Вы находитесь на странице: 1из 5

ANOTAÇÕES

ANOTAÇÕES Aula 1 – Lei n. 8.429/1992 Rodrigo Cardoso IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA – LEI N. 8.429/1992 AULA

Aula 1 – Lei n. 8.429/1992

Rodrigo Cardoso

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA – LEI N. 8.429/1992 AULA 01

Olá! Seja bem-vindo(a) ao curso da Lei n. 8.429/1992. Sou Rodrigo Car- doso, professor de Direito Administrativo do Gran Cursos Online. Atualmente, sou servidor do TRT da 10ª Região e sei de todas as dificuldades do concur- seiro. O caminho é difícil, mas gratificante ao fim. O Direito faz parte de minha vida desde os tempos da graduação. Sei, perfeitamente, o que é necessá- rio para você acertar todas as questões sobre Improbidade Administrativa. No entanto, para que isso ocorra, vou precisar de sua dedicação aos estu- dos. Você deve assistir as aulas, ler o material teórico e, ao fim, resolver as questões propostas. Se ainda permanecer qualquer dúvida, envie e-mail para:

direito.adm.simplificado@gmail.com

Vamos lá!

1 INTRODUÇÃO

Inicialmente, temos que lembrar que o caput do art. 37 da CF estabelece o dever de moralidade ao agente público. A moralidade administrativa e probidade administrativa estão relacionadas à honestidade na administração pública. Não basta o administrador alcançar apenas a legalidade formal (observância da lei), é necessário, também, observar os princípios éticos, de lealdade e de boa-fé. Antes de trabalharmos a Lei n. 8.429/1992, é importante entender o disposto no §4º do art. 37 da CF, que tem a seguinte redação:

§ 4º Os atos de improbidade administrativa importarão a suspensão dos direi- tos políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e o ressar- cimento ao erário, na forma e gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível. A CF estabelece sanções a quem praticar ato de improbidade. Ainda, prevê que, se o ato de improbidade for cometido conjuntamente com crime, respon- derá também na esfera penal. Logo, se o agente público pede uma propina para

respon- derá também na esfera penal. Logo, se o agente público pede uma propina para 1
respon- derá também na esfera penal. Logo, se o agente público pede uma propina para 1
respon- derá também na esfera penal. Logo, se o agente público pede uma propina para 1
respon- derá também na esfera penal. Logo, se o agente público pede uma propina para 1
respon- derá também na esfera penal. Logo, se o agente público pede uma propina para 1
1
1

www.grancursosonline.com.br

ANOTAÇÕES

Lei n. 8.429/1992 – Aula 1

Rodrigo Cardoso

ANOTAÇÕES Lei n. 8.429/1992 – Aula 1 Rodrigo Cardoso favorecer uma empresa em licitação pública, será

favorecer uma empresa em licitação pública, será processado por improbidade (Lei n. 8.429/1992) e por crime de corrupção passiva. As sanções previstas na CF não têm natureza penal, são elas de natureza política (suspensão dos direi- tos políticos) e civil (indisponibilidade dos bens, ressarcimento de danos, perda da função pública).

IMPORTANTE!

IMPORTANTE!

A ação de improbidade é "civil", mas, no exemplo acima, o agente responderá por outra ação na esfera penal por ter cometido crime contra a administração.

O § 4º do art. 37 da CF exige a edição de lei para explicar/detalhar a grada- ção das sanções impostas ao improbo. Com esse objetivo, foi editada a Lei n. 8.429/1992, que tem como objetivo punir qualquer pessoa que praticar ato de improbidade.

IMPORTANTE!

IMPORTANTE!

Objetivo da Lei é punir o agente ou terceiro que praticar ato de improbidade.

