Вы находитесь на странице: 1из 2

Avaliando Aprend.: CCJ0011_SM_201403384134 V.

Aluno(a): JOAO WILSON DE ARAUJO Matrícula: 201403384134

Desemp.: 0,5 de 0,5 08/04/2018 20:31:27 (Finalizada)

1a Questão (Ref.:201403505922) Pontos: 0,1 / 0,1

(OAB) A respeito do instituto da servidão administrativa, assinale a opção correta.

A servidão administrativa dispensa, em sua instituição, autorização legal.


As servidões administrativas podem decorrer diretamente da lei, de acordo ou de
sentença judicial.
Cabe direito a indenização em qualquer das hipóteses de servidão administrativa.
Somente mediante lei pode ser extinta uma servidão administrativa

2a Questão (Ref.:201403505928) Pontos: 0,1 / 0,1

(OAB) No que concerne à intervenção do Estado sobre a propriedade privada, é correto afirmar
que:

a servidão administrativa afeta o caráter absoluto do direito de propriedade, implicando


limitação perpétua do mesmo em benefício do interesse coletivo.
as limitações administrativas constituem medidas previstas em lei com fundamento no
poder de polícia do Estado, gerando para os proprietários obrigações positivas ou
negativas, com o fim de condicionar o exercício do direito de propriedade ao bem-estar
social.
o tombamento implica a instituição de direito real de natureza pública, impondo ao
proprietário a obrigação de suportar um ônus parcial sobre o imóvel de sua propriedade,
em benefício de serviços de interesse coletivo.
a requisição de bens móveis e fungíveis impõe obrigações de caráter geral a
proprietários indeterminados, em benefício do interesse geral, não afetando o caráter
perpétuo e irrevogável do direito de propriedade.

3a Questão (Ref.:201403642922) Pontos: 0,1 / 0,1

(OAB/FGV) No que concerne à intervenção do Estado sobre a propriedade privada, é correto


afirmar que

o tombamento implica a instituição de direito real de natureza pública, impondo ao


proprietário a obrigação de suportar um ônus parcial sobre o imóvel de sua propriedade,
em beneficio de serviços de interesse coletivo.
a servidão administrativa afeta o caráter absoluto do direito de propriedade, implicando
limitação perpétua do mesmo ern benefício do interesse coletivo.
as limitações administrativas constituem medidas previstas em lei com fundamento no
poder de polícia do Estado, gerando para os proprietários obrigações positivas ou
negativas, com o fim de condicionar o exercício do direito de propriedade ao bem-estar
social.
a requisição de bens móveis e fungíveis impõe obrigações de caráter geral a
proprietários indeterminados, em benefício do interesse geral, não afetando o caráter
perpétuo e irrevogável do direito de propriedade.

4a Questão (Ref.:201403612766) Pontos: 0,1 / 0,1

V Exame de Ordem Unificado

Tendo o agente público atuado nesta qualidade e dado causa a dano a terceiro, por dolo ou
culpa, vindo a administração a ser condenada, terá esta o direito de regresso. A respeito da
ação regressiva, é correto afirmar que

o prazo prescricional tem início a contar do fato que gerou a ação indenizatória
contra a Administração.
a prescrição será decenal, com base na regra geral da legislação civil.
o prazo prescricional será o mesmo constante da esfera penal para o tipo criminal
correspondente.
em regra deve ser exercida, sob pena de afronta ao princípio da indisponibilidade.

5a Questão (Ref.:201403505783) Pontos: 0,1 / 0,1

(Técnico judiciário - Área: Administrativa TRE/MA/2009) Em relação à responsabilidade civil do


Estado, assinale a opção correta.

A condenação criminal do servidor, após o trânsito em julgado, não interfere nas esferas
civil e administrativa, acarretando o reconhecimento automático da responsabilidade do
servidor nessas duas esferas.
A condenação criminal do servidor, após o trânsito em julgado, não interfere nas esferas
civil e administrativa, acarretando o reconhecimento automático da responsabilidade do
servidor nessas duas esferas. As responsabilidades civil, administrativa e penal não são
cumulativas e independentes entre si.
A responsabilidade do Estado evoluiu de uma responsabilidade subjetiva, baseada na
culpa, para uma responsabilidade objetiva, ancorada na simples relação de causa e
efeito entre o comportamento administrativo e o evento danoso.
A absolvição criminal do agente causador do dano pela negativa de autoria não interfere
nas esferas administrativa e civil.
Conforme a Constituição Federal, tanto as pessoas jurídicas de direito público como as
de direito privado, prestadoras de serviços públicos, não respondem por danos que seus
agentes, nessa qualidade, causem a terceiros, sendo assegurado o direito de regresso
contra o responsável nos casos de dolo ou culpa.