You are on page 1of 16

1

A Relevância do Credo Apostólico para a Igreja Contemporânea


P. Edson R. Scherdien
pastorscherdien@gmail.com

1. O que é uma Confissão de Fé? – O que significa “Credo”? Podemos perceber claramente que há
muitos usos para esta palavra. Pode representar os princípios de um partido político, uma posição
ideológica (como foi a Confissão de Barmen, de 1934, que negou a pretensão da autoridade do
Führer ou a declaração da Assembléia Geral da Federação Luterana Mundial, de 1997 que rejeitou
a ideologia do apartheid), a doutrina de um grupo religioso, uma expressão de espanto de ordem
supersticiosa, como por exemplo, “Credo!” ou “Cruz-Credo”!

A palavra credo vem do latim e significa “eu creio”. Existem diferentes tipos de fé entre as pessoas.
Há quem creia nos símbolos da astrologia como guias para a sua vida; outros acreditam em rituais e
cerimônias como formas de assegurar o sucesso espiritual e material. Há quem confesse crer em
vidas passadas e na possibilidade de um mesmo espírito reencarnar-se muitas vezes em corpos
diferentes. Há quem acredite na existência de múltiplas divindades disputando espaço no universo e
quem acredite que haja um único Deus criador dos céus e da terra. E os cristãos, no que eles
acreditam? Que fé eles confessam?

Quando falamos em “Credo” na teologia ou na Igreja, certamente estamos pensando em outra coisa.
Na perspectiva da fé cristã o “Creio” significa “No que eu confio”; “qual é a minha esperança?”.
Um credo, na perspectiva religiosa, é uma confissão de fé.

2. Confissões de Fé na Bíblia – É essencial que os cristãos entendam, defendam e proclamem


claramente o conteúdo de sua fé (Mt 10.32; Rm 10.9; 1 Pe 3.15). A fonte de revelação que nos dá o
conhecimento do conteúdo da fé cristã é as Escrituras Sagradas (a Bíblia) na forma do Antigo e
Novo Testamento.

Na própria Bíblia encontramos muitas breves formulações de fé que são usadas até hoje para
resumir a crença dos cristãos. O povo de Israel (e os judeus modernos) usava Deuteronômio 6:4-9
como a sua confissão de fé, e a influência deste credo (shema) reflete claramente no Novo
Testamento (Rm 3.30; 1 Co 8.4-6; Gl 3.20; Ef 4.6; 1 Tm 2.5; 3.16; 2 Tm 2.8; 1 Pe 1.21; 3.18,22). O
Novo Testamento também nos entrega uma lista de pessoas que confessaram a sua fé: João Batista
(Jo 1.29, 34), Natanael (Jo 1.49), os samaritanos (Jo 4.42), os discípulos (Jo 6.14,69; Mt 14.33),
Marta (Jo 11.27), Tomé (Jo 20.28). Todavia, a confissão de fé mais conhecida foi a que Pedro
formulou quando declarou que Jesus era “o Cristo, o Filho do Deus vivo” (Mt 16.16).

Outros modelos dos primeiros credos encontram-se nas confissões simples do NT, como o sumário
paulino do evangelho, em 1 Co 15, os elementos da Grande Comissão, em Mt 28.18-20, e as
fórmulas de 1 Jo, feitas contra antigas expressões gnósticas (2 Jo 1.1-4; 2.22; 4.1-3ss. Ver também 2
Co 1.21ss; 1 Pe 1.2; 1 Tm 2.5ss; 6.13ss; 2 Tm 4.1; Rm 1.3; 8.34; Fm 2.5-11; 1 Pe 3.18ss). Portanto,
as regras de fé ou confissões de fé não são uma novidade inventada pela Igreja Católica Romana, ou
pelo período moderno, nem são meros resumos dogmáticos formulados por um único concílio da
Igreja, mas são declarações de fé desenvolvidas ao longo de toda a história do povo de Deus.

3. A Fé Cristã na Igreja Antiga – O termo latino credo desenvolveu alguns slogans bem
interessantes entre os teólogos. Destaco apenas alguns dos mais importantes:

3.1 Tertuliano - Credo quia absordum est (“creio porque é absurdo”) e Credo quia impossible est
(“creio porque é impossível”). Estas famosas declarações de Tertuliano enfatizavam o que para ele
era a doutrina da fé: algo que não corresponde à compreensão e à investigação humanas. Para este,
2

e outros importantes pensadores da Igreja Antiga, grandes verdades espirituais não se adaptam à
lógica humana. Aquilo que os homens pensam ser absurdo ou impossível, bem pode corresponder à
verdade dos fatos. A verdade freqüentemente reveste-se com uma aura fantástica. O objeto da
crença acaba sendo algo in-crível. Quanto mais a ciência descobre, mais isto torna-se óbvio. No
entanto, isto não pode ser confundido com uma desculpa para a credulidade, que é a crença fácil e
tola.

3.2 Agostinho e Anselmo - Credo ut intelligam (“creio para poder compreender”). Esta declaração
foi feita por Agostinho e utilizada por Anselmo e aponta para o fato de que a crença pode ser
necessária para a boa compreensão das coisas, enquanto que o ceticismo contribui para a
ignorância.

4. Fé Apostólica e o surgimento dos Credos Cristãos – A expansão da fé cristã colocou a Igreja


em contato com muitas culturas e filosofias pagãs que ameaçavam introduzir-se no seu meio. Por
isto, desde o principio percebeu-se a importância de preservar e confessar o ensinamento dos
apóstolos, o que a Igreja Antiga fez por meio de confissões e credos. Os cristãos dos primeiros
séculos foram guiados por bispos, pastores, mestres e doutores da igreja que entenderam claramente
o ensinamento bíblico e defenderam estes ensinos reproduzindo-os em vários escritos, livros, cartas
e documentos. Este período da igreja é chamado de Patrística e estes primeiros líderes espirituais
cristãos são designados Pais da Igreja (Patrística). Entre estes escritos está o Credo Apostólico
(também conhecido como Credo dos Apóstolos), uma antiga formulação escrita da fé cristã que
resume o correto ensinamento bíblico sobre a Santíssima Trindade, afirmando que Deus revela-se
em três pessoas, sendo um único Deus e tendo uma mesma essência divina (Deus Pai Criador, Deus
Filho salvador e Deus Espírito Santo, Consolador e Santificador).

Mas o Credo Apostólico não foi o único texto que pretendeu definir e defender a fé dos cristãos em
determinadas épocas, lugares e circunstâncias. Entre os principais credos cristãos destacam-se o
Credo Apostólico, o Credo Atanasiano, o Credo Niceno (Contantinopolitano), Confissão de
Augsburgo, Confissão de Westminster. Estes recebem o título de Confissões da Igreja Histórica.
Estes credos foram desenvolvidos em contextos bem específicos e foram a resposta da igreja frente
ao risco de a fé ser comprometida por ameaças externas ou internas. Por esta razão, para entender
um Credo é necessário conhecer o seu contexto originário. Os credos podem ser divididos ou
classificados como: ecumênicos, católicos ocidentais, protestantes, declarações democráticas e
seitas e cultos.

