Вы находитесь на странице: 1из 4

Respostas das questões apresentadas nos capítulos Capítulo 15 • Condicionamentos Respondente e Operante Juntos

1

15

Condicionamentos Respondente e Operante Juntos

RespOstas [e Níveis] de Questões paRa apReNdizagem

1. Q: Dê um exemplo de condicionamento respondente

que não tenha sido descrito neste capítulo. [Nível 5/S] R: Qualquer exemplo apropriado é aceitável. O dia- grama deve ter a forma a seguir (ou uma forma equivalente):

N

Pareamentos

NS

(música

clássica)

US

UR (salivação)

(comida)

CS1

(música

CR (salivação)

clássica)

2. Q: Descreva três diferenças entre respostas operan- tes e respostas respondentes. [Nível 3/Ap]

R: Quaisquer três entre as seguintes:

Respostas

respondentes

1. Ocorre

automaticamente a

estímulos prévios

2. Dita involuntária

3. Dita eliciada

Respostas operantes

1. Controlada por consequências

2. Dita involuntária

3. Dita emitida

4. Envolve músculos lisos e glândulas

4. Envolve músculos esqueléticos

5. Importante no funcionamento de processos corporais internos

5. Importante para tornar o indivíduo capaz de interagir com o ambiente externo

3. Q: Descreva os procedimentos de condicionamento e os resultados do condicionamento para o condi- cionamento operante (somente reforço positivo) e para o condicionamento respondente. [Nível 3/Ap]

R:

Reforço respondente

Procedimento:

pareamento de um estímulo previamente neutro com um estímulo incondicionado

Resultado: o estímulo neutro adquire capacidade de induzir uma resposta condicionada

Reforço operante

Procedimento:

apresentação de um reforçador positivo em seguida a uma resposta (ou a remoção de um estímulo aversivo em seguida a uma resposta)

Resultado: o comportamento se torna mais frequente

4. Q: Descreva o procedimento de extinção e os resul-

tados da extinção para o condicionamento operan- te e o condicionamento respondente. [Nível 3/Ap] R: a resposta deve conter a informação apresentada nesta tabela:

Extinção respondente

Procedimento: o estímulo condicionado é apresentado sem pareamentos adicionais com o estímulo incondicionado

Resultado: o estímulo condicionado perde a capacidade de induzir resposta condicionada

Extinção operante

Procedimento: o reforço é mantido em seguida a uma resposta previamente reforçada

Resultado: a resposta se torna menos frequente

5. Q: Explique por que, para a maioria das pessoas, a

aproximação de um prazo tende a funcionar como CS eliciando ansiedade como CR. [Nível 2/C] R: a maioria das pessoas tem uma história de punição por falha em cumprir prazos. Como consequência dos pareamentos anteriores com punição (que eli-

ciam sentimentos de ansiedade), estímulos associa- dos à perda de um prazo tendem a ser Cs desenca- deadores de ansiedade como CR.

2

Modificação de Comportamento | O Que É e Como Fazer

6. Q: Descreva como os condicionamentos responden-

te e operante interagiram para influenciar Janice a concluir o trabalho dentro do prazo. [Nível 4/An] R: Como consequência dos pareamentos anteriores de perda de prazos com punição, estímulos associados à perda de um prazo provavelmente foram Cs indu- tores de ansiedade como CR em Janice. Com a aproximação do prazo, e conforme Janice começou a emitir respostas operantes relevantes (pesquisar referências, fazer anotações etc.) para cumprir o prazo, sua ansiedade provavelmente diminuiu. as- sim, estímulos associados ao prazo provavelmente fizeram Janice se sentir ansiosa – uma resposta res-

pondente – e as respostas de cumprir o prazo – res- postas operantes – foram mantidas pelo condicio- namento de fuga relacionado com a diminuição da ansiedade de Janice.

7. Q: Descreva uma sequência comportamental que envolva um estímulo aversivo e inclua condicio- namentos respondente e operante. [Nível 3/Ap] Faça um diagrama dos componentes de ambos. [Nível 5/S] R: a resposta deve ser modelada pela Figura 15.2 do livro.

