Вы находитесь на странице: 1из 7

Formação do Professor que Ensina Matemática nos Anos

Iniciais a partir de um curso de Pedagogia

Resumo

O artigo tem o propósito de contribuir com as discussões sobre a formação do professor

que ensina matemática nos anos iniciais, a partir da investigação de práticas de ensino

realizadas em um curso de Pedagogia do interior do Rio Grande do Sul. Pretendemos

responder a seguinte questão: Quais práticas de ensino de matemática são mobilizadas

em um curso de Pedagogia do interior do Rio Grande do Sul para a formação do

professor de anos iniciais? Para dar conta desta questão, analisamos os planos de ensino

das décadas de 1980 a 1990, de uma disciplina que trabalhava a formação matemática

para os anos iniciais em um curso de Pedagogia e escolhemos como conceito

Palavras Chave: Ensino da matemática nos anos iniciais, formação de professores.


Introdução

Hoje se discute a formação de professores para os anos iniciais, de acordo com

o MEC as mudanças propostas para Educação Básica no Brasil trazem enormes desafios

à formação docente. No mundo contemporâneo, o papel do professor está sendo

questionado e redefinido de diversas maneiras. Para isso concorrem as novas

concepções sobre a educação, as revisões e atualizações nas teorias de desenvolvimento

e aprendizagem, o impacto da tecnologia da informação e das comunicações sobre os

processos de ensino e de aprendizagem, suas metodologias, técnicas e materiais de

apoio.

A democratização do acesso e a melhoria da qualidade da educação básica vêm

acontecendo num contexto marcado pela redemocratização do país e por profundas

mudanças nas expectativas e demandas educacionais da sociedade brasileira. O avanço

e disseminação das tecnologias da informação e das comunicações estão impactando as

formas de convivência social, de organização do trabalho e do exercício da cidadania.

A partir das propostas do MEC, observamos que as demandas da reforma da

educação básica para a formação de professores enfatiza a seguinte ideia:

Melhorar a formação docente implica instaurar e fortalecer processos


de mudança no interior das instituições formadoras, respondendo aos
entraves e aos desafios apontados. Para isso, não bastam mudanças
superficiais. Faz-se necessária uma revisão profunda dos diferentes
aspectos que interferem na formação inicial de professores, tais como:
a organização institucional, a definição e estruturação dos conteúdos
para que respondam às necessidades da atuação do professor, os
processos formativos que envolvem aprendizagem e desenvolvimento
das competências do professor, a vinculação entre as escolas de
formação inicial e os sistemas de ensino.

Nessa linha de discussão temos que observar alguns fatos relevantes e

essenciais para a formação docente, destaca-se nesse contexto a ideia de que a formação

de um profissional de educação tem que estimulá-lo a aprender o tempo todo, a


pesquisar, a investir na própria formação e a usar sua inteligência, criatividade,

sensibilidade e capacidade de interagir com outras pessoas.

Partindo desse contexto, observamos uma grande procura por cursos de

formação de professores, mais precisamente pelos cursos de Pedagogia. De acordo com

Gatti, a oferta dos cursos de Pedagogia destinados a formação de professores

praticamente dobrou (94%). As demais licenciaturas tiveram um aumento menor nessa

oferta, cerca de 52%. Porém o crescimento proporcional de matriculas ficou bem

aquém: aumento de 37% nos cursos de Pedagogia e 40% nas demais licenciaturas. As

universidades respondem por 63% desses cursos e, quanto ao número de matriculados, a

maior parte está nas instituições privadas: 64% das matriculas em Pedagogia e 54% das

matriculas nas demais licenciaturas (Gatti& Barreto, 2009).

Segundo Gatti, o estudo das ementas das disciplinas dos cursos de formação de

professores revela, antes de tudo, maior preocupação com o oferecimento das teorias

políticas, sociológicas e psicológicas para a contextualização dos desafios do trabalho

nesse nível e nessas modalidades de ensino. Isto é importante para o trabalho consciente

do professor, mas não suficiente para as suas atividades de ensino.

De acordo com pesquisas, realizadas por Gatti é possível destacar que a grande

maioria dos alunos que ingressam no curso de graduação em Pedagogia, isto é, cerca de

65,1% desejam ser professores dos anos iniciais e que a maior parte deles, entorno de

41,8% tem a formação profissionalizante em magistério, ofertada em ensino regular

com maior predomínio nas instituições de ensino público. Partindo desse contexto,

observa-se uma expressiva procura pelos cursos de graduação em Pedagogia por parte

desses profissionais que atuam como professores de anos iniciais e que buscam por

intermédio de um curso superior dar continuidade em sua formação profissional.