Nos primórdios do cristianismo a expansão missionária da Igreja e o surgimento de heresias que


negavam a divindade de Jesus Cristo e do Espírito Santo (como a do famoso herege Marcião)
forçaram o surgimento de uma declaração de fé básica para instruir os novos candidatos ao batismo
e aos cristãos em geral. O Credo Apostólico parece ter sido uma declaração de fé bem antiga e
resumida e juntamente com o Credo Niceno-Constantinopolitano (surgido em 325 d.C. e concluído
em 381 d.C.) e o Credo Atanasiano (surgido em 451 d.C.) forma os chamados Credos Ecumênicos,
pois são reconhecidos e aceitos pela ampla maioria das igrejas cristãs.

5. Os Credos Ecumênicos – O Credo Apostólico juntamente com o Credo Niceno-


Constantinopolitano (surgido em 325 d.C. e concluído em 381 d.C.) e o Credo Atanasiano (surgido
em 451 d.C.) forma os chamados Credos Ecumênicos, pois são reconhecidos e aceitos pela ampla
maioria das igrejas cristãs. O Credo Niceno foi, essencialmente, uma definição de cristologia, uma
tentativa para solucionar as controvérsias em torno da divindade de Cristo. Já o Credo Atanasiano
girou em torno de uma controvérsia, tendo exibido uma atitude dura, o que impediu seu uso maior
pela Igreja Cristã.
3

5.1 Credo Niceno-Constantinopolitano (325 d.C. - 381 d.C) – O Credo Niceno-


Constantinopolitano ou Símbolo Niceno-Constantinopolitano, é uma declaração de fé cristã que é
aceito pela Igrejas Ocidental (católica, anglicana e protestante) e Oriental (cristã ortodoxa), sendo,
portanto, o credo cristão mais usado, o que o torna o credo mais universal, e não o Credo
Apostólico. O nome está relacionado com o Primeiro Concílio de Niceia (atual İznik, na Turquia)
em 325 d. C. e com o Primeiro Concílio de Constantinopla (atual Istambul, na Turquia) em 381 d.
C., que se ocuparam com a correta definição da Segunda Pessoa da Santíssima Trindade (Jesus
Cristo). O texto do Credo Niceno foi produzindo em 325 e revisado em 381. Por esse motivo, ele
pode ser referido especificamente como o Credo Niceno-Constantinopolitano para o distinguir tanto
da versão de 325 como de versões posteriores que incluem a cláusula filioque (“e do Filho”) 1 ou
zelador. Houve vários outros credos elaborados em reação a doutrinas que apareceram
posteriormente como heresias, mas este, na sua revisão de 381, foi o último em que as comunhões
católica e ortodoxa conseguiram concordar em todos os pontos.

O Concílio de Nicéia em 325 d. C. foi convocado porque uma heresia chamada arianismo negava a
divindade de Jesus Cristo. Ário, religioso egípcio, afirmou que Jesus Cristo não era Deus, mas
apenas uma “criatura especial de Deus”. Segundo o arianismo, Cristo não tinha a mesma essência
do Pai, sendo uma divindade de segunda ordem, já que nascera mortal. Os ensinamentos de Ário
foram condenados no primeiro Concílio de Nicéia, onde se redigiu o Credo Niceno estabelecendo
que o Filho de Deus foi “concebido e não feito”, “consubstancial ao Pai”. As lutas internas
dividiram os arianos. Os moderados concordaram com o credo de Nicéia, mas se mantiveram
céticos quanto ao termo “consubstancial”. Os neo-arianos defendiam que o Filho tinha uma
essência diferente da do Pai. No Concílio de Constantinopla, celebrado em 381, a ortodoxia de
Nicéia foi reafirmada.

Credo Niceno-Constantinopolitano
(versão Conselho Mundial de Igrejas)

Cremos em um só Deus, Pai, Onipotente,


criador do céu e da terra,
e de todas as coisas visíveis e invisíveis.
E em um só Senhor, Jesus Cristo,
Filho unigênito de Deus,
gerado do Pai antes de todos os tempos,
Luz de Luz,
verdadeiro Deus de verdadeiro Deus,
gerado, não feito,
consubstancial com o Pai,
por quem todas as coisas foram feitas,
o qual por nós homens e pela nossa salvação desceu do céu,
e encarnou por obra do Espírito Santo, da Virgem Maria,
e foi feito homem.
Foi crucificado por nós sob o poder de Pôncio Pilatos,
padeceu e foi sepultado.
E, ao terceiro dia, ressuscitou, segundo as Escrituras,
e subiu ao céu,
e está sentado à mão direita do Pai,

1
Filioque é uma expressão latina que significa "e do Filho", tendo sido acrescentada pela Igreja Católica Romana ao
Credo Niceno-Constantinopolitano para explicitar que o Espírito Santo procede do Pai e do Filho. A Igreja Ortodoxa
entende que o Espírito Santo procede apenas do Pai pelo Filho, reflexão apoiada nos Padres da Igreja do oriente .
4

e virá outra vez com glória a julgar os vivos e os mortos,


e o seu Reino não terá fim.
E cremos no Espírito Santo, Senhor, doador da vida,
procedente do Pai.
O qual com o Pai e o Filho juntamente é adorado e glorificado,
o qual falou pelos profetas.
Cremos na Igreja una, santa, católica e apostólica.
Reconhecemos um só batismo para a remissão dos pecados.
E esperamos a ressurreição dos mortos,
e a vida do mundo vindouro. Amém.

Credo Niceno-Constantinopolitano
(versão Livro de Concórdia)

Creio em um só Deus, o Pai onipotente,


criador do céu e da terra,
de todas as coisas, visíveis e invisíveis.
E em um só Senhor Jesus Cristo,
Filho unigênito de Deus
e nascido do Pai antes de todos os séculos,
Deus de Deus, Luz de Luz,
verdadeiro Deus de verdadeiro Deus,
gerado, não feito,
consubstancial com o Pai,
por quem foram feitas todas as coisas;
o qual, por nós homens e pela nossa salvação, desceu do céu,
e encarnou, pelo Espírito Santo, na Virgem Maria,
e se fez homem;
foi crucificado em nosso favor sob o poder de Pôncio Pilatos;
padeceu e foi sepultado;
e ao terceiro dia ressuscitou, segundo as Escrituras;
e subiu aos céus; está sentado à destra do Pai,
e virá pela segunda vez, em glória,para julgar os vivos e os mortos;
e seu reino não terá fim.
E no Espírito Santo, Senhor e vivificador,
o qual procede do Pai e do Filho;
que juntamente com o Pai e o Filho é adorado e glorificado;
que falou pelos profetas.
E a igreja una, santa, católica e apostólica.
Confesso um só batismo, para a remissão dos pecados,
e espero a ressurreição dos mortos
e a vida do século vindouro. Amém.

