a0 df EF
vanish and the boundary conditions 32 permit us to
rely on the derivatives of F function on both sides of the where 0 = v / . The factor which favors the existence
S/F interface the same relation is true for the G func- of the domain structure is the superconducting conden-
tion, due to the normalization condition Eq. A6 . Ex- sation energy E s − N 0 d s 2 per unit area. O domínio
cluding the derivatives F / x d e s G / x d , we ob-
s structure decreases the total energy of the system if
tain the standard Usadel equation but for the averaged E DS + E s 0, and we obtain the following condition:
over the S layer thickness Green's functions F¯ and G¯ , 1/3 = h˜ / h 1/3 .
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 24/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto

Ds 2 2 T c h˜ 2 d f / d s 87
+ ih˜ z F¯ − G¯ 84 Due to the small factor / h 1 this condition is less
2 z 2 F¯ − F¯
z 2 G¯ = G¯ , restrictive than the paramagnetic limit T c 0.66 h˜ . Nev-
ertheless, the conditions for the formation of the domain
where the effective field is h˜ z = hzd f / d s D s / structure remain rather stringent. To minimize the d f / d s
D f f / s = hd f / d s v Fs / v Ff and the condition d f / d s 1 is ratio and the effective exchange field it is better to
used to neglect the small renormalization of D s and . choose the largest possible d s thickness. No entanto, o
Introducing an effective field h˜ z in the case of a thin maximum thickness of the region, where superconduc-
bilayer is quite natural and rather general. The same tivity will be affected by the presence of the F layer, is of

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Page 31
AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures 965

the order of s . Then, even in the case of the bulk super- cal temperature T c − T c* T c 1 at d s s . We will assume
conductor d smax s , the condition of the domain-phase these conditions to be satisfied. Following the same rea-
formation reads soning as in domain-wall superconductivity, we estimate
the relative local decrease of the pair-breaking param-
df −1 / s-1
Tc h / h 1/3 . 88 eter as s s / w 2 . Therefore, the local negative
s contribution to the domain-wall energy per unit length
resulting from the superconductivity reads as
We conclude that for the domain-phase observation it is
better to choose a superconductor with a large coher- Es −N02 89
s / w 2 wd s .
ence length s and a ferromagnet with low Curie tem-
perature and small energy of the domain walls. The proper magnetic energy of the domain wall is
The transition into the domain state is a first-order E DW d f / a 2 , and for a large domain wall
one, and as all transitions related to the domain walls, it a / w . The condition of the vanishing of the total
would be highly hysteretic. This circumstance may com- energy of the domain wall E s + E DW =0 gives
plicate its experimental observation. To overcome this
difficulty, it may be helpful to fabricate the S/F bilayer T 2c 3s uma
df df, 90
with a ferromagnet with a low Curie temperature E F wa W
T c . In such a case, initially we expect the appearance
of nonuniform magnetic structure below . Este sistema where the estimate d s s is used. Finally, we conclude
would be analogous to ferromagnetic superconductors that the energy of the domain wall may be negative for
ErRh 4 B 4 , HoMo 6 S 8 , and HoMo 6 Se 8 . the system with
Bergeret et al. 2000 argued that the appearance of a
uma
df
nonhomogeneous magnetic order in a F film deposited Tc , 91
on the bulk superconductor occurs via a second-order eu s
transition and the period of the structure goes to infinity
at the critical point. They considered the helicoidal mag- where l is the electron mean free path. We have taken
netic structure with a wave vector Q and the magnetic into account that s 0 l and a / 0 T c / E F . If the con-
moment lying in the plane of the film. The increase of dition 91 is fulfilled, the following scenario emerges.
the magnetic energy due to the rotation of the moments The temperature decrease below T c * will decrease the
was taken to be proportional to Q 2 . However, the mag- energy of the domain walls, which are usually present in
netic structure considered is known to generate a mag- a ferromagnet. The concentration of the domain walls
netic field at a distance Q −1 from the film. The contri- will increase and finally, when the domain-wall energy
bution coming from this field produces a magnetic changes sign, a dense domain structure appears. The av-
energy proportional to Q and not to Q 2 in a small wave- erage distance between domains walls in such a struc-
vector regime. This circumstance qualitatively changes ture would be of the order of the domain-wall thickness
the conclusions of Bergeret et al. 2000 and makes the em si. Note that for the case of small domain wall thick-
transition into a nonhomogeneous magnetic state a first- ness the superconducting contribution to its energy is
order one. negligible and instead of Eq. 91 we obtain the nonre-
The experiments of Mühge et al. 1998 on ferromag- alistic condition T c d f / f s / l . We have taken into
netic resonance measurements in Fe/Nb bilayers re- account only the exchange mechanism of the interaction
vealed a decrease of the effective magnetization below between magnetism and superconductivity. The orbital
T c for bilayers with d f 1 nm. This thickness is compat- effect gives an opposite contribution to the domain-wall
ible with the estimate 88, but the analysis of the experi- energy, as a result of the out-of-plane magnetic field
mental data by Garifullin 2002 reveals the possibility near the domain wall, which generates screening cur-
of the formation of islands at a small thickness of the Fe rents in the superconducting layer.
layer, which may complicate the interpretation of the At present, there are no clear experimental evidences
experimental results. for the domain structure formation in S/F bilayers. o
experiments of Mühge et al. 1998 on ferromagnetic
C. Negative domain-wall energy resonance measurements in Fe/Nb bilayers presented a
decrease of the effective magnetization below T c * for bi-
In the previous analysis, the energy of the domain layers with d f 1 nm. This thickness is compatible with
walls was considered to be constant independent of the the estimate 88, but the magnetic moment decreases
presence of the superconducting layer. It is a good ap- continuously below T c* . In addition, the analysis of the
proximation for a thin domain wall w s . However, su- experimental data by Garifullin 2002 reveals the possi-
perconductivity localized near the domain walls occurs bility of the formation of islands at a small thickness of
for the local enhancement of the superconducting con- the iron layer thus reducing its magnetic stiffness. o
densation energy, which may give a negative contribu- condition 91 is apparently fulfilled in the experiments
tion to the domain-wall energy. We estimate this effect of Mühge et al. 1998. Therefore, the decrease of the
for a thick w s domain wall. The effect is maximum domain-wall energy may be at the origin of the observed
for the S/F bilayer with the relative variation of the criti- efeito.

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Página 32
966 AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 25/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
= 2/3 l N . Then we conclude that the influence of super-
conductivity on the domain structure is not very large
and it is even less pronounced in the S/F bilayer when
the thickness of the S layer becomes smaller than the
London penetration depth Daumens and Ezzahri,
2003.
Helseth et al. 2002 studied the change of the Bloch
domain-wall structure in a ferromagnetic thin film on a
superconducting substrate with the in-plane magnetiza-
tion of the domains. It occurs that the wall experiences a
small shrinkage, which corresponds to an increase of the
energy of the domain wall.
Recently, Dubonos et al. 2002 demonstrated experi-
FIG. 24. The ferromagnetic film with perpendicular anisotropymentally the influence of the superconducting transition
on a superconducting substrate. on the distribution of the magnetic domains in meso-
scopic ferromagnet-superconductor structures. este
finding makes the observation of the effect predicted by
D. Ferromagnetic film on a superconducting substrate Bulaevskii and Chudnovsky 2000 and Bulaevskii et al.
Bulaevskii and Chudnovsky 2000 and Bulaevskii et 2002 plausible. Rearrangement of the domains nor-
mally results in a resistance change in metallic ferromag-
al. 2002 demonstrated that the pure orbital effect could nets. In this context Dubonos et al. 2002 noted that
decrease the equilibrium domain width in a ferromag-
domain walls' displacement due to the superconducting
netic film on the superconducting substrate. The ferro-
transition could be long-range resistive proximity effects
magnet with a perpendicular magnetic anisotropy is ei-
ther an insulator or separated from the superconductor previously observed in mesoscopic Ni/Al structures Pe-
by a thin insulating eg, oxide layer; see Fig. 24. trashov et al. , 1999 and Co/Al structures Giroud et al. ,
In such a case the ferromagnetic film and the super- 1998. Note also that Aumentado and Chandrasekhar
conductor are coupled only by the magnetic field. Isto é 2001 studied the electron transport in a submicron fer-
well known Landau and Lifshitz, 1982 that the positive romagnet Ni in contact with a mesoscopic supercon-
ductor Al and demonstrated that the interface resis-
energy of the magnetic field favors small domains, so
that the stray field does not spread at large distances. Em tance is very sensitive to the magnetic state of the
the other hand, the positive domain-wall energy favors a ferromagnetic particle.
large domain size. The balance of these two contribu-
tions gives the equilibrium domain width l N wd f . Dentro
the presence of a superconductor, the screening currents X. CONCLUSIONS
modify the distribution of the magnetic field near the The most striking peculiarity of the proximity effect
S/F interface and give an additional positive contribu- between a superconductor and ferromagnet produces
tion to the energy of the magnetic field. This results in a damped oscillatory behavior of the Cooper pair wave
shrinkage of the domain width. The energy E D of the function in the ferromagnet. This results in a nonmono-
domain structure on the superconducting substrate tonic dependence of the critical temperature of S/F mul-
reads Bulaevskii and Chudnovsky, 2000; Bulaevskii et tilayers on the F layer thickness, as well as in the forma-
al. , 2002 tion of junctions in S/F/S interfaces. The minimum
energy of the junction is realized for the phase differ-
2
2 l¯ N 16 l¯
E D 3 l¯ + - ence ± , and a spontaneous supercurrent may appear in
l¯ 7 3 a circuit containing the junção. Two possible direc-
tions of the supercurrent reflect the doubly degenerate
1 ground state. In contrast to the usual junction such a
.
k 0 2 k + 1 2 2 k +1+ 2 k + 1 2 + 16 l¯ 2 state is achieved without an external applied field. o
qubit or quantum bit is the analog of a bit for quantum
92 computation, described by a state in a two-level quan-
tum sistema Nielsen e Chuang, 2000.
Here l¯ = l /4 and l¯ N = l N /4 are the reduced widths of Superconductor/ferromagnet systems present a way to
domains on a superconducting and normal substrate, re- create an environmentally decoupled so-called “quiet”
spectively, and is the London penetration depth. o qubit Ioffe et al. , 1999 using a S/F/S junction.
minimization of E D over l¯ gives the equilibrium width of o junctions permit a realization of complemen-
domains. In the limit → the influence of supercon- tary logic. In the metal-oxide semiconductor logic family
ductivity vanishes and l = l N . The limit → 0, when the the combination of the semiconducting n - p - n junctions
magnetic field does not penetrate inside the supercon- with the complementary p - n - p junctions allows a signifi-
ductor, was considered by Sonin 2002. In this limit the cant simplification of the circuitry. The same is possible
shrinkage of the domain widths is maximum and l for Josephson-junctions' devices and circuits when

