Вы находитесь на странице: 1из 9

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA –

FAULDADE DE ODONTOLOGIA

FOF010 - METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO

RAFAELA DE OLIVEIRA MIRANDA

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR E OS IMPACTOS DA


DOR OROFACIAL: REVISÃO DE LITERATURA

SALVADOR-BAHIA
2018.1
RAFAELA DE OLIVEIRA MIRANDA

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR E OS IMPACTOS DA


DOR OROFACIAL: REVISÃO DE LITERATURA

Trabalho a ser apresentado na disciplina


de Metodologia do Trabalho Científico
Da Faculdade de Odontologia da UFBA
como premissa parcial para aquisição da
nota da segunda unidade.

Orientador: Professora Lana Bleicher

Salvador-Bahia
2018.1
SUMÁRIO

I. Introdução......................................................................1
II. Dor como principal sintoma.........................................2
III. Impactos da dor nas vidas das pessoas.....................2
IV. Coleta de dados.............................................................3
IV.I Objetivo....................................................................3
IV.II Material e metodologia..........................................3
IV.III Resultados.............................................................3
IV.IV Conclusão..............................................................3
V. Conclusão.......................................................................4
VI. Referençias.....................................................................5
VII. Apêndice.........................................................................6
Disfunção Temporomandibular e os impactos da dor orofacial

Resumo

A Disfunção Temporomandibular, DTM, é causada por alguma


anormalidade na Articulação Temporomandibular, que pode gerar vários
sintomas, entre eles a dor orofacial. A dor orofacial é o principal e mais
complexo sintoma da DTM, e pode acabar culminando em outras condições
como o grau de abertura da boa do individuo que possui essa disfunção.
Desse modo, essa revisão de literatura discorre sobre a dor orofacial causada
pela DTM e o seu impacto na vida dessas pessoas.
Palavras chave: Disfunção Temporomandibular; qualidade de vida; impactos
negativos.

Abstract

Temporomandibular Dysfunction, TMD, is caused by some abnormality


in the Temporomandibular Joint, I can generate several symptoms, among
them orofacial pain. Orofacial pain is the main and more complex symptom of
TMD, and may end up culminating in other conditions such as the degree of
good opening of the individual I possess this dysfunction. Thus, this literature
review discusses the orofacial pain caused by TMD and its impact on the lives
of these people.
Keywords: Temporomandibular Dysfunction; quality of life; negative impacts.

I. Introdução

“A disfunção temporomandibular é um termo coletivo que abrange um


largo espectro de problemas clínicos da articulação e dos músculos na área
orofacial” (Castillo Et al, São Paulo, 2016, pág. 88). “Essas disfunções são
caracterizadas, principalmente, por dor, sons na articulação e função
irregular ou limitada da mandíbula” (Axelsson R. et al apud Castillo et
al,2016). Essa revisão de literatura tem como objetivo mostrar os impactos
da dor, sintoma da disfunção temporomandibular, na vida das pessoas que
possuem essa disfunção.
II. Dor como principal sintoma

Na presença da Disfunção Temporomandibular (DTM) a dor miofacial é


localizada, intensa e considerada como um sintoma que apresenta diversas
origens, ou seja, tem caráter multifatorial. Fatores funcionais e psicológicos
se apresentam como os principais causadores. Segundo Castillo et al (2016,
pág. 89)
Ainda que essa desordem não tenha sido totalmente
compreendida, alguns fatores como fonte contínua de estímulo
doloroso persistente, níveis aumentados de estresse emocional,
presença de distúrbios do sono, hábitos parafuncionais, postura fora
do padrão de normalidade e tensão muscular podem estar
relacionadas à dor miofascial.

III. Impacto da dor na vida das pessoas

“A dor é definida, segundo a Internacional Association for the Study of


Pain (IASP), como uma experiência sensorial e emocional desagradável,
associada a um dano tissular real ou potencial ou descrita em termos de tal
dano” (PAIN. Classification of chronic pain syndromes and definitions of pain
terms [S 217]. Pain 1986 Supplement). Assim sendo, entrou-se em um
consenso de que as dores crônicas se originam tanto de fatores biológicos
quanto de fatores psicológicos (Brown FF Et al Apud OLIVEIRA Et al, 2003).
A dor crônica causada pela DTM é um dos principais sintomas sentidos
pelos indivíduos que possuem essa disfunção e talvez seja a que mais
reflete negativamente na qualidade de vida dessas pessoas. Ainda assim,

Embora existam evidências para acreditar que as DTM e outras


condições dolorosas da face causem algum impacto na qualidade
de vida, um pequeno número de estudos documenta o uso de
questionários específicos ou mesmo de ferramentas
multidimensionais com este intuito. (Dahlstrom L. et al apud
OLIVEIRA et al, 2003; OLIVEIRA et al, 2003).