5.2 Credo Atanasiano (451 d.C) – O Credo Atanasiano provavelmente tenha sido redigido no
quinto ou sexto séculos. Seu nome está relacionado ao bispo de Alexandria, Atanásio (295 (?)-
393d.C.), embora seja improvável que ele mesmo tenha redigido o texto do credo que leva o seu
nome. Atanásio foi o principal defensor da doutrina da Trindade durante o conflito com Ário e seus
seguidores. O Credo Niceno havia afirmado a divindade de cada uma das pessoas da Trindade. Mas,
seria possível sustentar esta doutrina sem se imaginar a existência de três “Deuses”? O Credo de
Atanásio afirma a unidade de Deus e a trindade das pessoas. Ou seja, existem três pessoas distintas,
que pela sua unidade in-terna, são ao mesmo tempo um só Deus.
5

Também denominado Quicunque Vult, por causa das palavras iniciais, “Quicunque vult salvus esse,
ante omnia opus est, ut teneat catholicam fidem” (“Todo aquele que quiser ser salvo, antes de tudo
é necessário que ele mantenha a fé católica” – leia-se “fé cristã”, uma vez que a palavra “católica”
significa “universal”). O Credo Atanasiano originou-se no Ocidente, mas os seus conceitos tiveram
vasta influência em toda a Igreja. Foi incluído como um apêndice nos Ofícios Honorários da Igreja
Ortodoxa Oriental.

O Athanasium, como também, é conhecido este Credo, originalmente era uma espécie de
comentário sobre o fides Athanasii ou sobre o Credo Niceno. A maioria dos especialistas vêem-no
como pós-agostiniano. Outros o situam como pré-nestoriano. Seja como for, não foi escrito por
Atanásio de Alexandria, embora seu nome tivesse sido incluído como um campeão da ortodoxia,
que o credo pretendia promover. Foi altamente considerado entre os monges como próprio para a
meditação contemplativa. Passou a ser usado como cântico no reavivamento da música sacra sob
Carlos Magno. Este credo foi originalmente composto para opor-se a vários presumíveis erros
acerca da cristologia e da divindade. Foi escrito com asseverações muito rígidas, quase com um
zelo fanático, para censurar os hereges. Por esta razão, muitos têm sentido que à sua atitude falta a
característica do amor, pelo que não deveria ser incluído nos cultos.

O texto do Credo Atanasiano (versão Livro de Concórdia)

Todo aquele que quer ser salvo, antes de tudo deve professar a fé católica.
Quem quer que não a conservar íntegra e inviolada, sem dúvida perecerá eternamente.
E a fé católica consiste em venerar um só Deus na Trindade e a Trindade na unidade, sem confundir
as pessoas e sem dividir a substância.
Pois uma é a pessoa do Pai, outra a do Filho, outra a do Espírito Santo;
mas uma só é a divindade do Pai e do Filho e do Espírito Santo, igual à glória, coeterna a majestade.
Qual o Pai, tal o Filho, tal também o Espírito Santo.
Incriado é o Pai, incriado é o Filho, incriado o Espírito Santo.
Imenso é o Pai, imenso o Filho, imenso o Espírito Santo.
Eterno o Pai, eterno o Filho, eterno o Espírito Santo;
contudo, não são três eternos, mas um único eterno;
como não há três incriados, nem três imensos, porém um só incriado e um só imenso.
Da mesma forma, o Pai é onipotente, o Filho é onipotente, o Espírito Santo é onipotente;
contudo, não há três onipotentes, mas um só onipotente.
Assim, o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus;
e todavia não há três Deuses, porém um único Deus.
Como o Pai é Senhor, assim o Filho é Senhor, o Espírito Santo é Senhor;
entretanto, não são três Senhores, porém um só Senhor.
Porque, assim como pela verdade cristã somos obrigados a confessar que cada pessoa, tomada em
separado, é Deus e Senhor,
assim também estamos proibidos pela religião católica de dizer que são três Deuses ou três
Senhores.
O Pai por ninguém foi feito, nem criado, nem gerado.
O Filho é só do Pai; não feito, nem criado, mas gerado.
O Espírito Santo é do Pai e do Filho; não feito, nem criado, nem gerado, mas procedente.
Há, portanto, um único Pai, não três Pais; um único Filho, não três Filhos; um único Espírito Santo,
não três Espíritos Santos.
E nesta Trindade nada é anterior ou posterior, nada maior ou menor;
porém todas as três pessoas são coeternas e iguais entre si;
de modo que em tudo, conforme já ficou dito acima, deve ser venerada a Trindade na unidade e a
unidade na Trindade.
6

Portanto, quem quer salvar-se, deve pensar assim a respeito da Trindade.


Mas para a salvação eterna também é necessário crer fielmente na encarnação de nosso Senhor
Jesus Cristo.
A fé verdadeira, por conseguinte, é crermos e confessarmos que nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de
Deus, é Deus e homem.
É Deus, gerado da substância do Pai antes dos séculos, e é homem, nascido, no mundo, da
substância da mãe.
Deus perfeito, homem perfeito, subsistindo de alma racional e carne humana.
Igual ao Pai segundo a divindade, menor que o Pai segundo a humanidade.
Ainda que é Deus e homem, todavia não há dois, porém um só Cristo.
Um só, entretanto, não por conversão da divindade em carne, mas pela assunção da humanidade em
Deus.
De todo um só, não por confusão de substância, mas por unidade e pessoa.
Pois, assim como a alma racional e a carne é um só homem, assim Deus e homem é um só Cristo;
o qual padeceu pela nossa salvação, desceu aos infernos, ressuscitou dos mortos,
subiu aos céus, está sentado à destra do Pai, donde há de vir para julgar os vivos e os mortos.
À sua chegada todos os homens devem ressuscitar com seus corpos e vão prestar contas de seus
próprios atos;
e aqueles que tiverem praticado o bem irão para vida eterna; aqueles que tiverem praticado o mal
irão para o fogo eterno.
Esta é a fé católica. Quem não crer com fidelidade e firmeza, não poderá salvar-se.

5.3 O Credo Apostólico – Por dois motivos se fez necessário o surgimento do Credo Apostólico.
Primeiro, a necessidade de uma formulação resumida da fé cristã que servisse de base para instruir
os candidatos ao batismo (Mt 28:19). Segundo, o combate às heresias.

Há unanimidade na pesquisa de que o lugar vivencial do Credo Apostólico é o batismo. Quando de


seu batismo, o batizando da comunidade de Roma do século II era perguntado: Crês em Deus? Crês
em Jesus Cristo? Crês no Espírito Santo? A essas perguntas seguia-se a resposta do batizando. Isso
se evidencia nas catequeses de Cirilo de Jerusalém e na Tradição Apostólica de Hipólito de Roma.
Essas duas fontes revelam, porém, ainda algo mais. Para que o batizando pudesse dar estas
respostas, necessário se fazia que ele antes houvesse se submetido a um ensino catequético. Parece
que é nesse catecumenato (ensino catequético) que vamos encontrar o local do surgimento do Credo
Apostólico. Para poder servir de base para o ensino catequético essa fórmula de fé deveria ser um
resumo da fé cristã. Lutero a este respeito escreveu sobre o Credo Apostólico: “A verdade cristã
não poderia ter sido resumida numa exposição mais clara e breve”. Com isso, o Credo Apostólico
assume duas funções: ele é o ponto de referência para a fé e, ao mesmo tempo, a base para a
instrução catequética.

Aliado a isto, o Credo Apostólico serviu de critério para discernir entre a verdade e a negação do
evangelho combatendo as heresias da época. Estas heresias obrigaram a Igreja a definir claramente
a sua fé. A expansão da fé cristã colocou a Igreja em contato com muitas culturas e filosofias pagãs
que ameaçavam introduzir-se no meio do povo de Deus. Por isto, desde o principio percebeu-se a
importância de preservar e confessar o ensinamento dos apóstolos, o que a igreja antiga fez por
meio de confissões e credos. O perigo é denunciado claramente em Hb 4:14; 10:23; 1 Jo 2:22-23;
4:1-6,15; 5:1,5 onde se reafirma e exige confessar a fé, ante o confronto com a heresia e/ou a
perseguição.