8. Q: Descreva uma a sequência comportamental que

envolva um reforçador positivo e inclua os condi- cionamentos respondente e operante. [Nível 3/Ap] Faça um diagrama dos componentes de ambos. [Nível 5/S] R: Os alunos devem reproduzir a sequência compor- tamental, o diagrama do condicionamento respon- dente e o diagrama do condicionamento operante apresentados na Figura 15.3 do livro ou modelar sua resposta conforme a Figura 15.3.

9. Q: Descreva várias atividades fisiológicas que ocor- rem em um momento de medo intenso. [Nível 2/C]

R: Os alunos podem listar quaisquer atividades fisio- lógicas descritas no texto do tópico “sentimentos”.

10. Q: Descreva três reflexos incondicionados demons-

trados por recém-nascidos que normalmente não desaparecem conforme a criança cresce. [Nível 2/C] R: Quaisquer três entre os seguintes: um reflexo de piscar, que envolve piscar em resposta ao toque nos olhos ou à luz brilhante; um reflexo de tosse, que envolve tossir quando do estímulo da via respiratória para os pulmões; um reflexo de ânsia, que envolve engasgar quando a garganta ou a parte posterior da garganta é tocada; um reflexo de espirro, que envolve espirrar quando da irritação da passagem nasal; e um reflexo de bocejo, que envolve bocejar quando há diminui-

ção na captação de oxigênio.

11. Q: Descreva os procedimentos que são as principais causas de cada uma das seguintes emoções:

alegria, raiva, ansiedade e alívio. [Nível 2/C]

R: a apresentação de reforçadores produz a emoção chamada alegria. a manutenção ou a remoção de reforçadores produzem a emoção chamada raiva; a apresentação de estímulos aversivos, a emoção chamada ansiedade; e a remoção de estímulos aversivos, uma emoção chamada alívio.

12. Q: Resuma, cada um em uma frase, três compo-

nentes importantes que mascaram as nossas emoções, e nomeie o tipo de condicionamento envolvido em cada componente. [Nível 5/S] R: as emoções incluem: (a) a reação autônoma que você sente internamente ao experimentar uma emoção (geralmente acompanhada de sinais visíveis), a qual é influenciada pelo condiciona- mento respondente; (b) o modo como você aprende a expressar manifestadamente uma

Sequência comportamental

Visão de um cachorro

A criança se aproxima → A criança é derrubada → A criança chora (e mostra o sofrimento emocional chamado “ansiedade” ou “medo”)

Condicionamento respondente

Pareamento

NS (visão de um cachorro) US (ser derrubado) → UR (“ansiedade”)

Resultado: CS (visão do cachorro) tende a eliciar a CR de “ansiedade”

Condicionamento operante

S (visão do cachorro) → R (a criança se aproxima do cachorro) → Punidor (a criança é derrubada)

Resultado 1: R tende a não ocorrer novamente Resultado 2: a visão do cachorro tende a ser um punidor condicionado (por causa do pareamento com a queda) (A visão de um cachorro pode ter se tornado um punidor ao menos em parte, porque agora passará a eliciar ansiedade, conforme o esquema)

Figura 15.2 sequência comportamental que envolve ambos os condicionamentos, respondente e operante, e que leva ao desenvolvimento de um estímulo como punidor condicionado. Ns: estímulo neutro; us: estímulo incondicionado; uR: resposta incondicionada; Cs: estímulo condicionado; CR: resposta condicionada; s: estímulo; R: resposta.

Respostas das questões apresentadas nos capítulos Capítulo 15 • Condicionamentos Respondente e Operante Juntos

3

Sequência comportamental

O carrinho de sorvete se aproxima com o sino tocando sem parar

A criança corre para a rua e compra um sorvete → A criança morde o sorvete → A criança saliva enquanto o sorvete está em sua boca

Condicionamento respondente

Pareamento

NS (som do sino) US (o sorvete na boca) → UR (salivação)

Resultado: CS (sino) tende a eliciar CR (salivação)

Condicionamento operante

S D (som do sino) → R (a criança corre para a rua e compra sorvete) → reforçador (sorvete na boca) Resultado 1: R tende a ocorrer novamente na próxima apresentação de S D Resultado 2: o som do sino tende a ser um reforçador condicionado (por causa dos pareamentos apropriados com o sorvete)

Figura 15.3 sequência comportamental incluindo ambos os condicionamentos, operante e respondente, e que leva ao desenvolvimento de um estímulo como reforçador condicionado. Ns: estímulo neutro; us: estímulo incondicionado; uR: resposta incondicionada; Cs: estímulo condicionado; CR: resposta condicionada; s: estímulo; R: resposta.