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Página 33
AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures 967

junctions are used Terzioglu and Beasley, 1998. The and V. Ryazanov for providing illustrative figures from
logic cells with junctions play the role of complemen- their works. Special thanks are due to T. Chameeva and
tary devices to the usual Josephson logic cells. J. Leandri for their help in preparing the manuscript.
Recently, Ustinov and Kaplunenko 2003 proposed This work was supported in part by the ESF “Pi-shift”
using the junction as a phase shifter in rapid single- programa.
flux quantum circuits. The relatively large geometrical
inductance, which is required by the single-flux quantum
storage, may be replaced by the much smaller junc- APÊNDICE
ção. The advantage of using junctions is the ability to 1. Bogoliubov–de Gennes equations
scale the dimension of superconducting logic circuits
down to the submicron size. In addition, the use of the Since the characteristic length of the induced super-
junction as a phase shifter substantially increases the pa- conductivity variation in a ferromagnet is small com-
rameter margins of the circuits. pared with a superconducting length, this implies using
As discussed in Sec. III.D, the exchange interaction the microscopic theory of superconductivity to describe
strongly affects Andreev reflection at the F/S interface the proximity effect in S/F structures. A microscopical
providing a powerful tool to probe ferromagnets and approach to study superconducting properties in the bal-

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 26/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
measure their spinconsisting
The structures polarization.
of 0 and Josephson junc- listicuse
the regime
of thethe clean limit in Gennes
Bogoliubov–de spatiallyequations
varying fields
de is
tions exhibit quite unusual properties. Bulaevskii et al. Gennes, 1966a. The equations for electron and hole
1978 demonstrated that a spontaneous vortex carrying wave functions u ↑ r and v ↓ r are
flux 0 /2 appears at the boundary between 0 and
junctions see also Xu et al. 1995 and Goldobin et al. H0−hru↑r+ rv↓r=E↑u↑r,
2002 . A periodic structure consisting of small alternat-
*ru↑r−H0+hrv↓r=E↑v↓r, A1
ing 0 and Josephson junctions will have an equilibrium
averaged phase difference 0 value in the interval − where E ↑ is the quasiparticle excitation energy, H 0
0 , depending on the ratio of the 0 and junction =− 2 2 /2 m − E F is the single-particle Hamiltonian,
lengths Mints, 1998; Buzdin and Koshelev, 2003. h r is the exchange field in the ferromagnet, and the
Superconductor/ferromagnet heterostructures provide spin quantization axis is chosen along its direction.
the possibility of the realization of such junction with a Equations for the wave functions with opposite spin ori-
very special two-maxima current-phase relation and Jo- entation u ↓ r and v ↑ r and the excitation energy E ↓ are
sephson vortices carrying partial fluxes 0 0/ e obtained from Eq. A1 with the substitution h→ − h .
0 1− 0 / . Note that the solution u ↓ , v ↑ with energy E ↓ may be
The possibility to combine in a controlled manner obtained from the solution of Eq. A1, if we choose
paramagnetic and orbital interaction mechanisms be- u ↓ = v ↑ , v ↑ =− u ↓ , and E ↓ =− E ↑ . The pair potential in the
tween superconductivity and magnetism makes the superconductor is determined by the self-consistent
physics of S/F heterostructures quite rich and promising equation
for potential applications. Also the recent observation of
strong vortex pinning in S/F hybrid structures, the spin- r= u ↑ r v *↓ r 1−2 f E ↑ , A2
valve effect in F/S/F systems, and domain-wall supercon- E 0↑

ductivity provide a good perspective to the creation of where f E is the Fermi distribution function f E
new electronics devices. Recent progress in controlling =1/1+exp E / T , and is the BCS coupling constant.
the fabrication of high-quality heterostructures and in- Assuming that the Cooper pairing is absent in the fer-
terfaces was crucial in this domain. Further development romagnet, we have r =0. This occurs when analytical
on microfabrication technology will permit one to ex- solutions of the Bogoliubov–de Gennes equations are
pect other interesting findings in the near future. obtained with spatially varying pair potentials which are
very rare. However, these equations provide a good ba-
sis for the numerical calculations to treat different as-
AGRADECIMENTOS pects of S/N and S/F proximity effects.
It is my pleasure to thank J. Aarts, A. Abrikosov, M.
Aprili, S. Bader, I. Baladié, J.-P. Brison, L. Bulaevskii, 2. Eilenberger and Usadel equations for ferromagnets
H. Courtois, M. Daumens, M. Fauré, D. Feinberg, J.
Flouquet, E. Goldobin, A. Golubov, M. Houzet, A. Ko- Another microscopical approach to the theory of su-
shelev, M. Kulic, M. Kuprianov, J. Lynn, B. Maple, A. perconductivity uses the electronic Green's functions.
Melnikov, B. Pannetier, Z. Radovic, V. Ryazanov, N. The Green's function technique for superconductors has
Ryzhanova, L. Tagirov, A. Ustinov, A. Vedyaev, and A. been proposed by Gor'kov who introduced in addition
Volkov, for useful discussions and helpful comments. Eu to the normal Green's function G r 1 , r 2 the anomalous
would like to acknowledge the help of C. Meyers and M. Gor'kov function F r 1 , r 2 see, for example, Abrikosov
Fauré for performing the numerical calculations. I am et al. , 1975. This technique is a very powerful tool, but
grateful to M. Aprili, C. Chien, Ya. Fominov, J. Jiang, the corresponding Green's functions in a general case

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Page 34
968 AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures

appear to be rather complicated and oscillate as a func- Note that the Eilenberger equations as presented pro-
tion of the relative coordinate r 1 − r 2 on interatomic dis- vide a natural choice for the spin quantization axis along
tances. On the other hand, the characteristic length the direction of the exchange field, and the only differ-
scales for superconductivity in S/F systems are of the ence with the standard form of these equations is the
order of the layers thicknesses or damping decay length substitution of the Matsubara frequency by + ih x .
for the induced superconductivity and, then, they are Usually, the electron-scattering mean free path in
much greater than the atomic length. This smooth varia- S/F/S systems is rather small. As such in the dirty limit,
tion is described by the center-of-mass coordinate r the angular dependence of the Green's functions is
= r 1 + r 2 /2 in the Green's functions. The quasiclassical weak, and the Eilenberger equations can be replaced by
equations for the Green's functions averaged over rapid the much simpler Usadel 1970 equations. In fact, the
oscillations on the relative coordinate have been pro- conditions required for using the Usadel equations are
posed by Eilenberger 1968 and also by Larkin and T c 1 and h 1. The second condition is much more
Ovchinnikov 1968 . restrictive due to a large value of the exchange field h
The Eilenberger equations are transportlike equations T c . The Usadel equations only apply to Green's func-
for the energy-integrated Green's functions f r , , n and tions G x , and F x , averaged over the Fermi sur-
g r , , n , depending on the center-of-mass coordinate r , face:
Matsubara frequencies = T 2 n +1, and the direction
of the unit vector n normal to the Fermi surface. Para o D 2
case of S/F multilayers we restrict ourselves to situations - Gx,,h
2 x2Fx,,h
when all quantities only depend on one coordinate x ,
2
chosen perpendicular to the layers. Introducing the −Fx,,h + ih x F x , , h
angle between the x axis and the direction of the vec- x2Gx,,h+
tor n the direction of the Fermi velocity, we write the = xGx,,h,
Eilenberger equations in the presence of an exchange
field hx in the form see, for example, Bulaevskii et al.
1985 and a recent review on the physics of Josephson G 2 x , , h + F x , , h F * x ,− h , = 1, A6
junctions by Golubov et al. 2004
D=1
3 v F l is the diffusion coefficient which is different in
1 1 fx , , the S and F regions and the equation for the function
+ ih x + Gx, fx , , + v F cos
2 2 x F + x , h , is the same as for F x , , h with the substitu-
tion → * . Here the only difference with the standard
1 form of the Usadel equations is the substitution de
= x+ Fx, gx , , ,
2 + ih x .