Texto do Credo Apostólico - Versão em uso na IECLB

Creio em Deus, Pai todo-poderoso,


Criador do céu e da terra.
7

E em Jesus Cristo, seu Filho unigênito, nosso Senhor,


o qual foi concebido pelo Espírito Santo,
nasceu da virgem Maria,
padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos,
foi crucificado, morto e sepultado,
desceu ao mundo dos mortos,
ressuscitou no terceiro dia,
subiu ao céu, e está sentado à direita de Deus Pai, todo-poderoso,
de onde virá para julgar os vivos e os mortos.
Creio no Espírito Santo,
na santa Igreja cristã, a comunhão dos santos,
na remissão dos pecados,
na ressurreição do corpo e na vida eterna. Amém

A formulação de fé cristã expressa no Credo Apostólico está dividida em três artigos: Primeiro
artigo: Fala de Deus Pai - O Criador; Segundo artigo: Fala de Deus Filho - Jesus Cristo, o
Salvador; Terceiro artigo: Fala de Deus Espírito Santo - O Consolador e Santificador (Cf. 2
Coríntios 13.13).

O Credo Apostólico é chamado de Symbolum Apostolorum (“Símbolo Apostólico”). A palavra


Símbolo vem do grego syn (com) + ballein (lançar), e significa “comparação de uma coisa lançada
com a outra”. Num sentido interpretativo os símbolos são metáforas, comparações que denotam
uma “marca distintiva”, como, por exemplo, um leão simbolizando a coragem. O Símbolo
Apostólico tornou-se uma marca da doutrina apostólica e, portanto, a marca da fé cristã e da Igreja
verdadeira.

Por ser a confissão de fé mais popular do Cristianismo, tem-se chamado simplesmente “o Credo”. A
palavra Credo é realmente o verbo com o qual começa o Credo Apostólico no latim, o qual declara:
Credo in Deum Patrem. No português a mesma oração se repete: Creio em Deus Pai. Portanto, o
termo Credo significa apenas Creio, ou seja, “eu creio”, eu confesso a minha fé de forma pública
(cf. 2 Co 4:13).

O Credo Apostólico Também recebeu o nome de “Os doze Artigos de Fé”. A divisão em 12 artigos
obedece à lenda de que cada um dos 12 apóstolos escreveu um artigo. Todavia, é mais apropriado
dividir o Credo Apostólico em três partes, segundo a sua ordem trinitária. O título "Credo
Apostólico" foi usado pela primeira vez em 390, no Sínodo de Milão. O historiador Tirânio Rufino
foi o primeiro a transmitir a lenda que explicava a origem do texto. Alegava-o que no dia de
Pentecostes os apóstolos, antes de cumprir a ordem de ir aos confins da terra, teriam se reunido e
cada um teria escrito uma parte do Credo Apostólico. Mais tarde, Ambrósio (bispo de Milão, 340-
397 d.C.) e um pseudo-escrito de Agostinho escrito no século VI reforçariam esta teoria. Mas a
maioria dos historiadores da Igreja acreditam que trata-se de uma mera lenda e por isto tal
explicação da origem deve ser rejeitada.

O Credo não é apostólico porque foi escrito pelos apóstolos, mas por ser a sua doutrina. Apesar de
receber o nome de Apostólico, não temos nenhuma evidência de que este Credo tenha sido escrito
pelos apóstolos ou por alguns deles. Há evidências de que versões primitivas do texto atual do
Credo Apostóilico já era usado no ano 150. Embora os seus artigos sejam de origem bem antiga,
acredita-se atualmente que o Credo Apostólico só alcançou sua forma definitiva por volta do sexto
século. A verdade, talvez, nunca se saberá. Entretanto, ninguém de sã consciência negará que esse
credo reproduz autenticamente o ensino dos apóstolos, fundamentado nas verdades das Escrituras (1
Co 8.6; 12.13; Fp 2.5-11; 1 Tm 2.4-6; 1 Tm 3.16).
8

Embora não possamos precisar quem ou que pessoas escreveram o Credo Apostólico, não há dúvida
de que a sua origem remonta a tempos antiqüíssimos. Por exemplo, tão antigo como o ano 107 d.C.,
Inácio (bispo de Antioquia) expunha a doutrina verdadeira contra a heresia docética (heresia que
negava a humanidade de Cristo). E para expor a regra de fé da Igreja usou as seguintes palavras:

“De maneira que, sejam surdos quando alguém vos fale sem Jesus Cristo, o qual foi da
linhagem de Davi, de Maria, quem verdadeiramente nasceu, comeu como também
bebeu, foi verdadeiramente perseguido sob Pôncio Pilatos, foi verdadeiramente
crucificado e morreu tendo por testemunhas os céus, a terra e o que há sob a terra;
quem também verdadeiramente ressuscitou dos mortos, quando o seu Pai o levantou.
Seu Pai, a sua semelhança, a nós os que nele cremos, nos ressuscitará da mesma forma
em Cristo Jesus, sem o qual não temos vida verdadeira.” (Carta aos Tralianos, ix.1-2)

Justino (cerca de 100-165 d.C.), outro mártir antigo, disse em sua Apologia (I.61.10ss) que entre os
cristãos no batismo se pronuncia “...em nome do Pai do universo e Deus soberano... em nome de
Jesus Cristo, que foi crucificado sob Pôncio Pilatos, e em nome do Espírito Santo.” Também Irineu
(bispo de Lyon, cerca de 175-195 d.C.) disse em sua obra Adversus haereses (I.x.1-2) que:

“A Igreja... recebeu dos apóstolos e seus discípulos a fé em um Deus, Pai todo-


poderoso, criador do céu e da terra... e em um Espírito Santo, o qual através dos
profetas proclamou... e no nascimento virginal, a paixão, e a ressurreição de entre os
mortos, e a ascensão em carne ao céu do amado Cristo Jesus, nosso Senhor, e seu
retorno do céu na glória do Pai, para recapitular todas as coisas em um e ressuscitar
toda a carne de toda a raça humana.”.

Estas são amostras de que a linguagem do Credo estava na boca da Igreja desde os tempos antigos.
Homens como Irineu (cerca 175-195 d.C.), Tertuliano (cerca 160-215 d.C.) conheceram as versões
primitivas do Credo Apostólico, afirmando que procediam do tempo apostólico. Isto é confirmado
pelas versões do Credo que podem ser vistos nos escritos de Inácio (morto cerca de 98-115 d.C.),
Justino (cerca 100-165 d.C.), Hipólito (cerca 215 d.C.), Cipriano de Cartago (250 d.C.), Novatiano
de Roma (250 d.C.), Orígenes (185-254 d.C.) e Agostinho (400 d.C.). O Credo de Nicéia (325 d.C.)
nada mais é do que uma elaboração mais detalhada do Credo Apostólico.

