Вы находитесь на странице: 1из 2

FILOSOFIA - 01

DO MITO AO LOGOS: O SURGIMENTO DA FILOSOFIA

 Historicamente a Filosofia surgiu na Grécia, por volta do século VI a.C., com Tales de Mileto.

 O que Tales fez de tão original? Ele procurou estabelecer, de modo racional, uma explicação
para o surgimento do cosmos e de tudo o que nele existe. Essa forma nova de apresentar a
natureza contrastava com a tradicional explicação mitológica.

O papel dos mitos na sociedade grega

 A palavra “mito”, em grego, significava “narrativa”. Os mitos explicavam os fenômenos


naturais recorrendo a explicações sobrenaturais como a ação de divindades, por exemplo.
Os gregos eram politeístas, ou seja, acreditavam em vários deuses: Zeus, Hefesto, Ares,
Afrodite, Atena, etc.

 Esses mitos são produto da tradição cultural do povo e eram transmitidos oralmente. Poetas
como Homero (séc. IX a.C.), que compôs a Ilíada e a Odisseia; e Hesíodo (VIII a.C.), com a
Teogonia, são as principais fontes de nosso conhecimento dos mitos gregos, mas não são os
criadores desses mitos.

 Os mitos moldavam a forma de vida das pessoas, isto é, o modo como a pessoa via e vivia
em sociedade.

 Mas quais condições permitiram o surgimento da Filosofia nesse mundo fortemente


influenciado pelos mitos?

O contexto sociocultural do surgimento da Filosofia

 Decadência da monarquia grega e surgimento das cidades-Estado, onde a participação


política dos cidadãos é mais ativa.

 Surgimento da democracia

 Crescimento das atividades comerciais: uma visão mais concreta da realidade.

Características do novo pensamento filosófico grego

 A noção de physis (natureza)

 A causalidade interpretada em termos estritamente naturais.

 O conceito de arque ou elemento primordial.

 A concepção de cosmo (o universo racionalmente ordenado).

 O logos como racionalidade desse cosmo e como explicação racional.

 O caráter crítico dessas novas teorias que eram sujeitas à discussão evitando o dogmatismo
e fazendo com que se desenvolvessem, transformando-se e reformulando-se.
EXERCÍCIOS

1. (UEL 2007) “Há, porém, algo de fundamentalmente novo na maneira como os Gregos puseram a
serviço do seu problema último - da origem e essência das coisas - as observações empíricas que
receberam do Oriente e enriqueceram com as suas próprias, bem como no modo de submeter ao
pensamento teórico e casual o reino dos mitos, fundado na observação das realidades aparentes do
mundo sensível: os mitos sobre o nascimento do mundo.”

Fonte: JAEGER, W. Paidéia. Tradução de Artur M. Parreira. 3.ed.


São Paulo: Martins Fontes, 1995, p. 197.

Com base no texto e nos conhecimentos sobre a relação entre mito e filosofia na
Grécia, é correto afirmar:

a) Em que pese ser considerada como criação dos gregos, a filosofia se origina
no Oriente sob o influxo da religião e apenas posteriormente chega à Grécia.
b) A filosofia representa uma ruptura radical em relação aos mitos, representando uma nova forma
de pensamento plenamente racional desde as suas origens.
c) Apesar de ser pensamento racional, a filosofia se desvincula dos mitos de forma gradual.
d) Filosofa e mito sempre mantiveram uma relação de interdependência, uma
vez que o pensamento filosófico necessita do mito para se expressar.
e) O mito já era filosofia, uma vez que buscava respostas para problemas que até
hoje são objeto da pesquisa filosófica.

2. (Enem 2015) A filosofia grega parece começar com uma ideia absurda, com a proposição: a água
é a origem e a matriz de todas as coisas. Será mesmo necessário deter-nos nela e leva-la a sério? Sim,
e por três razões: em primeiro lugar, porque essa proposição enuncia algo sobre a origem das coisas;
em segundo lugar, porque o faz sem imagem e fabulação; e enfim, em terceiro lugar, porque nela
embora apenas em estado de crisálida, está contido o pensamento: Tudo é um.

NIETZSCHE. F. Crítica moderna. In: Os pré-socráticos. São Paulo: Nova Cultural. 1999

O que, de acordo com Nietzsche, caracteriza o surgimento da filosofia entre os gregos?

a) O impulso para transformar, mediante justificativas, os elementos sensíveis em verdades racionais.


b) O desejo de explicar, usando metáforas, a origem dos seres e das coisas.
c) A necessidade de buscar, de forma racional, a causa primeira das coisas existentes.
d) A ambição de expor, de maneira metódica, as diferenças entre as coisas.
e) A tentativa de justificar, a partir de elementos empíricos, o que existe no real.

3. (UFU 2013) A atividade intelectual que se instalou na Grécia a partir do séc. VI a.C. está
substancialmente ancorada num exercício especulativo-racional. De fato, “[…] não é mais uma
atividade mítica (porquanto o mito ainda lhe serve), mas filosófica; e isso quer dizer uma atividade
regrada a partir de um comportamento epistêmico de tipo próprio: empírico e racional”.

SPINELLI, Miguel. Filósofos Pré-socráticos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1998, p. 32.

Sobre a passagem da atividade mítica para a filosófica, na Grécia, assinale a alternativa correta.

a) A mentalidade pré-filosófica grega é expressão típica de um intelecto primitivo, próprio de


sociedades selvagens.
b) A filosofia racionalizou o mito, mantendo-o como base da sua especulação teórica e adotando a
sua metodologia.
c) A narrativa mítico-religiosa representa um meio importante de difusão e manutenção de um saber
prático fundamental para a vida cotidiana.
d) A Ilíada e a Odisseia de Homero são expressões culturais típicas de uma mentalidade filosófica
elaborada, crítica e radical, baseada no logos.