2 SUJEITO PASSIVO

O sujeito passivo é a vítima do ato de improbidade. O art. 1º da Lei n. 8.429/1992 enumera os sujeitos passivos dos atos de improbidade:

a) Administração direta ou indireta, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; b) empresa incorporada ao patrimônio público ou entidade para cuja criação ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com mais de cinquenta por cento do patrimônio ou da receita anual; c) entidade que receba subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público, bem como daquelas para cuja criação ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com menos de cinquenta por cento do patrimônio ou da receita anual, limitando-se, nestes casos, a sanção patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres públicos.

patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres públicos. 2 www.grancursosonline.com.br
patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres públicos. 2 www.grancursosonline.com.br
patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres públicos. 2 www.grancursosonline.com.br
patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres públicos. 2 www.grancursosonline.com.br
patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres públicos. 2 www.grancursosonline.com.br
2
2

www.grancursosonline.com.br

ANOTAÇÕES

ANOTAÇÕES Aula 1 – Lei n. 8.429/1992 Rodrigo Cardoso Vale dizer que o parágrafo único do

Aula 1 – Lei n. 8.429/1992

Rodrigo Cardoso

Vale dizer que o parágrafo único do artigo 1º da referida lei estabelece que as pessoas de cooperação governamental (serviços sociais autônomos), as orga- nizações não governamentais, as organizações sociais (Lei n. 9.637/1998) e as organizações da sociedade civil de interesse público (Lei n. 9.790/1998) poderão ser sujeitos passivos de improbidade administrativa, visto que podem receber subvenções, benefício ou incentivo fiscal ou creditícios de órgãos públicos.

IMPORTANTE!

IMPORTANTE!

Para facilitar, você vai lembrar – em sua prova – que, onde tiver dinheiro (bem) público e o recurso publico for administrado de maneira indevida (for desviado, mal aproveitado, etc), o gestor responderá por ato de improbidade administrativa. Não importa se o recurso (bem) público esteja "dentro" da administração (administração direta ou indireta) ou se estiver sendo gerido pelo particular (ex: ONG, fundação, etc).

3 SUJEITO ATIVO

Sujeito ativo é aquele que pratica o ato de improbidade, concorre para sua prática ou obtém vantagens indevidas. Sujeito ativo é o autor da conduta de improbidade. A Lei de improbidade administrativa descreve os sujeitos ativos capazes de cometerem crime de improbidade:

1) os agentes públicos, que são definidos pela referida lei como sendo todo aquele que exerce – ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por elei- ção, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investi- dura ou vínculo – mandato, cargo, emprego ou função nas entidades que rece- bam subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público (art. 2º da Lei n. 8.429/1992). A doutrina classifica como sendo ato de improbi- dade próprio.

2º da Lei n. 8.429/1992). A doutrina classifica como sendo ato de improbi- dade próprio. 3
2º da Lei n. 8.429/1992). A doutrina classifica como sendo ato de improbi- dade próprio. 3
2º da Lei n. 8.429/1992). A doutrina classifica como sendo ato de improbi- dade próprio. 3
2º da Lei n. 8.429/1992). A doutrina classifica como sendo ato de improbi- dade próprio. 3
2º da Lei n. 8.429/1992). A doutrina classifica como sendo ato de improbi- dade próprio. 3
3
3

www.grancursosonline.com.br

ANOTAÇÕES

Lei n. 8.429/1992 – Aula 1

Rodrigo Cardoso

ANOTAÇÕES Lei n. 8.429/1992 – Aula 1 Rodrigo Cardoso IMPORTANTE! Qualquer pessoa que estiver gerindo recurso

IMPORTANTE!

IMPORTANTE!

Qualquer pessoa que estiver gerindo recurso (bem) público poderá ser sujeito ativo do ato de improbidade. Desse modo, qualquer pessoa que estiver gerindo a coisa pública é considerada AGENTE PÚBLICO para efeitos da Lei n. 8.429/1992. Então, considere que a União faça convênio com instituição sem fins lucrativos para alfabetizar idosos e o recurso público repassado à entidade seja desviado. O gestor do dinheiro é considerado agente público.