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 27/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto

d d The equations
regions for the Green's
must be completed by thefunctions in the Fbound-
corresponding and S
Gx, = gx , , , F x , = fx , , , ary conditions at the interfaces. For the Eilenberger
4 4
equations they were derived by Zaitsev 1984 and for
fx , , f + x , , +g2x,, = 1, A3 the Usadel equations by Kupriyanov and Lukichev
1988. These boundary conditions take into account the
where the function f + x , n , satisfies the same equation finite transparency resistance of the interfaces; see Eq.
as fx ,− n , with → * and the presence of impurities 32.
is described by the elastic scattering time = l / v f . o The most important pair-breaking mechanism in the
functions G x , and F x , are the Green's functions ferromagnet is the exchange field h . However, disorder
averaged over the Fermi surface. The Eilenberger equa- in the lattice of magnetic atoms creates the centers of
tions are completed by the self-consistency equation for magnetic scattering. In ferromagnetic alloys, used as the
the pair potential x in a superconducting layer: F layer in S/F/S Josephson junctions, the role of mag-
netic scattering may be quite important. Note that even
x=T Fx,. A4 in the case of a perfect ordering of the magnetic atoms,
the spin waves will generate magnetic scattering. o
The BCS coupling constant is spatially independent in natural choice of the spin-quantization axis used implic-
a superconducting layer, while in a ferromagnetic layer it itly above is along the direction of the exchange field.
is equal to zero. In a superconducting layer, the self- The magnetic scattering and spin-orbit scattering mix up
consistency equation may also be written in the follow- the up and down spin states. Therefore to describe this
situation it is needed to introduce two normal Green’s
ing convenient form:
functions G 1 ↑ ↑+ , G 2 ↓ ↓+ and two anomalous
T x one F 1 ↑↓,F2 ↑ ↑ . The microscopical Green’s
x ln +T −Fx, = 0, A5
Tc function theory of superconductors with magnetic impu-
rities and spin-orbit scattering was proposed by Abriko-
where T c 0 is the bare transition temperature of the su- sov and Gorkov 1960, 1962. The generalization of the
perconducting layer in the absence of proximity effect. Usadel equations A6 to this case gives

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Page 35
AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures 969

D 2 2 behavior of T c in S/F multilayers is an indirect proof of


- G1 + + ih the weakness of the spin-orbit scattering.
2 x 2 F 1 − F 1x 2 G 1
The expression for the I c 2 d f dependence 54 may be
1 2 1 1 generalized to take into account magnetic scattering,
+ + G1F1+G1F2−F1 -
z x x assim
T 2 q y exp− 2 q y
1 1 I c R n = 64 Re ,
+F1G2−G1 + = xG1, 3 1−2 +1+1 2
x assim 0
A10
G 21 x , , h + F 1 x , , h F 1 + x , h , = 1, A7
Onde
and the similar equation for F 2 with the indices substi-
tution 1 ↔ 2. Here so −1 is the spin-orbit scattering rate, 2
while the magnetic scattering rates are z −1 = − 21 S2z/ S 2 = 2 , q =2 i +2+2/ h , A11
+
and x −1 = −1
2 S2x/ S 2 . The rate 2 −1 describes the intensity
of the magnetic scattering via exchange interaction and
we follow the notation of the paper Fulde and Maki 2= .
1966. In the spatially uniform case the equations A7 +i+/h
are equivalent to those of the Abrikosov-Gorkov theory Near T c and in the limit h T c and 2 d f k 2 1 the fol-
1960, 1962 see also Fulde and Maki, 1966. Demler et lowing analytical expression can be obtained for the
al. 1997 analyzed the influence of the spin-orbit scat- critical current:
tering on the critical temperature of the S/F multilayers
and Krivoruchko and Petryuk 2002 on the critical cur- Sf 2k1 k2
rent of SFIFS tunnel structures. Ic= cos2 d f k 2 + sin2 d f k 2
The ferromagnets used as F layers in S/F heterostruc- 2 eT c k1
tures reveal strong uniaxial anisotropy. Then the mag- exp− 2 d f k 1 . A12
netic scattering in the plane xy perpendicular to the
anisotropy axis is negligible. Moreover due to the rela- We see that due to magnetic scattering the decay length
tively small atomic numbers of the F layer atoms the of the critical current f 1 =1/ k 1 may be substantially
spin-orbit scattering is expected to be weak. Em um tal smaller than the oscillating length f 2 =1/ k 2 .
case there is no spin mixing scattering anymore and the As noted above, the ability to use the Usadel equa-
Usadel equations retrieve the initial form A6 with the tions, h 1, is rather restrictive in ferromagnets due to
substitution of the Matsubara frequencies by →
the large value of the exchange field. Therefore, it is of
+ G / s , where s −1 = -z1 −1 2
S2z / S 2 may be considered as
interest to retain in the Usadel equations the first cor-
a phenomenological parameter describing the intensity rection in the parameter h . The first attempts to calcu-
of the magnetic scattering Buzdin, 1985. The linearized late this correction were made by Proshin and Khu-
Usadel equation in the ferromagnet reads sainov 1998 and Tagirov 1998 and resulted in the
1 Df 2Ff renormalization of the diffusion constant of the F layer
+ ih sgn + Ff− D f →D f 1−2 ih sgn
A8 . Later on, a similar renormaliza-
s 2 x 2 = 0. tion has been proposed by Baladié and Buzdin 2001
If s T c 1, we may neglect na Eq. A7 and the expo- and Bergeret et al. 2001c. A critical analysis of this
nentially decaying solution has the form renormalization by Fominov et al. 2002 see also Fomi-
nov, Kupriyanov, and Feigelman, 2003, and Khusainov
Ffx, 0 = A exp− xk 1 + ik 2 , A9 and Proshin, 2003 revealed the inaccuracy of this renor-
malization, but did not provide the answer. The careful
with k 1 =1/ f 1+ 2 + and k 2 =1/ f 1+ 2 − , derivation of the Usadel equation for an F layer retain-
where =1/ s h . In the absence of magnetic scattering, ing the linear correction over h was made by Buzdin
the decaying and oscillating wave vectors are the same, and Baladié 2003 and resulted in a somewhat different
k 1 = k 2 . Magnetic scattering decreases the characteristic renormalization of the diffusion constant D f →D f 1
decay length and increases the period of oscillations. Dentro −0.4 ih sgn . The coefficient in h appears to be

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 28/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
practice,
rent of thethis means
S/F/S that awith
junction decrease of the critical
an increase cur-be
of d f will rather small
scription of Fwhich
layersprovides more
using the confidence
Usadel in the
equations. de-
Nota
mais forte. Note that the spin-orbit scattering in contrast that this renormalization of the diffusion constant in-
to magnetic scattering decreases the pair-breaking ef- creases the decay characteristic length and decreases the
fect of the exchange field Demler et al. , 1997 and both period of oscillations, which is opposite to the influence
scattering mechansims decrease the amplitude of the os- of magnetic scattering.
cillations of the Cooper pair wave function. In some The Usadel equations give a description of Green’s
sense the spin-orbit scattering is more harmful for these functions only on average. Zyuzin et al. 2003 pointed
oscillations because they completely disappear at so -1 out that, due to the mesoscopic fluctuations, the decay of
h . The observation on experiment of the oscillatory the anomalous Green's function F f at distances much

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Page 36
970 AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures

larger than f is not exponential. As a result, the Joseph- tence of an inhomogeneous state in a ferromagnetic super-
son effect in S/F/S systems may be observed even with a conductor,” Zh. Eksp. Teor. Fiz. 55 , 1477–1482 Sov. Phys.
thick ferromagnetic layer. JETP 28 , 773–775 1969 .
The Eilenberger and Usadel equations adequately de- Aumentado, J., and V. Chandrasekhar, 2001, “Mesoscopic
scribe weak ferromagnets, where h E F and the spin-up ferromagnet-superconductor junctions and the proximity ef-
v F↑ and spin-down v F↓ Fermi velocities are the same. fect,” Phys. Rev. B 64 , 054505.
When the parameters of the electron spectra of the Bagrets, A., C. Lacroix, and A. Vedyayev, 2003, “Theory of
spin-up and spin-down bands are very different, the qua- proximity effect in superconductor/ferromagnet heterostruc-
siclassical approach fails. However, if the characteristics tures,” Phys. Rev. B 68 , 054532.
of the spin bands are similar, the Eilenberger and Usadel Baladié, I., A. Buzdin, N. Ryzhanova, and A. Vedyayev, 2001,
equations are still applicable. Performing the derivation “Interplay of superconductivity e magnetism dentro
superconductor/ferromagnet structures,” Phys. Rev. B 63 ,
of the Eilenberger equation in such a case, it may be
054518.
demonstrated that the Fermi velocity v F in Eq. A3 Baladié, I., and A. Buzdin, 2001, “Local quasiparticle density
must be substituted by v F↑ + v F↓ /2 and the scattering of states in ferromagnet/superconductor nanostructures,”
rate 1/ by 1/ ↑ +1/ ↓ /2. In consequence, the diffusion Phys. Rev. B 64 , 224514.
coefficient D f in the Usadel equation becomes Baladié, I., and A. Buzdin, 2003, “Thermodynamic properties
1/6 v F↑ + v F↓ 2 /1/ ↑ +1/ ↓ . Let us stress that such of ferromagnet/superconductor/ferromagnet nanostructures,”
renormalization is justified only for close values of v F↑ Phys. Rev. B 67 , 014523.
and v F↓ as well as ↑ e Balicas, L., JS Brooks, K. Storr, S. Uji, M. Tokumoto, H.
↓ . Otherwise, the
Bogoliubov–de Gennes equations must be used for the Tanaka, H. Kobayashi, A. Kobayashi, V. Barzykin, and LP
description of the proximity effect in strong ferromag- Gorkov, 2001, “Superconductivity in an organic insulator at
nets. very high magnetic fields,” Phys. Rev. Lett. 87 , 067002.
Barash, Yu. S., IV Bobkova, and T. Kopp, 2002, “Josephson
current in S-FIF-S junctions: Nonmonotonic dependence on
REFERÊNCIAS misorientation angle,” Phys. Rev. B 66 , 140503R.
Barone, A., and G. Paterno, 1982, Physics and Applications of
Aarts, J., JME Geers, E. Brück, AA Golubov, and R. the Josephson Effect Wiley, New York.
Coehoorn, 1997, “Interface transparency of superconductor/ Bauer, A., J. Bentner, M. Aprili, and ML Della Rocca, 2004,
ferromagnetic multilayers,” Phys. Rev. B 56 , 2779–2787. “Spontaneous supercurrent induced by ferromagnetic junc-
Abrikosov, AA, and LP Gor'kov, 1960, “Contribution to tions,” Phys. Rev. Lett. 92 , 217001.
the theory of superconducting alloys with paramagnetic im- Beenakker, CWJ, 1997, “Random-matrix theory of quan-
purities,” Zh. Eksp. Teor. Fiz. 39 , 1781–1796 Sov. Phys. JETP tum transport,” Rev. Mod. Phys. 69 , 731–808.
12 , 1243–1253 1961 . Bergeret, FS, KB Efetov, and AI Larkin, 2000, “Nonho-
Abrikosov, AA, and LP Gor'kov, 1962, “Spin-orbit inter- mogeneous magnetic order in superconductor-ferromagnet
action and the Knight shift in superconductors,” Zh. Eksp. multilayers,” Phys. Rev. B 62 , 11872–11878.
Teor. Fiz. 42 , 1088–1096 Sov. Phys. JETP 15 , 752–757 1962 Bergeret,
. F., AF Volkov, and KB Efetov, 2001a, “Enhance-
Abrikosov, AA, LP Gor'kov, and IE Dzyaloshinski, 1975, ment of the Josephson current by an exchange field in
Methods of Quantum Field Theory in Statistical Physics Do- superconductor-ferromagnet structures,” Phys. Rev. Lett. 86 ,
ver, New York. 3140–3143.
Aladyshkin, A. Yu., AI Buzdin, AA Fraerman, AS Bergeret, F., AF Volkov, and KB Efetov, 2001b, “Long-
Mel'nikov, DA Ryzhov, and AV Sokolov, 2003, “Domain- range proximity effects in superconductor-ferromagnet struc-
wall superconductivity in hybrid superconductor-ferromagnet tures,” Phys. Rev. Lett. 86 , 4096–4099.
structures,” Phys. Rev. B 68 , 184508. Bergeret, F., AF Volkov, and KB Efetov, 2001c, “Josephson
Anderson, PW, and H. Suhl, 1959, “Spin alignment in the current in superconductor-ferromagnet structures with non-
superconducting state,” Phys. Rev. 116 , 898–900. homogeneous magnetization,” Phys. Rev. B 64 , 134506.
Andersson, M., JC Cuevas, and M. Fogelström, 2002, “Trans-Bergeret, FS, AF Volkov, and KB Efetov, 2002, “Local
port through superconductor/magnetic dot/superconductor density of states in superconductor-strong ferromagnet struc-
structures,” Physica C 367 , 117–122. tures,” Phys. Rev. B 65 , 134505.
Andreev, AF, 1964, “The thermal conductivity of the inter- Bergeret, FS, AF Volkov, and KB Efetov, 2003, “Mani-
mediate state in superconductors,” Zh. Eksp. Teor. Fiz. 46 , festation of the triplet superconductivity in superconductor-
1823–1825 Sov. Phys. JETP 19 , 1228–1231 1964 . ferromagnet structures,” Phys. Rev. B 68 , 064513.
Andreev, AV, AI Buzdin, and RM Osgood III, 1991, “ Bergeret, FS, AF Volkov, and KB Efetov, 2004a, “In-
phase in magnetic-layered superconductors,” Phys. Rev. B 43 duced, ferromagnetism due to superconductivity in
10124–10131. superconductor-ferromagnet structures,” Phys. Rev. B 69 ,
Aoki, D., A. Huxley, E. Ressouche, D. Braithwaite, J. Flou- 174504.
quet, J.-P. Brison, E. Lhotel, and C. Paulsen, 2001, “Coexist-Bergeret, FS, AF Volkov, and KB Efetov, 2004b, “Spin
ence of superconductivity and ferromagnetism in URhGe,” screening of magnetic moments in superconductors,” Euro-
Nature London 413 , 613–616. phys. Lett. 66 , 111–117.
Apinyan, V., and RR Mélin, 2002, “Microscopic theory of Blanter, Ya. M., and FWJ Hekking, 2004, “Supercurrent in
non local pair correlations in metallic F/S/F trilayers,” Eur. long SFFS junctions with antiparallel domain configuration,”
Phys. J. B 25 , 373–389. Phys. Rev. B 69 , 024525.
Aslamazov, LG, 1968, “Influence of impurities on the exis- Blonder, GE, M. Tinkham, and TM Klapwijk, 1982, “Tran-

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Página 37
AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures 971

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 29/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto

sition from metallic to tunneling regimes in superconducting Josephson junction,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor. Fiz. 35 , 147–148
microconstrictions: Excess current, charge imbalance, and su- JETP Lett. 35 , 178–180 1982 .
percurrent conversion,” Phys. Rev. B 25 , 4515–4532. Buzdin, AI, LN Bulaevskii, and SV Panyukov, 1984, “Ex-
Blum, Y., A. Tsukernik, M. Karpovski, and A. Palevski, 2002, istence of superconducting domain walls in ferromagnets,”
“Oscillations of the superconducting critical current in Nb- Zh. Eksp. Teor. Fiz. 87 , 299–309 Sov. Phys. JETP 60 , 174–179
Cu-Ni-Cu-Nb junctions,” Phys. Rev. Lett. 89 , 187004. 1984 .
Bourgeois, O., and RC Dynes, 2002, “Strong coupled super- Buzdin, AI, and M. Daumens, 2003, “Inversion of the prox-
conductor in proximity with a quench-condensed ferromag- imity effect in híbrido ferromagnet-superconductor-
netic Ni film: A search for oscillating T c ,” Phys. Rev. B 65 , ferromagnet structures,” Europhys. Lett. 64 , 510–516.
144503. Buzdin, AI, and H. Kachkachi, 1997, “Generalized
Bozovic, I., G. Logvenov, MA Verhoeven, P. Caputo, E. Ginzburg-Landau theory for nonuniform FFLO supercon-
Goldobin, and MR Beasley, 2004, “Giant proximity effect ductors,” Phys. Lett. A 225 , 341–348.
in cuprate superconductors,” Phys. Rev. Lett. 93 , 157002. Buzdin, AI, and A. Koshelev, 2003, “Periodic alternating 0-
Bozovic, M., and Z. Radovic, 2002, “Coherent effects in and -junction structures as realization of -Josephson junc-
double-barrier ferromagnet/superconductor/ferromagnet tions,” Phys. Rev. B 67 , R220504.
junctions,” Phys. Rev. B 66 , 134524. Buzdin, AI, and MY Kuprianov, 1990, “Transition tem-
Bulaevskii, LN, 1973, “Magnetic properties of layered super- perature of a superconductor-ferromagnet superlattice,”
conductors with weak interaction between the layers,” Zh. Pis'ma Zh. Eksp. Teor. Fiz. 52 , 1089–1091 JETP Lett. 52 ,
Eksp. Teor. Fiz. 64 , 2241–2247 Sov. Phys. JETP 37 , 1133– 487–491 1990 .
1136 1973 . Buzdin, AI, and MY Kuprianov, 1991, “Josephson junction
Bulaevskii, LN, AI Buzdin, ML Kulic, and SV Pan- with a ferromagnetic layer,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor. Fiz. 53 ,
jukov, 1985, “Coexistence of superconductivity and magne- 308–312 JETP Lett. 53 , 321–326 1991 .
tism. Theoretical predictions and experimental results,” Adv.Buzdin, AI, and AS Melnikov, 2003, “Domain wall super-
Phys. 34 , 175–261. conductivity in ferromagnetic superconductors,” Phys. Rev. B
Bulaevskii, LN, and EM Chudnovsky, 2000, “Ferromag- 67 , R020503.
netic film on a superconducting substrate,” Phys. Rev. B 63 ,Buzdin, AI, and SV Polonskii, 1987, “Nonuniform state in
012502. quasi-1D superconductors,” Zh. Eksp. Teor. Fiz. 93 , 747–761
Bulaevskii, LN, EM Chudnovsky, and M. Daumens, 2002, Sov. Phys. JETP 66 , 422–429 1987 .
“Reply to Comment on 'Ferromagnetic film on a supercon- Buzdin, AI, AV Vedyayev, and NV Ryzhanova, 1999,
ducting substrate,' ” Phys. Rev. B 66 , 136502. “Spin-orientation-dependent superconductivity in S/F/S
Bulaevskii, LN, EM Chudnovsky, and MP Maley, 2000, structures,” Europhys. Lett. 48 , 686–691.
“Magnetic pinning in superconductor-ferromagnet multilay- Buzdin, AI, B. Vujicic, and MY Kuprianov, 1992,
ers,” Appl. Phys. Lett. 76 , 2594–2596. “Superconductor-ferromagnet structures,” Zh. Eksp. Teor.
Bulaevskii, LN, VV Kuzii, and AA Sobyanin, 1977, “Su- Fiz. 101 , 231–240 Sov. Phys. JETP 74 , 124–128 1992 .
perconducting system with weak coupling with a current in Casalbuoni, R., and G. Nardulli, 2004, “Inhomogeneous super-
the ground state,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor. Fiz. 25 , 314–318 conductivity in condensed matter and QCD,” Rev. Mod.
JETP Lett. 25 , 290–294 1977 . Phys. 76 , 263–321.
Bulaevskii, LN, VV Kuzii, and AA Sobyanin, 1978, “On Cayssol, J., and G. Montambaux, 2005, “Incomplete Andreev
possibility of the spontaneous magnetic flux in a Josephson reflection dentroumalimpar \ superconductor/ferromagnet/
limpo
junction containing magnetic impurities,” Solid State superconductor junction,” Phys. Rev. B 71 , 012507.
Commun. 25 , 1053–1057. Chandrasekhar, BS, 1962, “Maximum critical field of high-
Bulaevskii, LN, AI Rusinov, and ML Kulic, 1980, “Heli- field superconductors,” Appl. Phys. Lett. 1 , 7–8.
cal ordering of spins in a superconductor,” J. Low Temp. Cheng, S.-L., and HA Fertig, 1999, “Upper critical field H c 3
Phys. 39 , 255–272. for a thin-film superconductor with a ferromagnetic dot,”
Buzdin, A., 2000, “Density of states oscillations in a ferromag-Phys. Rev. B 60 , 13107–13111.
netic metal in contact with superconductor,” Phys. Rev. B 62Chien,
, CL, and DH Reich, 1999, “Proximity effects in
11377–11379. superconducting/magnetic multilayers,” J. Magn. Magn.
Buzdin, A., 2003, “-junction realization due to tunneling Mater. 200 , 83–94.
through a thin ferromagnetic layer,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor. Chtchelkatchev, NM, W. Belzig, and C. Bruder, 2002, “Jo-
Fiz. 78 , 1073–1076 JETP Lett. 78 , 583–586 2003 . sephson effect in S F XS F junctions,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor.
Buzdin, A., and I. Baladié, 2003, “Theoretical description of Fiz. 75 , 772–776 JETP Lett. 75 , 646–650 2002 .
ferromagnetic -junctions near the critical temperature,” Chtchelkatchev, NM, W. Belzig, Yu. V. Nazarov, and C.
Phys. Rev. B 67 , 184519. Bruder, 2001, “-0 transition in superconductor-ferromagnet-
Buzdin, AI, 1985, “Surface superconductivity in ferromag- superconductor junctions,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor. Fiz. 74 ,
nets,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor. Fiz. 42 , 283–285 JETP Lett. 42 357–361
, JETP Lett. 74 , 323–327 2001 .
350–352 1985 . Clogston, AM, 1962, “Upper limit for the critical field in hard
Buzdin, AI, and LN Bulaevskii, 1988, “Ferromagnetic film superconductors,” Phys. Rev. Lett. 9 , 266–267.
on the surface of a superconductor: Possible onset of inho- Daumens, M., and Y. Ezzahri, 2003, “Equilibrium domain
mogeneous magnetic ordering,” Zh. Eksp. Teor. Fiz. 94 , 256–structure in a ferromagnetic film coated by a superconducting
261 Sov. Phys. JETP 67 , 576–578 1988 . film,” Phys. Lett. A 306 , 344–347.
Buzdin, AI, LN Bulaevskii, and SV Panyukov, 1982, de Gennes, PG, 1966a, Superconductivity of Metals and Al-
“Critical-current oscillations as a function of the exchange loys Benjamin, New York.
field and thickness of the ferromagnetic metal F in a SFS de Gennes, PG, 1966b, “Coupling between ferromagnets