Em meados do século II, a comunidade de Roma desenvolveu, segundo Hans Lietzmann, o seguinte
credo: “Eu creio em Deus, o Pai, o todo poderoso; e em Cristo Jesus, seu Filho unigênito, nosso
Senhor; e no Espírito Santo, a santa Igreja, a ressurreição da carne”. Já em fins do século II, esse
credo está bastante ampliado, especialmente em relação a uma confissão especial a Cristo e a
inclusão do perdão dos pecados no terceiro artigo. Esta formulação posterior é a base do Credo
Apostólico como conhecemos hoje:

“Eu creio em Deus, o Pai, o todo poderoso; e em Cristo Jesus, seu unigênito Filho,
nosso Senhor; o qual nasceu do Espírito Santo e da virgem Maria, o qual foi
crucificado sob Pôncio Pilatos e sepultado, no terceiro dia ressurgiu dos mortos, subiu
aos céus, está sentado à direita do Pai, donde há de vir para julgar os vivos e os
mortos; e no Espírito Santo, a santa Igreja, o perdão dos pecados, a ressurreição da
carne” (Lietzmann II, p. 106ss).

Esta formulação ampliada se deve à necessidade de confessar Jesus Cristo contra dois tipos de
doutrinas que para os cristãos do século II eram inaceitáveis: trata-se do docetismo e do
monarquianismo adocianista. O docetismo (no grego, “dokein” = parecer) negava a verdadeira
humanidade de Jesus e, com isso, a encarnação. Afirmavam que Jesus apenas “parecia” humano. O
monarquianismo adocianista, querendo preservar o monoteísmo e a unidade de Deus, negava
9

justamente o contrário, ou seja, a divindade de Jesus, afirmando que Jesus fora adotado por Deus
por ocasião do batismo. Este credo da comunidade de Roma veio a ser, mais tarde, o credo
dominante nas comunidades cristãs do Ocidente. No oriente, houve uma multiplicidade de credos.
O constante acréscimo de elementos confessionais a respeito da pessoa de Cristo também se
verificou o que denotava traços nitidamente antidocéticos e antimonarquianistas.

Dentro da obra Tradição Apostólica de Hipólito há um credo romano constante de perguntas e


respostas, datado do começo do século III d.C., que pode também ter sido uma das fontes primárias
do Credo Apostólico. Diz como segue: “Crês em Deus, o Pai todo poderoso? Crês em Jesus Cristo,
o filho de Deus que nasceu pelo Espírito Santo da virgem Maria, morreu e foi sepultado,
ressuscitou dentre os mortos ao terceiro dia, subiu ao céu e está sentado à mão direita do pai, e
virá para julgar vivos e mortos? Crês no Espírito Santo e na Santa Igreja e na ressurreição dos
mortos?”

Parece termos aqui uma confissão batismal. Adições feitas à mesma aparentemente produziram o
credo, conforme o conhecemos atualmente. Fato é que o Credo Apostólico esteve em processo
formativo durante muito tempo e nenhum concílio eclesiástico jamais fixou o texto do Credo
Apostólico oficialmente. Pelo século XII, sua forma presente já era usada por toda a parte no
ocidente e seu uso no culto e batismos tornara-se comum, dois costumes que prevalecem até hoje.

As cópias mais antigas que possuímos do Credo Apostólico são de Rufino (em latim 390 d.C.), e a
de Marcelo (em grego, 341 d.C.). Estas duas versões são mais breves que o Credo que conhecemos
hoje. Falemos primeiro do texto de Marcelo, que foi o bispo de Ancira (capital da Galácia).
Aproximadamente nos anos 337-341 d.C., Marcelo escreveu uma carta ao bispo Júlio I, com o fim
de provar-lhe a sua ortodoxia. É com esta finalidade que inclui nela o que é a versão mais antiga do
Credo Apostólico. Toda a carta está em grego, sendo que nesse tempo era a língua oficial da igreja.
O Credo de Marcelo é claramente trinitário. Todavia, a parte cristológica é muito mais ampla que a
referente ao Pai e ao Espírito. A estes três artigos trinitários básicos, Marcelo lhes acrescenta outros.
O texto mais breve de Marcelo diz assim:

“Creio em Deus todo-poderoso E em Cristo Jesus, seu único Filho, nosso Senhor,
Concebido pelo Espírito Santo e Maria virgem, Crucificado sob Pôncio Pilatos, e
sepultado, E ao terceiro dia ressuscitou dos mortos, Subiu ao céu e está sentado a
destra do Pai, De onde virá para julgar aos vivos e mortos; E no Espírito Santo, Una
Igreja santa, O perdão dos pecados, A ressurreição do corpo, A vida eterna.”

5.3.1 Pano de Fundo Histórico - O Credo Apostólico resultou parcialmente na oposição ao


gnosticismo e às idéias de Marcião, por parte da antiga Igreja Cristã. O gnosticismo foi uma linha
de pensamento grego que reivindicava possuir uma sabedoria esotérica que elevava o iniciado a um
conhecimento genuíno maior, por meio do qual, segundo seus adeptos criam, poderia ser obtida a
salvação. Conhecimento místico, ritos e práticas mágicas eram promovidos pelo sistema gnóstico.
Esse sistema fez competição com o cristianismo bíblico durante cerca de cento e cinqüenta anos,
tendo atingido o seu ponto culminante na segunda metade do século II d. C. Muito daquilo que
conhecemos do gnosticismo nos veio através dos escritos de Irineu, um dos maiores opositores
cristãos contra este sistema. O gnosticismo já existia no mundo pré-cristão, mas em tempos de
disseminação do cristianismo o gnosticismo já estava mesclado com elementos da filosofia grega,
das religiões pagãs de mistérios, do judaísmo e do próprio cristianismo. Os pais da Igreja Primitiva
chamavam o gnosticismo simplesmente de “sabedoria grega”. Mais tarde, Adolf Von Harnack o
chamaria de “helenização aguda do cristianismo”.
10

Na sua tentativa de amalgamar-se com o cristianismo o gnosticismo pretendia ser uma fusão das
revelações dadas por meio de Cristo e seus apóstolos com os padrões de pensamento já existentes.
Caso tivesse sucesso o gnosticismo cristão reduziria a idéia de Deus ao deismo e de Cristo a um
dentre muitos eons ou emanações angelicais. Na prática Jesus seria um “pequeno deus” e não o
Verbo Encarnado e em sentido algum seria divino como Deus é divino. Os gnósticos também
negavam a validade da expiação pelo sangue de Cristo. A salvação, segundo os gnósticos,
consistiria na libertação da alma (boa) do domínio do corpo material (má), mediante a entrega do
corpo ao ascetismo e da elevação do espírito mediante conhecimento da sabedoria esotérica, que
seria revelada aos gnósticos através de certos ritos, sacramentos, práticas mágicas, etc. O sistema
gnóstico já foi combatido em muitos textos neotestamentários como as três epístolas joaninas, as
epístolas aos Colossenses, Judas, e em certas passagens, Efésios, o evangelho de João e o
Apocalipse.

O mais influente líder gnóstico cristão foi Marcião de Sinope (Ásia menor), que faleceu em 165
d.C. Ele rejeitava totalmente ao Antigo Testamento para uso dos cristãos, desconectando a história
judaica com o cristianismo. Para ele o Deus do AT era o demiurgo, um deus justo, porém iracundo,
que pôs seu povo sob o império da lei. Esse deus do AT não seria ainda o Deus Maior, que só seria
revelado no NT, através de Cristo, que não seria uma verdadeira encarnação divina. Marcião
ensinou que a salvação viria mediante a negação do demiurgo e seu tipo de mensagem e que Paulo
seria o único verdadeiro apóstolo de Cristo. Marcião autonomeou-se representante de Paulo, para
levar avante a sua obra.
Sobre este pano de fundo histórico o Credo Apostólico desenvolveu-se como uma afirmação da fé
trinitária.