Apesar de poucas pesquisas sobre o assunto, é comprovado que a dor


orofacial causada pela DTM diminui a qualidade do sono das pessoas,
aumenta a intensidade de enxaquecas, incapacita as pessoas de realizarem
tarefas comuns (como atividades escolares), e também “a presença dores nos
músculos da mastigação tem correlação com a limitação de abertura bucal”
(Figueiredo VMG et al apud Turcio et al , 2017). Concomitante a isso, segundo
Pereira LJ et al, citado por Passos e colaboradores em 2003
A presença de dor muscular durante a mastigação, dor nos
músculos ou na articulação temporomandibular (ATM) e/ou
inflamação na ATM, pode desempenhar a redução na força máxima
de mordida dos pacientes com DTM.

IV. Coleta de dados

Objetivo: A referente pesquisa de campo teve como objetivo, a partir de um


questionário, analisar o grau de impacto da Disfunção Temporomandibular na
vida das pessoas.

Material e Método: A amostra foi composta por 20 indivíduos, de ambos os


sexos, que possuem Disfunção Temporomandibular. A metodologia utilizada
trata-se de um questionário de quatro questões, em que as perguntas são
referente ao tempo, dificuldade de atendimento, grau da dor e sua influência
na qualidade de vida dessas pessoas. Os resultados gerados foram
compilados em tabelas de setores para melhor visualização e entendimento.

Resultados: Com base nas respostas do questionário ficou claro que para a
maioria dos portadores de DTM a dor causada pela disfunção tem
considerável impacto negativo nas suas vidas, afetando a qualidade de vida
dessas pessoas (gráfico 1), uma vez eu para a maioria dos entrevistados a
dor orofacial causada pela DTM chega a níveis beirando o insuportável
(gráfico 2). Porém, como essa pesquisa foi realizada com apenas vinte
pessoas faz-se necessária maiores pesquisas para dar maior veracidade a
esse estudo.

Conclusão: Portanto, percebe-se que para cerca de 80% dos entrevistados a


Disfunção Temporomandibular causa tanta dor que acaba influenciando
negativamente na vida dessas pessoas, reforçando a ideia de que a dor
orofacial reflete negativamente na vida das pessoas, ideia essa destacada na
revisão de literatura.
Grau da Dor

15

Grau 8 Grau 4 Não apresenta dor

Impacto da dor na qualidade de vida

15

Sim Não

V. Conclusão

Com base nessa revisão de literatura é possível compreender melhor


os reais impactos da dor crônica na vida das pessoas que possuem Disfunção
Temporomandibular, mostrando as dificuldades que essas pessoas adquirem
quando desenvolvem esta disfunção.
VI. Referências

Daisilene Baena Castillo , Flaviane Keiko Azato , Tulio Kalife Coelho , Paulo
Zarate Pereira , Marcela Galdina Silva. Estudo clínico da posição da cabeça e
mandíbula em pacientes com disfunção temporomandibular muscular. Rev Dor.
São Paulo, 2016 abr-jun;17(2):88-92.

Dannyelle Christina Bezerra de Oliveira Freitas Passos, Daniela Galvão de


Almeida Prado, Hugo Nary-Filho, Giédre Berretin-Felix. A influência de
sintomas da disfunção temporomandibular na força máxima de mordida em
indivíduos com deformidade dentofacial.

Karina Helga Leal Turcio, Fernanda Pereira de Caxias, Daniela Micheline dos
Santos, Paulo Renato Junqueira Zuim, Humberto Gennari Filho.
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE LIMITAÇÃO DE ABERTURA BUCAL.
Revista Odontológica de Araçatuba, v.38, n.2, p. 15-21, Maio/Agosto, 2017.

Marcilia Ribeiro Paulino, Vanderlucia Gomes Moreira , George Azevedo


Lemos, Pâmela Lopes Pedro da Silva, Paulo Rogério Ferreti Bonan, André
Ulisses Dantas Batista. Prevalência de sinais e sintomas de disfunção
temporomandibular em estudantes pré-vestibulandos: associação de fatores
emocionais, hábitos parafuncionais e impacto na qualidade de vida.

Anamaria Siriani de OLIVEIRA, Camila Colombo BERMUDEZ, Rodrigo Alves


de SOUZA, Carina Maria Freitas SOUZA, Elton Matias DIAS, Carlos Eduardo
dos Santos CASTRO, Fausto BÉRZIN. IMPACTO DA DOR NA VIDA DE
PORTADORES DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR.

VII. Apêndice

1. Há quanto tempo você sofre qualquer incomodo na ATM?

( ) Poucas semanas
( ) Poucos meses
( ) de 6 a 12 meses
( ) Mais de 1 ano
( ) 2 anos ou mais
2. No início, houve dificuldade para encontrar atendimento?
( ) SIM
( ) NÃO

3. De 0 a 10, qual o grau da dor que você sente?


(Sendo 0 nenhum e 10 insuportável)
_____
4. Você diria que essa condição afetou sua qualidade de vida?
( ) SIM
( ) NÃO