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Página 38
972 AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures

through a superconducting layer,” Phys. Lett. 23 , 10–11. 240 , 571–576.


de Jong, MJM, and CWJ Beenakker, 1995, “Andreev Garifullin, IA, DA Tikhonov, NN Garif'yanov, L. Lazar,
reflection in ferromagnet-superconductor junctions,” Phys. Yu. V. Goryunov, S. Ya. Khlebnikov, LR Tagirov, K.
Rev. Lett. 74 , 1657–1660. Westerholt, and H. Zabel, 2002, “Re-entrant superconductiv-
Demler, EA, GB Arnold, and MR Beasley, 1997, “Su- ity in the superconductor/ferromagnet V/Fe layered system,”
perconducting proximity effects in magnetic metals,” Phys. Phys. Rev. B 66 , R020505.
Rev. B 55 , 15174–15182. Ginzburg, VL, 1956, “Ferromagnetic superconductors,” Zh.
Deutscher, G., 2005, “Andreev-Saint James reflections: A Eksp. Teor. Fiz. 31 , 202–214 Sov. Phys. JETP 4 , 153–161
probe of cuprate superconductors,” Rev. Mod. Phys. 77 , 109–1957 .
135. Giroud, M., H. Courtois, K. Hasselbach, D. Mailly, and B.
Deutscher, G., and PG de Gennes, 1969, “Proximity effects,” Pannetier, 1998, “Superconducting proximity effect in a me-
in Superconductivity , edited by RD Parks Dekker, New soscopic ferromagnetic wire,” Phys. Rev. B 58 , R11872–
York, pp. 1005–1034. R11875.
Deutscher, G., and D. Feinberg, 2000, “Coupling Goldobin, E., D. Koelle, and R. Kleiner, 2002, “Semifluxons in
superconducting-ferromagnetic point contacts by Andreev long Josephson 0- junctions,” Phys. Rev. B 66 , 100508.
reflections,” Appl. Phys. Lett. 76 , 487–489. Golubov, AA, M. Yu. Kupriyanov, and Ya. V. Fominov,
Deutscher, G., and F. Meunier, 1969, “Coupling between fer- 2002a, “Critical current in SFIFS junctions,” Pis'ma Zh. Eksp.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 30/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
romagnetic layers through a superconductor,” Phys. Rev. Teor. Fiz. 75 , 223–227 JETP Lett. 75 , 190–194 2002 .
Lett. 22 , 395–396. Golubov, AA, M. Yu. Kupriyanov, and Ya. V. Fominov,
Dobrosavljevic-Grujic, L., R. Zikic, and Z. Radovic, 2000, 2002b, “Nonsinusoidal current-phase relation in SFS Joseph-
“Quasiparticle energy spectrum in ferromagnetic Josephson son junction,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor. Fiz. 75 , 709–713 JETP
weak links,” Physica C 331 , 254–262. Lett. 75 , 588–592 2002 .
Dubonos, SV, AK Geim, KS Novoselov, and IV Grig- Golubov, AA, M. Yu. Kupriyanov, and E. Il'ichev, 2004,
orieva, 2002, “Spontaneous magnetization changes and non- “The current-phase relation in Josephson junctions,” Rev.
local effects in mesoscopic ferromagnet-superconductor Mod. Phys. 76 , 411–469.
structures,” Phys. Rev. B 65 , 220513R. Gu, JY, C.-Y. You, JS Jiang, J. Pearson, Ya. B. Bazaliy, and
Eilenberger, G., 1968, “Transformation of Gorkov's equation SD Bader, 2002, “Magnetization-orientation dependence of
for type II superconductors into transport-like equations,” Z. the superconducting transition temperature in a
Phys. 214 , 195–213. ferromagnet-superconductor-ferromagnet system: CuNi/Nb/
Erdin, S., IF Lyuksyutov, VL Pokrovsky, and VM Vi- CuNi,” Phys. Rev. Lett. 89 , 267001.
nokur, 2002, “Topological textures in a ferromagnet- Guichard, W., M. Aprili, O. Bourgeois, T. Kontos, J. Lesueur,
superconductor bilayer,” Phys. Rev. Lett. 88 , 017001. and P. Gandit, 2003, “Phase sensitive experiments in
Fazio, R., and C. Lucheroni, 1999, “Local density of states in ferromagnetic-based Josephson junctions,” Phys. Rev. Lett.
superconductor-ferromagnetic hybrid systems,” Europhys. 90 , 167001.
Lett. 45 , 707–713. Halterman, K., and OT Valls, 2001, “Proximity effects at
Fogelstöm, M., 2000, “Josephson currents through spin-active ferromagnet-superconductor interfaces,” Phys. Rev. B 65 ,
interfaces,” Phys. Rev. B 62 , 11812–11819. 014509.
Fominov, Ya. V., NM Chtchelkatchev, and AA Golubov, Halterman, K., and OT Valls, 2002, “Proximity effects and
2002, “Nonmonotonic critical temperature in superconductor/characteristic lengths in ferromagnet-superconductor struc-
ferromagnet bilayers,” Phys. Rev. B 66 , 014507. tures,” Phys. Rev. B 66 , 224516.
Fominov, Ya., AA Golubov, and M. Yu. Kupriyanov, 2003, Halterman, K., and OT Valls, 2003, “Energy gap of
“Triplet proximity effect in FSF trilayers,” Pis'ma Zh. Eksp. ferromagnet-superconductor bilayers,” Physica C 397 , 151–
Teor. Fiz. 77 , 609–614 JETP Lett. 77 , 510–515 2003 . 158.
Fominov, Ya. V., M. Yu. Kupriyanov, and MV Feigelman, Halterman, K., and OT Valls, 2004a, “Layered ferromagnet-
2003, “A comment on the paper 'Competition of supercon- superconductor structures: The state and proximity ef-
ductivity and magnetism in ferromagnet-superconductor het- fects,” Phys. Rev. B 69 , 014517.
erostructures,' by Yu. A. Izyumov, Yu. N. Proshin, and MG Halterman, K., and OT Valls, 2004b, “Stability of -junction
Khusainov,” Usp. Fiz. Nauk 173 , 113–115 Phys. Usp. 46 , 105– configurations in ferromagnet-superconductor heterostruc-
107 2003 . tures,” Phys. Rev. B 70 , 104516.
Frolov, SM, DJ Van Harlingen, VA Oboznov, VV Bolgi- Hauser, JJ, 1969, “Coupling between ferromagnetic insula-
nov, and VV Ryazanov, 2004, “Measurement of the current- tors through a superconducting layer,” Phys. Rev. Lett. 23 ,
Estágio relação do superconductor/ferromagnet/ 374–377.
superconductor Josephson junctions,” Phys. Rev. B 70 , Helseth, LE, PE Goa, H. Hauglin, M. Baziljevich, and TH
144505. Johansen, 2002, “Interaction between a magnetic domain
Fulde, P., and RA Ferrell, 1964, “Superconductivity in a wall and a superconductor,” Phys. Rev. B 65 , 132514.
strong spin-exchange field,” Phys. Rev. 135 , A550–A563. Holden, T., H.-U. Habermeier, G. Cristiani, A. Golnik, A.
Fulde, P., and K. Maki, 1966, “Theory of superconductors con-Boris, A. Pimenov, J. Humlíek, OI Lebedev, G. Van Ten-
taining magnetic impurities,” Phys. Rev. 141 , 275–280. deloo, B. Keimer, and C. Bernhard, 2004, “Proximity induced
García-Santiago, A., F. Sánchez, M. Varela, and J. Tejada, metal-insulator transition in YBa 2 Cu 3 O 7 /La 2/3 Ca 1/3 MnO 3 su-
2000, “Enhanced pinning in a magnetic-superconducting bi- perlattices,” Phys. Rev. B 69 , 064505.
layer,” Appl. Phys. Lett. 77 , 2900–2902. Houzet, M., and A. Buzdin, 2000, “Influence of the paramag-
Garifullin, IA, 2002, “Proximity effects in ferromagnet/ netic effect on the vortex lattice in 2D superconductors,” Eu-
superconductor heterostructures,” J. Magn. Magn. Mater. rophys. Lett. 50 , 375–381.