6. O texto do Credo Apostólico - O conteúdo do Credo Apostólico é inspirado diretamente na


doutrina apostólica. Uma comparação entre os textos da Escritura demonstrará que a dependência
chega a escolher até mesmo as palavras. Que a linguagem do Credo estava na boca da Igreja
primitiva é possível perceber claramente pelos textos de Rm 1:3-4; 8:34; 1 Co 15:1-4. De fato, a
confissão da Igreja era simplesmente a pregação da Igreja (cf. At 2:22-36; 3:15; 4:10; 5:30-31;
9:20; 10:36,39-40; 17:2-3,31; 18:5,28; 26:23). Por isto, tem suficiente direito de ser chamado
Apostólico. Calvino não se preocupava em saber quem era o seu autor. Para ele o importante era
que: “o mais importante que devemos saber é que nele se encontra resumida e de modo claro toda
a história de nossa fé e que nada contêm nele que não se possa confirmar com sólidos e firmes
testemunhos da Escritura” (Institutas, II.xvi.18).

Em sua divisão tradicional de 12 artigos, o Credo Apostólico declara:

1. Creio em Deus Pai, todo-poderoso, criador do Céu e da terra.


2. E em Jesus Cristo, seu Filho Unigênito, nosso Senhor;
3.O qual foi concebido pelo Espírito Santo, nasceu da virgem Maria;
4. Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado;
5. Desceu ao mundo dos mortos, ressuscitou no terceiro dia;
6. Subiu ao céu e está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso;
7. De onde virá para julgar os vivos e os mortos.
8. Creio no Espírito Santo;
9. Na santa Igreja Cristã, a comunhão dos santos;
10. Na perdão dos pecados;
11. Na ressurreição do corpo
12. E na vida eterna. Amém.

7. A forma Trinitária do Credo e sua Teologia - Desde o tempo apostólico, a Igreja teve que lidar
com falsas doutrinas, especialmente as que ameaçavam a correta compreensão sobre as três pessoas
11

da trindade, como o arianismo e o docetismo. Por esta razão o Credo teve que formular a sua
doutrina com base na estrutura trinitária e, por isso, está claramente dividido em três partes: O Pai e
a criação, o Filho e a redenção, o Espírito Santo e a santificação. Também tem-se dividido o seu
conteúdo em 12 artigos. Deve ser notado que a parte referida ao Filho é a mais detalhada. A metade
de seus 12 artigos está dedicada à segunda Pessoa da Trindade. A parte conclusiva do Credo
relaciona a vida da Igreja em íntima relação com a obra do Espírito Santo.

7.1 O Primeiro Artigo – Deus Pai – Por trás do Primeiro Artigo do Credo Apostólico temos três
importantes afirmações: 1) Deus é Pai; 2) Deus é “Todo-Poderoso” e 3) Deus é “Criador do
Universo”. O vocábulo latino omnipotens é traduzido por “Todo–poderoso”. A palavra grega
original, no entanto, tem um significado mais amplo: pantokrátor (“aquele que tudo governa”,
“aquele que tudo domina”). A pergunta à qual respondia o batizando da Igreja Antiga no primeiro
artigo era relativa à paternidade criadora de Deus, sua majestade e sua soberania transcendente.
Muito além da compreensão grega (ou mesmo judaica) da época o batizando entendia que o eterno
Pai do mundo também é Pai de Jesus Cristo e se propõe também a ser Pai de quem vai ser batizado,
por graça.

7.2 O Segundo Artigo – Deus Filho – O segundo artigo do Credo Romano Primitivo era bastante
breve: “E em Cristo Jesus, seu Filho, nosso Senhor”. Talvez tenha sido, originalmente, mais breve
ainda, pois as palavras “único” (Unigênito) e “Senhor” podem ter sido acréscimos. A longa
complementação cristológica que se deu ao credo da comunidade de Roma se deveu, em grande
parte, à polêmica com o docetismo, mas também para fazer justiça ao querigma contido na mais
antiga pregação sobre Cristo (cf. 1 Co 15.3ss). Os feitos de Cristo sempre foram narrados no ensino
catequético. A partir daí, é lógico que aquilo que era ensinado também fosse incluído no Credo
Batismal.

7.3 O Terceiro Artigo – Deus Espírito Santo – O último Artigo é bastante singular, pois é
formado por uma seqüência de conteúdos bastante distintos uns dos outros. A luta contra as heresias
que a igreja travou no século II desenvolveu uma consciência da igreja de que ela, enquanto Igreja
Universal, ortodoxa, deveria ser a garantia da verdade contra a heresia. Por esta razão se
compreende a relação entre as três clausulas da Igreja relacionadas à ação direta do Espírito Santo:
a) a Igreja “santa” é obra do Espírito Santo; b) o perdão dos pecados é conseqüência da dádiva do
Espírito Santo no batismo; c) a ressurreição do corpo é a coroação escatológica da dádivas do
Espírito Santo.

8. Lugar e Uso do Credo Apostólico – Num tempo de esvaziamento de conceitos teológicos, de


relativismo, da rejeição das chamadas metanarrativas, cabe perfeitamente a pergunta: qual a
relevância do Credo Apostólico para a Igreja hoje? Qual o lugar do Credo na vida da Igreja?

É indiscutível a importância do lugar vivencial do Credo no batismo. Mas certamente não só ali ele
é relevante. Confessamos a nossa fé no Batismo, na Ceia do Senhor, ao testificar aos incrédulos, ao
dar bom testemunho na vida pública e privada, e também ao recitar o Credo Apostólico e os demais
Credos Ecumênicos (Niceno e Atanasiano) nas celebrações cristãs públicas. Toda confissão pública
da fé deve ser feita com sinceridade, e deve vir acompanhada de uma vida de compromisso com os
valores do reino de Deus. Este é o lugar em que se encontra o uso correto do Credo Apostólico.

Falando desta forma parece óbvio que o Credo Apostólico é devidamente conhecido, respeitado e
utilizado pelas igrejas cristãs. Infelizmente, isto não é bem assim. Ocorre que algumas igrejas
evangélicas não dão muito valor ao uso do Credo Apostólico e uma boa parcela de seus membros
não estão familiarizados com o texto. Esta “aversão”, não só ao Credo Apostólico, mas a qualquer
outro texto confessional ao lado da Bíblia, é muito forte na vida diária das comunidades de cunho
mais independente e sem raízes históricas, especialmente na América Latina. Certamente ela não é
12

consciente, antes, deve ser resultado de uma ignorância e carência na formação teológica de seus
líderes espirituais e dirigentes. Este desinteresse em estudá-lo, nem em confessar a sua fé através
dele, segundo Humberto Casanova, surge de três erros:

1) Primeiro, as pessoas se enganam ao identificar o Credo com a Igreja Católica Romana, crendo
que é um documento inventado por ela. No entanto, as regras de fé ou confissões de fé não são uma
novidade inventada pela Igreja Católica Romana, ou mesmo frutos do período moderno, mas são
declarações de fé desenvolvidas ao longo de toda a história do povo de Deus e patrimônio de toda a
cristandade;

2) Segundo, como a Igreja Católica Romana tem a prática de conferir autoridade divina a muitas de
suas tradições, então, se teme que ela conceda tanta importância ao Credo dos apóstolos, que se lhe
estime na mesma altura que a Bíblia;

3) Terceiro, uma boa parte da igreja evangélica carece de consciência histórica. Se existe algum
interesse pelo passado, este se limita ao período da Igreja primitiva, ao qual se pretende,
ingenuamente, retornar ignorando os processos históricos que media entre nós e a Igreja relatada no
livro de Atos dos Apóstolos.