 

emoção, o que é influenciado pelo condiciona- mento operante; e (c) o modo como você se torna consciente e descreve suas emoções, o qual também é influenciado pelo condicionamento operante.

componente respondente de uma emoção. [Nível 3/Ap] R: Qualquer exemplo apropriado, como o de um indi- víduo pensando “se eu ganhar na loteria mul- timilionária, comprarei um condomínio no oceano na Flórida”, que cause os componentes

13.

Q: Dê um exemplo de pensamento respondente

envolvendo imaginário visual não sido mencio- nado neste capítulo. [Nível 3/Ap]

respondentes de excitação, como frequência cardíaca aumentada etc.

R: Qualquer exemplo apropriado, como as palavras

18.

Q: Discuta se os analistas comportamentais negam

“na praia”, que o faça visualizar ondas batendo

 

a

existência e a importância dos pensamentos

na areia da praia.

e

dos sentimentos. [Nível 4/An]

14. Q: Dê um exemplo de pensamento operante en-

volvendo imaginário visual que não tenha sido descrito neste capítulo. [Nível 3/Ap] R: Qualquer exemplo apropriado, como um pensa- mento interno: “este livro sobre modificação de comportamento é agradável de ler”.

15. Q: Quando modificadores do comportamento fa-

lam sobre comportamento privado, a que estão se referindo? [Nível 1/K] R: a uma conversa consigo mesmo particular e/ou imaginação e/ou reações autônomas que cons- tituem os sentimentos.

16. Q: Qual é a consideração básica feita pelos autores

deste livro sobre os comportamento público e privado? [Nível 1/Co] R: exceto por ser mais difícil de “alcançar”, o compor- tamento privado é igual ao comportamento público, ou seja, os princípios e procedimentos aplicáveis ao comportamento privado são fun- damentalmente os mesmos que se aplicam ao comportamento público.

17. Q: Dê um exemplo, não fornecido neste capítulo, que ilustre o modo como o pensamento ope- rante poderia funcionar como CS para eliciar o

R: Não, eles não as negam, mas reconhecem que as pessoas se engajam no comportamento verbal privado (i.e., falam silenciosamente consigo mesmas), experimentam a imaginação (i.e., visão encoberta e outros tipos de sensação encoberta)

e experimentam sentimentos (o componente

respondente das emoções). eles também reco- nhecem que esse tipo de comportamento enco-

berto muitas vezes influencia o comportamento manifesto, por exemplo, quando alguém solu- ciona um problema verbalizando-o privadamen-

te e imaginando certos aspectos do problema.

RespOstas [e Níveis] de Questões adiCiONais

11. Q: Qual é a lógica da sensibilização encoberta?

[Nível 3/Ap] R: Considera-se que, se um cliente imagina um reforça- dor indesejado e, então, o imagina sendo pareado a um estímulo aversivo, então pensamentos do refor- çador indesejado desencadearão as reações desagra- dáveis promovidas pelos pensamentos do estímulo aversivo. assume-se ainda que, depois que esse con- dicionamento respondente ocorre, as reações nega- tivas agora desencadeadas pelo reforçador indesejado imaginado serão generalizadas para os estímulos reais.

4

Modificação de Comportamento | O Que É e Como Fazer

2. Q: Descreva com alguns detalhes um exemplo plausível de sensibilização encoberta. [Nível 5/S] R: Qualquer exemplo apropriado é aceitável, como imaginar que se está fumando um cigarro e, então, imaginar que está se tornando violentamente debi-

litado e vomitando em cima de várias pessoas ime- diatamente próximas. Considera-se que, após vários pareamentos desse tipo, o indivíduo terá náuseas ao tentar fumar um cigarro de verdade.