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Page 39
AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures 973

Houzet, M., and A. Buzdin, 2001, “Structure of the vortex lat- rent of mesoscopic SFIFS and SFIS junctions,” Phys. Rev. B
tice in the Fulde-Ferrell-Larkin-Ovchinnikov state,” Phys. 63 , 224515.
Rev. B 63 , 184521. Krivoruchko, VN, and E. Koshina, 2001, “From inversion to
Houzet, M., and A. Buzdin, 2002, “Nonuniform superconduct- enhancement of the dc Josephson current in S/FIF/S tunnel
ing phases in a layered ferromagnetic superconductor,” Euro- structures,” Phys. Rev. B 64 , 172511.
phys. Lett. 58 , 596–602. Krivoruchko, VN, and EA Koshina, 2002, “Inhomogeneous
Houzet, M., AI Buzdin, LN Bulaevskii, and M. Maley, magnetism induced in a superconductor at a superconductor-
2002, “New superconducting phases in field-induced organic ferromagnet interface,” Phys. Rev. B 66 , 014521.
superconductor lambda-BETS 2 FeCl 4 ,” Phys. Rev. Lett. 88 Krivoruchko,
, VN, and RV Petryuk, 2002, “Spin-orbit scat-
227001. tering effect on critical current in SFIFS tunnel structures,”
Houzet, M., A. Buzdin, and M. Kulic, 2001, “Decoupling of Phys. Rev. B 66 , 134520.
superconducting layers in the magnetic superconductor Krunavakarn, B., W. Sritrakool, and S. Yoksan, 2004, “Non-
RuSr 2 GdCu 2 O 8 ,” Phys. Rev. B 64 , 184501. monotonic crítico temperatura dentroferromagnet/
Houzet, M., Y. Meurdesoif, O. Coste, and A. Buzdin, 1999, superconductor/ferromagnet trilayers,” Physica C 406 , 46–52.
“Structure of the non-uniform Fulde-Ferrell-Larkin- Kulic, ML, and M. Endres, 2000, “Ferromagnetic-
Ovchinnikov state in 3D superconductors,” Physica C 316 , semiconductor-singlet-or triplet superconductor-
89–96. ferromagnetic-semiconductor systems as possible logic cir-
Ioffe, LB, VB Geshkenbein, MV Feigel'man, AL cuits and switches,” Phys. Rev. B 62 , 11846–11853.
Fauchère, and G. Blatter, 1999, “Environmentally decoupledKulic, ML, and IM Kulic, 2001, “Possibility of a Joseph-
sds-wave Josephson junctions for quantum computing,” Na- son junction and swith in superconductors with spiral mag-
ture London 398 , 679–681. netic order,” Phys. Rev. B 63 , 104503.
Izyumov, Yu. A., Yu. N. Proshin, and MG Khusainov, 2000, Kulik, IO, 1965, “Magnitude of the critical Josephson tunnel
“Multicritical behavior of the phase diagrams of ferromagnet/current,” Zh. Eksp. Teor. Fiz. 49 , 1211–1214 Sov. Phys. JETP
superconductor layered structures,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor. 22 , 841– 843 1966 .
Fiz. 71 , 202–209 JETP Lett. 71 , 138–143 2000 . Kuprianov, MY, and VF Lukichev, 1988, “Influence of
Izyumov, Yu. A., Yu. N. Proshin, and MG Khusainov, 2002, boundary transparency on the critical current of ''durty'' SS’S
''Competition between superconductivity and magnetism in structures,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor. Fiz. 94 , 139–149 Sov.
ferromagnet/superconductor heterostructures,'' Usp. Fiz. Phys. JETP 67 , 1163–1168 1988 .
Nauk 172 , 113–154 Phys. Usp. 45 , 109–148 2002 . Landau, LD, and EM Lifshitz, 1982, Electrodynamics of
Jaccarino, V., and M. Peter, 1962, “Ultra-high-field supercon- Continuous Media Nauka, Moscow.
ductivity,” Phys. Rev. Lett. 9 , 290–292. Lange, M., MJ Van Bael, Y. Bruynseraede, and VV Mosh-
Jiang, JS, D. Davidovic, DH Reich, and CL Chien, 1995, chalkov, 2003, “Nanoengineered magnetic-field-induced su-
“Oscillatory superconducting transition temperature in perconductivity,” Phys. Rev. Lett. 90 , 197006.
Nb/Gd multilayers,” Phys. Rev. Lett. 74 , 314–317. Larkin, AI, and YN Ovchinnikov, 1964, “Inhomogeneous

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 31/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
Kadigrobov, A., RI Shekhter,
tum spin fluctuations and M.
as a source Jonson, 2001,
of long-range “Quan-ef- state
proximity Sov. of superconductors,”
Phys. Zh. Eksp.
JETP 20 , 762–769 1965 Teor.
. Fiz. 47 , 1136–1146
fects in diffusive ferromagnet-superconductor structures,” Larkin, AI, and YN Ovchinnikov, 1968, “Quasiclassical
Europhys. Lett. 54 , 394–400. method in the theory of superconductivity,” Zh. Eksp. Teor.
Khlyustikov, IN, and AI Buzdin, 1987, “Twinning-plane Fiz. 55 , 2262–2272 Sov. Phys. JETP 28 , 1200–1205 1965 .
superconductivity,” Adv. Phys. 36 , 271–330. Lazar, L., K. Westerholt, H. Zabel, LR Tagirov, Yu. V.
Khusainov, MG, and Yu. N. Proshin, 2003, “Inhomogeneous Goryunov, NN Garifyanov, and IA Garifullin, 2000,
superconducting estados dentroferromagnetic metal/ “Superconductor/ferromagnet proximity effect in Fe/Pb/Fe
superconductor structures Reply to the comment by Ya. V. trilayers,” Phys. Rev. B 61 , 3711–3722.
Fominov, M. Yu. Kupriyanov, and MV Feigel'man on the Li, X., Z. Zheng, DY Xing, G. Sun, and Z. Dong, 2002,
review 'Competition between superconductivity and magne- “Josephson current in ferromagnet-superconductor tunnel
tism in ferromagnet/superconductor heterostructures,' by Yu. junctions,” Phys. Rev. B 65 , 134507.
A. Izyumov, Yu. N. Proshin, and MG Khusainov,” Usp. Lynn, JW, B. Keimer, C. Ulrich, C. Bernhard, and JL Tal-
Fiz. Nauk 173 , 1385–1386 Phys. Usp. 46 , 1311–1311 2003 .lon, 2000, “Antiferromagnetic ordering of Ru and Gd in su-
Kinsey, RJ, G. Burnell, and MG Blamire, 2001, “Active perconducting RuSr 2 GdCu 2 O 8 ,” Phys. Rev. B 61 , R14964–
supercurrent control in superconductor/ferromagnet hetero- R14967.
structures,” IEEE Trans. Appl. Supercond. 11 , 904–907. Lyuksyutov, IF, and VL Pokrovsky, 1998, “Magnetization
Kontos, T., M. Aprili, J. Lesueur, F. Genet, B. Stephanidis, andcontrolled superconductivity in a film with magnetic dots,”
R. Boursier, 2002, “Josephson junction through a thin ferro- Phys. Rev. Lett. 81 , 2344–2347.
magnetic layer: Negative coupling,” Phys. Rev. Lett. 89 , Lyuksyutov, IF, and VL Pokrovsky, 2005, “Ferromagnet-
137007. superconductor hybrids,” Adv. Phys. 54 , 67–136.
Kontos, T., M. Aprili, J. Lesueur, and X. Grison, 2001, “Inho-Maple, MB, and Ø. Fisher, 1982, Eds., in Superconductivity
mogeneous superconductivity induced in a ferromagnet by in Ternary Compounds II, Topics in Current Physics
proximity effect,” Phys. Rev. Lett. 86 , 304. Springer-Verlag, Berlin.
Koorevaar, P., Y. Suzuki, R. Coehoorn, and J. Aarts J., 1994, Mazin, I., 1999, “How to define and calculate the degree of
“Decoupling of superconducting V by ultrathin Fe layers in spin polarization in ferromagnets,” Phys. Rev. Lett. 83 , 1427–
V/Fe multilayers,” Phys. Rev. B 49 , 441–449. 1430.
Koshina, EA, and VN Krivoruchko, 2001, “Spin polariza- McLaughlin, AC, W. Zhou, JP Attfield, AN Fitch, and J.
tion and -phase state of the Josephson contact: Critical cur- L. Tallon, 1999, “Structure and microstructure of the ferro-