Esta falta de interesse pode ser superada se considerarmos que ao usar o Credo Apostólico, o
fazemos junto com a Igreja “universal” ao longo de toda a sua história. A Igreja vem usando, quase
desde o seu começo, muito antes que existisse o romanismo que teve a sua origem com o papado.

Muitas igrejas cristãs, denominações e organizações missionárias têm credos que se tornam padrões
mediante os quais membros são aceitos ou rejeitados. Nenhum destes credos representa a gama
inteira do ensino neotestamentário, pois cada um deles amolda-se às interpretações das várias
denominações, como por exemplo, o relato da “descida de Cristo ao mundo dos mortos”.

Qual seria então a base confessional da igreja? Certamente que é as escrituras sagradas (a Bíblia).
Mas, por razões de seu próprio desenvolvimento histórico, algumas igrejas estabeleceram
claramente uma base confessional. É o caso das igrejas luteranas, embora essa base não tenha a
mesma amplitude em diferentes igrejas luteranas. No caso da Igreja Evangélica de Confissão
Luterana no Brasil (IECLB), essa base se constitui, fundamentalmente, na própria Bíblia, mas
também nos credos ecumênicos da Igreja Antiga, no Catecismo Menor de Lutero e na Confissão de
Augsbusgo. Para a Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB) a base confessional é mais ampla,
abrangendo o chamado Livro de Concórdia (1580), que inclui outros textos confessionais da
Reforma Luterana, além dos mencionados acima, quais sejam, a Apologia da Confissão de
Augsburgo (Melanchton, 1531), os Artigos de Esmalcade (Lutero, 1537), o Tratado sobre o Poder e
o Primado do Papa (Melanchton, 1577), o Catecismo Maior (Lutero, 1529) e a Fórmula de
Concórdia (1577).

Na tradição reformada (que remonta aos reformadores Calvino e Zwinglio), surgiram já no século
XVI uma série de confissões, as mais famosas das quais talvez seja o Catecismo de Heidelberg
(1536) e a Confissão Escocesa (1560), mas elas nunca chegaram a receber tanta importância quanto
os escritos confessionais luteranos.

A Igreja Anglicana não tem propriamente um corpo confessional delimitado, tal como as igrejas
luteranas. Seu livro básico, o Livro de Oração Comum (Book of Common Prayer), pode ser tomado
como base confessional da Igreja Anglicana, embora ele seja, antes de tudo, um manual litúrgico e
devocional.
13

Já a Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR) aceita os Credos da Igreja Antiga e tem inúmeras
formulações doutrinais estabelecidas por concílios posteriores aos da Igreja Antiga ou em
documentos papais. Contudo, a ICAR não possui um rol de escritos chamados confessionais. De
grande autoridade goza, embora não seja uma coleção oficial, o “Manual de Símbolos (=credos),
Definições e Declarações da Igreja em matéria de Fé e Costumes” editado por H. Denzinger e A.
Schönmetzer, sob o título latino Enchiridion Symbolorum definitionum et declarationum de rubus
fidei et morum.

Também o movimento ecumênico moderno estabeleceu uma base confessional. A formulação


constitucional de 1948 – quando foi criado em Amsterdã, Holanda, o Conselho Mundial de Igrejas
(CMI) – recebeu uma emenda, por ocasião de sua terceira assembléia geral, de 1961, em Nova
Delhi, quando do ingresso das igrejas ortodoxas no CMI, com uma referência doxológica trinitária
da fé cristã, rezando, desde então, assim: “O Conselho Mundial de Igrejas é uma comunhão de
igrejas que confessam o Senhor Jesus como Deus e Salvador, segundo as Escrituras e por isso
buscam cumprir em conjunto a sua vocação comum para a glória do único Deus, Pai, Filho e
Espírito Santo”.

A Bíblia é entendida como única norma de fé e conduta, a norma que normatiza as confissões
eclesiais (norma normans), enquanto estas são classificadas como dependentes da Escritura e por
ela normatizadas (normae normatae).

Tanto a Igreja Ocidental Histórica quanto a Igreja Oriental têm imenso respeito pelos credos, que
formam uma das bases de sua autoridade. Ainda que não seja errado que uma denominação conceda
a um credo caráter de autoridade, com todos os demais cristãos sabemos que somente a Bíblia
possui autoridade final e divina. O Credo está subordinado a Palavra de Deus. Então, é importante
que os crentes percebam o quanto o Credo provê um maravilhoso recurso para confessar os pontos
principais de sua fé. Para os grupos evangélicos e protestantes a Bíblia é a única autoridade
reconhecida; mas seus credos certamente têm sido usados com muitas finalidades, sobretudo a de
delimitar a linha que separa os fiéis dos hereges. Os credos são meios convenientes, usados pela
Igreja Cristã Histórica, para definir as suas crenças, como também para refinar as mesmas no
decorrer dos séculos, conforme as circunstâncias históricas assim exigiram. Esses credos tornaram-
se declarações de fé, além de serem testes comprobatórios da ortodoxia.

9. Benefícios e formas de uso do Credo Apostólico - Sobre o conteúdo do Credo Apostólico, na


introdução ao Catecismo Maior, Lutero assim resumiu: “O Credo Apostólico nos apresenta tudo o
que devemos esperar e receber de Deus, e, para dizer em breves palavras, nos ensina a conhecê-lo
plenamente”. Um conteúdo tão significativo deverá ter, necessariamente, muitos benefícios se
aplicado com regularidade. A seguir, aponto alguns aspectos da boa utilidade do Credo Apostólico:

Afirmar a fé em conjunto – “Confessar” o Credo Apostólico significa “afirmar a fé em conjunto”.