É importante salientar que, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da

Educação Brasileira - LDB, nº 9.394/96, no seu artigo 62, ao referir-se à formação dos

profissionais da educação básica apresenta a seguinte configuração:

A formação de docentes para atuar na educação básica far-se-á em


nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, em
universidades e institutos superiores de educação, admitida, como
formação mínima para o exercício do magistério na educação infantil
e nas quatro primeiras séries do ensino fundamental, a oferecida em
nível médio, na modalidade Normal.

Diante dessas exigências trazidas pela LDB de 1996, algumas ações se

efetivaram na formação de professores, muitos dos cursos de Pedagogia necessitaram de

reajustes em suas ementas, planos de ensino, currículo, etc; com o propósito de

contribuir de maneira mais eficaz na formação dos profissionais da educação básica.

Vejamos a seguir, a tabela que demonstra alguns aspectos relevantes que se

referem as práticas de ensino de matemática propostas pelos planos de ensino de um

curso de Pedagogia ofertados em uma instituição de Ensino Superior do interior do Rio

Grande do Sul, estamos levando em consideração os planos de ensino no período

correspondente a década de 80 a 90, de uma disciplina que trabalhava a formação

matemática para os anos iniciais em um curso de Pedagogia. Vejamos algumas situações

mais relevantes:

Disciplina: Conteúdo Programático:


METODOLOGIA DO ENSINO - Considerações sobre a história e a epistemologia
das ciências
DE 1º GRAU IV
- A função de experimentação para o ensino de
ciências
- As seis etapas do processo de aprendizagem
matemática segundo Dienes e aplicação dos blocos
lógicos.
- A metodologia utilizada para as 4 operações dos
números naturais, construção de tabuadas, sistemas
de medidas.
METODOLOGIA DO ENSINO - Atividades matemáticas fundamentais para
FUNDAMENTAL: CIÊNCIAS aquisição de conceitos e conhecimentos anteriores
ao número.
- Classificação, seriação, reversibilidade,
conservação, lógica e jogos lógicos.
- Teoria cognitivista de Jean Piaget: Períodos e
respectivas características; fontes do
conhecimento; aplicação de atividades práticas.

METODOLOGIA DO ENSINO - Etapas de aprendizagem da criança


- Estágios: sensório motor, pré- operacional,
FUNDAMENTAL: CIÊNCIAS
operacional, operações concretas e operações
formais.
- Aquisição do conhecimento lógico-matemático
Conhecimento físico
Conhecimento lógico matemático
Conhecimento social
Conversações: físicas, espaciais e numéricas
Classificação
Seriação
- Sistema de numeração decimal
As quatro operações- adição, subtração,
multiplicação e divisão.

METODOLOGIA DO ENSINO - O ensino da matemática nos anos iniciais


- Ordenação dos conteúdos de matemática nas
FUNDAMENTAL:
séries iniciais
CURRICULO POR - Construção dos conceitos matemáticos
pertinentes nas séries iniciais
ATIVIDADE IV
- As estruturas lógico- matemáticas
- Sistema de numeração decimal
- As quatro operações com números naturais

METODOLOGIA DO ENSINO - Ensino de matemática nas séries iniciais


Ordenação dos conteúdos
FUNDAMENTAL:
- Atividades para aquisição dos conceitos do
CURRICULO/ATIVIDADE número
Classificação
Seriação
Conservação
Reversibilidade
- Construção dos algarismos das 4 operações

METODOLOGIA DO ENSINO - História e epistemologia da matemática


1º GRAU- CURRICULO POR - Análise e discussão do ensino de matemática nas
séries iniciais
ATIVIDADE
- As estruturas lógicas elementares
- As quatro operações com números naturais.
- Propostas metodológicas

INICIACAO AS CIÊNCIAS E - Construcao do conhecimento e formação da


cidadania
A MATEMÁTICA
- Conhecimento lógico- matemático
- A escrita numérica
- As relações estabelecidas pela criança na
construção do número
- A relação matemática- ensino

OFICINAS PEDAGÓGICAS - Em defesa do caráter múltiplo da ciência:


Lógica e matemática
Ciência prática

OFICINAS PEDAGÓGICAS I A hipótese da inclusão da ciência da computação


- Em defesa do caráter múltiplo da ciência:
Lógica e matemática
Ciência prática
A produção de sistemas computacionais como jogo
e ação pedagógica

Fonte: Planos de Ensino de um curso de Pedagogia, década 80 a 90;

Disciplina: Formação matemática para anos iniciais.

A partir dessa demonstração a cima, é possível observar que os planos de

ensino do curso de Pedagogia das disciplinas de formação matemática para os anos

iniciais, sofre uma grande influência das teorias construtivistas, mas precisamente do

Construtivismo Piagetiano.

As Práticas de Ensino de Matemática- Os Procedimentos

Metodológicos e Teóricos
Aqui é importante trabalhar com o que são práticas de ensino, a partir da

dissertação de Santos (2009), tese Pozzobon (2012), artigo Larrosa (1994)...

A partir disso vai dizer dos procedimentos metodológicos e teóricos.....