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Page 40
974 AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures

magnetic superconductor RuSr 2 GdCu 2 O 8 ,” Phys. Rev. B 60superconductor/ferromagnet


, superlattices,” Phys. Rev. B 59 ,
7512–7516. 587–595.
Mélin, R., and D. Feinberg, 2004, “What is the value of the Prokic, V., and Lj. Dobrosavljevic-Grujic, 1999, “Zero-energy
superconducting gap of a F/S/F trilayer?” Europhys. Lett. 65 ,bound states in superconductor/ferromagnet superlattices,”
96–102. Physica C 320 , 259–266.
Mercaldo, V., C. Affanasio, C. Coccorese, L. Maritato, SL Proshin, Yu. N., Yu. A. Izyumov, and MG Khusainov, 2001,
Prischepa, and M. Salvato, 1996, “Superconducting-critical- “ magnetic states of ferromagnet/superconductor superlat-
temperature oscillations in Nb/CuMn multilayers,” Phys. tices,” Phys. Rev. B 64 , 064522.
Rev. B 53 , 14040–14042. Proshin, Yu. N., and MG Khusainov, 1997, “Manifestation of
Meservey, P., and PM Tedrow, 1994, “Spin-polarized electron the Larkin-Ovchinnikov-Fulde-Ferrell state in bimetal
tunneling,” Phys. Rep. 238 , 173–243. ferromagnet-superconductor structures,” Pis'ma Zh. Eksp.
Milosevic, MV, SV Yampolskii, and FM Peters, 2002a, Teor. Fiz. 66 , 527–532 JETP Lett. 66 , 562–568 1997 .
“Magnetic pinning of vortices in a superconducting film: TheProshin, Yu. N., and MG Khusainov, 1998, “Nonmonotonic
antivortex-magnetic dipole interaction energy in the Lon- behavior of the superconducting transition temperature in bi-
don approximation,” Phys. Rev. B 66 , 174519. metallic ferromagnetsuperconductor structures,” Zh. Eksp.
Milosevic, MV, SV Yampolskii, and FM Peters, 2002b, Teor. Fiz. 113 , 1708–1730 JETP 86 , 930–942 1998 .
“Vortex structure of thin mesoscopic disks in the presence ofRadovic, Z., L. Dobrosaljevic-Grujic, AI Buzdin, and JR
an inhomogeneous magnetic field,” Phys. Rev. B 66 , 024515.Clem, 1988, “Upper critical field of superconductor-
Mints, RG, 1998, “Self-generated flux in Josephson junctions ferromagnet multilayers,” Phys. Rev. B 38 , 2388–2393.
with alternating critical current density,” Phys. Rev. B 57 , Radovic, Z., L. Dobrosaljevic-Grujic, and B. Vujicic, 1999,
R3221–R3224. “Spontaneous currents in Josephson devices,” Phys. Rev. B
Moussy, N., H. Courtois, and B. Pannetier, 2001, “Local spec- 60 , 6844–6849.
troscopy of a proximity superconductor at very low tempera-Radovic, Z., L. Dobrosaljevic-Grujic, and B. Vujicic, 2001,
ture,” Europhys. Lett. 55 , 861–867. “Coexistence of stable and metastable 0 and states in Jo-
Mühge, Th., NN Garif'yanov, Yu. V. Goryunov, GG Kha- sephson junctions,” Phys. Rev. B 63 , 214512.
liullin, LR Tagirov, K. Westerholt, IA Garifullin, and H. Radovic, Z., N. Lazarides, and N. Flytzanis, 2003, “Josephson
Zabel, 1996, “Possible origin for oscillatory superconducting effect in double-barrier superconductor-ferromagnet junc-
transition temperature in superconductor/ferromagnet multi- tions,” Phys. Rev. B 68 , 014501.
layers,” Phys. Rev. Lett. 77 , 1857–1860. Radovic, Z., M. Ledvij, L. Dobrosaljevic-Grujic, AI Buzdin,
Mühge, Th., NN Garif'yanov, Yu. V. Goryunov, K. Theis- and JR Clem, 1991, “Transition temperature of
Bröhl, K. Westerholt, IA Garifullin, and H. Zabel, 1998, superconductor-ferromagnet superlattices,” Phys. Rev. B 44 ,
“Influence of superconductivity on magnetic properties of 759–764.
superconductor/ferromagnet epitaxial bilayers,” Physica C Rusanov, A. Yu., M. Hesselberth, J. Aarts, and AI Buzdin,
296 , 325–336. 2004, “Enhancement of the superconducting transition tem-
Müller, K.-H., and VN Narozhnyi, 2001, “Interaction of su- perature in Nb/Permalloy bilayers by controlling the domain
perconductivity and magnetism in borocarbide superconduct- state of the ferromagnet,” Phys. Rev. Lett. 93 , 057002.
ors,” Rep. Prog. Phys. 64 , 943–1008. Ryazanov, VV, VA Oboznov, VV Bolginov, AK Feo-
Nachtrab, T., D. Koelle, R. Kleiner, C. Bernhard, and CT fanov, and A. Buzdin, 2005, unpublished.
Lin, 2004, “Intrinsic Josephson effects in the magnetic super-Ryazanov, VV, VA Oboznov, AS Prokof'ev, VV Bolgi-
conductor RuSr 2 GdCu 2 O 8 ,” Phys. Rev. Lett. 92 , 117001. nov, and AK Feofanov, 2004, “Superconductor-
Nielsen, M., and I. Chuang, 2000, Quantum Computation and ferromagnet-superconductor junctions,” J. Low Temp.
Quantum Information Cambridge University Press, Cam- Phys. 136 , 385–400.
bridge. Ryazanov, VV, VA Oboznov, AS Prokof'ev, and SV
Obi, Y., M. Ikebe, T. Kubo, and H. Fujimori, 1999, “OscillationDubonos, 2003, “Proximity effect and spontaneous vortex
phenomenon of transition temperatures in Nb/Co and V/Co phase in planar SF structures,” Pis'ma Zh. Eksp. Teor. Fiz. 77 ,
superconductor/ferromagnet multilayers,” Physica C 317-318 43–47, JETP Lett. 77 , 39–43 2003 .
149-153. Ryazanov, VV, VA Oboznov, A. Yu. Rusanov, AV
Pang, BSH, RI Tomov, C. Bell, and MG Blamire, 2004, Veretennikov, AA Golubov, and J. Aarts, 2001, “Coupling
“Effect of ferromagnetism on superconductivity in of two superconductors through a ferromagnet: Evidence for
manganite/cuprate heterostructures,” Physica C 415 , 118–124. a -junction,” Phys. Rev. Lett. 86 , 2427–2430.
Pannetier, B., and H. Courtois, 2000, “Andreev reflection andRyazanov, VV, VA Oboznov, AV Veretennikov, and A.
proximity effect,” J. Low Temp. Phys. 118 , 599–615. Yu. Rusanov, 2001, “Intrinsically frustrated superconducting

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 32/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto
Peña, V.,SJ
Varela, Z. Pennycook,
Sefrioui, D. and
Arias,
JL C. León, J.2004,
Martinez, Santamaria, M.
“Coupling array ofPhys.
tions,” superconductor-ferromagnet-superconductor
Rev. B 65 , 020501R. junc-
of superconductors through a half-metallic ferromagnet: Evi-Ryazanov, VV, VA Oboznov, AV Veretennikov, A. Yu.
dence for a long-range proximity effect,” Phys. Rev. B 69 , Rusanov, AA Golubov, and J. Aarts, 2001, “Coupling of
224502. two superconductors through a ferromagnet. SFS -junctions
Petrashov, VT, IA Sosnin, I. Cox, A. Parsons, and C. Troa- and intrinsically-frustrated superconducting networks,” Usp.
dec, 1999, “Giant mutual proximity effects in ferromagnetic/ Fiz. Nauk 171 , 81–86.
superconducting nanostructures,” Phys. Rev. Lett. 83 , 3281–Saint-James, D., D. Sarma, and EJ Thomas, 1969, Type II
3284. Superconductivity Pergamon, New York.
Prokic, V., AI Buzdin, and Lj. Dobrosavljevic-Grujic, 1999, Saxena, SS, P. Agarwal, K. Ahilan, FM Grosche, RKW
“Theory of the junctions formed in atomic-scale Haselwimmer, MJ Steiner, E. Pugh, IR Walker, SR

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Page 41
AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures 975

Julian, P. Monthoux, GG Lonzarich, A. Huxley, I. Sheikin, 104532.