Assim nos declaramos inseridos numa comunidade que compartilha a mesma fé. Esta é a dimensão
comunitária da confissão de fé;

Ecumenicidade – O simples costume de “orar” o Credo Apostólico, seja sozinho ou em


comunidade, une o cristão e a congregação local a outros cristãos no mundo todo, não só de agora,
mas também de outras épocas (comunhão mística da Igreja). Possui desta forma, um altíssimo
significado comunitário e ecumênico, o que é muito mais importante do que nossas muitas divisões;

Rememora o Resumo da Fé – Poderíamos dizer que a comunidade cristã crê nos conteúdos que se
encontram na Bíblia. Mas esta é extensa, e sabemos que os cristãos fazem interpretações
divergentes da Bíblia. Os credos, assim como o Credo Apostólico, nos auxiliam como um resumo
da doutrina cristã e seu uso atualiza o nosso conhecimento deste conteúdo;
14

Rejeitar Heresias – O Credo Apostólico surgiu num contexto de rejeição a falsas doutrinas
referentes à Santíssima Trindade. Cada credo é uma afirmação de fé, mas como tal é também a
negação de doutrinas que são reconhecidas como não evangélicas;

Oração de Louvor – Mesmo não sendo uma oração a recitação do Credo Apostólico pode ser
usada como tal e servir como uma expressão de adoração e louvor a Deus;

Conteúdo Programático de Educação Cristã – O Credo Apostólico, na sua melhor tradição de ser
conteúdo programático para preparação de catecúmenos (batizandos) serve também de material de
reciclagem para cristãos mais antigos na caminhada da fé. Pode e deve ser usado como conteúdo
programático de educação cristã contínua. Os muitos recursos tecnológicos disponíveis atualmente
podem dar um novo formato visual ao conteúdo do Credo Apostólico (livretos, apostilas, cadernos
de estudos, slides, video-aula, etc);

Confissão de Pecados – A leitura, recitação e meditação do Credo Apostólico contribui para


reconhecermos diante de Deus nossas falhas e nossa culpa. Lutero recomenda a recitação dos Dez
Mandamentos como preparação para a Santa Ceia;

Renovação da Fé e dos compromissos com o Reino de Deus – Como um resumo da fé cristã o


Credo Apostólico resultará na declaração de que Jesus Cristo é o Senhor e que “Ninguém pode
servir a dois senhores...(Mt 6.24)”. Bem refletido, o Credo Apostólico pode ajudar o cristão a
perceber novamente os valores do reino de Deus e renovar suas convicções de fé;

Comprometimento – Em cada confissão de fé há uma dimensão de comprometimento. Quem


confessa essa fé de forma consciente tem um compromisso com ela. O mesmo ocorre com a
Confissão de fé do Credo Apostólico, comprometendo-nos com a mesma fé que os apóstolos de
Cristo tiveram;

Declaração Pública – A confissão de fé professada nas igrejas durante suas celebrações tem
também um caráter de declaração pública. A igreja não tem uma finalidade última em si mesma,
mas se sabe a caminho (Igreja Peregrina) e a serviço (Igreja Profética, Diaconal e Missionária). Por
meio da confissão do Credo Apostólico a igreja dá testemunho cristão diante do mundo. É comum
em alguns lugares que a congregação se vire para a porta quando recita o Credo Apostólico, como
se disse-se ao mundo o que crê;

Martyria – A simples declaração de uma verdade pode acarretar em conseqüências bem mais sérias
do que imaginamos. Algumas delas podem levar a vida a um status inseguro. Os primeiros cristãos
quando confessavam “Jesus é o Senhor” desafiavam o imperador romano, pois naquele tempo só
ele podia deter legalmente o título de senhor. Proclamar Jesus Cristo como Senhor requeria
coragem e, por vezes, acarretava em prisão e martírio. Em Mt 10.32-33 mostra-se uma situação de
confissão de fé diante de um tribunal. Rm 10.9-10 fala da confissão do coração e da boca. Hb 4.14
nos lembra de manter a confissão, mesmo em tempos difíceis;

10. Inadequações – Lamentavelmente, os credos cristãos podem ter sido usados como instrumentos
de perseguição e hostilidade contra aqueles que não têm concordado com as estipulações desses
credos. A função é orientar, não punir!

Um importante aspecto da fé cristã que passa despercebido em todos os credos ecumênicos e em


muitos outros é a lei do amor. Você já leu algum credo onde seja mencionada a lei do amor, que é o
maior de todos os princípios espirituais? Teriam os formuladores dos credos esquecido este
15

princípio básico ou o pano de fundo polêmico e apologético do surgimento dos credos tenha
relegado este principio a um segundo plano?

Os credos também parecem não fazer justiça à experiência cristã e a espiritualidade. A verdade
dogmática é essencialmente mais importante do que a experiência espiritual nos credos ou eles
entendem que este não é lugar para discorrer sobre a mística cristã, omitindo-a simplesmente?

Os credos tendem mais para apresentar declarações formais e intelectualizadas da fé cristã,


enfatizando a letra, que pode matar, e não o Espírito, que vivifica. Seria correta esta conclusão? Um
credo furta o homem piedoso de sua liberdade intelectual, uma vez que o conteúdo de sua fé já está
estabelecida/engessada?

Uma atualização dos credos cristãos consideraria temas éticos, como a ecologia, pacifismo,
preconceitos raciais, e outros grandes problemas que se debate na sociedade?

O Apóstolo Pedro nos exortou a estarmos preparados para responder a todo aquele que nos pedir
razão da “esperança que há em nós” (1 Pe 3.15). Nisto, atualizações e novas formulações dão
expressão ao conteúdo da fé para dentro de novas realidades e situações específicas. Certamente
que estas formulações contemporâneas não podem “competir” com o Credo estabelecido, muito
menos substituí-lo, mas servem como tentativas de atualização do Credo, originalmente concebido
em outro contexto vivencial. Nesta tentativa os credos da Igreja Antiga são a medida crítica para os
credos atuais. Fato inovador é a inclusão da lei do amor nas novas declarações de fé
contemporâneas e o desafio de aplicá-las em conformidade com as verdades dogmáticas
inegociáveis.

O que significa Creio em Deus? – Uma palavra de Martin Lutero:

“Eu me arrisco e coloco a minha confiança tão-somente no Deus invisível,


incompreensível e único que criou o céu e terra e que sozinho está acima de todas as
criaturas. Por outro lado, não me apavoro com toda a maldade do diabo e de seus
comparsas, porque o meu Deus está acima de todos eles. Creio em Deus, mesmo que
seja abandonado ou perseguido por todas as pessoas. Creio em Deus, mesmo que eu
seja pobre, sem compreensão, sem estudo, desprezado ou carente de todas as coisas.
Creio em Deus, mesmo sendo um pecador. É que essa minha fé precisa e deve pairar
acima de tudo que existe e não existe, acima do pecado e virtude e acima de todas as
coisas, para em Deus manter-se pura e limpa, como o primeiro mandamento me
constrange. Também não lhe peço nenhum milagre para tentá-lo. Confio nele sem
cessar, por mais que ele demore, e não lhe imponho termo, prazo, medida ou forma,
mas confio tudo à sua divina vontade em uma fé livre e autêntica. Se ele é todo-
poderoso, que poderá faltar-me que ele não me possa dar e fazer?”

______________________________________

Edson R. Scherdien, natural de Pelotas, RS, é pastor na Igreja Evangélica de Confissão Luterana no
Brasil (IECLB).

Bibliografia recomendada para aprofundamento:

ALTMANN, Walter (org). Nossa fé e suas razões. Est/Sinodal. São Leopoldo: 2004.

BARTH, Karl. O Credo Apostólico. Editora Novo Século: 2010


16

CASANOVA, Humberto e STAM, Jeff. El Credo Apostólico. (Grand Rapids, Libros Desafio,
1998), pp. 14-22.

CHAMPLIN, Russel Norman. Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia. 9ª edição, Hagnos. São
Paulo: 2008,

LIETZMANN, Hans. Geschischte der Alten Kirche. 4./;5. Ed. Em um volume. Berlin: Walter de
Gruyter, 1975.

LUTERO, Martin. Dez Sermões sobre o Credo. Sinodal. São Leopoldo: 1987.