2) terceiro que “mesmo não sendo agente público, induza ou concorra para a prática do ato de improbidade ou dele se beneficie sob qualquer forma direta ou indireta” (art. 3º da Lei n. 8.429/1992). A doutrina classifica como sendo ato de improbidade impróprio.

IMPORTANTE!

IMPORTANTE!

Considere que o dono de uma construtora, com ajuda de um servidor membro de comissão de licitação, seja favorecido para realizar o contrato. Nesse caso, o dono da empresa é o terceiro que concorreu para o ato de improbidade.

Posicionamento atual do STF para os AGENTES POLÍTICOS (AC 3585 AgR/RS):

• Presidente da República: responde por crime de responsabilidade (art. 102, I, c, da CF/1988).

Agentes políticos definidos na Lei n. 1.079/1950 (ministros de estado, secre- tários estaduais, ministros do STF e governador): “dupla normatividade em matéria de improbidade, com objetivos distintos” (Lei n. 1.079/1950 – Crime de Responsabilidade) e (Lei n. 8.429/1992 – Improbidade Administrativa)”, no exercício do mandato. Após, serão processados segundo as disposi- ções da Lei n. 8.429/1992.

do mandato. Após, serão processados segundo as disposi- ções da Lei n. 8.429/1992. 4 www.grancursosonline.com.br
do mandato. Após, serão processados segundo as disposi- ções da Lei n. 8.429/1992. 4 www.grancursosonline.com.br
do mandato. Após, serão processados segundo as disposi- ções da Lei n. 8.429/1992. 4 www.grancursosonline.com.br
do mandato. Após, serão processados segundo as disposi- ções da Lei n. 8.429/1992. 4 www.grancursosonline.com.br
do mandato. Após, serão processados segundo as disposi- ções da Lei n. 8.429/1992. 4 www.grancursosonline.com.br
4
4

www.grancursosonline.com.br

ANOTAÇÕES

ANOTAÇÕES Aula 1 – Lei n. 8.429/1992 Rodrigo Cardoso Jurisprudências: “Os vereadores não se enquadram dentre

Aula 1 – Lei n. 8.429/1992

Rodrigo Cardoso

Jurisprudências:

“Os vereadores não se enquadram dentre as autoridades submetidas à Lei n.1.070/1950, que trata dos crimes de responsabilidade, podendo responder por seus atos em sede de Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa. O precedente do STF invocado pelos recorren- tes – Rcl 2.138/RJ – em apoio à tese sobre o descabimento da ação de improbidade em face de agente político de qualquer esfera do Poderes da União, Estados e Municípios, não se presta, porque cuida de caso específico de Ministro de Estado”. REsp 135767/SP, Rel. Minis- tro CASTRO MEIRA, SEGUNDA TURMA, julgado em 25.05.2010, DJe 09.06.2010)

“A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é firme em que se aplica a agentes políticos municipais, tais como prefeitos, ex-prefeitos e vereadores, as sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa (Lei n. 8.429/1992)”. (AgRg no REsp 1158623/RJ, Rel. Ministro HAMILTON CARVALHIDO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 18.03.2010, Dje 9.04.2010).

Rel. Ministro HAMILTON CARVALHIDO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 18.03.2010, Dje 9.04.2010). 5 www.grancursosonline.com.br
Rel. Ministro HAMILTON CARVALHIDO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 18.03.2010, Dje 9.04.2010). 5 www.grancursosonline.com.br
Rel. Ministro HAMILTON CARVALHIDO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 18.03.2010, Dje 9.04.2010). 5 www.grancursosonline.com.br
Rel. Ministro HAMILTON CARVALHIDO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 18.03.2010, Dje 9.04.2010). 5 www.grancursosonline.com.br
Rel. Ministro HAMILTON CARVALHIDO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 18.03.2010, Dje 9.04.2010). 5 www.grancursosonline.com.br
5
5

www.grancursosonline.com.br