D. Braithwaite, and J. Flouquet, 2000, “Superconductivity onUji, S., H. Shinagawa, T. Terashima, T. Yakabe, Y. Terai, M.
the border of itinerant-electron ferromagnetism in UGe 2 ,” Tokumoto, A. Kobayashi, H. Tanaka, and H. Kobayashi,
Nature London 406 , 587–592. 2001, “Magnetic-field-induced superconductivity in a two-
Schopohl, N., and K. Maki, 1995, “Quasiparticle spectrum dimensional organic conductor,” Nature London 410 , 908–
around a vortex line in a d -wave superconductor,” Phys. Rev.910.
B 52 , 490–493. Upadhyay, SK, A. Palanisami, RN Louie, and RA Buhr-
Sefrioui, Z., D. Arias, V. Peña, JE Villegas, M. Varela, P. man, 1998, “Probing ferromagnets with Andreev reflection,”
Prieto, C. León, JL Martinez, and J. Santamaria, 2003, Phys. Rev. Lett. 81 , 3247–3250.
“Ferromagnetic/superconducting proximity efeito dentroUsadel, L., 1970, “Generalized diffusion equation for super-
La 0.7 Ca 0.3 MnO 3 /YBa 2 Cu 3 O 7 superlattices,” Phys. Rev. B 67
conducting
, alloys,” Phys. Rev. Lett. 25 , 507–509.
214511. Ustinov, AV, and VK Kaplunenko, 2003, “Rapid single-flux
Sellier, H., C. Baraduc, F. Lefloch, and R. Calemczuk, 2003, quantum logic using -shifters,” J. Appl. Phys. 94 , 5405–5407.
“Temperature-induced crossover between 0 and states in Van Bael, MJ, S. Raedts, K. Temst, J. Swerts, VV Mosh-
S/F/S junctions,” Phys. Rev. B 68 , 054531. chalkov, and Y. Bruynseraede, 2002, “Magnetic domains and
Sidorenko, AS, VI Zdravkov, AA Prepelitsa, C. Helbig, flux pinning properties of a nanostructured ferromagnet/
Y. Luo, S. Gsell, M. Schreck, S. Klimm, S. Horn, LR Tagi- superconductor bilayer,” J. Appl. Phys. 92 , 4531–4537.
rov, and R. Tidecks, 2003, “Oscillations of the critical tem- Van Bael, MJ, L. Van Look, M. Lange, J. Bekaert, SJ
perature in superconducting Nb/Ni bilayers,” Ann. Phys. 12 , Bending, AN Grigorenko, K. Temst, VV Moshchalkov,
37–50. and Y. Bruynseraede, 2002, “Ferromagnetic pinning arrays,”
Sonin, EB, 1988, “Suppression of superconductivity weak Physica C 369 , 97–105.
link by a domain wall in a two-layer superconductor- Van Harlingen, DJ, 1995, “Phase-sensitive tests of the sym-
ferromagnet film,” Pis'ma Zh. Tekh. Fiz. 14 , 1640–1644 Sov.metry of the pairing state in the high-temperature supercon-
Tech. Phys. Lett. 14 , 714–716 1988 . ductors: Evidence for d x 2− y 2 symmetry,” Rev. Mod. Phys. 67 ,
Sonin, EB, 2002, “Comment on 'Ferromagnetic film on a 515–535.
superconducting substrate,' ” Phys. Rev. B 66 , 136501. Vélez, M., MC Cyrille, S. Kim, JL Vicent, and IK
Soulen, RJ, Jr., M. Byers, MS Osofsky, B. Nadgorny, T. Schuller, 1999, “Enhancement of superconductivity by de-
Ambrose, SF Cheng, PR Broussard, CT Tanaka, J. creasing magnetic spin-flip scattering: Nonmonotonic T c de-
Nowak, JS Moodera, A. Bary, and JMD Coey, 1998, pendence with enhanced magnetic ordering,” Phys. Rev. B
“Measuring the spin polarization of a metal with a supercon- 59 , 14659–14662.
ducting point contact,” Science 282 , 85–88. Vodopyanov, BP, and LR Tagirov, 2003a, “Andreev con-
Strunk, C., C. Sürgers, U. Paschen, and H. v. Löhneysen, 1994,ductance of a ferromagnet-superconductor point contact,”
“Superconductivity in layered Nd/Gd films,” Phys. Rev. B 49 Pis'ma, Zh. Eksp. Teor. Fiz. 77 , 126–131 JETP Lett. 77 , 153–
4053–4063. 158 2003 .
Sumarlin, IW, S. Skanthakumar, JW Lynn, JL Peng, ZY Vodopyanov, BP, and LR Tagirov, 2003b, “Oscillations of
Li, W. Jiang, and RL Greene, 1992, “Magnetic ordering of superconducting transição temperatura dentroForte
Sm in Sm 2 CuO 4 ,” Phys. Rev. Lett. 68 , 2228–2231. ferromagnet-superconductor bilayers,” Pis'ma Zh. Eksp.
Sun, G., DY Xing, J. Dong, and M. Liu, 2002, “Gapless su- Teor. Fiz. 78 , 1043–1047 JETP Lett. 78 , 555–559 2003 .
perconductivity in ferromagnet/superconductor junctions,” Volkov, AF, FS Bergeret, and KB Efetov, 2003, “Odd
Phys. Rev. B 65 , 174508. triplet superconductivity in superconductor-ferromagnet mul-
Tagirov, LR, 1998, “Proximity effect and superconducting tilayered structures,” Phys. Rev. Lett. 90 , 117006.
transition temperature in superconductor/ferromagnet sand- White, RM, and TH Geballe, 1979, Long Range Order in
wiches,” Physica C 307 , 145–163. Solids Academic, New York.
Tagirov, LR, 1999, “Low-field superconducting spin switch Wong, HK, BY Jin, HQ Yang, JB Ketterson, and JE
based on a superconductor/ferromagnet multilayer,” Phys. Hilliard, 1986, “Superconducting properties of V/Fe superlat-
Rev. Lett. 83 , 2058–2061. tices,” J. Low Temp. Phys. 63 , 307–315.
Takahashi, S., and M. Tachiki, 1986, “Theory of the upper criti- Xu, JH, JH Miller, Jr., and CS Ting, 1995,
cal field of superconducting superlattices,” Phys. Rev. B 33 , “-vortex state in a long 0- Josephson junction,” Phys. Rev.
4620–4631. B 51 , 11958–11961.
Tanaka, Y., and S. Kashiwaya, 1997, “Theory of Joseph- Yamashita, T., H. Imamura, S. Takahashi, and S. Maekawa,
filho efeito dentro superconductor-ferromagnetic-insulator- 2003, “Andreev reflection in ferromagnet/superconductor/
superconductor junction,” Physica C 274 , 357–363. ferromagnet double junction systems,” Phys. Rev. B 67 ,
Terzioglu, E., and MR Beasley, 1998, “Complementary Jo- 094515.
sephson junction devices and circuits: A possible new ap- Yamashita, T., S. Takahashi, and S. Maekawa, 2003, “Crossed
proach to superconducting electronics,” IEEE Trans. Appl. Andreev reflection in structures consisting of a supercon-
Supercond. 8 , 48–53. ductor with ferromagnetic leads,” Phys. Rev. B 68 , 174504.
Tokunaga, Y., H. Kotegawa, K. Ishida, Y. Kitaoka, H. Tak- Yang, Z., M. Lange, A. Volodin, R. Szymczak, and V. Mosh-
agiwa, and J. Akimitsu, 2001, “NMR evidence for coexistencechalkov, 2004, “Domain-wall superconductivity dentro
of superconductivity and ferromagnetic component in mag- superconductor-ferromagnet hybrids,” Nat. Mater. 3 , 793–
netic superconductor RuSr 2 YCu 2 O 8 : 99,101 Ru and 63 Cu 798.
NMR,” Phys. Rev. Lett. 86 , 5767–5770. Zaitsev, AV, 1984, “Quasiclassical equations of the theory of
Tollis, S., 2004, “First-order phase transitions in ferromagnetic/superconductivity for contiguous metals and the properties of
superconducting/ferromagnetic trilayers,” Phys. Rev. B 69 , constricted microcontacts,” Zh. Eksp. Teor. Fiz. 86 , 1742–

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

Page 42
976 AI Buzdin: Proximity effects in superconductor-ferromagnet heterostructures
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 33/34
28/02/2018 Efeitos de proximidade nas heteroestruturas supercondutor-ferromagneto

1758 Sov. Phys. JETP 59 , 1015–1024 1984 . Zutic, I., J. Fabian, and S. Das Sarma, 2004, “Spintronics: Fun-
Zareyan, M., W. Belzig, and Yu. V. Nazarov, 2001, “Oscilla- damentals and applications,” Rev. Mod. Phys. 76 , 323–410.
tions of Andreev states in clean ferromagnetic films,” Phys. Zutic, I., and OT Valls, 1999, “Spin-polarized tunneling in
Rev. Lett. 86 , 308–311. ferromagnet/unconventional superconductor junctions,”
Zareyan, M., W. Belzig, and Yu. V. Nazarov, 2002, “Supercon- Phys. Rev. B 60 , 6320–6323.
ducting proximity effect in clean ferromagnetic layers,” Phys.
Zutic, I., and OT Valls, 2000, “Tunneling spectroscopy for
Rev. B 65 , 184505. ferromagnet/superconductor junctions,” Phys. Rev. B 61 ,
Zikic, R., L. Dobrosavljevic-Grujic, and Z. Radovic, 1999, 1555–1561.
“Phase-dependent energy spectrum in Josephson weak Zyuzin, A. Yu., and B. Spivak, 2000, “Theory of /2 supercon-
links,” Phys. Rev. B 59 , 14644–14652. ducting Josephson junctions,” Phys. Rev. B 61 , 5902–5904.
Zutic, I., and S. Das Sarma, 1999, “Spin-polarized transport Zyuzin, A. Yu., B. Spivak, and M. Hruska, 2003, “Mesoscopic
and Andreev reflection in semiconductor/superconductor hy- effects in superconductor-ferromagnet-superconductor junc-
brid structures,” Phys. Rev. B 60 , R16322–R16325. tions,” Europhys. Lett. 62 , 97–102.

Rev. Mod. Phys., Vol. 77, No. 3, July 2005

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 34/34